Você está na página 1de 5

1

10

Duração do teste: 90 minutos

Teste de Avaliação
Português, 10.º ano
Unidade 1- Poesia trovadoresca

Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta.


Não é permitida a consulta de dicionário.
Não é permitido o uso de corretor. Deves riscar aquilo que pretendes que não seja classificado.
Apresenta as tuas respostas de forma legível.
Ao responderes, diferencia corretamente as maiúsculas das minúsculas.
Apresenta apenas uma resposta para cada item.
As cotações dos grupos encontram-se ao lado dos mesmos.

GRUPO I (100 pontos)

A. Lê o seguinte poema e consulta as notas apresentadas.

2
A dona que eu am’ e tenho por senhor
amostrade-me-a, Deus, se vos en prazer for,
se non dade-me a morte.

A que tenh’ eu por lume1 d’estes olhos meus


e por que choram sempre, amostrade-me-a, Deus,
se non dade-me a morte.

Essa que Vós fezestes melhor parecer2


de quantas sei, ai Deus, fazede-me-aveer,
se non dade-me a morte.

Ai Deus que me-a fezeste mais ca min amar3,


mostrade-me-a u possa com ela falar,
se non dade-me a morte.
Bernardo Bonaval, in Alexandre Pinheiro Torres,
Antologia da Poesia Trovadoresca Galego-Portuguesa, Porto: Lello & Irmão, 1977, p. 96.

GLOSSÁRIO: 1 2 3
luz. rosto. Ai Deus que fizeste com que eu a amasse mais do que a mim próprio.

1. Indica o assunto desta composição poética.


2.Caracteriza a «dona», apoiando-te em expressões do texto.
3. Identifica dois recursos expressivos e explica a sua expressividade.
4. Em que género da poesia trovadoresca incluis esta cantiga? Justifica com expressões textuais.
5. Faz o esquema rimático desta cantiga trovadoresca. Comenta o valor expressivo do refrão.

GRUPO II (60 pontos)

Lê o texto seguinte.

O Poeta D. Dinis
O que me proponho é lembrar o rei D. Dinis como o grande representante português de uma
riquíssima produção lírica que reuniu personalidades poéticas de diversos quadrantes e distintas
origens sociais na Península Ibérica, ao longo de um século e meio da nossa Idade Média. E é a
homenagem modesta, mas sentida, de quem há mais de duas décadas procura sensibilizar jovens
5 estudantes para a beleza das cantigas dos trovadores e, no início de cada ano, continua a constatar que,
interrogados sobre nomes dos poetas medievais que escreveram cantigas em galego-português,
respondem apenas, invariavelmente, D. Dinis. As gerações mais novas, alunos do Ensino Secundário e
universitários, não deixam pois de reconhecer e evocar o seu nome, associado à cantiga sobre as flores
de verde pinho. A posição consolidada que o rei ocupa no cânone escolar e na história literária ainda
10 continua a dar os seus frutos.
D. Dinis foi um poeta cuja atividade se situou, como sabemos todos, entre 1279 e 1325. […]
O corpus reparte-se pelos três géneros poéticos canónicos definidos na Arte do Trovar: cantigas de
amor, cantigas de amigo e cantigas de escárnio e maldizer. […] As suas cantigas apresentam ora um
tecido retórico e esquemas verbais próprios do registo culto, ora uma elaboração que as aproxima da
15 poesia popular, nomeadamente o uso do refrão e das múltiplas variantes do esquema paralelístico.
É o trovador com o maior número de composições poéticas conservadas e transmitidas até aos
nossos tempos […], não sendo alheios a esse facto seguramente a sua condição social, mas também o
prestígio e a qualidade das suas cantigas. […]

A sua apetência pela cultura, e pelas Letras tinha […] um sentido coletivo, porque D. Dinis não era
3
20 apenas um aristocrata letrado, era rei, e essa condição régia determina que ele encare a transmissão do
conhecimento e da cultura entre os seus súbditos como uma missão de relevo. […] Cremos […] que a
apreciação do valor artístico da poesia do nosso rei deverá ser complementada com uma avaliação
mais integrada dos seus projetos culturais. Destes fazem parte a instauração de estudos superiores no
reino, a proteção da língua portuguesa, a renovação da tradição poética trovadoresca e a preservação
25 da memória histórica. […]
In http://dspace.uevora.pt, comunicação de Elisa Nunes Esteves, «Congresso Internacional Dom Dinis.750 anos do seu
nascimento», Sociedade de Geografia de Lisboa, de 6 a 9 de outubro de 2011
(consultado em 26/12 /2014, texto adaptado)

1. Para responder a cada um dos itens de 1.1 a 1.7, seleciona a única opção que te permite
obter uma afirmação correta.

1.1 Este texto demonstra que


(A) D. Dinis não é lembrado atualmente pelos jovens.
(B) D. Dinis é lembrado só pelos alunos universitários.
(C) D. Dinis é reconhecido e evocado pelos alunos do secundário e universitários.
(D) D. Dinis nunca foi lembrado pelo povo.

1.2 O texto põe em evidência


(A) a modéstia do rei D. Dinis.
(B) o seu desinteresse pela cultura.
(C) a relevância de D. Dinis como trovador
(D) o trabalho de D. Dinis como rei.

1.3 O rei D. Dinis é retratado como um


(A) rei pouco sensível pelas artes.
(B) rei que não escreveu cantigas em galego-português.
(C) rei que gostava de escrever cantigas líricas só com registo culto.
(D) protetor da língua portuguesa e fundação dos estudos superiores no reino.

1.4 A forma verbal «respondem» (l. 7) encontra-se no


(A) presente do conjuntivo.
(B) infinitivo pessoal.
(C) pretérito imperfeito do conjuntivo.
(D) presente do indicativo.

1.5 O determinante relativo sublinhado em «D. Dinis foi um poeta cuja atividade se situou» (l.
11) tem como antecedente
(A) «um poeta».
(B) «D. Dinis».
(C) «atividade».
(D) «foi um poeta».

1.6 O constituinte «pelos três géneros poéticos canónicos» (l. 12) desempenha a função
sintática de
(A) complemento direto.
(B) complemento oblíquo.
(C) complemento indireto.
4
(D) predicativo do sujeito.

1.7 A palavra maldizer (l. 13) quanto ao processo de formação é


(A) palavra derivada por prefixação.
(B) parassíntese.
(C) composição: palavra + palavra (morfossintática).
(D) composição: radical + radical (morfológica).

1.8 Na evolução de "mostrar" para "amostrar", ocorreu uma


(A) prótese.
(B) aférese.
(C) apócope.
(D) síncope.

1.9.Reescreve as frases seguintes no tempo indicado entre parêntesis.


a) Eles fazem-no frequentemente. (futuro do indicativo)
b) Um habitante desta rua deu-o. (condicional)

1.10. Classifica a oração sublinhada: “A sua apetência pela cultura, e pelas Letras tinha […] um
sentido coletivo, porque D. Dinis não era apenas um aristocrata letrado…” (ll. 19-20).

GRUPO III (40 pontos)

Redije um texto expositivo, entre 120 a 150 palavras, numa linguagem clara, objetiva e precisa, onde
apresentes as principais diferenças entre as relações amorosas retratradas na poesia trovadoresca e
as vividas pelos jovens na atualidade.
Para isso, começa por completar o seguinte plano de texto, elaborando os tópicos relativos a cada
uma das partes.
· Introdução: as relações amorosas na Idade Média e no século XXI;
· Desenvolvimento: parágrafo 1 - …
parágrafo 2 - …
parágrafo 3 - …
· Conclusão: fecho do texto, sintetizando os principais aspetos referidos nos parágrafos anteriores

FIM