Você está na página 1de 102
Economia Rural
Economia Rural
Economia Rural

Economia Rural

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015

FORMAÇÃO

TÉCNICA

Curso Técnico em Agronegócio

Economia Rural

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015

SENAR - Brasília, 2015

FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015
FORMAÇÃO TÉCNICA Curso Técnico em Agronegócio Economia Rural SENAR - Brasília, 2015

R672a

SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Curso técnico em agronegócio: economia rural / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural ; Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e

Emprego, Rede e-Tec Brasil, SENAR (Organizadores). – Brasília : SENAR,

2015.

100 p. : il. (SENAR Formação Técnica)

ISBN: 978-85-7664-085-1

Inclui bibliografia.

1. Economia agrícola. 2. Agroindústria - ensino. I. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. II. Rede e-Tec Brasil. III. Título. IV. Série.

CDU: 338,4

Sumário

Introdução à Unidade Curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7

Tema 1: Princípios de Economia ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

Tópico 1: Introdução à Economia –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

1. Conceitos básicos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 0

2. Classificação de bens e serviços –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 1

3. Fatores de produção –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 3

4. Agentes econômicos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 4

5. Cadeias produtivas do agronegócio brasileiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 5

6. Economia Rural (ou Economia do Agronegócio) ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 9

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 2

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 3

Tema 2: Estudo dos Mercados

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 5

Tópico 1: Estruturas de Mercado –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 5

1. Conceituação de mercado

–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 6

2. Estruturas de mercado ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 6

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3

3

Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 3

Tema 3: Teoria do Consumidor –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 5

Tópico 1: Análise Mercadológica de Oferta e de Demanda ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 5

1. Demanda –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3

5

2.

Oferta

––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 0

3. Equilíbrio de mercado ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 4

4. Excesso e escassez de mercado –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 5

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 47

Tema 4: Elasticidade e Sistema de Preços ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 9

Tópico 1: Análise de elasticidade e de sistema de preços ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4 9

1. Conceitos básicos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 4

9

2. Elasticidade-preço da demanda –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 0

3. Elasticidade-preço cruzada da demanda –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 3

4. Elasticidade-preço da oferta ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 3

5. Sistema de preços dos produtos agropecuários –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 6

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5

7

Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 7

Tema 5: Teoria da Firma –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 9

Tópico 1: Análise da Teoria da Empresa Rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 9

1. Aspectos iniciais ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 9

2. Conceitos básicos ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 1

3. Receita, custo e lucro –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 63

4. Produtos total, médio e marginal ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 64

5. Custos médio e marginal –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 8

6. Custos total, fixo e variável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 0

7. Comportamento dos custos no curto prazo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 1

8. Os custos no longo prazo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 2

9. Lucro máximo –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7

3

Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 5

Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 5

Tema 6: Princípios de Macroeconomia –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 7

Tópico 1: Aspectos Iniciais de Macroeconomia –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 7

1. Conceitos básicos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 8

2. Sistema Financeiro Nacional SFN –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 5

3. Política monetária ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 6

4.

5.

Política

Política

cambial –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––

87

fiscal ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 87

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 8

Tema 7: Desenvolvimento Rural no Brasil –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 0

Tópico 1: Aspectos Iniciais de Desenvolvimento Rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 0

1. Evolução do agronegócio na economia brasileira –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 0

2. Desenvolvimento agrícola sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 3

3. Tipos de empreendimentos rurais no Brasil –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 4

4. Política agrícola no Brasil –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 5

Encerramento do tema –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

Atividade de aprendizagem –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

Encerramento da Unidade Curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

Referências bibliográficas básicas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 8

Referências bibliográficas complementares –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 8

Gabarito –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 100

Introdução à Unidade Curricular

Introdução à Unidade Curricular

Introdução à Unidade Curricular

A Unidade Curricular Economia Rural é uma das importantes temáticas da sociedade contemporânea, pois trata diretamente da produção e da distribuição de alimentos para a humanidade.

Aqui, serão apresentados conceitos básicos de Economia e a estrutura de alguns tipos de mercados, além de conceitos relacionados a microeconomia e aspectos básicos de macroeconomia e do desenvolvimento rural brasileiro.

a
a

Ao final desta unidade, você deverá:

reconhecer os principais elementos da Economia;

analisar o comportamento do mercado agropecuário;

conhecer os aspectos básicos de macroeconomia e do desenvolvimento rural brasileiro.

O conteúdo foi organizado em temas e tópicos relevantes para sua atuação profissional. Certifique-se de estudá-los com atenção e, se preciso, conte com o apoio do tutor a distância desta unidade curricular.

Bom aprendizado!

01

Princípios de Economia

01 Princípios de Economia

Tema 1: Princípios de Economia

Neste primeiro tema da unidade curricular, serão discutidos os conceitos básicos da teoria econômica e também os relativos à cadeia produtiva agroindustrial – as etapas de produção dos produtos agropecuários ao longo da cadeia produtiva, que vai desde a fabricação dos insumos até a entrega do produto industrializado ao consumidor final.

Ao final deste tema, espera-se que você tenha competência para:

conhecer os conceitos básicos de economia;

analisar o funcionamento do sistema econômico;

avaliar a estrutura e a dinâmica de uma cadeia produtiva agropecuária;

identificar algumas especificidades da economia do setor rural.

9

Tópico 1: Introdução à Economia

Este tópico está estruturado de maneira a apresentar os conceitos introdutórios de Economia, bem como os relativos à cadeia produtiva agroindustrial.

Serão apresentados, também, os principais tipos de bens produzidos e comercializados na sociedade, os diferentes tipos de fatores de produção utilizados pelas empresas e os agentes econômicos responsáveis pelo funcionamento do sistema econômico.

Além disso, serão discutidos os termos relativos à cadeia produtiva do agronegócio brasileiro e alguns outros assuntos relacionados à Economia Rural, ou Economia do Agronegócio.

Economia Rural

1. Conceitos básicos

10 Atualmente, a Economia é um campo das ciências sociais que analisa os sistemas de produção de bens e serviços, que tem por objetivo principal proporcionar informações para a melhor alocação dos recursos destinados para a produção de bens e serviços comercializados com o intuito de satisfazer as necessidades individuais e coletivas da sociedade.

Economia

O termo “economia” vem do grego oikos (casa) e nomos (costume ou lei), podendo ser traduzido como “administração do lar”. É a ciência que estuda a atividade produtiva.

O principal problema da Economia é relacionado com a escassez dos recursos utilizados na produção de bens e serviços uma vez que as necessidades humanas são ilimitadas e se renovam com o passar do tempo devido ao crescimento populacional e à contínua elevação do padrão de vida.

Por exemplo, é comum buscarmos sempre uma qualidade de vida melhor, com uma casa nova, carro do ano, roupas de marca, dentre outros itens que são renovados a cada ano.

de marca, dentre outros itens que são renovados a cada ano. Fonte: Shutterstock A necessidade humana

Fonte: Shutterstock

A necessidade humana (individual e coletiva) pode ser considerada como uma exigência que deve ser satisfeita por meio do consumo de bens e serviços. Ou seja, o homem nunca se contenta com o que possui, ele sempre desejará ter mais.

São exemplos de necessidades humanas: alimentação, educação, moradia, vestuário, serviços de transporte, comunicação, lazer e artigos de luxo, como carros e viagens internacionais.

Curso Técnico em Agronegócio

Em decorrência da escassez dos recursos naturais, toda sociedade “deverá escolher” a melhor forma de alocar os recursos produtivos disponíveis para a produção de bens e serviços, devendo responder a três questões principais:

O que produzir?

Relaciona-se com a escolha dos bens e serviços que deverão ser produzidos e em quais quantidades deverão ser disponibilizados para os consumidores.

Como produzir?

Relaciona-se com o método/modo de produção, ou seja, a tecnologia que as empresas utilizam para a produção de bens e serviços.

Para quem

Relaciona-se com a definição do público que irá consumir os bens e serviços produzidos em relação à renda de que dispõem as pessoas.

produzir?

O estudo da Economia se divide em duas grandes áreas: a Microeconomia e a Macroeconomia.

Microeconomia

É o estudo do comportamento do consumidor e

das firmas, além da análise da interface entre as famílias e as empresas nas diferentes situações de mercado – análise do modo de como as pessoas compram os bens e serviços das empresas e como as empresas utilizam os recursos produtivos

disponibilizados pelas famílias, como, por exemplo,

o trabalho e o capital.

Macroeconomia

Estuda os agregados econômicos, como o Produto Interno Bruto – PIB, o nível de emprego, o sistema monetário, dentre outras variáveis e agregados econômicos.

Em suma, a Microeconomia parte do estudo das unidades de produção e consumo para tentar explicar o comportamento do sistema econômico como um todo, enquanto a Macroeconomia busca explicar o comportamento das unidades a partir da análise do sistema econômico.

11

2. Classificação de bens e serviços

Bem é considerado tudo aquilo que possui algum tipo de utilidade para o ser humano, sendo capaz de satisfazer uma necessidade ou de suprir uma carência humana.

Bens econômicos são aqueles relativamente escassos, ou seja, que não estão disponíveis para todas as pessoas que os desejam, e que necessitam de trabalho humano para que possam ser obtidos.

Além disso, os bens econômicos possuem um preço no mercado, já que, sendo desejado, escasso e requerendo trabalho humano, há pessoas dispostas a pagar por eles.

Economia Rural

12

Nesse sentido, o ar que respiramos não é um bem econômico, já

que sua oferta é ilimitada e não requer nenhum trabalho humano para seu uso.

Bens Econômicos

Bens Materiais

Bens Imateriais

Bens duráveis

Bens de Consumo

Materiais Bens Imateriais Bens duráveis Bens de Consumo Bens não duráveis Bens finais Bens de Capital

Bens não duráveis

Bens finais

Bens de Capital

Bens intermediários

Os bens econômicos podem ser classificados em bens materiais e bens imateriais:

Os bens materiais podem ser divididos entre bens de consumo e bens de capital.

Os bens de consumo são os que possuem a função de satisfazer imediatamente as

necessidades do homem. Eles podem ser classificados como bens de consumo duráveis

e bens de consumo não duráveis.

Já os bens de consumo não duráveis são os tipos de bens utilizados por um breve período de tempo, como, por exemplo, alimentos, produtos de limpeza, combustíveis, produtos de higiene pessoal etc.

Os bens de consumo duráveis são os bens que podem ser utilizados por um longo período de tempo, como, por exemplo, automóveis, televisão, geladeira etc.

Os bens de capital são os bens que compõem um sistema produtivo de uma empresa, ou seja, são a infraestrutura produtiva de uma empresa e que possuem a função de produzir outros de bens.

Os bens de capital também são conhecidos como bens de produção. São exemplos de bens de capital as máquinas e os equipamentos de uma empresa que produzem os bens vendidos por ela. Por exemplo, as serras, as plainas e as lixadeiras usadas para a produção de móveis são bens de capital. Da mesma forma, os tratores e os implementos utilizados para a produção de grãos são bens de capital de uma propriedade rural.

Os bens podem também ser classificados como bens finais e bens intermediários. Os bens finais são aqueles que já passaram por todas as etapas de um processo produtivo

e são diretamente consumidos ou usados. São exemplos de bens finais carros, alimentos

e televisão.

Curso Técnico em Agronegócio

Já os bens intermediários são os utilizados no sistema produtivo para a produção de outros bens. São exemplos de bens intermediários os fertilizantes utilizados pelo agricultor para a produção de soja ou a água utilizada para a produção de refrigerantes.

Os bens imateriais são os que não possuem existência física, como, por exemplo, o serviço de assistência técnica ao produtor rural, a educação prestada por um professor ou, ainda, uma marca famosa e registrada, como a Coca-Cola.

3. Fatores de produção

Fatores de produção são os recursos produtivos essenciais utilizados pelas empresas para a produção de bens e serviços, sendo eles: capital, terra e trabalho.

Os fatores de produção apresentam três características básicas: são limitados na quantidade (bens escassos), podem ser utilizados de diversas maneiras e podem ser combinados.

Um exemplo de uso de fatores de produção é um homem utilizando um trator na preparação do solo para o plantio de feijão. Nesse processo, são utilizados três tipos de fatores de produção: o trabalho humano, o trator (máquina) e a terra com o objetivo de produzir feijão.

Observe, a seguir, a classificação desses tipos de fatores de produção.

Capital

desses tipos de fatores de produção. Capital O fator de produção capital é constituído por

O

fator de produção capital é constituído por edificações, fábricas, máquinas

e

equipamentos utilizados no sistema produtivo.

É todo tipo de bem que possui a função de transformar os recursos primários de produção – matérias-primas, como os recursos minerais, os grãos agrícolas, o couro etc. – em bens e serviços que satisfaçam as necessidades individuais e coletivas do homem.

Terra

as necessidades individuais e coletivas do homem. Terra O fator terra deve ser considerado em um

O fator terra deve ser considerado em um sentido mais amplo – não apenas o

solo que produz alimentos, mas todos os tipos de recursos naturais contidos no solo.

13

Exemplos disso são florestas, recursos minerais, recursos hídricos, entre outros que são utilizados nos sistemas produtivos vinculados ao solo.

Economia Rural

14

Trabalho

14 Trabalho O fator trabalho consiste na capacidade produtiva das pessoas que estão envolvidas direta ou

O fator trabalho consiste na capacidade produtiva das pessoas que estão envolvidas direta ou indiretamente nos sistemas produtivos.

Ou seja, esse fator de produção é relativo a todo tipo de esforço humano, físico e mental, necessário para a realização das atividades produtivas e administrativas que resultem na produção de bens e serviços.

4. Agentes econômicos

BRASI L
BRASI L

As famílias (ou unidades familiares), as empresas (ou unidades produtivas) e o governo são considerados os agentes econômicos de uma sociedade.

A principal função desses agentes é garantir o fun- cionamento do sistema econômico, ou seja, da economia que produz bens e serviços para satis- fazer as necessidades da sociedade. Leia, a seguir, as principais funções desses agentes econômicos.

Famílias

Em um sistema econômico, as famílias devem consumir os bens e serviços que são produzidos e, além disso, têm a função de oferecer os seus recursos produtivos para as empresas, que, na maior parte das vezes, consistem na força de trabalho (mão de obra).

Empresas (unidades produtivas)

A função das empresas, ou unidades produtivas, é a de produzir e comercializar os bens e serviços na sociedade. A produção dos bens e serviços é originária da combinação dos fatores de produção (capital, terra e trabalho). No meio rural, as propriedades agrícolas são consideradas empresas, pois são unidades produtivas de bens escassos desejados pela sociedade.

Curso Técnico em Agronegócio

Governo

No que se refere ao sistema econômico, as principais funções do governo são fiscalizar a economia e prover a moeda, que permite o funcionamento do sistema econômico. À ação do governo dá-se o nome de políticas públicas.

O governo é formado, principalmente, por todas as organizações que estão conectadas direta ou indiretamente ao Estado, sejam elas de atuação municipal, estadual ou federal, tanto do Poder Executivo como do Legislativo e do Judiciário.

5. Cadeias produtivas do agronegócio brasileiro

De acordo com Batalha (2012), uma cadeia produtiva pode ser definida como um sucessivo processo de operações dissociáveis capazes de serem separadas e ligadas entre si por meio de um encadeamento técnico e, também, de um conjunto de relações comerciais e financeiras que se estabelecem entre os agentes econômicos que compõem a cadeia produtiva.

que se estabelecem entre os agentes econômicos que compõem a cadeia produtiva. Fonte: Shutterstock Economia Rural

Fonte: Shutterstock

Economia Rural

15

Por meio do estudo das cadeias produtivas do agronegócio brasileiro, é possível a análise:

16

dos diferentes tipos de estratégias adotadas pelos agentes econômicos;

dos problemas de relacionamento entre os agentes econômicos que compõem a cadeia produtiva (como a definição dos valores de contrato entre o produtor rural e a agroindústria);

dos problemas estruturais da cadeia produtiva (como a questão de logística de entrega da matéria-prima do produtor rural à agroindústria);

da proposição de políticas públicas para o setor rural (como as políticas de extensão e de crédito rural);

de outros aspectos relevantes do setor agropecuário nacional.

Veja, a seguir, duas representações gráficas de cadeias produtivas do agronegócio brasileiro.

Atividades de Apoio

Sistema Financeiro

Políticas Governamentais

Embalagens

Aditivos

Sistema de Inspeção Sanitária

Transportes

Sistema de P&D

Associações de Classe

Políticas de Comércio Exterior

Políticas de Renda

Fonte: Adaptado de CNA (2000, p. 22).

Curso Técnico em Agronegócio

Cadeia produtiva de carne bovina

Técnico em Agronegócio Cadeia produtiva de carne bovina Indústria de Defensivos Insumos Alimentação Animal
Indústria de Defensivos Insumos Alimentação Animal Genética Animal Produção Animal Subprodutos Comestíveis
Indústria de Defensivos
Insumos
Alimentação Animal
Genética Animal
Produção Animal
Subprodutos
Comestíveis
Frigoríficos
Subprodutos
Não-comestíveis
Entrepostos
Revendedores
Atacadistas
Varejo
Cons. Institucional
(Mercado Interno
e Externo)
Consumidor Final
(Mercado Interno)
Food Service
Supermercados
Açougues
Boutiques

Cadeia produtiva de carne de aves

Fábrica de Insumos Fábrica de Rações
Fábrica de
Insumos
Fábrica de
Rações
Importação de ovos de avós

Importação de ovos de avós

Importação de ovos de avós
Importação de ovos de avós
Avozeiros

Avozeiros

Avozeiros
Avozeiros
Matrizes

Matrizes

Matrizes
Matrizes
Incubatórios

Incubatórios

Incubatórios
Incubatórios
Criadores de Frango Abatedouros (1º Processamento) Frigorífigos (1º e 2º Processamentos)
Criadores de Frango
Abatedouros
(1º Processamento)
Frigorífigos
(1º e 2º Processamentos)

Frango Inteiro

Frango em cortes

Frango Inteiro

Frango em cortes Industrializados

em cortes Frango Inteiro Frango em cortes Industrializados Mercado Interno Mercado Externo Supermercado Feiras
Mercado Interno Mercado Externo Supermercado Feiras Avícolas Açougues Outros
Mercado Interno
Mercado Externo
Supermercado
Feiras
Avícolas
Açougues
Outros

Fonte: Adaptado de MARTINS (1996, p. 56).

17

As cadeias produtivas mostradas anteriormente mostram o relacionamento dos diversos agentes econômicos que atuam nas cadeias produtivas de carnes bovina e de aves.

Em suma, as cadeias produtivas agropecuárias apresentam uma estrutura-padrão composta basicamente por cinco grupos, que são:

a indústria de insumos;

os produtores agropecuários;

a indústria de processamento (agroindústria);

o setor de atacado e varejo;

o consumidor final.

Economia Rural

Vale destacar que, quanto mais organizada a cadeia produtiva, com um bom relacionamento entre seus agentes, maior será a satisfação do consumidor final com os bens produzidos.

18

Caso a cadeia produtiva seja desorganizada, com um fluxo inadequado de informações entre os agentes econômicos, haverá um problema na adequação do produto final aos gostos e às preferências dos consumidores finais, e isso pode representar prejuízo para todos os membros da cadeia produtiva. Veja um exemplo na figura a seguir.

Cadeia produtiva agroindustrial desorganizada

Atacado/ Insumos Agropecuária Processamento Cliente Final Varejo
Atacado/
Insumos
Agropecuária
Processamento
Cliente Final
Varejo

No caso de uma cadeia produtiva agroindustrial organizada, com um bom fluxo de informações entre os elos da cadeia, os produtos finais terão aderência ao mercado e satisfarão os gostos dos consumidores. Observe um exemplo na figura:

Cadeia produtiva agroindustrial organizada

Atacado/ Insumos Agropecuária Processamento Cliente Final Varejo
Atacado/
Insumos
Agropecuária
Processamento
Cliente Final
Varejo

Curso Técnico em Agronegócio

6. Economia Rural (ou Economia do Agronegócio)

A Economia Rural, ou Economia do Agronegócio, é um campo de estudos da Economia voltado, principalmente, para a análise das atividades econômicas relacionadas ao setor agropecuário e agroindustrial (agronegócio).

O
O

Informação Extra

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, o agronegócio deve ser entendido como a cadeia produtiva que envolve desde a fabricação de insumos, passando pela produção nos estabelecimentos agropecuários e pela transformação, até o seu consumo final.

Essa cadeia produtiva incorpora todos os serviços de apoio: pesquisa e assistência técnica, processamento, transporte, comercialização, crédito, exportação, serviços portuários, distribuidores e consumidor final.

O valor agregado do agronegócio, também chamado de “complexo agroindustrial”, passa, obrigatoriamente, por cinco mercados:

passa, obrigatoriamente, por cinco mercados : Suprimentos Produção Processamento
passa, obrigatoriamente, por cinco mercados : Suprimentos Produção Processamento
passa, obrigatoriamente, por cinco mercados : Suprimentos Produção Processamento
passa, obrigatoriamente, por cinco mercados : Suprimentos Produção Processamento
passa, obrigatoriamente, por cinco mercados : Suprimentos Produção Processamento

Suprimentos

Produção

Processamento

Distribuição

Consumo Final

O setor rural apresenta algumas particularidades:

19

I. Os produtos agropecuários são produzidos em forma bruta, necessitando sempre de algum tratamento ou processamento para o seu consumo final. Como exemplo, o simples ato de lavar a folha de alface para consumo ou venda direta ao consumidor constitui um processamento necessário ao seu consumo. Da mesma forma, a produção de óleo de cozinha requer o processamento industrial da soja, assim como o consumo de carne pressupõe o abate do animal e o seu processamento.

II. Os produtos agropecuários são, em geral, perecíveis. Essa realidade implica que o produtor rural deve comercializar rapidamente sua produção para não arcar com o prejuízo da perda total do produto ou da perda de sua qualidade. Exemplo típico das consequências da perecibilidade da produção agrícola ocorre nas feiras, em que os feirantes reduzem os preços no final do período das vendas, quando os produtos já começam a perder qualidade.

Economia Rural

III.

A perecibilidade dos produtos agropecuários implica na necessidade de a sociedade – produtores rurais, empresários, cooperativas, consumidores ou governos – construir uma

20 grande infraestrutura de armazenagem (armazéns, galpões, sistemas de refrigeração etc.) para a conservação e a comercialização da produção rural, reduzindo assim as perdas naturais dos produtos agropecuários.

IV. Os produtos agropecuários são produzidos em larga escala por um grande número de produtores, o que implica, de um lado, grande concorrência entre os produtores/ vendedores, mantendo os preços reduzidos (a chamada “concorrência perfeita”), e, de outro, em elevados custos de transporte e armazenamento dos produtos.

V. A sazonalidade da produção significa que a produção agrícola só ocorre em determinados períodos do ano em função da natureza das plantas. O período em que ocorre a produção agrícola de determinado produto é denominado de “período de safra”, variando de acordo com o produto e o clima.

VI. Os produtos agropecuários sofrem forte influência de fatores climáticos e biológicos. A produção agropecuária pode ser afetada por fatores como o frio, a seca, as doenças e as pragas, que podem comprometer a qualidade e a produtividade da plantação ou da criação de animais.

VII. As variações na qualidade dos produtos agropecuários ocorrem tanto pela grande variedade de plantas e animais, quanto por problemas climáticos ou biológicos, ou ainda pelas diferentes condições de armazenagem e distribuição.

A área de estudos da Economia Rural abrange muitos segmentos do agronegócio, com destaque para os seguintes:

comercialização agrícola;

políticas públicas do setor rural;

finanças do setor rural;

desenvolvimento econômico rural;

administração rural;

extensão rural;

planejamento rural;

economia regional rural;

sociologia rural;

meio ambiente;

pesquisa agropecuária;

industrialização da produção agropecuária;

produção rural;

estrutura fundiária.

Entretanto, ao longo de uma cadeia produtiva agroindustrial, têm-se os segmentos “antes da porteira”, “dentro da porteira” e “depois da porteira” .

Curso Técnico em Agronegócio

O segmento “antes da porteira” é caracterizado pelas atividades produtivas

Já o segmento “dentro da porteira” é caracterizado pela própria produção

relacionadas com a aquisição de sementes, mudas, fertilizantes, agroquímicos, tratores e implementos, equipamentos de irrigação e embalagens. Ou seja, ele é definido, principalmente, pelas empresas que fornecem os insumos necessários para que os produtores rurais possam definido, principalmente, pelas empresas que fornecem os insumos necessários para que os produtores rurais possam produzir alimentos e carnes.

agropecuária e atividades relacionadas, como arroz, café, carne avícola, carne bovina, carne suína, feijão, florestas plantadas, frutas, hortaliças, turismo rural, entre outros. Os principais bovina, carne suína, feijão, florestas plantadas, frutas, hortaliças, turismo rural, entre outros. Os principais agentes econômicos desse segmento são os produtores rurais.

Por fim, o segmento “depois da porteira” é caracterizado, principalmente, pelas atividades de armazenamento, beneficiamento, comercialização, industrialização da porteira” é caracterizado, principalmente, pelas e transporte dos produtos agropecuários. Ou seja, é e transporte dos produtos agropecuários. Ou seja, é composto, principalmente, pelos agentes econômicos que desempenham a função de processar e distribuir os produtos agropecuários para os consumidores finais.

O quadro a seguir apresenta os principais elos e segmentos da cadeia produtiva envolvidos no setor do agronegócio brasileiro. Abordamos esse assunto na Unidade Curricular Introdução ao Agronegócio, lembra-se?

Principais elos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro

Segmentos a

Produção

Segmento de

Segmentação de

Serviços de apoio

montante

agropecuária

transformação

distribuição

(antes e depois da porteira)

(antes da porteira)

(dentro da porteira)

(depois da porteira)

(depois da porteira)

Defensivos

Produção animal

Indústria de

Bares

Profissionais do

Fertilizantes

Produção vegetal

alimentos

Restaurantes

mercado

Rações

Extrativismo

Têxteis

Supermercados

Educação e

Vestuário

Hotéis

capacitação

Insumos

veterinários

Madeira

Padarias

Pesquisa e

desenvolvimento

Máquinas

Bebidas

Redes de fast food

Sistema financeiro

Equipamentos

Álcool

Redes atacadistas e varejistas

Transporte

Papel

Mercado de

Embalagem

Fumo

exportação

Informações de

Óleos e

Mercado de

importação

mercado

essências

Armazenagem

Associativismo e

Fármacos

cooperativismo

Sistema de

Produtos

resfriamento

Outros

químicos

Legenda: Fonte: ARBAGE (2012).

Economia Rural

21

22

c
c

Leitura complementar

Na biblioteca do AVA, você encontra o texto “Introdução do Plano Agrícola e Pecuário”. Acesse e confira!

Encerramento do tema

Neste tema, você aprendeu que o principal problema tratado na Economia refere-se à escassez dos recursos produtivos. Ou seja, é necessário que seja realizada certa alocação dos recursos produtivos disponíveis na economia para a produção de bens e serviços que satisfaçam as necessidades humanas individuais e coletivas.

Foram apresentados os diferentes tipos de bens e serviços produzidos e comercializados na sociedade, os fatores de produção que são utilizados pelas empresas e os agentes econômicos responsáveis pelo funcionamento do sistema econômico.

Além disso, exploramos, também, o conceito de cadeia produtiva. Essa terminologia é muito utilizada para a análise dos mercados agropecuários brasileiros no que tange às análises dos agentes econômicos que a compõem e do tipo de relacionamento entre eles. Por fim, você aprendeu algumas das particularidades que são estudadas pela Economia Rural, ou Economia do Agronegócio, como, por exemplo, a questão da sazonalidade da produção agropecuária.

No próximo tema, trataremos de um importante assunto estudado na Economia: a estrutura dos mercados.

Curso Técnico em Agronegócio

Atividade de aprendizagem

1. Neste tema, você teve a oportunidade de conhecer um pouco mais dos conceitos introdutórios de Economia e dos aspectos relacionados à cadeia produtiva agroindustrial. Com base nisso, qual das opções abaixo NÃO é considerada um fator de produção?

a) Capital

b) Trabalho

c) Empresa

d) Terra

2. Qual tipo de atividade econômica é relacionada ao segmento “dentro da porteira” em uma cadeia produtiva agroindustrial?

a) Indústria de sementes

b) Indústria de máquinas agrícolas

c) Produção de café

d) Indústria torrefadora de café

3. Qual é a principal função de uma empresa em um sistema econômico?

a) Fiscalizar a economia e prover a moeda que permite o funcionamento do sistema econômico.

b) Produzir e comercializar os bens e serviços na sociedade.

c) Consumir os bens e serviços, bem como ofertar recursos produtivos (mão de obra).

d) Nenhuma das respostas anteriores.

23

Economia Rural

02

Estudo dos Mercados

02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados
02 Estudo dos Mercados

Tema 2: Estudo dos Mercados

Neste tema, serão discutidos os principais tipos de estruturas de mercado estudados em Economia ligados ao agronegócio, com foco no beneficiamento, na comercialização e no acesso aos produtos.

Ao final deste estudo, você será capaz de reconhecer os principais tipos de estruturas de mercado e diferenciá-los.

Tópico 1: Estruturas de Mercado

Neste tópico, você aprofundará seus conhecimentos sobre estruturas de mercado iniciando pela definição de mercado e analisando os conceitos e as características dos mercados de concorrência perfeita, monopólio, oligopólio e concorrência monopolística.

25

de concorrência perfeita, monopólio, oligopólio e concorrência monopolística. 25 Fonte: Shutterstock Economia Rural

Fonte: Shutterstock

Economia Rural

26

1. Conceituação de mercado

O termo mercado pode ser conceituado como local ou condições em que compradores que

pretendem trocar dinheiro por bens e serviços estão em contato direto com os vendedores desses mesmos bens e serviços.

Quando se diz que um mercado está em expansão, quer-se dizer que está ocorrendo um
Quando se diz que um mercado está
em expansão, quer-se dizer que está
ocorrendo um aumento na produção
e na comercialização de bens e serviços
na economia.
Por outro lado, quando se argumenta que um mercado está em contração, isso significa que
Por outro lado, quando se argumenta
que um mercado está em contração,
isso significa que está havendo uma
diminuição da produção e da
comercialização de bens e serviços
na economia.

No mercado, por trás das decisões individuais dos produtores e dos consumidores, emerge

a decisão sobre a alocação dos recursos produtivos a serem empregados pelas empresas

para a produção de bens e serviços. Além disso, o sistema de preços é o mecanismo básico

para a tomada de decisões sobre como deve ocorrer a alocação dos fatores de produção na economia, cujo objetivo principal é satisfazer de forma conjunta os interesses dos produtores e dos consumidores.

Modernamente, as tecnologias de processamento, informação e comunicação permitem que parte importante das trocas seja feita por meio digital. Agora, o encontro entre compradores e vendedores dá-se por meio eletrônico, constituindo um mercado que hoje é denominado e-commerce, cuja tendência é ocupar cada vez mais o espaço dos mercados tradicionais.

e-commerce

O termo “e-commerce” é o mesmo que comércio eletrônico. Trata-se de uma venda não presencial, um tipo de transação comercial (com ou sem fins lucrativos) feita especialmente por meio de um equipamento eletrônico, como computadores, tablets e smartphones.

2. Estruturas de mercado

Os mercados de bens e serviços em uma economia estão estruturados de diversas maneiras. Os principais fatores que definem essas estruturas de mercado são:

o número de firmas (ou empresas, ou unidades produtivas);

o tamanho ou a dimensão das firmas;

a extensão da interdependência entre as firmas;

a homogeneidade ou o grau/nível de heterogeneidade do produto das diferentes firmas;

Curso Técnico em Agronegócio

a natureza e a quantidade de compradores;

a extensão das informações que os compradores e os vendedores possuem sobre os preços das transações de outros tipos de produtos;

a habilidade das firmas individuais para influenciar a procura do mercado por meio da divulgação do produto, da melhoria da qualidade do produto ou serviço comercializado, das facilidades especiais de comercialização, entre outras;

a facilidade com que as firmas entram e saem do setor econômico em questão.

d
d

Comentário do autor

O termo interdependência, em Economia, significa que a ação/acontecimento de um agente econômico pode afetar de maneira positiva ou negativa o desempenho do rival ou associado. Está associado ao nível de relacionamento/associação entre os agentes econômicos que compõem uma cadeia produtiva agroindustrial – o desempenho de um pode afetar o desempenho de outro, ou vice-versa.

Por exemplo, imagine um acordo entre um produtor de leite e um laticínio. Caso ocorram doenças no rebanho do produtor que comprometam a qualidade do leite, esse problema irá também afetar o laticínio, já que ele utiliza o leite como matéria-prima para a produção de iogurte e queijos.

Ainda no setor de leite, considere que exista apenas um laticínio na região produtora (o que é chamado de “monopólio”). O preço que o laticínio estabelecer afetará positiva ou negativamente todos os produtores de leite da região.

De acordo com as estruturas dos mercados, eles podem ser classificados em:

concorrência perfeita;

monopólio;

oligopólio;

concorrência monopolística.

27

Concorrência perfeita

A estrutura de mercado definida como concorrência perfeita não prevê qualquer tipo de coordenação entre as empresas que atuam nesse mercado. Esse tipo de mercado inclui um elevado número de empresas, de modo que elas não possuam poder de mercado e sejam incapazes de exercer alguma influência sobre o preço do bem ou serviço comercializado.

O mesmo raciocínio é aplicado para os consumidores em geral. Dessa forma, em uma situação de concorrência perfeita, o preço de mercado é o resultado da interação das forças de oferta e de demanda de determinado bem ou serviço produzido e comercializado.

Economia Rural

28

28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido
28 Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido

Legenda: Na concorrência perfeita, há um elevado número de empresas, e o preço é definido pela oferta e pela demanda.

As principais características da estrutura de mercado de concorrência perfeita são as seguintes:

atomização: o número de agentes compradores e vendedores é grande o suficiente para que nenhum deles possua a capacidade e as condições de influenciar o preço de mercado;

homogeneidade: os bens e serviços produzidos e comercializados são perfeitamente homogêneos. Ou seja, nenhuma empresa consegue diferenciar o produto ou serviço em relação ao concorrente. Nessa situação, o produto/serviço de qualquer produtor é um substituto perfeito dos produtos/serviços que são ofertados pelos concorrentes;

Substituto perfeito

Na Economia, esse termo diz respeito à homogeneidade dos bens ou serviços, que podem ser substituídos um por outro sem que o consumidor perceba diferenças.

Um exemplo clássico é o caso dos sais marinho e refinado.

mobilidade: cada agente comprador e vendedor atua de modo independente de todos os demais. A mobilidade é livre, e não existe qualquer acordo entre os que participam do mercado;

permeabilidade: não existem barreiras para a entrada ou a saída dos agentes que atuam ou que desejam atuar no mercado. Não existem barreiras técnicas, financeiras e legais no mercado em questão;

preço limite: nenhum vendedor de produto/serviço pode praticar preços acima do estabelecido pelo mercado, bem como os compradores não podem impor um preço menor ao de mercado;

transparência: o mercado é absolutamente transparente, ou seja, o fluxo de informações sobre preços e métodos de produção é disponibilizado para os agentes produtivos que desejarem ingressar nesse mercado.

Curso Técnico em Agronegócio

Os mercados de produtos agropecuários são os que mais se aproximam da estrutura de mercado de concorrência perfeita, uma vez que existe um grande número de produtores e compradores de produtos relativamente homogêneos sem que nenhum deles tenha poder de ditar os preços praticados.

d
d

Comentário do autor

Podem-se considerar como exemplo os produtores de tomate no Brasil. Há muitos produtores distribuídos ao longo do território nacional e inúmeros consumidores (a população brasileira).

Monopólio

O monopólio é a estrutura caracterizada pela presença de apenas uma empresa no mercado,

não existindo produtos ou produtores concorrentes, e a entrada de outras firmas nesse mercado é extremamente difícil. Além disso, a oferta da firma é a própria oferta do mercado ou a demanda da firma é a própria demanda do mercado.

Monopólio

A palavra “monopólio” deriva da junção dos termos gregos mono (um) e polein (vender), resultando em “único vendedor” ou “um vendedor”.

resultando em “único vendedor” ou “um vendedor”. 29 Legenda: No monopólio, há apenas uma empresa que

29

Legenda: No monopólio, há apenas uma empresa que oferece determinado produto, por isso a oferta no mercado depende totalmente da oferta da empresa.

O mercado de monopólio se caracteriza por apresentar condições opostas a de um mercado

de concorrência perfeita. Nesse caso, de um lado existe um único empresário que domina inteiramente a oferta de mercado e, de outro, estão todos os consumidores.

Nessa situação, os consumidores são submetidos às condições impostas pelo vendedor, como, por exemplo, o preço do produto ou serviço comercializado.

Economia Rural

Veja, agora, quais são as principais características da estrutura de mercado denominada monopólio:

30

unicidade: existe apenas um único vendedor no mercado;

insubstituibilidade: o produto/serviço produzido e comercializado pela empresa monopolista não possui nenhum tipo de substituto no mercado;

barreira: existem barreiras à entrada de novas firmas no mercado em que a empresa monopolista atua. Entende-se por barreiras as dificuldades que são impostas para quem não está no mercado. Elas podem ser derivadas do domínio de algum tipo de tecnologia, de método produtivo, de domínio de patente sobre o produto produzido e comercializado, da propriedade de uma jazida etc.;

fluxo de informações restrito: no mercado de monopólio, a empresa que atua como monopolista não divulga informações para o mercado, de modo a não perder a posição privilegiada. Essas informações podem ser, por exemplo, o método de produção ou a tecnologia adotada na empresa.

 

Comentário do autor

 
d
d

Um exemplo de mercado de monopólio é a prestação de serviços de saneamento básico (abastecimento de água e coleta de esgoto) e energia nas cidades brasileiras. Nesses dois mercados, existe apenas uma empresa que presta o serviço de saneamento básico e uma que vende a eletricidade. Veja bem, aqui não interessa se as empresas são públicas ou privadas; se há apenas um vendedor, trata-se de um monopólio.

O

monopólio existe quando há apenas um vendedor no mercado, mas, quando há apenas um

comprador de determinado bem/serviço, o mercado é denominado monopsônio.

O monopsônio é caracterizado pela estrutura de mercado em que

existe apenas um comprador, e, mesmo que haja vários produtores,

o preço do produto/serviço comercializado não é determinado pelos vendedores, mas sim pelo único comprador.

Oligopólio

O oligopólio é caracterizado como a estrutura de mercado em que poucas empresas detêm

o controle da maior parcela do mercado. Ao contrário do mercado de concorrência perfeita, as empresas no mercado de oligopólio possuem condições de afetar o preço de mercado do produto ao variar o nível de produção dos bens ou serviços produzidos e comercializados.

Curso Técnico em Agronegócio

Oligopólio

A palavra “oligopólio” deriva da junção dos termos gregos oligos (poucos) e polein (vender), resultando em “poucos vendedores”.

e polein (vender), resultando em “poucos vendedores”. Legenda: No oligopólio, poucas empresas detêm o controle

Legenda: No oligopólio, poucas empresas detêm o controle do mercado.

Ao mesmo tempo, nenhuma firma é grande o suficiente para atuar como se fosse monopolista. Uma das principais características desse tipo de mercado é o reconhecimento de interdependência entre as firmas. A ação de uma firma vai influenciar o preço ou a parcela de mercado das outras, fazendo assim com que cada uma leve em consideração as ações e as reações das demais concorrentes.

As principais características desse tipo de estrutura de mercado são:

número de concorrentes: existem poucas empresas vendedoras atuando no mercado;

diferenciação: alta variabilidade quanto a fatores como a homogeneidade, a substituibilidade e a padronização dos produtos. Ou seja, podem ocorrer estruturas de mercado de oligopólios tanto de produtos diferenciados quanto de produtos não diferenciáveis;

31

alto grau de rivalidade entre os concorrentes: geralmente, as empresas que atuam no mercado de oligopólio apresentam elevado grau de rivalidade, uma vez que as ações de uma empresa podem afetar o desempenho da outra, que é concorrente.

No Brasil, alguns exemplos de mercado oligopolista são as empresas que atuam nos setores automobilístico, farmacêutico e de telefonia celular.

Economia Rural

Concorrência monopolística

32 Um mercado de concorrência monopolística é semelhante ao mercado de concorrência per- feita em dois aspectos. Primeiro, existem muitas empresas atuantes no mercado e, segundo, a entrada de novas empresas não é limitada.

Contudo, ela difere da concorrência perfeita pelo fato de os produtos e serviços comercializados serem diferenciados (cada empresa possui uma marca ou uma versão diferente do produto) e cada empresa ser a única produtora da própria marca ou produto/serviço.

Em relação ao poder de monopólio, ele vai depender do sucesso de diferenciação do produto no mercado em relação aos das demais empresas concorrentes.

mercado em relação aos das demais empresas concorrentes. Legenda: Na concorrência monopolística, podem haver

Legenda: Na concorrência monopolística, podem haver empresas similares, mas cada uma produz um produto único, que se diferencia dos demais.

As principais características desse tipo de estrutura de mercado são:

competitividade: existe um elevado número de empresas concorrentes nesse mercado;

diferenciação: o produto de cada empresa apresenta particularidades que o diferencia dos concorrentes;

substituibilidade: embora as empresas rivais apresentem produtos/serviços diferencia- dos, eles podem ser substituídos entre si.

Os setores de cigarros e sabonetes são exemplos de mercados com estrutura de concorrência monopolística.

c
c

Leitura complementar

Na biblioteca do AVA, você encontra o texto “Produtos agrícolas, estratégias competitivas e nichos de mercado”. Acesse e confira!

Curso Técnico em Agronegócio

Encerramento do tema

Neste tema, você aprendeu o que é mercado e suas diferentes estruturas: concorrência perfei- ta, monopólio, oligopólio e concorrência monopolística. Cada uma dessas estruturas de mer- cado apresenta características específicas, e algumas apresentam alguns aspectos em comum.

No próximo tema, trataremos de um importante assunto da Economia: a Teoria do Consumidor, cujo enfoque é centrado nas leis de oferta e de demanda de mercado.

Atividade de aprendizagem

1. Neste tema, você teve a oportunidade de conhecer um pouco mais dos conceitos e das características dos diferentes tipos de estruturas de mercado. Dessa forma, qual das opções é considerada uma característica básica da estrutura de mercado de monopólio?

a) A presença de uma empresa no mercado.

b) A presença de poucas empresas no mercado.

c) A presença de várias empresas no mercado.

d) Nenhuma das respostas anteriores.

33

Economia Rural

03

Teoria do Consumidor

03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor
03 Teoria do Consumidor

Tema 3: Teoria do Consumidor

Neste tema, serão discutidos os conceitos de demanda e de oferta de mercado, como a análise mercadológica da oferta e da demanda resulta na formação de preços dos produtos agropecuários, além do conceito de escassez e das suas consequências econômicas.

Ao final deste estudo, você será capaz de:

analisar o funcionamento do mercado agropecuário sob a perspectiva da Teoria do Consumidor;

avaliar as situações de equilíbrio e de desequilíbrio do mercado do agronegócio brasileiro.

Tópico 1: Análise Mercadológica de Oferta e de Demanda

Para iniciar, você verá a análise da demanda de mercado e suas principais características. Em seguida, serão abordados a oferta e o equilíbrio de mercado. Por fim, serão apresentadas situações de desequilíbrio de mercado que podem ocorrer em diversos tipos de mercado, inclusive os de produtos agropecuários.

35

1. Demanda

De acordo com Dallagnol (2008), a demanda, ou procura, pode ser definida como a quantidade de certo bem ou serviço que os consumidores desejam e estejam dispostos a adquirir por um determinado preço em um período de tempo.

A demanda de mercado para um determinado bem ou serviço

é obtida a partir do somatório de todas as demandas individuais

(demanda dos consumidores individuais) em uma dada região e em um determinado período de tempo.

Economia Rural

36

Os principais fatores que podem influenciar a escolha do consumidor por determinado tipo de bem ou serviço são:

o preço do bem ou serviço: essa é uma importante variável que afeta a decisão do consumidor em comprar ou não. Ou seja, se para o consumidor o bem ou o serviço for considerado barato, ele estará disposto a comprá-lo;

o preço de outros bens relacionados: por exemplo, se o consumidor desejar adquirir pão, ele não irá pesquisar apenas o preço desse produto, mas também o preço da manteiga, que é um produto que “acompanha” o consumo do pão. Assim, o preço dos produtos complementares e substitutos irá afetar o consumo do bem em questão;

Produtos complementares

São produtos utilizados ou consumidos de maneira conjunta, como, por exemplo, o pão com a manteiga, o café com o leite, o arroz com o feijão.

Produtos substitutos

São produtos cujo consumo pode ser substituído por outro produto semelhante, como, por exemplo, a margarina e a manteiga ou a carne de boi e a carne de frango.

o nível de renda do consumidor: é necessário que o consumidor tenha certo nível de renda (recurso financeiro) para poder comprar determinado bem ou serviço;

os hábitos e as preferências do consumidor: o consumidor tem preferência pelos bens e serviços de acordo com o seu gosto. Ou seja, se a pessoa não gosta de carne bovina, poderá ter preferência pelas carnes de aves ou suínas.

poderá ter preferência pelas carnes de aves ou suínas. Legenda: A venda de casquinha de sorvete

Legenda: A venda de casquinha de sorvete depende diretamente da venda de sorvete. Por isso, casquinha e sorvete são considerados produtos complementares.

Curso Técnico em Agronegócio

Para se estudar o comportamento dessas variáveis de maneira isolada, é usual em Economia a utilização da terminologia ceteris paribus, ou coeteris paribus.

Ceteris paribus

Expressão em latim que significa “permanecendo constantes todas as demais variáveis”. Essa terminologia é muito utilizada na Economia quando se deseja avaliar as consequências de uma variável sobre outra supondo-se as demais inalteradas.

Ou seja, quando se deseja saber o que ocorrerá com a demanda do bem X se o preço dele diminuir, é necessário supor que todas as demais variáveis que afetam a demanda desse bem permaneçam constantes, de maneira que a variação da demanda seja atribuída apenas à variação do nível de preço do produto em questão.

Lei da Demanda (ou Lei da Procura)

A demanda é representada pelas várias quantidades de bens ou serviços que os consumidores estarão dispostos e aptos a adquirir em função dos vários níveis de preços possíveis e em um determinado período de tempo.

Pela Lei da Demanda (ou Lei da Procura), com tudo o mais mantido constante (ceteris paribus), quando o preço de um bem aumenta, sua quantidade demandada diminui, ou, quando o preço diminui, a quantidade demandada aumenta.

Veja um exemplo na tabela a seguir.

Preços e quantidades demandadas de carne de frango

Preço (R$/kg – real/quilo)

Quilos (kg/semana)

5

1

4

2

3

3

2

4

1

5

Fonte: Elaborado pelo autor.

37

Observe que, quando o preço do quilo da carne de frango for R$ 5,00, a quantidade de carne que o consumidor estará disposto a comprar será de 1 kg.

Economia Rural

Por outro lado, quando o preço do quilo da carne de frango for R$ 1,00, a quantidade de carne que o consumidor estará disposto a comprar será de 5 kg.

38

Quando a carne de frango ficou com um preço menor (ou mais barata), o consumidor tornou-se disposto a comprar uma quanti- dade maior do produto. Esse exemplo também pode ser aplicado para todo o mercado (considerando o total de consumidores de determinada região).

Por meio dos valores apresentados na tabela anterior, é possível apresentar a curva de demanda da carne de frango desse exemplo.

Preço 5 1 1 5 Quantidade
Preço
5
1
1
5
Quantidade

Assim, a curva de demanda relaciona as quantidades de um bem que o mercado (total de consumidores) estará disposto a adquirir aos vários preços alternativos possíveis em dado período de tempo.

Uma importante diferença a ser mencionada é entre demanda e quantidade demandada. A demanda é relacionada a toda a curva de demanda que associa todos os possíveis preços a determinadas quantidades de um bem ou serviço no mercado. Já a quantidade demandada é um ponto específico da curva de demanda.

De acordo com o exemplo mencionado anteriormente, a curva mostrada na figura representa a demanda da carne de frango. Já a quantidade demandada é representada por um ponto dessa curva, como os 5 kg de carne de frango que o mercado consume ao preço de R$ 1,00 por quilo da carne.

Quando há variações no preço do produto ou serviço, a mudança da quantidade demandada desse bem ou serviço ocorre ao longo da curva de demanda.

Curso Técnico em Agronegócio

Veja como isso se dá no exemplo para a demanda de tomate, mostrado na figura a seguir.

Variação na quantidade demandada de tomate

Preço do tomate C R$ 2,50 A R$ 1,00 2 8
Preço do
tomate
C
R$ 2,50
A
R$ 1,00
2
8

Fonte: SANCHES (2015, p. 46).

Quantidade

de tomate

Observe que, quando o preço do tomate aumenta de R$ 1,00 para R$ 2,50, a quantidade demandada do produto diminuiu de 8 para 2 unidades. O movimento ao longo da curva de demanda é mostrado pelo movimento do ponto A para o C, permanecendo inalterada a curva de demanda de mercado para o tomate.

Deslocamento da curva de demanda

O deslocamento da curva de demanda ocorre quando há uma mudança nas variáveis que influenciam diretamente na decisão de compra do consumidor mantidos os preços do produto.

Essas variáveis podem ser:

39

1. a preferência do consumidor (ou grupo de consumidores);

2. o nível de renda do consumidor;

3. os preços dos bens relacionados, sendo eles complementares ou substitutos;

4. a qualidade do bem ou serviço.

Economia Rural

Veja o exemplo de deslocamento da curva de demanda na figura a seguir.

40

Deslocamento da curva de demanda

Preço (R$) 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 D* 0,50 D 0 123 456 7 8
Preço (R$)
3,00
2,50
2,00
1,50
1,00
D*
0,50
D
0 123 456 7
8
9 10 11 12
Quantidade

Fonte: Adaptado de SANCHES (2015, p. 47).

Nesse exemplo, perceba que ocorre um deslocamento da curva de demanda para a direi- ta, passando de D para D*. Isso significa que, aos mesmos preços, as quantidades deman- dadas do produto são maiores. Isso ocorre, por exemplo, quando aumenta a renda dos consumidores.

Por fim, vale a pena destacar que as situações de movimento ao longo da curva de demanda e o seu deslocamento são acontecimentos distintos, em que o primeiro se relaciona diretamente com o movimento na própria curva de demanda e, o segundo, está relacionado com a mudança de posição da curva de demanda entre os eixos de preço e de quantidade do produto analisado.

2. Oferta

De acordo com Dallagnol (2008), pode-se conceituar oferta como as várias quantidades de bens e serviços que os vendedores estão dispostos a oferecer para o mercado a diferentes preços em um determinado período de tempo. Assim, a oferta de mercado para um determi- nado bem ou serviço é obtida a partir do somatório de todas as ofertas individuais em uma dada região e em um determinado período de tempo a diferentes níveis de preços.

Curso Técnico em Agronegócio

Os principais fatores que influenciam a decisão do vendedor em ofertar determinado tipo de bem ou serviço são:

o preço do bem ou serviço: quanto maior for o preço do bem ou serviço no mercado, mais dispostos os vendedores (empresas) estarão a produzir e a comercializar o bem ou serviço no mercado;

o custo dos fatores de produção (recursos produtivos): caso o custo dos fatores de produção (capital, terra e trabalho) seja inferior à receita gerada a partir da venda dos bens ou serviços produzidos pela empresa, o vendedor estará disposto a ofertar os produtos e serviços na economia, uma vez que terá ganhos (lucro) com a venda. O principal objetivo das empresas é o lucro, que só é gerado quando a receita total é maior que o custo total de produção da firma.

Lei da Oferta

A oferta é representada pelas várias quantidades de bens e ser- viços que os vendedores estarão dispostos e aptos a vender em função dos vários níveis de preços possíveis e em um determinado período de tempo.

Pela Lei da Oferta, com tudo o mais mantido constante (ceteris paribus), quando o preço de um bem aumenta, sua quantidade ofertada aumenta, ou, quando o preço diminui, a quantidade ofertada diminui.

Veja um exemplo:

Preços e quantidades ofertadas de carne de frango

Preço (R$/kg – real/quilo)

Quilos (kg/semana)

5

5

4

4

3

3

2

2

1

1

Fonte: Elaborado pelo autor.

Economia Rural

41

Observe que, quando o preço do quilo da carne de frango for R$ 5,00, a quantidade de carne que os vendedores estarão dispostos a vender será de 5 kg.

42

Por outro lado, quando o preço do quilo da carne do frango for R$ 1,00, a quantidade de carne que os vendedores estarão dispostos a vender será de 1 kg.

Quando a carne de frango tem preço menor (ou é mais barata), os vendedores se dispõem a vender uma quantidade menor de produto. Esse exemplo também pode ser aplicado para uma situação de merca- do considerando o grupo de vendedores de determinada região.

Por meio dos valores apresentados na tabela anterior, é possível apresentar a curva de oferta da carne de frango desse exemplo.

Curva de oferta da carne de frango

Preço (R$) 5 1 1 5 Quantidade
Preço (R$)
5
1
1
5
Quantidade

Assim, a curva de oferta relaciona as quantidades de um bem que os vendedores ofertarão aos vários preços alternativos possíveis em um dado período de tempo.

Fique atento para a diferença entre oferta e quantidade ofertada:

A oferta é relacionada a toda a escala que determina todos os possíveis preços a determinadas quantidades de um bem ou serviço. Ela é representada por toda a extensão da curva de oferta.

A quantidade ofertada é um ponto específico da curva de oferta. É uma determinada quantidade ofertada a um determinado preço, como, por exemplo, os 5 kg de carne de frango que os vendedores oferecem à venda quando o preço é de R$ 5,00 por quilo da carne.

Curso Técnico em Agronegócio

Quando ocorrem variações no preço do produto ou serviço, a mudança da sua quantidade ofertada ocorre apenas ao longo da curva de oferta.

Veja como isso ocorre com um exemplo para a oferta de tomate:

Variação na quantidade ofertada de tomate

Preço do tomate C R$ 3,00 A R$ 1,00 1 5
Preço do
tomate
C
R$ 3,00
A
R$ 1,00
1
5

Fonte da imagem: SANCHES (2015, p. 48).

Quantidade

de tomate

Observe que, quando o preço do tomate aumenta de R$ 1,00 para R$ 3,00, a quantidade ofertada do produto aumenta de 1 para 5 unidades. O movimento ao longo da curva de oferta é mostrado pelo movimento do ponto A para o C.

Deslocamento da curva de oferta

O deslocamento da curva de oferta é explicado quando ocorre uma mudança nas variáveis que influenciam a expectativa dos empresários em produzir e comercializar bens e serviços para a sociedade mantidos os níveis de preços.

Podem ser variáveis:

1. a tecnologia;

2. as condições climáticas;

43

3. o suprimento de insumos necessários para a produção dos bens ou serviços;

4. os impostos e/ou subsídios do governo.

Economia Rural

Veja, adiante, um exemplo de deslocamento da curva de oferta.

44

Deslocamento da curva de oferta Preço (R$) O 3,00 O* 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50
Deslocamento da curva de oferta
Preço (R$)
O
3,00
O*
2,50
2,00
1,50
1,00
0,50
0 123 456 7
8
9
1 0 11 12
Quantidade

Fonte da imagem: Adaptado de SANCHES (2015, p. 48).

Esse exemplo mostra um deslocamento da curva de oferta para a direita, o que significa que, mantidos os preços, as quantidades ofertadas no mercado serão maiores. Isso pode ocorrer em consequência de mudanças tecnológicas que possibilitem o aumento da produção com os mesmos custos.

Por fim, vale a pena destacar que as situações de movimento ao longo da curva de oferta e o seu deslocamento são acontecimentos distintos, em que o primeiro se relaciona diretamente com o movimento na própria curva de oferta e, o segundo, está relacionado com a mudança de posição da curva de oferta entre os eixos de preço e de quantidade do produto analisado.

3. Equilíbrio de mercado

O equilíbrio se refere às condições do mercado que, uma vez atingidas, tendem a se manter.

Em Economia, isso ocorre quando a quantidade demandada de um bem no mercado, em dada unidade de tempo, iguala-se à quantidade ofertada desse bem nessa mesma unidade de tempo.

O equilíbrio ocorre quando há uma interseção das curvas de demanda e de oferta do mercado, ou seja, é o ponto no qual as curvas se cruzam.

O preço representado no local em que as curvas se cruzam é chamado de preço de equilíbrio

(também denominado de “preço de ajustamento de mercado”), e a quantidade do bem ou serviço comercializado no mercado é denominado de quantidade de equilíbrio.

Nessa situação, ao preço de equilíbrio, a quantidade demandada do bem é exatamente igual à quantidade ofertada do mesmo bem no mercado.

Curso Técnico em Agronegócio

Equilíbrio de mercado

Preço (R$) 3,00 O 2,50 2,00 Equilíbrio 1,50 1,00 D 0,50 0 123 456 7
Preço (R$)
3,00
O
2,50
2,00
Equilíbrio
1,50
1,00
D
0,50
0
123 456 7
8
9
1 0 11
1 2
Quantidade

Fonte: Adaptado de SANCHES (2015, p. 49).

Nesse exemplo, o preço de equilíbrio é R$ 2,00 e a quantidade de equilíbrio é 7. Nessa situação de equilíbrio de mercado, a quantidade demandada é igual à quantidade ofertada do bem ou serviço em questão.

4. Excesso e escassez de mercado

O equilíbrio de mercado pode ser afetado por diversos acontecimentos, como, por exemplo,

o

excesso de produção de um tipo de grão ou a falta de chuva em determinadas localidades,

o

que reduz a produção agrícola.

Essas situações de desequilíbrio de mercado são chamadas de excesso de oferta (ou escassez de demanda) e excesso de demanda (ou escassez de oferta).

Excesso de oferta

45

Preço (R$) 3,00 Excesso Oferta 2,50 2,00 1,50 1,00 Demanda 0,50 0 123 456 7
Preço (R$)
3,00
Excesso
Oferta
2,50
2,00
1,50
1,00
Demanda
0,50
0 123 456 7
8
9
1 0 11
Quantidade

Fonte: SANCHES (2015, p. 50).

Economia Rural

No exemplo, o preço de mercado do tomate é R$ 2,50, que é maior que o preço de equilíbrio, que é R$ 2,00.

46

Nessa situação, os vendedores estarão dispostos a vender 10 unidades de tomate, mas os consumidores estarão dispostos a comprar apenas 4 unidades do produto. Com isso, haverá excesso de tomate no mercado. Essa situação é caracterizada por excesso de oferta, ou escassez de demanda.

No entanto, quando ocorre um excesso de produto no mercado, os vendedores ficam mais dispostos a baixar o preço do produto para conseguir vendê-lo. Com isso, há uma disputa entre os vendedores nesse mercado de tomate (geralmente, a disputa entre vendedores no mercado é por meio de promoções) até que o seu preço seja reduzido para o preço de equilíbrio (R$ 2,00) e o mercado volte novamente ao equilíbrio.

Excesso de demanda

Preço (R$) Oferta 2,00 1,50 Demanda Excesso de Demanda 0 123 456 7 8 9
Preço (R$)
Oferta
2,00
1,50
Demanda
Excesso de
Demanda
0 123 456 7
8
9
1 0 11
Quantidade

Fonte: SANCHES (2015, p. 50).

No exemplo, o preço de mercado do tomate é R$ 1,50, que é menor que o preço de equilíbrio, que é R$ 2,00.

Nessa situação, os vendedores estarão dispostos a vender apenas 4 unidades de tomate; já os consumidores estarão dispostos a comprar 10 unidades do produto. Com isso, haverá falta de tomate no mercado. Essa situação caracteriza um excesso de demanda, ou escassez de oferta.

No entanto, quando ocorre uma falta de produto no mercado, os consumidores se dispõem a pagar mais caro pelo produto. Com isso, há uma disputa entre os consumidores para ver quem consegue as poucas unidades de tomate disponíveis no mercado. Essa procura irá acarretar aumento do preço do tomate no mercado até que ele alcance o preço de equilíbrio (R$ 2,00) e o mercado volte novamente ao equilíbrio.

Curso Técnico em Agronegócio

c
c

Leitura complementar

Na biblioteca do AVA, você encontra o texto “Oportunidade para a agricultura”. Acesse e confira!

Encerramento do tema

Neste tema, foram apresentados os conceitos de demanda e de oferta de mercado e os principais fatores que afetam a demanda e a oferta de bens e serviços. Além disso, discutiu- se o que é equilíbrio de mercado e foram apresentadas situações que podem afetar esse equilíbrio – situações de desequilíbrio de mercado podem ser consequência de excesso de oferta (escassez de demanda) ou de excesso de demanda (escassez de oferta).

No tema a seguir, trataremos de dois importantes assuntos: a teoria da elasticidade e o sistema de preços.

Atividade de aprendizagem

1. Neste tema, você teve a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre os conceitos aplicados às curvas de demanda e de oferta de mercado, e sobre a situação de equilíbrio de mercado. Em qual situação ocorre o equilíbrio de mercado?

a) Quando só existe uma curva de demanda.

b) Quando as curvas de oferta e de demanda se interceptam (encontram).

c) Quando só existe uma curva de oferta.

d) Nenhuma das respostas anteriores.

47

Economia Rural

04

Elasticidade e Sistema de Preços

04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços
04 Elasticidade e Sistema de Preços

Tema 4: Elasticidade e Sistema de Preços

Neste tema, você verá os conceitos relacionados à elasticidade e ao sistema de preços em uma economia, além do processo de elaboração de preço de produtos agropecuários considerando a elasticidade de preços.

Ao final deste tema, você terá competência para:

analisar os conceitos aplicados à elasticidade e calculá-la;

avaliar o funcionamento dos preços dos produtos agropecuários.

Tópico 1: Análise de elasticidade e de sistema de preços

Partindo da apresentação dos conceitos básicos de elasticidade, dos aspectos fundamentais de elasticidade-preço da demanda, da elasticidade-preço cruzada da demanda e da elasticidade- preço da oferta, você verá alguns aspectos sobre o sistema de preços dos produtos do agronegócio brasileiro.

1. Conceitos básicos

Na literatura de Economia Rural, a utilização do conceito de elasticidade visa analisar a relação entre as diferentes quantidades de oferta e de demanda de certos bens e serviços agropecu- ários devido à alteração dos seus respectivos preços no mercado.

A elasticidade pode ser definida como a relação da mudança proporcional na quantidade (de- mandada ou ofertada) de um bem ou serviço devido à mudança proporcional no preço dele.

(de- mandada ou ofertada) de um bem ou serviço devido à mudança proporcional no preço dele.

Economia Rural

49

2. Elasticidade-preço da demanda

50 A elasticidade-preço da demanda é definida como a mudança percentual da quantidade demandada do produto ou serviço devido à mudança percentual do preço do produto/serviço analisado.

Ela descreve o grau de sensibilidade de variação da quantidade demandada de um bem em decorrência de uma mudança no preço.

Por meio da curva de demanda, sabe-se que, quando o preço do bem ou serviço aumenta, a quantidade demandada desse bem ou serviço diminui, e vice-versa. No entanto, existem diferenças nos graus de sensibilidade de resposta em relação ao tipo de bem ou serviço analisado.

Por exemplo, caso ocorra uma redução no preço do sal de cozinha ou no vinagre, que são bens de reduzido valor e que não possuem bons substitutos, a procura por esses bens não irá aumentar muito. Por outro lado, caso o preço de um tipo de carro ou de uma televisão venha a se reduzir significativamente, tem-se um aumento considerável na procura por esses bens, que são de alto valor e que possuem muitas marcas substitutas.

Dessa forma, de acordo com o tipo de bem ou serviço analisado, a variação no preço irá implicar em comportamentos diferenciados na quantidade demandada.

Veja, a seguir, a fórmula da elasticidade-preço da demanda representada na equação 1:

Equação 1

Ed =

Variação percentual na quantidade demandada

Variação percentual no preço

O termo Ed significa elasticidade-preço da demanda. Veja a dedução matemática dessa fórmula:

A variação percentual nas quantidades e nos preços é dada por:

ΔQ% = (Qf / Qi - 1) x 100

ΔP% = (Pf / Pi - 1) x 100

Curso Técnico em Agronegócio

Em que:

ΔQ% = variação percentual da quantidade demandada Qi = quantidade inicial Qf = quantidade final

ΔP% = variação percentual do preço Pi = preço inicial Pf = preço final

Assim,

Equação 2

Ed =

(Qf / Qi - 1) x 100

(Pf / Pi - 1) x 100

Veja um exemplo em que se utiliza a segunda equação:

Suponha que o sorvete tenha o preço inicial de equilíbrio de mercado de R$ 5,00 (Pi) e a quantidade demandada inicial de 3 unidades (Qi). No entanto, com a introdução de uma nova tecnologia mais produtiva, ocorre aumento da quantidade ofertada para 5 unidades (Qf) e, assim, redução do preço desse bem, que cai para R$ 4,00 (Pf).

Esse comportamento simplesmente obedece às leis da oferta e da demanda, ou seja, maior oferta implica em menor preço e menor preço implica em maior quantidade demandada.

Nesse exemplo, qual é o valor da elasticidade-preço da demanda?

Veja como resolver essa questão:

Preço inicial = R$ 5,00

Preço final = R$ 4,00

Quantidade demandada inicial = 3 unidades

Quantidade demandada final = 5 unidades

ΔQ = variação da quantidade demandada = quantidade final - quantidade inicial = 5 - 3 = 2

ΔP = variação do preço = preço final - preço inicial = 4 - 5 = -1

51

Economia Rural

52

Utilizando a fórmula da equação 2, temos:

Ed =

(Qf / Qi - 1) x 100

(Pf / Pi - 1) x 100

 

(5/3 - 1) x 100

(1,6666 - 1) x 100

66,66

=

=

=

=

 

(4/5 - 1) x 100

(0,8000 - 1) x 100

-20,00

Ed = -3,33

Ou seja, o valor -3,333 é a elasticidade-preço da demanda. Ele significa que, para cada 1% de variação no preço, a quantidade demandada variará 3,33%. O valor negativo é referente à relação inversa da lei da oferta e da demanda – uma redução do preço acarreta o aumento da quantidade demandada, e vice-versa.

Classificação da elasticidade-preço da demanda

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço da demanda (Ed) é maior do que 1, diz-se que a demanda é elástica. Isso quer dizer que uma pequena variação no preço do produto resultará em uma variação maior na quantidade demandada do bem.

Por exemplo, a redução de 1% no preço do sorvete resultará em um aumento de 3,33% na quantidade demandada desse produto. Nessa situação, a variação da quantidade demandada foi maior do que a variação do preço. Nesse caso, diz-se que o sorvete é elástico a preços.

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço da demanda (Ed) é menor do que 1, diz- se que a demanda é inelástica. Então, uma variação no preço do produto resultará em uma variação menor na quantidade demandada dele.

Por exemplo, o aumento de 5% no preço do sal de cozinha pode resultar em uma redução de apenas 1% na quantidade demandada desse produto. Nessa situação, diz-se que o sal de cozinha é inelástico a preços.

Agora, se o valor do coeficiente de elasticidade-preço da demanda (Ed) for igual a 1, diz-se que o bem possui elasticidade unitária, significando que a variação do preço do produto é igual à variação da quantidade demandada dele.

Por exemplo, o aumento de 5% no preço do lápis pode resultar em uma redução de 5% na quantidade demandada desse produto no mercado.

Curso Técnico em Agronegócio

3.

Elasticidade-preço cruzada da demanda

O coeficiente de elasticidade-preço cruzada da demanda mede a relação de demanda entre dois diferentes produtos. Ou seja, considerando-se dois produtos distintos, a elasticidade- preço cruzada da demanda é uma medida da variação percentual na demanda de um produto X devido a uma mudança relativa no preço do produto Y.

Veja, na equação 3, a fórmula da elasticidade-preço cruzada da demanda.

E xy =

ΔQx

x

Py

ΔPy

Qx

Equação 3

Em que:

ΔQx = representa a variação da quantidade demandada do produto X

ΔPy = representa a variação do preço do produto Y

 

Py = representa o preço do produto Y

Qx = representa a quantidade demandada do produto X

 

De acordo com o valor do coeficiente da elasticidade-preço cruzada da demanda, é possível classificar os bens em complementares ou substitutos.

Ed > 0
Ed > 0

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço cruzada da demanda é maior que zero, significa que os produtos são substitutos – o aumento no preço de um dos produtos está associado ao aumento do consumo do outro produto em questão.

Ed < 0
Ed < 0

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço cruzada da demanda é menor que zero, significa que os produtos analisados são complementares – o aumento no preço de um produto resulta em uma redução no consumo do outro produto em questão.

Ed = 0
Ed = 0

Por outro lado, quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço da demanda é igual a zero, os produtos analisados não possuem nenhum tipo de relação.

53

4. Elasticidade-preço da oferta

A elasticidade-preço da oferta representa a mudança percentual na quantidade ofertada de um produto em resposta a uma variação relativa no seu preço. Pela Lei da Oferta, sabe-se que, quando o preço do bem ou serviço aumenta, a quantidade ofertada desse bem ou serviço também aumenta, e vice-versa.

Economia Rural

54

Veja, na equação 4, a fórmula da elasticidade-preço da oferta.

Equação 4

Eo =

Variação percentual na quantidade ofertada

Variação percentual no preço

O termo Eo significa elasticidade-preço da oferta. Veja a dedução matemática dessa fórmula.

A variação percentual nas quantidades e nos preços é dada por:

ΔQ% = (Qf / Qi - 1) x 100

ΔP% = (Pf / Pi - 1) x 100

Em que:

ΔQ% = variação percentual da quantidade ofertada Qi = quantidade inicial Qf = quantidade final

ΔP% = variação percentual do preço Pi = preço inicial Pf = preço final

Assim,

Equação 5

Eo =

(Qf / Qi - 1) x 100

(Pf / Pi - 1) x 100

A fórmula apresentada na equação 5 mostra o valor do coeficiente da elasticidade-preço da oferta, cuja interpretação é igual à da elasticidade-preço da demanda.

Veja um exemplo em que se utiliza a equação 5:

Suponha que o picolé seja comercializado ao preço de R$ 2,00 (Pi). A esse preço, os vendedores estão dispostos a ofertarem 6 unidades (Qi) de picolé. Se o preço do picolé se elevar para R$ 4,00 (Pf) (como consequência de aumentos nos custos de produção), os vendedores estarão dispostos a ofertarem 18 unidades (Qf) de picolé no mercado.

Então, qual é o valor do coeficiente de elasticidade-preço da oferta desse produto?

Curso Técnico em Agronegócio

Veja como resolver essa questão:

Preço inicial = R$ 2,00

Preço final = R$ 4,00

Quantidade ofertada inicial = 6 unidades

Quantidade ofertada final = 18 unidades

Utilizando a fórmula da equação 5, temos:

Ed =

(Qf / Qi - 1) x 100

(Pf / Pi - 1) x 100

 

(18/6 - 1) x 100

2,0000 x 100

2,0000

=

=

=

=

 

(4/2 - 1) x 100

1,0000 x 100

1,0000

Eo = 2

Desse modo, o valor 2 é a elasticidade-preço da oferta, ou seja, para cada 1% de variação no preço, a quantidade ofertada variará 2%.

No caso desse exemplo, a variação de 100% no preço (de R$ 2,00 para R$ 4,00) resultou no aumento de 200% na oferta (de R$ 6,00 para R$ 18,00), o que equivale à mesma proporção de 1% na variação do preço para 2% na variação da quantidade ofertada.

Sendo 2 um número positivo, significa que a relação é direta – o aumento do preço acarreta, também, aumento da quantidade demandada, e vice-versa. É o que diz a Lei da Oferta:

aumentos de preços resultam em aumentos das quantidades ofertadas pelos vendedores.

Classificação da elasticidade-preço da oferta

Eo > 1
Eo > 1

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço da oferta (Eo) é maior que 1, diz-se que a oferta é elástica. Isso quer dizer que uma variação no preço do produto resultará em uma maior variação na quantidade ofertada desse produto.

55

No exemplo, o aumento de 1% no preço do picolé resultou em um aumento de 2% na quantidade ofertada de picolé no mercado.

Eo < 1
Eo < 1

Quando o valor do coeficiente da elasticidade-preço da oferta (Eo) é menor do que 1, diz-se que a oferta é inelástica. Então, uma variação no preço do produto resultará em uma variação menor na quantidade ofertada desse produto.

Economia Rural

Caso exista um aumento de 3% no preço do sal de cozinha, isso pode resultar em um aumento

de apenas 1% na quantidade ofertada desse produto. Nessa situação, a variação da quantidade

56 ofertada foi apenas 1/3 da variação do preço do produto.

Eo = 1
Eo = 1

Quando o valor do coeficiente de elasticidade-preço da oferta (Eo) é igual a 1, diz- se que a oferta tem elasticidade unitária, o que significa que a variação do preço do produto é igual à variação da quantidade ofertada desse mesmo produto.

Diante de um aumento de 5% no preço do lápis, o resultado pode ser um aumento de 5% na quantidade ofertada desse produto no mercado.

5. Sistema de preços dos produtos agropecuários

Os preços dos produtos agropecuários normalmente são determinados a partir da interação das curvas de demanda e de oferta no mercado que se aproximam da estrutura de mercado de concorrência perfeita, como mostra a figura a seguir.

Determinação do preço dos produtos agropecuários por meio da interação das curvas de oferta e
Determinação do preço dos produtos agropecuários por meio
da interação das curvas de oferta e de demanda.
Preço
Oferta
P E
Equilíbri o
Demanda
Q E
Quantidade

O preço de mercado do produto agropecuário será o preço de equilíbrio – PE, conforme

indicado na figura. No entanto, devido a algumas especificidades dos mercados rurais, os preços dos produtos agropecuários costumam variar bastante.

d
d

Comentário do autor

Por exemplo, devido à característica de perecibilidade dos produtos do setor rural, os produtores de grãos que detêm condições de armazenar o produto conseguem negociar preços mais altos, já que não precisam vender imediatamente e a preços reduzidos, podendo estocar o produto e comercializá-lo quando o preço de mercado estiver mais alto. O inverso também pode acontecer.

Curso Técnico em Agronegócio

Considere o caso de avicultores (criadores de frango) que necessitam negociar com certa rapidez o preço das aves com as agroindústrias processadoras de carne de frango, pois, senão, poderão ter prejuízo uma vez que o ciclo de vida do frango é curto e seus custos de produção são elevados.

Assim, os produtores não têm como barganhar preços, tendo de aceitar o preço de equilíbrio do período em que os frangos atingem a maturidade, uma vez que isso é preferível a incorrer no prejuízo representado pelos altos custos de manutenção do plantel de frangos.

Portanto, o sistema de preços dos produtos agropecuários é influenciado pelas especificidades dos mercados rurais, sobretudo pela sazonalidade da produção, por fatores climáticos que afetam a disponibilidade e a qualidade do produto agropecuário, e pela perecibilidade dos produtos.

Encerramento do tema

Neste tema, você aprendeu o que é elasticidade, quais são os principais conceitos aplicados à elasticidade-preço da demanda e à elasticidade-preço da oferta, como calcular seus coeficientes e como classificá-los em elástica, inelástica ou unitária.

Conheceu as características da elasticidade-preço cruzada da demanda, que objetiva analisar a relação entre dois tipos de bens ou serviços (se são complementares, substitutos ou nenhum dos dois), e viu, ainda, algumas considerações sobre o sistema de preços dos produtos agropecuários no mercado.

O próximo tema trata de um importante assunto na Economia: a Teoria de Produção (ou Teoria da Firma).

Atividade de aprendizagem

57

1. Qual das opções abaixo possui elasticidade-preço da demanda que representa uma demanda elástica?

a) 1

b) 0,5

c) 2

d) Nenhuma das respostas anteriores

Economia Rural

05

Teoria da Firma

05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma
05 Teoria da Firma

Tema 5: Teoria da Firma

Neste tema, serão apresentados os conceitos relacionados à Teoria da Firma (Teoria da

Empresa ou de Produção), além das maneiras como realizar cálculos de receita, lucro e custos

de produção, e de como aplicar a análise de custos em uma empresa rural (propriedade rural).

Ao final deste tema, você será capaz de:

conhecer os conceitos da Teoria da Firma aplicados ao setor rural;

analisar as principais características de administração da empresa (propriedade) rural;

avaliar o comportamento dos custos produtivos da empresa rural no curto e no longo prazo.

Tópico 1: Análise da Teoria da Empresa Rural

Inicialmente, você verá alguns conceitos básicos aplicados à Teoria da Firma, como lucro, receita e custo, passando por aspectos fundamentais sobre produto marginal, produto médio, custo marginal e custo médio de uma empresa. A partir desses conhecimentos, você poderá identificar a situação em que o empresário rural obterá o lucro máximo na empresa

ou propriedade rural.

59

1. Aspectos iniciais

O conhecimento dos conceitos associados às atividades administrativas e operacionais

da empresa rural é de fundamental importância para o desenvolvimento da gestão das propriedades rurais. É necessário que haja o reconhecimento de que a gestão da propriedade rural (empresa rural) pode sofrer a influência de fatores internos e externos à propriedade.

Economia Rural

Veja, na figura a seguir, a representação da realidade da gestão de uma propriedade rural.

60

E T O processo de gestão da empresa rural N E I B M Empresa
E
T
O processo de gestão da empresa rural
N
E
I
B
M
Empresa Rural
A
Tomada
Objetivos
Recursos
de Decisão
Funções
Sistema de
Administrativas
Informação
A
M
B
I
E
N
T
E

Fonte: Elaborado pelo autor.

A unidade básica do processo é a empresa rural, que abrange atividades relacionadas ao processo administrativo da propriedade rural e com a avaliação do desempenho dos preços dos produtos a serem produzidos.

As empresas rurais são constituídas de recursos produtivos: capital, terra e trabalho – que são

alocados de maneira a alcançarem o objetivo central do produtor rural: obter lucratividade por meio da venda da sua produção agropecuária.

O administrador precisa verificar se as possíveis combinações dos recursos produtivos

disponíveis na propriedade rural serão capazes de alcançar os objetivos de produção – produzir produtos os mais lucrativos possíveis.

Em uma empresa rural, o alcance dos objetivos está confinado dentro de alguns limites dados pela quantidade de terra, capital e trabalho disponível. Esses recursos podem se alterar com o tempo, mas eles nunca estarão disponíveis em quantidade infinita (aspecto esse relacionado com o problema da escassez dos recursos produtivos na economia).

Dessa forma, o produtor precisa identificar os limites atuais dos recursos produtivos da propriedade rural e decidir a melhor forma de alocar os fatores de produção para a condução das atividades na propriedade rural.

Curso Técnico em Agronegócio

São muitos os fatores que podem influenciar o processo de decisão do produtor rural, podendo ser de:

Natureza Interna

Necessidades presentes e futuras do negócio, idade, conhecimentos técnico e administrativo do produtor, habilidade do produtor rural na realização das atividades do sistema produtivo, entre outros.

Natureza Externa

Políticas governamentais, tecnolo- gia de produção, nível de renda da população local, entre outros.

No gerenciamento da propriedade rural, o produtor deve estar atento à influência de uma série de variáveis que podem afetar o desempenho produtivo do negócio rural.

Além disso, destaca-se a importância da utilização da tecnologia da informação para o geren- ciamento das atividades administrativas na propriedade rural. Com apoio de um computador, pode-se fazer o controle dos custos e das receitas da produção, e o arquivamento das principais informações da propriedade rural, como o nível de produção e as tecnologias agropecuárias.

2. Conceitos básicos

É necessária a apresentação de alguns conceitos para a melhor compreensão do conteúdo discutido ao longo deste capítulo.

Empresa, firma ou unidade produtiva

Unidade básica de produção de bens ou serviços. No caso do setor rural, cita-se a propriedade rural como uma empresa rural, produtora de produtos agropecuários, além das agroindústrias, das indústrias produtoras de insumos e dos prestadores de serviços.

Processo produtivo ou sistema produtivo

Conceito associado às tecnologias utilizadas que consiste na combinação dos fatores de produção (capital, terra e trabalho) e dos demais insumos utilizados na propriedade rural, de modo que resulte na produção de algum tipo de bem ou serviço.

Empresário (inclusive, produtor rural)

Principal responsável pelas decisões administrativas e comerciais nas empresas ou nas propriedades rurais, bem como pelo método produtivo adotado – aparato tecnológico utilizado na propriedade (por exemplo, um sistema de irrigação), entre outros aspectos referentes à gestão da empresa rural.

Economia Rural

61

62

Curto Prazo – CP

Período de tempo no qual um ou mais insumos produtivos permanecem fixos na quantidade e não podem variar. Por exemplo, o ciclo de produção agrícola corrente poderia ser um período de curto prazo, já que a terra plantada está fixa em quantidade, não podendo ser aumentada ou diminuída a qualquer momento.

Longo Prazo – LP

Período de tempo no qual a quantidade de todos os insumos produtivos pode variar. Com

o passar do tempo, o produtor rural pode comprar mais terras para expandir a produção da propriedade rural, ocorrendo assim uma variação do recurso produtivo terra.

Custos Fixos – CF

Custos que permanecem inalterados durante o curto prazo e independem do nível de

produção da empresa (propriedade rural). Um exemplo é o caso do aluguel de um galpão para

o armazenamento de grãos, em que, independentemente da quantidade produzida, o produtor terá de pagá-lo durante o período de contrato de locação do imóvel.

Custos Variáveis – CV

Custos que variam de acordo com o nível de produção da empresa (propriedade rural). Por exemplo, caso o produtor rural tenha o desejo de expandir a área de produção de milho, ele terá de comprar mais fertilizantes e mais sementes para o preparo do solo. O custo de compra de fertilizantes e de sementes é considerado custo variável, pois aumenta no caso de aumento da área de produção da propriedade rural.

Custo Marginal – CM

É o acréscimo de custo que se verifica quando é produzida uma unidade adicional do bem

ou serviço. Considere o seguinte exemplo: em uma agroindústria de queijos, o produtor tem um custo total de R$ 1.000,00 para produzir 50 queijos. Ao produzir 51 queijos, o custo total se eleva para R$ 1.020,00 – o Custo Marginal é de R$ 20,00, que foi o custo de uma unidade adicional de queijo produzida.

Função de Produção

Relação matemática que expressa todas as quantidades de insumos que são necessárias para a produção de uma unidade do bem final. Ela pode ser entendida como a quantidade máxima do bem final que pode ser obtida com o uso de certa quantidade definida de fatores de produção.

Curso Técnico em Agronegócio

A equação 6 representa uma função de produção genérica.

Q = f(K,N,T)

Equação 6

Em que:

Q = quantidade produzida do bem final na propriedade rural

f = função de

K

= quantidade de capital utilizado no sistema produtivo da propriedade rural

N

= quantidade de recursos naturais utilizados no sistema produtivo da propriedade rural

(terra, minérios, entre outros)

T = quantidade de trabalho utilizado no sistema produtivo da propriedade rural

3. Receita, custo e lucro

O objetivo central de todo tipo de empresa é a maximização do lucro. O lucro pode ser obtido a partir da diferença entre a receita total – RT e os custos totais de produção – CT da empresa ou propriedade rural.

A receita total – RT é obtida a partir da venda de todos os produtos agropecuários produzidos na propriedade rural em um período de tempo. Para se alcançar o valor monetário da receita total, basta multiplicar a quantidade total de itens vendidos pelos seus respectivos preços de mercado.

Veja essa fórmula na equação 7:

Em que:

RT = receita total

RT = Q x P

Equação 7

Q

= quantidade de produtos agropecuários vendidos

P

= preço dos produtos agropecuários

63

Para compreender a aplicação dessa fórmula, acompanhe o seguinte exemplo de cálculo da receita total de um produtor rural em um determinado período de tempo.

Imagine que um produtor rural produziu 100 kg de tomate e 100 kg de batata para vender na feira livre da cidade. O preço do quilo do tomate é R$ 2,00, e o preço do quilo da batata é R$ 1,00.

Qual é a receita total do produtor rural a partir da venda dos 100 kg de tomate e dos 100 kg de batata?

Economia Rural

Para resolver essa questão, devemos considerar que o produtor rural está vendendo dois tipos de produtos. Com isso, devem-se realizar dois cálculos separados.

64

A receita total com a venda do tomate é:

RT = Q×P = 100×2 = 200

A receita total com a venda da batata é:

RT = P×Q = 100×1 = 100

Como o produtor rural vendeu dois tipos de produtos, então a receita total da propriedade será obtida a partir da soma da RT da venda do tomate com a RT da venda da batata. Assim:

RTpropriedade = RTtomate + RTbatata = 200 +100 = 300

Ou seja, a receita total da propriedade rural foi de R$ 300,00.

Para se calcular o lucro do produtor rural com as vendas do tomate e da batata, é necessário abater os custos totais da receita total. Considere a seguinte situação:

O produtor rural, ao somar todos os custos que teve com as produções do tomate e da batata, e com o transporte dos produtos da propriedade rural até a feira livre da cidade, chegou ao total de R$ 200,00.

Dessa forma:

LT = RT - CT = 300- 200 = 100

Ou seja, o Lucro Total do produtor rural foi de R$ 100,00 no período considerado.

4. Produtos total, médio e marginal

Suponha uma situação de curto prazo em uma empresa rural na qual um dos fatores de produção utilizado seja fixo. Com isso, considere o seguinte exemplo.

Um agricultor dispõe de certa área de terra para cultivar (fator de produção fixo) e introduz na produção, sucessivamente, um trabalhador a mais de cada vez.

Curso Técnico em Agronegócio

Observe os resultados desse experimento na tabela:

Experimento com informações sobre a utilização do fator trabalho em uma propriedade rural

Número de

Produto marginal do fator trabalho – PMg

Produto médio do fator trabalhador – PMe

trabalhadores