Você está na página 1de 36

FISICA BÁSICA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Apostila da disciplina Tomografia Computadorizada do Curso Tecnológico de Radiologia da


UNCISAL
Profª Maria Lúcia Lima Soares

Esta apostila é uma compilação de numerosas fontes e tem como único objetivo orientar o estudo dos alunos do 4º
período em relação à disciplina “Tomografia Computadorizada” para o fim específico da primeira avaliação do
semestre 2009-1.

Introdução
Nos últimos 40 anos nenhum desenvolvimento tecnológico na área de imagem foi tão
importante quanto a Tomografia Computadorizada (TC). Avanços na tecnologia helicoidal e
subsequentemente na tecnologia de múltiplos detectores, tem oferecido tantas opções que
chega a ultrapassar nossa capacidade de atualização.
No final da década de 50 os componente necessários já estavam disponíveis, mas foi apenas
em 1967 que o projeto da TC foi apresentado pelo engenheiro inglês Sir Godfrey Hounsfield
(1919-2004) e pelo físico sul-africano Allan M. Cormack que desenvolveu a parte matemática.
Ambos receberam o prêmio Nobel de Medicina de 1979 .

Allan M.Cormack e Sir Godfrey Hounsfield

Princípios básicos
Os princípios físicos da Tomografia Computadorizada (TC) são os mesmos da radiografia
convencional. Para a obtenção de imagens são utilizados os Raios-x (RX). Enquanto na radiografia
convencional o feixe de RX é piramidal e a imagem obtida é uma imagem de projeção, na TC o feixe é
emitido por uma pequena fenda e tem a forma de leque.
o
Na tomografia computadorizada o tubo de RX gira 360 em torno da região do corpo a ser
estudada e a imagem obtida é tomográfica ou seja são obtidas “fatias” (slices em inglês). Em oposição
ao feixe de RX emitidos temos um sistema detector de fótons que gira sincrônicamente ao feixe de RX,
mas que também pode ser fixo nos tomógrafos mais modernos. Como na radiografia convencional as
características das imagens vão depender das informações colhidas a respeito da absorção de fótons
pelo objeto em estudo.
Dessa forma, a quantidade de fótons recebidos pelos detectores depende da espessura do
objeto e da capacidade deste de absorver os RX. Os detectores de fótons da TC transformam os fótons
emitidos em sinal analógico. Quanto mais fótons de RX atingem os detectores, maior é a diferença de
potencial, ou voltagem que cada detector fornece ao computador – sinal analógico. O sinal analógico vai
ser convertido em sinal digital através do sistema de computação e será processado para formar a
imagem final que apesar de processada digitalmente, será de novo uma imagem analógica.
A TC atualmente utiliza um feixe “em leque” diferentemente
do RX convencional que utiliza um feixe piramidal.

Estrutura e funcionamento de um tomógrafo


Um tomógrafo é formado por um tubo de RX conectado mecânicamente e eletrônicamente a
um sistema de detectores. Este conjunto gira 360 graus em torno do paciente. As estruturas corpóreas
vão atenuar o feixe de RX dependendo de vários fatores, entre eles sua densidade e número atômico.
Depois de passar pelo corpo a radiação atinge finalmente os detectores.
Um giro de 360º produz uma “vista” que é um conjunto de projeções compostas por sua vez de
um núero variável de “raios”. Cada vista produz um conjunto de sinais analógicos que são enviados ao
sistema de computação. Ao término de cada giro o sistema tubo/detectores volta à posição inicial e a
mesa sobre a qual está o paciente, move-se alguns milímetros. Este processo vai se repetindo e gera
uma enorme quantidade de dados. Esse processo caracteriza o escaneamento passo a passo que difere
do escaneamento helicoidal, como veremos mais para frente.

Inicialmente o feixe de RX do tomógrafo tinha formato “em lápis” – cilíndrico (A). De


para o feixe “em leque”(B) – este segundo formato reduz o nº de incrementos angula
varredura, ou seja, o feixe atinge não apenas um detector, mas vários detectores ao m
precisa mais “varrer” o objeto de grau em grau.

Os sinais elétricos gerados pelos detectores contém informação a respeito do quanto o feixe foi
atenuado por cada estrutura do corpo (“coeficientes de atenuação”). Estas informações são acopladas
aos dados sobre posição da mesa e do cabeçote. Dessa forma é possível a determinação das relações
espaciais entre as estruturas internas e a fatia selecionada do corpo.
Os sinais elétricos analógicos são então enviadas ao sistema de computação que através de
algoritmos específicos vai transformá-los em sinais digitais para compor as imagens que iremos ver na
tela do computador.
O tomograma calculado, ou seja, a imagem que vemos na tela do computador, corresponde a
uma matriz dos valores de atenuação do feixe, visualmente apresentada em tons de cinza, em
formato analógico.
Atualmente há vários tipos de tomógrafos: (1) Convencional ou simplesmente Tomografia
Computadorizada (passo a passo); (2) Tomografia Computadorizada helicoidal ou espiral; (3) Tomografia
Computadorizada “multi-slice” e (4) Tomógrafos mais sofisticados, como “ultra-fast” e “cone-beam”. Na
tomografia helicoidal o tubo de RX gira em torno do paciente e os detectores podem girar também ou
permanecerem estáticos. A mesa desloca-se simultâneamente e a trajetória do feixe de RX ao redor do
corpo é uma espiral.

SISTEMAS DE VARREDURA
O sistema de TC foi evoluindo desde a sua criação conforme comentamos acima. Agora vamos descrever
os diferentes tipos de varredura de cada “geração” dos tomógrafos:

1.Tomógrafo de Primeira Geração (rotação/translação com detector único): este foi o primeiro
sistema comercialmente disponível. Nele um feixe de RX cilíndrico e estreito (“em lápis”) varre o
corpo fazendo uma meia volta (180º) com passos de 1 grau . A cada passo de um grau realiza uma
translação, após um número “x” de translações faz uma rotação e assim por diante, gerando 180
projeções a cada volta.

Tomógrafo de primeira geração :


• Surgiu em 1972
• Feixe “em lápis”
• Detector único
• Rotação/translação
• 5 minutos para fazer um corte

2. Tomógrafo de Segunda Geração: o procedimento de varredura é semelhante aos


tomógrafos de primeira geração porém um feixe “em leque” substitui o feixe “em lápis” e o
detector único é substituido por múltiplos detectores. Assim o tempo de corte cai de minutos
para segundos (em torno de 20 segundos).

Tomógrafo de segunda geração:


• Surgiu em 1974
• Feixe “em leque” com ângulo de abertura de 10 graus
• Múltiplos detectores (~30)
• Rotação/translação
• Múltiplos ângulos de aquisição em cada posição
• Maior ângulo de rotação
• Tempo de varredura entre 10-90 segundos

3. Tomógrafo de Terceira Geração: o feixe em leque e os detectores acoplados tem


dimensões suficientes para envolver toda a circunferência do paciente, não havendo mais
necessidade do movimento de translação. Possuem cerca de 500-1000 detectores e o
movimento de rotação é bem mais rápido – chegando a 0.5 segundos por rotação.

Tomógrafo de terceira geração:


• Surgiu entre 1975-1977
• Feixe “em leque”mais largo envolvendo toda a
circunferência do paciente 4. Tomógrafo de Quarta Geração: o círculo de detectores
• Apenas rotação permanece estacionário e o tubo gira em torno do
• Múltiplos ângulos de aquisição em cada posição
paciente.
• 500-1000 detectores
• Tempo de rotação mais curto – até 0.5 segundos
• Tempo de varredura entre 2 -10 segundos
Tomógrafo de quarta geração:
• Surgiu em 1981
• Feixe “em leque”, largo
• Rotação do tubo
• Múltiplos detectores estacionários (até 2000) circundando
completamente o paciente
• Tempo de rotação mais curto – até 0.5 segundos

5. Tomógrafo Helicoidal: combina a rotação do portal com o movimento da mesa. O tubo de


RX realiza um movimento espiral, contínuo em torno do paciente.

Em TC helicoidal um conceito importante é o de “pitch” em inglês, ou passo, em portuguê

Passo = deslocamento da mesa a cada giro de 360 graus / espessura de corte

Se a mesa desloca-se 5 mm a cada rotação de 360 graus do tubo e a espessura de corte é


passo é : 5/5 = 1

Os tomógrafos helicoidais podem ter uma fileira única de detectores ou múltiplas fileiras de
detectores. Estes últimos são denominados “multislice” – lembrando que slice (inglês) quer
dizer fatia em português. Podem ter 4, 16, 32 ou 64 fileiras de detectores - isto significa que a
cada giro de 360 graus podemos obter 4, 16, 32 ou 64 cortes. Assim em uma mesma extensão
um tomógrafo multislce de 64 fileiras de detectores, pode obter 64 vezes mais imagens que um
tomógrafo de fila única de detectores.

1972 1980 1990 2000


Tempo escaneamento(s) 300 5 1 0.5
Dados por giro de 360 graus 58 kb 1 MB 2MB 12MB
Matriz 80 x 80 256 x 256 512 x 512 512 x 512
Potência do tubo (kW) 2 10 40 60
Espessura de corte (mm) 13 2-10 1-10 0.5 -5

No Tomógrafo helicoidal são contínuos:


• Rotação do tubo e detectores (em alguns aparelhos os detectores podem ser fixos)
• Emissão de RX
• Movimento da mesa
• Aquisição de dados
A

Nos tomógrafos convencionais a aquisição de dados ocorre passo a passo, com intervalo entre os cortes (A). Nos tomógrafo
(B) o movimento do tubo, dos detectores e da mesa é contínuo, da mesma forma que a emissão dos RX

Vantagens da TC helicoidal:
 Maior velocidade de escaneamento:
 Exames mais rápidos
 Maior número de pacientes
 Redução de artefatos de movimento
 Diminue a dose de contraste EV e permite avaliar diferentes fases da passagem do
mesmo pelas vísceras
 Aquisição volumétrica (sem espaçamento)
 Aumenta a capacidade de diagnosticar pequenas lesões
 Reformação de alta qualidade

Ao lado vocês podem ver um exemplo de


multiplanar de alta qualidade em TC helico
obtidas sem espaçamento – aquisição volu
axial. Após o término do exame podemos
obtidos em qualquer plano – sagital, coron
isso eliminamos a necessidade do paciente
e ser novamente irradiado para obtermos
diferentes planos. Além de reduzir o temp
desconforto para o paciente.
PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM TOMÓGRAFO
Qualquer tomógrafo, independentemente de sua geração apresenta os seguintes componentes:
A) Sistema de varredura:
• Gantry ou portal em português
o Tubo de RX
o Colimador
o Gerador
o Detectores
• Sistemac de aquisição de dados
B) Sistema de omputação:
• Sistema de processamento de imagens
• Sistema de reconstrução de imagens

O sistema é completado com a parte de alta tensão, mesa motorizada,console e estação de


trabalho para o radiologista manipular as imagens, processadora e impressora para documentação. É
importante lembrar que cada uma dessas partes é constituída de numerosos componentes mecânicos e
eletrônicos. Um sistema altamente complexo cuja primeira idéia vocês terão no curso teórico, irão
acompanhar nas aulas práticas e seguirão pela vida profissional aprendendo um pouco mais todos os
dias.
Esses componentes são agrupados em módulos que conhecemos como “armários”, localizados em
uma mesma sala ou em localizações diversas, dependendo da funcionalidade. O portal atualmente
incorporou vários destes módulos e a cada dia que passa o sistema todo se torna mais compacto,
chegando a simplificação máxima que são os tomógrafos móveis.

1) Gantry (portal): maior componente de um sistema tomográfico. Estrutura complexa do ponto


de vista mecânico, cujo funcionamento elétrico não difere de um sistema de RX convencional.
Contém o tubo de RX com anodo giratório refrigerado a òleo ou água, filamento que pode ser
simples ou duplo (dual); filtros e colimadores,sistema de aquisição de dados,motores e
sistemas mecânicos que permitem angulação e posicionamento (laser).
Engrenagens e motores elétricos garantem precisão e velocidade ao sistema de rotação.
Pistões hidráulicos permitem a angulação que pode alcançar até 30 graus, o que é importante
para alinhar a anatomia quando necessário.
Os detectores são dispostos em oposição ao tubo ou como nos tomógrafos mais modernos, em
toda a circunferência do portal, podendo ser móveis ou estáticos. Junto aos detectores
encontram-se placas e circuitos eletrônicos responsáveis pela transdução da informação sobre
a quantidade absorção do feixe de RX pelo corpo do paciente, em sinal eletrônico analógico. A
seguir essa informação é digitalizada e será transmitida ao computador que fará os cálculos
matemáticos necessários para a formação da imagem digital; esta por sua vezserá reconvertida
em imagem analógica que é a imagem que o humano reconhece.
A tecnologia de anéis deslizantes (“slip rings”) - dispositivos eletro-mecânicos condutores de
eletricidade – eliminou a necessidade de cabos de alta tensão, o que permite rotação contínua
sem a interferência de cabos.
A abertura é relativamente estreita – em torno de 70-85 cm.
Tubo

Abertura

Detectores

Imagens do portal fechado e aberto demonstrando a complexidade eletrônica e mecânica

2) Cabeçote: é muito semelhante ao cabeçote de um sistema RX convencional, todavia devido ao


funcionamento constante do tubo, é necessário um sistema eficiente de refrigeração –
lembrando que perto de 99% da energia gerada é transformada em calor e apenas 1% em
fótons. Durante segundos de funcionamento o tubo gera de 1000 a 10000 vezes mais calor do
que um sistema convencional.
Vamos exemplificar através de uma fórmula matemática a magnitude deste efeito:
Et = kV x mA x t
Para um RX convencional de tórax: 80kV, 200 mA, 0,05s (10 mAs)
80 x 200 x 0.05 = 800 HU (“heat units” = unidades calorimétricas)
Para uma TC de tórax: 120 kV, 200 mA, 1 s
120 x 200 x 1 = 24000 UH
Importante lembrar que numa TC de tórax a cada 30 segundos (20 cortes) a ampola sofrerá o
impacto da produção de 24000 x 20 = 500 000 HU. As ampolas são dimensionadas para
tolerar e dissipar o calor.
3) Gerador: de alta freqüência, localizado no interior do portal. Deve permitir kilovoltagem até
140 para adequada penetração e uma larga faixa de seleção da miliamperagem.
4) Detectores: são sensores de Rx que ao receberem o impacto dos fótons medem o logaritmo da
intensidade de energia que receberam – coeficiente linear de atenuação. Devem possuir 3
características mais importantes:
a. Alta eficiência para minimizar a dose no paciente
b. Estabilidade ao longo do tempo
c. Baixa sensibildade a variações de temperatura que são muito grandes no interior do
portal
A eficiência dos detectores depende da (1) geometria, (2) capacidade de captura do fóton e (3)
conversão do sinal. Trata-se de um segredo industrial que define a eficiência do equipamento.
A eficiência geometrica está ligada à área do sensor que é sensível aos RX em relação à área
total do sensor que será exposta ao feixe. Separadores finos intercalados entre os sensores
para reduzir a radiação espalhada ou regiões insensíveis degradam a eficiência geométrica.
A eficiência quântica (captura de fótons) refere-se à fração do feixe incidente no detector que
será absorvida e contribuirá para o valor do sinal medido, pois parte da energia incidente é
transformada em calor.
A eficiência de conversão está ligada à precisão da conversão do sinal de RX absorvido em sinal
elétrico.
A eficiência total é produto dos três fatores mencionados e em geral fica entre 0.45 e 0.85 %,
isto quer dizer que há uma perda de 15 a 55% entre os fótons disponíveis para conversão e o
sinal elétrico obtido. Assim o sistema não é altamente eficiente e que pode haver necessidade
de aumentar a dose para melhorar a qualidade da imagem.
Existem dois tipos básicos de sensores comercialmente disponíveis para uso médico:
1) Sensores de Estado Sólido: consistem de um arranjo de fotodiodos e cristais de cintilação. Os
cristais são atingidos diretamente pelo feixe de RX, produzindo energia luminosa, cujos fótons
dirigem-se para o diodo sensível a luz.

detectores

Cristal de cintilação

Fotodiodo

Pinos de solda
Pla

Esquemas de detectores de

2) Câmaras de ionização: consistem de câmara preenchida por gás comprimido (geralmente


Xenônio) na pressão de 30 atm por dois motivos: aumentar a energia das moléculas de gás
facilitando a liberação de elétrons quando incidir o RX e também para aumentar a quantidade
de átomos do gás disponível para interagir com o feixe. A câmaras é compartimentalizada
através de lâminas de Tungstênio que coletam os íons liberados. Este tipo de detector tem
eficência quântica menor se comparado ao de estado sólido.

Janela de Entrada

Câmara de pressão
Placas

Alta Tensão

Amplificador Sinal
Esquema de Detectores de Câmara de Ionizção

Nos tomógrafos de 4ª geração os


detectores são estacionários.
Quem gira é o tubo de RX. Ao lado vocês
podem ver esquema e foto do portal
aberto.

Foto do sistema de

Colimação
Necessária para reduzir a dose no paciente restringido o volume de tecido a ser irradiado e também
para melhorar a qualidade de imagem pela diminuição da radiação secundária. Normalmente existem
dois conjuntos de colimadores:
• Junto ao cabeçote (pré-paciente) – controla a radiação no paciente
• A frente dos detectores (pós-paciente) – reduz a radiação secundária,define a
espessura de corte e também limita o campo de visão (FOV - field of view)
Ao lado um esquema do tubo de RX com os colimadores que p
antes do paciente na saída do tubo (setas azuis) e após o pacie
dos detectores (setas pretas)

Sistema Elétrico
A tensão do tubo (kVp) é fornecida por sistemas trifásicos e de alta freqüência, garantindo que a
produção de fótons seja constante durante todo o exame e que o feixe tenha sempre o mesmo
espectro. O sistema de alta freqüência permite a compactação dos circuitos eletro-eletrônicos e assim o
gerador pode ser instalado dentro do portal, economizando espaço físico.

Tecnologia de anéis deslizantes (slip ring technology): na maioria dos tomógrafos de gerações
anteriores, as conexões entre os componentes do sistema rotacional do portal e os componentes da
parte estacionária do mesmo,eram feitas através de cabos de espessura limitada e havia necessidade de
necessidade de rotação de até 700 graus. O sistema precisava parar para reverter a rotação entre os
cortes. Com a tecnologia de anéis deslizantes, “escovas” elétricas permitem conexão entre os
componentes rotacionais e estacionários. Com isso foi possível desenvolver os sistemas helicoidais. A
função crítica dos sistemas de anéis deslizantes é fornecer kilowatts para energizar o tubo de RX ao
mesmo tempo que transfere sinais digitais em alta velocidade e controla estes sinais.
Anéis deslizantes

“Escovas”

Consoles de controle:
O console de controle é o centro operacional do sistema. Através dele se monitoriza o exame. Esta
unidade possui um monitor de TV com um ou dois canais, dependendo do modelo. Nos modelos para
dois canais, um deles é utilizado para o texto que é digitado no teclado e reproduzido no vídeo. O texto
corresponde a informações sobre o paciente e parâmetros de cada exame (espessura do corte, tempo,
incremento da mesa e número de cortes tomográficos por exame, entre outros ). No outro canal,
observam-se diretamente as imagens, o que permite a análise das mesmas assim que elaboradas.

Como o sistema utiliza RX a sala que abriga a unidade de varredura deve possuir adequada proteção
radiológica. As unidades de controle e de processamento devem ser mantidas a 20Cº, com umidade
relativa em torno de 50 a 60 %.
Ao lado vocês tem um esquema de um
sistema tomográfico completo com o
portal e seus principais componentes
(tubo de RX, gerador, detectores, sistema
de aquisição de dados), o sistema de
computação e geração de imagens, a
mesa e o console do operador. Vocês vão
ouvir muito a palavra “DAS” – “Digital
Archiving System” – sistema de
arquivamento digital. O “coração”
computacional de um sistema
tomográfico

Formação de imagens em Tomografia Computadorizada:


Ocorre em 3 fases:
1. Escaneamento: o tubo de RX gira em torno do paciente e o feixe é atenuado de forma
diferenciada pelas diferentes estruturas que compõem o corpo. Os detectores serão atingidos
por uma quantidade também diferenciada de fótons, dependendo do quanto o feixe foi
atenuado. Cada vez que são atingidos pelos fótons os detectores medem o logaritmo da
intensidade do sinal analógico recebido – coeficiente linear de atenuação. Este valor representa
a soma de todos os coeficientes de atenuação dos voxeis atravessados pelo raio, completando
uma projeção. Cada voxel é atravessado pelo feixe em diferentes direções, durante a rotação
do tubo. O coeficiente de atenuação de cada voxel está portanto representado em várias
somas.
2. Reconstrução: os sinais analógicos (fótons) serão lidos pelos detectores que transmitem esse
sinal ainda analógico para um conversor digital no sistema de computação. Os sinais
digitalizados serão utilizados para gerar uma imagem digital que a seguir é reconvertida a
imagem analógica, a imagem que o olho humano “entende” ou decodifica.
3. Conversão análogico-digital: os sinais analógicos gerados pela atenuação dos fótons pelo corpo
exposto ao feixe de RX devem ser convertidos em dígitos do sistema binário (sinal digital) para
serem lidos pelo sistema de computação. Uma nova fase de processamento é necessária para
reconverter o “mapa” digital em imagem analógica, para que possa ser “lida” pelo olho
humano. Os dados são convertidos através de um conversor digital-analógico (DAC), em uma
voltagem que controla o feixe de elétrons do monitor, modulando o brilho da mancha de luz
que aparece na tela do monitor. Cada nuance de brilho vai corresponder a um pixel que
contém informações sobre os coeficientes de atenuação de cada vóxel do objeto examinado.

Escaneamento:
Produz uma “fatia” (slice) da região que está sendo examinada
O que estamos medindo?
A quantidade de RX que penetra no corpo ao longo dos diferentes ângulos de aquisição, é medida
pelos detectores que interceptam o feixe após tê-lo atravessado
Obtemos então uma média de coeficientes de atenuação dos tecidos atravessados pelo feixe de RX
em cada fatia ou corte.
Ao lado vocês podem ver um esquema
simplificado do escaneamento. O tubo de RX gira
em torno de cada “fatia” do corpo e os
detectores recolhem informações a respeito de
quanto o feixe foi atenuado por cada estrutura
que atravessou.

Coeficientes de atenuação:
O coeficiente de atenuação é uma medida arbitrária criada por Hounsfield para quantificar a
atenuação do feixe de RX após atravessar o corpo. A representação de cada tecido na Escala de
Hounsfield (EH) varia de acôrdo com o quanto este absorveu de fótons de RX. A água corresponde
ao valor zero da escala,valor de referencia por ser de fácil obtenção para calibrar os aparelhos .
Tecidos muito densos como os ossos, absorvem mais fótons que tecido pouco densos como o ar
nos pulmões. Por convenção – para manter correspondência com a Radiologia - valores altos de
atenuação (ossos) são representados em branco e valores baixos (ar,gordura) em preto. A EH varia
de -1000 (ar) a +1000 (osso). Atualmente foi estendida para + 4000 para poder incluir o osso
cortical muito denso

Osso Cortical
Ar Agua

O esquema ao lado mostra um exemplo da


água. Foi selecionado arbitráriamente um i
coeficientes de atenuação de várias estrutu
encefálica ( 30 a 50 ), substância branca enc
gordura, como tem o valor mais baixo neste
o sangue coagulado, com valor mais alto, é
Gordura Agua
uma hemorragia cerebral terá densidade el
Substancia branca excelente contraste em relação ao cérebro
Substancia
Sangue coagulado

Ao lado vocês podem ver uma TC de encéfalo


demonstrando uma área de Acidente Vascular
Cerebral Hemorragico (AVCH) vem topografia dos
núcleos da base a direita em um paciente com
hipertensão arterial severa. Note o excelente
contraste entre o sangue coagulado que
apresenta alto coeficinete de atenuação (CA) e o
encéfalo que apresenta baixos CA.
Agora note como fica mais difícil visibilizar um
AVC isquêmico em topografia do tálamo
esquerdo. A isquemia produz uma lesão cuja
densidade é semelhante à substância branca
encefálica, diminuindo muito o contraste da
imagem.

QUALIDADE DE IMAGENS EM TC:


Em TC a visibilidade das imagens produzidas depende não apenas das características do tomógrafo,
mas principalmente de como o mesmo é operado, ajustando os protocolos de acordo com as
necessidades do exame que vai ser realizado.
Essa afirmação levanta uma questão interessante: se a qualidade de imagem pode ser ajustada pelo
operador, porque então não ajustar sempre para a melhor qualidade e visibilidade?
A resposta não é tão simples quanto a pergunta, mas em imagenologia medica sempre existem
ganhos e perdas a serem considerados:
• Muitas vezes quando se muda um item no protocolo para melhorar a qualidade das
imagens, uma outra característica pode ser prejudicada na sua qualidade
• Em imagenologia médica é fundamental equilibrar a qualidade de imagens e a dose para o
paciente
Um protocolo otimizado equilibra as características da imagem (por exemplo, borramento e
ruído) e utiliza a dose de radiação necessária para produzir a qualidade de imagem requerida.
A tecnologia de imagens em medicina é como uma extensão do olho humano. Da mesma forma
que utilizamos um microscópio, um telescópio, enfim, aparelhos para enxergar à distância, os
equipamentos médicos levam nossa visão a regiões invisíveis do corpo humano.

Ao lado vocês tem um “ teste de visão” – o qu


contraste entre elas e o fundo (“background”)
todas mais escuras e contratantes com o fund
menor contraste que permite distinguir duas e

Os equipamentos em imagenologia médica devem oferecer imagens com sensibilidade de contraste


suficiente para distinguirmos estruturas com densidades semelhantes. Por exemplo um pequeno
tumor no fígado, uma área disquemia no encéfalo. Distinguir um projétil de arma de fogo ou uma
calcificação no corpo humano é sempre fácil, pois sua densidade é muito elevada e produz alto
contraste com o “fundo”.
A função principal da imagenologia em Medicina é converter o contrate físico em contraste visual,
transferindo o contraste entre as estruturas do corpo para a imagem.
O objetivo da imagenologia médica é transmitir ao
observador as mesmas nuances de contraste que existem
entre as estruturas do corpo humano, sob forma de uma
imagem analógica.

A sensibilidade de contraste vai depender tanto das características do método a ser utilizado,
quanto das características intrínsecas da região a ser examinada. Por exemplo, se queremos
visibilizar um pequeno lipoma (tumor benigno composto de gordura) na cisterna quadrigeminal do
encéfalo, vamos utilizar a Ressonância Magnética com imagens ponderadas em T1, onde a gordura
tem alto sinal e fica branca, contrastando com o liquor que é cinza. Na TC tanto a gordura quanto o
liquor são pretos.... e fica difícil fazer o diagnóstico

Na tomografia, o pequeno lipoma (seta) tem densidade quase igua


Ressonância Magnética ponderada em T1 o lipoma (seta) contrasta m
Para esse caso específico a RM é mais sensível do que a TC.
A escolha da RM depende portanto das características do método, ma
operador.
A TC neste caso, tem menor sensibilidade de contraste em relação à RM
osso serão bem visibilizados, o que não acontece com a gordura qu
contraste em relação ao líquor.
[

Resolução de contraste (RC): capacidade de distinguir duas densidades muito próximas. Em


imagem digital o parâmetro mais importante para definir contraste é a profundidade da imagem ou
o número de bits por pixel – assunto que vamos discutir logo abaixo. Isto define a amplitude das
variações dos níveis de cinza. Uma estrutura só será detectada se seu contraste com o meio for 3
a 5 vezes maior que o nível de ruído. Quanto maior for a estrutura, melhor é a resolução de
contraste.

Resolução de Contraste (RC) melhora com:


  pixel
  matriz (matriz fina)
  mAs (  ruído)
  espessura de corte
 Tudo o que  ruído aumenta a resolução de contraste

Resolução Espacial (RE): capacidade de distinguir dois pontos muito próximos entre si.
Depende de muitos fatores relacionados tanto à obtenção das imagens como ao processo de
reconstrução. Quanto maior o número de projeções durante o processo de escaneamento,
melhor será a resolução espacial. Quanto menor o pixel, melhor será a resolução espacial. A
Resolução Espacial também depende do número de pixels da matriz. Quanto mais “fina”
(maior) for a matriz, maior será o número de pixels e melhor será a resolução espacial como
vocês podem ver abaixo:
Resumindo, a RE depende de:
 Matriz
  matriz (matriz fina):  CSR – coeficiente sinal/ruído - (mas  tempo de reconstrução)
 FOV
  FOV sem mudar a matriz:  pixel (mas  CSR)
 Espessura de corte
 Cortes finos:  artefato de Volume Parcial
 Número de projeções
  nº projeções  RE

Quanto maior o número de projeções


realizadas no processo de escaneamento,
maior é a resolução espacial, conforme
podemos ver no exemplo ao lado

Com relação ao desempenho do tomógrafo, os seguintes fatores devem ser considerados:


1. Quanto menor a dimensão dos detectores, maior será a RE
2. Filtros de alta freqüência aumentam a RE
3. Quanto menor o ponto focal, maior será a RE

Ponto focal:
 Região do anodo por onde os RX são emanados
 Tem formato quadrado no cátodo e retangular no anodo, pelo fato deste ser angulado
 As dimensões do ponto focal são críticas
 Pode limitar a resolução espacial dependendo da relação entre a fonte de RX,detectores e o
corpo do paciente (deformação geométrica = geometric unsharpness ou penumbra). O foco
grosso aumenta o efeito de penumbra.
 Foco fino aumenta a resolução espacial, mas não tolera tempo curto e alta miliaperagem

Deformação geométrica
 Na radiologia convencional a deformação geométrica ou penumbra, é dependente da
distância entre o filme e o paciente. Quanto mais longe o paciente em relação ao
filme , maior é a deformação geométrica. O foco de pequenas dimensões permite
magnificação geométrica com muito menos distorção.
 Quanto mais próximo do ponto focal está o objeto, maior é o “borramento” pelo
efeito da ampliação

O Ponto Focal é crucial na determinação


da qualidade de imagem em TC. A medida
que o PF diminue, melhora a Resolução
Espacial e o detalhe das imagens,
consequentemente permitindo
magnificação (projeção geométrica) sem
o efeito devastador da penumbra. O PF
ideal deve ter diâmetro próximo do zero.
Dependendo do “design” do tubo de RX, o
PF pode ser tão pequeno quanto 1mm ou
menos de diâmetro. Técnicamente o PF é
o verdadeiro alvo onde os elétrons
transferem sua energia gerando os Raios
X

F = dimensão do ponto focal


Magnificação Geométrica (m) = FDD/FOD
Penumbra (Ug) = F (m-1)
Ponto Focal
Ponto Focal

Ponto focal

F = dimensão do
Obj. Obj. Obj.
Magnificação Ge
FDD/FOD
Penumbra (Ug) =

Penumbra Penumbra
Quanto menor o ângulo do anodo,menor
é o PF efetivo

O PF define a resolução possível de um tomógrafo. A resolução corresponde à metade do PF. Se o PF é


de 1mm, a resolução será de 0.5 mm
Podemos checar a resolução espacial de um tomógrafo medindo,através de testes com “phantoms”, o
espaçamento entre linhas, como vocês podem ver no exemplo abaixo:

Quanto menor o número de linhas por


centímetro, melhor será a RE do
tomógrafo

PROCESSAMENTO DE IMAGENS
A unidade de processamento é um computador, centro de todo o sistema. Recolhe os dados brutos de
cada tomograma através dos detectores. Os dados são inicialmente armazenados no formato digital.
Imagens médicas apesar de processadas digitalmente tem que ser exibidas em formato analógico.
Imagens analógicas incluem fotos,pinturas e imagens médicas gravadas em filmes ou exibidas em
monitores de computador, por exemplo. Neste tipo de imagem cada ponto corresponde a um
determinado nível de brilho (ou densidade do filme) e cores. Trata-se de uma imagem contínua e não
composta de partes (pixels).

Imagens digitais são gravadas como vários números. A imagem é dividida em uma matriz de pequenos
elementos pictóricos (pixels). Cada pixel é representado por um valor numérico. Na reconversão para
imagem analógica esse valor vai corresponder a uma determinada nuance na escala de cinzas.
A B

A imagem analógica é contínua (A). A imagem digital (B) é constutuída de múltiplos “quadrados” ou “retângulo

A principal vantagem das imagens digitais é que podem ser processadas de várias maneiras por sistemas
de computação.
Para serem captadas pelo olho humano as imagens devem ser analógicas. Todos os métodos de imagem
que produzem imagens digitais devem convertê-las para imagens analógicas. Não podemos “ver”
imagens digitais, pois trata-se de uma matriz matemática de números....
Uma imagem digital é uma matriz de pixels. Cada pixel é representado por um valor numérico. O valor
do pixel está relacionado ao brilho (ou cor) que vamos enxergar quando a imagem digital for convertida
em imagem analógica para visualização. Quando visibilizamos uma imagem na tela do computador, por
exemplo, a relação entre o valor numérico atribuído ao pixel e o brilho exibido, é determinada por
ajustes de ”janela” como iremos discutir depois.
Uma imagem digital é representada no sistema de computação por números em forma de dígitos
binários denominados “bits” (binary digits).

Acima você pode ver a estrutura de uma imagem digital. Primeiro ela é dividida em uma matriz de
pixels. Depois cada pixel será representado por uma série de bits. Vamos em seguida discutir os
aspectos que afetam o número de pixels em uma imagem e o número de bits por pixel (profundidade da
imagem)

Sistemas numéricos: o sistema numérico humano baseia-se em dez dígitos (temos 10 dedos nas
mãos...). Acima de dez, cada dígito ocupa uma “casa” – dezena, centena, milhar, etc.... O valor final é a
soma dos valores individuais em cada “casa”

Sistema numérico de computadores: representados por um espaço “cheio”e um espaço em branco -


dígitos binários (binary digits = bits). Par o computador só existem dois estados: on (passa corrente) / off (não
passa corrente)

O esquema ao lado mostra que podemos escrever 10 diferentes dígitos.


computador diferentemente de nós, codifica..... Faz uma combinação d
códigos para representar cada número – “bolinha cheia”/ “bolinha vazia
No caso ao lado, só há 2 possibilidades – bola preta (off) / bola branca (on)

No computador há uma limitação - com quatro bits podemos codifica


16 valores
O número de combinações possíveis é dado pela fórmula:

N= - onde N é o número de projeções possíveis e n o número


Para imagens médicas 16 valores são insuficientes, pois quanto maior o número de valores que
pudermos codificar, maior será a gama de cinzas – as sutis diferenças entre o preto e o branco – e assim
precisamos de mais bits para representar ou codificar cada pixel.

A imagem ao lado foi reconstruída com 1 bit por pixel - =2


Só é possível representar preto e branco....
Em termos de contraste para imagens médicas este valor é insuficiente

Esta imagem é uma fatia do encéfalo realizada em um tomógrafo de


primeira geração com 8 níveis de cinza - = 8 . Este é um sistema
tão antigo, que nem se usa mais....

Veja agora uma imagem produzida em um tomógrafo de terceira geração


com 256 níveis de cinza
= 256
A larga escala de cinza nos permite por exemplo, diferenciar entre as
substâncias branca e cinzenta do encéfalo que tem densidades muito
próximas

Profundidade da imagem: Número de bits que representa cada pixel na imagem

Com 8 bits por pixel teremos 28 = 256 níveis d


cinza o que é o mínimo para imagens médica

Bits por pixel


Com um bit
escala de ci
Com 4 bits
Com 8 bits

Níveis de cinza

O detalhe anatômico depende das dimensões dos pixeis.


Pixeis largos induzem borramento na imagem pois o detalhe anatômico será representado por um
numero menor de pixeis:
Detalhe é fun
matriz e pixe
Matriz quadr
isotrópico
Matriz pode

Aumenta
modificar
e aument

RECONSTRUÇÃO DE IMAGENS EM TC
Cada porção do feixe de RX (“ cada raio”) atinge um determinado ponto no corpo do paciente e vai
“imprimir” um detector. Este “raio” vai ser atenuado ao atravessar o corpo e fornecerá dados à
memória do computador. Um conjunto de “raios” forma uma vista. Cada volta completa do tubo em
torno do paciente projeta múltiplas vistas. Cada vista produz um perfil ou linha de dados. Cada corte,
com suas múltiplas vistas produz um conjunto de dados que contém informação suficiente para
reconstruir uma imagem. Este processo é diferente nos tomógrafos helicoidais
Tubo
Monitor

Colimador
Detector
colimador

conversor

O processo de escaneamento define uma fatia do corpo. Cada fatia é subdividida em uma matriz de
vóxels (típicamente 512 x 512). No processo de reconstrução cada fatia será representada por uma
matriz com o mesmo número de pixels (elementos pictóricos ou elementos de imagem) onde o brilho
ou escala de cinza de cada pixel é a representação do coeficiente de atenuação associado a cada vóxel.

 Cada fatia corresponde a uma matriz constituída de voxels até um maximo de 1024 x 1024
(típicamente 512 x 512)
 Cada vóxel é atravessado por inúmeros fótons de RX
 A intensidade de absorção de fótons é lida como coeficiente de atenuação linear – logaritmo da
inten
sidad
e de
sinal
rece
bida
 Cada
imag
em –
cada
fatia

será
reco
nstru
ída digitalmente em uma matriz de pixels. A cada pixel será atribuído um valor de coeficiente
de atenuação correspondendo ao valor do vóxel associado.
 Essa matriz forma a aimagem digital – matriz numérica e será reconvertida a imagem analógica
que é a que vermos no “Display”(monitor). Nesse processo o coeficiente de atenuação linear
será convertido em brilho na imagem final. Por exemplo,um valor arbitrário,digamos 255 pode
corresponder ao preto e um valor 1 ao branco...
 Como convenção,para não ficar diferente da radiologia convencional, quando a absorção de
fótons é muito intensa (alto coeficiente de atenuação) – osso, por exemplo – a estrutura vai
aparecer branca. Por outro lado, quando a absorção de fótons é mínima, como no ar dos
pulmões, a estrutura aparece preta.

A imagem digital consiste


A reconstrução dos dado
algoritmos, entre eles a “
A filtração é o algoritmo
utilizado
O termo “retrógrada” tem
da imagem

PROJEÇÃO RETRÓGRADA:

Os dados obtidos p
imagem,mas um “m
de atenuação
Este “mapa” é proj
O tubo girou 90 gra
vista
Esta nova vista com
projetada sobre a p
São necessárias cen
uma imagem de alt

Projeção Retrógrada:
Cada vista vai deixando u
reconstruída produzindo
 As projeções precisam
“borramento”
 Diferentes filtros pode
 Alta resolução
 “Afinamento” (sm
moles

PROJEÇÃO RETRÓGRADA FILTRADA


ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS:

Field of View (FOV) = Campo de visão: corresponde ao campo onde a estrutura a ser
examinada vai estar contida. Por exemplo,para a cabeça precisamos de um campo de visão
menor que para o tórax. O campo de visão deve ser um pouco maior que a estrutura a ser
examinada, a não ser que nosso objetivo seja estudar apenas uma parte da estrutura. Se
quisermos estudar a sela túrcica, poderemos reduzir o campo de 20 cm utilizado habitualmente
para o encéfalo, para 16cm, por exemplo.
Se a anatomia é maior que o FOV, pode ocorrer o artefato de truncação nas margens - a
periferia do objeto não é lida corretamente e aparece branca.

Vóxel (unidade elementar de volume): o computador só pode ler informações de dígitos


binários porisso o escaneamento produz uma matriz de vóxels para cada fatia. O computador
não pode “fotografar” um pulmão. Tem que construir uma grade constituída de cubos que se
chama matriz de vóxels para representá-lo. Cada vóxel tem uma altura, um determinado
comprimento e uma largura que corresponde à espessura de corte que selecionamos no
protocolo. Nessa grande grade,cada cubo estará associado a um valor de coeficientes de
atenuação, correspondendo aos tecidos do corpo que ele representa.

As dimensões do vóxel são calculadas pela fórmula:


FOV / Matriz x Espessura de corte
Por exemplo, em um exame de crânio temos FOV = 20 cm , matriz de 320 x 320mm e
espessura de corte de 5 mm
200mm / 320mm x 2 = 1.25 mm³
Então neste caso termo um vóxel de 1.25 mm³

Pixel = FOV /MATRIZ

O vóxel ideal é cúbico – com as mesmas medidas em suas 3 dimensões, dito vóxel isotrópico.
Propicia maior detalhe na imagem. É fundamental para imagens de alta resolução como por
exemplo ouvido, ou quando queremos realizar reformações multiplanares ou 3D. No caso
acima teríamos voxel isotrópico se a espessura de corte fosse 1.25

Pixel (unidade pictórica elementar): representação bidimensional do vóxel – o pixel não tem a
terceira dimensão (espessura do corte). A dimensão do pixel é calculada dividindo o valor do
FOV pela MATRIZ.
Como exemplo: com MATRIZ de 512 e FOV de 35 obteremos pixel de 0.7 mm

Sinal analógico: Valor físico que varia continuamente no tempo e/ou no espaço
 O fenômeno físico que estimula os sentidos humanos pode ser medido por sensores, que
transformam a variável física que é capturada numa outra variável física medida, geralmente
uma tensão ou uma corrente elétrica (sinal)
 Se o sinal for contínuo, diz-se que é análogo à variável física medida, isto é, diz-se que é um
sinal analógico.
 O sinal analógico é produzido por um microfone:
 detecta a variação da pressão do ar e transforma numa medida.
 a medida toma a forma de uma corrente elétrica ou de tensão elétrica
Sinal digital: Sequência de valores codificados em formato binário, dependentes do tempo ou
do espaço, resultante da transformação de um sinal analógico

Codificação:
 Associação de um grupo de dígitos binários - código - a cada um dos valores quantificados.
 Associar um código binário a cada um dos níveis de quantização
 4 níveis de quantização:
 binário 00 ao nível N1
 binário 01 ao nível N2
 binário 10 ao nível N3
 binário 11 ao nível N4
 O sinal codificado resultante corresponde ao sinal digital e obtém-se juntando todos os códigos
pela ordem de ocorrência das amostras quantificadas: 1111100011101111110101.

Processamento digital:
 Grande variedade de algoritmos de processamento dos dados
 Universalidade da representação (multimídia)
 > maior discriminação (detectores )
  do ruído - 1/10 do da radiografia
 Aumenta o sinal
 Livre de erros
 A imagem nunca é IDÊNTICA ao original
PARÂMETROS QUE PODEMOS MODIFICAR:
Kv, mAs,tempo, espessura de corte, FOV, matriz, pitch (helicoidal), filtro (osso,partes moles), modo
de aquisição (seqüencial ou helicoidal)

VISIBILIZAÇÃO DAS IMAGENS:

O olho humano não pode distinguir os 4000 valores da escala de cinza. Uma única foto não é capaz
de fornecer todas as informações necessárias. O computador disponibiliza o recurso de Janela e
Centro – variações do nível de brilho e contraste – possibilitando a visibilização otimizada para cada
tecido do corpo.

JANELA
Coeficientes de Atenuação Escala deCinza

OSSO

JANELA
TECIDOS
TEC. MOLES
CENTRO

AGUA

GORDURA

AR

JANELA: define a extensão de níveis de cinza que me interessa para ver uma determinada parte do
corpo. A largura de janela define os limites superior e inferior da Escala de Hounsfield que me
interessam.
 Janela “aberta” – mostra a maioria das estruturas
 Janela “fechada” - seleciona menos estruturas mas fornece mais detalhe e aumenta
o contraste

Aqui a JANELA 1000 me dá variações de 500 UH


acima e abaixo do CENTRO -700

CENTRO ( LEVEL):
 Ajusta o centro da janela e é o centro da EH
 Nível alto: para visibilizar tecidos densos
 Nível baixo: para visibilizar tecidos de baixa densidade

Aqui a JANELA 500 me dá variações de 250 UH acima


e abaixo do CENTRO 50
A B

JANELA e CENTRO para te


tumor meníngeo. Em B, c
ósseo, podemos visibilizar

DOSE EM TC:
Conceitos básicos:
Dose absorvida (D): O efeito deletério das radiações está relacionado a quantidade de energia (em
Joules) transferida ao tecido por unidade de massa (kg). A razão entre a energia E (Joules) depositada
em uma massa m (kg) de tecido é denominada Dose Absorvida, simbolizada por D. Expressa a energia
média depositada em um determinado órgão. Tem no Sistema Internacional de Pesos e Medidas a
dimensão Joules/Kg, que corresponde ao Gray.
D=E/m
1 Gy = 1 J/Kg
A unidade antiga era o RAD (Radiation Absorbed Dose)
100 Rad = 1 Gy
Equivalente de dose (H): diferentes tipos de radiação produzem efeitos biológicos diversos. O conceito
de Equivalência de dose considera a média de dose depositada em um determinado órgão multiplicada
por um fator de peso relativo ao tipo de energia incidente. É expressa em Sieverts (Sv).
H = D.Q
1Sv = 1 J/Kg
Q é o fator de ponderação (peso) ou fator de qualidade de cada tipo de radiação. P ara os RX, raios X,
raios γ e elétrons, o Q= 1
Para RX: D=H
Dose Efetiva (H): também denominada Dose Equivalente de Corpo Inteiro, é média ponderada das
doses equivalentes de todos os tecidos e órgãos.
H = ∑ T. wT . HT
Onde W é o fator de peso de cada órgão e H a dose efetiva. Os valores de W dependem da sensibilidade
do órgão.

As doses aos tecidos na tomografia computadorizada, entre 10 e 100 mSievert estão no limite
conhecido para o aumento de probabilidade de câncer e, portanto, precisam ser minimizadas.
Na Terra, a radiação que nos atinge normalmente é de 360 milirem/ano (3,6 mili sievert/ano). No
sistema internacional de medidas, a dose é medida em gray (Gy) e 100 rad=1 Gy. O limite de dose
equivalente para a população em geral é de 0,1 rem/ano (1 mSv/ano). O limite para trabalhadores
ocupacionalmente expostos é de 2 rem/ano (20 mSv/ano).
Em qualquer aquisição de TC, para um potencial de tubo e espessura de corte constantes, a dose de
radiação no paciente varia proporcionalmente com a carga transportável (mAs) selecionada pelo
operador. A escolha do mAs também determina a quantidade de ruído na imagem e o aquecimento no
tubo de raios X.

A Portaria 453/98 do Ministério da Saúde apresenta níveis de referência para TC em paciente adulto
típico apenas nos exames de crânio, coluna lombar e abdome. Os valores de MSAD (medida
comparativa da dose média em múltiplos cortes) para crânio e abdome, são de, respectivamente, 50 e
25 mGy. Já o guia europeu apresenta níveis de referência para muitos exames, e os valores para crânio,
abdome e tórax são de 60, 35 e 30 mGy, respectivamente. Através das medidas realizadas conclui-se
que os exames de rotina podem ser realizados com valores abaixo dos apresentados. Tanto na Portaria
453/98 quanto no guia europeu não são referenciados valores de MSAD para pacientes pediátricos, mas
através da redução nas técnicas propostas, estes podem ser mantidos muito abaixo em relação aos
níveis considerados para adultos. Um nível de ruído levemente maior não impede que o diagnóstico seja
feito, mantendo-se, assim, a dose de radiação tão baixa quanto razoavelmente exeqüível (princípio
ALARA) e desgastando menos o tubo de raios X.

Referencias:

http://www.sprawls.org
http://www.medcyclopaedia.com
http://www.impactscan.org
http://w3.palmer.edu/russell.wilson/LC232_X-
ray_%20Principles_%20and_%20Physics%20_Lab/PowerPoint/new_page_1.htm

John R. Haaga MD, CT and MRI of the Whole Body. 5ª Edição. 2009 . Ed. Mosby/Elsevier