Você está na página 1de 16

TRABALHO NO MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA:

CONCEPÇÕES TEÓRICAS DOS CLÁSSICOS ADAM SMITH


E KARL MARX

Luiza Pimenta Guimarães1


Gilmar Ribeiro dos Santos2
Raimara Gonçalves Pereira3
Samira de Alkimim Bastos Miranda4

RESUMO

Os clássicos Adam Smith (1723-1790) e Karl Marx (1818-1883), em suas épocas, realizaram
amplos estudos sobre o trabalho no modo de produção capitalista e suas teorias influenciaram
o pensamento de diversas áreas científicas. De um lado temos os postulados liberais, trazidos
por Smith, e do outro, a perspectiva materialista-histórica trazida por Marx. Com o objetivo
de analisar e confrontar os elementos conceituais que cada um concebe em relação a categoria
trabalho, principalmente sobre a divisão do trabalho no capitalismo, este estudo utilizou-se do
método de análise comparada. Para Smith a divisão do trabalho é um fator positivo, poderoso e
necessário para propulsionar a economia, na medida em que a relação harmônica entre as duas
principais classes da sociedade, trabalhadores e capitalistas, favorece a acumulação da riqueza.
Já Marx, ao contrário, afirma que a divisão do trabalho assumiu no capitalismo um caráter nega-
tivo, pois dela decorre a exploração e a alienação do trabalhador (proletariado) - dono da força
de trabalho, pelo capitalista (burguesia) - dono dos meios de produção. Sendo essa contraditória
e conflituosa relação, a essência causadora da desigualdade social moderna. Assim, este estudo
considera que esses dois grandes clássicos expressaram divergentes e, muitas vezes, antagôni-
cas ideias, que, ao final, deixa a convicção de que a relação trabalho é uma construção histórica
do homem enquanto ser social, portanto, passível de transformação.

Palavras-Chave: Trabalho; modo de produção capitalista; Smith versus Marx.

1 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) / Programa de Pós-Graduação em Desen-


volvimento Social (PPGDS) / E-mail: luizapguimaraes@gmail.com
2 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) / Programa de Pós-Graduação em Desen-
volvimento Social (PPGDS) / E-mail: gilrds@uol.com.br
3 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) / Programa de Pós-Graduação em Desen-
volvimento Social (PPGDS) / E-mail: rhaymara2009@yahoo.com.br
4 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) / Programa de Pós-Graduação em Desen-
2148
volvimento Social (PPGDS) / E-mail: samyalkimim@hotmail.com
INTRODUÇÃO

Este estudo tem como objetivo refletir sobre o trabalho no modo de produção capitalista,
numa sociedade marcada por interesses antagônicos, a partir das concepções teóricas dos clás-
sicos Adam Smith e Karl Marx.
Adam Smith (1723 — 1790) foi um filósofo e economista britânico nascido na Escó-
cia. Teve como cenário o atribulado século das Luzes, o século XVIII. Considerado o pai da
economia moderna, é o mais importante teórico do liberalismo econômico. Em sua obra mais
conhecida, “Riqueza das Nações”, procurou demonstrar que a riqueza resulta da atuação de
indivíduos que, movidos pelo seu próprio interesse, promovem o crescimento econômico, a
riqueza da sociedade como um todo. “Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo
seu próprio interesse (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca
fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade.”
Smith analisou a divisão do trabalho como um fator positivo, poderoso e necessário
para propulsionar a economia. Suas ideias levava à crença de que a economia e a sociedade,
ao mesmo modo da natureza, tendiam ao equilíbrio e à harmonia, cada qual à maneira como
construíram seu edifício teórico. Nesse sentido, para o clássico, a divisão do trabalho e o apri-
moramento das forças produtivas favoreciam a acumulação de capital, o crescimento econômi-
co e a expansão da riqueza de maneira a envolver positivamente as duas principais classes da
sociedade: trabalhadores e capitalistas. Assim, os postulados de Smith exerceram uma grande
influência na burguesia (comerciantes, industriais e financistas), pois queriam acabar com os
direitos feudais e com o mercantilismo.
Já Karl Marx (1818 – 1883), foi um filósofo, sociólogo, jornalista e revolucionário so-
cialista. Nascido na Prússia, ele mais tarde se tornou apátrida e passou grande parte de sua vida
em Londres, no Reino Unido. Fundador do materialismo histórico, defende que a evolução
histórica, desde as sociedades mais remotas até a atual, se dá pelos confrontos entre diferentes
classes sociais decorrentes da “exploração do homem pelo homem”. Assim, como exemplos
apontados por Marx, temos durante o feudalismo os servos que teriam sido oprimidos pelos
senhores, enquanto que no capitalismo seria a classe proletária pela burguesia.
O pensamento de Marx estabeleceu a base para muito do entendimento atual sobre o
trabalho e sua relação com o capital. Segundo Marx, a relação capital, trabalho e alienação
promovem a coisificação ou reificação do mundo. Em razão da divisão social do trabalho e dos
meios, a sociedade se extrema entre os detentores (burguesia) e os não detentores dos meios de
produção (proletariado). Surgem, então, a classe burguesa e a classe proletária, sendo a classe
burguesa aquela que detém e mantém poder sobre os meios de produção e a classe proletária
a que se vê obrigada a se submeter a burguesia, através da sua força de trabalho, para sobrevi-
ver.
Dado a amplitude das ideias e teorias dos grandes clássicos Adam Smith (1723-1790)
e Karl Marx (1818-1883), este estudo se centrou em apontar, analisar e confrontar os elemen-
tos conceituais que cada um traz em relação a categoria trabalho, especificamente no modo de
produção capitalista. 2149
Vale destacar, que segundo Marx (1985, p. 260),
O modo de produção é a forma como os homens produzem e reproduzem a vida, em
um determinado momento histórico, em dadas condições e circunstância. Os elemen-
tos que compõem a vida humana não são naturais, mas sociais e os homens se fazem
homens à medida que se diferenciam da natureza e na relação que estabelecem entre
si, enquanto ser social.

Nesse sentido, através do método de análise comparada, a partir da visão liberal de Smi-
th e materialista-histórica de Marx, este estudo aproxima-se do objeto de análise e expõe o de-
sencadeamento e especificidades da divisão do trabalho no modo de produção capitalista. Dois
grandes clássicos, que viveram em épocas distintas, expressam divergentes e, muitas vezes
antagônicas, concepções sobre o trabalho; a divisão do trabalho: causas e consequências; o ho-
mem; o trabalhador; os meio de produção; e a riqueza social que resulta do trabalho humano.
Assim, este dispõe de algumas considerações provisórias e relativas às apropriações
teóricas, com pleno esclarecimento de que a relação trabalho é historicamente construída, não
é neutra, nem despida de interesses. Mas certamente é resultado do que determina o homem, ao
mesmo tempo em que o homem determina algo, portanto, a transformação é possível.

“TRABALHO”: UM CONFRONTO DE IDEIAS ENTRE SMITH E MARX

Os clássicos Adam Smith e Karl Marx, em suas épocas, realizaram amplos estudos
sobre o trabalho no modo de produção capitalista e fundamentaram concepções divergentes,
que influenciaram o pensamento e a prática de diversas áreas científicas. De um lado temos os
postulados liberais, trazidos por Smith, e do outro, a perspectiva materialista-histórica trazida
por Marx.
O pensamento liberal teve sua origem no século XVII, através das investigações sobre
política publicadas pelo filósofo inglês John Locke. Mas no século XVIII, o liberalismo eco-
nômico ganhou força com as ideias de Adam Smith, tendo como princípios básicos a defesa da
propriedade privada; a liberdade econômica (livre mercado); a mínima intervenção do Estado
nos assuntos econômicos da nação; e a igualdade perante a lei (estado de direito). Nesse senti-
do, a característica principal do liberalismo econômico é a defesa da emancipação da economia
de qualquer dogma externo a ela mesma, ou seja, a eliminação de interferências provenientes
de qualquer outro meio “externo” na economia.
Já o materialismo histórico é uma abordagem metodológica que busca as causas de de-
senvolvimentos e mudanças na sociedade, através dos meios que os serem humanos produzem
e reproduzem coletivamente suas necessidades. Dessa forma, pela perspectiva materialista his-
tórica de Marx, o regime capitalista de produção,

(...)constitui um regime de tipo especial, e que corresponde a uma condicionalidade


histórica específica; que, como qualquer outro regime de produção concreto, pressu-
põe, como condição histórica, uma determinada fase das forças sociais produtivas e
de suas formas de desenvolvimento, condição que, é, por sua vez, resultado e produto
histórico de um processo anterior; e do qual parte o novo tipo de produção como de 2150
sua base dada; que as relações de produção que correspondem a este regime de pro-
dução específico, historicamente determinado – relações que os homens contraem em
seu processo social de vida, na criação de sua vida social -, apresentam um caráter
específico, histórico e transitório; e finalmente, que as relações de distribuição são
essencialmente idênticas a estas relações de produção, o seu reverso, pois ambas apre-
sentam o mesmo caráter histórico transitório. (MARX, 1988, p. 75)

Nesse sentido, as classes sociais e a relação entre elas, além das estruturas políticas e
formas de pensar de uma dada sociedade, são fundamentais na análise da atividade econômica,
pois, a história sempre está ligada ao mundo dos homens enquanto produtores de suas condições
concretas de vida e, portanto, tem sua base fincada nas raízes do mundo material, organizado
por todos aqueles que compõem a sociedade.
A partir dessas opostas correntes, a categoria trabalho é analisada de um modo por Adam
Smith e de outro por Karl Marx. Para uma melhor compreensão, abordaremos primeiramente as
ideias de Smith e, em seguida, as de Marx.
Para Smith (1979), o trabalho fornece a nação tudo que é necessário e útil a sobrevivência
do homem. Através da destreza, discernimento e engenho, o trabalho leva a abundância de
produção, e caso feito de forma contrária, leva a insuficiência de produção. Em especial, a
economia do tempo, através da subdivisão do número de tarefas particulares, possibilita que
cada indivíduo saiba mais sobre sua tarefa particular, o que leva a maior produtividade.
Nesse sentido, a enorme variedade de trabalho utilizadas nas fábricas, não seria possível
“sem o esforço e a cooperação de milhares de pessoas, o homem mais insignificante de um
país civilizado não poderia ser abastecido com aquilo de que necessita mesmo que sua vida se
resuma à simplicidade que, aliás falsamente, se lhe atribui”, portanto, o trabalho é cooperado,
pois “o homem necessita permanentemente da cooperação e assistência de muitos outros
homens” (SMITH, 1979, p. 12).
Na concepção de Smith (1983), em um primeiro estágio da humanidade que antecede
a propriedade e a existência do capital privado, o trabalhador fica com todo o fruto do seu
trabalho. Porém, em decorrência do surgimento da apropriação da terra e da propriedade do
capital por alguns, resta ao trabalhador apenas uma parte do resultado de seu trabalho, pago na
forma de salário, de maneira que a outra parte do “seu” trabalho passa a ser absorvida na forma
de lucro pelo capitalista, uma espécie de remuneração do capital por ter este adiantado uma
soma em dinheiro para que a produção e seu respectivo aumento fossem possíveis.
Neste sistema, segundo Smith, os capitalistas, detentores dos meios de produção,
sempre agem no intuito exclusivo de reduzir ou impedir aumentos de salários para, dessa forma,
baixarem os seus custos de produção e, consequentemente, manterem ou aumentarem seus
lucros. Entretanto, há um limite para essa redução salarial, os capitalistas reduzem o salário
até chegar ao mínimo para cobrir os bens necessários à subsistência do trabalhador e sua
família, ou seja, o valor ou preço natural do trabalho. De qualquer forma, devido a extrema
necessidade dos trabalhadores, os “patrões” tiram proveito da situação e colocam os salários a
níveis baixíssimos.
Assim, para Smith, o mecanismo regulador do nível de salário é a relação entre oferta
e demanda no mercado de trabalho. Enquanto o valor do salário, teoricamente, é determinado
pelo valor dos meios de subsistência necessário à manutenção e reprodução do trabalhador e
sua família. Como este clássico é um liberal, ele tem a concepção de que o estado de equilíbrio
e harmonia do mercado, propiciada pela mão-invisível, viabiliza a longo prazo a coincidência
entre preço de mercado e preço natural, e que as situações instáveis não são proveitosas nem 2151
para os capitalistas nem para os trabalhadores.
Em relação à divisão do trabalho, Smith (1979) considera que esta é uma divisão
puramente técnica, o desenvolvimento técnico tende, em verdade, a dividir o trabalho. Para o
autor, a divisão do trabalho está relacionada com a propensão humana para a troca de acordo
com o interesse pessoal. “Pela troca os homens estabelecem relações de necessidade e tornam-
se dependentes uns dos outros”.
Esse clássico considera que o leva um homem a se dedicar-se a uma única tarefa e
a aperfeiçoar-se é a certeza da troca que produz o excedente. Ou seja, se não houvesse essa
tendência natural de troca cada um produziria “todas as coisas necessárias e úteis para a sua
vida. Todos teriam os mesmos deveres e realizariam o mesmo trabalho. Nessa condição, nunca
poderia existir a enorme diferença de ocupações que, por si só, dá origem à diversidade das
aptidões” (SMITH, 1979, p. 15).
Segundo a análise de Zuck (2013), Smith tem em mente que são as habilidades que
fazem com que os homens produzam, se especializem e troquem e, ao passo que ampliam
a produção, podem buscar tudo o que necessitam. E nesse sentido, o contrato, a compra e a
troca tornam-se essenciais. Contudo, devido a extensão do mercado, só é possível falar na tão
enfatizada troca porque há divisão do trabalho.
Entretanto, os autores Lima, Santos & Gondim (2012) interpretam que há um impasse
teórico na obra de Smith “A Riqueza das Nações” (1983) em relação a divisão do trabalho,
quando ele afirma que esta divisão leva ao desenvolvimento das forças produtivas, nas quais
permitem uma expansão geral da produção e de mercadorias, que se torna acessível a todos e,
consequentemente, promove o bem-estar geral e, em sentido amplo, a riqueza de uma nação.
Para uma melhor compreensão, os autores trazem a afirmativa de Smith de que a elevação
dos salários depende, num contexto macroeconômico, da riqueza nacional, através do aumento
da renda e do capital de um país. E a nação que se mantém em progresso contínuo tende a
apresentar melhores salários para os seus cidadãos. Porém, eles questionam: “como é possível
ao trabalhador, que recebe um salário de subsistência, almejar a melhoria de suas condições de
vida?”
Smith responderia que à medida que aumenta o acúmulo de capital, cresce a demanda
por trabalhadores, pressionando o aumento dos salários, permitindo ganhos reais de salários e
alternativas de consumo. Mas, o próprio clássico afirma que essa situação é momentânea, então
o impasse permanece.
Vale destacar que a sua concepção de riqueza apresenta duas versões, por assim dizer:

Todo homem é rico ou pobre, de acordo com o grau em que consegue desfrutar das
coisas necessárias, das coisas convenientes e dos prazeres da vida. [...] um homem
será então rico ou pobre, conforme a quantidade de serviço alheio que está em condi-
ções de encomendar ou comprar. (SMITH, 1983, p. 63)

Ou seja, para desfrutar de riqueza o homem tem que está em condição de troca.
E essa condição de troca, na sua visão, só é possível com a divisão do trabalho. Voltando
para a interpretação de Zuck (2013), Smith entende que é esta divisão que leva ao aumento
proporcional da produtividade, ela é a base do sistema produtivo. Assim, quanto mais evoluída
for a sociedade, maior é a divisão do trabalho nela presente. A nação industrializada é mais rica,
porque nela há maior divisão de trabalho.
A autora ainda enfatiza que esse clássico defende que quanto mais simples for o trabalho,
menos movimentos forem necessários, mais aprimorado o será, e consequentemente, maior será
2152
a produção. Portanto, como já dito, ele tem a concepção de que o desenvolvimento da destreza
do trabalhador naquela função específica, economiza tempo, aumenta a quantidade de trabalho
realizado, e em decorrência, eleva a produtividade e os lucros.
Para Smith, a grande multiplicação da produção de diferentes atividades humanas, originada
pela divisão do trabalho fabril é “que cria, numa sociedade bem governada, a possibilidade de
estender o bem-estar até as camadas mais baixas do povo” e que o desenvolvimento dessa
forma de produzir abundância gera abundância geral, pois “Cada trabalhador fornece às outras
pessoas aquilo de que necessitam e estas pagam-lhe do mesmo modo” (SMITH, 1979, p. 11).
Com essa afirmativa, fica nítido o impasse citado por Lima, Santos & Gondim (2012), pois o
grande clássico acaba colocando em iguais condições trabalhadores e capitalistas.
A nítida concepção de que o acesso a riqueza deve-se à difusão da divisão do trabalho,
é explicado por ele próprio:
É a grande multiplicação das produções de todos os diversos ofícios – multiplicação
esta decorrente da divisão do trabalho – que gera, em uma sociedade bem dirigida,
aquela riqueza universal que se estende até às camadas mais baixas do povo. Cada
trabalhador tem para vender uma grande quantidade do seu próprio trabalho, além
daquela de que ele mesmo necessita, e pelo fato de todos os outros trabalhadores
estarem exatamente na mesma situação, pode ele trocar grande parte de seus próprios
bens por uma grande quantidade, ou – o que é a mesma coisa – pelo preço de grande
quantidade de bens desses outros. Fornece-lhes em abundância aquilo de que care-
cem, e estes, por sua vez, com a mesma abundância, lhe fornecem aquilo de que ele
necessita; assim é que em todas as camadas da sociedade se difunde uma abundância
geral de bens. (1983, p. 45-46)

Nessa afirmação, segundo Lima, Santos & Gondim (2012), mais uma vez fica claro que
não há distinção entre as classes e a possibilidade de acesso aos bens, a “riqueza”, pois cada
trabalhador, de posse de seu trabalho, poderá trocar o excedente por uma grande quantidade de
trabalho (na forma de bens) de outros trabalhadores. Dessa forma, fica explícito que o trabalha-
dor é possuidor do seu próprio trabalho e não há alienação.
Os autores ainda afirmam que, em Smith, a apropriação de trabalho alheio se dar nas
relações de troca, no mercado, “mistifica a exploração do trabalho”, isso porque parte do pres-
suposto de que as relações ocorrem entre equivalentes, e “o poder de um indivíduo em relação
a outro está na capacidade de sua mercadoria demandar mais ou menos trabalho na troca, de
forma que é uma vantagem natural”.
Esse clássico raciona o poder sobre o trabalho, colocando que a forma de obtenção
de mercadorias na troca subtende o poder sobre o trabalho incorporado nessas mercadorias.
Segundo Smith (1983), “o empregador compra o trabalho do operário ora por uma quantidade
maior de bens, ora por uma quantidade menor, a depender do preço dessas mercadorias”.
Nesse ponto, vale ressaltar a afirmação de Zuck (2013), de que a concepção de homem e
de trabalhador corresponde e só faz sentido se inserida a uma visão de sociedade. Assim, Smith
(1979) vê a sociedade como um processo progressivo, fala sempre “no progresso da sociedade”
e em evolução. Nesse sentido, o trabalho de um único homem num estado primitivo da socie-
dade passa a ser realizado por diversos numa sociedade mais evoluída, que se estende, como de
uma nação mais desenvolvida e central para as demais regiões do interior. 2153
Ou seja, as diferenças sociais são consideras por Smith como naturais, e o que faz um
país ser mais ou menos rico é a utilização da técnica. A partir dessa perspectiva, os países mais
desenvolvidos são os industriais, pois empregam mais técnicas. E se a nação é rica sua popula-
ção também é, em amplo sentido, pois, como já explanado, o autor compreende que a abundân-
cia geral que leva riqueza (bens) a todos.
A partir dessas colocações, verifica-se que o clássico tem a concepção de que a riqueza
social é resultado do trabalho naturalmente distribuído entre as diferentes camadas sociais, cuja
divisão permite que se produza muita riqueza. Segundo Zuck (2013), para Smith “as pessoas
trocam os resultados de seus trabalhos e a necessidade de muitos pode ser suprida pelo trabalho
de poucos, sendo que até os mais pobres tem acesso à riqueza, se a sociedade for bem gover-
nada”. Dessa forma, para ele não há problema algum em uns terem mais bens e outros menos,
porque “isso é natural”, depende da capacidade e atributo de cada um no seu fazer. Como tam-
bém, o trabalhador sempre produz mais que aquilo que precisa e troca por igual quantidade de
produto (mercadoria) ou pelo preço do produto (dinheiro). “Logo, iguala produto e capital”.
Porém, a autora ressalta que Smith só não disse para quem o trabalho produz riqueza, “visto que
inúmeras pessoas trabalham, arduamente, a vida inteira, e não saem da miséria, sem se referir a
lógica constitutiva de reprodução desigual e combinada do capital”.
Em relação especificamente ao trabalhador, Smith (1979) concebe que todos nascem
com igual capacidade, mas cada um tem uma aptidão diferente do outro, que depende do ta-
lento e do esforço para se ter sucesso em alguma tarefa. No entanto, ele enfatiza que todos tem
as mesmas condições de disputar a propriedade que é “tão valiosa quanto a vida”. Além disso,
o homem é um ser competitivo e somente se aproxima do outro para a satisfação de alguma
necessidade, movido pelo seu próprio interesse. Para o clássico, o que o difere dos animais é
trocar, barganhar e trabalhar cooperavelmente.
Numa passagem da “Riqueza da Nações” (1983) ele afirma: “o trabalhador é rico ou
pobre, é bem ou mal remunerado, em proporção ao preço real do seu trabalho, e não em pro-
porção ao respectivo preço nominal”. Porém, Lima, Santos & Gondim (2012) questiona essa
passagem dizendo que devido o salário do trabalhador ser um montante fixo, ou seja, um salário
de subsistência, a possibilidade deste sujeito tornar-se rico é bastante remota, pois, como disse
o próprio Smith, sua riqueza depende do poder de compra do salário.
Nesse sentido, pensando no estágio primitivo em que o produto do trabalho pertence ao
trabalhador, a melhoria da sua condição de vida realmente dependeria da sua capacidade e do
poder do seu trabalho na obtenção de uma quantidade maior de bens, de “riqueza”. Entretanto, o
modo de produção capitalista mudou a lógica da distribuição do produto do trabalho, conforme
a afirmativa abaixo.

No momento em que o patrimônio ou capital se acumulou nas mãos de pessoas par-


ticulares, algumas delas naturalmente empregarão esse capital para contratar pessoas
laboriosas, fornecendo-lhes matérias-primas e subsistência a fim de auferir lucro com
a venda do trabalho dessas pessoas ou com aquilo que este trabalho acrescenta ao
valor desses materiais. (SMITH, 1983 p. 77-78)

Ou seja, Smith deixa claro que o lucro, a obtenção da riqueza do dono do capital, pro- 2154
vém da apropriação do trabalho. Isso porque, segundo o clássico, o valor produzido pelos traba-
lhadores, no modo de produção capitalista, se desdobra em duas partes: uma paga o salário e a
outra o lucro dos empresários, deixando de lado a renda da terra. Assim, Smith reconhece que,
“nessa situação, o produto total do trabalho nem sempre pertence ao trabalhador. Na maioria
dos casos, este deve reparti-lo com o dono do capital que lhe dá emprego” (SMITH, 1983).
Na visão de Lima, Santos & Gondim (2012), isso é claramente a apropriação de parte do
trabalho do trabalhador, ou melhor, a mais-valia convertida em lucro, que Marx posteriormente
se debouçou. Apesar de Smith ter, em certa medida, ciência disso, para ele não há exploração do
trabalhador, porque considera justo a remuneração do capital como fator de produção necessá-
rio. Segundo o clássico, a divisão do trabalho depende da participação do capital e vice-versa,
e seu proprietário requer uma renda, que se diferencia do salário, “pelo trabalho de inspecionar
e dirigir”. Smith enfatiza que todas as rendas, seja salário, lucro ou renda da terra, provém do
trabalho. “O trabalho mede o valor não somente daquela parte do preço que se desdobra em tra-
balho efetivo, mas também daquela representada pela renda da terra, e daquela que se desdobra
no lucro devido ao empresário.” (SMITH, 1983).
Finalmente, quanto às ferramentas e máquinas utilizadas para a realização do trabalho,
Smith (1979) concebe que a construção destes instrumentos, em grande parte, vem do conhe-
cimento e envolvimento dos próprios trabalhadores. Além disso, para ele a máquina é um im-
portante mecanismo facilitador do trabalho que se realiza, reduz tempo e “deixa o homem mais
livre para fazer outras coisas”.
Assim, a origem das ferramentas também está relacionada com a divisão do trabalho.
Grande parte delas foram “inventadas pelos próprios trabalhadores que, tendo sido empregados
em tarefas muito simples, dirigiam naturalmente os seus pensamentos para a tentativa de as
simplificar e facilitar ainda mais”. Entretanto, Smith ressalta que, principalmente em se tratan-
do de desenvolvimento de maquinaria, “muitas modificações foram desenvolvidas pelo enge-
nho dos fabricantes de máquinas e outras foram pensadas por filósofos que sabem combinar as
potencialidades dos objetos mais díspares”. (SMITH, 1979).
Outro importante concepção de Smith em relação à divisão do trabalho, é a correlação
“conveniente e mantedora” entre demanda por trabalho, preço nominal do trabalho e a acumu-
lação do capital na forma de lucro. Para ele, a renda vai além do necessário para a manutenção
da produção, ou melhor, além do necessário para os patrões manterem seus “negócios”. Nesse
sentido, do lucro se tira o salário, e do restante uma parcela vai para o consumo do capitalista e a
outra para seu investimento. Entretanto essa última deve ser ampla o suficiente para se investir
viavelmente em máquinas, trabalhadores, matérias-primas, etc. E assim, as forças do mercado
de trabalho serão desfavoráveis aos trabalhadores, permitindo que “os salários nominais caiam
abaixo do salário real.” (SIMITH, 1983).
Ou seja, os salários são mantidos baixos e os preços controlados, permitindo os super-
lucros. Segundo o clássico, em momento algum os comerciantes e empresários permitem abai-
xarem suas taxas de lucro, já o salário que pagam aos trabalhadores tentam abaixar o quanto
possível.

Os patrões estão sempre e em toda parte em conluio tácito, mas constante e uniforme
para não elevar os salários do trabalho acima de sua taxa em vigor. E, mais que isso, os
2155
patrões fazem conchavos destinados a baixar os salários do trabalho, mesmo aquém
de sua taxa em vigor. (SMITH, 1983, p. 93).

Contudo, Smith considera que essa é a maneira favorável e necessária a existência da


classe capitalista. Em momento algum descorda e critica à utilização da maquinaria, a explo-
ração do trabalhador, a propriedade privada e a acumulação capitalista. Pelo contrário, ele em
certa medida, comi visto, “naturaliza” esse modo de produção em sociedade.
Em contrapartida, o teórica Karl Marx, através da corrente de pensamento considerada
a mais revolucionária da teoria social moderna, o materialismo histórico, tem a concepção de
que qualquer sociedade pressupõe como ponto de partida as relações sociais que os homens
estabelecem entre si para utilizar os meios de produção e transformar a natureza. A partir dessa
perspectiva, segundo Caetado (2009), o pensamento de Marx veio denunciar as contradições
básicas da sociedade capitalista, embasadas em um ideal revolucionário e numa proposta de
ação política prática.
No que diz respeito ao trabalho, Marx primeiramente parte de uma visão ontológica, e
nos diz que a reprodução da vida humana se dá através do trabalho e a forma como se organiza
o trabalho provoca uma forma de produzir a própria sociedade. Segundo o clássico, a base de
todo trabalho é a natureza, porque através desta se origina os meios de subsistência do trabalho.
No entanto, o capitalismo transformou o trabalho em mercadoria, assim, pode se vender e com-
prar a “força de trabalho” como qualquer outra mercadoria (MARX, 1985).
Para Marx, no modo de produção capitalista, o trabalhador recebe um salário, mas este
não corresponde, em termos de valor, ao resultado de sua produção total, pois há uma apropria-
ção do tempo de trabalho excedente por parte dos donos dos meios de produção, os capitalis-
tas. Esse tempo de trabalho excedente, denominada pelo clássico de “mais-valia”, que gera o
“lucro” para o capitalista e constitui-se em uma finalidade direta e determinante neste regime
de produção. Segundo o autor, “o capital produz essencialmente capital, e, para poder fazê-lo,
não tem outro caminho a não ser produzir mais-valia” (Marx, 1988, p. 78). Nesse sentido, o
capitalismo tende a reduzir ao máximo o tempo de trabalho necessário para a produção de uma
mercadoria e consonantemente os custos envolvidos, principalmente o salário.
Ou seja, Marx traz a concepção de que no capitalismo o trabalho assume a forma de tra-
balho assalariado e os meios de produção a forma de capital, sendo estes dois agentes essenciais
para a produção. Mas nesta, uma parte do valor (produto) aparece como mais-valia e a mais-
valia como lucro (renda do solo) que gera a riqueza adicional ao capitalista, ou “novo capital”,
que amplia o processo de reprodução e acumulação capitalista.
Os diferentes trabalhos assalariados que existem no modo de produção capitalista, estão
relacionados às diferentes formas de reproduzir a força de trabalho. A manufatura trouxe uma
hierarquia ou escala de salários, conforme a complexidade, o tempo e a resistência das forças
de trabalho, que somente o trabalhador se dispõe. Entretanto, segundo o clássico, qualquer
que seja o trabalho no capitalismo, haverá a separação do trabalhador dos meios de produção,
a separação entre pensar e executar, entre trabalho intelectual e manual, pois esse modo de
produção “se apodera da força individual de trabalho em suas raízes [...] aleija o trabalhador
convertendo-o numa anomalia, ao fomentar artificialmente sua habilidade no pormenor me- 2156
diante a repressão de um mundo de impulsos e capacidades produtivas” (MARX, 1985, p. 283).
Portanto, o trabalho no capitalismo obstaculiza o pleno desenvolvimento dos homens, deixa de
ser essencialmente humano e torna-se um trabalho alienado, com um único objetivo: satisfazer
as necessidades criadas para a reprodução e acumulação do capital.
No Manifesto do Partido Comunista, uma das primeiras obras de Marx, já denunciava
o modo de produção capitalista, ao afirmar que os operários concorriam entre si pelo trabalho
assalariado, um trabalho ínfamo, sem atração, simples, monótomo, em que o operário tornava-
se um apêndice da máquina fabril para garantir sua sobrevivência. Cada um com sua função
bem definida, limitada e mecânica ocupando quase todas as horas do dia, trouxe o que clássico
chama de divisão social do trabalho, que traz como consequência a alienação. (MARX, 1999).
Assim, para uma melhor compreensão dessa chamada alienação do trabalho trazida por
Marx, torna-se fundamental abordar a análise que o autor fez da divisão do trabalho. Na sua
concepção, esta é uma divisão social e técnica constituída como base para a produção de mer-
cadorias na sociedade capitalista. Segundo a qual, mediada pelo intercambio de mercadorias,
separa cidade e campo, e toda a história econômica da sociedade parte desse movimento antí-
doto. Portanto o capitalismo partiu da determinação da divisão social do trabalho, que separa
o produto do trabalho (que pertence a outrem) do próprio ato de produzir (força de trabalho).
Separa os meios de produção, a técnica e o produto, do próprio trabalhador. Assim, “A divisão
manufatureira do trabalho pressupõe a concentração dos meios de produção nas mãos de um
capitalista, a divisão social do trabalho, fracionamento dos meios de produção entre muitos
produtores de mercadorias independentes entre si” (MARX, 1985, p. 280).
De acordo com Zuck (2013), na divisão social do trabalho os trabalhadores, que são a
maioria da população, estão sob a lógica da compra e venda de sua força de trabalho conforme
a autoridade da concorrência e da coerção, como qualquer outra mercadoria no sistema capita-
lista. Mas, especificamente a “divisão manufatureira do trabalho” desenvolveu o crescimento
de trabalhadores empregados em uma determinada técnica.

O mínimo de trabalhadores, que um capitalista individual tem de empregar, é-lhe


agora prescrito pela divisão do trabalho estabelecida. [...] O incremento progressivo
do volume mínimo de capital em mãos de capitalistas individuais ou a transformação
crescente dos meios sociais de subsistência e dos meios de produção em capital é por-
tanto uma lei que decorre do caráter técnico da manufatura. (p. 282).

A cooperação baseada na divisão do trabalho adquire, portanto, sua forma clássica na


manufatura tendo dupla origem:

(1) [...] combinação de ofícios autônomos de diferentes espécies, que são despidos de
sua autonomia e tornados unilaterais até o ponto em que constituem apenas operações
parciais que se complementam mutuamente no processo de produção de uma única
e mesma mercadoria. [...] (2) parte da cooperação de artífices da mesma espécie, de-
compõe o mesmo ofício individual em suas diversas operações particulares e as isola
e as torna autônomas até o ponto em que cada uma delas torna-se função exclusiva de
um trabalhador específico (MARX, 1985, p. 268).
2157
Assim, vê-se claramente que Marx associa a divisão do trabalho ao início da manufa-
tura, mas salienta que esta divisão ganha consistência e se torna um modo planejado e siste-
mático de produção capitalista. Dessa forma, a divisão social e técnica do trabalho é um “meio
de produzir com o mesmo quantum de trabalho mais mercadorias, portanto para baratear as
mercadorias e acelerar a acumulação do capital” (MARX, 1985). O que se transforma são os
instrumentos e as técnicas de trabalho, mas a condição de alienação e exploração do trabalhador
sempre está presente.
A partir dessa perspectiva, Caetano (2009) afirma que o clássico Marx identifica em seus
estudos da sociedade capitalista que é na expansão das forças produtivas que se dá as relações
de propriedade, a distribuição da renda entre os indivíduos e a formação das classes sociais. E
que pelas classes sociais (Burguesia X Proletariado), os homens estabelecem uma relação so-
cial de exploração, antagonismos sociais e alienação, sob a forma da apropriação dos meios de
produção. “A expressão desta contradição entre as forças produtivas e as relações de produção
é a luta de classes”.
Para Marx a sociedade está dividida em classes, cada uma com suas regras e condutas
apropriadas, mas que estão inseridas em um único sistema que, como dito, é o Modo de Pro-
dução Capitalista. Nesse sentido, considera a divisão do trabalho não só como um meio para
se alcançar a produção de mercadorias, como também, a divisão de tarefas entre os indivíduos
e ainda nas relações de propriedade. Ou seja, “a divisão do trabalho e a especialização das
atividades em classes, é basicamente a divisão dos meios de produção e da força de trabalho”
(CAETANO, 2009).
Vale ressaltar que, para Marx, a divisão social do trabalho sempre existiu em todas as
sociedades. Esta divisão é inerente ao trabalho humano e ocorre em relação a tarefas econômi-
cas, políticas e culturais. Desde as sociedades tradicionais a divisão do trabalho correspondia
à divisão de papéis por gênero sendo sucedidas mais tarde, pela divisão das atividades como
a agricultura, o artesanato e o comércio. No entanto, ainda na visão do clássico, a divisão do
trabalho no modo de produção capitalista assumiu um caráter negativo, pois dela decorre a ex-
ploração e a alienação do trabalhador (proletariado) - dono da força de trabalho, pelo capitalista
(burguesia) - dono dos meios de produção. Sendo essa relação antagônica, a essência causadora
da desigualdade social moderna, a segmentação da sociedade. Essa concepção desmonta com-
pletamente a tese de Smith, pois a produção em abundância não gera abundância “riqueza” para
todos.
Relembrando, o trabalhador se vê obrigado a vender sua força de trabalho ao capitalista,
que por sua vez, se apropria do produto do trabalho do proletário. Neste contexto a força de
trabalho se torna uma mercadoria, vendida ao empresário capitalista por um salário baixo, o mí-
nimo possível para a sobrevivência do proletariado. Toda essa relação de exploração, de acordo
com Marx, acontece sob a forma legal da propriedade privada dos meios de produção.
Segundo Caetano, 2009, p.27,

o estado de alienação do proletariado, resultado da divisão do trabalho, se reflete nas


formas de dominação da burguesia. Marx afirma que o Estado é um instrumento cria-
do pela burguesia para garantir seu domínio econômico sobre o proletariado, preser-
vando e protegendo a propriedade privada dos meios de produção. O aparato jurídico, 2158
por sua vez, seria o responsável por garantir a igualdade entre os homens, camuflan-
do a divisão da sociedade entre classes sociais distintas e com interesses opostos. A
ideologia seria a encarregada de difundir a visão de mundo e os valores burgueses,
legitimando e consolidando seu poder.

Mas o que seria exatamente esse estado de alienação do proletariado que Smith em
momento algum tratou e Marx trouxe como algo extremamente negativo ao teorizar acerca da
categoria trabalho?
Giannotti (2010) nos ajuda a esclarecer esse questionamento, quando trata sobre o tra-
balho alienado. Segundo o autor, Marx afirma que:

através do trabalho alienado o homem não só engendra suas relações com o objeto e
com o ato de produção como poderes estranhos e hostis a ele mesmo, mas também
engendra a relação na qual os outros homens se situam diante de sua produção e seu
produto, e a relação em que se encontram com os outros homens (p. 92).

Nesse sentido, o clássico está nos dizendo que a alienação do trabalho corrompe as
demais relações sociais e o status de cada pessoa reflete sua situação em face do trabalho. Isso
porque o trabalho se fixa no objeto, no produto que alcança sua materialidade e sua objetivi-
dade, sem considerar o produtor; o sujeito não se realiza na produção, e no final, o produto lhe
aparece como uma coisa estranha e hostil a fugir de seu controle.
Assim, para o clássico, a existência objetiva do mundo material ergue-se como um po-
der autônomo e ameaçador. O processo de objetivação do trabalho é corrompedor e desnaturali-
zador, no sentido de que perde a sua substância e sujeita o trabalhador ao mundo que ele próprio
criou. Essa dessubtancialização alcança um ponto tal no modo de produção capitalista que o
priva dos objetos indispensáveis ao seu trabalho e ao seu auto sustento.
Além disso, Giannotti (2010) vem salientar, com base nos estudos de Marx, que se há a
alienação do produto, em paralelo, certamente corre a alienação do ato de produzir, ou seja, a
ação de produzir também é alienada. Portanto, na chama “autoalienação do sujeito” (Selbsten-
frendung), o trabalhador se encontra duplamente dependente com a natureza:

de um lado, esta lhe fornece o objeto de seu trabalho e, de outro, os meios necessários
à sua sobrevivência não mais como trabalhador, momento de um processo mais am-
plo de trabalho, mas enquanto indivíduo em geral. Além do mais, já que seu trabalho
tem como resultado exacerbar a hostilidade das coisas, quanto mais se aplica em suas
funções tanto mais fica na triste contingência de subsistir como indivíduo somente
quando encontrar emprego (p.93).

Com isso, o trabalho passa a ser exterior ao trabalhador; há sempre um capitalista dis-
posto a se apropriar da “força de trabalho” de outrem, do labor alheio. Nesse condição, o traba-
lho torna-se forçado, totalmente desvinculado das necessidades e pretensões de quem produz.
Sob sacrifício, mortificação e embrutecimento o trabalhador cai num caminho que o exterioriza
e o objetiva. A ele nada mais resta senão a sobrevivência; Comer, beber, dormir e outras ações
básicas deixam de ser humanas e passam a integrar o mundo do trabalho, e não podem ser mais
separadas ou abstraídas desse contexto. Assim, no modo de produção capitalista, o trabalho 2159
desvincula-se brutalmente das formas de manifestação e realização do homem.
Marx chega a expor que há nitidamente o desvirtuamento das relações vigentes entre
o indivíduo e a espécie. Isso porque o operário de uma fábrica, por exemplo, perde o sentido
social de sua ação, deixa sua qualidade de ser genérico e passa a executar sua limitada função
isoladamente, “escravo das vicissitudes naturais e sociais”. Portanto, com o capitalismo, a di-
mensão consciente da produção humana foi apagada; o trabalho alienado inverteu o sentido da
atividade vital: “transforma-a num instrumento de garantia da existência de cada um, seja ela
qual for, ao invés de fazer dela a manifestação de sua essência”.
Zuck (2013) traz a concepção de que Marx vê a acumulação, característica própria do
capitalismo, decorrente do caráter técnico de produção de lucro à custa da expropriação e ex-
ploração dos trabalhadores, mutilando-o, desapropriando seus saberes, aleijando-o. Diferen-
temente de Smith, que toma o aumento da produtividade do trabalhador como próprio do de-
senvolvimento das forças produtivas, em que a divisão do trabalho é positiva no aumento da
destreza do trabalhador, na economia do tempo, no uso e aprimoramento de máquinas, por meio
das quais um só homem faz o trabalho de muitos. Certamente, para Marx (1985), o aumento
da produtividade está relacionada à concorrência, a necessidade de acumulação e reprodução
de capital. Com a divisão do trabalho, há sim um significativo aumento da produção, mas esta
ocorre às custas da exploração humana.

Na sociedade capitalista, a mais-valia resulta do trabalho dos trabalhadores. A riqueza


social, produzida pelos trabalhadores, é resultado da exploração material, civilizada e
refinada, exercida pelo capital sobre o trabalho, que produz novas condições de domi-
nação. É a forma especificamente capitalista do processo de produção social, é apenas
um método especial de produzir mais-valia relativa ou aumentar a autovalorização do
capital [...] à custa dos trabalhadores (MARX, 1985, p. 286)

O clássico veemente concebe que, no modo de produção capitalista, o homem passa a


ser dividido, transforma-se “em motor de um trabalho parcial”, como um fragmento de seu pró-
prio corpo. No capitalismo, o trabalhador é segregado do potencial humano, que lhe é negado
e relegado a pequena parcela favorecida pela apropriação da riqueza produzida, os capitalistas.
Em verdade, o trabalhador se distancia da condição de humano, pois não possui alternativas ou
formas de trabalhar menos, para na maior parte do dia está liberto para realizar outras dimen-
sões da vida humana. A concepção de homem enquanto ser que produz conforme suas neces-
sidades e prazeres, dá literalmente lugar ao trabalhador que produz para o mercado, de acordo
com os ditames capitalistas, e ao mesmo tempo que ele próprio se transforma em mercadoria.
Nesse sentido, o desenvolvimento capitalista não potencializa a vida, mas é preciso estar vivo
para trabalhar para outrem, gerar riqueza para outrem.
Essa concepção de Marx também diverge da de Smith, conforme visto. Para Smith
(1979), o homem terá acesso aos bens materiais, a riqueza, se “for sóbrio e trabalhador”, desde
que se habitue à indústria, às máquinas, aprimore suas técnicas e realize com destreza sua tarefa
específica. Para ele, mesmo os mais pobres, através de máquinas úteis e esforço contínuo, con-
seguem atingir boas condições de vida.
Diferentemente, Marx (1985, p. 283) afirma: 2160
A divisão do trabalho pressupõe a autoridade incondicional do capitalista que concen-
tra os meios de produção sobre os seres humanos, submete ao comando e à disciplina
do capital o trabalhador antes autônomo e cria [...] uma graduação hierárquica entre
os próprios trabalhadores. Os trabalhadores são transformados em simples membros
de um mecanismo global ao qual pertence, estão anexados por toda a vida a uma
operação parcial e subordinados ao capital. Enquanto na sociedade comunal o artesão
realizava todas as operações pertinentes ao seu ofício, de maneira tradicional, mas
independente e sem reconhecer nenhuma autoridade em sua oficina, na manufatura
o trabalhador incapacitado em sua qualidade natural de fazer algo autônomo [...] só
desenvolve atividade produtiva como acessório da oficina capitalista.

Nos estudos de Marx, segundo Zuck (2013), fica claro que quanto mais se trabalha no
capitalismo, menos vida se tem. Primeiramente o ser é trabalhador e depois homem. Contudo,
todo o desenvolvimento do capital se efetua de forma antagônica e todos os seus produtos, for-
ças produtivas, riqueza, ciência, entre outros, aparecem sob a forma de alienação do trabalhador
diante do que ele produz, “frente uma riqueza alheia e causadora de sua pobreza”.
Vale ressaltar, como visto, que Marx (1985) entende que a sociedade e suas relações
são determinadas pelo modo de produção e, na perspectiva de classe, que distingue capitalistas
(classe burguesa), detentores dos meios de produção, e trabalhadores (classe proletária), que
vendem sua força de trabalho. Ou seja, os capitalistas precisam “das mãos” dos trabalhadores
para produzir valor e, em contrapartida, os trabalhadores necessitam dos capitalistas para ven-
derem sua força de trabalho e sobreviver. Assim, Marx desmonta a tese de Smith, pois eviden-
cia que entre as classes antagônicas não há igualdade material. Também, o Estado não é para
todos, mas de classe, da classe social que detêm o poder econômico, logo temos no capitalismo
o Estado burguês, expresso como violência concentrada e organizada (MARX, 1985).
Para Marx, a divisão do trabalho se estende para além da produção material e exerce
uma função de dominação da classe burguesa sobre a classe proletariada. Esta dominação se
expressa nas formas de segmentação da sociedade. A partir dessa perspectiva, segundo Caetano
(2009), promover a emancipação da classe trabalhadora (proletariada) de seu estado de aliena-
ção é a preocupação central de todos os postulados de Marx. Isto, entretanto, na perspectiva do
clássico, só seria possível a partir do momento em que o proletariado deixasse de ser “classe
em si” e se tornasse uma “classe para si”, construindo a sua consciência de classe. A partir deste
momento, o proletário estaria apto a promover uma revolução social que derrubaria a burguesia,
extinguindo as classes sociais, no sentido de que superaria a ordem social capitalista e construi-
ria a sociedade comunista.
No Manifesto do Partido Comunista, Marx (1999) postula que o comunismo abolirá
a liberdade de comércio, a liberdade de comprar e vender, que em si é a liberdade burguesa.
Irá suprir o poder de uma minoria (indivíduos burgueses), que por meio da apropriação, que
escravizam e exploram o trabalho da maioria. Desaparecerá a cultura, a educação, o direito e
a família burguesa. Porque todas essas concepções decorrem das ideias e noções burguesas de
apropriação e acumulação, das suas condições materiais de existência. O objetivo do comunis-
mo é a supremacia do proletariado, suprimindo a exploração do homem pelo homem. Isso ocor-
rerá com uma ação comum, desaparecendo os antagonismos de classes e consequentemente 2161
entre as nações. Para o clássico, a revolução comunista é a ruptura mais radical com as relações
tradicionais de propriedade, ou seja, com o capitalismo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os elementos teóricos apresentados acerca da categoria “trabalho” no modo de produ-


ção capitalista permitem depreender que os clássicos Adam Smith e Karl Marx concebem a
realidade de maneira distinta. O primeiro parte da corrente liberal e do idealismo para analisar
a sociedade capitalista e seus elementos, enquanto o segundo confronta essa corrente através do
materialismo histórico.
Verifica-se que Smith não considera o antagonismo de classe, a contradição, ao analisar
o trabalho no capitalismo. Para o clássico, é natural uns terem mais e outros menos riqueza, pois
a capacidade, o talento e o esforço de cada um para alcança-la, depende única e exclusivamente
do indivíduo. Nesse sentido, o pensamento de Smith integra a lógica do funcionamento do ca-
pital e sustenta a visão de um mundo liberal, no qual os interesses egoístas caminhariam ao lado
dos interesses coletivos, por meio da livre atuação dos indivíduos no mercado, de maneira que a
abundância de bens materiais, a acumulação da riqueza material, beneficiaria a sociedade como
um todo. “O liberalismo é o ideário que sustenta o modo de produção capitalista é, portanto, a
expressão do pensamento burguês”.
Em seus postulados, Smith considera a divisão do trabalho como uma técnica positiva
e necessária para a acumulação de capital, para a construção da riqueza, por ser capaz de pro-
mover a profusão das mercadorias, através do trabalho bem definido, simples, com máquinas
utilitárias e conduzido por indivíduos esforçados. Além disso, segundo sua teoria, o trabalho
contido e incorporado no valor das mercadorias, se distribui entre salários, lucros e renda da
terra. Mas pelo fato dos lucros depender diretamente do comportamento dos salários, considera
natural os ricos, donos dos meios de produção, deixarem estes os mais baixos possíveis. Assim,
o clássico teoriza esse sistema capitalista de produção como um modo benéfico a sociedade em
geral, trazendo a divisão do trabalho como fundamental para o acesso de todos às mercadorias,
à riqueza material, sem considerar a exploração do trabalhador.
Já para o clássico Marx, a unidade entre egoísmo e fins coletivos não poderiam resultar
naquele benefício material para toda sociedade. Isso porque a propriedade privada capitalista é
um pressuposto que carrega em si o princípio da desigualdade social, de forma que o capital é
uma relação social de produção, antes de se tornar mercadoria. Como também, não se produz
mercadorias no modo de produção capitalista para atender as necessidades das pessoas, e sim
para a valorização e acumulação do capital.
A acumulação do capital, segundo Marx, contrariando Smith, não se desdobrar em em-
prego e aumento de salários e riqueza para todos, mas, ao contrário, na maior concentração da
propriedade privada, na reprodução do capital, através da exploração do trabalho. Além disso,
há permanente repulsão dos trabalhadores do processo produtivo, formando o exército indus-
trial de reserva, necessário à constante valorização do capital e a permanente pauperização da
classe trabalhadora. O clássico, diferente de Smith, deixa claro que a riqueza social é resultado
da exploração do trabalhador, ela é produzida coletivamente e apropriada privadamente. 2162
Como visto, para Marx, a divisão do trabalho no modo de produção capitalista é negati-
va, causa alienação, distancia o homem da condição humana, o escraviza, o condena ao trabalho
sacrificado, mortificado e embrutecido, e o despis da capacidade de realizar outras dimensões
da vida. Nesse sentido, o teórico revela que, no capitalismo, o trabalho limita o desenvolvimen-
to das qualidades essencialmente humanas.
Portanto, para Marx, diferentemente de Smith, as relações sociais nesse sistema são
contraditórias, não são naturais, neutras ou desprovidas de interesses. Além do mais, com o
modo de produção capitalista, a sociedade é “ideal” para poucos e não pode ser “arrumada”,
“melhorada” nem tampouco ser “justa” para todos. Contudo, o clássico afirma que somente
uma revolução social radical, somente a derrubada da burguesia pela revolução do proletariado,
extinguindo a sociedade de classes de ordem capitalista, e instaurando-se a sociedade comunis-
ta, poderia mudar os rumos da história.

REFERÊNCIAS

CAETANO, Érika de Cássia Oliveira. A divisão do trabalho: uma análise comparativa das
teorias de Karl Marx e Emile Dürkheim. PUC Minas, 2009.

GIANNOTTI, JA. Origens da dialética do trabalho: estudo sobre a lógica do jovem Marx.
Rio de Janeiro: Centro Edelstein, 2010.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MARX, Karl. O Capital: crítica da Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARX, Karl. Sociologia. IN: IANNI, Octavio (org.). São Paulo, Ática, 1988.

SMITH, Adam. Investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações. 2 ed. São
Paulo: Abril Cultural, 1979; Livro I. p. 3-20.

SMITH, Adam. A riqueza das nações. Coleção Os Economistas. Abril Cultural: São Paulo,
1983.

ZUCK, Débora Villetti. Trabalho e educação: apropriações teóricas a partir de Marx e Smi-
th. Paraná, 2013.

2163