Você está na página 1de 6
Curso de Direito Processo Penal - Prof. Thalita Silveira MATERIAL DE APOIO Finalidade : Aperfeiçoar

Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

MATERIAL DE APOIO

Finalidade: Aperfeiçoar e complementar o estudo da matéria ministrada em sala de aula. Orientações: A resolução de exercícios, quando for o caso, só será pontuado com a manifestação expressa no material. Caso contrário, é para aprimoramento do aluno, habilitando-o a dar soluções a casos práticos apresentados em prova e na futura vida profissional. O gabarito será disponibilizado em breve. Referência: Provas (art. 155 a 250, CPP). Pontuação: não tem; portanto, não deverá ser entregue à Professora.

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

1. O juiz da Comarca de Campinas/SP determinou, de ofício, a interceptação telefônica de Roberto de Tal no curso do

inquérito policial que teria, em tese, cometido o crime de quadrilha e de roubo num dos cofres da agência da Caixa Econômica Federal, daquela cidade. Nos termos da investigação, não foi possível ouvir qualquer testemunha, em razão do grande temor da quadrilha, além de não ter tido qualquer oportunidade para prender os integrantes em flagrante, muito menos lograr expedição de mandado de busca e apreensão. Determinou, ainda, que a interceptação perdurasse

pelo tempo necessário a identificar os demais integrantes da quadrilha. Em sua decisão, o juiz determinou que os autos fossem imediatamente encaminhados ao delegado local para tomar as providências de praxe. Analise estes fatos e responda, justificando todas as respostas:

a)

o juiz da Comarca de Campinas pode decretar tal medida?

b)

a interceptação telefônica judicial é cabível neste caso?

c)

considerando a urgência da medida, é possível o encaminhamento dos autos diretamente ao delegado?

d)

é possível que seja feita “de ofício” e pelo “tempo necessário ( )”?

2.

Henrique, segurança de uma boate, é acusado de ter matado Carlos, com quem havia brigado semanas antes do

crime, ocasião em que várias pessoas assistiram à luta e testemunharam quando Henrique jurou que a Carlos mataria. Henrique toma ciência de que seu primo Paulo tem uma carta na qual seu também primo Fábio, irmão de Paulo, confessa a autoria do referido crime. Eis o teor da carta:

“Querido irmão Paulo não consegui sossegar desde que descobri que Carlos tinha um caso amoroso como a minha mulher e, sem outra saída para meu sofrimento, acabei matando o desgraçado. Agora temo que me descubram e, por isso, fugi. Por favor, dê auxílio à minha filha e não diga a ninguém sobre esta carta. Talvez, quando as coisas se acalmarem, eu possa voltar pra minha casa.” Desesperado com a ameaça de ser condenado nesse processo em que é acusado de ter praticado o homicídio, Henrique invade a casa de Paulo e furta um cofre, no interior do qual se achava guardada a tal carta. Ato contínuo requer a juntada da mesma aos autos. O magistrado defere o pedido de juntada. Mais tarde, vem a conhecimento do juízo que a carta havia sido obtida mediante invasão de domicílio e furto. Pergunta-se: o juízo poderá utilizar tal prova para absolver Henrique, ou ela é considerada ilícita?

3. O Ministério Público do Estado de São Paulo denunciou Juliana de Tal pela suposta prática do crime de furto. A defesa

de Juliana alegou estado de necessidade, na hipótese de furto famélico, eis que a mesma teria agido num ato de desespero e não tinha condições de lançar mão de outro meio para saciar a fome iminente. Considerando as regras do ônus da prova no processo penal, explique de quem é o ônus da prova, inicialmente, e se há possibilidade de inversão.

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com

4.

A Polícia Civil de Jundiaí/SP investiga suposto crime de tráfico de drogas cometido por “Juninho do Pó”; foram

destacadas duas equipes para tanto: a equipe A e a equipe B. As 10:00, esta equipe logrou abordar Juninho e, como nada foi encontrado em seu poder, um dos policiais da equipe, já angustiado com a “esperteza” de Juninho, resolveu que o mesmo “falaria a força”. Para tanto, submeteu Juninho a algumas horas de tortura, que perdurou até 14:00 do mesmo dia. Exausto, Juninho cedeu e levou os policiais até o local onde escondia e droga e, por conta disso, a equipe B conseguiu apreender 60Kg de maconha prensada e, tão logo tal se deu, levou-o preso em flagrante delito à presença da autoridade policial local para as providências legais. Ocorre que, paralelamente, a equipe A havia conseguido no mesmo dia, às 13:00 mandado de busca e

apreensão judicial a ser cumprido no exato local onde Juninho, depois de torturado, havia levado os policiais. Ocorre que tal equipe, sem manter contato com a equipe B, chegou no local minutos depois de tal equipe lograr a apreensão da droga, graças, no entanto, à confissão forçada de Juninho. Analisando tais informações, responda:

a) o juiz poderá considerar a apreensão da droga como prova hábil a formar seu convencimento?

5. Num crime de furto qualificado mediante rompimento de obstáculo, não foi feito exame pericial (direto ou indireto) no

obstáculo danificado para se alcançar a res furtiva. Analise a presente questão à luz da legislação processual penal, abordando todos os enfoques da matéria.

6. Huguinho, com 15 anos de idade, foi arrolado pela defesa de Luizinho para depor a seu favor. Tal é possível? Caso

seja possível, se Huguinho falar mentiras sobre os fatos perguntados sofrerá sanção?

7. O indício serve para provar fato criminoso?

8. O médico psiquiatra de Laura, que responde pela suposta prática do crime de homicídio, foi arrolado pelo Ministério

Público para detalhar acerca de eventuais distúrbios mentais da ré? É possível que tal se dê?

9. Foi expedido mandado de busca e apreensão para a residência do Dr. Ruy, advogado militante na Comarca, por

suposto envolvimento em esquema de suborno de funcionários públicos. Ao chegar no local descrito no mandado verificou-se tratar-se do escritório de advocacia do aludido advogado. Não obstante, tal mandado foi cumprido pelos policiais que apreenderam computador, agendas e vários documentos. Analise a presente questão à luz da legislação processual penal, abordando todos os enfoques da matéria.

10.Joana voltava para casa tarde da noite, vestindo um grande casaco, apesar do dia quente, com o qual pretendia esconder o envelope que continha todo o salário do mês, conquistado com muito trabalho. Para chegar a sua casa, utilizou um atalho comumente freqüentado por usuários de droga, mas não temeu, haja vista serem moradores da sua própria rua. Joana deparou-se com um policial militar que, pessoalmente, efetuou-lhe busca pessoal. Indignada com a abordagem, vez que se julga pessoa do bem, Joana lhe questionou acerca da atitude do policial, ou seja, se encontra respaldo na lei ou se foi abusivo. Dê o seu parecer sobre o caso.

Testes objetivos:

1 A prova produzida no processo pode ser utilizada:

a) somente pelo juiz.

b) somente pela parte que produziu a prova.

c) somente pelas partes, tanto pela que produziu a prova, quanto pela parte adversária.

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com

d)

tanto pelo juiz quanto pelas partes.

2 Independem de prova:

a) os fatos notórios, os fatos que contêm uma presunção legal absoluta, os fatos impossíveis e os fatos irrelevantes.

b) somente os fatos notórios.

c) somente os fatos irrelevantes.

d) as circunstâncias objetivas e subjetivas.

3 O sistema de apreciação de provas adotado pelo Código de Processo Penal foi:

a) o da certeza moral do juiz.

b) o da livre convicção.

c) o da certeza moral do legislador.

d) o sistema religioso.

4 Assinale a alternativa CORRETA.

a) O silêncio do acusado importará confissão.

b) A confissão será indivisível e retratável.

c) A confissão será divisível e irretratável.

d) O silêncio do acusado não importará confissão.

5 Estão dispensados do dever de depor, exceto:

a) pai do acusado.

b) irmão do acusado.

c) filho adotivo do acusado.

d) padrinho do acusado.

6 Em Processo Penal é INCORRETO afirmar que:

a) os fatos incontroversos não podem ser objeto de prova, pois são aqueles admitidos pelas partes.

b) os fatos notórios independem de prova.

c) em regra, o ônus da prova caberá a quem alegar o fato.

d) o juiz poderá ordenar diligências para sanear eventuais dúvidas.

7 Analise as alternativas abaixo e escolha a resposta CORRETA.

I - Prova não plena tem uma probabilidade de procedência da alegação, sendo suficiente para medidas preliminares. II - Prova real é a que exprime o conhecimento subjetivo e pessoal de alguém, por exemplo, interrogatório, depoimentos etc. III - Prova indireta é aquela que por si demonstra o fato alegado.

a) Nenhuma alternativa está correta.

b) Apenas a alternativa I está correta.

c) Apenas a alternativa II está correta.

d) Apenas a alternativa III está correta.

8 A busca é meio de prova:

a) ilícita, pois é um constrangimento.

b) que não pode ocorrer durante o inquérito policial.

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com

c)

de natureza acautelatória, pois procura evitar o perecimento das coisas.

d) que não pode ser determinado de ofício pelo juiz.

9 Os documentos públicos são meio de prova que:

a)

possuem presunção "juris tantum".

b)

são expedidos na forma prescrita em lei.

c)

precisam ser emanados de funcionário público no exercício da função.

d)

Todas as respostas estão corretas.

10

Sobre acareação não é possível afirmar que:

a)

pode ocorrer na instrução criminal e no inquérito policial.

b)

é necessário que as pessoas acareadas não tenham prestado suas declarações.

c)

pode ocorrer entre acusados.

d)

pode ocorrer entre testemunha e acusado.

11

O exame de corpo de delito é obrigatório nos seguintes crimes:

a)

homicídio, lesões corporais e desacato.

b)

homicídio, falsificação e calúnia.

c)

homicídio, estupro e lesões corporais.

d)

homicídio, calúnia e estupro.

12

O ofendido de um delito:

a)

pode ser parte como querelado, se for caso de ação privada.

b)

pode participar do processo como assistente, se for caso de ação pública.

c)

não poderá ser objeto de prova no exame de corpo de delito.

d)

não poderá ser ouvido durante a instrução.

13

Ao ofendido será perguntado sobre a infração, circunstâncias e autoria do crime. Sobre o ofendido, escolha a

alternativa INCORRETA.

a) não tem o compromisso de dizer a verdade.

b) se der declarações falsas, pode vir a responder criminalmente.

c) se deixar de comparecer em juízo, quando intimado, não poderá ser conduzido coercitivamente à autoridade, pois não

precisa dizer a verdade.

d)

se deixar de comparecer em juízo, quando intimado, poderá responder pelo crime de desobediência.

14

Analise as alternativas e escolha a resposta CORRETA.

I - No processo comum, a acusação e a defesa podem arrolar, cada uma, até oito testemunhas.

II - No plenário do Júri, a acusação e a defesa podem arrolar, cada uma, até dez testemunhas. III - Não poderá o juiz indeferir a oitiva de testemunha tempestivamente arrolada sem a desistência da parte interessada.

a)

Todas as alternativas estão corretas.

b)

As alternativas I e II estão corretas.

c)

As alternativas II e III estão corretas.

d)

As alternativas I e III estão corretas.

15

Assinale a alternativa CORRETA.

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com

a) Na prova direta, a representação do fato a provar se faz através da construção lógica.

b) Indício é a circunstância conhecida e provada que, tendo relação com o fato, autoriza a conclusão da existência de

outra ou outras circunstâncias.

c)

Indícios não possuem o mesmo valor probatório das provas diretas.

d)

A prova indiciária não admite contra-indícios, sendo sempre suficiente para condenação.

16

Silvana confessa, perante o juiz de Direito, a prática de crime contra o patrimônio de Yolanda, o que é desmentido

pelas testemunhas do fato. Pode o Magistrado condenar Silvana apenas com base em sua confissão judicial?

a) Sim, pois a confissão, no âmbito do Processo Penal, constitui a rainha das provas, possuindo valor pleno.

b) Não, tendo em vista que a confissão, no âmbito do Processo Penal, não se reveste de valor pleno, tendo que ser

corroborada por outros elementos de prova.

c)

Não, pois considerando-se que o depoimento das testemunhas tem maior valor probante que a confissão.

d)

Sim, desde que Silvana confesse o crime espontaneamente.

17

A recusa do acusado em se manifestar quando de seu interrogatório judicial pode ser recebida pelo juiz como prova

capaz de gerar o reconhecimento do crime a ele imputado ou:

a)

o direito ao silêncio só é admitido na fase policial.

b)

o direito ao silêncio é prerrogativa constitucional e jamais poderá ser utilizado contra o réu.

c)

o juiz deve consignar as perguntas a ele destinadas, aplicando-lhe a pena de confissão tácita.

d)

o réu pode se calar diante do juiz, fato que será utilizado contra ele.

18

Assinale a alternativa CORRETA.

a)

Os peritos devem ser sempre assistidos por profissionais técnicos escolhidos pelas partes (assistentes técnicos).

b)

Não havendo peritos oficiais, o exame será realizado por duas pessoas idôneas, portadoras de diploma de curso

superior, escolhidas, de preferência, entre as que tiverem habilitação técnica relacionada à natureza do exame.

c) Os peritos oficiais devem desempenhar seus cargos sob a supervisão do Ministério Público, instituição esta que

exerce a Corregedoria Permanente.

d) A prova produzida por eles não pode ser contestada em hipótese alguma, diante do compromisso de bem e fielmente

desempenhar o encargo.

19 João, testemunha de crime contra a dignidade sexual, por ser tímido e envergonhado, traz seu depoimento por escrito

e entrega ao juiz no momento de sua oitiva. Na hipótese:

a) desde que a testemunha assine embaixo do subscrito por ela, declarando solenemente em audiência que aquilo

corresponde à verdade, é aceitável tal depoimento.

b) o depoimento deverá ser prestado oralmente, não sendo permitido à testemunha trazê-lo por escrito, não sendo

vedada a breve consulta a apontamentos.

c) o juiz somente poderá aceitar tal depoimento se notar realmente ser impossível deduzi-lo verbalmente.

d) levando-se em consideração o princípio da celeridade processual, é possível tal procedimento sempre que o juiz

autorizar.

20 Assinale a alternativa CORRETA.

a) Menor de 18 anos deve estar acompanhado de seus genitores quando de sua oitiva no processo penal.

b) Só o maior de 18 anos pode servir de testemunha.

c) O juramento de dizer a verdade não será realizado pelos menores de 14 anos e aos deficientes mentais.

d) Só poderá ser aceito o testemunho do maior de 16 anos e menor de 18 anos.

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com

Todo aprendizado demanda paciência e persistência. Não condicione as coisas da sua vida somente a uma vantagem imediata; assim, dedique-se às atividades propostas ainda que ausentes de ganho imediato (pontos) e se respeite sendo honesto consigo mesmo. Muito do que se faz na vida parece não ter seu devido valor, porque colocamos as pessoas como julgadoras de nossas ações. Mas, no final, as contas são entre você e Deus. Bom trabalho!

Unisal/ Lorena - Curso de Direito

Processo Penal - Prof. Thalita Silveira

thalitasilveira1@hotmail.com