Você está na página 1de 45

1

Faculdade Eniac
Administração Estratégica em Recursos Humanos
Sérgio Miguel Arcanjo

Monografia
A Influência das Redes Sociais Virtuais no Ambiente de Trabalho

Guarulhos
2010
2

A Influência das Redes Sociais Virtuais no Ambiente de Trabalho

Monografia apresentada a Faculdade Eniac como


parte dos requisitos para obtenção do grau de
Pós-Graduação em Administração Estratégica em
Recursos Humanos.
Orientador: Prof. José Antônio S. Ribeiro

Guarulhos

2010
3

A meus pais que sempre estiveram ao meu lado,


apoiando, incentivando e acreditando no meu
sucesso profissional, as minhas filhas que até
mesmo sem saber as dificuldades pelas quais
passei me rodiaram de carinhos.
4

Agradeço ao professor orientador José Antônio


S. Ribeiro, o qual conheci no decorrer da
elaboração deste trabalho e, que sempre confiou
no meu esforço e dedicação neste
empreendimento, a Ruth Lidia, profissional da
área de Recursos Humanos da empresa
multinacional Jhonson Gate do Brasil, Gabriel de
Aguiar Junior, gerente comercial da MSM,
Claudio Fernandez, gestor administrativo da
empresa Orema Ind. e Com. S.A., e a todos
aqueles que de uma forma ou de outra
contribuiram com este trabalho.
5

Sumário

INTRODUÇÃO .......................................................................................................................... 1

1. HISTÓRIA DA INTERNET ............................................................................................... 3

1.2 Histórico da internet no Brasil ................................................................................. 4

1.3 Desenvolvimento da internet................................................................................... 5

2. A INTERNET COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO ........................................................ 7

3. COMUNIDADES VIRTUAIS .......................................................................................... 10

4. REDES SOCIAIS VIRTUAIS .......................................................................................... 15

4.1 Redes sociais virtuais focadas no trabalho .............................................................. 17

4.2 Como entrar em uma rede social ............................................................................. 19

5. INTERNET NO TRABALHO .......................................................................................... 21

6. FORMAS DE PRESERVAR A SEGURANÇA E A REPUTAÇÃO NO TRABALHO . 24

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................ 26

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................... 28
Anexos......................................................................................................................................32
Lista de figuras..........................................................................................................................35
Lista de Ilustração.....................................................................................................................36
Lista de abreviaturas e siglas....................................................................................................37
Termo de compromisso e responsabilidade..............................................................................40
1

INTRODUÇÃO

Esta monografia foi elaborada com o objetivo de realizar uma reflexão da influência
das redes sociais vituais no ambiente de trabalho, uma vez que vivemos em um período de
intensas e surpreendentes transformações e que possa anunciar a superação da era industrial.
Vive-se em um mundo tecnológico e revolucionário, repleto de novidades que vem
gerando mudanças na vida das pessoas e das organizações em sua maneira de
trabalhar, pensar, comunicar, relacionar e até mesmo gerir suas riquezas, sejam elas;
conhecimento ou financeira. O homem por sua vez têm a necessidade de acompanhar
esta evolução.
“Tecnologias permitem ao ser humano ampliar suas potencialidades, estender seus
sentidos e controlar o meio natural e o social em que vive. Nela estão contidas
nossas virtudes e vêm embutidos nossos defeitos” (POLISTCHUCK;TRINTA,
2003 , p. 34).
Nas últimas décadas a informação e a comunicação assumiram um ritmo acelerado,
fazendo com que a sociedade assuma novos rumos, não só tecnológicos, mas político
econômico e social. A internet vem revolucionando a comunicação entre pessoas e
organizações. Com ela abriu-se novas maneiras de intercâmbio de informações, de forma
interativa com significante intimidade mesmo sem proximidade física. Além do correio
eletrônico, a internet abre canais de diálogo que permitem a conversa simultânea entre as
pessoas.
As comunidades virtuais on-line é um exemplo dessa evolução, onde os indíviduos
interagem de forma interpessoal valorizando as relações sociais, seja para fazer amizades,
namorar, ampliar seu conhecimento ou até mesmo sentir-se inserido dentro dessa nova
sociedade da era internet.
Em meio a tantas mudanças e facilidades que se dispõe todos aqueles que estão
inseridos neste novo meio de interação, este trabalho visa levantar as possíveis causas e
efeitos dessa exposição e utilização das comunidades virtuais, uma vez que as organizações
também podem fazer uso dessas mesmas ferramentas, seja para fazer sua publicidade, ou até
mesmo como uma forma de avaliação e contratação de pessoas.
“A internet é o coração de um novo paradigma sociotécnico, que constitui na
realidade a base material de nossas vidas e de nossas formas de relação, de trabalho
e de comunicação. O que a internet faz é processar a virtualidade e transformá-la
em nossa realidade, constituindo a sociedade em rede, que é a sociedade em que
vivemos”. (CASTELLS, 2003, p. 287).
2

Nos capítulos 1 e 2 deste trabalho, apresenta-se a história da internet e a internet como


meio de comunicação, os capítulos 3 e 4 aborda-se sobre comunidades virtuais e redes sociais
virtuais, já os capítulo 5 e 6 faz referência a internet no trabalho e as formas de preservar a
segurança e a reputação no trabalho, finalizando com as cosiderações finais no capítulo 7.
3

1. HISTÓRIA DA INTERNET

A internet nasceu praticamente sem querer. Foi desenvolvida nos tempos remotos da
Guerra Fria com o nome de ARPANET para manter a comunicação das bases militares dos
Estados Unidos.
Se a antiga URSS resolvesse cortar a comunicação da defesa americana, bastava lançar
uma bomba no Pentágono, e esta comunicação entrava em colapso, tornando os Estados
Unidos extremamente vulnerável a mais ataques.
A Arpanet foi desenvolvida exatamente para evitar isto. Com um Backbone que
passava por baixo da terra (o que o tornava mais difícil de ser interrompido), ela ligava os
militares e pesquisadores sem ter um centro definido ou mesmo uma rota única para as
informações, tornando-se quase indestrutível.
“Pouca gente sabe, mas se não fosse pelo backbone, provavelmente não teríamos
acesso à Internet em nossas casas, empresas, nos shoppings e outros ambientes.
Backbone significa “espinha dorsal”, e é o termo utilizado para identificar a rede
principal pela qual os dados de todos os clientes da Internet passam. É a espinha
dorsal da Internet”. (SILVA, 2009).
SANTOS (2000), comenta que quando a ameaça da Guerra Fria passou, Arpanet
tornou-se tão inútil que os militares já não a consideravam tão importante para mantê-la sob a
sua guarda. Foi assim permitido o acesso aos cientistas que, mais tarde, cederam a rede para
as universidades as quais, sucessivamente, passaram-na para as universidades de outros
países, permitindo que pesquisadores domésticos a acessarem, até que mais de 5 milhões de
pessoas já estavam conectadas com a rede e, para cada nascimento, mais 4 se conectavam
com a imensa teia da comunicação mundial.
Depois de algumas pesquisas, a Arpanet mudou seu protocolo de comunicação do
NCP (Network Control Protocol) que era limitado para transmissão de dados para um novo
protocolo chamado TCP/IP (Transfer Control Protocol/Internet Protocol) desenvolvido em
UNIX. A maior vantagem do TCP/IP era que ele permitia o que parecia ser na época o
crescimento praticamente ilimitado da rede, além de ser fácil de implementar em uma
variedade de plataformas diferentes de hardware de computador.
Conforme pesquisa publicada pelo site Internet World State (2009) a internet mundial
é composta de aproximadamente 1.733,933,741 usuários, sendo que os dois países com o
maior número de usuários são; China e Estados Unidos, o Brasil é o maior em acesso da
América Latina, veja os gráficos demonstrativos no anexo: Figura 1.0 América Latina –
4

usuários de internet, Figura 1.1 América do Norte – usuários de internet, Figura 1.2 Ásia –
usuários de internet.
Nos dias de hoje, não é mais um luxo ou simples questão de opção uma pessoa utilizar
e dominar o manuseio e serviços disponíveis na internet, pois é considerada o maior sistema
de comunicação desenvolvido pelo homem.
Com o surgimento da World Wide Web, esse meio foi enriquecido. O conteúdo da
rede ficou mais atraente com a possibilidade de incorporar imagens e sons. Um novo sistema
de localização de arquivos criou um ambiente em que cada informação tem um endereço
único e pode ser encontrada por qualquer usuário da rede.
Em síntese, a internet é um conjunto de redes de computadores interligadas que tem
em comum um conjunto de protocolos e serviços de uma forma que os usuários conectados
possam usufruir de serviços de informação e comunicação de alcance mundial.

1.2 Histórico da internet no Brasil

Segundo GETSCHKO (2009), a história da internet no Brasil começou no final dos


anos 1980, mais precisamente em setembro de 1988, quando uma conexão internacional
dedicada e perene ligou a então ainda incipiente iniciativa brasileira de redes acadêmicas ao
mundo. Seus primeiros usuários, pesquisadores, alunos e professores, tiveram acesso à
maravilha do correio eletrônico, a bases de dados no exterior e, mesmo, ao acesso à rede
mundial de computadores. Não era, ainda, a internet. A essa só nos conectamos em 1991 com
a RNP (Rede Nacional de Pesquisa), uma operação acadêmica subordinada ao MCT
(Ministério de Ciência e Tecnologia), ainda sem saber da magnitude do impacto que estava
por vir.
No final de 1994, a Embratel lançou em caráter experimental o serviço de acesso à
internet para usuários domésticos. No ano seguinte, o governo permitiu a abertura da
exploração do serviço ao setor privado, impulsionando o surgimento no Brasil de diversos
provedores de acesso, assim como grandes portais brasileiros de conteúdo e comércio
eletrônico. Nessa época, o acesso era feito por linha discada, muito lento se comparado com
os padrões atuais.
Somente em 1995 é que foi possível, pela iniciativa do Ministério das
Telecomunicações e Ministério da Ciência e Tecnologia, a abertura ao setor privado da
internet para exploração comercial da população brasileira.
5

“Estamos vivendo tempos muito interessantes, no limiar de algo que apenas


vislumbramos e que, ao mesmo tempo, assusta e apaixona. Sigamos em frente!”
(GETSCHKO, 2009, p. 52).”

1.3 Desenvolvimento da internet

Conforme SANTOS (2002 pp74-76), foi somente no ano de 1990 que a internet
começou a alcançar a população em geral. Neste ano, o engenheiro inglês Tim Bernes-Lee
desenvolveu a World Wide Web, possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a
criação de sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. A partir deste momento, a
Internet cresceu em ritmo acelerado. Muitos dizem, que foi a maior criação tecnológica,
depois da televisão na década de 1950.
A década de 1990 tornou-se a era de expansão da Internet. Para facilitar a navegação
pela internet, surgiram vários browser (navegadores), como, por exemplo, o internet Explorer
da Microsoft e o Netscape Navigator. O surgimento acelerado de provedores de acesso e
portais de serviços online contribuíram para este crescimento. A internet passou a ser utilizada
por vários segmentos sociais. Os estudantes passaram a buscar informações para pesquisas
escolares, enquanto jovens utilizavam para a pura diversão em sites de games. As salas de
chat tornaram-se pontos de encontro para um bate-papo virtual a qualquer momento.
Desempregados iniciaram a busca de empregos através de sites de agências de empregos ou
enviando currículos por e-mail. As empresas descobriram na internet um excelente caminho
para melhorar seus lucros e as vendas on-line dispararam, transformando a internet em
verdadeiros shopping centers virtuais.
Atualmente, o acesso à internet pelos consumidores pode ser feito por banda langa, e
são duas as principais tecnologias usadas: o ADSL, ofertado pelas empresas concessionárias
de telefonia fixa, e o Cable Modem, disponibilizado pelas operadoras de TV a cabo. Outras
tecnologias baseadas em redes sem fio, como o WiFi e o WiMax, também permitem o acesso
banda larga. Estas últimas, por terem um custo de implantação reduzido, atualmente
despertam o interesse dos países menos desenvolvidos como o Brasil. Há ainda as tecnologias
por satélite e de fibra ótica (FTTC/FTTH – Fiber to the curb / Fiber to the home), ainda não
utilizadas no Brasil em escala significativa.
Para oferecer o serviço de telecomunicações que faz a conexão entre a residência e os
servidores do provedor de acesso a Internet, as operadoras precisam obter junto à Anatel uma
autorização de Serviço de Comunicação Multimídia
6

Segundo FONSECA (2008), os navegadores de internet (browser) mais usados na


atualidade são:

Internet Explorer Firefox Google Chrome


Figura 1.3 Internet Explorer Figura 1.4 Firefox Figura 1.5 Google Chrome

Nos dias atuais, é impossível pensar no mundo sem a internet. Ela tomou parte dos
lares de pessoas do mundo todo. Estar conectado a rede mundial passou a ser uma
necessidade de extrema importância. A internet também está presente nas escolas, faculdades,
empresas e diversos locais, possibilitando acesso as informações e notícias do mundo em
apenas um click.
7

2. A INTERNET COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO

Mais do que se apresentar como uma janela para o mundo, a internet promove uma
espécie de nova cartografia do local a partir da
utilização dos seus vários seus recursos e serviços por
parte do público em geral. A grande rede mundial de
computadores, termo pelo qual se fez conhecer e
consolidar a internet no meio de usuários, iniciados e
mesmo da sociedade em geral, assume outra dimensão
ao reforçar as articulações locais, inclusive para além
das conexões digitais de seus usuários. Figura 1.6 Comunicação
Se a internet tal qual a conhecemos se expandiu em todo mundo, não foi exatamente
por acaso, nem por benesses dos militares, mas sim por uma combinação de duas forças não
necessariamente opostas: a viabilidade de mercado, que delineia a própria internet a partir de
interesses do público e tendências da indústria e a demanda do público, manifestada numa
notória visibilidade de uma comunicação sem fronteiras, sem censuras, interativa e imediata,
que já se fazia pressentir na evolução dos meios existentes. Pela necessidade de se comunicar
sem intermediários, tais como sistemas de comunicação cujas regulamentações são
provenientes de gestões bem sucedidas do setor privado sobre o setor estatal, ou mesmo do
conluio entre eles (CABRAL, 2000, p.4).
A apresentação da internet ao grande público e essa interface com o mercado
possibilitou o surgimento de várias aplicações, recursos, serviços e empreendimentos que
fazem da Internet mais do que uma grande rede mundial de computadores, dando-lhe
dinamismo, movimento, possibilidades infinitas de crescimento e visibilidade de
oportunidades e compreensões, seja como uma grande biblioteca de alcance mundial de
produção coletiva e interativa, uma grande conectora de pessoas a partir da telefonia com
outros suportes, ou ainda, um grande banco de dados de acesso mundial.
A capacidade de aproveitamento da internet em levantamento de informações para o
desenvolvimento de pesquisas faz da grande rede uma biblioteca de proporções mundiais à
disposição de todos os seus usuários. Além disso, essa biblioteca é constantemente expandida
e compartilhada por pessoas que se aproximam a partir dos mais variados interesses.
Essa idéia de continuidade e compartilhamento entre usuários fundamenta a concepção
de uma cultura digital, originando o termo amplamente conhecido como cibercultura que, de
acordo ainda com Pierre Lévy, trata-se do
8

“conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de


pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o ciberespaço, este o
novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores”
(LÉVY, 1999. p.17).
Sendo assim, podemos conceber um fluxo contínuo, infinito e não-linear, partindo
da concepção originária da rede de computadores remota e descentralizada, que nos remete a
mais um conceito: o de hipertexto. Segundo Bush, que primeiro concebeu a idéia de
hipertexto num artigo intitulado “As We May Think”, esta representa uma lógica mais
próxima à do pensamento humano, dessa forma, os mecanismos de busca e indexação de
dados deveriam estabelecer princípios mais adequados aos dos seus usuários e,
conseqüentemente, beneficiários.
Quase cinqüenta anos depois, presenciamos o desenvolvimento de uma rede de
alcance mundial que contem o hipertexto como um de seus pilares fundamentais. Textos que
remetem a outros textos além de imagens, sons e vídeos, outros sites, emails, através do
recurso dos links, integrando sites dos mais diversos assuntos a serviço dos mais diferentes
interesses. Sites que disponibilizam páginas com links de preferência, estabelecendo conexões
de afinidade entre produtores de sites e seus visitantes. Palavras-chave utilizadas em buscas
com os mais diferentes fins, abrindo inúmeras possibilidades de articulação. A internet,
através desse conteúdo freqüentemente disponibilizado e constantemente enriquecido, serve
como uma espécie de teia onde os vários pontos de encontro entre os fios nós de rede seriam
os usuários. Não é a toa que a interface gráfica da internet tida como a cartada definitiva para
a adesão dos usuários em grande escala, denominou-se WWW (World Wide Web), ou ainda,
teia do tamanho do mundo.
Dois grandes fatores, no entanto, são determinantes para entendermos as
mudanças que se processam em tantos setores a partir da introdução desse ambiente virtual: a
interatividade ou seja, o estabelecimento de um meio de comunicação que tecnicamente
coloca usuários em condições similares de interlocução, ou seja, produção e recepção de
mensagens, também em tempo real; e multimídia entendida de modo geral como a
convergência de sinais de texto, imagem, áudio e vídeo para o mesmo padrão digital.
Dessa forma podemos entender a passagem do analógico na figura dos meios
impressos e das editoras e gráficas, da fotografia, do rádio, da TV e do cinema para o digital
como uma renovação sem precedentes nos modos de pensar e fazer a comunicação. Quando
falamos em interatividade, não nos referimos meramente àquela proporcionada pelo rádio que
hoje percebemos nos programas de AM e FM, nem mesmo nos radiotransmissores,
9

bidirecionais, mas limitados no acesso. Quando falamos em multimídia, falamos de um


suporte novo que incorpora suportes anteriores, não somente acrescenta num mesmo produto.
Dessa forma sim, podemos afirmar que estamos assistindo a uma "inédita
instauração de um paradigma de comunicação por um padrão tecnológico, incorporado a um
modo de produção" (CABRAL, 1999, p.1). E modificando a natureza do meio e a relação
com seus usuários potencialmente produtores e receptores, numa interface não mais baseada
em telespectadores ou ouvintes, ess novo paradigma de comunicação recoloca antigas
indagações e redefine princípios em relação ao que nos acostumamos a entender como meios
de comunicação.
10

3. COMUNIDADES VIRTUAIS

Para ÁVILA (1975), uma comunidade apresenta as seguintes características:


a) uma certa contigüidade espacial, que permita contatos
diretos entre seus membros;
b) a consciência de interesses comuns, que permite aos
seus membros atingirem objetivos que não poderiam
alcançar sozinhos;
c) a participação em uma obra comum, que é a realização
desses objetivos e a força de coesão interna da
comunidade.
Figura 1.7 Comunidades Virtuais
O conjunto de pessoas que se reúne e interage através de conferências eletrônicas
experimenta circunstâncias equivalentes às citadas acima. Com uma pequena diferença, o
local de contato é o ciberespaço.
FERNBACK E THOMPSON (1995, p. 8) definem comunidades virtuais como as
"relações sociais formadas no ciberespaço através do contato repetido em um limite ou local específico (como
uma conferência eletrônica) simbolicamente delineado por tópico ou interesse". Para eles, os diversos
indivíduos reúnem-se por um senso comum, e não por mera agregação geográfica.
RHEINGOLD (1993) entende comunidade virtual como agregações sociais que
emergem na Internet quando um número de pessoas conduz discussões públicas por um
tempo determinado, com suficiente emoção, e que forma teias de relações pessoais no
ciberespaço. Ele defende que a diminuição das possibilidades de encontros reais nas cidades
motivou o surgimento e o crescimento dos encontros virtuais.
Porém, existe o temor de alguns teóricos que a hiper-realidade condicione o
desaparecimento de comunidades reais. "Comunidade só pode existir em uma sociedade
mediatizada através do meio porque nenhuma outra existe". Esse receio aparece no texto
"Baudrillard in Cyberspace: Internet, Virtuality and Postmodernity", de NUNES (1995).
BAUDRILLARD (1997, p. 71) receia que o espaço virtual transforme, e até aniquile,
as representações que temos do mundo, do político, do real e do social.
Porém, contra o temor que realidade virtual conste de um lugar asséptico, de
informações precisas e pouco espontâneas, que possam destruir a sociabilidade, LEMOS
(1996, p. 21) afirma que o interesse sociológico e antropológico do ciberespaço reside
justamente no vitalismo social que os chats permitem canalizar.
11

O interesse está no fato de que todas as formas de sociabilidade contemporâneas


encontram na tecnologia um potencializador, um catalisador, um instrumento de conexão. (...)
o ciberespaço não é uma entidade puramente cibernética no sentido etimológico de controle
ou pilotagem, mas uma entidade abstrata, efervescente e caótica.
Sobre o dilema realidade virtual x real, Lemos aponta que o ciberespaço não é
desconectado da realidade. Pelo contrário, trata-se de um espaço intermediário que faz parte
da cultura contemporânea. No ciberespaço todos são atores, autores e agentes de interação.
Para WARK (1992), o ciberespaço seria uma alternativa para fugir da chatice do
subúrbio, sem precisar se expor aos perigos da cidade. Outra idéia interessante que esse autor
levanta é que o ciberespaço recria a idéia de comunidade. As comunidades virtuais não tem
um lugar real para se encontrar como toda comunidade. Não costumam se encontrar em uma
boate ou em uma praça. Os participantes integram-se na comunidade através de modem em
conferências eletrônicas.
Outra circunstância interessante é a formação de subúrbios virtuais no
ciberespaço, já que os usuários de serviços de chat habitualmente freqüentam canais
temáticos.
Comunidades virtuais, construídas em volta de interesses e não de proximidade física,
sugere um movimento para longe da vitalidade tensa da vida em cidade. Quando todo grupo
tem seu próprio chat room, porque se aventurar fora deste estreito quadro de referência?
Desse ângulo, a ascensão da comunidade virtual parece seguir a lógica da suburbanização, já
que cada grupo social recua para trás das novas comunidades fechadas do ciberespaço.
De fato é o que ocorre nas diversas conferências eletrônicas espalhadas pelo
ciberespaço. Os usuários desses serviços se conectam habitualmente as comunidades on-line,
ou salas de encontros virtuais, que tem por título assuntos que lhes são relevantes. É nesse
convívio que desenvolvem suas personas, que desenvolvem um senso comunitário e que
fazem e desfazem amizades.
A partir do seu próprio uso da internet e das relações que desenvolveu nela,
RHEINGOLD (1993) afirma que as pessoas de comunidades virtuais se utilizam de palavras
na tela do monitor para trocar experiências, discutir, participar de discursos intelectuais, trocar
suporte emocional, desenvolver amizades e amores, flertar, jogar, produzir arte, etc. Os
participantes "deixam para trás seu corpos" e, logo, não há como se tocar, beijar ou agredir
fisicamente. Mas essas comunidades, segundo ele, se tomaram atrativas e até um vício. E
segundo seu testemunho, muitas relações virtuais se desenvolvem até relações reais. A
experiência dele no chat WELL, de San Francisco, o levou a participar de casamentos,
12

nascimentos e até funerais ligados aos membros que ele conheceu naquela comunidade. Na
verdade, é comum às comunidades virtuais promoverem encontros reais, para que os
participantes possam conhecer-se fisicamente.
Rheingold, citado por FEMBACK E THOMPSON (1995, p. 7) sugere que se as
comunidades virtuais respondem às necessidades sociais das pessoas elas devem sofrer um
significativo crescimento nas próximas décadas:
Quando um grupo de pessoas permanece em comunicação com outro por períodos
estendidos de tempo, a questão se isso constituí uma comunidade aparece. Comunidades
virtuais podem ser comunidades reais, elas podem ser pseudo-comunidades, ou podem
constituir um tipo de contrato social completamente novo, mas eu acredito que sejam em parte
uma resposta a necessidade de comunidade que seguiu à desintegração das comunidades
tradicionais no mundo.
RHEINGOLD (1993) ainda lembra que Licklider e Taylor, criadores da ARPANET
(que antecedeu a internet), já em 1968 haviam previsto a formação de comunidades lincadas
por computador. Segundo eles, essas comunidades consistiriam de pessoas separadas
geograficamente, organizadas por interesses comuns e não por localidade.
Sendo assim, as comunidades virtuais seriam baseadas em proximidade intelectual e
emocional em vez de mera proximidade física. Os participantes reconhecem-se parte de um
grupo e responsáveis pela manutenção de suas relações. Dessa forma, pode-se inferir que essa
percepção é, muitas vezes, maior nesses grupos que em situações de comunidades baseadas
geograficamente, como um bairro ou condomínio. Baseadas na proximidade física, muitas
dessas comunidades freqüentemente carecem de qualquer aproximação emocional.
Por outro lado, FERNBACK E THOMPSON (1995) lembram que a noção de
comunidades virtuais também recebe muitas críticas. A entrada para uma conferência
eletrônica depende inicialmente da possibilidade financeira de aquisição de um computador,
manutenção de uma conta telefônica e de serviços do provedor de internet, capacidade de
leitura e redação, além de familiaridade com o texto informatizado. Logo, as comunidades
virtuais seriam pré-selecionadas e elitizadas e iriam contra a retórica de democracia e
liberdade da internet.
É importante salientar que diferentemente das comunidades geográficas, que sempre
existirão, as comunidades virtuais podem ser efêmeras. A comunidade de um bairro sempre
existirá, pois o bairro não deixará de existir. Por outro lado, um chat só existe quando o
sistema está funcionando. Ocorrendo algum problema, ele deixa de existir.
Um usuário de um chat fará parte da comunidade enquanto se conectar habitualmente
13

a ele. Assim que ele deixe de freqüentar o canal, ele deixa de fazer parte daquela
comunidade. Bem, o mesmo pode ocorrer em uma situação real. Uma pessoa que deixe de
morar no bairro (de nosso exemplo hipotético) e não freqüente mais o mesmo, não é mais
percebido como parte daquela comunidade. Por outro lado, em uma cibercomunidade, um
usuário de nick (apelido usado na conferência) "Fulano" pode aparentar que deixou de fazer
parte da comunidade ao mudar o nick para "Sicrano". Mudando o nick sem comunicar a
mudança, o usuário virtualmente se transforma em outro "indivíduo", mas continua fazendo
parte da mesma comunidade. A mesma situação não ocorreria em situações reais.
“A internet é o coração de um novo paradigma sociotécnico, que constitui na
realidade a base material de nossas vidas e de nossas formas de relação, de trabalho
e de comunicação. O que a Internet faz é processar a virtualidade e transformá-la
em nossa realidade, constituindo a sociedade em rede, que é a sociedade em que
vivemos”. (CASTELLS, 2003, p. 287).
REID (1991) aponta que a comunicação midiada por computador (CMC), por
trabalhar com um sistema particular de signos e significados, afeta a maneira como os
participantes analisam a realidade. Para ela, trata-se de um fenômeno pós-modernista, à
medida que os usuários desconstróem os limites sociais convencionais e constróem suas
próprias comunidades e culturas.
A visão de MCLUHAN (1989) de uma aldeia global, a televisão, o rádio e as
redes telefônicas se estenderam globalmente no decorrer do século XX. Porém, eles
sofrem de limitações de tempo, espaço e características do meio. A TV e o rádio trabalham
com comunicação unilateral, o que funciona bem para transmissões massivas mas não
para contatos interpessoais. O telefone e o rádio amador permitem o diálogo entre
indivíduos, mas apenas se eles estiverem conectados ao mesmo tempo. Sistemas de gravação
de voz (fitas e discos, por exemplo) possibilitam uma comunicação assíncrona, sem
limitações temporais, mas devem ser transportados fisicamente pelo espaço. Mesmo a
comunicação interpessoal face-a-face exige a simultaneidade espacial e temporal dos
participantes. Isto é, trazem limitações à realização do conceito de aldeia global. Já a
CMC permite a realização do conceito de McLuhan pois transcende limitações de
tempo e espaço.
14

A formação de comunidades virtuais na rede configura-se numa estratégia para o


homem que se relaciona no ciberespaço de se fazer reconhecer como diferente diante dos
outros indivíduos, sendo à busca de mecanismos de identificação uma prática constante na
história da humanidade.
A característica diferencial dessa nova possibilidade de estabelecer relacionamentos
sociais no ciberespaço está na forma de se adquirir traços de identificação, pois o próprio
indivíduo escolhe o grupo que pretende fazer parte de acordo com seu interesse particular,
tendo a chance de participar de quantas comunidades desejar.
15

4. REDES SOCIAIS VIRTUAIS

“Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que


permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral ou
específico, das mais diversas formas (textos, arquivos, imagens fotos, videos,
etc.). Há também a formação d e grupos por afinidade, com ou sem
autorização, e de espaços específicos para discussões, debates e apresentação de
temas variados (comunidades, fóruns, twitter, sites de relacionamento)”
(Wikipédia, 2010).
As redes sociais são capazes de expressar idéias políticas e econômicas inovadoras
com o surgimento de novos valores, pensamentos e atitudes. Esse segmento que proporciona a
ampla informação a ser compartilhada por todos,
sem canais reservados e fornecendo a formação de
uma cultura de participação, é possível graças ao
desenvolvimento das tecnologias de comunicação e
da informação, a globalização, a evolução da
cidadania, a evolução do conhecimento científico
sobre a vida, etc. As redes unem os indivíduos
organizando-os de forma igualitária e democrática
em relação aos objetivos que eles possuem em
Figura 1.8 Redes Sociais Virtuais
comum.
Antes do surgimento da Internet as redes sociais já existiam, mas somente após o
surgimento dessa tecnologia essas redes ficaram mais evidentes. As comunidades de
pescadores, trabalhadores, advogados e médicos são apenas alguns exemplos de redes sociais
que existiam antes da Internet, porém não com a mesma velocidade de divulgação de
informações e participação de seus membros que temos hoje. Até mesmo no início da
Internet, com as conexões lentas e caras, houve uma migração gradual e a inserção dessas
comunidades na rede mundial de computadores, o que não implicou no anulamento destas
redes que já existiam.
Em menos de uma década, como as conexões de internet passaram de simples
56Kbps para incríveis 8Mbps e o barateamento do custo de acesso, o número de usuários
(os chamados internautas), aumentou significadamente. Com isso houve uma expansão no
número e na diversidade de assuntos discutidos nas redes sociais. As pessoas não
precisavam mais ir até um determinado local, marcar um horário para se reunir e, muito mais
16

importante, as pessoas não precisavam mais saber quem você é para participar dessas
comunidades.
Hoje, muitas pessoas participam de diversas redes sociais e o número de pessoas
que elas conhecem pessoalmente podem ser contados nos dedos. Isto se deve ao fato de
que o objetivo principal é compartilhar informações dos mais diversos assuntos e nas
mais diversas comunidades.
Segundo dados do IBOPE/NETRATINGS, só em maio de 2008, 18,5 milhões de
pessoas navegaram em sites relacionados a comunidades. Se forem acrescidos a este
número os fotologs, videologs e os mensageiros instantâneos, o valor salta para 20,6
milhões de brasileiros por mês acessando as chamadas “redes sociais”.
Segundo WIKIPEDIA (2010), as redes sociais mais populares no Brasil são:

Figura 1.9 Orkut Figura 2.0 Facebook Figura 2.1 YouTube Figura 2.2 Flickr Figura 2.3 Twitter

Orkut é uma rede social on-line, projetado para amigos. Permite que você encontre
facilmente pessoas que compartilhem seus hobbies e interesses, procure relacionamentos
afetivos ou estabeleça novos contatos de trabalho;
Facebook é uma rede social onde cada pessoa pode ter o seu perfil, ou seja, os seus
dados pessoais, as suas fotos, vídeos, links, notas etc. Os membros desta rede social, como
aliás de todas as outras, interagem entre si, visitando os perfis, fazendo amigos, estabelecendo
contatos, deixando comentários, enviando mensagens entre si;
YouTube é o líder no setor de vídeos on-line é o principal destino dos internautas para
assistir e compartilhar vídeos originais com todo o mundo por meio da internet;
Flickr é uma Site de hospedagem e partilha de imagens fotográficas (e eventualmente
de outros tipos de documentos gráficos, como desenhos e ilustrações);
Twitter trata-se de um serviço gratuito que pode ser desfrutado por qualquer
internauta, não requer convite e permite que você publique textos de até 140
caracteres.
O Twitter é também uma maneira prática e rápida de divulgar links interessantes,
manter seus amigos informados sobre o que você anda fazendo ou publicar insights que lhe
vêem à cabeça num determinado momento.
17

Por meio dessas ferramentas, pode-se mostrar os gostos e expandir os contatos, mesmo
que por vezes, meramente virtuais.
Uma das características desses meios de comunicação são as comunidades que reúnem
adeptos de carros antigos, por exemplo, bandas de rock e, até mesmo, astros do cinema. No
entanto, especialistas questionam até que ponto, essas comunidades interferem na profissão,
tendo em v ista que os empregadores andam "espiando" as páginas pessoais dos
funcionários.

4.1 Redes sociais virtuais focadas no trabalho

GONZALES (2008), comenta sobre as redes sociais virtuais focadas no trabalho,


tem o conteúdo e perfis comerciais para apoio e divulgação de pessoal técnico
especializado. Existem os gratuitos e os pagos:

Figura 2.4 Linkedin Figura 2.5 Plaxo Figura 2.6 Naumz

LinkEdin um dos precursores das redes sociais com perfil de trabalho, carro chefe
da categoria e muito popular entre HeadHunters e analistas de RH que utilizam a internet
para busca e prospecção de candidatos a estágio e ou emprego com mais de 22 milhões de
usuários cadastrados, existem contas pagas e gratuítas. Para profissionais, não há
vantagens em passar para uma modalidade paga, já que os recursos extras fazem mais
sentido para empressas em busca de candidatos. Famoso pelos endorsements; ou endosso
(em português), escrita por um colega na rede profissional (tema criado no
LinkedIn e popularizado nas demais redes sociais no Orkut podem ser os
“depoimentos”);
Plaxo é focado nas atividades da web dos contatos. Permite o cadastro de blogs,
sites de hospedagem de fotos e qualquer outro tipo de serviço que possa gerar informações
em RSS. Comunidades mais ativas e personalizáveis, que recebem vídeos, fotos e
enquetes, além de contar com uma URL fácil de lembrar. Não tem o recurso de
recomendações do LinkedIn, nem opções avançads par busca, que permitam delimitar o
18

perfil profissional desejado.


Naumz tem ótima reputação, crescimento exponencial no Brasil, incorpora
recursos como recomendações e histórico profissional, aceita canais RSS com fotos,
textos e vídeos, adiciona o perfil do usuário ao Google facilitando as buscas pelo nome,
tem sistema de pontuação, há aceitação de conexões pelos contatos. Quanto mais pontos
tiver melhor será sua reputação na rede e provavelmente mais confiáveis serão suas
informações. Existe versão paga com preço de US$ 10,00 (Dez dólares americanos)
por mês. A grande maioria de profissionais no Brasil não explora ou sub-utiliza estas
poderosas ferramentas de apoio de encaminhamento ao trabalho.
Segundo entrevista a REVISTA VEJA (2009), o carioca André Rodrigues, de 35 anos,
gerente de projetos da IBM, recebe cinco propostas de emprego por mês. André não fica
enviando pilhas e pilhas de currículos pelo correio. Tudo se deve ao perfil que ele mantém no
LinkedIn, com 1 800 contatos. Em 2007, André conseguiu um emprego em uma fábrica de
software, em Campinas-SP., graças à indicação de um integrante do site.
"É uma rede de relacionamentos com um foco profissional bem
definido. Não estou ali para fazer amigos, mas para fazer
contatos", diz André.
Para assuntos pessoais, ele usa sua conta no Orkut.
Contatos Virtuais: 2400
Conhece Pessoalmente: 150
Figura 2.7 André Rodrigues
A pesquisa da Consultoria em RH ROBERT HALF (2009), aponta que mais de 90%
dos executivos de média e alta gerência usam redes sociais ativamente, como ferramenta de
trabalho e de contato com amigos e conhecidos. Pesquisa realizada pela líder mundial em
recrutamento especializado Robert Half com 375 executivos de todo o Brasil revela que 46%
dos entrevistados usam redes como Twitter, LinkedIn, Orkut e Facebook para
relacionamento pessoal, enquanto 44% têm contato com esses meios digitais com fins
profissionais.
A pesquisa mostra ainda que a rede mais usada é o LinkedIn, favorita de 36% dos
entrevistados. Entre os profissionais da Geração Y, que têm entre de 23 e 31 anos, a
plataforma de relacionamento mais usada é o Orkut, com 33% das preferências. Os
entrevistados têm consciência do peso das redes sociais para a vida profissional - a prova
disso é que 80% deles usariam os meios digitais para procurar emprego.
Apesar da importância cada vez maior das redes sociais para os profissionais, as
19

empresas em que trabalham ainda não possuem perfis nessas plataformas. A pesquisa mostra
que apenas 20% das empresas onde os entrevistados atuam têm páginas em meios de
relacionamento digital.
“No começo, as redes sociais da internet eram usadas para entretenimento
reencontrar amigos, manter novidades em dia e divulgar fotos pessoais. Agora, elas
têm outra função: a de promoção profissional.” Nunes (2009).
O uso das redes sociais no ambiente profissional ainda divide opiniões. Alguns alegam
que a utilização dessas ferramentas provoca perda na produtividade do profissional. Já outros
enxergam nas redes de relacionamento uma forma de ampliar setores da empresa,
turbinar a inteligência organizacional e utilizá-las como eficiente instrumento de
trabalho.
HOFFEMAN (2009), comenta que atualmente todo mundo deve ter um perfil online.
Se há uma coisa a ser feita, é manter um perfil completo com suas experiências profissionais e
escolaridade. Perfis mais completos têm chances 50 vezes maiores de ser contatado para
vagas do que aqueles que deixam um breve resumo. É interessante também
estabelecer contatos na rede, o que aumenta suas chances de encontrar alguma
oportunidade.
Os já difundidos blogs, Orkut e LinkedIn são complementados por Twitter, MySpace e
YouTube para mostrar currículo, encontrar vagas e promover competências. As páginas
eletrônicas de relacionamento começaram a se fortalecer entre recrutadores e Headhunters.
Cada rede de relacionamento possui características próprias e está na mira de empresas
e agências de recrutamento. Com tanta atenção, os usuários devem calcular como fazem sua
exposição virtual. A chance de conquistar uma vaga pode ser perdida quando o profissional
possui em seu perfil virtual elementos que manchem sua imagem, como fotos
constrangedoras, piadas de gosto duvidoso e comunidades com os nomes “odeio meu chefe”
ou “bebo até cair”.
Usar os sites de relacionamento na busca por oportunidades de emprego é uma
tendência que ajuda os recrutadores a identificar pessoas para determinadas vagas, estar
incluído nessas comunidades virtuais demonstra que a pessoa está "antenada".

4.2 Como entrar em uma rede social

ROBERT HALF CONSULTORIA (2009), aponta em sua pesquisa que 91% dos
executivos brasileiros têm perfis em redes sociais. Os perfis também são usados na hora de
20

contratar funcionários. A rede mais lembrada é o LinkedIn, mas o Twitter, o Orkut e o


Facebook também podem ajudar a construir o perfil profissional. Ver anexo, Figura 2.8
Executivos Conectados.
Percebe-se que as redes sociais são um sucesso, e estar fora delas é se excluir de uma
nova realidade, onde fazer amigos, conseguir um novo emprego e descobrir que existem
milhares de pessoas com os mesmos interesses que você é fantástico. O anexo, Ilustração 1
Como entrar em uma rede social, demonstra de forma clara e objetiva como fazer parte das
redes sociais mais utilizadas da internet.
21

5. INTERNET NO TRABALHO

Com a evolução rápida dos meios de comunicação, a internet passou a fazer parte da
vida da maioria das pessoas. Nas organizações não foi diferente. Uma parcela grande das
empresas se utiliza da internet e das redes internas de comunicação para facilitar o dia a
dia.
O ambiente de trabalho deveria ser
sempre harmônico. Afinal, salvo raras
exceções, é lá que as pessoas passam, pelo
menos, um terço do dia. Como tempo é
bastante corrido e no dia a dia são incluídas
tantas atividades, há aqueles que têm mais
contato com os colegas do que com a própria
família. Figura 2.9 Ambiente de Trabalho
DIAS (2009), comenta que é comum ver a cena: pessoas no trabalho que resolvem dar
aquela arejada. Conversando através do MSN com amigos, twittando alguma coisa, fuçando o
Orkut, até que o chefe apareça e todos começam a fechar as janelas dos computadores
rapidamente, disfarçando e voltando ao batente.
Muitas companhias tem restringido o acesso a alguns sites de internet a seus
colaboradores. Isso decorre do fato de eles abusarem do uso desses sites. Enviar e-mails
pessoais, fazer compras ou ficar em bate-papos on line durante o expediente são os
motivos alegados pelas empresas para tomarem tal atitude.
As empresas consideram que os funcionários deixarão de trabalhar e gastarão o tempo
precioso mandando mensagens para amigos. Um dos principais desafios será a
conscientização do usuário, uma vez que o funcionário é o principal culpado por falhas na
segurança da internet nas empresas, virus e vazamento de informações sigilosas são um dos
exemplos.
Surgem todos os dias novos sites maliciosos com intuíto de explorar a fraqueza
desses usuários, que por falta de treinamento e concientização acabam se tornando presas
fáceis.
Empresas como a Catho, que faz recrutamento online, restringe o acesso a maioria
dos funcionários.
22

“Tentamos deixar claro para o profissional que os recursos


que disponibilizamos aqui não são deles, são da empresa”,

diz TEZOTTO (2009), gerente da Catho.


Segundo ele, já houve funcionários que deixaram
de trabalhar para conversar pelo Messenger, e que
a partir disso passou-se a monitorar e proíbir o
acesso a redes sociais e a emails pessoais.
Figura 3.0 Internet no Trabalho
Cada vez mais empresas estão checando sites de redes sociais na internet e demitindo
funcionários em caso de exposição que consideram indevida, March (2009), relata que os
casos, de demissões por uso indevido da internet ainda são polêmicos, porque vão desde
situações claras para dispensa a outras nem tão óbvias assim, ou quando o empregado não tem
a intenção de prejudicar terceiros. Além disso, a discussão envolve questões como
privacidade e anonimato.
“Em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, um motorista de uma empresa de ônibus
foi demitido, em 2007, sob o argumento de que integrava uma comunidade que
hostilizava a companhia no Orkut, onde também teria feito um comentário ofensivo
contra a mesma. O motorista tenta reverter a demissão por justa causa na Justiça
do Trabalho, mas já perdeu em duas instâncias. Ele alega que qualquer pessoa
poderia ter cadastrado o seu nome de forma indevida na comunidade.” O GLOBO,
(2009).
Segundo BISSOLI (2009), empregados que criam comunidades da empresa onde
trabalham ou que falam mal de algum colega nas redes sociais estão entre os mais demitidos.
Normalmente, essas são as situações mais comuns, existe ainda funcionários, como
operadores de telemarketing, que fazem chacota de clientes em fóruns de discussão.
FERLA (2009), comenta em seu artigo que funcionários produzem mais se puderem
utilizar a internet para a diversão durante o expediente. A afirmação é polêmica e pode
desagradar a muitos chefes, mas esse é o resultado de uma recente pesquisa realizada pela
Universidade de Melbourne, na Austrália. O estudo apontou que a navegação na Web por
diversão aumenta os níveis de concentração e torna o trabalho mais produtivo.
A pesquisa aponta ainda que as pessoas que navegam dentro de um
limite de menos de 20% do tempo de trabalho são mais produtivas, rendendo cerca de
10% a mais em comparação com aquelas que não têm contato com a Internet. Essa
tendência surge num período em que grandes empresas fazem altos investimentos em
tecnologia da informação a fim de impedir o acesso de colaboradores a e-mails
23

pessoais, blogs, páginas de relacionamento e sites de entretenimento como o YouTube.


Esse é de fato um tema
polêmico. Acredita-se que a
produtividade de quem necessita
acessar informações e conhecimentos
para produzir resultados deva mesmo
aumentar, dadas as facilidades e
possibilidades quase ilimitadas da
Web e a quantidade de informações
interessantes ao alcance do usuário.
Porém, o desafio do gestor e do
colaborador está em dosar o uso
dessa ferramenta para que esse
benefício se reverta em resultados
Figura 3.1. Distração Saudável
positivos para a empresa.
Seria até falta de sensatez defender o cerceamento da utilização da internet no
trabalho, haja vista que, bem utilizada, é uma ferramenta de otimização, comunicação e
interatividade. Ela aumenta capacidades, aproxima pessoas e democratiza a informação e o
conhecimento.
Além disso, a internet cria um senso de urgência, de estar "plugado", de ler e ser lido,
de ver e ser visto. Todos querem estar atualizados. Alguns, ao ficar uma hora sem acessar a
rede, têm a sensação de estar perdendo alguma coisa. A informação de uma hora atrás já é
antiga. Todavia, a responsabilidade deve estar presente no comportamento de quem usa a web
no trabalho, pois é muito fácil, ao navegar na internet, perder o foco e esquecer o bom senso.
Ao gestor moderno resta a tarefa de se adaptar às inovações do seu tempo. O uso da
internet tem alguns "efeitos colaterais", como o consumo acrítico de informação, a distração,
a falta de foco e a dificuldade de transformar informação em conhecimento. Essa é, sem
dúvida, uma questão delicada, já que o funcionário pode se dispersar muito facilmente ao
longo do dia, influenciando de forma negativa a obtenção das metas.
O ideal seria poder contar com a responsabilidade dos colaboradores de forma que
usem essa poderosa ferramenta nas horas de trabalho para agregar valor à sua atividade
profissional e, nas horas de folga e após o expediente, para tratar de assuntos pessoais e se
divertir. O acesso à internet com responsabilidade e bom senso pode confirmar o que diz a
pesquisa: trazer resultado profissional e aumento da produtividade.
24

6. FORMAS DE PRESERVAR A SEGURANÇA E A REPUTAÇÃO NO


TRABALHO

REANI (2009), aponta que uso indevido de internet no trabalho pode gerar demissão.
Atividades corriqueiras na internet doméstica podem ser proibidas em ambiente de trabalho.
A desobediência à política de segurança da informação da empresa pode acabar em
advertência, suspensão e até demissão. No fim das contas, o dono do computador e do acesso
à rede é o patrão, que pode até ler o que você escreve no webmail.
As empresas têm direito a monitorar o uso dos PCs, bloquear o acesso a sites
considerados perigosos e determinar como as ferramentas podem ser usadas. O limite entre
uso privado e corporativo da rede é polêmica, mas dicas simples podem proteger empregado e
empregador de possíveis abusos. As punições só podem ser aplicadas se houver regras claras.
A melhor forma de resguardar todas as partes é contar com uma política transparente e
bem divulgada. As normas devem dizer o que pode feito e o que é proibido, pois para alguns
intérpretes: “O que não é proibido, então é permitido”. As regras devem estar visíveis para
que o funcionário saiba que está entrando em ambiente monitorado e possa decidir. A punição
pode variar de uma advertência até a demissão no caso de reincidência ou de infração grave.
A empresa não precisa comprovar que teve prejuízo, basta comprovar o descumprimento das
regras. No setor público, ainda se aplica a Lei 8112/90, que diz que o servidor não pode fazer
uso particular de recursos públicos.
A figura abaixo ilustra os principais erros cometidos pelo funcionários:

Fonte: Rodrigo Souza/EZ Security e Renato Opice Blum, Advogado

Figura 3.2 Os principais erros dos funcionários


25

Algumas regras de convivência evitam problemas ao navegar durante o expediente.


Seja qual for o grau de liberdade no seu trabalho.
Maneiras de evitá-los:
• Conscientização: Os funcionários devem saber regras básicas de segurança na rede,
como não clicar em links suspeitos e não espalhar spam;
• Política claras: As regras de acesso à internet devem ser claras para evitar infrações e
problemas futuros;
• E-mail corporativo: Deve ser utilizado apenas para assuntos internos. Não é ilegal
utilizá-lopara fins pessoais, mas lembre-se: a empresa pode monitorar as
mensagens;
• E-mail pessoal: A recomendação é que o acesso a emails pessoais seja proibido
(principalmente por causa da falta de conscientização dos funcionários);
• Redes sociais: Devem ser bloqueadas na maioria das empresas. Se forem liberadas,
preste atenção nas informações e fotos que coloca no seu perfil;
• Sites proibidos: Devem ser bloqueados. Sem exceções;
• Rede interna: Deve ser o ambiente mais protegido, porque é onde acontece o maior
tráfego interno de dados;
• Messenger: A empresa não pode monitorar as mensagens pessoais no MSN. Para
evitar problemas, a recomendação é que sejam criadas contas específicas para uso
corporativo.
Existem muitas empresas que não impedem que os seus funcionários deixe de utilizar
qualquer rede social de forma moderada, em pequenos momentos de intervalo, como forma de
relaxar. Nesse caso, vale mesmo o bom senso. É importante não esquecer que o funcionário
está no trabalho para desempenhar uma função e quanto maior for a sua atenção, maior será a
probabilidade da tarefa ser bem-sucedida.
O caminho da liberdade existe, mas demanda educação e conscientização dos
colaboradorese empregadores. O Recursos Humanos tem papel fundamental para provir um
gerenciamento onde não haja abusos, impondo regras claras de uso.
26

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com surgimento da internet rompeu-se as barreiras de comunicação, interação e de


relacionamentos. Cada dia mais fazemos parte desse meio cibernético e estar fora dele é se
excluir dessa nova realidade, que pode ser vivenciada no dia-a-dia ao utilizarmos os
serviços de emails, MSN, efetuando compras on-line, pagando contas em bancos virtuais,
entre tantas outras possibilidades de acessos e serviços que só a internet possibilita a seus
usuários.
Observa-se no entanto que novas práticas sociais emergem da apropriação
desses sistemas, primeiro com a popularização das salas de bate-papo, depois com
ferramentas como fóruns, blogs, fotologs e finalmente através dos chamados sites de redes
sociais.
As chamadas redes sociais já existiam antes do surgimento da internet, mas
somente após o surgimento dessa tecnologia essas rede ficaram mais evidentes.
Na internet, as redes sociais são as comunidades online como Orkut, Facebook e
MySpace, em que internautas se comunicam, criam comunidades e compartilham
informações e interesses semelhantes, existem também as comunidades de interesses
profissionais como o Linkedin, Plaxo, entre outros.
Percebe-se que cada vez mais pessoas e empresas aderem as redes sociais, cada qual
com seu interesse. Geralmente as pessoas utilizam como uma forma de lazer, distração e
paquera. Já as empresas podem fazer do acesso as comunidades virtuais como mais uma
ferramenta para avaliar e contratar pessoas.
O uso das redes sociais no ambiente profissional divide opiniões. Alguns alegam que a
utilização dessas ferramentas provoca perda na produtividade do profissional. Outros
enxergam nas redes de relacionamento uma forma de ampliar setores da empresa, podendo
aumentar a inteligência organizacional e utilizá-las como eficiente instrumento de
trabalho.
Em uma época em que os profissionais precisam estar muito conectados e bem
informados, saber como utilizar a internet sem abusos é tarefa das mais complicadas. Nem
sempre as empresas se preocupam em estabelecer uma política transparente do que pode e do
que não pode ser feito na rede. E nem sempre os funcionários têm elementos para se policiar
no seu trabalho.
Exite ainda o perigo da exposição em excesso nessas comunidades virtuais afinal,
nelas estão presentes não só amigos e familiares como gestores, chefes, políticos, jornalistas,
27

colegas de trabalho, e todas as vertentes pessoais e profissionais que fazem parte da vida dos
internautas. É preciso ter critérios na utilização das redes e analisar qual é o objetivo com as
postagens de idéias, pensamentos ou sugestões.
Fazer o uso consciente dessas ferramentas é sempre o melhor caminho para o sucesso
profissional apontão os especialistas em Recursos Humanos, mas cabe aos usuário o bom
senso na sua utilização.
28

BIBLIOGRAFIA

ÁVILA, Pe. Fernando Bastos. Pequena enciclopédia de moral e civismo. 2. ed. Brasília:
Fename, 1975.

BAUDRILLARD, Jean. Tela total: Mito-ironias da era do virtual e da imagem. 4ª ed. Porto
Alegre: Sulina, 2005.

BISSOLI, Leandro. (2009). Justa Causa?. Disponível em:


<http://oglobo.globo.com/economia/seubolso/mat/2009/04/25/exposicao-emredessocia
is-na internetpode-levar-demissao-755438772.asp> Acesso em: 14/02/2010.

BUSH, Vannevar. Vannevar Bush. Disponível em: <http://www.citi.pt/homepa


ges/espaco/html/vannevar_bush.html> Acesso em: 13/03/2010.

CABRAL, Adilson. A internet e a luta de classes. In. Anais do V Congresso da Associacion


Latinoamericana de Investigadores de Ia Comunicacion-ALAIC. Santiago do Chile:
ALAIC, 2000.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. 6ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

_________,. Internet e sociedade em rede. In: Morais, Denis (Org.) Por uma outra
comunicação: mídia, mundialização, cultura e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003.

CONSULTORIA Robert Half. (2009). Pesquisa da Robert Half aponta que mais de 90% dos
executivos usam mídias sociais. Disponível em: <http://www.roberthalf.com.br/portal/
site/rh-br/menuitem.b0a52206b89cee97e7dfed10c3809fa0/?vgnextoid=d6ce296ddd37
5210VgnVCM1000003c08f90aRCRD&vgnextchannel=155ac1e7a6999110VgnVCM
1000003041fd0aRCRD> Acesso em: 17/03/2010.

DIAS, Tatiana de Mello. Internet no Trabalho: liberdade até que ponto?. O Estado de São
Paulo, 30 nov. 2009. Caderno Link, p.L6:L7.
29

DIZARD, Wilson. A Nova Mídia: a comunicação de massa na era da informação. 2ª ed., Rio
de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

FERLA, Luiz Alberto. (2009). Utilização da internet no trabalho: uma questão de bom senso.
Disponível em: <http://imasters.uol.com.br/artigo/12855/tendencias/utilizacao_da_int
ernet_no_trabalho_uma_questao_de_bom_senso/ > Acesso em: 22/03/2010.

FERNBACK, Jan & THOMPSON, Brad. Virtual communities: Abort, retry, failure?.
Manuscrito eletrônico: <http://www.well.com/user/hlr/texts/VCcivil. html> 1995.

FONSECA, Willian. (2008). Guerra dos Navegadores. Disponível em:


<http://www.baixaki.com.br/info/274-guerra-dos-navegadores.htm> Acesso em:
11/03/2010.

GETSCHKO, Demi. Internet, Mudança ou Transformação?. In: CGI.br (Comitê Gestor da


Internet no Brasil). Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da
comunicação 2008. São Paulo, 2009, pp. 49-52.

GONZALES, Max Alberto. Redes Sociais. Info, São Paulo: Abril, p. 41:53, Jun. 2008.

HOLFFMAN, Reid. (2009). Os brasileiros sabem usar a internet muito bem. Disponível em:
<http://portalexame.abril.com.br/carreira/brasileiros-sabem-usar-internet-muito-bem47
3514.html> Acesso em: 22/03/2010.

IBOPE. (2008). IBOPE//NetRatings lança estudo inédito sobre redes sociais. Disponível
em: < http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/Calandra Redirect?temp=6&proj
=PortalIBOPE&pub=T&nome=home_materia&db=caldb&docid=DF1CAE890B4D16
F88325746D00604588> Acesso em: 15/03/2010.

INTERNET World States. (2009). Pesquisa regular. Disponível em:


<http://www.internetworldstats.com/stats.htm> Acesso em: 11/03/2010.

LEMOS, André. As estruturas antropológicas do ciberespaço. Textos de Cultura e


Comunicação, Salvador, n. 35, p. 12-27,jul. 1996.
30

LÉVY, Pierre. A conexão planetária, o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo:


Ed. 34, 2001.

MARCH, Rodrigo. (2009). Exposição em redes sociais na internet pode levar à demissão.
Disponível em: <http://oglobo.globo.com/economia/seubolso/mat /2009/04/25/exposic
ao-em-redes-sociais-na-internet-pode-levardemissao75548772.asp> Acesso em:
17/03/2010.

MCLUHAN, Marshall Et POWERS, Bruce R., (1989). The Global Village - Transformations
In World Life And Media In The 21st Century New York: Oxford University Press.

NUNES, Paula. Redes sociais são úteis para disseminar perfil profissional. Disponível em:
<http://sitedeempregos.saocamilosp.br/detallecontenido/idnoticia/6185/c/candidato/red
es-sociais-sao-uteis-para-disseminar-perfil-profissional.html> Acesso em: 16/03/2010.

NUNES, Mark. Baudrillard in cyberspace: internet, virtuality, and postmodernity. Diponível


em: <http://project.cyberpunk.ru/idb/cyberspace_internet_virtuality_ postmodernity.ht
ml> Acesso em: 29/03/2010.

O GLOBO. (2009). Exposição em redes sociais na internet pode levar à demissão.


Disponível em: <http://oglobo.globo.com/economia/seubolso/mat/ 2009/04/25/exp
osicao-em-redes-sociais-na-internet-pode-levar-demissao7554 38772.asp> Acesso em:
17/03/2010.

PASSOS, Sabrina. (2009). Internet no ambiente de trabalho. Disponível em: <http:


//vilamulher.terra.com.br/internet-no-ambiente-de-trabalho-5-1-37-341.html > Acesso
em: 10 Out. 2009.

POLISTCHUCK, Ilana e TRINTA, Aluizio R. Teorias da Comunicação. 1ª ed., Rio de


Janeiro: Campus, 2003.

REANI, Valéria. (2010). Uso indevido de internet no trabalho pode gerar demissão.
Disponível em: <http://www.valeriareani.com.br/?p=794> Acesso em: 22/03/2010.
31

REID, Elizabeth M. Eletrotropolis: Communication and community on Internet Relay Chat.


Disponível em: <http://irchelp.org/irchelp/misc/electropolis.html# Pref> Acesso em:
27/03/2010.

RHEINGOLD, Howard. The Virtual Community: Homesteading on the E1ectronic Frontier.


HarperPerennial Paperback in USA. Manuscrito eletrônico:
<http://www.well.com/user/hlr/vcbook/index.html> 1993.

SANTOS, Ademar de Araujo. Informática na Empresa. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2000.

SILVA, Elaine Martins. (2009). O que é backbone?. Disponível em:


<http://www.baixaki.com.br/info/1713-o-que-e-backbone-.htm> Acesso em: 11 Mar.
2010.

TEZZOTO, Lúcio. (2009). Emprego e carreira no século XXI. Disponível em:


<http://www.google.com.br/search?sourceid=navclient&aq=1&oq=lucio+te&ie=UTF-
8&rlz=1T4SUNA_enBR285BR285&q=lucio+tezotto> Acesso em: 22/12/2009.

VEJA, Revista. (2009). Nos laços fracos da Internet. Disponível em:


<http://veja.abril.com.br/080709/nos-lacos-fracos-internet-p-94.shtml> Acesso em:
16/03/2010.

WARK, McKenzie. Cyberpunk from subculture to mainstream. Manuscrito eletrônico:


<http://cyber.eserver.org/cyberpnk.txt> 1992.

WIKIPEDIA. (2010). Rede Social Virtual. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/


wiki/Rede_social_virtual> Acesso em: 15/03/2010.
32

Anexos

Figura 1. América Latina – usuários de internet

Figura 1.1 América do Norte – usuários de internet

Figura 1.2 Ásia – usuários de internet


33

Figura 2.8 Executivos Conectados


Figura 2.8 Executivos Conectados
34

Ilustração 1. Como entrar em uma rede social.


35

Lista de figuras

Figura 1.0 Ásia – usuário internet............................................................................................31


Figura 1.1 America do Norte - usuários de internet.................................................................31
Figura 1.2 América Latina – usuários de internet....................................................................31
Figura 1.3 Internet Explorer.......................................................................................................6
Figura 1.4 Firefox......................................................................................................................6
Figura 1.5 Google Crome..........................................................................................................6
Figura 1.6 Comunicação............................................................................................................7
Figura 1.7 Comunidades Virtuais............................................................................................10
Figura 1.8 Redes Sociais..........................................................................................................15
Figura 1.9 Orkut.......................................................................................................................16
Figura 2.0 Facebook.................................................................................................................16
Figura 2.1 Youtube..................................................................................................................16
Figura 2.2 Flickr.......................................................................................................................16
Figura 2.3 Twitter....................................................................................................................16
Figura 2.4 Linkedin..................................................................................................................17
Figura 2.5 Plaxo.......................................................................................................................17
Figura 2.6 Naymz....................................................................................................................17
Figura 2.7 André Rodrigues....................................................................................................18
Figura 2.8 Executivos Conectados..........................................................................................32
Figura 2.9 Ambiente de Trabalho............................................................................................21
Figura 3.0 Internet no Trabalho...............................................................................................22
Figura 3.1 Distração Saudável.................................................................................................23
Figura 3.2 Os principais erros dos funcionários......................................................................24
36

Lista de ilustrações

Ilustração 1. Como entrar em uma rede social........................................................................33


37

Lista de abreviaturas e siglas

Backbone Significa “espinha dorsal”, é o termo utilizado para identificar a rede


principal pela qual os dados de todos os clientes da Internet passam.

Blog é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de


acréscimos dos chamados artigos ou "posts". Estes são, em geral,
organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática
proposta do blog, podendo ser escritos por um número variável de
pessoas, de acordo com a política do blog.

Browser É um programa de computador que habilita seus usuários a interagirem


com documentos virtuais da Internet.

Chat room São salas de chat, ou seja, são espaços virtuais e eletrônicos, situados em
um website, onde as pessoas comunicam-se, trocam mensagens, mantêm
e participam em conversas direta e em tempo real com outros
participantes em locais separados do mundo mas unidos virtualmente,
através da Internet.

Chat Conversassões em tempo real através de uma conexão com a internet que
podem fazer uso das salas de bate-papo online, ou mensageiros
instantâneos.

Cibercomunidade Comunidades Virtuais, (Ex.: Orkut, Facebook).

Ciberespaço É um espaço de comunicação que descarta a necessidade do homem


físico para constituir a comunicação como fonte de relacionamento,
dando ênfase ao ato da imaginação, necessária para a criação de uma
imagem anônima, que terá comunhão com os demais.

CMC Comunicação midiada por computador.

E-mail Correio eletrônico.


38

Fórum É uma ferramenta para páginas de Internet destinada a promover debates


através de mensagens publicadas abordando uma mesma questão.

Fotolog É um registo publicado na internet com fotos colocadas em ordem


cronológica, ou apenas inseridas pelo autor sem ordem, de forma
parecida com um blog.

Geração Y Também conhecida por Millennium ou Net. Os estudiosos do assunto nos


Estados Unidos estabelecem que integram esta geração os nascidos entre
1977 a 1997. No Brasil acabamos refletindo a realidade norte-americana
algum tempo depois, pode-se definir a partir da década de 1980.

Hardware É toda parte física do computador.

Headhunter É uma pessoa ou um grupo de pessoas ou empresas especializadas na


procura de profissionais talentosos ou gestores de topo.

Hipertexto É o termo que remete a um texto em formato digital.

Http Protocolo de transferência de hipertexto.

IBM International Business Machines (empresa voltada para área de


informática).

Interface É conjunto de meios planejadamente dispostos sejam eles físicos ou


lógicos com vista a fazer a adaptação entre dois sistemas.

Internauta Usuário de internet.

Internet Rede mundial de computadores.

Messenger Programa de troca de mensagem instantanea.

Microsoft É uma empresa multinacional de tecnologia informática dos Estados


39

Unidos da América, que desenvolve e fabrica licenças e suporta uma


ampla gama de produtos software para dispositivos de computador.

MSN Microsoft Service Network, ou ou simplesmente MSN é um portal e uma


rede de serviços oferecidos pela Microsoft em suas estratégias
envolvendo tecnologias de Internet.

Nick Palavra em inglês utilizado para definir apelido, utilizado na maior parte
das vezes em Chats ou Fóruns.

Online Estar conectado a internet.

Post Ato de publicar uma informação.

Provedor Oferece serviços de acesso a internet.

Sites É um conjunto de páginas web, isto é, de hipertextos acessíveis


geralmente pelo protocolo http na internet.

Software É toda a parte lógica do computador.

TCP/IP Protocolo de Controle de Transmissão/ Protocolo de Internet.

Unix É um sistema de exploração multi-usuário, multi-tarefas.

Vídeolog É um website onde é possível compartilhar vídeos, (Ex.: YouTube).

Virtual Tudo aquilo que diz respeito às comunicações via internet.

Web É um sistema de documentos em hipermídia que são interligados e


executados na internet.

WWW World Wide Web (Rede de abrangência Mundial), é um sistema de


documentos em hipermídia que são interligados e executados na internet.
40

Termo de compromisso e responsabilidade


Autenticidade e exclusividade sob as penas da Lei 9810/98

Pelo presente, os abaixo assinados declaram, sob as penas da lei, que o presente
trabalho é inédito e original, desenvolvido especialmente para os fins educacionais a que se
destina e que, sob nenhuma hipótese, fere o direito de autoria de outrem.

Para maior clareza, firmamos o presente termo de originalidade.

Guarulhos, 28 de Abril de 2010.

Sérgio Miguel Arcanjo