Você está na página 1de 23

1

SINTOMAS MAIS FREQUÊNTES DE ESTRESSE PRÉ-COMPETITIVO EM


CRIANÇAS ENTRE NOVE E DEZ ANOS NA NATAÇÃO COMPETITIVA

Thiago de Araújo Rocha


Caio Graco Simoni da Silva

RESUMO
O esporte competitivo oferece muitas situações potencialmente causadoras de estresse,
independente da modalidade esportiva e da idade dos praticantes. Esse estresse que é
vivenciado pelos atletas se tornou foco de alguns estudos na literatura científica, embora falte
maior atenção para este processo. Sabe-se que o estresse pode causar reações negativas para o
organismo e prejudicar a performance do atleta, assim como debilitar a saúde do mesmo,
porém pouco se sabe sobre os sintomas de estresse apresentados pelos atletas, em especial
com relação às crianças envolvidas no esporte competitivo. Por isso o objetivo desse estudo
foi investigar quais os sintomas mais freqüentes de estresse pré-competitivo na natação,
considerando as categorias Mirim I (9 anos) e Mirim II (10 anos).
Participaram como sujeitos 30 atletas da região metropolitana de São Paulo de ambos
os sexos e competidores de natação. O instrumento utilizado foi a Lista de Sintomas de Stress
Pré-Competitivo Infanto–Juvenil (LSSPCI) do autor De Rose Jr. (1996), que consiste em um
questionário que demonstra 31 sintomas de estresse pré-competitivo, com escala de avaliação
variando de 1 á 5, sendo 1 (nunca), 2 (poucas vezes), 3 (algumas vezes), 4 (muitas vezes) e 5
(sempre), onde as crianças assinalaram a resposta que mais correspondeu as suas expectativas.
De acordo com os resultados apresentados os atletas apresentaram um índice de
ansiedade elevado nos momentos que antecedem a competição, elevando também o nível de
estresse, sendo que em destaque os sintomas considerados mais freqüência foram: “Não vejo
a hora de competir”, “Sinto-me mais responsável” e “Sinto muito cansaço no final do treino”,
pois apareceram nas duas categorias com uma incidência muito grande.
Palavras-chave: Competição Infantil – Especialização Esportiva Precoce – Criança e
Esporte.
2

Introdução
O esporte em todo o seu contexto é um fenômeno totalmente inserido na vida social e
cultural das pessoas, sendo que, no Brasil atualmente se pratica algum tipo de esporte
competitivo ou recreativo, envolvendo adultos, adolescentes e crianças. Essa popularidade
vem crescendo desde o século XVIII após a revolução industrial, onde o esporte perdeu o
sentido aristocrático e passou a fazer parte das classes sociais mais pobres, que por terem
maior tempo de lazer, aumentaram suas práticas esportivas (DE ROSE JR., 1996).
Este fenômeno vem acompanhando a evolução do mundo com sendo parte íntima do
ser humano, através de jogos utilitários, festivais e preparação guerreira (RAMOS, 1992).
Segundo Rúbio (2002) o esporte teve seu início na pré-história, sendo reinventado na Grécia
no século XIX como uma nova proposta pedagógica, que também envolvia a educação de
crianças e jovens onde Platão, Aristóteles e Pródicus ensinavam as vantagens da ginástica
para a saúde. Também nesta época havia grande interesse pelo esporte competitivo que, para
alguns filósofos, era uma prática alienada do esporte e foi considerado como um dos
indicadores da decadência da cultura grega.
Alguns pensadores criticavam e condenavam os atletas que se preocupavam apenas
em vencer, pois a saúde destes que competiam era muito instável devido a grande exigência
física, cognitiva e psicológica dos treinamentos, onde eles passavam a maior parte do tempo
nos ginásios lutando, fazendo um severo regime alimentar e sem gozar de uma vida longa e
saudável (RÚBIO, 2002).
Em qualquer faixa etária e em qualquer nível o esporte de alto nível exige do
indivíduo uma preparação mínima, onde lhe é cobrado o máximo de suas qualidades físicas,
técnicas e psicológicas (DE ROSE JR., 1996), perdendo o sentido educacional, participativo e
deixando
de lado a preocupação com a saúde. Fica claro que o esporte competitivo
(principalmente nas categorias infanto-juvenis) exige sacrifícios sociais da pessoa, que para
abrir mão de uma vida saudável e aceitar esses sacrifícios o aluno deverá entender e aceitar os
fatores negativos e positivos, ou seja, o ser humano deve estar avançado suficientemente no
seu desenvolvimento psicológico e cognitivo para obter essa característica. Os treinadores
devem pensar sobre as particularidades de cada faixa etária e realizar um trabalho onde não
haja um atropelamento na seqüência de aprendizagem e não exponha a criança cada vez mais
cedo nas competições de caráter oficial, onde o estresse é alto, assim como as exigências do
rendimento físico. O que acontece atualmente em muitas instituições esportivas é a
valorização somente da competição, onde a criança mal aprende as técnicas da modalidade e
3

já é incentivada a competir. Essa aceleração no processo competitivo pode trazer, para a


criança, sérios problemas de saúde e efeitos psicológicos negativos, interferindo no seu
desenvolvimento normal (TANI et al., 1994 apud DE ROSE JR., 1996). Acredita-se que por
causa desta precipitação nesse processo seja uma das principais causas de desistência de
atletas na natação competitiva.
Segundo Weinberg & Gould (2001) a maioria das crianças procuram a prática
esportiva para divertir-se ou estar com os amigos e fazer novas amizades. Partindo deste
princípio deve-se repensar sobre os modelos atuais de competição na natação dos clubes, onde
as competições oficiais começam aos oito anos de idade, expondo a criança em situações de
estresse físico e psicológico. Outro fator que se deve levar em consideração é que a natação é
um esporte individual, e por isso os níveis de ansiedade no ambiente competitivo são mais
altos do que em esportes coletivos (DE ROSE JR., 1996 e VASCONCELLOS, 1994),
aumentando na mesma proporção o nível de estresse. Deve-se pensar também sobre as
reações do organismo que é exposto á situações estressantes na competição, pois pouco se
sabe sobre os sintomas do estresse apresentado pelas crianças envolvidas na competição,
especificamente na natação, por isso este estudo tem o objetivo de investigar quais os
sintomas mais freqüentes de estresse pré-competitivo em competidores de natação das
categorias Mirim I e II (nove e dez anos).
Materiais e Métodos
A técnica utilizada neste trabalho foi à pesquisa experimental com o objetivo de
verificar quais os sintomas mais freqüentes de estresse pré-competitivo na natação,
observando as categorias Mirim I e II. A população que participou da pesquisa foi a de
competidores de natação nessas categorias que correspondem às idades de 9 e 10 anos
respectivamente, sendo que a amostra consistiu em 30 atletas de ambos os sexos de clubes da
região metropolitana de São Paulo. A coleta de dados foi realizada no mês de Setembro de
2005, sendo que o instrumento utilizado foi a Lista de Sintomas de Stress Pré-Competitivo
Infanto–Juvenil (LSSPCI – ver anexo A pág. 37) do autor De Rose Jr. (1996), que consiste em
um questionário que demonstra 31 sintomas de estresse pré-competitivo, com escala de
avaliação que varia de 1 á 5 sendo, 1 (nunca), 2 (poucas vezes), 3 (algumas vezes), 4 (muitas
vezes) e 5 (sempre), onde os sujeitos assinalaram a resposta que mais correspondeu as suas
experiências. Alguns questionários foram respondidos pelos atletas após o treino e outros
foram entregues no dia seguinte.
4

Esporte-Aspectos Gerais
O esporte é uma palavra da língua portuguesa que possui uma grande variedade de
significados. Para o conhecimento empírico muitas manifestações do movimento humano,
que envolve regras sendo recreativo ou competitivo, é entendido como esporte. De acordo
com Fanali (1978) o esporte é definido como uma valorização dos exercícios físicos intensos
a ponto de aprimorar as capacidades morfofisiológicas e psíquicas, com o intuito da superação
do seu recorde ou de um adversário. Com essa mesma linha de raciocínio De Rose Jr. (2001)
& Barbanti (1994) descrevem que esse termo envolve necessariamente atividades
competitivas, com a execução de intenso esforço físico e a utilização de habilidades motoras
complexas, ou seja, para esses autores o esporte se resume unicamente ás competições
formais do tipo copas do mundo, olimpíadas campeonatos regionais e estaduais ou qualquer
tipo de competição onde é exigido rendimento físico. Por outro lado Viana et al. (1985) define
o desporto como atividades onde o ser humano sofra alguma adaptação fisiológica,
cinesiológica ou psicológica com o objetivo de recreação, participação ou competição. Freitas
(1992) apud De Rose Jr., 1996 na sua pesquisa identificou alguns significados da palavra
esporte, como por exemplo, competição, exercício intenso, jogo, luta e lúdico, a pesquisa
mostrou que o esporte varia desde um momento recreativo até um jogo formal. Já Tubino
(2001) acredita que o esporte é um fenômeno sócio-cultural que sempre teve um aspecto
pedagógico muito presente, apesar da existência explícita da competição, nota-se nesta
definição que o autor destaca o esporte no seu contexto educacional. Para deixar claro o que o
esporte representa na atualidade é necessário voltar as suas origens e entender como ele
evoluiu até hoje.
No período pré-histórico o homem que vivia em um ambiente rudimentar, levava uma
vida marcada de atividades e esforços para a própria sobrevivência como caçar, pescar e se
defender de predadores, esse cotidiano proporcionava uma prática de atividades físicas
constantes como se fosse uma educação física espontânea. Também nesta época, para cultuar
Deuses, já eram praticados exercícios físicos sistematizados como a dança, por exemplo,
através de grandes festivais (RAMOS, 1982). Outras duas formas de atividade física eram
vivenciadas na pré-história, uma delas é a preparação de guerreiros e a outra, a partir do
período paleolítico, aparecem os jogos utilitários e recreativos, que também eram
sistematizados, porém competitivos e com o estabelecimento de regras que, apesar da
existência da disputa os participantes, vencedores e vencidos, aceitavam o resultado de forma
amistosa (RAMOS, 1982). Nos tempos de hoje esta prática se assemelha com o esporte
participação e com o ideal olímpico, o chamado “Fair Play” ou “Jogo Limpo”.
5

Na Grécia Antiga, no início de sua civilização, as atividades físicas realizadas tinham


o objetivo utilitário e de preparação guerreira, com a evolução desta sociedade essas
atividades evoluíram para uma prática pedagógica e de formação e educação do homem, sem
perder o foco inicial (RAMOS, 1982). Esparta e Atenas, duas cidades da Grécia, foram muito
importantes na evolução da educação física e do esporte, na primeira cidade a principal
atividade realizada era a preparação de guerreiros, já na segunda a prática do esporte
educacional e pedagógico era mais presente. Outro ponto de destaque entre as duas cidades é
que as crianças atenienses assim como as mulheres praticavam atividade física de forma
diferenciada dos adultos e homens respectivamente, ao contrário de Esparta onde as
atividades eram as mesmas para todos, pois o objetivo era a melhoria do rendimento físico
(RAMOS, 1982).
As culturas corporais eram muito valorizadas por alguns pensadores da época que
atribuíam a impossibilidade da perfeição sem a beleza do corpo, assim como se relacionava a
educação do homem paralelamente com a educação do corpo, já que o esporte era
considerado um dos três pilares da educação junto com a música e letras, um exemplo disso é
relatado por Rubio (2002) onde Platão, Aristóteles e Pródicus ensinavam nos ginásios, para
crianças e jovens, a importância da ginástica para a saúde, considera-se o início da educação
esportiva para crianças.
Por outro lado à competição sempre esteve presente no processo esportivo, onde o
início dos jogos competitivos tinha o objetivo de cultuar os mortos, denominados Jogos
Fúnebres, considerado o mais antigo e precursor dos jogos olímpicos. Também acontecia
nesta época os jogos Pan-Helênicos, que eram quatro jogos distintos dedicados aos Deuses
Zeus, Apolo, Posiedon e Heracles (RÚBIO, 2002).
Nas atividades competitivas desta época já havia uma valorização muito intensa dos
vencedores a ponto de serem considerados como semi Deuses, devido a essa importância dada
ao resultado das competições, essa prática foi considerada uma manifestação alienada do
esporte, sendo alvo de muitas críticas por parte de alguns filósofos, pois o esporte enquanto
competição perdia todo seu sentido educacional e valorizava apenas a recompensa e os
vencedores. Tubino (2001) acredita que o conflito: Amadorismo Vs Profissionalismo, surge a
partir da divergência destas duas linhas do esporte a Educacional e a Competitiva. Outro fator
que gerou toda essa censura no processo competitivo, foi o método de preparação dos atletas
que além da fadiga dos treinamentos intensos eles experimentavam situações potencialmente
geradoras de estresse que causavam graves perturbações fisiológicas e psicológicas (RÚBIO,
2002). O que se conhece hoje como “Burnout” e doenças psicossomáticas, que na maioria das
6

vezes são causadas pelo estresse, pode-se perceber no treinamento e na competição já naquela
época.
O esporte renova-se a partir do século XIX com influências de algumas
transformações políticas e sociais, uma de maior importância foi à revolução industrial, que
influenciou na evolução do esporte adquirindo uma perspectiva sócio-cultural muito forte (DE
ROSE JR., 1996 e RÚBIO, 2002), que de acordo com Tubino (2001) essa perspectiva
ampliou muito a abrangência do seu conceito.
No manifesto do esporte criado em 1964 pelo “Conseil International d’Education
Phisique et Sport”, o termo esporte vem sendo dividido em três formas distintas, Tempo livre
de Trabalho, Escolar e Alto Rendimento (TUBINO, 1993 apud DE ROSE JR., 1996). No
Brasil foi adotada uma classificação para definir o esporte, com base neste manifesto, através
da lei Nº 8672 de 6 de Julho de 1993, artigo 3º diferenciando-o como: Esporte Educação,
Esporte Participação e Esporte Rendimento (DE ROSE JR., 1996 e TUBINO, 2001).
Esporte-Educação: o que se espera do esporte como cunho educacional é que o
conteúdo seja fundamentalmente educativo e esta prática tenha a responsabilidade na
formação do ser humano. O esporte para exercer esta educação, segundo Lima (1987) apud
Tubino (2001), deve estar vinculado a três áreas da atuação pedagógica, que são: a de
integração social, a de desenvolvimento psicomotor e a das atividades físicas educativas.
Nestas três áreas os objetivos envolvem proporcionar ao educando a participação nas
atividades e a oportunidade para eles decidirem sobre elas, estimular o poder de decisão,
realizar atividades que atendam as necessidades do movimento e aquisição de melhores níveis
das capacidades físicas. Moreira & Simões (2000) definem esta manifestação como Desporto
Escolar, que além dos objetivos citados á cima devem envolver também valores sociais de
formação de atitude da conduta humana, porém esta proposta não é comumente vista nas
escolas em um âmbito geral. Um grande erro percebido na evolução do Esporte-Educação é a
reprodução do modelo competitivo, onde a performance é valorizada, excluindo a essência da
proposta e se tornando uma prática seletiva (TUBINO, 2001). A educação física de um modo
geral possui uma ferramenta muito importante na educação e formação do ser humano, que a
partir da educação do movimento conseguimos proporcionar uma educação sobre ele,
envolvendo a parte anatômica e fisiológica, e educar através deste passando alguns
conhecimentos gerais de outros assuntos, talvez o grande equívoco de alguns profissionais
seria a valorização da parte Física da disciplina, esquecendo-se da Educação do ser como um
todo, que é tão comentada por grandes educadores.
7

Esporte-Participação: como o termo sugere, esta ramificação visa a participação


voluntária de todos que desejam fazer parte do processo. O Esporte-Popular, como também é
chamado, tem o princípio da ludicidade e do bem estar dos praticantes, outro ponto que se
destaca é que não há a exclusão por falta de habilidade, uma vez que esta dimensão
proporciona a integração do grupo participante (TUBINO, 2001). Já de acordo com Moreira
& Simões (2000), o Desporto de Lazer não deve haver nem um tipo de instituição formal ou
padrão de movimento, pois se abre a oportunidade para que os praticantes modifiquem as
técnicas e os espaços oficiais das modalidades, esta forma é muito vista aos fins de semana
nos parques e clubes.
Esporte-Performance: é praticado com regras pré-estabelecidas em uma organização
complexa, normalmente por instituições privadas. As características que mais definem esta
manifestação do esporte segundo Moreira & Simões (2000), são a execução contínua de
movimentos motores de forma ordenada e estável, com o objetivo de maximizar as técnicas
relacionadas a cada esporte. Tubino (2002) divide o esporte de rendimento em: profissional,
caracterizado pela existência de uma remuneração e contrato de trabalho; semiprofissional
quando existem incentivos materiais, porém sem qualquer tipo de contrato de trabalho;
amador, sem remuneração ou incentivos; e simplesmente não profissional. Levando em
consideração esta definição de esporte competitivo, todos que desejam seguir carreira como
atleta buscam o esporte profissional, mas por vezes eles não sabem dos sacrifícios que a
profissão exige.
O esporte competitivo contribui para o intercâmbio nacional e internacional, exige
recursos humanos específicos gerando emprego, favorece o turismo e pelo efeito imitação
influencia muito o esporte popular, estimulando a prática esportiva nas cidades entre adultos e
crianças (TUBINO, 2001).
Esporte Infanto Juvenil
Não é uma tarefa simples conceituar esporte para crianças e adolescentes, pois envolve
variáveis como o desenvolvimento biológico, idade cronológica e maturação sexual (DE
ROSE JR., 1996). Barbanti (1994) relata que basicamente são atividades físicas dentro de um
contexto esportivo, envolvendo treinamentos organizados e jogos programados. As
participações nestas atividades são divididas por faixas etárias normalmente em categorias,
com variação de acordo com cada modalidade e levando em consideração a idade
cronológica, por exemplo, o foco deste trabalho será a modalidade esportiva natação, e as
categorias Mirim I e II que correspondem as idades de 9 e 10 anos.
8

Levando em consideração as definições de esporte citadas no item anterior, em relação


ao esporte infanto-juvenil a manifestação mais presente em muitos clubes e nos centros
olímpicos é o esporte competitivo com um direcionamento voltado para a performance com
cobrança de resultado á curto prazo, e talvez essa cobrança precoce seja o grande erro, pois
um atleta jovem para ter um alto nível na sua categoria realiza uma carga de treino semelhante
à de um adulto, porém ele não possui estrutura física e nem psicológica para suportar tal
intensidade (MONTANARI, 1997).
De acordo com Montanari (1997) a competição esportiva oportuniza a criança a testar
suas capacidades e habilidades motoras, podendo ser muito motivante desde que se respeite
seu desenvolvimento psicofisiológico e suas limitações.
O profissional que trabalha com iniciação esportiva se tiver o interesse de envolver a
atividade física ao harmonioso crescimento e desenvolvimento do ser humano deve adaptar
seus treinos as diferentes faixas etárias, levando em consideração que há uma semelhança
entre os sexos no desenvolvimento e no crescimento até a puberdade e que cada indivíduo tem
um ritmo e uma duração nesse processo que deve ser respeitado (JOLIBOIS, 1977).
Na questão da treinabilidade Tani et al. (1988) aponta que enquanto algumas pesquisas
não mostram diferenças significativas no rendimento físico de crianças treinadas e não
treinadas outras apontam uma evolução com o treinamento infantil que não poderia ser
explicado somente pelo crescimento físico (levando em consideração que a capacidade de
resposta fisiológica ao treinamento começa a aumentar na puberdade), e que apesar desses
possíveis ganhos não há uma transferência da fase infantil para o período pós-pubertário.
A maturação sexual exerce uma influência direta na melhoria da performance física,
Tani et al. (1988) relata o estudo de Astrand e Rodahl que mostra que o peso corporal
aumenta proporcionalmente ao tamanho (volume) do indivíduo, sendo que o aumento da força
muscular não acompanha na mesma proporção essa evolução, diminuindo gradativamente a
capacidade de sustentação do seu peso, por isso crianças menores realizam atividades de
sustentação com maior facilidade. Partindo desse resultado os pesquisadores deduziram que a
ventilação pulmonar, o débito cardíaco e o consumo máximo de oxigênio deveriam aumentar
acompanhando o crescimento do tamanho das estruturas corporais relacionadas com essas
capacidades, mas eles relataram que o aumento delas tem uma proporção muito próxima
daquela encontrada na força muscular, ou seja, esse fato relata que as crianças possuem uma
performance física deficitária, comparada a de um adulto. Outra diferença encontrada
comparando criança e adulto é em relação à melhoria na captação de oxigênio, enquanto um
9

adulto evolui cerca de 13 á 14 vezes em um jovem de 8 anos o máximo que se atinge é cerca
de 9,4 vezes (TANI et al. 1988).
Para Weineck (1999) um treinamento muito intenso que se atinja o máximo do
desempenho esportivo ainda na infância pode levar a uma predominância no metabolismo
funcional (adquirido durante as sessões de treino), em relação ao metabolismo normal da
idade, prejudicando seu desenvolvimento fisiológico e também como conseqüência haverá
uma redução na tolerância aos estímulos, causando estresse.
Outra variável de muita importância no processo de iniciação esportiva que é
necessário comentar é sobre o desenvolvimento motor, pois este se encontra, até a puberdade,
em suscetíveis mudanças que irão determinar a variedade e a eficiência dos movimentos na
fase adulta (BOULCH, 1983 & TANI et al., 1988).
O autor Tani et al. (1988) apresenta a taxionomia do desenvolvimento motor feita por
Harrow em 1983 dividindo-o em seis níveis desde o nascimento até a fase adulta. O primeiro
nível é marcado pelos Movimentos Reflexos que são involuntários e garantem a
sobrevivência do bebê, assim como servem de base para futuros movimentos voluntários. No
nível dois, surgem os movimentos voluntários, denominados nesta fase de Habilidades
Básicas, permitindo a locomoção e a manipulação de diversos objetos. As Habilidades
Perceptivas caracteriza o nível três, onde o indivíduo utiliza a percepção recebendo estímulos
visuais, auditivos, táteis e cinestésicos que são interpretados pelo cérebro, que por sua vez
envia uma decisão de resposta, dando condições para a criança se adaptar ao ambiente em que
ela vive. No nível quatro as Capacidades Físicas são funcionalmente essenciais ao executar
uma tarefa motora, quando elas são desenvolvidas ocorre uma melhora no nível de habilidade,
como exemplo pode-se citar as capacidades de resistência, flexibilidade e a agilidade. As
Habilidades Específicas surgem somente no quinto nível, onde as habilidades motoras
tornam-se mais complexas e com objetivos específicos, como a execução técnica de uma
modalidade esportiva. E por fim o último estágio, chamado de Comunicação Não Verbal,
definido por habilidades ainda mais complexas de modo que a qualidade dos movimentos
expressem uma comunicação corporal, por exemplo, a ginástica rítmica desportiva e as
danças. Relacionando esta taxionomia com a pirâmide de desenvolvimento motor feita por
Gallahue em1982 citado por Tani et al. (1988), o nível 1 corresponde a idade de 0 á 4 meses,
o nível 2 aproximadamente de 1 á 2 anos, o terceiro nível de 2 á 7 anos, o quarto de 7 á 12, e
no níveis 5 e 6 a partir dos 12 anos.
Para Gallahue & Ozmun (2001) no período de 6 á 10 anos, denominado de final da
infância, as habilidades perceptivas estão crescentemente em maturação, melhorando a
10

integração com as estruturas motoras, sendo que no final desta fase espera-se que a criança
possa desempenhar muitas habilidades sofisticadas como rebater uma bola arremessada,
porém, se as crianças não tiverem oportunidade para aprender, praticar e se não forem
encorajadas para isso futuramente as informações perceptivas e motoras serão insuficientes
para desempenhar com eficiência as atividades motoras mais complexas. O autor Boulch
(1893) comenta que toda experiência motora vivida serve posteriormente como instrumento
para a memória do corpo que é inconsciente, mas a eficácia dos ajustes dos movimentos a
serem aprendidos posteriormente depende diretamente dessa memória, ou seja, a criança
compreende e domina uma situação nova pela sua prática pessoal e pela sua própria
exploração, e não utilizando como referência às experiências dos adultos, que quando impõem
padrões fixos de movimento inibem a criatividade e limitam a capacidade de ajuste da criança
ao ambiente. Jolibois (1976) comenta que “A tomada da consciência do esquema corporal é a
chave da maturidade física e psíquica...”, segundo ele o objetivo da educação e da iniciação
esportiva precoce é dar condições á maturidade, fornecendo uma base com diversos estímulos
para que a criança possa inventar rapidamente sua imagem corporal. Sobre essa imagem
corporal Boulch (1983) afirma que é preciso atingir 10 ou 12 anos de idade para que na
aprendizagem a pessoa tenha mais facilidade em imaginar o corpo em movimento, utilizando-
se da prática mental, o que permite uma verdadeira representação imaginária em uma
seqüência motora, facilitando a aprendizagem.
O papel do adulto é mais eficaz quando ele valoriza os sucessos e encoraja as crianças,
pois é no nível afetivo e pela atenção que se dá aos alunos que eles se sentem motivados pela
prática e se tornam mais freqüentes nas aulas. Se o treinador propõe um espaço muito restrito
através de proibições ele pode provocar uma reação de supertensão reacional nos atletas
originando bloqueios, por outro lado se durante os treinos não são fixados limites, sem
fornecimento de qualquer tipo de feedback a criança perderá seus pontos de referência
causando insegurança e até ansiedade (BOULCH, 1983), talvez o grande desafio seja
encontrar o meio termo entre a rigidez na cobrança e o ato de deixar a criança livre dessa
cobrança.
Já no processo competitivo além dos fatores citados acima deve-se pensar sobre a
carga psicológica que o atleta experimenta nesse processo. Para alguns autores a competição
esportiva é um bom momento para a criança avaliar sua performance em relação às outras,
obtendo uma maturação psicológica, há também nesta idade uma preocupação em aprimorar
as habilidades motoras, onde a competição irá proporcionar um ambiente favorável para a
resolução de problemas motores, estimulando também o desenvolvimento cognitivo, porém o
11

ambiente competitivo não deve seguir o modelo adulto, onde há uma grande exigência pela
vitória e uma valorização do resultado (MONTANARI, 1997).
Estresse Definições
Nos últimos tempos a palavra estresse ganhou uma popularidade muito grande, e
como conseqüência à população começou a utilizar este termo para nomear muitas situações
cotidianas. Por inúmeras vezes os valores de ansiedade, nervosismo e preocupação são
atribuídos ao estresse, talvez devido á semelhança das reações orgânicas, mas não
necessariamente são sintomas do estresse.
A interpretação equivocada deste termo já acontecia em épocas passadas, onde por
volta do século XVIII o enfoque desta palavra era de uma pressão excessiva sobre uma
pessoa, no sentido de conceder muita responsabilidade para alguém resolver uma tarefa e
mostrar um bom rendimento ao fazê-la, ou em uma situação de avaliação ou de competição
(LIPP, 2003). Um exemplo prático desta pressão acontece em uma competição esportiva, pois
o atleta está sendo pressionado pela torcida, pelos familiares e amigos, e principalmente pelo
treinador a obter um bom resultado, deixando um clima em que este atleta se sente coagido
por essas forças, que sendo excessiva ela pode prejudicar sua performance. No século
seguinte foram feitas algumas averiguações sobre uma possível relação entre perturbações
emocionais e doenças físicas e psíquicas, mas essa teoria não recebeu nenhuma atenção na
área científica, já no século XX o estresse novamente foi relacionado com o aparecimento de
doenças, onde o médico inglês William Osler em 1910 propôs uma ligação entre trabalho
excessivo acrescido de preocupações, com problemas cardíacos e novamente não foi dada
muita importância para o caso (LIPP, 2003). Em 1936 o endocrinologista canadense Hans
Selye sugeriu o termo “stress” para nomear o conjunto de reações orgânicas não específicas,
mas semelhantes, em seus pacientes quando se deparavam com situações de angústia ou
tristeza, chamadas por ele em 1926 de Síndrome Geral de Adaptação (S.G.A.), após esta data
o termo “estresse" ficou com esse significado que conhecemos hoje (LIPP, 2003 & MARGIS
el al., 2003).
No ano de 1956, Selye conceituou estresse relacionado às reações biológicas de defesa
do organismo á agentes nocivos internos ou externos, onde o organismo luta para manter ou
restaurar seu equilíbrio (DE ROSE JR., 1996). Para chegar a essa definição ele se baseou nos
conceitos de Bernard que em 1879 sugeriu que apesar das mudanças no ambiente externo o
ambiente interno dos organismos devem permanecer constantes, sem grandes variações, e
Cannon que em 1939, recomendou o termo homeostase para nomear os esforços que o
12

organismo faz para manter seu equilíbrio interno, com a utilização dessas duas referências
Selye definiu o estresse como a quebra deste equilíbrio interno (LIPP, 2003).
A autora Lipp (2003) considera muito difícil conceituar o estresse, em primeiro
lugar porque ele é utilizado para descrever tanto a causa geradora do estresse, como as
respostas ou efeitos gerado pelo organismo á esse estímulo, e em segundo por ele ser um
processo complexo e ter intensidades diferentes, como exemplo ela cita uma pessoa que está
passando por uma situação de estresse temporário, podendo ser de baixa ou alta intensidade,
assim como outra pessoa pode estar em um grau avançado a ponto de desencadear doenças,
porém ambas estarão simplesmente estressadas. Apesar dessa dificuldade ela definiu o
estresse como uma reação complexa do organismo que pode ser psicológica ou fisiológica,
com o objetivo de enfrentar algo que ameace a homeostase interna do sujeito, ocorrendo em
situações que o amedronte, irrite ou que o faça muito feliz. Segundo Martins (2004) o estresse
é um conjunto de ações orgânicas que os seres humanos utilizam para se adaptarem ás
atividades essenciais da vida melhorando seu rendimento e desempenho se tornando nocivo
somente no caso de ser excessivo ou de difícil controle, isso normalmente acontece quando o
estímulo permanece durante um longo tempo. Seguindo o mesmo raciocínio Ballone (1999)
relata que o estresse é uma reação orgânica normal e necessária, utilizada pelo ser humano
para se adaptar a uma situação nova, ou á alguma mudança, deixando-o em estado de maior
atenção diante dos estímulos externos. Segundo McGrath (1970) citado por Weinberg &
Gould (2001), o estresse é definido como um desequilíbrio entre os fatores estressantes e a
capacidade de resposta do organismo, considerando que a falha em resolver a tarefa pode
obter consideráveis conseqüências. A autora Lucarelli & Lipp (1998), comenta sobre o
estresse positivo e negativo que independente de ser um ou outro, ambos provocam uma
reação onde a pessoa entra em estado de alerta, ativando o sistema nervoso simpático e
conseqüentemente a liberação de adrenalina, preparando o indivíduo para uma situação de
luta ou fuga. Para Margis et al.(2003) o indivíduo sofre estresse pela percepção de um
estímulo que provoque excitação emocional, perturbando a homeostase e disparando um
mecanismo de adaptação que, entre outras alterações é caracterizado pela excreção de
adrenalina.
Nota-se que não há muita divergência entre os conceitos e resumidamente eles
descrevem que o estresse é uma ação ou reação que o organismo apresenta diante de um
estímulo que interfira na sua homeostase e pode prejudicar o corpo se for muito intenso ou se
persistir durante um longo tempo. Diante da complexidade que é o processo de estresse e da
13

semelhança que existe entre as reações do organismo e os estímulos estressores, é importante


saber diferenciá-los para melhor compreensão.
Agentes Estressores
Para Margis et al. (2003) muitas situações do ambiente em que se vive podem ser
consideradas como estressores, e devido a esse universo de possibilidades ela divide-os em
evento de vida estressores, acontecimentos diários menores e situações de tensão crônica.
Os eventos de vida estressores são acontecimentos na vida do sujeito onde ele precisa
modificar a sua maneira habitual de viver para se adaptar, casar-se ou mudar-se são exemplos
claros deste tipo de mudança, eles são subdivididos em dependentes, que necessita da
participação efetiva da pessoa, pois está relacionado diretamente com a personalidade dela,
com a maneira como o indivíduo interpreta as situações, com sua relação pessoal e com seu
comportamento diante do meio; e independentes que acontece independentemente da
personalidade e da capacidade de controle do sujeito, sendo consideradas como inevitáveis,
por exemplo, a morte de um familiar. Para deixar mais detalhado o conceito, a autora também
distinguiu os eventos de vida estressores dos eventos traumáticos, pois este último acontece
quando a pessoa é exposta á um estímulo agudo muito forte e a conseqüência pode chegar á
doenças ou traumas psicológicos graves mesmo quando a pessoa é afastada do estressor. Já os
eventos de vida estressores não acontecem subitamente, e com o afastamento ou término do
estímulo o organismo tende a diminuir os sintomas provocados por ele, retornando ao seu
estado normal. Nos acontecimentos diários menores os estímulos são agudos, mas com uma
intensidade bem menor e acontecem em episódios vivenciados pela pessoa no decorrer do dia,
por exemplo, esperar em fila ou ficar parado no trânsito. Um atleta se no dia da competição
discutir ou tiver algum problema que cause alguma tensão, pode ser prejudicado na sua
performance. As situações de tensão crônicas ocorrem quando um estressor permanece
constante durante um período longo de tempo e com intensidade relativamente alta, é muito
observado em atletas de alto nível que treinam muitas horas por dia e durante anos para
adquirirem uma ótima qualidade física e técnica, e sempre precisam mostrar um resultado
positivo nas competições, surgindo os casos de “overtrainig”.
Já o autor Ballone (1999) considera que os estressores se originam de duas formas, a
externa, quando há uma ameaça efetiva na vida da pessoa, ou seja, de forma que aconteça
alguma coisa de diferente á ponto de gerar uma adaptação; e a interna, relacionada com os
conflitos pessoais que podem afetar a sensibilidade afetiva de cada sujeito. Esses estressores
recebem uma influencia muito grande da personalidade do indivíduo, pois segundo Weinberg
& Gould (2001) um indivíduo que normalmente apresenta um nível alto de ansiedade pode
14

perceber uma situação como sendo ameaçadora, quebrando a homeostase, mesmo se ela não
oferecer risco algum, enquanto outro pode interpretar a mesma circunstância como sendo
normal.
Reações do Organismo ao Estresse
Diante dessa diversidade de situações o organismo utiliza alguns recursos para se
adaptar e retornar ao seu estado de equilíbrio interno, alguns autores propuseram modelos que
explicam como o estresse age na estrutura orgânica.
A autora Lipp (2003) desenvolveu um modelo explicativo do estresse com base no que
Hans Selye propôs em 1956, e de acordo com ele o estresse provoca três alterações principais
no corpo, que expressam como os sintomas surgem e se modificam, Selye explica o estresse
em três fases, onde na primeira há uma grande liberação de adrenalina, deixando a pessoa
mais ativa, elevando a tensão e o seu nível de ansiedade, ou seja, o organismo se prepara para
uma reação de luta ou fuga (LIPP, 2003; BALLONE, 1999; DE ROSE JR., 1996). O autor
Ballone (1999) interpreta esta reação parecida com a de um susto, envolvendo todo o sistema
em uma única ação, esta fase é chamada de Fase de Alerta. Se o estímulo estressor continuar
por algum tempo inicia-se a Fase de Resistência em que o organismo tenta uma adaptação,
pois a tendência é sempre buscar a homeostase. Nesta etapa as reações são contrárias da fase
anterior, pois alguns sintomas desaparecem havendo uma grande utilização de energia para a
adaptação do organismo ao estímulo, provocando uma sensação de cansaço e desgaste. Se a
pessoa é afastada da situação estressora os sintomas desaparecem, porém se haver
continuidade o sistema orgânico entra na última fase chamada de Fase de Exaustão, nesta os
sintomas se assemelham com os da primeira, porém com uma intensidade bem maior, o fator
agravante é que o indivíduo não possui mais estratégias para lidar com a situação e o
organismo extinguiu toda sua reserva de energia adaptativa, acarretando no aparecimento de
doenças e conseqüentemente a morte (LIPP, 2003). Partindo desta base Lipp acrescenta uma
quarta fase, chamada de Fase de Quase Exaustão, que acontece entre a Fase de Resistência e a
fase de Exaustão, pois segundo a autora há um espaço muito grande entre elas e os sintomas
são diferentes tanto na fase de resistência, quanto na de exaustão. Ocorre no organismo
variações de estados de bem estar e desconfortos psicofísicos, nesta fase o corpo já não
consegue mais resistir às tensões e começa a ceder, outra característica é o surgimento de
algumas doenças mostrando que a defesa do organismo já não é tão eficiente (LIPP, 2003). Já
o autor Mc Grath (1970) citado por Weinberg & Gould (2001) propôs um modelo em que o
estresse é descrito em quatro estágios, onde o primeiro é denominado de Demanda Ambiental
e acontece a partir do momento em que é imposto algum estímulo externo para uma pessoa,
15

podendo ser físico ou psicológico e que possa causar um desequilíbrio. Com o surgimento
deste estímulo inicia-se a segunda fase chamada de Percepção da Demanda, onde a pessoa
reconhece a situação, mas pode interpretar como estressante ou não, se ela entender que possa
haver um desequilíbrio entre esta demanda e sua capacidade de resposta este processo entra
no terceiro estágio o de Respostas ao Estresse que é caracterizado pela perda na concentração,
aumento da tensão muscular e um aumento na excreção de adrenalina. No quarto estágio,
chamado de Conseqüências Comportamentais é definido como o comportamento que o
indivíduo terá em uma situação de estresse, voltando ao primeiro estágio, onde se forma um
ciclo surgindo uma nova demanda ambiental e passando por todas as fases novamente.
Estresse Infantil
De fato o estresse desencadeia reações orgânicas semelhantes na maioria dos seres
humanos, porém deve-se considerar alguns fatores que podem determinar como a pessoa irá
interpretar cada situação e como o organismo responderá a elas. A influência do ambiente, a
experiência previa, a personalidade individual e o desenvolvimento psicofisiológico são
pontos que variam de uma pessoa para outra e são importantes no processo de estresse, pois
estão diretamente relacionados. O estresse age de forma sutil e quando não é tratado surgem
doenças gravíssimas que podem até matar. Na criança não é diferente e pode ser até mais
perigoso, pois elas possuem menos recursos para lidar com algumas situações e estão
passando por um período onde o organismo está sofrendo diversas mudanças e de uma forma
mais rápida do que na fase adulta, aumentando a vulnerabilidade ao estresse (FRANCA &
LEAL, 2003).
A competição esportiva pode proporcionar aos atletas situações estressantes em
diferentes níveis. No nível baixo a característica é quando a exigência é baixa em relação à
capacidade de resposta, em um nível adequado é quando a exigência é compatível, sendo
considerada como um grau ótimo de estresse que causa uma ativação necessária no organismo
para realizar as respostas adequadas em uma condição excelente, mas quando a demanda
ultrapassa o limite da capacidade de resposta, pode acarretar em conseqüências negativas no
desempenho do atleta prejudicando o rendimento nas competições (DE ROSE JR., 1996).
Nos últimos anos houve um crescente número de crianças envolvidas no esporte
competitivo, mas também nota-se um abandono muito precoce em várias modalidades, esta
desistência é hoje em dia um tema bastante discutido na literatura e entre profissionais da área
(KNIJNIK et al., 2001). Alguns estudos mostrados por Knijnik et al. (2001) apontam fatores
que desmotivam as crianças á praticarem esporte, os principais motivos foram: muita ênfase
na competição e na vitória, desgosto com o técnico por exercer muita pressão e falta de jogo.
16

Os autores Cruz e Costa (1997) citam um estudo de Martins de 1980 apontando que os
principais fatos que levam ao abandono são: o fato de jogarem pouco tempo; as críticas
constantes dos treinadores incluindo o reforço negativo e o estresse psicológico da
competição. Segundo Weinberg e Gould (2001) a maioria das crianças que abandonam o
esporte com freqüência é devido à baixa percepção da competência, pouco foco nas metas de
resultados e vivenciam um nível de estresse alto nos treinos e nas competições. Um estudo foi
realizado por De Rose Jr. et al. (2001) onde eles analisaram situações de estresse durante o
jogo de basquetebol infanto-juvenil, participaram do estudo 136 jogadores (75 meninos e 61
meninas) com idade de 15 á 19 anos, integrantes da Federação Paulista de Basquete, onde o
grupo analisado foi considerado experiente pelo tempo de prática. Os resultados mostraram
que em ambos os sexos as situações que mais causaram estresse foi em relação à arbitragem,
técnico, competência, dificuldade do jogo e companheiros de equipe. Em crianças e jovens,
três tipos de fatores de desistência foram identificados por Weimberg & Gould (2001), que
foram: a derrota, onde a criança fica mais ansiosa do que na vitória; a importância do evento,
pois a ansiedade aumenta em competições mais importantes; e o tipo de esporte, indicando
que as modalidades individuais são mais estressantes do que as coletivas. Na natação infantil
especificamente De Rose Jr. & Vasconcellos (1994) também indicaram que por ser um
esporte individual causam mais estresse em comparação aos esportes coletivos, assim como a
cobrança dos pais pode também prejudicar o rendimento da criança. Porém o autor Shigunov
(1998) realizou um estudo com o objetivo de identificar o nível de ansiedade em atletas e
comparar este nível em diferentes grupos, idade sexo e tipo de modalidade esportiva. A
amostra foi composta de 150 atletas, sendo 75 de cada sexo, praticantes de voleibol,
basquetebol, handebol, natação e atletismo. Os resultados mostraram que em relação ao sexo
os meninos apresentaram um nível médio de ansiedade e as meninas atingiram um nível
médio-alto, ou seja, as meninas foram mais ansiosas. E em relação ao tipo de esporte os
resultados apontaram que a natação e o atletismo, que são individuais, apresentaram um nível
de ansiedade abaixo dos encontrados nas modalidades coletivas, lembrando que a ansiedade
elevada pode causar estresse, e a pessoa estressada vivencia altos níveis de ansiedade
(WEINBERG & GOULD, 2001).
Percebe-se que algumas situações são potencialmente geradoras de estresse, dentre as
citadas acima se destaca a cobrança do técnico, o estresse causado no jogo, em relação à
percepção da capacidade e o fato de participarem pouco dos jogos.
Shigunov (1998) acredita ser importante tentar entender as reações psicológicas em
atletas durante a competição esportiva, pois essas podem gerar um elevado nível de ansiedade
17

para alguns, onde o organismo pode interpretar a situação como ameaçadora acarretando a
uma reação de luta e fuga, que pode prejudicar o rendimento. Este autor relata que os atletas
são constantemente comparados tanto por pessoa desconhecidas, como pelas mais queridas, e
como conseqüência eles podem apresentar medo pela competição, devido ao possível
constrangimento pela derrota. Outra fonte de estresse citada por ele é quando o atleta não se
sente seguro no momento da competição, isso acontece quando ele não está bem treinado
física e tecnicamente e não acredita no seu potencial. Essa situação é mais comum em atletas
jovens do que em experientes veteranos. Por outro lado Lucarelli & Lipp (1998) relatam que
se a criança for capaz de perceber a presença de um estressor e conseguir utilizar habilidades
adequadas nas situações de estresse, poderá manejar este processo com satisfação, evitando
possíveis conseqüências negativas no futuro. A autora Fleury (2001) descreve que o
treinamento psicológico melhora as habilidades psicológicas da pessoa para que ela consiga
enfrentar as situações de estresse, melhorando ou mantendo seu rendimento esportivo, esse
treinamento procede de técnicas da psicologia, necessitando do conhecimento da modalidade
que a pessoa pratica, do treinamento realizado e das características pessoais do indivíduo.
Acredita-se que seja necessário identificar alguns sintomas de estresse em crianças e
jovens para, além de poder aplicar o treinamento psicológico obter condições de saber quais
as conseqüências futuras que eles terão se forem expostos á situações estressantes com
freqüência. Castro et al. (1996), identificou 31 sintomas de estresse, onde os atletas mostraram
mais freqüência com a preocupação no resultado, medo em cometer erros, empolgação, muita
responsabilidade, medo em competir mal e ansiedade elevada.
Partindo dos estudos mostrados neste capítulo e observando que as crianças competem
cada vez mais cedo, nota-se aparentemente uma maior preocupação dos técnicos na
performance física, sendo que o prejuízo pode ocorrer tanto no desempenho físico quanto no
psicológico. Talvez devido a essa falta de preocupação percebe-se uma escassez de estudos
relacionados á identificação das reações psicológicas que a competição causa nos atletas, e
quem sabe se aumentando o foco nesse fenômeno futuramente os atletas serão capazes de
controlar os fatores envolvidos nesse processo e melhorar suas marcas.
Apresentação dos Resultados
Para melhor compreensão os resultados serão apresentados separando os sintomas
mais freqüentes na categoria Mirim I (ver tabela 1) e os mais freqüentes na categoria Mirim II
(ver tabela 2). Dentre os 31 sintomas pré-competitivos presentes no questionário foram
classificados 5, considerando os maiores valores percentuais da somatória das respostas 4
(muitas vezes) e 5 (sempre), apresentadas no questionário.
18

Tabela 1- Sintomas mais freqüentes de estresse pré-competitivos na categoria Mirim I


Sintomas de Estresse pré-competitivo Percentual da somatória
das respostas 4 e 5

1-Fico Ansioso (a) 91,6%


2-Não vejo a hora de competir 83,3%
3-Sinto muito cansaço no final do treino 66,6%
4-No dia da competição acordo mais cedo do que o normal 58,3%
5-Sinto-me mais responsável 50%

Tabela 2- Sintomas mais freqüentes de estresse pré-competitivos na categoria Mirim II


Sintomas de Estresse pré-competitivo Percentual da somatória
das respostas 4 e 5
1-Fico preocupado com o resultado da competição 75%
2-Não vejo a hora de competir 62,5%
3-Tenho medo de competir mal 50%
4-Sinto-me mais responsável 43,7%
5-Sinto muito cansaço no final do treino 37,7%

Discussão dos Resultados


O sintoma de “Ansiedade” que foi apresentado como mais freqüente na categoria
Mirim I, assim como o fato de “Acordarem mais cedo do que o normal” estão diretamente
relacionados com a expressão “Não vejo a hora de competir” apresentado no questionário,
que aparece nas duas categorias como a segunda mais freqüente. Esses resultados, a relação
entre eles, e de acordo com os estudos pesquisados, nota-se uma disposição dos jovens atletas
a desejarem que a competição aconteça logo, pois o organismo tem uma reação de defesa que
acontece quando há um evento ou estímulos estressantes, apresentando uma tendência á evitar
ou eliminar algo que possa ameaçar o seu funcionamento normal. Um nível de ansiedade
elevado causa nervosismo, preocupação e agitação do corpo (WEINBERG & GOULD, 2001),
que se de alguma forma não for controlado pode prejudicar a performance dos atletas.
O “Cansaço no final do treino” também é comum nas duas categorias, mostrando que
esse processo é um ambiente que também pode gerar estresse, sendo que a literatura mostra
que a criança não possui uma estrutura que favoreça o aumento da performance física e nesta
faixa etária, segundo Gallahue & Ozmun (2001) as habilidades perceptivas estão em crescente
maturação, sendo um período ótimo para a aplicação de estímulos para maior eficiência
19

dessas habilidades. A afirmação “Sinto-me mais responsável”, é uma opinião comum entre os
atletas nas duas idades pesquisadas, porém na categoria Mirim II essa responsabilidade fica
mais explícita, pois a “Preocupação com o resultado da competição” e o “Medo de competir
mal” mostram outras preocupações e talvez devido á elas os atletas se sintam mais
responsáveis. Esse ambiente de responsabilidade que é atribuído á crianças nas categorias de
bases confirma o estudo realizado por De Rose Jr. (1996) sobre sintomas de estresse
relacionado com o tempo de prática, onde é relatado que quanto maior a experiência do atleta
menor a freqüência desses sintomas. Esses resultados também podem gerar a desistência no
esporte, pois estudos mostram a ênfase no resultado da competição é um fator que
potencionalmente gera o abandono da prática, assim como em destaque a cobrança do técnico
e o estresse que é causado pela competição.
Considerações Finais
De acordo com a literatura pesquisada e analisando os resultados obtidos
(considerando as limitações do estudo) pode-se considerar que os sintomas de estresse pré-
competitivo que aparecem com maior freqüência nessas categorias são os que proporcionam
um nível de ansiedade elevado nos momentos que antecedem o evento e essa ansiedade pode
ser resultado de uma cobrança que o ambiente e as pessoas envolvidas proporcionam, direta
ou indiretamente, no sentido de que a criança querendo testar suas capacidades e habilidades,
que é característica desta idade, necessita de uma auto-afirmação, e essa cobrança por mais
indireta que seja está muito presente no modelo de competição atual na natação infantil, onde
as categorias de base realizam provas muito próximas do modelo de competição dos adultos.
Considera-se também que esse estresse pode levar o atleta a uma maturação psicológica
precoce, e pouco se sabe o que pode acontecer com a pessoa que vivencia uma intensidade
alta de estresse na infância.
De acordo com as conclusões obtidas surgem outras questões como, por exemplo, até
que ponto é saudável para o futuro do atleta vivenciar níveis de estresse desde o início de sua
carreira? E como podemos controlar este nível para atingir um grau ótimo de ansiedade de
forma que, ao invés de prejudicar possa auxiliar a performance? Por isso sugere-se estudos
com a preocupação nas conseqüências futuras desses atletas que experimentam níveis
elevados de estresse na infância. E analisando as limitações deste estudo, cita-se em destaque,
a dificuldade na interpretação das intensidades, onde as crianças reconheciam os sintomas,
mas, por vezes, não sabiam avaliar qual o grau de freqüência, por isso sugere-se outros
estudos com diferentes instrumentos para somar com a literatura atual.
20

Referências Bibliográficas
BALLONE, G. J.; Curso de psicopatologia-estresse, www.psiqueweb.med.br, on line: São
Paulo, 1999, disponível em: http:// www.psiqueweb.med.Br/cursos/stress1.htm, acesso em:
15/05/2005.

BARBANTI, V. J; Dicionário de educação física e do desporto, 1º edição, São Paulo,


Manoele, 1994.

BOULCH, J. L.; Psicomotricidade, 1ºedição, São Paulo, SEED/MEC, 1983.

CASTRO, M. H; BONATELLI, M. F; PIMENTA, V.L. M. P.;SANTOS, S. S.;


VASCONCELLOS, E. G. ; DE ROSE JR., D.; Sintomas de stress pré-competitivo em atletas
infanto-juvenis do sexo feminino. In XX Simpósio Internacional de Ciência do Esporte, São
Paulo, Anais, São Paulo, CELAFISCS, 1996, P. 50.

CRUZ, J. F. A.; COSTA, F. S.; Motivação para a competição desportiva e razões para o
abandono: um estudo no voleibol. In: CRUZ, J. F. A.; GUES, A. R. Psicologia aplicada ao
desporto e a atividade física: teoria, investigação e intervenção, Braga, Universidade do
Minho, 1997, p. 221-233.

DE ROSE JR., D.; VASCONCELLOS, E. G.; Comparação dos níveis de ansiedade-traço


competitiva entre jovens atletas de esportes individuais e coletivos; In: XIX Simpósio
Internacional de Ciência do Esporte, São Paulo. Anais, São Paulo CELAFISCS, 1994, p.74.

DE ROSE JR., D.; Stress pré-competitivo no esporte infanto-juvenil: Elaboração e


validação de um instrumento, São Paulo, 1996, 80pag., Tese (Doutorado em psicologia do
Esporte), Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo.

a)DE ROSE JR., D.; Situações causadoras de stress no basquetebol de alto rendimento:
Fatores extra competitivos. Revista Ciência e Movimento, Brasília, v.9, nº 1, p. 25-30, 2001.

b)DE ROSE JR., D.; DESCHAMPS, S.; KORSAKAS, P.; O jogo como fonte de stress no
basquetebol infanto-juvenil. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, São Paulo, v.1,
nº2, p. 36-44, 2001.
21

FANALI, O. A. A. C.; Terminologia da Educação Física e Desportos. 1º edição, Brasília,


Ministério da Educação e Cultura, 1978.

FLEURY, S.; Instrumento de Avaliação Psicológica no Esporte, www.suzyfleury.com.br, on


line, São Paulo, 2001, disponível em: www.suzyfleury.com.br/USP-AvPsi1.pdf, acesso em
04/03/2005.

FRANCA, C.; LEAL, E. Q.; A influência do stress excessivo no desenvolvimento da criança.


In: LIPP, M. E. N. Mecanismos Neuropsicofisiológicos do stress: teoria e aplicações
clínicas, , São Paulo, Casa do Psicólogo, 2003, p. 79-83.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C.; Compreendendo o desenvolvimento motor – Bebês


crianças, adolescentes e adultos, 1ºedição, São Paulo, Phorte, 2001.

JOLIBOIS, R. P.; A iniciação esportiva da infância a adolescência, 1ºedição, São Paulo,


Estampa, 1977.

KNIJNIK, J. D.; GREGUOL, M.; SILENO, S.; Motivação no esporte infanto-juvenil: uma
discussão sobre razões de busca e abandono da prática esportiva entre crianças e adolescentes.
Revista do Instituto de Ciência e Saúde, v. 19, nº1, p. 7-13, 2001.

LIPP, M. E. N.; Modelo quadrifásico do stress. In: Mecanismos neuropsicofisiológicos do


stress: teoria e aplicações clínicas, São Paulo, Cãs do Psicólogo, 2003, p. 17-21.

LUCARELLI, M. D. M.; LIPP, M. E. N.; Validação do inventário de sintomas de stress


infanto-juvenil, Campinas, 1998, 50 pag., Dissertação (Mestrado), Departamento de Pós-
Graduação em Psicologia da PUC.

MARGIS, R.; PICON, P.; COSNER, A. F.; SILVEIRA, R. O.; Relação entre Estressores,
Estresse e Ansiedade, Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 5, nº
1, p.65-74, 2003.
22

MARTINS, M. C. A.; Factores de risco psicossociais para a saúde mental, www.ipv.pt, on


line, Viseu, 2004, disponível em: www.ipv.pt/millenium/Millenium29/33.pdf, acesso em:
20/04/2005.

MONTANARI, S.; Aspectos psicológicos da competição esportiva em crianças de


segunda infância, São Paulo, 1997, 26p..Monografia (trabalho de conclusão de curso).
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo.

MOREIRA, W. W.; SIMÕES, R.; Fenômeno Esportivo no Início de um novo Milênio,


1ºedição, Piracicaba, Unimep, 2000.

RAMOS, J. J.; Os Exercícios Físicos na História e na Arte, 1ºedição, São Paulo, Ibrasa,
1982.

RUBIO, K.; Do Olimpo ao Pós-Olimpismo, www.usp. br, on line, São Paulo, 2002,
disponível em: www.usp.br/eef /rpef/sumário162.htm, acesso em 15/05/2005.

SHIGUNOV, V.; Idade, Sexo e a Modalidade esportiva como fatores influenciadores do nível
de ansiedade-estado pré-competitiva, Revista Brasileira de Ciência do Esporte, São Paulo,
v. 19, nº3, p.71-77, 1998.

TANI, G.; MANOEL, E. J.; KOKOBUM, E.; PROENÇA, J. E.; Educação física escolar –
Fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista, 1ºedição, São Paulo, Editora
Pedagógica Universitária, 1988.

TUBINO, M. J. G.; Dimensões sociais do esporte, 2ºedição, São Paulo, Cortez, 2001.

TUBINO, M. J. G.; 500 Anos de legislação esportiva brasileira: do Brasil Colônia ao


início do século XXI, 1ºedição, Rio de Janeiro, Snape, 2002.

VIANA, A. R.; SAMPAIO, A. P.; CABRAL, C. A. C.; TEIXEIRA, S. W. D.; Terminologia


da educação física e dos desportos, 1ºedição, Minas Gerais, Imprensa Universitária da
Universidade de Viçosa, 1985.
23

WEINBERG, R. S.; GOULD, D.; Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício,


2ºedição, São Paulo, ArtMed, 2001.

WEINECK, J. Treinamento ideal, 9ºedição, São Paulo, Manoele, 1999.