P. 1
Sistema Urinário

Sistema Urinário

3.33

|Views: 27.840|Likes:
Publicado porapi-3700467

More info:

Published by: api-3700467 on Oct 18, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/26/2014

pdf

text

original

SISTEMA URINÁRIO

1- CONCEITO E FUNÇÕES O sistema urinário é um sistema relacionado à formação, o armazenamento e a eliminação dos resíduos do metabolismo, através da urina. Para isso, existe o termo excreção que é a eliminação dos resíduos do metabolismo (catabólitos), como o CO2, a amônia, a uréia e o ácido úrico. A partir de reações químicas que se passam no interior das células, resultam resíduos inúteis ao organismo, muitas vezes dotados de toxidade e que devem ser eliminados. Metabolismo de açúcares = CO2 Metabolismo das gorduras = H2O Metabolismo das proteínas = produtos nitrogenados A partir do metabolismo das proteínas, onde os produtos finais são a amônia, o ácido úrico e a uréia, surge a necessidade de existir um sistema específico para a eliminação destes produtos. Daí ocorre o aparecimento do sistema excretor ou urinário. O sistema urinário é o principal sistema de eliminação do organismo, mas não é o único. A pele e os pulmões também atuam nessa função. 2- CONSTITUIÇÃO O sistema urinário do homem consiste de órgãos de formação, armazenamento e eliminação dos resíduos do metabolismo, através da urina. É formado por dois rins, dois ureteres, uma bexiga e uma uretra. 2.1- Rins São órgãos pares em forma de feijão marrom avermelhado revestido por uma cápsula fibromuscular fina com peso entre 90-220 g. São retroperitoniais na parede posterior do abdome, removendo o excesso de água, sais e resíduos do metabolismo das proteínas provenientes do sangue, enquanto retornam nutrientes e produtos químicos para o sangue. 2.1.1) Localização e tamanho Situado na cavidade abdominal (parede posterior), lateralmente à coluna vertebral entre a 12ª vértebra torácica e 3ª vértebra Lombar, sobre o músculo psoas maior, medindo aproximadamente 12-13 cm de comprimento, com 5cm de largura e 2,5 cm de espessura. O rim direito fica um pouco mais abaixo que o esquerdo, devido sua relação com o fígado. Como foi citado anteriormente, os rins são órgãos retroperitoniais.

1

2.1.2) Morfologia externa → Face anterior convexa → Face posterior plana → Pólo renal superior → Pólo renal inferior → Margem lateral convexa → Margem medial côncava → Camadas que envolvem os rins: cápsula fibrosa, gordura perirrenal (cápsula adiposa), fáscia renal (lâmina anterior e posterior) e gordura pararrenal.

2.1.3) Morfologia interna: internamente é dividido em córtex e medula renal → Córtex: camada mais externa, logo abaixo da cápsula fibrosa onde encontramos os néfrons. O córtex emite expansões que se projetam para a camada medular formando as colunas renais. Ainda no córtex encontramos as estrias renais. → Medula: situa-se logo abaixo da camada do córtex, onde estão localizadas as pirâmides renais. No vértice de cada pirâmide, estão as papilas renais onde desembocam os orifícios dos ductos coletores com urina vindos dos néfrons. As papilas são envolvidas pelos cálices menores (7-14) que se unem formando os cálices maiores (2-3). Os cálices maiores por sua vez, se unem e formam uma região comum denominada de pelve renal. → Hilo renal: margem medial. No hilo a veia renal é anterior à artéria renal que é anterior a pelve renal. → Seio renal: espaço dentro dos rins ocupado por gordura, onde a pelve renal, os cálices, os nervos e vasos estão situados. → Pedículo renal: ureteres, vasos sanguíneos, vasos linfáticos e nervos. → Néfrons (um milhão aproximadamente em cada rim)

2

2.1.4) Relações RIM DIREITO: Anteriormente: fígado, segunda parte do duodeno, colo ascendente e flexura hepática. Posteriormente: diafragma, psoas maior, quadrado lombar e 12ª costela. RIM ESQUERDO: Anteriormente: estômago, pâncreas, colo descendente, flexura esplênica, baço e jejuno. Posteriormente: diafragma, psoas maior, quadrado lombar e 12ª costela. O rim direito é ligeiramente mais baixo do que o esquerdo, possivelmente por causa do seu estreito relacionamento com o fígado. Na posição ereta, o rim estende-se do nível da primeira vértebra lombar até a quarta vértebra lombar (12ª vértebra torácica até 3ª vértebra lombar) Os pólos superiores dos rins estão ao nível da borda superior da décima segunda vértebra torácica, e os pólos inferiores ao nível da terceira vértebra lombar. Superiormente os rins são cobertos pelas glândulas supra-renais. O vaso e nervo subcostais e os nervos ílio-hipogástrico e ilioinguinal, descem diagonalmente através das faces posteriores dos rins.

-

-

2.1.5) Funções

-

Manutenção do equilíbrio iônico do sangue excretando produtos residuais sob forma de urina. O sangue que entra nos rins alcança os glomérulos onde o líquido é filtrado. Regulam o volume e a composição dos líquidos corporais Excretam os produtos finais do metabolismo, removendo os compostos estranhos (ex: fármacos) Funcionam como órgãos endócrinos Controle do balanço eletrolítico Regulação do equilíbrio ácido-base Conservação de nutrientes Excreção de resíduos metabólicos (uréia, ácido úrico e creatinina) Participação na produção de glóbulos vermelhos Participação na regulação do metabolismo ósseo de cálcio e fóforo – ativa a vitamina D

2.1.6) Néfrons São unidades funcionais dos rins responsáveis pela filtragem do sangue e formação da urina ( 1 milhão por rim ). São formados pelo glomérulo de malpighi, cápsula de bowman, túbulo contornado proximal, alça de henle, túbulo contornado distal e túbulos coletores.

3

2.1.7) Vascularização               Artérias renais (a aorta entre L1 e L2) Artérias segmentares Aa. interlobares Aa. arqueadas Aa. retas Aa. interlobulares Arteríolas aferentes Capilares glomerulares Arteríola eferente Capilares peritubulares Veia interlobular Veia arqueada Veia interlobar Veia renal

4

2.1.8) Segmentos dos rins      Superior Antero-superior Antero-inferior Inferior posterior

2.2- Ureteres São tubos fibromusculares com cerca de 25 cm de comprimento e retroperitoniais, que unem os rins com a bexiga. Sua metade superior ocupa a posição abdominal e sua metade inferior é pélvica. Eles descrevem um percurso descendente, junto a parede posterior da cavidade abdominal, de modo paravertebral, cruzando as artérias ilíacas comuns antes de penetrarem na pelve, passando posteriormente aos vasos uterinos. Em seu trajeto, os ureteres sofrem alguns estreitamentos:  junção pielo-uretral (junto do ureter com a pelve renal)  na pelve (quando cruza a abertura superior da pelve)  região intramural (em seu trajeto através da parede da bexiga) Cada ureter desemboca na bexiga póstero-inferiormente, abrindo-se no trígono vesical, através dos óstios ureterais direito e esquerdo, respectivamente. Os ureteres possuem três túnicas: a adventícia (tecido conjuntivo), muscular (músculo liso) e mucosa. A vascularização é feita pelas artérias que se originam principalmente da artérias renais, artérias testicular ou ovárica ou pela parte abdominal da aorta. Contudo podem se originar também das artérias ilíacas comuns, ilíaca interna, vesical inferior (homem) ou uterina (mulher). Quando as artérias atingem o ureter, se dividem em ramos ascendentes e descendentes.

2.3- Bexiga Urinária 2.3.1) Características Gerais e Localização A bexiga é um órgão muscular oco (músculo liso) que tem por função armazenar temporariamente a urina. A forma, o tamanho e a posição da bexiga variam com a idade e com a quantidade de urina que ela contêm. Está situada na cavidade pélvica posteriormente à sínfise púbica, estando separada desses ossos pelo espaço retropúbico. Vazia é ligeiramente arredondada pela pressão e pelas conexões com as estruturas adjacentes. À medida que ela se enche sobe gradativamente para o abdome até o umbigo. A bexiga de um indivíduo adulto pode conter até 350 ml de urina. 2.3.2) Morfologia

Faces ou Contornos: superior, duas inferolaterais e uma posterior.

5

No homem, a face posterior se relaciona com as glândulas vesiculosas e com as ampolas dos ductos deferentes. Na mulher, as relações são com a vagina e com o colo do útero. A face inferior está presa ao períneo por ligamentos e a face superior está fixada a cicatriz umbilical pelo ligamento umbilical mediano (úraco).  Divisão anatômica: corpo, fundo, colo e ápice. O ápice da bexiga (extremidade anterior), aponta em direção a margem superior da sínfise púbica. O corpo é a parte entre o ápice e o fundo enquanto o fundo é formado pela parede posterior que é um tanto convexa. O colo é para onde o fundo e as faces ínfero-laterais convergem.  Trígono Vesical: Internamente, forma um triângulo eqüilátero (Trígono Vesical), cujos ângulos são formados pelo óstio interno da uretra e pelos dois óstios dos ureteres. A mucosa é lisa e plana, avermelhada quando vazia e pálida quando cheia. A úvula da bexiga é uma saliência mediana acima e atrás do óstio interno da uretra. É formado por um feixe de fibras musculares, pelo lobo mediano da próstata ou por ambos.

Parede: músculo detrusor.

2.3.3) Vascularização A bexiga é irrigada por ramos das artérias ilíacas internas:  Vesicais superiores  Vesicais inferiores (vaginais nas mulheres)  Obturatória  Glútea inferior 2.4- Uretra É um tubo fibromuscular que serve de passagem para a urina da bexiga para o exterior. No homem, mede aproximadamente 20 cm e está dividida em três partes: prostática, membranosa e esponjosa. A uretra prostática, com cerca de três cm de comprimento começa no colo da bexiga, atravessando a próstata, até o ligamento triangular. A uretra membranosa com cerca de um cm, liga o pênis à

6

uretra prostática. A uretra esponjosa (porção do pênis) com cerca de 15 cm, estende-se do ligamento triangular até o óstio externo da uretra. Na mulher, localiza-se entre os lábios menores, na frente da abertura da vagina, medindo cerca de 4 cm. A vascularização da uretra é feita nos homens pelos ramos prostáticos das artérias vesical inferior e retal média, e nas mulheres pelas artérias pudenda interna e vaginal.

7

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA
- SISTEMA URINÁRIOEste roteiro é um auxílio para seu estudo em aulas práticas e teóricas. Ele de modo algum é uma lista de assuntos que possam ser cobrados em provas teóricas ou práticas. Desta forma, o aluno não deve limitar seu estudo a este roteiro ou aos assuntos nele tratados. É indispensável a consulta à bibliografia recomendada e a freqüência às aulas.

1) RINS - Identificar as regiões: Córtex e Medula renal - Identificar no córtex as Colunas Renais - Identificar na Medula as Pirâmides Renais, os Cálices Menores e Maiores, a Pelve Renal e o Seio Renal; - Observar a Cápsula fibrosa, a Gordura Perirrenal e Pararrenal, e a Fáscia. - Observar os rins na cavidade abdominal e suas relações com os outros órgãos. - Identificar o pedículo renal e o Hilo renal 2) URETERES - Observar sua posição na cavidade e suas relações 3) BEXIGA - Identificar sua posição e relações na cavidade pélvica, - Identificar o fundo, o corpo, o ápice e suas faces. - Identificar o Trígono Vesical e sua formação 4) URETRA - Identificar as porções da uretra masculina - Identificar as relações da uretra feminina

8

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->