Você está na página 1de 13

A utilização de metáforas como recurso

terapêutico
Por
Renata Silva Pinheiro
10 fev. 2012
8

Compartilhar

Twittar

A metáfora é uma figura de linguagem muito usada no nosso dia-a-dia. Com


ela podemos nos comunicar ou expressar algo, comparando uma coisa à outra.
Se é tão frequente no dia-a-dia, não podia fazer-se ausente no contexto clínico.
Clientes e terapeutas levam a linguagem metafórica para dentro do consultório,
utilizando-a para diversos fins, que vão além da simples comunicação. Neste
capítulo, será abordada a utilização da metáfora na clínica, especificamente,
como uma ferramenta que auxilia para os alcance dos objetivos terapêuticos.

Na literatura analítico-comportamental, é escassa a referência à utilização de


metáforas como ferramenta terapêutica. Sua aplicação é mais relatada na
clínica infantil (Gadelha & Menezes, 2004; Haber & Carmo, 2007), e na
modalidade de intervenção conhecida como Terapia de Aceitação e
Compromisso (Mairal, 2007; Saban, 2011).

Skinner discutiu sobre metáfora em seu livro Comportamento Verbal, referindo-


se às extensões do tato[1]. Ele explica que uma pessoa pode responder a um
estímulo com base em certas propriedades comuns a outros estímulos
(Skinner, 1978). Como exemplo, ele dá a nomeação de “asas” de avião,
controlada por uma sutil propriedade geométrica e funcional comum às asas de
pássaros. Dessa forma, a utilização de metáforas seria a descrição ou inserção
das palavras em um novo contexto, semelhante por algum aspecto ao contexto
de uso habitual de tais palavras (Pergher & Dias, 2009).

A metáfora também é referenciada por Skinner como uma das formas pela qual
as pessoas aprendem a descrever eventos privados. Segundo Skinner (1945,
apud Pergher & Dias, 2009), estímulos públicos e estímulos privados podem
compartilhar propriedades semelhantes. Assim, respostas verbais emitidas
diante de estímulos públicos podem ser emitidas na presença de estímulos
privados que guardem propriedades semelhantes (Pergher & Dias, 2009).

Um dos motivos que Skinner relaciona à utilização de metáforas é quando uma


outra resposta não está disponível:

Numa situação nova, na qual nenhum termo genérico pode ser ampliado, o
único comportamento eficaz pode ser metafórico. Temos, assim, que não
precisamos querer para criar metáforas. Basta ocorrer a ausência de uma
resposta verbal para descrever uma situação inédita e que as respostas
verbais que aprendemos em outros contextos sejam usadas em contextos
inéditos, que guardam propriedades semelhantes à situação original (Skinner,
1978).
Mesmo quando um tato não-ampliado se mostra disponível, a metáfora pode
ter uma vantagem específica. Ela pode ser mais familiar e pode afetar o ouvinte
de outras maneiras, particularmente despertando respostas emocionais
(Skinner, 1978). Por esse motivo, Hüber (1999, apud Pergher & Colombini,
2010) consideram a metáfora como comportamento verbal mais efetivo, por
afetar o ouvinte de forma especial, e levar ao surgimento de respostas
emocionais.

Agora que ficou definido o conceito e algumas características das metáforas,


passaremos para a sua utilização em contexto clínico. Na clínica infantil,
Gadelha e Menezes (2004) escrevem sobre a utilização de estratégias lúdicas
para o processo terapêutico, como metáforas, histórias, desenhos, bonecos,
jogos de fantasias, interpretação e imaginação e outras atividades que, em

geral, guardam um caráter metafórico.


Além de serem consideradas reforçadoras, o que contribui significativamente
para o sucesso da relação terapêutica e a adesão ao tratamento, teriam uma
série de outros benefícios, citados a seguir (Gadelha & Menezes, 2004):-
Contribuir para que a criança fale de si e de suas relações com pessoas dos
ambientes em que está inserida;

– Contribuir para evocar comportamentos e sentimentos relevantes;

– Coletar informações que ajudem a identificar as variáveis de que seu


comportamento é função;

– Identificar os conceitos e regras que governam seu comportamento;

– Aprender a analisar os seus comportamentos por meio da análise funcional;

– Modelar descrições apropriadas de sentimentos e respostas adequadas a


situações extraterapêuticas similares;

– Treinar a solução de problemas cotidianos, desenvolver habilidades,


trabalhar a autoconfiança, etc.

Dessa forma, essas atividades servem como recurso para avaliação e


intervenção na clínica infantil, conforme Haber e Carmo (2007), pois o
psicólogo pode planejar a intervenção com base nas informações colhidas, e
intervir durante as atividades, levando a criança a discriminar os determinantes
de seus comportamentos problemas e as possíveis alternativas, e também a
pensar objetivos terapêuticos e estratégias de reforçamento compatíveis com
cada idade.

Além da clínica com crianças, a utilização da linguagem metafórica vem sendo


cada vez mais difundida na intervenção com adultos, em especial com ao
avanço e difusão dos conhecimentos sobre a Terapia de Aceitação e
Compromisso. Sua inserção pode ocorrer tanto por iniciativa tanto do cliente
quanto do terapeuta.
A utilização de extensões metafóricas de tato pelo cliente pode ocorrer por
vários motivos. Como já citado, uma das variáveis controladoras desse
comportamento pode ser a ausência de resposta disponível para se referir a
determinado estímulo. A utilização da linguagem metafórica também permite
expressar, de maneira mais sintética, o controle que determinado evento
exerce sobre o comportamento do cliente, sem que seja necessário longas
descrições (Medeiros, 2002).

Além disso, recorrer à metáfora facilitaria, para o terapeuta, a inferência sobre


pensamentos e sentimentos do cliente em relação a determinadas
contingências (Haber & Carmo, 2007). Por ser mediada por emoções, as
metáforas fornecem respostas mais diretas sobre os sentimentos do que os
dados de uma entrevista (Hübner, 1999 apud Haber & Carmo, 2007). A partir
de relatos como “Me sinto um barco à deriva”, é possível identificar sentimentos
de indecisão, confusão, e a partir disso coletar informações iniciais.

Outra variável que Medeiros (2002) coloca é a possibilidade de que


comportamentos que não possam ser descritos por tatos puros, por conta dos
efeitos da punição, sejam relatados por metáfora. O cliente poderia se esquivar
de descrever comportamentos que tem uma história de punição, seja para
evitar um possível julgamento ou punição do terapeuta, seja para evitar os
respondentes emocionais que o comportamento de lembrar e de relatar podem
eliciar.

Da mesma maneira, o terapeuta pode intervir na própria metáfora emitida pelo


cliente, exercendo um caráter muito menos aversivo que se atuasse nos tatos
puros (Medeiros, 2002). Para isso, é fundamental que o terapeuta investigue as
variáveis controladoras das extensões metafóricas de tatos, e que modele a
expressão direta de sentimentos e pensamentos, diminuindo a frequência
desses comportamentos, que podem ser, na maioria das vezes, um
comportamento padrão de esquiva.

E quando o terapeuta for introduzir a metáfora no processo terapêutico?


Quando fazer, como e para quê?
Para a autora deste ensaio, a metáfora pode [e deve]ser utilizada na terapia
toda vez que o terapeuta desejar provocar uma mudança de perspectiva no
cliente, fazendo-o ficar sob controle de estímulos os quais anteriormente não
havia estabelecido nenhuma relação. O estabelecimento de novas relações e a
discriminação de novos estímulos pode acarretar em uma mudança de
comportamento no contexto trabalhado, e até permitir a generalização a outros
contextos, objetivo final do processo.

Dessa forma, existe uma série de benefícios na utilização de metáforas como


recurso terapêutico, muitos como os citados na clínica infantil. Um benefício
fundamental é o de evocar comportamentos e sentimentos relevantes ao
tratamento, os chamados CRB’s[2]. Outros incluem a contribuição para a
descrição de eventos para análise funcional, o treinamento de discriminações,
o estabelecimento de novas relações condicionadas, e a identificação de
formas alternativas de modificar as contingências.

Para que esse recurso tenha a eficácia desejada, as metáforas utilizadas


devem ter o máximo de relação com a história do cliente. É este quem deve
fornecer os significados, identificando semelhanças e estabelecendo relações
entre a metáfora e sua vida. O terapeuta pode questionar, tanto para instigar o
estabelecimento dessa relação, quanto para esclarecer pontos obscuros ou

omissões, além de incoerências no relato.


As metáforas também podem ser bem utilizadas nas chamadas mensagens de
motivação[3]. Segundo Costa (2011), sua utilização é fundamental
especialmente nas etapas de devolução e intervenção, para “preparar” o
cliente para as dificuldades que decorrem do processo terapêutico. Ela
exemplifica com a metáfora do “quebra-cabeça gigante”:

Passar por esse processo [terapia]é como montar um quebra-cabeça gigante.


Existirão momentos em que você vai encaixar as peças no lugar errado, vai
precisar retirá-las e colocar outras no lugar. E isso faz parte do processo.

Observa-se que essa metáfora funciona como Operação Motivadora[4],


diminuindo o valor aversivo de “erro”. É possível que esse seja mais um dos
benefícios da utilização de metáforas. Para Hübner (1999, apud Haber &
Carmo, 2007), a extensão metafórica é um operante verbal “carregado de
emoção”. Em virtude desta característica, a metáfora é o comportamento verbal
capaz de “tocar” o ouvinte de forma especial, levando ao surgimento de
respostas emocionais.Para que esses benefícios sejam bem estabelecidos, as
metáforas devem ser utilizadas com o máximo de consciência possível. Ela
deve ser bem elaborada ou escolhida com objetivos claros. Também é
importante que o terapeuta planeje a intervenção de forma que ocorra a
generalização dos comportamentos desejáveis para o maior número de
ambientes, e que estas modificações se mantenham a longo prazo e sem
efeitos colaterais (Haber & Carmo, 2007).

Uma modalidade de terapia em que a utilização de metáforas ocorre de forma


organizada, planejada e sistemática é a Terapia de Aceitação e Compromisso
(ACT)[5]. Nela, a metáfora é muito valorizada, tornando-se primordial para o
alcance dos objetivos terapêuticos. De acordo com Saban (2011), a ACT se
propõe a reduzir as formas danosas de controle verbal. Para isso, a prática
clínica é permeada por uma linguagem pouco literal, para quebrar o domínio do
comportamento verbal, afastando-o das racionalizações, e fazer da experiência
o foco.

Hayes (1987, apud Mairal, 2007), fundador da ACT, levanta a hipótese de que
regras, dependendo do contexto, poderiam gerar padrões de respostas que
impediriam a pessoa de entrar em contato com as contingências em vigor
respondendo de forma pouca efetiva. A partir desse pressuposto, a metáfora
seria introduzida por não apresentar uma regra específica e nem possuir uma
lógica racional:

A LINGUAGEM METAFÓRICA É ÚTIL


À ACT POR VÁRIAS RAZÕES:
PRIMEIRO, PORQUE NÃO É
ESPECÍFICO E NEM PRESCREVE
NADA CONCRETO, PORTANTO NÃO
DEIXA CLARA “UMA REGRA A
CUMPRIR”, SEGUNDO, AS
METÁFORAS SÃO MAIS COMO
PINTURAS E NÃO TANTO COMO
DISCURSOS VERBAIS LÓGICOS E
LINEARES, E TERCEIRO, SÃO
FACILMENTE LEMBRADAS E PODEM
SER APLICADAS EM MUITOS
CONTEXTOS (MAIRAL, 2007).
As metáforas na ACT fazem parte de todo o processo terapêutico, e são
selecionadas de acordo com os objetivos de cada etapa. Hayes, em seu
manual de tratamento[6], estabelece as principais etapas da terapia e as
metáforas mais eficazes de se utilizar[7]. Abaixo segue uma metáfora proposta
para a primeira etapa, a desesperança criativa, cujo objetivo é fazer o cliente
perceber que o que vêm tentando fazer (controlar/se esquivar dos eventos
privados) não funciona em longo prazo.

RUÍDO DO MICROFONE
VOCÊ SABE AQUELE SOM HORRÍVEL
QUE OS MICROFONES ÀS VEZES
FAZEM? ISSO ACONTECE QUANDO
O MICROFONE ESTÁ POSICIONADO
MUITO PERTO DO FALANTE. ENTÃO,
QUANDO A PESSOA NO PALCO FAZ
APENAS UM SONZINHO, ELE VAI
PARA O MICROFONE; O SOM VEM
DO AMPLIFICADOR DO FALANTE E
VOLTA PARA O MICROFONE, UM
POUCO MAIS ALTO DO QUE DA
PRIMEIRA VEZ, E COM A
VELOCIDADE DO SOM E DA
ELETRICIDADE ELE SE TORNA CADA
VEZ MAIS ALTO ATÉ QUE EM UM
SEGUNDO ELE FICA
INSUPORTAVELMENTE ALTO. A SUA
LUTA COM OS SEUS PENSAMENTOS
E SENTIMENTOS É PARECIDA COM
ESTE RUÍDO. ENTÃO O QUE VOCÊ
FAZ? VOCÊ FAZ O QUE QUALQUER
UM DE NÓS FARIA. VOCÊ TENTA
VIVER A SUA VIDA (FALE
SUSSURRANDO) BEM QUIETO,
SEMPRE SUSSURRANDO, ANDANDO
NAS PONTAS DOS PÉS PELO PALCO,
ESPERANDO QUE SE VOCÊ FOR
MUITO, MAS MUITO QUIETO MESMO
NÃO HAVERÁ O RUÍDO. (FALANDO
NORMALMENTE) VOCÊ MANTÉM O
VOLUME BAIXO DE INÚMERAS
FORMAS: DROGAS, ÁLCOOL,
EVITANDO, SE AFASTANDO, E ASSIM
POR DIANTE [USE ITENS QUE SE
ENCAIXAM NA SITUAÇÃO DO
CLIENTE]. O PROBLEMA É QUE ESTÁ
É UMA HORRÍVEL FORMA DE SE
VIVER, SEMPRE NAS PONTAS DOS
PÉS. VOCÊ NÃO PODE DE FATO
VIVER SEM FAZER BARULHO. MAS
NOTE QUE NESTA METÁFORA, O
PROBLEMA NÃO É A QUANTIDADE
DE BARULHO QUE VOCÊ FAZ. O
PROBLEMA É O AMPLIFICADOR.
NOSSO TRABALHO AQUI NÃO É
AJUDA-LO A VIVER A SUA VIDA
QUIETO, LIVRE DE TODO O
DESCONFORTO EMOCIONAL E DOS
PENSAMENTOS PERTURBADORES.
NOSSO TRABALHO É ACHAR O
AMPLIFICADOR E TIRÁ-LO DE
CIRCUITO (HAYES, STROSAHL E
WILSON, 1999 APUD SABAN, 2011).

Observa-se que, no decorrer da metáfora, o autor fornece instruções para a


utilização – como se expressar, que elementos usar, etc. Também já
estabelece a relação entre a metáfora e a vida do cliente: A sua luta com os
seus pensamentos e sentimentos é parecida com este ruído. Outra
característica importante da terapia, e que se evidencia na metáfora, é a
promoção da aceitação de pensamentos e sentimentos aversivos. Apresentar
para o cliente a ideia de que ele vem agindo de maneira ineficaz facilmente
produziria sentimento de culpa, o que iria de encontro ao objetivo terapêutico,
mas esta possibilidade é amenizada pelo trecho: “Você faz o que qualquer um
de nós faria”.

Com este exemplo, fica evidente o leque de possibilidades que a utilização de


metáforas, como recurso terapêutico, pode promover. No entanto, como toda
técnica, esta também possui limitações. Para que seu uso não gere prejuízos,
ao invés de benefícios, a recomendação principal é coletar o máximo de
informações a respeito do cliente antes de sua utilização. Quem estou
atendendo? Qual idade? Qual o grau de escolaridade? O contexto familiar
promoveu a habilidade de tatear? Possui problemas de desenvolvimento ou
aprendizagem?, dentre outros.

Um exemplo é a impossibilidade de se aplicar uma metáfora da complexidade


da descrita acima a uma criança. Quanto menor a idade, mais simples as
metáforas, e em geral acompanhadas de recursos lúdicos, como bonecos e
brinquedos. Outra variável importante a ser considerada consiste na dificuldade
que crianças com Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) e Transtorno
do Espectro Autista têm com a utilização de metáforas (Leon, Siqueira, Parente
& Bosa, 2007).
Deve-se ter cuidado também na utilização da linguagem metafórica com
pessoas com algum tipo de diagnóstico psiquiátrico. Zamignani, Kovac e
Vermes (2007), por exemplo, ao discutir sobre Acompanhamento Terapêutico,
colocam a complexidade em trabalhar com essas pessoas restritas ao
consultório pela dificuldade que possuem de generalização dos conteúdos
aprendidos verbalmente nas sessões de terapia. Disto pode decorrer também
dificuldade na compreensão e aplicação de metáforas e na sua possível
generalização. Entretanto, essa relação ainda não é estabelecida na literatura,
e essa dificuldade pode estar mais relacionada à história de vida do cliente do
que propriamente ao “transtorno psiquiátrico”.

Considera-se também que o uso de uma linguagem metafórica deve ser mais
cuidadoso em pessoas com baixo nível de escolaridade. Pergher e Dias (2009)
sugerem que a dificuldade em elaborar tatos metafóricos decorra da história de
vida em ambientes sem estimulação de descrições de estímulos ambientais
(externos e internos), muito menos estabelecimento de relações entre
propriedades desses estímulos, o que ocasionaria um baixo repertório
descritivo e de auto-observação.

Cabe ressaltar que essas são recomendações de contextos em que a


utilização da linguagem metafórica deve ser mais cuidadosa. Não há regras
prontas, e nem tem como haver, dada a variedade de pessoas e padrões
comportamentais existentes. Essas são questões que devem ser pensadas
primordialmente pelo terapeuta envolvido, partindo de sua habilidade de
discriminar os contextos em que o uso deste recurso poderá ser mais eficiente,
e de sua relação terapêutica com o cliente.
Nota: A autora agradece a disponibilidade da professora Nazaré Costa em
rever o trabalho, bem como a gentileza dos psicólogos Nicolau Pergher e
Andréa Viana de indicar referências importantes para a construção do mesmo.
REFERÊNCIAS
Braga, G. L. B.; Vandenberghe, L. (2006). Abrangência e função da relação
terapêutica na Terapia Comportamental. Estudos de Psicologia. Vol. 23, nº 3.

Costa, N. (2011). Comunicação pessoal. 24 nov. 2011.


Gadelha, Y. A. Menezes, I. N. (2004) Estratégias lúdicas na relação terapêutica
com crianças na terapia comportamental. Univ. Ci. Saúde, Brasília. Vol. 2, nº.
1.

Haber, G. M., Carmo, J. S. (2007). O fantasiar como recurso na clínica


comportamental infantil. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e
Cognitiva. Vol. IX, nº 1.Hayes 87

Hübner, M. (1999). As metáforas do comportamento verbal como recurso de


análise. Rio de Janeiro, RJ: Programação dos Anais do IV Latini Dies, p. 12.

Leon, V. C.; Siqueira, M.; Parente, M. A.; Bosa, C. (2007). A especificidade da


compreensão metafórica em crianças com autismo. Psico. Vol. 38, nº. 3.

Mairal, J. B. (2007). La terapia de aceptación y compromiso (ACT):


Fundamentos, aplicación em el contexto clínico y áreas de desarrollo.
Miscelánea Comillas: Revista de Ciencias Humanas y Sociales. Vol. 65, nº 127.

Medeiros, C.A. (2002). Comportamento verbal na Terapia Analítico-


Comportamental. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva.
Vol. 4, nº. 2.

Meyer, S. B. Oshiro, C.; Donadone, J. C. Mayer, R. C. F. Starling, R. (2008).


Subsídios da obra “Comportamento Verbal” de B. F. Skinner para a terapia
analítico-comportamental. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e
Cognitiva. Vol. X, nº 1.

Miguel, C. F. (2000). O conceito de operação estabelecedora na Análise do


Comportamento. Psicologia: teoria e pesquisa. Vol. 16, nº. 3.

Pergher, N. K.; Colombini, F. A. (2010). Revelações do Cliente em Sessões de


Terapia: Discussões a partir de um Caso Clínico. Acta Comportamentalia. Vol.
18, nº 3.
Pergher, N.K.; Dias, M.A. (2009). O carteiro, o poeta e Skinner: um estudo
sobre a metáfora. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva,
6(1), 1-14.

Saban, M. T. (2011). Introdução à terapia de aceitação e compromisso. Santo


André: ESETec.

Skinner, B. F. (1978). O comportamento verbal. São Paulo: Cultrix.

Zamignani, D. R.; Kovac, R.; Vermes, J. S. (2007). A clínica de portas abertas.


Santo André: ESETec.

[1] Tatos são respostas verbais sob controle de estímulos do tipo não-verbal –
objetos, eventos, etc. (Skinner, 1978).

[2] Comportamentos clinicamente relevantes (Clinically Relevant Behavior), os


comportamentos-alvo da psicoterapia (Braga & Vandenberghe, 2006).

[3] Informações fornecidas por Nazaré Costa, em comunicação pessoal, 24 nov


2011.

[4] Estímulos ambientais que alteram a efetividade reforçadora ou punidora de


um estímulo (Miguel, 2000).

[5] Sigla do inglês Accept (aceitar), Choose (eleger) e Take action (atuar),
utilizada por Hayes para resumir os objetivos da terapia: promover a
flexibilidade do cliente para aceitar os eventos privados incômodos, eleger
valores a seguir e atuar mesmo com dúvidas e dificuldades (Mairal, 2007).

[6] Hayes, S. C.; Strosahl, K. D; Wilson, K. D. Acceptance and Commitment


Therapy. Na Experimental Approach to Behavior Change. New York: Guilford.
1999.

[7] Ver síntese em Mairal (2007).