Você está na página 1de 5

Nome: ____________________ AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.

º 1 de GONDOMAR
TESTE DE AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS – 11º ANO
Turma: _____ Nº _____

GRUPO I
Parte A

Apresente as suas respostas de forma bem estruturada aos itens A e B.


Leia o seguinte texto.

1 Foi como uma inesperada aparição - e vergou profundamente os ombros, menos a saudá-la,
que a esconder a tumultuosa onda de sangue que sentia abrasar-lhe o rosto. Ela, com um vestido
simples e justo de sarja preta, um colarinho direito de homem, um botão de rosa e duas folhas
verdes no peito, alta e branca, sentou-se logo junto da mesa oval, acabando de desdobrar um
5 pequeno lenço de renda. Obedecendo ao seu gesto risonho, Carlos pousou-se
embaraçadamente à borda do sofá de repes. E depois de um instante de silêncio, que lhe
pareceu profundo, quase solene, a voz de Maria Eduarda ergueu-se, uma voz rica e lenta, dum
tom de ouro que acariciava.
Através do seu enleio, Carlos percebia vagamente que ela lhe agradecia os cuidados que ele
10 tivera com Rosa: e, de cada vez que o seu olhar se demorava nela um instante mais, descobria
logo um encanto novo e outra forma da sua perfeição. Os cabelos não eram loiros, como julgara
de longe à claridade do sol, mas de dois tons, castanho-claro e castanho-escuro, espessos e
ondeando ligeiramente sobre a testa. Na grande luz escura dos seus olhos havia ao mesmo
tempo alguma coisa de muito grave e de muito doce. Por um jeito familiar cruzava às vezes, ao
15 falar, as mãos sobre os joelhos. E através da manga justa de sarja, terminando num punho
branco, ele sentia a beleza, a brancura, o macio, quase o calor dos seus braços.
Ela calara-se. Carlos, ao levantar a voz, sentiu outra vez o sangue abrasar-lhe o rosto. […]
- Não é a sua filha que está doente, minha senhora?
- Oh! não! Graças a Deus!
20 Ergueu-se, foi puxar um enorme cordão de campainha que pendia ao lado do piano. O seu
cabelo, por trás, repuxado para o alto da cabeça, deixava uma penugem de ouro frisar-se
delicadamente sobre a brancura láctea do pescoço. Entre aqueles móveis de repes, sob o teto
banal de estuque enxovalhado, toda a sua pessoa parecia a Carlos mais radiante, duma beleza
mais nobre, e quase inacessível; e pensava que nunca ali ousaria olhá-la tão francamente, com
uma tão clara adoração, como quando a encontrava na rua.
Eça de Queirós, Os Maias, cap. XI.

1. Contextualize a ação deste excerto, referindo a sua importância para a dimensão trágica da
obra.

2. Comprove que, ao longo do texto, é feito o endeusamento da figura feminina,


fundamentando com citações textuais pertinentes.

3. Caracterize o estado de espírito de Carlos da Maia, considerando a utilização expressiva do


verbo e do advérbio no primeiro parágrafo.
B

Leia a seguinte cantiga.

1 Senhor fremosa, des1 aquel dia


que vos eu vi primeiro, des enton
nunca dormi, com'ante dormia,
nem ar fui led'e2 vedes por que non:
cuidand'en vós e non en outra ren3
e desejando sempr'o vosso ben.

7 E sabe Deus e Santa Maria


que non am'eu tant'al eno coraçon
quant'amo vós, nen ar poderia;
e se morrer por en, farei razon,
cuidand'en vós e non en outra ren
e desejando sempr'o vosso ben.

13 E ant'eu já (a) morte querria


Ca4 viver com'eu viv', à gram sazon5;
e mia morte melhor mi seria 1 – des - desde;
ca viver mais, assi Deus mi perdon, 2 - nem ar fui led' – nem nunca mais tive
alegria;
cuidand'en vós e non em outra ren
3 – ren – coisa;
e desejando sempr'o vosso bem.
4 – ca – porque;
5 - gram sazon – muito tempo;
19 Ca vós sodes5 mia coita e meu bem 6 – sodes – sois.

e por vós ei quanta coita mi ven.

Juião Bolseiro, Antologia da poesia portuguesa, vol.I, (sécs. XII-XVI, pg. 80)

1. Clarifique as consequências do sentimento amoroso enunciadas pelo sujeito lírico,


fundamentando com citações textuais pertinentes.

2. Relacione os dois versos finais e a terceira estrofe, considerando o seu conteúdo.


GRUPO II
(50 pontos: 10x5)

Leia o texto.

O Primeiro Amor

1 É fácil saber se um amor é o primeiro amor ou não. Se admite que possa ser o primeiro, é
porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor. É o único amor, o máximo amor, o
irrepetível e incrível e antes morrer que ter outro amor. Não há outro amor. O primeiro amor
ocupa o amor todo.
5 Nunca se percebe bem por razão começa. Mas começa. E acaba sempre mal só porque acaba.
Todos os dias parece estar mesmo a começar porque as coisas vão bem, e o coração anda alto. E
todos os dias parece que vai acabar porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo.
O primeiro amor dá demasiadas alegrias, mais do que a alma foi concebida para suportar. É por
isso que a alegria dói - porque parece que vai acabar de repente. E o primeiro amor dói sempre de
10 mais, sempre muito mais do que aguenta e encaixa o peito humano, porque a todo o momento se
sente que acabou de acabar de repente. O primeiro amor não eixa de parte um único bocadinho
de nós. Nenhuma inteligência ou atenção se consegue guardar para observá-lo. Fica tudo
ocupado. O primeiro amor ocupa tudo. É inobservável. É difícil sequer refletir sobre ele. O
primeiro amor leva tudo e não deixa nada.
15 Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade. Há amores maiores, amores melhores,
amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos. Há amores mais duradouros. Quase
todos. Mas não há amor como o primeiro. É o único que estraga o coração e que o deixa
estragado. [...]
O primeiro amor é aquele que não se limita a esgotar a disposição sentimental para os amores
20 seguintes: quer esgotá-la. Depois dele, ou depois dela, os olhos e os braços e os lábios deixam de
ter qualquer utilidade ou interesse. [...]
Não há amor como o primeiro. [...] O primeiro amor é uma chapada, um sacudir das raízes
adormecidas dos cabelos, uma voragem que nos come as entranhas e não nos explica.

Cardoso, Miguel Esteves (2015), Os meus problemas, Porto, Porto Editora [com supressões]
1-Coordenador nacional das Olimpíadas das Químicas
1. Neste texto, o tema do amor
(A) surge como tema central, incidindo-se nos efeitos do primeiro amor na vida das
pessoas.
(B) é um tema abordado por meio de um tom humorista.
(C) é abordado como tema secundário, salientando as suas causas.
(D) surge associado aos benefícios de uma paixão sem limites.

2. Ao longo do texto, o autor


(A) usa a ironia para apontar os defeitos do último amor.
(B) destaca a intensidade associada à vivência do primeiro amor.
(C) aponta os benefícios do primeiro amor.
(D) explica, hiperbolicamente, as consequências da vivência de vários amores.
3. A expressão "Não há amor como o primeiro"
(A) é uma metáfora que realça a força da primeira paixão.
(B) reforça o lado negativo da memória do primeiro relacionamento.
(C) destaca a intelectualização do relacionamento amoroso.
(D) é utilizada como um argumento proverbial, associado ao senso comum.

4. A forma verbal "possa" (l.1) encontra-se


(A) pretérito perfeito do indicativo.
(B) futuro do conjuntivo.
(C) presente do conjuntivo.
(D) presente do indicativo.

5. Em "E todos os dias" (l.6) usa-se como mecanismo de coesão lexical


(A) a substituição por sinonímia.
(B) a substituição por holonímia.
(C) a substituição por hiperonímia.
(D) a reiteração.

6. A nível semântico, as palavras "olhos" (l.20) e corpo estabelecem entre si uma relação de
(A) sinonímia.
(B) antonímia.
(C) inclusão.
(D) hierarquia.

7. Em “O primeiro amor é uma chapada” (l.22), a expressão sublinhada desempenha, a


função sintática de
(A) complemento do nome.
(B) modificador do nome apositivo.
(C) predicativo do complemento direto.
(D) predicativo do sujeito.

8. Sabendo que a palavra "amor" (l.1) tem a sua origem na palavra latina amore, refira o
fenómeno fonológico que nela se operou.

9. Classifique as orações subordinadas presentes na frase “E todos os dias parece que vai acabar
porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo.” (ll. 6,7 ).

10. Substitua o complemento direto presente na frase "O primeiro amor não deixa de parte um
único bocadinho de nós."(ll.11,12) pelo pronome pessoal correspondente.
GRUPO III
(50 pontos)

A sabedoria popular costuma dizer que "o amor move montanhas".

Escreva um texto, de 170 a 200 palavras, onde dê a sua opinião sobre a importância do amor
na vida humana.
Observe as seguintes orientações:
* estrutura tripartida.
- introdução: apresentação da posição a defender.
- desenvolvimento: fundamentação das ideias, através de argumentos e exemplos.
- conclusão: reforço da ideia inicial.
* Correção sintática e ortográfica.
* Observância dos mecanismos de coesão e coerência textual.
* Concisão e objetividade.

Cotações
Grupos Item (cotação em pontos)

A
(3X20=60 pontos)
1. a 3.
I
B
(2X20=40 pontos)
4. e 5.

II 1. a 10. (10X5=50 pontos)

III Item único (50 pontos)

Total 200 (pontos)

Interesses relacionados