Você está na página 1de 4
Agrupamento de Escolas de Casquilhos Escola Secundária de Casquilhos Proposta de correcção do 3º Teste

Agrupamento de Escolas de Casquilhos Escola Secundária de Casquilhos

Proposta de correcção do 3º Teste Sumativo (90 minutos) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Hereditariedade fevereiro 2014 Professora Isabel Lopes

: Hereditariedade fevereiro 2014 Professora Isabel Lopes Na população humana existem doenças raras determinadas

Na população humana existem doenças raras determinadas por uma hereditariedade autossómica recessiva. São os casos do albinismo e da fibrose quística.

. São os casos do albinismo e da fibrose quística. 1.1. 1, 8, 10, 13, 22

1.1. 1, 8, 10, 13, 22

1.2. Versão A:

Legenda: A - normal, a - albino

1 e 10 aa, porque são albinos, caracteristica determinada pelo alelo recessivo, logo têm de ser homozigóticos

recessivos;

2 Aa, porque sendo normal, tem de ter o alelo dominante “A, e “a” porque tem um filho albino (nº 10 - aa) que

teve de herdar os alelos para o albinismo, um de cada um dos progenitores;

9 Aa, porque sendo normal, tem de ter o alelo dominante “A”, e “a” porque tem um pai albino (nº 1 - aa) que lhe transmitiu o alelo para o albinismo;

Versão B:

Legenda: A - normal, a - albino

3 e 4 – Aa, porque sendo ambos normais, têm de ter o alelo dominante “A”, e “a” porque têm um filho albino (nº

13

- aa) que teve de herdar o alelo para o albinismo de ambos os progenitores;

10

e 13 - aa, porque são albinos, caracteristica determinada pelo alelo recessivo, logo têm de ser homozigóticos

recessivos;

1.3. Versão A Legenda: A - normal, a - albino

Genótipo do homem nº 17 Aa (porque sendo normal, tem de ter o alelo dominante “A”, e “a” porque tem um pai albino (nº 8 - aa) que lhe transmitiu o alelo para o albinismo; Genótipo da mulher nº 13 aa (porque é albina) A probabiblidade de terem filhos albinos será então, com base na

tabela, de 50%.

A a a Aa aa a Aa aa
A
a
a Aa
aa
a Aa
aa
50%
50%

Proposta de correcção 3º Teste de Biologia - 12º A e B versão A e B

2013/2014

Versão B

Legenda: A - normal, a - albino Genótipo do homem nº 9 – Aa (porque sendo normal, tem de ter o alelo dominante “A”, e “a” porque tem um pai albino (nº 1 - aa) que lhe transmitiu o alelo para o albinismo; Genótipo da mulher nº 22 aa (porque é albina)

A probabiblidade de terem filhos albinos será então, com base na

tabela, de 50%.

A a a Aa a Aa
A
a
a Aa
a Aa
aa aa
aa
aa
50%
50%

2. A Doença de Huntington ocorre num par de genes alelos presentes no cromossoma n.º 4. O heredograma representa uma família que apresenta a doença.

2.1. C autossómica dominante. 2.2. É autossómica, porque se estivesse no cromossoma Y, os homens afetados (a negro) passariam a doença a todos os filhos e

nunca às filhas (o que se exclui logo ao analisar a descendência do 1º casamento). Não está também no cromossoma X, porque se assim fosse, o homem nº 1, afetado, transmitiria o cromossoma X afetado, às filhas, enquanto aos filhos transmitia o Y, pelo que nunca teria filhos homens afetados. Mais uma vez a descendência do 1º casamento o confirma, porque teve filhos afetados 4, 6 e 12. Além disso, no enunciado era referido que os genes que o determinam se localizam no cromossoma 4, logo não é

o par sexual (23).

É dominante, porque do casamento entre 3 e 4, ambos afetados, nasce uma filha saudável, o que significa que o alelo saudável estava “escondido” no genótipo de ambos os progenitores, e por isso recessivo, logo o que determina a doença é dominante.

3. Observa o heredograma que mostra a ocorrência de uma determinada anomalia numa família.

a ocorrência de uma determinada anomalia numa família.   X a Y   X A X
 

X

a

Y

 

X

A

X A X a

X A Y

X

A

X A X a

X A Y

Exemplo da probabilidade da descendência do casamento (1ª geração) filhas portadoras Legenda:

X a - anomalia X A - normal

 

3.1. D. recessiva ligada ao cromossoma X.

3.2. Recessiva, porque há um casal (2ª geração) que não manifesta

a doença e tem filhos doentes, logo o alelo que condiciona a transmissão da doença estava escondido no

genótipo dos progenitores. Ligada ao cromossoma X porque o pai

afetado, da 1ª geração, transmitiu o seu cromossoma X afetado a

todas as suas filhas (mas como era recessivo, elas são apenas

portadoras) e ao filho transmitiu o Y, Por outro lado, os rapazes da

3ª geração, herdaram o cromossoma X portador do gene da doença

da sua mãe.

Proposta de correcção 3º Teste de Biologia - 12º A e B versão A e B

2013/2014

3.3. A maior prevalência nos homens desta característica, deve-se ao

facto de a mesma ser recessiva e transmitida pelo cromossoma X, que

os homens só apresentam um, logo irão sempre manifestá-la. Enquanto

as mulheres ao terem dois cromossomas X, se um dos seus

cromossomas X transportar o alelo dominante, a anomalia não se irá

manifestar, irá ficar “escondida”.

 

X A

Y

X a

X A X a

X a Y

X A

X A X A

X A Y

Exemplo da probabilidade da descendência do casamento da 2ª geração filhos afetados Legenda:

X a - anomalia X A - normal

 

4. A hemofilia é uma doença recessiva ligada ao cromossoma sexual X. Caracteriza-se por

coagulação sanguínea (…)

4.1. F 4.2. V 4.3. F 4.4. F 4.5. V

5. A forma e a cor dos rabanetes são controlados por dois pares de genes independentes. Cada genótipo é

um defeito na

distinguível fenotipicamente. A cor pode ser vermelha (VV) Branca (BB) ou Purpúra (VB) e a forma pode ser longa

(LL), arredondada (AA) ou oval (LA).

5.1. A relação existente entre os alelos para a cor e forma do rabanete é de dominância incompleta.

5.2. Deve cruzar rabanetes homozigóticos para ambas as características, uma vez que pretende um fenótipo

condicionado por um genótipo heterozigótico (híbridos). Assim, deve cruzar rabanetes vermelhos e longos (VVLL)

com rabanetes brancos e arredondados (BBAA) ou rabanetes vermelhos e arredondados (VVAA) com rabanetes

brancos e longos (BBLL). Obterá sempre uma descendêmcia 100% de rabanetes com fenótipo purpura e oval

(VBLA).

6. Num rato o alelo T, situado num locus do cromossoma 17, é responsável por malformações do esqueleto. São

os animais heterozigóticos TT + , que se caracterizam por apresentarem cauda curta e anomalias nos membros e

nas vértebras.

6.1. O alelo T é dominante em relação a T + .

6.2. O enunciado refere que o alelo T é responsável por malformações no esqueleto. Os ratos heterozigóticos

(TT + ) apresentam essas malformações (cauda curta e anomalias nos membros e nas vértebras). Logo a

característica manifestada pelos ratos heterozigóticos é a

dominante, ou seja, a condicionada pelo alelo T.

6.3. Legenda : T - malformações; T + - normal

Assim, de acordo com a tabela, do cruzamento de ratos

heterozigóticos (TT + ): 2/3 ratos com malformações e 1/3 de ratos

normais. O genótipo TT (ambos os alelos para malformações) é

letal, e não é contabilizado na descendência.

 

T

 

T

+

T

TT

Letal

T T + (1/3) malformações

T

+

T T + (1/3) malformações

T + T + (1/3) normal

Probabilidade cruzamento: T T +

x

T T +

 

Legenda : T - malformações; T + - normal

Proposta de correcção 3º Teste de Biologia - 12º A e B versão A e B

2013/2014

7. Um cidadão Inglês, de nome Edward Lambert e nascido em 1717, tinha a pele coberta de escamas (…) Ele teve seis filhos e todos exibiram as mesmas caracteristicas, as quais foram transmitidas ao longo de quatro

gerações. Nenhuma das filhas deste homem manifestou a característica(…) 7.1.A transmissão desta caracteristica está associada ao cromossoma Y (exclusivo dos elementos masculinos), uma vez que o homem portador, a transmitiu a todos os filhos homens e não a transmitiu a nenhuma filha, o que se repetiu nas gerações seguintes.

7.2.Legenda:

Y normal; Y* - “porco espinho”

Homem: XY*; Mulher: XX; Filhas: XX; Filhos: XY*

 

X

Y*

 

X

X

X

XY*

X

X

X

XY*

Exemplo da probabilidade da descendência do casamento filhos sempre afetados

Legenda:

Y normal; Y* - “porco espinho”

 

Fim do teste!