Você está na página 1de 3

Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC

8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité


Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE
OFICINA DE HISTÓRIA DE VIDA
PROFESSOR DISCIPLINA

DATA AULA Nº TEMPO TURMA SÉRIE


110 min. Máx. 40 alunos x
TEMA: História de Vida
OBJETIVOS:
 Compreender a importância de contar histórias de vida para proporcionar um clima emocional
agradável entre os participantes;
 Contribuir para um melhor rendimento no trabalho em equipe;
 Promover aos participantes a vivência da contação de histórias de vida;
 Oportunizar espaço para a criação e/ou fortalecimento dos laços de amizade;

Competências Cooperativas: desenvolvimento de Habilidades Sociais: escuta ativa, ter empatia, falar
em tom agradável e ser responsável individual com o aprendizado dos colegas.
TÉCNICA UTILIZADA: Compartilhamento de histórias de vidas em duplas;
RECURSOS MATERIAIS: Cópias do material para facilitador; datashow, computador e caixa de som
para apresentação.
Resumo do Passo a Passo da Oficina de História de Vida
1. Exposição Inicial (10’)
2. Orientações para Contação de História de Vida (9’)
3. Contação da História de Vida do Professor (10’)
4. Contação de Histórias de Vida nas Duplas (Estudantes) (16’)
5. Contação de História de Vida no grupão (Estudantes) (40’)
6. Fechamento da Oficina (10’)
ATIVIDADES TEMPO
1. Exposição Inicial 10 min.

A exposição inicial é o momento destinado para o professor sensibilizar os estudantes da


importância de se contar histórias de vida para o desenvolvimento de um clima emocional favorável,
estimular os estudantes a contarem suas histórias de vida e apresentar os objetivos da oficina.

2. Orientações Específicas para Contação da História de Vida 9 min.

No trabalho cooperativo, é necessário que o grupo acorde, antes do início das atividades, sobre que
atitudes e comportamentos são necessários para a melhor execução do trabalho, levando em
consideração a eficiência nas tarefas e a qualidade do relacionamento entre os membros da equipe. Na
oficina de História de Vida, há orientações específicas para que possa garantir uma boa execução da
oficina. Segue abaixo as orientações:

Orientações Específicas para divisão das Duplas


Após a exposição inicial, o professor irá dividir a turma em duplas, de preferência heterogêneos, para
aplicação da oficina.

Orientações Específicas para a Contação de História de Vida

Página 1
Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC
8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité
Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE
• Cada um deve se esforçar para valorizar e compartilhar a sua própria história, considerando que
não há histórias bonitas ou feias, importantes ou não importantes.
• • Citar o nome e as ações de pelo menos uma pessoa que foi marcante em algum momento da sua
vida e a quem você é muito grato (a) e gostaria de homenageá-lo (a) perante o seu grupo.
• Escutar atentamente enquanto o outro estiver contando a história dele, evitando ficar disperso ou
fazer qualquer coisa que demonstre desinteresse por essa história, tais como utilizar celular, computador,
ir ao banheiro, etc.
• Evitar fazer gestos e/ou emitir opiniões que, mesmo sutilmente, faça juízo de valor e desvalorize a
história do outro.
• É importante prestar bastante atenção na forma como a pessoa conta a sua história (gestos,
expressões.)
• Risos e manifestações de entusiasmo não são proibidos desde que não venham com propósito de
debochar da história do outro.
• Evitar fazer intervenções enquanto a pessoa estiver contando a história dele (a). Haverá um
momento para esclarecimentos ao final desta etapa.
• É importante que todos tentem memorizar o nome do maior número de pessoas que puder e, pelo
menos, um fato significativo da história delas;
• Cada um deverá encarar a história do outro como uma prova de confiança, um presente simbólico,
um ritual de iniciação de um novo relacionamento ou o fortalecimento de um já existente;

Obs.: Facilitador(a), caso alguém se negue a compartilhar sua história, não tentar obrigá-lo,
mas solicitar que pelo menos participe como ouvinte;

Orientações Específicas para a Contação de História de Vida nas Duplas


Contar nossas histórias de vida nem sempre é tão fácil, por isso abaixo seguem algumas perguntas
norteadoras para a contação da história de vida. Fique à vontade para acrescentarem perguntas.

Onde você mora? Com quem você mora? Quantos irmãos você tem? Como é seu relacionamento com
seus pais e irmãos? O que você mais gosta de fazer na escola? O que você gosta de fazer nos momentos
livres? Qual é a disciplina que você mais gosta? Qual profissão você quer seguir quando crescer?
Pretende fazer faculdade de quê? Quantas horas e como você estuda quando está em casa? Quantos anos
você tem? Como você se vê daqui a 5 anos?
3. Contação da História de Vida do Professor 10 min.
Neste momento, o professor contará fatos marcantes da sua história de vida que servirá como modelo
para ajudar os estudantes. O mesmo poderá elaborar uma apresentação em powerpoint com fotos,
vídeos, cenas marcantes, etc.
4. Desenvolvimento das Atividades 56 min.
Etapa I: Contação da História de Vida nas Duplas [16’]
Neste momento, as duplas darão início a contação das histórias de vida. Será destinado um tempo
máx. de 8 min. para cada estudante.
Etapa II: Compartilhamento no Grupão [40’]
Neste momento o professor solicitará à turma que forme um círculo e se preparem para apresentar
um fato sobre a história do colega em 01 minuto;
Antes de iniciar o compartilhamento, o professor deverá combinar um sinal com os estudantes para
avisá-los sobre o término do tempo (15 segundos antes) para que possam ir concluindo a fala; Cuidado
para que o sinal não seja barulhento. Sugestões: levantar o braço, assoviar, levantar uma plaquinha,
acenar para ele (a), etc.
 Solicitar que todos fiquem atentos às histórias que serão contadas.

Página 2
Secretaria de Educação do Ceará – SEDUC
8ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação – CREDE8/Baturité
Programa de Estímulo à Cooperação nas Escolas - PRECE
5. Fechamento 10 min.
O facilitador deverá encerrar a oficina refletindo com os estudantes sobre a importância do compartilhar
histórias de vida e avaliar como se sentiram no processo.

Segue abaixo, algumas sugestões:


o Você acha que seu colega resumiu bem a sua história? Você se sentiu contemplado?
o Quando você estava contando sua história, você sentiu que o seu grupo valorizou o momento, prestou
atenção, demonstrou interesse?
o Como você se sentiu contando a história do outro?
o Como você se sentiu com o outro contando sua história?
o Após a oficina, houve alguma modificação da primeira impressão que você teve de algum dos
componentes de seu grupo?
6. Celebração Dos Resultados (2 min.)
Tirar uma fotografia da turma;
7. Referências Bibliográficas
1. CASASSUS, Juan. Fundamentos da educação emocional. Brasília: UNESCO, Liber Livro Editora, 2009.
2. GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional – a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente, 2ª edição, Rio de Janeiro: Objetiva,
2012.
3. CAIN, Susan. O poder dos quietos: como os tímidos e introvertidos podem mudar um mundo que não para de falar; Rio de Janeiro: Agir,
2012.
4. Material didático Eu Curto a Universidade (V Edição) – Produzido pela equipe da Aprendizagem Cooperativa;
5. https://www.youtube.com/watch?v=KeNEGtsCWEk
6. https://www.youtube.com/watch?v=Bw2qhZ42AHQ

Página 3