Você está na página 1de 7

Estabilização de Solos para Pavimentação com Uso de Cinza

Volante de RSU.
Mariluce de Oliveira Ubaldo
COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil, mariluce_ubaldo@yahoo.com.br

Laura Maria Goretti da Motta


COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil, laura@coc.ufrj.br

Marcos Antonio Fritzen


COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil, marcosantonio_ufrj@yahoo.com.br

RESUMO: O número de pesquisas que utilizam algum tipo de resíduo é cada vez maior ao passar
dos anos, principalmente em estudos de pavimentação onde o volume de material utilizado em uma
obra é muito grande. As cinzas de resíduos sólidos urbanos (RSU) já vêm sendo estudadas por
alguns pesquisadores, não apenas com a finalidade de obras de pavimentação, mas para diversas
finalidades. O presente estudo fez uma avaliação da estabilização de mistura solo/cinza volante de
RSU avaliando dois aspectos distintos: i) variando o tempo de cura do corpo de prova após a
compactação, corpos de prova ensaiados com 0, 7, 14, 28, 45, 90 e 130 dias de cura, e ii) variando o
tempo entre a adição de água e a compactação da mistura. Os resultados deste estudo mostram que
o tempo de cura faz aumentar a resistência mecânica da mistura solo/cinza volante, o que comprova
que a cinza volante de RSU, utilizada neste estudo, se apresentou como um bom agente químico
para estabilização de solos.

PALAVRAS-CHAVE: Estabilização de Solos, Pavimentação, Cinza Volante de Resíduo Sólido


Urbano.

1 INTRODUÇÃO utilizam carvão mineral como fonte geradora de


energia. Mas, segundo Vizcarra, 2010, o
Estabilização de um solo, segundo Medina e comportamento relatado sobre os efeitos e
Motta (2004), é o tratamento a que se submete mecanismos de estabilização da cinza de RSU é
um solo para melhorar-lhe as características de comparável aos das cinzas de carvão, desde que
resistência, sejam elas a diminuição da o RSU seja principalmente composto por
compressibilidade, a melhoria de sua resistência matéria orgânica.
ao cisalhamento, e o aumento ou diminuição da A adição de cinza volante altera as
permeabilidade. características de compactação de solos
Os principais tipos de estabilização são: a granulares e coesivos da seguinte forma: i)
estabilização mecânica, a estabilização devida à alteração da graduação dos materiais e
granulométrica e a estabilização química. Para ii) devido a reações químicas que ocorrem entre
estabilização química dos solos os agentes solo, cinza volante e água.
químicos mais utilizados são: o cimento Segundo Ferguson (1993), quando a mistura
Portland, cal, cinza volante e emulsões solo/cinza volante entra em contato com a água,
betuminosas. produtos da hidratação começam a ligar as
A utilização de cinzas de resíduos sólidos partículas num estado fraco e uma ruptura
urbanos (RSU) para estabilização de solos não destas agregações é requerida para compactar o
tem sido tão utilizada quanto às cinzas material. Portanto, uma porção da energia de
provenientes da queima do carvão, visto que compactação é utilizada para superar a
existem um número maior de termelétricas que cimentação já iniciada, com isso a massa
específica aparente seca máxima é menor 2.2 Cinza Volante de RSU
quanto maior for o tempo entre adicionar água e
compactar a mistura. O atraso na compactação A cinza volante utilizada neste estudo é
também reduz a máxima resistência potencial proveniente da incineração do Resíduo Solido
de um material estabilizado com cinza volante. Urbano (RSU) na Usina Verde, que fica
Produtos cimentícios formados antes da localizada na Ilha do Fundão – Município de
compactação podem ser rompidos para Rio de Janeiro – RJ. A incineração e coleta
compactar o material e estas ligações podem deste material foi realizada no mês de
não serem recuperadas a sua plena resistência. Junho/2009.
Estas mudanças devido ao atraso na Este material não tem propriedades pláticas,
compactação do solo estabilizado com cinza a massa específica dos grãos de 2,412 e sua
volante vai depender da taxa na qual a cinza composição granulométrica é: 54% areia, 38%
volante hidrata, que depende da fonte geradora silte e 8% de argila. De acordo com a
da cinza. Existem cinzas volantes que o atraso classificação do Sistema Unificado de
na compactação de apenas duas horas é bastante Classificação dos Solos – SUCS, a cinza
significativo, como no caso apresentado por volante também se enquadra na classificação
Ferguson (1993). SM (areia siltosa).
O presente estudo tem como objetivo avaliar A composição química da cinza volante de
a estabilização química de um solo residual, de RSU, utilizada neste estudo, mostrou teores
baixa capacidade de suporte, com adição da médios de SiO2, Al2O3 e Fe2O3, elevado teor de
cinza volante de RSU. Mais especificamente CaO e baixo teor de matéria orgânica. Segundo
avaliar a influência na resistência mecânica de Viczarra (2010), estes compostos influenciam
misturas solo/cinza volante RSU quando: i) favoravelmente o mecanismo de estabilização
varia-se o tempo de cura da mistura após química.
compactação e ii) varia-se o intervalo de tempo A caracterização desta cinza volante foi
entre a homogeneização da mistura e sua realizada por Vizcarra, 2010.
compactação.
3 METODOLOGIA DOS ENSAIOS
2 MATERIAIS UTILIZADOS
Os ensaios mecânicos foram realizados em
2.1 Solo amostras de solo puro e mistura de 60% de solo
com 40% de cinza volante RSU (proporção em
O solo utilizado nesta pesquisa é proveniente de peso). Sendo realizados ensaio de curva de
uma jazida localizada na Zona Oeste do compactação para determinação da condição
município do Rio de Janeiro, bairro de Campo ótima da amostra e ensaio triaxial de carga
Grande. A amostra de solo foi coletada no repetida para avaliar a resistência mecânica.
horizonte C, saprolítico. Trata – se de uma O ensaio triaxial de carga repetida foi
amostra de solo residual, de coloração marrom realizado em triplicata. Um quadro resumo com
acinzentada com congressões claras. Uma a descrição da condição de cada corpo de prova
melhor descrição da gênese deste solo está em que foi realizado o ensaio triaxial de carga
descrito em Lopes (2011). repetida está apresentado na tabela 1. Como
De acordo com a classificação do Sistema pode ser observado na referida tabela, para a
Unificado de Classificação dos Solos – SUCS, condição de solo puro as amostras foram
o solo se enquadra na classificação SM (areia homogeneizadas e compactadas imediatamente,
siltosa). Material não plático, cuja composição e o ensaio triaxial realizado logo após a
granulométrica é: 17% pedregulho, 65% areia, compactação.
14% silte e 5% de argila. Massa específica dos Para as misturas de solo/cinza volante de
grãos de 2,772. A caracterização deste solo foi RSU as amostras foram moldadas variando o
realizada por Lopes (2011). tempo entre a homogeneização e a
compactação, como descrito a seguir:
9 Amostras compactas imediatamente após a 2,2

solo puro
adição de água na mistura. 2,1 solo + 40% cinza volante RSU

9 Amostras compactadas 1 dia após a adição

Massa Específica Aparente Seca (g/cm³)


2,0
de água na mistura.
9 Amostras compactadas 3 dias após a adição 1,9

de água na mistura. 1,8

Os corpos de prova compactados


1,7
imediatamente e 1 dia após a adição de água na
mistura, o ensaio triaxial foi realizado logo após 1,6

a compactação e com 130 dias de cura. Para os 1,5

corpos de prova compactados 3 dias após a 6 8 10 12


Umidade (%)
14 16 18 20

adição de água, o ensaio triaxial foi realizado Figura 1. Curvas de compactação


logo após a compactação e com 7, 14, 28, 45,
90 e 130 dias de cura. Os resultados do ensaio triaxial de arga
repetida são apresentados tanto em função da
Tabela 1. Descrição dos ensaios triaxiais. tensão desvio, quanto em função da tensão
Tempo de cura da Tempo de cura do
Quant. Descrição da amostra antes da corpo de prova após
confinante. Como os dois materiais usados
CP amostra compactação compactação nesta pesquisa são materiais arenosos e para
(dias) (dias)
3 solo puro 0 0
este tipo de material a análise feita em função
3 solo + 40% cinza 0 0/130 da tensão confinante é muito mais relevante que
3 solo + 40% cinza 1 0/130
3 solo + 40% cinza 3 0/7/14/28/45/90/130
em função da tensão desviadora, todos os
resultados desta pesquisa estão apresentados
4 RESULTADOS somente em função da tensão confinante.
Os resultados do ensaio triaxial de carga
4.1 Curva de Compactação repetida para amostras de solo puro moldados
na condição ótima e energia modificada estão
As curvas de compactação foram realizadas em apresentados na figura 2. Como pode ser
cilindros de 10cm de diâmentro e 20cm de observado, trata-se de um solo com baixa
altura, na energia modificada. Na figura 1 estão capacidade suporte.
apresentadas as curvas de compactação do solo
puro e da mistura de solo + 40% de cinza 200
CP 1
volante de RSU. 180
Módulo Resiliente (MPa)

160 CP 2
De acordo com a referida figura a umidade
140 CP 3
ótima do solo puro é 10% e massa específica 120
seca máxima é 2,066 g/cm3 e para a mistura de 100

solo + 40% de cinza volante RSU a umidade 80

ótima é 15% e a massa específica seca máxima 60

de 1,711 g/cm3. 40
20
0
4.2 Ensaio Triaxial de Carga Repetida 0,01 0,10 1,00
Tensão Confinante (MPa)

O ensaio triaxial de carga repetida foi utilizado Figura 2. Resultado do ensaio triaxial de carga repetida
neste estudo segundo a norma DNIT-ME 134 do solo puro.
(2010) para avaliar a resistência mecânica da
4.2.1 Avaliação da influência do tempo entre a
mistura solo/cinza por ser um ensaio muito
homogeneização da mistura e sua compactação.
utilizado em estudos de pavimentação. Para este
estudo um mesmo corpo de prova foi ensaiado
Para esta avaliação foram moldados nove
com vários tempos de cura.
corpos de prova (CP), todos utilizando a mesma
quantidade de solo, cinza volante de RSU e
água, na condição de umidade ótima da mistura
e na energia modificada. A única diferença corpos de prova, ou seja, o tempo entre a adição
entre os CPs foi o tempo entre a de água na mistura e a compactação da mesma
homogeneização e a compactação da mistura. não influênciou significativamente na
Na tabela 2 estão descritos os valores de resistência da mistura.
densidade final de cada corpo de prova, como
pode ser observado a densidade da mistura 300
tende a diminuir quanto maior for o tempo entre CP1 - imediato

Módulo Resiliente (MPa)


250
a homogeneização e a compactação. O que CP2 - imediato
condiz com o descrito por Ferguson (1993) que 200
CP3 - imediato
afirma que após a adição de água na mistura 150
solo/cinza volante reações cimentícias já 100
começam a ocorrer. No entanto, a diferença nos
50
valores de densidade encontrados nos CPs
ensaiados nesta pesquisa é menor quando 0
0,01 0,10 1,00
comparados com os dados obtidos pelo referido
Tensão Confinante (MPa)
autor.
Ferguson (1993) trabalhou com cinza Figura 3. Resultados dos ensaios triaxial de carga
repetida das misturas solo/cinza compactadas
volante de carvão proveniente da Power &
imediatamente após homogeneização – ensaios realizados
Ligth LaCygne Generation Statio, cidade no tempo zero.
Kansas. Esta cinza foi descrita pelo autor como
“cinza quente” que hidrata rapidamente. A 300
mistura solo/cinza realizada pelo referido autor CP1 - 1 dia
Módulo Resiliente (MPa)

250
tinha 18% de cinza volante LaCygne e os CP2 - 1 dia
valores de densidade máxima seca na ordem de 200
CP3 - 1 dia
19kN/m3 para misturas compactadas 150
imediatamente após adição de água e de
100
17,1kN/m3 para misturas compactadas 2 horas
50
após adição de água.
0
Tabela 2. Valores de densidade de cada corpo de prova 0,01 0,10 1,00
após compactação. Tensão Confinante (MPa)
Tempo de cura da amostra densidade Figura 4. Resultados dos ensaios triaxial de carga
CP antes da compactação do CP repetida das misturas solo/cinza compactadas 1 dia após
(dias) 3
(kg/m ) homogeneização – ensaios realizados no tempo zero.
1 1625
amostra homogeneizada e 300
2 1621
compactada imediatamente CP1 - 3 dia
3 1637
Módulo Resiliente (MPa)

250
CP2 - 3 dia
1 1579 200
amostra homogeneizada 1 dia CP3 - 3 dia
2 1600
antes da compactação 150
3 1579
1 1548 100
amostra homogeneizada 3 dias
2 1547 50
antes da compactação
3 1558 0
0,01 0,10 1,00

Nas figuras 3, 4 e 5 estão apresentados os Tensão Confinante (MPa)

resultados do ensaio triaxial de carga repetida Figura 5. Resultados dos ensaios triaxial de carga
realizados imediatamente após a compactação repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
do corpo de prova (tempo zero). De acordo com homogeneização – ensaios realizados no tempo zero.
estes resultados os valores de módulo de
resiliência foram semelhantes para todos os Nas figuras 6, 7 e 8 estão apresentados os
resultados do ensaio triaxial, realizados nos
mesmos corpos de prova, porém deixados em 1800 CP1 - imediato
cura por 130 dias. De acordo com as referidas 1600
CP2 - imediato
figuras observa-se que quanto mais tempo as

Módulo Resiliente (MPa)


1400
CP3 - imediato
amostras eram deixadas em repouso na câmara 1200

úmida antes da compactação, mais homogênias 1000

elas ficavam. O que pode ser comprovado pela 800

melhor repetibilidade do ensaio triaxial 600

realizado nos corpos de prova compactados 3 400

dias após a homogeneização. O recomendado 200

0
para amostras de solo é que a compactação seja 0,01 0,10 1,00
Tensão Confinante (MPa)
realizada 24 horas após a homogeneização.
No entanto, analisando estes resultados não Figura 6. Resultados dos ensaios triaxial de carga
se pode verificar uma real influência na repetida das misturas solo/cinza compactadas
imediatamente após homogeneização – ensaios realizados
resistência mecânica da mistura estabilizada após cura do CP de 130 dias.
com cinza volante quando avaliou-se o tempo
decorrido entre a adição de água na mistura e a
1800
compactação do corpo de prova. CP1 - 1 dia
1600
Diferente do apresentado por Ferguson CP2 - 1 dia

Módulo Resiliente (MPa)


1400
(1993), cujos resultados mostraram uma 1200
CP3 - 1 dia

diminuição significativa na resistência da 1000


mistura solo/cinza volante quando ocorria um 800
intervalo de tempo entre a adição de água na 600

mistura e a compactação. 400

Segundo relato do referido autor, na amostra 200

compactada duas horas após a adição de água a 0


0,01 0,10 1,00
resistência a compressão máxima foi de 720kPa Tensão Confinante (MPa)

e para a amostra compactada imediatamente Figura 7. Resultados dos ensaios triaxial de carga
após a adição de água a resistência a repetida das misturas solo/cinza compactadas 1 dia após
compressão máxima foi 2.410kPa. homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
130 dias.
Viczarra (2010), estudou a influência do
tempo entre a homogeneização e a compactação
do corpo de prova em misturas de solo/cinza 1800 CP1 - 3 dia
volante de RSU, porém, o solo utilizado no 1600
CP2 - 3 dia
Módulo Resiliente (MPa)

referido estudo é argiloso com limite de 1400


CP3 - 3 dia
liquidez de 60% e índice de plasticidade de 1200

1000
36%. Para a mistura deste solo argiloso com
800
40% de cinza volante de RSU, o referido autor
600
encontrou valores de módulo de resiliência da 400
ordem de 200 a 130MPa na amostra 200
compactada 1 dia após a adição de água e 0
valores de 100 a 80MPa para a amostra 0,01 0,10
Tensão Confinante (MPa)
1,00

compactada imediatamente após adição de


Figura 8. Resultados dos ensaios triaxial de carga
água. Estes ensaios foram realizados no tempo repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
zero, ou seja, o corpo de prova foi ensaiado homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
imediatamente após a compactação. 130 dias.
4.2.2 Avaliação do tempo de cura da mistura 1800
após compactação do corpo de prova 1600
CP 1 - 7
CP 2 - 7
1400

Módulo Resiliente (MPa)


CP 3 - 7
Para avaliar o tempo de cura da mistura após a 1200
compactação, foram utilizados os três corpos de 1000
prova compactados após a mistura permanecer 800

homogeneizada por três dias na câmara úmida. 600

Os ensaios foram realizados logo após a 400


200
compactação (tempo 0), com 7, 14, 28, 45, 90 e
0
130 dias de cura. A cura dos corpos de prova 0,01 0,10 1,00
também foi feita na câmara úmida. Os Tensão Confinante (MPa)

resultados estão apresentados nas figuras 9, 10, Figura 10 - Resultados dos ensaios triaxial de carga
11, 12, 13, 14 e 15 e como pode ser observado repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
existe um aumento significativo nos valores de
7 dias.
módulo de resiliencia com o passar do tempo,
chegando a valores de módulo 6 vezes maiores
1800
com 130 dias de cura, quando comparados com CP 1 - 14
1600
ensaios sem cura. CP 2 - 14
1400
Módulo Resiliente (MPa)
CP 3 - 14
Viczarra (2010), também avaliou a 1200
influência do tempo de cura do CP após a 1000
compactação, achando valores de módulo de 800
resiliência variando entre 300 a 200MPa no 600
ensaio realizado imediatamente após a 400
compactação e valores de 100 a 80MPa para o 200

ensaio realizado com 7 dias de cura. Estes 0


0,01 0,10 1,00
ensaios foram realizados em amostras Tensão Confinante (MPa)
compactadas imediatamente após adição de Figura 11. Resultados dos ensaios triaxial de carga
água. repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
14 dias.
1800
CP 1 - 0
1600
CP 2 - 0
1800
Módulo Resiliente (MPa)

1400 CP 3 - 0
CP 1 - 28
1200 1600
CP 2 - 28
1400
Módulo Resiliente (MPa)

1000 CP 3 - 28
800 1200
600 1000
400 800
200 600
0 400
0,01 0,10 1,00
200
Tensão Confinante (MPa)
0
Figura 9 - Resultados dos ensaios triaxial de carga 0,01 0,10 1,00

repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após Tensão Confinante (MPa)

homogeneização – ensaios realizados imediatamente após Figura 12. Resultados dos ensaios triaxial de carga
compactação do CP. repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
28 dias.
1800
e os estudos relatados por Viczarra (2010) e
1600
CP 1 - 45 Ferguson (1993), pode-se concluir que a
CP 2 - 45
1400 qualidade na estabilização de misturas
Módulo Resiliente (MPa)

CP 3 - 45
1200 solo/cinza volante depende muito das
1000 características da cinza volante e do tipo de solo
800 usados.
600 Quando se avalia a influência do tempo
400 decorrido entre a adição de água e a
200
compactação da mistura solo/cinza volante,
0
0,01 0,10 1,00 temos que, cinzas de hidratação rápida, como o
Tensão Confinante (MPa) caso da cinza volante de carvão LaCygne
Figura 13. Resultados dos ensaios triaxial de carga relatado por Ferguson (1993), a diminuição na
repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após resistência a compressão é bastante significativa
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
quando a mistura é deixada em repouso 2 horas
45 dias.
antes da compactação. Mas, para a cinza
volante de RSU, hidratação lenta, utilizada por
1800
CP 1 - 90
Viczarra (2010) e no presente estudo, houve um
1600
CP 2 - 90 aumento na resistência mecânica da mistura
1400
Módulo Resiliente (MPa)

CP 3 - 90
deixada em repouso por 1 dia antes da
1200
compactação, na mistura utilizando solo
1000
800
argiloso, para a mistura utilizando solo arenoso
600
os resultados dos ensaios realizados em
400 triplicata não foram conclusivos para realizar
200 esta avaliação.
0 No entanto, para a avaliação da influência do
0,01 0,10 1,00
Tensão Confinante (MPa)
tempo de cura do corpo de prova moldado com
Figura 14. Resultados dos ensaios triaxial de carga
solo/cinza volante de RSU, os resultados
repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após mostraram que a cinza utilizada por Viczarra
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de (2010) e no presente estudo funciona
90 dias. perfeitamente como agente químico para
estabilização de solo, aumentando a resistência
1800
mecânica da mistura realizada tanto com solo
1600
CP 1 - 130 argiloso, quanto com solo arenoso.
CP 2 - 130
1400
Módulo Resiliente (MPa)

CP 3 - 130
1200 REFERÊNCIAS
1000 DNIT-ME 134, 2010, Pavimentação – Solos -
800
Determinação do módulo de resiliência.
600
Ferguson, G. (1993) Use of self-cementing fly ashes as a
soil stabilization agent, Fly Ash for soil improvement,
400
Geotechnical Special Publication Nº 36, p. 1-14.
200
Lopes, L. S. E. (2011). Análise do Comportamento
0 Mecânico e Ambiental de Misturas Solo-Cinzas de
0,01 0,10 1,00
Tensão Confinante (MPa) Carvão Mineral para Camadas de Base de
Pavimentos, Dissertação de mestrado, Departamento
Figura 15. Resultados dos ensaios triaxial de carga
de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica
repetida das misturas solo/cinza compactadas 3 dias após
do Rio de Janeiro ( PUC- Rio), 208p.
homogeneização – ensaios realizados após cura do CP de
Medina, J., Motta, L. M. G. (2004). Apostila de
130 dias.
estabilização de solos. Escola de Engenharia, UFRJ,
Rio de Janeiro.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Vizcarra, G. O. C. (2010). Aplicabilidade de Cinzas de
Resíduo Sólido Urbano para Base de Pavimentos,
De acordo com os resultados do ensaio triaxial Dissertação de mestrado, Departamento de
Engenharia Civil, Pontifícia Universidade Católica do
de carga repetida realizados no presente estudo Rio de Janeiro ( PUC- Rio), 120p.