Você está na página 1de 15

AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL

Comércio Internacional
Pedro Henrique

Curso de Comércio Internacional para ◦ Reciprocidade: todos os países tem


concurso obrigação de fazer concessões, evitando
Auditor Fiscal da Receita Federal 2014 – assim os “freeriders” (caronas, países que
projeto “UTI” de resolução de questões da só recebem concessões)
Esaf
Professor: Pedro Henrique Sousa ▪ Rodadas de Negociação

 Rodada Kennedy (1964-1967)


Aula 2 – Sistema Multilateral de Comércio Discussão sobre questões não tarifárias e
Direitos Antidumping
 Rodada Tóquio (1973-1979)
1.0. SISTEMA MULTILATERAL DE Cláusula de Habilitação: tratamento especial
COMÉRCIO e diferenciado aos Países em
1.1. Histórico Desenvolvimento (PED’s ).
a) Conferência de Bretton Woods - 1944 Celebração de acordos plurilaterais - só
◦ Objetivo: estabelecer uma nova ordem para vinculam os países que se
regular as relações econômicas comprometerem expressamente.
internacionais para buscar regular comércio Combate as barreiras não-tarifárias
mundial, a estabilidade econômica e  Rodada do Uruguai (1986-1994)
combater o protecionismo.  Criação da OMC
◦ Criação de três organizações internacionais:  Novos temas foram inseridos na agenda dos
acordos internacionais. Esses temas são
 FMI (Fundo Monetário Internacional) fundamentais para os países
 Combater a desvalorização cambial desenvolvidos (PD’s).
e estabelecer a estabilidade cambial.  Comércio de serviços (GATS)
 Direitos de propriedade intelectual
 BIRD (Banco Internacional para a  Comércio agrícola
Reconstrução e Desenvolvimento)  Acordo sobre a aplicação e medidas
 Financiar a reconstrução da sanitárias e fitossanitárias
Europa(destruída após a 2ªGuerra Mundial)  Acordo sobre salvaguarda
 plano inicial  Acordo sobre regras de origem
 Financiou projetos de
desenvolvimento dos PED’s, foi o que  Rodada Doha (2001 - ) – Rodada do
efetivamente aconteceu Desenvolvimento
 Objetivo: criar formas de gerar
 OIC (Organização Internacional do desenvolvimento aos PED’s.
Comércio)  Ocorre até hoje e é a mais longa de todas
 Cumprimento dos compromissos  1ª rodada de negociações que ocorreu no
GATT. âmbito da OMC
 Não foi criada.  Problemas:
 Os PD’s não aceitam rever os subsídios que
b) GATT 47 – Acordo Geral sobre Tarifas e concedem aos produtos do setor primário
Comércio (agropecuário);
 Regulou o comércio internacional por 50  Os PED’s não aceitam derrubar as barreiras
anos até a criação da OMC aos produtos dos PD’s.
 Não foi uma organização internacional,
mas sim um acordo
 Princípios: ◦ Organização Mundial do
◦ Flexibilidade: admitem-se algumas práticas Comércio (OMC)
protecionistas (“Cláusulas de Escape”)
◦ Gradualismo: a liberalização do comércio 1.2.1. Aspectos Gerais
internacional aconteceu após sucessivas  É uma instituição que organiza o
rodadas de negociação. sistema multilateral de comércio

www.cers.com.br 1
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

 Fiscaliza a aplicação do GATT ◦ Acordos Plurilaterais (apenas


 Tem personalidade legal expressamente) x Multilaterais
 Só é acessível a países e territórios (vinculam todos)
aduaneiros; ◦ Pegadinha: a OMC não administra
 Adesão da Rússia em 2011. Mercosul, OEA, NAFTA, ETC.
 Servir como foro para as negociações
1.2.2. OMC – Acordo Constitutivo internacionais de comércio  Princípio
da Reciprocidade
 Acordo de Marrakesh  Solucionar controvérsias comerciais
Anexo 1 A: Acordos Multilaterais de Comércio entre seus membros
de Bens:  Proceder à revisão das políticas
◦ GATT 94, Salvaguarda, comerciais dos países membros
Antidumping,  Alcançar maior coerência global na
◦ Acordo sobre Agricultura formulação de políticas econômicas em
Anexo 1B- Acordo Geral sobre o Comércio de escala global, incluindo cooperação
Serviços (GATS) com o FMI e o Banco Mundial
Anexo 1C- Acordo sobre Aspectos de Direito
de Propriedade Intelectual relacionados ao
Comércio (TRIPS) 1.2.5. Estrutura Institucional da OMC
Anexo 2 – Entendimento relativo às Normas e
Procedimentos sobre Solução de Controvérsias Estrutura Institucional da OMC
Anexo 3 – Mecanismo de Revisão de Políticas a) Conferência Ministerial
Comerciais. ◦ Órgão superior
Anexo 4- Acordos de Comércio Plurilaterais: ◦ Desempenha as funções
 Acordo sobre Comércio de ◦ 1 vez a cada 2 anos - Temporário
Aeronaves Civis ◦ Tomar decisões
 Acordo sobre Compras b)Conselho Geral
Governamentais 1. Órgão executivo
2. Permanente
1.2.3. Objetivos da OMC 3. Órgão de Solução de Controvérsias
 Objetivo Central: desenvolvimento e 4. Órgão de Revisão das Políticas
crescimento econômico. X meio – Comerciais
liberalização do comércio  Não é objetivo
(Pegadinha!)
 Objetivos:
 Elevar os padrões de
vida;
 Assegurar o pleno emprego;
 Garantir um considerável e
constante crescimento do
volume da renda real e
demanda efetiva;
 Expandir a produção e o
comércio de mercadorias e de
serviços através do equilíbrio
entre desenvolvimento
sustentável e preservação do
meio ambiente.

1.2.4. Funções da OMC


 Administrar os acordos internacionais
entre seus membros

www.cers.com.br 2
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

10) Realização de consultas entre os países


11) Possível intervenção do diretor geral da
OMC
12) Prazo máximo: 60 dias, contados da data de
recebimento da solicitação
1.2.6. Processo Decisório da OMC
2ª fase: ESTABELECIMENTO DO PAINEL
 Regra Geral: Consenso (grupos especiais)
Unanimidade 13) O grupo especial ajuda o OSC a datar
 Se não chegar ao consenso Votação: resoluções ou fazer recomendações
Decisão Maioria (cada país terá direito 14) Examina as controvérsias em relação as
a 1 voto) questões de FATO e de DIREITO
15) Grupo especial – natureza “ad hoc” -
 Exceções: composto em regra por 03 integrantes – não
precisam ser nacionais dos Estados
envolvidos na controvérsia
16) A composição do painel pode ser
determinada pelo diretor geral da OMC
17) Prazo: 06 meses para comunicar a decisão
para as partes e 03 semanas para
comunicar ao OSC.
18) Emissão do relatório final do painel:
11) Relatório pode ser rejeitado
somente por consenso negativo
12) Caso o relatório não seja derrubado,
ele se converte numa resolução, e
ambas as partes podem apelar.
13) Qualquer uma das partes poderá
1.2.7. Sistema de Solução de Controvérsias apelar das conclusões do relatório
da OMC final emitido pelo grupo especial

 Aspectos Gerais 3ª fase: EXAME PELO ÓRGÃO DE


 Já existia no GATT-47, porém era muito APELAÇÃO
flexível. 19) O órgão de apelação é permanente –
 Conselho Geral – órgão responsável pela composto por 07 árbitros (são escolhidos
solução de controvérsias (OSC) por consenso do OSC – não são eleitos e
 Sistema é acionado pelo país (não pode ser não devem ter vínculo com nenhum
empresa) que se sente prejudicado por governo)
outro. 20) A apelação deve basear-se em
 Processo decisório: consenso negativo questões de direito
(invertido/reverso) – uma decisão não será 21) Nunca vai atuar como órgão de primeiro
adotada caso todos os membros da OMC instância
não concordem com ela. 22) Emissão do relatório do órgão de
 Doutrina: qualifica o atual sistema como apelação – recebe recursos
“quase judicial”. 23) A decisão do órgão de apelação é
 Elemento central na provisão de segurança irrecorrível e sua implementação obrigatória
e previsibilidade ao sistema multilateral de para a parte que tiver perdido, somente
comércio. após adoção pelo OSC, aplicando-se a
regra do consenso negativo.
 Fases:
1ª fase: NEGOCIAÇÃO DIRETA (consultas) 4ª fase: ADOÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DO
09) Fase obrigatória RELATÓRIO PELO ÓRGÃO DE SOLUÇÃO
DE CONTROVÉRSIAS (OSC)

www.cers.com.br 3
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

(A) Medidas após o trânsito em julgado da (E) Compensações em torno dos 153
solução da controvérsia de implementação milhões.
das recomendações/ decisões:
(A) Perdedor deve ajustar sua política em 1.3. ACORDO GERAL SOBRE TARIFAS E
conformidade com a COMÉRCIO (GATT-1994)
resolução/recomendação. 1.3.1. Aspectos Gerais
(B) Perdedor não ajustou em prazo (A) GATT 94 = GATT 47 +
razoável, então tem que oferecer ENTENDIMENTOS +
compensação satisfatória ao país COMPLEMENTOS
vencedor. 02) GATT 94 complementa o GATT 47 –
(C) Não ofereceu a compensação ou foi são essencialmente iguais, mas
considerado insatisfatória, então o formalmente (juridicamente) diferentes.
vencedor pode pedir para a OMC 03) Idiomas oficiais: inglês, espanhol e
autorização para que ele imponha francês
sanções contra o país perdedor. 04) Mesmo após a criação da OMC,
Sanções – retaliações (suspensão de mantém-se como componente fundamental
concessões)  temporário: do sistema multilateral do comércio.
(A) Mesmo setor da controvérsia
(B) Setor diferente amparado pelo  Objetivos:
mesmo acordo a) Redução/eliminação de barreiras
(C) Caso não seja possível as medidas tarifárias;
anteriores, e as circunstâncias b) Regulamentação de barreiras não
forem suficientemente graves, tarifárias;
poderão ser adotadas medidas
relativas a outro acordo (retaliação  Princípios:
cruzada). a) Reciprocidade
b) Gradualismo
 Características c) Flexibilidade
(A) É admissível a participação no d) Não-discriminação:
procedimento de solução de controvérsias Cláusula da nação mais favorecida –
de terceiros países e, ainda, do “amicus princípio da não-discriminação de países
curiae” (opinião técnica). Princípio do tratamento nacional – princípio
(B) No âmbito do sistema de solução de da não-discriminação de produtos
controvérsias da OMC, os painéis e órgãos
de apelação fazem interpretação literal ® ESAF: o GATT não foi substituído pela OMC.
restritiva.
(C) O acesso ao sistema de solução de  Principais dispositivos do
controvérsias tem custos elevados. GATT:
(D) Foi um avanço em relação ao sistema
anterior (em que o país que perdesse uma ART. I – CLÁUSULA DA NAÇÃO MAIS
disputa podia evitar a adoção da decisão) FAVORECIDA
“Qualquer vantagem, favor, imunidade ou
Caso do algodão: privilégio concedido por uma Parte Contratante
(A) O Brasil foi autorizado a aplicar retaliação em relação a um produto originário de ou
cruzada, que deveria ter sido feita no destinado a qualquer outro país, será imediata
setor agrícola. e incondicionalmente estendido ao produtor
(B) Conseguiu autorização para suspender similar, originário do território de cada uma das
obrigações do acordo relativo ais direitos outras Partes Contratantes ou ao mesmo
de propriedade intelectual. destinado...”
(C) EUA subsidiava sua produção de (B) Qualquer privilegio (preferência)
algodão. concedido a qualquer outro país,
(D) Aumento da credibilidade do Brasil na membro ou não da OMC, será
OMC. automaticamente e

www.cers.com.br 4
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

incondicionalmente estendido a Brasil concede preferência as empresas


todos os membros da OMC.  nacionais em relação as estrangeiras, de
Reciprocidade Difusa acordo com a lei de licitações nº8.666.
(C) Impede a discriminação entre membros  ≠ Principio da Reciprocidade : exemplo, o
da OMC em razão da procedência País “A” só está obrigado a conceder um
do produto favor, vantagem ou privilegio ao país “B” se
(D) Substituiu o sistema bilateral pelo este último der ao país “A” o mesmo
multilateral de comércio. tratamento.

ART. II – LISTA DE CONCESSÕES ART. VI – DIREITOS ANTI DUMPING E


“Cada parte contratante concederá as outras DIREITOS COMPENSATÓRIOS
partes contratantes, em matéria comercial, • Autoriza a imposição de medidas
tratamento não menos favorável do que o antidumping  fazer frente ao
previsto na parte apropriada da lista Dumping.
correspondente, anexa ao presente acordo.” • Autoriza a imposição de medidas


compensatórias  fazer frente ao
Cada país tem uma lista de concessão subsídio.
• Servem para combater as práticas
• Compromisso tarifário
desleais de comércio (efeitos danosos).
• São sobretaxas que servem para
• As alíquotas do imposto de importação que
constam na lista de concessões são as
“corrigir” os preços que estão inferiores.
• São puníveis com a aplicação de
medidas de defesa comercial somente
máximas, é possível cobrar uma alíquota nos casos que resultarem em dano ou
menor. ameaça de dano à indústria nacional ou

• Um país não pode definir alíquotas


superiores às constantes em sua lista atual,
retardamento real em sua implantação.

salvo se modificar previamente a lista, ART. VII – VALORAÇÃO ADUANEIRA


aumentando os limites máximos. Essa “O valor para fins alfandegários das
modificação só pode ocorrer após acordo com mercadorias importadas deverá ser
os demais países. Deverão ser oferecidas estabelecido sobre o valor real da transação
compensações a estes. importada à qual se aplica o direito ou de uma


mercadoria similar, e não sobre o valor do
Os países assumiram o compromisso de produto de origem nacional ou sobre os valores
reverem periodicamente as alíquotas máximas arbitrários ou fictícios.”
nas rodadas de negociação. 1) Objetivo: combater práticas arbitrárias
ou fictícias.
ART. III – PRINCÍPIO DO TRATAMENTO 2) Acordo de Valoração Aduaneira (AVA):
NACIONAL estabeleceu os critérios para poder
 Também conhecido como Princípio da calcular o valor aduaneiro.
Paridade
 Uma vez que o produto estrangeiro ART.X – PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA
adentrou no território nacional ele irá OU DA PUBLICIDADE
receber um tratamento não menos  Publicação imediata das normas
favorável que um produto nacional veda aduaneiras, complementando as
a discriminação entre produtos nacionais e medidas de facilitação do comércio.
importados similares.  Todas as normas que gerem efeitos no
 O imposto de importação é a única forma comércio exterior devem ser publicadas
reconhecida pela OMC de diferenciação rapidamente e antes de sua entrada em
entre o produto nacional e o estrangeiro. vigor.
 Exceção: Compras Governamentais O

www.cers.com.br 5
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

ART. XI – ELIMINAÇÃO GERAL DAS d) O artigo estabelece a possibilidade que os


PRESTAÇÕES QUANTITATIVAS membros da OMC coloquem restrições
“Nenhuma parte contratante imporá nem comerciais para proteção das indústrias
manterá – além dos direitos aduaneiros, nascentes (criação de um determinado
impostos e outras taxas – proibições nem ramo na indústria).
restrições à importação de um produto do e) Proteção temporária
território de outra parte contratante ou à f) Apenas para países cuja economia “esteja
exportação ou à venda para exportação de um nas primeiras fases de desenvolvimento”.
produto destinado ao território de outra parte
contratante que sejam aplicadas mediante ART. XIX – MEDIDAS DE SALVAGUARDA
contingentes, licenças de importação ou de g) Através de sobretaxa (aumento do II) ou
exportação ou por meio de outras medidas.” restrições quantitativas.
1. É proibida a utilização de cotas, existem h) Objetivo: defesa comercial  combater o
exceções. Quando de caráter surto de importações
temporário, excepcional e condicional. i) Evitar que cause um dano grave aos
produtos nacionais similares  inclui a
ART. XII – RESTRIÇÕES PARA PROTEGER ameaça de dano grave.
O BALANÇO DE PAGAMENTO j) País poderá suspender total ou
a) “Toda parte contratante, a fim de parcialmente a obrigação contraída.
salvaguardar sua posição financeira exterior
e o equilíbrio de sua balança de ART. XX – EXCEÇÕES GERAIS
pagamentos, pode restringir o volume ou o a) Lista das situações em que os países
valor das mercadorias cuja importação ela podem adotar medidas protecionistas:
autoriza, sob reserva das disposições dos  Necessárias para proteger a moral
parágrafos seguintes.” publica;
b) As restrições à importação instituídas,  Necessárias para proteger a saúde e a
mantidas ou reforçadas por uma parte vida das pessoas, animais e vegetais;
contratante, não ultrapassarão o que for  através de barreiras sanitárias e
necessário: fitossanitárias
 Para opor-se à ameaça iminente de  Relativas à exportação ou importação
uma baixa importante de suas reservas de ouro ou prata;
monetárias ou para por fim (deter) a  Necessárias para a observância de leis
esta baixa; que não sejam incompatíveis com o
 Ou para aumentar suas reservas GATT;
monetárias segundo uma taxa de  Relativos a produtos fabricados em
crescimento razoável, no caso em que prisões;
elas sejam muito baixas.  Impostas para proteger o tesouro
a) São permitidas as restrições nacional artístico, histórico ou
quantitativas em caso das “medidas de arqueológico;
preço” não forem suficientes.  Relativas à conservação dos recursos
b) “Medida de preço”: tornar o importado naturais esgotáveis;
mais caro. Exemplo: sobretaxas à  Adotadas em virtude de acordo
importação, depósito de garantia à internacional;
importação.  Para evitar a exportação de matérias-
primas nacionais essenciais, garantindo
tais insumos em quantidade adequada
ART. XVI – SUBSÍDIOS às industrias transformadoras
c) Não é incentivado pela OMC, porque não nacionais.
há transparência, muitos países não
cumprem a obrigação de notificar a OMC. ART. XXI – EXCEÇÕES RELATIVAS À
SEGURANÇA
ART. XVIII – AJUDA EM FAVOR DO b) Podem ser criadas medidas protecionistas
DESENVOLVIMENTO ECÔMICO para promoção da segurança nacional.

www.cers.com.br 6
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

c) Imposição de barreiras sem importação: de um membro aos consumidores de


armas, munições, material de guerra. serviços de qualquer outro membro.
d) Motivos:  Ex.: Estudante brasileiro que faz
a) Poderia causar insegurança à intercâmbio na Espanha para aprender
população e ao Estado. espanhol em um cursinho.
b) Reserva de mercado para que as  Modo 3: Presença Comercial – prestação
empresas nacionais consigam produzir de serviço pelo prestador de serviços de
este tipo de bem com intenção de o país um membro, por intermédio da presença
não ficar dependendo de importações. comercial, no território de qualquer outro
Por esta lógica, é permitida também a membro.
restrição de importações de alimentos e  Ex.: Construtora que se instala em outro
energia elétrica, que são bens país para executar uma obra.
estratégicos, que todos os países  Modo 4: Movimento Temporário de
devem produzir para não ficarem Pessoas Físicas – prestação de serviço
dependentes. pelo prestador de serviços de um membro,
c) Evitar desabastecimento interno. por intermédio da presença de pessoas
naturais de um membro no território de
WAIVER qualquer outro membro.
 Outras situações protecionistas podem ser  Ex.: Professor que vai dar uma palestra
autorizadas mediante aprovação de mais da no exterior e depois volta.
metade dos países signatários do GATT.
 Podem ser concedidos mediante decisão: ¾  Principais Dispositivos do
dos membros da OMC. GATS
Art. II – Cláusula da Nação Mais Favorecida
o Acordo Geral sobre o comércio  Todo benefício dado aos serviços de um
de serviços (GATS) país deve ser estendido
1.4.1. Aspectos Gerais incondicionalmente aos serviços dos
2. Foi resultado da Rodada do Uruguai demais países membros da OMC.
3. Serviços  Obrigação incondicional: se aplica a
a. Bens intangíveis todos setores e subsetores,
b. Produção simultânea ao independente dos compromissos.
consumo
 Exceções:
c. Muito mais complexo que o
o Acordos Regionais
comércio de mercadorias
o Lista de Isenções (exceções)
4. É necessário que o prestador e o
consumidor do serviço sejam residentes
Art.III – Transparência (Publicidade)
em países diferentes
i) Cada membro deve publicar prontamente
5. O local de prestação de serviço é
e , salvo em circunstâncias
irrelevante
emergenciais, pelo menos até a data
6. Não se aplica aos serviços prestados a
de entrada em vigor, todas as
atividade governamental
medidas relevantes de aplicação
7. Não há proibição ao prestador de
geral pertinentes ao presente acordo
serviços monopolista
ou que afetem sua operação.
Acordos internacionais dos quais um
 Modos de Prestação de
membro seja parte relativos ao
Serviços
comércio de serviços ou que afetem
 Modo 1: Comércio Transfronteiriço – do tal comércio também devem ser
território de um membro ao território de publicados.
qualquer outro membro. ii) Obrigação Incondicional.
 Ex.: Engenheiro brasileiro que faz um iii) Informar ao Conselho de Comércio de
projeto estrutural para um americano Serviços
que mora nos EUA e o envia por e-mail
 Modo 2: Consumo no Exterior – no território

www.cers.com.br 7
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

Art.XVI – Acesso a Mercados Organização Mundial de Comércio o recurso


 “...cada membro outorgará aos prestadores abusivo a medidas antidumping e à concessão
de serviços e aos serviços dos demais de subsídios à produção e à exportação.
membros um tratamento não menos
favorável que o previsto sob os termos,
limitações e condições acordadas e
especificadas em sua lista.” 3. (AFRF 2002.1) - Sobre a Organização
 Obrigação condicional. Mundial de Comércio, é correto afirmar que sua
criação se deu com a extinção do Acordo Geral
Art.XVII – Tratamento Nacional de Comércio e Tarifas (GATT) ao final da
 “ Nos setores inscritos em sua lista, e salvo Rodada Uruguai em 1994.
condições e qualificações ali indicadas,
cada membro outorgará aos serviços e
prestação de serviços de qualquer outro
membro, com respeito a todas as medidas 4. (AFRF 2002.1) - Sobre o Acordo Geral de
que afetem a prestação de serviços de Comércio e Tarifas (GATT), é correto afirmar
qualquer outro membro, com respeito a que foi o organismo internacional que precedeu
todas as medidas que afetem a prestação a Organização Mundial do Comércio.
de serviços, um tratamento não menos
favorável do que aquele que dispensa a
seus próprios serviços similares e
prestadores de serviço similares. 5. (AFRF 2002.1)- Mesmo após a criação da
 Obrigação condicional: se aplica apenas Organização Mundial do Comércio (OMC), o
nos setores e subsetores que tenham Acordo Geral de Comércio e Tarifas (GATT),
assumido compromissos específicos. mantém-se como componente fundamental do
sistema multilateral de comércio.

QUESTÕES
6. (MDIC-2009/Área Administrativa)- O GATT
Responder as questões com apenas uma não era um organismo internacional, como o
afirmativa com Certo (C) ou Errado (E) e as FMI ou o BIRD, mas um Acordo, do qual
questões de múltipla escolha, selecionar faziam parte os países interessados,
apenas 1 entre a, b, c, d, e. denominados Partes Contratantes.

1. (AFRF- 2003-adaptada)- No presente, o


sistema multilateral de comércio está
conformado pelo Acordo Geral de Comércio e
Tarifas (GATT), celebrado no âmbito da 7. (AFRF – 2003 - adaptada)- O objetivo central
Conferência das Nações Unidas sobre da Rodada Doha de negociações comerciais é
Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). promover condições para a participação dos
países em desenvolvimento no crescimento do
comércio internacional em níveis compatíveis
com suas necessidades de desenvolvimento
econômico.
2. (AFRF-2003) – Com o surgimento do Acordo
Geral de Comércio e Tarifas (GATT), iniciou-se
um movimento de progressiva liberalização das
trocas comerciais em escala global; ainda,
após mais de cinco décadas, o protecionismo 8. (AFRF- 2003- adaptada)- O objetivo central
subsiste e apresenta-se sob novas roupagens. da Rodada Doha de negociações comerciais é
São exemplos de formas contemporâneas de abolir as restrições e práticas desleais de
protecionismo observadas no âmbito da comércio que obstaculizam o acesso das

www.cers.com.br 8
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

exportações agrícolas dos países em


desenvolvimento aos mercados norte-
americano, japonês e europeu em particular
16. (MDIC – 2009 / Área Administrativa)- A
OMC foi criada durante a “Rodada” de Doha,
em 2007, e prevê uma atuação mais restrita
9. (AFRF 2002.1)- Entre as principais funções que a do GATT 1947, pois fica limitada aos
da OMC estão a administração de acordos temas relacionados ao comércio de serviços e
comerciais firmados por seus membros, a direitos de propriedade intelectual.
resolução de disputas comerciais e a
supervisão das políticas comerciais nacionais.

17. (AFRF - 2002.1 - adaptada) – Estão


10. (AFRF 2002.1)- A OMC presta assistência contempladas pelas regras da OMC apenas
aos governos nacionais na aplicação de questões tarifárias, o tratamento das barreiras
barreiras não-tarifárias. não tarifárias e as práticas desleais de
comércio.

11. (AFRF – 2002.1-adaptada)- As disciplinas


da OMC restringem-se às práticas desleais de 18. (AFRF-2003- adaptada)- No presente, os
comércio e à resolução de disputas comerciais. membros da Organização Mundial de
Comércio (OMC) totalizam 153, o que, ademais
da extensão de sua agenda comercial, torna
muito complexas as rodadas de negociação
12. (AFRF - 2002.1)- A normativa multilateral multilaterais conduzidas em seu âmbito. Em
não se aplica ao comércio de produtos tais rodadas, as decisões são tomadas por
agrícolas. maioria absoluta.

19. (ACE-2008)- A acessão ao Acordo


13. (AFRF - 2002.1)- Nas regras da OMC estão Constitutivo da OMC depende da aceitação
contemplados, além dos temas comerciais, por, no mínimo, três quintos dos seus
compromissos estritos sobre desenvolvimento membros.
sustentável.

20. (AFRF – 2002.2 - adaptada)- Os acordos


14. (AFRF-2002.2) - Na Organização Mundial celebrados no âmbito da OMC abrangem o
do Comércio (OMC), o tratamento de temas comércio de bens e de serviços e
relativos à simplificação de trâmites aduaneiros compromissos em matéria de propriedade
ocorre no âmbito das negociações sobre intelectual.
acesso a mercados.

21. (AFRF-2002.2) - O sistema multilateral de


15. (MDIC-2009/Área Administrativa)- A OMC comércio, conformado pela Organização
estabelece uma tarifa externa comum para Mundial de Comércio (OMC), está amparado
todos os países membros, acompanhada de em um conjunto de acordos em que se definem
uma política comercial comum em relação a normas e compromissos dos países quanto à
terceiros países ou grupos de países não progressiva liberalização do comércio
membros da organização. internacional.

www.cers.com.br 9
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

29. (AFRF-2005)- O estado X, principal


22. (AFRF – 2002.2 – adaptada)- Os Acordos importador mundial de brocas helicoidais,
Plurilaterais envolvem a totalidade dos adquire o produto de vários países, entre eles
membros da OMC e abrangem o comércio de os estados Y e Z. Alegando questões de ordem
bens e de serviços. interna, o estado X, num dado momento,
decide majorar o imposto de importação das
brocas helicoidais provenientes de Y, e
mantém inalterado o tributo para as brocas
helicoidais oriundas de Z. Considerando que os
23. (AFRF – 2002- adaptada)- Embora países X, Y e Z fazem parte da Organização
conhecidos como Acordos Plurilaterais, estes Mundial do Comércio o estado Y poderia
acordos não são necessariamente firmados por reclamar a invalidade dessa prática com base
todos os membros da OMC. no princípio do respeito ao compromisso
tarifário.

24. (AFTN-1996)- Na Rodada Uruguai,


introduziram-se novos temas, notadamente 30. (AFRF- 2005)- A adoção da cláusula da
serviços e propriedade intelectual, que nação mais favorecida pelo modelo do Acordo
dominaram as negociações ao lado das Geral de Tarifas e Comércios (GATT) teve
tradicionais disputas sobre tarifas e questões como indicativo e desdobramento a
gerais sobre política comercial. pressuposição da igualdade econômica de
todos os participantes do GATT, bem como, no
plano fático a luta contra práticas
protecionistas, a exemplo da abolição de
25. (AFRF 2002.1) O Acordo Geral de acordos bilaterais de preferência.
Comércio e Tarifas (GATT), consagra, como
princípios fundamentais, a eqüidade, o
gradualismo e a flexibilidade no comércio
internacional.
31. (AFRF 2002.1) - Todas as vantagens,
favores, privilégios ou imunidades concedidos
26. (AFRF – 2002.1)- Os dispositivos do por uma parte contratante a um produto
Acordo Geral de Comércio e Tarifas (GATT) originário ou com destino a qualquer outro país
contemplam apenas a eliminação das barreiras serão, imediatamente e incondicionalmente,
tarifárias. estendidos a qualquer produto similar originário
ou com destinação ao território de quaisquer
outras partes contratantes. (GATT-1994, artigo
1, parágrafo 1). O excerto acima
27. (AFRF-2002.1)- O texto do GATT 1994 é destacado (caput do parágrafo 1 do artigo 1)
autêntico em inglês, francês e alemão. define uma cláusula conhecida,
internacionalmente, como cláusula da nação
mais favorecida.

28. (ACE-2008) - A exemplo da OMC, as


normas e os acordos no âmbito do GATT
aplicam-se ao comércio de mercadorias, de
serviços e de direitos de propriedade intelectual 32. (AFTN-1998)- A Cláusula da Nação Mais
referentes ao intercâmbio externo, sendo, pois, Favorecida estabelece que a Nação mais
subscritos por todos os países. favorecida é a que obtém os privilégios de uma

www.cers.com.br 10
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

rodada de redução tarifária sem abrir o seu Comércio a adoção de quotas e outras
mercado para as demais. restrições de natureza quantitativa.

33. (AFTN – 1996)- Um país reconhecido como 39. (ACE-2008)- Embora o GATT proíba, como
“nação mais favorecida” se obriga a rever, nos regra geral, a aplicação de medidas restritivas
termos estabelecidos pelo GATT, toda a sua de caráter quantitativo, a imposição de cotas
estrutura tarifária. de importação é reconhecida como medida de
política comercial legítima, quando de caráter
condicional, excepcional e temporário, para a
correção de desequilíbrios do mercado
34. (AFTN – 1996 - adaptada)- Todas as doméstico.
vantagens e privilégios comerciais concedidos
por um membro da OMC a outro país deverão
ser imediata e incondicionalmente estendidos
aos demais países membros da OMC. 40. (AFRF 2002.1)- A OMC promove a
liberalização do comércio internacional por
meio de acordos regionais entre os países
membros.

35. (AFTN-1996)- O princípio da não-


discriminação do GATT refere-se basicamente
a produtos, de acordo com a cláusula da nação 41. (MDIC – 2009 / Área Administrativa)- Em
mais favorecida, e não a países, como é o caso 15/12/1995, a União Europeia assinou, em
dos arranjos de integração regional. Madri, um Tratado com o MERCOSUL para a
criação de uma área de livre comércio entre os
dois blocos. Por esse motivo, os países
membros dos dois blocos solicitaram sua saída
36. (AFTN-1998-adaptada)- Um tratado da OMC, tendo em vista a desnecessidade de
comercial segue uma série de princípios estarem vinculados às resoluções da
jurídicos. Um princípio que não constitui uma organização maior do comércio internacional.
base corrente para tratados comerciais é o
princípio da paridade.

42. (AFTN – 1996)- O GATT possui muitas


37. (AFRF-2000)- Não constitui princípio e cláusulas de escape, que permitem que os
prática da Organização Mundial do Comércio países optem por regras regionais ou gerais.
(OMC) a eliminação das restrições
quantitativas.

43. (AFTN – 1996 - adaptada)- Não há


38. (AFRF-2003) – Com o surgimento do contradição entre a cláusula da nação mais
Acordo Geral de Comércio e Tarifas (GATT), favorecida e a constituição de acordos
iniciou-se um movimento de progressiva regionais, pois todos os países, por serem
liberalização das trocas comerciais em escala soberanos no plano internacional, possuem
global; ainda, após mais de cinco décadas, o igual direito de constituir sistemas regionais,
protecionismo subsiste e apresenta-se sob competindo a cada um tomar a iniciativa de
novas roupagens. São exemplos de formas fazê-lo.
contemporâneas de protecionismo observadas
no âmbito da Organização Mundial de

www.cers.com.br 11
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

44. (AFTN – 1996)- O objetivo maior do


GATT/OMC é o fomento à expansão do 49. (AFTN – 1996)- Bilateralismo e
comércio internacional. Assim sendo, uma multilateralismo não se associam à entidade no
organização que seja criada com o objetivo de âmbito da qual as negociações são conduzidas
reduzir e, no limite, eliminar as tarifas entre os mas sim ao objeto da negociação. Os produtos
participantes do sistema regional de primários, por exemplo, são sempre tratados
integração, ampliando o volume de comércio em bases bilaterais.
entre os países, será aceita e mesmo
estimulada pelo GATT/OMC.

45. (MDIC-2009/Área Administrativa)- Tendo 50. (ACE-2012) O comércio internacional de


em vista o objetivo do GATT de eliminar o serviços está amparado em acordo multilateral
tratamento discriminatório no comércio exterior, negociado durante a Rodada Uruguai e que
o Acordo não tolerava a formação de blocos entrou em vigor em 1995. Sobre o mesmo é
econômicos ou aduaneiros que objetivassem a correto afirmar que alcança todos os serviços
remoção de tarifas e outras barreiras ao associados aos modos de prestação
comércio entre países participantes desse denominados comércio transfronteiriço,
bloco. consumo no exterior, presença comercial e
presença de pessoas físicas.

46. (AFRF 2002.1)- O Acordo Geral de


Comércio e Tarifas (GATT) tinha o propósito de 51. (ACE-2012) O comércio internacional de
monitorar as trocas internacionais e a aplicação serviços está amparado em acordo multilateral
irrestrita do Sistema Geral de Preferências negociado durante a Rodada Uruguai e entrou
(SGP). em vigor em 1995. Sobre o mesmo é correto
afirmar que tem por objetivo fundamental
promover a gradual liberalização do comércio
de serviços prestados, tanto em bases
47. (ACE-2008)- Segundo a OMC, desde o comerciais como no exercício da autoridade
início da década passada, observa-se a governamental.
contínua proliferação de acordos preferenciais
regionais. Espera-se que aproximadamente
400 acordos de tal modalidade estejam em
vigor até 2010, o que atesta a valorização dos
acordos como instrumentos de política 52. (ACE-2012) O comércio internacional de
comercial, dado que, mediante tais acordos, os serviços está amparado em acordo multilateral
países podem usufruir de condições mais negociado durante a Rodada Uruguai e entrou
flexíveis e diferenciadas de acesso a mercados em vigor em 1995. Sobre o mesmo é correto
do que as definidas nos acordos e afirmar que, dadas as diferenças em relação ao
compromissos multilaterais. comércio de bens, os princípios e objetivos
básicos que orientam o comércio de serviços
são distintos dos previstos no GATT.

48. (AFTN-1996)- As questões comerciais e


financeiras internacionais podem ser tratadas
em bases bilaterais ou multilaterais. Nesse
sentido a Rodada Uruguai foi tipicamente um 53. (ACE-2012) O comércio internacional de
caso de ampla negociação multilateral e o serviços está amparado em acordo multilateral
Banco Mundial constitui, por sua vez, uma negociado durante a Rodada Uruguai e que
fonte de fundos multilateral. entrou em vigor em 1995. Sobre o mesmo é
correto afirmar que o acordo estabelece como

www.cers.com.br 12
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

objetivo fundamental a flexibilização do direito e) No GATT 1994, o princípio da Não


dos países de regularem setores domésticos Discriminação foi relativizado em razão do
de serviços em favor da gradual abertura de objetivo de priorizar os acordos e blocos
seus mercados a prestadores estrangeiros. comerciais regionais e os sistemas
preferenciais como meios de alcançar mais
rápida liberalização do comércio internacional.

56. (ACE-2012) Sobre a participação dos


54. (ACE-2012) O comércio internacional de Membros na Organização Mundial do
serviços está amparado em acordo multilateral Comércio, pode-se afirmar que:
negociado durante a Rodada Uruguai e que
entrou em vigor em 1995. Sobre o mesmo é a) a acessão da China à OMC somente se
correto afirmar que preconiza a proibição dos efetivará a partir de 2016, quando aquele país
monopólios e a eliminação de práticas estará obrigado a adotar mecanismo de câmbio
comerciais por prestadores de serviços que flutuante.
restringem a competição nos mercados b) somente Estados, reconhecidos como
nacionais como meios de promover a membros da Organização das Nações Unidas,
liberalização do comércio de serviços. podem pleitear sua participação como
membros da OMC.
55. (ACE-2012) A criação da Organização c) os Acordos Comerciais Plurilaterais são
Mundial do Comércio (OMC) representa um obrigatórios para todos os membros, inclusive
marco na evolução do sistema multilateral de para aqueles que acederam posteriormente a
comércio instaurado com o Acordo Geral de 1995.
Comércio e Tarifas (GATT) em 1947.Com base d) o Mecanismo de Exame de Políticas
nessa assertiva, assinale a opção correta. Comerciais é obrigatório para todos os
membros, inclusive para os países de menor
a) Com a entrada em funcionamento da OMC desenvolvimento relativo.
em janeiro de 1995, as regras que regiam o e) qualquer Membro da OMC poderá propor a
comércio internacional até então foram alteração das disposições dos acordos da
suplantadas por aquelas previstas no Acordo Rodada Uruguai.
constitutivo daquela organização.
b) A necessidade de adaptar as regras do 57. (ACE-2012) Sobre o processo decisório da
comércio internacional concebidas em 1947 às Organização Mundial do Comércio (OMC), é
circunstâncias contemporâneas justificou a correto afirmar que:
derrogação dos dispositivos e princípios do
Acordo Geral de Comércio e Tarifas original em a) todas as decisões devem ser tomadas por
favor de novo acordo negociado em 1994 consenso.
(GATT-1994). b) as decisões são tomadas por maioria de 3/4
c) Apesar da expansão do corpo de regras dos membros, para pedidos de derrogação
consubstanciado no conjunto de acordos temporária de obrigações por um membro e em
emanados da Rodada Uruguai, o sistema casos envolvendo a interpretação de medidas
multilateral, sob a égide da OMC, continua previstas nos acordos, e de 2/3 para casos que
regido basicamente pelos mesmos princípios envolvam a modificação dos acordos e a
enunciados no GATT 1947. acessão de novos membros.
d) O princípio da transparência, que obriga os c) o consenso é a regra básica e quando não
membros da OMC a darem ciência a todos os alcançado adota-se a votação por maioria
demais de todos os regulamentos e medidas simples, de modo a conferir agilidade à
comerciais que venham a adotar, foi Organização.
introduzido no GATT 1994 em complemento d) apenas as decisões relativas a modificações
aos princípios da Nação Mais Favorecida e do no Acordo constitutivo da própria Organização
Tratamento Nacional presentes no texto e ao processo decisório são tomadas por
original do GATT 1947. consenso.

www.cers.com.br 13
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

e) o consenso é regra básica para as decisões cláusula de habilitação, aplicável aos países
tomadas na Conferência Ministerial e no em desenvolvimento.
Conselho Geral, por serem as instâncias c) As decisões na OMC são, como regra geral,
superiores de decisão na OMC, sendo a adotadas por consenso, inclusive com os votos
maioria de 3/4 necessária para a tomada de dos países de menor desenvolvimento relativo.
decisões nos demais Conselhos, Comitês e no d) Na estrutura orgânica da OMC, o órgão
Órgão de Solução de Controvérsias. máximo é a Conferência Ministerial, composta
por Representantes de todos os membros.
58. (AFRF-2003) – Lançada em novembro de e) Novos membros da OMC, em seu processo
2001, em Conferência Ministerial celebrada em de acessão à Organização, devem denunciar
Doha, Qatar, a atual rodada de negociações os acordos regionais que tenham assumido
multilaterais da Organização Mundial de anteriormente.
Comércio, foi batizada de Rodada do
Desenvolvimento. No tocante ao
desenvolvimento, o objetivo de tais
negociações é:

a) Promover condições para a participação dos


países em desenvolvimento no crescimento do
comércio internacional em níveis compatíveis
com suas necessidades de desenvolvimento
econômico.
b) Definir formas de corrigir e compensar os
países em desenvolvimento pela deterioração
dos termos de intercâmbio e promover
estratégias de industrialização de suas
economias.
c) Abolir as restrições e práticas desleais de
comércio que obstaculizam o acesso das
exportações agrícolas dos países em
desenvolvimento aos mercados norte-
americano, japonês e europeu em particular.
d) Estabelecer cotas e preferências para as
exportações de manufaturas dos países em
desenvolvimento, particularmente nos setores
em que são menos competitivos
internacionalmente.
e) Definir mecanismos para a progressiva
eliminação de barreiras tarifárias e não-
tarifárias que restringem as exportações dos
países em desenvolvimento no primeiro
mundo.

59. (AFRFB/2012) Sobre o sistema multilateral


de comércio e a Organização Mundial do
Comércio (OMC), assinale a opção incorreta.

a) A acomodação institucional dos acordos


regionais de comércio dentro da OMC é
fundamentada no artigo XXIV do GATT 1994.
b) A partir da Rodada Tóquio do Acordo Geral
sobre Tarifas e Comércio (GATT), foi adotada a

www.cers.com.br 14
AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL
Comércio Internacional
Pedro Henrique

GABARITO

1 E 32 E
2 C 33 E
3 E 34 C
4 E 35 E
5 C 36 E
6 C 37 E
7 C 38 E
8 E 39 C
9 C 40 E
10 E 41 E
11 E 42 E
12 E 43 E
13 E 44 C
14 E 45 E
15 E 46 E
16 E 47 C
17 E 48 C
18 E 49 E
19 E 50 E
20 C 51 E
21 C 52 E
22 E 53 E
23 C 54 E
24 C 55 C
25 E 56 D
26 E 57 B
27 E 58 A
28 E 59 E
29 E
30 C
31 C

www.cers.com.br 15