Você está na página 1de 12

1

John Gill
Ver. 3. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo;
Deus, a primeira pessoa na Trindade, é o Deus de Cristo, como Cristo é homem e mediador; ele
escolheu e nomeou-o para ser o mediador, e fez uma aliança com ele como tal; ele formou e
preparou uma natureza humana para ele, e ungiu-o com o Espírito Santo acima da medida, e o
apoiou sob todas as suas provações e sofrimentos, e finalmente a glorificou: e Cristo, como
homem, orou a ele como seu Deus, acreditou, esperou e confiou nele como tal, e amou-o como
em tal relação com ele, e alegremente obedeceu a sua comandos. E o mesmo é o Pai de Cristo,
como Cristo é Deus; assim sendo ele é o Filho de Deus; não pela criação, como anjos e Adão, nem
por adoção, como santos, mas por geração natural; ele sendo o unigênito de o Pai, seu próprio
Filho, da mesma natureza e perfeições com ele e igual a ele. Agora, "abençoar" Deus não é nem
invocar nem conferir uma benção sobre ele; porque não há maior do que ele para ser
chamado; nem ele precisa de alguma coisa, nem pode receber nada de sua criatura; mas isso seja
para felicitar sua grandeza e bondade, para atribuir bênçãos, glória e honra para ele, ou para dar
graças a ele, tanto para o temporal e misericórdias espirituais. E as razões pelas quais ele é
abençoado, ou elogiado pelo santos como o Deus e Pai de Cristo são; porque estes são seus novos
Títulos do testamento, em que ele é mais claramente conhecido, e em que ele se deleita; e porque
ele é seu Deus e Pai em Cristo; nem eles podem venha para ele de qualquer outra maneira, mas
através dele; e porque é através a ele que todas as suas bênçãos vêm a eles e, portanto, todos os
seus louvores deve seguir este caminho, da seguinte forma:

que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo : Deus é o autor e
doador de todas as bênçãos; e ele abençoa sua pessoas com eles, como ele é o Deus e Pai de Cristo,
e como ele é o seu aliança de Deus e Pai em Cristo; e ele só pode abençoar; se ele não abençoar,
nenhum pode; e se ele abençoa, eles são realmente abençoados: os "nós" que são abençoados, são
aqueles que merecem, de acordo com o teor da lei, ser amaldiçoado; e não são todos homens, mas
alguns distintos dos outros; e quem são antes descrito como santos e fiel em Jesus Cristo; e incluir
ambos Judeus e gentios, que pertencem à eleição da graça. E as bênçãos tais são abençoados com
são espirituais, assim chamados para distingui-los bênçãos temporais. Os judeus têm a mesma
distinção de “Bênçãos temporais” e “bênçãos espirituais” ; qual estas são bênçãos sólidas,
substanciais e duradouras; e que dizem respeito ao bem da alma ou espírito do homem; e são
agradáveis e desejados por um homem espiritual; e são aplicados pelo Espírito Santo de Deus; e
então o A versão etíope traduz, “com todas as bênçãos do Espírito Santo”: e que são muito
abrangentes e absorvem toda a plenitude da graça em Cristo; todas as bênçãos e misericórdias
seguras do convênio eterno; todas as coisas referentes à vida e à piedade, tais como justificação,
paz, perdão, adoção, santificação e vida eterna: e com estes os santos são abençoados lugares
“celestes”; Deus que os abençoa está no céu, e assim é Cristo, em quem eles são abençoados; e a
conclusão de sua bem-aventurança estará no céu, onde sua esperança está assentada, e sua
herança é reservado: e esta frase pode denotar a segurança deles, estando fora do alcance de
qualquer inimigo, pecado, Satanás ou o mundo, para privá-los deles, como bem como a natureza
deles; pois pode ser lido "em coisas celestiais", e assim distingue essas bênçãos de um tipo
terrestre; e pontos no original deles, sendo como descer de cima, desce do céu; e também a
tendência deles, que é para o céu; e sendo o que dá direito a, e um encontro para o reino dos céus;
2

estes são abençoados com "em Cristo"; como ele é a cabeça e representante, e como eles são
membros nele, e participantes dele; através de quem, e por quem, eles são transportados para
eles, e que ele é a soma e substância deles. De acordo com essa maneira de
falando, o targumista, Jonathan ben Uzziel, em (Números 6:27) parafraseia a última cláusula
assim: “Eu os abençoarei”, yrmymb , “na minha palavra". A data dessas bênçãos, “nos
abençoou”, pode respeitar tanto primeira conversão, quando a descoberta e aplicação das
bênçãos de a graça é feita ao povo de Deus; ou a realização da aliança com Cristo, sua cabeça, a
quem toda a graça foi então dada, e para eles nele, e sua eleição estava em Cristo, como segue.

Ver. 4. Conforme ele nos escolheu nele , etc.] Esta escolha não pode ser entendido de um nacional,
como Israel do passado foram escolhidos pelo Senhor; para as pessoas a quem o apóstolo escreve
não eram uma nação; nem ele aborda todos os habitantes de Éfeso, somente os santos e fiéis em
Cristo que residiam lá; nem são todos destinados aqui, se algum deles. No entanto, eles não
somente, desde que o apóstolo se inclui, e talvez alguns outros, que fizeram não pertencem a esse
lugar, nem eram desse país: nem essa escolha considerá-los como uma igreja; pois embora os
santos em Éfeso estivessem em uma igreja estado, ainda o apóstolo não escreve para eles sob esse
formal consideração, mas como santos e fiéis; nem essas pessoas são ditas escolhido para os
privilégios da igreja, mas para graça e glória, para ser santo e irrepreensível: além disso, de
( phesians 1: 3-12), o apóstolo parece falar de si mesmo, e alguns outros, que primeiro confiaram
em Cristo, como distinto do crentes em Éfeso, ( <490113> Efésios 1:13), nem esta escolha de
pessoas para um escritório, para todos os que são aqui destinados não eram apóstolos, ou
pastores, ou diáconos: nem pode projetar o chamado eficaz, ou a chamada de pessoas em tempo
pela graça eficaz; porque isso foi antes da fundação do mundo, como segue: mas pretende uma
eleição eterna de pessoas particulares para vida eterna e salvação; e qual é a primeira bênção da
graça, e o fundamento, sobre o qual todo o resto prossegue, e

de acordo com o que eles são dispensados; pois, de acordo com a predestinação, chamando,
justificação e glorificação. O autor desta escolha é Deus, Deus Pai, que se distingue de Cristo, em
quem este ato é fez; e é segundo a sua presciência, e é um ato da sua graça, e é inteiramente
soberano: os objetos dele, nós, não somos anjos, mas homens, considerados como não caíram com
relação ao fim, e como caídos em relação a o significado; e estes nem todos os homens: escolher,
implica o contrário; e aqueles que são escolhidos são distintos dos outros e são representados
como poucos; nem todos os homens participam dos meios ou fins designados no decreto de
eleição; e ainda algumas de todas as nações, judeus e gentios, são incluído nele; embora nenhum
por qualquer qualificação anterior neles, como não por suas boas obras, fé, santidade ou
perseverança; porque estes são frutos e efeitos de eleição e, portanto, não podem ser causas ou
condições disto: e esta escolha é feita em Cristo; e as pessoas escolhidas são escolhidas nele, e
sendo eleitos, vieram a estar nele; pois isso não se refere a sua abertamente estar nele na
conversão, como crentes, mas para o seu secretamente estar nele antes do tempo. Cristo, como
mediador, é o objeto da eleição ele mesmo; e todos os eleitos foram escolhidos nele como sua
cabeça, em cujas mãos suas pessoas, graça e glória são, e assim estão seguros e seguros nele: o
Versão em árabe, "por ele"; não como causa meritória, por Os méritos de Cristo não são a causa
da eleição, embora sejam de redenção e salvação; mas como os meios, para o fim: a versão etíope
3

torna-o "para ele"; para a salvação por ele, e para a obtenção da sua glória; como se ele e seus
benefícios fossem o fim dessa escolha; qual foi feito
antes da fundação do mundo : e que era tão cedo, é certo, de o amor de Deus ao seu povo, que este
é o efeito de, e que é um amor eterno; e da aliança que foi feita com Cristo de eterno, por conta
desses escolhidos, quando Cristo foi estabelecido como o cabeça e representante deles; e da
provisão de todo espiritual bênçãos para eles, que prossegue de acordo com esta escolha; e de
a preparação de um reino para eles desde a fundação do mundo; e da natureza dos decretos de
Deus, que são eternos; para nenhum novo testamento, ou ato de vontade, pode surgir em Deus,
ou qualquer decreto ser feito por ele, o que não era desde a eternidade: a presciência de Deus é
eterna, e assim é o seu decreto, e é não é senão ele próprio decretar. O final desta escolha segue,

que devemos ser santos e sem culpa diante dele em amor ; os objetos de que não são escolhidos porque
eles eram santos, mas que eles podem participar de a santificação do Espírito; que eles possam
ser santificados por ele aqui, e seja perfeitamente santo daqui por diante; e ser sem culpa e culpa,
tanto neste vida, instilada pela justiça de Cristo e lavada em seu sangue; e na vida por vir, sendo
inteiramente liberto de todo pecado e sem mancha, ou ruga ou qualquer coisa semelhante; e
aparece assim à vista de Cristo, que apresentá-los a si mesmo, e à vista de seu pai, a quem eles
vão também ser apresentado por ele, mesmo à vista da justiça divina: e isto será todos
"apaixonados", ou "pelo amor", como a versão siríaca o processa; ou “Através de seu amor”, como
a versão árabe; porque o amor de Deus é a fonte e a primavera da eleição em si, e da santidade e
felicidade, o fim dela; e que é derramado no coração do povo de Deus agora, e será mais
plenamente compreendido e desfrutado no outro mundo; e quais causas amor novamente neles
para ele. Uma frase assim é usada pelo Targumist em (Eclesiastes 11: 6), onde, falando de filhos
de um homem, ele diz; "Não se sabe a ti qual deles " é escolhido para ser bom ”, isto ou aquilo,
ou ambos, ser semelhante Boa."
Algumas cópias colocam a parada à sua frente; e leia a frase “apaixonado”; em conexão com as
palavras que seguem, assim, "no amor", ou "por amor hathnos predestinou ”; então a versão
siríaca.

Ver. 5. Tendo nos predestinado ,] Predestinação, tomada em um grande sentido, inclui eleição e
reprovação, e chega até a todos assuntos e ocorrências no mundo; às pessoas, vidas e
circunstâncias dos homens; a todas as misericórdias, temporais ou espirituais; e para todos
aflições, seja no amor ou na ira: e na verdade providência, ou o dispensações da providência, não
são senão a execução de divina predestinação; mas aqui é o mesmo com eleição, e está
preocupado com as mesmas pessoas, e tem em conta uma bênção especial, os eleitos são nomeado
para, como segue;

até a adoção de filhos por Jesus Cristo para si mesmo ; pelo qual é significava, ou a graça da adoção,
que é um ato do amor do Pai, um bênção provida e assegurada no pacto da graça; e é de pessoas
a uma herança, para a qual eles não têm direito legal; e é inteiramente grátis não havendo
necessidade da parte do adotante, e não vale a pena por parte do adotado: ou melhor, a herança
a que são adotados; que excede todos outros são incorruptíveis, incontaminados e não se
apagam; e fica entre os santos na luz, e pertence a todos os filhos de Deus: e isso eles são
4

predestinado por Deus Pai, que os leva para sua família, coloca entre as crianças e lhes dá uma
boa herança: e que “por Jesus Cristo"; ou através dele; tanto pela graça da adoção como pela
reino e glória para os quais são adotados, vêm e passam por ele como Mediador; através dele
defendendo suas pessoas, assumindo sua natureza, e resgatando-os sob a lei e suas
maldições; através dele dando-lhes um poder e privilégio abertamente para ser filhos de Deus; e
através da fé em ele, em que eles são manifestamente tais: a frase "para si mesmo", seja refere-se
a Deus Pai, que escolheu, separou, formou e reservou seu povo e filhos para si, para o seu tesouro
peculiar, e para o seu própria glória; ou a Jesus Cristo, para que ele possa ter alguns irmãos, e eles
seja conforme a ele, e ele seja o primogênito entre eles, e em todas as coisas tem a preeminência; e
que eles possam estar com ele, e eis que glória, e ele ser glorificado neles: e este ato de
predestinação divina foi

de acordo com o bom prazer da sua vontade : a vontade de Deus é a regra de todos suas ações e todos
os seus atos de graça e bondade; e o bom prazer disso aparece na predestinação dos homens para
a graça e glória: e daí resulta evidente que a fé, a santidade e as boas obras previstas são excluídos
de serem os casos comoventes de graça predestinadora; e que é totalmente para ser resolvido na
boa vontade e prazer de Deus; a visão nele sendo inteiramente como segue,

Ver. 6. Para o louvor da glória da sua graça ,] A graça de Deus manifesta-se manifestamente na
predestinação dos homens para adoção; naquele Deus não precisava de filhos, ele tinha um filho
querido e bem amado; em quem ele é bem satisfeito; e naqueles que ele adota são tão indignos
da relação; e naquele homens, e não anjos, devem ser levados por ele para sua família; e que
alguns, e não outros da mesma raça; e que isso deveria ser antes o mundo era; e ao fornecer a
Cristo como um Redentor, abrir o caminho para a recepção desta graça e felicidade; e na
nomeação da graça de fé para ser o seu receptor: e a glória da graça de Deus aparece aqui em; a
glória de Deus é o supremo fim de tudo que ele faz; e a glória de sua graça, e não seu poder, ou
outras perfeições dele, e os glória manifesto do que é aqui pretendido; sim, o “louvor” daquela
glória: e este fim é respondido, quando os filhos de Deus atribuem sua adoção para a livre graça
de Deus; e quando eles admiram e são gratos por isso, e ande digno da relação em que são
trazidos:

em que nos fez aceitos no amado ; a Vulgata Latina e Versões etíopes diziam: “o seu amado Filho”, e
assim o Claromontano exemplar; o Senhor Jesus Cristo, que é o amado de Deus Pai; e assim foi
desde sempre, e será assim para sempre; que apareceu por sua proximidade a ele, deitado em seu
peito; por ele estar a par de todos os seus conselhos, propósitos e projetos; colocando todas as
coisas em suas mãos, e em mostrando-lhe tudo o que ele faz; e dando-lhe honra e glória, como
homem e mediador: e ele é o amado dos santos, para o transcendente Excelências que estão nele,
e por seu amor a eles, e pelo que ele tem feito por eles, e é para eles; e nele está sua aceitação: que
é ser entendido da aceitação de suas pessoas, como fundada no sangue e justiça de Cristo, e assim
de seus serviços nele; do ato de Deus de prazer e complacência neles, como considerado em
Cristo; quem olha eles, e está bem satisfeito com eles, e descansa em seu amor para com eles;
5

que é um exemplo surpreendente de graça: foi a graça que lhes deu um ser em Cristo, e que
providenciou na predestinação tudo para fazer eles gratos a Deus; e o próprio ato de aceitação é
da mera graça; para graça interna, ou graça infusa, não é aqui significava, mas o favor livre de
Deus: alguns não leram "em que", mas "qual" ecaritwsen ", ele deu livremente nós no amado
”; então a cópia alexandrina, e algumas outras, e a Versões siríaca e árabe.
Ver. 7. Em quem temos a redenção pelo seu sangue , & c.] Redenção
supõe o cativeiro e a escravidão, e é uma libertação dela; O eleito de Deus
a natureza está em escravidão ao pecado, a Satanás e a lei; através da graça de
Cristo, eles são redimidos de toda iniqüidade; resgatado das mãos de
aquele que é mais forte que eles; e são libertados da lei, sua escravidão,
maldição e condenação, e de todos os outros inimigos: e este benefício
Cristo é o autor de; ele foi chamado para ser o Redentor de seu povo
de toda a eternidade; e ele foi enviado na plenitude dos tempos, para obter o
redenção deles; para o qual ele tinha um direito, sendo seu parente próximo; e
para o qual ele estava em todos os sentidos, sendo Deus tanto quanto homem; e que ele
obteve por sua obediência, sofrimentos e morte: e em quem
reside, como em seu próprio sujeito e autor; quem, por imputação, é feito
redenção para todos os escolhidos; porque não os anjos, mas os homens, participam disto
redenção; e nem todos os homens, mas eleitos homens; tais como são escolhidos em Cristo,
predestinados à adoção de crianças por ele, e que são aceitos em
o amado: e isso vem a eles através do sangue de Cristo, que
foi derramado livremente na cruz para obtê-lo; e foi um resgate suficiente, ou
preço de resgate; sendo não apenas o mesmo sangue com aqueles que são
redimido, mas o sangue de uma pessoa inocente; e não de um mero homem, mas
de quem é verdadeira e propriamente Deus, assim como o homem; veja mais disso
Gill em “ (Colossenses 1:14”). Segue-se um ramo desse resgate, ou um
bênção que vem por ela, e junto com ela,
o perdão dos pecados ; de todos os pecados, originais e atuais, passados, presentes e
venha; e isso é através do sangue de Cristo, que foi derramado pelo mesmo:
e ainda é

de acordo com as riquezas da sua graça ; porque Deus da sua rica graça achou o preço de resgate, e
deu seu Filho, assim como ele deu a si mesmo, sua vida, um resgate para muitos; e quanto custou
a Cristo obter redenção e perdão, eles são livres para o seu povo; que são resgatados
sem dinheiro e preço deles, e cujos pecados são perdoados livremente por
Pelo amor de Cristo.

Ver. 8. Em que ele abundou em nós , etc.] Isto é, na graça que é tão abundantemente exibido na
redenção e perdão do pecado, através do sangue de Cristo:
em toda a sabedoria e prudência ; isso pode ser entendido, seja do
abundância de graça no Evangelho; que pode ser chamado de toda sabedoria e
prudência, porque é a sabedoria de Deus; é o produto de sua sabedoria
e uma exibição disso; as doutrinas que contém são cheias de sabedoria e são as
6

meios de comunicá-lo aos homens e de torná-los sábios para


salvação; e pode ser assim chamado, para estabelecer a excelência e perfeição
dela, transcendendo em muito toda a sabedoria humana; e nisso a graça de
Deus abundou muito, pois o Evangelho é uma declaração da graça livre
de Deus, na salvação dos pecadores por Cristo; na justificativa livre deles
pela sua justiça; e no pleno perdão dos seus pecados pelo seu sangue;
e é um amável convite e livre promessa de graça a todos os pecadores sensatos: ou
mais das abundâncias da graça na conversão; todos os homens por natureza são tolos
e insensato; na conversão Deus faz os homens a conhecer a sabedoria no oculto
parte, que ele coloca lá; e para qual propósito o Espírito é dado como um
espírito de sabedoria; e parte do trabalho de santificação está em
luz espiritual, conhecimento e compreensão; e a versão siríaca lê
a última cláusula “e em todo entendimento espiritual”; e fé particularmente
pode ser intencional, o que às vezes é expresso pelo conhecimento; e agora
a graça de Deus é abundante em fé e amor, em regeneração, santificação e conversão; ou melhor,
isso pode ser
entendido da demonstração da sabedoria divina, na obra da redenção e
salvação por Cristo; e que é para ser visto, lançando sobre um bom
pessoa para ser o mediador, para se tornar um sacrifício, e fazer intercessão,
quem é o Filho de Deus, verdadeiramente Deus e homem, e assim todos os meios capazes de
realizar o negócio da salvação; e na maneira de ser efetuada, de um modo em que a graça e a
misericórdia são altamente exaltadas e, no entanto, de modo algum
reprovável à santidade de Deus, ou prejudicial à sua justiça, mas ao
honra deles, em que Satanás é grandemente mortificado, e o pecado é condenado,
e ainda o pecador salvou; e nas várias partes dele, na justificativa de
o ímpio sem obras, pela justiça de outro, em perdoar
seus pecados em um caminho de justiça e fidelidade, e ainda de acordo com o
riquezas da graça, e na segurança das pessoas dos eleitos de Deus, e de
sua graça e glória em Cristo; e nos assuntos desta salvação, que são
as tolices deste mundo, ímpios pecadores, o principal dos pecadores; e
por fim, ao fazer da fé o receptor de todas as bênçãos da salvação, que assim
pode parecer ser tudo de graça.

Ver. 9. Tendo-nos conhecido o mistério da sua vontade , etc.


Evangelho, que é um mistério, um mistério oculto, o mistério de Deus e de
Cristo e o mistério do Evangelho; as várias doutrinas são chamadas
os mistérios do reino dos céus; como estão a respeito da trindade
de pessoas na divindade, a união das duas naturezas em Cristo, sua
filiação e encarnação, a união e comunhão dos santos com ele, a
obra do Espírito de Deus sobre a alma, o chamado dos gentios, e o
conversão dos judeus, a ressurreição dos mortos e a mudança de
santos vivos: e o Evangelho é o mistério da vontade de Deus; de sua vontade em
salvar pecadores por Cristo; e declara que ele faz todas as coisas na salvação,
7

de acordo com sua soberana vontade e prazer; escolhe, redime, justifica,


perdoa e chama quem lhe agrada; e isso é feito conhecido pelo
ministério da palavra, e pelo Espírito, como um espírito de sabedoria e
revelação, no conhecimento de Cristo e do seu Evangelho: a descoberta de
qual é,

de acordo com seu bom prazer, que ele propôs em si mesmo ; ambos
no que diz respeito às pessoas a quem é dado a conhecer e com respeito a
o tempo em que ele faz conhecido; ambos são como ele quer, e como ele
propôs em seu próprio peito; o Evangelho é enviado quando e onde ele tem
determinado dentro de si mesmo, ele irá; e as pessoas são chamadas por ele de acordo
para o seu propósito e graça.

Ver. 10. Que na dispensação da plenitude dos tempos , & c.


"De acordo com a dispensação", & c. como a cópia alexandrina lê; a
a plenitude do tempo designada por Deus e fixada nos profetas; depois de muitos
tempos e estações foram transcorridos desde a criação do mundo; no máximo
tempo adequado e conveniente, quando uma nova economia ou dispensa começou,
dentro do qual tudo isso deveria ser feito, a seguir mencionado:
ele pode reunir em uma todas as coisas em Cristo ; isso supõe, que todos
as coisas foram unidas uma vez em uma; anjos e homens foram unidos para
Deus pelos laços da criação, e estavam sob a mesma lei da natureza, e
havia paz e amizade entre eles; e esta união estava em
Cristo, como o começo da criação de Deus, em quem todas as coisas consistem:
e isso supõe uma desunião e dispersão deles; como dos homens de Deus, e
de bons anjos, o que foi feito pelo pecado; e de judeus e gentios de
um outro; e de um homem de outro, todo mundo se voltando para o seu
caminho; e depois uma reunião deles novamente: a palavra aqui usada
significa restaurar, renovar e reduzir a um estado anterior; e então a Vulgata
Versões latina e siríaca a processam; e de acordo com este sentido, pode
parecem ter respeito aos tempos da restituição de todas as coisas, a
restauração e renovação do universo; quando haverá novos céus
e uma nova terra, e novos habitantes neles: a palavra também é usada para
recapitule, ou some as cabeças de um discurso; e de acordo com isso
sentido, pode pretender o encontro juntos, e resumir todas as coisas em
Cristo, isso tinha sido antes; de todas as promessas e bênçãos do
pacto; de todas as profecias e promessas do Antigo Testamento; de tudo
os tipos e sombras, e sacrifícios da antiga dispensação; sim, tudo
os pecados dos santos do Antigo Testamento, e todas as maldições da lei, se encontraram com
ele: a palavra é igualmente usada para a coleta de números em uma soma total;
e Cristo é a soma total de anjos e homens eleitos; ou o número inteiro de
eles estão nele; Deus escolheu um certo número de pessoas para a salvação;
estes ele colocou nas mãos de Cristo, que tem um particular e pessoal
8

conhecimento deles; e o número exato deles será reunido e


dado por ele: mais uma vez, significa reduzir, ou trazer sob uma cabeça;
e Cristo é uma cabeça de eminência e de influência, tanto para anjos como para homens:
e há uma coleção destes juntos em um, em Cristo; Em virtude de
redenção por Cristo, e graça dele, há uma amizade inteira entre os anjos eleitos e os homens
eleitos; eles são adoradores sociais agora, e deve compartilhar da mesma felicidade da visão de
Deus e de Cristo daqui em diante: daí segue,
tanto os que estão no céu como os que estão na terra , nele ; por coisas no céu não se destinam as almas
dos santos no céu; embora seja verdade que as almas dos santos que partiram estão no céu; e que
o santos no céu e na terra foram reunidos em Cristo, e representado por ele, quando ele pendurou
na cruz; e que todos eles fazem um corpo, do qual Cristo é a cabeça; e que eles serão todos
coletados juntos um dia; e que suas almas que estão no céu e seus corpos que estão na terra, se
unirão e se reunirão, e habitarão com Cristo para sempre; mas sim os anjos são destinados, cuja
origem é o céu; onde eles têm sua residência e de onde eles nunca caíram; e
cujo emprego é no céu e de natureza celestial: e pelas coisas
na terra, não se destinam a todas as criaturas da terra, animadas e inanimadas;
nem todos os homens, mas todos os homens eleitos, sejam judeus ou gentios, e alguns de todos
classifica, classifica e graus; cuja origem é da terra, e quem são os
habitantes dela: todos esses anjos no céu, e eleger homens na terra, são
reuniu sob uma só cabeça, mesmo nele, em Cristo Jesus e por ele;
e ninguém, mas ele foi capaz de fazê-lo, e ninguém tão apto, que é o Criador de todos,
e é acima de tudo; e foi tipificado pela escada de Jacó, que alcançou o céu
e terra, e juntou-los juntos, e em que os anjos de Deus
ascendeu e desceu.

Ver. 11. Em quem também obtivemos uma herança , & c.] Ou uma parte
e muito; isto é, obtivemos um em Cristo, em sua pessoa e em sua plenitude
da graça, nas bênçãos e promessas que estão nele; ou ter obtido
ser o clero do Senhor, ou herança, para ser sua porção e herança; ou
em vez de ter uma herança nele por sorte, ou seja, o incorruptível e
herança eterna de glória e felicidade no céu; para o qual os homens eleitos são
escolhido em Cristo, e são gerados para uma viva esperança de através de sua
ressurreição dos mortos; e que a sua justiça dá direito a
e sua graça é uma reunião para; e que agora está em suas mãos, e será
dada a eles através dele: e isto é dito para ser obtido pelo lote, como o
palavra significa, em alusão à terra de Canaã, que foi dividida por sorte
aos filhos de Israel; e para mostrar que não é por obras de
justiça feita pelos homens, mas pela disposição soberana de Deus; e essa
todos terão sua parte e isso certamente; por isso não é projetado para
representá-lo como uma coisa casual ou contingente. A cópia alexandrina diz:
“Em quem também somos chamados”; e assim a versão latina da Vulgata, "em quem
também somos chamados por sorte ”; e a versão siríaca, "nele", ou "por ele nós
são escolhidos ”, o que concorda com a próxima cláusula:
9

sendo predestinado de acordo com o propósito dele, que trabalha todos


coisas após o conselho de sua própria vontade : a predestinação não é apenas
filiação, mas a uma herança; não só assegura a graça da adoção, mas
prepara e fornece uma porção celestial: e esse ato de predestinação
prossegue de acordo com um propósito; de acordo com um propósito de Deus, que
nunca pode ser frustrado; e de acordo com o propósito de "que Deus", como um
das cópias de Stephens, é o autor de todas as coisas, menos do pecado; do
obras de criação e de providência, e de graça e salvação; e quem
trabalha tudo isso de acordo com a vontade dele, como ele quer, e de acordo com
o conselho dele, de maneira sábia e prudente, da melhor maneira que puder ser
planejado; porque ele é maravilhoso em conselho e excelente em trabalhar;
portanto seu conselho sempre permanece, e ele faz todo o seu prazer: e
daí a herança que os santos obtêm em Cristo e são
predestinado para, é certo e seguro.

Ver. 12. Que devemos ser para o louvor da sua glória , & c.] Este é o fim
de predestinação para a herança; e o sentido é, ou que o elogio
da glória de Deus, em sua graça e bondade, pode ser descoberto e
feito conhecido aos santos, como é exibido na eleição, redenção,
justificação, perdão, adoção, regeneração e salvação eterna; ou aquilo
eles deveriam louvá-lo e glorificá-lo por causa dessas coisas, atribuindo
tudo para sua graça e nada para si mesmos; dando-lhe graças por todos os seus
benefícios; ordenando corretamente suas conversas como se tornassem o Evangelho; e
fazendo todas as coisas visando a sua glória:
quem primeiro confiou em Cristo ; os judeus, o apóstolo e outros judeus nação;
que antes esperavam em Cristo , como as palavras podem ser traduzidas; que esperava
Cristo antes dos gentios; e de fato o povo de Israel esperava
Cristo antes que ele viesse; as promessas do Messias foram feitas para eles,
e ele era a esperança e expectativa peculiar daquele povo; e para eles
ele veio primeiro, e para eles o Evangelho foi pregado pela primeira vez; e alguns deles
primeiro creram em Cristo, e confiaram nele, e não em sua própria
retidão, força, sabedoria e riquezas, nem em seus próprios corações, nem em
qualquer mera criatura, nem em seus privilégios carnais; tudo o que eles renunciaram
confiança, e dependência, quando chegaram ao conhecimento de
Cristo; em cuja pessoa eles confiavam para aceitação, e em sua
justiça pela justificação, e no seu sangue pelo perdão, e na sua
a plenitude do suprimento, e em seu poder de proteção e perseverança:
supõe conhecimento dele, e um senso da fragilidade e vaidade de tudo
outros objetos; e foi um betaking-se a ele, uma inclinação e ficar
sobre ele, um comprometendo tudo com ele, e uma expectativa de todas as coisas boas
dele.

Ver. 13. Em quem também confiaram , & c.] Os crentes gentios, o


10

Efésios, a quem o apóstolo agora se dirige particularmente; e quem


participaram da mesma graça e privilégios com os judeus crentes; a
a promessa pertencia a tudo o que Deus chamava, fosse longe ou perto; e a
mesma salvação comum foi enviada para um como para outro; e a mesma fé
foi trabalhado em um como no outro; e eles estavam interessados no mesmo
Cristo e eram herdeiros da mesma herança; a cópia alexandrina lê "nós":
depois disso ouvistes a palavra da verdade ; o Evangelho; e que é assim chamado, em
conta do seu original divino, vindo do Deus da verdade, que não pode
mentira; e por causa da preocupação que Cristo tem nele, que é a própria verdade,
e foi o autor, sujeito e pregador dele, e que confirmou isso por sua
milagres e sua morte; e por conta do Espírito de Deus, o ditador de
e quem conduz a todas as verdades, e as possui e abençoa para a conversão
e conforto; e porque contém nada mais que verdade, e particularmente que
eminente, salvação somente por Cristo, pelo chefe dos pecadores; e em
a contradição da lei, que era típica e sombria; “a palavra da verdade”, é uma frase usada pelos
judeus f5 , para sublime e doutrina celestial: agora, pela audição disto, a fé veio; e isso o
Efésios ouviu, não apenas externamente, mas internamente; para entender,
aprovar, e acreditar, e colocá-lo em prática: e que também é chamado

o Evangelho da sua salvação : porque é uma declaração e publicação de salvação por Cristo; e dá
conta do autor da salvação, de sua habilidade e disposição para salvar, e da natureza desta
salvação, e descreve as pessoas que serão salvas; e porque é o meio de salvação, quando assistido
com o Espírito e poder de Deus; e a instrumento, na mão de Deus, de mostrar às almas sua
especial e particular interesse em salvação:

em quem também depois disso crestes ; que pode se referir tanto ao Evangelho
da salvação, em que eles acreditavam ao ouvi-lo; ou melhor, para Cristo, o
Salvador revelou, em quem eles acreditavam para a salvação de suas almas: e
isso mostra que a obra de vedação do Espírito depois mencionada, e com
que isto está em conexão, é uma coisa distinta da fé, ou de fato qualquer
outra obra do Espírito; como iluminação, regeneração, santificação, etc. isto
é o que segue acreditando, e é uma obra que passa sobre a alma depois dela;
e assim é algo acima e acima, e mais do que fé, pelo menos do que primeiro
acreditar: e daí também parece, que pode haver fé verdadeira,
onde isso não é ainda; e que ninguém, exceto os crentes em Cristo, desfrutam
seguinte privilégio:

Fostes selados com o Espírito Santo da promessa . Isso não pode ter respeito ao Pai selando seu povo
na eleição, com o selo de sua presciência, ( 2 Timóteo 2:19) pois isso é antes da fé, e está dentro
ele mesmo, e não sobre eles, e é distinto da obra do Espírito; e para o pelas mesmas razões, não
pode projetar o afeto do Filho para eles, colocando-os como um selo no seu braço e coração,
( Cantares de Salomão 8: 6), ou seu afirmando o seu propriedade neles, e a segurança e proteção
deles, ( Salomão 4:12; Apocalipse 7: 3), nem o acabamento e conclusão do Espírito sua própria
11

obra de graça sobre a alma, em que sentido a palavra é usada, Romanos 15:28) pois isto ainda não
foi feito sobre estes crentes Efésios; nem a confirmação do Evangelho, e os santos nele, pelo
extraordinária efusão do Espírito no dia de Pentecostes, ou por sua obras extraordinárias que
atendiam ao ministério da palavra, ao estabelecendo-a e a fé dos homens nela; desde que estes
não eram comuns para os crentes, nem continuaram; enquanto os Efésios crentes, em
comum, foram selados; e o Espírito de Deus continua ainda como um selador de seu povo, e como
um penhor e penhor de sua herança até o dia de redenção; mas deve ser entendido da
confirmação, certificação e assegurando os santos, quanto ao seu interesse no favor de Deus, e no
bênçãos da graça, de todo tipo, e seu direito e título para o celestial
glória; (2 Coríntios 1:22 "), e o selo dessas coisas é não a circuncisão, nem o batismo, nem a ceia
do Senhor, nem mesmo as graças do Espírito; mas o próprio Espírito, que testemunha aos
espíritos dos crentes a verdade dessas coisas, e isso como um "espírito de promessa": assim
chamado, porque ele é o Espírito prometido, como as versões siríaca e etíope torná-lo, quem o
Pai e Cristo tinha prometido, e quem foi enviado por eles; e porque ele geralmente sela, ou
certifica os crentes da verdade do acima das coisas, abrindo e aplicando uma palavra de promessa
a eles: e o que ele faz também, como o Espírito "Santo"; para este trabalho de vedação de suas
folhas uma impressão maior de santidade sobre a alma, e se envolve mais em atos de
santidade; portanto a doutrina da segurança não é uma doutrina licenciosa; não
as pessoas são tão santas quanto aquelas que são verdadeiramente possuídas dessa graça; e como
para aqueles que fingem e vivem no pecado, é certo que eles
a realidade não sabe nada disso.

Ver. 14. Qual é o penhor da nossa herança , & c.] O incorruptível e nunca desbotando ninguém no
céu ou no reino celestial; Isto é o O presente do pai, seu legado, e pertence somente aos filhos; vem
para eles através da morte do testador, Cristo, e é para sempre; e disso o Espírito de Deus é o
penhor e fervoroso: um fervoroso, é o que confirma acordo, e assegura o direito à coisa acordada
e é parte dela, e menor do que isso, e nunca é devolvido; então o Espírito de Deus certifica o
direito à herança celestial, bem como dá uma reunião por ela; ele é o primícias de eterna glória e
felicidade, e do mesmo tipo com ela; e como ele é apreciado em medida pelos santos agora, é
menor que a comunhão que eles terão com ele, e com o Pai e o Filho, a seguir, porque as melhores
coisas são reservadas até o fim; e sendo uma vez dado no coração como um serio, ele sempre
continua, ele nunca remove mais, ou nunca é levado longe:

até o resgate da posse adquirida , ou “do peculiar pessoas"; ( 2Pe 2: 9), pois isto não deve ser
entendido do céu, que nunca é dito para ser comprado, nem pode com qualquer propriedade ser
dito para ser redimido; mas dos santos, da igreja de Deus, que são comprados com um preço, e
são comprados com o sangue dele; e quem, como eles foram redimidos do pecado, Satanás e a
lei, quando eles foram comprados, assim será redimida novamente na manhã da ressurreição,
que é chamado o dia da redenção, ( Efésios 4:30; Lucas 21:28), e que será um redenção deles da
fraqueza, corrupção e mortalidade do corpo; do estado atual de ausência e peregrinação; do
corpo de pecado e morte; de todas as tristezas e aflições, tanto para dentro como para fora;
12

das censuras e perseguições dos homens; de um diabo tentador, e um coração incrédulo; de todas
as dúvidas e medos; e da morte e do grave; e assim a versão siríaca muito justamente torna "até
a redenção daqueles que são salvos ”. Até agora, o Espírito de Deus permanece como um
sério, até que toda a felicidade seja desfrutada tanto na alma quanto no corpo; e isso mostra a
perpetuidade da habitação do Espírito, e graça, a final perseverança dos santos e a segurança da
herança para eles.

Para o louvor de sua glória ; quanto à glória do Pai, por quem o santos são escolhidos e
predestinados, ( phesians 1: 6) e para a glória de o Filho, por quem eles são redimidos, em quem
eles obtêm a herança, e em quem eles confiam, ( Efésios 1:12), de modo que para a glória da
Santíssima Espírito, por quem eles são selados, e quem é seu sincero; porque ele deve ter
sua quota de glória na salvação dos eleitos, bem como os outros dois pessoas