Você está na página 1de 10

TÉCNICAS DE APRENDIZAGEM COOPERATIVA

Autores: Equipe do PRECE


INTRODUÇÃO
A aprendizagem cooperativa é uma metodologia de ensino onde os estudantes são estimulados a
desenvolverem sua autonomia intelectual, protagonismo estudantil, capacidade de liderança e o espírito
de cooperação e solidariedade. Várias são as técnicas que estimulam o desenvolvimento das habilidades
e competências descritas acima, irá depender da forma como o professor estrutura e planeja a sua aula. O
importante é entendermos sua essência e aplicarmos de forma eficaz e efetiva os seus princípios
metodológicos, são eles: responsabilidade individual, interdependência positiva, habilidades sociais,
interação promotora e processamento de grupo.
De acordo com FIRMIANO (2011), “A aprendizagem cooperativa é uma metodologia que se baseia em
muitas diferentes maneiras de organizar uma classe de aula, de tal forma que os estudantes trabalhem
e aprendam em pequenas células de dois a quatro estudantes. Ela preconiza um modelo de trabalho
dinâmico e organizado.” O autor ainda ressalta que muitas são as estratégias de aprendizagem
cooperativa, mas que seguem um determinado padrão: explicação sucinta dos objetivos e conteúdo da
aula pelo professor, atividade individual, atividade em grupo e encerramento da atividade. Logo, várias
são as formas de se desenvolverem técnicas de aprendizagem cooperativa, basta compreendermos todos
os seus elementos e usar a criatividade.
Entendendo isso, foi desenvolvido pela Escola Profissionalizante Alan Pinho Tabosa uma técnica de
transição metodológica chamada ETMFA. Essa técnica sistematiza os passos descritos acima, de modo
que sua sigla significa um acróstico dos seguintes passos: Exposição inicial, Tarefa individual, Meta
coletiva, Fechamento e Avaliação. Podemos observar que todos os elementos da aprendizagem
cooperativa estão intrinsecamente contidos no passo a passo da técnica. Na exposição inicial o professor
irá expor o conteúdo da aula, seus objetivos e explicar como ocorrerá a atividade, na tarefa individual o
estudante é responsabilizado por uma parte do conteúdo, esta deverá ser interdependente com as outras
partes individuais e estar conectado aos objetivos da aula, após esse momento os estudantes deverão
compartilhar suas atividades individuais e realizarem um trabalho coletivamente a partir da junção de
todas as atividades individuais, por isso a importância da conexão entre as atividades. É neste momento
onde o professor se utilizará de diversas técnicas para estimular a participação dos estudantes e fomentar
o espírito de cooperação e solidariedade, é importante ressaltar que a forma como o professor redige suas
atividades também será um fator motivacional, nesta cartilha iremos focar nas possíveis possibilidades do
compartilhamento das atividades. Para finalizar o passo a passo, segue a meta coletiva que será o
preenchimento de um desafio pelos membros da célula, encerrando as atividades haverá o fechamento da
aula, que será de forma participativa. Por fim, é feito uma avaliação individual que verificará o alcance
ou não dos objetivos da aula.
Técnicas de Aprendizagem Cooperativa
Conforme descrito na introdução, as aulas na metodologia da aprendizagem cooperativa costumam seguir
um padrão, cujo mesmo foi sistematizado em uma técnica chamada ETMFA, o que irá variar dentro desta
técnica será a forma de como o docente irá orientar o compartilhamento das atividades individuais. Abaixo
seguem algumas técnicas que poderão ser utilizadas para dinamizar e estimular a participação dos
estudantes.
Uma observação importante a ser feita com relação a implementação da aprendizagem cooperativa é a
postura de mediador do professor, pois o mesmo deverá promover a abertura de espaços para o debate
crítico, através da estruturação interdependente das atividades individuais e coletivas, sempre
responsabilizando-os pelas tomadas de decisões e estimulando-os a assumirem suas funções no grupo.
Conforme prometido, segue abaixo algumas técnicas de aprendizagem cooperativa.

1. JIGSAW
Esta técnica consiste em formar estudantes especialistas em um subtema para só depois compartilhar sua
atividade individual. Conforme mostrado na figura abaixo:

Fonte:https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwi0vvX33cHXAhUMhJAKHQvXAcIQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Ftwitter.com%2Fi
bernal51%2Fstatus%2F731579134737035265&psig=AOvVaw0G_e77x4btyD1ELQDOoGk9&ust=1510874940974191

Como descrito acima, na fase 1 os estudantes são estimulados a resolverem de forma individual sua
atividade, em seguida, na fase 2 os estudantes são colocados para discutirem um subtema com os outros
estudantes que receberam as mesmas questões que a sua, estes grupos são chamados de especialistas. Na
fase 3, os estudantes voltam para o grupo base e explicam para os outros colegas sua atividade. Nesta
técnica os grupos são formados com no mínimo 3 e no máximo 5 membros.
2. FILA DUPLA (Fila fixa e Fila móvel)
Nesta técnica, o docente divide as equipes em no mínimo 3 e no máximo 5 membros. De modo que, será
entregue temas a serem estudados ou questões a serem resolvidas aos membros da célula. Suponhamos
que as equipes são formadas por cinco membros e que a aula será de revisão. Nesta aula o professor levou
uma lista de exercício contento 10 questões. Por tanto, foi dividida 5 questões distintas (1 - 5) para o
grupo A e 5 questões distintas para o grupo B (6 - 10).
Primeiramente os estudantes serão estimulados a resolverem suas questões individualmente, em seguida
os grupos compartilharão com os membros de cada equipe as questões da atividade individual. Após esse
momento, o professor solicitará a equipe A que coloque as cadeiras uma ao lado da outra e a equipe B
que se posicione em frente as cadeiras. Será disponibilizado um tempo para cada membro dupla
compartilharem suas questões. Quando a dupla terminar, os estudantes da equipe B trocarão de lugar para
iniciar um novo compartilhamento até que todos tenham compartilhado.

Observe a figura abaixo:


3. COORDENADOR VOLANTE
Nesta técnica a quantidade mínima de participantes será 4 e no máximo 6 membros, ela é semelhante a
fila dupla porém os estudantes são estimulados a compartilharem suas atividades individuais no grupo
base e após o compartilhamento cada equipe elege um coordenador volante, na qual ele irá representar a
sua equipe nos demais grupos. É interessante que cada grupo tenha conteúdos diferentes.
Observe a figura abaixo:

4. TWISTER ou TABULEIRO
Este na verdade é um jogo adaptado, de modo que após a resolução e compartilhamento das atividades
individuais o professor irá expor em slides um questionário que poderá ser denominado de meta coletiva
da turma. Cada questão será lida com cautela e disponibilizado um tempo para as equipes pesquisarem a
alternativa correta, quando o tempo acabar cada equipe deverá levantar plaquinha com o item correto.
Observação1: O professor deverá justificar qual será o item correto e porquê.
Observação2: Como será uma parte bem interativa, caberá ao professor decidir se haverá ou não a
necessidade do fechamento da aula, porém a avaliação continuará sendo necessária, pois o professor irá
avaliar se foi proveitoso ou não e se os objetivos foram alcançados.
Se for um TWISTER: as equipes que errarem irão girar a roleta indicando qual parte do corpo (mão
esquerda, mão direita, pé esquerdo ou pé direito) e a roleta indicando a cor que deverá colocar a parte do
corpo. Neste caso, será escolhido um membro de cada equipe para ficar em cima da pista do TWISTER.
Se for TABULEIRO: as equipes que acertarem as questões jogarão o dado que indicará a quantidade de
casas que deverá alcançar. (Obs.: nas casas do tabuleiro poderá ter avance uma casa, volte uma casa,
fique uma partida sem jogar etc.)
Tanto no TWISTER, quanto no TABULEIRO o professor poderá estabelecer uma meta mínima
de questões a serem acertados por cada equipe. A equipe que alcançar a nota mínima receberá
uma recompensa ou celebrará ao final do término do questionário.
5. CONSTRUÇÃO DE UM MAPA MENTAL
Após o compartilhamento das atividades individuais o professor solicitará aos estudantes que desenhem
ou escrevam palavras chaves que resuma o conteúdo trabalhado na folha de papel madeira. As palavras
deverão estar ligadas, não necessariamente como em uma linha cronológica, mas que faça sentido entre
si. Esse mapa deverá ser apresentado no fechamento da aula e o professor fará as considerações finais
ao término de todas as apresentações.

6. TÉCNICAS DE ESTUDO/INTERAÇÃO PROMOTORA


Uma técnica é um procedimento cujo objetivo consiste em obter um determinado resultado. Abrange um
conjunto de normas e regras que se utilizam como meio para alcançar um fim. Como tal, uma técnica de
estudo é uma ferramenta para facilitar o estudo e melhorar (ou otimizar) o sucesso do mesmo. Os
especialistas afirmam que a técnica de estudo requer uma atitude ativa, em que quem estuda assuma o seu
protagonismo e supere a passividade.

TÉCNICA 01: DISCUSSÃO E SÍNTESE


Esta técnica consiste em leitura compartilhada de um texto em comum e a discussão por parágrafos do
texto.
Descrição:
1º momento: os integrantes farão uma leitura compartilhada, em voz alta, do texto que será estudado. Ao
final de cada parágrafo lido, a célula discute e reflete sobre as principais informações captadas a partir da
leitura daquele parágrafo.
2º momento: Ao final da leitura do texto completo, cada participante terá até 02 minutos para sintetizar
as informações que aprendeu.
Exemplo: Aline, Pâmela e Marcos formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa voltada
para a disciplina de Sociologia. Em um de seus encontros, eles se reuniram para estudar um texto do
filósofo Karl Marx, sobre a luta de classes. No momento de realizar o contrato de cooperação, a célula
optou pela seguinte técnica de estudo: discussão e síntese. Dessa forma, todos tinham o mesmo texto e
faziam uma leitura compartilhada, em que cada integrante lia um parágrafo em voz alta e, ao final da
leitura do parágrafo, todos discutiam suas percepções sobre as informações lidas. Ao final das
discussões, cada um deles sintetizou as informações aprendidas no texto em 02 minutos.

TÉCNICA 02: GERAÇÃO DE PERGUNTAS


Esta técnica consiste em gerar discussões e aprendizado através das dúvidas dos integrantes acerca do
texto estudado.
Descrição:
1º momento: O articulador do grupo deverá solicitar que cada integrante da célula faça uma leitura
individual e silenciosa do mesmo tópico de um assunto.
2º momento: Ao final da leitura, o grupo fará uma discussão sobre o tópico estudado, acordando que cada
um apresente dúvidas sobre o texto através de perguntas.
OBS: as dúvidas poderão ser 1, 2 ou 3 para cada integrante, dependerá do tamanho do tópico estudado.
Caso o grupo não saiba responder as perguntas, podem retornar para a leitura dos tópicos.
Exemplo 2: João, Carla e Ana formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa voltada para
a disciplina de Português. Em um de seus encontros, eles se reuniram para estudar “O uso da crase”.
No momento de realizar o contrato de cooperação, a célula optou pela seguinte técnica de estudo:
geração de perguntas. Dessa forma, eles escolheram estudar pelo livro didático de Português. Como
todos tinham o mesmo livro, eles fizeram uma leitura individual e silenciosa. Ao final da leitura, o
grupo criou uma lista de dúvidas para serem discutidas no grupo a partir do que não haviam entendido.
A lista que eles formaram foi a seguinte:
1. Por que não existe crase antes de palavras masculinas?
2. Por que antes de alguns nomes de lugares como Argentina precede a crase e antes nomes como
Fortaleza não precede crase? Qual a diferença?
3. Por que não existe crase antes de verbo no infinitivo?

TÉCNICA 03 – COMPARTILHANDO COMPREENSÕES


Esta técnica consiste em compartilhar o aprendizado individual com os integrantes acerca do texto ou do
tópico estudado.
Descrição:
1º momento: O articulador deve solicitar que cada integrante do grupo faça uma leitura individual e
silenciosa do mesmo tópico de um assunto.
2º momento: Ao final da leitura, o grupo fará uma discussão a partir das compreensões e percepções
obtidas individualmente na leitura silenciosa.

Exemplo 3: Bruno, Jorge e Talita formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa voltada
para a disciplina de História. Em um de seus encontros, eles se reuniram para estudar “A Revolução
Francesa”. No momento de realizar o contrato de cooperação, a célula optou pela seguinte técnica de
estudo: compartilhando compreensões. Dessa forma, Jorge, que é o articulador da célula, propôs que
cada um lesse o capítulo sobre a Revolução Francesa individualmente. Após este momento, cada um
deles deveria compartilhar com a célula fatos e informações que conseguiu compreender do texto lido.

TÉCNICA 04 – PRÉ-LEITURA
Esta técnica consiste na predição que implica em antecipar, prever fatos ou conteúdos do texto utilizando
o conhecimento já existente para facilitar a compreensão.
Descrição: O articulador induz o grupo a refletir e a discutir o assunto que será estudado a partir do título
do texto. O articulador deverá levar para a célula perguntas, previamente criadas, que servirão de
aquecimento para o estudo. Esta técnica pode ser utilizada quando o texto ou tópico trabalhado for o
mesmo para todos os integrantes do grupo.
Exemplo: Alan, Manuela e Eliane formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa. Eliane,
a articuladora do grupo, levou o texto “A miséria é de todos nós” para ser estudado e refletido na célula.
Ela sugeriu aos seus companheiros que, antes de iniciarem o estudo do texto, eles poderiam utilizar a
técnica de estudo de pré-leitura. Então, fez uma série de perguntas, que previamente havia preparado,
para Marcos e Pâmela. As perguntas foram feitas a partir do título do texto para incentivar a reflexão
sobre o assunto que seria abordado na leitura.
As perguntas que Eliane fez para sua célula foram:
Texto “A miséria é de todos nós.” (publicado na revista Veja, ed. 1735).
a) Qual é o possível tema central desse texto?
b) O que você entende por miséria?
c) Que tipo de “miséria” pode-se encontrar no texto a ser estudado?
d) Por que será que o autor afirma que a miséria é de todos?
e) Quais as principais situações de miséria acontecem no nosso país?
Ao final do texto estudado e compartilhado, eles verificaram entre si se as expectativas prévias foram
correspondidas ou se o texto trouxe informações diferentes das esperadas.

TÉCNICA 05 – PARÁFRASE
Esta técnica consiste em parafrasear o que o outro falou para verificar, confirmar ou corrigir as
informações entre a célula, ou seja, cada pessoa deve explicar com suas próprias palavras o que
compreendeu ao ouvir a explanação de um tópico feita por outro integrante da célula.
DESCRIÇÃO:
1º momento: O articulador do grupo solicita que cada integrante faça uma leitura individual de tópicos
diferentes de um mesmo assunto e grife as informações (somente na segunda leitura) que considera mais
relevantes no tópico estudado, preparando-se para explica-las, posteriormente, aos demais membros da
célula.
2º momento: O articulador explica que cada pessoa terá até três minutos para explicar as informações
mais importantes do seu tópico. As explicações devem ser feitas de preferência sem olhar o texto grifado,
mas apenas de memória, pelo que cada um entendeu. Somente no caso de o estudante não conseguir
lembrar da informação, ele deve ler rapidamente os trechos grifados por ele. O articulador deve acordar
com o grupo que, ao final da explicação, cada pessoa escolherá algum dos integrantes para parafraseá-lo,
ou seja, para explicar com suas próprias palavras o que compreendeu da explicação. Além disso, ele deve
enfatizar que é importante que devam ser escolhidas pessoas diferentes para realizar a paráfrase de cada
tópico.
Exemplo: Fernanda, Ítalo e Mateus formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa voltada
para a disciplina de Geografia. Em um de seus encontros, eles escolheram o capítulo “Domínios
Morfoclimáticos do Brasil” que trata do estudo das formas, da vegetação, do solo e dos climas dos
relevos. No momento de realizar o contrato de cooperação, a célula optou pela seguinte técnica de
estudo: a paráfrase. Ítalo, o articulador, sugeriu que Fernanda lesse um tópico sobre as formas do
relevo. Ao passo que Mateus leria sobre a vegetação e o solo ele estudaria sobre os climas. Todos eles
estudaram juntos o conceito de relevo e quais são os tipos de relevo que existem, somente após esta
contextualização do assunto é que dividiram entre si os tópicos citados.
Após o estudo individual, a célula iniciou o compartilhamento. Ítalo explicou seu tópico e pediu a
Fernanda que dissesse com suas próprias palavras o que ela havia compreendido do que ele explicara.
Fernanda parafraseou Ítalo, e este que corrigiu algumas informações que ela não havia compreendido
bem. Depois, foi a vez de Fernanda explicar seu tópico para o grupo e solicitar que Mateus realizasse a
paráfrase; Mateus, por sua vez, explicou seu texto e pediu a Ítalo que o parafraseasse. Assim se deu o
estudo entre eles.

TÉCNICA 06 - VERIFICANDO SEMELHANÇAS E DISCORDÂNCIAS


Esta técnica consiste no estudo de diferentes textos, de autores diferentes, acerca de um mesmo assunto.
O objetivo é que a célula consiga verificar semelhanças e discordâncias entre os autores ou obras
diferentes.
1º momento: O articulador escolhe previamente um tema, de preferência sobre a atualidade, e seleciona
textos ou obras de diferentes autores que falam sobre o mesmo assunto.
2º momento: O articulador divide os textos entre os componentes da equipe e solicita que cada um leia
individualmente e identifique as informações centrais do texto e o posicionamento do autor em relação ao
assunto.
3º momento: Os membros da equipe compartilham entre si os seus textos e ao final, realizam uma síntese
baseadas nas seguintes perguntas:
a) existem semelhanças nas informações entre os textos lidos? Quais são as regularidades encontradas?
Os fatos são corroborados em todos os textos ou diferem em alguma informação?
b) existem pontos de vista divergentes entre os textos? Em que eles discordam?
Ao final, a equipe elabora uma síntese da discussão, com os pontos semelhantes e divergentes acerca do
assunto estudado.
Exemplo: Aline, Pâmela e Marcos formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa voltada
para vários conteúdos de atualidades. Em um de seus encontros, Aline, que é a articuladora da célula,
propôs o estudo do tema: “Microcefalia” para ser discutido no grupo. Todos concordaram, então para
o encontro seguinte, Aline procurou na internet artigos de vários estudiosos especialistas neste assunto,
fez uma seleção de alguns materiais e levou para a célula. Para o compartilhamento das informações,
eles optaram, durante o contrato de cooperação, pela técnica de estudo: verificando as semelhanças e
discordâncias. Aline dividiu, então, o material para cada um dos componentes e solicitou que lessem o
texto e grifassem as principais informações trazidas pelo autor acerca desse tema. Em seguida, eles
compartilharam seus textos partindo das seguintes perguntas:
a) Quais as principais informações sobre a “Microcefalia” cada autor traz?
b) Quais são as causas e as consequências segundo cada um?
c) Existe alguma opinião divergente sobre essas causas e consequências?

TÉCNICA 07 – LEITURA SOB PERSPECTIVAS DIFERENTES:


Descrição: Esta técnica consiste no estudo do mesmo tópico ou conteúdo a partir de perspectivas
diferentes. Ou seja, uma parte da célula se preocupa em depreender as principais informações do tópico
estudado, grifar o que é de fácil compreensão, enquanto a outra parte do grupo preocupa-se em marcar as
informações não compreendidas na leitura, quem podem ser fatos, trechos, palavras, ideias, etc.
1º momento: O articulador solicita que todos façam a leitura do texto. Podendo ser silenciosa ou
compartilhada em voz alta.
2º momento: Solicita que leiam outra vez, em silêncio, e que metade do grupo grife as partes e
informações que compreendeu do texto, enquanto a outra metade do grupo marque as dúvidas sobre
informações / ideias ou sobre o significado de alguma palavra.
3º momento: Quando todos tiverem terminado de ler e grifar o texto, compartilham entre si as
compreensões e as dúvidas. Será feita uma discussão do texto baseada nessas duas perspectivas.
Exemplo: Aline, Pâmela, Marcos e André formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa.
Para estudar os conteúdos da disciplina de Geografia, eles optaram no contrato de cooperação, pela
seguinte técnica de interação promotora: leitura sob perspectivas diferentes. Marcos, articulador do
grupo, levou um texto para o grupo sobre Geografia Econômica que aborda a localização, distribuição
e organização espacial das atividades econômicas na Terra. Todos os integrantes do grupo leram o
mesmo tópico do texto, porém Marcos e Aline selecionaram o que compreenderam e André e Pâmela
selecionaram o que tiveram dúvidas. Após isso, eles fizeram uma discussão do texto conduzida pelo
articulador e baseada nessas duas perspectivas.

TÉCNICA 08 - CONSTRUÇÃO COLETIVA DE RESPOSTAS


Descrição: Esta técnica consiste em fazer com que o grupo construa uma síntese coletiva acerca de algum
tema proposto a partir de perguntas feitas e respondidas por cada um dos participantes.

1º momento: O articulador propõe o estudo de tópicos de um mesmo tema ou de temas diferentes para
serem estudados no grupo.
2º momento: Em seguida, dividem-se os tópicos / temas entre os integrantes. O articulador pede para que
cada pessoa crie duas ou três perguntas “abertas” sobre o seu tópico / tema específico que deverão ser
respondidas por todos do grupo individualmente (as perguntas não devem ser repetidas).
3º momento: O articulador orienta que quando todos tiverem criado as perguntas, devem passá-las para
o integrante da sua direita. Este terá até 03 minutos para ler e responder as questões de acordo com sua
compreensão acerca delas.
4º momento: Em seguida, passam-se, novamente, as perguntas para o próximo integrante, este deverá ler
as respostas e corrigir informações que considera serem errôneas ou complementar as respostas do colega
anterior e passar para o próximo membro, até que todos os cinco temas tenham passado por todas as
pessoas.
5º momento: Após esse giro, as questões voltam ao integrante que as formulou. Este deverá analisar as
respostas recebidas, dar a sua resposta e fazer um texto síntese para ser lido para o grupo.

Exemplo: Aline, Pâmela e Marcos formam uma célula de estudo em aprendizagem cooperativa. Em
um dos seus encontros, decidiram estudar acerca das atualidades. Os temas escolhidos por eles foram:
“zica”, “dengue” e “microcefalia”. Para estudarem esse conteúdo, eles optaram no contrato de
cooperação pela seguinte técnica de estudo: construção coletiva de respostas. Aline dividiu os temas
entre os três componentes da célula e sugeriu que cada um elaborasse duas questões sobre o seu tema
específico para serem respondidas em forma de texto. Depois que cada membro elaborou suas
perguntas, Aline orientou que passassem a folha com as questões para pessoa ao lado direito, para que
esta respondesse as perguntas de acordo com a compreensão dela acerca do assunto. Todos teriam um
tempo de 3 minutos para responder, por escrito, as perguntas da folha. Ao término dos 3 minutos, a
folha deveria passar para a próxima pessoa para que ela corrigisse, acrescentasse informações e
devolvesse para o autor das perguntas. Este, por sua vez, leria todas as respostas e elaboraria um texto-
síntese sobre as respostas construídas pela célula.

TÉCNICA 09 - POLÊMICA CONSTRUTIVA

Descrição: Esta técnica consiste em levar o grupo a compreender perspectivas diferentes de uma questão
polêmica através da argumentação.
1º momento: O articulador entra em acordo com o grupo para estudar uma questão polêmica. Ele deve
providenciar textos e fazer discussões que abordem os “prós” e os “contras”.
2º momento: Após as leituras dos textos com pontos de vista diferentes, o articulador divide o grupo de
forma que metade ficará responsável por argumentar “a favor” do tema, enquanto a outra metade do grupo
ficará responsável por argumentar “contra”.
3º momento: Os subgrupos devem se juntar e preparar as argumentações para tentar convencer o outro
grupo de que suas ideias são mais coerentes. Os grupos devem debater o tema, discutindo o caso,
resolvendo uma situação, resolvendo um problema e sempre apresentando argumentos que justifiquem a
decisão de cada grupo.
4º momento: O articulador deve mediar o debate construtivo e orientar um tempo específico para cada
grupo apresentar seus argumentos. Terminado o tempo, o articulador pede para que troquem de
posicionamento, ou seja, o grupo que atacava agora defende e vice-versa.
Exemplo: Jorge, Carlos, Débora, João e Natália formam uma célula de estudo em aprendizagem
cooperativa voltada para estudos de assuntos polêmicos. Carlos, que é o articulador do grupo,
incentivou a célula a estudar sobre “A redução da maioridade penal”. Pediu que os integrantes lessem
sobre o assunto em casa para que, na próxima reunião, pudessem discuti-lo. No dia do encontro, Carlos
levou dois textos, um que defendia a redução da maioridade penal no Brasil e outro que era contra a
redução. Depois de lerem os textos, Carlos dividiu as duplas: Jorge e Débora e João e Natália. Para a
discussão do tema, Carlos optou pela técnica de estudo: polêmica construtiva.
Assim, Jorge e Débora ficaram responsáveis por elaborar argumentos “a favor” da redução. Já João e
Natália ficaram com a responsabilidade de preparar argumentos “contra”. Após 15 minutos, Carlos
mediou a discussão entre os dois grupos que argumentaram de forma construtiva, justificando sua
decisão. Depois desse momento, Carlos propôs que os papeis fossem invertidos e gerou-se nova
discussão construtiva, assim todos os membros tiveram compreensão através de visões contrárias
referentes a esse tema.

TÉCNICA 10 - SORTEIO DE EXERCÍCIOS


Descrição: Esta técnica consiste em sortear exercícios sobre os assuntos estudados, de forma que todos
da célula sejam capazes de responder qualquer um dos exercícios, mesmo que não tenha sido o tópico
pelo qual ficou responsável.
1º momento: O articulador divide entre os membros uma parte do conteúdo específica, para que cada um
estude e depois explique para os seus colegas de célula.
2º momento: Em seguida, compartilham seu texto com o grupo, solicitando que cada membro concorde
ou discorde de sua explicação, justificando o posicionamento.
3º momento: Ao final do compartilhamento, o grupo enumera os integrantes de 1 a 5 (considerando um
grupo de 5 integrantes). Depois disso, o articulador seleciona exercícios do livro que abordem todos os
tópicos do assunto estudados por eles e divide os exercícios entre os integrantes por meio de um sorteio.
Cada membro deverá ser capaz de responder as questões referentes a qualquer tópico estudado que fora
discutido no grupo.
Exemplo: Aline, Pâmela, Marcos, André e Fernando formam uma célula de estudo em aprendizagem
cooperativa voltada para a disciplina de Inglês. Em um de seus encontros, reuniram-se para estudar os
princípios da aprendizagem cooperativa. Para o estudo desse tema, eles optaram no contrato de
cooperação pela seguinte técnica de estudo: sorteio de exercícios. Primeiramente, Aline, a articuladora
da célula, dividiu cinco textos entre eles e sugeriu que todos os integrantes do grupo lessem
individualmente um texto sobre os princípios da aprendizagem cooperativa. O objetivo era compreender
e traduzir o texto. Em seguida, cada um compartilhou com a célula as suas compreensões acerca do
tópico que leu. Aline orientou que ao final de cada explicação, a célula deveria concordar ou discordar
do que foi explicado, justificando o posicionamento. Depois do compartilhamento, Aline enumerou os
integrantes de 1 a 5 e entregou uma lista com exercícios, que ela previamente havia pesquisado, sobre
os cinco elementos da aprendizagem cooperativa. Os exercícios eram sorteados entre os membros da
célula de acordo com o número de cada um e eles deveriam ser capazes de responder corretamente
acerca de qualquer um dos elementos estudados. A meta coletiva somente seria alcançada se cada
membro respondesse pelo menos três questões corretamente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FIRMIANO, Ednaldo Pereira Firmiano. Aprendizagem Cooperativa na Sala de Aula, 2011.