P. 1
punção venosa

punção venosa

|Views: 7.541|Likes:
Trabalho disponibilizado via internet. Adicionado ao Blog para os alunos do curso tecnológico de radiologia
Trabalho disponibilizado via internet. Adicionado ao Blog para os alunos do curso tecnológico de radiologia

More info:

Published by: Maria Lucia Lima soares on May 29, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2013

pdf

text

original

Acesso Venoso por Punção

Carlos Adriano

Acesso Venoso por Punção
Carlos Adriano Silva dos Santos Aldemar Araujo Castro

O capítulo encontra-se dividido em duas partes: a) acesso venoso periférico; b) acesso venoso central. ACESSO PUNÇÃO VENOSO PERIFÉRICO POR

Figura 2 - Identificado o vaso a ser puncionado, providencia-se a anti -sepsia rigorosa do situ de punção.

Figura 1 - Depois do informe prévio ao doente sobre o procedimento a ser realizado, providencia-se a escolha do vaso a ser puncionado, preferindo-se uma veia tronco do antebraço. Após compressão proximal opta -se pela via preferencial e de acordo com a necessidade, quanto mais distal a fossa cubital melhor. Figura 3 - Com o cateter angulado perpendicular a pele e paralelo a veia efetua-se a punção.

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 1 de 6

Acesso Venoso por Punção

Carlos Adriano

Figura 4 - Dirigi -se a ponta do cateter à veia, desta forma minimizando a mobilidade desta, favorecendo-se a sua cateterização.

Figura 7 - Efetua-se a conexão do equipo de soro ao jelco e se observa fluxo, com o livre escoamento do volume infundido, e refluxo, com o retorno de sangue pelo equipo.

Figura 5 - No momento em que o cateter é introduzido à veia há um refluxo de sangue que irá preencher toda a câmara posterior deste. Neste momento retrai-se a agulha e progride-se o jelco.

Figura 8 - Estabilização e fixação do cateter à pele. Este procedimento deverá obedecer ao mesmo rigor da punção.

Figura 6 - Retira-se a agulha e se observa o refluxo de sangue por este, vindo a seguir a oclusão proximal da veia puncionada afim de evitar um refluxo contínuo. Prepara-se a conexão do equipo de soro previamente montado.

Figura 9 - Exemplo de complicação do acesso venoso periférico, infiltração de soro no subcutâneo. O motivo desta complicação é devido ao tipo de cateter utilizado (scalp).

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 2 de 6

Acesso Venoso por Punção
Figura 10 - Exemplo do que nunca deveri amos ver. Primeiro, o acesso venoso no membro inferior e segundo a utilização deste tipo de cateter (deve ser utilizado apenas na injeção temporária de medicamento por via intravenosa com seringa).

Carlos Adriano

ACESSO VENOSO CENTRAL POR PUNÇÃO DA VEIA SUBCLÁVIA

Figura 4 - Divide-se a clavícula em três segmentos (medial, intermédio e lateral), na junção do terço medial com o terço intermédio realiza-se anestesia local, infundindo-se em todos os planos, ao longo do trajeto da punção, e no periósteo da clavícula. Deve-se ter o cuidado para não injetar anestésico intravascular.

Figura 1 - Depois do informe prévio ao doente sobre o procedimento a ser realizado, providencia-se a escolha do lado a ser puncionado. O paciente é colocado em decúbito dorsal, em Trendelemburg, com a rotação contra-lateral da cabeça.

Figura 5 - Introduz-se a agulha de punção paralelamente à clavícula por sob esta em direção à fúrcula esternal, progredindo-a cautelosamente e sobre pressão negativa na seringa.

Figura 2 - Providencia-se uma ampla anti -sepsia envolvendo a região ântero-lateral do pescoço, hemitórax e a raiz do membro superior.

Figura 6 - No momento em que se punciona a veia um fluxo rápido e intenso é obtido. A confirmação da posição é garantida progredindo e regredindo minimamente a agulha.

Figura 3 - Realiza-se assepsia ampla com campos operatórios.

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 3 de 6

Acesso Venoso por Punção

Carlos Adriano

Figura 10 - O cateter é progredido ao longo da bainha. Observar se há presença de resistência, se presente não forçar a progressão e providenciar uma outra punção.

Figura 7 - Confirmada a posição intravenosa, retira-se a agulha, mantendo-se a bainha introdutória. Figura 11 - Ao final da progressão do cateter desconectar o invólucro.

Figura 8 - A bainha é ocluída com o dedo temporariamente para evitar embolia gasosa. Figura 12 - Visualização do cateter na bainha introdutória.

Figura 9 - A seringa é então conectada à bainha e novamente é testado a posição da punção, apenas aspirando o sangue.

Figura 13 - Retira-se a bainha e providencia a sua abertura.

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 4 de 6

Acesso Venoso por Punção
Figura 14 - Confirma-se a posição do cateter apenas aspirando o sangue.

Carlos Adriano

Figura 17 - Visualização final da cateterização.

Figura 15 - Fixação do cateter à pele do paciente.

Figura 18 - Acesso venoso central por punção da veia subclávia esquerda por via infraclavicular. Note a presença de dois cateteres independentes pela mesma via.

Figura 16 - Efetua-se a conexão do equipo de soro ao cateter e se observa fluxo, com o livre escoamento do volume infundido, e refluxo, com o retorno de sangue pelo equipo.

Figura 19 - Acesso venoso central por punção da veia subclávia esquerda por via infraclavicular com cateter de duplo-lumen para hemodiálise.

CONSIDERAÇÕES FINAIS O acesso venoso, periférico ou central, por punção, é uma procedimento básico no dia-adia da angiologia e cirurgia vascular. A habilidade para sua realização e indicação devem ser desenvolvidas por qualquer membro da especialidade e por outros especialistas médicos.

REFERÊNCIAS
1.

Pitta GBB. Acesso venoso por punção. In: Batista Neto J. editor. Cirurgia de urgência: condutas. Rio de Janeiro: Revinter; 1999. p. 134-139. Versão prévia publicada: Nenhuma Conflito de interesse: Nenhum declarado. Fontes de fomento: Nenhuma declarada. Data da última modificação: 13 de outubro de 2000.

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 5 de 6

Versão preliminar

Acesso Venoso por Punção

Carlos Adriano

Como citar este capítulo: Santos CAS, Castro AA. Acesso venoso por punção. In: Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia v ascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro Sobre os autores:

Carlos Adriano Silva dos Santos Cirurgião Vascular do Hospital Memorial Arthur Ramos, Maceió, Brasil.

Aldemar Araujo Castro Professor Assistente, Mestre, do Departamento de Medicina Social da Fundação Universitária de Ciências da Saúde de Alagoas / Escola de Ciências Médicas de Alagoas, Maceió, Brasil. Endereço para correspondência: Aldemar Araujo Castro Rua Mal. Álvaro Alvim Câmara 108/602. 57036-660 Maceió, AL Fax: +82 221 8538 Correio eletrônico: aldemar@evidencias.com URL: http://www.evidencias.com/aldemar

Pitta GBB, Castro AA, Burihan E, editores. Angiologia e cirurgia vascular: guia ilustrado. Maceió: UNCISAL/ECMAL & LAVA; 2003. Disponível em: URL: http://www.lava.med.br/livro

16/05/2003

Página 6 de 6

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->