Você está na página 1de 14

ARTIGO DE REVISÃO

ERGOESPIROMETRIA: INTERPRETAÇÃO DAS VARIÁVEIS PARA


IDENTIFICAÇÃO DOS LIMIARES METABÓLICOS
Ergospirometry: interpretation of variables for identification of metabolic
thresholds
ISSN: 2178-7514
Thiago Gomes Figueira1,2, Rodrigo Ferro Magosso2,3,4, João Paulo Costa de Carli2,3, José
Vol. 10| Nº. 1| Ano 2018
Campanholi Neto2,3, Cássio Mascarenhas Robert-Pires4,5,6

RESUMO

Ergoespirometria é um teste de avaliação funcional dos sistemas respiratório, cardiovascular


e neuromuscular. Ela permite ao avaliador diagnosticar sintomas, funções importantes desses
sistemas e a reserva funcional do indivíduo, além de consistir em uma ferramenta para melhor
compreender o papel do sistema cardiorrespiratório como participante principal da integração
dos sistemas fisiológicos. Mudanças no padrão das variáveis ergoespirométricas durante um
teste de esforço incremental permitem a identificação dos limiares metabólicos. O Limiar
Anaeróbio pode ser identificado através de ajustes na ventilação, produção de CO2, equivalente
de O2 e pressão “end tidal” de O2, enquanto o Limiar de Compensação Respiratória pode ser
identificado pela ventilação, produção de CO2, equivalente de CO2 e pressão “end tidal” de CO2.

Palavras Chave: Limiar anaeróbio. Testes respiratórios. Acidose. Consumo de oxigênio.

ABSTRACT

Ergospirometry is a functional evaluation test of the respiratory, cardiovascular and


neuromuscular systems. It allows the evaluator to diagnose symptoms, important functions
of these systems and an individual’s functional reserve, and also consists of a tool to better
understanding the major role of the cardiorespiratory system in integrating physiological
systems. Changes in the pattern of ergospirometry variables during an incremental exercise
test allow identifying the metabolic thresholds. The anaerobic threshold can be identified by
changes in ventilation, CO2 production, VE/VO2 slope, and end tidal O2, and the respiratory
compensation threshold can be identified by changes in ventilation, CO2 production, VE/
VCO2 slope and end tidal CO2.

Keywords: Anaerobic Threshold. Breath tests. Acidosis. Oxygen consuption.


1 – Programa de Pós Graduação Interunidades Bioengenharia – USP/São Carlos-SP.
2 – Laboratório de Fisiologia do Exercício – Departamento de Ciências Fisiológicas – Universidade
Federal de São Carlos – UFSCar / São Carlos-SP.
3 – Programa de Pós Graduação em Ciências da Motricidade – UNESP/Rio Claro - SP.
4 – CEFEMA – Centro de Estudos em Fisiologia do Exercício, Musculação e Avaliação Física /
Araraquara-SP.
5 – Universidade de Ribeirão Preto – UNAERP / Ribeirão Preto-SP
6 – Universidade de Araraquara – UNIARA / Araraquara-SP

Autor de correspondência
Thiago Gomes Figueira
Rua Libório Marino, 231 –
apartamento 01 – São Carlos/SP
Fone: (16) 99747 4428
thiago.gfigueira@hotmail.com
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

ergoespirometria, devido às informações


INTRODUÇÃO detalhadas que o teste pode fornecer . Neste
(4)

caso, a diferença entre um teste ergométrico e


Uma das funções dos sistemas um teste ergoespirométrico está na análise de
cardiovascular e pulmonar é contribuir com o parâmetros ventilatórios, tornando o teste mais
processo de respiração celular dos tecidos, entre completo. Estes parâmetros serão descritos
eles o muscular, tanto em repouso quanto em adiante.
exercício. Uma das maneiras de avaliar os sistemas A vasta utilização da ergoespirometria
respiratório, cardiovascular e muscular é por meio está, entre outros, na determinação da capacidade
da análise das variáveis ergoespirométricas e sua funcional e potência aeróbia, pela determinação
resposta em relação à intensidade do exercício (1). do consumo máximo de oxigênio (VO2máx),
O teste de esforço físico ou teste do limiar anaeróbio (LAn) e do limiar de
ergométrico é um procedimento não invasivo, que compensação respiratória (LCR). Diante disso,
permite obter diagnósticos e prognósticos, bem a ergoespirometria proporciona a avaliação de
como avaliar a capacidade aeróbia para exercícios atletas, indivíduos fisicamente ativos, sedentários,
dinâmicos e a reserva funcional de um indivíduo. cardiopatas, pneumopatas, etc (5,6).
Em um teste ergométrico em que são avaliados de Dada a importância da identificação do
maneira direta o consumo de oxigênio (VO2) e a VO2máx e limiares metabólicos para a avaliação de
produção de dióxido de carbono (VCO2), com o pacientes, indivíduos fisicamente ativos e atletas,
auxílio de um analisador de gases, é denominado este trabalho tem como objetivo descrever os
ergoespirometria (2). A ergoespirometria, por ser ajustes das principais variáveis ergoespirométricas
mais completa, infere a integridade dos sistemas e sua aplicação na identificação dos limiares
respiratório, cardiovascular e muscular e ainda metabólicos durante teste de esforço físico
suas adaptações após um período de treinamento incremental.
físico ou outras intervenções sobre estes
sistemas(3). 2. DESENVOLVIMENTO
Em um teste ergométrico convencional,
busca-se análise de respostas clínicas do 2.1 Ergômetro
avaliado (eletrocardiográfica e hemodinâmicas),
porém quando o objetivo for analisar variáveis O ergômetro é um equipamento que
ergoespirométricas, entender os motivos permite a quantificação da intensidade do
da interrupção do teste e quantificar essa exercício, durante a ergoespirometria, em watts,
limitação, é necessário que seja realizada uma velocidade, etc. Para a execução de um teste

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 2
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

ergoespirométrico é necessário que se escolha sistema de determinação da frenagem, estão


com cuidado o ergômetro a ser utilizado e este disponíveis no mercado: com frenagem mecânica
deve, preferencialmente, estar interfaceado com ou eletromagnética. Os cicloergômetros com
um computador. Para uma boa aplicabilidade do frenagem mecânica são financeiramente mais
teste, os ergômetros devem ser eletrônicos ou acessiveis, entretanto é necessário que o avaliado
eletromagnéticos, pois estes permitem melhor mantenha uma cadência fixa de pedaladas para
controle da intensidade de trabalho físico. Dentre manter a potência constante. Por outro lado, os
os principais ergômetros utilizados estão a esteira cicloergômetros com frenagem eletromagnética
rolante, o cicloergômetro e o ergômetro de braço são mais caros, mas possuem ajuste interno da
(2,4)
. A escolha do ergômetro deve ser feita levando potência, possibilitando mantê-la constante
em consideração a especificidade do gesto motor mesmo que haja alterações na cadência de
e a população estudada (7). pedaladas (11).
A esteira deverá ser controlada O ergômetro de braço representa
eletronicamente e ser apta para suportar uma alternativa para a realização de testes em
indivíduos com diferentes massas corporais, indivíduos com incapacidade funcional de
deve oferecer a possibilidade de regulagem da membros inferiores ou na avaliação ocupacional
velocidade, inclinação e tempo. A área de trabalho de indivíduos cujo trabalho exija, basicamente,
deve permitir tanto a caminhada quanto a corrida movimentação dos membros superiores e porção
(8)
. Quanto maior a capacidade de trabalho da superior do tronco . Porém, sua sensibilidade
(12)

esteira, em termos de velocidade e inclinação, para o diagnóstico de doença arterial coronariana


maiores são as possibilidades de aplicação de é menor que a dos testes realizados em esteira.
protocolos e de populações a serem avaliadas. O ergômetro de braço também pode ser de
O cicloergômetro pode ser uma alternativa frenagem mecânica ou eletromagnética (11,12).
à esteira quando se realiza a ergoespirometria
em indivíduos com limitações ortopédicas, 2.2 Limiares metabólicos
neurológicas ou vasculares periféricas e ainda
para a avaliação de ciclistas, pois este é específico Existe uma relação bem ordenada
da modalidade do avaliado. Devido a menor entre trabalho muscular e a fonte de energia
quantidade de massa muscular atuante durante a oxidativa. Em intensidades baixas a moderadas,
ergoespirometria em ciclo ergômetro, comparada o metabolismo aeróbio é capaz de suprir a
à ergoespirometria em esteira, o VO2máx é cerca demanda energética do exercício. A partir de
de 5 a 20% mais baixo em ciclo ergômetro (2,9,10). uma determinada intensidade do exercício físico,
Dois tipos de cicloergômetros, com relação ao o metabolismo aeróbio é suplementado pelo

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 3
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

metabolismo anaeróbio lático para atender a metabólico.


demanda de energia exigida, resultando em um
aumento abrupto na concentração de lactato Equação 2:
no sangue . Este momento indica o limiar
(13)
H2CO3 a H2O + CO2.
anaeróbio (LAn), definido como o momento
em relação à intensidade do esforço físico ou O esforço realizado acima do LAn resulta
consumo de oxigênio, quando a produção no aumento progressivo da quantidade de lactato
de energia é suplementada pelo metabolismo produzido nos músculos e lançado na corrente
anaeróbio lático, aumentando de forma sanguínea. Desta maneira, a concentração
significativa a concentração de lactato no sangue. plasmática de bicarbonato decai no mesmo ritmo
Portanto, durante um teste em que a lactacidemia aumenta. A partir deste
ergoespirométrico crescente, em intensidades ponto, a acidose metabólica provocada pelo
de esforço acima do LAn, o lactato produzido exercício é acentuada e o sistema respiratório atua
pelos músculos ativos é transportado para a na regulação da pressão parcial de CO2 arterial
corrente sanguínea. Nesta condição, ocorrem as (pCO2), por meio de uma hiperventilação, como
reações de equilíbrio ácido-base, onde o lactato mecanismo de compensação (15). Porém, durante a
é tamponado pelo bicarbonato de sódio ,
(6,14)
ergoespirometria, a intensidade do esforço físico é
conforme representado na Equação 1. incrementada com o passar do tempo, desta forma
é exigida maior participação do metabolismo
Equação 1: anaeróbio lático e, como consequência, maior
H-Lactato + NaHCO3 a NaLactato + H2CO3. produção de lactato. Este será tamponado na
corrente sanguínea pelo bicarbonato de sódio
Sendo H-Lactato o ácido lático, NaHCO3 o resultando em maior pCO2 até um ponto onde
bicarbonato de sódio, NaLactato o lactato de o sistema respiratório não consegue atuar no
sódio (sal) e H2CO3 o ácido carbônico. equilíbrio ácido-base de forma eficiente. Assim,
ocorre o segundo limiar metabólico, denominado
O ácido carbônico, resultante do limiar de compensação respiratória (LCR),
tamponamento do ácido lático pelo bicarbonato definido como o ponto do esforço até onde o
de sódio, posteriormente se dissocia em sistema respiratório consegue corrigir a acidose
água e dióxido de carbono (CO2), conforme metabólica induzida pelo exercício (16).
representado na equação 2. Devido à natureza A figura 1 representa as alterações da
de produção deste CO2 ser o tamponamento lactacidemia e da concentração de bicarbonato de
do ácido lático, ele é denominado de CO2 sódio no plasma durante um teste de esforço físico

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 4
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

incremental. Até a intensidade correspondente ao analisados (17). A partir destas mensurações, tem-
LAn, a lactacidemia permanece constante devido se os chamados parâmetros ergoespirométricos,
ao equilíbrio dinâmico entre produção e remoção que são utilizados no laudo da ergoespirometria,
do lactato. Acima do LAn, com o acúmulo no diagnóstico do indivíduo, na prescrição de
de lactato sanguíneo e seu tamponamento treinamento e na análise da reserva funcional.
plasmático, começa a ocorrer queda na A ergoespirometria mensura de forma
concentração plasmática de bicarbonato. Em direta alguns dados que são de suma importância
intensidades acima do LCR, a produção de na avaliação funcional do indivíduo. O VO2máx,
lactato é mais rápida e as reservas de bicarbonato o LAn e o LCR são dados de extrema importância
são insuficientes para corrigir adequadamente a clínica e ainda para a prescrição de treinamento
acidose metabólica. físico (18).
Para a interpretação adequada de um
teste ergoespirométrico é necessário que se
avalie os parâmetros ventilatórios e metabólicos,
que são mensurados em um período de tempo
determinado ou a cada ciclo respiratório. Os
principais parâmetros envolvidos são: Ventilação
(V), VO2, VCO2, quociente respiratório (QR),
equivalentes ventilatórios de oxigênio e dióxido de
carbono (EqVO2 e EqVCO2), frações expiradas
Figura 1. Imagem espelhada das curvas de de oxigênio e dióxido de carbono (FeO2 e
bicarbonato de sódio (NaHCO3-) e a concentração FeCO2) ou pressão end tidal de oxigênio (PET
lactato durante um teste incremental. O2) e pressão end tidal de dióxido de carbono
(PET CO2) (1). Cada um destes parâmetros será
2.3 Parâmetros Mensurados descrito individualmente a seguir.

Em um teste de esforço físico 2.3.1 Consumo de Oxigênio


incremental, seja para indivíduos sedentários ou
fisicamente ativos, a ergoespirometria permite O consumo de oxigênio é a mais
identificar a intensidade de exercício aeróbio a importante variável da avaliação da condição
ser prescrita, levando em conta as informações aeróbia e da reserva funcional do indivíduo .
(17)

da ergometria tradicional, referentes ao esforço Esse parâmetro mostra a capacidade do organismo


físico, associadas às informações sobre os gases em captar, transportar e utilizar o oxigênio para

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 5
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

a síntese de trifosfato de adenosina (ATP) de mais adequado à análise da verdadeira capacidade


forma aeróbia. O ATP é uma molécula rica em funcional do sistema cardiorrespiratório de um
energia utilizada nos processos fisiológicos do indivíduo (Figura 2). Nas partes A e B da Figura
organismo, entre eles, na contração muscular (19). 2, a resposta do consumo de oxigênio é igual,
As duas maneiras de se quantificar o apenas as escalas são diferentes.
VO2 são o seu valor absoluto, dado em litros de O VO2 aumenta linearmente em um teste
oxigênio por minuto (l/min) e o valor relativo físico de intensidade crescente, sendo considerado
ao peso corporal, dado em mililitros de oxigênio máximo (VO2max) quando apresenta uma
por kg de massa corporal por minuto (ml(kg. estabilização, mesmo com o incremento da
min)-1) . O valor absoluto, como sugere sua
(20)
carga de trabalho, o que é denominado de platô.
denominação, indica o volume de O2 consumido Quando não há ocorrência do platô, considera-se
pelo organismo, independente da massa corporal que o resultado encontrado é de pico (VO2pico)
do indivíduo, já o valor relativo corrige o absoluto .
(21,22)

para cada kg de massa corporal, sendo assim

Figura 2: Alteração do consumo de de que a limitação do teste é cardíaca, ao passo


oxigênio (VO2) em relação ao tempo em um que o VO2pico geralmente indica que a limitação
exercício incremental em cicloergômetro, com do teste foi periférica (por exemplo, devido à
incrementos de 20 Watts a cada 2 minutos. Fig. A fadiga muscular) (Figura 3). O VO2máx é um
expressa em valor absoluto e Fig. B expressa em importante índice de aptidão física, além de ter
valor relativo à massa corporal. grande valia na avaliação funcional, porém não
permite a identificação dos limiares metabólicos
Resultados de VO2máx são indicativos por não participar do equilíbrio ácido-base (23).

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 6
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

Figura 3: Diferença entre VO2pico primeira mudança na curva do VCO2 durante o


(A) e VO2máx (B), em relação ao tempo em exercício incremental, que indica o LAn (13).
um exercício incremental em cicloergômetro, Com a continuidade do esforço físico
com incrementos de 20 Watts a cada 2 minutos. acima do LAn, a acidose metabólica provocada
Valores de VO2 expressos em ml(kg.min)-1. pelo exercício se torna cada vez mais severa,
até o ponto onde o bicarbonato de sódio não
2.3.2 Produção de Dióxido de Carbono consegue mais corrigi-la, conforme demonstrado
na figura 1. Este ponto do exercício caracteriza
O volume de dióxido de carbono o LCR. Acima deste segundo limiar metabólico,
produzido pelo organismo (VCO2) durante o o sistema respiratório elimina maior quantidade
exercício, expresso em litros por minuto, advém de CO2, para promover uma alcalose
de duas fontes. A primeira, o CO2 respiratório, é respiratória, na tentativa de compensar a acidose
produzido no ciclo de Krebs. A segunda fonte é metabólica induzida pelo exercício (Figura 4) (25).
o CO2 metabólico que resulta do tamponamento
do ácido lático pelo bicarbonato, conforme
descrito anteriormente nas equações 1 e 2 (24).
Até a intensidade do LAn, ocorre
aumento no VCO2 apenas devido ao processo de
respiração mitocondrial. Acima do LAn, com o
aumento da concentração de lactato na corrente
sanguínea e seu consequente tamponamento pelo
bicarbonato de sódio, ocorre o aparecimento do
CO2 metabólico. Devido à maior produção de
CO2, vinda da combinação do CO2 respiratório
e do CO2 metabólico, é possível observar uma

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 7
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

Figura 4: Comportamento da varável corpo da carótida a aumentar a V . Ademais,


(27)

produção de dióxido de carbono em relação o CO2 exerce um efeito indireto sobre a área
ao tempo em um exercício incremental em quimiossensível do centro respiratório central,
cicloergômetro, com incrementos de 20 Watts a localizada no bulbo. Com o aumento na
cada 2 minutos. concentração de CO2, parte do gás ultrapassa

Assim, durante um teste físico de a barreira hematoencefálica e reage com a água
intensidade crescente, o VCO2 apresenta um formando o ácido carbônico, que se dissocia
primeiro ponto de inflexão na curva, causado pelo em hidrogênio e bicarbonato . O hidrogênio
(28)

aparecimento de CO2 metabólico, que permite estimula os neurônios quimiossensíveis


identificar o LAn e um segundo ponto causado resultando em um novo aumento na ventilação,
pela ineficiência do sistema respiratório em no intuito de eliminar maior quantidade de CO2
compensar a acidose metabólica que representa e causar uma alcalose respiratória para compensar
o LCR (13,24). a acidose metabólica do exercício, ponto onde
se identifica uma segunda mudança na curva.
2.3.3. Ventilação Pulmonar Assim, a V permite a identificação do LAn e do
LCR, com dois aumentos abruptos em sua curva
A ventilação pulmonar (V) é o volume de (Figura 5) (6,15,16).
ar mobilizado pelos pulmões, expresso em litros
por minuto. Este parâmentro é a resultante do
produto da frequência respiratória pelo volume
corrente. Em esforço, a V pode atingir valores
acima de 100 l/min, em atletas, sendo limitada em
cardiopatas e principalmente em pneumopatas.
.
(26)

A V aumenta linearmente até a


intensidade correspondente ao LAn, para captar
O2 e eliminar o CO2 respiratório, conforme a
demanda metabólica. Em intensidades acima
do LAn, a V aumenta desproporcionalmente ao
VO2 devido à presença de CO2 respiratório e
metabólico. (1). Acima do LCR, o aumento na
concentração de hidrogênio sanguíneo (redução Figura 5: Comportamento da variável
do pH) estimula os quimiorreceptores do ventilação em relação ao tempo em um exercício

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 8
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

incremental em cicloergômetro, com incrementos tamponamento do ácido lático, descrito no item


de 20 em 20 Watts a cada 2 minutos.
2.2, leva à produção de CO2 metabólico, o que
2.3.4 Equivalentes Respiratórios de
promove um aumento mais rápido na V, ao passo
Oxigênio e Dióxido de Carbono
que o VO2 continua aumentando linearmente em

Os equivalentes respiratórios de oxigênio relação à intensidade de esforço (26). Já o EqVCO2

e dióxido de carbono (EqVO2 e EqVCO2) permite somente a identificação do LCR, pois

representam o volume de ar que deve ser ventilado entre o LAn e o LCR, a V aumenta em proporção

para consumir 1 litro de oxigênio ou produzir ao VCO2 mas, acima do LCR, devido à severa

1 litro de dióxido de carbono, respectivamente. acidose metabólica induzida pelo exercício, o

Matematicamente, nesta relação, a unidade de sistema respiratório é estimulado a eliminar o

medida é adimensional, pois tanto o consumo de CO2 em excesso, para intensificar a alcalose

oxigênio e a produção de dióxido de carbono, que respiratória, com objetivo de compensar a acidose

estão no numerador, quanto a ventilação, que está metabólica (Figura 6).

no denominador desta relação, são medidos em

l/min. Os valores de normalidade permanecem

em torno de 30 litros de ar ventilado para 1 litro

de O2 consumido e de 35 litros de ar ventilado

para a produção de 1 litro de CO2. Durante um

exercício crescente, as relações V/VO2 e V/

VCO2 diminuem progressivamente, devido à

ação dos músculos esqueléticos respiratórios

que promovem um aumento da área de

ventilação e hematose, para depois aumentarem

até o final do esforço. A V/VO2 atinge valores Figura 6: Comportamento da varável


equivalentes respiratórios de oxigênio (EqVO2)
mínimos precedendo a relação V/VCO2 (2)
. O
e dióxido de carbono (EqVCO2) em relação
EqVO2 permite somente a identificação do
ao tempo em um exercício incremental em
limiar anaeróbio, pois a partir deste ponto, o cicloergômetro, com incrementos de 20 em 20

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 9
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

Watts a cada 2 minutos.

2.3.5 Quociente Respiratório Equação 4:


Oxidação da glicose (carboidrato)
O quociente respiratório (QR) expressa a
relação entre CO2 produzido e o O2 consumido C6H1206 + 6 O2 = 6 CO2 + 6 H2O
(Equação 3). O QR possui unidade adimensional QR = 6 CO2 ÷ 6 O2 = 1
devido ao numerador e denominador, na relação,
possuírem a mesma unidade (l/min). Em Equação 5:
repouso, o QR varia entre 0,75 e 0,85. Oxidação do palmitato (lipídeo)

Equação 3: C16H32O2 + 23 O2 = 16 CO2 + 16


H2O
QR = VCO2/VO2 QR = 16 CO2 ÷ 23 O2 = 0,7

Devido ao fato do QR depender do tipo Durante um teste incremental, o QR se


de substrato utilizado (lipídios ou carboidratos), apresenta, antes do teste, nos valores de repouso.
ele pode fornecer um índice do metabolismo Com o início do teste, o valor do QR diminui,
destes substratos. Se os carboidratos forem devido ao aumento da eficiência respiratória
os exclusivos, o QR se iguala a 1,0 . Como
(29)
e maior disponibilidade de oxigênio para os
a composição química dos lipídios difere músculos ativos . Em seguida, o QR aumenta
(30)

dos carboidratos, uma vez que estes contêm em relação à intensidade de esforço até que atinja
consideravelmente mais átomos de oxigênio em valores que variam normalmente entre 1,1 e 1,2
proporção aos átomos de hidrogênio, quando um no exercício máximo (Figura 7).
lipídio é metabolizado para produção de energia o Devido à diferente produção calórica
oxigênio é requerido não apenas para oxidação de de carboidratos e lipideos, pelos valores do
carbono a dióxido de carbono, mas também para QR também é possível obter a informação da
oxidação de átomos de hidrogênio, portanto, mais produção calórica do indivíduo, em Kcal/min (29).
oxigênio é necessário para metabolizar gordura, Embora o QR seja a relação entre o VCO2
fazendo com que o QR permança com um valor e o VO2, ele não permite identificar com exatidão
próximo de 0,7, conforme as equações 4 e 5 (5). o LAn e nem o LCR, por isso este parâmetro não
tem sido utilizado com este objetivo.

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 10
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

CO2 refletem problemas de difusão desses gases


indicando, por exemplo, uma doença obstrutiva
.
(31)

A pressão “end tidal” de oxigênio (PetO2)


em repouso é de aproximadamente 100 mmHg o
que, em indivíduos saudáveis, se assemelha aos
valores da gasometria arterial desses indivíduos.
Em um exercício crescente, esse valor diminui
transitoriamente logo após o início do exercício,
isso se o aumento na ventilação for mais lento
que o aumento do consumo de oxigênio. Ao
atingir o LAn, a PetO2 inicia um aumento e pode
atingir valores de 10 a 15 mmHg maior que o de
Figura 7: Comportamento da varável repouso ao atingir o esforço máximo, devido à
quociente respiratório (QR) em relação ao tempo hiperventilação provocada pela diminuição do
em um exercício incremental em cicloergômetro, pH. A fração expirada de oxigênio (FeO2) tem
com incrementos de 20 em 20 Watts a cada 2 o mesmo comportamento, diminuindo no início
minutos. do esforço e atingindo um valor mínimo no LAn,
incrementando-se a seguir, porém com valores e
2.3.6 Pressões “end tidal” e frações unidade de medidas diferentes, essa semelhança é
expiradas de oxigênio e dióxido de carbono somente da curva gráfica em relação à intensidade
do exercício. Através deste parâmetro é possivel a
O termo pressão “end tidal” remete ao identificação do LAn (25,31).
valor da pressão parcial de O2 e de CO2 no final A Pressão “end tidal” de Dióxido
de um ciclo respiratório (ar alveolar expirado). de Carbono (PetCO2), ao nível do mar,
Por isso, como variável ergoespirométrica, ele varia de 38 a 42 mmHg. Em um exercício
reflete um equilíbrio entre as pressões parciais incremental, essa pressão aumenta em torno de
destes gases nos alvéolos e nos capilares 3 mmHg até atingir um ponto onde inicia uma
pulmonares, sendo uma medida indireta destes estabilização, denominada de tamponamento
valores na circulação arterial sistêmica. Em uma isocápnico, seguida de uma queda, denominada
ergoespirometria completa, que inclui gasometria de tamponamento hipocápnico. O ponto
arterial, diferenças entre a pressão “end tidal” e imediatamente antes desta queda permite
os valores arteriais de pressão parcial de O2 e identificar o LCR. Este momento de diminuição

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 11
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

da pressão end tidal de CO2 reflete a redução do LAn e do LCR e a maneira de identificação de
na pCO2 arterial, a estratégia supramencionada cada um deles.
de alcalose respiratória que compensa a acidose Tabela 1. Identificação do limiar anaeróbio
metabólica provocada pelo esforço. A fração e do limiar de compensação respiratória por
expirada de Dióxido de Carbono (FeCO2) parâmetros ergoespirométricos
tem o mesmo comportamento gráfico durante
Limiar Parâmetro Maneira de
exercícios de carga crescente, porém com valores ergoespirométrico identificação
e unidades de medidas diferentes (Figura 8) (26).
Limiar Ventilação (V) Primeira quebra da
anaeróbio linearidade
(LAn)
Produção de dióxido Primeira quebra da
de carbono (VCO2) linearidade
Equivalente de LAn identificado pelo
oxigênio (EqVO2) ponto imediatamente
antes do aumento
Presão “end tidal” de LAn identificado pelo
oxigênio (PetO2) ou ponto imediatamente
Fração Expirada de antes do inicio do
Oxigênio (FeO2) aumento.
Limiar de Ventilação (V) Segunda quebra da
compensação linearidade
respiratória Produção de dióxido Segunda quebra da
(LCR) de carbono (VCO2) linearidade
Equivalente de Ponto imediatamente
dióxido de carbono antes do aumento
(EqVCO2)
Presão “end tidal” de Ponto imediatamente
dióxido de carbono antes da redução
(PetCO2) ou Fração
Expirada de Dióxido
de Carbono (FeCO2)

Figura 8: Comportamento da varável frações


expiradas de oxigênio (FeO2) e dióxido de 3. CONCLUSÃO
carbono (FeCO2) em relação ao tempo em um
exercício incremental em cicloergômetro, com A ergoespirometria é uma ferramenta de
incrementos de 20 Watts a cada 2 minutos. avaliação que permite a identificação de limiares
metabólicos durante teste físico de intensidade
2.3.7. Resumo da identificação dos limiares crescente. O LAn pode ser identificado por meio
metabólicos em teste ergoespirométrico de modificações na ventilação, produção de CO2,
crescente equivalente de O2, PetO2 e FeO2, enquanto
A Tabela 1 resume as variáveis o LCR pode ser identificado pela ventilação,
ergoespirométricas que permitem a identificação produção de CO2, equivalente de CO2, pressão

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 12
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

end tidal de CO2 e fração expirada de CO2. com/cgi/doi/10.1136/bjsm.2005.020404


8. Meneghelo Rs., Araújo Cgs., Stein R.,
A partir da análise destes dados, o avaliador Mastrocolla Le., Albuquerque Pf., Serra Sm. III
consegue determinar, de maneira precisa, a Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre
teste ergométrico. Arq Bras Cardiol. 2010;95(5):1–26.
intensidade correspondente a cada um destes 9. McKay GA, Banister EW. A comparison of
limares metabólicos para avaliação da reserva maximum oxygen uptake determination by bicycle
ergometry at various pedaling frequencies and by
funcional e/ou prescrição de treinamento físico. treadmill running at various speeds. Eur J Appl Physiol
Occup Physiol [Internet]. 1976 Aug;35(3):191–200.
Available from: http://link.springer.com/10.1007/
REFERÊNCIAS BF02336193
10. Myers J, Buchanan N, Walsh D, Kraemer M,
1. Datta D, Normandin E, ZuWallack McAuley P, Hamilton-Wessler M, et al. Comparison
R. Cardiopulmonary exercise testing in the of the ramp versus standard exercise protocols. J
assessment of exertional dyspnea. Ann Thorac Am Coll Cardiol [Internet]. 1991 May;17(6):1334–
Med [Internet]. 2015;10(2):77. Available 42. Available from: http://linkinghub.elsevier.com/
from: http://www.thoracicmedicine.org/text. retrieve/pii/S0735109710801445
asp?2015/10/2/77/151438 11. Guimarães JI, Stein R, Vilas-Boas F, Galvão
2. Cornelis N, Buys R. The effects of exercise F, Nóbrega ACL, Castro RRT, et al. Normatização de
modality on maximal and submaximal exercise Técnicas e Equipamentos para Realização de Exames
parameters obtained by graded maximal exercise em Ergometria e Ergoespirometria. Arq Bras Cardiol.
testing. Int J Cardiol [Internet]. 2016 Nov;222:538– 2003;80:458–64.
47. Available from: http://linkinghub.elsevier.com/ 12. Maher JL, Cowan RE. Comparison of
retrieve/pii/S0167527316315844 1- Versus 3-Minute Stage Duration During Arm
3. Wasserman K., Hansen Je., Sue Dy., Casaburi Ergometry in Individuals With Spinal Cord Injury.
R., Whipp Bj. Prova de Esforço - Princípios e Arch Phys Med Rehabil [Internet]. 2016 May; Available
Interpretação. 3a. Rio de Janeiro: Revinter; 2005. 555 from: http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/
p. S0003999316301812
4. Andrade J., Brito Fs., Vilas-Boas F., Castro 13. Wasserman K, Van Kessel AL, Burton GG.
I., Oliveira Ja., Guimarães Ji., et al. II Diretrizes da Interaction of physiological mechanisms during
Sociedade Brasileira de Cardiologia Sobre Teste exercise. J Appl Physiol. 1967;22(1):71–85.
Ergométrico. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2002 Jan 14. Wasserman K, Whipp B, Koyal S, Beaver W.
1;78(2):1–17. Available from: http://www.scielo.br/ Anaerobic threshold and respiratory gas exchange
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2002 during exercise. J Appl Physiol [Internet]. 1973;75(9
000800001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Suppl):S19-21. Available from: http://www.ncbi.
5. Barros-Neto TL De, Tebexreni AS, Tambeiro nlm.nih.gov/pubmed/23419723%5Cnhttp://jap.
VL. Aplicações Práticas da Ergoespirometria no physiology.org/content/jap/35/2/236.full.pdf
Atleta. Rev da Soc Cardiol do Estado São Paulo. 15. Dekerle J, Baron B, Dupont L, Vanvelcenaher
2001;11:695–705. J, Pelayo P. Maximal lactate steady state, respiratory
6. Shimizu M, Myers J, Buchanan N, Walsh compensation threshold and critical power. Eur
D, Kraemer M, McAuley P, et al. The ventilatory J Appl Physiol [Internet]. 2003 May;89(3):281–8.
threshold: Method, protocol, and evaluator agreement. Available from: http://link.springer.com/10.1007/
Am Heart J. 1991;122(2):509–16. s00421-002-0786-y
7. Roels B, Schmitt L, Libicz S, Bentley D, 16. Broxterman RM, Ade CJ, Barker T, Barstow
Richalet J-P, Millet G. Specificity of VO2MAX and TJ. Influence of pedal cadence on the respiratory
the ventilatory threshold in free swimming and cycle compensation point and its relation to critical power.
ergometry: comparison between triathletes and Respir Physiol Neurobiol [Internet]. 2015 Mar;208:1–
swimmers. Br J Sports Med [Internet]. 2005 Dec 7. Available from: http://linkinghub.elsevier.com/
1;39(12):965–8. Available from: http://bjsm.bmj. retrieve/pii/S1569904814003322

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 13
Ergoespirometria: interpretação das variáveis para identificação dos limiares metabólicos

17. Port I, Kwakkel G, Wittink H. Systematic N.S.; Widdicombe G, editor. Handbook of Physiology.
review of cardiopulmonary exercise testing post Vol. 2. Bethesda: American Physiological Society;
stroke: Are we adhering to practice recommendations? 1986. p. 595–619.
J Rehabil Med [Internet]. 2015;47(10):881–900. 28. Guyton Ac., Hall Je. Tratado de fisiologia
Available from: http://www.medicaljournals.se/jrm/ médica. 10th ed. Elsevier Brasil; 2006. 446 p.
content/?doi=10.2340/16501977-2031 29. Krogh A, Lindhard J. The Relative Value
18. Stein R. Teste cardiopulmonar de exercício: of Fat and Carbohydrate as Sources of Muscular
noções básicas sobre o tema. Rev da Soc Cardiol do Energy. Biochem J [Internet]. 1920;14(3–4):290–363.
Rio Gd do Sul. 2006;15(9):1–4. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/
19. Marzzoco, A.; Torres BB. Bioquímica básica. articles/PMC1263890/?page=1
Guanabara koogan; 1999. 30. Botero JP, Prado WL, Guerra RLF, Speretta
20. Phillips M, Payne W, Netto K, Cramer S, GFF, Leite RD, Prestes J, et al. Does aerobic
Nichols D, McConell GK, et al. Oxygen Uptake and exercise intensity affect health-related parameters
Heart Rate during Simulated Wildfire Suppression in overweight women? Clin Physiol Funct Imaging.
Tasks Performed by Australian Rural Firefighters. 2014;34(2):138–42.
Occup Med Heal Aff [Internet]. 2015;3(3). Available 31. Kano H, Koike A, Hoshimoto-Iwamoto M,
from: http://www.esciencecentral.org/journals/ Nagayama O, Sakurada K, Suzuki T, et al. Abnormal
oxygen-uptake-and-heart-rate-during-simulated- End-Tidal PO2 and PCO2 at the Anaerobic Threshold
wildfire-suppression-tasksperformed-by-australian- Correlate Well With Impaired Exercise Gas Exchange
rural-firefighters-2329-6879-1000198.php?aid=51824 in Patients With Left Ventricular Dysfunction. Circ J
21. Zoladz JA, Duda K, Majerczak J. Oxygen [Internet]. 2012;76(1):79–87. Available from: http://
uptake does not increase linearly at high power outputs www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22094908
during incremental exercise test in humans. Eur J
Appl Physiol [Internet]. 1998 Mar 1;77(5):445–51.
Available from: http://link.springer.com/10.1007/
OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não
s004210050358
22. Roston WL, Whipp BJ, Davis JA, Cunningham existir conflitos de interesse de qualquer
DA, Effros RM, Wasserman K. Oxygen Uptake
Kinetics and Lactate Concentration During Exercise natureza.
in Humans. Am Rev Respir Dis. 1987;135(5):1080–4.
23. Ramos RP, Alencar MCN, Treptow E, Arbex
F, Ferreira EM V., Neder JA. Clinical Usefulness
of Response Profiles to Rapidly Incremental
Cardiopulmonary Exercise Testing. Pulm Med
[Internet]. 2013;2013:1–25. Available from: http://
www.hindawi.com/journals/pm/2013/359021/
24. Wasserman K, McIlroy MB. Detecting
the threshold of anaerobic metabolism in cardiac
patients during exercise. Am J Cardiol [Internet]. 1964
Dec;14(6):844–52. Available from: http://linkinghub.
elsevier.com/retrieve/pii/0002914964900128
25. Silva AC da, Torres FC. Ergoespirometria
em atletas paraolímpicos brasileiros. Rev Bras Med do
Esporte. 2002;8(3):107–16.
26. Yazbek Jr P, Carvalho RT de, Sabbag LMDS,
Battistella LR. Ergoespirometria. Teste de esforço
cardiopulmonar, metodologia e interpretação. Arq
Bras Cardiol. 1998;71(5):719–24.
27. Wasserman K., Whipp GJ, Casaburi R.
Respiratory control during exercise. In: Cherniack,

Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida | Vol.10| Nº. 1| Ano 2018| p. 14