EXMO(A). SR(A). DR(A).

JUIZ(A) DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE MARACANAÚCEARÁ

AÇÃO ORDINÁRIA DE LOCUPLETAMENTO ILÍCITO
(Art. 61 da Lei n° 7.357/85)

ANTONIO FONTENELE MARQUES, brasileiro, casado, comerciante, portador da cédula de identidade nº 2003025006849 SSPDC/CE, inscrito no CPF sob o nº 231.047.403-72, residente e domiciliado à Rua 130, n° 261, Conjunto Timbó, Maracanaú/CE, CEP: 61.936-330 vem, com o devido respeito e acatamento, através de seu Advogado que ao fim assina, perante Vossa Excelência, ajuizar a presente AÇÃO ORDINÁRIA DE LOCUPLETAMENTO ILÍCITO, com esteio nos arts. 61 da Lei n° 7.357/85 (Lei do Cheque) e 282 e ss. do Código de Processo Civil, bem como nos demais dispositivos aplicados a espécie, em face de: N&D SERVICOS DE REBOCOS E PINTURAS EM EDIFICACOES LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n° 07.392.444/0001-69, estabelecida à Rua C, n° 130,

Mister esclarecer ainda que houveram inúmeros contatos informais do Promovente com a Promovida a fim de que aquele pudesse receber seu crédito. Maracanaú/CE. s/n. contudo tais tentativas restaram infrutíferas. conforme discriminado a seguir: N° DO CHEQUE VALOR VENCIMENTO 008 R$ 3.DOS FATOS O Promovente é credor da quantia de R$ 3. Distrito Industrial. 1º. II .00 (três mil quatrocentos e quarenta e cinco reais) Apresentado para pagamento o cheque foi devolvido em virtude da Promovida não dispor de fundos suficientes para honrar o compromisso. todos da Lei nº 1. por ser Pobre na acepção jurídica do termo.919-210. representado pelo cheque que segue anexo. nem ao menos conseguiu-se uma composição amigável.00 03/11/2010 TOTAL: R$ 3. CEP: 61. 2º. fazendoo pelos fatos e fundamentos jurídicos a seguir expostos: PRELIMINARMENTE Preliminarmente. da vigorante Carta Magna.445.060/50. Maracanaú-CE. todas estas despesas de conformidade com o Art. do Banco Bradesco.115/83. do Art. situado à Avenida Mendel Steinbruch. emitido pela Promovida.060/50 c/c o Art. da agência 2999-8. titular da conta corrente nº 012263. 5º.00 (três mil quatrocentos e quarenta e cinco reais). não sendo pago o título pelos motivos 11 (Cheque sem fundos – 1ª apresentação) e 12 (Cheque sem fundos – 2ª apresentação). restando ao Autor somente a possibilidade de pedir um pronunciamento jurisdicional para resolver tal querela. § único. 1º da Lei nº 7.Conjunto Jardim Maravilha. não podendo sob qualquer hipótese pagar Custas Judiciais.445. 3º da mesma Lei nº 1. conforme se verifica pelo título ora acostado. as despesas do processo e os Honorários Advocatícios. como consta no preceito constitucional do inciso LXXIV. requer os benefícios da Assistência Judiciária Gratuita em virtude dos Arts. I .DOS FUNDAMENTOS JURÍDICOS 2 . e 4º.445.

"(Curso de Direito Comercial. que se locupletaram injustamente com o não-pagamento do cheque. imprime as condições para o ajuizamento da presente ação. são quatro. e essa é. nos 2 anos seguintes.artigo 61 da Lei nº 7357/85. com prazo prescricional de 6 (seis) meses . Saraiva. de cunho tipicamente cambiário. De fato. Trata-se de modalidade de ação cambial. o demandado locupletou-se sem causa lícita.Funda-se a pretensão do Autor na ação cambial de enriquecimento ilícito prevista no artigo 61 da Lei nº 7357/85 (Lei do Cheque). art. a matéria de discussão. de natureza cambial. portanto. Prescrita a execução.artigo 59 e parágrafo único da Lei nº 7357/85 (Lei do Cheque). com prazo prescricional de 2 (dois) anos . as formas de cobrança de dívida decorrente da emissão de um cheque. 59 e seu parágrafo desta lei. 61). que tem natureza cognitiva e pode ser proposta nos dois anos seguintes à prescrição da execução. 3 . o demandado não pode argüir. sob o fundamento que se operou o enriquecimento indevido. na defesa. prescreve em 2 (dois) anos. promover a ação de enriquecimento indevido contra o emitente. pede a condenação judicial de qualquer devedor cambiário no pagamento do valor do título. e a de enriquecimento indevido. elucidativo magistério de FÁBIO ULHOA Em nosso ordenamento jurídico-processual. No COELHO: "As ações cambiais do cheque são duas: a execução. verbis: Art. se o cheque está sem fundos. 2a edição. b) ação de enriquecimento ilícito. que. de natureza cambial. matéria estranha à sua relação com o demandante. através do processo de conhecimento. contados do dia em que se consumar a prescrição prevista no art. 61. 1999 – Grifo nosso). operam-se os princípios do direito cambiário e. em princípio. Nas duas. O portador do cheque. A Ação de enriquecimento ilícito contra o emitente ou outros obrigados. o portador do cheque sem fundos poderá. assim. que prescreve nos 6 meses seguintes ao término do prazo de apresentação. Repousa a pretensão do Autor no fato INADIMPLÊNCIA da Ré. v. de natureza não executiva. em prejuízo do demandante. por si só. endossante e avalistas (LC. a saber: a) execução forçada. 1.

. 1981) locupletamento ilícito em detrimento alheio. terá ele auferido lucro ilegítimo. 177. incumbindo o réu provar a falta de causa do título.c) ações monitória e de cobrança. para as ações pessoais" (. caráter diverso da ação de cobrança. " 4 . bem ficou pontuada os fundamentos desta presunção: "Quem emite cheque sem fundo está prejudicando o favorecido. em poder do sacado. Enquanto na ´ação de locupletamento` o próprio cheque basta como prova do fato constitutivo do direito do autor. E se não houve da parte do sacador o desembolso da quantia correspondente para a constituição. como já se mencionou. ou portador. reside no onus probandi. com prazo de prescrição comum às obrigações pessoais em geral. em capítulo específico sobre o tema constante de sua monografia sobre o diploma do cheque. a distinção entre os institutos da ação de enriquecimento ilícito e de cobrança foi explanada com grande maestria em voto do ilustre Ministro do Colendo Superior Tribunal de Justiça. fundadas no negócio subjacente ao título. verbis: "A ´ação de locupletamento` de que fala o artigo 61 da Lei 7. portanto. É o (Lei do Cheque.590/MG. Ainda antes do advento do instituto da ação monitória. Sálvio de Figueiredo Teixeira.357/85. e a ação de cobrança fundada no cumprimento de negócio jurídico do qual se originou o cheque não se confundem.06. Na lição de PAULO RESTIFFE NETO. no Resp nº 36. prescrevendo aquela no prazo fixado pelo próprio dispositivo mencionado e esta no prazo do art. visando aquela à constituição de título executivo judicial que restabeleça força executiva do cheque. do CC.) "A diferença fundamental entre ambas. julgado em 21. partindo de um locupletamento presumido" – Grifo Nosso. na proporção do valor da ordem de pagamento à vista representada pelo cheque. destarte. da respectiva provisão. E. 3a edição. o fato que gera tal presunção é a devolução dos cheques por motivo de ausência de provisão de fundos suficientes para o cumprimento da obrigação. Revista dos Tribunais." "A assim chamada ´ação de locupletamento´ tem.1994. na ´ação de cobrança` necessário se faz que comprove o autor o negócio gerador do crédito reclamado..

em suas últimas linhas. vale lembrar. O crédito pode ter sido cedido de mão em mão (de portador a portador). De Férias/1989) Presente está. RT 362/419) O julgado trouxe. 3a Cam. Como já se frisou. portanto. com a existência do título devolvido pelo banco sacado. sem justificação. 43 da lei cambial. A prova do prejuízo é feita pelo portador com a simples exibição do título. Daí a razão da propositura da presente ação. Logo. até incrustar-se na esfera jurídica do autor da ação. sendo certo que ele foi introduzido pela antiga Lei Cambial (Decreto nº 2044/1908). a só apresentação do cheque de ação prescrita. (TJPR. O direito invocado é o de ser pago.Título prescrito . há excerto que merece destaque: "A ação que o portador move ao sacado do cheque é ação condenatória de enriquecimento injustificado. é de antiga previsão em nosso ordenamento. em cobrança ao responsável por sua criação. Apelação Cível nº 359/62. importante questão que merece destaque: a prova do prejuízo. O só fato da existência do documento (cheque) mostra que o réu contraiu dívida.282-9. como neste julgado do Tribunal de Justiça do Paraná.O instituto da ação de locupletamento. Anexo II) e permanecendo até os dias de hoje." (Apelação Cível nº 419. tem evidente apoio em nosso direito.Ação de locupletamento Procedência .Apelação não provida . agora com a escora do artigo 61 da Lei do Cheque. do Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo. a causa de pedir da presente ação. sendo que há tempos a jurisprudência pátria se pronuncia sobre esse instituto. constitui-se em enriquecimento do réu (sacador) às custas do autor. cabendo ao devedor a prova em contrário. mas é de clareza suficiente: o não pagamento da dívida. e a causa está implícita. provando-se o fato constitutivo do direito do Autor. 25. que originou a liberação de pagamento consistente no cheque de ação executiva já prescrita. Não são de mister mais explanações. a presunção de enriquecimento ilícito tem suporte na simples existência do cheque devolvido por falta de provisão de fundos. por seu turno mantido pela Lei Uniforme (art. 48. A ação de locupletamento. para que não permaneça 5 . o seu art. mesmo para o caso de cambial prescrita. está já a enunciar que a causa da ação proposta é o enriquecimento injustificado do autor. No bojo de um primoroso e elucidativo voto da lavra do preclaro Juiz Costa de Oliveira. de 1962: CAMBIAL . sem causa. visando ao pagamento da quantia já mencionada nesta exordial.Inteligência do art. resultado de dispositivo claro e expresso da lei cambial.

616 6 . III . Pede e Aguarda Deferimento. uma vez que o Promovente enquadra-se nas formas legais para a sua concessão.DO PEDIDO Ante o exposto. por ser medida de imperiosa justiça. sob pena de confesso.060/50. notadamente.maculado o direito lídimo e cristalino do Autor em perceber a dívida obrigada. oferecendo provas. para comparecer à audiência de conciliação. sob pena de revelia. b) Mandar CITAR a Demandada. PROTESTA-SE provar o alegado por todos os meios de provas em direito admitidas.445. 30 de setembro de 2011. juntada posterior de documentos. para condenar a Promovida ao pagamento da quantia de R$ 3. Maracanaú-CE. ou apresentar defesa. ouvida de testemunhas.00 (três mil quatrocentos e quarenta e cinco reais). consoante às exposições supra. requer que Vossa Excelência se digne de: a) Deferir o pedido preliminar dos benefícios da Gratuidade da Justiça. Atribui-se à causa o valor de R$ 3. inspeções. enfim. acrescida de juros e correção monetária. c) Julgar PROCEDENTE a presente ação.445.00 (três mil quatrocentos e quarenta e cinco reais). como assim autoriza e preceitua a Lei nº 1. depoimento pessoal do representante legal da Demandada. EMANUEL BRUNO PEIXOTO MOTA OAB/CE 24. tudo o que se fizer necessário. na pessoa de seu representante legal. Nestes Termos.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful