P. 1
Construindo o projeto pedagógico - os desafios da escola...

Construindo o projeto pedagógico - os desafios da escola...

|Views: 3.531|Likes:
Esta dissertação tem como objetivo compreender como se deu, no registro do Projeto Pedagógico, entre 2005 e 2009, a incorporação dos princípios de democracia e participação da política educacional consubstanciada na Lei Municipal 1976, de 10 de novembro de 2008 e nas Diretrizes Gerais para o Trabalho Pedagógico. Trabalha-se com análise de fontes documentais, principalmente legislação produzida acerca das políticas educacionais no Brasil e no município de Várzea Paulista, neste último, em documento que registra o Projeto Pedagógico da escola. A metodologia, de abordagem qualitativa, incluirá entrevistas com educadores de uma escola selecionada segundo critérios de número de alunos atendidos e por ter manifestado adesão às novas diretrizes do município, buscando-se entender a lógica e a dinâmica da política educacional a partir dos seus agentes. Os procedimentos de análise se dão com base, entre outros teóricos, em: António Nóvoa, Licínio Lima, Apple e Gimeno Sacristan. Todos estes autores serão subsidiários à compreensão da resistência e ou aceitação, pela escola, da nova política e do processo de mudança dela decorrente.
Esta dissertação tem como objetivo compreender como se deu, no registro do Projeto Pedagógico, entre 2005 e 2009, a incorporação dos princípios de democracia e participação da política educacional consubstanciada na Lei Municipal 1976, de 10 de novembro de 2008 e nas Diretrizes Gerais para o Trabalho Pedagógico. Trabalha-se com análise de fontes documentais, principalmente legislação produzida acerca das políticas educacionais no Brasil e no município de Várzea Paulista, neste último, em documento que registra o Projeto Pedagógico da escola. A metodologia, de abordagem qualitativa, incluirá entrevistas com educadores de uma escola selecionada segundo critérios de número de alunos atendidos e por ter manifestado adesão às novas diretrizes do município, buscando-se entender a lógica e a dinâmica da política educacional a partir dos seus agentes. Os procedimentos de análise se dão com base, entre outros teóricos, em: António Nóvoa, Licínio Lima, Apple e Gimeno Sacristan. Todos estes autores serão subsidiários à compreensão da resistência e ou aceitação, pela escola, da nova política e do processo de mudança dela decorrente.

More info:

Published by: Keimelion - revisão de textos on Feb 09, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

Segundo Ludke e André (1986),

Para se realizar uma pesquisa é preciso promover o confronto entre
os dados, as evidências, as informações coletadas sobre determinado
assunto e o conhecimento teórico acumulado a respeito dele. Em geral
isso se faz a partir do estudo de um problema, que ao mesmo tempo
desperta o interesse do pesquisador e limita sua atividade de pesquisa a
uma determinada porção do saber, a qual ele se compromete a construir
naquele momento. Trata-se, assim, de uma ocasião privilegiada, reunindo
o pensamento e ação de uma pessoa, ou de um grupo, no esforço de
elaborar o conhecimento de aspectos da realidade que deverão servir para
a composição de soluções propostas aos seus problemas. (LUDKE e
ANDRÉ, 1986, p.1-2).

Na busca para tentar responder aos questionamentos propostos e atingir os

objetivos projetados, a pesquisa foi realizada por meio de abordagem qualitativa,

utilizando entrevistas, análise de fontes documentais e também o grupo focal.

Segundo Minayo (1996) uma pesquisa de abordagem qualitativa é aquela que

pode tornar possível a valorização de um

(…) universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores
e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações,
dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à
operacionalização de variáveis. (MINAYO, 1996, p. 21-22).

A pesquisa qualitativa, segundo Chizzotti (2006) assume tradições e

multiparadigmas de análise e adotam vários métodos de investigação para o estudo

de um fenômeno situado em determinado local onde ocorrem e procura encontrar o

sentido desse fenômeno quanto a interpretar os significados que as pessoas dão a

eles. Recobre, hoje, um campo transdisciplinar. (CHIZZOTTI, 2006, p. 28).

R

e

v

i

s

a

d

o

e

f

o

r

m

a

t

a

d

o

p

o

r

K

e

i

m

e

l

i

o

n

-

r

e

v

i

s

ã

o

d

e

t

e

x

t

o

s

Keimelion - revisão de textos

http://www.keimelion.com.br

Foco em teses e dissertações.

keimelion@gmail.com

Envie seu texto para orçamento.

Construindo o projeto pedagógico

45

Luiz Antônio Raniero

Ainda para Chizzotti (2006):

O termo qualitativo implica uma partilha densa com pessoas, fatos
e locais que constituem objetos de pesquisa, para extrair desse convívio os
significados visíveis e latentes que somente são perceptíveis a uma
atenção sensível e, após este tirocínio, o autor interpreta e traduz em um
texto, zelosamente escrito, com perspicácia e competência científicas, os
significados patentes ou ocultos do seu objeto de pesquisa. (CHIZZOTTI,
2006, p. 28).

Destacando ainda a importância da abordagem qualitativa para a pesquisa

que se apresenta, Ludke e André (1986) resgatam as características básicas

construídas por Bodgan e Biklen de uma pesquisa qualitativa:

A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta
de dados e o pesquisador como seu principal instrumento. (…) 2. Os
dados coletados são predominantemente descritivos. (…) 3. A
preocupação com o processo é muito maior do que com o produto. (…) 4.
O “significado” que as pessoas dão às coisas e à sua vida são focos de
atenção especial pelo pesquisador. (…) 5. A análise dos dados tende a
seguir um processo indutivo. Os pesquisadores não se preocupam em
buscar evidências que comprovem hipóteses definidas antes do início dos
estudos. As abstrações se formam ou se consolidam basicamente a partir
da inspeção dos dados num processo de baixo para cima. (LUDKE e
ANDRÉ, 1986, p. 11-13).

A utilização de entrevistas para compreender como as pessoas envolvidas na

construção do projeto político pedagógico da escola (professores, direção, pais) é

instrumento de grande valor para perceber como essas pessoas pensam o projeto

da escola e como interagem com ele. A pesquisa utilizou entrevistas como meio

para entender a lógica e a dinâmica da política educacional, a partir dos agentes da

escola.

Para Ludke e André (1986) a entrevista é um dos instrumentos básicos para

coleta de dados e umas das principais técnicas de trabalho em vários tipos de

pesquisa. Segundo as autoras,

R

e

v

i

s

a

d

o

e

f

o

r

m

a

t

a

d

o

p

o

r

K

e

i

m

e

l

i

o

n

-

r

e

v

i

s

ã

o

d

e

t

e

x

t

o

s

Keimelion - revisão de textos

http://www.keimelion.com.br

Foco em teses e dissertações.

keimelion@gmail.com

Envie seu texto para orçamento.

Construindo o projeto pedagógico

46

Luiz Antônio Raniero

De início, é importante atentar para o caráter de interação que
permeia a entrevista. Mais do que outros instrumentos de pesquisa […] na
entrevista a relação que esse cria é de interação, havendo uma atmosfera
de influência recíproca entre quem pergunta e quem responde.
Especialmente nas entrevistas não totalmente estruturadas, onde não há a
imposição de uma ordem rígida de questões, o entrevistado discorre sobre
o tema proposto com base nas informações que ele detém e que no fundo
são a verdadeira razão da entrevista. Na medida em que houver um clima
de estímulo e de aceitação mútua, as informações fluirão de maneira
notável e autentica. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p. 33-34).

Segundo Ludke e André (1986), nas entrevistas, é possível captar de forma

mais rápida a informação desejada sobre os diferentes tópicos da pesquisa. Para

tanto, é necessário que a entrevista seja bem feita, permitindo assim o

(…) tratamento de assuntos de natureza estritamente pessoal e
íntima, assim como temas de natureza complexa e de escolhas
nitidamente individuais. Pode permitir o aprofundamento de pontos
levantados por outras técnicas de coleta de alcance mais superficial, como
o questionário. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p.34).

Outra forma utilizada como estratégia de compreensão da realidade e

percepção por parte do grupo de professores e direção da escola, acerca da

construção do projeto político pedagógico, segundo os princípios das diretrizes da

secretaria de educação foi o grupo focal.

Segundo Gatti (2005), o grupo focal é um conjunto de pessoas selecionadas e

reunidas por pesquisadores para discutir e comentar um tema, que é objeto de

pesquisa, a partir de sua experiência pessoal. Neste caso, a utilização da técnica

tem muito significado para a pesquisa, pois, nesta relação de contato e de diálogo, é

possível compreender o que pode passar despercebido nas entrevistas e nas

análises dos documentos.

A ideia de se trabalhar com o grupo focal partiu da necessidade de

compreensão de dados que não foram percebidos nas entrevistas e na análise dos

documentos.

R

e

v

i

s

a

d

o

e

f

o

r

m

a

t

a

d

o

p

o

r

K

e

i

m

e

l

i

o

n

-

r

e

v

i

s

ã

o

d

e

t

e

x

t

o

s

Keimelion - revisão de textos

http://www.keimelion.com.br

Foco em teses e dissertações.

keimelion@gmail.com

Envie seu texto para orçamento.

Construindo o projeto pedagógico

47

Luiz Antônio Raniero

Com os teóricos, foram construídos eixos ou categorias de análise

norteadoras da construção dos roteiros para análise dos documentos e para a

realização das entrevistas e grupo focal com membros da direção da escola, diretor,

professor e pais de alunos.

Construir categorias de análise não é algo muito simples. Elas surgem, num

primeiro momento, da teoria em que se apóia a investigação. Sobre a construção de

categorias analíticas vale lembrar que:

Não existem normas fixas, nem procedimentos padronizados para a
criação de categorias, mas acredita-se que um quadro teórico consistente
pode auxiliar uma seleção inicial mais segura e relevante […] Em primeiro
lugar […] faça o exame do material procurando encontrar os aspectos
relevantes. Verifique se certos temas, observações e comentários
aparecem e reaparecem em contextos variados, vindos de diferentes
fontes e diferentes situações. Esses aspectos que aparecem com certa
regularidade são a base para o primeiro agrupamento da informação em
categorias. Os dados que não puderem ser agregados devem ser
classificados em um grupo à parte para serem posteriormente examinados
(LUDKE e ANDRÉ, 1986, p. 43).

O processo de análise documental tem desenvolvimento bem organizado.

Após se estabelecer um conjunto inicial de categorias, o desafio seguinte consiste

em estabelecer algumas estratégias de aprofundamento, ligação e ampliação das

categorias inicialmente propostas. Com o que já se coletou, é de fundamental

importância olhar novamente para o que se achou a fim de descobrir algumas coisa

que passou despercebida ou aprofundar ainda mais em seu conhecimento. Ainda

faz-se necessário ampliar o campo de informações, identificando novos elementos

que precisam ser aprofundados (LUDKE e ANDRE, 1986).

Segundo Ludke e André (1986), a etapa final da análise documental destaca-

se como um momento de verificar a abrangência e a delimitação das categorias de

análise. Desta forma,

Quando não há mais documentos para analisar, quando a
exploração de novas fontes leva à redundância de informação ou a um

R

e

v

i

s

a

d

o

e

f

o

r

m

a

t

a

d

o

p

o

r

K

e

i

m

e

l

i

o

n

-

r

e

v

i

s

ã

o

d

e

t

e

x

t

o

s

Keimelion - revisão de textos

http://www.keimelion.com.br

Foco em teses e dissertações.

keimelion@gmail.com

Envie seu texto para orçamento.

Construindo o projeto pedagógico

48

Luiz Antônio Raniero

acréscimo muito pequeno, em vista do esforço despendido, e quando há
sentido de integração na informação já obtida, é um bom sinal para
concluir o estudo. (LUDKE e ANDRÉ, 1986, p. 44).

Para compreender melhor este percurso metodológico cabe destacar que o

município de Várzea Paulista elaborou uma proposta de diretrizes que passariam a

subsidiar a construção do projeto político pedagógico pela escola. Ele deveria ser

um instrumento que, por hipótese, concretizasse as diretrizes. Nessa perspectiva, o

caminho adotado pela Secretaria Municipal de Educação para que, no PPP, as

diretrizes tivessem sido concretizadas, foi no sentindo de promover a elaboração de

um documento orientador para a rede utilizar na elaboração do seu PPP.

Instrumento que proporcionou a capacitação dos coordenadores para colaborarem

em sua elaboração, realizou reuniões com diretores, incentivou mecanismos de

discussões coletivas nas escolas.

Esta pesquisa foi um estudo de caso ilustrativo, sendo analisada uma escola

de ensino fundamental, municipalizada, entre 1996 e 2000, que atende os cinco

primeiros anos desta modalidade de ensino, sendo uma escola que conta com maior

número de alunos e com indícios observados externamente de que assumiu a

Política Educacional do Município de Várzea Paulista.

Optou-se por essa estratégia de estudo de caso ilustrativo por se tratar de

ferramenta de verificação dos significados e representações das pessoas que

participaram numa escola na elaboração do projeto pedagógico. Sabe-se,

entretanto, dos limites que este procedimento pode gerar, mas, nesse momento

buscaram-se perceber as nuances da construção do projeto pedagógico a partir de

diretrizes elaboradas externamente à escola.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->