Você está na página 1de 38
M ANEJO SANITÁRIO NA SUINOCULTURA Prof. Aline Gonçalves Cruz Disciplina: Zootecnia I

MANEJO SANITÁRIO NA SUINOCULTURA

M ANEJO SANITÁRIO NA SUINOCULTURA Prof. Aline Gonçalves Cruz Disciplina: Zootecnia I
M ANEJO SANITÁRIO NA SUINOCULTURA Prof. Aline Gonçalves Cruz Disciplina: Zootecnia I

Prof. Aline Gonçalves Cruz Disciplina: Zootecnia I

INTRODUÇÃO

Suinocultura brasileira

I NTRODUÇÃO  Suinocultura brasileira Importância no mercado internacional.  Demanda pelas agroindústrias, e
I NTRODUÇÃO  Suinocultura brasileira Importância no mercado internacional.  Demanda pelas agroindústrias, e

Importância no mercado internacional.

Demanda pelas agroindústrias, e com disponibilidade de insumos básicos para a produção, principalmente de grãos essenciais.

Segundo Batista (2002), o custo de produção brasileiro é de US$ 0,63 por kg, enquanto que nos Estados Unidos, França e Espanha o

custo sobe para US$ 0,99; 1,27; 1,18; respectivamente.

sulinfoco.com.br
sulinfoco.com.br

INTRODUÇÃO

I NTRODUÇÃO  A suinocultura é uma atividade de grande importância econômica e social, no entanto,

A suinocultura é uma atividade de grande importância econômica e social, no entanto, sua exploração é considerada pelos órgãos de fiscalização ambiental como uma atividade de grande potencial

poluidor (SOBESTIANSKY et al. 1998).

de grande potencial poluidor (SOBESTIANSKY et al. 1998).  Em criações intensivas  A adoção de

Em criações intensivas

A adoção de um programa de limpeza e desinfecção.

Nível contaminação ambiental

adrianaferraz.blogspot.com
adrianaferraz.blogspot.com

RELAÇÃO ENTRE A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E A OCORRÊNCIA DE DOENÇAS

A ocorrência de doenças numa criação de suínos depende diretamente do tipo e da concentração da flora microbiana presentes no ambiente:

Agentes microbianos patogênicos; Agentes microbianos de baixa patogenicidade ;

Agentes microbianos de saprófitas ou comensais .

microbianos de baixa patogenicidade ;  Agentes microbianos de saprófitas ou comensais . cienciahoje.uol.com.br
cienciahoje.uol.com.br
cienciahoje.uol.com.br

RELAÇÃO

ENTRE A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E A OCORRÊNCIA DE DOENÇAS

O número de microrganismos, presentes na granja, está relacionado com as seguintes variáveis:

Características dos pisos ;

Presença de ração umedecida, mofada ou poeira no piso; Presença de fezes sobre o piso;

Presença de cadáveres não enterrados;

Uso de roupas e de materiais sujos.

tribunabvb.blogspot.com
tribunabvb.blogspot.com
 Presença de cadáveres não enterrados;  Uso de roupas e de materiais sujos. tribunabvb.blogspot.com respig.pt
respig.pt
respig.pt
RELAÇÃO
RELAÇÃO

ENTRE A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL E A OCORRÊNCIA DE DOENÇAS

Em condições adequadas

Estado de equilíbrio entre os agentes patogênicos presentes no ambiente e os mecanismos

de defesa do animal.

Uma competição entre os

agentes microbianos comensais

e os agentes patogênicos .

do animal. Uma competição entre os agentes microbianos comensais e os agentes patogênicos . Equilíbrio Microbiano

Equilíbrio Microbiano

do animal. Uma competição entre os agentes microbianos comensais e os agentes patogênicos . Equilíbrio Microbiano

TIPOS DE SISTEMA DE MANEJO DAS INSTALAÇÕES

Sistema de Manejo Contínuo

Os suínos de diferentes idades são mantidos numa instalação e em geral existe a transferência de novos lotes para as baias sem que ocorra um programa de limpeza e desinfecção prévias.

o Agentes infecciosos se perpetuam nas

instalações.

o

o Agentes infecciosos se perpetuam nas instalações. o Animais mais velhos acumulam e transferem flora microbiana

Animais mais velhos acumulam e

transferem flora microbiana para os

mais novos.

se perpetuam nas instalações. o Animais mais velhos acumulam e transferem flora microbiana para os mais

TIPOS

DE SISTEMA DE MANEJO DAS INSTALAÇÕES

Sistema de Manejo Todos Dentro Todos Fora Formação de grupos de animais que são todos transferidos de uma instalação para outra, em períodos pré-estabelecidos,

e a desinfecção

Dessa

forma

pode-se

fazer

a

limpeza

completas.

pré-estabelecidos, e a desinfecção  Dessa forma pode-se fazer a limpeza completas. sanidaderural.blogspot.com

sanidaderural.blogspot.com

TIPOS

DE SISTEMA DE MANEJO DAS INSTALAÇÕES

As principais vantagens do SM TD-TF são:

Melhoria de alguns parâmetros produtivos;

Maior facilidade de manejo:

Menores gastos com aquecimento; Redução da possibilidade de infecção;

Melhoria na eficiência dos tratamentos contra endo e ectoparasitas.

 Redução da possibilidade de infecção;  Melhoria na eficiência dos tratamentos contra endo e ectoparasitas.

PROGRAMA DE LIMPEZA E

DESINFECÇÃO DAS INSTALAÇÕES

Entende-se por programa de limpeza e desinfecção um conjunto de atividades que visem eliminar das instalações todos os microrganismos capazes de causar doenças.

todos os microrganismos capazes de causar doenças.  Deixaram de ser utilizadas apenas após o surgimento
todos os microrganismos capazes de causar doenças.  Deixaram de ser utilizadas apenas após o surgimento

Deixaram de ser utilizadas apenas após o surgimento de doenças contagiosas;

apenas após o surgimento de doenças contagiosas;  Medida preventiva.  Um PLD deve fazer parte

Medida preventiva.

Um PLD deve fazer parte do planejamento da granja

Programa

de Limpeza e Desinfecção das Instalações

Um programa de limpeza e desinfecção é composto por dois processos distintos.

 Um programa de limpeza e desinfecção é composto por dois processos distintos. L i m

Limpeza

 Um programa de limpeza e desinfecção é composto por dois processos distintos. L i m

Desinfecção

 Um programa de limpeza e desinfecção é composto por dois processos distintos. L i m
 A limpeza instalações. consiste L IMPEZA na remoção dos detritos acumulados nas  Reduzir

A

limpeza

instalações.

consiste

LIMPEZA

na

remoção

dos

detritos

acumulados

nas

Reduzir a carga de contaminação microbiana e minimizar o contato dos animais com excesso de matéria orgânica,

aumenta o risco da veiculação de agentes patogênicos aos animais

iniciar pela limpeza seca

retirada de cama,

restos de ração, do esterco,

sujeira impregnada no piso e paredes e nas baias.

seca  retirada de cama,  restos de ração, do esterco,  sujeira impregnada no piso
L IMPEZA  Detergentes  substâncias que tem ação umedecedora e surfactante que quando adicionados

LIMPEZA

Detergentes

substâncias que tem ação umedecedora e surfactante que quando adicionados à água reduzem a tensão superficial aumentando capacidade de penetração da água e o poder de remoção da

sujeira aderida .

As qualidades de um bom detergente são:

aderida .  As qualidades de um bom detergente são:  Capacidade para dissolver sujeiras; 

Capacidade para dissolver sujeiras;

Capacidade para manter a sujeira em solução;

Estabilidade térmica;

Não ser corrosivo;

Ter boa solubilidade na concentração de até 10%;

Ser econômico

DESINFECÇÃO

Eliminação de microorganismos indesejáveis de materiais inanimados dos limpos, através de processos químicos ou físicos, que atuem sobre a espessura ou o metabolismo desses microorganismos, independente de seu estado

funcional.

Pode ser classificada em preventiva e de emergência.

Quando o agente não for reconhecido imediatamente, deve-se utilizar substâncias desinfetantes com maior atividade sobre os vírus e bactérias de ocorrência mais comuns em granjas de

suínos.

desinfetantes com maior atividade sobre os vírus e bactérias de ocorrência mais comuns em granjas de

LIMPEZA DIARIA DE INSTALAÇÕES OCUPADAS COM ANIMAIS

o Uma limpeza diária e completa é necessária para manter boa higiene e reduzir a probabilidade da ocorrência de infecções gastrointestinais, da pele e de verminoses, entre

outras.

higiene e reduzir a probabilidade da ocorrência de infecções gastrointestinais, da pele e de verminoses, entre

CELA PARIDEIRA

Iniciar a limpeza retirando as fezes e a parte úmida da cama dos leitões.

O desinfetante:

-

- toxicidade. Não irritante. -

toxicidade.

Não irritante.

Não irritante.

-

as fezes e a parte úmida da cama dos leitões.  O desinfetante: - toxicidade. Não

LIMPEZA E DESINFECÇÃO APÓS A SAÍDA DOS ANIMAIS

 LIMPEZA E DESINFECÇÃO APÓS A SAÍDA DOS ANIMAIS

LIMPEZA SECA E DESMONTAGEM DOS EQUIPAMENTOS

Após saída dos animais das instalações, retirar os equipamentos desmontáveis.

E DESMONTAGEM DOS EQUIPAMENTOS  Após saída dos animais das instalações, retirar os equipamentos desmontáveis.
E DESMONTAGEM DOS EQUIPAMENTOS  Após saída dos animais das instalações, retirar os equipamentos desmontáveis.

LIMPEZA SECA E DESMONTAGEM DOS

EQUIPAMENTOS

Retirar todo o esterco solto nas instalações, incluindo o que estiver incrustado no piso.

nas instalações, incluindo o que estiver incrustado no piso.  Retirar e queimar materiais remanescentes nas
nas instalações, incluindo o que estiver incrustado no piso.  Retirar e queimar materiais remanescentes nas

Retirar e queimar materiais remanescentes nas salas.

nas instalações, incluindo o que estiver incrustado no piso.  Retirar e queimar materiais remanescentes nas
nas instalações, incluindo o que estiver incrustado no piso.  Retirar e queimar materiais remanescentes nas

LAVAGEM DA INSTALAÇÃO

Deve ser executada até, no máximo, um dia após a retirada dos animais.

Molhar todas as superfícies internas, adicionando um

detergente à água, assegura-se um máximo de impregnação e

limpeza.

todas as superfícies internas, adicionando um detergente à água, assegura-se um máximo de impregnação e limpeza.
todas as superfícies internas, adicionando um detergente à água, assegura-se um máximo de impregnação e limpeza.

LAVAGEM

DA INSTALAÇÃO

Após esse período, passar a vassoura e lavar com água;

Trabalhar de uma extremidade de instalação até a outra.

Após esse período, passar a vassoura e lavar com água;  Trabalhar de uma extremidade de

LIMPEZA DO EQUIPAMENTO MÓVEL

LIMPEZA DO EQUIPAMENTO MÓVEL  Molhar ou colocar o equipamento num tanque com água, detergente e

Molhar ou colocar o equipamento num tanque com água, detergente e desinfetante;

Escovar e lavar com água sob pressão, para retirar o restante da

sujeira residual;

Guardar o equipamento num lugar limpo.

e lavar com água sob pressão, para retirar o restante da sujeira residual;  Guardar o
e lavar com água sob pressão, para retirar o restante da sujeira residual;  Guardar o

DESINFECÇÃO DAS PARTES INFERIORES DAS PAREDES, PISOS E EQUIPAMENTOS

Impregnar completamente as regiões inferiores das paredes, o piso e o equipamento em geral com a solução de detergente .

Desinfetar a área de acesso à instalação. Manter a sala tratada fechada por 24 h.

a solução de detergente .  Desinfetar a área de acesso à instalação. Manter a sala

DESINFECÇÃO DO TETO E DAS PAREDES

A presença de organismos patogênicos no teto e nas partes superiores das paredes representa uma importante fonte de infecção para os animais que serão introduzidos nas instalações.

das paredes representa uma importante fonte de infecção para os animais que serão introduzidos nas instalações.
COMENTÁRIOS SOBRE A LIMPEZA E DESINFECÇAO DE SETORES ESPECÍFICOS

COMENTÁRIOS SOBRE A LIMPEZA E

DESINFECÇAO DE SETORES ESPECÍFICOS

COMENTÁRIOS SOBRE A LIMPEZA E DESINFECÇAO DE SETORES ESPECÍFICOS
COMENTÁRIOS SOBRE A LIMPEZA E DESINFECÇAO DE SETORES ESPECÍFICOS

SETOR DE REPRODUÇÃO

O setor de reprodução é praticamente o único local que jamais passa por um vazio sanitário;

Portanto, deve ser tomado o máximo de preocupações para evitar uma contaminação externa e/ou interna da esfera

genital tanto da fêmea como do cachaço.

de preocupações para evitar uma contaminação externa e/ou interna da esfera genital tanto da fêmea como
de preocupações para evitar uma contaminação externa e/ou interna da esfera genital tanto da fêmea como

BAIA DOS CACHAÇOS

As baias devem ser limpas diariamente;

Uma vez por mês as baias devem ser lavadas e desinfetadas. Nessa ocasião deve-se dar um banho nos cachaços com água

morna e sabão e, dependendo da recomendação, pode-se

realizar a lavagem prepucial.

dar um banho nos cachaços com água morna e sabão e, dependendo da recomendação, pode-se realizar

SETOR DE COBERTURA/MONTA

Lavagem da baia com água sob pressão mais detergente para uma retirada completa de toda matéria orgânica;

Desinfecção da baia, após essa ter secado.

mais detergente para uma retirada completa de toda matéria orgânica;  Desinfecção da baia, após essa
mais detergente para uma retirada completa de toda matéria orgânica;  Desinfecção da baia, após essa

FÊMEAS RECEM- COBERTAS E SETOR DE GESTAÇÃO

Uma limpeza e desinfecção completa devem ser realizadas após a transferência de cada lote de fêmeas ou para o setor de gestação ou de gestantes para a maternidade.

após a transferência de cada lote de fêmeas ou para o setor de gestação ou de

LIMPEZA DA CRECHE

Durante o seu período de ocupação, os corredores e a área abaixo das gaiolas de creches devem ser limpos com água sob pressão duas ou três vezes por semana.

Retirada dos leitões toda a da sala e equipamentos, são lavados com água sob pressão e todo o ambiente é desinfetado.

Seguida do vazio sanitário,Mínimo 72hrs.

são lavados com água sob pressão e todo o ambiente é desinfetado.  Seguida do vazio

LIMPEZA DA TERMINAÇÃO

Uma ou duas vezes por semana, os corredores são lavados. As baias são varridas diariamente com auxílio de rodo metálico e de vassoura .

Após a saída do Lote de suínos a instalações e toda lavada e desinfetada.

de rodo metálico e de vassoura .  Após a saída do Lote de suínos a

VAZIO SANITÁRIO

VAZIO SANITÁRIO  Atualmente considera-se como vazio sanitário o período em que a instalação permanece vazia

Atualmente considera-se como vazio sanitário o período em que a instalação permanece vazia após ser realizada a limpeza seguida de desinfecção.

O período de vazio sanitário;

- Uma sala de maternidade ou creche => Min 5 dias

- Crescimento e terminação => 10dias.

- População total de granjas varia de 30 a 120 dias

=> Min 5 dias - Crescimento e terminação => 10dias. - População total de granjas varia

VASSOURA-DE-FOGO OU LANÇA-CHAMAS

A vassoura-de-fogo é utilizada,principalmente, contra bactérias e parasitas formadores de esporos;

OU LANÇA-CHAMAS  A vassoura-de-fogo é utilizada,principalmente, contra bactérias e parasitas formadores de esporos;

VASSOURA-DE-FOGO

OU LANÇA-CHAMAS

A vassoura-de-fogo somente deverá ser utilizada em instalações secas, após terem sido completamente lavadas com água sob pressão e detergente.

deverá ser utilizada em instalações secas, após terem sido completamente lavadas com água sob pressão e

PROGRAMA DE VACINAÇÃO

Um programa básico de vacinação inclui as vacinas contra:

Pneumonia por micoplasma; 1° dose -7 dias e 28 dias reforço. Rinite atrófica; 1° dose 7 dias e 28 dias reforço; - marras: 6 e3 sem.pre-parto

- matrizes:4 e2 sem. Pre- parto

- cachaços: semestral

- matrizes:4 e2 sem. Pre- parto - cachaços: semestral  Parvovirose; marras 6 e3 semanas pré

Parvovirose; marras 6 e3 semanas pré cobertura; -

- matrizes 4 e2 semanas pre cobertura;

- cachaços: semestral.

Parvovirose; marras 6 e3 semanas pré – cobertura; - - matrizes 4 e2 semanas pre cobertura;

PROGRAMA

DE VACINAÇÃO

Colibacilose: marrãs; 6 e3 semanas Pré- parto; -matrizes: 4 e2 semanas Pré-parto.

Parvovirose e leptospirose: 1° dose no desmame reforço após o 3 semanas.

- Marrãs; 6 e3 sem. Pré- cobertura.

- Matrizes; 4 e2 sem. Pré-copertura.

- Cachaços; semestral.

após o 3 semanas. - Marrãs; 6 e3 sem. Pré- cobertura. - Matrizes; 4 e2 sem.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

É de fundamental importância a adoção de uma correta e eficaz metodologia de manejo sanitário, uma vez o aparecimento de patologias dentro de uma granja pode representar altos prejuízos para o suinocultor, além de ser capaz de dizimar todo o plantel.

dentro de uma granja pode representar altos prejuízos para o suinocultor, além de ser capaz de

Obrigada!

Obrigada!