Você está na página 1de 2
MEMBRANA PLASMÁTICA – PAREDE CELULAR PROFº: HUBERTT LIMA VERDE Frente: 01 Aula: 14
MEMBRANA PLASMÁTICA – PAREDE CELULAR
PROFº: HUBERTT LIMA VERDE
Frente: 01
Aula: 14

Membrana Plasmática_Anatomia_Parede Celular:

Conceito De Parede Celular:

uma estrutura que envolve às células de muitos seres vivos, tais como fungos, várias bactérias, algas e plantas verdes. É encontrada em células vegetais, sendo uma camada depositada externamente em células vegetais, apresentando estrutura microfibrilar e uma

matriz.

A parede celular é uma organela multifuncional envolvida com a proteção e forma celular, ligações moléculas do meio (atividade receptora), realização de atividades enzimáticas especializadas e interações celulares.

É

enzimáticas especializadas e interações celulares. É Sinonímias: Membrana celulósica; Parede esquelética

Sinonímias:

Membrana celulósica; Parede esquelética

Função Da Parede Celular:

hipotônico se arrebente; Geralmente permeável à troca de íons entre o exterior

e o interior da célula;

Proteção e suporte; Evita que a célula quando mergulhada em meio

Impede a mobilidade das células;

Participa da aderência;

Nutrição;

Reprodução;

Defesa.

Propriedades Da Parede Celular:

A sua estrutura é altamente permeável à água. Quando ocorre mudanças de forma e tamanho, fica permanentemente deformada, tendo como propriedade a plasticidade. Após acabar a força que fez com que ela sofresse uma deformação, ela consegue recuperar o tamanho e forma original, graças a propriedade chamada de elasticidade.

Composição Química:

Possuem como composição os polissacarídeos estruturais, tendo longas cadeias de açúcares ligados uns aos outros por ligações glicosídicas. Tendo como principais tipos de polissacarídeos a celulose, hemicelulose e pectina ou compostos pécticos.

Celulose:

É o componente estrutural primário das plantas e

não é digerido pelo homem. Alguns animais, particularmente os ruminantes, podem digerir celulose com a ajuda de microorganismos simbióticas (protocooperação).

Hemicelulose:

São polissacarídeos ramificados, união de certos açúcares com cinco carbonos, podemos citar o xiloglucano, xilano, calose.

Pectina:

polissacarídeos

Como

pectina podemos citar: arabinanos, galactanos.

São

vários

ramificados.

Constituição:

Apresenta uma estrutura de revestimento externo, com grande resistência, fazendo a proteção e sustentação da célula. Tendo a celulose como a substancia que mais predomina na parede celular. Por esse, motivo é que a chamamos também de membrana celulósica. Nessa parede também predomina poros em algumas regiões da parede devido a ausência de um armazenamento correto de celulose, esses poros fazem com que os materiais se comuniquem entre as células vizinhas.

Características Da Parede Celular:

Suporta altas pressões devido ser rígida. Serve como barreira a algumas substâncias prevenindo a evasão de certas enzimas que poderiam causar danos à célula. Conseguem reter corantes, sais biliares, metais pesados, enzimas degradativas.

Estrutura da Parede Celular:

A parede celular são formadas por camadas, que

são:

Camada mais interna denominada lamela terciária.

Camada intermediária formada pela parede secundária podendo ser formada por quatro lamelas.

Lamela transicional

Parede primária

Lamela média

Lamela transicional Parede primária Lamela média Figura extraída da página http://www.herbario.com.br/ci

Figura extraída da página

http://www.herbario.com.br/cie/universi/teoria/1025celu.htm

Reforços Externos:

Conceito:

São estruturas externas à M.P, que tem por finalidade:

resistência, proteção e sustentação da célula.

Principais Casos:

Parede celular em bactérias:

As bactérias apresentam três tipos de ácidos em sua parede celular, que são: ácido murâmico, teicóico e diamino - pimélico.

Parede celular em fungos:

Os fungos, e certos animais (crustáceos, insetos, asquelmintos etc.), apresentam revestimento externo a M.P a base de quitina (poli-acetil-glicosamina).

Parede celular em vegetais:

A parede celular dos vegetais é constituída de um polissacarídeo denominado de celulose, portanto, denominado de parede celulósica. A celulose é um dos

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

polissacarídeos mais abundantes da natureza, sendo formado por um agrupamento de mais de quatro mil moléculas de glicose em cadeia. A parede celular é

constituída basicamente por três camadas, que são: PC 1º, PC 2º e Lamela Média.

A P.C 1º é delgada e elástica, formada de

celulose e substâncias pécteas sendo conhecida como:

membrana celulósica primária, ou membrana celulósica jovem.

A P.C 2º é espessa e rígida, resultante da

deposição de pectina, lignina, suberina e celulose sobre o

PC 1º mais antiga, sendo conhecida como membrana celulósica 2º ou adulta.

A Lamela Média é uma membrana fina elástica e

permeável constituída de pectatos de cálcio e magnésio,

com função de unir células vegetais vizinhas.

Reforço em M.P de células animais:

É um anexo que pode estar presente, pode ser

formado por quitina, queratina ou outras substâncias com exceção da celulose. Este reforço não é chamado de parede celular, somente de reforço externo ou membrana esquelética de célula animal. Os principais reforços são:

1. Reforços em Invertebrados:

Existem diversos reforços em invertebrados, tais como:

Quitina:

É um mucopolissacarídeo, apresentando aminas (NH 2 ), sendo uma glicoproteína encontrada na parede celular dos fungos e carapaça de artrópodes. Carbonato de cálcio (CaCO 3 ):

Formando o exoesqueleto de crustáceos.

2. Reforços em Vertebrados:

Os principais reforços em vertebrados, são:

Glicocálix:

É um revestimento encontrado em células

animais ou protozoários (superfície externa), sendo formado pela união de um carbohidrato a um lipídeo ou a uma proteína, portanto, tendo uma característica glicolipídica ou glicoprotéica.

tendo uma característica glicolipídica ou glicoprotéica. Figura extraída da página http://w

Figura extraída da página http://www.cientic.com/imagens/membrana.jpg

Comentários:

Especificidade do Glicocálix:

O Glicocálix

funciona

como”impressão

digital

celular”, pois é um material específico de cada célula.

Comportamento protetor do Glicocálix:

Devido à especificidade do Glicocálix, o organismo apresenta capacidade de reação contra células estranhas, microorganismos parasitas ou células de um órgão transplantado.

Bioquímica do Glicocálix:

Existem basicamente três grupamentos

importantes no Glicocálix: Grupamento Glicídico, Lipídico ou Protéico.

1. Grupamento Glicídico: O glicídeo mais abundante é o

ácido siálico.

2. Grupamento Lipídico: Os lipídeos mais abundantes são

cerebrosídeos e gangliosídeos.

3. Grupamento Protéico: As proteínas mais abundantes

são as integrais da membrana plasmática.

Queratina:

É uma escleroproteína (proteína simples) encontrada na pele e anexos, sendo um dos principais reforços dos vertebrados.

Figura extraída da página http://www.fedelho.blogger.com. br/chifre.jpg

É

um mucopolissacarídeos produzido em células especiais

das mucosas.

Melanina:

É uma cromoproteína (proteína conjugada) produzida por células chamadas de melacócitos. Apresenta como função proteção do organismo contra as radiações, principalmente U.V., sendo encontrada principalmente na pele, pêlos e íris dos olhos.

encontrada principalmente na pele, pêlos e íris dos olhos. Mucina: Figura extraída da página

Mucina:

principalmente na pele, pêlos e íris dos olhos. Mucina: Figura extraída da página

Figura extraída da página http://www.unimes.br/academico/casos/images/mordida_cruzada/Mordid a_CruzadaMelanina.JPG

Cálcio:

É um íon encontrado abundantemente nos dentes e ossos; realiza também o mecanismo da coagulação sangüínea e contração muscular.

da coagulação sangüínea e contração muscular. Figura extraída da página

Figura extraída da página http://www.duplipensar.net/images/saude/escovar-os-dentes.jpg

Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Parede_celular

http://www.herbario.com.br/cie/universi/celula.htm

http://www.biojequie.hpg.ig.com.br/roteirovegetal.htm

http://atlasveg.ib.usp.br/Indice/

http://www.herbario.com.br/cie/universi/teoria/1025cel

u.htm