Você está na página 1de 9

Trabalho sobre

Aquecedores de
Rolamento
Indutivos.

Escola Técnica Estadual Presidente


Vargas

ISI
Instalações de Sistemas
Industriais

09/2009

Prof.: Mozart
Aluno: Maikon Farias Nº: 25.
Curso: Automação Industrial
(AIN1).

INTRODUÇÃO

Princípios Físicos do Aquecimento Indutivo


Os princípios físicos do aquecimento indutivo são
conhecidos há mais de cem anos e foram disponibilizados
para uso prático no início deste século. Sendo usado de
diversas maneiras e para diversos fins, o Aquecimento
Indutivo tem contribuído muito para as indústrias.

Benefício do Aquecimento Indutivo:


• Elevadas densidades de potência e também o
aquecimento rápido que pode ser obtido.
• O preciso controle da temperatura.
• A possibilidade de aquecer regiões selecionadas e
determinadas de um componente.
• A facilidade para colocar a peça em uma câmara
fechada e independente, por exemplo, sistema de
vácuo ou atmosfera inerte que é usada isolada da
bobina de aquecimento indutivo.
TEORIA
Qualquer material condutivo quando submetido a um campo
eletromagnético variável pode ser aquecido devido a uma potência resistiva
dissipada em função das correntes parasitas que circulam na peça. Essas
correntes parasitas são decorrentes das perdas de Foucault e de efeitos de
histerese. Sob ação dessas correntes parasitas as partículas de ferro tendem
a se polarizar em um sentido, criando-se em cada uma um pólo norte e um
sul. Como o campo eletromagnético é variável, há uma mudança de pólos,
o que causa uma fricção atômica e esta por sua vês causa uma dissipação
térmica, que aquece a peça. Quando há correntes de Foucault, o aço atua
como uma resistência elétrica e se aquece pela passagem de corrente
elétrica, conforme a Lei de Joule. Esse aquecimento é proporcional a RI2 ,
sendo R a Resistência e I a intensidade de corrente elétrica. Um
equipamento de aquecimento por indução consiste basicamente de uma
fonte de potência, de uma estação de trabalho, de uma bobina, controles e
suportes para peças. Adicionalmente poderemos ter equipamentos para
resfriamento de peças. Para a construção de um aquecedor de rolamento é
necessário conhecimentos da lei de OHM aplicada ao eletromagnetismo,
além de alguma experiência anterior. A fórmula da Lei de Ohms, aplicada
ao magnetismo, indica que o total de amperes-espira do indutor
multiplicado pela corrente, em amperes, dividido pelo comprimento total
das espiras ativas, é diretamente proporcional ao fluxo total produzido e
que circula em torno do indutor, vide a Figura 2. A constante proporcional
desta Lei é chamada de resistência magnética total, ou relutância, do
circuito magnético completo. A resistência magnética, ou relutância, do
caminho de um circuito magnético é diretamente proporcional ao
comprimento físico do caminho e inversamente proporcional a área da
secção transversal do caminho e da permeabilidade magnética do caminho
médio.

Figura 2 - Lei de Ohm aplicada ao Campo Magnético, onde: B = total de amperes


espiras ativas, e l = o comprimento efetivo das espiras ativas.
A permeabilidade magnética de um material é a medida da facilidade com
a qual o fluxo magnético atravessa um material. O circuito magnético
completo de um sistema de aquecimento indutivo é constituído pelo fluxo
que circula em torno da bobina indutora, do fluxo magnético entre o
indutor e a peça a ser aquecida, e do fluxo da própria peça.
Considere um indutor com uma única espira, de formato circular,
envolvendo uma barra redonda de aço. O fluxo magnético gerado por este
indutor irá circular conforme as linhas apresentadas na Figura 3.

Figura 3 - O diagrama esquemático acima mostra as linhas de fluxo em torno de um


indutor de formato circular; o indutor que utiliza concentrador de campo magnético está
ilustrado à direita.

A relutância total é a soma da relutância do caminho de ar e da relutância


do caminho através da barra de aço. Sendo ou não a carga um material
magnético (um material, no qual a resistência magnética ou relutância é
muito baixa a passagem do fluxo) a relutância do caminho magnético
através da peça esta fixada e sob controle. Entretanto, a relutância do
caminho do ar não é necessariamente uma parte fixa do problema. Se a
relutância do caminho pode ser reduzida, então, a Lei de Ohm aplicada ao
magnetismo, os amperes - espira total é correspondentemente reduzido de
acordo com a redução do resultado final do campo magnético. Em geral, a
redução nos amperes - espira da bobina significa redução na corrente,
desde que o numero de espiras permaneça constante. Assim circulando
corrente de menor intensidade, têm-se menores perdas, em função da
formula I²R e também em função da menor potência exigida do gerador,
em outras palavras o Sistema de Aquecimento Indutivo é mais eficiente. A
relutância do caminho de ar, referente à área externa da espira do indutor,
muitas vezes pode ser reduzida através do uso de material magnético com
alta permeabilidade. A maior ou menor concentração do campo magnético
será função exclusiva do projeto e da forma construtiva do indutor. O
material magnético poderá ser montado em torno da espira do indutor, de
forma a diminuir ao máximo o caminho do fluxo através do ar.
Considerando - se que o material magnético tem relutância menor que a
relutância do ar, assim a relutância total do circuito magnético diminui. Ver
figura com a explicação:
O secundário do transformador é constituído por um recipiente metálico (que pode conter
um liquido ou um sólido) com a forma de uma espira em curto-circuito. Ao aplicarmos uma
tensão U ao primário do transformador, é induzida uma corrente elevada no secundário que
1
libertará no recipiente metálico uma quantidade de calor elevada, que permite que este
processo seja utilizado na indústria para aquecer rolamentos antes de acoplá-lo no devido
lugar.

Considerações sobre a seleção do material para


construção do aquecedor
Todos os fatores acima, devem ser analisados detalhadamente durante a
seleção e dimensionamento do material, contundo a maior e mais
importante consideração deverá ser dispensada às características e
propriedades magnéticas (perdas em função da freqüência de trabalho,
níveis de saturação, temperatura máxima de trabalho) do material. Estas
propriedades devem ser informadas pelo fabricante do concentrador de
campo magnético.
Particularmente uma das informações técnicas mais importantes a ser
apresentada é a curva de magnetização ou curva B/H (Figura 5).
Figura 5 - A inclinação da curva de magnetização indica a permeabilidade magnética do
material; a alta inclinação desta curva, indica um bom material magnético.

Esta curva apresenta a resposta do material, medida em unidade de


densidade de fluxo magnético (fluxo magnético pela unidade de área da
secção transversal do material) para uma excitação aplicada, medida em
unidades de intensidade do campo magnético.
O melhor material magnético é aquele que tem capacidade para conduzir a
maior densidade de linhas do campo magnético principal. A curva de
magnetização do material apresenta sua permeabilidade. Um bom material
possui as duas qualidades, uma alta inclinação e uma alta densidade de
saturação. Outra propriedade magnética também esta especificada na curva
de magnetização, as perdas relativas à histerese do material. A
magnetização do material é acompanhada pelo estimulo do alinhamento
(devido ao campo magnético aplicado) do domínio microscópico no
interior do material. O material satura quando estes domínios são alinhados
internamente, esta condição absorve energia para reverter o processo e
realinhá-los na direção oposta. Uma curva de magnetização típica
representa um ciclo de magnetização em uma direção, o retorno reverso na
mesma direção e mesma amplitude do campo original (Figura 6). A largura
da abertura na curva de magnetização indica maior ou menor perda por
histerese, por ciclo do fluxo reverso. A Figura 6 mostra um material com
menor eficiência, quando comparado com o material mostrado na curva
B/H da Figura 5.
Figura 6 - Diagrama da curva de magnetização. A abertura no centro da curva indica
maior perda em função da histerese por ciclo do fluxo reverso.

Conclusão
Existem diversas aplicações para os
Aquecedores Indutivos, inclusive para
aquecer os rolamentos. O Importante é
entendermos os princípios envolvidos e
aplicarmos da melhor forma possível
esse método, que é econômico, prático,
além de muito eficaz.

Bibliografia
http://www.albatherm.com.br/informativo.asp