P. 1
Apostila_04 - Avaliação Da Composição Corporal

Apostila_04 - Avaliação Da Composição Corporal

4.6

|Views: 30.723|Likes:
Publicado porAlen_D
Avaliação Física
Avaliação Física

More info:

Published by: Alen_D on Dec 13, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/25/2015

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

LEONARDO DE ARRUDA DELGADO

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL

São Luis 2004

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

2
Leonardo de Arruda Delgado

SUMÁRIO
1 2 3 INTRODUÇÃO ............................................................................................ 6 APLICAÇÕES DA AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL ............. 9 CONCEITOS RELACIONADOS COM A COMPOSIÇÃO CORPORAL .... 10 3.1 Massa gorda total (MGT) ................................................................... 10 3.2 Gordura essencial .............................................................................. 10 3.3 Gordura não-essencial....................................................................... 10 3.4 Gordura corporal relativa (%GC)........................................................ 11 3.5 Massa do tecido adiposo ................................................................... 11 3.6 Massa livre de gordura (MLG) ........................................................... 12 3.7 Massa corporal magra (MCM) ........................................................... 12 3.8 Densidade corporal total (Dc) ............................................................ 12 3.9 Sobrepeso.......................................................................................... 12 3.10 Obesidade.......................................................................................... 13 3.11 Modelo de dois compartimentos ........................................................ 13 3.12 Modelo de multicomponentes ............................................................ 13 3.13 Equação de predição ......................................................................... 14 MODELOS DE ANALISE DE COMPOSIÇÃO CORPORAL...................... 15 MÉTODOS DE MEDIDAS DA COMPOSIÇÃO CORPORAL .................... 18 5.1 Método direto ..................................................................................... 18 5.2 Métodos indiretos............................................................................... 19 5.3 Métodos duplamente indiretos ........................................................... 20 TÉCNICAS DE MEDIDA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL....................... 21 6.1 Técnicas diretas de medidas para analise da composição corporal .. 21 6.2 Técnicas indiretas de medidas para analise da composição corporal 21 6.2.1 Pesagem hidrostática ................................................................. 22 6.2.2 Plestismografia de deslocamento de ar ...................................... 26 6.2.3 Absorção radiológica de dupla energia (DEXA).......................... 29 6.3 Técnicas duplamente indiretas .......................................................... 32 ANTROPOMÉTRIA ................................................................................... 33 7.1 Técnicas que utilizam dobras cutâneas ............................................. 34 7.1.1 Pressupostos da técnica de dobras cutâneas............................. 35 7.1.2 Princípios da técnica de dobras cutâneas .................................. 37 7.1.3 Fontes de erro de medida ........................................................... 38 7.1.3.1 Habilidade do avaliador ....................................................... 38 7.1.3.2 Tipo de adipômetros ............................................................ 40 7.1.3.3 Fatores individuais ............................................................... 42 7.1.3.4 Equações de predição de dobras cutâneas......................... 42 7.1.4 Equações de regressão .............................................................. 46 7.1.4.1 Equações de PARIZKOVA (1961) ....................................... 50 7.1.4.2 Equação de FAULKNER (1968) .......................................... 52 7.1.4.3 Equações de DURNIN & RAHMAN (1967).......................... 55 7.1.4.4 Equações de DURNIN & WOMERSLEY (1974) .................. 55 7.1.4.5 Equações de JACKSON & POLLOCK (1975-1978-1980) ... 57 7.1.4.6 Equações de LOHMAN (1981-1986) ................................... 66 7.1.4.7 Equações de KATCH & McARDLE (1983) .......................... 67 7.1.4.8 Equações de MUKHERJEE & ROCHE (1984) .................... 68 7.1.4.9 Equações de THORLAND (1984)........................................ 69

4 5

6

7

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

3
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.10 Equações de BOILEAU (1985) ............................................ 70 7.1.4.11 Equações de GUEDES (1985) ............................................ 71 7.1.4.12 Equações de SLAUGHTER (1988)...................................... 72 7.1.4.13 Equações de PETROSKI (1995) ......................................... 74 7.2 Técnicas que utilizam as medidas de circunferências ....................... 79 7.2.1 Pressupostos .............................................................................. 79 7.2.2 Equações de predição de circunferências .................................. 80 7.2.2.1 Equações de KATCH & McARDLE (1983) .......................... 81 7.2.2.2 Equações WELTMAN et al (1987-1988).............................. 82 7.2.2.3 Equações de DOTSON e DAVIS (1991) ............................. 84 8 FRACIONAMENTO DA MASSA CORPORAL TOTAL.............................. 85 8.1 Fracionamento da composição corporal em dois componentes ........ 89 8.1.1 Massa gorda (MG) ...................................................................... 89 8.1.2 Massa livre de gordura (MLG) .................................................... 89 8.2 Fracionamento da composição corporal em quatro componentes..... 90 8.2.1 Massa óssea (MO)...................................................................... 90 8.2.2 Massa residual (MR)................................................................... 91 8.2.3 Massa muscular (MM) ................................................................ 91 8.3 Massa ideal (MI)................................................................................. 91 8.3.1 Relações entre peso e estatura .................................................. 92 8.3.1.1 Estatura/Peso ...................................................................... 92 8.3.1.2 Estatura e circunferência do punho ..................................... 93 8.3.1.3 Estatura² x IMC Médio ......................................................... 93 8.3.2 Relação entre MLG e %GC desejável ........................................ 94 REFERÊNCIAS................................................................................................ 97

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

4
Leonardo de Arruda Delgado

LISTA DE TABELAS
Tabela 1 Classificação dos níveis de obesidade.............................................. 13 Tabela 2 Relação entre temperatura da água e densidade ............................. 25 Tabela 3 Padrões de avaliação de erros de prognóstico (EPE). ...................... 44 Tabela 4 Equações DURNIN & RAHMAN........................................................ 55 Tabela 5 Equações de DURNIN & WOMERSLEY ........................................... 56 Tabela 6 Equações de conversão de Dc para %GC ........................................ 57 Tabela 7 Fórmulas para converter Dc em %GC para população negra........... 59 Tabela 8 Estimativa do percentual de gordura de POLLOCK para homens a partir da idade e do somatório das dobras cutâneas do tórax, abdome e coxa........................................................................................................... 64 Tabela 9 Estimativa do percentual de gordura de POLLOCK, para mulheres a partir da idade e do somatório das dobras cutâneas do tórax, suprailíaca e coxa........................................................................................................... 65 Tabela 10 Equações de convenção de Dc para percentual de gordura de acordo com a idade................................................................................... 66 Tabela 11 Constate de ajuste por idade de acordo com o sexo....................... 67 Tabela 12 Tabela de constantes por idade, sexo e raça................................. 67 Tabela 13 Equações de MUKHERJEE & ROCHE ........................................... 69 Tabela 14 Equações de THORLAND............................................................... 69 Tabela 15 Equações de BOILEAU ................................................................... 70 Tabela 16 Equações de Slaughter ................................................................... 73 Tabela 17 Equações de PETROSKI ................................................................ 74 Tabela 18 Fórmulas para conversão de Dc em %GC ...................................... 76 Tabela 19 Estimativa do Percentual de Gordura para Homens de acordo com PETROSKI, a partir do Somatório das Dobras Subescapular, Triceps, Suprailíaca, Panturrilha Medial* ................................................................ 77 Tabela 20 Estimativa do Percentual de Gordura para Mulheres a Partir da Idade e do Somatório das Dobras Cutâneas: axilar medial, Suprailíaca, Coxa e Panturrilha Medial ......................................................................... 78 Tabela 21 Gordura desejável para adultos sedentários. .................................. 96 Tabela 22 Valores Médios de Percentuais de Gordura para Algumas Modalidades Desportivas .......................................................................... 96

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

5
Leonardo de Arruda Delgado

LISTA DE FIGURAS
Figura 2 Pesagem hidrostática......................................................................... 23 Figura 3 Pletismografia. ................................................................................... 27 Figura 4 DEXA. ................................................................................................ 30 Figura 5 Modelos de adipômetros mais utilizados............................................ 41

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

6
Leonardo de Arruda Delgado

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL
1 INTRODUÇÃO

A composição corporal é a proporção entre os diferentes componentes corporais e a massa corporal total, sendo normalmente expressa pelas porcentagens de gordura e de massa magra (HEYWARD, 1998a; KISS, BÖHME & REGAZZINI, 1999; NIEMAN, 1999, apud COSTA, 2001, p.21).

A obtenção dos valores de tais porcentagens constitui informação de grande importância para os profissionais de Educação Física, visto que as quantidades dos diferentes componentes corporais, principalmente gordura e massa muscular, apresentam estreita relação com a aptidão física, tanto relacionada à saúde quanto ao desempenho esportivo.

De acordo com DE ROSE et alii (1984) apud COSTA (1999 s/p) a composição corporal constitui um aspecto dinâmico dos componentes estruturais do corpo humano, sofrendo alterações durante toda a vida dos indivíduos em decorrência de inúmeros fatores como: crescimento e desenvolvimento, status nutricional e nível de atividade física.

A avaliação da composição corporal torna-se extremamente necessária, haja visto que para o desenvolvimento de uma avaliação mais criteriosa sobre os efeitos da atividade física no organismo humano existe a

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

7
Leonardo de Arruda Delgado

necessidade de fracionamento corporal em seus diferentes componentes (GUEDES, 1989, apud GOMES & FILHO, 1995, p.34)

Através da avaliação da composição corporal pode-se, além de determinar os componentes do corpo humano de forma quantitativa, utilizar-se os dados dessa análise para detectar o grau de desenvolvimento e crescimento de crianças e jovens, o status dos componentes corporais de adultos e idosos, bem como, prescrever exercícios.

Existe um consenso entre autores, no sentido de colocar a composição corporal como um dos componentes da aptidão física, devido às relações existentes entre a quantidade e distribuição da gordura com alterações do nível de aptidão física, e o estado de saúde das pessoas.

Reduzir a quantidade de gordura e/ou aumentar a quantidade de massa muscular estão entre os anseios de grande parte dos praticantes de exercícios físicos, esta preocupação deve ser considerada não somente do ponto de vista da estética, mas também de qualidade de vida dos indivíduos, já que a obesidade, está associada a um grande número de doenças crônicodegenerativas.

Considerando a relação existente entre a obesidade e doenças crônico-degenerativas, fica evidentes a importância da realização de estudos com o objetivo de verificar os níveis de adiposidade da população, bem como a realização de avaliações de aspectos da composição corporal a fim de oferecer

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

8
Leonardo de Arruda Delgado

subsídios para a prescrição e o acompanhamento de programas de exercícios físicos e/ou dietas, que podem ser úteis no combate a estes problemas.

COITINHO et alii apud COSTA (op.cit) realizou um estudo epidemiológico sobre as condições nutricionais da população brasileira e idosos, que indicou que cerca de 27 milhões de brasileiros apresentavam sobrepeso, sendo que destes estimava-se á época do estudo que 6,8 milhões eram indivíduos obesos. Para os autores, estes resultados indicaram que o excesso de peso corporal da população constitui um grande problema de saúde coletiva no Brasil, já que nos 15 anos que antecederam o referido estudo a população de obesos quase dobrou.

De acordo com GUEDES & GUEDES (1985), tão importante quanto o excesso de peso corporal à custa de um maior acúmulo de gordura, é o seu “déficit”.
“A redução excessiva do peso corporal pode induzir o organismo a uma série de complicações, notadamente no que se refere á produção e á transformação de energia para a manutenção das condições vitais e para a realização das tarefas do cotidiano”.

A importância da avaliação da composição corporal deve-se ao fato de o peso corporal isoladamente não poder ser considerado um bom parâmetro para a identificação do excesso ou déficit dos componentes corporais (massa gorda, massa muscular, massa óssea e massa residual) ou as alterações nas quantidades proporcionais dos mesmos em decorrência de um programa de exercícios físicos e/ou dieta alimentar.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

9
Leonardo de Arruda Delgado

2 APLICAÇÕES CORPORAL

DA

AVALIAÇÃO

DA

COMPOSIÇÃO

Além de avaliar a quantidade total e regional de gordura corporal para identificar os riscos de saúde, há outras medidas importantes que podem ser utilizadas por médicos e outros profissionais da saúde e do

condicionamento físico. HEYWARD (2000, p.6) diz que estas medidas podem servir para:

-

Identificar riscos á saúde associados aos níveis excessivamente altos ou baixos de gordura corporal total.

-

Identificar riscos à saúde associada ao acúmulo excessivo de gordura intra-abdominal.

-

Proporciona entendimento sobre o risco à saúde associado á falta ou ao excesso de gordura corporal.

-

Monitorar mudanças na composição corporal associada a certas doenças.

-

Avaliar a eficiência de intervenções nutricionais e de exercícios físicos na alteração da composição corporal.

-

Estimar o peso corporal de atletas e não atletas. Formular recomendações dietéticas e prescrição de exercícios físicos.

-

Para monitora mudança na composição corporal associada ao crescimento, desenvolvimento, maturação e idade.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

10
Leonardo de Arruda Delgado

3 CONCEITOS CORPORAL

RELACIONADOS

COM

A

COMPOSIÇÃO

3.1 Massa gorda total (MGT)

A MGT inclui todos os lipídios que podem ser extraídos do tecido adiposo e outros tecidos. É formada pelas gorduras essencial mais a nãoessencial.

3.2 Gordura essencial

É a gordura acumulada na medula dos ossos e no coração, nos pulmões, fígado, baço, rins, intestino, músculos e tecidos ricos em lipídeos espalhados por todo o sistema nervoso central. São compostos de fosfolipídeos, necessários para formação da membrana celular e

funcionamento fisiológico normal (~10% MGT). Na mulher, a gordura essencial também inclui a gordura específica ou característica do sexo.

3.3 Gordura não-essencial

Consiste na gordura acumulada no tecido adiposo. São formadas por triglicerídeos encontrados principalmente no tecido adiposo (~90% da MGT). Essa reserva nutricional inclui os tecidos que protegem dos traumatismos os vários órgãos internos, assim como o volume ainda maior de gordura subcutânea localizada por debaixo da superfície cutânea.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

11
Leonardo de Arruda Delgado

As quotas proporcionais de gordura de armazenamento em homens e mulheres são semelhantes (12% nos homens, 15% nas mulheres), porém a quantidade total de gordura essencial nas mulheres, que inclui a gordura específica do sexo, é quatro vezes maior que nos homens. É mais que provável que a gordura essencial adicional seja biologicamente importante para a procriação e outras funções relacionadas aos hormônios.

De acordo com o modelo teórico de distribuição da gordura corporal para mulheres de BEHNKE, observa-se que, como parte dos 5 a 9% de gordura de armazenamento de reserva específica do sexo, as mamas contribui com aproximadamente 4,4% da massa total de gordura corporal, ou no máximo 12,5% da quantidade de gordura específica do sexo, e o restante deve localizar-se nas regiões pélvicas, das nádegas e coxas, que contribuem quantitativamente para as reservas adiposas das mulheres.

3.4 Gordura corporal relativa (%GC)

É a massa gorda total (MGT) expressa como porcentagem da massa corporal total.

3.5 Massa do tecido adiposo

É a massa corporal composta de + ou – 83% de gordura mais as suas estruturas de suporte (~2% de proteínas e ~15% de água).

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

12
Leonardo de Arruda Delgado

3.6 Massa livre de gordura (MLG)

A MLG consiste em todos os tecidos e substâncias residuais livres de lipídeos, incluindo água, músculos, ossos, tecidos conjuntivos e órgãos internos.

3.7 Massa corporal magra (MCM)

É a massa livre do gordura (MLG) mais os lipídeos essenciais que são: 2 a 3% em homens e 5 a 8% em mulheres (LOHMAN, 1992).

3.8 Densidade corporal total (Dc)

Total da massa corporal expressa em relação ao total do volume corporal.

3.9 Sobrepeso

É o peso corporal que excede o peso normal ou padrão de uma determinada pessoa, baseando-se na sua altura e constituição física. Os padrões começaram a serem estabelecidos em 1959 com a proposição de tabelas de peso e estatura, que ainda hoje são amplamente utilizadas.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

13
Leonardo de Arruda Delgado

3.10 Obesidade

É a quantidade excessiva de gordura corporal total para um dado peso corporal, que estão fortemente associados ao aumento de fatores de risco para a saúde, bem como dos índices de morbidade e mortalidade.

Veja a classificação de obesidade de acordo com NIDDK (1993), apud COSTA (2001,p.28)

Tabela 1 Classificação dos níveis de obesidade Classificação Leve Moderada Elevada Mórbida Masculino 15-20% 20-25% 25-30% >30% Feminino 25-30% 30-35% 35-40% >40%

3.11 Modelo de dois compartimentos

Refere-se a modelos de avaliação de composição corporal que dividem o corpo em 2 partes com compartimento de gordura e sem gordura.

3.12 Modelo de multicomponentes

Modelo de composição corporal que leva em conta a variação interindividual em conteúdo de água, mineral e proteína da massa livre de gordura.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

14
Leonardo de Arruda Delgado

3.13 Equação de predição

Fórmulas matemáticas derivadas da análise de regressão múltipla e utilizadas para estimar medidas da composição corporal (por exemplo, %GC, Dc, e MLG).

As equações podem ser específicas à populações, quando são equações de predição utilizadas para estimar a composição corporal de indivíduos de um grupo homogêneo específico (por exemplo; crianças, atletas, obesos e etc) e equações generalizadas, quando são equações de predição utilizadas para estimar a composição corporal de grupos heterogêneos que variam bastante em idade, sexo, etnia, nível de gordura corporal e nível de atividade física.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

15
Leonardo de Arruda Delgado

4 MODELOS DE ANALISE DE COMPOSIÇÃO CORPORAL

Modelos teóricos são usados para obter medidas referenciais de composição corporal para desenvolvimento de métodos e equações

antropométricas, de dobras cutâneas, análise de impedância bioelétrica e interactância de infravermelho. WANG, PIERSON & HEYMSFIELD (1992), apud COSTA (2001,p.21-22) propuseram um modelo que divide o

fracionamento da massa corporal em cinco diferentes níveis:

-

Nível I (atômico) – compreende cerca de 50 elementos, sendo que mais de 98 % da massa corporal total é determinada pela combinação de oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, cálcio e fósforo, com os 44 elementos restantes representando menos de 2 % da massa corporal total.

-

Nível II (molecular) – divide os compostos químicos corporais, que compreendem mais de 100.000 moléculas diferentes, em cinco grupos: lipídios, água, proteínas, carboidratos e minerais.

-

Nível III (celular) – divide o corpo em três componentes: massa celular total, fluídos extracelulares (incluindo plasma intra e extracelular) e sólidos extracelulares.

-

Nível IV (tecidos, órgãos e sistemas) – são quatro as categorias de tecidos apresentadas nesse nível: tecido conectivo, tecido epitelial, tecido muscular e tecido nervoso. É importante ressaltar que os tecidos adiposo e ósseo são formas de tecido conectivo.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

16
Leonardo de Arruda Delgado

-

Nível V (corpo todo) – neste nível o corpo é analisado segundo suas características morfológicas, com medidas relacionadas ao tamanho, forma e proporções do corpo humano.

Os cinco níveis de organização do corpo fornecem uma estrutura conceitual dentro da quais as diversas pesquisas em composição corporal podem ser realizadas. É evidente que deve haver inter-relações dos diferentes níveis que, se constantes, podem fornecer associações quantitativas facilitando estimativas de compartimentos previamente desconhecidos. A compreensão das inter-relações dos diferentes níveis de complexidade evita a interpretação errônea de dados determinados em níveis diferentes (HAWES, 1996).

Observando a complexidade exigida em cada nível é possível perceber que a avaliação do corpo como um todo é aquela que está mais próxima da realidade dos profissionais que atuam na área clínica ou em testes de campo, pois as características físicas a que se refere podem ser analisadas a partir de medidas de estatura, massa corporal, perímetros, diâmetros e espessura de dobras cutâneas, por exemplo, que não exigem equipamentos sofisticados ou procedimentos laboratoriais.

Neste sentido podemos dizer que, os cientistas utilizam modelos teóricos de composição corporal, que subdividem a massa corporal total, em dois ou mais componente, usando-se modelos químicos, anatômicos ou fluidometabólicos. Geralmente, os modelos químicos e corpo total têm sido amplamente utilizados na pesquisa de composição corporal.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

17
Leonardo de Arruda Delgado

Gordura

Gordura

Gordura

Tecido Adiposo

Água MLG Proteínas

ECF

Tecidos moles e músculo lisos

ICF ICS

Músculos esqueléticos Minerais Modelo de 4C Anatômico

Minerais Modelo de 2C Modelo de 4C Químico

ECS Modelo de Fluídos Metabólicos

Figura 1: Modelos de predição de dobras cutâneas de dois componentes (2C) e multicomponentes. ECF=fluido extracelular; ICF=fluido intracelular; ICS= sólidos intracelulares; ECS= sólidos extracelulares.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

18
Leonardo de Arruda Delgado

5 MÉTODOS DE MEDIDAS DA COMPOSIÇÃO CORPORAL

De acordo com MARTIN & DRINKWATER (1991), existem três métodos que podem ser utilizados para a determinação da composição corporal, são eles: métodos direto, indiretos e duplamente indiretos.

5.1 Método direto

É aquele onde ocorre à separação dos diversos componentes estruturais do corpo humano afim de pesá-los e estabelecer relações entre eles e o peso corporal total, o que só é possível através de dissecação de cadáveres. Desta forma podemos perceber a dificuldade de estudos envolvendo este procedimento, o que justifica a pequena quantidade de estudos com cadáveres e a utilização de metodologia mais acessível.

Entretanto, cabe citar dois estudos de grande relevância nesta área que se utilizaram da metodologia direta, o de MATIEGKA (1921) e o de DRINKWATER et alii (1984).

No estudo de DRINKWATER et alii, 1984, foram estudados 25 cadáveres, com idades variando entre 55 e 94 anos, que foram medidos e dissecados. Este estudo foi o único onde os dados de medidas de superfície e composições anatômicas foram coletadas nos mesmos cadáveres; o mesmo contribuiu para a obtenção de novos dados sobre as quantidades dos tecidos e órgãos no corpo humano adulto, relatando as quantidades destes tecidos e

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

19
Leonardo de Arruda Delgado

órgãos por medidas corporais externas, produzindo dados que podem ser usados para a validação de vários métodos de estimativa da composição corporal humana "in vivo", e para o desenvolvimento de novos métodos antropométricos (DRINKWATER et alii, 1984). É importante ressaltar que a utilização das equações propostas por este estudo deve ser cuidadosa no que se refere a populações jovens, crianças e atletas, pois a amostra era composta só por indivíduos idosos e isso pode proporcionar um erro significativo nos resultados.

5.2 Métodos indiretos

São aqueles onde não há a manipulação dos componentes separadamente, mas a partir de princípios químicos e físicos visam a extrapolação das quantidades de gordura e de massa magra; estes métodos são validados a partir do método direto.

Entre os métodos indiretos podemos citar como métodos químicos a contagem de potássio radioativo (K40 e K42), diluição de óxido de deutério, excreção de creatinina urinária e etc., com relação aos métodos físicos os mais conhecidos são o ultra-som, o raio-x, o raio-x de dupla energia, a ressonância nuclear magnética e a densimetria. Entre estes, a pesagem hidroestática tem sido considerada como referencia para a validação de métodos duplamente indiretos. Ela é baseada no princípio de Arquimedes, onde um corpo quando mergulhado em água desloca um volume de água igual ao seu próprio volume.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

20
Leonardo de Arruda Delgado

Devido

à

necessidade

de

técnicos

altamente

treinados

e

equipamentos laboratoriais caros, a determinação da composição corporal por pesagem hidrostática é raramente utilizada em situações de campo. A alternativa mais comum é o uso de algumas formas de métodos antropométricos. Estes incluem proporções peso-estatura, circunferências corporais e medidas de dobras cutâneas (BAUMGARTNER & JACKSON, 1995).

5.3 Métodos duplamente indiretos

São aqueles validados a partir de um método indireto, mais comumente a densimetria. Temos como mais utilizados a técnica

antropométrica e a impedância bioelétrica.

Medidas antropométricas são aplicáveis para grandes amostras e podem proporcionar estimativas nacionais e dados para a análise de mudanças seculares, este método pode incluir medidas de peso, estatura, perímetros corporais, diâmetros ósseos e espessura de dobras cutâneas, sendo esta última a mais utilizada quando o objetivo é predizer a quantidade de gordura corporal.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

21
Leonardo de Arruda Delgado

6 TÉCNICAS DE MEDIDA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL

Para analise da composição corporal podem-se empregar técnicas com procedimentos de determinação direta, indireta e duplamente indireta. Nos últimos anos, os recursos indiretos de maior destaque envolvem a técnica da densiometria, espectrometria e da absortometria radiológica de dupla energia. Contudo, não se pode ignorar a existência de outros métodos igualmente importantes, como a ultrasonografia, a tomografia axial computadorizada, a ressonância magnética ativa.

6.1 Técnicas diretas de medidas para analise da composição corporal

As técnicas diretas de analise da composição corporal são aquelas em que o avaliador obtém informações “in loco” dos diferentes tecidos do corpo, mediante dissecação macroscópica ou extração lipídica. Apesar da relevância e precisão, esse procedimento implica incisões no corpo, o que limita sua utilização a laboratórios e cadáveres humanos.

6.2 Técnicas indiretas de composição corporal

medidas

para

analise

da

As principais técnicas indiretas utilizadas na analise da composição corporal são a pesagem hidrostática, Plestismografia de Deslocamento de Ar e a Absorção Radiológica de Dupla Energia (DEXA).

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

22
Leonardo de Arruda Delgado

6.2.1 Pesagem hidrostática

A pesagem hidrostática, também conhecida como densiometria, é um dos meios mais comuns para estimar a composição corporal em locais de pesquisa e é freqüentemente utilizada como método de critério para avaliar o percentual de gordura corporal. Um método de critério fornece o padrão com os quais outras metodologias são comparadas, baseia-se no princípio de Arquimedes, onde:

“Todo corpo mergulhado num fluído (liquido ou gás) sofre, por parte do fluido, uma força vertical para cima, cuja intensidade é igual ao peso do fluido deslocado pelo corpo”.

Assim, quando um corpo é pesado dentro da água é possível obter seu volume e através da relação entre massa e volume, calcula-se sua densidade. Ao realizar esse procedimento, uma pessoa entra em um taque de água norma, submerge abaixo da superfície da água e então expira completamente, enquanto técnicos registram seu peso. Como esse

procedimento envolve adaptação ao meio líquido, são realizadas de 8 a 12 pesagens submersas, sendo que é utilizada na fórmula a média das três maiores médias.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

23
Leonardo de Arruda Delgado

Figura 2 Pesagem hidrostática. Fonte: CD-ROM Avaliação da Composição Corporal. Prof° Roberto Fernandes da Costa

A determinação do volume se dá pela diferença entre o peso corporal do indivíduo fora da água e completamente submerso na água. Considerando que corpos mais densos que a água tendem a afundar e menos densos tendem a flutuar, quanto mais pesado for um corpo dentro da água em relação a um mesmo volume, maior a sua densidade.

A seguir há orientações que ajudarão a garantir uma avaliação mais precisa da composição corporal utilizando técnica de pesagem hidrostática:

-

Não coma dentro de 4h antes do teste; Urine e defeque antes do teste; Vista menos roupa possível. Remova qualquer bolha de ar presas na roupa antes da pesagem;

-

Expire completamente enquanto estiver submerso.(isso exigirá prática da parte da maioria dos indivíduos!);

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

24
Leonardo de Arruda Delgado

-

Permaneça o mais imóvel possível enquanto estiver submerso a fim de aumentar a precisão;

Como a densidade da água sofre alterações em função da temperatura ou de impurezas e a densidade corporal é influenciada pelo volume de ar pulmonar e pelo ar que permanece no aparelho gastrointestinal, o calculo da densidade corporal deve levar em consideração todas essa variáveis, sendo realizado através da seguinte relação:

Dc(g/ml)=Pa/((Pa/Ps)/Da)-(VR+VGI) Onde:
Pa = Peso do indivíduo fora da água (g) Ps = Peso do indivíduo completamente submerso (g) Da = Densidade da água na temperatura vigente (g/ml) VR = Volume Residual (ml) VGI = Volume Gastrointestinal = 100 (BUSKIRK, 1961)

O VR representa a quantidade de ar presente nos pulmões após a expiração máxima. O volume residual se mede normalmente pela técnica da lavagem de nitrogênio em circuito aberto ou pelos métodos do circuito fechado de oxigênio ou da diluição do hélio. O volume residual também poderia ser estimado a partir dos valores encontrados na media da população, considerando sexo, idade e altura ou através de uma percentagem estimada da capacidade vital (aproximadamente 25 a 30%). Se o VR de uma grande população tiver sido medido pelos três métodos (média percentual real; valor baseado na idade, sexo e altura ou capacidade vital), pode-se observar pouca variação entre os resultados encontrados.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

25
Leonardo de Arruda Delgado

Na determinação da densidade corporal, caso se empregue uma estimativa do VR, recomenda-se a utilização das seguintes equações:

Homens: VR = 0,0115(idade em anos) + 0,019(estatura) - 2,24(BOREN et alii, 1966) Mulheres: VR = 0,021(idade) + 0,023(estatura) - 2,978 Deve-se também levar em conta a densidade da água na equação para determinar a densidade corporal. A densidade da água varia com a temperatura e requer um fator de conversão padronizado. Para o maior conforto do indivíduo, recomenda-se realizar a pesagem hidrostática a temperatura entre 32 e 35°C.
Tabela 2 Relação entre temperatura da água e densidade Temperatura °C 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 Densidade (g/ml) 0,9965 0,9963 0,9960 0,9957 0,9954 0,9951 0,9947 0,9944 0,9941 0,9937 0,9934 0,9930

Apesar de a densidade da água representar um elemento importante a ser determinada, sua variação muito discreta dentro desta faixa de temperatura usada para a pesagem hidrostática torna este efeito desprezível, como erro no cálculo da densidade corporal.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

26
Leonardo de Arruda Delgado

O grau de precisão considerado aceitável, na determinação do VR, depende do equipamento e da técnica utilizada e do objetivo do teste (screening ou pesquisa). Uma vez calculada a densidade corporal, podemos converter este valor em porcentagem de gordura, que, em última análise, é o resultado que mais nos interessa quando realizamos avaliações da composição corporal. Esta conversão pode utilizar o modelo de dois componentes, equação SIRI(1961) ou BROZEK (1963), para estimativa da composição corporal de jovens e adultos de raça branca, para outras populações devem-se utilizar o modelo de multicomponentes com equações específicas, para sexo, idade, quantidade de gordura e etc.

Embora esta técnica apresente valores de densidade corporal muito precisos, somente indivíduos com razoável adaptação ao meio aquático podem ser submetido aos seus procedimentos, o que limita enormemente sua utilização em analises rotineiras da composição corporal.

6.2.2 Plestismografia de deslocamento de ar

Este é um método relativamente recente para avaliação da composição corporal, com a vantagem de ser simples, seguro e requerer uma cooperação mínima do sujeito avaliado. Porém, exigindo equipamento complexo, sofisticado e de alto custo. A principal vantagem desse método em comparação à pesagem hidroestática é que essa técnica é mais rápida e produz menos ansiedade para muitos indivíduos. A principal desvantagem é o custo dos equipamentos técnicos necessários para realizar as medições.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

27
Leonardo de Arruda Delgado

A avaliação através da pletismografia consiste de uma câmara cujo modelo mais utilizado na atualidade é o BOD POD©-Body Composition System (LIFE MEASUREMENT INSTRUMENTES, 1997).

Figura 3 Pletismografia. Fonte: CD-ROM avaliação da composição corporal. Prof° Roberto Fernandes da Costa

Este modelo é constituído em fibra de vidro, contendo janela de acrílico, com assento em seu interior para o avaliado se acomodar, e porta com dispositivos eletromagnéticos para o seu fechamento. No interior da câmara o volume aproximado é de 450 litros, constituindo um ambiente confortável para o sujeito testado. Através de um software específico, instalado em um microcomputador conectado à câmara, são determinadas variações de volumes de ar e de pressão em seu interior, com a câmara desocupada e com o avaliado, além de variáveis pulmonares necessárias às estimativas do volume corporal (GUEDES & GUEDES, 1998).

Os procedimentos da plestimografia têm como base a aplicação da lei de deslocamento de ar de Boyle (GARROW et alii, 1979). Normalmente,

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

28
Leonardo de Arruda Delgado

durante uma transformação gasosa, a pressão, o volume e a temperatura variam. Mas, sob determinadas condições, onde se variando a pressão e o volume a temperatura do gás permanece constante. Assim, ROBERT BOYLE (1627-1691), físico e químico irlandês, estabeleceu a seguinte relação:”sob temperaturas constante, a pressão de um gás [é inversamente proporcional ao seu volume”. Isto equivale a dizer que um ambiente fechado de temperatura constante, se dobrarmos o volume do gás sua pressão se reduzirá à metade; ou se reduzir seu volume a um terço, sua pressão triplicara, o que pode ser representado pela expressão: P1.V1=P2.V2

Por esse raciocínio, ao introduzir o avaliado em câmara fechada e isolada do meio exterior em condições isotérmicas, com pressão (P1) e volume (v1) de ar em seu interior previamente conhecido, a quantidade de ar comprimida em razão do espaço ocupada por sua massa corporal deverá diminuir o volume de ar existente na câmara em proporção idêntica ao aumento da pressão interna. Ao se determinar a nova pressão interna (P2) com o avaliado dentro da câmara, torna-se possível estimar o volume (V2) do ar em seu interior mediante utilização da relação P1.V1=P2.V2. Por subtração de ambos os volumes de ar no interior da câmara (V1 e V2), corrigido pelo ar dos pulmões computado automaticamente por sistema de análise respiratória acoplada ao avaliado, determina-se o volume corporal.

Uma vez determinada o volume corporal, é possível obter-se a densidade corporal através da relação entre a massa corporal e seu volume.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

29
Leonardo de Arruda Delgado

Dc(kg/l)=Massa Corporal(kg)/Volume corporal (l)

6.2.3 Absorção radiológica de dupla energia (DEXA)

A densiometria com emissão de raios-X de dupla energia (DEXA) é considerada uma técnica avançada para medir a densidade do osso e avaliar a composição corporal. Utilizada como rotina no diagnóstico da osteoporose, analisa o conteúdo mineral ósseo de coluna lombar e fêmur proximal, dois principais sítios de fraturas. Além disso, é um procedimento que vem sendo utilizado para quantificar massa magra e massa gorda em segmentos isolados e corpo total (BLAKE, 1997).

O princípio básico do DEXA é a utilização de uma fonte de raio-X com um filtro que converte um feixe de raio-X em picos fotoelétricos de baixa energia que atravessam o corpo do paciente. A obtenção da composição corporal é feita através da medida de atenuação dos picos fotoelétricos no corpo. Os maiores fabricantes dos equipamentos DEXA são Norland, Lunar e Hologic (BONNICK, 1998).

O rastreamento para corpo total requer aproximadamente 5 minutos e a exposição à radiação é de 0,05 a 1,5 mrem, dependendo do instrumento. Em termos comparativos, a radiação recebida em raio-X de tórax é de aproximadamente 25 a 270 mrem. A medida é feita com o indivíduo em decúbito dorsal, através de uma série de varreduras transversais a partir da

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

30
Leonardo de Arruda Delgado

cabeça até o pé, para se obter o rastreamento. Não é preciso nenhum preparo ou requisitos especiais para a execução do exame.

Figura 4 DEXA. Fonte: CD-rom avaliação da composição corporal. Prof° Roberto Fernandes da Costa

A nomenclatura aplicada à técnica inclui; conteúdo mineral ósseo (BMCT), densidade mineral óssea total (BMDT), massa magra sem tecido ósseo (LEAN), massa gorda (FAT), partes moles (LEAN+FAT) e partes moles sem gordura (LEAN+BMC)(LOHMAN, 1996).

A Padronização da nomenclatura em português ainda é deficitária. O calculo de massa mineral óssea (g), do conteúdo mineral ósseo (g/cm) e da densidade óssea (g/cm²) pode ser obtido através do DEXA. Nestes cálculos, as medidas expressas em relação a cm e cm² são ajustadas para a larguras e áreas, respectivamente, das partes do esqueleto que são rastreadas.

A estimativa do conteúdo de gordura em massa magra sem tecido ósseo é derivada a partir de uma constante de atenuação de gordura pura (Rf)

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

31
Leonardo de Arruda Delgado

e de massa magra sem osso (RI). A Rf é 1,21 para gorduras puras, usando raios-X de energia de 40 Kv e 70 Kv. HEYMSFIELD et alli (1994), mediram seis elementos químicos em 11 homens por ativação de nêutrons.

Eles relataram um valor de 1,18 para Rf, similar ao Rf teórico calculado a partir dos elementos medidos era 1,399+/- 0,002. Dado a Constancia próxima destes dois valores de indivíduo para indivíduo, segue que a razão da atenuação da menor energia relativa para a maior energia em partes moles (Rst), para raios-X de baixa e alta energia, é uma função de proporção de gordura (Rf) e massa magra (RI) em cada pixel. A partir de Rst, a fração de partes moles como massa magra é dada pela equação:

Rst=(Rst-Rf)/(RI-Rf)

A forma, portanto, para calcular massa gorda e massa magra é a resolução das duas equações, usando valores conhecidos de Rf e RI. Algumas suposições devem ser adotadas para a obtenção da composição corporal, sendo uma delas o efeito da variação da água do corpo total e a outra, a espessura do indivíduo examinado.

A medida de massa gorda por Dexa presume que o compartimento magro contém uma fração de água (73,2%). Erros sistemáticos podem ser esperados em relação à composição corporal em determinadas condições clínicas, já que a água do corpo varia a partir deste valor (HERD et alli, 1993). Em relação á espessuras do corpo, estudos têm mostrado que quando esta

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

32
Leonardo de Arruda Delgado

excede 20 a 25 cm, tanto massa gorda quanto massa magra apresentam valores superestimados, observando-se erro e imprecisão aumentados quando comparados a indivíduos com espessura corporal menor que 20 cm (LOHMAN, 1996).

Atualmente, a informação sobre composição corporal é de grande interesse para estudos de consumo de energia, estoque de energia, massa protéica, posição mineral do esqueleto, definir hidratação relativa, e em estudos de crescimento e desenvolvimento (FOEMICA et alli, 1993).

Quando comparada a outros métodos para avaliar composição corporal (medida de dobras cutâneas, impedância bio-elétrica, espectrometria e pesagem hidrostática), o DEXA é considerado um procedimento um procedimento não evasivo, não traumático, altamente preciso e reprodutivo (GUTIN, 1996), que permite a medida compartimental e proporcionam uma avaliação longitudinal de um indivíduo com maior segurança, rapidez e baixo custo. Já vem sendo empregada em pesquisas médicas, experimentais e clinicas, inclusive no Brasil. A sua utilização efetiva na prática clinica virá dos estudos comparativos de diferentes métodos.

6.3 Técnicas duplamente indiretas

As técnicas duplamente indiretas utilizadas na avaliação da composição corporal utiliza-se de equações de predição baseadas nas medidas antropométricas, impedância bioelétrica e a interactância de infravermelho.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

33
Leonardo de Arruda Delgado

7 ANTROPOMÉTRIA
A antropometria é o método mais utilizado para avaliação da composição corporal pela sua aplicabilidade tanto no laboratório como no campo, na área clínica e em estudos populacionais. Sendo que sua relativa simplicidade e o baixo custo dos equipamentos contribuem para sua popularidade.

Através

de

medidas

antropométricas

é

possível

fazer

acompanhamento de crescimento morfológico, bem como de alterações de medidas corporais decorrentes da prática de exercícios físicos e dietas, proporcionando dados de grande valia para os profissionais que atuam nestas áreas.

Este acompanhamento pode ser realizado simplesmente pela observação da alteração das medidas em valores absolutos ou através da utilização das mesmas em modelos matemáticos que têm a finalidade de estimar as quantidades dos diferentes componentes corporais: massa muscular, óssea, gorda e residual.

No método antropométrico destacam-se várias técnicas (protocolos), que podem ser dividas em: índices antropométricos, técnicas que utilizam a espessura de dobras cutâneas, técnicas que utilizam medidas de

circunferência e técnicas mistas que combinam dobras, cutâneas com medidas de circunferência e diâmetros ósseos.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

34
Leonardo de Arruda Delgado

7.1 Técnicas que utilizam dobras cutâneas
Ao longo dos anos, o método de medidas de dobras cutâneas (DOC) tem sido largamente utilizado para estimar a gordura corporal total em situações de campo e clinicas.

Como forma de definição podemos dizer que dobra ou prega cutânea, é uma medida que visa avaliar, indiretamente, a quantidade de gordura contida no tecido celular subcutâneo e, a partir daí, podermos estimar a proporção de gordura em relação ao peso corporal do indivíduo.

De acordo com FERNANDES (2003, p.48):

“A mensuração das pregas cutâneas, por ser uma técnica simples, pouco onerosa e de fácil manuseio e, sobretudo, por apresentar alta fidedignidade, correlaciona-se otimamente com técnicas mais sofisticadas, tem sido o método preferido dos pesquisadores na área do exercício físico e nos esportes”.

A base lógica para as mensurações das pregas cutâneas com a finalidade de estimar a gordura corporal total reside no fato de existir uma relação entre a gordura localizada nos depósitos adiposos existentes diretamente debaixo da pele e essa está diretamente relacionada com a gordura total.

As medidas das espessuras de dobras cutâneas em determinados locais do corpo podem ser um bom subsidio para a predição da quantidade de gordura corporal. McARDLE, KATCH & KATCH (1992, p.48)

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

35
Leonardo de Arruda Delgado

Essa metodologia é passível de ser utilizada em pesquisas epidemiológicas de grande escala e na avaliação nutricional. Além disso, medidas de DOC podem ser usadas para estabelecer perfis antropométricos.

As mensurações das dobras cutâneas poderão proporcionar informação bastante constante e significativa acerca da gordura corporal e de sua distribuição. A medida da espessura de dobras cutâneas pode ser utilizada basicamente de duas maneiras.

A primeira consiste em somar os escores como uma indicação do grau relativo de adiposidade entre os indivíduos. A segunda maneira é em combinação com equações matemáticas destinadas a predizer a densidade corporal ou o percentual de gordura corporal.

7.1.1 Pressupostos da técnica de dobras cutâneas

De acordo com HEYWARD & STOLARCZYK (2000,p.14), os pressupostos da técnica de dobra cutânea são:

- A DOC é uma boa medida da gordura subcutânea: a DOC é uma medida da espessura de duas camadas de pele e a gordura subcutânea adjacente. Pesquisas demonstraram que a gordura subcutânea, avaliada pelo método de DOC em doze locais, é similar ao valor obtido nas imagens de ressonância magnética (MRI). Entretanto, em alguns locais específicos, medidas de DOC

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

36
Leonardo de Arruda Delgado

acusaram quantidades de gordura significativamente menores comparadas às medidas obtidas diretamente da MRI. - A distribuição da gordura subcutânea e interna é similar para todos os indivíduos do mesmo sexo: a validade deste pressuposto é questionável. Sujeitos mais velhos de um mesmo sexo e densidade corporal tem proporcionalmente menos gordura subcutânea que seus pares mais jovens. Além disso, o nível de gordura corporal afeta a quantidade relativa de gordura localizada internamente e sob a pele. Indivíduos magros têm uma proporção mais alta de gordura interna e a proporção de gordura localizada internamente diminui à medida que a gordura corporal total aumenta. - Devido à existência de uma relação entre gordura

subcutânea e gordura corporal total, a soma de várias dobras cutâneas pode ser utilizada para estimar a gordura corporal total: pesquisas estabelecem que as espessuras das dobras cutâneas em diversos locais medem um fator comum de gordura corporal. Estabelece-se que aproximadamente um terço da gordura da gordura corporal total está localizada sob a pele nos homens e nas mulheres. Entretanto, existe uma variação biológica considerável nos depósitos de gordura subcutâneo, intramuscular e dentro dos órgãos internos, assim como nos lipídeos essenciais na medula óssea e no sistema nervoso central. A variação biológica na distribuição da gordura é afetada por idade, sexo e grau de obesidade. Portanto, esses fatores

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

37
Leonardo de Arruda Delgado

precisam ser considerados ao se desenvolver equações de predição para estimar a gordura corporal relativa.

7.1.2 Princípios da técnica de dobras cutâneas

- Há uma relação entre a somatória das DOC e a densidade corporal (Dc): essa relação é linear em amostras homogêneas (equações de DOC para grupos populacionais específicos) e nãolinear em uma grande variação de Dc (equações generalizadas de DOC) tanto para homens como para mulheres. Uma reta de regressão linear, representando a relação entre o somatório de DOC e Dc, irá dispor bem os dados apenas dentro de uma estreita faixa de valores de gordura corporal. Assim, usar uma equação específica a um grupo populacional para estimar a Dc de clientes não-representativos dos grupos utilizados originalmente para desenvolver a equação pode levar a uma estimativa inexata da Dc desses clientes. - A idade é uma variável de predição independente da Dc tanto para homens como para mulheres: usar a idade e a expressão quadrada da soma das dobras cutâneas resulta em uma maior variação na Dc de uma população heterogênea em relação ao uso da somatória de Doc sozinha.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

38
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.3 Fontes de erro de medida

A validade e fidedignidade das medidas de DOC e do método de DOC são afetadas por: Habilidade do avaliador, tipo de adipômetro, fatores do sujeito e equação de predição utilizada para estimar a gordura corporal.

A exatidão teórica das equações de DOC para predizer a DC é 0,0075g/cm³ ou 3,3%GC devido à variabilidade biológica em estimar a gordura subcutânea através da espessura de DOC e diferenças interindividuais na relação entre a gordura subcutânea e a gordura corporal total. Portanto, erros de predição ≤ 3,5% GC ou ≤ 0,008 g/cm³ para as equações através da espessura de DOC são aceitáveis, porque uma parte desse erro é atribuída ao método de referência.

Entre os principais fatores de erros temos:

– Habilidade do avaliador; – Tipo de adipômetro; – Fatores individuais; – Equações de predição

7.1.3.1

Habilidade do avaliador

Uma grande fonte de erro em medidas de DOC é a variabilidade existente entre os avaliadores. Aproximadamente de 3 a 9% da variabilidade

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

39
Leonardo de Arruda Delgado

em medidas de DOC podem ser atribuídas a erro de medida devido a diferenças entre avaliadores.

O tamanho do erro entre avaliadores depende do ponto que está sendo medido, com erros maiores reportados para as dobras cutâneas abdominal (5,7%) e da coxa (7,1%) comparados aos locais de DOC tríceps (~3,0%), subescapular (~3,0 a 5,0%) e supra-íliaca (~4,0%).

A objetividade, ou fidedignidade entre avaliadores, é aumentada quando estes seguem procedimentos de testes padronizados, praticam tomadas de DOC juntos e marcam o local da DOC.

Para aumentar a habilidade do avaliador de dobras cutâneas recomendamos os seguintes procedimentos, elaborados por peritos na área como POLLOCK & LOHMAN:

- Ser meticuloso ao localizar os pontos anatômicos usados para identificar o local da DOC, ao medir distância e ao marcar o local com uma caneta marcadora cirúrgica; - Ler o mostrador do adipômetro em seu 0,1mm mais próximo; - Tomar um mínimo de duas medidas para cada local. Se os valores diferirem em mais de 10%, tomar medidas adicionais; - Tomar medidas de DOC em uma ordem rotativa (circuitos), em vez de leituras consecutivas em cada local;

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

40
Leonardo de Arruda Delgado

- Tomar medidas de DOC, quando a pele do cliente estiver seca e sem loções; - Não medir DOC imediatamente após o exercício, porque a mudança dos fluidos corporais para a pele tende a aumentar o tamanho da DOC; - Praticar as medidas de DOC de 50 a 100 clientes; - Procurar treinamento adicional em workshops realizados em conferências estaduais, regionais e nacionais.

Como se pode calcular são necessárias muita prática e paciência para se formar um avaliador de DOC habilidoso. Em certos casos, mesmo avaliadores altamente habilidosos não estão aptos a medir a espessura da DOC em indivíduos extremamente obesos ou altamente musculosos. Nesses casos, métodos alternativos, como o BIA, podem ser utilizados para avaliar a gordura corporal.

7.1.3.2

Tipo de adipômetros

Tanto os adipômetros de metal de alta qualidade como os plásticos podem ser utilizados para medir a espessura das DOC. O custo dos adipômetros varia, dependendo dos materiais utilizados em sua confecção (mental e plástico) e a precisão e exatidão de sua escala de medida.

Os modelos mais conhecidos são os da “SANNY”, “CESCORF”, "LANGE" e "HARPENDER". Esses aparelhos possuem características

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

41
Leonardo de Arruda Delgado

especiais, sendo a mais importante a que faz com que esses apresentem uma pressão constante de preensão, independente da abertura do aparelho. Essa pressão é de aproximadamente 10 g/mm². Sua precisão de medida é de 0,1 mm no caso do Harpender, Cescorf e o Sanny e 0,5 mm no Lange.

Figura 5 Modelos de adipômetros mais utilizados

COSTA, STEFANONI & BÖHME (2001) que realizaram um estudo comparativo de diferentes compassos de dobras cutâneas utilizando as equações de PETROSKI (1995) – PE95 , JACKSON, POLLOCK & WARD (1980) – JPW80 , DURNIN & WOMERSLEY (1974) – DW74 e concluíram que, não houve diferença estatisticamente significativa entre os compassos para nenhuma das dobras avaliadas, bem como para nenhuma das equações utilizadas. Com isso concluíram que os quatro compassos podem ser utilizados, independentes do protocolo utilizado para avaliação.

Dado que o tipo de adipômetro pode ser uma fonte potencial de erro de medida, nós recomendamos que:

- Se use o mesmo adipômetro ao monitora mudanças na espessura das DOC. - Checagem periódica da exatidão do adipômetro.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

42
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.3.3

Fatores individuais

A variabilidade em medidas de DOC entre indivíduos pode ser atribuída não apenas à diferença na quantidade de gordura subcutânea no local, mas à diferença na espessura da pele, compressibilidade do tecido adiposo, manuseio e nível de hidratação.

A variabilidade interindividual na espessura da pele (0,5 a 2mm) é pequena e não contribui substancialmente para o erro total da medida de espessura da DOC. Entretanto, variação na compressibilidade da DOC pode ser um importante fator limitante do método de DOC.

7.1.3.4

Equações de predição de dobras cutâneas

Para evitar erros acentuados é muito importante, quando da escolha de uma equação, verificar com base em que população ela foi elaborada: homens, mulheres, crianças, jovens, idosos, indivíduos ativos, atletas, etc. Com relação a atletas, cabe ressaltar que existem equações para diversas modalidades esportivas. É necessário levar-se em consideração que estas equações normalmente vêm de outros países, o que também pode causar equívocos com relação aos resultados (COSTA, 1996).

Tendo em vista a necessidade de minimizar os erros de predição das equações existentes, são encontrados numerosos estudos para testar a

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

43
Leonardo de Arruda Delgado

validade destas equações propostas para grupos específicos ou grupos populacionais em diferentes localidades.

Para selecionar a equação mais apropriada é importante avaliar a validade relativa dos métodos de campo e equações de predição da composição corporal. As seguintes perguntas devem ser analisadas:

- Qual foi o método de pesquisa utilizado para desenvolver a equação? A medida de referência estimada por equações de predição varia dependendo do método de campo utilizado. - Qual o tamanho da amostra utilizada para desenvolver as equações de predição? Qual a proporção entre o tamanho da amostra e o número de variáveis preditivas na equação? Geralmente, amostras grandes (N = 100 a 400) e aleatórias são necessárias para assegurar que os dados são representativos para aquela população para a qual a equação foi desenvolvida. - Qual foi o valor Rmc e o erro padrão da estimativa (EPE) para essa equação? Quanto maior o Rmc (até o valor máximo de 1,00), maior a correlação. HEYWARD & STOLARCZYK (2000, 18) apresenta a seguinte tabela dos valores de avaliação de erros de prognóstico (EPE)

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

44
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 3 Padrões de avaliação de erros de prognóstico (EPE). Fonte: LOHMAN (1992, 3-4) EPE %GC masc. e fem 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 EPE Dc (g/cm³) masc. e fem. 0,0045 0,0055 0,0070 0,0080 0,0090 0,0100 0,0110 EPE MLG (kg) Masc. 2,0-2,5 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 >4,5 Fem. 1,5-1,8 1,8 2,3 2,8 2,8 3,6 >4,0 Escala Subjetiva Ideal Excelente Muito bom Bom +/- Bom Razoável Ruim

- Para quem essa equação de predição é aplicável? Para responder a essa questão, é necessário prestar atenção às características físicas da amostra usada para derivar a equação. Fatores como idade, sexo, raça nível de gordura e nível de atividade física devem ser examinados cuidadosamente.

Equações de predição podem ser generalizadas ou específicas a grupos populacionais. Equações específicas devem ser usadas apenas para estimar a variável de indivíduos de um grupo homogêneo específico. - Como as variáveis foram medidas pelos pesquisadores que desenvolveram a equação de predição? Não é apenas importante saber quais variáveis foram incluídas em uma equação de predição, mas também como cada uma dessas variáveis foi medida pelos pesquisadores que desenvolveram a equação. - A validade da equação de predição foi investigada em uma amostra da população (validação cruzada)? A fim de determinar a validade ou precisão de estimativa de uma equação

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

45
Leonardo de Arruda Delgado

de composição corporal, é necessário que ela seja testada em outras amostras da população. - Qual foi o valor da correlação (ry,y’,) entre a medida referência (y) e a prevista (y’) (coeficiente de validade)? Qual foi o valor do EPE quando a equação foi aplicada na amostra de validação cruzada? Em geral, uma equação com boa precisão deve ter um coeficiente de validade moderadamente alto (ry,y’,>80) e um EPE aceitável. - O valor predito médio foi similar ao valor de referência médio para a amostra de validação cruzada? A equação de predição deve gerar médias de predição comparáveis ás medidas de referência. Isso é testado usando-se o teste-t pareado. As duas médias não devem diferir significativamente. Uma grande diferença entre as médias de predição e de referência indica que há diferença sistemática (subestimada ou superestimada) entre as amostras de validação e de validação cruzada, devido a erro técnico ou variabilidade biológica (LOHMAN, 1981) - Qual foi o erro total (E) da equação? “E” representa o desvio médio dos valores individuais da reta de identificação. Quando uma equação prevê com boa precisão os valores de identidade com um pequeno grau de desvio ao longo da reta.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

46
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4 Equações de regressão

São apresentadas na literatura dezenas de equações de predição de densidade ou de gordura corporal a partir da medida da espessura de dobras cutâneas. Para desenvolver equações de predição de composição corporal, pesquisadores comumente usa uma técnica estatística chamada regressão múltipla. Esta técnica permite aos pesquisadores identificar uma equação que usa a melhor combinação de variáveis de medida para predizer as medidas de referência da composição corporal, como Dc ou MLG.

Boas equações de predição apresentam uma alta correlação (denominada de coeficiente de correlação múltipla ou Rmc) entre a medida de referência (que está sendo predita) e a combinação das variáveis medidas usadas para predizê-la (variáveis de predição).

O valor da medida de referência é estimado com uma pequena margem de erro (erro padrão da estimativa ou EPE), significando que o valor predito para o indivíduo está perto do valor para a medida de referência daquele indivíduo. A linha ajustada através dos pontos dos dados é a linha de melhor ajuste (linha de regressão).

Quando o erro padrão de estimativa é pequeno, os pontos dos dados não se desviam muito da linha de melhor ajuste. Na verdade, se uma equação prediz cada valor de referência perfeitamente, todos os pontos dos dados vão cair ao longo de curva de melhor ajuste.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

47
Leonardo de Arruda Delgado

Para utilizar uma equação de predição, os valores individuais para cada variável preditora devem ser multiplicados pela sua respectiva constante. Todos os produtos são somados para levar a um valor de predição para aquele indivíduo. As constantes (pesos de regressão) para as variáveis de predição são obtidas através da análise de regressões múltiplas.

Uma boa equação tem pesos de regressão estável, significando que seus valores não mudam muito de grupo para grupo. Para obter pesos de regressão estáveis o pesquisador deve usar um número grande de sujeitos (a amostra de validação cruzada) e comparando esses pesos de regressão com aqueles obtidos da amostra original (amostra de validação). Para estabelecer a aplicabilidade da equação de predição a outras amostras independentes da população, devem ser executados procedimentos de validação cruzada adicionais.

Estas equações são desenvolvidas usando-se tanto modelos de regressão linear (através de propostas com base em estudos de grupos homogêneos e populacionais específicos) quanto quadráticos (generalizadas, quando desenvolvidas a partir de estudos populacionais com grupos heterogêneos).

As primeiras equações de regressão para a composição corporal que empregavam as técnicas antropométricas foram publicadas em 1951 por BROZEK & KEYS, que usuram as dobras corporais e equações específicas, para avaliar a densidade corporal de homens jovens e de meia idade.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

48
Leonardo de Arruda Delgado

No início da década de 60, LOAN e col. & YOUNG e col., publicaram equações semelhantes para mulheres de grupos etários selecionados. Tais equações foram desenvolvidas a partir de varias combinações de medidas de dobras cutâneas. De meados da década de 60 até a década de 70, numerosos pesquisadores publicaram outras equações para homens e mulheres. Os objetivos destas pesquisas eram produzir equações mais precisas. Além das medidas de dobras cutâneas e de diversas circunferências corporais, bem como em algumas situações, os diâmetros ósseos foram usados como variáveis independentes.

Essas pesquisas levaram ao desenvolvimento de equações específicas, as quais mostraram que fatores como idade e sexo representam fontes importantes de variações de densidade corporal. As diferenças na densidade corporal entre homens e mulheres podem ser amplamente reputadas à variabilidade no tecido adiposo dito essencial. Além disso, as equações de populações específicas para o sexo tornaram-se importantes, em decorrência das diferenças na distribuição do tecido adiposo subcutâneo para homens e mulheres.

As equações desenvolvidas a partir de indivíduos mais jovens subestimavam a densidade corporal de indivíduos mais velhos. O emprego de equações específicas para um dos sexos em indivíduos pertencentes ao outro sexo produz um erro sistemático na avaliação de cerca de 0,025 g/ml (11% de gordura). Os achados das pesquisas com equações para populações

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

49
Leonardo de Arruda Delgado

específicas mostraram que o sexo, a idade, o grau de gordura corporal e em si tratando de crianças do nível de maturidade sexual, precisam ser considerados na avaliação antropométrica da densidade corporal.

A tendência mais recente tem sido desenvolver equações mais gerais, em vez de equações específicas para determinadas populações. Estas últimas oferecem estimativas valiosas para os indivíduos representativos das populações por elas definidas.

DURNIN & WORMERSLEY (1974) foram os primeiros a considerar a abordagem generalizada. Estes autores publicaram equações representadas por uma única curva comum, mas que podia ser ajustada para levar em conta a idade. JACKSON & POLLOCK (1978-1980) publicaram equações

generalizadas para homens e mulheres adultos. As pesquisas destes últimos autores representam uma extensão do trabalho de DURNIN & WORMERLEY, tendo sido realizadas para superar algumas das limitações associadas às equações para populações específicas, acrescentando o fator idade à equação para a estimativa das alterações potenciais na razão entre gordura externa e interna e densidade óssea.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

50
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.1

Equações de PARIZKOVA (1961)

PARIZKOVA utilizou a tomada das dobras cutâneas triciptal no braço esquerdo e a subescapular no braço direito, dividindo a determinação do percentual de gordura em função do sexo e da faixa etária, preconizando os intervalos de 9 a 12 anos e 13 a 16 anos.1

E desenvolve equações de uma e de duas dobras, para predizer a densidade corporal deste grupo. Os três grandes problemas com a técnica de PARIZKOVA são:

-

A medida a dobra cutânea de tríceps no braço esquerdo, que corresponde uma medida não padronizada;

-

Não levar em conta o nível de maturidade sexual; e a Utilização de um modelo de dois componentes, com a densidade da MLG igual a 1,10 g/cm³.

No entanto, o terceiro problema pode ser amenizado, utilizando-se equações, baseadas em modelos de multicomponentes de conversão de densidade corporal para %GC, encontradas em HEYWARD & STOLARCZYK (2000,14), já que segundo POLLOCK (1993, 324), as equações possuem um fator de correlação aceitável entre (0,81 a 0,92) de densidade corporal.

1

CARNAVAL 1997,57

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

51
Leonardo de Arruda Delgado

MENINAS DE 9 A 12 ANOS
DC= 1,088 - 0,014 (log10 TR)-0,036 (log10 SE) Dc=1,079-0,043Log10(SE) %GC= [(5,35/Dc)-4,95]x1002

Este estudo foi realizado em 56 meninas na faixa etária de 9 a 12 anos, o erro padrão estimado (EPE) da equação foi calculado em 0,012 g/ml e a correlação múltipla(R) foi de 0,81.

MENINAS DE 13 A 16 ANOS
DC=1,114 - 0,031 (log10 TR) - 0,041 (log10 SE) DC=1,102-0,058 Log10(SE) %GC= [(5,10/Dc)-4,66]x1003

Amostragem de 62 meninas na faixa etária de 13 a 16 anos, o erro padrão estimado (EPE) da equação foi calculado em 0,010 g/ml e a correlação múltipla(R) foi de 0,82.

MENINOS 9 A 12 ANOS
DC= 1,1088 - 0,027 (log10 TR)-0,0388 (log10 SE) DC=1,1094-0,054 Log10(SE) %GC=[(5,30/Dc)-4,89]x1004

Esta equação envolveu 57 meninos de 9 a 12 anos, o erro padrão estimado (EPE) é de 0,011 g/ml e a correlação múltipla e de 0,92.

MENINOS DE 13 A 16 ANOS
DC=1,130 - 0,055 (log10 TR) - 0,026 (log10 SE) DC=1,131-0,083 Log10(SE) %GC=[(5,07/Dc)-4,64]x100

2 3

HEYWARD & STOLARCZYK, 2000,p.14 Id ibid. 4 Id Ibid.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

52
Leonardo de Arruda Delgado

Não encontramos os valores de erro padrão estimado (EPE) e correlação múltipla para essa equação, em POLLOCK (1993,p.324-325).

7.1.4.2

Equação de FAULKNER (1968)

As investigações sistemáticas sobre composição corporal, no Brasil, iniciaram-se, praticamente, na década de 70, sendo que a maior parte das publicações utilizava unicamente a equação de FAULKNER (1968), também conhecida de YUHASZ (1962), para caracterizar o percentual de gordura corporal (%GC).

De

acordo

com

CARNAVAL

(1997,

p.49)

YAHASZ,

no

desenvolvimento de sua técnica, preconizava a utilização de 6 dobras (peito, tríceps, supra-iliaca, subescapular, abdominal – lado esquerdo- e coxa) e calculava o percentual de gordura usando a seguinte equação:

%GC = 0,095 x Σ(das 6 Dobras)+3,64

Segundo CARNAVAL (op.cit) e FERNANDES (2003, p.64-65), FAULKNER, desenvolvendo pesquisa em nadadores americanos e observou que as medidas de peito e coxa constituíam-se em fatores de erro, passando a usar apenas 4 dobras (tríceps, subescapular, supra-íliaca e abdominal- lado direito) e calcula o percentual de gordura usando a seguinte fórmula:

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

53
Leonardo de Arruda Delgado

%GC = Σ(das 4 dobras)x0,153 + 5,783

Os índices 0,153 e 5,783 referem-se aos valores de amostragem da população por ele estudada, nadadores, relacionando estatura, tipo de ossos e outras variáveis étnicas e ambientais. Com os pesos da massa gorda (MG) e Massa Livre de Gordura sendo calculadas em kg pelas equações:

MG = %GC x Massa Corporal Total (MCT)/100 MLG = MCT - MG De acordo com o autor chegou a equações para determinação de peso ideal seria:

Peso Ideal (PI) = MLG x constante

Com as constantes fixadas pelo autor:
Nadadores Futebolistas Demais esportes e mulheres 1,09 1,12 1,14

De acordo com PETROSKI (1995, p.90), em seu estudo sobre o início da pesquisa em composição corporal e sua evolução no Brasil, foi observado que a equação, mais utilizada no Brasil e nos países vizinhos, era a de FAULKNER e que a mesma era utilizada indiscriminadamente para ambos os sexos, em diferentes níveis de aptidão física e sem considerar a especificidade da equação que foi desenvolvida para o sexo masculino. Assim, a magnitude dos erros na utilização dessa equação em amostras nacionais é

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

54
Leonardo de Arruda Delgado

desconhecida. No entanto, durante esse período, não foi averiguada ou discutida a origem e a validade de sua utilização na população brasileira.

A primeira preocupação neste sentido surgiu com GUEDES (1986) que realizou estudo de validação da equação proposta por FAULKNER (1968) em jovens pertencentes à população brasileira, através de pesagem hidrostática, e encontrou erros bastante elevados, tanto para homens quanto para mulheres. Este estudo constatou que a referida equação poderia deturpar o resultado da quantidade de gordura corporal em torno de 37 % para o grupo feminino e 23 % para o grupo masculino.

GAGLIARDI (1996) apud COSTA (2001, p.28) testou a validade de 30 equações de predição de componentes corporais, utilizando a pesagem hidrostática, em uma amostra composta por 45 atletas divididos em nadadores de provas de velocidade, triatletas e jogadores de pólo aquático; concluindo que apenas três mostraram consistência em seus resultados para todos os grupos: BROZEK (1963), BEHNKE & WILMORE (1966) e FAULKNER (1968).

Logo concluímos que a equação FAULKNER, pode ser utilizada desde que os avaliados sejam nadadores, triatletas e ou jogadores de pólo aquático e com idade variando entre 18 a 25 anos.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

55
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.3

Equações de DURNIN & RAHMAN (1967)

Este estudo deve como amostra 86 crianças, sendo 48 do sexo masculino e 38 do sexo feminino com faixas etárias variando entre 12 e 15 anos a equação masculina deve densidade corporal média de 1,068 g/cm³ com desvio padrão de 0,013 g/cm³ e a feminina de 1,045 g/cm³ e desvio padrão de 0,011 g/cm³.

O erro padrão estimado (EPE) foi de 0,008 g/ml e a correlação múltipla e de 0,76, para os meninos e 0,008 g/ml de EPE e 0,78 de correlação múltipla para as meninas.

Tabela 4 Equações DURNIN & RAHMAN Sexo Masculino Feminino

%GC

%GC=1,1533 - 0,0643 log10 (BI+ TR+ SE+SI) %GC=1,1369 - 0,0598 log10 (BI+ TR+ SE+SI)

7.1.4.4

Equações de DURNIN & WOMERSLEY (1974)

DURNIN & WOMERSLEY, foram os primeiros a considerar a abordagem generalizada. Estes autores publicaram equações representadas por uma única curva comum, mas que poderia ser ajustada para levar em conta a idade. Com base em estudo de 209 homens de 17 a 72 anos de idade e 272 mulheres de 16 a 68 anos de idade, propõe 10 equações por faixa etária e 2 generalizadas, para cada gênero.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

56
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 5 Equações de DURNIN & WOMERSLEY Sexo Faixa Etária 17-19 anos 20-29 anos 30-39 anos 40-49 anos 50 a 72 anos 17 a 72 anos 16 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 68 anos 16 a 68 anos Equação Dc=1,1620-0,0630 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1631-0,0632 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1422-0,544 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1620-0,0700 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1715-0,0779 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc= 1,1765-0,0744 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1549-0,0678 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1599-0,0717 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1423-0,0612 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1333-0,0645 Log10(TR+BC+SE+SI) Dc=1,1339-0,0645 Log10(TR+BC+SE+SI) D=1,1567-0,0717 Log10(TR+BC+SE+SI)

Homens

Mulheres

BARRERA, SALAZAR, GAJARDO, GATTÁS & COWARD (1997) utilizaram a diluição isotópica de deutério como método referencial para testar a validade de três técnicas de determinação da composição corporal: absortometria radiológica de dupla energia, bio-impedanciometria, e espessura de dobras cutâneas, através da equação proposta por DURNIN & WOMERSLEY (1974).

A amostra foi constituída de 31 homens saudáveis, na qual todos os métodos apresentaram resultados similares aos valores referenciais,

conferindo validade aos mesmos para a avaliação da gordura corporal neste grupo.

KURIYAN, PETRACCHI, FERRO-LUZZI, SHETTY & KURPAD (1998), utilizaram a pesagem hidrostática para testar a validade da impedância bioelétrica e da antropometria através da equação de DURNIN &

WOMERSLEY (1974) em uma amostra composta por 99 homens e 89 mulheres do sul da Índia. Para ambos os sexos foram encontrados resultados

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

57
Leonardo de Arruda Delgado

válidos tanto para a bio-impedância quanto para a equação de espessura de dobras cutâneas.

Para converter Dc em %GC usa-se as seguintes fórmulas:

Tabela 6 Equações de conversão de Dc para %GC Idade Sexo Masculino 17-19 Feminino Masculino 20-80 Feminino

%GC (4,99/Dc)-4,55 (5,05/Dc)-4,62 (4,95/Dc)-4,50 (5,01/Dc)-4,57

7.1.4.5

Equações de JACKSON & POLLOCK (1975-1978-1980)

POLLOCK (1975) realizou um estudo em 83 mulheres jovens com idade variando entre 18 a 29 anos e criou uma equação de 4 dobras para estimar a densidade corporal. Está equação têm uma correlação múltipla R = 0,84 e erro padrão estimado EPE de 0,008g/cm³

Dc = 1,096095-0,0006952(X1)+0,0000011(X1)-0,0000714(X2)
Onde: Dc= Densidade Corporal X1=∑4DOC (tríceps + supra-ilíaca + abdome +coxa) X2 = Idade em anos

SINNING & WILSON (1984) relataram que essa equação estimou com validade a gordura corporal média de mulheres atletas partindo de dez diferentes esportes universitários (EPE=3,2%GC). Sendo então recomendada para mulheres atletas jovens e adolescentes. E a equação de para converter Dc em %GC é:

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

58
Leonardo de Arruda Delgado

%GC=[(5,01/Dc)-4,57]x100

Em 1978, JACKSON & POLLOCK, proporão duas equações para a estimativa da densidade corporal de homens, com base em estudo de 308 indivíduos de 18 a 61 anos de idade, utilizando-se de soma de 7 e 3 dobras cutâneas, além da idade.

Na equação de 7 dobras cutâneas para homens de 18 a 61 anos, a correlação múltipla da equação (R) é de 0,9 e o erro padrão de estimativa de densidade (EPE) é de 0,008.

Dc=1,112-0,00043499(X1)+0,00000055(X1)²-0,00028826(X4)
Onde: Dc= Densidade Corporal X1=∑7DOC (peitoral + axilar medial + tríceps + subescapular + supra-ilíaca + abdome +coxa). X2 = Idade em anos

Segundo HEYWARD & STOLARCZYK (2000, p.164) a equação generalizada da soma de sete dobras de JACKSON & POLLOCK (1978) tem se mostrado válida para estimar a gordura corporal média de homens fisicamente ativos (ISRAEL et al., 1989) e de homens participando de 12 diferentes esportes universitários de 18 a 29 anos (SINNING et.al.,1985).

O erro de predição dessa equação variou de 2,2% a 2,9% de GC. Sendo então recomendada à utilização da equação de DOC de JACKSON &

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

59
Leonardo de Arruda Delgado

POLLOCK de sete dobras, para estimar a composição corporal de homens atletas e adultos fisicamente ativos.

HEYWARD & STOLARCZYK (op. cit, p.131) recomenda a utilização das equações de 7 DOC (JACKSON & POLLOCK) para predizer a Dc para Indivíduos negros. Entretanto, deve-se usar as fórmulas de conversão específica à raça para estimar a %GC a partir da Dc nessa população.

Tabela 7 Fórmulas para converter Dc em %GC para população negra Sexo Raça Fórmulas para converter Dc em %GC Branca %GC = [(4,95/Dc)-4,5]x100 Masculino Negra %GC= [(4,37/Dc)-3,93] x100 Branca %GC=[(5,01/Dc)-4,57] x100 Feminino Negra %GC=[(4,85/Dc)-4,39] x100

Equação de 3 dobras cutâneas para homens de 18 a 61 anos. A correlação múltipla (R) é de 0,91 e o erro padrão estimado de densidade (EPE.Dc) é de 0,008.

Dc= 1,10938-0,0008267(X1)+0,0000016(X1)²-0,0002574(X2)
Onde: Dc= Densidade Corporal X1=∑3DOC (peitoral + abdome + coxa). X2 = Idade em anos

De acordo HEYWARD & STOLARCZYK (2000, p.142-145) existem muitas equações de DOC específicas à idade para homens brancos, podendose utilizar tanto a equação de 3DOC quanto à de 7DOC(1978) para estimar a Dc de homens brancos, no entanto, pesquisas têm demonstrado a aplicabilidade da equação de 3 DOC. A validação cruzada dessa equação

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

60
Leonardo de Arruda Delgado

indica erros de predição variando entre 2,6% GC e 3,5% GC (McLean & Skinner, 1992).

O Percentual de gorduras das duas equações 3 e 7 dobras podem ser obtidos pela equação:

%GC = [(4,95/Dc)-4,5]x100

Em 1980, JACKSON et al proporão equações para a estimativa da densidade corporal de mulheres, com base em estudos de 249 individuas de 18 a 55 anos de idade, utilizando-se de soma de 7 e 3 dobras cutâneas.

Equação de 7 dobras para mulheres de 18 a 55 anos. A correlação múltipla (R) da equação é de 0,85 e o erro padrão estimado de densidade (EPE.Dc) é de 0,008.

Dc = 1,097-0,00046971(X1)+0,00000056(X1)²-0,00012828(X2)
Onde: Dc= Densidade Corporal X1=∑7DOC (peitoral + axilar medial + tríceps + subescapular + supra-ilíaca + abdome +coxa) X2 = Idade em anos

A conversão de Dc para %GC pode ser feita pela equação: %GC=[(5,01/Dc)-4,57]x100

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

61
Leonardo de Arruda Delgado

As equações de DOC generalizadas de JACKSON, POLLOCK & WARD (1980) mostraram boa validade de predição (EPE=2,9% GC 3,5% GC) e pequenas diferenças (0,3% GC a 1,3% GC), quando são utilizadas para estimar a gordura corporal de mulheres brancas (EATON, ISRAEL, O’BRIEN, HORTOBAGYI & McCAMMON, 1993).

Do mesmo modo como ocorrem com os homens, essas equações geralmente funcionam melhor quando aplicadas a mulheres não-obesas. HEYWARD, COOK et al., (1992) observou em seus estudos que a equação de JACKSON de 3DOC subestimou significativamente a média da gordura corporal de mulheres obesas em 3,7% GC. Da mesma forma, PAIJMAS et al. (1992) relataram que a gordura corporal média de mulheres e homens brancos obesos era subestimada em 5,5% GC.

Equação de 3 dobras para mulheres de 18 a 55 anos. A correlação múltipla (R) da equação é de 0,84 e o erro padrão estimado de densidade (EPE) é de 0,009.

Dc= 1,0994921-0,0009929(X1)+0,0000023(X1)²-0,0001392(X4)
Onde: X1= Σ(TR+SI+CX) X2 = Idade Anos

A equação de conversão de densidade corporal em %GC é a mesma da equação de 7 DOC para mulheres.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

62
Leonardo de Arruda Delgado

É importante salientar que as equações generalizadas de DOC de JACKSON & POLLOCK (1978-1980) são baseadas em um modelo quadrático que usa a somatória de três ou sete dobras e a idade para predizer a Dc. Estas equações foram desenvolvidas para homens (18 a 61 anos) e mulheres (18 a 55 anos), e, portanto, podem não ser aplicável em indivíduos que excedam tais limites de idade.

HEYWARD & STOLARCZYK (op. cit, p.151) dizem que até o momento não há equações antropométricas, de dobras cutâneas (DOC), impedância bioelétrica (BIA) ou de interactância de infravermelho (NIR) desenvolvidas especificamente para mulheres anoréxicas, sugerindo então, que para este público, deve-se usar a equação de 3DOC de JACKSON (1980) para predizer a Dc e usar a seguinte fórmula para converter Dc em %GC:

%GC = [(5,26/Dc)-4,83]x100

CLASEY,

KANALEY,

WIDEMAN,

HEYMSFIELD,

TEATES,

GUTGESSEL, THORNER, HARTMAN & WELTMAN (1999), apud COSTA (2001, p.30) examinaram a validade de diferentes métodos de determinação da composição corporal, sendo que um deles foi o método antropométrico, por meio das equações de JACKSON & POLLOCK (1978) para homens, e JACKSON, POLLOCK & WARD (1980) para mulheres, utilizando como método de referência o modelo de 4 componentes proposto por HEYMSFIELD, LICHTMAN, BAUMGARTNER, WANG, KAMEN, ALIPRANTIS & PIERSON Jr.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

63
Leonardo de Arruda Delgado

(1990). A utilização dos métodos de estimativa antropométrica resultou em grandes diferenças entre as médias e uma considerável variabilidade interindividual. PEÑA, VÁSQUEZ, BARBA & LUCO (1987) realizaram estudo para determinar o erro de predição das equações de KATCH & McARDLE (1973); DURNIN & WOMERSLEY (1974), e JACKSON, POLLOCK & WARD (1980); em uma amostra de 23 mulheres de 19 a 33 anos, profissionais ou estudantes de medicina da Universidade do Chile.

Os resultados obtidos pelas equações foram comparados aos obtidos pela pesagem hidrostática e o erro total foi calculado utilizando o conceito proposto por LOHMAN (1981). Os autores verificaram que para a amostra estudada todas as equações superestimavam a quantidade de gordura corporal, apresentando elevado erro e diferença estatisticamente significativa em relação à pesagem hidrostática.

Acreditamos que está variabilidade pode ter ocorrido pela não utilização das equações de conversão de densidade corporal para percentual de gordura corporal especificas para o sexo e/ou grupo etnico, pois, durante todo o trabalho de levantamento bibliográfico apenas HEYWARD & STOLARCZYK (2000, p.14) apresentam as fórmulas populacionais específicas para conversão de Dc em % GC, e todos os outros autores apresentaram apenas a equação de SIRI (1961) como a única equação de conversão de Dc para %CG.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

64
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 8 Estimativa do percentual de gordura de POLLOCK para homens a partir do somatório das dobras cutâneas do tórax, abdome e coxa Idade Σ(PT+AB+CX) <22 23-27 28-32 33-37 38-42 43-47 48-52 1,3 1,8 2,3 2,9 3,4 3,9 4,5 8-10 2,2 2,8 3,3 3,8 4,4 4,9 5,5 11-13 3,2 3,8 4,3 4,8 5,4 5,9 6,4 14-16 4,2 4,7 5,3 5,8 6,3 6,9 7,4 17-19 5,1 5,7 6,2 6,8 7,3 7,8 8,4 20-22 6,1 6,6 7,2 7,7 8,3 8,8 9,4 23-25 7,0 7,6 8,1 8,7 9,2 9,8 10,3 26-28 8,0 8,5 9,1 9,6 10,2 10,7 11,3 29-31 8,9 9,4 10,0 10,5 11,1 11,6 12,2 32-34 9,8 10,4 10,9 11,5 12,0 12,6 13,1 35-37 10,7 11,3 11,8 12,4 12,9 13,5 14,0 38-40 11,6 12,2 12,7 13,3 13,8 14,4 15,0 41-43 12,5 13,1 13,6 14,2 14,7 15,3 15,9 44-46 13,4 13,9 14,5 15,1 15,6 16,2 16,8 47-49 14,3 14,8 15,4 15,9 16,5 17,1 17,6 50-52 15,1 15,7 16,2 16,8 17,4 17,9 18,5 53-55 16,0 16,5 17,1 17,7 18,2 18,8 19,4 56-58 16,8 17,4 17,9 18,5 19,1 19,7 20,2 59-61 17,6 18,2 18,8 19,4 19,9 20,5 21,1 62-64 18,5 19,0 19,6 20,2 20,8 21,3 21,9 65-67 19,3 19,9 20,4 21,0 21,6 22,2 22,7 68-70 20,1 20,7 21,2 21,8 22,4 23,0 23,6 71-73 20,9 21,5 22,0 22,6 23,2 23,8 24,4 74-76 21,7 22,2 22,8 23,4 24,0 24,6 25,2 77-79 22,4 23,0 23,6 24,2 24,8 25,4 25,9 80-82 23,2 23,8 24,4 24,9 25,5 26,1 26,7 83-85 23,9 24,5 25,1 25,7 26,3 26,9 27,5 86-88 24,7 25,3 25,9 26,5 27,0 27,6 28,2 89-91 25,4 26,0 26,6 27,2 27,8 28,4 29,0 92-94 26,1 26,7 27,3 27,9 28,5 29,1 29,7 95-97 26,8 27,4 28,0 28,6 29,2 29,8 30,4 98-100 27,5 28,1 28,7 29,3 29,9 30,5 31,1 101-103 28,2 28,8 29,4 30,0 30,6 31,2 31,8 104-106 28,9 29,5 30,1 30,7 31,3 31,9 32,5 107-109 29,6 30,2 30,8 31,4 32,0 32,6 33,2 110-112 30,2 30,8 31,4 32,0 32,6 33,2 33,8 113-115 30,9 31,5 32,1 32,7 33,3 33,9 34,5 116-118 31,5 32,1 32,7 33,3 33,9 34,5 35,1 119-121 32,1 32,7 33,3 33,9 34,5 35,1 35,8 122-124 32,7 33,3 33,9 34,5 35,1 35,8 36,4 125-127

da idade e 53-57 5,0 6,0 7,0 8,0 8,9 9,9 10,9 11,8 12,8 13,7 14,6 15,5 16,4 17,3 18,2 19,1 20,0 20,8 21,7 22,5 23,3 24,1 24,9 25,7 26,5 27,3 28,1 28,8 29,6 30,3 31,0 31,7 32,4 33,1 33,8 34,5 35,1 35,7 36,4 37,0 >58 5,5 6,5 7,5 8,5 9,5 10,5 11,4 12,4 13,3 14,2 15,2 16,1 17,0 17,9 18,8 19,7 20,5 21,4 22,2 23,1 23,9 24,7 25,5 26,3 27,1 27,9 28,7 29,4 30,2 30,9 31,6 32,3 33,0 33,7 34,4 35,1 35,7 36,4 37,0 37,6

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

65
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 9 Estimativa do percentual de gordura de POLLOCK, para mulheres a partir da idade do somatório das dobras cutâneas do tórax, suprailíaca e coxa Idade Σ(TC+SI+CX) <22 23-27 28-32 33-37 38-42 43-47 48-52 53-57 23-25 9,4 9,7 10,0 10,3 10,6 10,9 11,2 11,5 26-28 10,5 10,8 11,1 11,4 11,8 12,1 12,4 12,7 29-31 11,7 12,0 12,3 12,6 12,9 13,2 13,5 13,8 32-34 12,8 13,1 13,4 13,7 14,0 14,3 14,6 14,9 35-37 13,9 14,2 14,5 14,8 15,1 15,4 15,7 16,1 38-40 15,0 15,3 15,6 15,9 16,2 16,5 16,8 17,2 41-43 16,1 16,4 16,7 17,0 17,3 17,6 17,9 18,2 44-46 17,1 17,4 17,7 18,1 18,4 18,7 19,0 19,3 47-49 18,2 18,5 18,8 19,1 19,4 19,7 20,1 20,4 50-52 19,2 19,5 19,8 20,2 20,5 20,8 21,1 21,4 53-55 20,2 20,6 20,9 21,2 21,5 21,8 22,1 22,5 56-58 21,2 21,6 21,9 22,2 22,5 22,8 23,2 23,5 59-61 22,2 22,6 22,9 23,2 23,5 23,8 24,2 24,5 62-64 23,2 23,5 23,9 24,2 24,5 24,8 25,1 25,5 65-67 24,2 24,5 24,8 25,1 25,5 25,8 26,1 26,4 68-70 25,1 25,4 25,8 26,1 26,4 26,7 27,1 27,4 71-73 26,1 26,4 26,7 27,0 27,4 27,7 28,0 28,3 74-76 27,0 27,3 27,6 28,0 28,3 28,6 28,9 29,3 77-79 27,9 28,2 28,5 28,9 29,2 29,5 29,8 30,2 80-82 28,8 29,1 29,4 29,7 30,1 30,4 30,7 31,1 83-85 29,6 30,0 30,3 30,6 30,9 31,3 31,6 31,9 86-88 30,5 30,8 31,1 31,5 31,8 32,1 32,5 32,8 89-91 31,3 31,6 32,0 32,3 32,6 33,0 33,3 33,6 92-94 32,1 32,5 32,8 33,1 33,5 33,8 34,1 34,5 95-97 32,9 33,3 33,6 33,9 34,3 34,6 34,9 35,3 98-100 33,7 34,1 34,4 34,7 35,1 35,4 35,7 36,1 101-103 34,5 34,8 35,2 35,5 35,8 36,2 36,5 36,8 104-106 35,2 35,6 35,9 36,2 36,6 36,9 37,3 37,6 107-109 36,0 36,3 36,6 37,0 37,3 37,7 38,0 38,3 110-112 36,7 37,0 37,4 37,7 38,0 38,4 38,7 39,1 113-115 37,4 37,7 38,1 38,4 38,7 39,1 39,4 39,8 116-118 38,0 38,4 38,7 39,1 39,4 39,8 40,1 40,4 119-121 38,7 39,0 39,4 39,7 40,1 40,4 40,8 41,1 122-124 39,3 39,7 40,0 40,4 40,7 41,1 41,4 41,8 125-127 40,0 40,3 40,7 41,0 41,3 41,7 42,0 42,4 128-130 40,6 40,9 41,3 41,6 41,9 42,3 42,6 43,0 131-133 41,2 41,5 41,8 42,2 42,5 42,9 43,2 43,6 134-136 41,7 42,1 42,4 42,8 43,1 43,4 43,8 44,1 137-139 42,3 42,6 43,0 43,3 43,6 44,0 44,3 44,7 140-142 42,8 43,1 43,5 43,8 44,2 44,5 44,9 45,2

e >58 11,8 13,0 14,1 15,2 16,4 17,5 18,6 19,6 20,7 21,7 22,8 23,8 24,8 25,8 26,8 27,7 28,7 29,6 30,5 31,4 32,3 33,1 34,0 34,8 35,6 36,4 37,2 37,9 38,7 39,4 40,1 40,8 41,5 42,1 42,7 43,3 43,9 44,5 45,0 45,6

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

66
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.6

Equações de LOHMAN (1981-1986)

LOHMAN desenvolveu com base em estudos com homens universitários e colegiais uma equação de dobras cutâneas para determinar a densidade corporal que depois foi modificada por THORLAND et ali (1991) para determinar o peso mínimo para lutadores universitários.

Dc = 1,0973-0,000815 Σ(TR+SE+AB)+0,00000084 Σ(TR+SE+AB)² Para converter Dc em %GC, use as seguintes equações:

Tabela 10 Equações de convenção de Dc para percentual de gordura de acordo com a idade Idade 13 a 16 anos 17 a 19 anos 20 anos ou mais Equação %GC=[(5,07/Dc)-4,64]x100 %GC=[(4,99/Dc)-4,55]x100 %GC=[(4,95/Dc)-4,55]x100

LOHMAN (1986), analisando trabalhos de autores como FORBES (1970), HASCHKE et al (1981), FOMON et al (1982) MURHERJEE & ROCHE (1984), apresentou equações para estimar a gordura corporal em crianças e jovens de 7 a 16 anos, apoiando-se nos pressupostos de BOILEAU et al (1985) sobre a imaturidade química de crianças.

A equação de LOHMAN (1986) para crianças e jovens de 6 a 16 anos de idade: %GC = 1,35(TR + SB) – 0,012(TR+SB)² - C
Onde: TR e SB, são as dobras triciptal e subescapular C = Constante de ajuste por sexo, de acordo com a tabela abaixo

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

67
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 11 Constate de ajuste por idade de acordo com o sexo Sexo/idade Masculino Feminino 7 3,4 1,4 10 4,4 2,4 13 5,4 3,4 16 6,4 4,0

PIRES NETO & PETROSKI (1996), apud FERNANDES (op.cit, p.63), percebendo que entre 7 e 10 anos, entre 10 e 13 anos e entre 13 e 16 anos, existiam diferenças estruturais entre o corpo da criança e o do adolescente, propuseram valores intermediários às idades e raça, para serem utilizados na equação de LOHMAN (1986).
Tabela 12 Tabela de constantes por idade, sexo e raça Sexo Raça 6 7 8 9 10 11 Branca 3,1 3,4 3,7 4,1 4,4 4,7 Masculino 3,7 4,0 4,3 4,7 5,0 5,3 Negra Branca 1,2 1,4 1,7 2,0 2,4 2,7 Feminino 1,4 1,7 2,0 2,3 2,6 3,0 Negra

12 5,0 5,6 3,0 3,3

13 5,4 6,0 3,4 3,6

14 5,7 6,3 3,6 3,9

15 6,1 6,7 3,8 4,1

16 6,4 7,0 4,0 4,4

17 6,7 7,3 4,4 4,7

7.1.4.7

Equações de KATCH & McARDLE (1983)

Para estimativa de Densidade Corporal em universitários de ambos os sexos, sendo que foram estudados 53 homens e 69 mulheres, são propostas 7 equações, 3 para homens e 4 para mulheres, utilizando-se valores só de dobras cutâneas, de dobras cutâneas e perímetros, dobras cutâneas e diâmetros ósseo e só de perímetros. Homens
Dc=1,10986 - 0,00083(TR) - 0,00087(SE) - 0,00098(C-AB) +0,0021(ANT.B) Dc=1,09665-0,00103(TR) - 0,00056(C-AB) – 0,00054(AB) Dc=1,112691-0,00357(C-B)-0,00127(C-AB)+0,00524(ANT.B)

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

68
Leonardo de Arruda Delgado

Mulheres Dc=1,09246-0,00049(SE)-0,00075(SE)0,00075(SI)+0,0071(U)-0,00121(C-CX) Dc=1,08347+0,0006(TR)-0,00151(SE)-0,00097(CX) Dc=1,114465-0,0015(C-B)-0,00105(C-AB)+0,00448(ANT.B)-0,00168(C-CX) DC= 1,14389-0,00114(SE)-0,00149(C-CX)
Onde: TR= Dobra Triciptal SE= Dobra Subescapular SI= Dobra Supraíliaca CX= Dobra da Coxa AB= Dobra Abdominal ANT.B= Circunferência do Antebraço C-B= Circunferência do Braço Estendido C-AB= Circunferência Abdominal C-CX= Circunferência da Coxa C-P= Circunferência da Perna C-Q= Circunferência do Quadril U= Diâmetro Biepicondiliano do Úmero

THORLAND et al (1991) notaram que a DC de lutadores colegiais era estimada com validade quando se utilizavam as equações antropométricas desenvolvidas por KATCH & McARDLE, entretanto, o pesquisador notou também que a equação não estimava adequadamente a DC de atletas adolescentes masculinos e femininos.

7.1.4.8

Equações de MUKHERJEE & ROCHE (1984)

Estas equações, baseadas em estudos com crianças de 6 a 18 anos, utilizam mensurações no lado esquerdo do corpo e a equação de Siri (1961) para cálculo do % G, baseadas na pesagem hidrostática como método indireto de validação.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

69
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 13 Equações de MUKHERJEE & ROCHE Masculino Feminino %G=12,66- 0,85 (idade) + 1,10 (TR) +0,53 (PM) %G=17,19 - 0,74 (idade) + 1,02 (TR) +0,32 (AM)

Onde: TR= dobras triciptal PM = dobra da panturrilha medial AM = dobra Axilar Medial

7.1.4.9

Equações de THORLAND (1984)

Estas equações foram desenvolvidas com o objetivo de estimar a densidade corporal em atletas jovens de ambos os sexos, utilizando-se 3 ou 7 dobras cutâneas, a partir de estudo realizado com 144 homens e 133 mulheres.

Tabela 14 Equações de THORLAND Sexo Masculino Feminino Onde: Equações Dc=1,1091-0,0052(X1)+0,00000032(X1)² Dc=1,1136-0,00154(X2)+0,00000516(X2)² Dc=1,1046-0,00059(X1)+0,00000060(X1)² Dc= 1,0987-0,00122(X3)+0,00000263(X3)²

X1= Σ(TR+SE+AM+SI+AB+CX+PM) X2= Σ(TR+SE+AM) X3= Σ(TR+SE+SI) Obs: usa-se as seguintes fórmulas pra converter DC para %GC: Meninos (7 a 12 anos) %GC=[(5,30/Dc)-4,89]x100, (13 a 16 anos) %GC=[(5,07/Dc)-4,64]x100, (17 a 19 anos) %GC = [(4,99/Dc)-4,55]x100, Meninas (7 a 12 anos) %GC=[(5,35/Dc)-4,95]x100, (13 a 16 anos) %GC=[(5,10/Dc)-4,66]x100, (17 a 19 anos) %GC = [(5,05/Dc)-4,62]x100

STOUT, HOUSH, JOHNSON, HOUSH, EVANS & ECKERSON (1995) realizaram estudo para testar a validade de 16 equações de predição de densidade corporal por meio de medidas de dobras cutâneas, utilizando a pesagem hidrostática como padrão de referência em uma amostra de 48 jovens atletas de luta greco-romana. Os autores encontraram um erro total

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

70
Leonardo de Arruda Delgado

elevado para todas as equações, indicando a necessidade de se derivar equações específicas para jovens com estas características.

HOUSH, JOHNSON, HOUSH, ECKERSON & STOUT (1996) examinaram a validade de 11 equações de dobras cutâneas para a predição de densidade corporal e porcentagem de gordura, utilizando a pesagem hidrostática, em um grupo de 73 ginastas jovens do sexo feminino. Os resultados do estudo indicaram que das 11 equações testadas apenas a equação de THORLAND, JOHNSON, THARP HOUSH & CISAR (1984), de soma de três dobras cutâneas, atendeu a todos os critérios de validação, sendo que das demais equações, 6 foram consideradas aceitáveis e as outras 4 inadequadas para o grupo estudado.

7.1.4.10 Equações de BOILEAU (1985)

É um estudo realizando em indivíduos de 8 a 28 anos, que forneceu as seguintes equações. Acreditamos que com base nesse estudo

SLAUGHTER et al (1988) tenha desenvolvido suas equações, que levaram em conta níveis de maturidade sexual e raça.

Tabela 15 Equações de BOILEAU Masculino Feminino Onde: TR= dobra triciptal SE= dobra subescapular %G=1,35 (TR+SE) -0,012 (TR+SE)² - 4,4 %G=1,35 (TR+SE) - 0,012 (TR+SE)² - 2,4

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

71
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.11 Equações de GUEDES (1985)

Um grande avanço no estudo da composição corporal, no Brasil, ocorreu a partir da década de 80, com o estudo de GUEDES (1985), onde o mesmo divulgou as primeiras equações específicas para a estimativa da densidade corporal a partir de espessura de dobras cutâneas, de um grupo de estudantes da Universidade Federal de Santa Maria (RS), sendo 110 homens e 96 mulheres entre 18 e 30 anos de idade.

Assim, a quantidade de gordura corporal pode ser estimada a partir de universitários, utilizando as equações de conversão de densidade corporal e percentual de gordura, citadas na tabela 1.6 de HEYWARD & STOLARCZYK (2000, p.14).

HOMENS Dc= 1,1714-0,0671Log10(TR+SI+AB) %GC = (4,95/Dc)-4,5 MULHERES Dc=1,1665-0,0706Log10(CX+SI+SE) %GC = (5,01/Dc)-4,57 Acredita-se que os próximos na área deverão validar as equações de GUEDES (1985) para outros grupos populacionais. Até o presente momento não encontramos relatos ou artigos científicos que abordassem sobre a validade e fidedignidade da equação de GUEDES, no entanto, acreditamos que as equações propostas por GUEDES sejam validas para a população brasileira

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

72
Leonardo de Arruda Delgado

e podem ser utilizadas para pessoas de ambos os sexos, cuja idade estejam entre 18 e 30 anos.

Considerando-se que nem sempre temos uma calculadora científica para cálculos logarítmicos, GUEDES formulou duas tabelas para conversão imediata dos valores da somatória das três dobras cutâneas em valores percentuais (%) de gordura corporal.

7.1.4.12 Equações de SLAUGHTER (1988)

Baseados em estudos de 310 indivíduos de 7 a 18 anos, estas estão entre as mais indicadas para a predição de gordura corporal em crianças e adolescentes, de 7 a 18 anos, principalmente pela preocupação de levar em consideração o nível maturacional e o aspecto racial.

Estas equações usam a somatória (∑) de duas dobras cutâneas (DOC do tríceps + subescapular ou tríceps + panturrilha) para predizer a %GC. O erro de predição para essas equações variou entre 3,6 e 3,9 %GC. Essas equações podem ser usadas para avaliar as composições corporais de meninos e meninas, negros e brancos, de oito a dezessete anos de idade. Equações separadas foram desenvolvidas para crianças cuja ∑ DOC seja menor ou maior que 35mm.

As equações para a determinação dos percentuais de gordura são as seguintes:

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

73
Leonardo de Arruda Delgado

Se o somatório das duas dobras for menor ou igual a 35 milímetros:

Tabela 16 Equações de Slaughter Meninos Nível Maturacional Pré-púbere Púbere Pós-púbere Raça Branca Negra Branca Negra Branca Negra Percentual de Gordura %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-1,7 %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-3,5 %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-3,4 %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-5,2 %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-5,5 %GC = 1,21 (TR+SE)-0,008(TR+SE)²-6,8

Moças brancas e negras, independentes da raça e do nível maturacional têm:

%GC = 1,33(TR+SE)-0,0130(TR+SE)²-2,5

Se o somatório das duas dobras for maior que 35mm, as fórmulas passam a ser as seguintes:

Rapazes brancos e negros com somatório das dobras maior que 35mm %GC = 0,783(TR+SE)+1,6 Moças brancas e negras com somatório das dobras maior que 35mm %GC = 0,546(TR+SE)+9,7

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

74
Leonardo de Arruda Delgado

7.1.4.13 Equações de PETROSKI (1995)

Durante os estudos na UFSM, utilizando uma amostra com 213 homens e 304 mulheres de 18 a 66 anos de idade, da região central do Rio Grande do Sul e litorânea de Santa Catarina, PETROSKI desenvolveu equações generalizadas para a estimativa da densidade corporal para homens e mulheres, sendo, equações de seis, quatro, três e duas dobras para homens e sete, cinco, quatro e três dobras para mulheres. Veja tabela abaixo

Tabela 17 Equações de PETROSKI

Equações Generalizadas para a Estimativa da Densidade Corporal de Homens e Mulheres Homens (idade 18-66 anos)
Dc = 1,09995680-0,00055475.(X6)+0,00000107(x6)²-0,00023367(ID) Dc = 1,10726863-0,00081201(X4) + 0,00000212(X4)²-0,00041761(ID) Dc= 1,10404686-0,00111938(X3)+0,00000391(X3)²-0,00027884(ID) Dc= 1,10098229-0,00145899(X2)+0,00000701(X2)²-0,00032770 (ID)

Mulheres (Idade 18-51 anos)
Dc = 1,03992377-0,00036083(Y7)+0,00000058(Y7)²-0,00027099(ID)-0,00046621(MC)+0,00047136 (H) Dc = 1,03091919-0,00048584(Y5)+0,00000131(Y5)²-0,00026016(ID)-0,00056484(MC)+0,00053716(H) Dc = 1,03465850-0,00063129(Y4)+0,00000187(Y4)²-0,00031165(ID)-0,00048890(MC)+0,00051345(H) Dc = 1,04127059-0,00087756(Y3)+0,00000380(Y3)²-0,00025821(ID)-0,00059076(MC)+0,00051050(H)

Onde: Dc = densidade corporal em g/ml X6 = Σ 6 Doc(SE+TR+BI+PT+AM+SI) X4 = Σ 4 Doc( SE+TR+SI+PM) X3 = Σ 3 Doc (SE+TR+PT) X2 = Σ 2 Doc (TR+AM) ID = idade em anos Y7 = Σ 7 Doc (SE+TR+AM+SI+AB+CX+PM) Y5 = Σ 5 Doc (SE+TR+SI+AB+PM) Y4 = Σ 4 Doc (AM+SI+CX+PM) Y3 = Σ 3 Doc (SE+SI+CX) MC = Massa Corporal (kg) H = Estatura Corporal (cm) Obs: para a mensuração das medidas de dobras cutâneas foi seguida a padronização de HARRISON et al (1991). Optou-se pelas modificações da AM para oblíquas e AB vertical, por serem os procedimentos mais utilizados no Brasil.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

75
Leonardo de Arruda Delgado

De acordo com PETROSKI (1996, 92) a vantagem das equações generalizadas sobre as específicas é que elas minimizam os erros de predição que ocorrem nos extremos da distribuição da densidade. Com isso, uma equação pode ser aplicada a muitas populações sem perder a acuracidade.

As equações para o sexo masculino apresentam as seguintes correlações múltiplas: R = 0,881, 0,875, 0,873 e 0,885 e erros padrões de estimativa EPE= 0,0074, 0,0075, 0,0075 e 0,0072 g/ml, respectivamente com a ordem apresentada.

Enquanto que as equações generalizadas para o sexo feminino, as correlações múltiplas (R) e erros padrões de estimativa (EPE) foram: R = 0,863, 0,854, 0,864 e 0,862; e EPE = 0,0064, 0,0066, 0,0064 e 0,0065 g/ml, respectivamente com a ordem apresentada.

As equações masculinas foram validadas em uma amostra de 87 homens com idade entre 18 e 56 anos. Já as femininas foram validadas em uma amostra de 68 mulheres com idade entre 18 e 51 anos. Os resultados encontrados na validação confirmam que essas equações podem ser utilizadas para predizer a densidade corporal em amostra heterogênea de idade, aptidão física e composição corporal. COSTA (1999, sp.) apresenta mais uma equação de 4 DOC de PETROSKI, para mulheres: Dc = 1,1954713-0,07513507Log10(X3)-0,00041072 (X2)
Onde: X3 = Axilar Medial + Supaíliaca+ Coxa + Panturrilha Medial X2 = Idade em anos.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

76
Leonardo de Arruda Delgado

Para conversão de Dc em %GC podemos utilizar as equações propostas por HEYWARD & STOLARCZYK (2000, 14) para bancos de 20 a 80 anos.
Tabela 18 Fórmulas para conversão de Dc em %GC Sexo Masculino Feminino %GC %GC = ((4,95/Dc)-4,5)x100 %GC = ((5,01/Dc)-4,57)x100

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

77
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 19 Estimativa do Percentual de Gordura para Homens de acordo com PETROSKI, a partir do Somatório das Dobras Subescapular, Triceps, Suprailíaca, Panturrilha Medial* Idade Σ (SE+TR+SI+PM) <22 23-27 28-32 33-37 38-42 43-47 48-52 53-57 >58 32-34 10,7 11,6 12,5 13,4 14,3 15,2 16,1 17,1 18,0 35-37 11,6 12,5 13,4 14,3 15,2 16,1 17,0 17,9 18,9 38-40 12,4 13,3 14,2 15,1 16,0 17,0 17,9 18,8 19,7 41-43 13,2 14,2 15,1 16,0 16,9 17,8 18,7 19,7 20,6 44-46 14,1 15,0 15,9 16,8 17,7 18,6 19,6 20,5 21,4 47-49 14,9 15,8 16,7 17,6 18,5 19,5 20,4 21,3 22,3 50-52 15,7 16,6 17,5 18,4 19,3 20,3 21,2 22,1 23,1 53-55 16,4 17,4 18,3 19,2 20,1 21,1 22,0 22,9 23,9 56-58 17,2 18,1 19,0 20,0 20,9 21,8 22,8 23,7 24,7 59-61 17,9 18,9 19,8 20,7 21,7 22,6 23,5 24,5 25,4 62-64 18,7 19,6 20,5 21,5 22,4 23,4 24,3 25,2 26,2 65-67 19,4 20,3 21,3 22,2 23,1 24,1 25,0 26,0 26,9 68-70 20,1 21,0 22,0 22,9 23,9 24,8 25,8 26,7 27,7 71-73 20,8 21,7 22,7 23,6 24,6 25,5 26,5 27,4 28,4 74-76 21,5 22,4 23,3 24,3 25,2 26,2 27,1 28,1 29,1 77-79 22,1 23,1 24,0 25,0 25,9 26,9 27,8 28,8 29,8 80-82 22,8 23,7 24,6 25,6 26,6 27,5 28,5 29,4 30,4 83-85 23,4 24,3 25,3 26,2 27,2 28,2 29,1 30,1 31,1 86-88 24,0 24,9 25,9 26,9 27,8 28,8 29,7 30,7 31,7 89-91 24,6 25,5 26,5 27,5 28,4 29,4 30,4 31,3 32,3 92-94 25,2 26,1 27,1 28,0 29,0 30,0 31,0 31,9 32,9 95-97 25,7 26,7 27,6 28,6 29,6 30,6 31,5 32,5 33,5 98-100 26,3 27,2 28,2 29,2 30,1 31,1 32,1 33,1 34,1 101-103 26,8 27,8 28,7 29,7 30,7 31,7 32,6 33,6 34,6 104-106 27,3 28,3 29,3 30,2 31,2 32,2 33,2 34,1 35,1 107-109 27,8 28,8 29,8 30,7 31,7 32,7 33,7 34,7 35,7 110-112 28,3 29,3 30,2 31,2 32,2 33,2 34,2 35,2 36,2 113-115 28,8 29,7 30,7 31,7 32,7 33,7 34,6 35,6 36,6 116-118 29,2 30,2 31,2 32,1 33,1 34,1 35,1 36,1 37,1 119-121 29,6 30,6 31,6 32,6 33,6 34,6 35,5 36,5 37,5 122-124 30,1 31,0 32,0 33,0 34,0 35,0 36,0 37,0 38,0 125-127 30,5 31,4 32,4 33,4 34,4 35,4 36,4 37,4 38,4 128-130 30,8 31,8 32,8 33,8 34,8 35,8 36,8 37,8 38,8

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

78
Leonardo de Arruda Delgado

Tabela 20 Estimativa do Percentual de Gordura para Mulheres a Partir da Idade e do Somatório das Dobras Cutâneas: axilar medial, Suprailíaca, Coxa e Panturrilha Medial Idade Σ(AM+SI+CX+PM) <22 23-27 28-32 33-37 38-42 43-47 48-52 53-57 >58 23-25 5,4 6,2 7,1 8,0 8,9 9,8 10,7 11,6 12,5 26-28 7,0 7,9 8,8 9,7 10,6 11,5 12,4 13,3 14,2 29-31 8,5 9,4 10,3 11,2 12,1 13,0 13,9 14,8 15,7 32-34 9,8 10,7 11,6 12,5 13,4 14,4 15,3 16,2 17,1 35-37 11,1 12,0 12,9 13,8 14,7 15,6 16,5 17,5 18,4 38-40 12,2 13,1 14,0 15,0 15,9 16,8 17,7 18,6 19,6 41-43 13,3 14,2 15,1 16,0 16,9 17,9 18,8 19,7 20,7 44-46 14,3 15,2 16,1 17,0 18,0 18,9 19,8 20,7 21,7 47-49 15,2 16,1 17,1 18,0 18,9 19,8 20,8 21,7 22,7 50-52 16,1 17,0 17,9 18,9 19,8 20,7 21,7 22,6 23,6 53-55 16,9 17,9 18,8 19,7 20,7 21,6 22,5 23,5 24,4 56-58 17,7 18,7 19,6 20,5 21,5 22,4 23,3 24,3 25,2 59-61 18,5 19,4 20,3 21,3 22,2 23,2 24,1 25,1 26,0 62-64 19,2 20,1 21,1 22,0 23,0 23,9 24,9 25,8 26,8 65-67 19,9 20,8 21,8 22,7 23,7 24,6 25,6 26,5 27,5 68-70 20,6 21,5 22,4 23,4 24,3 25,3 26,2 27,2 28,2 71-73 21,2 22,1 23,1 24,0 25,0 25,9 26,9 27,8 28,8 74-76 21,8 22,7 23,7 24,6 25,6 26,5 27,5 28,5 29,4 77-79 22,4 23,3 24,3 25,2 26,2 27,1 28,1 29,1 30,0 80-82 22,9 23,9 24,8 25,8 26,8 27,7 28,7 29,6 30,6 83-85 23,5 24,4 25,4 26,4 27,3 28,3 29,2 30,2 31,2 86-88 24,0 25,0 25,9 26,9 27,8 28,8 29,8 30,8 31,7 89-91 24,5 25,5 26,4 27,4 28,4 29,3 30,3 31,3 32,3 92-94 25,0 26,0 26,9 27,9 28,9 29,8 30,8 31,8 32,8 95-97 25,5 26,5 27,4 28,4 29,4 30,3 31,3 32,3 33,3 98-100 26,0 26,9 27,9 28,9 29,8 30,8 31,8 32,8 33,8 101-103 26,4 27,4 28,4 29,3 30,3 31,3 32,2 33,2 34,2 104-106 26,9 27,8 28,8 29,8 30,7 31,7 32,7 33,7 34,7 107-109 27,3 28,3 29,2 30,2 31,2 32,2 33,1 34,1 35,1 110-112 27,7 28,7 29,7 30,6 31,6 32,6 33,6 34,6 35,6 113-115 28,1 29,1 30,1 31,0 32,0 33,0 34,0 35,0 36,0 116-118 28,5 29,5 30,5 31,4 32,4 33,4 34,4 35,4 36,4 119-121 28,9 29,9 30,9 31,8 32,8 33,8 34,8 35,8 36,8 122-124 29,3 30,3 31,2 32,2 33,2 34,2 35,2 36,2 37,2 125-127 29,7 30,6 31,6 32,6 33,6 34,6 35,6 36,6 37,6 128-130 30,0 31,0 32,0 33,0 34,0 34,9 35,9 36,9 37,9 131-133 30,4 31,4 32,3 33,3 34,3 35,3 36,3 37,3 38,3 134-136 30,7 31,7 32,7 33,7 34,7 35,7 36,7 37,7 38,7 137-139 31,1 32,1 33,0 34,0 35,0 36,0 37,0 38,0 39,0

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

79
Leonardo de Arruda Delgado

7.2 Técnicas que utilizam as medidas de circunferências

De acordo com SEIP & WELTMAN, 1991 apud HEYWARD & STOLARCZYK (2000, 75) as equações antropométricas usando apenas circunferências como fatores de predição estimam a gordura corporal de indivíduos obesos com maior exatidão que equações de predição de dobras cutâneas. E comparando as medidas de circunferências e diâmetros ósseos são fáceis de serem obtidas, não exigindo treinamento rigoroso dos avaliados, diminuindo assim a possibilidade de erros. Além disso, apresentam custos reduzidos, necessitando apenas de fitas métricas para sua realização.

7.2.1 Pressupostos

De acordo HEYWARD & STOLARCZYK (op.cit) o pressuposto básico da utilização das medidas de circunferência para estimativa da composição corporal reside no fato que as medidas de circunferência são afetadas pela massa gorda, massa muscular e tamanho ósseo; portanto, essa medidas estão relacionadas à massa gorda e massa corporal magra.

JACKSON & POLLOCK (1978) afirmaram que as medidas de circunferência e diâmetro ósseo são indicadores de massa corporal magra (massa de músculos e tamanho ósseo); entretanto, algumas circunferências também são altamente associadas ao componente de gordura. Isso confirma o fato de que as medidas de circunferência refletem tanto o componente gordura, quanto massa livre de gordura da composição corporal.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

80
Leonardo de Arruda Delgado

7.2.2 Equações de predição de circunferências

Apesar de alguns modelos antropométricos de predição incluir combinações de dobras cutâneas, circunferência e diâmetros ósseos para estimar a composição corporal, apenas aquelas equações utilizando

circunferências como fatores de predição serão abordados nessa sessão, devido as seguintes razões:

-

A

validade

de

predição

de

equações

de

predição

de

circunferência não é muito melhorada com a adição de medidas de dobras cutâneas, em alguns casos como na equação de McARDLE, são invalidas. Equações antropométricas usando apenas circunferências como fator de predição estimam a gordura corporal de indivíduos obesos com mais exatidão que equações de predição de dobras cutâneas (SEIP & WELTAMN, 1991) Comparando com as dobras cutâneas, as circunferências podem ser medidas com menor possibilidade de erro. Alguns avaliadores podem não ter acesso a adipômetros.

Dentre as equações que podem ser utilizadas para determinação do percentual de gordura que utilizam as medidas de circunferência vamos citar as equações de KATCH & McARDLE (1983), WELTMAN et al (1987-1988) e DOTSON & DAVIS (1991).

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

81
Leonardo de Arruda Delgado

7.2.2.1

Equações de KATCH & McARDLE (1983)

KATCH & McARDLE, através de estudo realizado em dois grupos compostos por indivíduos de ambos os sexos um com idade variando de dezessete a vinte e seis anos e outro de vinte e sete a cinqüenta anos estes autores apresentaram uma proposta que pode ser utilizada na predição do percentual de gordura. A gordura corporal é calculada a partir das equações abaixo de acordo com as características dos avaliados: MULHERES de 17 a 26 anos Destreinadas
%GC=[(0,509+26,73.C-AB)/50,8]+[(0,1594+41,61.C-CX)/50,8]-[(60,35.Ant B-0,1524)/35,554] 19,6

Treinadas
%GC=[(0,509+26,73.C-AB)/50,8]+[(0,1594+41,61.C-CX)/50,8]-[(60,35.Ant B-0,1524)/35,554] 22,6

MULHERES de 27 a 50 anos Destreinadas
%GC=[(0,127+23,75.C-AB)/50,805]+[(24,73.C-CX-0,0508)/50,8]-[21,69.C-P/38,1]-18,4

Treinadas
%GC=[(0,127+23,75.C-AB)/50,805]+[(24,73.C-CX-0,0508)/50,8]-[21,69.C-P/38,1]-18,4

HOMENS de 17 a 26 anos Destreinado
%GC=[(0,2032+55,51.C-B)/38,1]+[(27,55.C-AB+0,5334)/53,34]-[( 0,1778+81,44.Ant B)/38,1]10,2

Treinado
%GC=[(0,2032+55,51.C-Br)/38,1]+[(27,55.C-AB+0,5334)/53,34]-[( 0,1778+81,44.Ant B)/38,1]14,2

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

82
Leonardo de Arruda Delgado

HOMENS de 27 a 50 anos Destreinado
%GC=[(22,005.C-Q)/53,34]+[(0,381+17,46.C-AB)/49,53]-[(33,77.Ant B.-0,17490)/28,57]-15

Treinado
%GC=[(22,005.Q)/53,34]+[(0,381+17,46.AB)/49,53]-[(33,77.Ant B.-0,17490)/28,57]-19

7.2.2.2

Equações WELTMAN et al (1987-1988)

Esses autores desenvolveram em 1987 uma equação para homens obesos de (30 a 45% de gordura corporal), com idade entre vinte e quatro a sessenta e oito anos, utilizando circunferências abdominais e peso corporal como preditores.

Posteriormente (1988) em estudo similar envolvendo mulheres de vinte a sessenta anos, desenvolveram outra equação antropométrica para estimar a gordura corporal em obesas. Ainda em 1988 foram desenvolvidas equações antropométricas generalizadas para estimar a Dc, a partir de medidas de circunferências em mulheres (15 a 79 anos) e homens (21 a 78 anos).

A avaliação cruzada dessas equações indicou que a validade de predição da equação para mulheres era boa (erro padrão de estimativa ou EPE = 0,0082 g/cm³), mas o EPE para a equação dos homens (0,0107g/cm³) era insatisfatória. Dessa forma, não recomendamos essa equação para estimar a DC de homens idosos.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

83
Leonardo de Arruda Delgado

Estas

equações

envolvem

combinações

de

circunferência

abdominais, peso corporal e estatura. As equações utilizam dois sítios de medidas. O primeiro consiste na circunferência abdominal entre o processo xifóide e o umbigo e o segundo, na circunferência abdominal ao nível do umbigo.

Equação para Homens de 24 a 68 anos %GC = 0,31457 (C-AB)-0,10969 (PC)+10,8336

Equação para Mulheres de 20 a 60 anos %GC = 0,11077 (C-AB) – 0,17666 (AL)+0,14354 (PC)+51,03301

Equação para Mulheres de 15 a 79 anos Dc = 1,168297-[0,002824.C-AB] + [0,0000122098.(C-AB)²] -[0,000733128.CQ] +[0,000510477.AL] - [0,000216161. I) Para obter a estimativa de %GC de mulheres idosas, use a fórmula de conversão a seguir: %GC = [(5,01/Dc)-4,57]x100
Onde: C-AB = Média aritmética da circunferência da cintura e do abdome (C-AB = Cintura+ Abdome/2) CQ = Circunferência do Quadril I = Idade; AL = Altura e PC = Peso corporal

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

84
Leonardo de Arruda Delgado

7.2.2.3

EQUAÇÕES DE DOTSON E DAVIS (1991)

Através da analise da composição corporal, em uma amostra de 440 homens e 200 mulheres, DOTSON e DAVIS criaram, em 1991, um método a fim do determinar o percentual de gordura corporal. Este método, segundo os autores, trouxe resultados fidedignos nos EUA, em benefício da prescrição de programas em academias para indivíduos teoricamente saudáveis. A equação em que se baseia pode não ser quando aplicada em indivíduos muito magros ou obesos.

Em 1998, um estudo comparou o percentual de gordura corporal predito a partir das circunferências com o predito através das dobras cutâneas. Os resultados obtidos por TORRES acatam o método de circunferências. O teste de PEARSON indicou umna significância de p< 0.001, no que tange à análise sobre os dados do grupo masculino, referente a todas as comparações efetivadas entre os protocolos utilizados, e de pelo menos p< 0.05 para o feminino. As equações para determinar o percentual de gordura corporal são as seguintes: Para Homens:
G% = [85,20969 x Log (AB - Pç) / 2,54] - [69,73016 x Log(estatura(cm) / 2,54)]+ 37,26673

r = 0.90

ES = 3,52%

Para Mulheres:
G%={161,27327 x [Log (AB + GL-Pç)/2,54]}-[100,81032 x Log (estatura{cm}/2,54)]-69,55016

r = 0.85

ES = 3,64%

Onde: Pç = Circunferência do Pescoço (cm); AB= Circunferência do Abdome (cm); GL= Circunferência do Quadril (cm).

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

85
Leonardo de Arruda Delgado

8 FRACIONAMENTO DA MASSA CORPORAL TOTAL
Após estabelecer o percentual de gordura, pode facilmente obter os valores absolutos dos componentes da composição corporal, utilizando-se as equações de decomposição da composição corporal de dois ou mais compartimentos.

A primeira tentativa de fracionamento da massa corporal (peso) foi desenvolvida por MATIEGKA (1921) que desenvolveu uma série de equações para estimar o peso da pele mais o tecido adiposo subcutâneo, dos músculos esqueléticos, dos ossos e do tecido residual (órgãos e vísceras), mas que não teve grande repercussão entre os estudiosos da composição corporal, pois ao somar os valores obtidos por seu método para cada um dos componentes encontravam-se, muitas vezes, valores bastante discrepantes em relação ao peso corporal total do indivíduo. O próprio MATIEGKA em um de seus estudos reconheceu a necessidade de novos estudos com cadáveres, para validar os coeficientes que verificou.

Com o propósito de oferecer maior clareza e objetividade á analise e a interpretação dos diferentes componentes e suas implicações, tornou-se habitual considerar a composição corporal sob um sistema de dois componentes.

O modelo clássico de dois componentes divide a massa corporal total em compartimentos de gordura (MG) e massa livre de gordura (MLG). A

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

86
Leonardo de Arruda Delgado

aplicação

deste

modelo

de

dois

componentes

requer

os

seguintes

pressupostos (BROZEK et al., 1963; SIRI, 1961) apud HEYWARD & STOLARCZYK (2000, 9):

1. A densidade da gordura é de 0,901 g/cm³; 2. A densidade da MLG é de 1,10 g/cm³ 3. As densidades de gordura e dos componentes da MLG (água, proteínas, minerais) são as mesmas para todos os indivíduos; 4. O indivíduo avaliado difere do corpo referencial apenas na quantidade de gordura. A MLG do corpo referencial é

estabelecida como 73,8% de água, 19,4% de proteínas e 6,8% de minerais.

Esse modelo de dois componentes tem servido como fundamento sobre o qual o método de hidrodensiometria (pesagem subaquática) é baseado. Usando-se as proporções estabelecidas e suas respectivas densidades, equações podem ser derivadas para converter a densidade corporal total do indivíduo (Dc) na pesagem hidrostática em proporções relativas de gordura corporal (%GC). Duas equações comumente utilizadas são a equação de SIRI (1961) & a equação de BROZEK (1963):

%GC=[(4,95/Dc)-4,5]x100 (SIRI, 1961) %GC=[(4,57/Dc)-4,142]X100 (BROZEK, 1963)

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

87
Leonardo de Arruda Delgado

Essas duas equações levam a estimativas de %GC similares para densidade corporais variando entre 1,0300 a 1,0900 g/cm³. Por exemplo, se a densidade corporal medida é de 1,0500 g/cm³, as estimativas de %GC, obtidas substituindo-se esse valor nas equações de SIRI & BROZEK et al., são, respectivamente, de 21,4 e 21,0%.

Geralmente, as equações do modelo de dois componentes fornecem estimativas mais precisas de %GC à medida que os pressupostos básicos do modelo são alcançados. Entretanto, não há garantia de que a composição de MLG de um indivíduo dentro de um subgrupo populacional irá apresentar exatamente os valores estabelecidos para o corpo referencial. Na realidade, pesquisadores têm relatado que essas equações produzem erros sistemáticos de predição, quando são aplicados a subgrupos populacionais cujas densidades de MLG variam do valor estabelecido (1,10 g/cm³) e usado para derivar essas equações.

Avanços tecnológicos recentes para medir os compartimentos da MLG, água (diluição isotópica), minerais (absortometria de raio X de dupla energia) e proteínas (análise de ativação de nêutrons), permitiram aos pesquisadores quantificar a composição de MLG in vivo, usando modelos multicomponentes que levaram em conta variações individuais nos

compartimentos de água e minerais da MLG.

Esses estudos demonstraram surpreendente concordância entre a densidade assumida de MLG (1,10 g/cm³) e a estimativa do modelo

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

88
Leonardo de Arruda Delgado

multicomponente (1,102 a 1,103 g/cm³) para homens brancos, de 19 a 55 anos de idade, indicando que as equações se SIRI & BROZEK et al. Podem ser usadas para calcular precisamente a %GC em homens brancos.

Outros pesquisadores têm sustentado que a densidade da MLG varia de acordo com idade, sexo, grupo étnico, nível de gordura e nível de atividade física, dependendo principalmente da proporção relativa de água e minerais incluídos na MLG. Por exemplo, as densidades da MLG de mulheres negras (1,106 g/cm³) e homens negros (1,113 g/cm³) são maiores que 1,10 g/cm³ devido a seus altos conteúdos minerais (~7,3% MLG) e densidade óssea.

Com essa diferença na densidade da MLG, a gordura corporal de negros será sistematicamente subestimada, quando as equações do modelo de dois componentes forem utilizadas para estimar a %GC. Da mesma forma, a densidade da MLG de crianças é estimada em apenas 1,084 g/cm³ devido à mais baixa densidade relativa de minerais (5,2% MLG) e a mais alta quantidade de água (76,6% MLG), quando comparadas ao corpo referencial.

Além disso, a densidade média da MLG de homens e mulheres idosos é 1,096 g/cm³, devido a um valor menor de minerais corporais (6,2% MLG) nessa população. Assim, a gordura corporal relativa em crianças e idosos seria sistematicamente superestimada usando as equações do modelo de dois componentes.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

89
Leonardo de Arruda Delgado

8.1 Fracionamento componentes

da

composição

corporal

em

dois

Considerando-se que, os componentes corporais que sofrem maior influencia da atividade física e de dietas são as massas musculares e a gordura, a tendência dos estudos nessa área tem sido de fracionar o peso corporal em dois compartimentos: massa gorda e massa corporal magra (GUEDES, 1994, HEYWARD, 1991; LOHMAN, 1992; MALINA, 1882).

O modelo clássico de dois componentes divide a massa corporal em compartimento de Gordura (MG) e Massa Livre de Gordura (MLG). A gordura consiste de todos os lipídeos que podem ser extraídos, e a MLG inclui água, proteínas e componentes minerais (SIRI,1961) apud HEYWARD &

STOLARCZYK (op.cit, p. 8). Logo temos:

MCT = MG + MLG
Onde: MCT = Massa Corporal Total MG = Massa Gorda MLG = Massa Livre de Gordura

8.1.1 Massa gorda (MG) MG = %GC x MCT / 100 8.1.2 Massa livre de gordura (MLG)

MLG = MCT – MG

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

90
Leonardo de Arruda Delgado

8.2 Fracionamento da composição corporal em quatro componentes
DRINKWATER & ROSS (1980) propuseram uma técnica de fracionamento da Massa Corporal Total (MCT) em quatro compartimentos, Massa Gorda (MG), Massa Óssea (MO), Massa Muscular (MM) e Massa Residual (MR), representada pela expressão:

MCT = MG + MO + MM + MR
Onde: MCT = Massa Corporal Total MG = Massa Gorda* MO = Massa Óssea MR = Massa Residual MM = Massa Muscular

8.2.1 Massa óssea (MO)

Com o grande desenvolvimento da cineantropometria em nosso país na década de 70, devido o intercambio Brasil x USA, o laboratório de fisiologia do exercício da Universidade federal do Rio de Janeiro, através de um grupo de pesquisadores liderados por ROCHA, criaram uma equação a partir da fórmula de Von Döblen, relativamente simples para determinação da Massa Óssea (MO):

MO = 3,02 (H².U.F.400)0,712
Onde: H = Estatura (m) U = Diâmetro Biepicondiliano do Úmero (m) F = Diâmetro Biepicondiliano do Fêmur (m)

*

Idem ao de dois compartimentos MG = %GC x MCT x 100

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

91
Leonardo de Arruda Delgado

8.2.2 Massa residual (MR)

A massa residual é calculada é calculada pela relação proposta por WÜRCLE (CARNAVAL 1997, p.64 & FARINATTI, 2000, p.298)

PR Homens = MCT. 24,1% PR Mulheres = MCT 20,9%

8.2.3 Massa muscular (MM)

A massa muscular em função do funcionamento corporal proposto por MATIEGKA.

MM = MCT – (MG+MO+MR)
Onde: MM = Massa Muscular MCT = Massa Corporal Total MG = Massa Gorda MO = Massa Óssea MR = Massa Residual

8.3 Massa ideal (MI)

A massa ideal, ou peso ideal como é conhecida é definida como o peso que possibilita ao indivíduo obter o máximo rendimento em qualquer atividade e mostrar os desvios da normalidade.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

92
Leonardo de Arruda Delgado

Em outras palavras, seria aquele que está associado ao menor risco de comprometimento da saúde, especialmente por doenças crônicodegenerativas, como por exemplo: Diabetes, Hipertensão, Hiperlipemias, dentre outras. Diversos métodos podem ser utilizados para o cálculo de massa ideal.

8.3.1 Relações entre peso e estatura

As relações entre peso e estatura são instrumentos prático, simples que pode ser utilizado para estimar a, massa corporal desejável. Sua utilização baseia-se em índices como: Estatura/Peso, Estatura e Circunferência do Punho e Estatura² x IMC Médio.

8.3.1.1

Estatura/Peso

Essa é a mais popular forma de determinar a massa corporal desejável, é conhecida como equação de BROCA.

MI = H -100
Onde: MCD = massa ideal em (kg) H = estatura em (cm)

A classificação para indivíduos adultos de acordo com o sexo é a seguinte:

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

93
Leonardo de Arruda Delgado

Biotipo Brevelíneo Normolíneo Longelíneo

Sexo Masculino (H - 100) (H -100) - 5% (H – 100) - 10% Feminino (H-100) - 5% (H-100) – 10% (H - 100) – 15%

8.3.1.2

Estatura e circunferência do punho

De acordo com essa relação, podemos calcular a massa ideal utilizando a equação:

MI = (H – 100 + 4CP)/2 (Fórmula de MONNEROT-DUMAINE)
Onde: MI = Massa Ideal H = Estatura em (cm) CP = Circunferência do Punho.

8.3.1.3

Estatura² x IMC Médio

Está equação é baseada no IMC. Para uma pessoa adulta, a massa ideal(MI) é igual a: MI = IMC desejável x estatura²

Logo: MI = H² x 22 (p/ Homens) MI = H² x 20,8 (p/ Mulheres)
Onde: MI = Massa Ideal (kg) H = Estatura (m) IMC médio para homens = 22,0 IMC médio para mulheres = 20,8

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

94
Leonardo de Arruda Delgado

8.3.2 Relação entre MLG e %GC desejável

De acordo com HEYWARD & STOLARCZYK (2000, p.4). Os valores para gordura corporal estimada, como recomendado por LOHMAN (1992), são em média de 15% para homens e 23% para mulheres. O padrão de obesidade que coloca o indivíduo em risco de doença é acima de 25% para homens e 32% para mulheres. Os níveis mínimos saudáveis de %GC são estimados em 5% para homens e 8 a 12% para mulheres.

LOHMAN (1992) apud HEYWARD & STOLARCZYK (op.cit, p.160) sugere valores de gordura entre 12 e 16% GC para a maioria das atletas femininas, dependendo do esporte. Em níveis menores de 16% GC, algumas mulheres tornam-se amenorréicas (menos de três menstruações por ano), o que pode levar a perda de mineral ósseo ao longo de períodos prolongados de tempo.

Apesar de a atividade física ser positivamente associada ao conteúdo mineral ósseo, atletas amenorréicas tendem a ter significativamente menos conteúdo mineral ósseo do que as mulheres atletas e sedentárias eumenorréicas (dez a treze ciclos menstruais por ano)(DRINKWATER et al.,1984; SNOW-HARTER, 1993). Assim, o risco de fraturas por estresse e osteoporose prematura é aumentado em atletas amenorréicas. Entretanto, mais pesquisas são necessárias para se entender completamente o papel da gordura corporal e do peso corporal nessas atletas.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

95
Leonardo de Arruda Delgado

Levando em conta essa relação McARDLE (1992, p.404) diz que a massa ideal pode ser determinada com base em um nível desejado de gordura corporal utilizando a seguinte equação:

MI = MLG x 100/100-%GCIdeal
Onde: MLG = Massa Livre em Gordura %GCIdeal = Percentual de Gordura Corporal Ideal ou Desejável

McARDLE(op.cit), considerando como valores de percentagem (%GC) ideal teórica de gordura 15% para homens e 25% para mulheres, calcula a massa ideal (MI) teórico e também os excessos ou déficit de peso corporal. Da seguinte forma: MI p/ Homens=MLG/0,85 MI p/ Mulheres=MLG/0,75

A Massa Corporal em Excesso (ME) ou Déficit (MD) é igual a: ME = MCT - MI

No entanto, acredito que o mais importante, na analise da composição corporal é determinar o percentual de gordura corporal ideal, é ter o conhecimento das faixas onde poderemos classificar o indivíduo, dentro dos limites de risco superior e inferior e desta forma, encontrar o valor que mais se adeqüei a ele. Com esse objetivo, apresentaremos uma série de tabelas que fornecem valores médios de referência do percentual de gordura corporal para populações específicas.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

96
Leonardo de Arruda Delgado

Na tabela 21 encontramos os valores de percentuais de gordura desejável (ideais) para pessoas sedentárias levando em conta a faixa etária, de acordo com ACSM, apud Physical Test versão 3.1 for Windows, 1998.

Tabela 21 Gordura desejável para adultos sedentários. Fonte: ACSM Faixa Etária (em anos) Masculino 20- 29 30-39 40-49 50-59 >60 14% 16% 17% 18% 21%

Feminino 19% 21% 22% 23% 26%

A tabela 22 apresenta os percentuais de gordura para determinadas modalidades desportivas de acordo com COSSENZA apud CARNAVAL (op.cit, p. 62):

Tabela 22 Valores Médios de Percentuais de Gordura para Algumas Modalidades Desportivas Modalidades Corrida velocidade Corrida meio-fundo Atletismo Corrida fundo Saltos Lançamentos Basquete Ciclismo Remo Tênis Saltadores Arremessadores Natação Velocidade Fundo Homens 10% 9% 9% 17% 9% 8% 11 a 14% 12 a 16% 7% 16 a 20% 6 a 10% 8 a 12% Mulheres 17% 12% 20% 26% 22% 15% 9% 15 a 20% 17% 24 a 28% 8 a 12% 10 a 14%

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

97
Leonardo de Arruda Delgado

REFERÊNCIAS ARAÚJO, Cláudio Gil Soares de. Manual de teste de esforço. 2 ed. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 1984. BARBANTI, Valdir J. Aptidão física: um convite à saúde. São Paulo: Manole, 1990. BARROS, Aidil de Jesus Paes de. Projetos de pesquisas: propostas metodológicas. Petrópolis: Vozes, 1990. BRASIL. Ministério da saúde. Instituto para o Desenvolvimento da Saúde Universidade de São Paulo. Manual de condutas médicas. Brasília, 2002. CARNAVAL, Paulo E; RODRIGUES, Paulo Eduardo. Musculação teoria e prática. Rio de Janeiro: Sprint, 1992. CARNAVAL, Paulo Eduardo. Medidas e avaliações: em ciências do esporte. 2 ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1997. COSTA, Roberto Fernandes da Costa. Avaliação da composição corporal. São Paulo: fga multimídia, 1999. CD-ROM. COSTA, Roberto Fernandes da. “Valores Referenciais de Somatórias de Dobras Cutâneas em Moradores da Cidade de Santos – Sp, De 20 a 69 Anos de Idade”. (Tese de Livre Docência)-Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, 2001. DANTAS, Estélio H.M. A prática da preparação física. 4 ed. Rio de Janeiro: Shape, 1998. DOMINGUES FILHO, Luiz Antônio. Manual do personal trainer brasileiro. 2 ed. São Paulo: Ícone Editora, 2002. FARINATTI, Paulo de Tarso Veras. Crianças e atividade física. Rio de Janeiro: Sprint, 1995. FARINATTI, Paulo de Tarso V.; MONTEIRO, Walace David. Fisiologia e avaliação funcional. 4 ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2000. FARIA Jr, Alfredo Gomes. Introdução a didática de educação física. 2 ed. Rio de Janeiro: Fórum, 1974. FERNANDES FILHO, José. A prática da avaliação física, testes, medidas e avaliações físicas em escolares, atletas e academias de ginástica. 2 ed, Rio de Janeiro: Shape, 2003.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

98
Leonardo de Arruda Delgado

FOX, Edward, BOWERS, Ricard, FOSS, Merle. Bases fisiológicas de educação física e dos desportos. 4 ed. Rio de Janeiro:Guanabara-Koogan, 1991. FRANCIS, Glenn. O diário de exercícios. Rio de Janeiro: Elo, 1988. GOMES, Antônio Carlos & ARAÚJO FILHO, Ney Pereira de. Cross training: uma abordagem metodológica. Londrinas: APEF, 1992. GOMES & TUBINO. Metodologia científica do treinamento desportivo. São Paulo: IBASA, 1980. GUEDES, Dartagnan Pinto Guedes, GUEDES, Joana Elisabete Ribeiro Pinto. Controle do peso corporal; composição corporal e atividade física. 2 ed.Rio de Janeiro: Shape, 2003. HEYWARD, Vivian H.; STOLARCZYK, Lisa M. Avaliação da composição corporal aplicada. São Paulo; Manole, 2000. KLAFS, Carl E & LION, M Joan. A mulher atleta: guia de condicionamento e treinamento físico. 2 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1981. LEITE, Paulo Fernando. Exercício, envelhecimento e promoção de saúde. Belo Horizonte: HEALTH, 1996. MACHADO NETO, João Olyntho. Nutrição e exercício. Rio de Janeiro: Sprint, 1994. MARINS, João Carlos B.; GIANNICHI, Ronaldo Sérgio. Avaliação e prescrição de atividade física: Guia prático. 2 ed. Rio de Janeiro: Shape, 1998. MATHEWS, D.K. Medidas e avaliações em educação física. 5 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980. MATSUDO, Victor K.R. testes em ciências do esporte. São Paulo: fga multimídia, 2000. CD-ROM. McARDLE, Willian D.; KATCH, Frank I.; KATCH, Victor L. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 3 ed. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 1992. MONTEIRO, Walace D. Personal training: Manual para avaliação e prescrição de condicionamento físico. 3 ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2001. RAMOS, Alexandre Trindade. Atividade física: gestantes, terceira idade, crianças e obesos. 2 ed.Rio de Janeiro: Sprint, 1999.

AVALIAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA Projeto de elaboração de sistema de informações

99
Leonardo de Arruda Delgado

ROCHA, P. Sérgio. Treinamento desportivo. vol1 Brasília: Mec Escola de Educação Física do Exercito, 1978, p. 81-101. SANTOS, Miguel Ângelo Alves dos. Manual de ginástica de academia. Rio de Janeiro: Sprint, 1994. WEINECK, Jürgen. Biologia do esporte. São Paulo: Manole, 1991. WEINECK, Jürgen. Treinamento ideal: Instruções técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. 9 ed. São Paulo: Manole, 1999.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->