Você está na página 1de 4

CAPP- computer aid project planning (projecção com ajuda do computador

)

Forma variante ou por recuperação
Os sistemas CAPP que utilizam esta técnica da forma variante baseiam-se numa classificação prévia
das peças e de sua codificação, conforme as semelhanças que apresentem. Estas semelhanças
podem ser de caráter geométrico ou de processo de fabricação. O agrupamento das peças segundo
um desses dois modos é chamado tecnologia de grupo. tecnologia de grupo.
No emprego da forma variante, cada peça produzida na fábrica é agrupada em famílias, segundo
características de manufatura. Para cada família de peças faz-se um plano de processo-padrão, que é
armazenado no computador e ampliado com novas peças da mesma família.

O que é?
Um sistema CAPP visa auxiliar interativamente o processista na confecção do plano de processo
fazendo o trabalho duro e repetitivo de pesquisa de ferramentas, portaferramentas, materiais, além
dos cálculos dos parâmetros envolvidos no processo, liberando ao processista mais tempo para as
tarefas que agregam realmente valor ao processo. Com isso deverá ocorrer uma redução
significativa no tempo de desenvolvimento do plano de processo, um melhor aproveitamento e
padronização das ferramentas de corte e das máquinas ferramentas e consequentemente uma
redução no tempo e nos custos de planejamento e exigindo um menor nível de conhecimento
técnico dos processistas, podendo esses ter menos experiência. Estes sistemas apesar de terem uma
grande flexibilidade devem ser considerados como uma ferramenta de apoio aos processistas, tendo
como objectivo ajudalos a maximizar seu desempenho.
Planejamento da manufatura, planejamento de processo, processamento de materiais ou roteiro de
usinagem, são algumas terminologias usadas para referenciar CAPP, que pode ser definido como a
atividade responsável pela conversão de dados de um projeto em instruções de trabalho,
detalhando sistematicamente a seqüência de usinagem, os métodos e parâmetros de corte que
serão usados para converter uma matéria bruta em peça acabada de maneira econômica, única e
competitiva.

PLANEJAMENTO DO PROCESSO CONVENCIONAL (quando não usas
CAPP)
Neste tipo de planejamento, geralmente o processista inicia a partir de um desenho de produto, que
passa as sequências do plano do processo a ser documentadas de forma manuscrita ou
computacional. Atualmente a maioria das empresas utiliza computadores para documentar estes
processos de fabricação, porém, estas empresas não estão utilizando sistemas CAPP, e sim editores
de textos, planilhas eletrônicas, etc. As empresas que adotam estes sistemas estão propensas a
entrarem num caos computacional, pois, na alguns casos, não estão protegidos por uma base de
dados.
Algumas das características que atrasam a produtividade desta área de engenharia podem ser:
• o setor de engenharia da empresa continua cheio de papéis;
• processistas perdem 63% de seu tempo na redação do plano e 20% na recuperação de
informações;

Tem-se os seguintes procedimentos para o CAPP:  Preparação do Planejamento: quais são os dados necessários na folha de processo. são normalmente amenizados com a contratação de um processista que passa então a realizar um trabalho pouco relacionado com o seu conhecimento sobre o processo. • documentação que chega ao chão de fábrica é imprecisa. número. pessoas envolvidas. ao mesmo tempo. nome. • alimentação do sistema PCP é demorado. Pela burocracia do planejamento convencional. Todos esses problemas dimuem o tempo de trabalho e como os prazos são curtos então a sua qualidade diminui. aumentam a diversificação das especificações técnicas e seu efeito tem um imediato aumento no custo do produto final. A utilização de maior quantidade de pessoas envolvidas na definição dos planos. código.  Determinação da Peça em Bruto: interpretação do desenho e visualização da passagem da matéria-prima para a peça em bruto. prazos de elaboração. não subutilizar ou não sobrecarregar a(s) mesma(s).  Determinação das Operações e suas Sequências: destacar as operações que a peça em bruto vai sofrer para se transformar na peça acabada e ordená-las de modo a atender às especificações exigidas. .  Seleção do Maquinário: com as operações e a especificação do cliente. Eles se tornam "burocratas" técnicos e mesmo assim não conseguem realizar um trabalho preciso e no tempo necessário.  Especificação dos Dados Organizacionais: como e onde vão ficar os dados da empresa. • os tempos especificados são inválidos. selecionar a(s) máquina(s) e. • não existe uma base segura para previsão de custo. Grupo ou célula é um conjunto de máquinas capazes de processar inteiramente todos os componentes de uma família.. • orçamentos são demorados e imprecisos. os processistas em tempos de crise levam a empresa a perder qualidade de seu planejamento de processo. etc. • os prazos de desenvolvimento não são cumpridos. revisão e status do plano. H. • cada processista tem seus próprios manuais e catálogos. Às vezes pode-se fazer várias simulações para se chegar a um quadro ideal.• existe pouca integração entre o projeto e o processo. ETAPAS DO PLANEJAMENTO DE PROCESSOS COM SOFTWARE DE CAPP Para a automação do planejamento de processo é necessário captar uma série de regras e técnicas que relacionem determinadas especificações de fabricação compondo as sequências de operações. [ROZENFELD. etc. Conceitos Processistas Família é um conjunto de peças com similaridade geométrica e/ou de processos de fabricação.  Determinação dos Processos de Fabricação: identificar que operações e processos de fabricação a manufatura da fábrica é competente para realizar ou planejar.1994].

 Melhor aproveitamento da capacidade de trabalho para os equipamentos existentes  Redução dos refugos e retrabalhos  consequência das condições de trabalho bem definidas.  Maior legibilidade: Maior legibilidade: nos sistemas CAPP.). por exemplo.  planejamento sistemático. lógico e eficiente. VANTAGENS E DESVANTAGENS VANTAGENS Algumas das vantagens que existem de usar CAPP são as seguintes:  Racionalização do processo: Racionalização do processo: o plano de processo gerado pelo computador tende a ser mais consistente. avanço. comprimento.  Elaboração de Croquis: ilustrar como é feita a operação para o estágio de fabricação da peça. ou ainda detalhar uma operação de forma a facilitar a interpretação para o operador. determinar uma ferramenta que esteja disponível e cujo custo seja o mais baixo possível. pois melhora a organização e definição de tarefas levando a diminuição dos tempos mortos. o sobremetal deixado para o acabamento após uma passada de desbaste). os textos-padrões e as figuras geradas no CAD facilitam a interpretação do plano de processo de fabricação. sistematização do fluxo de trabalho.  Integração com outros softwares: Integração com outros softwares: os sistemas de planejamento de processo podem ser projetados para operar com outros pacotes de software tendo em vista a integração do fluxo de informações. velocidade de rotação.  Cálculo dos Tempos de Fabricação: com o uso dos parâmetros de fabricação (diâmetro. devido à experiência dos profissionais que elaboram o programa. ou para a preparação da máquina.  Otimização. material e outros) especificar às fórmulas e/ou tabelas utilizadas para cálculo dos tempos de fabricação.  Questionamento e imposição das adequadas especificações de engenharia . É o caso dos programas CAD e dos sistemas de dados de usinagem.  Especificação dos Tempos de Fabricação: previsão dos tempos de fabricação por experiência anterior ou por medições dos tempos de peças similares.  Detalhamento e registro favorecem a rastreabilidade e controle de processos. etc.  Determinação das Condições de Trabalho: escolher o nível do operador adequado para realizar a operação .  Maior produtividade: Maior produtividade: o Maior produtividade: sistema computadorizado requer menor esforço e comete menos erros. Os processadores têm acesso direto ao banco de dados e muitos cálculos são automatizados.  Cálculo do Sobremetal: indicação de sobra de material para que a operação possa ser realizada nas especificações (por exemplo.  Redução do volume geral de trabalho na fábrica.  Seleção de Ferramentas: com o conhecimento da máquina e das especificações das operações. indicar o modo de preparação da máquina e da ferramenta (setup) e determinar o modo com que a operação deve ser realizada (indicando.

7.  Necessidade de treinamento dos processistas. DESVANTAGENS  Custo de implantação elevado.  revisão de desenhos.  Documentação automática da tecnologia de fabricação.2. .