Você está na página 1de 3

1

Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC


8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité
Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE

PROFESSOR DISCIPLINA

DATA AULA Nº TEMPO PREVISTO TURMA SÉRIE

CONTEÚDO:
 O professor deverá colocar em tópicos os assuntos que serão abordados em sala de aula.

OBJETIVOS:
 Neste tópico, o professor irá expor o que ele deseja ser alcançado pelos alunos ao final da aula.

Comentário explicativo:
 Procurar enfatizar os objetivos para os estudantes para que fique claro para eles o que devem de fato ter aprendido ao
final da aula;
 Garantir que todas as atividades, sejam elas individuais ou coletivas, possam contribuir para o alcance dos objetivos
propostos.
1. DINÂMICA DE QUEBRA GELO: 5 min
É interessante, sempre que possível, levar uma dinâmica de quebra gelo cujo objetivo poderá estar conectado com as
atividades individuais ou apenas relaxamento/aquecimento, desta forma o clima emocional se tornará mais agradável.
2. EXPOSIÇÃO INICIAL: 20 min
 Neste tópico o professor irá elencar a sequência lógica da sua exposição inicial e os recursos utilizados.
Obs.: O professor deverá utilizar na sua exposição inicial apenas 30% do tempo total disponível para a aula.

Comentário explicativo:
 Procurar estimular os estudantes a se interessarem em aprender o conteúdo;
 Procurar que a participação dos estudantes ocorra nas atividades em células e durante o fechamento;
 Procurar não se empolgar e falar mais do que o planejado;

3. CONTRATO DE COOPERAÇÃO (Habilidades Sociais), DIVISÃO DE FUNÇÕES (Responsabilidade Individual)


E DIVISÃO DAS CÉLULAS: 10 min
 Neste momento o professor irá dividir as células nos grupos-bases, onde os coordenadores de células liderem o
contrato de cooperação e a divisão de funções na sua célula.
 A turma é dividida em trios, células constituídas de 3 estudantes (os grupos-base), na qual um desses estudantes atua
como coordenador de célula (CC) e os demais assumem outras funções: relator e o guardião do tempo.

Comentário Explicativo:
 O coordenador de célula possibilita o exercício da liderança e autonomia entre os estudantes;
 A divisão de funções serve para estimular a responsabilidade individual dos estudantes;
 A etapa da divisão de funções deve ocorrer junto com a construção do contrato de cooperação.
 A construção coletiva de um contrato de cooperação, para o grupo, estimula a utilização das habilidades sociais
dos estudantes.
Sugestão de contrato de cooperação, no início do trabalho.
 Todos devem permanecer na célula e se esforçar para atingir a meta coletiva;
 Devemos evitar conversas paralelas e sair do nosso foco;
 Devemos respeitar a opinião do outro colega mesmo que seja contrária a nossa.
 Cada um deve se esforçar para cumprir bem a sua função.
4. TAREFA INDIVIDUAL: (Responsabilidade Individual + interdependência Positiva) – 20 min
 A tarefa não deve ser genérica, ela precisa ser específica e estimular a interdependência entre os
estudantes, de forma que eles percebam que sua parte é necessária para o alcance da meta coletiva. A
atividade individual deve estar vinculada aos objetivos propostos da aprendizagem, assim como à meta
coletiva, além de ser condizente com o nível cognitivo do estudante.
2
Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC
8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité
Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE

Comentário explicativo:
 A atividade individual deverá ser simples, os estudantes deverão ser capazes de realizá-la;
 Devem-se estimular os estudantes a realizarem a tarefa individualmente, só pedindo ajuda aos colegas ou ao
professor (a) após terem exaurido suas possibilidades;
 Estimular os estudantes a aprender sobre seu tópico e a se planejar para explicá-lo aos colegas.
5. META COLETIVA: (Interação Promotora) – 20 min
 Cada equipe deve cumprir uma tarefa clara e específica (meta coletiva) que só pode ser desempenhada se
cada um de seus componentes tiver realizado sua tarefa individual e a compartilhem certificando-se de
que os seus colegas a compreenderam. É importante que a meta coletiva seja um produto (uma tabela
preenchida, um resumo, uma produção textual, a junção das tarefas individuais, etc.) e, de preferência,
que seja recebida pelo professor ao final da aula, o qual deverá sempre valorizar as equipes que foram
eficazes na sua execução.

Comentário explicativo:
 Os estudantes devem ser estimulados a repassarem sua parte do conteúdo da melhor maneira possível para os seus
colegas; Enfatizar que a meta deve ser preenchida por todos os integrantes da célula.
 As atividades da meta coletiva podem ser retiradas do próprio livro didático ou de quaisquer outros materiais que o
professor possa ter acesso, podendo ser quaisquer tipos de questões/atividades, desde que estejam alinhadas com os
objetivos da aula,
6. FECHAMENTO DA AULA: 15 min
 Neste momento, o professor deverá fazer uma discussão com os estudantes sobre as atividades individuais e
coletivas, incentivando a participação de todos. É neste momento também onde os estudantes irão tirar todas as suas
dúvidas se preparar para a realização da avaliação individual.

7. AVALIAÇÃO INDIVIDUAL: 10 min


 Neste momento o professor irá desfazer os grupos para a realização da avaliação individual.

Comentário explicativo:
 A avaliação individual deve conter questões simples, para que não exija muito tempo para a resposta;
 Deve estar em consonância com as atividades individuais e coletivas, e com os objetivos propostos para a aula.
 Logo após o final da aula, o professor fornecerá o gabarito da avaliação para que os estudantes possam avaliar se
alcançaram a meta individual e se a célula alcançou a meta coletiva.
8. QUADRO SINÓTICO ENTRE OBJETIVOS, ATIVIDADE INDIVIDUAL, META COLETIVA E AVALIAÇÃO
INDIVIDUAL

QUADRO SINÓTICO DE RELACIONAMENTO ENTRE OS OBJETIVOS,


AS TAREFAS INDIVIDUAIS, A META COLETIVA
E A AVALIAÇÃO INDIVIDUAL (CÉLULA COM 3 ESTUDANTES)
TAREFA META AVALIAÇÃO
OBJETIVOS ESTUDANTES
INDIVIDUAL COLETIVA INDIVIDUAL
ITEM 1 ITEM 1 ITEM 1
1 E1
ITEM 2 ITEM 2 ITEM 2
ITEM 3 ITEM 3 ITEM 3
2 E2
ITEM 4 ITEM 4 ITEM 4
ITEM 5 ITEM 5
3 E3 ITEM 5
ITEM 6 ITEM 6

9. PROCESSAMENTO DE GRUPO DA CÉLULA - 5 min


 Após os estudantes verificarem os seus erros e acertos na avaliação individual, o professor deve estimulá-los a
discutir sobre a forma como se deu o trabalho em grupo, refletindo a cerca de suas contribuições. Além de avaliar os
relacionamentos entre os membros do grupo.
3
Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC
8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité
Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE

Sugestões de questões para o processamento de grupo

 O grupo alcançou a meta coletiva? Alguém não contribuiu adequadamente para o trabalho? Por quê?
 O contrato de cooperação foi cumprido? Que aprendizado sobre trabalho em equipe cada um está levando para a
próxima equipe?
 Alguém sentiu que suas contribuições não foram aceitas? Ocorreu algum conflito que seja importante esclarecer?
 Há algum sucesso que o grupo deseja celebrar?
 Outros questionamentos.

Comentário Explicativo:
 O processamento de grupo é o quinto elemento da aprendizagem cooperativa e serve para estimular a utilização das
habilidades sociais e a vivência positiva de conflitos.

10. BIBLIOGRAFIA

 CABALLO, V. E. Manual de avaliação e treinamento das habilidades sociais.


 CASASSUS, Juan. Fundamentos Da Educação Emocional. Liber livro, 2009.
 COCHITO, M. I. G. S. Cooperação e Aprendizagem: Educação intercultural.
 JOHNSON, D. W.; JOHNSON, R. T. Aprender juntos y solos: Aprendizaje cooperativo, competitivo e
individualista. Argentina: Aique Grupo Editor S.A., 1999.
 JOHNSON, D.W.; JOHNSON, R.T.; KARL, A. A Aprendizagem Cooperativa Retorna às Faculdades: qual é a
evidência de que funciona? Smith in Change. Vol. 30. Issue 4. p.26, Jul/Aug 1998 <Disponível em:
http://www.andrews.edu/~freed/ppdfs/readings.pdf> Acesso em: 31 mar. 2014 .
 LINHARES, Edgar. Autonomia intelectual. Disponível em: www.serprofessoruniversitario.pro.br.
 LOPES, J.; SILVA, H. S. A aprendizagem cooperativa na sala de aula: Um guia prático para o professor.
 OVEJERO, B.A. Aprendizaje Cooperativo. Métodos de aprendizagem Cooperativa. PPLL. España, 1990. <
Disponível em:http://www.crede02.seduc.ce.gov.br/index.php/downloads/category/34-
documentos?download=579:histria-e-mtodo > Acesso em: 04 abr. 2014.
 TORO, Bernardo. O paradigma do Cuidado. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5nivihNqbXk
 VINHA, T.P; TOGNETTA, L.R.P. A construção da autonomia moral na escola: a intervenção nos conflitos
interpessoais e a aprendizagem dos valores. Disponível: http: www.pucpr.br.