Você está na página 1de 47

Ana paula fiamoncini

O que é Ética?

• Ética é o nome dado ao ramo


da filosofia dedicado aos assuntos morais. A
palavra ética é derivada do grego, e significa
aquilo que pertence ao caráter.
• Num sentido menos filosófico e mais prático
podemos compreender um pouco melhor esse
conceito examinando certas condutas do nosso
dia a dia, quando nos referimos por exemplo, ao
comportamento de alguns profissionais tais
como um médico, jornalista, advogado.
• Para estes casos, é bastante comum ouvir expressões como: ética
médica, ética jornalística.
• A ética pode ser confundida com lei, embora, com certa
freqüência, a lei tenha como base princípios éticos. Porém,
diferentemente da lei, nenhum indivíduo pode ser compelido,
pelo Estado ou por outros indivíduos, a cumprir as normas éticas,
nem sofrer qualquer sanção pela desobediência a estas; mas a lei
pode ser omissa quanto a questões abrangidas pela ética.
• A ética abrange uma vasta área, podendo ser
aplicada à vertente profissional. Existem códigos
de ética profissional que indicam como um
indivíduo deve se comportar no âmbito da sua
profissão.
ética profissional
A ética profissional é baseada nos comportamentos que são

adequados para uma boa convivência em um ambiente

corporativo. Ela também é vista como o conjunto de normas e

regras dentro de uma empresa e que devem ser seguidas pelos

seus funcionários visando o crescimento da mesma e também

tendo como objetivo a construção de um ambiente saudável,

amigável e produtivo.
• Apesar de cada profissão ou empresa ter o seu
próprio código de conduta, alguns elementos são
universais e, por isso, aplicáveis a qualquer
atividade profissional, como a honestidade,
responsabilidade, competência, entre outros.
• Além disso, a ética profissional no trabalho requer,
muitas vezes, renunciar oportunidades ou
benefícios para agir em prol dos valores.
Moral?
• O que é moral?

• O que você entende quando se fala, você não tem


moral para isto!

• discutição: quero que cada uma escreva e fale o


que acha que é moral?
MORAL
• Conjunto de regras que trata dos atos humanos,
dos bons costumes e dos deveres do homem em
sociedade e perante os de sua classe.
Diferença entre ética e moral
• A ética é um tipo de postura e se refere a um modo de ser, à
natureza da ação humana, ou seja, como lidar diante das
situações da vida e ao modo como convivemos e
estabelecemos relações uns com os outros.
• Moral:deriva do latim mores, que significa “costume”. Aquilo
que se consolidou ou se cristalizou como sendo verdadeiro
do ponto de vista da ação. A moral é fruto do padrão cultural
vigente e incorpora as regras eleitas como necessárias... -
Exemplos de éticas:
• Não usar produtos Piratas;
• Não furar a fila;
• Não jogar lixo em lugares inapropriados;
• Não sonegas impostos;
• Respeito à hierarquia dentro do ambiente de
trabalho ou religioso.
Exemplos de moral!
• Ajudar as pessoas deficientes em suas
necessidades;
• Ajudar o próximo nas suas necessidades, físicas
e emocionais;
• Cumprir seus deveres quanto a cidadania;
• Manter uma conduta sexual respeitos;
O QUE É DIREITO?
• O que é justo e conforme com a lei e a justiça.
Conheça abaixo os dez mandamentos universais
da ética profissional no ambiente corporativo.

• SEJA HONESTO;
• NUNCA FAÇA ALGO QUE VOCÊ NÃO POSSA ASSUMIR;
• SEJA HUMILDE;
• FAÇA CRÍTICAS EDUCADAMENTE;
• RESPEITE A PRIVACIDADE;
• ASSUMA SEMPRE AS CONSEQUÊNCIAS DE SEUS ATOS;
• EVITE FOFOCA;
• RESPEITE A HIERARQUIA;
• RECONHEÇA O MÉRITO ALHEIO;
• RECONHEÇA SEUS ERROS;
Ética na podologia:
• Agora que soubemos de modo geral o que é
ética, o que entende-se de ética podologica?
• Ética profissional, refere-se a atitudes, regras
e ações humanas no campo profissional, é pela
profissão que o individuo se destaca e se realiza,
provando sua capacidade, habilidade, sabedoria
e inteligencia. Em todas as profissões a ética esta
presente.
• Na Podologia não é diferente, se muitos exercem
a mesma profissão é preciso que ocorra uma
disciplina de conduta, ou seja, um código
de ética, uma ordem nas classes profissionais a
fim de se eliminar conflitos e evitar que se
macule (manche) o bom nome e o conceito social
de uma categoria profissional.
• Para que um código de ética seja organizado
deve apoiar-se nas virtudes a serem respeitadas
e exigidas no exercício da profissão. 

As virtudes básicas são:  Justiça - Prudência -
Força , são comuns a todos os códigos.
O QUE É JUSTIÇA?
• “A Justiça foi feita para compor os litígios e
trazer a paz social. Compor os litígios é conciliar.
O QUE É PRUDENCIA?
• Característica de quem se comporta de maneira
a evitar perigos ou conseqüências ruins, de quem
é prudente; precaução. Em que há sensatez; que
demonstra ou age com paciência; ponderação,
calma.
O QUE É FORÇA?
• FORÇA DA LEI, COMO POSSO USAR A MEU
FAVOR?
ACAPO: ASSOÇIAÇÃO DOS PODOLOS DE SC.
• CÓDIGO DE ÉTICA DO PODÓLOGO:
Da ética Profissional:
• Art. 11 do Estatuto da ACAPO. – Todos os sócios
são passíveis de se lhes aplicarem as normas
éticas promulgadas pela Diretoria da A.B.P. e
ratificadas pela Assembléia Geral Extraordinária
de 18/12/95.
Capítulo I – DISPOSIÇÕES PRELIMINARES:
• Art. 01 – Conforme Cap. III, Art. 10 do Estatuto
em vigor da Associação Catarinense de
Podólogos – ACAPO, que outorga à Diretoria a
responsabilidade da formação do Código de ética
do Podólogo. O presente Código de Ética, terá
abrangência aos sócios da ACAPO Efetivos,
Remidos e Aspirantes.
• Art. 02 – Foi aprovada com o apoio da
Delegação Brasileira, na Assembléia Plenária de
Delegados da Confederação Latino-americana de
Podólogos, em 14 de dezembro de 1991, em que
define ao nível dos países membros da C.L.P.
Podologia é a ciência que estuda o pé em seus
aspectos Anatômicos, Fisiológicos e Patológicos.
O Podólogo, é a pessoa que pratica a Podologia.
• Art. 03 – O Podólogo é o profissional da área da saúde
com formação científica e técnica para cuidar e tratar
das afecções superficiais dos pés, assim como, com
conhecimentos necessários para indicar e encaminhar
o paciente ao profissional especializado quando
necessário, sendo o mesmo reconhecido legalmente
pelos órgãos governamentais competentes.
Capítulo II – DOS DIREITOS
• Art. 04 – São direitos do Podólogo:
I – Autonomia para anamnese e diagnóstico
podológico.
• II – Livre arbítrio para indicar a podoterapia que
julgar adequada.
III – Participar de equipe multiprofissional
de saúde.
Capítulo III – DOS DEVERES
• Art.05 – Constituem deveres e princípios do
Podólogo:

• I – Deve o Podólogo tratar e respeitar com toda a


dignidade e pudor, o paciente dentro de seu local
de trabalho, independente da cor, etnia,
condição social, política e crença.
II – Tem por obrigação dar toda
assistência e atenção ao paciente
sob sua responsabilidade.
• III – É dever do podólogo atualizar-se com o
avanço tecnológico e científico da profissão,
participando de reuniões, cursos, seminários,
congressos e eventos culturais, para melhor
servir aos seus pacientes e ao desenvolvimento
da profissão.
• IV – Para exercer a podologia com honra e
dignidade, o podólogo deve ter seu trabalho
remunerado de forma justa.
• V – Ter consciência e responsabilidade plena de
não exceder seu campo de ação.
• VI – Observar as normas e determinações da
Legislação Sanitária.
• VII – Manter sob sigilo o nome do paciente.
Excetuando-se a solicitação do Poder Judiciário.
Capítulo IV – DOS RELACIONAMENTOS COM
OS COLEGAS:
• Art. 06 – São deveres para com os colegas:

• I – Não praticar atos que impliquem em


concorrência desleal para com os colegas.
• II – Quando solicitado a cooperar com um
colega, procurar colaborar de maneira total,
comunicando seu parecer ao mesmo; sem dar
conhecimento ao paciente
• II – Respeitar em público seus colegas, com
dignidade e consideração, de forma a não
diminuir seu conceito perante a sociedade.
IV – O podólogo, pode ou não exigir
remuneração a colegas.
• V – Não ser conivente em erros técnicos e
infrações éticas de colega.
Capítulo VI– DOS PACIENTES
• Art.07 – São deveres para com os pacientes:
I – É de competência do Podólogo, orientar e
disciplinar os cuidados necessários para o bem-
estar do paciente, assim como agir de maneira
criteriosa na execução do tratamento
podológico.
• O Podólogo não deve induzir, persuadir ou
recomendar ao paciente um profissional de seu
conhecimento, sabendo que o mesmo é tratado
por outro; e não ser quando solicitado pelo
paciente a indicar outro profissional.
Capítulo VI – DOS OUTROS PROFISSIONAIS
DA SAÚDE
• Art. 08 – Relacionamento com outros
profissionais da saúde:

I – O Podólogo, quando solicitado a cooperar
com um profissional da saúde, deve dar o seu
parecer ao solicitante, sem propor seus
préstimos profissionais; a não ser quando
solicitado pelo mesmo.
• II – O Podólogo, quando recomendado por outro
profissional da área da saúde, deverá executar o
tratamento solicitado e orientar o paciente sobre
outras podoterapias, se existentes.