Você está na página 1de 28

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA ESCOLA

(JOSÉ CARLOS LIBÂNEO)

SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO DE GESTÃO DA ESCOLA

- Concepções de gestão:
- CIENTÍFICO-RACIONAL: A escola é tomada como uma
realidade objetiva e neutra, que deve funcionar
racionalmente e, por isso, pode ser planejada, organizada e
controlada, de modo a alcançar melhores índices de eficácia
e eficiência. As escolas que operam nesse modelo dão forte
peso à estrutura organizacional, à definição rigorosa de
cargos e funções, à hierarquia de funções, às normas e
regulamentos, à direção centralizada e ao planejamento com
pouca participação.

- SOCIOCRÍTICA: A organização escolar é concebida como um


sistema que agrega pessoas, destacando-se o caráter
intencional de suas ações, a importância das interações
sociais no seio do grupo e as relações da escola com o
contexto sociocultural e político.
TÉCNICO-CIENTÍFICA AUTOGESTIONÁRIA INTERPRETATIVA DEMOCRÁTICO-PARTICIPATIVA
• Prescrição detalhada de • Vínculo das formas de gestão • A escola é uma realidade social • Definição explícita por parte da
funções e tarefas, acentuando interna com as formas de subjetivamente construída, não equipe escolar, de objetivos
a divisão técnica do trabalho autogestão social (poder coletivo dada nem objetiva. sociopolíticos e pedagógicos da
escolar. na escola para preparar formas de • Privilegia menos o ato de escola.
• Poder centralizado no diretor, autogestão no plano político). organizar e mais a “ação • Articulação da atividade de direção
destacando-se as relações de • Decisões coletivas (assembleias, organizadora”, com valores e com a iniciativa e a participação das
subordinação, em que uns têm reuniões), eliminação de todas as práticas compartilhados. pessoas da escola e das que se
mais autoridade do que outros. formas de exercício de autoridade • A ação organizadora valoriza relacionam com ela.
• Ênfase na administração e de poder. muito as interpretações, os • Qualificação e competência
regulada (rígido sistema de • Ênfase na auto-organização do valores, as percepções e os profissional.
normas, regras, procedimentos grupo de pessoas da instituição, significados subjetivos, • Busca de objetividade no trato das
burocráticos de controle das por meio de eleições e de destacando o caráter humano e questões da organização e da gestão
atividades), descuidando-se, às alternância no exercício das preterindo o caráter formal, mediante a coleta de informações
vezes, dos objetivos específicos funções. estrutural, normativo. reais.
da instituição escolar. • Recusa a normas de controle, • Acompanhamento da avaliação
• Comunicação linear (de cima acentuando a responsabilidade sistemáticos com a finalidade
para baixo), baseada em coletiva. pedagógica: diagnóstico,
normas e regras. • Crença no poder instituinte da acompanhamentos dos trabalhos,
• Mas ênfase nas tarefas do que instituição e recusa de todo poder reorientação de rumos e ações,
nas pessoas. instituído. tomada de decisões.
• Ênfase nas inter-relações, mas do • Todos dirigem e são dirigidos.
que nas tarefas. • Ênfase tanto nas relações quanto nas
tarefas.
A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE UMA ESCOLA

- CONSELHO DE ESCOLA: geralmente o Conselho é eleito no início do


ano letivo. Sua composição tem uma certa proporcionalidade de
participação dos docentes, dos especialistas em educação, dos
funcionários, dos pais e alunos.

- Direção: coordena e gerencia todas as atividades da escola. O


Assistente de diretor desempenha as mesmas funções na condição de
substituto eventual do diretor.

- Setor técnico-administrativo: responde pelas atividades-meio


(Secretaria escolar, zeladoria, vigilância, atendimento ao público,
serviço de Multimeios – biblioteca, laboratórios, equipamentos
audiovisuais etc.).

- Setor pedagógico: coordenação pedagógica e orientação educacional;


e Conselho de Classe (órgão de natureza deliberativa).

- Instituições auxiliares: APM, Grêmio Estudantil, Caixa Escolar.

- Corpo docente e corpo discente

- As funções do sistema de organização e gestão da escola: a)


Planejamento; b) Organização; c) Direção/Coordenação; d) Avaliação.
QUESTÃO 01
Relacione as concepções de organização e gestão escolar com as suas respectivas características.

1. Técnico científica
2. Autogestionária
3. Interpretativa
4. Democrática participativa

( ) A escola como uma realidade social subjetivamente construída; a ação organizadora enfatiza os valores, as percepções e os significados
subjetivos.
( ) Prescrição detalhada de funções e tarefas acentuando a divisão do trabalho escolar; o poder está centralizado no diretor, destacando as
relações de subordinação.
( ) Ênfase nas inter‐relações mais do que nas tarefas; as decisões são coletivas e a gestão realizada por meio de eleições e de alternância no
exercício de funções.
( ) Equipe gestora define explicitamente os objetivos da escola; ênfase na qualificação e competência profissional e acompanhamento
sistemático dos objetivos, por meio de avaliações.

Assinale a alternativa que mostra a relação correta, de cima para baixo. ???
QUESTÃO 02
De acordo com as teorias recentes sobre a gestão educacional, é possível afirmar que o modelo racional burocrático de gestão se fundamenta
nas seguintes dimensões:

a) a participação fluída, a partir das preferências das pessoas de fora da organização; a falta de clareza e compreensão dos processos
organizacionais por parte dos membros da instituição; a hierarquia na organização formal.
b) a certeza e a pretensa infalibilidade dos princípios normativos; a rigidez das leis e dos regulamentos; a racionalidade que deve acentuar o
consenso, unidade, hierarquia, estabilidade, integração e a objetividade.
c) a hierarquia na organização formal; objetivos e preferências com certo grau de inconsistência; a busca permanente de invenções e criações
pragmáticas para atender às necessidades da instituição.
d) a racionalidade que deve acentuar o consenso, unidade, estabilidade, integração, e a objetividade; a participação fluída, a partir das
preferências das pessoas de fora da organização; e a rigidez das leis e dos regulamentos.
e) a falta de clareza e compreensão dos processos organizacionais por parte dos membros da instituição; a incerteza e a pretensa
infalibilidade dos princípios normativos; a hierarquia na organização formal.
QUESTÃO 03
Na escola, o coordenador pedagógico exerce um papel estratégico nas diversas instâncias que a permeiam. Considerando essa informação,
assinale a alternativa que apresenta corretamente a função do coordenador pedagógico na escola.

a) motivar os professores a manterem a boa aparência da escola, de modo a estimular, na comunidade escolar, a aderência às propostas
feitas pela gestão
b) cuidar da disciplina dos alunos, assumindo a postura de uma personagem apaziguadora da escola
c) cuidar dos critérios de avaliação em sala de aula, optando sempre por um sistema mais rígido, mantendo o controle dos professores e
assegurando o bom desempenho dos alunos
d) ser articulador, formador e transformador, possibilitando que novos significados sejam atribuídos à prática educativa da escola e à prática
pedagógica dos professores
e) cuidar da administração do tempo nas salas de aula, controlando principalmente o tempo destinado aos intervalos e evitando que haja
dispersão dos alunos e dificuldades no retorno.
QUESTÃO 04
No campo teórico, coexistem diversas concepções de gestão escolar. Das assertivas seguintes, assinale a que coaduna com a conservação da
ordem econômica capitalista vigente.

a) (...) A concepção técnico-científica na qual prevalece uma visão burocrática e tecnicista de escola e que tem como princípio fundamental da
organização escolar a busca de maiores índices de eficiência apreendendo a realidade como algo neutro e passível de ser controlado.
b) (...) A concepção sociocrítica na qual a organização escolar assume caráter de coletividade, pautada na busca de interesses e objetivos
comuns, em que o sujeito exerce, democraticamente, a expressão de suas ideias, podendo sugestionar, propor, planejar ações e participar
das decisões que conduzem os rumos da instituição escolar.
c) (...) A concepção autogestionária que tem como marca a responsabilidade coletiva, a ausência de direção centralizada e a igualdade de
participação direta de todos os membros da instituição
d) (...) A concepção interpretativa tem como foco a análise dos processos de organização e gestão dos significados subjetivos, as intenções e
interações das pessoas, primando por uma construção social e coletiva.
e) (...) A gestão democrático-participativa na qual as ações e planejamentos coletivos e democráticos destacam a divisão de responsabilidades
para todos os membros da equipe escolar em torno de objetivos, metas, decisões e compromissos comuns, acentuando o caráter político-
democrático que deve permear a cultura organizacional das instituições escolares.
PRINCÍPIOS E CARACTERÍSTICAS DA GESTÃO ESCOLAR PARTICIPATIVA

A direção como princípio e atributo da gestão democrática

- O trabalho escolar implica uma direção.


- Direção escolar é diferente de direção empresarial.
- Intencionalidade: caráter presente nas instituições educativas (leva à busca deliberada, consciente, planejada, de integração e unidade de
objetivos e ações, e de um consenso em torno de normas e atitudes comuns).

- Gestão e direção participativas: convergem para a elaboração e execução do PPP e assunção de responsabilidades de forma cooperativa e
solidária.
PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO PARTICIPATIVA
Autonomia das escolas e da comunidade educativa: ter poder de decisão sobre seus objetivos e suas formas de organização, manter-se
relativamente independente do poder central, administrar livremente recursos financeiros.
Relação orgânica entre a direção e a participação dos membros da equipe escolar: princípio que conjuga o exercício responsável e
compartilhado da direção, a forma participativa da gestão e a responsabilidade individual de cada membro da equipe escolar. A organização
escolar democrática implica não só a participação na gestão, mas a gestão da participação.
Envolvimento da comunidade no processo escolar: a presença da comunidade na escola implica participação na APM e no Conselho de
Escola, dentre outros, para preparar o PPP e acompanhar e avaliar a qualidade dos serviços prestados.
Planejamento das tarefas: justifica-se porque as escolas buscam resultados e as ações pedagógicas e administrativas buscam atingir
objetivos. Necessita-se, então, de uma ação racional, estruturada e coordenada de proposição de objetivos e estratégias de ação.
Formação continuada para o desenvolvimento pessoal e profissional dos integrantes da comunidade escolar: valoriza-se o desenvolvimento
pessoal, a qualificação profissional e a competência técnica. A escola é um espaço educativo.
Utilização de informações concretas e análise de cada problema em seus múltiplos aspectos, com ampla democratização das informações:
implica procedimentos de gestão baseados na coleta de dados e informações reais e seguras, na análise global dos problemas (buscar sua
essência, suas causas, seus aspectos mais fundamentais, para além das aparências).
Avaliação compartilhada: todas as decisões e procedimentos organizativos precisam ser acompanhados e avaliados, com base no princípio da
relação orgânica entre a direção e a participação dos membros da equipe escolar.
Relações humanas produtivas e criativas assentadas na busca de objetivos comuns: indica a importância de relações interpessoais em
função da qualidade do trabalho de cada educador, da valorização da experiência individual, do clima amistoso de trabalho. Superação das
relações autoritárias para relações baseadas no diálogo e no consenso.
QUESTÃO 01
Leia o trecho abaixo, retirado de “Organização e gestão da escola: teoria e prática’’, de José Carlos Libâneo, para responder à questão.

O princípio da autonomia requer vínculos mais estreitos com a comunidade educativa, basicamente os pais, as entidades e organizações
paralelas à escola. A presença da comunidade na escola, especialmente dos pais, tem várias implicações. Prioritariamente, os pais e outros
representantes participam do Conselho de Escola, da Associação de Pais e Mestres (ou organizações correlatas) para preparar o projeto
pedagógico-curricular e acompanhar e avaliar a qualidade dos serviços prestados.

No fragmento acima, Libâneo (2013) cita a importância dos Conselho de Escola e da Associação de Pais e Mestres para a democratização da
educação e o debate sobre os principais problemas da escola e suas possíveis soluções. Tendo em vista este assunto, é correto afirmar que são
atribuições do Conselho Escolar, EXCETO:

a) participar da elaboração do calendário escolar, no que competir à unidade escolar e conforme a legislação vigente
b) convocar assembleias gerais da comunidade escolar ou de seus segmentos
c) promover relações pedagógicas que favoreçam o respeito ao saber do estudante e valorizem a cultura da comunidade local
d) planejar a política relativa ao programa de assistência escolar, bem como orientar e apoiar a iniciativa privada no campo da educação
e) acompanhar a evolução dos indicadores educacionais e propor, quando necessário, intervenções pedagógicas e/ou medidas
socioeducativas visando à melhoria da qualidade social da educação escolar
QUESTÃO 02
No que concerne à organização e à gestão do trabalho escolar, e de acordo com Libâneo (2012), marque a alternativa incorreta.

a) A organização dos sistemas de ensino não possui influências sociais e políticas


b) Todos os envolvidos no processo educacional educam, não são apenas os professores
c) A organização e a gestão da escola correspondem à necessidade de a instituição escolar dispor das condições e dos meios para a realização
de seus objetivos específicos.
d) O professor participa ativamente da organização do trabalho escolar, formando com os demais colegas uma equipe de trabalho,
aprendendo novos saberes e competências, assim como um modo de agir coletivo, em favor da formação dos alunos.
e) O professor está a cargo do principal objetivo da escola: o ensino e a aprendizagem dos alunos.
QUESTÃO 03
Para Libâneo, a organização e os processos de gestão assumem diferentes modalidades, conforme a concepção que se tenha das finalidades
sociais e políticas da educação em relação à sociedade e à formação dos alunos. Situássemos as concepções em uma linha contínua, teríamos
em um extremo a concepção técnico-científica e no outro a sociocrítica.
Coloque 1 para as afirmativas que se referem à concepção técnico-científica e 2 para as que se referem à concepção sociocrítica.

( ) Prevalece uma visão burocrática e tecnicista de escola.


( ) A direção é centralizada em uma pessoa.
( ) A organização escolar é concebida como um sistema que agrega pessoas.
( ) A organização escolar é considerada construção social levada a efeito por professores, alunos, pais e por integrantes da comunidade.
( ) A organização escolar é tomada como uma realidade que funciona racionalmente.
( ) As escolas que operam com esse modelo dão muito peso à estrutura organizacional.
( ) O processo de tomada de decisão dá-se coletivamente.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. ???


AS ÁREAS DE ATUAÇÃO DO SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR – AÇÕES, PROCEDIMENTOS E TÉCNICAS DE COORDENAÇÃO DO
TRABALHO ESCOLAR

- Áreas de atuação do sistema de organização e gestão


1. Planejamento, formulação e execução do Projeto Pedagógico-Curricular
2. Organização e desenvolvimento do currículo
3. Organização e desenvolvimento do ensino
4. Práticas de gestão técnico-administrativas e pedagógico-curriculares
5. Desenvolvimento profissional
6. Avaliação institucional e da aprendizagem
PLANEJAMENTO, FORMULAÇÃO E EXECUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR
Coordenar a formulação, o desenvolvimento e a avaliação do projeto pedagógico-curricular
Apresentar ideias e diretrizes relacionadas aos objetivos, às orientações curriculares e aos planos de ensino
Auxiliar tecnicamente na prática da elaboração do projeto e dos planos de ensino
Acompanhar e avaliar o desenvolvimento do projeto pedagógico-curricular, especialmente as atividades do currículo e do ensino.

ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO


Fornecer elementos para a formulação dos objetivos e do papel da escola em face das necessidades mais gerais da sociedade e das
necessidades locais.
Ajudar na elaboração dos planos de ensino no que se refere aos objetivos por disciplina, à adequação dos conteúdos à realidade concreta da
escola e às necessidades específicas dos alunos.
ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO
Oferecer aos professores capacitação em metodologias e procedimentos específicos de sua matéria, gestão de classe, orientação da
aprendizagem, diagnósticos de dificuldades dos alunos e formas de enfrentá-las, práticas de avaliação da aprendizagem etc.
Fornecer assistência profissional direta aos professores na sala de aula, entre outros meios, pela observação sistemática das aulas realizadas
de comum acordo com os professores; acompanhamento do trabalho em sugestões, aconselhamento, encorajamento, avaliação.
Fornecer apoio na adoção de medidas de pedagogia diferenciadas e de reforço nos domínios das didáticas específicas das disciplinas, e outras
medidas destinadas a melhorar as aprendizagens, de modo a prevenir a exclusão e a promover a inclusão.
Auxiliar os professores na análise e solução de problemas de disciplina, conflitos e de outras situações problemáticas, sugerindo práticas que
facilitem a gestão da classe.
Apoiar diretamente os alunos com dificuldades transitórias nas aprendizagens instrumentais de leitura, escrita e cálculo, par além do tempo
letivo de forma a que mais rapidamente possam integrar-se ao nível da turma.
PRÁTICAS DE GESTÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVAS E PEDAGÓGICO-CURRICULARES
Prestar assistência pedagógico-didática aos professores para se chegar a uma situação ideal de qualidade de ensino, auxiliando-os a conceber,
construir e administrar situações de aprendizagem adequadas às necessidades educacionais dos alunos.
Coordenar a formulação e desenvolvimento do projeto pedagógico e da proposta curricular.
Aplicar procedimentos de liderança democrático-participativa, coordenando o esforço coletivo do grupo de profissionais em função dos
objetivos da escola e assegurando o clima de trabalho necessário.
Responsabilizar-se pela efetivação das atividades de rotina tais como: reuniões pedagógicas, conselhos de classe, escolha de livros didáticos,
provimento do material didático e pedagógico necessário às aulas, definição da organização do tempo escolar e da constituição das turmas.
Criar as condições necessárias para integrar os alunos na vida da escola mediante as atividades para a socialização dos alunos, formas
associativas etc.
Cuidar dos relacionamentos da escola com pais e comunidade, incluindo formas de inserção da escola na comunidade.
DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL (FORMAÇÃO CONTINUADA)
Identificar necessidades de formação dos docentes e promover ações de desenvolvimento profissional por meio de reuniões, encontros de
estudo e de aprimoramento profissional.
Promover momentos de análise e de reflexão sobre as orientações pedagógicas e as práticas docentes em seu contexto concreto, por meio da
troca de experiências e da cooperação entre todos os docentes.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA ESCOLA E DA APRENDIZAGEM


Acompanhar as ações de avaliação da organização escolar, do rendimento escolar dos alunos, e do próprio trabalho de coordenação
pedagógica (procedimentos, resultados, formas de superação de problemas etc.).
Ajudar os professores a diagnosticar dificuldades dos alunos e a formular meios didáticos e técnicos de enfrentá-la.
Indicar critérios e formas de avaliação da aprendizagem que considerem a diferenciação pedagógica dos alunos.
Prover os professores de meios de elaboração de instrumentos e procedimentos de avaliação da aprendizagem
AÇÕES DE COORDENAÇÃO DO TRABALHO ESCOLAR ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA ESCOLA

- Vitor Paro (1998): a) Formação de uma boa equipe de trabalho, em que as pessoas
- Os elementos materiais e conceituais não cumprem sua trabalhem juntos de forma colaborativa e solidária, tendo como meta
comum e a formação e a aprendizagem dos alunos.
função no processo se não estiverem associados ao
esforço humano coletivo; da mesma forma, o esforço b) Construção de uma comunidade democrática de aprendizagem
humano coletivo necessita dos elementos materiais e entre os pedagogos e os professores, de modo que a escola constitua
conceituais para ser aplicado racionalmente. em lugar de aprendizagem para todos.
c) Promoção de ações de formação continuada visando o
- A utilização racional dos recursos coloca o problema da desenvolvimento pessoal e profissional do pessoal docente e dos
competência técnica no interior da escola. Parece não funcionários administrativos.
haver dúvidas de que, para um razoável desempenho d) Instituição de formas de associação e participação dos alunos que
do pessoal escolar, em especial do corpo docente, faz-se possibilitem envolvê-los em processos de solução de problemas e
necessária a posse de um conjunto de conhecimentos, tomadas de decisões.
técnicas e habilidades em níveis e padrões que
e) Implementação de iniciativas e ações visando a presença e o
possibilitem o oferecimento de um ensino de boa envolvimento dos pais na vida da escola.
qualidade a um número maior de alunos. Com igual
razão, as pessoas envolvidas na administração da f) Criação e manutenção de formas de difusão de informações entre
escola deverão exibir uma competência técnica que professores, alunos, pais, funcionários.
deve dizer respeito tanto ao conhecimento da coisa g) Criação e manutenção de práticas comunicativas de modo a
administrada, ou seja, aos aspectos mais propriamente melhorar, sistematicamente as relações interpessoais na escola.
pedagógicos, quanto aos processos, métodos e técnicas h) Estabelecer e aprimorar procedimentos e instrumentos de avaliação
relacionados à atividade administrativa. do sistema escolar, da escola e da aprendizagem dos alunos.
Procedimentos e técnicas

- Em relação aos procedimentos e técnicas


que podem ajudar na viabilização do
trabalho escolar, referentes especialmente à
coordenação pedagógica, apontam-se:

1. Planejamento e elaboração de
projetos

2. Reuniões de professores

3. Entrevistas

4. Observação de aulas

5. Seminários

6. Conselho de Classe
O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO
1. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA: momento de diagnóstico e de formulação do problema. Um problema é uma situação não satisfatória, um
desafio, algo que não anda bem, fazendo-se necessário buscar uma situação mais satisfatória.
2. DETERMINAÇÃO DE NECESSIDADES E OBJETIVOS: O diagnóstico e a definição do problema permitem identificar as necessidades, isto é, o
que precisa ser feito para resolver os problemas? Qual será a situação desejada para resolvê-los? Há recursos físicos, materiais e financeiros
suficientes? Etc. Os objetivos expressam o resultado final desejado, com base nas necessidades e nas viabilidades concretas.
3. LEVANTAMENTO E ESCOLHA DE ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO POSSÍVEIS E COERENTES COM O PROBLEMA: quais soluções melhor se
ajustam ao problema e às necessidades?
4. ORGANIZAÇÃO DO PROJETO: o projeto é um guia para a ação.
5. IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO: implementar significa criar condições, mobilizar esforços para atingir os objetivos previstos, por em ação o
projeto. Leva em conta os aspectos organizacionais e os recursos disponíveis.
6. ACOMPANHAMENTO, AVALIAÇÃO E REALIMENTAÇÃO DO PROJETO: a avaliação é útil, pois permite, através dos resultados, a sua
qualidade e as condições organizacionais e pedagógicas com base nas quais está sendo implantado. O acompanhamento permite ir
controlando as várias fases de implantação.
SUGESTÕES PARA O PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DE REUNIÕES
Escolher o local e verificar as condições físicas e materiais: iluminação, conforto, arejamento, quadro-negro, material didático e audiovisual.
Preparar rigorosamente a reunião: definir objetivos e pauta, local e horário, prevenir-se para perguntas embaraçosas, divergências de opinião
etc.
Programar uma pauta possível de ser cumprida e manter rigorosamente o horário previsto.
Dispor os assentos preferencialmente em círculos.
Não abusar do número de reuniões.

TÉCNICAS DE CONDUÇÃO DA REUNIÃO


Apresentação dos assuntos. Definição bem clara dos assuntos ou problemas.
O coordenador ou alguém do grupo apresenta o problema.
Discussão.
Apresentação de soluções alternativas.
Conclusões.
Delegação de responsabilidades. (Quem fará o quê, quando ...).
RECOMENDAÇÕES ÚTEIS AO COORDENADOR DE REUNIÃO
Apresentar-se na reunião com bastante segurança e confiança.
Apresentar as pessoas, caso o grupo seja novo.
Iniciar a reunião apresentando os assuntos e os objetivos da discussão.
Fazer perguntas iniciais aos participantes.
Pedir esclarecimentos, informações, dados concretos, de modo que se mantenha o clima de debate e se aprofunde mais a discussão.
Assegurar a condução da reunião, mantendo o grupo dentro do assunto.
Após uma rodada de discussão sintetizar os pontos já tratados.
Estimular os participantes a expressar suas opiniões e pontos de vista.
Estar atento para posições ou opiniões “proteladoras”.
Ter paciência para ouvir todos.
Não monopolizar a palavra ou a discussão.
A ENTREVISTA DO COORDENADOR PEDAGÓGICO COM OS PROFESSORES – A entrevista tem por objetivos:
Ajudar os professores a tomarem consciência do seu desempenho e a encontrarem, por si próprios, os caminhos necessários para a melhoria
da sua atuação.
Auxiliar no desenvolvimento de habilidades de analisar, avaliar e interpretar o que se passa consigo e na sala de aula, levando a tornar mais
eficaz a ação docente.
Ouvir o professor sobre suas dificuldades, suas limitações quanto à motivação dos alunos, disciplina, avaliação, metodologia de ensino,
procedimentos etc.
Combinar com o professor a ida do coordenador à sua classe para observação de aula, a partir das dificuldades apontadas.
Análise e interpretação dos dados colhidos durante a observação junto com o professor para verificar pontos fortes e fracos de sua atuação.
Acerto de novas observações, novas discussões, visando a um plano de autoaperfeiçoamento.
FASES DA OBSERVAÇÃO DE SALA DE AULA
a) Definição do que será efetivamente observado, do que vai ser documentado na observação, para servir depois de material de reflexão,
análise e avaliação.
b) Realização de encontros prévios com os professores para combinar as atividades de observação em sala de aula.
c) “Observar” a própria atividade de observação para identificar situações embaraçosas que possam ocorrer na sala de aula envolvendo as
relações professor-aluno ou entre o observador e os professores.
d) Analisar, interpretar e discutir os dados coletados junto com o professor e encaminhar ações corretivas.

Recomendações sobre a observação de aulas como atividade de desenvolvimento profissional

a) O observador precisa ter objetivos muito claros e categorias bem explicitadas sobre os fatos ou comportamentos a serem observados.
b) Os dados coletados e analisados deverão ser discutidos imediatamente com o professor.
c) A presença de um observador na sala de aula sempre produz alguma alteração na dinâmica da aula. O impacto diminuirá se os alunos são
informados com clareza das razões da presença do coordenador.
d) Na observação em sala de aula, com função diagnóstica, é difícil o registro imediato das informações. O coordenador precisa de um tempo
extra.
e) É importante que o coordenador não se influencie indevidamente pelas impressões gerais, negativas ou positivas, que tem do professor
(efeito halo).
f) A observação é, na maioria das vezes, um julgamento de valor e, por isso mesmo, é preciso evitar julgamentos precipitados e
simplificados.
Objetivos do Conselho de Classe

a) Aprimoramento do diagnóstico dos problemas e dificuldades.


b) Obtenção de informações para facilitar o aconselhamento ao aluno.
c) Busca de soluções alternativas para dificuldades que aparecem.
d) Elaboração de programas de recuperação e outras atividades de apoio.
e) Reformulação do plano de ensino (revisão, retomada da matéria etc.)
f) Identificação de progressos e mudanças de comportamento dos alunos.