Você está na página 1de 4

SUELLEN CABRAL LIMA DOS SANTOS

RA: 8096556

ATIVIDADE DE PORTFÓLIO- CICLO 3

Trabalho apresentado ao Claretiano -


Centro Universitário para a disciplina
de Filosofia das Ciências Sociais.
Prof. Paulo Rogério da Silva

MACAÉ
2020
Descrição da atividade

1º) Aponte três diferenças fundamentais entre o liberalismo econômico de Adam


Smith e o materialismo histórico-dialético elaborado por Karl Marx. Argumente seu
texto com pelo menos duas citações diretas do material indicado.

Contraste entre Smith e Marx

Adam Smith era um escocês economista, filósofo e precursor do liberalismo


econômico.
A Europa estava passando por diversas transformações de ordem social e
através do sistema capitalista nasceu uma nova ordem social e duas correntes de
pensamento, o liberalismo e o socialismo.
Smith escreve suas obras num tempo em que os operários eram sofredores e
explorados, por isso suas teorias atacavam a política econômica dos reis e seu regime
feudal que ainda persistia em algumas regiões da Europa.
Através das observações e construções de políticas econômicas, Smith
desenvolveu suas teorias e obras na época do nascimento da revolução industrial,
nesse período surgiu uma nova sociedade com um novo jeito de produzir riquezas.
Suas teorias agradaram aos burgueses, que nessa revolução obtiveram várias
conquistas. Conseguiram instituir seu estado e permanência no poder lucrando com
a classe operária.
Ele acreditava que com o desenvolvimento do capitalismo ocorreria a queda
das desigualdades sociais e diminuição da exploração da classe trabalhadora.
Suas principais ideias do pensamento liberal estão em sua obra “A riqueza das
nações” onde Smith apresenta o conceito da “Mão invisível”, que são ideias
essencialmente imprescindíveis para o entendimento dos processos econômicos da
sociedade capitalista.
Em contraste ao que acreditava Smith se apresentava a visão de Marx.
Karl Marx foi um sociólogo, economista e ativista do movimento operário. Suas
obras foram uma crítica ao capitalismo e a sociedade burguesa.
Suas obras e teorias eram sobre as concepções sociais, econômicas e
políticas. Ele acreditava que a sociedade se sustentava, progride e prosperava através
da luta de classes, ou seja, um duelo entre uma classe social que controla os meios
de produção e classe trabalhadora, que fornece a mão de obra para produção.
Segundo Silva essa divisão classificava os homens em proprietários e não
proprietários.

Outro conceito importante no pensamento de Marx é o de “classes sociais”.


De acordo com Marx, os direitos inalienáveis defendidos pelo liberalismo
clássico não resistiram às evidências das desigualdades sociais provocadas
pelo modo de produção capitalista, que dividiu os homens entre proprietários
e não proprietários dos meios de produção. Para justificar a transformação
dos modos de produção da sociedade capitalista. (SILVA, 2018, p. 238)

Como ativista ele se empenhava em estimular a classe trabalhadora a realizar


uma revolução contra os burgueses, assim como os burgueses lutaram contra o
feudalismo, demonstrando que o empobrecimento dos operários é decorrente da
máxima produção de riqueza, afim de provocar mudanças socioeconômicas. Como
destaca Silva:

Levando em consideração a lei da dialética, de acordo com Marx, assim como


o feudalismo, o modo de produção capitalista também estaria fadado a
fracassar por conta de suas recorrentes crises provocadas pela luta de
classes em questão: entre os burgueses capitalistas e os trabalhadores
proletários. Noutras palavras, assim como a burguesia foi a contradição
interna do feudalismo – apresentando-se como revolucionária em sua origem
–, o proletariado também seria a contradição interna da burguesia. (SILVA,
2018, p. 245)

Ambos tiveram suas ideias e teorias aceitas na sociedade, o pensamento liberal


de Smith e o materialismo histórico dialético de Marx, embora se diferenciem no fato
de que, para Adam, os indivíduos negociam e produzem por causa de seus interesses
pessoais relacionados ao livre comércio, oferta, procura e competitividade. Para ele,
com uma enorme produção, o mercado encontraria um equilíbrio natural, pois com a
livre concorrência, sem a interferência do estado, todos teriam preços justos e melhor
qualidade nos produtos oferecidos.
Essa qualidade, surgiria da necessidade de se vencer a concorrência, o que
geraria uma demanda por uma produção de excelência, se empregando trabalhadores
mais especializados e com isso, além de impulsionar a economia, ainda melhoraria a
qualidade de vida do cidadão.
Enquanto que para Marx a propriedade privada está na raiz da desigualdade
social, e o liberalismo econômico faz com que os ricos fiquem milionários e os pobres
mais miseráveis, pois enquanto uns tem tanto outros não tem nada. Para ele isso faz
com que a sociedade se divida em classes, por isso deseja eliminar as classes
dominante que sempre vão oprimir os pobres.
Através de suas obras Marx deixou um legado contemporâneo sobre trabalho
e sua relação com o capital.
Conclui-se a partir dos levantamentos apresentados que a classe do
proletariado conquistou alguns direitos, que os burgueses se perpetuam no poder e
que as desigualdades sociais ainda predominam. Mas que com tudo isso, as teorias
do pai do liberalismo econômico e do socialismo foram essenciais para o
desenvolvimento econômico da sociedade.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
SILVA, P. R. Filosofia das Ciências Sociais. Batatais: Claretiano, 2018.