Você está na página 1de 6

Estudo da resposta espectral do módulo PV e seleção de superfícies e revestimentos com melhor

resposta espectral.

(Willeke & Weber, 2014)

A resposta espectral de células C-Si tem pico entre 850 e 950nm. A resposta espectral celular e o
espectro da radiação incidente definem a faixa em que os materiais da capa frontal e os
encapsulantes são obrigados a apresentar perdas mínimas de absorção e reflexão. A faixa espectral
relevante para a conversão de energia de célula solar c-Si comum cobrindo 99% da geração de
corrente do espectro AM 1.5 está a faixa entre 350 e 1100 nm.

Internet
𝑣𝑒𝑙𝑜𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑙𝑢𝑧 𝑛𝑜 𝑣á𝑐𝑢𝑜 (𝑐)
Í𝑛𝑑𝑖𝑐𝑒 𝑑𝑒 𝑅𝑒𝑓𝑟𝑎çã𝑜 (𝑛) =
𝑣𝑒𝑙𝑜𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑙𝑢𝑧 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑢𝑚 𝑐𝑜𝑚𝑝𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑒 𝑜𝑛𝑑𝑎 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑐í𝑓𝑖𝑐𝑜 𝑛𝑢𝑚 𝑐𝑒𝑟𝑡𝑜 𝑚𝑒𝑖𝑜 (𝑣)

Entendo que quanto mais opaco um meio, menor a velocidade da luz após ultrapassar esse meio. Ou
seja, maior o índice de refração. No vácuo, o índice de refração é igual a 1.

(Anwar, Favier, & Rasolomampionona, 2013) – Handbook of Research on Solar Energy Systems

Projetada apropriadamente, a variação do bandgap efetivo através do dispositivo permite que uma
porção maior do espectro solar seja acoplada na célula solar, aumentando a eficiência de conversão.

A entrada anual de energia da irradiação solar na Terra (5% UV, 43% visível,

52% IR) excede o consumo anual de energia do mundo em milhares de vezes.

Radiação solar: 0.20 to 4.0 µm.


Ultravioleta: 0.20 – 0.39 µm,
Visível: 0.39 – 0.78 µm,
Near-Infrared: 0.78 – 4.00 µm,
Infrared: 4.00 – 100.00 µm.

O Silício cristalino tem uma energia bandgap de 1,1 eV. Energia de fótons de a luz varia de acordo
com o comprimento de onda diferente de luz e todo o espectro de luz solar, de infravermelho para
ultravioleta cobrindo uma faixa de cerca de 0,5 eV a cerca de 2,9 eV. Um fator importante que limita
a eficiência de conversão é devida a bandgaps grandes para baixa energia a ser absorvida, enquanto
a maior parte do energia de elétrons liberados por alta energia é perdido quando o elétron é
extraído. Isso resulta na criação de portadores de carga com um excesso total energia cinética igual à
diferença entre a energia dos fótons e o bandgap. Esse excesso energia cinética é convertida em
calor quando o elétron fotogerado interage com as vibrações da rede de semicondutores chamou os
fônons e esfria para a banda de condução inferior. No a maioria só 55% da energia solar pode ser
usada porque ou a energia está abaixo do bandgap do material ou transporta excesso de energia na
maioria dos materiais utilizados em células fotovoltaicas.

Fala sobre nanotecnologia

(Sengupta et al., 2015)

A maioria (97%) da radiação solar está na faixa de comprimento de onda de 290 nm a 3.000 nm

fótons dentro do espectro solar com energia menor que a energia bandgap não podem promover
um elétron da banda de valência para a banda de condução. Em vez disso, esses fótons passam
através do material, eventualmente para serem adsorvidos em grande fração e convertidos em calor
residual por meio de vários processos indesejados inerentes aos materiais semicondutores.

Os fotons têm energias inversamente proporcionais ao seu comprimento de onda. Fótons de luz azul
(comprimentos de onda na ordem de 400 nm a 470 nm) são mais energéticos que fótons de
vermelho (620 nm a 750 nm), e são geralmente absorvidos mais perto da superfície de um
semicondutor. Fótons com energias maiores que o bandgap serão capazes de produzir uma corrente
elétrica, a energia excedente que eles contêm é abandonada termicamente e perdida. Por causa
disso, e também porque os fótons altamente energéticos estão mais sujeitos à recombinação de
superfície, à medida que aumenta a energia dos fótons - ou comprimento de onda diminui - do valor
mínimo necessário para ativar um elétron ligado, eficiência de conversão do dispositivo diminui. Da
mesma forma, outros fótons dentro do espectro solar com energia menor que a energia bandgap
não pode promover um elétron da banda de valência para a banda de condução. Em vez disso, esses
fótons passam pelo material, eventualmente, ser adsorvido em grande fração e convertido em calor
residual via vários processos indesejados inerentes a materiais semicondutores.

Basic Photovoltaic

Como afirmado no Capítulo 1, a luz solar tem um espectro variado; luz alcançando a Terra tem
intensidades muito diferentes em um amplo espectro de comprimentos de onda. As perdas
associadas aos efeitos (2) e (3) resultam de como a luz de vários comprimentos de onda interage
com as células solares.

Luz que entra em uma célula solar pode:

1) Passar por ela


2) Torne-se absorvido, gerando calor na forma de vibrações atômicas
3) Separar um elétron de sua ligação atômica, produzindo um par de elétrons-lacunas
4) Produza um par de elétrons-furos, mas tenha um excesso de energia, que então se torna
calor

Como o espectro do Sol tem uma grande variedade de energias e intensidades, a chave é combinar
um material e sua energia de intervalo de banda característica com o espectro, para que a quantidade
máxima de energia no espectro do Sol caia logo acima da energia característica. A produção de pares
de elétrons-furos é essencial para o funcionamento de uma célula solar. Sem ela, nenhuma voltagem
pode ser gerada e nenhuma corrente pode fluir. Os efeitos (a) e (b) mencionados acima são uma perda
total; os efeitos (c) e (d) produzem elétrons e buracos livres, embora parte da energia da luz incidente
se transforme em calor em (d). No geral, essas interações ineficientes de luz com o material celular
desperdiçam cerca de 55% da energia da luz solar original. Eles são a maior razão pela qual as células
solares convencionais não podem produzir eletricidade com uma energia equivalente à da luz solar
que incide sobre a célula. Para comparação, considere o quanto as células solares seriam mais
eficientes se o espectro do Sol consistisse em apenas um comprimento de onda (monocromático) e
que correspondesse exatamente à energia que a célula exigia para gerar pares de elétrons-furos!

OTIMIZANDO O USO DO ESPECTRO

Colocar mais luz solar em uma célula fotovoltaica é uma maneira de aumentar a potência de energia
fotovoltaica. Mas, se nada mais for feito, grande parte da luz do sol atingindo uma célula não é
convertida em energia elétrica: os comprimentos de onda do Sol são muito longos ou muito curtos.
Se for muito longo, eles não terão energia suficiente para gerar portadores carregados. Se forem
muito curtos, eles têm energia mais que suficiente, com o excesso se tornando calor.
Hanfbook of photovoltaic Science and Engineering

Table 1.3 Metas das pesquisas recentes em célula solar

- Aumentar a utilização da radiação solar, absorvendo mais do espectro de forma eficiente

Além do esforço de multijunções, outros conceitos estão em vigor para tentar uma melhor utilização
do espectro solar, como o conceito de Banda Intermediária (IB) [81], que é descrito mais adiante no
Capítulo 4. A nanotecnologia é um meio de produzir essa faixa intermediária [82], e o efeito básico
esboçado acima parece ter sido provado já usando pontos quânticos [83]. Pontos quânticos são
gotículas de um material em um host de outro material de maior intervalo de banda. As gotículas são
muito pequenas e exibem efeitos quânticos, entre os quais o aparecimento de bandas ou níveis
intermediários. As ligas também podem ser encontradas com a faixa intermediária [84], mas nenhuma
realização prática desse conceito foi demonstrada até agora.

Os materiais de células solares são escolhidos em grande parte com base em quão bem suas
características de absorção combinam com o espectro solar e seu custo de fabricação. O silício tem
sido uma escolha comum devido ao fato de que suas características de absorção são bastante
adequadas ao espectro solar, e a tecnologia de fabricação de silício está bem desenvolvida como
resultado de sua difusão na indústria de eletrônicos semicondutores.

Como apenas os fótons com h> EG podem criar pares de elétrons-furos e contribuir para a saída da
célula solar, é óbvio que o intervalo da banda determina quão bem a célula solar é acoplada ao
espectro solar.

Isso é plotado na Figura 3.19 para um espectro global AM1.5 e mostra uma eficiência máxima de
48% em cerca de EG = 1,1 eV, próximo ao intervalo de bandas de silício. Claro, isso é apenas uma
estimativa simples e assume que VOC = 1 / qEG e FF = 1, que são exageros óbvios.
A captura de luz perfeita também foi assumida de modo que ISC = Iinc, mas isso é uma perspectiva
mais realista. Sob iluminação solar não concentrada, a eficiência teórica máxima real para uma
célula solar de silício é de aproximadamente 30%. No entanto, esta abordagem simples serve para
demonstrar o papel importante que o band gap semicondutor desempenha na determinação do
desempenho das células solares e mostra que as lacunas entre 1,0 e 1,6 eV têm eficiências teóricas
máximas quase equivalentes.

Resposta Espectral

A resposta espectral, SR (λ), de uma célula solar permite um exame de como os fótons de diferentes
comprimentos de onda (energia) contribuem para a corrente de curto-circuito. Assim como a
eficiência da coleta pode ser medida como uma eficiência de coleta externa ou interna, a resposta
espectral também pode ser medida. A resposta espectral é definida como a corrente de curto-
circuito, ISC (λ), resultante de um único comprimento de onda de luz normalizado pela máxima
corrente possível. A resposta espectral externa é definida como

E a resposta espectral interna como:

onde Wopt é a espessura óptica da célula solar (tecnicamente, também uma função do
comprimento de onda). Experimentalmente, a resposta espectral externa é medida. A resposta
espectral interna é determinada a partir dela, juntamente com o conhecimento do sombreamento,
refletância e espessura óptica da grade. Wopt pode ser maior que a espessura da célula se métodos
de lighttrapping forem usados. Tais métodos incluem superfícies texturizadas [20] e refletores de
superfície traseira [21] e são discutidos no Capítulo 8. A corrente de curto-circuito pode ser escrita
em termos de resposta espectral externa como

A resposta espectral interna fornece uma indicação de quais fontes de recombinação estão afetando
o desempenho da célula. Isso é demonstrado na Figura 3.20, onde a resposta espectral interna da
célula solar de silício descrita pelos parâmetros da Tabela 3.2 é mostrada. Também é mostrada a
resposta espectral quando SF, eff = 100 cm / s (uma superfície frontal passivada) e a resposta
espectral quando SBSF = 1 × 107 cm / s (com efeito, sem BSF). A resposta de curto comprimento de
onda melhora drasticamente quando a superfície frontal é passivado
já que o coeficiente de absorção é mais alto para fótons de comprimentos de onda curtos (alta
energia). Por outro lado, remover o BSF torna mais provável que os elétrons criados profundamente
na região da base da célula solar (aqueles criados por fótons de baixa energia) se recombinarão no
contato reverso e, portanto, a resposta de longo comprimento de onda é drasticamente reduzida.
As condições em operação real não são as normais; em vez disso, eles variam fortemente e
influenciam o desempenho elétrico da célula, causando uma perda de eficiência com relação ao
valor nominal do STC. Esta perda pode ser dividida em quatro categorias principais [132]:

1. Distribuição angular da luz: Por causa do movimento do sol e do difuso

componentes da radiação, a luz não cai perpendicular ao módulo, como é o

quando as medições são feitas e a eficiência nominal é determinada.

2. Conteúdo espectral da luz: Para o mesmo conteúdo de potência, diferentes espectros produzem
diferentes células fotocorrentes de acordo com a resposta espectral. E o espectro solar varia com a
posição do sol, clima e poluição e assim por diante, e nunca corresponde exatamente ao padrão
AM1.5.

3. Nível de irradiância: Para uma temperatura constante da célula, a eficiência do módulo diminui
com níveis de irradiância diminuídos. Para irradiações perto de um sol, isto é principalmente devido
à dependência logarítmica da tensão de circuito aberto na fotocorrente; com iluminação muito
baixa, a perda de eficiência é mais rápida e menos previsível.

4. Temperatura da célula: A temperatura ambiente muda e, devido ao isolamento térmico fornecido


pelo encapsulamento, a luz faz as células no módulo aquecerem; temperatura mais alta significa
desempenho reduzido. Esta é geralmente a perda de desempenho mais importante.

Ver Light Trapping

Laserfocusworld.com

Para aumentar o aprisionamento de luz, quase todos os projetos de células solares agora também
incluem revestimentos antirreflexo e superfícies refletoras.