Você está na página 1de 11

CURSO PREPARATÓRIO CH QAO

DISCIPLINA: HISTÓRIA / SGT GREGÓRIO


MÓDULO I – BRASIL COLÔNIA

Expansão territorial. do Brasil, e neste lamentava que a


colonização portuguesa não penetrava para
o interior do território. Afirmava o frei que os
ASSUNTO: EXPANSÃO TERRITORIAL portugueses permaneciam “arranhando as
DA COLÔNIA costas como caranguejos”.

CONQUISTA E COLONIZAÇÃO

Conforme as estimativas, a
população do Brasil colonial até o final do
século XVI variava entre 70 mil e 100 mil
habitantes, incluindo-se, nesses cálculos
colonos e grupos indígenas em contato com
os colonizadores. A maior parte dessa
população concentrava-se nas áreas
próximas ao litoral, avançando pouco para o
interior do continente. Essa interiorização
será iniciada apenas no século XVII por
diversos agentes, tais como os participantes
das entradas e bandeiras, os missionários Fonte:
http://memoriarimacomhistoria.blogspot.com.br/
no trabalho de catequese indígena, e pelo 2010_04_01_archive.html
avanço da pecuária.

A INTERIORIZAÇÃO DA OCUPAÇÃO DO
OCUPAÇÃO DO LITORAL TERRITÓRIO
No século XVI, a população do Brasil A partir da metade do século XVII a
colonial espalhava-se de forma descontínua ocupação em direção ao interior do território
pela costa brasileira. Apenas a vila de São e para o litoral norte, dos atuais Rio Grande
Paulo representava uma exceção a essa do Norte ao Amapá, ganhou força.
ocupação, por estar situada mais no interior
do território.
Em 1627, o frei Vicente do Salvador
escrevia o primeiro compêndio da História
1

Sgt GREGÓRIO
 Missionários: fundaram aldeamentos
para catequizar os indígenas e explorar
economicamente as riquezas naturais do
sertão;

 Criadores de gado: tiveram seus


rebanhos e fazendas “empurrados” para
o interior do território.

EXPEDIÇÕES MILITARES

Desde o início da colonização, a


administração colonial organizou várias
expedições militares com o objetivo de
ocupar e defender o território brasileiro da
ameaça de invasores, principalmente
franceses, mas também outros, como
depois da União Ibérica, os espanhóis.
Essa expansão, portanto, pode ser
denominada de expansão oficial por ser
patrocinada por recursos da Coroa
portuguesa.
Dessa forma ocorreu a ocupação do
norte e de nordeste da colônia, na
Fonte: expansão iniciada no final do século XVI.
http://memoriarimacomhistoria.blogspot.com.br/
2010_04_01_archive.html

AVANÇO PARA O NORTE-NORDESTE

Lutando contra invasores europeus,


A conquista e a ocupação do interior
principalmente franceses que tentavam se
do território do Brasil colonial foi o resultado
estabelecer no litoral brasileiro, e contra
de diferentes grupos, destacando-se como
grupos indígenas que resistiam à ocupação
principais agentes da interiorização da
portuguesa, os luso-brasileiros foram
ocupação os seguintes:
construindo fortificações no litoral, que
 Expedições militares: patrocinadas pelo deram origem a importantes cidades, tais
governo para expulsar invasores como:
europeus do território;
 Filipeia de Nossa Senhora das Neves
 Bandeirantes: percorriam o sertão (1584) – atual cidade de João Pessoa;
aprisionando indígenas e escravos
 Forte dos Reis Magos (1597) – atual
africanos fugidos, ou ainda procurando
cidade de Natal;
metais preciosos;

Sgt GREGÓRIO
 Nossa Senhora do Amparo (1613) – aquele que era responsável por sua
atual cidade de Fortaleza; organização e comando era chamado de
armador.
 Forte do Presépio (1616) – atual cidade
de Belém.
TIPOS DE BANDEIRISMO
AVANÇO PARA O OESTE-SUDOESTE Houve três tipos básicos de
Na segunda metade do século XVIII, bandeiras:
a administração colonial passou a  Apresador: dedicava-se à captura de
direcionar as expedições militares para o indígenas para vendê-los como escravos;
oeste e sudoeste. De modo geral, essas
expedições não respeitavam o Tratado de  Sertanismo de contrato: dedicava-se
Tordesilhas. ao combate de rebeliões indígenas e à
captura de escravos negros fugidos,
prestando serviço à classe dominante da
BANDEIRISMO colônia;

Desde o início da colonização  Prospector: dedicava-se à procura de


existiram também as expedições oficiais metais preciosos.
de caráter não-militar, realizadas por
portugueses ou outros exploradores, mas
também financiadas pela Coroa. Tais
expedições buscavam ouro e outros
recursos de interesse econômico no
território colonial.
Essas expedições foram chamadas
de entradas, e a primeira foi,
provavelmente, a expedição de
reconhecimento de Cabo Frio, comandada
por Américo Vespúcio, em 1504.
A partir do século XVII, além das
entradas, organizadas pela administração
colonial, eram organizadas expedições
organizadas e financiadas por particulares, Fonte: http://emilie8a.blogspot.com.br/
chamadas bandeiras.
A maioria das bandeiras partiu de
São Paulo em direção ao interior do  BANDEIRAS DE APRESAMENTO
território. Os bandeirantes entravam no
sertão em busca de indígenas, escravos As bandeiras que se dedicavam ao
africanos e riquezas, ultrapassando, na apresamento de indígenas partiam
maioria das vezes a linha de Tordesilhas. geralmente da vila de São Paulo, assim
Essas bandeiras eram formadas por como as bandeiras de prospecção.
indivíduos brancos, mestiços e indígenas, e
3

Sgt GREGÓRIO
A concentração do bandeirismo responsáveis pelo apresamento e massacre
nessa região está relacionada ao declínio de milhares de indígenas.
da economia açucareira, quando, fugindo Em reação aos constantes ataques
da miséria e buscando alternativas de dos bandeirantes, os jesuítas conseguiram
sobrevivência, grande parte da população autorização da Coroa espanhola para armar
da vila de São Vicente mudou-se para São os indígenas das missões com armas de
Paulo, dedicando-se à captura de indígenas fogo para defendê-las.
para sua venda como escravos na região.
Os “negros da terra” eram forçados a  SERTANISMO DE CONTRATO
trabalhar nas lavouras e como “índios de Estas bandeiras partiam geralmente
carga”, transportando as mercadorias que de Salvador, Recife e Olinda, e foram
circulavam entre o litoral e o planalto. empreendidas, principalmente, após a
Entre os diversos métodos utilizados expulsão dos holandeses do Brasil, quando
para a obtenção de escravos indígenas se o tráfico de escravos africanos foi
destacava as que simulavam as condições reorganizado e a escravidão indígena
da “guerra justa”, conduzida contra grupos perdeu força.
indígenas que resistiam à colonização Diversas autoridades coloniais,
portuguesa, utilizada para capturar senhores de engenho e grandes
indígenas legalmente (apresamento). pecuaristas passaram a contratar os
As bandeiras de apresamento serviços dos bandeirantes como “braço
tornaram-se um grande negócio no armado” em situações específicas, como
período do domínio holandês (1637- reprimir rebeliões de grupos indígenas ou
1654), tendo em vista que os holandeses capturar escravos fugidos, principalmente
haviam ocupado algumas áreas contra os escravos reunidos em quilombos.
portuguesas na África fornecedoras de Dessa forma, os bandeirantes foram
escravos, desmontando o tráfico de responsáveis pelo massacre de milhares de
escravos feito pelos portugueses e indígenas, despovoando grandes áreas no
permitindo a entrada destes escravos interior do território, das quais muitas foram
apenas nas áreas sob domínio holandês. ocupadas posteriormente por fazendas de
Desse modo, faltavam escravos para gado.
outras áreas produtivas da colônia, que Nessa atividade, o bandeirante que
passaram a suprir tal carência de mão-de- mais se destacou foi Domingos Jorge Velho
obra com os escravos indígenas capturados que comandou a expedição que destruiu o
pelas bandeiras de apresamento. Quilombo dos Palmares em 1694.
Os bandeirantes paulistas, até a
metade do século XVII, empreenderam  BANDEIRAS DE PROSPECÇÃO
muitos ataques aos aldeamentos fundados
Na segunda metade do século XVII,
pelos jesuítas espanhóis ao longo dos rios
como a caça ao indígena já não era tão
Paraguai e Paraná, por ser considerada
lucrativa, empreendeu-se, além do
uma tarefa mais fácil e os índios já
sertanismo de contrato, as bandeiras de
possuírem conhecimentos que aumentavam
prospecção.
seu valor no mercado. Nessas expedições
Animados com as pequenas
destacaram-se os chefes bandeirantes
quantidades de ouro encontradas no início
Raposo Tavares e Manoel Preto,
4

Sgt GREGÓRIO
do século XVII em regiões das atuais Ordem Jesuítica, fundada na Espanha por
cidades de São Paulo, Curitiba e Inácio de Loyola em 1534. Inspirada na
Paranaguá, os bandeirantes decidiram organização militar, entre seus objetivos
entrar pelos sertões em busca de jazidas estava deter o avanço do Protestantismo e
mais abundantes. a divulgação da fé Católica pelo mundo. O
Com esse objetivo, a bandeira primeiro grupo de jesuítas desembarcou no
liderada por Fernão Dias Paes, que partiu Brasil em 1549, na Baía de Todos os
de São Paulo em 1674 em direção ao Santos, junto com o primeiro governador-
interior do atual estado de Minas Gerais, geral do Brasil, Tomé de Souza, e eram
passou sete anos explorando o sertão chefiados por Manoel da Nóbrega.
mineiro e só encontrou pedras de turmalina. Atribuindo-se o papel de “soldados
O caminho percorrido por essa do catolicismo”, usavam como arma a
bandeira foi seguido depois por outros catequese, que vão realizar desde o
bandeirantes, que encontraram outro em primeiro momento, dedicando-se,
Minas Gerais no final do século XVII. principalmente, à catequização dos
Entre os principais bandeirantes que indígenas combatendo, para isso, os
participaram das descobertas de jazidas de costumes e tradições que se chocavam
ouro no Brasil, destacam-se: com o cristianismo, como a antropofagia, a
poligamia, a nudez e a crença em seus
 Antônio Rodrigo Arzão – descobriu rituais tradicionais.
ouro em Minas Gerais, por volta de 1693; Os jesuítas vão fundar ainda diversos
 Pascoal Moreira Cabral – descobriu colégios pelo Brasil, com o objetivo de
ouro em Mato Grosso, por volta de 1719; manter a boa prática católica entre os
colonos, em Salvador, São Paulo, Rio de
 Bartolomeu Bueno da Silva – descobriu Janeiro e Pernambuco.
ouro em Goiás, por volta de 1725. Para a tarefa de catequização
indígena, os jesuítas obtiveram da
Com a expansão das áreas de administração colonial a concessão de
mineração no século XVIII, em áreas de sesmarias (lotes de terra) onde foram
Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás, surgiu construídos aldeamentos (ou missões) que
a necessidade de abastecimento dessas reuniam os indígenas.
regiões onde a maioria das pessoas se À medida que os grupos indígenas
dedicavam exclusivamente à mineração, afastavam-se do litoral, fugindo das
surgindo então um tipo de expedição, invasões de suas terras pelos colonos, os
denominadas monções, que abasteciam de jesuítas também seguiam para o interior do
alimentos, roupas e outros produtos as território, fundando, entre os séculos XVII e
regiões mineradoras, principalmente Goiás XVIII, aldeamentos na Amazônia e em
e Mato Grosso, áreas mais interiorizadas. áreas que atualmente correspondem ao sul
e ao sudeste do Brasil, ou seja, esse
trabalho de catequese exigia a penetração
MISSÕES JESUÍTICAS para o interior.
Nos aldeamentos, ocorria a
Os jesuítas eram sacerdotes aculturação dos indígenas, com o
pertencentes à Companhia de Jesus ou aprendizado da língua portuguesa, da
5

Sgt GREGÓRIO
doutrina católica, alguns ofícios e os Sem condições de pagar os altos
costumes da cultura europeia. preços cobrados pelos escravos africanos,
Por tais motivos as missões os senhores de engenho da região
jesuíticas tornaram-se os alvos prediletos organizaram tropas para invadir os
das bandeiras de apresamento, pois era aldeamentos e capturar indígenas para o
onde se encontrava o índio ladino, ou seja, trabalho escravo nas propriedades.
conhecedor de ofícios que interessavam Essa atitude resultou em muitos
aos compradores de escravos. protestos dos jesuítas junto à Coroa, que
interveio e reeditou normas que proibiam a
escravização dos indígenas dos
aldeamentos.
Para suprir a capitania com mão-de-
obra, o governo português criou, em 1682,
a Companhia Geral de Comércio do Estado
do Maranhão, com o objetivo de introduzir
500 escravos africanos por ano na região
pelo período de 20 anos. Objetivo que a
Companhia não conseguiu cumprir,
Fonte: agravando a crise de mão-de-obra e
http://parahistorico.blogspot.com.br/2009/02/expl
oradores-e-fundacao-de-belem.html
aumentando o descontentamento dos
colonos.
Um grupo de senhores de engenho
REVOLTA DE BECKMAN maranhenses, liderados por Manuel
Beckman, organizou um movimento para
Muitos colonos queriam capturar e
acabar com a Companhia de Comércio e
escravizar os indígenas para serem
com a influência dos jesuítas. Queriam
utilizados como mão-de-obra, contrariando
também autorização da Coroa para
os jesuítas, que defendiam sua
escravizar os indígenas.
“aculturação” e permanência nas missões.
Eclodindo na noite de 24 de fevereiro
Essas divergências geraram uma série de
de 1684, a rebelião destruiu os armazéns
conflitos, entre os quais a Revolta de
da Companhia de Comércio e a escola dos
Beckman.
jesuítas foi invadida e os sacerdotes foram
Na época da União Ibérica (1580-
expulsos do Maranhão.
1640), os jesuítas conseguiram da
Constituindo um governo provisório,
metrópole a edição de normas que proibiam
os rebeldes encarregaram o irmão de
o ataque e a escravização dos indígenas,
Manuel Beckman, Tomás, de ir a Lisboa
“protegendo” os indígenas dos colonos,
expor a situação ao rei de Portugal.
embora eles os explorassem à sua maneira.
Entretanto, ao tomar conhecimento dos
A partir de 1650, porém, a capitania
acontecimentos, o rei não aceitou a atitude
do Maranhão entra em um processo de
dos revoltosos, ordenando a prisão de
grave crise econômica, provocada pela
Tomás Beckman e enviando ao Maranhão
queda do preço do açúcar no mercado
um novo governador, Gomes Freire de
internacional.
Andrade, que chegando, em 1685, ao
Maranhão, mandou enforcar Manuel
6

Sgt GREGÓRIO
Beckman e outros dois líderes do produção açucareira, muito lucrativa para a
movimento. metrópole, empurrando o gado para o
Apesar da reação severa, a sertão.
metrópole mudou sua política na região: Essa atitude da administração forçou
autorizou o retorno dos jesuítas ao os pecuaristas a instalarem suas fazendas
Maranhão; extinguiu a Companhia de de gado no interior do território, em áreas
Comércio; e a escravização de indígenas que eram propicias à produção da
realizada por tropas de resgate foi monocultura exportadora.
autorizada. Por tal motivo, no período colonial, a
pecuária desenvolveu-se principalmente na
Os jesuítas foram expulsos caatinga do nordeste e nas campinas do
definitivamente do Brasil, e de Portugal, em sul, áreas pouco ocupadas antes da
1759 pela administração do primeiro expansão dessa atividade, e desempenhou
ministro português na época, o Marquês de importante papel na conquista e ocupação
Pombal. A ordem religiosa só retornaria ao portuguesa do vasto território brasileiro.
Brasil em 1842, no Segundo Reinado.

O GADO NO NORDESTE
PECUÁRIA
O nordeste é a área mais antiga de
A pecuária desempenhou papel criação de gado no Brasil, com a pecuária
importante na economia colonial, pois além avançando em direção ao sertão, seguindo,
de abastecer a população com carne e geralmente, o curso dos rios, principalmente
couro, o gado servia também como força o Rio São Francisco, que recebeu a
motriz e meio de transporte. instalação de inúmeras fazendas, ficando
Além desses aspectos, outro que conhecido como “Rio dos Currais”. Mais
tornava a pecuária uma atividade diferente ao norte a criação de gado encontrou o Rio
das principais atividades econômicas Parnaíba, onde mais tarde se formou o
desenvolvidas no Brasil colônia era que ela Piauí.
tinha como finalidade, basicamente, atender Inicialmente, nessa região, a
ao mercado interno, e seus lucros ficavam pecuária tinha como finalidade fornecer
na colônia. carne para a população e ser utilizada como
Com essas características, a força motriz nas moendas dos engenhos de
pecuária não se enquadrava plenamente açúcar. Posteriormente, com a exploração
nas regras do sistema colonial mercantilista, do ouro, a criação de gado passou a
por esse motivo sendo pouco incentivada atender também a demanda das regiões
pela metrópole. De sua produção, apenas mineradoras, ampliando seu mercado.
uma parte do couro era exportado. Além A expansão das fazendas de gado
disso a criação implementada no Brasil foi pelo interior nordestino fez-se, em muitos
extensiva. casos, por meio da invasão e ocupação de
A administração colonial portuguesa territórios de povos indígenas. Como alguns
chegou a proibir, em 1701, a criação de desses grupos resistiram a essa expansão,
gado em faixa de 80 quilômetros a partir da houve muitos conflitos com os colonos.
costa, com o objetivo de incentivar a
7

Sgt GREGÓRIO
O declínio da pecuária no nordeste na Amazônia, e destaque para a
teve início em meados do século XVIII, produção de subsistência em São
devido à concorrência da produção de Vicente.
Minas Gerais, que passou a abastecer as
zonas mineradoras. Os ciclos de secas de  Tabaco – produzido principalmente na
1791 e 1793 desferiram o golpe final na já Bahia e utilizado no escambo de
decadente criação de gado nordestina. escravos africanos e pelos segmentos
mais baixos da sociedade.

 Algodão – produção no Maranhão a


PECUÁRIA NO SUL partir da segunda metade do século
Nas campinas do sul do Brasil a XVIII, controlada pela metrópole, visando
pecuária encontrou condições geográficas a exportação.
favoráveis para o seu desenvolvimento,  Aguardente – visava principalmente o
com a criação de gado tornando-se a única escambo de escravos africanos.
atividade econômica importante na região
no período colonial, o que fez florescer no  Extrativismo – realizado principalmente
sul uma sociedade tipicamente pastoril. na Amazônia com a coleta das
Até o fim do século XVIII, a principal chamadas Drogas do Sertão e com a
atividade relacionada a pecuária no sul foi a pesca. Essa coleta era realizada pelos
produção de couro, com a carne do gado índios, geralmente sob coordenação de
sendo desperdiçada, tendo em vista não missionários.
haver população suficiente para consumi-la.
Esse gado era oriundo das missões
jesuíticas espanholas desarticuladas e vivia
solto no campo.
Esse gado bravo passou a ser criado
nas grandes propriedades, as estâncias, e
por volta de 1780 surgiu na região a
indústria do charque e do couro, o que
abriu novas possibilidades ao comércio da
carne. Essa indústria desenvolveu-se
rapidamente impulsionado pelo crescente
consumo nas regiões mineradoras. Além
disso, cresceu também o comércio de
mulas, nas feiras de Sorocaba, em São
Paulo.

ATIVIDADES ECONÔMICAS COLONIAIS Fonte: ALBUQUERQUE, Manoel Maurício;


REIS, Arthur Cézar Ferreira; CARVALHO,
SECUNDÁRIAS Carlos Delgado de. Atlas histórico escolar. 7.
ed. Rio de Janeiro: FENAME, 1977.
 Agricultura de subsistência –
principalmente mandioca nos engenhos e

Sgt GREGÓRIO
TRATADOS E FRONTEIRAS situação, os portugueses não entregaram
a Colônia do Sacramento aos espanhóis.
A colonização portuguesa não
respeitou o Tratado de Tordesilhas,  Tratado de El Pardo (1761) – anulava o
expandindo as fronteiras do Brasil, pela Tratado de Madri e a Colônia do
atuação dos criadores de gado, Sacramento voltava para o domínio
bandeirantes, jesuítas, entre outros. Os português, e os sete povos para o
espanhóis também descumpriram o tratado domínio espanhol.
invadindo colônias portuguesas no Oriente,
como as ilhas Filipinas.  Tratado de Santo Ildefonso (1777) –
Dessa forma, era necessário estabelecia que os espanhóis ficariam
renegociar e fixar as novas fronteiras com a Colônia do Sacramento e a região
coloniais na América. Assim, Portugal dos Sete Povos das Missões, mas
assinou vários tratados fronteiriços, a partir devolveriam aos portugueses terras que,
do século XVIII, principalmente com os nesse período, haviam ocupado ao sul
espanhóis, mas também com franceses, do Brasil. Foi considerado prejudicial aos
dos quais se pode destacar: interesses portugueses.

 Tratados de Utrecht (1713 e 1715) - o  Tratado de Badajós (1801) –


primeiro desses tratados, assinado entre estabelecia que a região dos Sete Povos
representantes de Portugal e da França, das Missões ficaria com Portugal e que a
estabelecia o rio Oiapoque, no extremo Colônia de Sacramento seria da
norte da colônia, como limite entre o Espanha. Depois de muitas lutas,
Brasil e a Guiana Francesa. O segundo confirmaram-se as fronteiras que haviam
procurava resolver as divergências entre sido definidas pelo Tratado de Madri.
Portugal e Espanha quanto aos limites de
seus domínios do sul da América.
Estabelecia ainda que a Colônia do
Sacramento, fundado por Portugal,
pertenceria aos portugueses.

 Tratado de Madri (1750) – estabelecia


que portugueses e espanhóis ficariam
com as terras por eles já ocupadas. Além
disso, a Colônia do Sacramento
pertenceria aos espanhóis, e a região
dos Sete Povos das Missões pertenceria Fonte:
aos portugueses. O tratado não pôde ser http://fichasmarra.wordpress.com/2010/03/17/hist
cumprido, pois jesuítas e indígenas oria-do-brasil-em-mapas/
guaranis dos aldeamentos dos Sete
Povos das Missões não aceitaram o
controle português. Houve a violenta
Guerra Guaranítica (1754-1767) contra o
domínio português, e, diante dessa

Sgt GREGÓRIO
EXERCÍCIOS EM SALA

01. (EsFCEx-1999) Sobre a formação 03. (FATEC) Bandeiras eram:


histórica do Território Brasileiro, pode-se
afirmar: a) expedições de portugueses que atraíam
as tribos indígenas para serem
I - A criação de gado foi importante para o catequizadas pelos jesuítas;
povoamento do interior da Bahia, do
Nordeste e do Sul do Brasil. b) expedições organizadas pela Coroa com
o objetivo de conquistar as áreas litorâneas
II - A ocupação da Amazônia contou com a e ribeirinhas do país;
fixação dos militares, apresadores de índios
e jesuítas. c) expedições particulares que
aprisionavam índios e buscavam metais e
III - As drogas do sertão foram importantes pedras preciosas;
para a conquista do Nordeste e do Sudeste
Brasileiro. d) movimentos catequistas liderados pelos
jesuítas e que pretendiam formar uma
Assinale a opção correta: nação indígena cristã;
a) apenas as afirmativas I e II são
verdadeiras. e) expedições financiadas pela Coroa cujo
objetivo era exclusivamente descobrir
b) as afirmativas I, II e III são falsas. metais e pedras preciosas.

c) as afirmativas I, II e III são verdadeiras.


d) apenas as afirmativas II e III são
verdadeiras.
04. (UCSAL) A atual configuração do
e) apenas a afirmativa III é verdadeira. território brasileiro foi definida em suas
linhas gerais, na época do marquês de
Pombal, pelo Tratado de:
02. (FUVEST) No século XVII, contribuíram a) Lisboa
para a penetração do interior brasileiro:
b) Madri
a) o desenvolvimento da cultura da cana-
de-açúcar e a cultura de algodão; c) Utrecht

b) o apresamento de indígenas e a procura d) Tordesilhas


de riquezas minerais; e) Badajós
c) a necessidade de defesa e o controle aos
franceses;
d) o fim do domínio espanhol e a
restauração da monarquia portuguesa;
e) a Guerra dos Emboabas e a
transferência da capital da colônia para o
Rio de Janeiro.

10

Sgt GREGÓRIO
05. (EsFCEx-2001) Sobre os fatos Com base na análise, assinale alternativa
preponderantes do Brasil Colônia em seus correta.
aspectos históricos, geográficos e
econômicos, analise as afirmativas abaixo: a) Somente I está correta.

I – Aos jesuítas coube a catequese apenas b) Somente II e IV estão corretas.


nas áreas tradicionais, Bahia e São Vicente.
c) Somente III e IV estão corretas.
II – O sistema de capitanias garantiu a
d) Somente I, II e III estão corretas.
Coroa Portuguesa a posse do longo litoral
brasileiros. e) Todas estão corretas.
III – As missões jesuíticas foram restritas à
América Colonial Portuguesa.
IV – O bandeirantismo preador de índios e
07. (Cesgranrio-RJ) A formação do território
prospector de metais concorreu para a
brasileiro no período colonial resultou de
expansão interior.
vários movimentos expansionistas e foi
Com base na análise, assinale a alternativa consolidada por tratados no século XVIII.
correta:
Assinale a opção que relaciona
a) I. corretamente os movimentos de expansão
com um dos Tratados de Limites.
b) II e IV.
a) A expansão da fronteira norte,
c) III e IV.
impulsionada pela descoberta de minas de
d) I, II e III. ouro, foi consolidada no tratado de Utrecht.

e) todas. b) A região missioneira do sul constituiu um


caso à parte, só resolvido a favor de
Portugal com a extinção da Companhia de
Jesus.
06. (EsFCEx-2002) Sobre o Bandeirantismo
no Brasil, analise as afirmativas abaixo. c) O Tratado de Madri revogou o de
Tordesilhas e deu ao território brasileiro
I – Foi um movimento histórico sem maiores conformação semelhante à atual.
conseqüências, inclusive no que diz
respeito à nossa expansão territorial. d) O Tratado do Pardo garantiu a Portugal o
controle da região das missões e do rio da
II – Os Bandeirantes com sua penetração Prata.
impuseram o idioma português no trato
civil e doméstico. e) Os tratados de Santo Ildefonso e Badajós
consolidaram o domínio português no sul,
III – Deve-se aos Bandeirantes, mais do passando a incluir a região platina.
que ao indígena, nossa riqueza
extraordinária de topônimos de
procedência tupi.
IV – Este movimento foi responsável pelo
sistema, quase matriarcal, a que ficavam
sujeitas as crianças em São Paulo.

11

Sgt GREGÓRIO