Você está na página 1de 210

FERNANDO A.

NOVAIS

Portugal e Brasil
na Crise do Antigo Sistema Colonial
(1777 -1808)

Quinta edição

EDITORA HUClTEC
São Paulo, 1989
lEl Direitos autorais 1979 de Fernando A. Novais. Direitos de publicação reservados pela Editora
de Humanismo, Ciência eTccnologi2 ""ucitcc" I.tda.., Rua Geórgia, SI -04559 São Paulo, Brasil.
Telefone, (011)241-0858.

ISBN 85-271-0126-2
Foi feito o depósito legal.

I' edição: 1979 Para


2" edição: 1981 HORIETA,
I" reimpressã.o: 1983
3" edição: 1985 LUÍS FERNANDO
4' edição: 1986 e
5' edição: 1989 ANA LÚCIA
PREFAcIO

Este livro é, com alguns acréscimos, correções e revisões, a tese


com que obtivemos o doutoramento na Universidade de São Pau/o.
em 1973. De então para cá/oi se tornando cada vez mais difícil pre-
parar o texto para li edição, em que pesassem as solicitações de cole-
gas e amigos. Não tendo preparado a edição logo após a defesa, 011-
tro.s afazeres foram ocupando nossas atividades, leituras de vária or-
dem colocavam novos problemas, e as dificuldades cresciam. Tendo
publicado em separado, o segundo caPítulo (Cadernos CEBRAP, n.
17), a análise ali proposta logrou boa acolhida entre os estudiosos, e
mesmo provocou debates. Novos trabalhos iam saindo, em que se
abordavam, sejam questões particulares, sejam os problemas mais
gerais aqui tratados, o que dificultava sobremaneira situar-se em fa-
ce da produção corrente nesses domínios. Resolvendo-nos agora a
dar O trabalho li luz da puhlicldade não escondem~ uma certa insa-
tisfação com a forma que assumiu, mas consolamo-nos com o fato de
que tal sentimento deve ser comum entre os autores, e mesmo neces-
sário, no sentido de que é próprio das tarefas intelectuais. Tal insa-
tisfação não significa, é claro, que não estejamos convencidos das
idéias e interpretações aqui veiculadas; poderiam, sim, ter sido me-
lhor expostas, talvez mais seguramente defendidas - mas isso senil
um nunca acabar.,.
Revendo agora o texto no conjunto, não nos podemos furtar 'de
transcrever a «nota de agradecimentos» que então redigimos:
«Foram tantas as pessoas que de uma ou outra forma nos estimula-
ram e ajudaram a realizar este trabalho, que nosso temor ao redigir
esta nota de agradecimentos é de avolumar ainda mais este já espesso
tomo, ou de cometer omissões imperdoáveis,
Nosso primeiro agradecimento vai naturalmente para o Professor
Eduardo d'Oliveira França, catedrático de História Moderna e Con-

IX
temporânea da Universidade de São Paulo, de quem continuamos Nos anos decomdos, a roda da história não parou: Francisco FaI-
assistentes, orientador desta tese, ~ rião só pelo apoio e estímulo con, José Jobson, Arnaldo Contier ultimaram e apresentaram suas
constantes, como também pelo exercício do terrível espírito crítico pesquisas, agora também em fase de publicação; o término da dita-
com que nos obrigou a repensar a cada passo nossas idéias, e, ainda, dura em Portugal permitiu enfim que os Barradas regressassem à pá-
pela inesgotável paciência com que tolerou nosso atraso de longos tria. Joaquim Bamulas de Carvalho terminou também seu alentado
anos. Igualmente aos nossos colegas da cadeira, mas dentre eles nos estudo sobre a especificidade do Renascimento português, tão lon-
acompanhou mais de perto o Professor José Jobson de Andrade Ar- gamente trabalhado. Ampliamos nossas expenencias em contactos
ruda, sobretudo depois que se pôs a trabalhar, digo melhor, a bata- com as universIdades amencanas, pudemos voltar à Europa, e rever
lhar fun'osamente com as balanças de comércio do final do século Portugal, transfigurado pela revolução.
XVIII. Ao rol dos agradecimentos, cumpre ainda acrescentar nosso reco-
Ao contrán'o de muitos que vivem reclamando de btbliotecas e ar- nhecimento à banca examinadora (professores Franctsco Iglésias,
quivos, fomos sempre muito bem recebidos nessas instituições, on- Juarez Brandão Lopes, Luiz Pereira, Sônia Siqueira, Eduardo d'Oli-
de nunca nos faltou apoio, pelo que agradecemos a diretores e fun- veira França) pela atenção dispensada ao nosso trabalho, e pelas críti-
cionán'os; mas queremos destacar, no Museu Paulista, nossa colega ~as feitas; na medida do possível procuramos incorporar suas suges-
Maria José Elias. Especial gratidão devemos ao pro! Antonio Galvão tões. Na revisão final, pudemos contar com o exemplar, densamente
Novais, da Escola Poft'técnica, que não só pôs a nosso serviço sua má- anotado, de Juarez, o que foi uma expenenCla gratifiCante.
gica régua-de-cálculo, como nos sugen'u tabelas e gráficos, que au- A tarefa de revisão e preparo da edição definitiva, contudo, não
mentavam depois o seu trabalho para nos ajudar; de nossa parte, lía- pode enveredar por todas as sendas abertas pelos comentános, críti-
mos os seus escn'tos na área da dramaturgia, o que era muito agnldá- cas, ou pelas novas publicações. O segundo caPítulo, sobretudo,
ve/. abre um leque tão grande de questões, que toma impossível seu de-
Nossos agradecimentos se estendem para CamPinas, aos nossos senvolvimento sem desequtlibrar o livro; reservamo-nos, por isso,
colegas da Unicamp, especialmente os economistas João Manuel para retomar a temática em outros trabalhos. As razoes de termo-nos
Cardoso de Mello e Luis Gonzaga de Mello Belluzzo; para o R,'o de decidido a uma análise global do sistema de colonização mercanttlis-
Janeiro, a Francisco Falcon, que também se debate com o século ta ficam explicitadas na introdução e no corpo geral do trabalho. As-
XVIII e o mercanttlismo; até para Paris, onde estão, ainda temerosos sim, com leves retoques, mantivemos o texto; se indicamos em nota
que não chegássemos ao cabo da tarefa, Marganda e Joaquim Barra- os trabalhos de Ciro Flamanon Cardoso, sobre o escravismo, não foi
das de Carvalho. Nunca esqueceremos que foi graças a este trabalho possível discutir, aqut; o trabalho mais recente de Jacob Gorender.
que descobrimos, em Lisboa, a amizade de Joel Sem/o. Igualmente vai indicado, mais para informação do leitor, o livro al-
Como atrasamos muito, os amigos se inquietavam com os prazos, tamente sugestivo de I. Wallerstein, mas prefen'mos não discutir as
e aumentava o número dos que tentavam ajudar; nem todos tiveram posições de P. Anderson sobre o absolutismo, igualmente dignas de
chance, mas lhes somos igualmente gratos. Nossos familiares nos cer- um exame em profundIdade. Não mencionamos, também, traba-
cavam com calorosa expectativa. Somos particularmente sensíveis à lhos de colegas nossos que já vinham trabalhando contemporanea-
ajuda que, no calor da hora final, recebemos de nosso colega Arnal- mente conosco, e que ultimaram depois suas pesquisas, tendo já ci-
do Contier. A biblt'otecána Hermima Muzanek cometeu a proeza, tado nossa obra em exemplar mimeografado: tais os trabalhos de
aparentemente impossível, de datilografar todas essas páginas num Francisco Falcon (politica econômica e mercamilismo ilustrado, a
prazo mcrívelmente curto. Finalmente, but not ihe least, minha época pombalina, 1975), IstvánJancsã (Comradições, tensões, con-
mulher Hon'eta acompanhou todos os passos dessa caminhada. flito: a inconfidência baiana de 1798, 1975) e de João Manuel Car-
Todos contribuiram para as eventuais qualIdades que este traba- doso de Mello (O Capitalismo tardio, contribuição à revisio crítica
lho possa ter; pelas deficiências que certamente terá, o Autor é o da formação e desenvolvimento da economia brasileira, 1975) ~ to-
único responsável. São Paulo, 29 de Dezembro de 1972.» dos em curso de publIcação. No mais, procuramos, até onde iam
x Xl
nossas forças, atualizar a pesquisa até as t:ltimas publicações; mas é
claro que sempre será possivel identificar omissões, pois se a arte é
longa, como diziam os antigos, a vicia é breve.
Omissões também de muitas pessoas (amigos, parentes, colegas,
alunos), que, de tantos, fica difictl enumerar; mas que nos estimula-
ram permanentemente a ultimar o trabalho - sua solicitude, às ve- SUMÁRIO
zes, nos pesava como responsabilIdade de co"esponder à expectati-
va. Agora, uma sensação de alívio nos envolve ao nos hberiarmos INTRODUÇÃO. 3
desse compromisso, para enveredar por outros caminhos. Pela longa Capítulo I - POÚTICA DE NEUTRALIDADE. 17
demora, tudo quanto podemos apresentar, à guisa de justificativa, é
relembrar a frase de lI. Borges, no final do prefácio da sua incrível 1. Portugal nas relações internacionaIs na Época Moderna. 17
Historia Universal de la infamia: «Leer, por lo pronto, es una activi- 2. Concorrência colonial e teosões internacionaIs. 32
dad posterior a la de escribir:más resignada, más ci1,tI, más intelec- 3 . Tensões e crise 43
tual». Capítulo IJ- A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL.

São Paulo, 23/11/1978. 1. Estrutura e Dinâmica do Sistema. 57


a) A Colonização como Sistema. 57
FERNANDO A. NOVAIS b) O «exclusivo» metropolitano. . ....................... . 72
c) Escravidão e tráfico negreiro ............. . 92
2. A crise do coIonialismo mercantilista. 106

CapítuloIlI - OS PROBLEMAS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. 117

1. Manifestações da crise ............................ . 117


2. Defesa do paaimôruo . 136
3. Preservação do «exclusivo•............ 174
4. ASSImilação dos estímulos. 198

Capítulo IV - POÚTICA COIDNIAL. . .. 213

1. Formulação 213
2. Execução ........... . 239
a) diretrizes da política comerCIal. 240
b) incentivo à produção. . .................. 254
c) teares e forjas 268
3. Resultados. 28'
a) êxitos. 287
b) frustrações. 294

CONCLUSÕES. . ..... 299


TABELAS E GRÁfICOS. 30'
FONTES E BIBLIOGRAFIA. 393

XII
XIII
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.

Valeu a pena? Tudo vale a pena


Se a alma não é pequena.

FERNANDO PESSOA - ,Mar Português>.


INTRODUÇÃO

Nos quadros da civilização ocidental, o fim do século XVIII e o


início do XIX aparecem como um desses momentos tormentosos e
fecundos em que se acelera significativamente o tempo histórico: o
movimento revolucionário promove a demolição progressiva do An-
tigo Regime e a construção das novas instituições do Estado da época
contemporânea. Anunciado, sob certos .aspectos, pelas revoluções
inglesas do século XVII, o grande ciclo das revoluções liberais se abre
com a independência das colônias britânicas e constituição dos Esta-
dos Unidos da América (1776), manifesta-se com maior ou menor
intensidade na Grã-Bretanha e Irlanda (1780), nos Cantões Suíços
(1782), nas. Províncias Unidas (1783), nos Países Baixos Austríacos
(1787), para atingir na Revolução Francesa (1789) a sua mais completa
configuração. Todos esses dramáticos acontecimentos se prendem ao
mesmo processo estrutural de ruptura do absolutismo, como pene-
trantemente acentuaram Palmer e Godechot(1), em trabalhos recen-
tes; mas foi indiscutivelmente a França revolucionária que se trans-
formou no centro de expansão do movimento, por ali se ter o confli-
to social radicalizado mais fundo, levando-se a luta às últimas conse-
qüências. Da França, o vendaval se expande para toda a Europa e
para o Novo Mundo(2), com os avanços e recuos t1picos das mudan-
ças verdadeiramente decisivas, e se prolonga até os meados do século

(I)Cf a comunicação de R. Palmer eJ. Godechot ao X Congresso Internacional de


CiênCIas Históricas, nas Relaziom (Florença, 1955). vaI. V. pp. 173-239, especial-
mente pp. 219 segs. R. Palmer - The Age of Democratic Revolution, Princeton,
1959. J. Godechot - ÚJ Gnmde Natzon, l'Expamion Revolutionnmre de la France
dans le Monde. Paris, 1956,2 vs.
"'As «formas de expansão» e de internaCIonalização do pWlesso revolucionário
constituem justamente o tema fundamental de Jacques Godechot em ÚJ Grande

3
XIX. O processo varia grandemente no tempo e no =spaço, mas DO . E de fato, a ~nálise da política colonial portuguesa relativa ao Bra-
conjunto todo o arcabouço do velho regime político e social é revol- sil n~ suas últunas ~t~pas permite situarmo-nos numa posição ver-
vido, e a pouco e pouco se transfigura a paisagem do mundo ociden- dade1!am.ente ~Strateglca(5) para repensar aqueles diferentes aspec-
tal: é efetivamente uma nova fase da história que se inaugura. tos e tentar artIcular as conexões entre os diversos níveis da realidade
Eruuturalmente vinculado às antigas formas de organização palí·, nAaquele m0rr.tento histórico. Concretamente, a política relativa à co-
tica e de exploração econômica, parte integrante e indissolúvel do loma se manifesta como resposta aos problemas efetivos que a ma-
Antigo Regime, o sistema colonial do mercantilismo(3) não poderia nutenç~o e a exploração do ultramar apresentavam à Metrópole.
escapar a esta subversão generalizada que tudo transformava. Foi Or~,. taIS problem~ são na realidade a manifestação, no plano da
aliás na periferia do sistema que o primeiro elo se rompeu; a revolu- pratICa, d~ mecanIsmos estruturais profundos que atuavam no con-
ção que independizou a Nova Inglaterra da Velha Metrópole é o pri- Junto ~o S1St.ema e promoviam, nessa fase, reajustamentos funda-
meiro abalo na estrutura aparentemente tão sólida do colonialismo mentaIS. Assim, o exame desses problemas nos conduz à análise es-
moderno, e dá o exemplo da criação das novas instituições políticas. tru~ral, o que nos obriga a reportarmo-nos ao processo geral acima
Envolta a própria Europa no processo revolucionário, em meio a refeCldo. Por outro lado, é necessariamente no aparato mental da
inextricáveis contradições sociais e nacionais, afrouxam-se os laços de é~ que ~ dirigentes metropolitanos se vão inspirar, para, aperce-
vinculação que prendiam as colônias ultramarinas às metrópoles eu- bIdos com IOstrumentos de análise da realidade, elaborarem os es-
ropéias; e finalmente corisuma-se a separação, as colônias tornam-se qu~as de ~ão que se co~riftcam nas normas efetivas levadas à
independentes, e o Antigo Sistema Colonial se dissove<4). Eno qua- pranca. E. mat.S uma .ve~ amplta-se nosso quadro de referências, ago-
dro desse processo global que o Brasil emerge no mundo como nação ra no UnIverso das ldélas que exprimem a tomada de consciência
soberana, e é em conexão com todos os seus aspectos que poderemos ~ossível. do rnoviIpento mais geral das transformações do fun do an-
compreender essa' etapa fundamental da nossa história. ugo r~gune. Auavés de dois caminhos, fKmanto, estabelecem-se ne-
E daro que o panorama acima descrito indica sàmente as linhas cess~fl~ente as conexões entre o fenômeno particular objeto da in-
mestras do processo no seu conjunto, e que para pensarmos a última vesngaçao e o processo geral de que é pane inseparável.
fase do período colonial do Brasil temos de levar em conta a peculia- Se, porém, a perspectiva em que nos colocamos leva-nos a estabe-
ridade da posição e da situação de Portugal e do mundo colonial lecer relações mais amplas a partir do objeto que temos em mira, não
português, é necessário descobrir e analisar todos os elementos que se tor?a menos n~cessár!a a delimitação precisa do tema e do campo
medeiam entre esta situação concreta e específica e o processo geral e propnamenr: .de IOvest1~ão emp~ica. Esta diz respeito especifica-
mais profundo do movimento histórico. Foi contudo inspirados por men~e à polt~lca ultramarIna e maIS particularmente à política eco-
estas preocupações que procuramos definir e circunscrever o nosso nômica colontal.da meuópole portuguesa, relativa ao Brasil, no pe-
objeto de investigação. ríodo que medeIa e?tre o consulad.o pombalino e a abertura dos por-
ros (1777/1808). Situamo-nos, poIS, na área da história da politica
Na/ion (d. t. 1, pp. 42 segs.); é claro que a revolução só se expande aonde encontra econômica, e talvez não seja excessivo lembrar, com Heckscher<6),
condições de receptividade. que um. estudo desta natureza não tcm em vista o desenvolvimento
(lJA posição do sistema de colonização no quadro do capitalismo comercial e da
pol1tica mercantilista será analisada maiS adiame. econômIco como .t~, embora não possa deixar de reportar-se a ele a
i 41Não queremos, evidentemente, com ISSO dizer que, com o advemo da emanci· cad~ .passo. An~lt1camente, é legítimo destacar este segmento - a
pação política, tenha desaparccido o caráter dependeme (.colonial:.) da vida úonô. pohtlca econôfilca - do processo global, para focalizá-lo mais de
mica das amigas colônias: ele assume, porém, novas formaS. Veja·se a análisr das
..fases e formas dr dominação extrrna.. , em Florestan Frrnandes . Capi/gJúmo de· (jJ., ••• toda política cconômica governamental, considrrada tanto em nível ideoló.
pendente e c/asJes sociais na AméncalAtma. Rio de Janeiro, 197 J. pp. H·20. Taro· gico como p~tico, pode ser encarada como manifestação particularmente privilegia_
bém Hccto[ Malavé Mota ·.«Reflexões sobre o Modo de Produção colonial lalino· da das relaçoes enue Estado e Economia_. Octavio Ianni . Estado e Planejamento
americano.. , in Aménca Colomai: EnsaIOS, org. por Theo A. Santiago. Rio deJaneJ· Econômico, Rio de Janeiro, 1971, p. 3.
10,1975, pp. 144-148. (6)Eli F. Heckscher . lA éPoca mercantüúta, trad. esp. México, 194 J , p. J e s~gs.

4
5
a literatura histórica da colonização européia do período fmal do mer- Celso Furtado), como no recente empreendimento coletivo de His-
cantilismo está aí pressuposta, e é evidente que os riscos de não conse- tótja Gerai. da Civiliztlfão Brasileira(14). O período que temos em
guir abarcá-Ia toda são inevitáveis. Todas estas dificuldades, de que mu:a~ rel~tlvamente pouco estudado nos seus aspectos econômicos e
somos conscientes, não nos dissuadiram porém de tentar a empresa, SOCIaIS, situa-se portant~ entre ?ois momentos assaz trabalhados pe-
convencidos que estamos da relevância do assunto e da riqueza do pe- lo esforço de reconstruçao e de mterpretação histórica. Assim, conta-
ríodo sobre o qual dirigimos o nosso esforço de interpretação. ~os com amplo quadro de ref~~ laterais, e talvez nos seja pos_
Efetivamente, as datas com que balizamos o nosso estudo delimi- SIVel repensar problemas e redtscutlf esquemas interpretativos cor-
tam um momento sobremaneira fénil para a investigação e reflexão rentes na historiografia luso-brasileira.
históricas. De um lado, 1777 marca o término da administração do . M~ nâ? é apenas esse inter~e, diríamos acadêmico, que torna
marquês de Pombal, com as mudanças de rumo conseqüentes do Significativo o momento·esco1htdo e o tema focalizado. É nas suas ca-
ftm do ..consulado.; no outro extremo, a abertura dos portos do racterísticas internas, no alcance de suas experiências nos vários cam-
Brasil (1808) que se seguiu imediatamente ã vinda da corte para a pos de atividade, nos problemas enfrentados e nas soluções alvitra-
América, e a ruptura do pacto colonial aí implícita. Entre um e ou- das ou tentadas que se encontra a relevância do período em questão.
trO marco, o reinado de D. Maria I e pane da regência do Príncipe Na historiografia portuguesa, o reinado de D. Maria I se tem consi-
D. João, período complexo e não muito estudado nas historiogra- derado muitas vezes como uma etapa tipicamente retrógrada, em
ftas portuguesa e brasileira. De fato, as atenções dos estudiosos se que se anulam as conquistas econômicas, sociais e políticas de Pom-
têm voltado preferentemente, seja pal'd. a época pombalina, seja para bal; é pois o caráter anti-pombalino do reinado que se destaca como
o reinado americano do D. João VI(IO). Para marcar a persistência sua marca essencial, e neste sentido parece que as cenas da ..viradei-
dessa orientação bastaria lembrar, em Portugal, os trabalhos mais re- ra. impressionaram demais as gerações subseqüentes e Os historiado-
centes de Jorge de Macedo sobre a economia portuguesa no tempo res não se conseguiram libertar desses espectros. Esta perspectiva,
de Pombal ou o belo livro de José-Augusto França sobre a lisboa que vem da historiografia liberal, tende a enfatizar o conteúdo emo-
pombalina(ll) e, entre nós, os trabalhos dos professores L. Ramos de demo. e ilustrado do governo pombalino, no sentido da centraliza-
Carvalho e M. Nunes Dias(12). D. João VI sempre foi muito querido ção do poder e da modernização das estruturas ponuguesas(l5). A
entre os brasileiros, como já notava Oliveira Lima na abertura do seu corrente oposta, de uma historiografia que nesse sentido se poderia
clássico D. João VI no Brasii<13), e a nossa historiografta reflete bem chamar conservadora, vê pelo contrário neste ftm de século XVIII o
essa atitude; esta etapa de nossa formação é destacada tanto nos tra- período por excelência da restauração da antiga monarquia, na sua
balhos de história econômica (Roberto Simonsen, Caio Prado Jr., especificidade lusitana, com o respeito às leis fundamentais e tradi-
cionais do reino, recolocando a vida nacional nos seus verdadeiros
{IOJCedemos à tentação de aproximar o belo trecho de Paul Hazard: ..... nous nous trilhos, de onde a desviara o ..despotismo.. e o «absolutismo.. do vigo-
sommes engagés dans des [erres mal connues. On étudiai[ beaucoup le dix- roso marquês(I6). O que importa fixar dessas duas perspectivas anta-
septiême si&:le, autrefois; on étudie beaucoup le dix.huitieme siecle, ajourd'hui. 14
1 1Cf. História Geral da Civilização Brasileira, dir. por Sérgio Buarque de Holan-
A leurs confins s'étend une zone incertaine, malaiseé, ou 1'on peut espérer enrore
découvenes et aventures ...• lA Cnse de la Conscience Européenne (1680-1715). Pa- da, São Pa~lo, 1960, t. 11, vol. 1(1962), PP, 9-135,Sobre a abertura dos portos: Pin_
ris, 1935, p. V. to de Aguiar - A Abertura dos Portos do Brasil. Salvador, 1960, e Wanderley Pi_
(l1JCf. Jorge de Macedo - A Situação Econômica no Tempo de Pombal, Pano.
nho - A Abertura dos Portos, Salvador, 1961.
1
1. )1:'- matri~ desta perspcctjv~ é sem dúvida a luminosa História de Portugal de
1951. José Augusto França. Une Ville des Lumier(!J; la lisbonne de Pombal, Paris,
1965. Ed. porruguêsa: Lisboa Pombalina e o IIuminismo.lisboa, 1965. C?!JvC1fa Maruns (cf ed. 19S1, Lisboa), t. 11, pp. 229 segs. Na mesma Iinha,].M. la_
(12)Cf. L. Ramos de Carvalho - As reformas pomba/inas da Instruçilo Pública, São
tino Coelho· História Política e Militar de Portugal, 2~ ed., Lisboa, 1916, 3 vs. O
Paulo. 1952. M. Nunes Dias· A Companhia Geral do Grilo-Pará e Maranhilo historiador por excelência do Constitucionalismo em Portugal _Luz Soriano _escre-
(1755-1778), São Paulo, 1971. veu também a história do reinado de D. José I e da administração do Marquês de
Pombal.
(l3)M. de Oliveira lima - D.]oiJo VI no Bra.JiI (1808-1821), 2L ed., Rio deJaneiro,
1945, t. I, p. 17, 116lExemplo: FortunalO de Almeida, Hútóna de Portugal (Coimbra, 1922,6 vs.),
t. IV (1927). Cf. igualmente a HIstória Breve de Portugal (Lisboa, 1960) de Caetano

8 9
gônicas é que o conteúdo essen~ do reinado. é para ambas o mesmo, tentam-se as soluções intermediárias inspiradas pelo reformismo
variando apenas a valoração positiva ou negattva que se empresta a es- ilustrado do fim do absolutismo. Sob este aspecto, o reinado de D.
se mesmo conteúdo. Ora, precisamente a caracterização é que se nos Maria I apresenta-se, pois, mais bafejado pelas Luzes do que o perío-
aflgura discutível; nem é difícil de perceber o caráter enviesado de do anterior. Ê todo,um difuso programa de reforma que se preconi.
ambas as posições acima referidas. Enviesamento desde logo não de za, um esforço mais ou menos dramático de reajustamento às ten-
todo destituído de vantagens, pois alguns desvãos mais reronditos da dências dominantes, com vistas à dinamização da economia e vitali-
realidade somente assim se desvendam. Mas indiscutivelmente o que zação da sociedade, sem contudo atingir as suas estruturas funda-
se impõe é wna superação dessas imagens até certo ponto distorcidas, mentais: reformismo típico e de resto ineflcaz. Nem o projeto pôde
numa tentativa de compreender este momento da vida histórica com efeito amadurecer plenamente e objetivar-se em profundidade.
luso-brasileira(17). Alguma contribuição para esta ultrapassagem de alcançado o país pelas hostes napoleônicas, produtos elas próprias
perspectivas já antiquadas pode talvez oferecer a análise da pol1tica dós desdobramentos da revolução liberal em curso. Do consulado
colonial da época, pois nela se refletem substancialmente os proble- pombalino à vinda do Príncipe Regente para a América transita-se
mas mais profundos da economia e da sociedade portuguesa. nas águas revoltas da crise geral do Antigo Regime e do sistema de
Nos domínios da historiografia brasileira, por sua vez, o reinado colonização mercantilista.
de D. Maria I é, via de regra, encarado, sob o impacto do alvará proi- Transição, já se disse com alguma propriedade, é tudo em histó-
bitório das manufaturas têxteis e de repressão da Inconfidência das ria, a ponto de a própria história poder definir-se como o estudo da
Minas, de forma muito desfavorávçl. Mas às vezes não se levam em transição a.Ortega y Gasset). Se, de fato. se quer indicar a inexis-
conta os demais atos da política colonial deste peródo, e quase sem- tência de limites radicais, o inexorável e'ntrelaçar-se dos aconteci-
pre se deixam de procurar as relações com a situação efetiva de Por- mentos no curso da história, a permanente coexistência de formas
tuga' sua posição no conjunto do sistema de exploração colonial da transatas com antecipações ainda não concretamente definidas, a
economia européia, e ainda mais a ameaça de ruptura do Antigo Re- afirmação ganha sentido e exprime um dos traços essenciais da reali-
gime que ronda todo este período. O consulado pombalino, cremos. dade histórica. E no entanto, para certas épocas mais do que para
pode ser encarado como o mais sério esforço levado a efeito pela me- outras, a própria sensibilidade e a tradição do pensamento historio-
trópole portuguesa para pôr em funcionamento a exploração econô- gráfico vem revelando não ser desapropriado falar em uansição e cri-
mica do ultramar e o concomitante desenvolvimento da economia se. É que, não obstante aquela inextricável interpenetração acima re-
metropolitana, em moldes mercantilistas clássicos. No extremo ferida, o desenrolar da história é periodizado por estruturas globais e
oposto, a abertura dos portos do Brasil - por mais que circunstân- profundas. geradas na inevitável' relacionação dos homens entre si na
cias momentâneas tenham pesado na determinação. a medida foi ir- prática de sua vida histórica. e que passam a configurar o quadro de
reversível e é isso o que importa - marca, como já contemporanea- possibilidades em que se desenvolve a própria história; tais estrutu-
mente assinalava JOSé da Silva lisboa, a suspensão do Sistema Colo- ras não cedem lugar a novas formas de convivência senão auavés de
nial(I8). Do pleno funcionamento à ruptura inicial do sistema. um processo de ruptura de suas uaves básicas, o que imprime inexo-
ravelmente maior ou menor aceleração no ritmo do tempo histórico.
Beirão. Já o livro de maior romo desse meSmo autor (D. Maria I, 4~ ed., Lisboa, Tais acelerações, como indicou M. Dobb. são as revoluções verdadei-
1944), apesar de elaborado nesta mesma perspectiva, apresenta contribUIções positi-
ramente significativas da história(I9). A esses momentos que me-
vas que procuraremos destacar.
(I ')Yisão equilibrada, para além das limitações aóma referidas, só deparamos nas ções estrangeiras, e a repentina extinção do SIstema ColoOlal. _~ Memória JlJbre os
rápidas considerações de Antônio Sérgio sôbre o perJOdo, na estimulante Húfória meios de melhorara indústria porlugueza, Lisboa, 1820, p,p. 5-6. Em 1839. Hora-
de Portugal (Barcelona, 1929), pp. 159-161. Também na mais recente síntese de A. ce Say: .Ce denet si simple, si oacurel. conteoait à lui seul toute une révolutioo:
H. de Oliveira Marques _ História de PorlugalLisboa, 1972,2 vs.Yol I, p. ')13 segs. c'était pour le Brêsil la fio du régime colonial exdusif•. HÚ/Olre des rela/lOm com-
(181osé da Silva Lisboa _ Memória sobre os beneficios políticos do governo de FI mercwes entre la France ti le BrésiJ, Paris. 1839, p. IR.
Rey Nosso Senhor Dom Joiio VI, Rio de Janeiro, 1818, p. 66. No mesmo sentido, (l9)Cf. Maurice Dobb - Studin In lhe Developmenl of Capitalirm. 6" ed., lon-
em Portugal, José Acúrsio das Neves: •... a 1.benura do oommercio do Brasil às na- dres, 1954, pp. li segs.

10 11
deiam entre as últimas manifestações das estruturas internas em seu até 1834; é na legislação de Mousinho da SilveIra que se situa o seu
pleno funcionamento e a precipitação das transformações que indica passo decisivo(22). O período de transição situa-se, pois, repetimos,
a substituição do quadro estrutural, quando é possível demarcã-los na fase que antecede a etapa propriamente revolucionária; nele se
ainda que com a relatividade de toda periodização em história, tentam soluções até ceno ponto novas, numa alternativa pouco cons-
parece-nos legítimo chamar épocas de uansição(20). Dessas é. tanto ciente às ruptwas violentas, abandonando a orientação integrada e
quanto fomos capazes de apreender seu sentido, a época que va· ortodoxa das etapas anteriores em que o processo ainda não está sen-
mos estudar. sivelmente afetado pela crise de estrutura. Daí o caráter hesitante e
Não se passa, entretanto, da análise dos mecanismos estruturais à mesmo contraditório dos homens desse penodo e da história que
dos eventos - que é onde se acelera o tempo histórico - direta e eles fazem, contrastando com a coerência sistemãtica do peflOdo
imediatamente; isto importaria numa necessária deformação da rea- anterior. Reformismo ilustrado e rupturas revolucionárias, assim,
lidade reconstruída. Torna-se imprescindível identificar e escalonar encaradas em conjunto, aparecem como alternativas possíveis do
as múltiplas e variãveis mediações através das quais os movimentos processo mais geral de mudanças estruturais; historicamente, essas al-
de estrutura emergem na superfície dos acontecimentos(21). Esta é ternativas se manifestaram com extraordinária variedade no tempo e
precisamente a tarefa do historiador, naquilo que tem de mais fasci- no espaço, aqui conseguindo o movimento de reformas maior persis-
nante e dif1cil. De fato, a comunicação entre os v~ios níveis da reali- tência e mais êxíto, ali nem sequer iniciando as transformações; re-
dade se faz de maneira progressivamente complexa e ampliando as formas executadas são às.vezes suprimidas, voltando-se à estaca zero,
possibilidaaes de variações na medida que se aproxima da conduta e assim por diante. Por isso. a própria possibilidade de delimitar
efetiva dos homens na torrente dos acontecimentos; por outro lado, uma etapa reformista de transição é maior ou menor segundo os paí-
cada manifestação concreta estabelece novos elementos, redefmindo ses que se têm em vista. De qualquer forma, a todas essas numerosas
o conjunto. Assim, torna-se extremamente difícil acompanhar todos e variáveis manifestações históricas dã sentido o persistente mecanis-
os movimentos e estabelecer todos os passos da análise. Tentaremos, mo básico de transformação da estrutura fundante do Antigo Regi-
contudo, nesta perspectiva, caracterizar o conjunto das medidas que me e do capitalismo comercial, e a emancipação das colônias é pane
configuram a política colonial do fim do século XVIII e in1cio do desse todo.
XIX em Portugal, relativamente ao Brasil, como elemento de um Crise do sistema colonial é, ponanto, aqui entendida como o con-
contexto muito mais amplo; da1 a necessidade de insistirmos nestes junto de tendências políticas e econômicas que forcejavam no senti-
esclarecimentos introdutórios. Se, portanto, com o que levamos dito do de distender ou mesmo desatar os laços de subordinação que vin-
se vai caracterizando a transição inerente ao período em estudo. d" culavam as colônias ultramarinas às metrópoles européias. Elas se
vemos acrescentar que o período propriamente revolucionário, em manifestam no bojo da crise do Antigo Regime, variando e
Portugal, se inicia com a convulsão das invasões francesas, mas só se reajustando-se ao ritmo daquela transformação. Isto significa, desde
manifesta plenamente na revolução liberal de 1820, prolongando-se logo, que tal crise pode perfeitamente coexistir com uma etapa de
(2°>Num sentido muito próximo. Tocquevillc: «Cc n'est pas en a1lant de mal en
franca expansão da produção e do comércio colonial, como é o caso
pis que I'on tombe cn révolution. 11 arrive Ic plus souvent qu'un peuple qui avait
do sistema colonial português desta época. Na perspectiva mais ge-
supponé sans se plaindre, ct comme s'il ne les sentait pas, les lois les plus accablan· ral, o antigo regime - mais rígido ou mais flexível de país para país
tes, les rcjcue violenmént dês que Ie pois s'en allege. te régime qu'une révolution representava o quadro institucional que permitiu a formação e cris-
détruit, vaut prcsque toujoues mieux que celui qui I 'avait immédiatement précedé, talização da etapa mercantil do capitalismo (capitalismo comercial);
et I'cxperience apprend que le moment le plus dangereux pour um mauvais gou- a dirrãmica própria do desenvolvimento capitalista, por seu turno,
vernement est d' ordinairc celui ou il commence à se réformeu. L 'Anelen Régime el
ao ampliar as áreas de ação, intensificar o ritmo de crescimento eco-
/a Rél'oIulion, Paris, 1952, p. 223 (Tomo li das OeUl'Tn Complites de Alexis Toc-
queville, ed. por). P. Mayer).
(22JCf. Alexmdre Herculano - «Mousinho da Silveira ou la Révolution PorrugaJse..
(21J a.)can Paul SaUre _ Questão de Método. Trad. porto S. Paulo, 19~6, pp. 34
scgs. (1856), Opúsculos, t. lI, pp. 167-216.).P. de Oliveira Martins - Portugal Contem-
porâneo, (ed. de 1953), Lsboa. t. lI, pp. 151·194.
12 13
nômico, tende a promover constantes reajustamentos. Antigo regi- sistema. Em 1776 publica-se, também, significativamente, a Rique-
me, política mercantilista, sistema colonial monopolista são portan- za das Nações de Adam Smith, pedra angular da nova economia po-
to elementos da mesma estrutura global típica da Época Moderna, lítica. Na Espanha, 1778 é o ano da decretação da ordenança do co-
dinâmica no seu funcionamento que se reajusta passo a passo. & te- mércio livre, reformulação da política comercial do sistema de colo-
voluções inglesas do século XVII foram, como procuraremos indicar nização espanhola. Toda essa convergência marca a vinculação co-
adiante, um momento decisivo desses reajustamentos, colocando mum ao mesmo substrato de mudança de estruturas, e nOssa tarefa
bases para a Inglaterra se avantajãt na competição com as demais po- fundamental será tentar esclarecer a maneira pela qual a metrópole
tências; conquistando um corpo institucional mais flexível - mas, portuguesa e o Brasil colônia são envolvidos nas malhas desse 'movi-
quanto a n6s, ainda dentro dos quadros de possibilidades do antigo mento geral de crise. Em suma: Portugal e Brasil na crise do antigo
regime, - a Grã-Bretanha se equipa nesta fase para acionar mais vi- sistema colonial.
gorosamente seu desenvolvimento, e gradualmente vencer as com· Para situá-los neste contexto, nossa.análise terá que se desenvolver
petidoras. Tal processo de desenvolvimento adquire, no entanto, em dois níveis - no universo mais geral dos mecanismos estruturais
um ritmo substancialmente mais rápido com as transformações da que afetam todo o sistema e no plano mais particular e concreto
segunda metade do século XVIII inglês, que deram lugar à consti- quando focalizarmos a política colonial praticada pela metrópole
tuição do capitalismo industrial: a concorrência econômica e as rela- portuguesa na colônia brasileira. Nesta linha, procederemos inicial-
ções internacionais passam a configurar um quadro de agudas ten- mente a uma caracterização da posição que Portugal, e com ele o ul-
sões a exigir adaptações mais profundas. tramar português, vai assumindo no quadro das relações internacio-
Ê de extrema importância acentuar, neste passo, que Portugal não nais do século XVIII, para configurarmos os caminhos de penetração
está de forma alguma no centro desse processo. Pelo contrário, dos movimentos de fundo no sistema de colonização portuguesa.
apresenta-se grandemente defasado em relação aos demais núcleos Esforçar-nos-emos, em seguida, em empreender a análise do antigo
da economia européia. Isto, porém, não o exime de englobar-se no sistema·colonial do mercantilismo, para desvendar os mecanismos de
curso dos movimentos gerais, que, dos centros de difusão se expan- seu funcionamento básico, o sentido que lhe dá a sua posição fun-
dem para as demais áreas; mas sem dúvida a crise, projetando-se de cional na tecitura do capitalismo mercantil em desenvolvimento na
fora para dentro, assume aqui, nas suas manifestações, no seu enca- Europa, e as tensões que no seu conjunto imprime a eclosão do indus-
minhamento e mesmo no desfecho [mal, forma peculiar que importa trialismo moderno, O passo seguinte será acompanhar o movimento
explicitar. Tanto no nível econômico quanto no plano das relações desse processo nas suas manifestações concretas: no nível da concor-
políticas internacionais, Portugal e o ultramar português, interde- rência econômica colonial e da competição no jogo das relações inter-
pendentes e inseridos, pelo comércio, nos mecanismos centrais do· nacionais; estabelecida essa base, cumprirá estudar a tomada de
desenvolvimento econômico, e integrando o sistema político do consciência desses problemas pela meu6pole, o esforço de equacio-
equilíbrio europeu, não podem escapar a este movimento de longo namento que se expressa na política colonial concretizada nas nor-
curso e grande profundidade. Se a proclamação da independência mas positivas da legislação referente à colônia, para finalmente des-
dos Estados Unidos da América (julho 1776) pode considerar-se co- crever e explicar o encaminhamento geral do processo. Situado Por-
mo o marco da abertura do longo processo de desintegração do Anti- tugal fora dos centros propulsores dessas grandes transformações, a
go Regime e de superação do Antigo Sistema ColoniaJ(23), em Por- maior dificuldade estará sem dúvida na apresentação das metamor-
tugal o início do reinado de D, Maria I (fevereiro 1777) e a subse- foses que inevitavelmente sofrem esses processos ao 'atingir estas
qüente queda do Marquês de Pombal assinalam por sua vez nova áreas limites do sistema; porisso, como já indicamos, localizar a posi-
etapa, que se vai desenrolar em meio à conjuntura de crise geral do ção de Portugal no quadro das relações internacionais da época é ne-
cessariamente o nosso ponto de partida.
(HlRaynal, com~mando a ~mancipaçâo: d.es colonies ~raitent ~n droir d~ se sépa.
rer de leur métropole.» "Le nouve! hemisphére doit se déracher un Jour de I'an·
cieo ... » Histoire ... deJ deux Indes. ed. de Genebra, 1780, iV. pp .."->0 e -Í.'i.'.

14 15
CAPÍTULO I

POLÍTICA DE NEUTRALIDADE
1) Portugal nas relações internacionais da Época Moderna

À primeira vista, afigura-se paradoxal que Portugal e Espanha te·


nham conseguido preservar seus extensos domínios ultramarinos
depois da perda da hegemonia ibérica e ascensão das novas potências
preponderantes no quadro europeu e do desenvolvimento da compe-
tição colonial. Efetivamente, tendo realizado com precedência etapas
decisivas da unificação nacional e da centralização política da monar-
quia absolutista, os países ibéricos - sobretudo Portugal - puderam
marchar na vanguarda da expansão marítima que redefiniu a geogra-
fia econômica do mundo e marcou a abertura dos Tempos Moder-
nos( I); tal empreendimento permitiu-lhes situar-se vantajosamente no
contexto internacional desta fase, abrindo caminho para a preJXlode-
rância espanhola que se inaugura com a Paz de Cateau-Cambrésis
(15'.>9) e se consolida com a União peninsular de 1580, Supremacia,
aliás, que é posta em xeque pela emergência das novas potências
(Inglaterra, França), que, na medida em que se organizam interna-
mente como monarquias unitárias, entram a competir na Europa e no
ultramar com o Império Espanhol; e sobretudo pela insurreição dos

(11«0 descobrimento da Am~rica e das passagens para as indias Oril'ntais pelo Ca-
bo da Boa Espl'rança são os dois maiorc:s e mais importantl's aconteciml'ntos dI' quI'
SI' rl'corda a história da humanidadl''', escrevl'u Adam Smith (Weaith of NaúonJ,
ed. Cannan, p. ~90), quI' SI' inspirou I'm Raynal: «Não houvl' aconteciml'nw tão in-
teressante para a c:sp~cil' humana I'm geral, I' para os povos da Europa em panicu-
lar. quanto o descobrimento do novo mundo I' da passagem para as Indias pdo Ca-
bo da Boa Esperança~_ (Cf. HiJloire ... dn Deux InJeJ. ed. de Genebra. 1780, t. I.
pp. 1-2).

17
Países Baixos que se constituem em potência concorrente ao mes- XVIII: apoiando-se"nas duas maiores potências em permanente riva-
mo tempo Importando numa secessão terruonal dos domínios hah" lidade e conflito ao longo de Setecentos, sobreviveram os impérios
burgos(2). A poslçãp l!f:,gemôni"a cio Impé-no Espanh?l. manteve-se, coloniais ibéricos. Tal equilrbcio pôde persistir enquanto durou o ca-
contudo, até os meado" do "énllo XVII (tratado dos Pumeus, 1659), pitalismo comercial como forma dominante da vida econômica; só a
mas a desagregação Inlerna. marcada pela constelação de revoluções Revolução Industrial exigiria reajustamentos políticos mais prúfun·
que se desenrolaram por volta de 1640 (res.tauração portugue~a, dos(').
guerra da Catalunha, rebelião de Nápoles, conjuração da AndalUZIa) No que diz respeito mais panicularmente a Portugal, nosso foco de
comprometeu definitivamente a supremacia pol1tica da Espanha(3). interesse, releva notar que, nessa transição, desloca-se o eixo dinâmi-
A partir de então, se a influência da civilização hispânica ainda se co de sua economia imperial, reorganizando~se o seu quadro geo-
prolonga, ~o que diz respeito à preponderância política e à vida eco- econômico, que, de base predominantemente oriental, passa:;l defi-
nômica está aberta a rota da decadência. O equilíbrio das relações po- nitivamente atlântico(5). E foi essa concentração de esforços num se-
l1ticas internacionais se organizava em tomo de outros centros, F:an- tor, com recuó no antigo centro de atividades, que permitiu Íl pe-
ça e Inglaterra; as novas potências assumiam definitivamente a dlan- quena metrópole manter e mesmo expandir a área de sua ação colo-
teita no desenvolvimento econômico e no movimento das idéias, pas- nizadora_ Por outro lado, a diplomacia portuguesa, diante das difi-
sando as monarquias ibéricas a potências de segunda ordem. A deca- culdades sem conta com que se defrontava depois da Restauração,
dência da Espanha na segunda metade do século XVII é melancólica procurou constantemente ceder no terreno das concessões comerciais
e desemboca na guerra de Sucessão. a fim ele manter a integridade territorial das colônias ultramarinas,
E não obstante, salvam-se os domínios coloniais, pelo menos na sobretudo dos dorrímios da América. Assim, as vantagens advindas
sua maior extensão. Para compreendê-lo, o próprio processo de de- da exploração colonial passam a se constituir em moeda no jogo das
sintegração política do Império Espanhol, na Europa, já nos indica o relações internacionais de Portugal. Destane, pela sua inserção no
caminho: resultou da interação de pressões externas (o fortalecimen- sistema das alianças européias, explorando frequentemente com
to das outras potências) com as seccessões endógenas. Destas insu- muita habilidade os' conflitos entre as grandes potências, através de
bordinações ao jugo de Castela, algumas se frustraram (Catalunha, cedência de privilégios comerciais, na metrópole e no ultramar, de
Andaluzia), outras se concretizaram (independência dos Países Bai- um lado, e de outro, reorganizando o espaço de sua ação pol1tica e
xos, restauração portuguesa); daí rearticular-se o sistema de alianças econômica, pôdq..portugal superar uma fase particularmente difícil
na pol1tica internacioC!.aL Na medida em que se enfraquecia o pode- de sua história, mantendo a independência e preservando a maior e
rio espanhol, Ponugal restaurado encontrava apoio nas potências melhor porção de seus domínios ultramarinos - e é nessas condições
que disputavam a supremacia. A pouco e pouco, e na medida sobre- que se abre o século XVIII para a nossa história. Em suma, persistên-
tudo em que as potências em ascensão (Holanda, França, Inglaterra) cia da aliança inglesa e economia atlântica são os elementos defini-
competiam também umas com as outras, ia se caracterizando o siste- dores da nova situação.
ma que se consolidou no término da guerra de Sucessão espanhola A aliança inglesa tinha raizes antigas em Portugal, remontando
(1713): Portugal cada vez mais se prende à aliança inglesa, a Espa- mesmo à pdmeira dinastia(6). Com a ascensão dos Aviz, o tratado de
nha se apoia na proteção da França, selada com a instalação da dinas- (4J O. Caío Prado Jr. - História EconômIca do Brasd, 3 a ed., S. Paulo, 1953, pp.
tia bourbônica no trono espanhol. E este sistema de alianças que 125-128.
permite a Portugal e Espanha resguardar os respectivos domínios no OJcf. Frédtric Mauro - Le Portugal etl'Atlamique. au XVIl Siecle, Paris, 1960,
Ultramar, marcos da antiga hegemonia, durante todo o século pp. 1-8.
(6)0. José de Almada - A Aliança ingleJa. 5ubJÍdios para o Jeu estlido, Lisboa,
(2JCf. H. Hauser _ La préPondérance espagnole (1559-1660), 5A ed., Paris, 1948, 1946 2v. A. M. Guedes - A Aliança Inglesa, notllJ de história diplomática, usboa,
pp. 114-182. 1938. Síntese mais recente do aSsunto, in «As relações de Portugal çam a
OlCf. E. d 'Oliveira Fntl.\~ _ POrIu.;,J.. na Época da Restauração, S. Paulo, 1951, p_ Inglaterra., verbete de A. Âlvaro Dória no Dicionário de História de Portugal, dir.
12. porJoel Senão, vol. 11, pp. 544-549.

18 19
Windsor (1386) consolidou as boas relações. prevendo favores co- Espanha, intervinham CIrCunstânCias desfavoráveis ao bom anda-
merciais recíprocos e dispondo sobre a mútua defesa{7l. Mas é sobre- mento das. alianças. É sabido como a França, sob Richelieu e depois
tudo no quadro de tensões que se seguem à Restauração de 1640, sob MazarlOo, e~ meio à última fase da guerra dos 30 anos contra os
Hab~burgos ?e .Ausuia e de Espanha, procurou e conseguiu tirar
com a prolong~da guerra para manter a independência recobrada,
paru~o da Ctlse IOterna do Império Espanhol( 11): nessas condiçôes, a
que a presença mglesa assume a forma característica que domina no
século seguinte: a troca de aliança e mesmo proteção política por rebe~lão da Catalunha e a secessão portuguesa são estimuladas pe-
vantagens comerciais crescentes. Em ambas as crises nacionais - la diplomacia de Paris. Os enrcndimcnws franco-portuguêses de-o
138.3,.1640 -'o em que a aut~nomia lusitana em face da Espanha senrolaram-se em meio a este jogo complexo de interesse, e cami-
penclttava, a altança mglesa fOi procurada para montar o dispositivo nhavam com dificuldade; a liga formal, desejada pelo governo da
diplomático e militar de apoio externo. Porém, as diferenças entre os Restauração, não chegou a consolidar-se, e Portugal ficou à margem
d~is momentos críticos são mais significativas que as semelhanças. A
das conversações oficiais de Münster e Osnabcück, e pois, dos trata-
cnse de 1383 não se resolveu apenas pela ascensão de nova dinastia, dos de Westfália(l2). Entre 1648 e 1659, isto é, entre o congresso de
antes implicou numa revolução social profunda, configurando um Westfália e a Paz dos Pirineus, enquanto prosseguia a guerra da Res-
paint !ouman! decisivo na história de Portugal(8): é então que se tauração Portuguesa de um lado e de outro se consolidava a prepon-
criam os pré-requisitos sociais e políticos da expansão ultramarina. O derância. francesa na Europa, as relaçôes entre Portugal e França não
mov.imento. restaurador de 1640 não teve nem de longe' o mesmo conseguiram alcançar nível superior ao d0 período antecedente; e
senudo sOCIal, nem repercussões tão fundamentais. Foi obra da no- destarte Portugal ficava mais uma vez alijado das negociações de
breza desencantada da monarquia dual(9). As condições interiores se paz(13). Com as Províncias Unidas dos Países Baixos, tentou igual-
juntam, pois, à situação internacional; e nesse quadro, torna-se mente o go~erno da Restauração uma aliança anti-espanhola; aqui,
compreensível que a diplomacia de Portugal restaurado procurasse a porém, as difIculdades eram ainda maiores, dada a ocupação holan-
todo o custo alianças junto às novas potências que disputavam vito- desa do Nordeste brasileiro. Era o ônus da União ibérica a pesar so-
riosamente à Espanha a posição de centro dominante da vida política bre o Portugal Restaurado, e o mais que se conseguiu no tratado de
européia. As Províncias Unidas dos Países Baixos, a França e a Ingla- 1641 foi um decênio de tréguas no ultramar, além de promessas de
terra são, assim, os alvos principais da diplomacia da Restauração, ao ajuda na guerra européia contra a Espanha, tudo isso acompanhado
lado da Santa Sé(lO). de concessões comerciais nas possessões ultramarinas portuguesas.
Laboriosas negociações são desde logo entabuladas, mas é com a Com extremo oportunismo, valeram-se os holandeses dos prazos es-
antiga alia4a que as vinculações se consolidam. O que, aliás, não de- tipulados para ratificação e vigoramento do tratado para atacar e
ve causar estranheza, pois, com as outras duas potências inimigas de ocupar o Maranhão, Luanda e S. Tomé(14). Tão crítica se tornara a si-
tuação, que nas negociações seqüentes, D. João IV, atendendo ao
("ICr. Hntóna de Portugal, dir. por DamIão Peres, t. 11, pp. 378 segs., e Oxford assessoramento do Pe. Antônio Vieira que também serviu de nego-
Hutory ofEngliJ.'id, vol. V - The Fourteenfh Century, 1307·1399, por M. McKisack, ciador em Háia, chegou a propor a venda, às Províncias Unidas, dos
p. 464. H. V. Llvermore . A New HlJtory ofPortugal, Cambridge at the Umversity
Press, 1966, p. 103. E. Prestage - • The Anglo-Ponuguese aliance.. , TranJ(J(;tions of (1IIer. G. ZdJer _ LeJ TemPi ModerneJ, 1" pane, I. II da Hátoire des Relatiom
the Royal HtJtonCiJl Soúety, série quarta, vol. XVII, 1934, pp. 69-100. Internatlonalei, dir. por P. Renouvin, Paus, 1953, pp. 255 e segs.
(~)A crise de 1383-1385 vem sendo discutida e rediscutIda na historiografia pOrtU- (l!lCf. Ângelo Ribeiro _ «A atividade diplomática da Restauração» e «De Momijo à
guesa contemporânea. Os trabalhos fundamentais são os de Amônio Sérgio,]aime morte de D.João IV», in HlstlÍna de Portugal, dir. por Damião Peres, t. VI, pp. 23-
Cortesão, ]01'1 Serrão, Salvador DIas Arnault e A. Borges Coelho. 40, 60-76.
('!ler. o já ,itado Portugal na Época da ReJ/auração, de Eduardo D'Oliveira Fran· r Iller. Hntória de Portugal, dir. por Damião Peres. t. VI, pp. 86-87.
ça. em qu~ se procura uma análise compreensiva do fenômeno. À p. 82: «O homem (1~lef. F. A. de Varnhagen - HIstória Geral do Bnwl, 3' ed., T. 11, p. 363, e Há-
de 1(40) E o fidalgo português». tóri4 das Lutas com OJ HoliJndeuJ no Braszl, ed. de Salvador, 1')55, p. 254. C. R.
IIO)Cf. E. PreSlage _ As relações diplomáticas de Portugal com a França, a Inglater. Boxer - Os Holandeses no Brast!, 1624-1654, trad. port., São Paulo, 1%1. pp. 149-
ra e J Holanda de 1640 a 1668. Trad pore, Coimbra, 1928, passim. 153,224-225.

20 21
territórios ocupados pela Companhia Holandesa das Índias Ociden- mava e ampliava, acertando o enviado português, conde da Ponte, o
tais(15). Ao primeiro monarca Bragança, no juizo severo de Lúcio de casamento da infanta Catarina, filha de D. João IV. com Carlos 11; o
Azevedo, «nenhum sacrifício era sobejo» para se manter no rei da Ingl~terra «traria no coração» as conveniências de Portugal,
trono(16). Mas não podia ser, por certo, esta precária aliança a que defende-la-la com forças de terra e mar; em compensação, aceitava
consolidaria a Restauração. como dote da consorte a praça de Tanger, a ilha de Bombaim e mais
Ê pois para a Inglaterra que se voltam as esperanças de apoio e sus- dois .milhões de cruzados. Talo pesado custo da aliança inglesa e da
tentação. Tal a necessidade desse apoio, que a monarquia portugue- medlação com a Espanha, pondo termo à longa guerra da Restaura-
sa se viu obrigada a ajustar-se às vicissitudes políticas da Inglaterra ~'ão( 18).
nesse período. Ao primeiro tratado de aliança, firmado com Carlos I Assim, redefinia-se a aliança inglesa, configurando uma tutela de
Stuart (1642), seguiu-se o de 1654 com o Lorde Protetor da Repúbli- fato. No conjunto, percebe-se a permuta de enormes vantagens co-
ca Inglesa, para enfim reafirmar-se com Carlos li, em 1661, a aliança merciais aos ingleses, por proteção política. O alcance de tais conces-
política e os acordos comerciai.$, tudo selado com o casamento de Ca- sôes torna-se claro quando nos lembramos que entrementes se tran-
tarina de Bragança com o rei Stuart.(17) De qualquer forma, a alian- sita de uma situação de quase monopólio da exploração colonial pe-
ça se consolidou. Já em 1642, amplas regalias foram concedidas aos los países ibéricos para um quadro de intensa concorrência na utili-
comerciantes ingleses, inclusive no.campo religioso, contrariando-se zação econômica do ultramar. A instalação de economias competiti-
o parecer de uma comissão de religiosos consultada sobre o proble- vas, sobretudo nas Antilhas, a partir da segunda metade do século
ma; concedeu-se mesmo, no que tange às possessões ultramarinas, à XVII, veio deprimir a economia portuguesa, obrigando os estadistas
Inglaterra, a condição de «nação mais favorecida:t, com o que os mer- lusitanos a programarem ajustamentos extremamente difíceis a fim
cadores ingleses passavam a ter acesso ao comércio colonial pono- de enfrentar o novo quadro da economia internacional{l9). Com ex-
guês, pois igual concessão já se tinha feito à Holanda. No tratado trema habilidade e não menores riscos procurou, contudo, o governo
imposto por Cromwell, alarga-se a brecha explicitando-se a permis- português contornar os tratados, procurando permanentemehte difi-
são aos ingleses de negociarem, por conta própria, de Portugal para cultar para finalmente impedir o comércio direto de estrangeiros
o Brasil e vice-versa (exceção feita do azeite, vinho. farinha e baca- com as suas colônias(20). Dai compreender·se que a diplomacia por-
lhau e pau-brasil); ampliavam-se as isenções dos ingleses, que passa- tuguesa se tenha orientado, a partir de então, no sentido de manter
vam a gozar em Portugal de foro privativo, com seu juiz conserva- a neutra/tdade nos conflitos europeus, preservar os domínios que so-
dor: por tudo isso, pôde-se dizer mais tarde que o tratado de 1654 ti- breviviam à quadra tormentosa (e graças às alianças o maior quinhão
nha sido a «Magna Carta» dos ingleses em PortugaL Bem é <:erto que - o Brasil- fôra salvo), intensificando a sua exploração. Rompida
D. João IV tergiversou quanto pôde antes de referendar o tratado, a União Ibérica, que o comprometia necessariamente nas pendências
pretendendo curiosamente consultar a Santa Sé; mas não teve alter- internacionais, Portugal encontrava-se definüivamente voltado para
nativa diante da esquadra inglesa. Em 1661, na regência de Luisa de
Gusmão e já restaurados os Stuarts na Grã-Bretanha, tudo se confir- 11~)Cf. Alan K. Manchester - BritlJh Preemmem:e in Brasil. Chapel Hill, 1933,
pp . .l-) segs. O tratado de 1661, in English H1Jtoncal Documents, vai. VIII, p. 857".
{P1Cr. Sandro Sideri . Comércio e Poder. Colonialismo informal nas relações
(l~lCf. Pe. Antômo Vieira· «Papel a favor da enuega de Pernambuw aos holan· <Jnglo-porluguesas, nado pore, Lisboa, 1978, pp. 38·55. Cr. Vitorino Magalhães-
deses (1648):0 in Obras Esculhidas. ed. de Antônio Sérgio e Hernam Cidade (Lis. Cadinho . ~Poflugal, as frotas do açúcar e as frotas do ouro». Revista de Históna,
boa, 1951), vaI. III, pp. 29·107. J. Lúcio de Azevedo· História de Antônio Vieira. S,io Paulo. nO 15, 1953, pp. 69·88. Celso Furtado· FOrm4fão Econômica doBras;/.
2" ed., Lisboa, 1':>31, t. I, Py. 129-160. C. Boxer, op.cit. pp. 248-249, 269·271 RlO de Janeiro. 1959, pp. 25 srgs.
(16J. Lúrio de Azevedo· EpocllJ de Portugal Econômico.)' ed., Lsboa, 1947, p. I21) Cf. Lúcio de Azevedo· Épocas de Portugal Econômico, p. 389 segs. Arthur Ce·
I
38~.
zar Ferreira Reis· ",O comércio colomal e as companhias privilegiadas~, in História.
(17)Cf. H Livermon."· A new History of Portugal, 1<.1(,(,. pp. 182·183. G.H, Tre· Geral da Civilização Brastleira, dir. por Sérgio Buarque de Holanda, t. I, vaI. 11, pp.
velyan - História da Inglate"a, trad. port.. Lisboa, 1946. yoL 11, p. 64. Os textos 313 segs. Ainda: B. N. L Rrservados, Fundo Geral, cód. 10.513, .Exposição dos
dos tratados eSlão em José de Almada· A Altança inglna. cil., vai. I. fundamentos por que e1·Rei de Portugal se acha hoje desobrigado ...•

22 23
o Atlântico. Agora conseguia permanecer neutro nas guerras euro- terra elizabethana - tudo tendia a configurar um novo equilíbrio
péias da segunda metade de Seiscentos, ligadas à ascensão e declínio Internacional, o que não escapou ao arguto aventureiro Sherley. A
da preponderância francesa, sob Luís XIV. Mas à última delas, já no manmenção do statu·quo de preponderância implicava assim no
início do século XVIII, não logrou escapar: é que os conflitos em tor- fortalecimento do poder habsburgo na Europa Central; ora, o esfor-
no da hegemonia da França generalizavam-se na guerra de Sucessão ço neste sentido acabou por desaguar na Guerra dos Trinta Anos, em
da Espanha. A diplomacia portuguesa tentou, é certo, manter-se à meio à qual a crise de 1640, já mencionada, se insere. Assim, por
margeJ?; aproximou-se, depois, de uma aliança francesa, num esfor- etapas, retrocedia a pouco e pouco a ascendência política do Império
ço de hbertar-se da dependência britânica, mas acabou por ceder aos espanhol. No continente europeu, vai despontando a nova potência
imperativos da situação, apertando-se ainda mais os liames com a hegemônica: a França, cuja política internacional, dirigida com
Inglaterra. Os tratados de Methuen consolidaram afinal esta si- maestria por Richelieu e depois por Mazarino, tem o definido escopo
tuação(2I). - de abater o poder dos Áustrias. Na paz de Westfália, 1648, ficou de-
Paralelamente, redefiniu-se a posição da Espanha no quadro das finitivamente afastada a possibilidade de o Santo Império constituir-
relações internacionais dessa mesma época. A trajetória espanhola da se numa monarquia centralizada, removendo-se destarte uma das
segunda metade do século XVII é a da decadência e perda da hege- bases da proponderância espanhola. A Espanha ainda resistiu, apro-
~onia. Já em 1622, aquele admirável balanço da situação interna- veitando a crise interna francesa (Frondas), mas foi finalmente bati-
CIonal que é. o Peso político de todo el Mundo de Anthony da, e o tratado dos Pirineus (1659) abre de vez o caminho à prepon-
Sherley(22) deIxava transparecer o recuo do poderio ibérico. derância francesa(24).
Efetivamente, a primazia política espanhola fundava-se em dois Concomitantemente, o ataque ao mundo ultramarino, até entãQ
pil~res básicos: domín~o do ultr~mar, isto é, exclusividade da explo- quase que totalmente dominado pela Ibéria, altera substancialm.:n-
r_açao ~o mundo colomal, e a umdade da política dos Habsburgos de te as condições da exploração colonial. Na medida em que as novas
Austfla e Espanha. A posse do Milanês, do Franco Condado e dos potências (França, Inglaterra, Províncias Unidas dos Países Baixos)
Países Baixos garantia a ·posição preponderante da Espanha. A partir organizavam-se como estados de tipo moderno, lançavam-se às em-
de Cateau-Cambrésis ~ a Paz Católica - a supremacia se desenvol- presas coloniais de modo sistemático. No Oriente, as companhias de
ve, enquanto as guerras de religião na França chegam a ameaçar o comércio inglesa e holandesa, desde o início de Seiscentos iniciam a
poder absoluto da realeza. As vitórias no Mediterrâneo (Lepanto, competição com o monopólio lusitano, passando logo à dianteira. A
1571), contendo a expansão otomana, e a absorção de Portugal com- Inglaterra dos Stuans inicia a colonização na América do Norte. As
pletando a União Ibérica (1580) marcaram o ponto mais alto da as- Províncias Unidas dos Países B~os, através da Companhia das Ín-
censão política da Espanha; o fracasso da Invencível Armada, em dias Ocidentais, ocupavam, a partil de 1630, o Nordeste açucareiro
1588, marca um primeiro recuo(23). A separação e a independência do Brasil; posteriormente, empreendiam a dominação de Angola.
das Províncias Unidas dos Países Baixos, que se vai consolidando pa- Mas é sobretudo nas Antilhas - as Índias Ocidentais por excelência
ra os fins do século XVI obrigando a Espanha a fazer concessões na - que a competição se intensifica. Em torno do meado do século
parte que consegue preservar, bem como o término das Guerras de XVII, Inglaterra, França e Províncias Unidas conseguem alí estabele-
Religião na França e o surto de reorganização política que se lhe se- cer uma economia de plantação concorrencial à produção açucareira
gue sob Henrique IV, e o crescimento do poderio marítimo da Ingla- do Brasil, ao mesmo tempo em que as novas potências firmavam-se
numa posição estratégica para futuros avanços em direção à América
1211Cf Lúcio de Azevedo, op.cit., pp. 396 segs. Alan K. Mançhester, op. cit., pp. espanhola(2») .
18 segs. Vltormo Magalhãe,·Godinho art. cito E. Prestage, art. cito
(22JCf. XavIer A. Flores _ Le "Peso polztico de todo el Mundo> d'Anthony 5herley (24JCf. H. Hauser - La prépondérance erpagnole (1559·1660), 3" ed., Paris, 1948,
ou un aventunér anglms au service de I'Espagne, Pans, 1963. p. 394. Ph. Sagnac e A. St. Leger - LopréPondérancefranfIJlSc (1661-1715), Paris,
12jJR. B. Merriman - The RlSe of 5panish Emp/re. N. York, 1936, t. VI, pp. 123 ' 1935, pp. 1 segs.
segs . espeC!almeflle 399-403, 671 segs. (l~JCf. René Sédillot - HlSlona de las colonizaciones, trad. esp., Barcelona, 1961,

24 25
Por trás de toda essa reviravo,lta espetacular, que reequilibra a po- derante ainda, mas já em declínio. no continente europeu; a rivali-
sição econômica e política das potências modernas européias. opera- dade das duas, que arrave~u todo o século, subjacente e amorteci-
vam os mecanismos da «revolução dos preçosb e seus efeitos sobre a da pela entente até 1740. explícita e agressiva na segunda metade da
economia espanhola: efeitos depressivos que estão na base da deca- centueia - é que permitiu a sobrevivência dos aliados menores (Por-
dência da Espanha, problema amplo e complexo que entretanto tugal e Espanha, respectivamente), e o resguardo de seus impérios
não cabe aqui analisar(26J. Fixemos apenas que essa decadênria. coloniais. A Holanda ajustava-se, também à condição de estrela de
acentuava-se gravemente na segunda metade do século XVII, du- segunda grandezaOO). No sistema de alianças assim consolidadas, a
rante sobretudo o reinado sombrio de Carlos Il, o último Habsburgo posição de Portugal se cristalizava na dependência do apoio inglês.
de Espanha. A população espanhola regride, de oito milhões na Efetivamente, os acordos anglo-portugueses do início do século
época dos Reis Católicos, para seis milhões no fim do século XVIII, que tornariam célebre o· nome de seu negociador britânico
XVII(27). Pela mesma época, é praticamente com manufaturas fran- John Methuen, reafIrmaram a aliança política e aprofundam as vin-
cesas, holandesas e inglesas que a Espanha abastece suas colônias culações comeróais(3l). A crise dinástica que se avizinhava na Espa-
americanasf2B) . nha no fim de Seiscentos, derivada da ausência de herdeiro da coroa
Essa gravíssima crise econômica e política de Espanha desembo- de Carlos lI, e preparando-se as potências para a contenda sucessó-
cou finalmente na Guerra de Sucessão (1701-1713), quando o dra- ria, levou a numerosas negociações diplomáticas, chegando-se mes-
ma espanhol provocou um conflito europeu. Inglaterra e Províncias mo a acordos sobre a partilha da outrora hegemônica monarquia
Unidas, as já chamadas «potências marítimas», aliaram-se à Âusrria hispânica pelas grandes potências européias. Isto impedia Ponugal
para garantir a sucessão habsburguesa no trono de Espanha e impe- de insistir numa política de neutralidade, levando-o a engolfar-se no
dir que se consolidasse a candidatura do neto de Luís XIV. Portugal torvelinho dos arranjos que beiravam ao conflito armado. Sem reca-
acabou por se alin.har desse lado. Terminada a longa e dura refrega, pitularmos o elenco das tortuosas negociações e projetos de
definem-se as posIções: é reconhecido Filipe V Bourbon no trono es- panilha(32), lembremos apenas que a diplomacia portuguesa, ao
pan?ol- e dessa forma consolidada a aliança hispano-francesa, que mesmo tempo que intentou tirar partido da situação obtendo vanta-
haVIa de durar até ~ Revolução - , mas as vantagens comerciais per- gens territoriais, procurou uma certa equidistância entre os partidos,
tencem à Inglaterra, que nos tratados de Urrecht se reserva o tlsiento o que lhe valeria porventura escapar em parte da tutela inglesa. Na
para abastecer em escravos as Índias de Castela(29): Esp~nha, como Espanha, porém, à medida em que a situação se agravava de manei-
Portugal, era pois obrigada a mercadejar com as vantagens da explo- ra alarmante, a preocupação de impedir a partilha acabou por dar
ração de seu ultramar, para garantir a independência da metrópole e primazia ao «partido francês»: entendia-se que o Rei Sol tinha mais
preservar o Império. condições de preservar a unidade espanhola, e dessa forma o último
O século XVIII abre-se, portanto, com a situação internacional testamento do infeliz Carlos 11 legou a Filipe de Anjou a totalidade
claramente definida. Duas grandes potências, Inglaterra e França, a dos clominios da coroa de Espanha. Pouco depois, morria o último
primeira com vantagens no mundo ultramarino, a segunda prepon- habsbuego espanhol, e a sucessão se transformava num conflito eu-
ropeu. Na expressão de D. Luís da Cunha. ficavam «as duas monar-
pp. 268 segs.Jean Gnu - o:E1 Nuevo Mundo y oro espanõ]., Hislóna dei Comériio,
dir. ~r la.cour-Gayet, nad. esp., t. III, pp. 99-141.
12(, Cf. E. HamiJwn - «The decline ofSpaim. in EJSays in Economu; HislOry, dir. OO)Cf. C. H. Wilson - ~The economic decline of the Ne[herlands:>, in &says m
por E. N. Carus-Wilson, LondJes, 1958, pp. 215-226. Economic HislOry, dir. por E. Grus-Wilson, pp. 254-270. H. N. Boon - «De<:adên-
(nJCr. J. Vicens-Vives - Manual de Historia Economica de Espana, 3' d., Barce- cia y despertar •• in B. Landheer - La Nación Holandesa, trad. esp., México, 1945.
lona, 1964, pp. 376 segs. pp.67-78.
(2SJCf. H. Sée - As on"gens do Capitalismo Moderno, nado port.. Rio de Janeiro. OI)Cf. A.D. Francis - The Methuens and Portugal (1691-1708), Cambridge,
1959. pp. 68..69. 1966. Sandro Sideri - Comércio e Poder, nado pon., pp. 63-86.
(2'!)Cr. G. Scetle - La Iralte négriere aux lndes de Cas/iJle, Paris, 1906, L 11, p. (32)(:f. Dámião Peres _ A Diplomacia portuguesa e a Sucessão de &panha (1700-
')23. 1704), Barcelos, 1931, pasim.

26 27
quias de França e Espanha confinantes ,e P?ssuída; P?f um av~ a~mbi­ Carlos da Ãustria na sua reivindicação do trono espanhol, e se con-
cioso e um neto resignado»(33), Em taiS ClfcunstanClas, a poslçao de certavam as condições de cooperação militar na luta que se ia travar.
Portugal se tornava crítica. O diplomata José da Cunha Brochado, Em 27 de dezembro do mesmo ano, assinava-se o tratado comercial
ministro português em Paris, aconselhava a sua corte a manter a ex- luso-inglês, também negociado por Methuen, e que tanta controvér-
pectativa, armando-se para o pior. 0, equilíbrio era extremament,e sia havia de provocar pelo tempo afora(6)_
difícil, pois envolvia a mantença da Itgação com a Inglaterra e pOlS Neste passo, o que nos importa é confrontar a situação de Portu-
uma aproximação com as potências marítimas, sem provocar descon- gal nesta crise do início do século XVIII e o encaminhamento da sua
fiança francesa ... (34), A pressão france'5a porém ~ão se fez esper~r, e posição internacional, com o que ocorre à época da crise do Antigo
o embaixador Rouillé conseguia aprovação de, Lisboa a um projeto Regime, isto é, durante as guerras da Revolução e do Império_ É de-
de aliança, comprometendo-se Portugal de ~echar seus portos aoS ad- veras impressionante o paralelismo que ressalta da comparação. O
versários de Luís XIV. Cunha Brochado discordava, apontando os mesmo dilema: Inglaterra ou França, salvaguardar os domínios ul-
perigos de semelhante posição; o ministro português. e~ Haia, F!an- tramarinos pondo em risco a sobrevivência da metrópole européia,
cisco de Sousa Pacheco, por sua vez, lembrava expliCItamente a se- ou abandonar as colônias, aderindo à 'aliança continental para pre-
cretaria de Estado lisboeta o enorme risco que corria o mundo colo- servar PortugaL A mesma hesitação, a procura da neutralidade; o
nial português em virtude. de aç~o ~ostil ..à Inglaterra e à mesmo desesperado esforço, ao cabo inútil, para contrabalançar as
Holanda(3~). A situação defima-se, pOIS, com mudez: dar cob.ert~lfa influências das grandes potências, anulando a tutela_ A mesma solu-
à Inglaterra, garantindo-lhe cabeças-de-ponte na penín~ula, slgmfi- ção final, refúgio no apoio britânico(37). Guerra de Sucessão na Es-
cava enfrentar a França e a Espanha, e pois, colocar em nsco Portugal panha, Guerra Peninsular, o mesmo drama português: mas a histó-
metropolitano; aderir à causa francesa importava em abandonar as ria não se repete ... A identidade impressionante se esgota no nível
colônias à ação das potências marítimas mais poderos~, Inglaterra e das reJações internacionais. Na crise do fim do século XVIII e início
Províncias Unidas. Como se vê, não podia ser pior a Situação portu- do XIX, não se trata apenas, como na Sucessão de Espanha, de sim-
guesa; dividiam-se as opini?es, formavam~se «partidos». D. Luís d.a ples disputa das potências pela hegemonia européia e ocidental; sen-
Cunha, de Londres, preconizava a neutralidade, com o que, acre~l­ do também isso, a grande crise de que a guerra peninsular é apenas
tava havia de satisfazer-s.e a Inglaterra. Cunha Brochado, em Haia, uma parte, envolve todo um processo revolucionário que: põe em
conduzia-se com desenvoltura, insinuando que talvez Portugal não causa a estrutura do Antigo Regime. Por isso, embora o encaminha-
cumprisse os acordos com Luís XIV. O gove~no de D. Pedr<;, 1.1 se de- mento diplomático tenha sido basicamente o mesmo, os resultados
batia em contradições, enquanto os aconteCimentos se pre.Clpu avam . foram fundamentálmente diversos: não se salvaram as colônias, nem
Procurava garantias na França, tentava .mant~r a neutralidade, mas o absolutismo sobreviveu em Portugal.
acabou por ceder inevitavelmente à aliança mglesa. O tralado de Não obstante, convém refletir sobre o paralelismo acima aponta-
aliança ofensiva e defensiva, negociado por John Met~uen, e firma- do. Ele revela, em primeiro lugar, a persistência do sistema de alian-
do em 16 de maio de 1703, estabelecendo o compromiSSO, renOvava ças montado no início do século XVIII; evidencia o funcionamento
todos os tratados anteriores; Portugal aderia à causa do arquiduque do esquema que permitiu às nações ibéricas salvaguardar seus exten-
sos domínios ultramarinos, apesar de reduzidas ao segundo plano
(3»ApudDamião Peres, op. cito p. 3~. _ . enquanto potências européias.
(l4)"Pro fessar amizade com Inglaterra e Holanda, e ao mesmo tempo nao dar a (3(,) Cf. A.D. Francis - The Methuem and Portugal, Cambridge, 1966 e N. Wer-
França a mínima desconfiança nem aos Espanhóis o ~als leve pretexto. De s:orte que
n~~~jSo?ré - O Tratado de Methum., Rio deJ~aneiro: 19H. Sandro ~ideri" op. clt.
devemos ser amigos de todos, mas com grande política, de Inglaterra com slncenda- _ Vejam-se, entre OUtros: A. Fugler - La Rellolutl0n FranfalSe el I Emp/re Napo-
de, e de França, com grande estudo•. Cf. Cartas de José da Cunha Brochado', sele- leomen (t .-'1 daHuJOIre des ReJallOm IntemationaJes, dir. por Pierre Renouvin), Pa-
ção, prefácIO e notas de A. ÂJvaro Dória (Lisboa, 1944), p. 113. Cana de 29 de no- flS, 195~, P?. 73-75, 209~21O, 243 segs. A. Vianna - IntrodufJoaos Apontamentos
vembro de 1700. para a. Hzstona DIplomátIca Contemporânea (1789-1815), Lsboa, 1907 ,passim. M.
(3'» Cf. Damião Peres, op. cit. p. 46. de Oliveira Lima - D.joJo VI no Bra!1/, 2" ed., Rio deJaneiro, 1945, t. L pp. 53·89.

28 29
E de fato, Portugal conseguiu atravessar incólume os conflitos de que os mais ousados estadistas do Setecentos em Portugal não ten-
Setecentos. Somente por um momento, no meado do século, duran- tassem soluções de política externa que pusessem o país a salvo da
te a Guerra dos Sete Anos, a crise originada pelo «pacto de fa- tutela inglesa. Tal foi o caso de Alexandre de Gusmão, que na quar-
mília», e o confronto generalizado entre Inglaterra e França, en- ta década do século, em meio à crise platina, esboçou todo um plano
volveria de novo Portugal. A m:esma diretúz salvoll-o novamente: a - a chamada Grande Instruçiio - de reaproximação com a
pertinaz procura da neutralidade, a hesitação diante das opções, e fi- Fran.ça(39). A margem de manobra dentro da qual se movia a diRlo-
nalmente a mantença da aliança inglesa. Evitando, pois, envolver-se maCIa portuguesa era porém assaz estreita para que tais tentativas
nos conflitos europeus, mesmo quando as questões coloniais come- pudessem ser levadas adiant~. Nos círculos oficiais, a aliança inglesa
çavam a pesar cada vez mais no equilíbrio do Velho Mundo, ia assumindo. a feição de dogma, sendo encarada como a única tábua
voltando-se d"txididamente para o Atlântico, a metrópole do Brasil de salvação,'a ponto de o mesmo arrojado Gusmão desabafar de cer-
ia se apegando cada vez mais à política de neutralidade. A Espanha ta feita para D. Luís da Cunha: . «Desencadernaram-se as negocia-
foi menos feliz nesse desiderato, mas no fundamental preservou seu ções, e se baralharam com a superstição e a ignorância arrogante,
imenso império. É que a posição da Espanha' diferia até cena pontO fechando-se a decisão com o ridículo adágio de - Guerra com todo
da de Portugal; aliada à Fránça, ficou mais vinculada à política con- o Mundo e paz com a Inglaterra»(40).
tinental. Por outro lado, no equilíbrio estabelecido em Utrecht, a Pela mesma época, durante a guerra de Sucessão da Áustria, dis-
aliànça francesa foi contrabalançada com favores comerciais à Ingla- pomos de curioso testemunho sobre as relações internacionais e a po-
terra. É indispensável ter essas concessões em conta para se entender sição de Portugal: trata-se do texto que sob a forma de carta a um
a vantagem crescente que a Inglaterra, ao longo do século XVIII, foi amigo «assistente no Estado do Brasil», publicou Custódio Jasão
adquirindo na contenda com a França. Barata, ou antes, quem se escondia sob tal pseudônimo(41). Defen-
A posição portuguesa era mais niudamente definida. Daí a alian- de a eleição' do Grão Duque Francisco Estevão na Dieta de Frank-
ça inglesa converter-se num quase axioma da diplomacia portuguesa furt, impugnando os argumentos do partido francês, e acrescenta
do século XVIII. O mesmo Pombal, embora forcejando por reduzir que «a Coroa da Grã~Bretanha sempre traz nos seus manifesTOS o
as vantagens econômicas inglesas em Portugal, nunca perdeu de vis- equilíbrio da Europa, estes são os empenhos que nos faz públicos».
ta a necessidade incontornável de manter a proteção política da In- Não deixa porém de notar que a melhor posição é a «neutra!», pelo
glaterra(3B). menos enquanto possível de sustentar.
Esta vinculação política à Inglaterra, que persistiu ao longo de to- NeSsa mesma linha, o próprio D. Luís da Cunha, que foi sem dú-
do o século, imp.unha-se em termos de necessidade; não significa vida o mais lúcido obserVador da vida política européia e dos proble-
mas portugueses que Portugal produziu na primeira metade do sé-
(.lHlcr Lúcio de Azevedo _ O Marquês de Pombal e sua Época. 2' ed., Rio deJa- culo XVIII, chancela com a sua autoridade a linha tradicional da
nelfO, 1922, pp. 21~ segs. A idéia de uma diretriz de política internacional anti- aliança inglesa. No seu notável Testamento Polítú:o, dirigido ao
mglesa de Pombal deriva da atribuiçao errônea, perfilhada por tantos auwres, da príncipe herdeiro D. José às vésperas de tornar-se rei, lembrando a
autoria do famoso Discurso político sôbre as vantagens que o Reino de Portugal po· necessidade da permanente vigilância em face das inevitáveis preten-
de IIrar da sua desgraça, ao ministro de D José I (Cf. Cartas e outras obras se/ectas
do Marques de Pombal. Lisboa, 1861, vaI. 11, pp. 97-187. Manuscriws; A. R. C. L.
Ms. 1.(,i08a. A. H U., cód 1.227). Efetivamente, todo o diswn;o visa demonstrar f Alexandre de Gusmão - «Grande Instrução .» (1736). lO Alexandre de
\.'W)C.
que os males de Portugal (bem como o progresso da Inglaterra) advêm de entender- Gusmão e o Tratado de Madnd, deJaim\ Cortesão. parte III, Amecedente.r do rrJ
se mevitável a aliança' inglêsa (p. 108); ora, «quando Portugal sacudiu o jugo caste- lado, L L (Rio de Janelio, 1951). pp. 420-454.
lhano podia ter razões para se pôr debaIXO da proteçao da Inglaterra, mas estas ra- (~O)Cf. Alexandre de Gusmão - Obras (Cartas - PoeSIa - Teatro) 2' ed., São PolU-
zões não existem hoje» (p. 126). Porém, já em 1904 G. C. Wheeler demonstrara lo, 1945, p. 68. Carta de \O de fevereiro de 1748.
que o texto, editado primeiramente em francês, na Haia, em 17~5, é de autoria do (·1I)Cf. Custódio Jasão BaratOl - Carta de Hum Amigo Amstenle na Corte de Ln
publicista Ange Goo.dar (Cf. c.c;.. Wheller _«The dúmuTS politique attributed to boa a outro Assistente no Estado do BraSIl, 1745. Segundo InocênCIO, trata-st" de
Pombal», Eng/lSh Histonca/ Review, vol. XIX, 1904, pp. 128-131). pseudônuno de João Batista de Castro.

30 31
sôes castelhanas, preconiza a reafirmação da velha aiJança(42J. Sem potências - vai adquirindo importância crescente, para assumir en-
descurar, é claro, dos preparativos militares internos, da auto-defesa, ftm -?? século XVIII o papel de elemento primordial deflagrador das
pois são estas forças que «nos darão tempo para resistirmos aos pri- hostlhdades e consagrador das preponderâncias. Tal, na verdade a
meiros insultos dos inimigos, e para esperarmos os socorros que ti- função :ssencial que desempenha a exploração ultramarina na vida
yermos estipulado com os nossos aliados». Daí ser necessário «refor- econômICa das nações européias do período mercantilista.
mar o tratado de perpétua aliança defensiva, que fizemos com a rai- Ora, no co~junt.o, a exploração do Ultramar organizada nos qua-
nha Ana de Inglaterra». Jorge 11, acresce, inreressar-se·ia em vincu· drAos do Antlgo Sistema Colonial, permite distinguir nitidamente
lar a Holanda, pois «a uma e outras potência convém a conservação t~es elementos básicos: áreas já densamente povoadas quando do iní-
de Portugal». E à mesma França, apesar dos seus liames com a Espa- c~o d~ expansão mar~tLma européia, portadoras de civilizações tradi-
nha, não conviria que esta anéxasse Portugal, pois, «senhora da pra- CIonaIS, onde a domInação política permitia o comércio vantajoso de
ta e do ouro, e mais produtos de Portugal e da América, daria a lei a alguns produt.os de alto valor unitário no mercado europeu como as
todas as potências da Europa»; com o que, finalizando. conclui: «e f~osas especiarias do mundo indiano; zonas de povoamento e colo-
esta razão de Estado é o nosso melhor garante, em que contudo nào ntz~çã~ européia, onde se estruturam economias complementares ao
devemos pôr toda a nossa confiança». capl~al~smo mercantil europeu, fornecedoras sobretudo de produtos
Tal, na palavra do mais arguto diplomata português de Setecen- trOplC:m e metal no?re (a América é por excelência o teatro da ação
tos, a linha da política internacional lusitana; ela foi estritamente se- colomzado!a~uropétadurante o primeiro sistema colonial); e, final-
guida até a época da crise do Antigo Regime e do Sistema colonial. ment~, a ;'-fnca for~ecedora da força de trabalho escravizada que
A propósito dessa linha de conduta da diplomacia portuguesa no permIte por .em .funClonamentd a produção colonial do segundo se-
século XVIll, e sobretudo da sua persistência, atestada no paralelis- t?r(43). A pnmelra categoria configura o que os teóricos do colonia-
mo acima ressaltado, nas duas crises, com que se abre e se encerra o IJSmo c?~aram, um tanto impropriamente quanto a nós, «colônias
século, convém ainda referir outras implicações. E que a insistência com~rCl~~ (as Han~els.l~.olonien. de Roscher); na América, é possí-
na diretriz deixa entrever uma certa opção polltica, qual seja a de sal- vel dISCnmmar as colonIas propnamente de «exploração» das colônias
var a integridade do Ultramar a todo custo; na atitude aparentemen- de «pov?amenw.(44). A Europa, ou antes a economia capitalista
te desconcertante do regente D. João, emigrando para o Brasil, esta merc~nul eur<.>péia, é o centro dinâmico de todo o sistema, gerador
opção é levada ao limite. Para apreendermos o significado mais pro- da açao colOnIzadora e naturalmente beneficiário dela(45)
fundo dessa política necessitamos de elementos explicativos que só . ~ E~ropa, porém, não é uma unidade política, é uma u~idade ci-
no decurso deste trabalho têm o seu lugar. De qualquer forma, esta vI!~zaclon~. Se, pois, no conjunto e no essencial, a economia euro-
conStatação já nos conduz a examinar agora mais em particular o pela funCIonava como o centro do sistema de exploração ultramari-
mundo ultramarino no quadro das relações internacionais do século na, para lá convergindo os influxos estimuladores do desenvolvi-
XVIII. mento econômico - na prática desse processo as várias nações da
(4')çf. .Azeredo Coutinho; .~of[ugal tel!! duas sortes de estabelecimentos nas
2) ConcOTTência colonial e tensões internacionais duas Indlas: e na Costa ~a Afnca. Os das Indias Orientais e da costa da Ãfrica só
~em por objeto o comérCiO e os da América tem por objeto a cultura e o comércio
Juntame~te ... ~. Ensato &?nômieo sobre o Comércio de Portugal e suas Co/ônlas
Efetivamente, na longa série de conflitos que caracterizam as rela.
(1794). In ObraJ EeonomteaJ de jI da Cunha Azeredo Coutinho (São Paulo
ções internacionais da Êpoca Moderna, a disputa pela exploração co- 1966). p. 138. '
lonial- e, pois, a posição das colônias no quadro do equilíbrio das (44)Sobre
. a t-p) . d )'. d
1 0_ ogLa as c~ omas: Fernan o A. Novais· «Colonização e Sistema
Cot~nLaI: dlscu$sao doe conceLtO$ e p~rspectiva histórica». In Anaú do IV Simpôsio
N~f~fnal dOJ Professores UmverslllÍnos de HzslóTIQ. (São Paulo. 1(9). pp. 24}-268.
(411Cf. Testamento Po!ítu:o de D. Luis da Cunha (cirea 1749). prefácio t notas de Cf. M. Dobb - Studies in lhe Developmenl ofCaptta/um. Londres. 1954. pp.
Manuel Mendes. Lisboa. 1943, pp. 43.44. 204 segs.

32
33
Europa moderna se disputavam agressivamente a preeminência do panhia Holandesa das Indias Orientais foi um momento dos mais
desfrute do sistema colonial. Assim, preponderância européia e he- significativos nessa transição; tal empresa organizou-se com uma for-
gemonia ultramarina vão se entrelaçando cada vez mais, e se condi- ma ~ajs moderna e racional, apontando já para a sociedade de ações
cionando reciprocamente. (soCleda?e anôn~ma, em que muito cedo se transformaria), e esta
A chamada preponderância espanhola, ou antes ibérica, corres- moderOldade fOI certamente o fator preponderante do seu êxito na
pondeu, de fato, ao período da montagem primeira do sistema de tarefa de substituir os ibéricos no comércio rendosíssimo das Indias.
colonização, em que PonugaJ e Espanha foram, como se sabe, pio- Menos de dez anos da sua incorporação, os holandeses já senhoria-
neiros. A comercialização dos valiosos produtos orientais, o tráfico vam numerosos entrepostos, competiam vantajosamente, e ocupa-
negreiro, a produção colonial do açúcar, a mineração dos metais no- vamJava e Sumatra(49). Em 1621, seguindo o modelo tão eficiente
bres organizaram-se ao longo dos séculos XV e XVI pelos coloniza- da primeira, fundava-se a Companhia Holandesa das Indias Ociden-
dores portugueses e espanhóis; nas primeiras décadas do século XVI, tais, que promoveu a tentativa frustrada de fixar-se na Bahia açuca-
o sistema está praticamente constituido e o que se segue não é mais teira do Brasil em 1624, tendo êxito afinal em 1630, em Pernambu-
que desenvolvimento e desdobramento do mesmo. Nesta fase, que co()O). Da primeira para a segunda companhia transitava-se para a
vai até meados do século XVII, grana-modo, as demais potências concorrência propriamente colonial, isto é, procurando uma potên-
procuravam participar atravt:s do ataque direto ao sistema montado cia não ibérica, adversária da Espanha, apossar-se de uma região pro-
pelos países ibéricos: a pirataria e o corso(46) dão o tom a esta primei- dutora de mercadorias tropicais, e fixar-se nela.
ra fase da concorrência ultramarina. Os nomes de Hawkins, Drake, Mas não eram apenas as Províncias Unidas que promoviam a con-
Frobisher, Gilberr, Raleigh, corsários ingleses da época de Elisabeth corrência colonial. Neste mesmo período, Inglaterra e França entram
I, enchem este período com suas façanhas. A atividade francesa pa- ~istematicamente na liça peJo ultramar. A Companhia Inglesa das
rece ter sido de não menor tomo:,atividades de Binot Paumier de Indias Orientais (1600) abriu à Inglaterra os caminh0s do
Gonneville, Ango, etc.<47). Oriente(5!). A princípio aliados dos holandeses na disputa com os
Numa segunda etapa e numa segunda frente de competição, a portugueses, logo (a partir da década de vinte do século XVII) com-
concorrência se torna propriamente comercial, e se orienta sobretudo petidores entre si, tal não impediu a flxação britânica nos entrepos-
para os entrepostos do Mundo Indiano e do Extremo Oriente. Tal tos orientais. Em 1621 já podia Thomas Mun, teórico do mercantilis-
movimento se liga, diretamente, à constituição, na Europa, das Pro- mo inglês, e aliás diretor da companhia, proclamar o êxito da em-
víncias Unidas dos Pa1<;eS Baixos como unidade política independen- presa, comparando as vantagens do comércio direto, com o que ou-
te separada da coroa espanhola; a luta político-religiosa da autono- trora se fazia quando se traziam (as especiairias) da Turquia e de Lis-
mização das Províncias Setentrionais dos Pa~ses Baixos, boa()2). Este primeiro Discurso de Mun, aliás, entusiástica proclama-
desdobrando-se em concorrência econômica, tornou, com o tempo, ção de êxitos e vitórias crescentes, faz curioso contraponto com os
cada vez mais difícil àquelas regiões prosseguirem nas suas fainas contemporâneos Discursos sobre los comercias de !as dos [ndias
de carrying trade, e as estimulou à procura de contactoS com as fon-
tes diretas do comércio .orienta1(48). A constituição (1602) da Com- I·,')'CI". S. B. Clough e Ch. w. Cole· },·conomrc History olEurape, 3' ed. Boston,
!'.>~2, pp 163 segs. Bernard H. M. Vlekke - «Las Indias Orientalts Holandesas~ In
(46)Cr. H. Linden (' Ch. Lannoy _ L 'Expansion Coloniale deI Peuples Européem Nación Holandesa. dir. por B. Landheer, trad. esp. México 1945 pp. 340s~g,
La1';111 f ., ' , ,
(Bruxelas, 1907), t. I. Hútoria dei Comemo, dir. por Lacour-Gayet, trad. esp., t. C . VIO e~ Barbour - Capllalnm In Amsf?rdan in lhe 17th eentury, Balümore,
m, pp. 99·141. PhiJip Gosse - HiJtoire de la Piraterie, trad. fr., Paris, 1933, pp. 1'»)0. H. Wãtjen - O domínw colomal holandês nu Brasil, trad. port., São Paulo,
131-144, 177-217. 1'.>38. C. Hoxer - Os Holandeses no Brasil, pp. 1-93.
(47)Cf. História Geral da CtVilização BraSIleira, dir. por Sérgio Buarque de Holan- '';I,Cf. E. Lipsun. Economic Hislory ofEngland, 5' ed., Lundres, 1948, t. lJ, pp.
da, São Paulo, 1960, t. m, vol. I, pp. 147 segs. 269 segs.
(48)Cr. G. Luzzatto - 5toria Economica del/'etJ Moderna e Contemporanea. 4' ')'IC'·
- . .,.,ornas Mun . D!Jeurso acerca dei Comercio de Inglaterra cun las lndiaJ
ed. Padua, 19)). t. I, pp. 22) segs .. Onent,dn(1621). trad. esp., MéxlCu. 19')4. p. 197.

34 35
(1622) de Duarte Gomes 50.tis, que analisam os percalços do comér- em ilhas de menor porte, agindo persistentl!mente nos desvãos da-
cio português no mundo onentaj('>3). quele labirinto marítimo, toda uma maha de aventureiros de vária
Desde 1608, por outro lado, iniciava-se a coloni2ação inglesa na procedênCIa se vai autonomamente estabelecendo nas Caraíbas. O
América do Norte com a fundação da Virgínia. A famosa viagem do sentimento de independência era forte naqueles homens desvincula-
Mayflower em 1620 dava início ao settlement na Nova Inglaterra, dos dos troncos europeus e lançados ao «inferno» tropical; chegaram
e a partir desses dois focos foi se desdobrando no decorrer de Seiscen- mesmo a constituir uma curiosa sociedade com suas regras próprias
ros a ocupação inglesa ao longo da fachada atlântica da América Se- de comportamento, aliás extremamente rigorosas. Acabaram porém
tentrional. Mais para o Sul, na região já anteriormente ocupada pe- por se transformar em cabeças-de-ponte para o ataque sistemático por
los holandeses (Nova Amsterdam), defrontavam-se novamente, co- parte das novas potências coloniais ao monopólio ibérico. A sua viru-
mo no mundo indiano, os dois movimentos expansionistas; mas lência decresceu na medida mesma em que se encetava a colonização
1664, já no terceiro quartel do século, marcava a consolidação do do- sistemática das ilhas por parte de franceses, ingleses e holandeses. A
mínio britânico nesta área (a Nova York dos ingleses)<54J. época de seu maior florescimento foi a segunda metade de Seiscen-
Foi na América do Norte, também, que tiveram seus primeiros tos, coincidindo, como agudamente nota Jean Gagé, com uma épo-
êxitos duradouros os franceses em seus empreendimentos coloniza- ca de consolidação de governos rígidos na França (absolutismo de
dores. Antes de se fixar no Canadá, já tinham também tentado in- Luís XIV) e na Inglaterra (restauração Stuan) e de crise política nas
frutiferamente no Brasil (França Antártica), donde os expulsaram os Províncias Unidas (conflito entre o Stathouderato e o Pensionárlo),
portugueses, e na Flórida, donde os espanhóis os desalojaram. Foi a situações políticas tendentes a expulsar os inconformados. No século
partir do empreendimento de SamueI Champlain, 1608, que, com a XVIII vão rapidamente minguando os flibusteiros e bucaneiros; é
fundação de Quebec, a colonização francesa se desenvolveu de for- propriamente a concorrência colonial que se instaura no mundo an-
ma irreversível, apesar das inúmeras vicissitudes, no vale do São lou- tilhano(s7).
renço (já visitado por Cartier em 1534)C''j). Foi neste contexto que Inglaterra, França e Holanda estabelece-
Mas foi sobretudo no mundo antilhano - esse «mediterrâneo ram suas colônias nas Antilhas. A partir dos estabelecimentos fli-
americano» - que a competição colonial se engajou mais fundo, busteiros se processa a formação dos primeiros núcleos de povoa-
ponto de encontro e de fricção que foi esta área dos vários movimen- mento, donde parte a conquista às ilhas espanholas. A pequena São
tos colonizadores europeus, dadas as suas excepcionais condições Cristóvão (a St. Kitts dos ingleses) parece ter sido o núcleo inicial de
geográficas e geo-políticas. Para aquele formidável arquipélago de fixação francesa e inglesa. Já em 1625 os ingleses se expandem para
pequeQas e grandes ilhas, charneira das rotas das Índias de Castela Nevis, Antigua, Barbados; os franceses para Guadalupe, Martinica
por onde transitavam os galeões e as frotas abarrotadas de prata e ou- (1635), para depois, em 1640, empreenderem a ocupação de S ..Do-
ro, convergiram desde cedo as ações da pirataria e do corso - aun" mingos, nas Grandes Antilhas. Os ingleses, por seu turno, em 1655,
sacra fomes. A pouco e pouco, transitava-se nessa região, da pirataria à época cromwelliana, apoderam-se de Jamáica. Desde 1634, es ho-
e do corso, isto é, do assalto e abordagem das naus ibéricas no mar, landeses dominam Curaçao. Indicamos, como é natural, apenas os
para uma atividade mais estável sob certo ponto e certamente mais pOntOS mais salientes desse movimento expansionista. Tratava-se,
aventureira também e de qualquer forma mais independente dos nessa fase, de ocupação com fins políticos e comerciais indiretamen-
centros metropolitanos: a flibustaria e a bucanaria(56}. Fixando-se
("i!JCf.]ean Gagé . Curso mimeografado sobre L 'Expamion C%niale Bntamque.
(HJCf. Duarte Gomes Solis - DiscursOJ sobre los Comercias de las dos IndiaJ 1942 (Biblioteca do Departamento de Históna da FalUldade de Filosofia, Letras e
(1622), ed. de M. B. Arnzalak, Lisboa, 1943. Ciências Humanas da U. S. P.). Um deS5es aventureiros· Exquemelin. delxou uma
()4JCf. S. E. Morison e H. S. Commager - The Growfh ofthe Amcnc.m Republic, notável narrativa desses aconteCJmentos; o livro, publicado em 1678, em Amster-
4 a ed., N. York, 1960, pp. 37-92. dam, fOJ rapidamente traduzido em várias línguas, e teve notávd difusão. Veja.se a
O~)Cf. Georges Hardy - Ristoire de /o Colonisation Française, 3 a ed., Paris, 1938. edição moderna de The Buu:al1eers o/ Amenca de John Esquemehng, Londres,
(%)cr c. Haring - Los Bucancros de las lndtos Onentales en cf sigla XVII. [fado
1951.
esp., Paris, 1939.

36 37
te, isto é, visava-se à fixação em pontos estratégicos para organizar sabe a estratégia de Salvador de Sá que coordenou a retomada do en-
eficientemente a apreensão dos navios espanhóis, e quiçá preparar o treposto africano com a luta pda expulsão dos batavos da América
futuro assalto ao Império EspanhoL Assim, fomentava-se o povoa- poftuguesa(63). A fixação de holandeses, franceses e ingleses nas An-
mento na base de pequenas propriedades para fixar colonos à terra, tilhas alterou este quadro. O tráfico negreiro ganhou novo impul
e esses domínios iam assumindo nesta curta fase inicial a forma de soeM); instaurou-se, assim, conforme assinalou Celso Furtado, a con-
colônias de povoamento(58). corrência de uma economia exportadora com base na grande proprie-
A introdução da lavoura açucareira - a plantation inglesa - es- dade escravista - a plantation - , que se organizava primeiramente
cravista alterou substancialmeme esta situação. Tal fato se ligou à ex- na Virgínia para o cultivo em larga escala do tabaco, e a produção
pulsão dos holandeses do Nordeste Brasileiro; portadores de amplos mais restrita das colônias de povoamento antilhanas. O confronto em
recursos de capitais e senhores de um sistema de comercialização su- termos de interesse econômico para as metrópoles resultou natúral-
periormente organizado, a estada dominadora na colônia açucareira mente desfavorável às segundas(65). A expulsão dos holandeses do
portuguesa permitiu aos holandeses um contacto direto com o setor Brasil abriu, pois, o caminho, como vimos, para a montagem da eco-
produtivo dessa mercadoria decrescente mercado na Europa, assimi- nomia açucareira escravista nas ilhas do Caribe. Assim, se transforma-
lando assim as técnicas de produção: dispunham a panir de então de ram as primitivas colônias em colônias de exploração, produtoras de
todos os elementos para a montagem de uma economia concorren- açúcar para o mercado europeu em grandes empresas à base do traba-
cial à da área de onde tinham sido rechaçados pelas armas. Iniciou-se lho escravo. O tráfico negreiro passava, assim, a ser o nervo da concor-
então a implantação sistemática da economia açucareira nas Anti- rência colonial. Na Inglaterra, organizava-se a Royal Mrincan Com-
lhas, à base do trabalho escravo(59). pany, em 1663, reorganizada em 1672(66).
Efetivamente, também este último setor da exploração ultramari- Desta forma, acompanhando o recuo da preponderância espanho-
na, o tráfico negreiro, outrora monopólio português, passava a ser la, os três setores fundamentais da exploração ultramarina, que indi-
objeto da concorrência internacional. Já em 1613 o.~ holandeses se fi- camos no início do capítulo, passaram para uma etapa de intensa
xavam em entrepostos na Guiné( 6U). Perfunctoriamente, os ingleses concorrência entre as potências européias. Comércio dos produtos
participam do tráfico desde o século XVI (expedição de John Haw- orientais, produção colonial, tráfico negreiro - são de aí por diante
kins em 1562), com grandes lucros(61). Esporádicas e assistemáticas objeto de afanosa competição por parte dos ingleses, franceses, ho-
foram também as primeiras tentativas francesas no setor(62). Nesta landeses, além dos precursores ibéricos. A concorrência colonial se
primeira fase ao que se visava sobretudo era contrabandear escravos pa- entrelaçava com as questões européias e esse entrelaçamento foi se
ra a América Espanhola, carente deles. Quando, porém, a concor- acentuando no cotrer da segunda metade do século XVII, engen-
rência se ampliou para o campo da produção colonial, com a ocupação drando tensões que se generalizaram nos conflitos da guerra de Su-
de áreas ultramarinas pelas novas potências concorrentes, a situação cessão da Espanha. Ã associação hispano-francesa, opunha a Ingla-
alterou-se notavelmente. Durante o seu domínio no Nordeste Brasi- terra a aliança com as Províncias Unidas e a casa austríaca de Habs-
leiro, os holandeses ocuparam Angola por algum tempo; foi como se

("iH1Cf. Celso Furtado - Formação Econômica do BrrJ.J1l, Rio de Janeiro, 195'), pp. ((,.lICf. C. R. Boxer - 5a/vadorde Sá and the 5truggle for Braul ,2nd Angola (1602-
30 segs. 1686). Londres, 1952.
(W1Cf. Alice P. Canabrava - .A mfluênÇla do Brasil nas técnicas do fabrico do açú. «(,~jNo capítulo seguinte, discutiremos mais a fundo a natureza da escravidão co;o-
car nas Antilhas francesas e mglesas no meado do sé(Ulo XVlh in AnutÍrto da Facul- nial e do tráfico negreiro; aqui só estamos preo(Upados em acompanhar as etapas da
dade de CiênclOS Econômicas e Administrativar da U. 5. P., São Paulo, 1947. instauração da concorrênóa colonial.
(601Cf. S. B. Clough e Ch. W. Cole, op. cit., p. 165. (6)lCf. Celso Furtado _ Formação Econômica do Brasil, Rio de Janeiro, 1959, pp.
(61 1Cf. E. Williams - CaPitalism & 5lavery, 2' ed .• N. York, 1961, p. 30. 36 segs.
(62 1Cf. Gaston Manjn - Histoire de I'erclavage dans leI colonles françaises, Paris, (M)Cf. E. Williams _ Capitalism & 5lavery, 2' ed., N. York, 1961, p. 31. K. G.
1948, pp. 3-10. Davies - The RoyaJ African Company, Londres, 19%.

38 39
burgo. Portugal, já o vimos, acabou por aderir à causa inglesa - de pria regulamentação dinástica já iam prevalecendo os princípios in-
que lhe resultou a incursão das armadas francesas de Du Clere (1710) gleses vitoriosos desde a gloriosa revolução de 1688, e alterando-se o
e Duguay-Trouin (1711) no Rio deJaneiro, sem maiores conseqüên- direiro público; as renúncias impostas implicitamente estabeleciam
cias{ 67 l, O conflito, originariamente uma questão dinástica espanho- que as suceSSões dinásticas não dependiam mais apenas de direitos
la, deu lugar, portanto, a um confronto global entre as potências. .hereditários mas eram limitadas por convenções internacionais. Bem
Ademais, o engajamento da França na pugna contra a Inglaterra en- o sentiria Carlos VI de Áustria, exatamente o antigo pretendente ao
fraquecia na Europa de Nordeste a posição da Suécia, aliada da Fran~, trono espanhol, que para sua própria sucessão viu-se na contingência
ça, permitindo a vitória russa (Pedro, o Grande) sobre Carlos de submeter à aquiescência das potências a «Pragmática Sanção>>(71).
XIJ(68), No quadro~ europeu. a questão propriamente dinástica A integridade territorial da França era mantida, mas os Países Bai-
alterou-se substancialmente com a morte deJosé I da Âustria (1711); xos de Espanha passavam à Áustria - chamando-se a partir de então
o arquiduque Carlos, pretendente ao trono espanhol apoiado pelos Países Baixos Austríacos - ; ficavam na realidade sob a tutela da Ho-
aliados (Inglaterra, Holanda, Portugal) era também o herdeiro do landa, erigindo-se destarte em autêntica barreira. Na Alemanha re-
Santo Império, e sua ascensão ao trono de Espanha reconstituiria cuava o poder imperial, criando-se mais um eleitorado (Hanover),
pràticameme o Império de Carlos V. Isto, evidentemente, fez recua- enquanto a casa de Brandenburgo dava mais um passo decisivo na
rem as potênctas marítimas no seu apoio à causa austríaca, propi- sua ascensão: o eleitor passava a chamar-se «rei da Prússia». Bem o
ciando as negociações. compreendeu Luís XIV que viu nos acordos de Utrecht o fim da velha
Os tratados de Utrecht, ultimados em Rastadt e Bade, inimizade com os Habsburgos, e recomendou no fim de seu reinado
constituiram-se numa definição do novo equilíbrio de forças(69). uma mudança na linha política exterior francesa, aproximando-se da
Reconhecia-se a ascensão da dinastia bourbônica ao trono espanhol, Áustria para enfrentar a Inglaterra ascendente.
e dessa torma se consolidava a aliança hispano-francesa, mas Filipe V A casa d' Áustria ficava enfim recompensada com Nápoles, o Mila-
(Filipe de Anjou, neto de Luís XIV) renunciava a seus direitos à co- nês, a Sardenha (que passou depois à casa de Sabóia), os «presídios»
roa de França. O objetivo do Rei Sol era alcançado, mas na realidade da Toscana e os já mencionados Países Baixos. O duque de Sabóia,
a Espanha pagava as compensações aos aliados. Do ponto de vista da além do condado de Nice e oucras compensações menores, recebeu a
pülítica exterior tradicional da França, de que Richelieu tinha sido o Sicilia (que posteriormente (1720) passaria à Áustria, em troca da
formulador mais explícito, esta solução significava o ponto terminal Sardenha).
da luta contra a casa d' Áustria, desalojada agora do trono Portugal colhia as vantagens da aliança inglesa. Na região platina
espanhol(70). Mas a guerra de Sucessão da Espanha fôra bem mais do recobrava a colônia do Sacramento; no norte do Brasil, fixava-se o
que isso, uma confrontação pela hegemonia européia e ocidental; e Oiapoc como limite com a Guiana francesa, abandonando a França
a Inglaterra, que liderou a aliança anti-francesa e enfim dirigiu as suas pretensões de navegação no Amazonas(72). Os tratados de Por-
negociações de paz, visava na contenda, antes de tudo, as possessões tugal com a França e com a Espanha se fizeram sob a égide da Ingla-
mediterrâneas espanholas e as colônias ultramarinas. Assim, na pró- terra, e receberam sua garantia. Efetivamente, preferia a Grã.
Bretanha que Portugal retivesse a Amazônia impedindo assim que a
ainda poderosa rival, a França, viesse a expandir nesta área a sua co-
Ib;ISobre os eventos dos lllllques frllnceses llO Rio deJllneiro, vide Pedro Calmon. lonização. Igualmente, era o Prata a entrada ideal para o contraban-
Histónado BraJiI, 2" ed., Rio de Jllneiro, 1963, t. m, pp. 986·1002. do para o império espanhol. Como observa Jaime Cortesão, os há-
(('~)Cr Ph Sllgnllc e A. St. leger . La prépondérance jrançaúe (]661. ]715), Pllris, beis diplomatas negociadores dos tratados (o conde de Tarouca e D.
1935.
(6'))Cr )llime Cortesão· Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madnd, pllrtt' !, t.
I. (Rio de)aneiro, 1952), pp. 19 segs. I· I Icr Pierre Muret . La prépondérance anglane (] 715-1763) > .:,. ed., PllflS. 1949.
I-UJG. Zellee· Ler TempJ Modemes, t. lI! dll Hisloire des Relatlons Internaliona- pp. ll-lO; 145·150.
les, dito por R. Renouvin (Pllris, 1963). pp. 96 segs. 1"2!Cf.)alme Cortesão, oI'. cit., p. 21.

40 41
Luís da Cunha) «tlveram a ajudá-los no seu jogo a carta decisiva das c~mpetlção francesa no mercado espanhol e prinClpalmente no
ambições britânicas»( ~ 'I). hls~ano-americano. Por outro lado, o segundo tratado de Methuen,
A Inglaterra, naturalmente, levava a parte do leão. N~ Antilhas, abnndo o mercado português aos tecidos ingleses criava também a
rn-ebeu da Françd. a ilha de São Cristóvão, ponco estratégico; na possibilidade de a indústria inglesa, através de Portugal, alcançar o
Amérita do Norte, a baía de Hudson, base do comércio de peles, a mercado da América portuguesa(761.
Acádia e a Terra Nova, zonas de pesca; no tratado de comércio rede- Desta forma, no novo equilíbrio assentado em Utrecht, o mundo
finiu as tarifas alfandegárias dos dois países. Da Espanha, além da colonial ultramarino pesava significativamente como elemento es-
mantença da ocupação de Gibraltar, recebeu o asiento, isto é, a con- sencial do equilíbrio das forças européias; os problemas dinásticos ou
cessão exclusiva do tráfico negreiro para as Índias de Castela, por territoriais europeus ligavam-se assim inextricavelmente com as ten-
trinta anos, e o «navio de permissão», ou seja, um navio de 300 tone- sões do ultramar. Utrecht, como todo acordo internacional, repre-
ladas que podia comerciar em Porto Belo por ocasião das feiras(74). sentava um ponto de parada, uma etapa no jogo das potências. As
Em síntese, no início do século XVIII redefinia-se o equilíbrio eu- flutuações do desenvolvimento político e econômico interno das na-
ropeu e colonial sob a égide da Inglaterra. Se a França conseguiu en- ções na etapa subseqüente havia de acrescentar novos lances na luta
fim a presença da família Bourbon no trono espanhol, foi à custa de p~la hegemonia, mas a posição de Portugal e de seu mundo colo-
pesados sacrifícios coloniais e comerciais em favor da Inglaterra. No nial, contudo, estava definida: a aliança inglesa era uma garantia de
contmente, por outro lado, a hegemonia francesa saia comprometi- sobrevivência do pequeno reino ibérico como nação colonizadora.
da; ficava excluída, pelos tratados, a hipótese de uma união efetiva Esta a posição com a qual atravessou, basicamente, ileso, a rivalidade
de Espanha e França sob o mesmo monarca, enquanto Inglaterra e colonial anglo-francesa, que dominou todo o século XVIII.
Holanda garanciam a «barreira» dos Países Baixos. Na Alemanha, li-
berta definitivamente da tutela austríaca, começava a despontar a
3) Tensões e cme
potência prussiana, futuro núcleo da unificação no século XIX; e na
Itália, igualmente, iniciava a casa de Sabóia a carreira, que a condu-
Examinemos, pois, ainda que sucintamente, as tensões geradas
ziria à posição de pólo da unidade italiana. No Oriente europeu,
pela competição colonial entre a paz de Utrecht e a eclosão da Revo-
contemporaneamente, começava a levantar-se, com o abatimento de
lução Francesa, com vistas a marcarmos mais nitidamente a posição
Carlos XII, o estado moscovita como potência européia(7».
de Portugal e Brasil neste contexto.
Era pois toda uma nova configuração que se despontava no qua-
O período que vai da Paz de Utrecht até o meado do século foi de
dro das relações internacionais, e nesse contexto é que se consolidam
relativa paz, marcada pela entente anglo-ftancesa; Dubois e depois o
as alianças de Portugal com a Inglaterra e da Espanha com a França.
cardeal F1eury, de um lado, do outro Stanhope e depois Walpole e o
Em troca de vantagens comerciais ultramarinas, os reinos ibéricos
partido whig comandavam essa orientação, no fundo, um compasso
conseguiam conservar a posse de seus domínios coloniais. Enquanto,
de espera para novos confrontos(77). A sucessão da Áustria, em 1740
porém, a França conseguia colocar no trono espanhol um príncipe
reabriu a crise européia, e por conexão a colonial. Durante o período
francês, a Inglaterra levava vantagens nítidas no plano econômico.
de paz, intensificara-se a concorrência colonial. Em termos de exten-
Os tratados comerciais com a Espanha, ao lhe assegurarem o as/emo
são dos domínios ultramarinos, os países ibéricos mantinham ainda
e o navio de permissão, garantiam-lhe outrossim a condição de «na-
os maiores quinhões. Portugal possuia o Brasil, ilhas oceânicas, en-
ção mais favorecida», pelo que a Inglaterra se resguardava de uma
trepostos numerosos na Ãfrica e residuais no Oriente. A Espanha
conservava a maior parte da América do Sul, a América Central e vá-
l-\) Idem. p_ 22.
1'·lIG ScelJe - La Ira/te négnáe aux Indes de Cajti/le_ Pafls. )')06, l 11 pp_ 523·
'iH) 1:6JCf. E. Lpson - Emnom/c hw0'Y ofEngland, t. 111, p. 112.
1-\ICf. G_ Zeller· op. at_ p. 132-13). P_ Murel, op. C/I .• p_ 277 (-7)Cf. P_ Murel - op. cit., pp, 6)-213.

42 43
rias das grandes Antilhas, como Cuba e Pôno Rico; México e a Flón- demissã? de Dupleix e o tratado que seu sucessor Godeheu assinou
da, na América do Norte; as Canárias no Atlânuco, as Filipinas no ~om. <:5 IOgleses (17)4) não impediram que o confronto se tornasse
Pacw.co. A Holanda contava, sobretudo no Oriente, com as ilhas de lOevttavel(78).
Sonda, Ceilãoe a colônia do Cabo; na América, a Guiana e Curaçao. . Nas Antilhas, finalmente, a competição se propunha em torno da
Na costa leste da América do Norte, extendiam-se as treze colônias produ~ão açucareira e ~o tráfico africano. Nesta área, contudo, o jo-
inglesas; mais ao norte, Terra Nova e as terras da baía de Hudson; go de Interesses comphcava-se sobremaneira: a proximidade das co-
no Caribe ,Jamáica e várias pequenas Amilhas; no Oriente, os entre- lônias da fachada atlântica da América do Norte, sobretudo da Nova
postos da companhia das Índias Orientais. A França colonizava o Ca- Inglaterra, levava inevitavelmente à relacionação comercial entre as
nadá, atingia o Mississipi abrindo caminho para a Luisiânia, na planta~õ~s escravistas antilhanas, de produção especializada, e aque-
América Setentrional; nas Antilhas, possuia S. Domingos e ouuas las coloOlas de povoamento do hemisfério norte. Assim, os interesses
ilha menores; no contineme negro, entrepostos no Senegal, e no dos colonos da Nova Inglaterra se ligavam ao mercado do Caribe
mundo indiano as ilhas Bourbon e Ilha de França, além de ent[(~pos­ fosse das il?as inglesas, francesas, espanholas ou holandesas. Igual~
tos. ment~, os lOtere~s do tráfico, no qual a Inglaterra se ia situando
No quadro da concorrência, que então se intensificava, vantajosamente, vlOculavam-se aos mercados consumidores de escra-
apresentavam-se três zonas principais de tensões: na América do V?s, qualque~ que fosse a na~jonalidade dos compradores. Como po-
Norte, onde a colonização era predominantemente de povoamento, re~ as metrol?oles ~ompetlam na produção e comercialização do
a competição anglo-francesa se orientava em termos de ocupação de açucar:, o conflJto de lOtereSSes se complicava de forma inextricável, e
maiores áreas. A interligação, pelo Mississipi, do Canadá com a Lui- as vánas fó.rmulas do comércio triangular agravavam estas contradi-
siânia, praticamente barrava a expansão inglesa para o oeste america- ções no bOJO do sistema colonial(79).
no, ficando a colonização britânica limitada pelos Alleghanys. Por As guerras dos meados de setecentos (Sucessão da Áustria, 1740-
outro lado, a posse de Terra Nova pelos ingleses envolvia um tampão 1748; Sete Anos, 1756-1763), implicaram, como dissemos, em um
na embocadura do São Lourenço. A fricção tendia a se exasperar nes- novo confr~nto de hegemonias entre as potências rivais. A historio-
te período, sobretudo a propósito da posse do vale do Ohio: a partir grafia ~litlca européia pôs sempre em relevo, nessas guerras, acha-
de 17)3 abriam-se as hostilidades, que provocaram, na Europa, a ge- m~da ~JOversã~ do sistema de alian5as», isto é, o fato de a França, no
neralização dos conflitos, na gUerra dos Sete Anos (1756-1763, pnmeuo COnflIto ter combatido a Austria, aliando-se a ela no segun-
No mundo indiano, inicialmente, a concorrência se definia em do conftonto(80). O que porém importa destacar é que em ambas as
termos de domínio das principais rotas wmerciais, que punham essa gue:ras Franç~ e Inglaterra colocaram-se em campos opostos, e isso
imensa região em contauo com o mercado europeu. Dos entn:postos deVIdo essenCIalmente à concorrência colonial. De fato, a política
de Madras e Calcutá, os ingleses, das feitorias de Pondichéry e Chan- ~ra~c~sa, dur~nte a regência de Filipe de Orleans não dá seqüência
dernagor, os franceses, - os dois grandes rivais procuravam açam- as ultll1]as o~lentações d.e Luís XIV, que preconizavam aproximação
barcar o rico veio do comércio oriental. A decadência do poderio po- com a Auswa, e entrevIam na Inglaterra o grande adversário(81). A
lítico do Grão Mogol, a progressiva autonomização dos pequenos es- polític~ regencial, pelo contrário, conduzida por Dubois, levou a
tados indianos, as lutas constantes entre estas pequenas entidades uma ahança com a Inglarerra, que persistiu até 1740. É que proble-
políticas, propiciavam, naturalmente aos europeus oportunidades
de se imiscuirem em tais contendas, a fim de garantir seus esta bale- (78JCf. P. M~ret - op. cit., p. 488. C. Oavies - «Rivalries in India», New Cambrid-
clmemos e mesmo alargar suas posições, reservando-se áreas de in- g(7~odem Hmory, Cambridge, _1957, v.?L ,vII, p. 562.
fluência; o passo era pequeno para que se projetasse enfim uma au- Cf. Celso Furtado - Formaçao Economu;a do BraJiJ p 41. E. Williams _Capi-
ta/ism & Skwery, pp. 51 segs. ' .
têntica dominação política, e Dupleix, ao tempo dirigente supremo
(!IO)Cf: G. Zeller - op. cito (t. III da Histoire dei reJatiom intemaJionoln, dir. P.
da companhia francesa, não hesitou em ultrapassar esse limite. A Renouvm), pp. 222 segs.
reação inglesa não se fez esperar, agravando-se os antagonismos. A (Bl>(:f. Ph. Sagnac - A. St. Leger _ La préPondérance franfoise, p. 513.

44
45
mas dinásticos permaneciam pendentes, depois de Utrecht. Na lando então o desenvolvimento militar e político desta última para
França, o regente entrevia a possibilidade de cingir a coroa, pois era enfrentar a penetração inglesa no seu mundo ultramarino.
delicada a saúde do herdeiro (o futuro Luís XV); isso levava a um es- A abertura da crise da sucessão austríaca (1740) pôs em xeque a
friamento das relações com a Espanha, pois Filipe V de Bourbon cer- política de Fleury; o partido anti-austríaco, que revivia -a política tra-
tamente reivindicaria o trono francês apesar da renúncia que lhe ti- dicional francesa, superava as resistências do velho cardeal, e a Fran-
nha sido imposta. Na Grã-Bretanha, George, o pnmeiro Hannover, ça, aliando-se à Prússia de Frederico 11, encabeçava a coligação contra
enfrentava a oposição do partido jacobita. Ao rei da Inglaterra e ao Maria Teresa. Sabe-se como esta resistiu tenazmente, apoiada pela
regente da França interessava, portanto, a consolidação dos acordos Inglaterra. O conflito se generalizou, atingindo o mundo colonial:
de Utrecht e pois das renúncias que eles estipulavam. A Filipe V de na América, os ingleses tomaram Loui.sbourg, posto avançado francês
Espanha, pelo contrário, interessava sua alteração, pois não se con- na embocadura do S. Lourenço; na índia, Dupleix levava a melhor
formara com a perda pela Espanha das possessões italianas, passadas em Madtas. Na paz de Aix-Ia-Chapelle (1748) porém, França e In-
em Utrecht às casas de Áustria e de Sabóia. Enquanto a Espanha, cu- glaterra devolveram mutuamente as conquistas coloniais, e a situa-
ja política era dirigida por Alberoni, tendia a apoiar o partido jacobi- ção voltou ao statu quo anteCS4 ). A paz de Aix-Ia-Chapelle, na reali-
ta, a França encaminhava-se, sob a regência, para a aliança dade, não foi mais que uma trégua, e o peródo de 1748 a 17)6,
inglesa(82). A intervenção armada espanhola na Sicília (julho 1718), quando se abriu a guerra dos Sete Anos, foi uma autêntica paz-
induziu o imperador (Carlos VI, que se não conformava com a perda armada, e as competições coloniais, foram então levadas ao climax.
da coroa espanhola) a aproximar-se da aliança franco-inglesa (à qual Na nova guerra, a França aliava-se à Âustria contra a Prússia; era a
a Holanda também aderira); a frota inglesa aniquilou as forças espa- famosa «inversão de alianças», urdida pelo chanceler austríaco Kau-
nholas.no Mediterrâneo, o que levou à queda de Alberoni. A Sicília nitz. A Inglaterra, naturalmente, colocava-se no campo oposto, e o
passava para o Império, recebendo o duque de Sãbóia, em consola- confronto no mundo colonial, gênese aliás do conflito (atritos no va-
ção, a Sardenha (1720), e a sucessão de Parma e Toscana recairia so- le do Ohio, pOnto de fricção entre as colonizações francesa e inglesa
bre o filho do segundo casamento de Filipe V, com Elisabeth Farné- na América do Norte) atingia proporções decisivas. Para enfrentar a
sio. O rei de Espanha entabulou, então, negociações diretas com Superioridade naval inglesa, o ministro francês Choiseul conseguiu a
Viena, que chegaram a bom termo em 172'): em troca do reconheci- aliança espanhola, estabelecendo-se, em decorrência, o Pacto de Fa-
mento da «Pragmática Sanção», a Áustria entregaria os domínios do mília (agosto de 1761).
sul da Itália a D. Carlos (filho de Filipe V da Espanha e Elisabeth Só então Portugal foi envolvido no conflito. Efetivamente, a polí-
Farnésio, o futuro Carlos 1II), o qual, abandonaria, então, a Tosca- tica exterior de D. João V vinha conseguindo manter a neutralidade
na. A pouco e pouco, por meio de negociações laboriosas que envol- ao longo de todas as crises da primeira metade de Setecentos. Em
veriam problemas de equilíbrio em várias partes da Europa, as po- 1719, resi.stiu à pressão britânica eximindo-se de entrar para a Quá-
tências acabaram por sancionar este ajuste nos Tratados de Viena drupla Aliança (Inglaterra, França, Holanda e Império) contra as
(1738)(83). pretensões de Filipe V na Itália; em 1733, igualmente, ficava à mar-
Entrementes, com o término da regência na França, o cardeal gem dos debates e conflitos em torno da sucessão polon.esa; final-
Fleury passava a comandar a governação. Hábilmente, sem romper a mente, co9-seguira manter a neutralidade em face da guerra de Su-
política de aliança com Inglaterra (conservada, também, por Walpo- cessão da Austria, que já era um conflito europeu e envolvia mais de
le, que contemporaneamente sucedera a Stanhope), a diplomacia perto os problemas coloniais(8S). No reinado de D. JOSé I, o consula-
francesa consolidava a aliança bouroonica com a Espanha, estimu- do pombalino prosseguiu na mesma linha política, conseguindo
{~4)Cf. G Zeller,op at., p 221 M. Thomson - «The warof Ausuian succeSlon»,
IH2ICf.). O LlIldsay .• International rclations». In New Cambndge Modem Hn· [fiNew eambridge Modem HlJtory, vol. VII, p. 437.
10'1, vol VII. p. 1')4 P. Murer. op. cito pp. (,5 segs. (R\)Cf. G. Zeller, op cit., p 229segs.J. H. Parry e F. ThisdetwaÍle· ~Rivalries in
IH\ICf G. Zelter _ 0/1 C/t • pp. liO seg_. America~, in New Cambndge Modem Hl.ftory, vol. VII, pp. 514 segs.

46 47
eximir·se do confronto generalizado que foi a guerra dos Sete Anos, Tinha êxito, pois, ainda uma vez a linha adotada por Portugal
até a formação do Pacto de Famllia. Contando continuar a política desde a Restauração, e consolidada na crise da sucessão espanhola. À
de neutralidade, não se acautelou militarmente o Marquês de Pom- permanente ameaça espanhola, com vistas à recomposição da unida~
pai, diante do agravamento do conflito, que acabaria por envolver de ibérica, agravada na medida em que se solidificava a aliança
Portugal - e nisso não seguiu os ditames do testamento de D. Luís da his~ano-f~ancesa, tinha; como contrapartida, por parte de Portugal,
Cunha(86). De fato, comprometendo-se a Espanha a guerrear o Rei- a ahança mglesa. Tal aliança envolvia favores de narureza sobretudo
no Unido, não tardou a intimação franco-espanhola, exigindo per- comercial em troca de proteção política nas relações internacionais, e
missão para que tropas dos Bourbons pudessem instalar -se nos por- a preservação dos domínios ultramarinos. A diplomacia portuguesa
tos lusitanos a fim de obstar um possível desembarque inglês. Os procurou constantemente minimizar o ônus que a aliança envolvia;
preparativos portugueses se fizeram à pressa para a defesa diante da para tanto, jogou por várias vezes com a alternativa de uma aproxi-
invasão espanhola i iminente, contratando·se os serviços militares do mação francesa para comedir a tutela britânica(89), mas nos momen-
príncipe de lippe, e contando com um auxilio britânico: armas e sete tos críticos reforçava com habilidade os laços com a Inglaterra. O im-
regimentos. Tal a gravidade da situação que se cogitou, chegando-se perativo da preservação do ultramar, por seu turno, inspirava a na-
mesmo a preparar, a mudança da corte para o Brasil(87). ção por uma política de neutralidade, observada em todo o período
Na península, as hostilidades, iniciadas em abril de 1762 não pas- e só abandonada in extremis; assim, dependia-se menos da Inglater-
saram, na realidade, de escaramuças que duratam até novembro, ra, e esta menos podia exigir pela proteção. Nos confrontos globais,
quando as negociações de paz entre a Inglaterra e as nações do Pacto porém, era pela solução inglesa que se optava, pois só esta - dada a
de Família chegaram a um armistício. Em fevereiro de 1763 firmava· crescente superioridade marítima da Inglaterra(90) - podia garantir
se em Paris o Tratado que pôs fim à Guerra dos Sete Anos. A pacifi- a preservação das colônias.
cação consagrava a vitória inglesa em toda linha, e Portugal, aliado à Assim a pequena monarquia peninsular atravessou sem perder os
potência vencedora, saia indene do conflito, logrando preservar ile· seus domínios ultramarinos a fase de mais aguda tensão da época
sas suas colônias. moderna, até a crise final do Antigo Regime. No Oriente, depois do
Efetivamente os britânicos recebiam o Canadá, o vale do Ohio e a naufrágio da dominação portuguesa devido à competição das novas
margem esquerda do Mississipi, na América do None; na Índia, a potências durante o período filipino, foi possível pelo menos manter
França renunciava a toda e qualquer pretensão política - abrindo- os últimos entrepostos (Goa, Diu, Macau, etc.) ao longo do século
se, então, o caminho à expansão inglesa - guardando apenas cinco XVIII.
entrepostos. Tendo a Espanha perdido para a Inglaterra, no curso da No Brasil, em compensação, ampliava-se a área de dominação efe-
luta, a sua colônia na Flõrida, recebia como compensação a Luisiânia tiva; já durante a união ibérica o movimento de devassamento conti-
francesa, última colônia da França na Am~ica Setentrional. A pre- nental ultrapassava de muito o meridiano fixado de jure em Tordesi-
ponderância inglesa consolidava-se de forma irreversível(88). lhas. A expansão prosseguiu após a restauração de 1640 em todas as
direções(91). Enquanto a expulsão dos holandeses de Angola (1648)
e de Pernambuco (1654) restaurava a posição portuguesa no Atlânti-
co Sul, a expansão territorial levava, em 1680, ao estabelecimento da
,(~6)Cf.J_ Lúcio de Azevedo _ O Marquês de Pombal e sua t.poca, p. 236. Manter
forças armadas em preparo, que .nO$ darão tempo para resistirmos aos primeiros in- Colônia do Sacramento frente a Buenos Aires, na embocadura do
sultos d~s mimigos, e para esperarmos os socorros que tivermos estipulado com o Prata, entrada para a América espanhola, ponto inicial de uma rota
nossos ahados» é o que recomendava D. LuÍ5 da Cunha, no famoso Testamento po-
lillcf! (ed. cit., p. 43). (84JCf. nota 37, as sugestões de Alexandre de Gusmão.
(~;)Cf. Pedro Calmon - História do Brasil,2".ed, Rio de Janeiro , 7
}l'6' t IV p
('JO)Cf. Cambndge History of lhe BntlSh Empire, dir. por). H. Rose, A. P. New·
1185. :'>,.,_
ton e E. A. Benians (Cambridge, 1960), t. I, pp. 507 segs.
(88)Cf. Ph. Sagnac _La fin de "Anczrn Régime et la Rêvo/ution Amencaine (1763- ('J11Cf. Basílio de Magalhães - ExpansJo Geográfica do Brasil Co/amai, 3' ed., Rio
1789),3' ed., Paris, 1952, pp. 4 segs-. deJaneiro, 1944,pamm.

48 49
de acesso ao metal nobre das regiões andinas(92). O contrabando cia, esses pontos de encontro vão se transformando em zonas de ten-
português no rio da Prata vinha de longa data, e durante a união sdo. SobH:tudo na fronteira sul, a rígor a única fromeira «viva.,
ibérica tivera o seu ponto alto. O estabelecimento da Colônia reabria os conflitos se complicaram e agravaram por todo este período,
a questão(93). arrastando-se para a época de crise do sistema colonial, prolon-
Assim, o século XVIII foi o momento decisivo de definição das gando-se m~smo para depois da Independência(96). De qual-
fronteiras entre a América portuguesa e as Índias de Castela«J4). O quer forma, Já desde 1737, a ação do brigadeiro José da Silva Pais-
grande movimento de penetração impulsionado no século anterior ocupação e colonização do «continente. do Rio Grande<97) - já es-
vai assumindo ao longo de Setecentos as feições de uma política de- boçava a perspectiva que havia de ser clara e brilhantemente formu-
finida de arredondamento territorial: o domínio do vale amazônico, lada por Alexandre de Gusmão e concretizada no Tratado de Ma-
a margem setentrional do Prata, a posse dos planaltos centrais. Nos drid(98): a cessão da colônia em troca das missões jesuíticas, arredon-
tratados de Utrecht, grande vitória diplomática de D. Luís da Cunha dando o território, impedindo as soluções de contigüidade. A com-
e do conde dt' Tarouca. -::'0 se fixar o statu quo ante ~el/um, já se la petição colonial era porém de tal ordem, que uma tal solução, que
engendrando o princípio da posse definitiva{9''i); ao norte, cedendo a hoje se nos afigura tão obviamente a mais racional, não teve condi-
França às reivindicações portugueSas, fixava-se o Iimüe no Oiapo- ções de ser implementada efetivamente, e os problemas se arrasta-
que, e no sul se impunha a devolução da Colônia do Sacramento, ram, permanecendo a zona de tensão.
bastião português isolado nas margens do Prata, em frente a Buenos Assim, ao lado das zonas de tensão entre as potencias dominantes
Aires. Ao longo do século, e acompanhando as vicissitudes da políti- em luta pela hegemonia, França e Inglaterra (nas Antilhas, na Amé-
ca portuguesa de neutralidade e dos confrontos entre França e Ingla- rica do Norte, no Oriente), entre os países coloniais ibérícos se vão
terra, os ajustes vão se realizando no norte, no oeste e no sul do Bra- formando ao mesmo tempo outras zonas de tensão (sobretudo a re-
sil; na medida em que os problemas coloniais crescem em importân- gião platina). Os dois tipos de conflitos correm paralelos, e se inter-
relacionam continuamehte até a crise do sistema colonial.
O período que se segue ao Tratado de Paris (1763), até a Revolu-
ção Francesa e crise do Antigo Regime, em todos os seus aspectos,
marca o apogeu da preponderância inglesa, na Época Moderna. Efe-
('!2)Cf. Sé rglo
. Buarque de HoIan d a - ~A colonla•. de Sacramento e a expansão no tivamente, o término da Guerra dos Sete Anos, consagrando a su-
extremo sul», in Hútória Geral da CiviJizaçiio Brasileira, dir. por S. B. Holanda,"t. premacia marítima e comercial da Grã-Bretanha. com o esvasiamen-
J, vol. I (São Paulo, 1969), pp. 322-364. to do mundo colonial francês, colocava o Reino Unido numa posição'
1')\)Cf. Alice Canabrava - O comércio português no Rio da Prata, São Paulo, 1944. de ascendência nas relações internacionais(99). Tal situação era o tér-
Jaime Cortesão. «O território da Colônia do Sacramento e a formação dos estados
platinos~, Revista de Hútóna, São Paulo, n. 17, 1954. pp.135-165.
mino de um processo ascendente que remontava ao século XVII e ao
('J4)N-ao ca be aquI,. natura Imente, um estu do exaustivo da fixação das fronteIras e período cromwelliano. Com o declínio da preponderância espanho-
da formação territorial do Brasil colÔma. Vejam-se: F. A Varnhage,n· Histón'a Ge-
rai do ~rasiJ, 3.' ed:, t. IV, p.a,rsim. J. Capistrano de Abreu - Capítulos de Histónd
Col?mfJ!, 4~ ed., RIO de Janelfo, 1954, pp. 283- 304. Jaime Cortesão - "A imegra~ào (%lPara a história atribulada da Colônia do Sacramento vide Jônathas da Costa
termona! do Brasil. in Histón'a de Portugal, dir. por Damião Peres, t. VI (Barcelos, Rêgo Monteiro - A Colônia do Sacramento (l688-1777), Porto Alegre 1937, 2 vs.
1934), pp. 673-741.Jaime Cortesào - Alexandre de Gusmiiu e () Tratado de Madnd. Dauril Alden - Royal Govemment in Colonid Brazil, Berkeley, 1968, pp. ')9 segs.
Rio deJaneiro, 19')2,9 v. Pedro Calmon - História do BraJl/, 2" ed., Rio deJaneiro, (?7)Cf. Pedro Calmon - op. át., p. 1133.
1963, t. IV. Arthur Cézar Ferreira Reis - •.Tratado de Limites» in Hátóna Geral da ('JIIl(:r. Jaime Cortesão _ Alexandre de Gusmiio e o Tratado de Madrid, I parte, t.
CiviJizaçiio Brasileira, dir. por Sérgio Buarque de Holanda, t. I. vol. I (São Paulo, lI, p. 83-179.
1960), pp. 36')-379. José Carlos de Macedo Soares - Fronteiras do Brastl no Regime ('J~)Cf. M. S. Anderson _ cEuropean diplomatic relations 1763-1790., New Ca-
Colomal, Rio de Janeiro, 1939. bridge Modem History, vol. VIII, pp. 252·277. Ph. Sagnac - ÚJ fin de I'Anáen
('J~)Cf. Pedro Calmon - Histón'a do Brasil, v. IV, p. 1134. Régime et la Révolution Américaine, Paris, 1952, pp. 4 segs.

50 5]
la, o cetro hegemônico passara, na Europa, para a França de Lu~ de seu sistema colonial(l02). A França, vencida, depois de 1763, pas-
XIV, enquanto no Ultramar o poderío holandês atingia o seu ápice. sou a desenvolver uma política de isolacionismo nos problemas da
Ora, no quadro das guerras de Luís XIV, a Inglaterra conseguiu de- Europa continental, com vistas a um reforçamento interno, na es-
salojar a posição das Províncias Unidas; hostilizando-as de início preita de uma ocasião para a revonche; tal política, wnduzida sobre-
(guerra anglo-holandesa), defendendo-as depois e~ face do expan- tudo por Vergennes, levou a uma agudização das tensões na Europa
sionismo francês na Europa, a Inglaterra conseguiu rebaixar a Holan- oriental, com o recuo do Império Otomano e enfraquecimento da
da a potência de segunda grandeza, que passava, desde então a girar Polônia, antigos aliados da França; em contrapartida, crescia o pode-
na sua órbita de influência. O grande conflito da sucessão de Espa- rio da Prússia, da Rússia e da Ãustria, aliadas depois da crise do mea-
nha veio a consolidar também esta situação. do do século. Isto permitiu a primeira partilha da Polônia,
agravando-se as tensões num crescendo até a eclosão da Revolução
Ao longo do século XVIII, excluida a Holanda, a pugna pela he- Francesa(103).
gemonia política e comercial desenrolou-se entre a I~glaterra e a No Ultramar, comemporaneamente, a posição dominadora da In-
França; os tratados de Utrecht já configuravam uma posição vantajo-
glaterra começava a esbarrar na resistência de suas próprias colônias
sa para os ingleses, e os confrontos do meado do século consolidaram americanas, que resisti~ à pressão metropolitana para enquadrá-l~
sua hegemonia. Através dos Tratados com Portugal (Methuen), da' nos limites estreitos do Pacto Colonial(l04). Isto agravava ainda mais
obtenção do asiento esponhol, e sobretudo através do intenso con- a tensão nas Antilhas, dado que o esquema inglês importava numa
trabando - o comércio inter/ope como era então chamado - a In- contenção do comércio triangular(105). A tensão antilhana era ainda
glaterra penetrou fundo nos mercados coloniais ibéricos(lOO). estimulada pela França, que nesta área ainda oferecia resistência ao
Completava-se, assim, a tutela britânica. domínio inglês; é a época de máximo desenvolvimento de S. Do-
É de notar-se que nessa longa competição das potências européias mingos. No climax desse processo, a resistência das colônias inglesas
pela. hegemonia mundial, o contrôle do mundo ultramarino repre- da América do Norte rompeu enfim as amarras do sistema e fêz eelo-
sentou papel fundamental. O contrôle sobretudo, dos mercados co- dir a guerra de Independência (1776). Era o momento aguardado
loniais americanos estava no cerne do equilíbrio que se ia alterando; pela França, que apoiou os insurretos, car~eando a Espanha na mes-
assim, é possível estabelecer o paralelismo en~e prepo?~erânci~ e ma aliança anti-inglesa; o reconhecimento dos Estados Unidos inde-
domínio do tráfico negreiro, nervo das economlas COloOlatS amenca- pendentes e os Tratados de Versalhes (1783) apresentaram-se, assim,
nas. O asiento espanhol, controlado pelos cristãos-novos portugueses como revonche aos tratados humilhantes de 1763.
durante a união ibérica, passou à órbita do capitalismo holandês em A realidade, porém, transcendia a essas aparências manifestas no
seguida, para ser, por um período, dominado pela companhia fran- nível das relações internacionais. Nem a independência dos Estados
cesa da Guiné;finalmente, são os ingleses que o controlam até 1750, Un'idos era um simples. episódio na longa pugna pela hegemonia en-
mas o término do conflito não diminuiu o surto do tráfico inglês. tre as potências européias, nem a Inglaterra fôra barrada no seu de-
Assim, a competiçâo colonial estava no próprio centro da luta pela s~nvolvimento ascendente pela separação da Nova Inglaterra. Defa-
hegemonia, e refletiu a sucessâo das preponderâncias européias(lOl). to, a secular ascensão inglesa no domínio do comércio ultramarino,
Na posição de hegemonia, a Inglaterra pôde levar ao limite a ex- associada a processos sócio-econômicos internos nó Reino Unido,
ploração do mercado ultramarino, o que levou a um enrijecimento
1101)Cr. H. E. Egerton • A short History o/ lhe Bntish Colonial Poliey, Londrés.
(IOOJa. Olga Pantaleão . A penetrllfâo comercial do Inglate"a na América espa-
1<)50. pp. 147 segs. H. U. Faulkner· Amenean Economie ljistory. 81 ed., N. York,
nhola de 1713 a 1783, São Paulo, 1946, A. K. Manchester - Bn"tish Preeminenee in pp. 107 segs.
Brazil, Chapel Hill, 1933. (JII\)Cr. M. S. Anderson· op. cil. Ph. Sagnac· op. cit.
(IOIJa. G. &elle. La Traite Négtiereaux Indes de C(JJtille, Paris, 1906, t. I. pp
(104)CL H. Faulkner . op. cito S. E. Morison e H. S. Commager - The growth o/
317 segs. Rozendo Sampaio Garcia - Contnbuiçiio ao efludo do aprovisionamento lhe Amenám Republie, N. York, 1960, t. L pp. 128 segs.
de escravos negros na América espanhola, São Paulo, 1962. (In~)Cr. E. Williams· Capitalism and 5/avery. pp. 98 segs.

52 53
a~n~m enfim a rota irreversível da economia inglesa para o indus- naturalmente, a da neutralidade; a proteção política da Inglaterra
mahsmo. Na década de 60 dQ século XVIII, quando atingia o ápice era l?aga com vantagens comerciais que alcançavam o mercado ultra-
a preponderância britânica, a mecanização da produção industrial manno, ~ de quanto menos proteção necessitasse menor o custo da
inglesa dava seus primeiros e decisivos passos(106( Era a Revolução tutela. Assim, no plano político internacional, a preservação do ui-
Industrial em marcha. Por outro lado, a independência dos Estados tram~ português se torna c~ndição. mesma da existência metropoli-
Unidos - uma colônia que se separa da metrópole não por ter sido tana; e sua mo~d~ de garantIa. Por ISSO, nas crises mais graves de que
caplUrada por outra potência, mas para constituir uma nova nação -se não pôde ~Iml~, a metrópole lusitàna optou sempre, ao fim e ao
sober~na - transcendia os limites do antigo sistema colonial, abrin- cabo, pela alIança mgl.esa que lhe defendia as colônias, inclusive pa-
do asSIm o caminho para a crise do Antigo Regime. Ê pois neste qua- ra explorá-las em seguida - talo círculo vicioso infernal da competi-
dro de hegemonia da Inglaterra industrial e de crise em processo do ção das potências. Naquelas crises em que Espanha se envolveu em
Antigo Regime que devemos situar a posição do Brasil e de Portugal; razão de sua aliança francesa nos problemas europeus, tornando-se
pequena metrópole aliada à Inglaterra para preservar seus extensos um perigo iminente pela tendência de refazer a união peninsular,
domínios ultramarinos. Portugal é obrigado a poiar-se no poderio inglês. Assim na luta de
sucessão da Espanha, assim na Guerra dos Sete Anos quando já se
cogita e mesmo prepara a mudança da Corte para o Brasil, assim na
crise final do Antigo Regime que se manifesta, no nível das relações
Retomemos, agora, as principais considerações deste capítulo, pa- internacionais, nas guerras da Revolução e do Império napoleônico,
ra fixarmos melhor aqueles elementos conclusivos que importam pa- quando esta solução extrema é enfim levada à prática.
ra a análise de nosso tema. A sucessão de preponderâncias - espa- No plano das relações internaciqnais, que é o de que tratamos
nhola, francesa, inglesa - que caracteriza as relaçôes internacionais aqui, a explicitação da posição dos países ibéricos, e mais particular-
entre o Renascimento e a Revolução Francesa, dimana do próprio mente de Portugal e seu Ultramar, no curso de alianças, é já um pri-
processo de formação dos estados modernos que foi a metamorfose meiro elemento da mIe do Antigo Sútema Colonial: a defasagem
política básica desse período. Profundamente vinculada à formação entre a posiçãO política e econômica das metrópoles ibéricas no qua-
dos ~st~dos modernos europeus, a expansão ultramarina e dro do equilíbrio europeu e a extensão e importância comercial de
colo~lallOsere-se como elemento decisivo no jogo político das hege- seus domínios ultramarinos só se pôde manter até o fim do século
monias. XVIII graças à rivalidade entre as potências ascendentes, Inglaterra e
Os países ibéricos, perdida a posição de vanguarda e mesmo de França. Tal situação, até certo ponto artificial, foi possível enquanto
prep<;mderância, reduzidos a estrelas de segunda grandeza e em de- os conflitos se desenvolveram dentro dos quadros de possibilidades
termlOados momentos envolvidos em perigosas depressôes, conse- do Antigo Regime e do Sistema Colonial mercantilista; quando, a
guem não obstante preservar sua autonomia eurqpéia e manter seus partir da independência das colônias inglesas, é o própno sistema
extensos domínios ultramarinos - ainda os mais extensos até o final que entra em crise, a situação não mais se sustenta. De qualquer for-
d,o s~culo XVIII -. exatamente por causa da competição entre as po_ ma, a simples preservação daquela defasagem até o final do século
tenC1~ que asc:ndlam econômica e polidcamente, Inglaterra e Fran- XVIII, implica evidentemente num fator de desajuste e desequilí-
ça. VlOculado a Inglaterra, que enfim sai vencedora da longa dispu- brio, e pois num elemento de crise.
ta, Portugal pôde mais que Espanha, aliada da França, atravessar a Esta observação é tanto mais importante quanto nos leva a consi-
longa ~ucessão de tensões preservando seus domínios, entre os quais derar que é este primeiro elemento - a situação de Portugal e seus
o Brasil é o núcleo essencial. Firmado nesta posição, sua política, era domínios ultramarinos no contexto das relações de forças econômicas
e políticas do fim de Setecentos - que nos permitirá compreender a
(1U6JCf. E. Hobsbawm - En torno a losorígenes de la revolución induslnal. trad. maneira peculiar e específica de manifestar-se aí a crise final do pri-
esp .• 2' ed., Buenos Aires, 1972. pp. 89·114, espeçialmente pp. 104 segs. meiro colonialismo europeu. Temos pois que fixar este ponto de
54
55
partida de nosso estudo; mas é apenas o ponto de partida, e se qui-
sermos compreender a última etapa do Antigo Regime e do Sistema
Colonial Mercantilista, para eStudar lucidamente a política ultrama-
rina portuguesa na sua colônia americana nesta quadra crítica, deve-
mos agora transcender o nível agitado das relações internacionais pa-
ra nos aprofundarmos nos fenômenos estruturais de longa duração.

CAPÍTULOJI

A CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL


Se, na realidade, a posição relativa de Ponugal e do Brasil no qua-
dro das relações internacionais do fim do século XVIII, permite-nos
começar a perceber o modo específico de como são envolvidos pela
crise do Sistema Colonial e do Antigo Regime, é claro que precisa-
mos agora explicitar a natureza e os mecanismos dessa crise em si
mesma. Ê do estudo do próprio sistema de colonização que temos de
partir, pois a crise, que então se manifesta, expressa mecanismos
profundos, que só se apreendem nessa análise global e generalizado-
ra. Do contrário, ficaríamos na constatação de manifestações da crise
em vários setores da vida pol1tica e econômica da época, sem entre-
tanto compreender as relações que as vinculam umas às outras, e lhes
dão sentido. Sistema colonial, efetivamente, constitui-se no compo-
nente básico da colonização da época mercantilista, o elo que permi-
te estabelecer as mediações essenciais entre os diversos níveis da reali-
dade histórica. Importa, portanto, distinguir os mecanismos de seu
funcionamento, para apreender as contradições que lhe era:n ima-
nentes, e enfim explicitar a crise em que afinal desaguou. E o que
tentaremos nesse capítulo.
1) Estrutura e Dinâmica do Sistema
a) A colonização como sistema
Numa primeira aproximação, o sistema colonial apresenta-se-nos
como o conjunto das relações entre as metrópoles e suas respe~tivas
colônias, num dado período da história da colonização; na Epoca
Moderna, entre o Renascimento e a Revolução Francesa, parece-nos
conveniente chamar essas relações, seguindo a tradição de vários his-
toriadores (Beer, Schuyler, Lipson), Antigo Sistema Colonial da era
56 57
mercantilista. E já esta primeira abordagem, ainda puramente des- ros nos portos do Brasú:,,(4), a legislação colonial colbertiana(~), os re-
critiva, permite-nos estabelecer para logo uma primeira distinção d,e gulamentos das companhias de coméróo(6), etc., são exemplos'sig-
não somenos importância. Nem toda colonização se processa. efeu- nificativos no imenso corpo da legislação ultramarina da Europa dos
vamente, dentro dos quadros do sistema colonial; fenômeno mais Tempos Modernos, para se apreenderem os denominadores comuns
geral, de alargamento da área de expansão humana no globo, pela a que nos referimos. Paralela e contemporaneamente, enquanto se
ocupação, povoamento e valorização de novas regiões -- em suma, a desenrola o processo concreto da colonização, os corifeus da econo-
orgaOlzação do ecúmeno, no dizer do geógrafo Max. Sorre(1) - , a mia mercantilista teorizam a p'osição e função das colônias no qua-
colonização se dá nas mais diversas situações históricas. Nos Tempos dro da vida econômica dos Estados europeus; fixam, assim, num
Modernos, contudo, tal movimento se processa travejado por um sis- plano mais abstrato, os fins e objetivos visados nos empreendimen-
tema específico de relações, assumindo assim a forma mercantilista tos coloniais, e a legislação não faz na realidade mais que tentar levar
de colonização, e esta dimensão torna-se para logo essencial no coo- à prática os princípios formulados pela teoria mercantilista.
junto da expansão colonizadora européia. Noutras palavras, é o sis- Se quisermos, portamo, orientarmo-nos segurameme no quadro
tema colonial do mercantilismo que dá sentido à colonização euro- enorme da história colonial européia, nesta tentativa inicial de carac-
péia entre os Descobrimentos Marítimos e a Revolução Industrial(2). terização, parece conveniente panit do modelo típico das relações e
Tanto isso é exato que não é impossível distinguir, na extrema va- do funcionamemo do pacto colonial da política econômica dos esta-
riedade que assumem as relações metrópole-colônia ao longo dos sé- dos colonizadores, tal como o formularam os teóricos da política
culos XVI, XVII e XVIII, variando ainda de metrópole para metró- mercantilista. Formulou-o, entre tamos outros, antes e depois, com
pole e de uma colônia para Qutra, certos denominadores comuns que meridiana clareza, Posdethwayt em 1747: «As colônias ... devem:
acabam por prevalecer, persistências do essencial a ~e preservarem na primeiro, dar à metrópole um maior mercado para seus produtos;
complexa variedade das circunstâncias históricas. As relações colo- segundo, dar ocupação a um maior número dos seus (da metrópole)
niais podem, na realidade, ser apreendidas em dois níveis: primeiro, manufatureiros, artesãos, e marinheiros; terceiro, fornecer-lhe uma
na extensa legislação ultramarina das várias potências colonizadoras maior quantidade dos artigos de que precisa»m. Noutros termos, e
(Portugal, Espanha, Holanda, França, Inglaterra); ségundo, no mo- em linguagem moderna, as colônias se deviam constituir em fator
vimento concreto de circulação de umas para outras, isto é, no co- essencial do desenvolvimento econômico da metrópole. Isto, em teo-
mércio que faziam entre si, e nas vinculações político-adminis- ria. A história real porém se desenrola mais no plano do atípico e do
trativas que envolviam. A legislação colonial, na realidade, o
que procura é disciplinar as relações concretas, políticas e sobretudo (!)ColleçJo das Leys e Ordens que prohibem_os NaVIOS Estrangnros. assim os de
econômicas. Para o que temos em vista, contudo, n~ste momento de Guerra, como os Mercantes, nos Portos do Brazl/. A. H. U. (Lisboa), cód. I. 193 e
nossa análise, que é o primeiro passo para definir o sentido da colo- B.N. (Rio de Janeiro) Ms. 7, 1,6 ..
nização européia no Antigo Regime, sobreleva a importância das PICf. H. Deschamps - Les Méthodes et les Doctnnes C%niale; de la France
normas legais, pois nelas se cristalizam os objetivos da empresa colo- (XVIe. siê-de à no~ Juours). Paris. ]')5j, pp. 34-44.
((,ICf. E. L. J. Coornaert - ~The Chartered Companies» - Cambndge Economic
nizadora, aquilo que se visava com a colonização. Assim, m Atos de History ofEurope, dir. E. Rich, vo!. IV (Cambridge, 1%7), pp. 223-275.
Navegação da Inglaterra(3), as «leis que proibem os navios cstrangei- (~IBn"tain 'i Commercud Interer! Explamed, 1747. ApudHenri Sée· Asongens do
Capitalismo Moderno. Trad pOrt., Rio deJaneiro, 1959, p. 136. Expressivo exem-
(l)Cf. Maximilien Sorre - Les migra/ions deI pcuples, Paris, 19~5, pp. 11-16 e plo da concepção mercantilista na pena do Marquês de Pombal (dirigindo-se. em
segs. '1776, ao embaixador francês): «as colônias ultramarinas, havendo sido estabelecidas
(ZlCf. Fernando A. Novais _«Colonização e Sistema Colonial: discussão de conlei· com o preciro objeto da utilidade da metrópole a que eram pertencentes, daí se de-
toS e perspectiva histórica» _ Anair do IV Simpósio Naúonal dos Professcres Univer nvavam leis infalíveIS e universalmente observadas na prática de todas as Nações ... ~
ri/ários de Hirtõria, S. Paulo, 1969, pp. 24}-269. (grifo nosso) Cf. nota apensa ao bilhete do Marquês de Pombal. de.H de janeiro
(3lCf. Ch. M. AndrC"W5 - «The ACt ofTrade~ in Cambridge Hir/ory o/ theBnJ/Jh de 1776, para o marquês de Blosset», in Santarém - Quadro elementar dJS rcúções
EmPire, dir. J. Holland Rose, vol. 1 (Cambridge, 1960), pp. 268-299. políticas e dIplomátIcas de Portugal. Pans, 1842, v. VIIl, pp. 151-155.

58 59
P('\ aha! do que no quadro dos modelos; e a coloOlzação européia na da teoria econômica, numa crescente generalização dos conceitos,
é~'a modelna oferece toda uma gama de situações, que se afastam corresponde expressivamente a momentos diversos da evolução polí-
ou 'ie aproximam daquele esquema, v:ariando nü tempo e no espaço, tica e econômica do Ocidente europeu,
-comphcando inexoravc:hnente a realídade. Seria, contudü. desco- Aqui nos interessa, contudo, marcar apenas as linhas mestras da
nhecei 05 .meçanismüs 'profund05 do processo. e ficar na superfície doutrina, para situar nela o papel do colonialismo mercantilista. As-
dos..eventos, ignorar aquele projeto básico, que por vános séculos in- sim, a concepção de riqueza identificada com os metais amoedáveis,
formou a política ultramarina d~ nações européias. e que faz por- pOSto que no desenvolvimento da teoria tenha sido matizada pelos
ranto parte dessa mesma e complexa realidade. Encarada em conjun- pensadores que aperfeiçoaram o mercantilismo, nada obstante per-
to, e polarizando de Ull). lado as economias centrais européias, e as mapeceu a idéia básica metalista como orientadora da política eco-
colonia5 perifenca5 de outro, é megável que a história da colonização nômica. Ela envolvia uma conceituação primária da natureza dos
moderna 'ie proçessou segundü aquele desiderato fundamental. Daí, bens econômicos, e a suposição de que os lucros se geram no proces-
seu interesse pàra a análise. so de circulação das mercadorias, isto é, configuram vantagens em
M;l..Ís ainda, tal concepção não era um elemento isolado no pano- detrimento do parceiro. Assim, o receituário mercantilista enca-
rama da mentalidade política e econômica dos teóricos e dos estadis- minha-se diretamente para a formulação da doutrina da balança
tas dos Te.mpos Modernos; pelo contrário, articulava-se organica- favorável; balança dos contratos na formulação mais tosca, no nível
mente com o corpo da doutrina de econümia e política econômica dos mercadores particulares, balança do comércio no plano do inter-
que se 'desenvolvia e predominava na Europa entre os Descobrimen- câmbio internacional. Era a maneira de promover a entrada líquida
toS e a Revolução Industrial: o Mercantilismo(8), Tentemos ftxar-Ihe do bullión, termômetro da riqueza nacional. Daí, a política prote-
os Itneamentos essenciais. O ponto de partida é, como se sabe, a cionista: tarifária em primeiro lugar; ligada a esta, fomentista da
idéia metalista, .ou seja a identificação de nível de riquez,?- .com o produção nacional daqueles produtos que concorram vantajosamen-
montante de metal nobre existente dentro de cada nação. E unpor- te no mercado entre as nações. Defesa da saída das matérias primas,
[ante "destacar, desde já, e a partir dessa formulação básica, que a estímulo às exportações de manufaturas; inversamente, estímulo ã
doutrina mercantilista tem o imediato objetivü de formular normas entrada dos produtos primários, dificuldade ou mesmo proibição da
da política econômica, parte dessa problemática, e só para justificar importação de manufaturados. Para tanto, a produção interna deve
.o seu receituário é que se alça à formulação duma teüria explicativa ter baixo custo, ainda que para isto se restrinja o consumo interno -
da vida econômica como tal. Não parte de conceitos puros e de uma a fim de concorrer no exterior. O mercantilismo não é, efetivamen-
sistemática explicação da economia para deduzir normas de inter- te, uma política econômica que vise ao bem-estar social, como se diria
venção nesta realidade, senão que percorre quase o caminho inverso; hoje; visa ao desenvolvimento nacional a todo custo, Toda forma de
paralelamente, as preocupações de seus doutri!1adores não ultrapas- estímulos é legitimada, a intervenção do estado deve criar todas as
sam as fronteiras das suas respectivas nações. E como a «riqueza da condições de lucratividade para as empresas poderem exportar exce-
Inglaterra» que se preocupava Thomas Mun, será com a «riqueza das dentes ao máximo. Daí se propugnar uma política de fomento de-
nações» que se preocupará Adam Smith: esse alargamento do hori- mográfico., meio de ampliar a força de trabalno nacional, e impedir
zonte intelectual, que marca etapa decisiva na constituição científica a elevação dos salários, por exemplo.
Neste contexto, vê-se bem o significado e a posição das colônias.
IH1Sobre Mercantilismo; J. W. Horrocks - A short hlSIOry of mercantili.rm (I ')25), J Elas se devem constituir em retaguarda econômica da metrópole,
Morini-Comby _ MercantiJisme et protectio11lsme (19:;0), E. F. Heckscher - Mercan- Pois que a política mercantilista ia sendo praticada pelos vários esta-
ti/um (trad. inglesa 1955, edição original, 1931), P. Deyon - Le mercantilzsme
dos modernos em desenfreada cümpetição, necessário se fazia a re-
(1%9). D. C. Coleman - RevlJlons in MercanliJism (1969). Entre as histórias das
doutrinas (lU do pensamento econômico, dão destaque ao mercantilismo, entre ou- serva de cenas áreas .onde se pudessem pür definição aplicar as nür-
tras. as obras de Gonnard, Hugon, Denis, Heiman, Stark, Roll, Schumpeter. Fun· mas mercantilistas; as colônias garantiriam a auto-suficiência metro-
damental é Philip W. Buck. Tht: Polities oi Memm/llÚm. New York, ]')42. politana, meta fundamental da política mercantilista, permitindo

60 61
assIm ao Estado coloOlzadOl vantajosamente compeuJ com o~ de- maIs dIretamente na CIrculação das mercadonas que anima toda a Vl-
maIS wnwrrentes (9). da econômica. Estado absolutista, com extrema centralização do po-
O projeto colonizador tinha, portamo, sóhda urdIdura c_om. a der real, que de certa forma unifica e disciplina uma sociedade orga
mentalidade da época absolurista. Tal objetivo, porém, se conStItUIU nizada em ~rdens», e executa uma política mercantilista de fomem,
ao mesmo tempo em que se processava concreramente a colonização do desenvolVImento da ewn.omia de mercado, interna e externa-
do Ultramar, onde nem tudo se operava !,i.e acordo com as normas mente - n.o plano externo pela exploraS-ão ultramarina, taIS sã.o as pe-
em elaboração A política colonial das potências vipva por isso en- ças d.o todo, que convém articular. O· seu simples enunCiado já nos
quadrar a expansão colonizadora nos trilhos d~ por~tica merca.ntilis- abre caminho neste sentido. De fato, entre a monarquia unitária e
ta; fazer com que as relações entre os dOIS polos do ~1Stema centralizada, ou antes entre o process.o de centralização e unificação,
(metrópole-colônia) se éomportassem consoante o esq~em.a tido c~­ e a política mercantilista, são claras as relações, pois, segundo a f.or-
mo desejável. Podemos, pois, particularifando esta pnmelr~ descn- mulação definitiva de Heckschec{lll, o mercantilismo foi um instru-
ção do sistema colonial dizer que ele se apresenta como um opa pa~­ mento de unificação, ao mesmo tempo aliás que pressupunha um
ticular de relações políticas, com dois elementos: um centro de deo- cena grau de integração do estado nacional para que se pudesse exe-
são (metrópole) e outro (colônia) subordinado. relações através das cutar. Suas.relações são, pois, reversivas, o que nos conduz a conside-
quais se 'estabelece o quadro institucional para que a ~i~a econômica rar que ambos promanam de um mesmo processo, qual seja a fase
da metrópole seja dinamizada pelas atividades col~Olals.t.lO) crítica de ultrapassagem da estrutura feudal. Da mesma forma, a ex-
Esta primeira aproximação entretanto é ainda msufi~ler,t~ para pansão ultramarina permite romper os limites estreitos em que se
compreendermos a natureza e o funcionamento do AntIgo Sistema movia a economia mercantil até o fim da Idade Média(12)
Colonial. Se quisermos penetrar mais a fundo neste fenômeno" de Seria Impraticável, no~ limites que nos propomos, tentar aquI
longa duração, havemos de procurar suas conexões com o processo uma análise da crise do feudalismo Digamos apenas, acompanhan-
mesmo da colonização moderna, e com os demais componentes que d.o as análises de M. Dobb, que, no conjunto, ela deriva não pro-
dão a conformação característica da Época Moderna Tais conexões, priamente do renascimento do comércio em si mesm.o, mas da ma-
contudo, precisam estabelecer-se não.só como e cnquamo relações neira pela qual a estrutura feudal reage ao impacto da economia de
funcionais com as outras panes do todo, mas há que tentar mercado(I3}. O revivesClmento do comércio (isto é, a instauração de
apreendê-la in fien; isto é, de modo a apreender-se não apenas a po- um setor mercantil na economia e o desenvolvimento de um setor ur-
sição no conjunto senão ainda como se constituiu hlslofl(-ameme es· bano na sociedade) pôde promover, de um lado, a lenta dissolução
ta totalidade, e nela o sistema colonial. dos laços servis, e de outro lado o enrijecimento da servidão. Nas
A expansão ultramarina e a colonização do Novo Mundo t:onstl áreas próximas às grandes rotas comerciais, onde a presença do mer-
tuem de fato um dos traços marcantes da história dos séculos XVI a cador é mais constante, é o primeiro processo que se faz notar; nas
XVIII. Contemporaneamente, assiste-se ao predomímo das formas outras áreas, .onqe o contacto com o mercado se dá apenas nas cama-
políticas do absolutismo, no plano político, e, no social, a persistên. das superiores da ordem feudal, é o segundo (reforço da servidão)
cia da sociedade estamental, fundada nos privilégios jurídicos, como que se processa. Assim, o desenvolvimento da economia mercantil
elemento diferenciador. No universo da vida econômica, entre a dis-
solução paulatina da estrutura feudal e a eclosão da pr?dução capita- (1llef E Heckscher - ÚI.Épooi Mercanltlula. Tf'dd. bp .• MéxICO. 1943. pp. 17-
lIsta, com persistências da primeira e elemenws peculiares da segun- 29.
da, configura-se a etapa intermediária que já se vai tornando usual (12)Cf Ch Verlmden Ln OngmeJ de la C/v/lisa/lOn Allant/que Neuchatel.
chamar-se capitalismo mercanttf, pois é o capital comercial, gerado 1966, esp«lalmeme pp. 129 segs. G. LllZZatto, S/oria Econom/ca deItE/á Moderna
e COTltemporanea Pádua, 1955, [ lI, pp. 37-47 HiJtona deI ComercIO, dir.
('!ler Ph. BllCk· The PolzllO oi Meml1'111lum, pp. 58-6), 117-119. Lacour·Gayet, uad esp .. Barcelona, 1958, t. m, pp. 16 segs.
110, _F. Rees . ~Colonial System., Encyclopedia ofSacia! 5ciences. v. 111, pp. 651- 1)JICt -M Dobb itudt(!J in lhe Development ofúpitalum. Londres, 19')4, pp.
6')3. 'p segs

62 61
(com os processos correlatos de divisão social do trabalho e especial~­ timul: .a expansão ultramarina encaminhando a superação da crise
zação da produção) na medida em que se expand~, agrava as condI- nos vanos setores .
ções da servidão - e no limite promove as insurreIções camponesas. . A abertura de n~vas frentes de exploração mercantil, de fato, sig-
Por outra parte, o próprio alargamento do mercado, a longa distân- nIficava o est~belec1II1ento de novas rotas pelo oceano desconhecido,
cia, estimula a diferenciação dentro da sociedade urbana; o ~rodutor envolvendo lflsuportável margem de risco, e exigindo sobretudo
°
direto, perdendo domínio do mercado, tende a se proletaflzar - ° uma acumulação prévia de capital que as formas de organização em-
que leva às insurreições urbanas{l4). Nos dois setores abre-se pois a presarial da Idade Média estavam longe de prover. O montante de
crise social. recursos'a serem mobi1izados, a problemática lucratividade, a longa
A longa e persistente recorrência dessas crises sociais tendeu, {?or maturação da empresa - tudo isso tornava inviável às formas de as.
seu turno, na medida em que se desorganizava a produção, a rest~m­ sociações mercantis medievaís acometer o empreendimento. Só o es-
gir o ritmo de desenvolvimento do próprio c.omércio(I.5). Isto, ah~, tado centralizado pode funcionar como centro organizador da supe-
era ainda agravado pela depressão monetáCla(I6), poIS a economia ração da crise ou das crises, catalizando recursos em escala nacional e
européia tinha de c:pntar com linhas externas de abastecimento do internacional, avalizando os resultados. Nem é por outro motivo
metal nobre. Tal situação levou a um endurecimento da competição que um pequeno estado do ocidente europeu, precocemente cen-
entre os vários centros de comércio, com a tendência a se fecharem e tralizado, - Ponugal- pôde iniciar a arrancada pelas novas rotas,
dominar as principais rotas. O principal setor comercial, o comércio abrindo caminho para a superação da crise da economia e sociedade
de produtos orientais, fica dominado pelos mercadores italianos (so- européias. Assim se compreende também a forma que assume o ca-
bretudo de Veneza e Gênova); os demais centros mercantis (flamen- pitalismo mercantil em Portugal nesta sua primeira fase moderna,
gos, ingleses, franceses, ibéricos) esforçam-se, assim, cada vez mais, empresa do estado monárquico absolutista(18). Torna-se outrossim
pela abertura de novas rotas( 17). explícita a concordância que já indicamos no capítulo anterior, entre
No quadro geral dessas rensões e em função delas é que se proc~s­ formação dos estados nacionais e expansão ultramarina. Portugal,
sou a formação dos estados nacionais. A formação das monarqUias Espanha, Províncias Unidas, Inglaterra e França lançam-se na con-
absolutistas (unificação territorial, centralização política) foi de fato corrê?cia comercial e colonial na medida mesma em que se organi-
uma resposta à crise; ou melhor, foi o encaminhament? político das zam Internamente como estados unitários e centralizados.
tensões de toda ordem. Efetivamente, o estado centrahzado, de um
Foi um processo assincrônico nos vários países a formação do esta-
lado, promove a estabilização da ordem social interna (num novo
do centralizado e unitário; variou no tempo e no espaço a fórmula
equilíbrio das forças sociais, agora subordinadas ao rei), de outro es-
encontrada, e cada nova forma se constituía em uma nova peça no
jogo das relações internacionais. No conjunto e no essencial, porém,
(i4JCf. H. Pirenne - LeJ Anúennes Démocraties des Pays·BaJ. Paris. 1910. pamm. esse processo político emergia das tensões do feudalismo que acima
Historia Eeonomiea e SoeÚJJ da Idade Média, nad. port., S. Paulo, 1')63, pp. 208- indicamos; a nivelação de todos como súditos ao poder real, quecen-
214.
(I~}cr M. Pustan _« Trade in Medieval Europe: The North~, In Cambndge &0'10·
rralizava o p04er e o delegava, permitiu disciplinar as tensões e os
mie History o/Europe, vol. 11 (1952), pp. 191 segs. e R. Lopez - «Trade In Medieval conflitos sociais, ao mesmo tempo em que a política enconômica
Europe: The South~, op. út., pp. 338 segs. mercantilista executada atacava simultaneamente todas as frentes de
(16)cr Marc 810ch _ «Le probleme de ror au Moyen-Âge», Ann.Hist.Econ.Soc. retenção do desenvolvimento da economia de mercado. A retomada
1933, pp. 1-34. F. Braudel - "Moedas e civilizações. Do ouro do Sudão ã prata da da expansão econômica por sua vez aliviava as tensões sociais.
Amériça. - Revista de História (S.P.), n. 13, 1953, pp. 67-83. Pierre Vilar - Oro y
Moneda en la Hisloria (1450-1920). Ifad. esp., Barcelona, 1969, pp. 33-42, 73-80. E de fato, o estado moderno pôs em execução com maior ou me-
(17JO. V. Magalhães.Godinho _ «Création et dynamlsfi.1e économique du monde nor intensidade variando no tempo e no espaço, com êxitos ou frus-
atlamique~. Ann. (Econ.Soc.Ctv.), 1950, pp. 32 segs. L 'Economle de I'Empire Por·
tugals aux XV el XV/e. sihleJ, Paris, 1969, Introdução. A expansão quatror;entuta (IElCf. M. Nunes Dias - O Capitalismo Monárquico Português, Coimbra, 1963,
portuguesa, Lisboa, 1')45, pp. 19-51. 2 vs.

64 65
trações ao longo de sua existência, a política ~c.?nômica merca~tilis­ - as economias coloniais - para fomentar a acumulação, e no nível
ta, que preconizava simultaneamente a abobç~o das ad,uanas Inter- político a centralização do poder para unificar õ m-ercado nacional e
nas e conseqüente integração do mercado naCional, tanfas exter:.nas mobilizar recursos para o desenvolvimento (22). Neste sentido, o An-
rigidamente protecionistas para promover ~;na b~a-,!ça favoravel tigo Regime Político - essa estranha e aparente projeção do poder
do comércio e conseqüente ingresso do bulfton! colonIas para ~o~­ para fora da sociedade - representou a fórmula de a burguesia mer-
plementar e autonomizar a economia metrop.oh~ana. A cons~nanCla cantil assegurar-se das condições para garantir sua própria ascensão e
dessa política econômica com a fase do capitalIsmo comerCial 9ue criar o quadro institucional do desenvolvimento do capitalismo co-
lhe é subjacente era pois perfeita; igualmente, f! esta~o .absolutlsta merciai. Tratava-se, em última instância, de subordinar todos ao rei,
ao praticá-la se fortalecia pela aplicação do fisc~l,sI?o reglo, comple- e orientar a política da realeza no sentido do progresso burguês, até
tando a rede das inter-relações. Tal consonancla: destacada p~r quc:, a panir da Revolução Francesa e pelo século XIX afora, a bur-
Stark(19), reduz em grande parte a validez das crít~cas que a te.ona guesia pudesse tornar-se, como diria CJ:tarles Mozaré, «conquistado-
econômica lhe formulou a partir dos clássicos, apOIada ~uma,SlS}~­ ra. e modelar a sociedade à sua imagem, de acordo com os seus inte-
mática c0nceicual a que escapava em grande parte o senudo hlston- resses e segundo os seus valores. Estratégia nem sempre explícita no
co da doucrina(20). . nível da consciência individual, e sempre inçada de dificuldades sem
Absolutismo, sociedade estamental, capitalismo comercial, políu- conta; a história concreta desse processo é sobremaneira tortuosa, e
ca mercantilista, expansão ultramarina e colonial são, portanto, par- F. Braudel pôde falar nas «traições. da burguesia (23). Em meio às
tes de um todo, inter-agem reversivament~ ~este co~plexo. qUils)e contradições em que se desenvolve. a expansão capitalista e a ascen-
poderia chamar, mantendo um termo da tr~d,çao, Anttgo Regime< . são burguesa, perspassa aquele mecanismo de fundo, subjacente a
São no conjunto processos correlatos e I~terdepe.?dentes, pr?du- todo o processo.
toS todos das tenSões sociais geradas na desIntegraçao d,? fe~dahsmo É neste contexto e inseparavelmente dele que se pode focalizar a
em curso, para a constituição do modo de produçã~ capItahsta: Nes- expansão ultramarina européia e a criação das colônias do Novo
ta fase intermediária, em que a expansão das rela~oes merca~tlS pro- Mundo. A colonização européia moderna aparece, assim, em pri-
movia a superação da economia dominial e a transição do regime ser- meiro lugar como um desdobramento da expansão puramente co-
vil para o assalariado, o capital. comercial. comandou as tr~sforma­ merciai. Foi no curso da abertura de novos mercados para o capitalis-
ções econômicas mas a burgueSia mercanol encontr~v~ obstaculos de mo mercantil europeu que se descobriram as terras americanas, e a
toda ordem para manter o ritmo .de expansã? das auvlda~es e ascen- primeira atividade aqui desenvolvida, importou no escambo, com os
são social; daí, no plano econômlCo,a necessIdade de apoIos externos aborígenes, dos produtos naturais; o povoamento decorreu iniciai-
mente da necessidade de garantir a posse em face da disputa pela
(W)Cf. W. Stark _Historia de la Economia en JN Relación con eI DeJarollo Social, panilha do novo continente; complementar a produção para o mer-
trad. esp., México, 1961, pp. 20-26. cado europeu foi a forma de tornar rentáveis esses novoS domínios.
(20)Mesmo a um Heckscner terão porventura passado despercebidas certas cone· Transitava-se assim como que imperceptivelmente do comércio para
xões que não escaparam a Lord Keynes, quando fez notar que, numa época ~m que
eram mínimas as possibilidades de manipulação governamental da taxa d~ Jur05,.a
a colonização, mas esse desdobramento envolvia de fato uma nova
abundância do numerário era o expediente mais acertado de mantê-la baIXa e poIS forma de atividade. Não escapou isto aos mais atilados obsérvadores
incentivar os investimentos ptodutivos. Cf. Teoria Geral do Emprégo, do Juro e do coevos (24) .
Dinheiro. Trad. pon. Rio de Janeiro, 1964, pp. 319-3')0. . , . .
(21lSem entrar na análise exaustiva do problema da tranSição feudal-cap!t~!Jsta, {22la. M. Dobb _ StllmeJ in lhe Dellelopment ofCapilalism, Londres. 19')4, pp.
que extravasaria as dimensões do capítulo, indicamos cont~do no ~ex~[~ as articula- 176-220, especialmente 202-209.
ções mais importantes entre os vários níveis e setores da realidade hlstonca d~ É~ca {23la. F. Braudel _ Lo Métiiten-onée et Ie Monde Méditerranien à I'ipoque de
Moderna. No atual estágio da questão. esta parece-nos deva ser a preocupaç~o pnn- PhilippelI. Paris, 1949, p. 619,
cipaL Neste sentido, são altamente sugestivas as formulações de J.Wallerstem - The (24JExemplo: ..Isso é maior indício de iua riqueza (do Brasil), porque os homens
Modem-World System, New York, 1974. .das Índias, quando de la vêm para o Reino, trazem consigo todas quanta fazenda ti·

66 67
Efetivamente, ao se transitar do comercIo para a colonização, se um setor da sociedade que passa a dedICar-se exclusivamente à Cli-
passava-se da comercialização de bens prod~zidos por sociedades já culação dos bem econômicos, acumulando capital nesta atividade.
estabelecidas para a produção de mercadonas e montagem de uma Logo, em função desse ·processo, pouco a pouco, se vai produzindo
sociedade fiova. Engajava-se, assim, a ocupação, povoamento e valo- para a troca, e pois a produção se vai especializando. Portanto, acu-
rização de novas áreas, e sua integração nas linhas da economia euro- mulação de capital comercial, divisão do trabalho, mercantiJização
péia. A exploração ultrapassava dessa forma o âmbito da circulação dos bens econômicos, especiaJiza~ão da produção são processos cor-
de mercadorias, para promover a implantação de economias comple- relatos. que envolvem um de~envoJvimento do nível etonômico ge-
mentares extra-européias, isto é, atingia propriamente a órbita da ral Acumulação de capital comercial e formação da burguesia mer.
produção. E não obstante tais diferenças fun'damentais, e as dimen- cantil são pois os dois lados do mesmo processo. Teoricamente, a
sões novas que assumia a atividade colonizadora ao transcender a ex- transformação se auto-estimula sem limites.
ploração do comércio ultramarino, a colonização guardou na sua es- ~istoricamente, porém, tal processo se instaura a partÍl de um3.
sência o sentido de empreendimento comercial donde proveio; a reahdade concreta - o sistema dominial feudal. Daí as tensões SQ-
não-existência de produtos comercializáveis levou à sua produção, e ciais que se desencadeiam a: partir da formação e expansão de um se-
disto resultou a ação colonizadora. Assim se ajustavam as novas áreas lOr mercantil no quadro da economia feudal; daí també'm os contí-
aos quadros'das necessidades de crescimento da economia européia. nuos reajustamentos políticos que encaminham aquelas tensões. O
Acolonizafãomodernaporranto, como o indicou incisivamente Caio final da Idade Média é um momento crítico dessas tensões.e ajusta-
Prado ]r., tem uma natureza essencialmente comercial: produzir pa- mentos. Já vimos os processos desencadeados na superação dessa cri-
ra o mercado externo, fornecer produtos tropicais e metais nobres à se: estado unitário centralizado execulOr da política mercantilista,
economia européia - eis, no fundo, o «sentido da colonização» (2') expansão ultramarina e colonial, criação em suma de alavancas para
Se combinarmos, agora, esta formulação - o caráter comercial acelerar o desenvolvimento da economia de mercadO, incentivandc, d
dos empreendimentos coloniais da Época Moderna - com as consi- acumulação capi~ista.
derações anteriormente feitas sobre o Antigo Regime - etapa inter- Paralelamente, a pouco e pouco, o capilal penetra na produção.-
mediária entre a desintegração do feudalismo e a constituição do ca- Do artesanato para a manufatura-onde já estão dissociados capital e
pitalismo industrial- a idéia de um «sentido. da colonização atin- trabalho, e desta para O sislema fabril, desenrola-se o processo de
girá seu pleno desenvolvimento. formação do capitalismo, que cobre todo o período do fim da Idade
Efetivamente, a expansão da economia de mercado, com os pro- Média até a Revolução Industrial, quando se completa.
cessos correlatos de divisão social do trabalho e especialização da pro- Enquanto, porém, o último passo não era alcançado, a economia
dução e consequente elevação do nível geral de produtjvidade, so- capitalista comercial, e pois a burguesia mercantil á'iCendeme não
mente a partir da mecanização da produção industrial adquiriu uma p~uía ainda suficiente capacidade de crescimemo endógeno, a capi-
força de auto-desenvolvimento. Processo que se inicia pela mercanti- talIzação resultante do puro e simples jôgo do mercado não permitia
lização ocasional de excedentes da produção regional pré-mercantil. a ultrapassagem do componente decisivo - a mecanização da. pro.
Na medida em que a comercialização se torna permanente, destaca- d.ução. Daí a necessidade de pontos de apoio fora do sistema, indu-
zlOdo uma acumulação que, por se gerar fora do sistema, Marx cha-
nham, porque não há nenhum que tenha lá bens de raiz, e se os têm são de pouca
consideraçio. e corno todo o seu cabedal está empregado em cousas manuais
mou de originária ou pn"mitiva (26). Daí as tensões sociais e políticas
embarcam-nos consigo. e do preço porque os vendem no Reino compram essas ren- pro~ocadas pela montagem de todo um complexo sistema de estí-
das e fazem essas casas. Mas os moradores do Brasil toda a sua fazenda têm metidas
em bens de raiz, que não é possível serem levados para o Reino, e quando algum (2(,!Cf. Karl Marx· Capltal.l p. 801, espeCIalmente pp. 840·851 Cj[am~~ pela
para lá vai os deixa na própria terra ... i> Diálogos das grandezas do Brasil (1618), ed. tradu~ão espanhola de Wencesbo Roces, editada pela Fondo de Cultura. Mtxico.
de J. A. Gonçalves de Mello, Recife, 1%6, p. 79. )')46. Não cabe nos limites deste capílUlo urna discussão aprofundada sobre a acu-
(25)0. Caio Prado Jr - Formtlfiio do Bnnll Contemporâneo. 4- edição, pp. ')-26, mulação primitiva. a ser retomada à hdse da5 «formações ecunôrru(as pré-
113-123. capitalistas•.

68 69
mulas. O mercantilismo foi, na essência,·a montagem de tal sistema Na realidade, nem toda a colonização se desenrola dentro das tra-
(27t e o sistema colonial mercantilista sua peça fundamental, a prin- vas do sistema colonial. Os sistemas nunca se apresentam, historica-
cipal alavanca na gestação do capitalismo moderno. Ao contrárío do mente, em estado puro. Apesar de coeva, a -colonização da Nova In-
_que pensava Max Weber, a exploração colonial foi elemento decisivo glaterra se deu fora dos mecanismos definidores do sistema colonial
na criação dos pré-requisitos do capitalismo industrial(28). mercamilista,( 301, e já indicamos,noutro passo ,os fatores específicos
De fato, a ultrapassagem do último e decisivo passo na instaura- - as crises político-religiosas da Inglaterra, no processo de formação
ção da ordem capitalista pressupunha, de um lado, ampla acumula- do estado moderno inglês- que deram origem a essa forma de ex-
ção de capital por parte da camada empresária, e de outro, expansão pansão ultramarina: colônilZJ de povoamento, na terminologia con-
crescente do mercado consumidor de produtos manufaturados. Am- sagrada por Leroy-Beaulieu, cuja produção se processa mais em
bos estes pré-requisitos geram-se no processo mesmo de.des~nvolvi­ função do próprio consumo interno da colônia, e onde predomina a
menta da economia de mercado, pois a dissolução das antigas for- pequena propriedade. A categoria de colônias que se lhe contrapõe,
mas de organização econômica, ao envolver e acentuar a divisão so- as colôntas de exploraçiio(3 I), têm uma economia toda voltada para o
cial do trabalho e especialização da produção, cria ao mesmo tempo mercado ext.erno, meuopolitano, e a produção se organiza na gran-
mercado e: acumula capital; já vimos porém que este mecanismo na de ·propriedade escravúta, como no Brasil, por exemplo.No anda-
sua pureza esbarraem.obstáculos -intiansponíveis,em cuja superação mento de nossa exposição, essas categorias assumem nova dimensão,
se mobilizam a política mercantilista e o sistema colonial. wmo é fácil de perceber: de exploração são as colônias mais ajusta-
Examinada, pois, nesse contexto, a colonização do Novo Mundo das aos quadros do sistema cólonial, de povoamento as que ficam re-
na Época Moderna apresenta-se como peça de um ,sistema, instru- lativamente à margem do sistema. Mas, a ser verdadeiro o esquema
mento da acumulação primt"tifl4 da época do capitalismo mercantil. explicativo que vamo~ construindo, e gerando-se ambos os tipos de
Aquilo que, no inicio dessas reflexões, afigurava-se como u?I !~­ colônias no bojo do mesmo processo colonizador, é a partir do siste-
pies pmjeto, apresenta-se agora. co?soante com ~rocesso hlstonco ma e portanto da exploração colonial que se pode entender o con-
concreto de constituição do capttahsmo e da SOCiedade burguesa. junto e pois também as colônias de povoamento, e não o contrário.
Completa-se, entrementes, a conotação do sentido profun.do?a co- Da mesma forma, se o Braszl-colônia se enquadra como colônia de
lonização: comercial e capitalista, isto é, elemento COnstItutIVO' no exploração nas grandes linhas do Antigo Sistema Colonial, não quer
processo de formação do capitafismo moderno. isso dizer que todas as manifestações da colonização da América Por-
. Podemos, enfim, compreender, nas suas múltiplas conexões, o tuguesa expressem diretamente aquele mecanismo; mas, mais uma
sistema colonial, esse conjunto de mecanismos - normas de ~olítica vez, os mecanismos do sistema colonial mercantilista constituem o
econômica e relações econômicas efetivas ' - que integra e artICula a elemento básico do conjunto, a partir do qual deve pois ser analisa-
colonização com as economias centrais européi~, realidade s~bja­ ,do. Neste momento de nossa análise estamos tentando explicitar a
cente e imanente no processo concreto da colomzação; que a ajusta categoria básica (sistema colonial) para compreendermos em seguida
continuamente ao seu .-sentido». Não se trata pois de simples deno- seus mecanismos e sua crise no nível estrutural; teremos, natural-
minador comum presente em todas as manifestações concretas do
tm e perspectiva hIstórica» - Anais di, IV Simpósio Naoona/ dw-Projúsores Univer-
processo histórico, mas do determinante e~trutural, com.ponen~e a
JlldnOJ de Histón'a, 1969. "
partir do qual é possível compreender o conjunto d~ ~anifestaçoes, I '1I1~O,nível de desenvolvimento ak.l.lu,-ado por alguma~ regll>es exua-eUrOpela5 se

tomando-as inteligíveis, o elementb. enfirq que exphclta e define os deveu J. que. nelas, justamente. a estrutura do subde~em(>lvimento não pode
demais, e não se define por eles (29). 'mplantar.,e» Brunu Passarelli _ Co/ama/ismo y acumulao,)n caplta/lSta en la Euro-
pa Moderna. Buenos Aires. 1973. p. 28. .
I1I Icr P. Leroy.Be-dulieu . De la CoitJ71mition chez leJ Peuples Modemu, ParIS,
(27JcC. M. Dobb . Sludies in lhe Development 01 Capita/ism, pp. 200·210. 1874, pp. 5-.:>.') segs. Na 5' ed Paris, 1902, t. 11, pp. 563 seg5. Baseou·se na.classifi-
(28JCC. Max Weber· Wimchaftgesr;hichte, 3· edi~o, Berlim, 1958, pp. 2%-259. cação de Roscher. Cf. W Roscher e R. )annasch . K%nien, KolomalpolzJlk "".d
(29JcE. Fernando A. Novais _«Colonização e sistema Colonial: discussão de concei· AUJw,mdenmg. 3' ed, Leipzig, 1885, pp, 2·32 A j ' ed. é de 1848, Mclvm

70 71
apesar de todas as variações que sofreram au longo dos séculos XVI
mente, que retomar mais adiante alguns elementos já' aqui adianta-
dos, para recompormos a posição de Portugal metropolitano e da co- ~Vll e ~V~II as relações c~ercia~ das m~trópo~es com suas respec:
uvas colonIas, aq~ele regime fOI a matflz básICa dessas relações,
lônia Brasil no conjunto do sistema, e pois a maneira como a crise ge-
entenden.do-se as situações que se afastam desse procedimento típico
rai afeta as relações Portugal-Brasil. Assim, pensamos, nossa análise como varIações decorrentes de fatores especiais ou circunstanciais.
irá se concretizando cada vez mais_ Desdobramento. da expansão comercial e marítima dos Tempos
b) O «exclusivo» metropolitano Modernos, a .colonIzação, como já indicamos, significava a produção
d~ ~ercadoClas par.a a ~uropa, naquelas áreas descobertas em que as
Examinemos, pois, os mecanismos de funcionamento do Antigo a~I~ldades economl~as dos povos cprimitiv?s» não ofereciam a possi-
Sistema coloÍlial do mercantilismo. É no regime do comércio entre bilIdade de se engajarem relações mercantIS vantajosas aos caminhos
metrópoles e colônias que se situa o elemento essencial desse meca- do desenvol~i~ento capitalista europeu. Assim. passava-se, da sim-
nismo (32). Reservando-se a exclusividade do comércio com o Ultra- p~es comerclahzação de produtos já encontrados em produção orga-
mar, as metrópoles européias na realidade organizavam um quadro filzada, para a produção de mercadorias para o comércio; a vincula-
institucional de relações tendentes a promover necessariamente um ção.~o.m o processo m~is.simples - a pura comercialização - contu-
estímulo à acumulação primitiva de capital na economia metropoli- do Ja ~nsena a comerctahzação dos produtos coloniais no regime mo-
tana a expensas das economias periféricas coloniais. O chamado nopohsta característico da fase anterior, Foi efetivamente exclusivista
«monopólio colonial», ou mais corretamente e usando um termo da Q comércio que se montou com a abertura das novas rotas oceânicas
própria época, o regime do cexclusivo» metropolitano constituia-se no início da Época Moderna, Durante toda a expansão quatrocentis-
pois no mecanismo por excelência do sistema, através do qual se pro- ta portuguesa, a exploração do comércio da costa atlântica africana
cessava o ajustamento da expansão colonizadora aos processos da foi ap~ágio d~ rei, isto é. do estado monárquico absolutista (33); es-
economia e da sociedade européias em transição para o capitalismo te podia delega-lo a outros órgãos. à Ordem de Cristo na pessoa de
integraL seu ~rão Mestre o Infante I? Henrique, arrendá-lo a empresário's
O comércio foi de fato o nervo da colonização do Antigo Regime, paruc_ulares. mesmo estrangelCos (H), que o princípio básico do regi-
isto é, para incrementar as atividades mercantis processava-se a ocu- me ~ao se alterava, nem os mecanismos fundamentais deixavam de
pação, povoamento e valorização das novas áreas. E allui ressalta de funCIonar,
novo o sentido que indicamos antes da colonização da epoca Moder- Realizado ~~ !497 o périplo africano. descortinava-se aos portu-
na; indo em curso na Europa a expansão da economia de mercado, g~~~s a po~~ilb~hdade de explorar o comércio das costas africana e
com a mercantilização crescente dos vários setores produtivos antes à a51:a~lca do ,lndl~o, Montou-se en}ão todo um arcabouço político-
margem da circulação de mercadorias - a produção colonial, isto é, militar: o vlce-reu~o ~rtuguês da ~ndia. para excluir os muçulmanos
a produção dos núcleos criados na periferia dos centros dinâmicos e atraves deles os Itahanos de partIciparem nas atividades mercantis'
euro')eus para estimulá-los, era uma produção mercantil, ligada às noueras palavras, organizou-se um aparelho de força para garahtir ~
gran ies linhas do tráfico internacional. Só isso já indicaria o sentido
da colonização como peça estimuladora do capitalismo mercantil, .llll«Ã peine n~, le commerce (Olomal forme au Ponugall'objet d'un monopole •.
mas o comércio colonial era para mais o comércio exclusivo da me- Linden-Lannoy _ L 'Expal1Jion coloniale deI peupleJ européens(Bruxelas. 1907), p.
trópole, gerador de super-lucros. o que completa aquela caracteriza- 136. Logo após a ultrapassagem do cabo Bojaoor - marco decisivo na hist6r1a da ex-
ção. E de fato, como procuraremos indicar· sinteticamente agora, ~ansâo . já o rei proibe embarcações navegatem para as terras descobertas sem auto-
mação do Infame D. Henrique. Cf. Carta Régia de 22 de outubro de 1443. In·
Documento.' .Iôb.'e a expa11Jão portuguesa, organização e notas de V. Magalhães.
Knigbt . «Colomes., Encyc/opedUl ofSocuzI SaenceJ, v 11. pp 653·663. F. A. No· Godinho vol. I (Lisboa, 1943), p. 142. .
vaiS' cColomzação e Sistema Colomal. dI Ll~)Para o estudo global dos mecanismos do coméruo na expansão portuguesa. Cf.
(12)C( E .1 Hamilton.« Tht role of monopoly JIl tht· ()'~f'l'J.' c""pJJ,'" ,n J'\U ",i· M. !'.unes Dias _ O CaPltalumo MOl1ãrquico Português (Coimbra. 1%3), t I, pp.
" .. ti 1I ... !t ui EUJ<>pc bdurc 1HlXb. Am.Ewn.Re1J., vol. 38, 1948, pp. 33-53.

73
72
,exclusivo e pois a alta lucratividade da rota do Cabo (35). Procurava- O recuo português facilitou a penetração holandesa no início do
se, efetivamente. bloquear as entradas do Mar Vermelho e do Golfo século XVII. Apesar da guerra de independência (1579, união de
Pérsico. O comércio se organizava pois como monopólio régio; o rei Utrecht) e da união ibérica (IS80), continuou ainda a participação
<!e Portugal era como que o único empresário. Através da empresa decisiva da Flandres no comércio oriental através de Lisboa. Em
estatal. mobii;zavam·se os recursos para a comercialização dos pro- 1585, porém, ano da tomada de Antuérpia pelos espanhóis,. ,!avios
dutos do Oriente~ a debilidade, porém. da acumulação capitalista holandeses são apreendidos na capital portuguesa (38). Sob FIlIpe 11,
prévia em Ponugal, como rapidamente indicamos noutro passo. le- contudo, procurou-se ainda evitar a ruptura das relações comerciais,
vou a Coroa portuguesa a r~correr aos capitais estr~n~eiros. -sobr~t~. tal era o grau de vinculação e a importância dos ~ntrepostos da Flan-
do da Flandres. e a transfenr, para a praça de Antuerpla a comeCClah. dres para a comercalização dos produtos do Onente. Em 1598 en-
zação dos produtos orientais nos mercados europeus. Isto dava a es- fim todo o comércio com Holanda é proibido decretando-se os se-
ses grupos empresariais o controle mais .direto dos preços e~r~peus, e qüestros - «edito bárbaro», como o chamou Grodus (39). Nessa con-
a manipulação dos preços colocava-os cada vez maiS na poslçao de fi- juntura, ia-se articulando na Holanda o projeto de relações co--:ner-
nanciadores e credores do empreendimento régio, que acabava por ciais diretas com o Oriente. Mobilizaram-se recursos, e em abnl de
assumir apenas os riscos não pequenos do transporte: Acresça-se que 1595 realizou-se a primeira viagem de resultados pouco compensa-
os rendimentos que ficavam de posse da Coroa, a? tntegrare.m coJ!! dores:a rota da Índia porém. para os holandeses, estava aberta (40(
as gemais fontes o erário régio, não eram necessariamente remvestJ· Ora, a posição dos Países Baixos no contexto da economia e.tlCo-
dos nos negócios do Oriente,passando muitas vezes a atender outros péia era muito peculiar. Desde a Idade Média, essa regiã? se vmha
canais de dispêndio do estado português. Assim, o esque~a m~)fita­ destacando como um dos mais ativos centros de desenvolvimento da
do do «capitalismo monárquico:. acabava por frustrar a raClonahdade economia de mercado na Europa; Bruges, na baixa Idade Média,
da empresa de comercialização dos produtos orientais, en~raquecen­ Antuérpia a partir do século XVI (41), ~ram c~nt~os de cir~ação
do sobremaneira a posiçãO portuguesa no conjunto. termmando por econômico-financeira a rivalizar com as Cidades Italianas. A nqueza
provocar quebras e falêncjas(36). .
Observe-se. porém, que tais distorções se deram no nível da dIStri- gem mundial de 1517 .. 1524 e o impéri~ português., 0;. cit., pp, 152·153; «Fluru~·
buição dos lucros gerados no comércio monopolista. O esse~cial era ções econômicas e devll estrutural dQ seculo XV ao seculo XVII., op., cll., pp. 177
que não houvesse uma concorrêncja de compradores no Onente. o segs. Fréderic Mauro - Lc Portugal et I'Atlanúque a,JI XVllllcc/e (Pafls, 1960), pp.
que reduziria os lucros à sua expressão nor~al n~ transa~es comer- 6-7. Ch. R. Boxer - The PortugueJe'Jeaborne Emplre. N. York, 1969, p. 12M segs.
ciais; o monopólio régio português garantia, assIm, condições favo- O recuo português em funçãO da penetração das novas potências não. f~i brusc~,
mas lemo e paulatino, como mostrou Joel Serrão, «Em torno das condlçoes econo'
ráveis à economia européia em geral. promovendo a aceleração da micas de 1640». Separata de Vértice. Coimbra. 1952 .
acumulação de capitais mercantis: na engrenagem do sistema contu- (38)Cf. G. Luzzatto . 5toria Economica deU'eIP Moderna e Contemporanea. 4
a

do as maiores vantagens se transferiram para fora do reino. Com is- ed. Pidua. 1955. t. l, pp. 225-226. H. A. Enno van GeIder - Histoire der POYJ!3tIJ,
to, ~ntretanto, acabou por enfraquecer-se a dominação lusitana no Paris, 1936, p. 34. H. Wãtjen - O domínio colonial Holandér no Bnni!, trad. port.,
Índico, recuando o volume das atividades comerciais (37~. S. Paulo, 1938, pp. 65-66.
(39)Cf. S. Buarque de Holanda e Olga Pantaleão - .Franceses, Holandeses e Ingle-
H~ segs Vi,ente Almeida Eça - N017R4S Erol1ôm/CIlJ da colo11lzaçJQ portuguesa ses no Brasil quinhentista., in História Geral da Civilização BraJileira. ,1960. t. I, I
(Coimbra, 1931) pp. 56 segs, • vol., pp.165-166, H. van Gelder, op. cito p. 34. Ch. R. Boxer. op. Clf., pp. 108·
1<~lCf V Magalhães-Godinho. L 'Economu do! I'Emplre pOTluxa/J aux XV e1 109.
XVluideJ (Paris. 1%9), pp, %5·574 (40)U. G. Luzzatto. op. cit., t. 1. p. 226. V. Vásquez de Prada - Historia Econo·
(6)Cf Nunes Dias, op. ál., r. li, pp 3'j'j segs. Magalhães-Godinho, op.cit., pp mica Mundial, Madrid, 1961, 1. p. 315. B.M. Vlekke - ",Las Indias Orientales Ho-
829 segs. , landesas_, in Lo Nación HoIandeJIJ, dit. por Bartholomew Landheer, trad. esp., Mé-
()1)Recuo português no Oriente: J. LúCIO de Azevedo· EpoCl1J de Portugal EcOI1Ô' xico, 1945, p. 340. G. Masselman - ",Dutch colonial policy in the XVIlth century_.
mICo. la ed., Lsboa, 1974, pp. 136 segs_ V. Magalhães-Godinho - ~A evolução dos j.&011.Hist., 21,196.1, pp. 455-456.. , . _. _
complexos his[óriw·geográficos., EmaloJ. vol. II (Lsboa, 19(8), pp, 20·21; ~A via- (41).0 progresso malS notável que fez esta CIdade (Antuerpta) [ao nca e tan famosa

74 75
flamenga advinha pois de sua posição de entreposto, centro de trans- tramaríno revela-se ineficaz para as necessidades do capitalismo mero
ferência dos produtos e redistribuição das várias áreas econômicas cantil' europe* carente de estímulos externos; o fracasso da tentativa
européias (42), em suma o carrying frade. Daí a sua pol1tica econôm}- leva, na prátiCa, à adoção do esquema monopolista .
.ca pautada sempre num grande liberalismo, exatamente para atralC, FOI, portanto, nesse contexto de exploração ultramarina monopo-
_as mercadorias de todas as áreas, redistribuindo-as em seguida. Des- lista que se in'iciou a produção colonial, e a comercialização dos pro-
tarte, e fundados nessa tradição, os holandeses a partir do fim do sé- dutos gerados nas economias montadas no Novo Murido lflseria-se
culo XVI, organizaram várias empresas autônomas para tentar o co- como que natutalmente neste regime. O primeiro ensai.o de coloni-
mércio direto com o Oriente: entre_ 1595 (primeira viagem) a 1602 zação propriamente foi, como se sabe, o das ilhas atlânticas, e parti-o
formaram-se cerca de uma dezena de companhias, armando 65 na- cularmente da Madeira. A introdução do cultivo da cana e a produ-
vios. Poucas tiveram êxito. Para a maioria os resultados foram desas- ção do açúcar nessas ilhas, numa fase em que os recursos do pequeno
trosos. É que elas acabavam por competir ná compra dos produtos reino empreendedor se concentravam no alargamento do périplo
orientais, o que para mais era agtavado pelas condições desse comér- africano, contou desde cedo com a participação de estrangeiros com
cio '\ longa distância e, no Indico, dependente das monçõe seus recursos e capitais; sobretudo os genoveses, parece, estiveram li-
Neste quadro é que se começava a tomar consciência da necessida- gados à montagem dessa economia, através da qual se rompia o mo-
de de alterar a orientação da pol1tica econômica relativa ao Oriente. nopólio da oferta do produto até então dominada pelos venezianos.
A companhia de Amsterdam, que conseguia manter-se em boas Assim, destruindo o monopólio veneziano, expandia-se o consuQ1o
condições, solicitou aos Estados Gerais que se lhe concedesse mono- do produto, em cuja comercialização entravam os flamengos; no úl-
pólio neste setor do comércio holandês. A petição foi denegada, o timo quartel do século chegava-se nitidamente a uma situação de su-
que deflagrou discussões e polêmicas, impondo-se enflIl! a orienta- perprodução, acarretando medidas restritivas por parte de D. Ma-
ção monopolista com a constituição da Companhia das Indias Ori- nuel I (fixou em 1498 a produção em 120 mil arrobas anuais, das
entais (Carta de 20 de março de 1602), à qual se garantia a exclUsi- quais 40 mil iam para a Flandres(44l. Já em 1482, porém, nas cortes
vidade das operações mercantis no Oriente (entre o cabo da Boa Es- de Evora, em meio a numerosas reclamações contra as atividades eco-
perança e o estreito de Magalhães), com direitos de firmar tratados, nômicas de «estantes estrangeiros, assim como ingleses, florentinos,
nomear funcionários, etc. (43). castelhanos e genoveses» no reino, que fazem «grande dano aos po-
É pois essa experiência holandesa altamente significativa para a vos de vossos reinos (del rei)>>, o que «traz muito prejuizo a vossos di-
explicitação do mecanismo que estamos analisando. Oferece, efe.ti- reitos», criticava-se seriamente a situação das Ilhas'. Lembrando que
vamente, como que a sua contra-prova: tentado, o comércio livre ul- o Infante D.Henrique,«inventor.delas,não consentia a presença dos
começou por volta do ano de I~03 e 1504, quando os portugueses, tendo pouco an-
estrangeiros, com o que as mercadorias vinham para o reino, paga-
tes, com uma navegação maravilhosa e çstupenda ocupado CaHicut e· feito acordo vam os direitos e davam fretes aos navios nacionais, sendo depois
com o rei do país, começaram a conduzir especiarias e drogas das Índias para Ponu- embarcadas para fora, incriminavam as concessões posteriores que,
gal, e de lá às feiras desta cidade ...• escreveu ludovico Gukciardini nas Discrittioni permitindo a residência de estrangeiros nas ilhas atlânticas,resulta-
di Ifllle PaeJiBasJi (1567). Apud H. Hauser - A. Renaudet - Les Débllls de I'âge vam em que as mercadorias eram diretamente levadas para fora do
Moderne. 4" ed. (Paris, 1956), pp. 61-62. Ginoluzzatto - op. cit., pp. 42-43. S. B.
Clough - Ch W. Cole - Economic HiJlory ofEng/gnd(Boston, 1952), p. 1~9.
reino (no ano de 1480 vinte navios castelhanos e 40 ou 50 de outras
(42)Cf. H. Sée - Ai Ongens do Capitalismo Moderno, trad. porto Rio deJan~iro, nações), com perda dos reais direitos «assim de trazida e entrada co-
1959, p. 87. R. Mousnier - Os séclllos XVI e XVII. Trad. porto São Paulo, 1957, p. rno de levada» e grande dano dos povos;. pelo que se solicitava«deter-
260. Ch. Verlinden - Introdllclion j} I'Hisloire Economique. Coimbra, 1948, pp. mine Vossa Senhoria e defenda que estrangeiros não sejam consenti-
",~-,\f) Ciive D~-.~ flm,in',; dei Comnáo, trad. esp., ~'[f)(lm. 1')41, P 99. S. B dos por estantes nas ditas Ilhas nem carreguem navios lá para fora do
Clough - Ch. Cole, ap. cit., p. 164.
(43)Cf. George Masselman _ .. Outch Colonial Policy in the XVIlth Century •. J.
Ecan. Risl.. vol. 21, 1961, pp. 455-468. I. van Klaveren - The Dfllch Colonial (44ICf. Lúcio de Azevedo - Épocas de Portugal Econômico, 2· ed pp 221-222.
Syslem in lhe &sI Indies. Roueroam, 1953. pp. 37.45. Celso Furtado· FomulflÍO EcOnÔmlf,) do Brasil. Rio de JaneIro, 1959. p 19,

76 77
remo e todos os açúcares e outras mercadorias venham a Lisboa ou a ci? do produto fo~ r~lati~amente livre; há notícias de licenças conce-
outrbs portos de vossos Reinos onde façam escápula e daíascarreguem dl~as para o co~erclO due.to a ponos estrangeiros (49). Expande-se,
quem lhes aprouver e para onde quiser pagando da levada», o que asSim, a economia açucare1fa, que entre 1)60 e 1570 já contava se
«ser~ grande acrescentamento de vossas rendas e grande proveito do
gundo R. Simonsen, com 60 engenhos, que produziam cerca de'18~
be~ comum», do contrário as «perde a carregação» de Lisboa e cou- mil arrobas (isto é, 3.000 arrobas anuais por engenho, o que marca
tros1lugares de Portugal. (4~). Não pode ser mais clara, nestes recla- elevada .prod~tividade das novas terras (50). A fase porém do grande
mos, a formulação dos interesses da burguesia mercantil do Reino; 0, suno fOI o últlmo quartel do século e primeiro decênio de Seiscentos
(51). Em 1610, calcula-se já existirem cerca de 250 engenhos, corres-
que,se propõe, de fato, é o enquadramento da colonização das ilhas
atlânticas nos mecanismos da exploração ultramarina monopolista, pondendo, nesta quadra, o surtO da produção com acentuado movi-
Proibiu-se, em conseqüência dessas 'reivindicações, a estada dos mento ascendente dos preços (52). A curva dos preços do açúcar em
es~rangeiros nas j~has colonizadas. dando-se prazo de um ano para
Lisboa apresenta notável elevação,mas,como nota F. Mauro, no Bra-
sarr os que lá estivessem. Percebe-se pois a política seguida astuta- sil os preços permanecem quase estáveis (53). É que, já em 1571, isto
mente pela Coroa portuguesa: liberdade de comércio na fase inicial, é na abertura da fase de grande prosperidade, decretava D. Sebas-
par~ estimul~r a vinda de recursos e capitais para a instalação da pro- tião (3 de ~evereiro de 1571) a exclusividade dos navios portugueses
duçao colOnial; enquadramento no sistema exclusivista quando a no comércto da florescente colônia ()4). Note-se a coincidência entre
ecoq.omia periférica' entrava em funcionamento. o decreto e a fase ascencional da economia açucarem no Brasil; era,
Na implantação da -economia açucareira no Brasil repetiu-se de na essência, o enquadramento da nova economia periférica nas li-
ceno modo o processo. No primeiro contacto econômico, puramente .(4'!Jcr. Anhur ~zar Ferreira ~e.is: . ~O com~r[io colonial e as c?mpanhias privile-
pre~atório, não se ia além da comercialização dos produtos naturais: giadas;. In HIS/ona Geral da ClVlttZaç/iO BrasileIra, dI(. por SérgiO Buarque de Ho·
o esctambo do pau-brasil com os aborígenes. Tal comércio foi desde landa, t. I, vol. II ($. Paulo, 1960), pp. 311 segs.
lo~o~ considerado «estanco. da Coroa, que o arrendou. ao empresário (j01CE. Roberto Simonsen . História EconômicadoBrtml. 3' ed. São Paulo, 1957,
pp. 114·11),(tabela).
cClStao-novo Fernando de Loronha ou Noronha (46). E pois um sim- (51) A - 101
r' . I . • . quartel do século, durante
• expa~sao panlCu armeme mtensa nO ultimo
ples desdobramento para a América do regime já aplicado no comér- o qual d~çUphcou ~a produção de açúcar)>>. Celso Furtado - Formação EconômlCiJ do
cio africano e indiano. Na transição para a colonização, isto é, na im- Brasil. RIO de Janeiro, 1959, p. 57 .•0 cido do açúcar foi particularmente fone en-
plan(ação do cultivo da cana e preparo do açúcar, rec~reu-se aos re- tre 1570 e 165~. M. Buescu e V. Tapajós· Históna do desenvolvimento econômico
CUCS?S ~articulares, atraves das-concessões das capitanias, em cujos do Brllfll. Rio de)aneiro, 1969, p. 33.
foralS altás se preservavam os estancos régios (47) . Sabe-se que poucos (HJPara um tratamento quantitativo do crescimento da agro·mdústria açucareira
no período, vejam·se: J. Lúcio de Azevedo· Épocas de Portugal Econômico. 2 a ed.,
donatárioslograram,como Duarte Coelho em Pernambuco, êxito na p. 244. R Simonsen. História Econômica do Brasil. 3" ed., pp. 114·115. M. Buescu
difícil empresa de montar a custosa agro-indústria na América por· -História Econômica do Brasil, pesquisa e análises. Rio de Janeiro, 1970, pp. 65·67.
tuguesa; nem é de desprezar a hipótese de Celso Furtado de que Frédéric Mauro· Le Portugal et I'Atlantique au XVII siifcle. Paris, 1%0, pp. 233-257.
nessa fase árdua se tivesse que recorrer ao capitral exter;no, sobretudo P. Chaunu _.Place et rôle du Brésil dans les systeme de communications et dans les
flamengo, já francamente envolvido nos negócios do açúcar na Euro. m&anismes de croissance de J'économie du XVIe. siede •. Rev.Hist.Econ.Soc. vol
XLVIII, 1970, pp. 460·482. A afllmação geral, acima enunciada, não se afeta ~J~
pa, embora os estugos monográficos ainda não tenham comprovado pe?uenas divergências de avaliações quantitativas deste~ vários autores.
esta afirmação(48). E contudo ceno que nessa primeira fase o tomér- ( 3)Como se pode ver na tabela geral elaborada por F. Mauro (Cf. Le Portugal et
(4~JCr. Visçonde de Santarém . Memórias e alguns documentos !Jllrllll históna e I'Atlantique au XVII siec/e, p. 256) o preço do açúcar no Brasil, entre 1570 e 1610
Teona das Cortes Gera!S ... Lisboa, 1924,
pp.6)·(,(, 222·224 ' se mantém em 800 réis a arrôba, em Lisboa flutua, no mesmo período de 1400 a
f~(J .
r~~JCf. A. M.archant . From furter to S/avery. Balrimore, 1942, p, 69. 2020 réis. Em 1614 ambos os preços se aproximam (1.000 réis) para novamente se
Cf. Hutona da ColOnização Portuguêsa do BriJ.ul, dir. pot Carlos Malheiro afastarem; em 1650 é 700 réis no Brasil e 3.800 em Lsboa.
(54 lLei de 1571: Cf. Vicente de Almeida Eça . Normas econômicas da c%nizaçJa
D!1~; vol. 111 (Porto, 1924), pp. !59 se~, ,
, ~E.. Celso Furtado" rormaçao EconomlCa do BTtm/, p. 20. Em sentido çomrá. portuguê-s11 até 1808. Coimbra, 1921, p. 127. Anhur Cezar Ferreira Reis. op. cit.,
[lO, Luclo de Azevedo· Epocas de Portugal EconômICO, pp. 243.245. p. 312.

78 79
nhas estruturais do sistema coloniaPS). Note-se tam,bém que n~ste suas pretensões ao Conselho da Índia, cujo presidente assinaria pas-
fim de século recrudesce a re~res~ão ao comémo esuangelCo, saporte no caso de concessão (59). Já a 18 de março do mesmo ano
multiplicando-se as apreensões ( 6). E bem verdade que aumento,U (1605) novas restrições: nenhum navio estrangeiro ,qualquer que fos-
também contemporaneamente a pressão externa e-que a monarqUla se a nacionalidade, poderia ir ao Brasil, Índia, Guiné e ilhas, nem a
ibérica se debatia em dificuldades financeiras enormes, o que levou quaisquer outras terras descobertas ou por descobrir, abrindo-se ex-
o rei de Espanha,e Portugal, apesar das ~vas proibi~~s (por exem- ceçôes apenas para Madeira e Açores; os estrangeiros no ultramar
plo, em 9/2/1591 e>7), à concessão de hcenças,espeoatS. o que che- português deviam mudar-se para Ponugal no prazo de um ano, com
gou a ponto de permitir um tráfico regular direto com Hamburgo penas severas de morte e confisco das propriedades para os transgres-
que movimentou 19 navios entre 1590 e 1602; n~ data: segun~o sores (60). Se esta legislação por si só era naturalmente impotente pa-
todas as probabilidades, parece que cessaram ~ viagens dIretas (5 >. ra manter o exclusivo português que dependia na realidade de con-
Frisem9s para logo. entretanto, que essas l~c~nças.em 0<1:da alte- dições militares para enfrentar a pressão holandesa, nem por isso fica
ram o mecanismo fundamental que vamosexphcuando. Efetivamen- menos patente a montagem do regime comercial exclusivista. Tais
te:, como já frisamos noutro passo, r~eri~do-nos ao comércio,portu- ptincípios incorporam-se às Ordentlfões Filipinos, livro V. títulos
guês na Mrica, tais concessões não unphcavam ~o es~belecnnento CVII e CVIII<61). O contrabando certamente não cessou, mas a
de uma competição entre compradores. O que e legltuno aftrmar, própria decisão dos Países Baixos de montarem uma companhia es-
comprovado pela documentaç~ dos pr~ços, ~ 9ue com a fase de pecial para as Índias Ocidentais(62), e organizarem a ocupação mili-
grande crescimento da econotnla a~care.tra ~tlmos ao seu enqua- tar do nordeste açucareiro mostra que o contrabando não era sufi-
dramento nas Enhas de força do sIStema colomal; os preços sobem ciente para atender as forças de expansão da economia neerlandesa.
pouco na colônia, a elevação é acentuada na metrópole, isto é, A Restauração (1640) marca uma fase de recuo do exclusivismo
geram-se lucros excedentes -lucros monopolistas - que se acumu- ponuguês no Ultrarnar<"63). As condições políticas do governo restau-
lam entre os empresários metropolitanos. rador, a posição de Portugal no quadro das relações internacionais,
E claro que o agravamento dos embates da guerra da Esp~ha com explicam as concessões feitas à Holanda e àJnglaterra em troca de
a Holanda repercutiram 00 comércio com o Brasil, então mtegrado aliança na luta contra a Espanha. Exatamente porque a colonização
na União Ibérica. As proibições se sucedem a atestar a ~re~ente pres- ponuguesa no Brasil está já a esta altura montada dentro das linhas
são do contrabando. Assim, em janeiro de 1605 restrmg.tram-se no- de funcionamento do sistema colonial, porque o comércio colonial
vamente as licenças para a vinda de estrangeiros ao Brasil, ou antes, se desenvolve segundo os mecanismos do sistema, é que as conces-
o envio de urcas ou navios, obrigando os solicitadores a submeterem sões de participação a estrangeiros se podem tornar a moeda fone
com que Ponugal metropolitano joga no seu esquema de alianças
ml«Começava a esboçar-se o Sistema Colonial, que atingiu a perfeição no S&ulo anti-espanholas. O que se concede nos tratados com Inglaterra
XVIlI.,' diz AJmeida Eça. op. át., p. 127.
()6)Em 1579, por exemplo, segundo Varnhagen, foram apreendidos e incendiados
em nossos ponos onze navios de Dieppe e do Havre. Cf. História Geral do Brasil. 4 a
ed. integral. t. I, p. 436. Referências a naus inglesu na Bahia e em SantOS, .no go- (59J(:f. Anhur Cezar Ferreira Reis, p. 312.
vêrno interino de Cosme Rangel, Varnhagen, op. át., p. 439. Em 1584, seIS qaus (6°ltei de 18 de março de 1605, Cf. J J. de Andrade e Silva - CoUecfJo chronologi·
francesas apreendidas na Paraíba. Op. cit., p. 454. Pouco depois, 1587, os ingleses C(Jda LegiJ/ilfito Portuguba. Lsboa, 1584. vol. I, pp. 108-109.
Withrington e ÜSter tentam uma sonida na Bahia. Varnhagen, t. lI, p. 78. Em (611Cf. Codigo Philipino, ou "Ordenações e Leis do Reino de Portugal... (1603),
1591, Cavendish vem tentar forruna nos nossos pon6s. Lancaster, em 1595, saqueia ed. de Cândido Mendes de Almeida (Rio deJaneiro, 1870), pp. 1253-1259.
Redfe. Na Paraíba, e 1597, treze navios franceses. Op. cit., t. lI, pp. 50·5l, (62 lE. Cordova-Bello - Compafú4s hol.mdeJaJ de navegación, agentes de k colont~
(H>cf. Anhur Cezar Ferreira Reis, op. át., p. 312. zación neerlandesa. Scvilla, 1964, Cf. H. Waten . O Domínio Colonial Ho/andb
(}8>cf. Sérgio Buarque de Holanda e Olga Panaleão . «Franceses, holandeses e in· noBrasi/. Trad. pon. Rio deJaneiro, 1938, pp. 72 segs. S. Clough e Ch. Cole - &0-
gleses no Brasil Quinhentista.., in Hutória Geral da Civilizllfilo Brasileira, t. I, 10 nomiç Hulo" ofEMrope, p. 164
vol, p. 164. . (63)Cf. Anhur CEzar Ferreira Reis, op. cit., pp. 312·313.

80 81
(1654, 1661) e Holanda (1641) é no fundo a participação desses paí- ralmente recebida e constantemente praticada entre todas as nações,
ses no usufruto da exploração. do sistema colonial português. que da Capital, ou Metrópole Dominante, he que se deve fazer o
Por outro lado, paralelamente, o governo lusitano procurou orga- C:Ommercio, e Navegação para as colonias, e nãos as colonias entre
nizar mais eficientemente seu sistema de exploração ultramarina, SI. .. l>.
através sobretudo da criação do Conselho Ultramarino(64), que pas- Se examinarmos, agora, ainda que sucintamente, o regime das re-
sava a superintender toda a atividade colonial. Assim, procurava-se lações econômicas que se estabeleceu no processo da colonização es-
ao mesmo tempo controlar ao máximo as concessões feitas. Na mes- panhola na América, dettontamo-nos com os mesmos prinôpios e os
ma linha, a instituição da Companhia Geral do Comércio para o mesmos mecanismos. A empresa indiana de Castela apresentava-se
Brasil, em 1649(6';). A partir de então, em meio à concorrência colo- inicialmente como neg6cio exclusivo da Coroa, associada a Cristovão
nial que se" acentuava entre as potências, forcejou tenazmente a Co- Colomlx,(70). O alargamento da empresa reduz necessariamente a
roa portuguesa para minimizar as brechas abertas ao seu exclusivo posição do descobridor audaz para uma posição insignificante, con-
colonial. Numa representação de 1672(66), os mercadores portugue- solida o monopólio régio, que naturalmente abarca os s6ditos (caste-
ses reclamavam providências, pois já encontravam os mercados brasi- lhanos). Na realidade, a partir de 1503, com a instituição da Casa de
leiros abastecidos quando lá chegavam seus navios; o alvará de 27 de Contratação de Sevilha, todo o comércio com a América hispânica
novembro de 1684 proibÍa aos navios par'tidos das costas brasileiras passa a fazer-se legalmente pelo pono andaluz: é o regime de porto
encaminharem-se para quaisquer portos que não os portugueses(67). único, só alterado no fim do século XVIII sob o despotismo ilustrado
A ordem régia de 8 de fevereiro de 1711, na mesma linha, estabele- dos ministros de Carlos I1I(71). O importante órgão sevilhano, apesar
cia que os navios estrangeiros (permitidos nos tratados) só pudessem de subordinado a partir de 1524 ao Conselho Real e Supremo das In-
vir nas frotas oficiais ou em caso de arribada forçada, prescrevendo dias, superintende todo o tráfico colonial espanhol, velando pelo
rigorosas penas aos infratores(68). As medidas se sucedeQl, anulando monopólio. A pressão externa, a ação intensa da pirataria e do corso
paulatinamente'as concessões, reduzindo a presença legal de estran- desencadeada pelas potências rivais que já na primeira metade do sé-
geiros aos casos de arribada forçada(69); culminando nos alvarás de culo XVI despontavam e se aparelhavam para a concorrência ultra-
19/6/1772 e 12/12/1772 que, derrogando concessões de 1765 e .marina, determinou o enrijecimento do regime: a navegação espa-
1766, proíbem o comércio inter-colonial, por ser chuma maxima ge- nhola, em 1543, passou a ter periodicidade obrigatória, e entre 1564
e 1566 consolidou-se, enfim, o regime de frotas e galeões. A navega-
(64iCf. Marcello Caetano· O Come/ho Ullramanno. &bôço da lua Hislóroz. Rio ção se faz em comboios - rllotas. ou «galeones. - em épocas preci-
dejaneiro, 1969, pp. }9 segs. sas, com rotas pré-determinadas, e visando apenas portos privilegia-
( Slcr Gustavo de Freilas • A Companhia Geral do Comércio do BraJiI (1649· dos do mundo americano, de onde se procedia à redistribuição dos
1720). São Paulo, 19~1.
(66)Cf. Arrhur Cezar Ferreira Reis - ..O comércio colonial e as companhias privile- produtos vindos da metrópole. Vera Cruz, na Nova Espanha, Carta-
giadas:.. In Hmórw Geral da Gviliz.afJo Brasileira, dir. Sérgio Buarque de Holan- gena, na Tierra Firme, Panamá e Pono Bello no Istmo, eram os cen-
da, t. I, 2° vol • p. 313. tros privilegiados(72). Resultava, por exemplo, que o abastecimento
(ü7)Alvará de 27 de novembro de 1684. Cf. J. J de Andrade e Silva· Co1!ecfJo de Buenos Aires e da região platina se tinha de fazer exclusivamente
chronologica de LegiJlaçJo por/lIgueIa, vol. X. pp. 2~.26.
(6!1lcf. CollecfJo Chronologica de LeiJ Exlravdganles, poslenoreJ ii nOlla mmpila-
fJo da.r OrdenlJÇôes do Reino. Coimbra, 1819, I. lI. pp 376-378.
(6<!JCf. CollecfJo das Leyi, e Ordens, que prohibem os navIOs &JrJlngemJl, IImm
(70)SãO as famosas .CapilUlaciones de Santa Fé:.. Cf. D. Ramos Perez· HiJloTÚJ de
OJ de Glleml, como OI Mercantes. nos portos do Brasil. A.H.U.(usboal, Códice
la ColonÍZación espanola en América. Madri, 1947. pp. 34 segs.
1.193.B. N, (Rio de Janeiro), Ms. 7, 1,6. Sucedem-se os Alvarás Can::S-Régias. (711Cf. Clarence Haring . Comercio, Navegación entre &paiia y laJ lnditzs. Trad.
·LeIS, Ordens, Provisões: 8/2/1711, 7/2 fÜ14, 2917 f 1715, "5/10/171 ~. 27/111717,
esp., México, 1939, pamm. E. Arcila Farias· Fi Sigla I1wlrado en América. Cara-
812/1717, 8f4í1718, 14flfl719, 161211719.201211719, 16/4IJ71'). 26/4/1719.
cas, 19n. M. Nunes Dias - O Comérr:io livre entre Havana e os porJos de &panha
(1778-1789). São Paulo. 196~.
12IJI1724. 20/5/1736. 16/2/1740, 415/1757, 3016/1757. 1914/1761.
14110/1761 (72)Cf, C. Haring, op. cit., pp. 251 segs,

82 83
pela via do Pacífico:)3),. O resultado do monopólio dos mercadores gens desse sistema. Tanto é assim, que a política colonial dessas mesA,
de Sevilha ou de seus associados foi, na formulação sintética do pro- mas potências (Holanda, França, Inglaterra) não diverge, na sua as-
fessor Céspedes dei Castillo, cum regime de grandes lucros, que de- sência,. daquela que se cristalizara na primeira fase da expansão uI-
terminará nas Indias o aparecimento de um regime de altos tramarma.
preços:t(74). De fato, a competição ultramarina, iniciada desde cedo no nível
É claro que tal regime de uma inflexibilidade única provocava de puramente comercial, desdobrou-se, como vimos, em concorrência
imediato o desafio das potências rivais, que desde logo incentivaram propriamente colonial a partir da instalação das colônias inglesas,
o contrabando para a América espanhola. A partir do próprio Brasil- francesas e holandesas. Já tratamos, postO que sumariamente, da ex-
colônia se desenvolvia enormemente o comércio ilegal para a região periência neerlandesa: no empenho de estabelecer linhas diretas. do
platina~ sobretudo no período da União Ibérica(75). Ingleses, france- comércio com o Oriente, a experiência desse esforço levou à organi-
ses e holandeses não deram tréguas ao exclusivo castelhano, até que zaçãO de uma companhia monopolista de comércio. A dominação
no século XVII fixaram-se nas Antilhas, montando economias con- holandesa no Oriente, não tardou a transcender a ação puramente
correntes, e ao mesmo tempo firmando enuepostos para incentivar o mercantil; a ocupação de grandes ilhas, como Java e Sumatra, deu lu-
tráfico de contrabando para as Indias de Castela. O sistema espanhol gar a uma ação colonizadora, passando-se à produção de especiarias.
oferecia de fato flancos consideráv~is; o mais importante certamente Tudo se processou, entretanto, nos qU!ldros do monopólio da pode-
foi o tráfico negreiro para as colônias hispano-americanas. As dificul- rosa Companhia ds Indias Orientais(78). O esquema expansionista
dades em fIXar-se em enuepostos africanos levaram a coroa espanho- para o Ocidente - para as Indias Oci~entais - não foi diverso;
la a conuatar com mercadores estrangeiros o aprovisionamento de processou-se através da Companhia das Indias Ocidentais, símile dai
suas colônias(76). Foi particularmente violenta a concorrência neste primeira. Sob seu impulso e controle, além da dominação temporá-
setor altamente lucrativo do uáfico uluamarino. Ponugueses, ho- ria no Nordeste brasileiro, promoveu-se a ocupação e exploração de
landeses, franceses conuolaram sucessivamente o casiento:t, enfim Surinam e Curaçao(79).
negociado para a Inglaterra no tratado de Utrecht(77). A expansãO marítima da Inglaterra, por seu lado, corre paralela
De qualquer forma, não pode haver dúvida de que a colonização com a formulação dos princípios mercantilistas. lá mencionamos
espanhola se organizou, também ela, nas linhas do sistema colonial Thomas Mun, defensor da Companhia Inglesa das Indias Orientais;
mercantilista, tendente a criar mecanismos acderadores da primitiva com ele se abre toda uma dinastia de teóricos Uosiah Child, Gee,
acumuJação capitalista. ·Que a Espanha não tenha conseguido assi- Postlethwayt, para indicar apenas os mais representativos), que leva-
milar essas vantagens, que elas ao fim e ao cabo se transferissem para ram a doutrina mercantilista ao mais altO grau de refinamento, e, no
as potências rivais, decorre de condiçôes particulares da situação me- co1J>? do mercantilismo, a teorização do sistema colonial(80~. A colo-
tropolitana. Por OuITO lado, convém lembrar que o contrabando não
exclui a realidade do sistema colonial: o que os empresários rivais,
das outras potências. visavam era exatamente do usufruto das vanta- (7S)Cf. E. Coornaen • «The Chanered Companies~, Cambridge Economic Hulory
o/ENrope, vol. IV (1967), pp. 223·275. E. Córdova-Bello -. Companias holandeJtI.f
de napegacron, agentu de /o conizgçj{jn needandeJa. Sevilla, 1964, pp. 24 segs.
'"\Icr Alice P. Canabrava - O comércio português no Rio da PraIa (1580.1640) Georges Masselman _ «Dutch rolonial policy in me seventeenth cenmry~.
São Paulo, 1944. pp. 26 segs. ].Econ.Hut., vol. XXI. 1%1, pp. 445-~8. •. _
(74Jcf. G, Céspedes dei Castillo - «La sociedad colonial americana en los siglas XVI (7'))Cf, H. Wat;en _ O fÃ?mínio Colonial Holandu no BrOJiI. .Trad. po~. Sao .pau.
y XVII:.. In HÚlona Social y Económica de &P01ll1 y Aménca, dir. por). Vjcens- lo, 1938, pp. 78 segs, MáriO Neme _A Holanda e a Companhw dtu lndllJ,J Ociden-
Vives, (Barcelona, 1957), I. m, p. 479. taiJ no tempo do Domínw HoIandêuo BrOJil. São Paulo, 1968, pp. 121 segs. Sepa-
m)Cf. Alice p, Canabrava _ op. cit .• pOJJÍm. rua do t. XXII dos AnaiJ do Museu POIIlulo.
I '6Jcr George Scelle _ La Traite Negrilre t11tX Indu de CiJItille. Paris, 1906. t. I, (SOU, E. lipson ~ Economi& Hirtory ofEngland. 5- ed,. I.ond~es, 1955. t. I1I.' p.
pp. 97 segs. 13 segs.). E. Rees - «Mercantilism in tbe rolonies~, Camb:z"dge Hutory ofthe Bntis/J
17"IG Scelle of cit .. [ I, P 481, t. 11, pp. 455 segs. Empire. dit. por J. H. Rose, A. P. Newton e E. A. BematlS, vaI. 1(1960), pp. 561

84 85
nização inglesa, de fato, apresentou os mais variados mati~es. ass~­
mindo formas, às vezes discrepantes; não obstante, fOI a Gra- do colonial ultramarino (produtos da América, Asia e Âfrica) e de-
Bretanha que levou de vencida a concorrência colo.?-i~ d~rant~ o an- terminações sobre o comércio da Inglaterra com as outras potências
tigo Regime, para se tornar, no século XIX, a poteOCla unpenal por européias; indicativo sem dúvida da coerência da política mercanti-
excelência. Na primeira fase, como Holanda e F(ança.lançou-s~, no lista, de que o sistema colonial é parte{83 .
século XVI, a uma atividade parasitária: o coeso sobre o comérCIO ~o­ O ato de 1660, já sob a Restauração, indica a persistência da polí-
loniaI espanhol. O início do século XVII mar50u a expansão propna- tica mercantilista inglesa depois da queda de Cromwell. Definia na-
mente colonial em várias direções: para o Indico, através de uma vio inglês como aquele cujo mestre e 3J4 da tripulação eram ingle-
companhia monopolista (a East India Company); para a América Se- ses; particularizava que oS" produtos das colônias inglesas só podiam
tentrional procurou-se canalizar os grupos dissiden,tes que s~ forma- ser transportados nesses navios, reafirmando a anterior determina-
ram ao longo das crises po11ticas e religiosas em me~o às q.uaJS se pro- ção. Estabelecia, enfim, os «artigos enumerados» que das colônias
cessou a formação do estado moderno inglês. Deu 1St~.ongem aAu~ britânicas só pndiam sair para a Ingl:\t~((a ou out.ras colôni~
colonização peculiar nos quadros da expansão europela, as colomas inglesas'- e eram os produtos fundamental~ do coJ?érclo ultr~arl­
de povoamentd81l. Finalmente, no meado do século XVII, no: açúcar, indigo, tabaco, algodão, madeua. 0015 anos. depOIS, o
instalaram.se asplantations antilhanas (82), , . Staple Act (1663) proibia às colôni.as importarem em ~avios. que
É com os famosos Atos de Navegação que se artlcula o SIStema co· não tocassem em portos ingleses, abnndo exceção para o vlfiho tnsu-
lonial inglês, o Old Colonial System, O d~ 1651 1 sob Cromwell., já lano, sal francês, cavalos da Escócia e Irlanda. Novo ato, em 1673,
estabelecia que os produtos da América, Asia e Mrica só pod~nam taxava os artigos enumerados que circulassem de uma para outra co-
ser levados para a Inglaterra em navios ingleses ou das colônias l?gle- lônia. O sistema foi reafirmado em 1696, no ato destinado a «preve-
sas; os produtos europeus, em navios ingleses ou do país de ongem nir fraudes e regular abusos no comércio colonial. (plantation
dos produtos, com o que se excluia o intermediário - carryi,!g ~ade
tcade)(84~ . . , .
holandês; estabeleciam~e algumas exceções, como as sedas ltahanas Também em França, a pnmelra fase da expansão marmma se ca-
que poderiam ser recebidas a panir dos panos flamengos.. ou os ~ro­ racterizou, como na Inglaterra e Províncias Unidas, p~la pirataria e
dutos das colônias espanholas e portuguesas que podenam ser lID- pelo corso. Entrementes, realizaram-se algumas tentatIvas m.al su~e­
portados a partir dos ponos ibéricos. Note-se que a exceção es~á a didas de fixação e povoamento no Ultramar(85). Com Richeheu
indicar as vinculações de interesses com Ponugal e Espanha; efe(lv~­ (1624/1642) a expansão adquiriu novo impulso e deu os primeiros
mente, tinha a Inglaterra interesse nessas importaç?es: que permI- frutos. Para o comércio e colonização ultramarinos, incorporavam-se
tiam em contrapartida as manufaturas britânicas atlOguem. os mer- companhias monopolistas: tais as companhias da Nova França
cados da América Latina, através das metrópoles. A outra VIa de ~e­ (1627), das Ilhas da América (1635), da Se~egâmbia (1641), do
netração era o contrabando. Digno ainda de no~a no ~to cromwelha- Oriente (16421 86); os resultados não foram bnlhantes, mas ficavam
no é a integração num mesmo contexto de medIdas VISando ao mun-
(1I3)Cf. Ch. M. Andrews - «The acts of Trade», in Cambndge History of Bn"tish
segs. Ch. M. Andr~ . The Colonial Period of American History. New Haven, Empire, Cambridge, I, 268·299. E. üpson. Economic Hislory olEngland. t. m,
1948, t. IV, pp. 50 segs. pp. 121-140. H.V. Faulkner· Amen"can Economt"c Histo", pp. 108·112. R. Robert-
(81)Cf. A. P. Newton· «The great emigration, 1618·1648•. Cambridge History 01 son -Historio tia Economia Amen"cana, trad. esp. Rio de Janeiro, 1967, 1. J. pp. 70·
Bn"tish EmPire, t. I. pp. 136·182. S. E. Morison e H. S. Commager. The Growth of 71.
American Republic. N. York, 1960, t. I. pp. 57-91. H. V. Faulkner - American (H4 lCf. S. B. C10ugh e Ch W. Cole· Economic Hutory of EUTOpe, Boston, 1952,
Economic History, 8' ed., N. York, 1954, pp. 48·54. Celso Furtado· FormaçiJo p. 347. Ch. M. Andrews., op. cit., p. 285.
Econômica do Brasil. Rio deJaneiro, 1959, pp. 31·35. !
IH~JCf. R. Sédillot· Historio de las coloni=iones, pp. 258 segs. G. Hardy - His-
1~2lCf. ).A. Williamson . «The beginnings of an imperial policy» Cambridge 10lTe de la colonisation française. Paris, 1938, pp. 21 segs. Celso Funado, op. cit.,
History ofBn"tish Empire, t. I. pp. 207·23i3:. R. Sédillot ·Historio de las Colonizacio· . pp. 30-355.
nes. Trad. esp. Barcelona, 1961, pp. 278 segs. Celso Funado, op. clI., pp. 36·44. (II(,JCf. Hemi Hauser - ÚJ pemée et I'action économique du Cardinal Richelieu.
Paris, 1944, pp. 120·142. G. Hardy, op. cito p. 39. Lacour-Gayet . Historio dei co-
mercio. Trad. esp. 1. m, pp. 242·251.
86
87
lançadas as primeiras bases. Com Colbert o mercantilismo francês- nismo fundamental, gerador de lucros excedentes, lucros coloniais;
colbectismo. como ficou chamado - estruturou-se em amplo plano. através dele. a economia central metropolitana incorporava o sobre-
onde eram simultaneamente atacados todos os setores da economia produto das economias coloniais ancilares. Efetivamente, detendo a
nacional; o colbertismo foi ,efetivamente, o exemplo mais completo exclusividade da compra dos produtos coloniais. os mercadores da
de aplicação simultânea da política mercantilista(87J. A expansão ul- mãe-pátria podiam deprimir na colônia seus preços até ao nível abai-
tramarina e colonial organizou-se pois enquadrada no esquema mo- xo do qual seria impossível a continuação do processo produtivo, isto
nopolista: Colben retomou a política de Richelieu, reorganizando as é, tendencialmente ao nível dos custos de produção; a revenda na
companhias privilegiadas, dando-lhes novo e decisivo impulso. As- metrópole, onde dispunham da exclusividade da oferta, garantia-
sim, as companhias das Índias Orientais, das índias Ocidentais, do lhes sobre-lucros por dois lados - na compra e na venda. Promovia-
Senegal, da Guiné. detinham o exclusivo das várias áreas do comér- se, assim, de um lado, uma transferência de renda real da colônia
cio ultramarino francês (comércio dos produtos orientais, dos produ- para a metrópole. bem como a concentração desses capitais na cama-
tos coloniais, tráfico negreiro, etc), e é nesse contexto que se fuma a da empresária ligada ao comércio ultr~arino. Reversivamente, de-
colonização francesa(88). tentores da exclusividade da oferta dos produtos europeus nos mer-
Quando atingimos pois a segunda metade do século XVII, isto é, cados coloniais, os mercadores metropolitanos. adquirindo-os a pre-
quando se cristaliza e define a situação da concorrência colonial en- ço de mercado na Europa, podiam revendê-los nas colônias no mais
tre as potêcias européias, está por seu turno organizada a exploração alto preço acima do qual o consumo se tornaria impraticável;
ultramarina num regime comercial que, apesar de variações e flutua- repetia-se pois aqui o mesmo mecanismo de incentivo da acumula-
ções menores, apresentava no fundo o mesmo mecanismo funda- ção primitiva de capital pelos empresários da mãe-pátria. Para com-
mentaI. As tensões da concorrência, a luta das potências, o contra- preendermos em todas as suas dimensões esse processo de acu~ula­
bando, eram processos que operavam dentro do mesmo sistema bá- ção originária, precisamos ainda de elementos que serão ana.Lisa.dos
sico, não negavam o sistema. Se visualizarmos em conjunto, de um adiante, no seu devido lugar: adiantemos porém, desde já, que é a
lado o capitalismo mercantil europeu em fase de grande expansão, estrutura sócio-econômica que se organiza nas colônias, a produção
de outro as economias coloniais periféricas, constatamos na essência escravista e a decorrente concentração da renda nas camadas domi-
o sistema de exploração destas por aquele; os conflitos se davam exa- nantes, que possibilita o funcionamento do sistema.
tamente em torno do usufruto de suas vantagens, na redistribuição Panicularizemos ainda o mecanismo cuja essência deftnimos aci-
dos lucros comerciais e coloniais, ultramarinos em suma, entre as vá- ma. O exclusivo metropolitano, bem como a subordinação da colô-
rias nações do Velho Mundo. . nia. pode ter várias gradações, complicando-se o esquema de diver-
Fixemos· portanto, o mais nitidamente possível, o mecanismo bá- sas maneiras. De fato, o «exclusivo~ da transação ultramarina, no seu
sico do regime comercial, eixo do sistema da colonização da época limite, pode pertencer a um empresário único; é o caso. por exem-
mercantilista(89). O "exclusivo .. metropolitano do comércio colonial plo, dos monopólios régios. os est,lOcoS, ou a situação da coroa por-
consiste em suma na reserva do mercado das colônias para a metró- tuguesa na primeira fase do comércio orientaL Neste caso. o empre-
pole, isto é, para a burguesia comercial metropolitana. Este o meca- sário único detém a exclusividade da compra dos produtos externos,
isto é, da procura desses produtos no mercado externo (trata-se al,
87 em termos técnicos, de um «monopsônio»); detém, também, natu-
( lcf. S. B. Clough e Ch. W. Cole - Economic Hutory ofEurope. Boston, 1952,
pp. 318-343. J. Morini-Comby - MercantiJisme el protectionÍJme. Paris, 1930, pp. ralmente, a exclusividade da ofena dos produtos no mercado da eco-
60segs.
nomia central '(<<monopólio», tecnicamente f$odo). O mais comUJ:?
(88)a. Georges Harcly - ap. cit., pp. 48-70. H. Deschamps ! Méthodes el doctri-
nescolonia!eJtie la France. Paris, 1953, pp. 34-72. Gaston Manio - Hir/oire de l'eJ- é a exclusividade do comércio colonial pertencer à classe empresária
clavage
(89) dans les colonies
. 4 anf:"'res.
J "y- 1"'/8 pp. 10-24.
Paris ,;.o"', mercantil da metrópole. Neste caso, trata-se do privilégio de um
Cf. E. J. Hamilton - «The role of monopoly in the overseas expansion and colo- grupo de empresários, os m.e~cadores da metrópole. Na colônia, ~~
nial nade ofEurope before 180().. Am.&on.RCfJ., vaI. XXXVIlI, 1948, pp. 33-')3. grupo detém então a excluslVldade da compra dos produtos COIOOlalS
88 89
(isto é, coligopsônio»), bem como da venda dos produtos europeus De fato, tais licenças e concessões pressupõem o mecanismo de ex-
no mercado colonial (quer dizer, «oligopólio»): a situação típica do ploração colonial gerador de super-lucros. Do contrário, o que se es-
sistema colonial, se quisessemos classificá-la tecnicamente, seria pois taria na realidade concedendo? Se um monarca, carente de recursos
a do coligopsônio-oligopólio» ou «oligopólio bi-lateral.(90). Interme- financeiros, vende eventualmente licenças a mercadores estrangei-
diariamente, entre o agente único e o «exclusivo. simples, isto é, de ros, ou se um estado metropolitano, por injunções políticas (como
toda a classe dos mercadores metropolitanos, pode a «exclusividade.. Ponugal, logo após a Restauração), permite, através de tratados, a
ficar restrita a um determinado grupo de empresários metropolita- mercadores de outras nações comerciarem nas suas colônias - na
nos, como no caso do sistema espanhol de pono único, que privile- realidade, está ocorrendo uma transferência das vantagens, dos estí-
giava os mercadores ligados ao comércio sevilhano. As companhias mulos econômicos, do sistema colonial. Não se estabelece, assim,
de comércio colonial situam-se também nesta posição intermediária: uma autêntica concorrência. É, aliás, a possibilidade de um comér-
na realidade, privilegiavam uma fração dos mercadores metropolita- cio mais altamente lucrativo que tornavam tais licenças e concessões
nos. Nos mercados metropolitanos, por sua vez, a situação podia va- tão amplamente desejáveis, a ponto de se moverem guerras pela sua
riar: se o grupo ligado ao comércio ultramarino vendia os produtos obtenção.
coloniais em condições de monopólio ou oligopólio, a preços natu- O contrabando envolve uma situação efetivamente mais comple-
ralmente altos, promovia-se uma transferência de renda da popula- xa, mas, quanto a nós, confirmadora ainda assim, da análise que
ção global da mãe-pátria para os empresários ligados ao comércio co- apresentamos. É de todo óbvio que o contrabando envolvia sempre
lonial; se revendiam os produtos noutra nação nas mesmas condi- sérios riscos: prisão, confisco das mercadorias e navios, etc. Ora, o
ções, a transferência se fazia de fora das fronteiras nacionais para que podia não obstante mover os mercadores a correr tais riscos e se
dentro, concentrando-se sempre na mesma camada empresária privi- empenharem no comércio ilegal - senão a perspectiva dos super-
legiada; se, porém, tem de fazê-lo em condições de concorrência lucros coloniais? O contrabando, portanto, também pressupõe o
com outras nações, esse canal da acumulação declina ou pode mecanismo básico em vez de negá-lo. É ceno que o contrabandista
transferir-se para outras nações. Igualmente, a compra dos produtos devia, para encontrar campo para suas atividades, oferecer preços
europeus para aprovisionamento da colônia se podia fazer em condi- um tanto melhores pelos produtos coloniais, bem como oferecer
ções mais ou menos favoráveis; é para notar-se, porém, que se os produtos europeus a preços mais baixos do que os mercadores metro-
produtos de abastecimento da colônia eram adquiridos fora da me- politanos. Mas nunca num nível que significasse uma pedeita con·
trópole, ou em outros termos, quando a metrópole não produz o corrência comercial, pois docontrário,o que os compensaria dos altos
abastecimento das colônias, este canal da acumulação naturalmente riscos? Os capitais se canalizariam para outros setores de igual lucra-
tende a se bloquear. tividade e menor risco. Assim parece ceno que o contrabando envol-
Algumas objeções, entretanto, se podem fazer a esta linha de in- vesse um abrandamento do sistema, mas não sua supressão. O meca-
teJYretação. Elas se ligam a mecanismos operantes ao longo de toda nismo básico persiste sempre como o elemento explicativo de todo
a Epoca Moderna, e que, segundo alguns autores(9 1), contrariariam esse movimento.
o funcionamento do sistema: tratados concedendo vantagens comer- Em suma, licenças, concessões, contrabando, parecem-nos fenô-
ciais no ultramar a outras potências, licenças a mercadores estrangei- menos que se situam mais na área da disputa entre as várias metró-
ros, e enfun o contrabando. A nosso ver, contudo, tais ocorrências poles européias para se apropriarem das vantagens da exploração co-
não desmentem, antes confrrmam, nossa anãlise. lonial - que funciona no conjunto do sistema, isto é, nas relações
da economia central européia com as economias coloniais periféricas.
(90JSobre regimes de mercado, d.Jean Marchai - Le mécllnume de; Prix. 2a 00.
Não atingem, portanto, a essência do sistema de exploração colo-
Paris, 1961, pp. 257 segs. G. Stigler - La teoria de IOI preciOI. Trad. esp. Madri, nial.
1953, pp.23,) seS, São variações em torno do elemento fundamental do sistema: em
(91JPor exelUplo. o já citado F. Mauro _ Nova Hutória e NOllo Mundo. pp. 61-64. última instância, o regime do comércio colonial- isto é, o exclusivis:
90 9]
mo metropolitano do comércio colonial - constituiu-se, ao longo mente, metais nobres, para que a expansão da economia de mercado
dos séculos XVI, XVII e XVIII, no mecanismo através do qual se pro- se não travasse por escassez de numerário.
cessava a apropriação, por parte dos mercadores das metrópoles, dos O primeiro ensaio colonizador, nas ilhas atlânticas, começou mui-
lucros excedentes gerados nas economias coloniais; assim, pois, o sis- to ced~92), so~ o ~stímulo direto do Infante D. Henrique, que para
tema colonial em funcionamento, configurava uma peça da acumu- lá envIOu os pnmeuos povoadores. A idéia inicial parece ter sido a de
lação pn'mitiva de capitais nos quadros do desenvolvimento do capi- povoar para manter a posse das estratégicas ilhas, ao mesmo tempo
talismo mercantil europeu. Com tal mecanismo, o sistema colonial em que se procurava guardar segredo das rotas e dos descobrimen-
ajustava, pois, a colonização ao seu sentido na história da economia e tos. Org~iza~a-se assim uma economia mais voltada para o consu-
da sociedade modernas. mo dos plonelfos, poSto que com pequena exportação de cereais pa-
:a a ,?etrópole, já carente deles. Não tardou porém que a economia
c) Escravidão e tráfico negreiro se.
msulma voltasse para o mercado externo, visando a Portugal e 10-
Ç"0 a se~1f ao mercado europeu em geral; a introdução da agro-
A análise que vimos esboçando do Antigo Sistema Colonial não se ,~dústrla do ~çúcar nas ilhas, especialmente'na Madeira, sua rápida
completa sem o estudo, sumário embora, do tipo de economia que difusão(93), ajustaram a pouco e pouco as atividades produtivas às li-
se organiza nas colônias. Já vimos que a indicação das grandes linhas nh~ comerciais da economia européia em expansão. Com o desen-
da estrutura sócio-econômica colonial é indispensável para se com- volv~mento da economia açucareira no Brasil, foi a viticultura que, a
preenderem inclusive os mecanismos da exploração ultramarina; ve- partu do fim do século XVI, passou a dominar a produção da Madei-
remos adiante que somente depois dessa análise poderemos tentar ra.
caracterizar globalmente a dinâmica do sistema colonial. _ No Brasil, igualment~, a colonização propriamente dita (ocupa-
O ponto de partida para a caracterização da economia colonial é o çao, povoamento, valonzação) obedeceu de início a preocupações
sentido mais profundo da colonização e o mecanismo de- base das antes de tudo políticas: visava-se. através do povoamento, preservar
relações metrópole-colônia. Efetivamente, é em funçãu Jaquele sen- a posse já então disputada pelos corsários holandeses, ingleses e fcan-
tido básico que se processa a expansão européia, (' se organizam as ceses(94). As s1;lgestões nesse sentido feitas a el-Rei D. João III (entre
atividades produtivas no Novo Mundo. Ocupação, povoamento e ouuos, por ~10~ de Gouveia) já apontam contudo para o exemplo
valorização econômica das novas áreas se desrnvolvem nos quadros das Ilhas Atlânncas(95). Quando enfim se enceta a colonização, é a
do capitalismo comercial do Antigo Regime, em função dos meca- agri~ul~ra que visivelmente se tem em mira nas Cartas de doação das
nismos e ajustamentos dessa fase da formação do capitalismo moder- capitanias, onde o donatário recebe privilégio de fabricar e possuir
no; no fundo e no essencial, a expansão européia, mercantil e colo- engenhos d'água e moendas(96). Destarte, a colonização da América
nial, processava-se segundo um impulso fundamental, gerado nas Ponuguesa organizava-se desde o início em função da produção açu-
tensões oriundas na transição para o capitalismo industrial: acelerar a careira, para o mercado europeu, e assim desenvolveu-se ao longo do
primitiva acumulação capitalista é pois o sentido do movimento, não século XVI.
presente em todas as suas manifestações, mas imanente em todo o
processo. ('J2Jcf. JoeJ Senão - cNa alvorada do mundo atlântico•. in O Siculo dos Descom·.
Neste sentido, a produção colonial orienta-se necessariamente pa- menlos. São Paulo, 1961, pp. 141-157.
ra aqueles produtos que possam preencher a função do sistema de {'mCf. V. Magalhães.Godinho . A &onomw dos Descommenlos Hennquinos.
Lisboa, 1962, pp. 165-176.
colonização no contexto do capitalismo mercantil; mercadorias co-
(\I4)Cf. Cd~ Furrado· Fo",!aç40 Econômica do Brasil, pp. 14-15.
mercializáveis na economia central, com ptocura manifesta ou laten- (9~lcf. LÚCIO de Azevedo . Epocas de Portugal Econômico, 2 a edição pp. 233.235.
te na sociedade européia. São,sobretudo, os produtos tropicais: açú- Vide a carta de João de Melo Câmara, in Histôria da Colonização Portuguêsa do
car, tabaco, algodão, cacau, anil; matérias primas, como peles para Brasil, t. IU, pp. 83-9L
as vestimentas de luxo, madeiras tintoriais, etc. Para além, natural- (%)Ci. Lúcio de Azevedo, ap. cit .. p. 240. R. Simonsen, ap. cit., p. 83.

92 93
metr0Jl.Olitana foi um dos fatores; outros serão examinados adiante,
Quando as nações ibéricas perdem sua posição privilegiada no Ul- no devldo lugar. No fim do século porém, a expansão do consumo
tramar e a concorrência colonial se generaliza, assistimos ao mesmo europ~u. ~o tabaco abriu para as colônias inglesas ao sul do Delaware
ajustamento da expansão colonial às linhas de funcionamento do sis- a possIblhdad~ de se entrosarem nas linhas do comércio europeu; so--
tema. O assalto holandês, inglês e francês às Antilhas de Castela, já bretudo. n~ VIrgínia, processou-se rapidamente a transformação de
o vimos, visou de início ao estabelecimento de cabeças de ponte para uma ~oloOla de povoamento, orga~iza~a à base da pequena e média
melhor atuar sobre o sistema colonial de Espanha. O meado do sécu- propnedade com uma produção dIversificada, para uma colônia de
lo porém marca alí também a mudança de rumo; com a introdução e~ploração organizada em grandes propriedades escravistas produ-
da economia açucareira, as ilhas do «mediterrâneo americano. zlOd~ pa~a o mercado extecno(99). Somente naquelas áreas mais se-
organizavam-se em produtoras dos mercados europeus(97). tentn~natS, esp~cialmente na Nova Inglaterra, situadas em zona
Os espanhóis, por seu turno, defrontaram, nas áreas do Novo geográfica de cl1!Da temperado, onde a possibilidade de montagem
Mundo, que lhes ficaram reservadas pelas prioridades dos descobri- de uma economia complementar ficava muito reduzida pelo quadro
mentos e pelos ajustes pontifícios, com populações mais densamente natural O? mesmo impossibilitada, persistiam as antigas estruturas
concentradas e de nível cultural mais elevado. A acumulação prévia das COlôOlas de povoamento. A constituição ao sul no Continente e
de riqueza bem como as dificuldades de entabular-se uma explora- nas Ilhas antil?anas,de plantações especializadas e~ produtos de ex-
ção puramente comercial, levou ali a uma terceira alternativa: a con- portação e poiS carentes de produtos alimentares e manufaturados
quista, isto é, o saque das riquezas acumuladas e a dominação dos abria para essas colônias setentrionais a possibilidade de um mercad~
abortgenes, com desmantelamento direto de suas estruturas políticas extern~ p:ua madeiras, cereais, manufaturas, etc. A proximidade
tradicionais. A conquista· espanhola põe a nu as linhas de força da dos d~lS tipos. de colônias, estruturalmente divergentes, criava pois
colonização moderna. Passada esta fase, a colonização se organizava u?I a Situação mteiramente nova, panicularmente favorável às colô-
em torno da mineração da prata e do ouro, que é o seu eixo central, mas de povoamento do Hemisfério None. Por estas interessava-se
em torno do qual, tudo o mais girava(98): também neste caso, por- ~e~os a metrópole, pois elas não podiam fornecer senão produtos
tanto, é.a produção para o mercado europeu que domina o processo slmIl.ares ao~ europeus, e portanto não se podiam configurar em eco-
colonizador. nomias ancdares. A economia diversificada de subsistência voltada
Na América Setentrional, finalmente, assistimos ainda uma vez para o c~n~umo interno, que caracterizava essas colônias ti~ha pou-
ao mesmo movimento. Colonizadas a partir de 1607 (settlement cas condlçoes de desenvolver um alto nível de produtividade e de
da Virgínia), a emigração para essas áreas tem conotação diferente. renda, até que se lhes abrissem mercados externos; o que é funda-
Embora estejam presentes os impulsos mais fundamentais da expan- mental destacar, porém, é que esses mercados, quando se abrem,
são e'uropéia, na sua versâo inglesa, outros componentes interferiam, são de natureza essencialmente diversa do mercado externo comum
matizando os resultados. A emigração para várias colônias america- às demais colônias. O mercado externo das colônias no sistema colo-
nas organizou-se mediante companhias, que engajavam trabalhado- nial, é o merc~do metropolitano; a vinculação se di através do regi-
res para a exploração da América none-atlântica, visando a lucros co- me do «exclUSIVO» que promove uma exploração da colônia pela me-
loniais; outras vezes, tratava-se da emigração espontânea de grupos trópole. Aqui, no caso da Nova Inglaterra, o mercado externo eram
perseguidos pelas reviravoltas políticas e religiosas da Inglaterra, na o':l.tCas colônias, inglesas, francesas, holandes~, espanholas. Quer
fase de organização do estado moderno. O sistema das companhias duer, a relação que se estabeleceu não se firmava nos mecanismos do
funcionou via de regra mal; financeiramente, quase todas fracassa- sistema; assim, as rendas geradas nessa relação não se carreavam (co-
ram. As dificuldades de organizar uma produção complementar à mo era regra na relação metrópole-colônia) para fora mas concentra-
(~7)Cf. Celso Funado, ap. cit., pp. 37-44. (<)<))Cf. E• Kirkland - H-li/Onll. =onomlca
lO"_ - • J I
Y8 ue lO! Estado! Unidos, trad. esp. Mbi-
( >Cf; Céspedes dei Castillo . «La sociedade colonial americana en los siglos XVI y co, pp. 70 segs.
XVII., fi Hislorla socjgj y economica de Erpana y América, du.). Vicens·Vives, t.
m, p. 470.
95
94
vam-se na economia exportadora. Este o ponto fundamental para se Vistas pois em conjunto, as economias coloniais periféricas confi-
emender o desenvolvimemo posterior dessas colônias, de todo em guram setores especializados na produção de determinadas mercado-
todo surpreendente nos quadros do sistema colonial(IOO) Formam rias para o mercado europeu. Produção mercantIl, portanto, e aqui
uma exceção, são «colônias» apenas no estatuto político nominal, reaparece o elo profundo que liga a expansão colonial com o desen-
não são a rigor, estruturalmente, colônias. Mas, veja-se bem, é a par- volvimento econômico europeu na fase do capitalismo comercial: a
tir do sistema colonial que se podem entender, inclusive na sua ati- expansão ultramarina resultou, como antes procuramos explicar, do
picidade. esforço de superação dos obstáculos que a economia mercantil euro-
No conjunto, portanto, é possível divisar o mo~imento geral que péia encontrava para manter seu ritmo de crescimento. As econo-
caracteriza a montagem da colonização moderna dentro dos meca- mias coloniais, em que resulta afinal a expansão ultramarina, aca-
nismos do sistema colonial: povoamento inicial, com produção para bam por configurar, encaradas globalmente no contexto da econo-
o consumo local; em seguida, entrosamento nas linhas do comércio mia mundial, setores produtivos especializados, enquadrados nas
europeu, e pois nos mecanismos da economia reprodutiva européia. g!andes rotas c~merci~is,. e pois me.rcados consumidores em expan-
Ao passarem a produzir para o mercado externo, articulavam-se no sao. Neste sentido, Significa amplzação da economia de mercado,
sistema pois o regime desse comércio é como já vimos o nervo do sis- respondendo assim às necessidades do capitalismo em formação.
tema. Destarte, ajusta-se a colonização ao sentido do sistema colo- Mais ainda, toda a estruturação das atividades econômic~ colo.
nial do capitalismo mercantil: através da exploração das áreas ultra- niais, bem como a formação social a que servem de base, definem-se
marinas promovia-se a originária acumulação capitalista na econo- nas linhas de força do sistema colonial mercantilista, isto é, nas suas
mia européia. conexões com o capitalismo comerciaJ. E de fato, não só a concentra-
E não só a produção, mas o n"trno dela teve também de ajustar-se ção dos fatores produtivos no fabrico das mercadorias-chave nem
ao sistema; é em última instância o mercado europeu, a flutuação da apenas o volume e o ritmo em que eram produzidas, mas também o
procura européia dos produtos ultramarinos (KoloniaJwaren) que próprio modo de sua produção define-se nos mecanismos do sistema
define a maior ou menor extensão da produção colonial. E claro que colonial. E aqui tocamos no ponto nevrálgico; a colonização, segun-
ao lado dessa produção essencial para o mercado europeu, do a anáJise que estamos tentando, organiza-se no sentido de pro-
organizava-se nas colônias todo um setor; dependente do primeiro, mover a primitiva acumulação capitalista nos quadros da economia
da produção que visava a suprir a subsistência interna, daquilo que européia, ~u noutro~ termos,_estimular o progresso burguês nos qua-
não podia ser aprovisionado pela metrópole(lOI). Mas, ainda aqui, dros da SOCiedade OCidentaL E esse sentido profundo que anicula to-
são os mecanismos do sistema c<;>lonial que definem o conjunto e im- das as peças do sistema: assim em primeiro lugar, o regime do co-
primem o ritmo em que se movimenta a produção. Nos períodos em mércio se desenvolve nos quadros do exclusivo metropolitano; daí, a
que a procura externa se retraia, isto é, quandQ baixavam os preç~s 11!ndução colonial orientar-se para aqueles produtos indispensáveis
europeus dos produtos coloniais, as unidades produtoras na colônIa ou ~omplementares às e~~nomias ~entrais; enfim, a produção se ar.
tendiam a deslocar fatôres para a produção de subsistência, pois di- ganlza de molde a permitir o funcIOnamemo global do sistema. Em
minuía sua capacidade de importar, quando, ao contrário, outras palavras: não bastava produzir os produtos com procura cres-
ampliava-se a procura externa, as unidades produtivas coloniais ten- cente nos mercados europeus. era indispensável produzí-Ios de mo-
diam a mobilizar todos os fatores na produção exportadora; abria-se, do a que a sua comer~ialização~ promovesse estímulos à acumulação
então, à economia colonial de subsistência a possibilidade de b.urguesa nas eco~omlas europelas. Não se tratava apenas de produ-
desenvolver-se autonomamente. Era pois o setor de exportação que ZIr para o comérCIO. mas para uma forma especial de comércio _ o
comandava o processo produtivo no seu conjunto. comércio colon!al;, ~, mais u~a vez, o sentido último (aceleração da
acum~lação pnmJ~lva de :apltal), que comanda todo o processo da
(WOlcr Celso Funado· Op. àt., pp. 37·44.
(101)Cr. Caio Prado Júnior - Formação do Brasil contemporâneo. 4' ed., São Pau· colo01zação. Ora, lsto.o.bngava ~ economias coloniais a se organiza-
10,1953, p. 1)·26, 114·123, 151·153. rem de molde a permitir o funCIonamento do sistema'de exploração

96 97
colonial, o que impunha a adoção deformas de trabalho compulsó-
no ou na sua forma limite, o escravlSmo. pru\aria que o~ europeus ou que ~\ metrópole~ européla~ n:io dISpu-
E assim a Europa pôde contemplar o espetáculo deveras edificante nham de contingentes de'.!l0gráflcos para pOvoaf a América. e que
do renascimento da escravidão, quando a civilização ocidental dava ~apelaram» então para a Africa ... Nada explica. nesse argumento.
exatamente os passos decisivos para a supress-ão do trabalho compul- que o tal «apelo» envolvesse nada menos que a escravização dos ne-
sório, e para a difusão do trabalho «livre», isto é, assalariado. Assim, gros· o que se tem de explicar, de faro. é o regime escra~lSta de tra-
enquanto na Europa dos séculos XVI, XVIl e XVIlI transitava-se da balho.
servidão feudal para o trabalho assalariado, que passou a dominar as Tratava-se, porém, essencialmente, de povoar? Nos quadros do
rdações de produção a partir da revolução industrial, no Ultramar, SIStema colonial, reatava-se, na essênCia, de explorar as novas áreas
isto é, no cenário da europeização do mundo, o monstro da escravi- de modo a promover a pnmitiva acumulação capitalista nas metró-
dão mais crua reaparecia com uma intensidade e desenvolvimento poles: isto. envolvia naturalmente montagem de um aparato produ-
inéditos. Bem é certo que a perplexidade criada por tal situação na tIvo, e POiS ocupação e povoamento, mas o essencial era a explora-
consc.i~cia cristã deu lugar, de urp. lado, a uma vigorosa linhagem de ção. Daí a ocupação, isto é, a expansão geográfica visar a certas áreas
publJClstas que sem contemplação denunciaram os horrores do escra- (o Intertrópico) preferentemente, e o povoamento se org:JOizar area-
v~smo .moderno, e. de -OUtro, a ~otáveis contorções mentais para ra- vés do engajamento de trabalhadores (europeus, aborígenes ou afri-
Cionalizar a escravidão, compaglOando-a à moral cristã(102). Bem é canos. conforme o caso) por pane dos colonos difigemes da empresa
verdade, também, que Marx dizia que as colônias acabam por reve- colonial. O regime de trabalho - as várias formas de trabalho com-
lar o segredo da sociedade capitalista ... pulsório - enuetamo fica ainda por explicar
Vejamos pois de mais perto esse ponto, fundamental para a com- Ora, a produção colonial era. baSICamente-. como já VimOS, produ-
preensão do conjunto do sistema que vimos analisando. A escravi- ção para o mercado metropolitano. isto é, produção mercantil. Na
diio foi o regime de trabalho preponderante na colonização do Novo e-conomia de mercado, contudo, é o salanato o regime mais re-mávcl;
Mundo; o tráfico negretro que a alimentou, um dos setores mais ren- a~ formas ~e trabalho compulsório, por seu lado, vinculam-se (escra-
táveis do·comércio colonial. Se à escravidão afncana acrescermos as vI~mo antigo. e sobretudo a servidão fe-udal) a economias pré-
várias formas de trabalho compulsório, servil e semi-..ervil, - «enco- mercantis (a economia dominial fechada da Idade Média): exata-
mienda», «mita», «indentured», etc. - resulta que estreitíssima era a mente, a emergênna da economia menantil (o desenvolvimento do
faixa que restava, no conjunto do mundo colonial, ao trabalho livre. ~-omércio) tende a promover o desatamento dos laços servis, criando
A colonização do Antigo Regime foi, pois, o universo paradisíaco do lentamente condições para a expansão do trabalho «livre» -- era o
trabalho não·livre, o ddorado enriquecedor da Europa. A explicação processo em curso na EUfopa da Epoca Moderna. Neste sentido. o re-
desse fato tem tocado à-revezes o pitoresco. Assim, argumentava-se, gime de trabalho prevalescente no mundo ultramarino do Amigo
por exemplo, que os europeus haviam «recorrido» ao trabalho africa- Reg me se aI?resenta como um (()ntra-~enso. E de fato. como já pro-
no porque eScasseava população na mãe-pátria com que povoar o LUram;)~ mdICar, a mercantilil,lI,lO da produção só podc generalizar-
o

Novo Mundo. A afirmação refere-se naturalmente a situações como se. dommando as relações SOCIaiS, quando a força produnva do traba-
a que se configurava entre o Brasil e Portugal; se invertermos as si- lho se (Orf'.1 ('"la própria flH"fladoria. ISto é, quando a economia mer-
tuações. por exemplo, a metrópole francesa em face das ilhas anti- ,a.\til ~e Integra em.capualtsta Nessa estrutura, o processo produti-
lhanas, o argumento não faz sentido, aliás iniciou-se uma colonização vu ~t' lIu.L1a lom uma Inversão de capital (esse quantum de valor) ria
de povoamento, que depois deu lugar ao escravismo. Por outro lado, sua ollgmal fO"lla dinhelto. que, investindo-se, se transforma em
em determinadas áreas prevaleceu o povoamento. Ademais, isso só fatore" de prodIJl,d!' íUpital produtivo); a Inter-ação dos fatores ela-
bora mer, adofla~. nova forma do capital (capital-mercadorias), que
feal!iada:, (vendidas) no mercado restitui ao capllal sua forma di-
111I~ICf DaVid Brion DavlS . The hob/em of51avery in Western CU/lUTe Itha(a
New York. j')70. e~penalmente pp. 108-111. ' , nb"elto ImglOal. a(fe~cida da valoriza~'ão (mals-vaha), que remu-
nera aS~lm U~ fatore~ (juros. lucros. rendas. ~alários) e permite a rein-
98
yy
\fersão num nível mais elevado. Assim se amplia a produção capita- move a expansão da forma assalariada do regime de trabalho: pro-
lista, auto-estimulando-se-. Cada vez que o capital volta a sua primi- cesso que pressupõe de um lado a libertação do trabalhador de todas
tiva forma, permitindo a reinversão alargada, completa-se uma rota- as prestações servis, mas de outro lado, ao mesmo tempo, dissociação
ção. Ora, é evidente que só o trabalho assalariado permite tal funcio- entr: o produtor e seus instrumentos produtivos, ficando privado de
namento; se escravista o regime, trava-se a rotação, pois o pagamen- quaisquer fatores de produção que não a força de seu trabalho(105).
to do fator trabalho se tem de adiantar em parte (compra do escravo) No seu processo histórico, portanto, o desenvolvimento do trabalho
enquanto no salariado só depois de consumida a mercadoria traba- divre», isto é, assalariado, envolveu de uma parte, a superação dos
lho ela é remunerada no próprio processo produtivo, e noutra parte laços servis (prestações, banalidades, etc.), de outra, a separação en-
a manutenção da mercadoria-escravo distende a cotação (o tempo de tr~ os produtores-diretos e todos os demais fatores de produção (di-
vida do escravo), emperrando o sistema. Ademais, toda a extraordi- reltos que os camponeses-servos linham sobre as terras, instru-
nária flexibilidade da economia capitalista fica bloqueada: a produ- mentos com que produziam sua subsistência, ou a dissolução da pro-
ção não se pode ajustar às flutuações da procura, pois é impossível dução artesanal de produtores independentes). Não cabe aqui, na-
dispensar o fator trabalho engajado de uma vez por todas(103l. É turalmente, estudar esse longo processo histórico de formação do re-
pois menos rentável o trabalho escravo para a produção mercantil, gime assalariado de trabalho(l06l. Através dele contudo é que a força
trabalho oneroso, e como tal absurda instituição foi o escravismo do trabalho emerge na sua pureza, compelida a trocar-se no merca-
considerado por Adam Smith(l04), fruto do orgulho e do amor à do- do; se ligada a outros meios de produção, ao invés de alugar seu tra-
minação dos senhores de escravos. balho, o produtor utilizaria esses fatores, vendendo mercadorias co-
E no entanto o escravismo (ou as outras formas de trabalho com- mo produtor autônomo, e o capitalista não teria lugar ao sol: isolada
pulsório) é que dominou o panorama da economia colonial do mer- dos demais componentes do processo produtivo, a força de trabalho
cantilismo. Não terá naturalmente isto ocorrido por estupidez dos transforma-se em mercadoria, com o que se integra o modo capita.
empresários coloniais, nem por suas taras dominadoras. É que a aná- lista de produção. Como se sabe, é somente a partir da·Revolução In-
lise do problema não se pode limitar àquele plano lógico-formal. dustrial que esse processo de constituição do capitalismo adquire
Examinado em si mesmo, o funcionamento da produção mercantil uma irreversível força de autopromoção. Na consciência burguésa, é
torna naturalmente impossível o emprego de escravos na produção claro, o que se viu nesse longo processo histórico de formação do as-
para o mercado. Karl Marx, porém, que analisou a sociedade bur- salariado foi a «iibertação» do trabalho das injunções servis, barbaris-
guesa numa perspectiva ao mesmo tempo lógica e histórica, isto é, mo antigo, exatamente porque na economia capitalista as relações
explicando simultaneamente a mecânica do seu funcionamento e as mercantis do regime de trabalho velavam a nova forma de explora-
condições de sua instauração, não perde de vista que a formação do ção (valorização através da gestação da mais-valia). O mesmo Marx,
capitalismo se fez desintegrando a estrutura feudal-servil e arú!sanal porém, implacável analista do mundo burguês, precisamente por ter
(de produtores independentes) pré-existente; e pois, o desenvolvi- levado sua análise para além de todas mistificações da realidade, pô-
mento das relações mercantis ao desorganizar a antiga estrutura, de constatar com nitidez que nas colônias eram desfavoráveis as con-
aprofu~dando a divisão social do trabalho e a especialização da pro- dições de constituição do regime de trabalho «livre», sempre haven-
dução, la criando mercado e portanto petmitindo o impulsionamen- do a possibilidade de o produtor-direto assalariado, apropriando-se
to do processo. No passo mais decisivo, de constituição do capitalis- de uma gleba de terra despovoada, transformar-se em produtor in-
mo propriamente dito, a dissolução dos laços sociais tradicionais pro- dependente. Assim, enquanto na Europa moderna o desenvolvi-
mento capitalista «libertava» os produtores diretos da servidão me-
°
(103)Sobre as contradições da produção escravista para mercado, Cf. Fernando
dieval e integrava-os como assalariados na nova estrutura de produ-
Henrique Cardoso - CapiJalismo e Escravidão no BraSIl Meridiona/, São Paulo,
1962, pp. 186 segs. Octávio lanni . As metamorfoses do EJeravo, São Paulo, 1962, ção que destarte camuflava a exploração do trabalho, as economias
pp. 80 segs. E. Gcnovesc . The Po/iJical Economy ofS/avery New Y~rk 1967 pp
41·106. ' ". (lUsJKarl Marx· Capita/(trad. esp. México, 1')46), vol. I. FP- 184·188,801 segs.
(104lCC. Adam Smith . The Wea/th 0/ NatlonJ. Ed. Cannan, pp. 364·366. (loúJCf Marx· Capital, vol. I, pp_ 801 segs.

100 101
coloniais periféricas, montadas exatamente como alavancas do cresci- mal. e pois a função da colonização no desenvolvllnento do rapltali\-
mento do capitalismo e integradas nas suas linhas de força, punham mo europeu (os saláriOS dos produtores diretos tinham de ser de tal
a nu essa mesma exploração na sua crueza mais negra ... As colônias nível que compensassem a alternativa de eles se tornarem produtores
timbravam em revelar as entranhas da Europa. autônomos de sua subsistência evadindo-se do salanato: ramo pode-
Eric Williams(I07), que retoma as análises marxistas para estudar a riam, então, funcionar os mecanismos do «exclUSIVO» comerCIa]?).
gênese do moderno escravismo, nota com muita razão que a implan- Por outrO lado, a produção colonial exportadora, no volume e nu
tação do escravismo coloniàl, longe de (er sido uma opção (salariato, ritmo definido pelos mercados europeus, atendendo pois às necessi-
escravismo), foi uma imposição das condições histórico-econômicas. dades do desenvolvimento capitalista, só se. podia ajustar ao sistema
E aqui nos reencontramos com o sentido profundo da colonização e colonial organizando-se como produção em larga escala, o que pres-
os mecanismos do Antigo Sistema Colonial, tocando agora no pontO supunha amplos investimentos iniciais; com isto ficava também ex-
essencial de sua compreensão. Efetivamente, nas condições históricas cluída a possibilidade de uma produção organizada à base de peque~
em que se processa a colonização da América, a implantação de for- nos proprietários autônomos, que produzissem sua subsi.<.tênria. ex-
mas compu/sónas de trabalho decorria fundamentalmente da neces- portando o pequeno excedente. Se podemos. contudo. examinar
sária adequação da empresa colonizadora aos mecamsmos do AntIgo analiticamente a impossibilidaoe dessas alternativas, aos homens do
Sistema Colonial, tendente a promover a primitiva acumulação capi- início dos Tempos Modernos. que montaram a colonização capitalis-
talista na economia européia; do contrário, dada a abundância de um ta, a produ\ão escravista (ou para-escravista) devia apresentar-se, co-
fator de produção (a terra), o resultado seria a constituição no Ultra- mo ob~en ou E. Williams, quase como «natural», talo condicionalis-
mar de núcleos europeus de povoamento, desenvolvendo uma eco- mo hi~-lUflco-econômico em que se movia a expansão européia.
nomia de subsistência voltada para o seu próprio consumo, sem vin- Assim, desrnvolveu-se a colonização do Novo Mundo (entrada na
culação econômica efetiva com os centros dinâmicos metropolitanos. produção de mercadorias-chaves destin,ldas ao mer('ado europeu,
Isto, entretanto, ficava fora dos impulsos expansionistas do capitalis- produção assente sobre formas várias de wmpulsão do uabalho -
mo mercantil europeu, não respondia às suas necessidades. Em tese, no limite, o escravismo; e a exploração colonial significava, em sua
pois, não ficaria vedada a possibilidade de uma colonização no seu última instância, exploração do trabalho escravo. Assim também os
sentido mais lato de ocupação, povoamento e valorização de novas tOlonos metamorfosearam-se em senhores de escravos, assumindo a
regiões. Tratava-se, porém, naquele momento da história do Oci- personagem que lhes destinara o grande teatro do mundo; nem é
°
dente, de colonizar para capitalismo, isto é, segundo os mecanis- para admirar que desenvolvessem aquela volúpia pela dominação de
mos do sistema colonial, e isto impunha o trabalho compulsório. A outros homens - era apenas a miséria da condição humana prêsa às
colonização da época mercantilista conforma-se ao sentido p.rofundo malhas do sistema.
inscrito nos impulsos da expansão, ou seja, é o elemento «mercanti- Efetivamente, a escravização do negro remonta ao início mesmo
lista» - quer dizer, mercantil-escravista - que comanda todo o mo- da expansão ultramarina; e Zurara dcscreveu em página notável a
vimento colonizador. Produzir para o mercado europeu nos quadros chegada dos primeiros escravos à Europa cristã( lOB). As primelfas le-
do comércio colonial tendentes a promover a acumulação primitiva vas da mercadoria-escravo destinavam-se ao. «consumo)} na própria
de capital nas economias européias exigia formas compulsórias de Europa, numa fase de expansão comercial, pré-colonizadora. Não
trabalho, pois do contrário, ou não se produziria para o mercado eu- teve grande extensão essa inserção do trabalho esrravo em meio a
ropeu (os colonos povoadores desenvolveriam uma economia voltada uma economia capitalista-mercantil em expansão; é no mundo colo-
para o próprio consumo), ou se se imaginasse uma produção expor- mal ultramarino que encontrará, pelos condICionamentos já aponta-
tadora organizada .por empresários que assalariassem trabalho, os dos, o seu campo de desenvolvimento, Nas ilhas atlântICas, primeiro
custos da produção seriam tais que impediriam a exploração colo-
,11I~JCf Gume, Eallt"~ clt" Zurara - Crônzca dm /tIl"" d" G"U,nf. <Jp XXIV ed A
(107)Cf. Eric Williams _ Capitalúm & Siavery. 2' ed., N. York, 1961, pp. 3-7. ) DIJ'> 1)1[l1~. L1SboJ. )<)..jl). pr. 122-12.'\

102 /(i :;
ensaio colonizador moderno, na medida mesma em que o povoa- em questões teológicas. O que nos parece porém indiscutível é que
mento inicial de economia diversificada mais consumiva se transfor- os indígenas foram também utilizados em determinados momentos,
mava em produção especializada para o mercado metropolitano, en- e sobretudo na fase inicial; nem se podia colocar problema nenhum
rijecia o regime de trabalho; no passo seguinte. introduziu-se a es- de maior ou melhor «aptidão» ao trabalho escravo, que disso é que se
cravidão africana: «estendeu-se a cultura a um mundo novo; prospe- tratava. O que talvez tenha importado é a rarefação demográfica dos
rou, e entretanto era a África despojada de seus filhos selvagens, pa- aborígenes, e as dificuldades de seu apresamemo, transporte, etc.
ra que tivessem os civilizados um barato jantar_(109). Mas na «preferência» pelo africano(l15) revela-se, cremos, mais uma
Transplantada a agro-indústria para o Brasil, numa fase em que o vez, a engrenagem do sistema mercantilista de colonização; esta se
consumo se disseminava em ampla escala e os preços voltavam a su- processa, repitamo-lo tantas vezes quantas necessário, num sistema
bir(1lO), na fase da implantação compeliu-se o indígena ao árduo de relações tendemes a promover a acumulação primitiva na metró-
trabalho do cultivo da cana e fabrico do açúcar. A expansão da pro- pole; ora, o tráfico negreiro, isto é, o abastecimento das colônias com
dução, consumindo cada vez mais a força de trabal~o escravizada, escravos, abria um novo e importante setor do comércio c%nial, en-
deu lugar ao tráfico negreiro para o Novo Mundo. «E indubüável», quanto o apresamento dos indígenas era um negócio interno da co-
diz Lúcio de Azevedo, «que ao açúcar se deve o desenvolvimento da lônia. Assim, os ganhos comerciais resultantes da preação dos aborí-
escravatura no seio da civilização moderna»( 111) ~ o que é talvez um genes mantinham-se na colônia, com os colonos empenhados nesse
modo exageradamente sintético de dizer as coisas; toda a complexa «gênero de vida»; a acumulação gerada no comércio de africanos, en-
urdidura do sistema colonial fica conotada na palavra «açúcar». So- tretanto, fluia para a metrópole, realizavam-na os mercadores me-
bre essa base escravista desenvolveu-se pois a colonização da América tropolítanos, engajados no abastecimento dessa «mercadoria». Esse
portuguesa, e a sociedade colonial foi sendo moldada sobre essa ba· talvez seja o segredo da melhor «adaptação» do negro à lavoura ... es-
se( 112). Já o pe. Manuel da Nóbrega notava, nos primórdios da colo- cravista. Paradoxalmente, é a partir do tráfico negreiro que se pode
nização(1l31, que «os homens que para aqui vêm não acham outro entender a escravtdão afncana colonial, e não o contrário.
modo senão viver do trabalho dos escravoS:t. A introdução do escravo Nas Índias de Castela, nas colônias inglesas, francesas ou holan-
africano tem sido explicada de um lado. curiosamente, pela «ina- desas, variam regionalmente as incidências do fenômeno (não ca-
daptação. do índio à lavoura, de outro, pela oposição jesuítica à es- be aqui uma análise pormenorizada de rodas as suas manifesta-
cravização do aborígene. Não resta dúvida que a pregação inaciana çôes(1l6), mas o pano de fundo se mantém: formas várias de tra-
terá pesado na defesa dos indígenas, embora seja de notar, de passa-
gem, que não conseguiu salvaguardá-los de todo: sempre que escas- (11'1lS egun do ~ estimativ~ de Maurício Goulan, teriam sido introduúdos no Bra-
sil, até o fim do século XVIII, cêrca de 2.200.000 africanos. O. A EscraVIdão Africa·
seavam os africanos (dificuldade de navegação no Atlântico, pela
na no Brasil. São Paulo, 1950, p. 217.
concorrência colonial, por exemplo) recorreu-se inapelavelm'ente à (116 lCf. para a América Espanhola: Céspedes dei C~tillo - «Las Indi~ en d Reina-
compulsão dos naturais(114); também é verdade que os negros não do de los Reyes Católicos~, História 50cial y Economica de Espana y América, dir. J.
contaram com a mesma defesa, e os argumentos justificadores de tal Vicens-Vives, t. 11, pp. 549-547 e ~La Sociedad Colonial Americana en los Siglos
discrepância eram deveras edificantes, mas não nos cabe aqui entrar XVI y XVII:.. Dp. Clt., t. I1I, pp. }.M. Ots Capdequi _ Fi &tado &pafiol en las
lndias. 2~ ed. México, 1946, pp: 34-47.
Para a América inglesa: Cf. H.V. Faulkner . Amen"can Economic History (N. York.
(IO'l>tÚCIO de Azevedo _ Épocas de Portugal Econômico. p. 22S. 1960), p. 70-78. F.A. Shannon· America's Economlc Growth (N. York, 1(58). p.
(110.)Cf. viso Furtado - Formação econômIca do Brastl. pp. [!:l-21. 14-20. E. Kirldand . Historia Economica de Los Estados Umdos, nado esp. (Méxi-
(l1l1Lúcio de Azevedo - Dp. cit .. p. 228. co, 1(47), p. 35-39, 70-78. R. Robenson . HIStória da Economia Americana. Trad.
(11lJc:f. Eugene D. Genovese _ The World lhe 51olleho/den MiJde. N. York. 1969. porto (Rio de Janeiro, 1(7). p. 65-68. Para a América Francesa: Gaston-Manin-
sobretudo pp. 118 segs. Histoire de I'Esdavage dans les C%mes Françaises, Paris, 1948. L 'Ere de! Négn"ers.
(lI3)Cf. Carlas }eJuiticas. Ed. da Academia Brasileira (Rio de Janeiro, 1')31), vol. Paris, 1931. Para o conjunto: E. Williams - CapitaJism & 5/avery, 1961. D.A. Farnie
I, p. 110. - «The commercial empires of the Atlantic, 1607-1783 •. Econ. HlSf. Rev., XV,
(I (4)Cf. Roberto Simonsen _ Hútóna Econômica do BTfm/, pp. 209.222. 1962,205-218.

104 105
balho compulsório, servis ou semi-servis, escravismo em sua maior ex- propriedades, ou noutros casos, incorpora o regime escravista. Mas a
tensâo, dominam a produção ultramarina da época mercantilista, e ar- dinâmica global depende sempre do influxo externo, o centro dinâmi-
ticulam a estrutura da sociedade colonial. co último é o capitalismo europeu: trata-se de uma economUJ, em todo
o sentido do termo, dependente. O setor pnoClpal depende direta-
2) A Cnse do colomalismo mercanttlista
mente, o secundário, indiretamente.
Tais as peças do sistema, e os mecanismos de seu funcionamento; Em segundo lugar, no nível das relações sócio-econômicas, a es-
dispomos agora dos elementos com que podemos analisar a sua crise. trutura escravista determina um alto grau de concentração da renda
Pois que se pensamos em crise do sistema, é do seu próprio funcio- nas mãos dos senhores de escravos, que são ao mesmo temJXl pro-
namento que ela tem que provir, e nâo de fatores exógenos. Noutros prietários das empresas produtoras de mercadorias para o comércio
termos, ao se desenvolver, o sistema colonial do Amigo Regime pro- colonial. O produtor direto reduzido a condição de simples instru-
move ao mesmo tempo os fatores de sua superação(l17). mento de trabalho - instrumentum vocale - isto é, o homem
E de fato: nos quadros do Amigo Sistema Colonial, a colonização coisificado em escravo, não possui, por definição, renda própria; a
da época mercantilista se desenvolveu nas suas grandes linhas pro- renda concentra-se, pois, na camada senhorial(120). E aqui reencon-
movendo a acumulação primitiva de capitais nas economias centrais tramos o elemento que nos faltava para compreender os mecanismos
c.uropéias; para tanto, porém, isto é, para que a exploração colonial do sistema: é exatamente essa concentração da renda necessária na
.se. possa processar, ia se engendrando no mundo ultramarino o uni- sociedade colonial, que permite seu funcionamento, articulando en-
verso da sociedade senhorial escravista(l18}, cujas inter-relações e va- fim as várias peças da engrenagem. Atente-se bem: a renda global
Iares se antepõe cada vez mais aos da sociedade burguesa em ascen- gerada nas economias periféricas só se realiza em última instância
são na Europa. Detenhamo-nos, portanto, ainda por um momento, nos mercados da economia central, européia; assim, a sua maior par-
nas implicações cio escravismo para a economia e sociedade coloniais. te se transfere, através dos mecanismos do comércio colonial já anali-
Em primeiro lugar, no piado da produção, distinguem-se imediata- sados antes, para as metrópoles, ou antes, para os grupos burgueses
mente dOIS setores básicos(l19}: um, de exportação organizado em ligados às transações ultramarinas; mas é o fato de a parcela (menor)
grandes unidades funcionando à base do trabalho escravo, centrado na que permanece na colônia se concentrar na pequena camada senho-
produção de mercadorias para o consumo europeu, é o setor primor- rial qye permite o contínuo funcionamento da exploração colonial.
dial, que re~pul)de à razâo mesma da colonização capitalista; outro, su- De fato, é essa concentração de renda que faz com que, apesar de os
bordinado e nependente do primeiro, de subsistência, para atender ao mecanismos do regime de comércio transferirem o maior quinhão pa-
consumo local naquilo que se não importa da metrópole, no qual cabe ra a burguesia européia, os colonos-senhores possam manter a conti-
a pequena propriedade e o trabalho independente, que se organiza nuidade do processo produtivo, e mesmo levar uma vida faustosa;
para permitir o funcionamento do primeiro. A dinâmica dó conjunto da mesma forma, e ainda dentro da mecânica do sistema, têm os
da economia colonial é definida pelo setor exportador; em certas cir- mesmos colonos recursos para importar os produtos da economia eu-
cunstâncias e áreas determinadas, o setor subsistência pode adquirir ropéia. A renda na sua parte mais significativa cria-se nas exporta-
certo vulto, como no caso da pecuária, e então se organiza em grandes ções e se consome nas importações, transações que se fazem no regi-
me colonial de comércio, o qual transfere para a metrópole os lucros
I11 'lO desenvolvimento contraditóno parece inerente à5 várias etapas de explora- do exclusivo. Assim, a produção colonial promove a acumulação pri-
ção (Olunial do capitalismo. Vejam-se, para o século XIX, as análises de Marx .)Obre mitiva na economia européia. Encarada em conjunto, a sociedade
a dommação britânica na Índia. Cf. K. Marx e F. Engels _ Sobre el colonialiJmo, colonial é expoliada pela burguesia metropolitana, mas nessa mesma
Córdoba. 1<)73, C"udemos de Pasado y presente. nO 37.
IIIHICf. a análise de E Genovese - The World lhe Slaverholders Made. N. York,
1969. pp. 118 segs.
(11'IICt". Caio PradoJúmor - Formarão do BraSIl Contemporâneo. 4' ed. pp. 13-
26. 1l.H23. 1'>1·153 (120Jcr Celso Furtado _ Fo1'lllOfiio Econômica do Brasil, p. 58.

/()ú 107
sociedade colonial a camada de colonos-senhores situa-se numa posi- tividade. Decorrência: ela cresce, como o notou Celso Fuhado(I23),
ção privilegiada, o que p~rmite a articulação das várias peças do sis- extensivamente, isto é, por agregação de novas unidades com a mes-
tema. E o escravismo, que é o revorso da medalha, reaparece como ma composição dos fatores. Mais ainda, como não reinveste em esca-
seu elemento essencial: mais uma vez, agora sob novo ângulo, ex- la crescente, mas apenas repõe e agrega, - dilapida a natureza. A
ploração colonial significava exploração do trabalho escravo. economia colonial, escravista-mercantil, é uma economia predatória.
Não terminam porém aqui as implicações do modo que assume a E reencontramos de novo o sentido primário da colonização: desdo·
produçào colomaAI1I),Produção para o mercado europeu à base do bramento da expansão comercial européia, a colonização do Novo
trabalho escravo, produção a um tempo mercanttl·escravlStd l12 ), ela Mundo começou por uma atividade de pura exploração dos produtos
se processa em meio a condições de escassez de capital (ligada à ex- naturais (pau-brasil, peles); ao se instaurar a produção colonial o sis:
ploração da Colônia pela Metrópole) e abundância do fator terra (já tema adquire extraordinária complexidade, mas mantém o sentido
vimos as conexões estruturais entre disponibilidade de terras e ins- originário de depredação da paisagem natural. Neste sentido, pois, a
tauração da escravidão). Por outro lado, a própria estrutura escravista expansão colonial tinha limites naturais: o esgotamento dos recursos
bloquearia a possibilidade de inversões tecnológicas; o escravo, por dilapidados pelo modo colonial de produção. Como entretanto esse
isso mesmo que escravo, há que manter-se em níveis culturais infra- processo se desenvolve num contexto mais amplo, e não só pura-
.humanos, para que não se desperte a sua condição humana - isto é mente econômico em sentido estrito, muito antes de atingidos aque·
parte indispensável da dominação escravista. Logo, não é apto a assi- les limites já se desencadeiam tensões de roda ordem. Com isso, en-
milar processos tecnológicos mais adiantados. Em certas situações os tretanto, começamos a penetrar nas contradições do sistema.
colonos-senhores chegaram à maravilha de opor-se à catequese dos E efetivam~nte, a estrutura escravista da economia e da socie-
negros (que enfim era o argumento com o qual se justificava a sua dade colonial implicava ainda, indiretamente, numa limitaçã.o
vinda da África) pois já isto era perigoso: aprendiam uma língua co- ao crescimento da economia de mercado, A contradição repon-
mum, podiam comunicar-se os vários grupos africanos. Lembre-se ta pois na natureza mesma da produção colonial: mercantil e ~scr.a­
de passagem que é uma ilusão supor-se, como às vezes se faz, estável vista a um tempo, isto é, produção de mercadonas para o capl(~hs­
a sociedade escravista; muito ao contrário, foram freqüentes as fugas mo europeu através do trabalho escravo, esses dois componentes de-
e rebeliões, e os troncos não eram nem de longe objetos decorativos. finidores da economia colonial convivem dificilmente no mesmo
Não nos afastemos porém em demasia de nossas reflexões: nem ha- contexto, provocando tensões. De um lado, o escra~ismo determina
via capitais disponíveis, nem a estrutura escravista era favorável ao um baixo grau de produtividade e pois de rentabibdade na pr?du-
progresso técnico. Resultado: a economia colonial é de baixa produ- ção das colônias, como já vimos. Ora, como não houvesse condições
para minimizar os custos através do progresso técnico, a can:ada
senhorial-empresária tinha necessariamente que procurar ~eduzlf ao
(121) Para o encaminhamento da análise da crise do sistema colonial, escopo deste mínimo o custo da manutenção da força de trabalho escravIzada. Pa-
capítulo, nao nos parece indispensável entrar a fundo nas discussões sobre o «modo ra tanto, procurava fazer com que os escravos produzissem pelo m~­
de produção coloniaI:., embora fique implícita uma posição diante do tema. Os tra· nos uma parcela subscancial de sua subsi~tência, den~ro da pr?pna
balhos de Ciro F. S. Cardoso são claramente aqueles que mais longe levaram esta
conceituação (Cf.• Severo Martinez Pelaez y el Cafaner del régimen coloniaI:., .So· unidade produtora para exportação. E assim se Insena, no bOJO de
bre los modos de produccióncolonialesde América~ c ~El modo de producción escla- uma economia basicamente mercantil, toda uma faixa de produção
vista colonial cn América., in Modos de Producúón en América Latina, intr. de J. de subsistência cujo processo se desenrola à margem do mercado.
C. Garavaglia, Cuadcrnos de Pasado y Presente, nO 40, Córdova, 1973: os dois últi· Mais ainda: esta era a única forma de defender-se a economia colo-
mos estudos também pub1icados, in Aménca Colonial: ensaios, org. Theo A. San- nial das flutuações do mercado consumidor europeu sobre o qual
tiago. Rio de Janeiro, 1975). Como é natural, dada a complexidade do problema,
não COIncidimos mteiramcnte com as suas formulações. quase nenhuma ação pod).ria ter. Nas épocas de expansão da procu-
(lnJCf. E. Genovese· The Politlcal Economy ofSlavery. N. York, 1967, pp. 43
segs. II!iICf. Cehu Furtado· Formação t"ronôm/ca do Br<1st!. pp. (,6·(,').

108 109
ra, mobilizavam-se todos os fatores dentro das unidades produtivas desenrola à margem das transações mercantis. Expansão da economi~
de exportação para produzir para o mercado externo; abria-se, en- de mercado, sim, mas trazendo no seu bojo limitações estruturais.
tão, uma faixa para a produ\;ão colonial de subsistência autônoma As decorrências disso eram de suma importância. Na economia colo
(quer dizer, fora dos domíniôs da lavoura de exportação) vender a.o nial típica (escravista-mercantil), ou mais precisamente, na soucda
setor exportador os seus excedentes. Em condições porém de estabih- de colonial (124)., o universo das relações mercantis atingiu apenas a
dade, ou depressão, nas grandes unidades produtivas exportadoras se camada social superior dos colonos senhores de escravos; eles impor-
deslocavam fatores da produção mercantil para a de subsistência; as- tavam· das economias centrais mercadorias de vária espécie para o seu
sim se preservava a estrutura, num nível baixíss.imo de produtividade. consumo próprio: produtos alimentares ou manufaturados p~ra seu
Acresça-se, por outro lado, que no contexto do sistema colonial e da consumo pessoal, implementos para consumo produtivo. E claro
economia mercantil-escravista, pane do pagamento do fator trabalho que a realidade é um tanto mais complexa, pois a colonização envol-
no processo produtivo era feito fora do parque produtor (referimo-nos ve outras atividades (adminisrracivas, militares, religiosas), o que
ao pagamento do preço dos escravos aos seus mercadores); a outra parte amplia de certo modo a faIxa 'da sociedade colonial ligada à econo-
(ou seja, manutenção do escravo) processava-se através da produção de mia mercantil; por outro lado, o próprio funcionamento da produ-
subsistência, não dando pois lugar a operações mercantis, pelo menos çao colonial, exigia outras categorias sociais além do binômio senhor-
em larga escala. Logo, nenhuma das duas parcelas em que, na econo- escravo. Na agro-indúst~ia do açúcar, por exemplo, toda uma gama
mia colonial, se dividia a remuneração do trabalho se constituia em de operadores, funcionários, etc. (12~); o comércio impunha interme-
procura interna, que estimulasse autônomameme o desenvolvimento diários, instalações. Tudo resultava, na colônia, na formação dos pri-
econômico. Em suma: a economia c.olonial mercantil escravista tem meiros aglomerados urbanos, e mais uma vez ampliava-se a faixa da
necessariameme um mercado interno reduúdíssimo. economia de mercado, complicando o esquema. Atente-se porém
Isto significava, no conjunto do sistema, que a economia colonial fi- que todos estes c9mponentes da sociedade colonial que estamos ago-
cava ainda mais dependente da economia metropolitana. Dada a es- ra apontando (funcionários, administradores, clérigos, militares) são.
treiteza do mercado interno, não tinha condições de auto est.imular-se, no fundo categorias secundárias da sociedade colon'ial, na medidal
ficando ao sabor dos .impulsos do centro dinâmico dominante, isto é, em que a sua presença no mundo ultramarino decorria da economia
do capitalismo comercial europeu. Neste sentido, o fenômeno se ajus- escravista e da produção para o capitalismo europeu; - era para pro-
tava ao sistema e não havia contradições ... Porém, examinemo-lo sob duzir para a metrópole que se colonizava, mas a colonização acabava
outro ângulo.)ã sabemos que na base de todo o processo de expansão por envolver outros ingredientes. Logo, as outras categorias sociais
moderna estão,·em última instância, as tensões geradas no desenvolvi- dependem do binômio matriz, senhor-escravo, da mesma maneira
mento do capitalismo comercial; a expansão européia significou. no que o setor subsistência da produção colonial depende do setor ex·
fundo, uma expansão comercial, abertura de novos mercados vantajo- portador. No fundo portanto, e em última análise, no âmbito da co-
sos, colonização. A colonização significava, como já vimos, também lônia, tudo depende da camada senhorial,. e a economia mercantil se
uma extensão da economia de mercado. Ora, bem encaradas as eco- expande em função dela.
nomias coloniais penféncas em conjunto e as suas relações com a eco-
nomia euroPéia, como apêndice dela, a expansão colonial apresentava-
se como expansão da economia de mercado; quer dizer, montavam-se ( 124 lA extraordinária complexidade da «economia colonial. engendrada nas deter-
núcleos que produziam para os mercados europeus. A colonização foi minações do Antigo Sistema Colonial liga-se a peculiaridade da formação social a
de fato um desdobramento da expansão comercial. Examinadas inter· qu~ serve de suporte. Vejam-se as reflexões de Florestan Fernandes para uma carac-
terizaçao da formaçao SCM:ial brasileira. O. Sociedade de Classes e Subdesenvolvi-
namente, entretanto, na sua estrutura, as economias coloniais configu-. mento. 2" ed .. Rio de Janeiro, 1972. pp. 9-90.
ram um modo de produção escravista-mercantil, o que limita a consti- (lnNeja_se o estudo de Stuan Scp.wanz sobre os lavradores de cana na Bahia:
tuição de seu mercado interno; há toda uma substancial camada da .«Free labor in a Slave Economy: the lavradores de cana of colonial Bahia•. in CoIo-
população (os produtores diretos) cujo consumo em grande parte se nialRoots ofModern Brazil, org. Dauril Alden, Berkeley, 1973, pp. 147-197.

110 111
o mecanismo fundamental portanto mantém-se. O universo das no sistema, as possibilidades de um desenvolvimento manufatureiro
rela~'ões mercantis é função dos senhores e, digamos, agregados. A eram substancialmente reduzidas; nas colônias de povoamento, ao
massa de produtores diretos (escravos) vive fora das relações merran- contrário, como a Nova Inglaterra, tais condições eram favoráveis:
tis, e isso trava a constitui~ão de um mercado interno. No conjunto. mas a Nova Inglaterra no pensamento mercantilista, era considerada
tal configuração do mundo colonial responde ao funcionamento do «the most prejudicial plantation of this -kingdom» Uosiah Child).
sistema, enquanto as economias centrais se desenvolvem apenas no (126). Desta forma, também, o êxito da política proibitória teve mais
nível da arumulação primitiva de capitais, e a produção se expande ou menos sucesso conforme incidiu sobre colônias mais ou menos
no nível artesanal, ou mesmo manufatureiro. Quando porém essa ajustadas ao sistema. As colônias de povoamento constÍmitam-se
etapa é ultrapassada, e a mecanização da produção com a Revolução exatamente na zona temperada do Novo Mundo, regiões não visadas
Industrial, potenClando a produtividade de uma forma rápida e in- pela colonização européia moderna na sua primeira fase, exatamente
tensa, leva a um crescimento da produção capitalista num volume e por não se poder organizar alí uma produção que satisfizesse aos re-
ritmo que passam a exigir no ultramar mais amplas faixas de consu- clamos do mercado europeu. Assim, no século XVII, é para essas re-
mo, comumo não só de camadas superiores da sociedade, mas agora giões que se encaminham os emigrantes ingleses fugüivos de tensões
da sociedade como um [Odo, o que se torna imprescindível é a gene- políticas e religiosas da mãe-pátria, na tentativa de refazerem seu
ralização das relações mercãmis. Então o sistema se compromete, e modo de vida no Novo Mundo. Formam-se pois as colônias de po-
entra em cnse. voamenco à margem do sistema, e é exatamente o esforço por
Ora, promovendo a primitiva arumulação capitalista nas economias enquadrá-las nele, que deflagra no fim do século XVIII a luta de in-
centrais européias, o funcionamentro do sistema colonial se comporta, dependência e a constituição dos ESCados Unidos, tom Ó que se abre
como já vimos, como um instrumento fundamental (embora não o a crise no Antigo Regime.
único, evidentemente: há que considerar fatores internos do desenvol- De qualquer forma, no conjunto, predomina a situação em que a
vimento capitalista na Europa) a promover à ultrap~sagem para o ca- política proibilória encontra fraca resistência, dada a falta de condi-
pitalismo industrial. ções econômicas para um surto manufatureuo no mundo colonial;
De fato, organizando-se nos quadros do sistema colonial, as eco- destarte, a expansão da empresa colonizadota ultramarina envolveu
nomias periféricas desenvolviam a sua produção numa linha tenden- efetivamente um alargamemo crescente do mercado consumIdor de
te a complementar a economia central, fornecendo aqueles produtos produtos manufaturados.
de que ela carecia e provendo matérias primas para sua produção in- Assim, em vários sencidos, as colônias do Antigo Regime comple-
dustrial manu e depois maquinofaturelra; configuram-se assim em mentam as economias nacionais européias, na fase de formação do
autênticas economias complementares, tendentes a dar às metrópo- capitalismo. Na I1)edida em que pre~nchem as lacunas da economia
les condições de autonomização econômica frente as demais potên- . metropolitana, dão-lhe maior grau de autonomização e, pois, me-
cias mercantilistas. E note-se a importância deste mecanismo, numa lhor posição competitiva nos mercados internacionais; assim, indire-
época em que as práticas da política mercantilista se generalizavam tamente, favorecem mais uma vez o desenvolvimento econômico
entre os vários estados europeus. Os mercados coloniais eram exata- que nessa fase do capitalismo mercancil tem por elemento essencial a
mente aqueles onde, por definição, as normas do mercantilismo se acumulação originária indispensável à transição para o capitalismo
podiam exercitar: daí, as disputas verdadeiramente furiosas pela industrial.
conquista desses metcados excepcionais. Em suma, os elementos a(é aqui analisados, isto é os mecanismos
Nesta linha, desenvolveu-se a política colonial das metrópoles no de funcionamento do sistema colonial, permitem-nos explicitar ago-
sentido de impedir a produção manufatureira nas colônias. Visava- ra sua posição no quadro do desenvolvimento ou antes da formação
se, assim, a preservar o mercado colonial para as manufaturas da
mãe-pátria. Aliás, dada a estrutura social e econômica que se organi- {ll(,)A new dlJ"coune ofTrade, 1669. ApudViçror Clark - H/s/of] ofManufaaures
zava nas colônias típicas, isto é, naquelaS'-perfeitamente integradas in íhe United States. New York, 1\>49, v.l, p. 4

112 113
do capitalismo. A colonização do Novo Mundo na Época Moderna, antes que se atingissem os limites da exploração colonial, já as ten-
ou antes a exploração colonial ultramarina organizada nas linhas do sões geradas por esses mecanismos de fundo impõem reacomoda-
antigo sistema colonial, configura um poderoso instrumento de ace- ções, alterações, mudanças que vão comprometendo o sistema colo-
leração da acumulação primitiva no contexto do capitalismo mercan- nial. Noutras palavras, não foi preciso que o capitalismo industrial
til europeu; envolve, efetivamente, um processo de transferência de atingiss~ seus mais altos graus de desenvolvimento e expansão para
renda das colônias para as metrópoles, ou mais exatamente das eco- que o SIstema colonial - colonialismo-escravista - entrasse em cri-
nomias periféricas para os centros dinâmicos da economia européia, se; bastou o primeiro arr"anque. Foram suficientes os primeiros pas-
renda que tende a se concentrar na camada empresarial ligada ao co- sos da revolução industrial.
mércio colonial. Num plano mais geral, constituindo-se em econo- A~sim, e~a da própria lógica do sistema de exploração colonial do
mias complementares, respaldo econômico das metrópoles, a coloni- Antigo RegIme que as potências mercantilistas competissem furiosa-
zação do antigo sistema colonial contribuiu poderosamente para o mente na órbita do ultramar; tal competição só se resolvia, enfim,
desenvolvimento das economias nacionais européias, desenvolvi- com a hegemonia de uma delas. Nem é pura coincidência que a In-
mento nessa época que consiste em expansão do capitalismo mercan- glate"a seja ao mesmo tempo a potência que levava de vencida a
til, e pois, envolve também uma acentuação da acumulação capita- concorrência colonial e a nação que dá os primeiros passos no indus-
lista. trialismo moderno: sem se desprezar os fatores internos de seu cresci-
Se recordarmos, agora, o que indicamos antes a propósito do capi- mento econômico na rota da industrialização, a supremacia colonial
talismo comercial como fase intermediária entre a desintegração do permitiu-lhe carrear para dentro de suas fronteiras, mais que as ou-
feudalismo e a Revolução Industrial, o sistema colonial mercantilista tras potências, os estímulos advindos do sistema colonial. Em torno
apresenta-se-nos atuando sobre os dois pré-requisitos.básicos da pas- da ~éc~d~ de 60 de Setecentos convergem a consolidação da prepon-
sagem para o caPitalismo industria/l. 127 ): efetivamente, a exploração derancIa mglesa e a abertura da Revolução Industrial.
colonial ultramarina promove, por um lado, a primitiva acumulação Mas já então os problemas se colocam agudamente, neste período
capitalista por parte da camada empre~arial; por outro lado, amplia crítico que medeia entre 1763 (término da guerra dos Sete anos) e
o mercado consumidor de produtos·mamlfa~urados. Atua, pois, si- 1776 (independência do Estados Unidos). Superada a rivalidade
multaneamente, de um lado, criando a 'possibilidade do surto ma- com a França, pôde a Grã Bretanha, de um lado, reforçar seu pró-
quinofatureiro (acumulação capitalista), por outro lado a sua neces- prio exclusivo metropolitano (tentativa de enquadramento das colô-
sidade (expansão da procura dos produtos manufaturados). Criam- nias da Nova Inglaterra nas linhas da política mercantilista), domra
se, assim, os pré-requisitos para a Revolução Industrial - processo parte, acentuar a penetração comercial nas colônias ibéricas, seja via
histórico de emergência do capitalismo (128). Assim, pois, chegamos metrópoles, seja pelo contrabando. Tudo isso era decorrência da su-
ao núcleo da dinâmica do sistema: ao funcionar plenamente, vai premacia política e do desenvolVimento industrial. Ao funcionar
mando ao mesmo tempo as condições de sua crise e superaçào. plenamente, portanto, o sistema engendra tensões de toda ordem.
Este o mecanismo básico da crise, na sua dimensão estrutural. An- Quanto mais se avançava neste processo, menos a potência hegemô-
tes, porém, que se esgotassem as possibilidades do sistema, isto é, nica podia suportar o comércio «independente» de suas colônias
americanas; e cada vez mais o conttabando com as colônias ibéricas
(127)0. B. Passarellj - CoIonidismo y acumulación capitalista en la EuropaModer- vai se tornando insuficiente para o escoamento de sua produção fa-
na, Buenos Aires, 1973, pp. 33-~7. bril. Ainda mais, as prerrogativas que as «plantations» inglesas das
(l2~)E extensíssima a bibliografia sobre a Revolução Industrial desde o dássico Antilhas detinham no mercado métropolitano inglês (era a outra fa-
Paul Mantoux (The InduSlrUzI Revolution in lhe Elghthennth Century, trad. ingl.
nova ed. Londres, 1961; ed. francesa original, 1905) até Phyllis Deane - A Rel/olu-
ce.do Pacto) vão se tornando mais e mais onerosas para a meuópole:
.[fio ln.dustrial, trad. pon. Rio de Janeiro, 1969, passando pelas obras de, Ashron, era como que a inversão do pacto colonial( 129) .
Beales, Heaton, Clapham, David Landes, Castronuovo, C. Fohlen, entre os mais
significativos. (i29)Cf. Eric Williams _ Capitalism &" 5lavery, p. 126.

114 115
Neste quadro de agudas tensões, neste complexo emaranhado de
múhir ~os interesses, o equilíbrio se torna evidentemente precário, e
se rompe com a independência dos Estados Unidos. A constituição
da nova República tinha com efeito implicações que de muito trans-
cendiam o simples evento político. Era a primeira vez que uma colô-
nia se tornava independente. Crises, tensões, competição, suprema-
cia de uma potência que se apropria de colônias de outras metrópo-
les haviam sido ajustamentos dentro do sistema. O que este eviden-
temente não comportava era a ruptura do pacto. Na medida mesma CAPÍTULO III
em que as tensões estruturais se agravavam, que os interesses diver-
gentes vinham à tona, o mundo colonial passava a viver em ten- OS PROBLEMAS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA
são; a crítica do Antigo Regime atingia" as colônias, onde encon-
trava ambiente altamente receptivo. Com a independência dos Esta- 1) Mamfestações da cnse
dos Unidos porém o que era uma possibilidade passou- a ser uma rea-
lidade. As inovações políticas envolvidas na forma republicana que Procuremos agora situar Portugal e Brasil no contexto dessa crise
assumia o novo estado ainda mais acentuavam o seu significado, geral que afeta o Antigo Regime como um todo. Para os estadistas
marcando o início da cme não só do sistema colonial mas de todo o do final do século XVIII português, a crise apresenta-se primaria-
Antigo Regime. É pois um período de crise que se abre a partir de mente como um conjunto de problemas que a monarquia absolutis-
1776; e temos agora de indicar a posição de Portugal e Brasil nesse ta tinha de enfrentar e resolver, alguns antigos que se agravavam na
processo, isto é, como esses mecanismos mais profundos atingiram o nova conjuntura, Outros novos que emergem em face das recentes
sistema colonial português, para analisarmos a política metropolita- condições internacionais. Assim os via D. Rodrigo de Souza Couti-
na que intentou enfrentar esses problemas. nho (1), o mais notável dentre aqueles estadistas; ministro da Mari-
nha e Ultramar a panir de 1796, reuniu logo no ano seguinte uma
junta de ministros e «pessoas conspícuas pelos seus empregos e talen-
tos» à qual fez presente uma Memória sobre o Melhoramento dos
Domínios na América (2): no conjunto, vasto e articulado plano de
fomento da exploração econômica do Brasil, «sem dúvida, a primei-
ra possessão de quantas os Europeus estabeleceram fora do seu conti-
nente, não pelo que é, atualmente, mas pelo que pode ser, tirando

{')Sobre D. Rodrigo d~ Sousa Coutinho, cf. O Conde de linhares, pelo Marquês


de Fun,hal, usboa, 1908.
(2)Manuscritos: A.H.U. (usboa). Documentos avulsos. Rio de Janeiro. Caixa de
1797 (com o titulo de «Memorias de D. Rodrigo de Sousa Coutinho sobre os melho-
ramentos dos Domínios de sua Majestade na Améri,v), e B.N .R.J., Colesão unha-
res, 1-29-13·16 (com o dtulo de «Discurso pronunóado perante ajunta de Ministros
e outras pessoas.).
Publi,ações: In Br4silia (Coimbra), vol. IV, 1949, pp. 332-422, com introdução de
Américo Pires de Lima (texto do Arquivo Histórico Ultramarino de usboa)e in Mar-
cos Carneiro de Mendonça - O Intendente Câ1"lJlJT4, S. Paulo, 1958, pp. 277-299
(texto da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

116 117
da sua extensão, situação e fertilidade todos os partidos que a natu- desses trabalhos aliás insere-se no quadro da política de desenvolvi-
reza nos oferece ... » (3). Tratava-se, em suma, de remover os obstácu- mento econômico da brilhante equipe (Aranda, Floridablanca,
los ao pleno funcionamento do sistema colonial, na nova conjuntu- Campomanes, Gálvez) que orienta em Espanha o reinado de Carlos
ra; tanto assim que o trabalho visa desde logo definir um «sistema» 1Il (8).
de relações entre Portugal e domínios com mútuas vanta- São esses exemplos marcos de uma preocupação geral nos países
gens, tornando o «enlace dos domínios ultramarinos portugueses ibéricos por reorganizar sua exploração ultramarina. Tal tendência,
com a sua Metropole ... tão natural quanto pouco o era o de outras outrossim, poderia igualmente ser documentada nas demais potên-
colônias que se separaram da sua mãe-pátria»(4). Teremos natural- cias colonizadoraS européias, Em França, por exemplo, segundo
mente de voltar com mais detença à análise desse «enlace tão natu- Georges Hardy (9), o reinado de Luís XVI marca nitidamente uma
ral», desse «nexo feliz» que unia metrópole européia e colônia ameri- nova orientação, informada por um novo espírito; um dos membros
cana; agora só nos importa assinalar a presença da nova situação , ain- desse governo, e dos mais proeminentes, Turgot, já abordara em
da que de modo um tanto indireto, na pena do futuro conde de U- suas obras o problema colonial, e com grande audácia (10).
nhares. É que, na medida mesma em que os mecanismos estruturais que
Tal enfoque dos problemas coloniais já vinha aliás na linha de analisamos no capítulo anterior, operando na base do sistema do
pensamento expressa pouco ames (1794) no famoso Ensaio Econô- Antigo Regime como um todo, desencadeavam tensões provocado-
mico sobre o Comércio de Portugal e suas Colônias, de D. José Joa- ras de desequilíbrios que por sua vez iam exigindo constantes reajus-
quim da Cunha de Azeredo Coutinho; também o bispo ilustrado o tamentos, a exploração colonial européia no mundo ultramarino ia
que visa é mostrar como «Portugal, pela situação "dos seus estah(:leci- se constituindo cada vez mais em tema de indagações para o pensa-
mentos nas três partes do mundo, pode fazer relativamente o comér- mento da época das Luzes. Essa tendência da vida espiritual de Sete-
cio mais ativo e mais vantajoso de (Odas as nações da Europa»(5). centos atinge seu ponto máximo na obra entre todas famosa do aba-
Contemporaneamente (1789), na Espanha publicava-se o livro em de Raynal, a Histoire phzlosophique et politique des étab/issements
que, desde 1743, D.José dei Campillo y Cosio esforçava-se por defi- et du commerce des européens dans les deux lndes: nela, efetiva-
nir «un nuevo sistema de gobierno económico para là América», cri- mente, se cristaliza todo o esforço do pensamento ilustrado respei-
ticando «los males y danos que le causa eI que hoy tiene de los que tante ao sistema colonial, passando-se em revista, e julgando-se ao
participa copiosamente Espana» e intentando indicar «remedios uni- mesmo tempo pelo crivo da Razão, toda a atividade ultramarina dos
versales para que la primera tenga considerables ventajas, y la segun~
da mayores intereses» (6). De 1797 são as Memórias históricas sobre la (Blef. F. Soldevilla _Historia dc Espana, trad. esp. Barcelona, 1964, t. VI, pp. 10-
legislación y gobierno de los Espanoles con sus colonias en las lndias, 14 e pp. 60 segs. Juan Mercader Riba- "La época dei despotismo ilustrado., in Hir-
de Antunes y Acevedo. Multiplicam-se as «sociedades econômicas de tôria Social y Econômica dc Espana y América, dir. por J. Vicens-Vives, Barcelona,
amigos» do país, com suas coleções de «memórias»(7). A publicação 19~8, t. IV, vol. I, pp. 162 segs. Luis Sanchez Agesta - Fi Pensamiento EconômICo
deI Despotirmo Ilustrado. Madri, 1953. M. Nunes Dias - O Comércio Livre cntrc
(3JRodrigo de Sousa Coutinho . Memôn4r sôbre os melhoramentos, Ed. A. Pires Havana c os Portos de Espanha (1778-1789), S. Paulo, 196~.
de Lma, p. 406. In Marcos Carneiro de Mendonça, op. cit., p. 279. {<)lCf. G. Hardy -Hirtoire dc la C%niration Françaisc, 3 a ed., Paris, 1938, pp. 96
(4 lRodrigo de Sousa Coutinho, op. cit., p. 406.
segs.
(SlCf. J. J. da Cunha de Azeredo Coutinho· Ensaio economico sobrc comercio° (lOla. H. Deschamps _Méthodcs ef doctrincs c%niales de la France, Paris, 1953,
de Portugal c suas c%ntas. Lisboa, 1794. In Obras cconômicas de].). da Cunha de p. 81. A. Gobert - "Hacia el liberalismo., in Historia dei Comcrcio, dir. por J.
Azeredo Coutinho, introd. de Sérgio Buarque de Holanda. S. Paulo, p. 138. Lacour-Gayet, Barcelona, 1958, t. m, pp. 305 segs. Jean Tarrade - .L' Administra-
{<SiD. Joseph dei Campillo y Cosio - Nuevo Sútema dc Gobierno Economuo para tion coloniale en France à la fin de I'Ancien Régime: projens de réforme., Revuc
la América ... Madrid, 1789. Cf. Marcelo Bitar Letayf. Economistas espanolcs dei Hútoriquc, v. CCXXlX, 1963, pp. 103-122. Piem Legendre - .Réactionnaires et
sigla XVllI, suszdcas sobrc la Itbcrtad dcl comcrcio con Indias, Madrid, 1968, pp. politiques devant la crise coloniale., Revfle Hutonque, v. CCXXXI, 1964, pp. 357-
114-118. 376. David LowenthaJ - «Colonial experiments m French Guiana, 1760-1800, Hú-
{7 iCf.J. Sarrailh - L 'Espagne éc/atrée de la seconde moitié du XVllIe. siecle, Paris,
panic Amcrican Historica/ Rcvicw, v. XXXII, nO 1, 1952, pp. 22-43.
19'>4, pp. 247·287.

118 119
europeus (11). Publicada anonimamente em 1770 em Amsterdam, que se deve aquilatar a importância e o sentido da independência
até a morte do auror (1796) a obra, posto que de enormes propor- dos Estados Unidos da América; é que, como incisivamente mostra
ções, teve três edições, cerca de trinta reimpressões e algumas contra- Eeic Williams, a revolução americana fez explodir as falácias do siste-
facções(12). Isto sem contar as inúmeras adaptaÇões, 'abregés(13), ma colonial (I?). Este se baseava na idéia de que o desenvolvimento
tradu~'Ões. A omissão do nome do autor na primeira edição era um das manufamras da metrópole (no caso, a Inglaterra) dependia do
segredo de polichinelo; assim, a terceira edição (Genebra, 1780) traz exclusivo do mercado das colônias, que por sua vez tinham priorida-
o nome e mesmo um retrato de Raynal, o que lhe custou um exílio de no mercado metropolitano. A nova situação engendrada entre
de quatro anos (14), fato aliás indicativo do profundo interesse políti- 1776 e 1783 «(Catado de Versalhes) impunha porém reajustamentos
co do tema tratado e da audácia das idéias expendidas. globais. Efetivamente, ao longo do século XVIII, o desenvolvi-
Se, porém, no plano das idéias, a Htstoire des deux lndes marca mento da indúsrria inglesa e da hegemonia política e econômica
este ponto de inflexão da história colonial, é que ela se sima e elabo- da Grã Bretanha firmaram-se na exploração de suas próprias colônias
ra contemporaneamente ao evento que realiza na prática a abertura e na peneeração dos sistemas coloniais de Portugal e Espanha (Hl). A
da crise do sistema: a revolução que independizou a Nova Inglaterra ascendência de uma potência européia sobre as demais metrópoles
da velha metrópole, levando à pratica política o que até então era do Velho Mundo já ia exigindo alterações no funcionamento do sis-
apenas uma das possibilidades de ruptura do Antigo Regime. Bem o tema colonial; cristalizava-se, contudo, num novo equilíbrio, ainda
. viu o próprio Raynal, a quem a insurreição americana daria 0púrtu- compatível com o sistema: a supremacia ing1e~a se insinua através de
nidade a sérias reflexões sobre o destino das colônias: «o novo hemis- Cádiz e Lisboa (1'), preservando-se destarte as relações metrópole-
fério deve um dia separar-se do antigo ... mdo se encaminha para es- colônia dos paÍSes ibéricos. É bem verdade que o comércio ilícito ex-
sa cisão, os progressos do mal num mundo e os progressos do bem no travasa esta situação, sem entratanto negá-la, antes mesmo
ouero» (15). . confirmando-a. Como já indicamos, é o próprio estatuto colonial
que tornava tão atrativo o·comércio de contrabando. Quando, po-
De fato, não é ape~as pelas suas «enormes conseqüências» a curto rém, apoiado nessas poderosas alavancas, o ritmo de desenvolvimen-
ou longo prazo (16), ISto é, pelas suas repercussões e «influências», o
to manufatureiro atinge na Inglaterra nível da mecanização do
processo produtivo, inaugurando-se a era da maquinofatura, as ten-
(11)Cf. Michde Duchet - Anthropologle et HislO1re au Slede dn Lumieres. Paris, sões encaminham-se lenta mas seguramente para a situação limite.
1971, pp. 125-136, 170-177.).M.Goulemont e M. Lunay - Le Sii!cle des Lumilrn, Os acréscimos de produtividade eram agora de uma ordem inteira-
Pans, 1968, pp. 199-206. F. Valjavec - Hislona de la I1uslraclon en Occidente, trad. mente nova, e ao mesmo tempo em que promoviam na Inglaterra o
esp., Madrid, 1964, pp. 282 segs. R. KoseJleck - Cniica illuminista e c1'isi delh so-
declínio ou mesmo a supressão das antigas formas de organização da
Clelà bo1'ghne, trad. itaL Bolonha, 1972, pp. 219 segs.
112Ja. Hans Wolpe - Raynal el Ja machine de GueFTe, /'1-;;JIOl1'e des deux Indn el
ses perfectionnemenlJ, Stanford, 1957. L 'Anlicalonla/isme au XVIIIe. ilede: I'His- (I!)Eric WilJiams - Ca"l'talnm IX S/avery. 2' ed. N. York 1961 p. p. 120-125
(IM) r . ."
Cf. Cambndge Hnlory.ofthe Bnlnh Empi1'e, du. por H. Rose, A. P. Newton.
1001'e phllosophlque el polltlque ... pa1'l'Abbé Raynal. Introduçao, escolha de textos
e notas por Gabriel Esquer. Paris. 1951. E, ~, Benms. VaI. 1. Cambridge, 1960, pp. 207·237 (<<Beginnings of an Imperial
(I'JExe.mplo: Esprà de Guillaume ThomilS Raynal, recueil égalemenl nécesJai1'e li poh(y~ por). A. WiJliamson), e pp. 300-329 (<<Rivalry for Colomal Power 1660-
ceux qUI commandent et ti ceux qUI obéissenl. Londres, 1782, 2 vol. 1713» porW. F. Reddaway). E. Lipson _ Economic History ofEngland. 5' ed. lon-
114)G. Esquer - L 'Antz·colonialtsme au XVIII Jlêde ... Introduçao, p. 6 dres, 1948, t. m, pp. 111-112. A. Manchester - Bntish preeminence in Brazzl: às n-
II»)R aynaI - H'lslO11'e
. pm~oJopmque
L:/ L /.
el pontlque des élabilissemenls el du com- se and decline. Chapel Hill, 1933, pp. 4-25. Olga Pamaleao _ A penetração comer-
men:e deJ EuroPéens dans leJ Deux Indes. Genebra, 1780, t. IV, p. 453. Servimo- CIai da Inglaterra na América espanhola de 1713 a 1783. S. Paulo 1946, paJiim. P.
nos preferentemente desta terceira ediç~ da famosa obra de Raynal, considerada a Muret . La préPondérance anglaise (1715-1763). 3' ed. Paris, 1949, especialmente
melhor (Cf. G. Esquer, op, cll.p. 42). As vezes aptoveitaremos variantes de OUtras pp. 298-403.
('(lições. (l9)Cf. A. Christelow - «Great Britain and the trade from Cadiz and Lsbon to
IIÚJph. Sagnac _ La fin de /'Ancien Régime el la Révolullon Améni:aine (1763. Spanish America and Brazil, 17S9-1783p. H.A.H.R., vol. XXVII, nO 1, Fev. 1947,
1789). 3' ed. Paris, 1952, p. 379. pp, 1-29.

120 121
produção industrial, iriam impor profundos reajust<;'s no comércio dos interesses ingleses. Como muito bem mostrou AlIan Christelow
internacional (20). Agudizam-se, de um lado, as Oposlções dentro da (24), o esquema que se cristalizara na primeira metade de setecentos,
própria economia imperial inglesa; os novos interesses ind~stcialistas isto é, como já indicamos acima, a supremacia inglesa via meuó-
conflitam com os dos grupos ligados à exploração monopolIsta do ul- pole, enrra em rerrocesso com a política desenvolvimentista (fomen-
tramar (21). Paéa as novas forças sociais propulsoras do industrialismo to indusrrial)de recuperação econômica posta em andamento vigoro-
nascente, as relações econômicas do antigo sistema colonial eram an- samente pelo marquês de Pombal e pelos ministros de Carlos III; na
tes um entrave: a força excepcional da nova produção maquinofatu- medida em que os efeitos dessa nova política iam paulatinamente se
ceira prescindia do monopólio para dominar os mercados ultramari- fazendo sentir, desorganizava-se o esquema anterior"mente monta-
nos; e as prioridades que as colônias detinham no mercado metropo- do. Nesta linha é que se insere a criação das companhias monopolis-
litano passavam a se constituir num ônus. Instaurava-se, assim, u~a tas ibéricas para o comércio ultramarino; as fricções crescentes dos
autêntica e paradoxal inversão do sistema: as colônias eram pela pn- governos ilustrados de Portugal e Espanha com a diplomacia inglesa
meira vez desvantajosas à metrópole (22). A transformação profunda (25), as constantes reclamações do governo britânico e'a pertinaz de-
que envolvia a nova conjuntura econômka tinha porém necessaria- fesa da nova linha de política dos dirigentes portugueses e espa-
mente de passar pelo nível do poder, isto é, na esfera da vida políti- nhóis, estão a atestar o sentido da nova conjuntura. Isto levou, natu-
ca, e aí as resistências-dos interesses tradicionais ~ os chamados inte- ralmente, a que a pressão da economia inglesa sobre os mercados ul-
resses «antilhanos» - , encastelados no parlamento, foi tenaz, e mes- tramarinos portugueses e castelhanos se voltasse cada vez mais para.
mo prevaleceu até 1783. Nesta linha é que se mantém o antigo siste- o contrabando.
ma, e mesmo enrijece; a partir de 1763 (término da Guerra dos Sete Assim, na segunda metade do século XVIII, convergem duas ten-
Anos), afastada definitivamente a competição francesa à hegemo- dências no comércio internacional e colonial, e essa convergência era
nia, a política colonial ingles~.intenta a imposição (<<enforcement») de molde a pôr cada vez mais em xeque o sistema colonial como um
do exclusivo às treze colônias da América do Norte, até então tolera- todo. De um lado, o desenvolvimento irreversível da revolução in~
das como um caso mais ou menos à parte (23). A reação dessas colô- dustrial inglesa exigia cada vez mais a abenura dos mercados ultra-
nias de povoamento, cuja estrutura sócio-econômica (exceção das do marinos consumidores de produtos manufaturados; por outro lado,
sul) de fato as diferenciava das demais enquadradas no sistema colo- a política de autonomização e desenvolvimento econômico dos paí-
nial, e cujo florescimento assentava no comércio triangular, é que ses ibéricos ia cada vez mais dificultando a penetração dos-produtos
iria desencadear a crise geral. ingleses nos mercados do ultramar pelas vias metropolitanas. O re-
Por outro lado, e contemporaneamente-, nos países ibéricos sultado dessa coincidência de tendências divergent~s tinha necessa-
desenvolve-se na segunda metade do século XVIII todo um esforço riamente de fazer com que os interesses do industrialismo inglês se
de recuperação econômica (Pombal, os ministros ilustrados de Carlos orientassem no sentido da ruptura do pacto colonial, removendo-se
!li), que necessariamente envolvia um recuo da presença dominante o intermediário das metrópoles. E note-se, retomando agora o que
acima deixamos exposto, que no interior mesmQ do sistema colonial
(10JCf. Clive Day· Historia dei Comercio. Irad. esp. México, 1941, t. I, pp. 273 inglês as tensões desencadeadas pelo surto industrialista abalavam o
segs.
(21)Cf. Eric Williams - Copitalism & Slaflery, pp. 126-169, ã pág. 142: «The colo-
nial system was rhe spinal cord of the commercial capitalism of the mercantile
epoch. In the era of the frec rrade the industrial capitalists wamed no colonies ar (l;JA.Christelow· Op. cit., pp. 9-13. Cf. K. MaxwelJ . «Pombal and tht' nationali-
aIl_. Ver também: E. üpson - The Growth ofEnglish Society. 4' t'd. Londres, 1959, zanon of the Luso-Bra.zilian economp. Separata de H.A. H.R., vol. XLVIII, nO 4,
pp. 171,306. Nov. 1968, pp. 608-631.
(2.lJEric WiIliams _ Op. cit., pp. 126 segs. (~j)a.J. Lúcio de Azt'Vedo - O MarquêJ de Pombal e sua época. 2" ed. Rio deJa-
(13JCf. A. Andrews - The colonial background oflhe American reIJolution. N. neuo, 1922, p. 215. Olga Pantaleão· ApenetraçJo comercial da Inglaterra nIl Amé-
Haven, 1963, pp. 124 segs. Cf. S. E. Morison e N. S. Commager - The Grow(h of nca Espanhola, pp. 211-267. Ver também: B. N. (usboa), Reservados, Coleção
the American Republic. 4" ed. N. York, 1960, t. I, pp. 128 st'gs. Pombalina, c6dice 638 (reclamações da Inglaterra).

122 123
próprio pacto da Inglaterra com suas colônias(26). É neste contexto
que se gera, como demonstrou Eric Williams, a campanha inglesa
contra o tráfico negreiro, que era a forma indireta de atacar o antigo
sistema colonial no seu cerne; o que entra em crise é, pois, o próprio ''')f'::' , , ~ ~ ~ -, '" ",;,;
"
, o ,
\
sistema colonial como um todo.
Esta a crise real no seu sentido mais profundo, e que se manifesta
,
I
I
I
I
i
1""
I
I
no nível dos eventos como problemas que a administração metropo- I

litana tinha que enfrentar e resolver, ou pelo menos encamiI}har so-


luções, para manter o funcionamento do sistema colonial. Cumpre-
I
I
I
I
I
I \
,
\
\
nos analisar como esses problemas se manifestavam no sistema de re-
1710 I
I
I
\ \
lações Portugal-Brasil, para estudarmos em seguida a política colo-
I
I
\ \
I
I I
nial que os enfrentou, as soluções que se puseram em andamento. I
'HO
Para tanto, detenhamo-nos ainda por um momento na posição da
metrópole portuguesa no concerto econômico do Ocidente.
,
I
I

I i \
I
I
I
i \
,~" I
I
\
Portugal participa, é certo, do surtO de crescimento populacional I
, :iIi \
que caracteriza o século XVIII europeu, e que a moderna demogra-
I

I
\ I
fia histórica denomina a «revolução vitabP7). Segundo as estimativas
""
I
I
I
, \\" \ \
de Gino Luzzatto(28), a população européia evolui de 95 milhões de

I.
I
" \
almas em 1600 para 120.000,000 em 1700, enquanto que em 1800
já ascende a 187 ou 188.000.000; tais cálculos globais, previne o histo-
I
,
, I'

, \
\I\!
I
I
riador italiano, são necessáriamente precários, quando muito hipó- I
I \ \
I I
teses. sugestivas. Mas indicam uma ordem de grandeza, e como tais I
I
\ \

,\
I
devemos utilizá-los para comparações. Assim, esses dados, ainda no I
I
\
que imprecisos, bastam para evidenciar que o ritmo de crescimento I
I '\
populacional acelerou-se extraordináriamente ao longo do século I

XVIll; realmente, a taxa de crescimento, de 26% no século XVII as- ,. I


I i
I
cende a ')4% no século seguinte. A taxa média anual, por sua vez, II ,I I : \ \I \ I
I l~
'I
sobe de 0,23% no século XVII para 0,43% no século seguinte. Na l' i•
! I I
I I , \ \
época da revolução vital, portanto, tomando como base as estimati.
vas globais de Luzzatto, a população européia cresceu com um incre- "'I ! ,II
I
I
!
!
1 !
!
I
I
I
I
I
I
.
I
"

I
\
mento médio anual de 0,43 por cento. Ora, os dados disponíveis so- ~~j;r§.w~ I !
Q()e-~~~.,il~S-
bre a população nestes mesmos séculos permitem mostrar como Por- ;p ~ "- "
I
I
I
\ I
\
1
(2G)Eric Williams - ap. Clt., pp. 135 segs.
I
I
,
\

(2~)K. F. Helleiner _ «The population of Europe from tthe black death to the vital w I
revolutÍon». In The Economy of Expanding Europe In the 16th and 17th Century.
Vol. IV da Cambndge Economic History of Europe, 1967, pp. 1-94. I õ , , . , ~ ~
" '
, , , .
(2H)Gino Luzzatto _ S/oria economlca deU'etií moderna e contempoT"anea. 3a ed.
Pádua, 1955. t. lI, p. 23.

]24 125
(Ugal acompanhou o movimento demográfico europeu: de
2.143.368 em 1732, a população lusitana evolui para 2.321.447 em
1767, e em 1801 atinge 2.931.393(29). Em 69 anos, de 1732 a 1801,
POPULAÇÀO EUROPÉIA NO SÉCULO XVIll portanto, cresceu 37%, com uma taxa média anual de 0,45%, prati-
EUROPA: popu,lok-ào taxa de crescimento taxa média anlla!
camente idêntica à média geral européia. Na tabela e gráfico
1600 95.000.000 I600II700~26% 0,23% anexos(30) pode-se confrontar a posição de Portugal em face do mo-
1700 120.000.000 170011800~54% 0,43% vimento geral da população européia, e com vários outros países em
1800 187J1OO.O()() (IDO anos)
particular, tomados como exemplos(3I).
PORTUGAL: Otimista, o autor das estatísticas demográficas portuguesas de
1732 2.143.()OO ln2ll801- .H% 0,45')'0 1801 lembrava. na introdução de seu precioso trabalho, que a «po-
1801 2.931.{JOO (69 anos)
voação se deve olhar como prova da prosperidade e força de uma na-
SuECIA: ção quando ela tem por causas a agricultura e a indúStria», - fórmu-
1721 (1.461.000) 175011800~32% 0,55% la um tanto ambígua de enfocar o problema; mas acrescentava ainda
1735 (1.703.000) (50 anos)
1750 1.7RI.()O() a proposição do inglês Clarke para quem «agricultura e povoação de
1775 2.021.0()O qualquer país são sempre recíprocas causas e efeiros urna da outra»
18()0 2.347.0{)O para concluir que a «prosperidade e riqueza de Portugal vão em au-
ESPANHA:
memo»(3 2). No que não errava, aliás, o judicioso funcionárioeB);
1723 ( 6.100.0(0)
1747 7.380.000 172311787-70% 0,84% (29)Combinamos aqui os dados e considerações de Adrien Balbi (Essai Jlatuh'que
1756 8.000.000 (64 anos)
sur le Royaume de Portugal el d'Algarve. Paris, 1822, t. 1, pp. 184 segs), de).].
1768 9.310.000
10.410.000 Soares de Barros (Memória sobre as cauZlls da differente popu/afiio de Portugal nos
1787
diversos tempos da Monarquia, in MemoriaJ Economicas da Academia Real das
FRANÇA: Sciencias de lisboa, v. 1, 1789, p. 123 segs) e das Taboas Topográficas e Estatísticas
1715 18.0()O.OOO de Todas aJ Comarcas de Portugal ... ( 1801), de que o Instituto Nacional d(' EstatÍS-
1710 24.000.000 1713/178'!)-44% 0,50% tica de Lisboa fez edição fac-simile, formando o vol. II dos Subsídios para a História
1789 26.000.000 (74 anos) da Estatística em Portugal, Lisboa, 1948. Os estudos mais recentes são: José Gentil da
Silva - Au Portugal: Jt1'1lclure démographiqueet dévelopmenl économique,separata
INGLA TERRA: de 5tudi in onore do Aminlore Fanfoni, vol. 11, Milão, 1962, e Maria de Lourdes
1700 5.200.008
Akola Neto - ~Demografia&, in Dicionáno de História de Portugal, dir. por)oel Se-
1750 6.500.000 1700/1800-85% 0,61%
9.600.000 (100 anos) rão, vol. I (Lisboa '1%3), pp. 795 segs. Veja-se também: A. Silbert - Le Porlugal
1800
médil"erranéen ii la fin de I'Ancien Régime. Paris, 1966, t. I, pp. 10') segs.]oel Se-
ESTADOS DO PAPA: rão - Fontes da Demografo portuguesa, Lisboa, 197:), pp. 67-90. Há divergências
1701 1.969.000 170111782- 0,24% quanto a essas cifras, dado que'as fontes são muitas vezes imprecisas. Sobretudo em
1736 2.064.000 (81 anos) relação a 1732: um cálculo coevo estimou em 1.743.000 a população portuguesa de
1769 2.204.000 então; e em nossos dias, Helleiner (op. cit.) acolheu esse dado. Entretanto, já Soares
17!l2 2.400.000 de Barros e Balbi haviam·no criticado convincentemente.
FONTES: (30)Vide Tabela e Gráfico «População européia no século XVIII», pp. 125-126.
EUROPA: Gino Luzzatto. (31 )rambém no Brasil a população crescIa significativamente na segunda metade
PORTUGAL: J. Gentil da Silva. do século XVIII; mas é claro que em função da imigração metropolitana e do trãfico
SUÉCIA, ESPANHA, FRANÇA, INGLATERRA, EST. DO PAPA: K. Hdlcinl'r.
, negreiro, além do crescimento vegetativo. Vide: Dauril Alden - "The population of
Brazil in the Eighteenth century: a preliminary surveyp. H.A.H.R., vol. XLIII, nO
2, maio, 1963, pp. 173-206.
(.\2)Cf. Taboas Topograficas e EstlllÍJticas ... (1801). Introdução
(33)reata-se de Manuel Travaços ~a Costa Araújo, oficial-major da Secretaria de

126
127
apenas cumpre observar que o importante no caso não é o progresso momentos (Colbert, Pedro o Grande, Frederico 11) foram efetiva-
em termos absolutos, mas em confronto com o ritmo do mesmo fe- mente criando núcleos que se transformavam em outros tantos polos
nômeno - desenvolvimento econômico - das demais potências à de desenvolvimento industrial autônomo. Em Portugal, tal processo
mesma época. Nem é exata, já se vê, a relação automática do inglês não chega ~ se engajar solidamente, a não ser com muito retraso já
Clarke entre população e agricultura. no fim da Epoca Moderna(38). Ao contrário, como indicam as mais
Ora, nesta perspectiva, ressalta para logo o retraso dos países ibéri- recentes pesquisas nesse campo(39), o que caracteriza a indústria por-
cos em rela5ão às grandes potências econômicas européias da segun- tuguesa ainda no século XVIII de maneira impressionante é a pe-
da fase da Epoca Moderna, isto é, quando se começaram efetivamen- quena unidade artesanal pré-capitalista, de produtor independente
te a criar as pré-condições da Revolução Industrial. A análise defini- que visa o mercado local. Basta comparar os estudos citados de Jorge
tiva desse fenômeno, em termos quantitativos, só poderia ser feita de Macedo com os trabalhos de John U. Nef sobre a Inglaterra e a
através de estudos comparativos de crescimento da renda nacional; França(40) para notar a diferença fundamental: nada há em Portugal
não dispomos de tais trabalhos, e mesmo talvez eles sejam imprati- que se compare ao surto das manufawras organizadas em moldes já'
cáveis para o período em questão(34). Contudo,· por outras vias se capitalistas, característico das grandes potências. Também não se as-
pode constatar a disparidade econômica de Portugal (aliás também siste, o que talvez seja ainda mais importante, ao florescimento da-
da Espanha) na Época Moderna - a começar pelo falO de que o país quelas importantíssimas formas de transição - putting-out system
atinge os meados do século XX com índices econômicos que o en- - que Mantoux analisou magistralmente para a Inglaterra(41). Não
quadram entre os países subdesenvolvidos do nosso tempo(35). Efeti- se formaram, efetivamente, em Portugal, no período intermediário,
vamente, o confronto é de certa maneira feito, ainda que em linhas isto é, precisamente na época mercantilista, os pré-requisitos da in-
mais amplas, nas histórias gerais da economia européia, ao traçarem dustrialização moderna.
a geografia do primeiro surto de industrialização que marginaliza os Constatar a disparidade, no momento, é quanto nos importa; dis-
países ibéricos(36). Os estudos comparativos de Koulischer(37) mos- cutir e tentar explicar o fenômeno extravasaria nosso objetivo, pelo
tram como, q.os países da Europa continental, a política protecionis- menos nesse passo. Cumpre, entretanto, lembrar, porque é de suma
ta posta em prática com maior ou menor ênfase em determinados importância, que ele não passou despercebido aos observadores coe-
vos. Os doutrinadores mercantilistas portugueses do século XVII, e
Estado dos Negócios da Fazenda. Cf. Subsídios para a história da &tatirtiea em Por· entre eles sobretudo Duarte Ribeiro de Macedo(42), com a insistência
tugal, anexo lI, p. :). ~--:-C-:.-

(34lCf. José Gentil da Silva - cCálculs rétrospenifs du Produit •. Separata da Revue (3H)As vicissitudes da política industrialista em Portugal, na Época Moderna,
Suisse d'His/oire, vol. XV, 1965. O autor dá um balanço crítico dos progressos fei- tquauonadas em função das crises e flutuações dos mercados ultramarinos, formam
tos nesse campo de estudos, e mostra as dificuldades talvez insuperáveis para esses o tema de V. Magalhães·Godinho - «POrtugal, as frotas do açúcar e as frotas do ou·
cálculos no período pré· industrial, sejam de ordem empírica (ausência de dados em ro, 1670·1770", Remta de Históna, São Paulo, n. 15,195:), pp. 69-88.
série), sejam de natureza conceitual (impossibilidade de contabilizar a renda de amo (3())Cf. Jorge de Macedo - ProblemaI da História da IndÚJtria Portuguêla no Jéeulo
pios setores de economia de subsistência, cuja produção não entra nas rdações de XVIII. Lisboa, 196:).
mercado). Vide também as considerações de E. Labrousse, in Histuire économlquf (40 lCf. J. U. Nef· .The progress of technology and the growth of large scaJe in·
et soeiole de la France. t. 11, Paris, 1970, pp. 325·29. dumy in Great Britain, 1540·1640. c «Prices and industrial capitalism in France and
{}:>lCf. Yves LacostC . Geografia do subdnenvolvimento. Trad. pOrto S. Paulo, England, 1540·1640., in EssayJ in Economic History, dic. por E.M. Carus·Wilson.
1966, p. 20. Londres, 1958, pp. 88·1:)5. E. Lipson. Economie Hislory ofEngland, 5a ed. Lon·
( 36 lVeja·se, por exemplo, H. Sée . As origens do capitalismo moderno, trad. dres, 1948, r. 11, Introdução. p.UX. H. Sée· Histoire Eeonomique de la France.
porto Rio deJaneiro, 1959, pp. 173 segs., especialmente p. 183. A. Birnie· História Paris, 1948, t. I. pp. 263 segs. Do mesmo).U. Nef. «Comparación dei desarrolo in·
económica de Europa, 1760-1833, trad. esp. México, 1944, pp. 15-16. H. Heaton- duStrial en Francia e Inglaterra desde 1540 hasta 1640., in L1 conquista dei Mundo
«Industrial Revolutiom. in Eneyclopoedio of the Social ScieneeJ. N. York, 1942. Materiol, trad. esp., Buenos Aires, 1969, pp. 153·216.
vol. VIII, pp. 3·13. (llICf. P. Mantoux - The Industrial Revolulion in lhe Eighleenth Cenlury, trad.
(.l7lCf. S. Koulischer - ",La grande induscrie aux XVII et XVIII siêdes: France, Ale· inBL.Londres, 1961, pp:47·91.
magne, Russie •. Ann.Hist.Econ.50e., vol. 1Il, 1931, pp. 11 segs. ~!)Vejam.se os textos fundamentais de Luís Mendes de Vasconcelos (1608), Ma·

128 129
de reformadores ousados,clamaram contra o atraso que a ausência de ve~e,n~e restauru;l~ e rica es~ ,gran Mon~quia»(48) propunha o ce-
manufaturas manifestava. No seu famoso discurso de 167'), celtUaflO mercantilISta de pohuca monetãna; não se esquecendo de
inquietava-se Ribeiro de Macedo de tal modo com o déficit da ba- preconizar a vinda de artífices esuangeiros para fomentar as manufa-
turas(49),
lança comercial, que escrevia: «Mal é este que pede remédio pronto,
porque, se continua, se perderão as Conquistas e o Reino»(43). Ra- De Gomes ~~is a Ribeiro Ade Macedo se forma a escola do pensa-
zões: «não temos drogas, frutos nem fazendas com que comutar esta mento mercantilista porruguês(50): o ponto de partida de suas inda-
pcodigiosaconsump~ão que fazemos no Reino e nas conquistas»(44), is· gações era sempre o retcaso de P0r.tUgal ou mesmo da Ibéria em rela-
to é, não se produzlam manufaturas que dispensassem as importa- ção aos centros mais dinâmicos da economia européia. Na primeira
ções, ou que, exportadas, equilibrassem a balança. Remédio: «o úni- metade do século XVIII, entre outros, Alexandre de Gusmão(51) e o
co meio que há para evitar este dano, e impedir que o dinheiro saia famoso D. Lu1s da Cunha(52) voltaram ao tema, e com grande pene-
do Reino, é introduzir nele as anes»(45). «Introduzir», atente-se, dá a tração; e o mesmo cardeal da Mota no seu parecer de 1734(55)assi-
impressão de que se devia partir do marco zero; o que evidentemen- natava que cSÓ eotre nós parece ser mais do que mero descuido e ne-
te era um exagero, não obstante significativo do estado de espírito gligência, máxima assentada o não haver no Reino fábricas», o
de então. Em tudo isto, aliás, - diagnóstico, terapêutica ~ seguia que ~(a sobremaneira grave, pois, já antes fizera notar que os estados
na esteira de Sancho de Moncada, o grande mercantilista espa- são ncos ou pobres segundo têm ou não manufaturas.
nhol(46). E todavia, se não se pode dizer que essas voze~ tenham clamado
no deseno (até porque algumas delas eram de estadistas nas mais al-
Já desde 1621, o espetáculo do recuo português no Oriente e atra-
tas funções governamentais), o fato é que uma política verdadeira-
so metropolitano levava Duarte Gomes Solis a pôr sua experiência de mente protecionista e ihdustrialista não se articula em caráter persis-
mercador ultramarino a serviço ou à disposição del-Rei: os resultados
tente a~tes de p69-1770, isto é, na cterceira fase» da governação
foram a Memória de 1621, os Discursos de 1622 e a AJegación de
pombalina(54). E que a política de desenvolvimento manufatureiro
1628(47)todos de indigesto estilo e grande interesse para a história
em Ponugal na Época Moderna foi descontínua, elaborando-se antes
do mercantilismo ibérico. Impressionava-o à «pobreza y falta en que
como expediente para enfrentar ou contornar crises dos mercados co-
veo este Reyno por yrse perdiendo la contratación», e para ver «bre-
loniais e destarte reequilibrar a balança comeróal, atenuando-se ou
nuel Severim de Faria (16)5) e Duarte Ribeiro de Macedo (1675), in Antologia dOJ (48lDuan~. Gomes· DisamoJ sobre lo! comercio! de Im dOJ IndiaJ (1622), ed. M.
EconQmúfas Portugueses, seleção, prefácio e notas de Antônio Sérgio Lisboa Arnzalak, Lisboa, 1943, p. 3.
1924. ' , (49l 0p. cit., p. 130.
(
43
lDuane Ribeiro de Macedo - Dúcurso sobre a introdução da.s arteI no Reino (jOlCf. M. Amzalak - Do eJludo e das dmlfTinIIJ económicaJ em Portugal, Lisboa,
(1675). in Ant%gia do! Econommas PortugueJeI. p. 243. 1928, pp. 2) segs. R. Gonnard . La conquéte Portugaise: DecouvreurJ el Économl.J'
(44lDuarte Ribeiro de Macedo - ap. cit., p. 256. te!, Paris, 1947. pp. 83 segs.J.c. Magalhães História do penJamenlo econômico em
(4jlldem. ibidem, p. 270. Portugal, Coimbra, 1967, pp. 153 e segs.
(46 1f;Achei un tratado espanhol intitulado Restauración política de &Panha. com- (HlCf. Alexandre de Gusmão _ Cá/culo Jobre a perda do dinheiro do Reino
posto por Dom Sancho de Moncada, catedrático d~ Escritura em Toledo oferecido (1749). In Jaime Cortesão - Alexandre de Gu!miio e o Tratado de Madri (1750),
no ano de 1619, a Filipe IlI ... » Duarte Ribeiro de Macedo· Obras inédit~s Lisboa parte lI, t. I: ObfllJ váriO! de Alexandre de GUJmiio, Rio deJaneiro, 19)0, pp. 194·
1817, p. 20. Sobre Sancho de Moncada, cf). Larraz - La Época dei Merca~tiIúm~ 199.
en Castilla (1580-1700), 2~ edição, Madrid, 1943, pp. 196 segs. M. Comeiro -Histo- ('i 2lCf. D. Luis da Cunha· lmtTUfões a Marco Antonio de Azevedo Coutinho (c.
nale /a e~onomlapolífú;a en Espana, 2~ ed., Madrid, 1965, v. lI, pp. 623 segs. 1738), (Om introdução de A. Baião. Coimbra, 1930, e Testamento PolítICO (c.
( dReedltados por Moses Amzalak: Discursos sobre los comercias de las do! [n- 1748), (Om prefácio e notas d~ M. Mendes, Lisboa, 1943.
diaJ,_Lsboa, 1943, e a Alegación en follor de la Compania de la India Onental, in (HlCf. Jorge de Mac~do - cO pensamento econômico do Cardeal da Mota. Contri-
AnaIJ do Imt. Supenorde ClenClaS Economicase FinanceirilJ, vol. XX111, 1955, t. l_ buição para o seu estudo•. In Revista da Fautldade de Letras de LiJboa, 3a série,
I" lI. A Memona de 1621 permaneceu inédita e foi publicada por Léon Bourdon m n04, 1960.
Anan do ISCEFvol. XXlll, t. I. Cf.). C. Magalhães _ Hirtória do pemamento eco- HlCf. Jorge d~ Macedo· A Situaf40 econômica no tempo de Pombal: alguns as-
nômico em Portu!Ial. Coimbra, 1')67, pp. 196·197_ pecto!. Pono, 1951, pp. 242 segs.

130 131
mesmo anulando-se uma vez superadas as dificuldades(55). Assim à observou J~9t I\CÚrSlO das Neves, que, como se sabe, participou de
~poca do conde de Ericeira, vedor da fazenda no fun do século XVII, todo esse processo: «As nossas fábricas ainda não tiveram senão duas
assim, ainda uma vez, à época do marquês de Pombal, ou pelo me- épocas, a do ~enhor Rei D, Pedro 11, e a do senhor Rei D.José I; mas
nos até a fase industrialista. Efetivamente, os estudos de Jorge de a pnmeJra fOI de tão curta duração, que o mesmo Soberano, e o mes-
Macedo mostraram, em primeiro lugar, a necessidade de periodizar mo Ministro, que a começaram, a virão acabar; a segunda, como
o consulado pombalino que não deve ser visto como um todo homo- fundada em alicerces mais sólidos, duraria ainda, a não serem as des-
gêneo, o industrialismo caracterizando apenas a sua última fase(56); graças, que tiveram princípio na invasão dos franceses, e pode dizer-
em segundo lugar, que a política de incentivo às manufaturas se ela- se que dura, porque ainda temos muitos restos, para reparar o edifí-
bora como resposta à crise dos mercados coloniais que se acentua de- cio»(60).
pois da Guerra dos Sete Anos; era pois, segundo este modo de ver, De qualquer modo, fosse uma política empiricamente conduzida,
circunstancial-, nem pretendia uma renovação na estrutura industrial ou um esforço planejado de recuperação(61) como nos parece mais
do país(57), no que é mais difícil de acompanhar o historiador portu- correto, o fato é que o fomento industrialista é sobremaneira tardio
guês. De fato, encarada em articulação com outros aspectos do «con- em Portugal na Epoca Moderna. Destarte, a metrópole do Brasil
sulado» (montagem das companhias, extinção da discriminação en- atingia o último quartel do século XVIIl com uma enorme defasa-
tre cristão-novo e cristão-velho, supressão da escravatura, etc.) a polí- gem em relação aos pa1ses na vanguarda do desenvolvimemo econô-
tica manufarureira de Pombal revelou-se, a nosso ver, coerente e sis- mico. Assim é que, ainda nesta última, tumultuosa, e sob tantos as-
temática. Sua permanência e desdobramentos no período posterior pectos brilhante, etapa do Antigo Regime, 9 pensamento econômi-
parecem indicar no mesmo sentido, Encarado deste outro ângulo, is- co ponuguês, apesar de informado já por outras linhas de idéias e
to é, pelos seus efeitos, o surto manufatureiro significava efetiva- bafejado pelo otimismo tão característico da Ilusuação(62), mantém
mente um esforço em prol da «nacionalização da economia luso- muito vivo no centro de suas reflexões o ptoblema herdado dos mer-
brasileira», como mais recentemente demonstrou K. Maxwell(58) cantilistas: o atraso, a decadência. Exemplo típico, o Discurso políti-
que para tanto relaciona a política industrialista com todo o esforço co sobre as causas da pobreza de Portugal, que pelos fins do século
de modernização, isto é, de racionalização administrativa em busca XVIII José Manuel Ribeiro enviava à Academia Real das Ciências, e
da eficiência da ação goverl1amental e consolidação imperial - «pa- que entretanto ficou inédito(63). Ali se afIrma que apesar «das vistas
ra manter sua influência num mundo competitivo»(59l. políticas do governo» o país se mantém no «mesmo errado sistema»:
Mais ainda, o fomento poSto em andamento pelo ministro de D. pois apesar dos «preciosos frutos», dos «excelentes portos.. , «faltam-
José, ao contrário das tentativas anteriores, teve persistência e desdo-
(6(l~. ACÚrslO das Neves· :I1emóna wbre OJ mnOJ de melhora,,, mdt/Jl174 porta
bramentos para além da administração do marquês de Pombal,
gueza, Lisboa. 1820. p, 4~
prosseguindo em atuação até a crise final do Antigo Regime. Bem o li, I 1Há, efellvamente, dlvergénna de pontos de vi~ta enue Jorge de Macedo que
vê no fomento mdustrlal pombalino um e~forço empín(O, não plane1ado quase
(SSly. M3galhães-Godinho _ «Portugal,as frota~ do açúcar e as frotas do ouro, que apen~ um expedIente l'Ircunstanc-ial ' e os historiadores anglo·,axônltOS A
1670-1770». Revuta de Histõna, São Paulo, nJS, 1953, pp. 69·8'). Chnste!owe K MaxweU, que nesse caso nos parecem mais c-onV!nlente<; Ct 1- Fa~­
()6~orge de Macedo - qPonugal e a economia pombalina: temas e hipóteses». Re- con e F. Noval!i' arllgo Citado MaiS recentemente, Sandro Slden -(.ométttl e p",
visl4 de Histõri4, São Paulo, n. 19, 19'i4. pp. 84·8'). der, Colomalumo mformai nm relaçóeJ 4nglo-PQrtugueJ{Ij. Ira.:! purt Llsooa,
071Cf. Jorge de Macedo· A 5ituação eçonomlCIl no tempo de Pombal, pp. 210 1')78
segs. (62l Cf P_ Hazard <1_ la lurnlcre de leur ralson dlssiperan les grande!> masse!i
(S81Cf. Kenneth Maxwell _ «Pombal and the nationalization of the luso-brazilian d'ombre dont la terre étlut couverte. d~ rctrouveralent k plan de la nature et n'au-
economy», H,A.H.R., vol. XLVII1, n. 4, novo 1968. [aient qu 'a Ie suivre pout retrouvet le bonhem perdu Alors le Cle! descendralt sur
(s<!lK_ Maxwell . OI'. cito p. 609. Francisco C. Fakon e Fernando A. Novais - «A la terre~. La pcméc curopéene 4U XVIII flec/e Paris, 196), p 8
extinção da escravatura africana em Portugal no quadro da política eçanômica pom- 163 lAcadcmia das CiênCias de usboa, Ms 186, série V O cdlSCurso» não está dara·
balina». Separata dos Anais do VI Simpósio Nacional dos Professores Univep;itários do, mas refere, a certa altura, que cPorlUgal he Remo soberano na Europa h3 ~f''' -"
de História, São Paul", 1973, V. I, pp. 406-431. culos e meio:>. o que permite situá-lo nos fins do século XVIII

132 133
nos as Anes, e a Agricultura, em que as nações bem entendidas da
Europa tem estabelecido o seu sistema, como também nos faltam as ~ostra a ne~essidad~ de a estudarmos, porque a substância da "Na-
estradas, pontes e vaus, para o mesmo comércio interior ser mais fá- çao, e sua nqueza V1ffiOS por largo tempo passar aos estranhos e
cil aos nacionaisl'. ~roc.? d.e gêneros. que ou de si cre~c~am em nossas terras, ou pou~
Não menos explícito, Francisco Antônio Ribeiro de Paiva, na sua Indusrna se preruava para naturallza-los»(65). E foi, segundo Sérgio
memória acadêmica da mesma época(64l, caracteriza com notável ~uarque de Holan.da, para conhecer «de que modo chegar à opulên-
precisão o caráter do comércio externo português: «Nós lhes estamos Cia e..: no c~ p~rt1cular de Portugal, de que modo reconquistar a si-
vendendo algumas matérias primeiras, de que temos abundância, tuaçao E"nvileglada, que os. erros dos antigos tinham posto a
por exemplo as lãs, e depois de trabalhadas pelo fabricante estran- pe~der,( ) que Azeredo Couttnho escreveu o famoso Ensa-io Econô-
geiro, lhe compramos os panos, e as baetasl'; e o transporte feito na mIco de 1794.
maior parte em navios estrangeiros: «Se as mercadorias, que nos vem Em. meio a. tais vicissitu~es, .Portugal chegava, ponanto, à época
de fora, se trouxessem em navios mercantes da nossa Nação, e os gê- da CCise do sIstema colomal, 15tO é, ao último quartel do século
neros se trabalhassem nas nossas fábricas e pelas mãos'dos naturais, XVIII,. com uma larga margem de atraso econômico em relação às
ficaria o lucro da indústria aos nossos obreiros, e não sairiam tantas potên.Clas m~ de~nvolvidas do Ocidente europeu. Tal constatação
somas fora do pá1S». Como isso não era feito na escala necessária, re- perm~t:-nos vlsu~hzar, agora, com alguma clareza, sua posição e pois
sultava «a necessidade perpétua de pagar um tributo oneroso a todas a pOSlçaO?O ~rasd, no 9uadro das tensões de toda ordem geradas pe-
as nações industriosas». Não ignorava o memorialista os progressos la eme!genCla paulatIna mas segura do capitalismo industrial:
feitos nos últimos tempos, nem desconhecia Ser superavitária à época competição pol1tica e concorrência comercial exacerbadas, pressio.
a balança comercial; considerava porém insuficientes esses avanços: nando ~bre o exclusivo colonial; crise geral de mentalidade, que na
«Esta mesma falta de indústria. é a causa da decadência do nosso co- sua ~~tlca não deixava escapar o próprio sistema de colonização met-
mércio, cuja balança em geral nos não é tão vantajosa comQ podia cantlhsta; afloramento, nas colônias, de inquietações _ contágio
ser». -Exemplos a seguir são a Inglaterra, que é, «sem contradição, na talve~ daquele ~exemplo tão pernicioso», que devia «interessar até os
nossa Europa, a que tem feito maiores progressos na agricultura», e PtínClpes mais indrterentes»(67).
que é «nos nossos tempos cinco vezes mais rica do que no princípio _Pequena metrópole de extensos domínios ultramarinos, Ponugal
do século passado», e a Holanda que «nos prova ainda que só a in- nao :u:ompanhara, na época da acumulação originária, o ritmo de
dústria e a opulência de uma nação a pode fazer respeitável, e· não a cre.sc1ffiento econômico das grandes potências colonizadoras. euro_
vasta extensão das suas províncias». pélas.~ Enorme colônia dessa peculiar mãe-pátria, o Brasil ainda
Esses excenos dão-nos uma amostra do calibre dos teóricos do mantem, nas suas estruturas básicas, no arcabouço de sua economia
pensar ilustrado em Portugal ao mesmo tempo em que atestam a exponad?ra e nas feições de sua sociedade escravista, os traços fun-
persistência do tema da decadência e do atraso nas suas investigações. d~~nta.!s de vasta zona periférica de exploração das economias di-
Aliás, no próprio discurso de abertura das famosas Memórias Econô- namlcas do Velho Mundo. Essas as posições inter-dependentes, esse
micas, por entre as manifestações de crença irrestrita no poder da Ra- o COntexto, em que um e outro alcançam a encruzilhada decisiva da
zão e das Luzes promoverem a prosperidade nacional, o abade Cor- época de crise, quando os mecanismos de estrutura profunda ama-
reia da Serra lembrava que «a triste experiência do passado assaz nos durecem para transformações essenciais, agudizando suas contradi.

(64)Cf. FranCISco AntôniO Ribeiro de Paiva - Memóna IObre a neceSSIdade de fo- (65)C!. D.iscUTIO Preliminar, vai. r das Memórias Econômicas da Academia Real
das SctenCUJI de lisboa" Lisboa, 1789 p VIII
mentar a agncultura, e as Artes, cauzas da sua decadencia, e OI meios de as fazer (66) ~ . . . ,
florear em Portugal. A.C.L Ms. 143, série V. Embora o texto não esteja datado, SergIO Buarque de Holanda - Introdução a Obras Econômicas de J. J. da Cu-
nha de Azeredo Coutinho S. Paulo 1966 p 32
refere-se à "RÚSSia, com quem nossa Augusta Soberana acaba há pouco de concluir (67)' . . ' " • .
um tratado de comércio». O «tratado de amizade. navegação e comércio~ entre Ma- _ Edital ~r~lbmdo a entrada nos portos do Reino e seus Domínios às embarca_
na I de Portugal e Catarina 11 da RÚSSia é de 1787 e foi renovado em 1798. çoes da:' Co~omas Inglêsas - 5-julho-1776. Cf. Antônio Delgado da Silva _ CoUecfão
da Legulaçl10 PortugueZll, vai. 1775-1790, Lisboa, 1828, p. 99.
Jj4
135
~ões e trazendo à tona tensões em todos os níveis. E a partir desse Gomes Machado(70), é que se deve entender a transferência da capi-
quadro que poderemos delinear os problemas propostoS, seu equa- tal do Estado do Brasil para o Rio de Janeiro e a da sede do governo
cionamento, as soluç6es tentadas, enfim o encaminhamento do pro- do Estado do Maranhão para Belém do Pará: tratava-se de uma «ubi-
cesso. cação racional da sede do poder». Com vistas a uma presença mais
ativa do poder do estado, definiam-se dois eixos, um «horizontal e
acompanhando o grande rio, no Estado do Maranhão»; outro «oblí-
2) Defesa do Patnmônio qüo e seguindo a costa marítima, no Estado do Brasil» .. Ao mesmo
tempo que 3e intensificavam as campanhas em defesa do extremo
Dentro dessas coordenadas, o primeiro problema que natural- Sul(71), no Norte, através da ação da Companhia Geral do Grão-
mente se apresentava era o que podemos denominar defesa cfo patri- Pará. e Maranhão(72), empreendeu-se a instalação de toda uma ousa-
mônio (pois que como «patrimônio» eram vistos os domÍOlos colo- da linha de fortificaçôes.
niais), isto é, a simples preservação das colônias. De expa.t?-são.não s.e A intensificação da competição colonial, que como vimos se ins-
podia evidentemente cogitar, a não ser em casos exce~clona.ts (ex~­ creve nas próprias linhas de funcionamento do sistema global da co-
gências de estratégia militar), que o Portugal metropohtano não u- lonização européia da era mercantilista, tendia naturalmente a am-
nha com que conservar tão extensos domínios, ou, como às vezes pliar as dificuldades; na época da crise, no último quartel d~ ~écul9
eram chamados, «conquistas»(68). XVIII e início do XIX, a questão se agrava 'de forma defImuva. E
A defesa do patrimônio, isto é, a preservação das colônias, é, evi- pois sob a forma de um agravamento de tensões que, sob esse ângu-
dentemente, na ordem lógica, a primeira tarefa que enfrenta sem- lo, manifesta-se a crise colonial no plano da colonização portuguesa
pre uma metrópole colonizadora. O que, no caso portu~ês,. e em do Brasil. Isto transparece na persistente preocupação militar que
especial em telação ao Brasil, tornava essa manutenção termonal um acompanha as instruçôes de vice-reis e governadores. Aliás, já no Re-
problema, era, de um lado, a defasagem que acima assinalamos no gimento do Governo Geral, que data, como se sabe, de 1677(73),
ritmo de desenvolvimento econômico da metrópole em relação às depois 'das formalidades da posse do cargo, ordenava-se perempto-
principais potências européias; de outro lado, a desproporção entre a riamente: «logo que lhe for entregue o Governo irá pessoalmente ver
imensidão dos domínios e a pequenez da metrópole. Assim, duran- as Fortalezas da Cidade, armazens, e Tercenas, ordenando que se fa-
te o consulado pombalino, que é quando se estrutura de forma mais ça inventário pelo Escrivão da minha Fazenda de todas as coisas que
sistemática a política mercantilista lusitana(69), ao mesmo tempo a ela pertencem, Navios, Artilharia que houver, o calibre dela, para
que todo um esquema de ação política de índole ilustrada, se poder enviar deste Reino a bateria necessária conforme ao dito ca-
lançaram-se as grandes linhas da definição territorial e preserva.ção libre, e plantas das ditas Fortalezas, de tudo o dito Governador me
das fronteiras. Neste sentido, como muito bem observou Lounval enviará cópia remetida ao meu conselho Ultramarino, para me ser
(68 l... As exigêncJas da expansão marítima excediam, porém, as nossas possibilida- presente tudo o que há naquela Praça; e o mesmo mandará fa~er em
des neSta matéria», lembra A. Gonçalves Pereira, referindo_se ao fim do século XVI, todas as do seu Governo, com a distinção, e clareza necessána»(74).
e a 5Ítuação não se alterara, antes se agravara, ao longo da Época Moderna (Cf. «As
conseqüênCias econômicas dos descobrimentos e das conquistas», in HiJtória da Ex- (70)<=f. Lounval Gomes Machado _ «Política e administração sob os últimos Vice-
pansão Portuguésa no Mundo, Co III (1940), p. 71). «Assim, pelos meados do século Reisn, in História Geral da ClV1lizaçiio BrasileIra, dir. por SérgIO Buarque de Holan-
XVIII, o Brasil tinha atingido o máximo de sua expansão territorial, apresentando, da, t. I, 2° vol. (São Paulo. 1960), pp. 356·358.
até certo ponto, a sua linha de fronteiras, consolidada mais tarde pela diplomacia». (71)Cf.). Caplsuano de Abreu - Capítulos de História Colonial, 4' ed., Rio deJa·
Demósthenes de Oliveira Dias - Formação temtorioJ do Brasil, Rio de Janeiro, 1956, neiro. 1954, pp. 295 segs.
0·33. . . (72)Cf. M. Nunes Dias - A CompanhUl Gerai do Grão Pará e Maranhão, São Pau-
(ú'I)Cf. Francisco C. Falcon e Fernando A. NovaIS - «A extinção da escravatura afri- lo, 1971, pp. 439 segs. À págg. 463, mapa das fortificações.
cana em Portugal no quadro da polític~ econômica pombalina». Comunicação ao VI (73)Cf. Regimento dos Governadores GeriJls do Estado do BriJJII (1677), in Docu-
Simpósio Nacional dos Professôres Universitários de História, 1971. Anaa, S. P., mentos Históncos, vol. VI (1928) e VII (1929).
1973, vol. I, pp. 406-431. (74)Regimento ... D.H., vol. VI, p. 315.

136 137
Este longo e minuclOso regimento permaneceu em vigor pratica- das InsIT1lfõef..81) que Luís de Vasconcelos e Souza, seu sucessor, tra-
mente até o fim da época colonial; só em 1796 uma provisão do zia de lisboa; ali se estabelecia enfaticamente a necessidade de se
Conselho Ultramarino solicitava ao vice-rei observações atualizado- atentar para a «conservação das tropas na América, panicularmente
ras, medida a nosso ver significava do agravamento das tensões, na no Rio de Janeiro», pois que .t: demonstrativamente ceno que, sem
quadra da crise do sistema colonial. A recomendação foi reforçada Brasil, Portugal é uma insignificante potência; e que o Brasil sem
em 1804, e conhecemos, em cumprimento dessas ordens, as anOla- forças, é um preciosíssimo tesouro abandonado a quem o quiser ocu-
ções de D. Fernando José de Portugal e Castro, marquês de par»(82). Mais adiante, insistiam ainda neste ponto as instruções me-
Aguiar(75). Dos 60 capítulos do diploma, nada menos que 16 tratam tropolitanas de 1779, assinadas por Maninho de Melo e Castro, se-
de assuntOS atinentes à defesa(76). Isto mostra aliás o caráter funda- cretário da Marinha e Ultramar: o que tornava essencial essa diretriz
mentalmente militar do cargo de governador ou vice-rei, apontado é «que o pequeno continente de Ponugal, tendo braços muito ex-
.pclos estudiosos que mais em profundidade analisaram a adminis- tensos, muito distantes, e muito separados uns dos outros, quais são
tração da colônia(77). os seus domínios ultramarinos nas quatro panes do mundo, não po-
Anotando o antigo Regimento, e no mesmo espírito, acrescentava de ter meios, nem forças, com que se defenda a si próprio, e com
em 1805 o vice-rei marquês de Aguiar que, de fato, «o Governador que acuda ao mesmo tempo com grande socorro à preservação, e se-
logo que tomar posse do Governo deve visitar pessoalmente as Forta- gurança dos mesmos domínios». O aproveitamento dos colonos na
lezas da cidade, armazens e rercenas pertencentes a Sua Alteza, por defesa do patrimônio metropolitano parecia aliás ao ministro portu-
ser o objeto mais importante a defesa da Capitania,)78); lembrando guês algo de inerente ao próprio sistema de exploração colonial: «ne-
apenas, para se alterar no novo regimento que por aí se vê que se nhuma potência, por mais formidável que seja, pode, nem intentou
projetava, alterações de caráter burocrático. A defesa do patrimônio até o presente, defender as suas colônias com as únicas forças do país
ia pois assumindo importância crescente. dominante ou do seu próprio continente». Tanto era assim que «o
Assim, no Relatório (1779) do Marquês de Lavradio, documento mais, que até agora se tem descoberto, e praticado para ocorrer a esta
sob tantas aspectos notável(79) dirigido ao seu sucessor no vice- impossibilidade, foi de fazer servir as mesmas colônias phla a !Jrú--
reinado, logo após a indicação dos limites da Capitania, passa-se pria e natural defesa delas». Com o que se concluia que «nesta certe-
imediatamente a descrever a situação das tropas e as condições de de- za, as principais forças, que hão de defender o Brasil ,são as:ao mes-
fesa(80): «o estado militar com que se devia defender esta capital, e mo Brasil». lembrava, fmalmente, que «com elas foram os hplande--
igualmente socorrer outras províncias dependentes deste Govêrno». ses lançados fora de Pernambuco, com elas se defendeu a :Bahia dos
Descrita a situação com que se deparara, passa Lavradio a dissertar mesmos holandeses; com elas foram os franceses obrigados a 's~r pre-
longamente sobre qual o «sistema» que adotou para «por na possível cipitadamente do Rio de Janeiro, e com elas enfun, em tempàs mais
defesa esta capital», e depois minuciosamente a Capitania e as fron- felizes que os nossos, destruiram os paulistas as missões do Uruguai e
teiras do Sul. Tais indicações do grande vice-rei iam aliás na linha Paraguai,(83).
Se atentarmos para estas normas fIXadas nas instru~ do vice-rei
(7~)Idem, p. 312.
Luís de Vasconcelos, tornam-se visíveis as várias dimenSõts" da defesa
(76)São os capítulos 3°, llo, 12°, 13°, 14°, 15°, 16°, Ir, 18°, 19°,22°,23°.
31°,40°,41° e HO. do patrimônio na última fase do Antigo Sistema colonial, tal como
{771cr Caio Prado)I. - Fomulfão do BrllSiI Contemporâneo, 4' ed. (São Paulo, se manifestavam na relação Portugal-Brasil, e que indicamos na pri-
19')3), p. 304. Dauril Alden - Royal Government in Colonial Brazil. Berkeley, meira parte deste capitulo. Em primeiro lugar, o problema da defesa
1968, passim, especialmente pp. 43 segs.
PB)cr as observações de D. Fernando José de Portugal ao Regimento de Roque da
Costa Barrem. D.R., vol. VI, p. 315. (81)Cf. Instruções de Martinho de Mello e Castro a Luís de Vasconcellos e Sousa
(79)Cf. Caio Prado)I. _ Op. cit., p. 323. Oauril Alden . Op. út. pp. 474 segs. acerca do Govêrno do Brasil (1779), R./.H.G.B., t. XXV, 1862, pp. 479-483.
(H01Cf. Relatório do Marquês do Lavradio (1779). R.l.H. G.B., t. IV (2' ed., (82)ldem, p. 480.
1863), p. 415-4l7. (83)Instruções ... p. 481.

138 139
era inerente ao próprio sistema colonial do mercantilismo, essencial- de, e todos os que as governam são vassalos seus», salientava-se que
mente competitivo; o que uansparece na referência à ação das outras «entre as muitas, e muito úteis disposições que el-rei nosso senhor
metrópoles. Num segundo plano, a relação Portugal-Brasil era espe- tem mandado estabelecer nos seus domínios ultramarinos, uma das
cífica, agravando as dificuldades: à pequenez da mãe-pátria se con- mais importantes é a que tem por objeto a defensa, conservação e se-
trapunha a extensão da colônia, o que estimulava a ação c~nc?rr~nte gurança de todos, e cada um deles». Em 1788, às vésperas da Incon-
das potências. E note-se a ênfase com que este aspect~ é dlscnmma-. fidência, instruindo o visconde de Barbacena para o governo da mes-
do nas diretrizes metropolitanas; não apenas se assmala a defasa- ma capitania central, mais explícito se tornava o governo metropoli-
gem, mas se define uma efetiva inter-dependência. Finalme~.1te,. a tano: «Acha-se a dita capitania no centro daqueles domínios; e con-
época era peculiar, pois se faz referência a períodos menos d1fíceIs. finando ao mesmo tempo com as capitanias de Pernambuco, Bahia,
Tanto assim que, como vimos, se promovia um pouco mais adiante a Rio de Janeiro e São Paulo, podem estas receber dela, particular-
reformulação do próprio regimento do governo colonial. O que indi- mente a do Rio de Janeiro, os socorros e assistências que lhes são in-
ca que se ia tomando consciência dos problemas emergentes com a dispensavelmente necessários nos diversos acidentes a que se acham
crise geral do sistema. expostas todas as colônias que tem portos de mar; principalmente
De Luís de Vasconcelos ao Marquês de Aguiar, portanto, a preo- em tempo de guerra»(87).
cupação com a segurança do patrimônio permanece pomo básico da Mas não eram apenas os perigos exteriores, a ameça das outras po-
política ultramarina; nas instruções a este último(84), aliás, insistia-se tências que importava precaver., Assim, já numa consulta do Conse-
no «estabelecimento de um bom, e bem discutido sistema para a de- lho Ultramarino, de 1732, depois de se chamar a atenção para a co-
fesa externa» e a «criação de Junta militar para formar, e discernir os biça que a América portuguesa suscitava nas outras nações pelas suas
Planos para a defesa da mesma capitania, e para a ereção e conserva- riquezas, acrest:entava-se que «a dois gêneros de perigos estão sujei-
ção das Fortalezas». A correspondência oficial dos vice-reis reflete, tos todos os estados, uns externos, outros internos: os externos são os
como era de esperar, essas mesmas preocupações; boa pane dela é da força e violência que poderão fazer as outras nações; os internos
ocupada' com assuntos atinentes à organização militar, para a defesa são os que poderão causar os naturais do país, e os mesmos vassalos».
do patrimônio(85). Aduzindo-se enfim que o pior era «quando a força externa se une
E não somente às capitanias litorâneas, ou às que confinavam com com a vontade, e força interna dos mesmos vassalos e naturais»(88).
os domh1ios das Índias de Castela, impunham-se essas determina- Este documento, de uma transparência notável, nos conduz por-
ções; de tal maneira a defesa do patrimônio emergia como um pro- tanto ao outro aspecto do mesmo problema da defesa do patn'mô-
blema fundamental da colonização na fase de crise do sistema, que nio, por assim dizer à sua face interna; qual seja, a emergência de
as próprias capitanias centrais se deviam enquadrar no esquema de- tendências inconformistas ou mesmo autonomistas, de qualquer
fensivo. Assim, já em 1775, nas instruções de Maninho de Melo e forma revolucionárias, que começavam a forcejar dentro da própria
-Castro a D. Antonio de Noronha, governador das Minas Gerais(86), colônia. (89) Ê aqui que a crise se manifestava de forma decisiva e
lembrando-se que «todas as colônias portuguesas são de Sua Majesta- (SilCf. InJtruçao para o Visconde de Barhacena LuÍJ Antônio Furtado de Mendon-
ça, governador e capitão general da capitania de MinaJ Gerais (29 de janeiro de
1788). R.I.H.G.B., tomo VI (2~ ed. 1865), p. 3 Cf. também Anuáno do Museu da
i84lCf. InJtruçõei para D. Fernando Jose de Portugal, nomeado Vice Rei e Capitão
Inconfidência, ano lI, 1953, pp. 115 segs. No mesmo sentido a InJtruçiio militar pa-
Geral de Mar e Terra do Estado do Brasil (1800). A.H.V., (ôd. 575, ff. 94-111, es-
ra Martm Lopes Loho de Saldanha, de 14 de janeiro de 1775 (R.I.H.G.B., t IV,2"
pecialmente ff. 98-99. ed. 1863, pp. 350-362) ordenava que se organizassem forças na Capitania de São
(S~)Cf. Ofícios dOJ Vice-Reli do 8rau/. Indice da Correspondência dirigida à Corte
Paulo, para auxiliar na defesa da fronteira meridional.
de Portugal de 1763 a 1808, vaI. 2° das PuhlicaçõeJ do Arquivo NacIOnal do Rio de .(RS)Cr. Consulta do Conselho Ultramarino a S.M., no ano de 1732, feita pelo
Janeiro,;P ed., Rio de Janeiro, 1971, pp. 75 segs. Conselheiro Antônio Rodrigues da Costa. R.I.H.G.E., t. VII (2" ed., 1866), p.
(86)Cf. InJtruçiio a D. Antômo de Noronha, governador e capitão general de Mi·
498.
naJ Geraú, 24 de janeiro de 1775. Biblioteca Nacional de Lisboa, Col. Pombalina, {8?)A organização da força armada, na colônia, tinha que se adaptar à nova situa-
Cód 643, r. 125. ção. Cf. Heloisa R. Fernandes - Política e Segurança, São Paulo, 1974, pp. 35-57.

140 147
Brasil a procurá-las; e ainda que por uma lei se quiz dar providência a
profunda, pois atingia o próprio núcleo do sistema colonial mercan- esta deserção, por mil modos se vê frustrado o effeuo d'ella, e
tilista. Embora repontassem esporadicamente já em fases anteriores, passam para aquelle listado muitas pessoas, assim do reino como das
como a própria consulta citada está a indicar, é no último quartel do ilhas, fazendo esta passagem, ou ocrultamente negociando este tran-
século XVIII que as tendências emancipancionistas se manifestam de sito com os mandantes dos navios e seus officiais, assim nos de guer-
forma recorrente e significativa. ra, como nos mercantes, além das fraudes que se fazem à lei, pro-
Também aqui, nos aspectos internos da defesa do patrimônio, é curando passaportes com pretextos e carregaçães falsas e por este
possível discernir os vários níveis que o problema comportava. Não modo se despovoará o reino, e em poucos annos virá a ter o Brasil
era possível explorar a colônia sem, de certo modo. desenvolvê-la; tantos vassallos brancos como tem o mesmo reino; e bem se deixa ver
ainda que esse'ldesenvolvimento»se fizesse nas linhas de uma econo- que posto em uma balança o Brasil, e na outra o reino, há de pesar
mia dependente, não podia deixar de envolver um aumento neces- com grande excesso mais aquella que esta;e asim, a maior pane e a
sário de população na colônia, e uma complexidade crescente da so- mais rica não soffrerá ser dominada pela menor, mais pobre; nem a
ciedade colonial - o que começava a abrir a possibilidade de a pouco este inconveniente se lhe poderá achar fácil remedio»{93). O texto é
e pouco se manifestar oposição de interesses entre os colonos e a me- de clareza tão meridiana que dispensa comentários: de um lado, a.
trópole. Neste sentido, o perigo secessionista é inerente ao processo metrópole pequena e pobre; de outro, a colônia, grande e cheia de·
de colonização, e com ele se defrontaram todas as metrópoles. Mas, riquezas: se a balança demográfica pendesse para o domínio ultra-'
num segundo plano, e dadas as peculiaridades de relação colônia- marino, romper-se-ia o equilíbrio, e desorganizar-se-ia o sistema.
metrópole, no caso Brasil-Portugal, o simples crescimento demográ- Do inicio para o fim do século XVIII, entretanto, acentuam-se e
fico da colônia já se apresentava como algo ameaçador: quando a des- se aprofundam as contradições, agora induzidas por mecanismos es-
coberta dos metais nobres e o início da mineração provocaram truturais que acabam por configurar a crise: os colonos começam a
um forte movimento populacional para as Minas Gerais, (Ornar consciência das oposições de interesse, a assimilar idéias revo-
atemorizam-se os dirigentes metropolitanos. Já em 1711 Antonil no- lucionárias que conduzem a atitudes não só de «inovação» mas até
tava que «a sede insaciável do ouro estimulou a tantos a deixarem abertamente de contestação (94). Era aquele «enlace tão natural»,
suas terras, e a meterem-se por caminhos tão ásperos, como são os aquele «feliz nexo», em que acreditava D. Rodrigo de Sousa Couti-
das Minas, que dificultosamente se poderá dar conta do número de nho (9'», que se ia inapelavelmente rompendo. Então, esta face in-
pessoas que atualmente lá estão» (90), avaliando-as não obstante em terna da defesa do patrimônio se apresentava na sua terceira dimen-
cerca de trinta mil almas. Mas a tendência era para crescer o movi- são, característica da fase crítica do final do Antigo Regime.
mento migratório: .cada ano vem nas frotas quantidade de portu-
gueses e estrangeiros, para passarem às minas» (9 1). Assim sendo, de Efetivamente, os mecanismos de fundo, através dos quais funcio-
uma política de incentivo ao povoamento, passou o governo portu- nava o· Antigo Sistema colonial, desencadearam pelo seu próprio de-
guês rapidamente para uma politica de restrições ao deslocamento senvolvimento, a crise do colonialismo mercantilista: como analisa~
de populações para a colônia(92). E na consulta de 1732, já acima ci- mos no capitulo anterior, ao funcionar plenamente, o sistema de co-
tada, explicitam-se claramente os motivos: «Estas mesmas riquezas,
(~3lCf. Consulta do Conselho Uluamarino ... 1732. R.I.H.C.E. t. VII, p. 506.
que naturalmente fazem aqueles homens soberbos, inquietos, mal Raynal: Portugal ... _abarcou uma extensão de terras que nenhuma nação da Euro-
sofridos e desobedientes, e este damno é inevitável. A fama d'estas pa poderia conservar sem se enfraqueceu. HiItoire .. .deI Deux Indie!, ed. 1780, I,
mesmas tiquezas convida os vassallos do reino a se passarem para o p. 147.
(94)Cf. Carlos Guilherme Mota - Atitude! de Inovação no Brasil, 1789-1801, Lis.-
(90)Cf. Cultura e Opulência do Brasil por IuaI Drogas e MinaI (1711), III parte, boa, 1970.
capo V, Ed. A. Marnuy, p. 366. (9S lCf. D. Rodrigo de Sousa Cominho - Memóna Iobre o melhoramento ... in Bra-
(91)Ibirkm. JÍlia, vol. IV, p. 406.
(92)a. Mafalda Zemella _ O abastecimento da Capitania daI Minas GeraiI no Iê-
cu/o XV/lI. São Paulo, 1951, pp. H-48.
143
142
Ionização da época mercantilista promove a acumulação originária rizada por. Paul Hazard(97) s~ difund~m, ao longo de Setecentos,
que, aliada a outras linhas de acutl]ulação, desencadeiam a passa- em duas l~nhas: uma reformista, maIS acadêmica, clara, e direta
gem para o capitalismo industrial. E este o processo básico de mu- (~on~e~quteu, Voltaire, etc.), outra propriamente revolucionária,
dança que passa a imprimir, uma vez engajado, ainda que apenas hbertana (Rousseau, Mably) (98). As linhas de divisão é evidente
em uma das metrópoles, tensões de toda ordem no conjunto do An- nem sempre são nítidas, e as duas .correntes às vezes c~nvergem n~
tigo Regime. O Antigo Sistema colonial, na realidade, como já indi- mesmo autor, se não na mesma obra (99). Igualmente, neste último
camos, era pane de um todo, que se explica nas suas correlações com período do Antigo Regime, desenrolam-se simultaneamente as Re-
esse todo: o Antigo Regime (absolutismo, sociedade estamental, ca- formas Ilustradas (o chamado «despotismo esclarecido:t) e o movi-
pitalismo comercial). Os mecanismos de base atuam no conjunto,.e men~o revolucionário (a constelação das revoluções liberais). E na
uma vez rompido o primeiro elo - a independênCia das colônias in- medIda em que o pr<:,cesso revolucionário ganha força e se aprofun-
glesas da América Setentrional - todo o arcabouço do Antigo Regi- da, sobretu~o a partI! da Revolução Francesa, vai se configurando
me entra em crise. É neste sentido que os movimentos sediciosos ou uma outra hoha de pensamento político, este já não ilustrado, - o
mesmo de emancipação das colônias participam do mesmo quadro pensamento contra-revolucionário (100).
das revoluções «atlânticas», cora0 formulou Godechot (%). Por isso, Ora, .no quadro da vida espiritual da Ilustração européia, co-
e do ângulo que estamos examinando o problema, a defesa do patri- mo multo bem indicou recentemente Y. Beoot(101), o anti-co-
mônio colonial significava, também, a sustentação do Absolutismo lania/isma configurou uma das dimensões mais acentuadamente
na metrópole. revolucionárias. Em meio às difíceis «condições históricas da batalha
das luzes» (102), isto é, frente à r.epressão do Antigo Regime, vai
pouco a i?ouco se elaborando a críuca contundente do Antigo Siste-
A tomada de consciência desse processo estrutural manifesta-se
ma colomal montado p.ela política mercantilista. A elaboração é len-
concomitantemente na filosofia crítica da Ilustração, que,na medida
ta e pe.nosa, da~as as d.ifi~uldades de expressão do pensamento críti~
em que se formula e se desenvolve, passa a se constituir em pane in- co; asSim, o anu-colomaltsmo se expressa muitas vezes de forma am-
tegrante e atuante do próprio processo de mudança. N; «luzes» da
razão e da crítica, a panir da «cri~e de consciência», tão bem caracte-
(97lCf. Paul Hazard -Lo Cme de la Conscienc6 EuroPéennc, Paris, 193~.
(9~Para um~ visão gera! da Ilustração européia, Cr.· F. Valjavec -Huforia"de la IJUJ-
(%)Cf.J. GOdechot -Les Révo/utions. Paris, 1963. L 'EuropeetI'Amén"queJl'épo- muron c~, DCCldcn,IC, trad. esp. Madrid, 1%4. J.M. Goulemot e M. LIunay _Le 5ilde
que napoléonienne, Paris, 1967. A partir do enfoque esboçado no texto, parecem- des Lumreres, ParIS, ~ 1968. L. Getshoy - From f?espotism.to Revolution (1763-1789),
nos mal equacionadas as discussões em torno do caráter, revolucionário ou não, da ?
N. Y?rk. 1944. L. ~chez Agem - Pensamtenlo PoI'tltco de/ Despotismo I/ustrado
independência dos Estados Unidos(a.J. Godechot - Les Révo/utions, pp. 98 segs.). Madnd, 1953. E. Areila Farias -FJ Stgio Ilustrado cn América, Caracas. i9~~.
O debate se tem voltado para indagações a respeito do caráter mais ou menos «social. ('J9)Sobre reformismo e ruptura revolucionária no pensamento das Luzes, d. E.
do movimento, sobre a ocorrência de transferência de propriedade, etc., ou se a ma- Hobsbawm - The Age otRevo/ution, Londres, 1964, pp. 234-252. Roland Desné Os
nutenção do escravl5mo nào anula o caráter revolucionário da emancipação. Estas matcritJis.t~s ft:mceses de 1750 a 1800, trad. pon., Lisboa, 1969, pp. 9- ~7. R. Kosel-
questões nào são evidentemente irrelevantes, pelo contrário, são decisivas para se leck - Cnttca tlluminisla e cmi de/a sOCtelJ borghese, trad. ital. Bolonha, 1972, pp.
compreender o desenvolvimento norte-americano depois da independência. Encara- 171 segs., Alben Soboul - .Classes populaires et rousseaunisme» e «]ean-Jacques
do porém o Antigo Regime como um todo interdependente, e o sistema colonial co- Rousseau et le jacobinisme,., in Paysans, Sans-culottes el jacobins, Paris, 1966, pp.
mo parte inserida e interdependente desse todo - o caráter revolucionário do movi- 203-222, 256-279. Soboul acentua as metamofoses das teorias, ao impacto da luta
memo de independência se manifesta porque, ao envolver a ruptura de uma peça do pol1tica.
sistema mais amplo, compromete o conjunto. Em suma: a independência dos (100)Cf. J. Godechot - Lo Contre-Répo/ution, doctn'ne el action (1789-1804), Paris,
EE.UU. foi revolucionária na medida mesma em que significou a primeira ruptura 1961.
nos quadros estruturais do Antigo Regime. Cf. também W. Nelson - «Ihe revolutio- . (101)Cf. Yves Benot - Diderot, de I'alhéismeàl'anticolonialisme, Paris, 1970, pas-
nary character of American revolution_, Am.Hisl.Rev., vol. LXX, 1965, pp. 998- sim.
1015.·The Amen"can Revo/ution: two çentunes ofinterpretation, olg. E. Morgan,
(102Jcf. Y. Benot - Dp. cit., pp. 51-66. É um dos mais sugestivos trechos do livro,
N. York, 1965.
este em que o au.tor estuda as condições político-sociais por onde se exprimia o pen-
samento revolUCIonário, definindo o caráter militante da filosofia iluminista.
144
14)
bígua e contraditória. Na Encyclopédie (103), por exemplo, o verbete
sobre «colônias. é ainda tipicamente mercantilista: «tendo se estabe- entre reforma e revolução (109).
lecido para a utilidade da metrópole, segue-se que, 10 devem estar No conjunto, porém, o movimento ilustrado promoveu uma críti-
~b sua deper:dê,ncia imediata e ~r conseqüência sob sua proteção; ca contundente do colonialismo mercantilista (110). A começar pela
2 que o comerCiO deve ser excluSIVO dos fundadores •. E mais:c uma condenação dos abusos: Voltaire, Montesquieu, Marmomel põem
colônia preenche melhor seu objetivo à medida em que faz au- novamente em pauta as descrições das violências contra os indígenas.
me~ltar o produto das terras da metrópole, que faz subsistir um «Tendo os povos da Europa exterminado os da América, tiveram que
maIOr número de seus homens, e contribui ao ganho de comércio escravizar os da África, a fim de utizá-Ios no desbravamento de tan-
com as outras nações•. Para isso, «os produtos da colônia não devem tas terras», diz Montesquieu (111), que entretanto se mostra extrema-
jamai~ ser de natureza a entrar em concorrência com os da metrópo- mente preconceituoso em relação aos negros. Se de um lado, procura
le•. FIOa1men~e, o comércio que a colônia fizer com estrangeiros será empiricamente, explicar a existência da escravidão, em princípio,
«um roubo feno à metrópole. (104), Dificilmente a onodoxia mer- entretanto, a condena: «A escravidão, por sua natureza, não é boa;
cantilista encontraria melhor defensor. Porém, o verbete sobre «es- não é útil nem ao senhor nem ao escravo; a este porque nada pode
cravidão» (105) configura uma autêntica denúncia do escravismo: fazer de forma virtuosa; àquele, porque contrai com seus escravos toda
«vamos provar que ela (a escravidão) fere a liberdade do homem a sorte de maus hábitos». Enfim, «cumpre que as leis civis procurem de-
que é contrária ao direito natural e civil, que choca as melhores for: la extirpar, de um lado, os abusos, e de outro, os perigo~(1l2). Na In-
mas de governo, e enBm é inútil». Ora, sendo o escravismo uma das glaterra, Burke ataca os defeitos da administração colonial.
peças e.ss~J?ciais do sistem~ colonial, a sua condenação significava a Tais críticas ficavam ainda num plano reformista. Mas alguns pu-
unposslbtlldade do funCIonamento da exploração das colônias. blieistas logo o ultrapassam, e, como nota Mareei Mede (113), atin-
N~ verbete «negros»(l06), o enciclopedista precisou tomar mais gem o próprio princípio da colonização. Mably insiste sobre o perigo
cUld~do: «tenta-s~ justificar (<<on tache de Justifie!'»-) o que este co- das conquistas para o conquistador. E Rousseau as explica como um
méwo tem de odiOSO e de contrário ao direito natural ... », e seguem meio de aumentar no interior do estado expansionista o poder dos
os argumentos conhecidos. «Monopólio» (I07) é o «tráfico ilícito e chefes (1l4). Raynal finalmente discutirá o direito de colonizar. Por
odioso que faz o que se torna único dono de um tipo de mercadoria
para s:r o único vendedor... », que era a situação dos mercadores me:
t~o~h~anos nas colônias. Assi~, por entre hesitações e às vezes por (109 lCf . F. A• V.a. • .
r..a.L .. er - «Les EncydopedlStes et la Terreuh. Refi. d·Hist. Mod. et.
via IOdtreta, o pensamento crítico e revolucionário se ia expressando
(108) . O s propnos
" Cont .. vol. XIV, 1967, pp. 284-295. Sôbre a posição de Raynal no curso da Revolu_
pensadores e escntores
'. tiveram enfim que optar ção, Cf. G. Esquer - «Introdução a L 'Anticolianisme ali XVIII !icc!e. L 'HiJtoire phi-
IOJophique el Po!itique .... Imrodu~ão, escolha de textos e notas de G. Esquer, Paris,
(103)E ',h- J '
. neye OyeUle, 011
D"lelfonnatre
. TIlusoné
. .
des Sctenees, des Arts el des Métiers ... 19~1, pp. 7-9. Sôbre Nalgeon, Gflffim, Meisrer, vide Benot, op. cit., pp. 261 segs.
ParlS,1751-1772. VeJam.-se também os estudos de J. Hyppolite - «La signification de la Revolution
(W4)En do -di
. ey pe e ... t.. 111 ,pp. 648-651. O verbete parece inspirado em Montes- frança.rse dans la 'Phenomenologie' de Hegel., Eflldes sur .Matl:" el Hege/' Paris,
qUleu - Espínto das Leis, Livro XXI. capo 21. 19."5, pp. 45-81, e de L. Goldmann. «Goerhe er la Revolutionfranç,üse., Recherches
( 105 lEneyc!opédie, tomo V, pp. 934-943. D1iueetlqlles, Paris, 1959, pp. 211-228.
(106)Encyc!opédie, tomo XI, pp. 79-83. (llOla. Mareei Merle· L'Antieolonialisme européen de !..as CaJas ii Matx, Paris,
(107)Encyelopédie, tomo X, p. 668. 1,969, pp. 11-22. Michel Deveze - L 'Europe et le monde ii la /in dll XVIII JÍcc!e. Pa-
(108)N d' - d b .
• . as con ~çoes o «c?m ate das Luzes:>, os enCiclopedistas se viam na contin- flS, 1970, pp. 595 segs.
genCla de combmar audáCia com precaução; às vezes, as proposições mais audaciosas (::~lErPín'IO das Leis, li~ro XV, capo 5. Trad. port. S. Paulo, 1962, p. 270.
aparece~ nos ~erbetes menos esperados. Sôbre as dificuldades, as lutas, e a «tática. ( lIdem, p. 267. MaIS contundente o protesto de Voltaire. Cf. Textos em R
d~s ~nclc~pedistas, veja-se A. Soboul - «L 'Encyclopédie et le mouvement encyclo- Pomeau - Politique de Vollaire, Paris, 1963, pp. 214 segs. .
pedISte:>: m Textes ehoms de I'Eneyc!oPédie, introdução e notas por A. Soboul, 2' (1I3)Cf. M. Mede - Dp. cit., pp. 14.16.
ed., PariS, 1962, pp. 7-24. (114Yrrechos de Mably e Rousseau, in Anticolonialisme ellropéen ... Textos escolhi.
dos e apresentados por M. Mede. Paris, 1969, pp. 106-112.
146
147
outro lado, os economistas (os «fisiocratas» na França, os «clássicos» mefCIantes da metrópole e das colônias, e diminui o das colônias e
na Inglaterra) procuram demonstrar a inutilidade das colônias: além da sua metrópole»( 119).
de despovoarem a mãe-pátria, só enriquecem uma pequena camada Esta era, aliás, a linha de argumentação retomada por A. Smith:
de beneficiários privilegiados. Já Cantillon pusera reparos, em certos no livro IV da Riqueza das Nações (1776) o problema é longamente
casos, ao comércio colonial, cuja permanente vantagem lhe parecia ilu- analisado, demonstrando-se que o regime de exclusivo disrorce a
sória( 11». Para os fisiocratas e A. Smith porém o monopólio leva sem- melhor alocação dos fatores produtivos seja na colônia, seja na me-
pre a uma má alocação dos filtOreS e pois trava o crescimento da riqueza, trópole; compromete-se destarte a função do comércio que seria exa-
que o comércio livre promove. Raynal recolhe esses argumentos. tamente a de promover aquele melhor aproveitamento e pois desen-
Quesnay só mcidentalmente tratou de assuntOS coloniais; mas lan- volver a riqueza geral, ao mesmo tempo em que se critica a doutrina
ça dúvidas sobre as vantagens da colonização: «Pergunta-se se as co- da balança favorável como falaciosa (120). Na realidade, no sistema
lônias não despovoam o reino que as promove; seria antes de per- colonial, mostra Smith, os interesses particulares dos mercadores se
guntar se elas não diminuem a riqueza dele pelas despesas e guerras sobrepunham aos interesses gerais da nação(l21), o que evidente-
que provocam» (116). Noutro passo, comentando Montesquieu, nega mente era de se condenar.
as vantagens do pacto, pois ele engendra lucros abusivos que se con- A análise dos economistas-fisiocratas, clássicos - ficava quase
centram apenas nas mãos dos intermediários: «Poder-se-ia objetar a sempre num plano teórico e formal, apesar das digressões históricas
Montesquieu que, supondo-se que a extensão do comércio foi o úni- que alongam suas páginas, sobretudo no criador da ~co~omia cl~~si­
co objetivo do estabelecimenw das colônias, este seria um péssimo ca. Duas observações se impõem naturalmente: pnmeuo, a cnuca
meio de atingir este fim - dar o privilégio exclusivo do comércio das que enfatiza que o exclusivo favorecia apena.:' ~~a parcela da popl!la-
colônias a um mrpo qualquer de mercadores de um país, ainda que ção metropolitana e. não o. todo, quando dlflg1?a c~n:r~ os teoncos
aos nacionais. Resulta desse privilégio exclusivo que as colônias se- do «sistema mercano!», deIXa de lado a perspectiva hlstonca. Embora
riam menos bem e mais caramente abastecidas das coisas de que ne- não muito explicitamente, não só o sistema colonial mas toda a polí-
cessitam e que venderiam menos vantajosamente as produções de tica mercantilista visava no fundo promover a acumulação de capital
seu território»(1l7).Sem contar o trecho do Tableau économiqutf,.118) pela camada empresária da época, isto é, a burguesia mercantil; não
em que afirma: «o pecúlio destes comerciantes circula também entre se trata pois de erro dos mercantilistas, pois os fins - sob a roupa-
a metrópole e suas colônias, ordinariamente sem acrescer as riquezas gem do poder da nação em face das outras - eram estes mesmos.
duma ou das outras; algumas vezes mesmo diminuindo-as muito, Apenas Smith num passo parece ter pressentido o fenômeno: «a
sobretudo quando é excluída a concorrência dos outros comerciantes maior parte dos regulamentos sobre o comércio colonial, deve-se ob-
dos outros países. Neste caso, o monopólio acresce o pecúlio dos co- servar, foi a aconselhada pelos mercadores que faziam este comércio.
Não é para admirar, pois, se, na maior parte deles, seus interesses te-
(115)a. R. Cantillon - Ensayo sobre la natur4feza deI comercio en general (1755), çôes, cf. H. Higgs - Los FisiocrataJ, trad. esp., México, 1944, pp. 55-57, e Quesnay 'I
Trad. esp., México, 1950, pp. 149 segs. Os reparos dizem respeito, especificamente, Tableau üOl1omique, ed. por R. Meek e Marguerite KuczynsJ:.i, Londres, 1972.
ao comércio oriental. (119)Cf. F. Quesnay - Quadro econômico, análise daI variaçôes do rendimento de
(11(,) < (117)Cf. Textos de Quesnay (de 17)8 a 1766, respectivamente) in M. Mede _ uma nl1fão, trad. port., Tnu. de B. Murteira, Lisbo~, 1969, p. 265. Tabl<!au é.cono-
Dp. Clt., pp. 137-142. Contudo, os princípios fundamentais da Fisiocracia levavam mlque deI !Jhyúoaates, mtl. de M. Lutfalla, Pam, 1969, p. 247. MaIS adl~nte,
implkita a uítica do sIstema culumal: refuta~ãü da teona da balança, preconizaçàu Quesnay faz notar que «estas observações são, é verdade, pouco conformes à opLnlão
do comércio inteiramente livre. Cf. Ch. Gide e Ch. Rist - Histoire des doe/fines éco· do vulgo sobre o volume total de moeda de uma nação .• Cf. Trad. pon. p. 267. Ed.
nomiqueI. 7' ed. Paris, 1959, pp. 29 segs. Daí a oposição que os mercadores ligados francesa, p. 248.
aos monopólios fizeram à Escola Cf. G. Weu!erssc _Le Mouvemel1t Ph)'slOaatique, (120)«121)0. Adam Smith - Wealth ofNationJ (1776). Livro IV, Ed. Cannan, pp.
Pans, 1~)J0. t. lI, pp. 415 segs. 397segs., especialmente pp. 416, 557-559, 565-575. Para uma análise mais detalha-
(118)Esta passagem é de 1766, pOIS está na nota 10 da «Analyse de la formule arith- da, O. Donald Winch - Classical Politzca/ Economy and C%mú, Londres, 1965,
métique du Tableau économlque.; sobre as várias partes do Tableau, e suas publica- pp. 6-24.
148 149
nham sido mais considerados do que os das colônias ou os da mãe- Limousin era bom profeta; estas palavras se escreveram em 1770.
pátrla»( 122). Note-se que Smlth não tem a visão da colonização se Convergiam, portanto, como muito bem notou Mareei Merle( 127 l,
engendrado como um processo, mas como algo aconselhado pelos na segunda metade do século XVIII L os argumentos «idealistas» e os
mercadores; em suma, embora tenha apontado com argút:ia o jogo argumentos «utilitários» para configurar o anticolonialismo das Lu-
de interesses, não podia chegar a ver a política colonial do mercantI- zes. Na Academia de Madrid, por exemplo, Antillon sustentava,
lismo e as próprias teorias mercantiilstas como expressão, ainda que numa «memória», que a libertação dos escravos na América não afe-
indireta, da perspectiva de uma classe social em ascensão. Da mesma taria a prosperidade das colônias(l 28l. É em Raynal que se conden-
forma que não podia perceber - {' aqui tocamos em nossa segunda sam e cristalizam todas essas linhas do pensamento ilustrado sobre o
observação - que a nova teorização, de que de próprio era a expres- sistema colonial. Já nos referimos à importância, vicissitudes e enor-
são mais avançada, wrrespondia a um novo estágio do desenvolvi- me difusão de sua famosa obra(J29l. Como tantas outras grandes
memo capitalista, em pleno curso, a revolução industrial. Sintetica- obras do encidopedismo, a famosa Histoire des Deux Indes foi na
mente, da mesma forma que ao capitalismo comercial eram indis- realidade obra coletiva: Valadier, Deleyre, Pechméja, Sr. Lambert e
pensáveis as formas compulsórias de acumulação originária, estas Diderot nela amplamente colaboraram. Para maior complicação, o
mesmas formas iam-se tornando obsoletas com a emergência do ca- trabalho foi remanejado de edição para edição, de modo que o pro-
pitalismo pleno (123)_ blema de fixar a autoria de cada passo é quase insolúvel(l30). De im-
De qualquer forma, a análise fisiocrática ou clássica envolvia uma portância decisiva parece ter sido a contribuição de Diderot, que ra-
crícica contundente do antigo sistema colonial. E note-se que os eco- dicalizou as posições anticolonialistas de RaynaJ{ 131 l. Assim, não se
nomistas, de um modo geral, constituiam um setor assaz moderado pode estranhar que 0_ resultado se apresente ambíguo e até certo
do movimento da Ilustração. Fisiocrata muito hetetodoxo, Turgot, ponto contraditório. E que «as contrandições dos filósofos», como
além de condenar a escravidão nas Réflexions sur la formatwn el la agudamente notou Michêle Duchet, «eram em última análise as do
distn"bution des nchesses (124), avança afirmações audaciosas sobre o próprio sistema colonial»(i32). Y. Benot, contudo, que estudou a
futuro das colônias: elas «são como os frutos que pertencem à árvore fundo, investigando mesmo manuscritos originais do grande enci-
até que tenham recebido uma alimentação suficiente; depois se se- clopedista só recentemente revelados, delimita três linh?-S de pensa-
param» (125)_ E noutro passo: «Vejo com alegria, como cidadão do mento que percorrem todo o corpo da Histoire philosophique et poli-
mundo, aproximar-se um evento (refere-se à revolução americana) tique, ou para usar suas palavras, três «vozes»(133l: uma primeira, na
que, mais que todos os livros dos filósofos, dIssipará o fantasma do base, historia as conquistas e a colonização, fazendo reparos e pro-
ciume do comércio» (126). Não resta dúvida de que o intendente do
(127)Cf. M. MerIe - L 'AnticoloniaJirme européen de Los Casas ii Mi11X, pp_ 11-22_
(!22)A. Smith, ed. Cann:m, p. 550. (128l(:f.). Sarrailh _L 'Erpagne éc/airée de la ieconde moitié du XVIII siccle, Paris,
(121)Cf. E. Roll - Húlory ofEcono7lJlI: Thouxht. Londres, 1956. pp. 61.(,8.138- 1954, p_ 508.
142 Bernard Semmel - The Rue ofFree Trade lmpenal/Jm. Cambridge. 1970, pp. (U9)Sobre Raynal na Espanha, cf.). Sarrai1h - L '&pagne éelairé ... p. 108.
27- 30, que retoma e desenvolve as formulações de). Gallagher e R. Robinson _« The (13O)Cf. H. Wolpe _ Raynm et ia machine de gue"e, Stanford, 195.1. G. Esq~er
imperialism offree trade». Econ.Hist.Rev., 2" série, volll, 1953, pp. 1-15. -L 'AnlÚoloniaJisme au XVIII s/ceie, Paris, 1951. Miçhele Duchet anahsa a <fabnca-
(1:4)Cf. Turgot - Réflexions iurlaformatton et la dútnbullOn des nçheHeJ (1766), ção. do livro e seu significado. Anthropologie ef Ristoire, pp_ 170-177, 411-413,
in Ecnts économiquesde Turgot, prefácio de B. Cales, Paris. 1970. pp. 121-188; ã 478.
pág. 135 referência ao «abominável costume de escravidão» e ao ~bringandage» do (13 1)Cf. Y. Benot _ Dtderot, de I'athéúme à l'anticoloniaJisme, Paris, 1970. M_
tráfico que creina ainda com todo seu horror nas costas da Guiné». Transcreve-se Deveze refere a anedota do diálogo Diderot-Raynal. Oiderot: c:)e dis, mais, mon
tamb~m a versão dada por Ou Pom de Namours na primeira edição da obra, nas ta- ami, qui sera a5sel osé pour publieret pour avouer cela? Raynal: <Moi, moi ...• Cf.
mosas.EphémendeJ, onde o editor alterou e aumentou o trecho, açentuando o anti- L 'Europe et le monde ii la fin du XVIII siiele, p. 596_ .•Reler Ray~al p~a encontrar
eSftavIsmo. Sobre a poSIção de Turgot em face dos fisiouatas. Cf. G. Weulersse . Le Dideroh. aconselha Benot (ap. cit., p_ 163), que localizou a conmbUlçao do grande
mouvement physiocrafique en France, t. I, pp. 138 segs. enciclopedista na Ristoire dei Deux Indes.
. e (l26)Ap u
(12)) dH . D esç h amps - M'h ~ ef Docfnnes. / / de la France.
ef oues CmOnlaleS (I32)M. Duchet _ Anthropologie et Hirtoire au Siéele des Iumiirei, p. 135.
ParIS. 1953, p. 81. (lBlCf. Y. Benot - ap. cit., pp. 180-181.

/50 151
pondo mdhnras, inclusive propugnando uma melhor redistribuição go e a água, o pão e o sal, ter-se-ão preenchido as obrigações para co-
em fav<:;. ~a Fra~ça; comporta descrições geográficas e considerações migo. Se eu exijo mais, torno-me ladrão e assassino»(1.37). Se há es-
sobre a pSICologIa dos povos; propõe reformas na administração das paço, isto é, se a região é parcialmente desabitada, é legítimo tomar
colônias. Um segundo estrato introduz reflexões filosóficas e mani- posse - mas pelo trabalho apenas. O colonizador só pode estender
festa a .corrente humanüária a respeito dos «selvagens». Finalmente, seu domínio até os confins do domínio já pré-existente. Do contrá-
a terceua «voz» apresenta discursos inflamados que envolvem enfim rio, os autóctoneS têm o direito, pelas leis da humanidade e da justi-
a conden~ção do sistema, atingindo em certos passos apelos à revolta ça, de expulsar e mesmo exterminar o invasor. Com tais princípios,
dos colonizados. Grono modo, corresponderiam ao quadro geral de vê-se· bem, quando muito a colonização de povoamenco encomraria
Raynal, à contribuição de Pechmé;a e à participação de Diderot. Re- justificativa ...
~etindo pois as hesitações e as ambigüidades do próprio movimento Era entretanto evidente que a colonização se processara por outras
II~strado, a obra de Raynal expressa ao mesmo tempo crítica, refor- vias, muito distantes desses «princípios», cuja formulação marcava, isto
mIsmo e ação revolucionária. sim, menos que um ptograma, a tomada de consciência da crise do sis-
Já desde as primeiras páginas, problematiza-se o fenômeno colo- tema. O problema fundamental seria em que medida uma política re-
nização. Depois de insistir sobre a importância e as repercussões da formista ilustrada, poderia trazer o carro da história para os trilhos da
expansão européia(34 ), Raynal se pergunta: «Mas as revoluções que Razão. De fato, contornando o problema, Raynal se pergunta se acolo-
se passaram e as que se seguirão, foram, serão úteis à narureza hu- nização se tivesse promovido efetivamente por homens civilizados e vir-
~ana? O homem lhes ficará um dia credor de tranquilidade, de feli- ruosos - se o resultado teria sido diverso(138). E se põe a meditar sobre
cIdade e de prazer?»( 1.35). A colonizaçao estava pois posta em julga- este «fenômeno tão estranho»: a «metamorfose do europeu expatria-
mento. ~um outro Atr~cho{136), admitindo que «a razão e a eqüida- do»( 130 ). Longe dos freios das leis e da civilidade, parece-lhe (fica a su-
d:» perf!1Item as co.l~ntas, acrescenta Raynal, «os princípios dos quais gestão numa interrogativa) que emergiam furiosamente a ambição e a
na~ devI.a ser permitIdo afastar-se na sua fundação». O estudo desses vlolên~ia; o qUe de resto parece contrariar as idéias rousseaunianas so-
«pnncíplOs», nesta parte do livro, foi introduzido na edição de Ge- bre a bondade natural.
nebra, 1780: «Um ~úmero de hom.ens, qualquer que seja, aparta Mas enfim, para além desses quase devaneios sobre o que poderia
numa terra estrangeIra e desconheCIda, deve ser considerado como ter sido, havia a realidade tangível das colônias, tal como se apresen-
um só homem. A força cresce com a multidão, mas o direito perma- tavam. «Estimamos muito a produção das colônias?», pergunta·se o
nece o mesmo. Se ~em ou duzentos homens podem dizer 'este país enCIclopedista. Parece-lhe isso fora de dúvida. «Por que então temos
nos p~rtence> I;lm só homem o pode dizer». Trata-se pois de uma tão pouco interesse na sua (das colônias) prosperidade e na conserva-
questao de duelto e não de força. Ora: «ou o país é deserto, ou em ção dos colonos?».o descasados interesses dos colonos se aproxima ao
parte dese~~ em parte habitado, ou totalmente povoado». «Se é po- cabo com «nossa conduta com os camponeses» (140), curiosa aproxi-
voado, legitImamente só Se pode pretender a hospitalidade e os so- mação. E mais: como era possível que «esta inconsequência dos po-
corros que o homem deve ao homem. Se me deixam morrer de fome vos fosse também o vício dos governos?» Aqui hesita o autor, e en-
ou ~rio à margem: usarei minha arma e pela força tomarei o que ne- fim se resolve (j..! I): há mais de competição (<<;alousie») que verdadei-
cessltar, e matareI quem se opuser. Mas quando se me der asilo, o fo- ro interesse em torno das colônias; sentiriam menos que o mar as
inundasse que se caissem sob o domínio de uma potência rival. Daí
(134)(:f. Raynal- Hisloire phllOJophique et polztique deI établirumentI et du com.
(l37lRaynal _ His/oire deI Deux IndeI, t. 11, pp. 250segs.
merce deI EuroPéem dom leI Deux IndeI, ed. 1780, L I, pp. 1-2: ... Começou então (t 38) ~
()3'»)Raynal _ap. cit., t. m, p. 1. Noutro trecho: ... Ultrapassado o Equador, o
uma revolução no com~n:io, no poderio das nações, nos costumes, Tla indústria e no homem nào é nem inglês, nem holandês, nem francês, nem espanhol, nem portU-
govçmo de todos os povos. Tudo mudou e ainda deve mudafi.
guês. 56 conserva de sua pátria os princípios e os preconceitos que autorizam ou des-
(InlRaynal - Hirtoire deI Deux IndeI, ed. 1780, t. L p. 2.
(l36JRaynal - Dp. cit., t. lI, p. 249. culpam sua conduta». Cf. t. 11, p. 357.
(l40)~(l41)Raynal, t. m, p. 437.

152 153
não admirar que «os governos, fundadores de colônias, tivessem Arrancai-as ... » Não importa que o trecho apareça no capítulo que
querido que os súditos que para lá se transportassem não consumis- discute os privilégIos da companhia inglesa na Índia; a sua formula-
sem senão as mercadorias fornecidas pela metrópole, nem pudessem ção podia perfeitamente ser transposta pelo leitor, que há muitas b-
vender as produções de suas terras senão à metrópole». Depois de turas de um mesmo texto. Nem mesmo importa que, como que ate-
discutir, problematizar a colonização em geral, era portanto agora o morizado pela violênt'Ía do apelo às armas, o autor (Diderot, no ca-
próprio nervo do sistema - o exclusivo metropolitano do comércio so) modere em seguida o tom: «Mas os cidadãos hone~tos, se ai~da
colonial - que começava a ser posto em xeque. Tal sistema parecera resta algum, enfim se levantado. Ver-se-á que o espínco de mono-
desde o início «natural», mas pergunta, «no estado geral das coisas, é pólio é pequeno e cruel. .. » (145), A alternativa daquele «se» ficava
praticável?» (142). Novas hesitações para cada caso em especial, mas bailando no ar..
sempre qwe se alça a considerações gerais, vem a condenação: «Que é Se o exclusivo metropolitano do comércio colonial recebia esse (ta-
pois o monopólio? É o privilégioo exclusivo de um cidadão sobre to- ramenCO nas páginas de Raynal, bem se pode esperar que a condena-
dos os outros de comprar e vender. A essa definição todo homem ção da escravidão africana e do tráfico negreiro sejaaindamaiscontun-.
sensato para e diz: Entre cidadãos Iguais, todos servindo à sociedade, dente(l46). E de fato, um a um, vão sendo refutados os argumentos
contribuindo a seus encargos na proporção de seus meios, como po- correntes para justificar o escravismo. Dizer, por exe~plo, qo~aescra­
de um ter direito do qual o outro fique legitimamente privado? Que vidão é fenômt'no de todos os tempos e lugares, não Impressiona ab-
é pois essa coisa tão sagrada pela sua natureza, que um homem, solutamente Raynal: «É ao uso do tempo ou à consciência que se de-
qualquer que seja, não possa adquirir, se lhe falta, ou se desfazer, se ve apelar? Deve-se escutar o interesse, a cegueira, a barbárie, ou a
lhe pertence?» (W,). Ê de se ver o impacto que tais reflexões deviam Razão e a justiça? Se a universalidade de uma prátICa provasse sua
causar entre os colonos na quadra de crise, depois do exemplo das inocência, estaria acabada a apologia das usurpações, conquistas,
ex-colônias inglesas. Não eram «coisas», e sim um sisteQla - o an- opressões de toda sorte». Se se argumentàSSe que a escravidão mo-
tigo sistema wlonial - , e sua sacralidade não podia provir de ne- derna diferia da antiga, pois ao concráflO dos antigos que sç criam se-
nhuma natureza, mas da história. Mas, na história, já dissera RaynaJ nhores da vida dos escravos, agora só se assenhoram de sua liberdade
noutro passo, «tout a changé et doit changer encore» ... _ Raynal não se deixava embair por tão grotescas racionalizações:
Em determinados trechos um realismo mais pedestre permeia o «esta lei teve alguma força? A América não está povoada por cvlonos
texto de Raynal. Como quando, depois de fixar máxImas «verdadei- atrozes que, usurpando insolentemente os direitos soberano.', fazem
ras, sólidas, úteis» - a liberdade do comércio, que, na linha da nova expiar a ferro e fogo as infortunadas vítimas de sua avareza?». E,
economia polítIca, promoveria a prosperidade geral - observa que quando não fosse, esse argumento de fato: «Que é a existência para
«todos os governos trabalham para não depender da indústria es- aquele que não tem propriedade dela?» Para os que, ~ais despudo-
trangeira». Daí: «quanto mais perderem nos mercados externos, tan- rados, ainda acreditavam que os negros «são uma espéue de homens
to menos quererão consentir na concorrência dos que lhes restam» nascidos para a escravidão», pois são «limitados, patifes, maus», :- a
(144). Logo, manteriam as colônias fechadas. Equacionava-se o wn- resposta vinha a talhe: «Os negros são limitados porque a escraVidão
flito inevitável. No limúe, em determinados momentos, ergue-se a
«terceira voz», e a fala ganha contornos revolucionários: «Não, não; é (l4~)Raynal, L I, p. '')8_
preciso que a justiça se faça, cedo ou tarde. Se acontecesse doutra (14(».Como a maior parte dos ph:lowpheJ de sua época, Ray.n~1 pensava que a _e~­
forma,eu me dltigiria à população. Dir-lhe-ia: Povos, cujos rugidos cravidão era contrária à natureza, e portanto universalmente mJusta~. DaVid Bnon
fizeram tremer tantas vezes os senhores, que esperais? Para que mo- Davis _ The prob/em ofSlavery in Western Cu/ture, Ithaca, New York 1970, p 14.
E, noutrO passo: .Para muitos europeus, tão diferentes entre SI como John Wesl:y e o
mento reservais as tochas, e as pedras que pavimentam as ruas? abade Raynal, o africano era uma crianÇ!. Inocente da natureza, cuJ~ csc_rav.,dao na
114!!Raynal, L m, p. 485. América traía a verdadeira imagem do Novo M'lInrtO como ~ t"fr~_ da lfiocefiCla nalu-
i I41JRaynal, L I, pp. 690 segs. ral e nova esperança para a Humanidade~. DaVId Brion Davls - The problem o) S/a·
il44 JRaynal, L m, p. 604. very in lhe Age ofRevo/u/ion, Ithaca, New York, 197), p 48.

154 155
destrói todas as energias da alma. São malvados, mas não o bastante crítica a própria instituição, cuja origem e desenvolvimento se expli-
com os senhores (<<Ils som méchams, pas assez avec vaus»). São ve- ca pela ambição (149), tornavam-se quase pálidos os outros passos em
lhacos, porque aos tiranos não se deve a verdade». Se se pretendesse que Raynal apresentava os meios de amenizar a condição dos cativos
que eram os g.overnos que vendiam os "~.cravos, o publicista indaga- (150), ou preconizava a supressão paulatina do escravismo (151).
va «de onde vem ao estado esse dueüo?· Se se afirmasse que eram os Aliás, as medidas reformistas se apresentavam explicitamente como
próprios escravos que se vendiam, RaynaJ contra-aftrmava peremp- alternativa em face da dificuldade da extinção pura e simples (152),
toriamente que «o homem não t-em (" direito de se vender». Para os pois, «na verdade, o direito de escravizar é o de cometer toda sone
que pretendiam que os escravos rinham sido aprisionados em guer- de crimes» (153). E mais uma vez, no limite, é o apelo revolucionário
ra, Raynal lhes lançava à face as perguntas: «sem vós haveria tais que se ergue, contundente: «Europa, escutai-me ainda. Vossos es-
combates? As dissenções desses povos não são obra vossa?» Se se pre- cravos não têm necessidade nem de vossa generosidade, nem de vos-
tendesse que os negros escravizados eram criminosos dignos de puni- sos conselhos, para romper o jugo sacrílego que os oprime. A natu-
ção: «Sois os carrascos dos povos da África? Quem os julgou? Ignorais reza fala mais alto que a filosofia e o interesse. Já foram estabelecidas
que num Estado despóüef) S0 há um culpado, o déspota?» Para os duas colônias de negros fugitivos ... Estes clarões anunciam o raio pa-
que sustentavam que os negros eram mais. feliz~s na América q~e na ra os conduzir à vingança e à carnificina•. Dirigindo~se aos escravos:
Afeita: «Por que então· esses escravos susplfam Incessantemente pela «Onde está este grande homem que a natureza deve a esses filhos ve-
sua pátria? Por que sempre que podem retomam sua liberdade? Por xados, oprimidos, atormentados? Não duvidemos que ele aparecerá,
que preferem o deserto e o convívio com os animais ferozes a um es- mostrar-se-á, levantará o estandane sagrado da liberdade» (1'54). Era
tado que vos parece tão doce? Por que suas mulheres provocam tan- Toussaint-Louverture que desponrava nas páginas de Raynal-
tas vezes o abono, para que seus filhos não partilhem seu triste des- Diderot ... (155)
rino?» Enfim, último argumento, a famosa justificação: a escravidão Dominação política da metrópole, exclusivo comercial, escravismo
era o único meio de cristianizar os africanos. Aqui, a tesposta era um e tráfico, todos os pilares do Antigo Sistema colonial da época mer~
brado de indignação: «Bondoso Jesus, se tivésseis previsto que se fa- cantilista: era a própria colonização européia que se punha em xe-
ria vossas doces máximas servir à justificação de tantos horrores! Se a
religião cristã autorizasse assim a avareza dos impérios, era preciso cravatura africana em Portugal; os negros escravos que fossem para a metrópole fica-
proscrever para sempre os dogmas sanguinários dela». O que levava a riam livres - eSe animavam aqueles a persuadir.se a que também se entendia com
um apelo ao c1eto: «Que ela (a religião cristã) volte ao nada, ou que eles a mesma Real Graça, de sorte que entre si tratavam este errado pensamento com
tal eficicia que faziam extrair grande número de cópias do Exemplar desta Ley •. In-
em face do universo desaurarize as atrocidades que se fazem em seu dica fmalmente o governador que mandara proceder a algumas prisões. A. H. U. (lis-
nome (<<dom elle a la charge»). Que seus ministros não temam mos- boa), Pernambuco, caixa 59 (Este documento foi-nos comunicado pelo Prof.José Ri-
trar demasiado entusiasmo em tal assunto. Quanto mais sua alma se beiro Junior). Sobre a legislação portuguesa suprimindo a escravidão U. Francisco
inflamar, melhor servirão à sua causa. Manter-se calmo seria crime, o C. Falcon e Fernando A. Novais - eA extinção da escravatura africana em Ponugai no
transporte será sabedoria» (147). quadro da política econômica pombalinn. Comunicação ao VI Simpósio Nacional
dos Professores Universitários de História. AnaiJ, São Paulo, 19B. vol.l, pp. 406-
-Do ponto de vista do impacto político, pode imaginar-se a força 4}1.
desse texto. Nem é de se descartar que, nos seus desdobramentos, (149lU. Raynal, ed. 1780, t. IlI, p. 193.
atingisse os próprios escravos (148). Sob esse aspecto, atingindo na (l~O)Raynal, t. m, pp. 181 segs.
(lHlRaynal, t. m, p. 202.
1l 47)Raynal. ed. 1780, t. III, pp. 91-204, especialmente .195-201.. . (1 52 lRaynal, t. m, p. 186.
(148)Cf. G. Manin _ Hirtoire de I'esclaflage dam les colomes franfalSes, Paus, 1948, {153 lRaynal, t. m, p. 196.
pp. 166 segs .. p. 227. Veja-se, por exemplo, no Brasil, a cana do governador Cunha (1~4lRaynal, t. III, p. 204.
Menezes a Maninho de Melo e CastrO (15/11/177}), em que relata que os mulatos e (In) Não se trata de força de expressão. Efetivamente, numaplantation de Saint-
os negros da Paraíba, «chegando a seu poder a lei de 16 de janeir? do cor~ente ano~­ Domingue. o escravo Toussaint Bréda - o futuro T oussaint L' Ouvenure - lera e relera
trata-se da lei que, dando seqüênoa à legislação anterior, consohda a extinção da es, as páginas candentes de Raynal. Cf. C.1.R. James - The BlackJacobins, TOlmaint

15ó 157
que; o pensamento ilustrado, nos seus vários matizes, nada deixava lista, e pois revolucionária(l60). A contradição do real manifesta-se
de lado, tudo vasculhava.com a sua crítica. A América voltava a pene- assim, no discurso que o exprime. A crise, de qualquer modo, era
tr~r no horizonte intelectual da Europa, c?mo nos tempos dos desco- geral, e punha em xeque tanto o sistema mercantilista de coloniza-
bnmentos, e a perturbar a tranqüilidade da consciência européia. E is- ção como o absolutismo da metrópole(161).
to numa dimensão de maior profundidade, desempenhando, como Que as proibições inquisitoriais, a censura do absolutismo (162)
assinalou A. Whitaker, um papel não só passivo (objeto de reflexões) não conseguiam impedir que as obras européias chegassem à colô-
mas sobretudo ativo, elemento de tomada de consciência(156). Os je- nia, evidenciam-no as sondagens, ainda poucas, feitas nas bibliote-
suítas proscritos - por exemplo, Clavigero - escrevendo no exílio e cas coloniais.(163) No interior das Minas, as bibliotecas de João Re-
saudosos das terras americanas, foram, como mostrou Picon_Salas(157), zende da Costa e Batista Caetano de Almeida, estudadas por Brad-
um dos mais importantes fatores dessa emergência da América como ford-Burns (164), ostentavam uma rica coleção do pensamento das
problema nos quadros do pensamento ilustrado; a tal ponto que é to- Luzes: ao lado de obras sobre agricultura, botânica, química, hIstó-
da uma longa polêmica que se delineia - a disputa a respeito do Novo ria, viagens, e sem a presença de livros da escolástica tradicional, lá
Mundo(158). estão Montesquieu, Diderot, Rousseau, Beccaria, Mably, Condor-
cet, Raynal... «Surpreendentemente grande o número de livros so-
Se retomarmos, agora, as considerações precedentes sobre as ten-
bre os Estados Unidos» (165), nota o historiador americano; mas não
sões de conjunto que emergem neste período final do século XVIII e
é de surpreender, quando se pensa no impacto que a independência
início do XIX, engendradas pela passagem lenta mas persistente ao
americana por certo causou na mente desses colonos, para quem não
capitalismo industrial - temos o quadro de receptividade da ideolo-
gia anti-colonialista da Ilustração. Será, grosso modo, a face refor-
mista das Luzes que incidirá mais sobre a metrópole; na colônia, a
face revolucionária. Esta a ambiguidade fundamental do pensar ilus- 160
( lCf. Ives Benot - Diderot, de /'athéirme ti /'antic%nialirme, Paris, 1970, pp.
trado, ao mesmo tempo reformista e revolucionário, dependendo da 51-65, 138-155, 162 segs.
situação em que se processe a sua leitura. Por onde se pode com- (161l() aprofundamento do processo revolucionário em França traria necessaria-
mente à tona, no plano da prática política, o «dilema colonial,. de uma metrópole
preender a divergência, ainda hoje, na interpretação de seu signifi-
transfigurada pela revolução. Cf. David Brion Dav15 - The p"roblem 015lavery m the
cado: uma das análises mais profundas, a de Michéle Duchet(159) in- Age olRevolution, Ithaca, New York, 1975, pp. 137-148.). Godechot _ La PenIée
siste nas limitações ideológicas das Luzes; o mundo extra-europeu, o révolUllonngire em France et en Europe. ] 780- ]799, textos selecionados e apresenta-
indígena, o escravo, eram na realidade sempre objeto, nunca sujei- dos por j. Godechot, Paris, 1964, pp. 148 segs.
161
to, do discurso iluminista, uma maneira de a sociedade européia se ( lEm Portugal, com as reformas pombalinas, o controle passaria para a Mesa
compreender a si mesma. Yves Benot, entretanto, que vimos acompa- Censória. Veja-se Maria Adelaide S. Marques - A Real Mesa Censória e a cultura na-
cional, Coimbra, 1963, com o .catálogo dos livros defesos no Reino, de 1768 a
nhando nessas páginas, procura acentuar sua dimensão anti-colonia- 1814•. Para a Espanha: M. Defourneaux - L 'InquiJition eIPagnole et leI livres fran-
çaiJ au XVIII siide, Paris, 1963, com catálogo 1747-1807. No Brasil colonial, como
se sabe, não permitiu a metrópole a instalação da imprensa. A iniciativa de Antonio
L 'Ouverture and 5an Domingo Revolution. 2a ed., N. York, 1963, pp. 24·26, 90- Isidoro da Fonseca, Impressor conceituado em Lsboa, transferindo para o Rio de ja-
93. neiro, em l746, sua oficina, sob a proteção de Gomes Freire de Andrade, foi logo
(l'i6lCf. A.P. Whitaker _.The dual rôleofLatÍn America in the Enlightenment, in (1747) proibida pelo governo metropolitano. Só com D.joão VI começaria no Brasil
lAtm America and the Enlightenment, New York, 1942, pp. 3-21. a indústria do livro. Cf. Nelson Werneck-Sodré - Hirtória da Imprensa no Brasil, Rio
(l)7lCf. M. Picon-Salas _ De la conquIsta a la indepemúncia. Tres sigloJ de hirtoria de janeiro, 1966, pp. 11-33.
cultural hirpano americana, MéXICO, 1944, pp. 166 segs. (163lCf. Clado Ribeiro de Lessa - 4As bibliotecas brasileiras dos tempos coloniais,.,
(1~8lCf. A. Gerbi -lA dirputa deI nuevo mundo. Hirtória de unapolémica, 1750- R.].H.G.B., CXCI, 1946, pp. 339-345.
]900, Trad. esp., México, 1960. Sobre os jesuítas na «disputa., pp. 168 segs. l64
( lCf. E. Bradford Burns . •The englightement in two colonial Brazilian
(I wlCf. Michele Duchet _ Anthropo/ogle et Hirtoire au siüle deI Lumiires, Paris,
libraries•. ].HiJt.Ideas, vol. XXV, 1964, pp. 430-439.
197.1, pp. 9-21, 37-177, 477-481. (16Wdem, p. 434.

158 159
era «da .. menores desgraças, o viver em colônias» (16ó). Ruptura revo- quarta coluna da estante da parte direita, quarenta tomos; na quinta
lucionária do pacto colonial, a independência norte-americana não da mesma, quarenta e quatro tomos de livros; quarta coluna da es-
podia deixar de imprimir ampla repercussão l.as colônias que contI- tante da parte esquerda, quarenta e nove livros, na mesma estante
nuavam presas ao sistema; nova forma política de república eletiva, da quinta coluna quarenta e seis» (173). Entre os bens de Inácio José
envolvia funda ruptura com o absolutismo, e porisso repercutiu tam- de Alvarenga Peixoto, foram avaliadas «as obras de Volterio (sic) em
bém densamente na Europat 1(7). Sistema colonial e Antigo Regime sete tomos» (174). O coronel José de Rezende Costa, cuja biblioteca
formavam um todo indissolúvel. pôde depois ser recomposta por Bradford-Burns a panir de outras
A biblioteca do cônego Luís Vieira da Silva, famoso inconfidente fontes, teve sequestradas, entre outras, obras de Voltaire, Marmon-
(168) não era menos inquietante. O «diabo», como diria Edu<l.rdo tel, Fendon, Genovesi (175). O padre Carlos Correia possuía a ~lógi­
Frieiro (169) _ isto é, as obras contestadoras do sistema -lá estava ca de Verney», um volume (176).
multo bem representado: na ampla coleção, ao lado de dicionátios Nos sequestras ordenados em 1794, no Rio de Janeiro, pelo Con-
(mas alguns eram «históricos» e «críticos»), de obras de teologia (tam- de de Rezende, entre os livras de Mariano José Pereira da Fonseca (o
bém heréticas, como a de Febronius, espécie de jansenista alemão), futuro marquês de Maricá), arrolaram-se uma «colecção completa
dos Padres e Doutores da Igreja, obras de geografia e história (entre das obras de Voltaire em francês tomo quinto, décimo, décimo ter-
as quais a obra radicalíssima de Gianonne~170), os clássicos da litera- ceiro, décimo sexto, décimo nono,.vigésimo segundo, em oitavo., e
tura portuguesa e francesa - lá estão as expressões máximas do re- a «Estoria phiJosophica e politica dos estabelecimentos do comercio
formismo ilustrado dos países ibéricos, Feijóo e Verney; ao lado disso dos Europeus nas duas Indias», por RainaJdo (sic), tomo quarto,
tudo, os corifeus do enciclopedismo, a começar por dois tomos da quinto e nono, em oitavo Frances» (177). E Francisco Antônio de Oli-
própria EncycloPédie, e mais cinco volumes de Es/m', de /'Encyclo- veira Lopes, depondo no longo e doloroso inquérito da Inconfidên-
Pédie, edição resumida da mesma obra; Montesquieu, Bielfcld, cia das Minas confessou que seu primo Domingos Vidal Barbosa «lhe
Réal, Mably ... O cônego, de fato «respitou a plenos pulmões os me- contou muitas causas de que tratava um livro do Abade Reinald
lhores ares do espírito do tempo» (171), nem admira que se tivesse (sic), tanto assim que sabia de-cor algumas passagens do mesmo li-
envolvido na famosa e frustrada conjuração. vro» (178). Quais passagens não consta da devassa; mas aqui sur-
Infelizmente, as listas de sequestras das livrarias de outras inconfi- preendemos o texto de Raynal como motor da ação revolucionária
dentes não é tão explícita; avaliando-se os bens de Tomás Antônio (179).
Gonzaga, referem-se os autos a «quarenta e três livros de aU(ores Na Conjuração baiana, de 1i98, mais popular, foram apreendi-
Franceses, Portugueses e Latinos, sete ditos de meia folha da mesma dos menos livros (180); a sua anotação, porém, ocorre nos autos tal-
qualidade, trima e três de quarto dos mesmos» (17~), sem maiores es-
pecificações. A biblioteca de Cláudio, mais espeCIficada, era predo-
minantemente de obras de literatura e direito; mas o texto refere «na (I73JA.D.I.M., vai. V. p. 265.
(174JA.D.l.M., vol. V, p. 370.
(m)A.D.I.M.• vol. V, p. 491.
{I(,(,)Luís dos Santos Vilhena - Recopifaçâo de Hoticios JoteropolitaHaJ e braJ/(iCJJ (I76JA.D.I.M., vaI. I, p. 400.
(1802), ed. Braz do Amaral, Salvador, 1921, p. 289. c.G. Mota . "Mentalidade Ilus-
(I77J c Sequesrro feilO em
1794 nos bens que foram achados do Bacharel Mariano]0-
trada na colonização portuguesa". Rev. de Hist., S.P .• 1967, pp. 405-406.
116~)Cf. J. Godechot - Les Révoiulions, pp. 103-105.
sé Pereira da Fons«v, R.I.H.G.B., t. LXIII (1901) pp. 14-18.
(178JA.D.l.M., vol. 11, p. 59.
Ilü~)Cf. Aulos de DevaJSa da Inconfidência Mmelra, Rio de Janeiro, 1936. vaI. I,
(179J Assim, numa das reuniões preparatórias da Inconfidência, em casa de Francis-
pp. 446-465; vaI. V. pp. 283·291.
(16'))Cf. Eduardo Frieiro _ O Diabo na Livraria do Cônego, Belo Horizonte, 1957. co de Paula Freire de Andrade, concordavam os conjurados em que o abade Raynal
(17°)Sôbre Gianonne, Cf. P. Hazard - In pensée euroPéene au XVIII sicele, Paris. ctinha sido um escrilOr de grandes visões porque prognosticou o levantamento da
1963, pp. 56-59. América Setentrional.. .• a. A.D.I.M.• vol. IV, p. 207.
(171)Eduardo Frieiro, Op. cit., p. 21. (180)Cf. «A Inconfidência da Bahia em 1798. devassas e sequesuos~. Ana,ir da Bt·
Wl)Cf. A.D.I.M .• vol. V. p. 311. bliotecaNaclonm, RiodeJaneiro,XLIlI-XLIV, pp.186-187, 198-199.

160 161
mente estropiados, que sua identificação demandou para ohistoria- uma cena desconfiança CLt relação aos estrangeiros (185). Na medida
dor todo um paciente trabalho de recomposição (181). Nas bibliote- em que a revolução se Je.s>:nvolvia em França, as precauções aumenta-
cas de Cipriano Barata e Hermógenes de Aguiar Pantoja, apreendi- vam em Portugal (186) e a elite ilustrada e reformista ia tendo que se
das, ao lado de obras científicas, de medicina (Cipriano era médico), definir. Entre 1794 e 179-/, o governo de Iisooa mantém uma espé-
matemática, reaparecem os reformadores ilustrados como Genove- cie de correspondência secreta com o <I!Ilonarchien~ Mallet du Pan
si, e obras de Voltaire, Condillac, Vertot, e uma Histotre des trou- para melhor se informar do andamento da revolução e da contra re-
bles de l'Amérique anglaise, título assaz significativo de uma obra volução na Europa (187). Em 1779, já Costigan (ou quem se ocultava
entretanto difícil de identificar. Como nota a Profa. Kátia Manoso, sob pseudônimo. de qualquer forma um oficial estrangeiro de servi-
várias dessas obras encontravam-se também entre as leituras dos in- ço em Portugal), sentia o peso da censura, considerando o governo
confidentes mineiros. O que, ~ntretanto, é de destacar-se no movi- português «o mais despótico de todos os que dirigem os reinos da
mento baiano são as cópias manuscritas de textos revolucionários Europa. (188). No fim do século, o francês Carrêre anotava que «o no-
(182): O Orador dos Estados Gerais de 1789 e a Fala de Boissy d'An- me de Pina Manique inspira um terror geral~; «a prevenção fá-lo tu-
glas e o Aviso de Petersburgo. São textos pol1ticos diretos, definindo do ver sob uma cor sinistra: se se guarda silêncio, tramanHe miste-
posições; serviram de base para os «pasquins sediciosos» da audaciosa riosamente perigosos projetos; se se fala, semeiam-se propósitos se-
e infeliz tentativa de 1798. diciosos; se se vive recluso, é porque se preparam meios de por em
Da literatura acadêmica ãs discussões filosóficas, do reformismo execução algum projeto; se se circula nas sociedades, trata-se de fazer
ilustrado aos apelos subversivos, era pois toda a cultura do Ocidente prosélitos~ (189). Exageros ã pane, o texto de Carrêre pinta o clima
nas suas várias facetas que penetrava no horizonte intelectual dos co- do fim do século XVIII na metrópole. «Repeli sempre todos os clu-
lonos luso-americanos; ou, noutros termos, era a colônia que se en- bes e sociedades, assim particulares como públicos, que não tivessem
volvia nas correntes da vida espiritual da civilização européia (183), o selo da aprovação do governo ... ~. dizia o implacável intendente; e
de uma forma ativa e não apenas receptora, e num momento crítico acrescentava: «A ordem e a sociedade dos pedreiros livres me mere-
de sua história. Do ponto de vista metropolitano, era o funciona- ceu sempre muita contemplação., isto é, atenção. Não obstante, a
mento do sistema colonial que ameaçava entrar em colapso, e que maçonar~a ainda assim expandia-se (190), mesmo em direção à colô-
importava defender. Daí o governo se pôr vigilante «contra os princí- ma.
pios jacobinos» e as «idéias francesas».
Em Iisboa, o intendente Pina Manique mobilizava o arsenal da (18'lCf. État préJent du Royaume du Portugal... Lausanne, 1775, p. 113.
repressão (184): policiamento da entrada de livros, vigilância de reu- (IUlCf.). P. Oliveira Martins - HiJtóriode Portugal, lI, pp. 255-258. Oquede res-
niões, observação atenta aos estrangeiros, recepção de denúncias, to não se dava sem contradições; os círculos ilustrados, inclusive do governo, mostra-
vam interesse e admiração pelas deformas. que se iam implantando em França - p~
prisões, expulsões, condenações. Já Dumouriez notava, em 177'), grande escândalo do historiador Caetano Hemo, que mostra como os órgios OfICiO-
sos _Gazeta de Lisboa,Jomal EncicloPédico - noticiaram ampla e favoravelmente os
eventos da Revolução, pelo menos na sua primeira fase. Cf. D. Mori4 I, 1777-1792,
(Illllprocedeu a esse criterioso trabalho a Profa. Kátia M. de Queiroz Mattoso - 4" ed., Lisboa, 1944, pp. 368-398. . .
Presença francesa no movimento democrático baiano de 1798, Salvador, 1969. (1871Cf.). de Pins - «La correspondence de Mallet du Pan avec laCQwdeLisbonne.,
{182 lKátia Mattoso (Dp. cit. pp. 34 segs.) identifica esses textoS, apresenta as ver- Ann.HiJl.de la Rev. françaiJe, '101. XXXVI, 1964, pp. 469-477. ~e.Mal~e~ ~u Pan
sões francesas originais e transcreve as traduções que corriam manuscritas na Bahia traduziu-se para o português pelo menos alguns números de Men;uno Bnlanu:o, ou
em 1798. Notícias HiJtóricl» e CritiCI» (1798). .
(183)...0 movimento arcádico significou, no Brasil, a incorporaçãe da atividade in- IlsslA. W. Costigan _Cartas de Portugal (1778·1779). Irad. pore., Lisboa, 1946,
telectual aos padrões europeus tradicionais, ou seja, a um sistema expressivo, segun- vol. 11, pp. 128-129. .
óo o qual se havia forjado a literatura no Ocidente•. Antômo Cândido - Formação da (1891CC. Voyage en Portugal, etparticuliermentàLisbonne .. Paris, 1798,pp. 114-
Literatura Brasileira, São Paulo, 19~9, lI, p. 9. 119. .
(l84)Cf. Fortunaw de Almeida _ Hirtõrio de Portugal, t. V. (Coimbra, 1927) pp. (i901Cf. M. Borges Grainha - Histório da Mllçonario em Portugal (1735-1912). lis-
225 segs. F. A. O. Martins - Pina M4nzque, o político. Lisboa, 1948, pp. 266 segs. boa, 1912, pp. 4~ segs. Sobre a maçonaria no Brasil, Cf. Célia de Barros Barreto - cA

162 163
Para a colônia, todo o cuidado era pouco. Ao governador da Ba- meus fiéis vassalos. para a garantia da «ceai soberania e cetro». E pas-
hia, em 1798, advertia-se constar que «as principais pessoas dessa ci- sando de princípios gerais para normas concretas: havia de pôr em
dade, por uma loucura inrompreensível, e por não entenderem os prática as «reais e santas ordens», «a respeito de todos aqueles indiví.
seus interesses, se acham infectas dos abomlOáveis princípios france- duos que ou por palavras, ou por conciliábulos paniculares, e espe-
ses, e com grande afeição à absurda pretendida constituição france- cialmente pela manifestação dos falsos e duvidosos princípios que
sa», mandando que tudo devassasse, para fazer «julgar com a maior tem infestado toda a Europa» pudessem por em risco o sossego, '(ran-'
severidade das leis» os possíveIs culpados, «para que o castigo de tais quilidade, a segurança ... (195). logo, os princípios revolucionários
réus seja verdadClramente exemplar, e contenha semelhantes crimi- europeus chegavam à colônia, e animavam atitudes de contestação.
nosos», pois «prêmio e castlgo são os dois pólos sobre que estriba to- Era, para o governo de S. M., evidente que t~ria «muito mais sentid2
da a máquina política», e mais «no momento presente toda a vigI- prevenir tão graves ruInas, afastando da sociedade aqueles que as
lância ronera os maus é indispensável e absolutamente necessária» podem produzir, do que tolerando-os a princípio, e expando-se de-
(191). Atendendo-se à data, não eram infundaGos os temores do go- pois a proceder contra eles com os mais rigorosos e sevef(, castigos»
verno d<l merrópole. (196). Quanto à função que cabia à religiao desempenhar ne~,a profi-
Já o marquês de Lavradio, no seu famoso relatório, refere-se a co- laxia contra-tevolucionária, as instruções metropolitanas efá.... de
lonos que «tiveram uma má criação,> (no caso, os habitantes dos cam- uma cla.:-eza que excluia qualquer mistificação: «a religião, dada fJOr
pos dos Goitacazes): «aparecendo lá um espírito inquieto, que Deus ao homem para a sua consolação, é sem dúvida o melhor ou
falando-lhes uma linguagem que seja a eles mais agradável, mais seguro meio para conservar a tranquilidade e a subordinação
convidando-os para alguma insolência, eles prontamente se esque- necessária para os povos» (197).
cem do que devem, e seguem as bandeiras daquele» (In). Isto, em Mas, precisamente, os ministros da religião começavam a mostrar-
1779. Ora, na medida em que se avançava para o final do século, se cada vez mais «sensíveis ao século» (198) e inquietos com a marcha
aptofundando-se os mecanismos de crise, aquela atItude de recepti- dos tempos. Como, por exemplo, no Rio de Janeiro, aquele vigário
vidade tendia a se generalizar, e os espíritos inquietos a multiplicar- «o mais inquieto, e sempre pronto para tudo o que é falta de subor-
se. dinação» (199). Ou aquele clérigo que, segundo um den.unciante de
«Foi meu sistema», diria ainda o criterioso Lavradio, «assentar que 1794, «começou a soltar discursos a favôr da França» (200), isto é, da
tudo o que podia contribuir para felicidade, sossego, defesa e con- Revolução. Ou, mais ainda, aqueles padres inconfidentes que «es-
servação destes povos e deste Estado ... a mim me pertencia»(l9J). De quecidos das suas obrigações de vassalos, e de católicos», pois que
fato, «conservar os povos em sossego» era um prlOcípio da adminis- «pelo seu ministério de 'sacerdotes» teriam a «mais rigorosa obrigação»
tração colonial, como se pode observar em Teixeira Coelho (194) A «não só de se instruirem nas leis do Evangelho que ordena a sujeição
Dom Fernando José de Portugal, quando do governo da Bahia foi e fidelidade que todos devem aos princípes soberanos, mas até de
transferido para o vice-reinado no Rio de Janeiro (1800), instruía-se instruirem os povos neste preceito, ao invés disso «conspiraram con-
que devia adotar «tudo que mais eficientemente possa roncorrer pa-
ra a seguran~'a, prosperidade e maior aumento da capitania, de cujas sêgo ... ,. ).). Teixeira Coelho - bUlruçiio para o govêrno da Capitania de Minas Ge-
bases dependem a tranquilidade, riqueza e felicidade dos mesmos rais (1780). R.l.H.C.B., t. XV (2" ed. 1888) p. 256.
(W»lnstruçôes para D. Fernando José de Portugal, vu;e·rei e capifiio General de
a~ã() das sonedades secretas_, flWónJ Gera! da Cn'zltzaçJo BraJ'lletra, dir. por Sérgio Mare TerTa do btado do Srasú (817/1800), A.H.U. (Lisboa), cód. 575 f. 96-98.
Buarquc de Holanda, t. 11, vol. pp. 191-206. (l%lIdem, f. 98~ -
\ 1<)1 ICarla dc O . Rod·
figo d e 5ouza Coutinho,
. 4 de OUtubro de 1798. R.I.H.G.S" (1 97 1Idem, f. 96. .
I. LIX, 1896, p. 406-407. (IW1Cf. Carlos Guilherme Mota - Atitudes de InovaçJo no Brl1.fil. pp. 44-45.
(l'l!lRelatóno do MarquêJ do Lnvradio (1779). R.I.H.C.S., t. IV. p. 423. (l99)Cf. A. D. I. M., vol. VI, p. 423.
;::;.~;Re!atóno do MarquêJ do úllradto, R.I.H.G.S., t. IV, p. 455. (2001Cf. DevaHa ordenada pelo Vice-Rei Conde de Rezende (1794). A.B.N. (R.
~Fmalmente, todos sabem que um governadot deve conservar os povos em 50S- j.), vol. LXI. 1939, p. 253.

]64 165
tra o Estado~, cerigindo-se em cabeças de rebelião~ (201). Ou, final- Atentemos, por um momento, na significação desta passagem e
mente, na Bahia, aquele frade - frei José de Bolonha, missionário na gravidade do episodio que relata. Aqui defrontamos com a reli-
capuchinho - que seguia cuma opinião, a respeito da escravidão, a gião, na prática efetiva, promovendo a inquietação das consciências,
qual, se se propagasse, e abraçasse, inquietaria as consciências dos ao invés de manter o sossego dos povos; e atingindo exatamente um
habitantes desta cidade. e traria consigo para o futuro conseqüências' dos pilares básicos do sistema de colonização, qual seja"a escravidão e
funestas a conservação e subsistência desta colônia» (202). No que ti- tráfico, dal implicar verdadeiramente, se prevalescente, na qestrui-
nha inteira razão o governador que tais preocupações expressava ao ção do sistema colonial. E tudo isto de uma maneira que punha em
ministro do Ultramar; pois o dito religioso, </:depois de viv~r n'este xeque todo o conjunto de pressupostos da ordem vigente. De fato, o
pau: ha perco de quatorze annos com procedimento exemplar, cum- colono era colocado diante de um dilema: ou se abstinha da prática
prindo com as obrigações do s.eo ministerio, apezar de algumas im- da religião (a confissão), ou passava a indagar sobre a validade do
prudencias e extravagancias em que rompia, e de que se abstinha, tráfico de escravos. Ao mesmo tempo, contesta-se a autoridade do
quando d'ellas advertido pelos seos superiores, merecendo o concei- príncipe, que chancelara o comércio negreiro; logo, a autoridade ré-
to de homem virtuozo, e zelozo pelo serviço de Deos, se persuadia gia não podia mais legitimamente substituir a consciência indivi-
ou o persuadiram de que a escravidão era iIIegitima e contraria á reli- dual, e a unidade Estado-Igreja, fundamental no absolutismo, se
gião. ou ao menos, que sendo esta umas vezes legitima, outras ille- rompia. Invertiam-se pois as posições: de sustentáculo do regime,
gitima, se devia fazer a distinção e diferença de escravos tomados em passava a religião a elemento de sua contestação. E notável como,
guerra justa ou injusta. chegando a tal ponto a sua persuasão que, para denunciar o ocorrido, teve a autoridade de ir fundo na descrição
confessando pela festa do Espirito Santo a varias pessoas, poz em dos fundamentos do Antigo Regime: a autoridade régia acima das
pratica esta doutrina, obrigando-as a que entrasem na indagação consciências; e o escravo apresentado como pura mercadoria, aban-
d'esta materia tão dificultoza, por não dizer impossivel de se averi- donadas todas as mistificações justificativas com que se costumava
guar, afim de se dar a liberdade a aqueles escravos que ou dourar a coisificação do homem escravizado.
fossem furcados, ou reduzidos a uma escravidão injusta, sem refletir Outro aspecto a destacar nesse notável documento, que na rotina
que quem compra escravos, os compra regularmente a pessoas auto- de uma correspondência oficial está a revelar toda a profundidade
rizadas para os venderem, debaixo dos olhos e consentimento do da crise, é que ele deixa surpreender não só a situação de crise, mas a
Principe, e que seria inaudito. e contra a tranquilidade da socieda- emergência dessa situação: depois de viver mais de um decênio na
de, exigir de um particular quando compra qualquer mercadoria a colônia sem provocar qualquer problema de maior gravidade, o bom
pessoa estabelecida para a vender, que primeiramente se informasse do frade «se persuadiu ou o persuadiram» daquelas idéias malsãs.
donde ella provém por averiguações, além de inuteis, capazes sem Logo, tais idéias iam penetrando e se difundindo cada vez mais.
duvida de aniquillar toda e qualquer especie de comercio» (203) Mais adiante, acrescenta D. FernandoJosé de Portugal: «Examinada
a origem d'esta opinião, que este padre por tanto tempo não segui-
ra, se veio ao conhecimento de que algumas praticas que tivera com
(201)São expressões da sentença condenatória dos inconfidentes edesiásticos. a. os padres italianos da missão de Gôa, transportados em a náu Belém
Autos crimes contra os Réus edesiósttcos da conjuração formada em Minas Gerais surta n' este porto, e hospedados no hospicio da Palma, deram cauza
(1791), Anuân'o do Museu da Inconfidência, vol. 1, 1952, p. 94. Sobre os padn=s in- a que este religiozo se capacitasse d'esta doutrina, não tanto por
confidentes vide D. Duane Leopoldo Silva - O Clero e a Independência. Rio deJa- malicia e dólo, como por falta de maiores talentos e conhecimentos
neira, 1923, pp. 53-64. theologicos, e em razão de uma consciência summamente escrupulo-
(202)Cf. Canas de D. Fernando José de Ponuw.J, governador da Bahia
za» '(204). Dçmde se poderia inferir que o sistema tinha balisas muitn
(18f6f1794). R.I.H.G.B., t. LX. 1897, pp. 155-157. Referência ao ccapuchinho
abolicionista> in Fr. Fidelis de Primerio - Capuchinhos em TemJS de 5anta Cruz, São estreitas para as consciências escrupulosas. ou noutros termos,. nele
Paulo, 1942, p. 166.
(203)R.I.H.G.B., t. LX, pp. 155-156. \204)R.I.H.G.B.. t. LX, p. 156.

166 167
só os menos escrupulosos se sentiam à vontade - o que não deixa v?lta; b~t.ou o enc~:)fltro desses intelectuais ilustrados com a presença
de denotar uma situação fundamentalmente crítica. A menos que se viva e ativista de Tiradentes para se passar das idéias à ação (209). Co-
descresse da consciência humana. mo observa Emília Viotti da Costa, «as críticas feitas na Europa pelo
Da longínqua Goa, portanto, segundo a averiguação do governa- pensamento ilustrado ao absolutismo ... assumem, no Brasil, o sentido
dor da Bahia, vinham para a América Portuguesa idéias de inquie- de críticas ao sistema colonial» (21O). E que no próprio corpo teórico
tação. Que padres seriam esses da missão de Goa? Quando teriam do pensamento das Luzes germinavam contradições que podiam le-
vindo para a Bahia? (205). Teriam talvez participado ou assistido a es- var a uma leitura revo/ucionán"a; lidos esses textos em situação colo-
sa obscura e pouco referida «conjuração de Goa», de 1788, pratica- nial, dificilmente deixariam de estimular a tomada de consciência
mente contemporânea à das Minas? Latino Coelho, dos poucos a tra- das contradições do sistema (211).
tar do assunto, ainda que de relance (206), faz notar terem sido «ecle- Passava-se, efetivamente, nesta quadra de crise do Antigo Regime
siásticos alguns de seus mais ardentes promotores»; o objetivo era e de seu Sistema Colonial, das indagações teóricas sobre a legitimi-
«subtrair o estado da India ao domínio português e inaugurar a forma dade do regime para a prática política de sua superação(212). Em
republicana». dois momentos pelo menos, em Minas em 1789 e na Bahia em 1798,
Não eram diferentes os objetivos da Inconfidência Mineira, cujos transcendeu-se a tomada de coIJ.sciência da situação colonial, e se
infelizes promotores parece não desconheciam os acontecimentos da projetou a mudança, intentando-se a tomada do poder. Se no Rio de
distante colônia indiana(207). A notícia do levante, hoje difícil de Janeiro em 1794 não se foi além de conlúios e aspirações logo abona-
rastrear na bibliografia, parece que corria célere naqueles tempos dos ~213) e se em 1801 em Pernambuco cudo fiéou no plano das
agitados. idéias (214), a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana podem
Quando, pois, em 1794, o vice-rei conde de Rezende mandava
devassar os colóquios aparentemente acadêmicos dos membros da (209)0 papel catalizador de Tiradentes é sempre posro em destaque pelos estudio-
sos da Inconfidência. Cf. Maxwell - Conflicts and ConsPiracles, p. 117-119. Nícia
antiga Sociedade Literária, para «indagar se os sobreditos indivíduos Villela Luz - dnquietação revolucionária no Sul: conjuração mineira~, História Geral
se limitavam e continham só nos referidos sacrílegos e revoltosos dis- da Civilização Brasileira, dir. Sérgio Buarque de Holanda, t. I, v. 11, p. 397. A. Mar-
cursos, ou se passando adiante haviam formado alguma idéia ou pla- (hant -«Tiradentes lU the conspiracy ofMinas», HispanicAmenCan HistoricalReview,
no de sedição»(208), tinha lá suas razões. Em colóquios dessa nature- v. XXI, pp. 239-257. P. Pereira dos Reis - O colomalismo portuguése a conjuração
za, em Vila Rica, também se formara o ambiente propício para a re- mineira. São Paulo, 1964, pp. 103 segs.
\ 2101Cf. E. Viotti da Costa - «Introdução ao estudo da emancipação política», in
Brasil em perspectiva, org. C. G. Mota, São Paulo, 1968, p. 84.
(2lI JVeja_se a aguda observação de RaynaI: cOn se servait contre la métropole de
(20'lNão conseguimos localizar referências precisas nos trabalhos de História ecle- ses propres Lumiêres». Histoire des Deux Indes, ed. 1780, IV, p. 390. A leitura de
siástica. Cf. Florêncio da Silveira Camargo - História eclesiástica do Brasil, Petrópo- Raynal, aliás, é extremamente indicativa do fenômeno que estamos tentando apon-
lis, 1955, e AméricoJacobina Lacombe - "A Igreja no Brasil Colonial., História Geral tar: os passos de sua obra sobre Ponugal e Brasil são extremamente moderados e re-
da Civilização Brasilúra, dir. por Sérgio Huarque de Holanda, t. I. vol. H, pp. 51-57. formIstas (cf. ed. 1780,11, pp. 452·465; ed. 1775, li, pp. 181 segs); mas o que inte-
Fidelis Primem (Op. cit., p. 168), apenas informa que se trarava de padres lazaris- ressava. na colônJa, eram os trechos em que fazia a apologia da independência dos
Estados Unidos (cf. ed. de 1780, lI, pp. 376 segs.) e mesmo do direito de rebelião (p.
'"{l 06 1Cf. J. M. Latino Coelho - História politica e militar de Portugal desde os fins 395).
do XVIII século até ]8] 4, t. II (Lisboa, 1885), p. 189. Caetano Beirão (D. Maria I, 4" (212JCf. F. Maxwell - Conflicts and conspiracies.: Braúl and Portugal, 1750-1808,
ed., Lisboa, 1944, p. 352) reproduz as Informações de Latino Coelho. Cambridge Uno Press, 1973, pp. 61 segs.
(10710epondo nos inquéritos da Inconfidência, Francisco Antônio de Oliveira Lo- (2L\JCf. A.Jacobina Lacombe - «A conjuração do Rio deJanelro». Históna Geral da
pe~ lOlltOU que o padre Carlos Correia de Toledo Piza (outrO conjurado) lhe dera a CIVIlização Brasileira, dir. Sérgio Buarque de Holanda, t I, vol. li, pp. 406-410.
notícia de que "Pedro Assa e o Brigadeiro Francisco Antônio da Veiga se tinham le· (1l4 1Cf. Devassa de 1801, Pernambuco, Documentos Hzstóricos, vol. ex (Rio de
vantado com a Índia•. A.D.J.M., vol. Il, p. 39. Janeiro, 1955). Na introdução, deJosé Honório Rodrigues: " ... não passou do plano
(2081DevllSsa ordenada pelo Vice·Ret Conde de Rezende, A.H.N. vol. LXI, 1939. das idéias, não se concretizando em atos de rebeldia. A delação atalhou o movimen-
p.249. to ideológico. fui um pensamentO sem ação, e como tal penence à história das idéias

168 169
legitimamente considerar-se movimentos precursores da emancipa- ria acompanha os insurretos baianos de 1798, que, para além d6.
ção política (21 5) . Formam um crescendo de tomada de consciência emancipação, chegaram a visar «uma inteira revolução, .. , de que re-
que, pelo menos para o Nordeste, não se conteve com a vinda da sultaria uma nova ordem «sem diferença de cor branca, preta e par-
Corte e as mudanças que implicou, eclodindo enfim em 1817 (216). da .. (220). O movimento revolucionário acompanha, pois, na Améri-
Os inconfidentes mineiros, segundo o depoimento de Tiradentes, ca portuguesa, o ritmo e o aprofundamento da revolução ocidentaJ
almejavam «a independência, que este país podia ter»; que «se fizese (221). Que tenham sido debeladas as tentativas, que os inconfidentes
uma República, e ficasse livre dos governos que só vem cá ensopar-se e conjurados, os revolucionários enfim, não tenham conseguido ou
em riquezas» (217). O objetivo dos conjurados baianos era o estabde- não tenham podido mobilizar forças suficientes para a consecução
cimento de «um governo democrático, livre e independente», pois dos objetivos colimados {222), nada disso anula o significado profun-
«convinha que todos se fizessem franceses, para viverem em igualda- do desses eventos: eles atestam a situação pré-revolucionária que se
de e abundância» (218). Emancipacionistas, ambos os movimentos vivia na colônia.
refletem, no plano político, o agravamento das tensões derivadas do
próprio funcionamento do sistema colonial, e por aí se inserem no As possíveis queixas que POrtugal pudesse ter de sua insaciável aliada não podiam so-
quadro geral da rt'volução do Ocidente. O exemplo seccessionista da brelevar as determinações básicas do sistema. E o cônego ilusuadofoi degredado para
América inglesa esteve permanentemente vivo em todo o processo África. Cf. SentenÇol in Anuário do Museu da Inconfidência, vaI. I, 1952, pp. 94-
da rebelião mineira(219); o espectro libertário da França revolucioná- 101.
(220)Cf. A Inconfidênciada&hia, devilSsase sequestros. A.B.N., vaI. XliII-XliV,
p. 88. Sobre o radicalismo dos conjurados de 1798, vide Afonso Ruy - A Pn'meira Re-
formadoras da consciência nacional~ (pp. 3 à 14). Vide também Manuel Correia de volução Social Brasileira. P ed. Rio de)aneiro, 1970, pp. 67 segs. Para uma r«ons-
Andrade - Movimentos Na/ivistas em Pernambuco, Reófe, 1971, pp. 15-20. ttução mais segura e documentada dos eventos, vide luis Henrique Dias Tavares -
(2l'i)Cf. Nícia Vilela Luz - .:Inquietação revolucionária no sul: a conjuração Minei- História da sedição intentada na &hia em 1798, São Paulo, 1975.
ra». História Geral da Civilização Brasileira, dir. S. B. Holanda, t. I, vol. 11, pp. 394- (221)Sobre as influências ideológicas nas inconfidências, Cf. c.G. Mata - Atitudes
405. À pág. 405: .:pode-se, portamo, considerá-la, sem hesitação, um movimento de Inollação no Brasil, 1789-1801, pp. 124-125. O contacto tão comentado, de )00-
precursor da Independência do Brasil •. Arthur Cézar Ferreira Reis -.:A InconfidênCIa quim)osé da Maia com Thomas)efferson, na França, foi, pois, apenas um episódio,
baiana., op. cit., t. I, 11, pp. 410-417. À pág. 417: «ligava-se a todo um processo aJiás sem resultados práticos, no quadro dessas vinculaçiX's mais gerais e profundas
que unificava, de certo modo as Américas espanhola e portuguesa nos mesmos an- entre as inconfidências brasileiras e a revolução ocidental. Depondo na devassa, Do-
seios de liberdade». Vide, também. T. Halperin Donghi - Histona contemporanea mingos Vidal Barbosa afirmou que o estudante brasileiro de Montpellier voltou ..-mal
de Amen'ca Latina, 3" ed., Madrid, 1972, pp. 74-134. satisfeito» da entrevista com o Embaixador americano, que .julgava pouco dele pela
(216Jpara uma análise desse aprofundamento da mentalidade revolucIonária, Cf. Ca5(V, pois ..-tomara em pouca conta a sua representação, e o desprezara •.
Carlos Guilherme Mata - Nordeste, 1817: estruturas e argumentos. São Paulo, 1972. (A.D.I.M., vol. li, p. 88). Em carta para)ohn)ay, de4 de março de 1787, relata)ef-
Sierra y Mariscal já notava, em 1823, que «a revolução retrocedeu pela passagem de ferson os contact09 epistolares e a entrevista com)oaquim)osé da Maia, a quem fizera
Sua Majestade Fidelíssima para o Brasil~. ldéiaJ Gerais sobre a Revoluçiio do Brtml sentir que .não estamos em condiçiX's de comprometer a nação em uma guerrv. Em
(1823). A.B.N., vaI. XliII, 1920, p. 59. outra missiva, de 12 de março de 1789, insinua a possibilidade de se pressionar a Cor-
(2I7JU. A. D.i. M., vaI. IV, p. 47. te de Lsboa para permitir o comércio dos nane-americanos no Brasil: ..-Eu penso que
(21~)Cf. A inconfidência da &hia em 1798, devaSJilS e sequestros. A.B.N .. vai. é do interesse dos ponugueses desviar todas as tentaçiX's que poderíamos sentir de
XLIII-XliV, p. 87. cooperar para a emancipação de suas colônias•. (Cf. .:Extratos da correspondência de
(ny)O entusiasmo pela independência dos americanos do norte percorre pratica- Thomas)efferson». R.I.H. C.R., t. III, 1841, pp. 208-216). Tudo isto, aliás, se indica
mente todos os depoimentos dos inconfidentes. O Cônego Luís Vieira'da Silva chega realismo e pragmatismo político, não é muito abonador do idealismo liberal do aUlor
a se justificar, dizendo ser «esse fato muito próprio em sujeitos, que têm alguma apli· da D«laração de Independência americana. Cf. tambem Raul d'Eça - .Colonial Bta-
cação, e versados em História~, persuadindo-se que «nisso não comeria delito algum. lil as an element in the early diplimatic negotiations betwen the United States ane
(A.D.I.M., vaI. 11, p. 123). Noutro depoimento, "nem julgava delito contra Portu- Portugal, 1776-1808•. In Colonial Hispanic America, dir. por. A. Cunis Wilgus.
galo gostar ele tespondente, que os americanos ingleses tivessem dado aquele coque Washington, pp. 551-559. Lawrence Hill- Diploma/ic Relations betwen lhe United
à Inglaterra•. (A.D.I.M., voI. IV. p. 308). O pOntO de vista do sistema colonial, re- States and Brazil, Durham, 1932, pp. 4-5. Walter Spalding . ~efferson e o Brasil..
presentado pelos juízes. entretanto, não podia evidentemente admitir que colonos Rell.Hist. (S.P.), n. 24, 1955, pp. 355-386.
admirassem a independência de uma colônia, isto implicando em negar o sistema. \m)Com muita pr«isão r,>,.~rteriza Célia Nunes Galvão Quirino dos Santos as li-

170 171
Não admira, pois, que os governantes, as autoridades mantenedo- versivelmente, «tomou-se consciência, aqui, de que a Europa estava
ras da ordem, se sentissem quase como que em areia movediça. «A 'chupando toda a substância' das colônias; tomou-se consiciência
desordem nesta terra está já tão arraigada», escrevia para a corte em que o Rei era 'como qua~quer de nós'; começou~s~ a achar .~ue. 'isso
1799 Azeredo Coutinho então no governo de Pernambuco, «que até de religião é peta' ... Tmha-se sobretudo, a traglca conSClenCla de
parece ser necessário deixá-la continuar no mesmo estado, assim co- que se podiam 'levantar os povos do Brasil'»(226). ~ .
mo a um enfêrmo já muito arruinado, quanto mais remédios se lhe A CrIse do sistema mamfestava-se, portanto, no Olvel das mentalI-
aplicam, tanto' maior perigo corre a sua vida»(223); são tempos em dades, de forma iniludível, atraveS da emergência de um estilo de
que «a libertinagem se desenfreia ao menor impulso, para dar os pensamento que se contrapunha à ideologia do sistema, com? qual
mais temíveis abalos à paz e sossego público»(224). Os colonos, por não mais podia dialogar(227). A religião, s~porte da ord~m e m~tru­
sua vez, através das câmaras, afogavam o Conselho Ultramarino com menta de sossêgo dos povos, começa a ser vIsta como roteIro d.e hber-
requerimentos e reclamações contra as autoridades (22'». ração, pois «a Sagrada Escritura, assim como dá poder aos relS, para
As tensões engendradas nos mecanismos globais de funcionamen· castigar os vassalos, o dá aos vassalos, para c~tigar os Reis»(228); ?U,
to do sistema começavam cada vez mais a expressar-se, em uma to- no limite, a fé tradicional se apresenta como dusão enganador~ (<<ISto
mada de consciência da situação colonial. Pouco a pouco, mas irre- de religião é peta»). E a autoridade régia, que do ponto de vista do
sistema tinha que ser absoluta e intangível, fonte de todo poder e
mltações da ação política do~ inconfidenes: «A leitura dos auto~ nos defronta com um governação, ficava despida de suas prerrogativas divinas: pois «os ho-
grupo de opinião capaz de fixar argumentos justificativos de uma posição básica de
inconformismo e de alisimilar, reinterpretando·a, a experiência histórica de sua mens são livres e podem em todo o tempo reclamar a sua
época» .• Desvanecido o clima revolucionário e frustrado o levante, os inconfidentes liberdade»(229j, e «devemos todos ser humanos, iguais e livres de su-
se encontram à mercê da justiça reinol como indivíduos e fia0 como representantes de bordinação»(230); e, no limite, o rei é «como qualquer de nós». De
uma organização:.. A Inconfidência Mineira, São Paulo, 1966, pp. 159 a 177. Sep. mãe-pátria protetora, fonte de civilização, a metrópole se met~mor­
dos Anaú do Museu Paulista, vol. XX.
foseia em traste dispensável, pois «os mazombos também vaham e
(213)Cana deJ.J. da Cunha de Azeredo Coutinho, 23 de março de 1799. A.H.V.
(Lisboa). Does. de Pernambuco, 1799, Maço 17. sabiam governar»(231) este país, que «podia ser ~m império»(23 2); o
(224)Ofício de um fuflcionário a TomásJosé de Melo, governador. Março 1798 vínculo metrópole-colônia, que para o sistema unha de parecer na-
A.H.U. (Lisboa). Ooes. de Pernambuco, 1798, Maço 16. No mesmo sentido, para a tural e derivado da própria colonização, rompia-se, pois «um prínci-
América Espanhola: «Por lo que que a mi toca desde que ad se tuvieran nOtlcias de pe europeu não podia ter nada com a América, que era .um ~aís li-
lali coflSpirariofles que en Europase tramabon por la naClón seduetora y por sus prosé· vre»(233). E, no limite, a ligação com a metrópole, não só Ilegítima. é
litos, he vivido slempre como una sentinela, observando com recato todo gênero de
pasos y movimientos ... ~ D. Nicolãs de Arredondo· «Memoria a su sucesor D. Pedro
de Melo de Portugal y Villena~ (Buenos Aires, 16 de março de 1795) . Memórias de
105 Virreyn dei Rio de la Plata, Buenos Aires, 194'), p. 375. 12'6JCf. Carlos GUilherme Mota· AtItudes de Inovação no Brasil, 1789·1801, pp.
(22\lExemplos: A carta de Amador PatríciO de Maia ao ministro Maninho de Melo e 35·36, onde estão referidali as fontes.
Calitro (1')/2/1794). A.H. U. (Lisboa). Does. Rio deJaneiro Caixa 1793·1794; protes· (227JNoção de «estilo de penS:l.mento~, in Karl Mannheim - Ideologia e Utopia,
toS da Câmara de Minas Gerais em 1794. A.H.V. (Lisboa). cód. 311, f. 74·80: ofí. Trad. port., Porto Alegre, 19')6, pp. ')1·55; Essay! on SOClology and Social Psycho·
cios da Câmara do Rio de Janeiro, 2/') 1179') (cód. 921, f. 1190): requerimento de logy, 2" ed., Londres, 1959, pp. 74-77.
João Gonçalves conera JUIZ de Fora da Bahia, 2') 18/1798 (cód. 922, f. 1070); queixali (22l1)Cf. Devassa ordenada pelo Vice-Rei Conde de Rezende (1794). A.B.N., vol.
sobre ali câmarali do Braliil, aviso de Rodrigo de Souza Coutinho, 16/9/1799, cód. 10, LXI, 1939, p. 2')0.
f. 122): representações dali câmarali da Capitania da Paraíba, aviso de 319/1789 (cód. (2Z'i)DevaiJa ordenada pelo Vice· Rei Conde de Rezende (1794). A.B.N., vol. LXI.
10, f. 36 segs.): representação da câmara de Jaçobina, aviso de 19/1/1799 (cód. 10, f. 1939, p. 250. . . .
690); representação contra os ministros da Relação da Bahia, aviso de 1/11/1798 (Z301cr Autos de Devassa do Levantamento e Sedição mtentadas na Bahia em
(cód. 10, f. 51); representação da câmara de Santa Catharina, 1798 (cód. 9, f. 128): 1798. AnaiS do Arquivo Público da Bahia, vol. XXXV, 1959, p. 10').
dos moradores da Vila de Cachoeira, 1796 (cód. 9, f. 128): reclamações contra o go· (2JI)A.D.l.M., voU, p. 95.
verno de Goiá~. 1794 (cód 9, f. 17): queixas da Câmara de Taubaté, S. Paulo, 1799 (2)2)A,D.J.M., vol. r. p. 1')4.
(cód. 30'), f. 46), e os casos se muluplicavam. (2BJA.D.l.M., voL L p. 103

172 173
vista como dominação, exploração: rica de recursos, a colônia vive como um problema, dada a desproporção entre o centro dominante
«na maior miséria., porque «a ·Europa, como esponja., lhe explora e a área de dominaçãol. 236 ).
dada a substância..{234). A natureza era cheia de riqueza, os habi- A. medida que se manifestava a defasagem econômica de Portugal
tantes capazes; só a condição de colônia podia explicar a pobreza e a em relação aos centros mais desenvolvidos da economia européia, a
miséria. Entre essas duas visões dos mesmos fenômenos, entre esses. questão tendia naturalmente a se agravar. Já em 1676. discutindo
dois modos de sentir os mesmos eventos, entre essas duas maneiras concessões ao comércio estrangeiro no Brasil, uma consulta do Con-
antagônicas de situar-se no sistema, nenhuma comunicação era, selho Ultramarino chamava a atenção para que «se houvesse de per-
pois, possível. Configurava-se, como dissemos, uma situação pré- mitir que os navios estrangeiros vão fazer negócio aos pOrtoS das nos-
revolucionária, na qual os parâmetros e!;tcuturais, que dão o quadro sas conquistas, sem nenhuma dúvida se acabaria o pouco comércio
de possibilidades dos processos, não oferecem outra alternativa além que tinhamos porque nem lá haviam de ter nenhuma conta os nossos
do confronto. Em suma, a crise. gêneros, nem aqui haviam de ter saída os nossos açúcares e tudo se
perderia e o pior era que as mesmas conquistas se haviam de vir a
3) Preservação do «exclusivo» perder porque a sua fertilidade havia de despertar a ambição das na-
ções e a fraqueza dos nossos presídios ha de facilitar o seu atrevimen-
Em meio à crise que se avolumava. contudo, a política de neutra- to ... »( 237 l. logo, a mantença do exclusivo era vital; mas, atente-se
lidade combinada com a aliança inglesa nas relações internacionais, bem a que não se afirma que o desatamento do laço exclusivista im-
de um lado, e de ·outro, as devassas e repressões às inconfidên- plicasse na dissolução da colônia como tal, mas sim que tal enfraque-
cias, iam defendendo o patrimônio colonial. Para sobreviver como cimento prejudicaria a economia da metrópole, e no pior dos casos a
metrópole, dentro dos quadros do Antigo Regime, porém, havia colônia transitaria para outra metrópole, isto é, passaria a ser colônia
ainda que preserv3 r o exclusivo do comércio da colônia. Nem era pa- de outra potência. Por onde se confirma a análise que sustentamos
ra que outras potências usufruissem as vantagens que se envldavam no capítulo anterior: concessões, licenças, e o mesmo contrabando,
esforços .para manter a colônia nas traves do sistema. são fenômenos que operam no âmbito da concorrência inter-
Aqui. mais uma vez, é possível discernir os vários níveis do pro- mecropolitana no afã de se apropriarem dos estímulos do sistema co-
blema, como antes fizemos em relação à defesa do patrimônio. A lonial, e que portanto pressupõem e não negam o sistema global,
concorrência colonial, isto é, a competição pela supremacia do co- subjacente ao conjunto das relações entre economias centrais e peri-
mércio dos produtos coloniais, era inerente ao sistema mercantilista féricas.
de colonização(235). Piratas, corsários, entrelopes, contrabandistas Áquela altura, isto é, na segunda metade do século XVII, debatia-
são personagens que acompanham desde o início a história da ex- se a economia portuguesa em grave depressão, aliás geral na Europa
pansão européia na Época Moderna. No caso lusO-brasileiro, entren- (238); o que os assessores da realeza de fato discutiam eram os tratos
tanto, isto é, no que respeita às relações Ponugal-Brasil, nos quadros
do Antigo Sistema colonial, tal competição se apresenta desde cedo
12.>6J Cf. LÚCIO de Azevedo - Épocas de Portugal Econômico, 2~ ed .• Lisboa, 1947,
p. 422: «O problema econômico de Portugal não era o das indústrias; sim OUtrO mais
complexo, e com raizes no próprio ser da nacionalidade: administração ineficieme;
(2)4JA.D.l.M., vol. IV. p. 14l. um império colonial desproporcionado, pela extensão, aos meios possíveIS de o po-
{HSJCf. E. Hamilton - .The role of monopoly in the overseas expansion and colo- voar, explorar e defendeI».
nial trade of Europe before 1800~. Am.Econ.Refl., vol. XXXVII, 1948. pp. 33-')3. (l.\7JConsulta do Conselho Ultramarino, 29/9/1676. DocumentOI Históncos, vol.
W. A. Cole - .Trends in Eighteenth Century smugling~. Econ.Hist.Refl., 2" série, LXXXVIII, 1950, pp. 109-115.
vol. X, 1958, pp. 395-410. G. D. Ramsay - cThesmuggler's trade: aneglened aspen {23~)Cf. V. Magalhães-Godinho _«Portugal. as frotas do açúcar e as frotas do ouro...
ofEnglish commercial developmenh. Transactúm oflhe Roya! Hisloncal SOCielY, 5 a Rel/. de Historia, São Paulo, 1953, n 15, pp.69-88. R. Mousnier - Os séculos XVI e
série, vol 11. 1\)52, 131·158. P. Leroy-8eaulieu . De la colonisallon .hez les peuples XVII, t IV da História Geral das Cl/Illizafões, dir. por M. erouzet, trad. porL, São
modernes. 1874, p. 35.
Paulo. 1957, pp. 159·165.

174
175
qu~ a Restauração fora obrigada a ~azer para defe~der-se da Espan~Ia, quer negOCIações. O criterioso vice-rei parece ter seguido à risca as de-
com concessões no mundo colonIal, sobretudo a Inglaterra. A Im- terminações, e sua correspondência constantememe acompanha os
portância da preservação do exclusivo era porém .de tal ~rdem, que a «autoS de exame» feitos em navios esrrangeiros(242). No fim de seu
audácia dos conselheiros chega a tanger a heresIa: havIa por toda a mandato, ainda lembrava à Corre «estarem se estragando os coiros
forma que descumprir os acordos, pois «conservar a saúde das repú- apreendidos ao navio espanhol S_ Francisco Xavier, que se encon-
blicas é lei dos príncipes, que precede a todas as h~manas. porque tram nos armazéns do Rio de Janeiro aguardando resolução»; acres-
com prejuizo da própria conservação nenhum preceIto obnga nem centando que já não valiam o frete para o Reino(243). A Luís de Vas-
ainda os de Deus (!), e seria imprudência e ainda escrúpulo, que pe- concelos e Sousa, primeiro vice-rei do período post-pombalino e su-
la observância de um capítulo de paz ou de um contrato, que é o cessot de Lavradio, lembrava-se que «os comrabandos e descaminhos
mesmo, houvéssemos de pôr a evidente ruína nossa conservação e o são, não só a ruina dos úteis vassalos, mas os que diminuem o real
nosso remédio ... » pelo que «pareceu ao Conselho que Vossa Alteza patrimônio destinado à causa pública»; havia que combatê-los pela
deve ser servido mandar proibir o comércio aos navios estrangeiros «exata observância das leis promulgadas contra essas transgressões»,
que forem aos portos do Brasil, e que quiserem comerciar ainda a reconhecendo o governo metropolitano, comudo, que tais medidas
troco de dinheiro e pagando todos os direitos pertencentes à Fazenda «poderão dominuir muito o mal, ainda que não o extingam de
Reai»(239l. A colônia, era, pois, a «conservação» e o «remédio» de todo»(244). E as instruções dos vice-reis e governadores repetem insis-
Portugal, que se arruinaria sem ela. . , tentemente tais determinações·( 245 l.
O esforço pela preservação do exclusivo mecropo[uano portug~es Chegava-se, portamo, ao último quartel do s€culo XVIII que é
se acentua ao longo do século XVIII, e vai num crescendo para ann- quando se abre, com a independência das colônias inglesas, a crise
gir o clímax no período da adminIstração pombalina(24Ü). Assim,. nas do Amigo Sistema colonial, com uma posição claramente tomada
cartas instrutivas dirigidas ao marquês de Lavradio, quando de sua pela Coroa: a legislação(246) e as instruções, que forcejavam por
designação para o vice-reinado, insiste-se em que eta primordial implememá-la, procuravam por todos os modos barrar a penetração
«preservar os portos do Brasil do pestilenciaJ contágio dos contraban- mercamil externa na colônia. Por outro lado, o rápido surto de de-
dos»(241) em que estariam mancomunados os ingleses e os confiden-
tes dos jesuítas. Contra esses dois «inimigos» havia de se defender
com a política e, se preciso, com a força. Só podiam aportar barcos 12421A.H.U. (Lisboa), docs. Riu de Janeiro. Caixa 1777-177!l. Um levantamento ri-
estrangeiros em caso de arribada forçada; e então, todo um minucio- gurosu de todus os «Autos de Exame», difidhmo por se encontrarem tais documentu,
so mérodo de averiguação e exame se ordenava, para evitar quais- dispersos na documentação avulsa (caIXas e maços) seria a única maneira de ter esti-
mativas quamificadas do contrabando.
l24lJA.H.U. (Lisboa), Docs. Rio deJaneiro. Caixa 1777-177!l. Sobre o combate ao
wmrabando pelo Marquês de Lavradio: Oauril Alden - Royal Governmenl In colo·
(2.\'))Consulta do Comelho Ultramarino, 1676, loc. Clt. 7IIal Brazil. Berkeley, 196!l, pp. 389-417
INOJCf. Coleção das Leyes e Ordens, que prohibem ()J navIOS estrangeiros aSHffl ()j (14411nstruções a Luís de VaJ'concelos e Sousa acerca do governo do Bra.u/ (1779).
de guerra, como os mercantes, nos portos do Brasil. A.H.U. (Lisboa), cúd I 193. R.l.H.G.B., t. XXV, 1862, p. 481 Ver também ... Minutas de Instrução» (1779).
B.N. (R.).), 7 1.6. Comemando o Regimento dos Governadores Gerais anotava em A.H.U. (Lisboa). Does. Riode)anwo. Caixa 17!l1-1782
1!l04. o marquês de Aguiar, D. Fernandojosé de Portugal que das «Leis e Ordem 114~JCf. Instrução do Vice-Rei e Capitão Genm!1 de Mar e Terra do Brasd. D. José
que proibem o comércio dos estrangeiros nos porros do Brasil~ «~e remerem uma Co- Luís de Castro, conde de Rezende (6/3/1790). A.H.U. (Lisboa), cód. 573, ff. 15 a
leção ao Vice-Rei, e maiS governadores ultramannos, com a prOVisão de 1Üde janeiro !lO. Instruções ao Vice-Ret e CapitJo General de More Terra do Brasil, D. Fernando
de 18ÜO»(Cf. Documentos Histón"cos, vol. VI, 1928, pp. 443-444). Os códices do Ar- jOJé de Portugal (81711800). A.H. U. (Lisboa), cód 575, ff. 95-111.
qUIvo Ultramarino de Lisboa e da Biblioteca Nacional do Rio de janeiro são com cer- (l4('1á em 1776 novas medidas são tomadas: edital 5/7/1776, proibindo embarca-
teza exemplare<; dessas coleções enviadas pela metrópole aos seus governadores nas ções das colônias inglesas. Cf. A. Delgado e Silva - Coleção de LegúlaçJo portuguesa,
col@nias. 1775-1790 (Lisboa, 1828), p. 99. Alvará 4/!l/1776, proibindo descaminho nas (apl-
(WICf. Cartas inslruMasao Marquês de Lavradio, 1796. A.H.U. (Lisboa)cód. 567 tamas do Norte. Aragão Morato - Coleção de Ley,lSlação Impressa e mamlJcnÚJ (t1ibl.
(sem numeração de folha~). Acad. das Ciências, Lisboa), vul. XXII, doe. 29.

176 177
crescente do comércio ilícito no fim do século XVIII. A freqüência
senvolvimento econômico europeu dessa·fase(247), e particularmente das arribadas forçadas, que era um dos caminhos de burlar a fiscali-
da Inglaterra onde se engaja a Revolução Industrial(248), iam tornan- zação, indica no mesmo sentido(253).
do cada vez mais difícil para ser finalmente impossível a preservação ·Nesses casos, às vezes se constatava a necessidade urgente da apor-
do exclusivo português. tagem; noutras, desconfiava-se das intenções, como no caso de Gas-
De fato, os avanços em direção ao capitalismo industrial, especial- par Guerra (devia chamar-se Krieg), de nação alemã, que vindo da
mente na Inglaterra(249), na medida em que se desenvolvem, ten- Bahia, desejava seguir para Montevideu, «que poderia andar obser-
diam a impossibilitar a manutenção dos esquemas mercantilistas de vando o que se passa por estas conquistas» e que por isso foi remeti-
comércio colonial. Em conseqüência, acentua-se a competição, pois do a Portugal em 1779(254). Outras vezes, era toda uma esquadra que
as demais potências, pressionadas pela emergência:I0 ind~st~ialismo arribava, como em 1782, nada menos que 27 navios ingleses da Com-
inglês, respondem tentando cada uma delas p~atJc.ar mais Intensa- panhia das Índias Orientais, o que pareceu ao vice-rei «participar a V.
mente o comércio clandestino(2)0). Os países Ibéncos, por seu la- Exna. para evitar confusão)255). Inglesa também a nau «SCptro»,
do, empenhados em recuperar-se ~a defasagem econômica, di- cujo comandante Graves insistiu «em não cumprir a.slcis» o que obri-
ligenciavam em preservar o exclusIvo(2'H): Agra~ava-se:. portan- gou a autoridade a «usar de meios, apesar da aliança entre as cortes>.>
to, o problema, nesta última quadra do Anugo RegIme, e e sob este
aspecto que se manifesta nas relações Portugal-Brasil, a crise do siste-
ma colonial. 1953, pp. 228-229. Heitor Ferreira Lima - História político económica e indwtrUU do
Brasil, São Paulo, 1970, pp. 64-66. Djacir Menezes _ O BrflJiI econômico, Rio de)a-
Neste contexto, não será porventura temerário supor que o contra-
fi(~iro, 1944, pp. 30 segs. Vicente Almeida Eça - A abertura dOi portOJ do BrtlJil, Lis-
bando avolumou-se nas costas do Brasil neste período ünal da colô- boa, 1908. Wanderley Pinho - A abertura doi POrtOI, Salvador, 1961. A. Manchester
nia. Difícil, com~ nenhum OU((O, dada a própria natureza fugidia -Bn·tish preeminence in Brazil, Chapel Hill, 1933, pp. 38 segs. H.E.S. Fisher - The
da documentação, o tema tem sido abordado por vários autores~252?, Portugal trade. A Jtudyof Anglo-PortugueJe commerce, 1700-1770, Londres, 1971,
e o material que vai se acumulando parece confirmar a tendenoa A.Christelow _ «Great Britain and the trades from Cadiz and Lisbon to Spanish
America and Brazih, Hisp.Am.Hist.Rev., vol. XXVII, 1947, p. 2-29.
(2\.\JPara amostra, uma sondagem evidentemente não exaustiva, no periodo de
(2~nCf. V. Vásquez de Prada _História economll;a mundial. Madrid, 1964, t. II ,PP: Luís de Vasconcelos, no kio de Janeiro: «Autos de Exames_ de navios em arribada:
25 segs. Cf. The mduJtrial revolutwm and after, vol. VI da Cambndge EconomlC em 7/10/1779, navio espanhol N.S. do Rosário; 18110/1779, navio holandês Dia-
History ofEurope, dir. por M. Postan e H. Habakkuk, 1966. . . na; 41211780, navio inglês Kingston; 28/8/1780, seis navios ingleses; 25/6/1781,
(24H)Para uma cronologia de processo de industrialização e precedênc~a mglesa, ~f. navio francês Astorlay 29/10/1781, navio francês Duas Helenas; 14/4/1783, navio
W. Rostow _ EtapaJ do deJenvolvimento económlco. Irad. port., Rio de Janeiro, inglês Europa; 28/5/1783, navio espanhol Santo Antônio; 28/10/1783, navio espa-
1961, p. 10. nhol S. Pedro; 41911783, navio espanhol S.)ost; 28/8/1783, navio francês Amiza-
(24\1)éf. R. M. Hartwell- «Economic change in England and Europe, 1780-1830~, de·; 17/8/1784, navio espanhol S. José:,J0/91 1784, navio espanhol Santa Paula;
New Cambridge Modem Hitory, vol. IX, 1965, pp. 31-59. 29/41l785, navio espanhol Santa Barbara, 9/5/1785, navio espanhol São JoãO;
mOla. Henri xc _HiJtoire économlque de la Fra".ce. Paris, 1948, pp. 328-32? 15/7/1785, navio espanhol S. Pedro; 8111/178), navio inglês Carnden; 28/1/1786,
(2500 que não excluia, sempre que possível, a prática do contrabando er.n alh~las navio espanhol Boa Viagem; 71911786, navio espanhol, Jesus-Maria-Jost:
colônias. Cf. Cartas de Rodrigo de Sousa Cominho ao Conde de Rezende, VICe-reI do 30/5/1786, navio alemão Conde de BeIgioso; 25/10/1787, navio ingI~s Amizade d~
Bf25i1 (23/10/1799) enfaüzando as ~vantagens, de mananciais. de riquezas, que re- Londres; 12/61 1788, navio inglês Asuéia; 13/9/1788, navio espanhol N. S. ConceI-
sultariam a todas as praças de comérlÍo destes reinos.e domíniOS e o quanto se au- ção; 14/10/1788, navio ingl~s Príncipe de Gales; 19/10/1788, navios holandes~
mentaria à Real Fazenda, se por meios indiretos e táCItoS, se procurasse promover e Vredenburg e Her Copand; 5/11/1788, navio inglês Borrendale; 28/7/1789, navIO
fazer mais ativo o nosso comércio com as colônias espanholas do Rio da Prata». espanhol S,José Batista. A.H.U. (Lisboa). Docs. Rio de janeiro. Caixas 1779, 1780,
A.H.U. (Lisboa), cód. 574, f. 193v. Sobre essecontraban~o para o Rio da Prata no 1781-82,1780-81,1782-83,1784-85,1786-87, 1788-89, 1789-80. .
século XVIII, estimulado pela metrópole, Cf. José Anton!o Soares de Souza - «As- (2HJOfióo de Luís de Vasconcelos, 21/10/1779. A.H.U. (Lisboa). Does. RiodeJa-
pectos do comércio do Brasil e de Portugal no fim do seculo XVIII e começo do neiro, CaIxa 1779.
XIX". R.I.H.G.B., vol. 289 (Rio de Janeiro, 1971), p. 88 segs. (1~')Ofício de Luís de Vasconcelos, 21/5/1782. A.H.U. (Lisboa). Does. Rio de )a-
(2~2)Cf. R. Simonscn _História económica do BraJiI, 3" e,d., SãoaPaulo, ~957, pp. I neiro. Caixa 1782-83.
351 segs. Caio Prado Jr. - FormlJfiio do BraJil contemporaneo, 4 ed., Sao Paulo,
179
178
(2')(,). A corveta «São Pedro de Alcantara»,vmha de Montevj(lcu, e se chaiupa inglesa «Hind», flagrada em pleno contrabando, e apreen-
dirigia a Cádiz; motivo para dificuldades no Rio de )aneiro(2,)- I. DOIS dida; mas Sua Majestade, «atendendo a algumas JUStas considerações
franceses, que por sinal vinham em navio protugue~ para vender na do real serviço» mandava pôr em liberdade os ingleses (265). Ou
da menos que 139 escravos, tiveram a «mercadoria» apreendida{2,)};i. quando Sua Majestade Fidelíssima resolvia atender ao Rei Cristlanís-
Da colônia partiam denúncias, como a do vereador ele Cabo Frio simo, que intercedia por dois navios de Brest, comandados por M.D.
que em 1796 avisava do contrabando do pau-brasil(259). O conde de Entrecasteaux(266). O mesmo patrocínio não teve Mme. d'Entre-
Rezende se preocupava com isso(260). Denúncia curiosa de um «in- meuse, com as peripécias de seu navio «Boa Viagem», comandado
glês», comerciante desta praça (Lisboa), que prevenia o intendente aliás por um português, Eleuterio Tavares(267). Nau apreendida, ela
Pina Manique, em 1784, de seis navios saídos de Londres e Falm- acabaria prêsa em Lisboa(268).
mouth, «para a costa do Brasil, carregados de fazendas)), «apon(ando~ As ilhas atlânticas eram poiltos de contrabando, chamava a aten-
com miudeza todas as circunstâncias,,(261). E, 1798, queixavam-se os ção uma carta de 1802(269). E na capitania de São Paulo, a corres-
negociantes de Lisboa contra o «abuso e prevarica~ões do contraban- pondência dos governadores com as autoridades subalternas atesta
do de produtos estrangeiros no Rio de)aneiro, com prejUlzo da Real °
também a constante preocupação com contrabando. Para as câma-
Fazenda e ruina do comércio naciona1»(262). E sua Majestade «admi- ras de Paranaguá e S. Sebastião, por exemplo, lembrava Franca e
rava muito que ainda venham à Sua Real presença semelhances quei- Horta que o comércio exterior se deve fazer «em direitura para Por-
xas depois das severas e estritas ordens dadas». tugah, «direto com as Praças do Reino», e não para outros portos da
As autoridades coloniais, como era de esperar, nem sempre eram colônia(270). Para a câmara de S. Luís do Paraitinga, insistia o mesmo
zelosas. Como por exemplo aquele governador de Mo~ambique 00- governador que «um comércio direto de seus portos, para os do Rei-
sé de Vasconcelos e Almeida) que, de passagem pelo Rio de)anelfo no, é sem contradição o mais útil que podia imaginar-se para levan-
em viagem para África, se recusava a mudar de embar(a~ão, sem ra- tar do abatimento e pobreza em que geme há rantos anos» a capita-
zões plausíveis; é que transportava gêneros para comerciar por sua nia(27 1). A insistência parece aliás indicar que os cofonos não esta-
conca(26.:)). As «residências», depois, eram severas(264) .)á os funCioná- riam muito convencidos dessas verdades sem contradição. Para Uba-
rios mais dedicados às vezes encontravam dificuldades, dadas as tuba, mandava dizer que o anil devia ir para Santos, donde seguiria
pressões das potências sobre o governo de Lisboa. Como no caso da para Lisboa, em vez de ser descaminhado para o Rio de Janeiro(l72).
O comércio inter-colonial era assim visto como contrabando.
Na Bahia, uma carta régia já de 1707 lembrava ao governador que
{1~610fício. 22/4fl782 Docs. Rio deJanelro. Caixa 1782-1783. pelos tratados os britânicos podiam fixar quatro famílias na capital
{2S7IOfíClO de 19/3/1783, Idem. da colônia (isto é, em Salvador então); mas'que «sem faltardes à
P"i8)OfícIO de M. Melo e Castro a Ayres de Sá e Melu. 17/8/1784, transmitindo in- obrigação do tratado, procurareis com destreza fazer-lhes tão pouco
formações do Riu de Janeiro. A.H.U. Maços do Remo. 123. agasalho e favor que eles se desgostem de ir comerciar às conquistas,
12W)A.H.U .. cód 458, f. 81v-83v.
1260JOfíclO, 1798. A.H.V. Docs. R.J. CaIxa 1796. Em 1800 eram feitas apreensões
no Cabo Frio. Consulta 20/311800. A.H.U Cód. 28. fr 12-20. (2iJ~JCana de M. Melo e Castro a Luís de Vasconcel05, 3011011781. A.H.U. cód.
{261 lü fício de Pina Mamque a M Melo e Camo. 611011784 A.H.U. Does. R.J. )72, r 106.
Caixa 1781-85 (26óJ üfíClO 23/9/179l. A.H.V. Cód. 573, r 118.
(2ú2 lü fíclO de Rodrigo de Sousa Coutinho ao Conde de Rezende. 2811/179S. (WJCf. consulta 28/6/1799. A.H.V. cód. 235, r 69, carta de 4/1111799, cód.
A.H.V. Cód. 574, r 81 251, f. 110, consulta 16/12)1799, cód. 71, r 247.
':""OfíU05 de Luís de Vascoi1ldo'. de 61')1 177i.) t" 211101177'). A H U. Do(';. (2iJSlcr Olivetra Martins - HiJtóna de Portugal, t. 11, p. 256.
Rio de Janeiro. Caixa 1779. Id"!IA.HU lód 589. r 217.
(I64 IDevassa nas ilhas de S. Tomé e Príncipe. A. H U. Cód. 922, frI91-197v. De- {!70Icr Documentos lnlereSlanter, vol. LV, 1937, pp. 174 e 181.
va~sa de residênua do desembargador da Bahia (1777). lnventánó de E. Camo e Al- Irllcr D.l., vo!. LV, p. 203.
meida, vo!. 11 p. 3S2. Ir2)Cf. D.I., vol. LV, pp. 210-211.

180 181
porque será mui útil ~ue se v~o c?merciair a elas os .nossos procedem.(279) Uma outra denúncia, do ano seguinte, e dinglda
vassalos»(273). Isto é, deVIa ser hospItaleIrO de modo que os VISItantes também a Martinho de Melo e Castro, referia ainda mais minuciosa-
se retirassem. A sugestão parece que foi seguida, pois não consta a fi- mente o contrabando inglês; demonstrando a ineficácia dos meios
xação dos britânicos. Em 1770, porém, o provedor da Alfândega ad- de controle: «Logo que o navio estrangeiro entra é conduzido pelo
vertia para a corte, que através do comércio de escra~os com a ,i0s.ta patrão mor ao ancoradouro que lhe está destinado, cujo é atrás da
d' África se contrabandeavam produtos holandeses e mgleses(27 ), 1S- ilha das Cobras pela face que está para o Norte, cujo ancoradouro é
to é, os contrabandistas agora eram os colonos. . um esconderijo para descarregarem mais facilmente tudo que quise-
Para o governador da Bahia, ainda, prevenia o vice-rei LavradlO, rem, porque da cidade não se vê»(280). Sendo pois necessário «usar
em 1778, da vinda de diversas embarcações inglesas que, pretextan· outros meios com estes estrangeiros», «corja de contrabandistas,), a
do pesca da baleia, o que visavam era o contrabando(275). Pela mes- fim de evitar «prejuízo hortoroso aos negociantes de boa fé».
ma época o governador entendia assegurar a defesa dos navios mer- Tudo isso indica, evidentemente, um volume considerável do co-
cantes, comboiando-os, contra corsários~276). Vilhena, na virada do, mércio ilícito do ponto de vista metropolitano. O testemunho de
século volta a referir o contrabando africano, que entretanto su- observadores estrangeiros vem confirmar essa impressão. Dumouriez
põe ~enor que antes{277l. Mas Silva Lisboa, na cana a Vandelli referia, em 1766, que «os portugueses e o rei não detém a metade do
(18/10 11 781), refere que «daquela safra de tabaco, a metade do me- comércio do Brasil, que está nas mãos dos ingleses, a quem perten-
lhor vai para Portugal, o resto se divide em rolos de três arrobas, que cem os melhores entrepostos (<<facrories»), sob nomes portugueses,
vai para África para 0_ negócio de escravos, muito grande pane em os negociantes portugueses, em pequenos números, os capitalistas e
contrabando vai para Asia, reduzido a pó, com dano do conITato da os colonos sendo apenas testas-de-ferro e corretores»<281). Parece
Rainha»(178). referir -se mais ao domínio inglês via metrópole. Carrere, no fim do
Se já nessa época se mostrava circunspecto o futuro Cairu, não as- século, já se refere ao contrabando: 182 ). Em 1787, o consul da Rússia
sim o seu irmão Baltazar da Silva Lisboa que do Rio de Janeiro infor- em Lisboa informava para S. Petersburgo que «pelas últimas notícias
mava em 1793 o ministro do Ultramar sobre a «copiosa entrada de do Brasil, o governo foi informado do prejuizo irreparável que expe-
contrabandos nesta cidade, tendo entrado neste pOrtO no ano passa- rimentava o comércio desde a paz, sobretudo nos últimos três anos,
do, trinta e dois navios estrangeiros, quase todos ingleses, e neste por causa do contrabando aberto que se faz, nas costas, pelos france-
ano sete embarcações inglesas, as quais têm introduzido um jamais ses no Rio Amazonas, e pelos ingleses e americanos, só podendo
visto giro dos ditos contrabandos» e «os oficiais da alfândega» são «in- opor-se fracamente»; aliás «os habitantes dessas vastas solidões
teiramente inábeis nos ofícios que ocupam, não só pela falta de in- eram os primeiros interessados em favorecer os contrabandistas»(283).
teligência das fazendas, como pela infidelidade com que Testemunho assaz interessante o deste texto, que nos permite entre-
ver como éramos vistos por um diplomata do Czar (aliás czarina, Ca-
tarina 11) no fim do século XVIII (<<Ies habitants des ces vastes solitu-
(27.llCf Pinto dt" Aguiar _Ensaios de Histónae Economia, Salvador, 1960, vol.l, p. des»), o que afinal não é tão grave; mas sobretudo por indicar a pre-
19.
(2:' 4 1Cf. Pinto de Aguiar - ap. Clt .. , p. 48.
(2;"j)Ofício de 15 1111778. lnventáno, de E. de CastrO e Almeida, vol. 11 p. 394. (27'llCarta de 1014/1793. R.I.H. G.B., LXV, 1901, pp. 264-265.
(l-61Inventáno, vol. lI, p. 393. (280 1Carta de 15/2/1794 do Amador'Pacrkio de Maia. R.I.H.G.B., t, LXV, 1902,
Ir-)«Ê hoje menor o contrabando, de que vmham bem providas nossas embarca- pp. 268-273 As cartas de Baltazar S. Lisboa e Amador da Maia estão referidas em
ções». L Santos Vilhena _Recopdoçiio ... (1802). Ed. Braz do Amaral, 1921, p. B. CaiO Prado Jr. . Formação do BroJif Contemporâneo, pp. 228-229.
Mas, noutro passo, alude às vendeiras negras que saem com «caixinhas chelas?e fa- (2Nl)État présenl du Royaume du Portugal, Lausane, 1775, p. 90.
Lendas. a maior pane de contrabandos, tirados por alto, ou comprado5 em navIos es- (282)Cf. Voyoge ou Portugal. et particuliifremenl ii LlJbonne, Paris, 1798, p. 61.
trangeiros que aqUi apontam e saem carregados de dinheiro•. Recopdaçiio, p. 132 (2~.l)Carta·ofkio do Consul da Rússia, 27/2/17'd7 Biblioteca da Ajuda. Lisboa,
"'"':\.B.N .. vol. XXXII, 1910, p. 503. 51·Yl-44, f. 116v.

182 183
,ença do contrabando americano. Sobre este ponto importante, in- quando se suspendeu em Portugal a interdição ao comércio dos re-
formava ainda que os ditos americanos faziam a pesca da baleia à vis- beldes e s<; reconheceu a independência da nova nação(288), se esfor-
ta dos pequenos portos do litoral brasileiro, sem cuidar da sua fraca çasse pemstentemente por obter a formalização de um (Tatado de
artilharia{ 284)" comércio; as negociações, porém, não tiveram êxito porque os norte-
E de fato, os estudos monográficos sobre este ramo da indústria e americanos insistiam em obter licença para comerciar diretamente
do comércio coloniais, documentam amplamente a penetração dos nos pOrtos do Brasil(289). O que mostra que os Estados Unidos
ianques, a partir da segunda metade de Setecentos, nas águas do recém-independentes também se constituiam em elemento de pres-
Atlântico Sul e mesmo no litoral brasileiro, com uma intensida- são para ruptura do pacto colonial português. Se ligarmos, agora, es-
de que conduúu à decadência das atividades baleeiras luso- ses dados com o que ficou acima dito sobre a pesca da baleia nas cos-
brasileiras(285). No período que se seguiu à Independência, a tas brasileiras, não será demais presumir que os americanos do norte
economia americana enfrentava dificuldades advindas das restrições e.ram a~ivos no contra~ando no Brasil, no fim da época colonial. Mal
impostas pelo governo inglês aos mercadores da ex-colônia; daí se es- tinha vlO.do ~ corte lusitana para a América, já o negociante america-
forçarem na abertura de novas frentes de comércio, e a isso parece es- no Henn Hdl era para cá enviado como consul, a fim de orientar
tar ligado o avanço para o Adântico meridional(286). Na mesma li- seus confrades sobre as possibilidades comerciais que se abriam(290).
nha, devem interpretar-se os rápidos progressos das relações mercan- A pressão do contrabando era, portanto, grande, e tendia a se
ris dos Estados Unidos com Portugal no fim do século XVIII, atesta- avolumar nesta última e movimentada erapa da era colonial. Ingle-
dos na balança de comércio; de fato, a participação narre-americana ses à frente, mas também americanos(29 1), franceses, até suecos e di-
no intercâmbio internacional português, entre 17%"/1811 (vide grá- namarqueses, iam cada vez mais rompendo as malhas do exclusivo
fico e tabela 22), não é de forma alguma despicienda: em 7" o lugar, me~ropolitano p~)f(uguês em terras brasileiras(292). Em Portugal, os
acima da Prússia, Barbárie, Dinamarca, Rússia e Suécia(287)" Não efeitos eram reglstrados na balança de comércio; o criterioso conta-
admira, assim, que a diplomacia americana, logo após 1783, que é ~or Maurício José Teixeira de Morais, organizador das balanças, nas
lOtroduções em que comentava anualmente o movimento comercial
(2S4J ldem, ibidem. d.a metrópole, clamava contra os efeitos depressivos 40 comércio ilí-
(2~~JCf. Myriam Ellis - A balela no BTaszl colomal, S. Paulo, 1969, pp. 167 segs. Cito: em 1800, quando mais claramente começa a se manifestar o su-
(2~(,)Cf. F. Shannon _ Aménea's economicgrowth, 3 a ed. N. York, 19')1, pp. 86- peravit. da colônia (vide gráficos 3 e 4, e tabelas 3 e 4), lembrava que
88, 167-179. R. Robertson - História da economia americana, trad. pOrt., Rio de Ja- «esta diferença (o déficit) procede da introdução das fazendas ingle-
neiro, 1967, t. I, pp. 268 segs_ No ofício de ~ de Janeiro de 1785, dirigido ao Vice-rei,
o ministro .do Ultramar Maninho de Melo e Castro notava que «as províncias unidas
americanas, que de uma nação sujeita passaram a uma potêncIa livre e soberana, ten- (288JCf A. Delgado da Silva" ColeçJo de legISlação Portuguha_ Vol. de 177~"
do grande quantidade de embaraços durante a guerra, que viviam do corso, também 1790. pp. 332-333.
as veremos, quando menos o esperamos, infestarem os pOrtOS e costas do mesmo Bra- (2W)Ja. Raul Eça - «Colonial Brazil as an e1ement in the early diplomatic negotla-
sil, principalmente não lhes sendo desconhecidos, mas antes tendo sem mterrupção tions betwen the United States an Portugal, 1776-1808», In Colomal HIJPamC Ame
freqüentado aquêles mares, onde faziam e fazem a pesca das baleias». R.l.H. G.B., t. n'ca, dir. por A. Curtis Wilgus, Washington, 1936, pp. 551-5~9_
X (2 a ed., 1870), p. 214. (!'!O)Cf. Henri Hill- A View oflhe Commerce ofBraztl (1808), ed. bilíngue, Salva"
(2M7JSe acompanharmos, nas tabelas de importação e exportação das balanças de co- dor, 1964. Entre as mercadorias que Hill aconselhava seus conterrâneos enviarem pa-
mércio dos anos de 1796 a 1807 (Cf. Balança Geral do Commercio do Reyno de Por- ra o Brasil figurava, por exemplo. velas de espermacete, e OUtrOS produtos baleeiros.
tugal com os seus Domimós e Nações EstrangeirtlS, dos anos 1796 a 1807, Biblioteca (2'!l)Sobre a pressãu diplomática e econômica norte-americana, cf Antônia Fernan-
do Instituto Nacional de Estatística, Lisboa, A.H.M.O.P., Lisboa, B.N.R).) a posi- da Pacea de Almeida Wright - Desafio amencano li preponderância bnlômca no Bm
ção dos Estados Unidos, constatamos que, nas importações (para Portugal) eles co- sil, Rio de Janetro, 1972, pp. 117 segs.
meçam na 11' colocação (1796, 1797, 1798), ascendendo em 1799 à 9", em 1801 à (292 )Vide o trabalho, atrás citado, de José Antonio Soares de Sousa (<<Aspectos do
3 a , seu pomo máximo, depois se mantém entre a 7" e 5". Como consumidores das comercio do Brasil e de Portugal no fim do século XVIII e comêço do XIX»,
exportações ponuguêsas os Estados Unidos se mantém nesse mesmo periodo na 7 a R.l.HG.B., vol. 289, pp. 3-111), que enriquece, como novos dãdos, o estudo do
colocação, ascendendo em 1799 para a 5". contrabando nesse período.

184 185
sas no Rio de Janeiro em navios da mesma nação, e que fizeram es- Em 1805, infatigável: «o muito contrabando» rem «entrada quase
tagnar nossas manufaturas»(293). Dois anos depois volta a insisitir: a que franqueada, naqueles portos, com o mais escandaloso
diminuição nas exportações das manufaturas portuguesas (<<gêneros abuso»t 299 1, sendo necessárias «eficaze~ providências, além daquelas
das fábricas do reino») decrescera em função «do comércio clandesti- que anualmente se dão». Indefesso, em 1806: «o ruinoso princípio
no de nossa América, onde se faz sumamente necessária a inalterável da introdução clandestina das mercadorias proibidas» é fruto da «fal-
observância das leis, que proibem absolutamente a entrada de ma- t ( de p;<triotlsmo de alguns negociantes que esquecidos das leis que
nufaturas estrangeiras naqueles portos, não se permitindo por moti- .!uS regem procuram somente os seus interesses. por esse ilícito e rui-
vo algum, como tem sucedido nos anos passados, com grave prejuizo noso t'omércio»(300); para finalmente concluir ,em 1807, que «o con-
para nossas fábricas, da Real Fazenda, e do Público». E prognostica- trabando é o mal que tem grassado em toda a América».(3ol). De-
va: «Mais virão a decair. a não se lhes darem enérgicas providências. pois, será a «grande perda, pela abertura do comércio às Nações, em
que pedem semelhames estabelecimentos que tanto têm custado a toda a extensão das capitanias do Brasi1»(302).
criar»(294). Por onde se vê que a pressão da potência indusuialista Significaliva, por vários motivos, essa impressionante seqüência
levara, na virada do século, a concessões no plano colonial, per- de observações contundentes e melancólicas, de um testemunho
mitindo-se a navegação direta para o Brasil; e o término das li- muito bem situado em face do problema. Em primeiro lugar, ela
cenças não fazia diminuir o impacto, que crescia pelo contrabando. dOS deixa a nítida impressão, que os outroS dados recolhidos corro-
Ou, como nota Soares de Souza(295) com muita plausibilidade, as horam, de que o contrabando vai num crescendo até arrombar as
concessões teriam animado o contrabando inglês. A destacar-se, portas em 1808. Por outro lado, cumpre pôr em destaque a peniná-
também, no trecho de Mauricio Teixeira de Morais, a conexão que se ('<I inamovível do funcionário; é que ela afigura-se-nos como expres-

estabelece entre o surto manufatureiro em Portugal e o mercado são da própria posição específica da metrópole, que não podia abrir
consumidor da colônia. mão do sistema._E, finalmente, a constatação de que os colonos, ou
O ano de 1802, aliás, tinha marcado uma certa retração do inter- pelu menos alguns deles, aderiam ao contrabando, propiciando sua
câmbio metrópole-colônia (vide gráfico e tabela 3), o que igualmen- ("'pansão
te é atribuído aos «descaminhos»(296). Em 1803, incansável, retoma- Este último ponto aliás é de suma importância, e nos conduz à ou-
va o contador suas considerações: «nossa exportação vai diminuindo [ta face do mesmo.problema. Com efeito, também aqui, no que diz
gradualmente desde o ano de 1800; e decaindo consideravelmente respeitu à pre::;ervação do exclusivo comercial, é possível discriminar
no artigo das produções das fábricas do Reino», dado «o comércio uma face interna(303)~ e só a consideração conjunta dos dois aspectos
clandestino da nossa América» onde a transgressão das leis «tem sido é que nos pelmidrá enfim caracterizá-lo na sua manifestação crítica,
escandalosa de alguns anos a esta parte»(297). No ano seguinte: «a fa- istu é, na etapa de crise do sistema. Uma certa resistência, por parte
zenda de contrabando que com escandaloso excesso se tem introdu- dos colonos, à prática do exclusivo metropolitano do comércio, vai
zido nesta capitania, tem dado causa à ruina do comércio lícitú»(298). efetivamente se engendrando com o próprio desenvolvimento da co-
lonização.
IN1,(f. Balança Geral de Commercio do Reyno de Portugal com os seus Dominios
!\.Ia sua forma mais rígida, os estancos, que configuravam um es-
no anno de 1800. Introdução.
(2'I4)(f. Balança Geral de Commerczo do Reyno de Portugal com os seUJ DommzOJ
trito monopólio, o exclusivo mercantil provocou na colônia uma gri-
fi!) dnno de 1802. Inuodu~ão_ ta quase permanente. O regime, como era de esperar, promovia in-
(2'I'j~ A. Soares de Sousa· Artigo citado, p. 87.
2
(2%J«Tanto a importação como a exporração diminuiram consideravelmente êste t 'I'!JBalança Geral do Commerczo .. 1805. Introdução.
ano, a respeito dos passados, talvez provenha de grande contrabando e descaminho Il{)I)I&lança Geral do Commercio .. 1806. Introdução_
que se d!z haver naquele continente». Balança Geral do Commercio ... 1802. Inuo· IWllBalança Geral do Commemo .. 1807. Introdução.
dução. '\<l21&/,
ança Ger",_U
"o CommerclO. .. 1810. Infro duçao.
-
(c"FiBaIança Geral do Commercio . . 1803. Introdução_ '<"'Cf Emília Viom da (o~ra «Introdução do estudo da emamipa~ãu políTlCa._
1·"}~JBalaflça Geral do Commerclo . . 1804. Imroduão 8TJJd UI; l-'eTlj>ectll·J. São Paulo. [968. p 82·86.

1í!ú 187
crível alta dos preços e escassez das mercadorias estancadas; mais ain- à empresa(3lO). A tal ponto, que o próprio governador geral conde
da, criava condições para o florescimento de uma sinistra casta de de Atouguia acabou por endossar representação da câmara do Rio de
atravessadores, que além do mais promoviam altas artificiais. Contra Janeiro, enviando procurador a Lisboa, que .acabou por obter que
tais «monopolistas» muitas vezes manifestavam-se as câmaras(304), e nas Cones se representasse contra a companhIa(3 11 ). Também a Câ-
os próprios governadores se sentiam na contingência de lhes dar mara da Bahia empenhou-se nos protestos(12). Da Companhia do
combate, talo clamor dos povos. Mais que nenhum outro, o estanco Maranhão, basta lembrar que o descontentamento por ela provoca-
do sal (dada a primeira necessidade do produto), excitava protestos do foi dos motivos primordiais que levaram à rebelião de Beckman
quase contínuos, chegando mesmo a provocar conflitos e (1684), da qual resultou o término do monopólio da emprêsa, além,
motins(305). Também o sabão, durante algum tempo, foi objeto de é claro, da punição dos principais responsáveis pelo !evante(313).
estrito monopólio(306). No fim do século, Vilhena criticava o regime As companhias pombalinas, por seu turno, apesar do rígido auto-
dos contratos e arrematações, insistindo na necessidade de um celei- ritarismo da governação do Conde de Oeiras(314), que desanimava
ro público, uma praça do pescado, um mercado para as carnes, etc., no nascedouro qualquer manifestação de desagrado, não deixaram
a fim de impedir os atravessadores(307). O sal e o azeite, gêneros di- de provocar protestos veementes na colônia, e aliás também na me-
retamente ligados aos estancos, eram escassos e caríssimos, o que lhe trópole(315). Fundadas, no quadro do esforço do governo de Pombal
parecia «contra as leis da eqüidade e sistema político»(308). O regime para recuperar o atraso econômico português, visando «racionalizar a
havia enfim de ser criticado pelos teóricos do mercantilismo ilustrado estrutura empresarial em favor dos mercadores nacionais»(316), elas
dessa última quadra do sistema colonial{309}. atuam, por um lado no sentido de autonomização comerCIal em face
Num segundo plano, as companhias de comércio, que configura- da tutela inglesa, e de outro lado no sentido de dinamizar o comér-
vam, como vimos, um ponto intermediário no regime exclusivista, cio colonial lusitano. Integradas, assim, no esquema geral do mer-
foram por sua vez objeto de permanentes críticas. Já a Companhia cantil1smo pombalino como uma de suas peças fundamentais, a
Geral do Comércio do Brasil, incorporada logo após a Restauração e atuação das companhias do terceiro quartel do século XVIII promo-
que operou até 1720, acumulou os clamores dos colonos: provocara a veu indiscutivelmente a expansão das atividades produtivas coloniais
falta dos gêneros, as frotas não eram regulares, preços exorbitantes
dos produtos metropolitanos, e desvalorização dos coloniais, etc.;
queixas que foram criando um ambiente de generalizada hostilidade (llOlCf. Gustavo de Freitas - A Companhia Geral do Comércio- do Brasil (1649·
1720), S. Paulo, 1951, pp. 42 segs., com d9cumentação em apêndice.
011JCf. Manuel DiéguesJr. _..As Companhias privilegiadas no comércio colonial».
(31l4JCf. Ch. Boxer - Portuguese soúety in lhe tropu;s, the muniúpal õOunals o) ·Rev.Hist. (S.P.), nO 3, 1950, p. 318.
Goa, Macao, Bahia, and Luanda, 1500-1800, Madison, 1965, pp. 102-103. (3121Cf. Ch. Boxer - Portuguese soclet) In lhe tropics, pp. 83 segs.
(lO~JCf. MyriamEllis - O monopólio dosalno Estado doBraSlI (1631-1801), S. Pau- (ll.lIVeja_sc Anhur Cezar Ferreira Reis, in Hut6na Geral da CIvilização Brastletra,
lo, 1955, pp. 139-157, (Om ampla dowmemação. No século XVIII, os preços do sal dir. ~or S. Buarque de Holanda, t. I, 2° vol. pp. 326-327, 380-386.
çonfiguram, segundo a autora, uma ~crise aguda de carestia» (p. 149). (31 Jcr Lúcro de Azevedo - O Marquês de Pombal e sua éPoca, 2a ed., Rio deJa-
(306)0. P. Perel~adosReis - Ocolonialismo português, São Paulo, 1%4, p. 62. Sa- nelIO, 1922, pp. 87 scgs.Jorge de Macedo - A situação econômica no tempo de Pom-
muel de Paula .. Aspectos negativos da colonização portuguesa, Rio deJaneiro, 1971, bal, Pono, 1951, pp. 37-46.
p. 92. Nestas obras naturalmente se arrolam as medidas restritivas da metrópole em (3l)JCf. M. Nunes Dias - A companhIa Geral do Grão-Pará e Mpranhão (1755·
relação à colônia. 1775), São Paulo, 1971, pp. 539-560. José RibeiroJúnlof - Colonização e Monopólio
(3oi)Recopilaçiio ... (1802), pp. 124 segs. no Nordeste BraJileiro. A Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (1759-1780),
(308 JRecopilação ... pp. 133-134. São Paulo, 1976, pp. 74-82, 171-180. António Carreira - Arcompanhiaspombalinas
(\O')JCE. Azeredo Coutinho - Ensaio económico sobre o comércIO de Portugal e suar de navegação, comércio e tráfico de escravos, entre a Costa africana e o Nordeste bra·
colônias, 1794. In Obras econômIcas de].]. da Cunha Azeredo Coutinho, S. Paulo, sileiro, Porro, 1969. Similarmente, para a América Espanhola: R.D. Hussey - The
1966, pp. 76 segs. José Bonifácio de Andrada e Silva - Memória sobre a pesca das ba- Caracas Company, 1728-1784, Cambridge (Massachussets), 1934, pp. 90-121.
leias, e extração do seu azeite. In Memórias econômicas da Academia Real das 5ciên· (116JKenneth Maxwell _ «Pombal and the modernizaTÍon of Luso-Brazilian eco-
cias de úsboa, vol. n. Lisboa, 1790, pp. 388-412. nomp. Separata da Hisp.Am.Hist.Rev., vol. Xl.VIlI, 1968, p. 623. -

188 189
nas áreas de sua jurisdiçãd 317 ). Ao longo de sua atuação porém fo- área colonizada (as companhias finalluavam essa expansão); por ou-
ram a pouco e pouco fazendo-se sentir os efeitos inevitáveis, que re- trO lado, o exclusivo mais estrito fazia funCionar mais rigidamente o
pontavam nas reclamações, logo reprimidas pelo governo metropoli- mecanismo de transferência de renda da colônia para a metrópole
tano: escassez do abastecimento, alros preços aos produtos euro- (compressão dos preços dos produtos coloniais, elevação dos pre.ços
peus, baixos preços dos produtos coloniais(318). A queda do marquês das mercadorias européias); 'finalmente, os mercadores metropolIta-
de Pombal permitiu vir à tona uma avalanche de reclamações(319). nos não acionistas ficavam fora deste giro mercantil. Assim se com·
Do pOnto de vista dos colonos fez-se porta-voz finalmente o gover- preende que essas empresas fossem alvo de clamores tanto na metró-
nador de Pernambuco José Cesar de Menezes que, numa carta de pole como na colônia, e que os colonos, apesar da expans;J.f) da agn·
1778(320), sintetiza as críticas e aprofunda a análise da situação, refu- cultura e do comércio, não participando dessa elevação do nível geral
tando os argumentos da Junta adminIstrativa que defendia a atua- de renda, clamassem miséria, pois se endividavam necessal lamente
ção da empresa. com a empresa monopolista (a «miséria destes povos pelos vexames
De faro, pela sua forma de mobilizar recursos através das ações e das companhias», como dizem insistentemente as representações).
configurando um grau mais fechado de exclusivismo (o exclusivo
De qualquer forma, o que importa destacar, do ângu~o qu:. esta·
«normal» no sistema reservava o mercado das colônias aos mercado-
mos examinando o problema, é que neste momento de lOflexao em
rt:~ d~ metrópole; as companhias, a uma parte deles, isto é, a seus que se abre a crise do Antigo Sistema colonial e que coincide em
aCIOfltstas), as companhias de comércio colonial promoviam uma
Portugal com ú término do «consulado» pombalino, exasperam-se
maior concentração de capital, e pois maiores possibilidades de rein-
no Brasil os agravos contra as companhias. Isto é de suma importán.
vestimento, o que explica a expansão das atividades produtivas na cia por dois motivos. Primeiro, p()rque ~endo o monopólio das com·
panhias de comércio apenas um grau I),ais rígido d~ntro do exclusivo
r, I 'Neste sen(Jdo. paren~ te; sldu maior o êxito da Companhia do Grão-Pará que o
da de Pernambuco. O que abas se compn~ende: A Companhia do Norte atuou sobre metropolitano, a oposição a ela~ Lom o tempo tc:n.d1a naturalmente ,a
uma área de economia m(Jpu~nte. partindo quase que do marcu zero; a do nordeste se transformar, por parte do~ colonos, numa cemca e mesmo opoSto
inCIdIU sobre uma zona já densammte colOnizada. Cf. Anhur César Fetelra Rels _A ção ao próprio pacto colonial; e isto numa época em que o sistema
po/íllca de Portugal no Vaie Amazômw. Belém. 1940. pp 94 segs. M. Nunes Dias. entrava em crise, e se acentuava o contrabando. Segundo, porque na
op. Clt .. pp. 475-516.)05é R,bmo)r _oi'. C/t. pp.132-164.
resistência ao exclusivo das companhias começa a sê descortinar uma
IlJH1E
xemp Ios d('ssas fec Iamaço('s:
- Carta de LUIS: Dlogo Lobo da Silva
. (3013/ 1761).
A.H. U. Oocs. Pernambuco, caixa 50. Sobre carênCia no abasteCimento de fazendas. fissura entre os interesses dos próprios mercadores estabelecidos na
Do mesmo. carta de 1814/ 1761, falta de gêneros e atraso da frota. Requerimento dos colônia e os interesses mais estritos da metrópole. A isto estaria liga.
m~radores de PernambulO. J 770. Sobrt· o .vexame» que sofreu da Companhia (caixa da a atitude de governadores das capitanias, apoiando· reinvindica·
55 J. ções contra a política metropolitana das companhias de comércio.
r,h)JCf
. . ~a ron~~ Ita de 41 91 1779 do Conselho UJrramanno, sobre as reclamações.
A.H. U. cod. 26 i, ff 132-135. Igualmente. consulta de 2/811780, cód. 921, f. 18v. Estas considerações, por sua vez, nos levam ao último aspecto do
C~~sulta ,de ~9/ 1111777. Sobre reclamações de Cabo Verde COntra a Companhia do problema: as formas que iam assumindo ~ resistências coloniais ao
Grao-Para, cud. 1237. f. ') Idem, cód. 180 .. f. 4v .Abalxo assinado dos homens de exclusivo metropolitano, mesmo na sua dImensão maIS geral, qual
[]~góuu da Praça do Pará (1791)>>. B.N .RJ. m5. 1-29, 13. 35 ~DiSlursos sobre a deca-
denna em que se acha a nossa América», relativos a seus estabdeomentos comerciais seja a reserva do comércio da colônia aos mercadores da metrópole.
( ! - --? l· B. N.R.) Ms. 1-28·25, 1i Representação dos vassalos do Grão Pará e Mara- Estudando a instalação da Companhia de Pernambuco e Paraíba,Jo·
nhàu (1177), In Amônio CaneHa. Op. Clt., pp. 413-430. sé Ribeiro Junior pôde reconstituir, apoiado nos recentes trabalhos
I 'cOI(arta de ReCIfe. 15/7 f 1778. A.H.U Docs. Pernambuco. Caixa 67. (Devemos de Pierre Verger (para a Bahia) e em fontes diretas (para Pernambu-
o (onheCimento desse texro ao Prof.José Ribeiro Jr.). Vide também, do mesmo go_ w), todo um conjunto de propostas que remontam ao fim do século
vernador. a cafta de 24/51177') (A .C. de Lisboa, cód. 29v., dO(. 13) que se refere à
.!n!en~}f. "oflde eflrr.!va nào só os prejuízos que IJnham relehido estes povo< mas XVII e se manifestam até a época do governo de Pombal, panidas de
tdmb('m a Real Falend~ •. E comu que a justificar a sua poslç;lo: sem ponder~ cô- mercadores coloniais, de criação de companhias, especialmente para
modo lrlleresse destes puvos, basta olhar pata o lnteressc da R'.·al Fa~enJa". o tráfico de escravos, que teriam sede nas praças coloniais, com pre·

]9U 191
dominância dos interesses desse grupo de comerciantes(321). Tais menta da mineração: a posse do metal nobre amoedável, de fato, in-
projetos ~e cont;apu~h~m a.outros, sugeridos pela metrópole. Des- dependizava os coloniais (produtores, mercadores) da vend~ de se~s
tarte, sctla pOSSlvel dlstmgulf «dOIS grupos de mercadores: um liga- produtos para a aquisição dos produtos de fora; daí uma maIOr fleXI-
do à metrópole e pela realeza protegido, OUtro ligado à colônia, con- bilidade nas suas transações, um maior desembaraço, uma mais efe-
tando eventualmente com a ajuda do governadoc»(322). Em Pemam. tiva possibilidade de resistência ao exclusivo( 26 ). Por .ond.e se r~ve­
~uco, às vésperas da criaçao da ~ompanhia pombalina, e em resposta Iam as contradições do sistema: ele naturalmente tendia a iOcentlVar
as sondagens do Conde ~e Ocuas, a Mesa da Inspecção de Recife, a procura e exploração das minas; mas ao faze,lo começava a criar
prop.unha uma companhIa que abrangesse o Rio de Janeiro, Bahia e condições para os colonos começarem a se desprender dos laços de
o Remo, mas (')ffi sede na Bahia, «onde se somariam os lucros e re- dependência(27). Para justame~lte impe~ir os descaminho~ do me-
partiriam pela:. ações proporcionalmente». O alvitre, endossado pelo tal. a metrópole via-se na necessidade de Impor rotas excluslvas para
g~ver?ador, parece que nem obteve resposta; o que se concretizou o escoamento; mas assim concentrava por sua vez os efeitos solapado,
f01_a mst~alação de ~ma colT!.panhia nos moldes da já formada do rcs, para o sistema, da produção do metal nobre.
Grao Para e Maranhao(323l. A mesma época (17)7), na Bahia, uma O exemplo da Bahia é ainda mais típico: desde o século XVII, vi-
proposta em moldes semelhantes, da Mesa do Bem Comum dos nha se desenvolvendo e se avolumando o tráfico direto com a Costa
rI?erca~ores locais, levou à sua extinçJ,io e a uma severa repreensão ao da Mina, do qual ficavam praticamente excluidos os mercadores me~
VIce-reI conde dos Arcos(324l. lfopolitanos; o que se devia, segundo Verger, que estudou eXaUStIVk
Por Outro lado, numa passagem infelizmente muito rápida, Lúcio mente esse tema(328), ao fato de que os negociantes da Bahia encon-
de Azevedo ~hama a atenção para o fato de que teria sido projeto de travam na Costa da Mina mercado para o tabaco de terceira qualida-
Pombal ~ mação de uma terceira companhia, seguindo o figurino de (o «refugo»), proibido em Portugal, e do qual detinham pratica'
das ~ntenores do Grão Pará e Pernambuco, para o Rio de Janeiro e mente a produção; os holandeses, domllladürcs na tegião africana, ti'
BahIa; e baseando-se num documento consular inglês explica a frus. nham excluído os portugueses e só davam entrada aos ofertantes do
tração do projeto pela dificuldade de arregimentação de capitais e tabaco que permitia o tráfico negreiro; e finalmente, Portugal inter-
sobretudo pela oposição britânica{32'j). Com o que fica dito acima, ditara esse tráfico aos negociantes do Rio de Janeiro que operavam
entretanto, não será desarrazoado supor que uma resistência mais com intermediação da Roya! African inglesa e que, não dispondo
acentuada dos mercadores estabelecidos nessas duas maiores cidades do produto de escambo, acabavam por promover a saída do
do Brasil-colônia tenha ~ontado para o abandono da idéia. Ê que
ambas essas praças mantInham relações comerciais que de certo mo- IJ2(,) Analisando as implicações do desenvolvimento da mmeração na relação dos co-
~o extrapolavam as traves do pacto colonial: a Bahia, com a COsta da °
lonos com a metrópole, Virgílio Noya Pinto esclarece, com muita preósão, fenôme-
no: «Na economia aurífera, as posições se invertem: quem detém o dinheiro, no caso
Afric~, o Rio deJaneiro, com o Rio da Prata. O que lhes daria maior o ouro, é colono, enquanto que os mercadores, representados pelas frotas, sào os de-
c.apaCldade de resistência ao enquadramento nos esquemas metropo- (entores das mer("ad0nas. E,ta mversãu determinuu uma série de m()dificaçõe~ no co-
lltanos. mércio atlântico. Assim, os detentores do ouro impõem os seus gostos e as suas neces-
No cas? do. Rio de Janeiro, uma relativa autonomização parece es- sidades aus comerciantes». Cf. O ouro brasilúro e o comércIO anglo-português. Con-
tnbU/ção ao estudo da economia atlântica no século XVIII. São Paulo, 1972, p. 237
tar tambem ligada ao fato de ser esse pOrto a principal via de escoa-
(exemplar mimeografado).
(.\2~)Sylvio de Vasconcellos, que já em 1968 apontara para o mesmo fenômeno (ou
(J2I)cr José Ribeiro JR., Colontzação e Monopólio, pp. 74-83, pp. 87-91. Piem
seja, o fato de a exploração aurífera tender a independizar o colono), rela.clona'o a
Verger - Flux et Ref/ux de la Traite des negreJ entre le Golfe de Bénin ef &hia de To. uutras peculiaridades da economia e da sociedade mineira em face da litorânea (me-
dos 2~s Santos du XVII au XIX s/ec/e, Paris, 1968, pp. 67-115. nor concentraçào da renda; mobilidade social mais acentuada, etc.) para explicar a
(3 ijoséRibelroJr. -op. cit.,p. 74.
persIstente rebeldia e insubordinação desses colonos, atestada nas constantes recla-
013U.José Ribeiro Juníor - op. cit., pp. 76-79. mações dos governadores. Nem é por acaso que a inconfidência eclodiria nas Minas.
024JO. Pierre Verger - op. Clt, pp. 110-11 5. Cf. Mineiridade. Ensaio caracterização, Belo Horizonte, 1968, pp. 19,28.
. d e A zeve d 0- E
(32:iJCf. L'uno '.J ' .
POCaJ ue PortuGal economtco, pp. 438-439. (\2H1Cf. Flux et réf/ux ... , pp. 27,60 .

192 193
ouro(32'.)). Assim, as próprias necessidades da colonização levavam à promoveria a acumulação de capital na metrópole. Mas o próprio
formação de linhas de comércio que navegavam fora do sistema. desenvolvimento da colonização ia invertendo as posições. De um
Não era possível incrementar a exploração da colônia sem abasteci- lado, havia a concorrência das metrópoles na costa da África, onde
mento de escravos para a produção colonial; o que levava a incenti- de início tinham sido absolutos os portugueses; de outro, «havendo
var a cultura do tabaco, que acabava por privilegiar a posição dos ne- na Bahia e Pernambuco o tabaco, a gerebita ou cachaça, o açúcar e
gociantes da Bahia, que se iam independizando dos seus confrades alguns outros gêneros de alguma importância próprios para o comér-
do Reino(330). cio da Costa da África, e não os havendo em Portugal, com eles pas-
O tráfico baiano de escravos dava naturalmente lugar a amplo saram os americanos àquela Costa, nas suas próprias embarcações, e
contrabando com ingleses, holandeses e franceses na Costa da Áfri- lhes foi muito fácil estabelecer ali o seu negócio, excluindo inteira-
ca(33I). O governo de Lisboa tentou em vão impedir o descaminho, mente dc;le os negociantes das Praças deste Reino». E pior: em vez de
vincular. o tráfico à metrópole. Ao marquês de Valença, instruía em os colonos do Brasil «negociar tão sômente com os naturais do País»,
1779 Martinho de Melo e Castro no sentido de atentar para o «artigo «entravam igualmente a fazer negócio com ingleses, franceses e ho-
do tabaco», com o qual se praticavam as maiores desordens; pois ten- landeses», «recebendo das ditas nações fazendas da Europa a trôco
do em ",nosso poder o único gênero capital, que é o tabaco do Brasil, do tabaco do Brasil»(333). De sorte que quase todo o comércio da Ba-
sem o qual se não pode fazer resgate de negros, nem outra alguma hia ia se dirigindo para África, Jazendo dele um rigoroso monopó-
negociação na Costa da Mina», era de esperar que «dentro em breve lio» (!), o que obrigou a intervenção da Coroa tentando disciplinar a
tempo florescia este importante ramo de comércio nacional portu- situação; mas continuaram as ",desordens e prevaricações». Em Per-
guês., - o que tudo era obstado pelas ",prevaricações» de «mais per- nambuco, diz o ministro, a Companhia Geral «foi o meio eficaz com
niciosas conseqüências». O erro vinha de «deixarmos o comércio da que ficou cessando o dito contrabando»(334), por onde se vê um dos
Costa da África entregue nas mãos dos americanos» (isto é, dos colo- motivos reais de sua criação: recuperar para o comércio lusitano o
nos), sem «acordar ao mesmo tempo aos negociantes das praças deste tráfico de escravos para a colônia. Para a Bahia, entretanto, seria difí-
Reino (isto é, metropolitanos) alguns privilégios, graças e isenções, cil tal solução, sem comprometer a cultura do gênero de resgate. E a
para que na concorrência com os ditos americanos nos referidos por- Mêsa de Inspecção, que devia disciplinar o intercâmbio dentro de
tos da África tivessem os portugueses a preferência, da mesma sorte um volume razoável (e sem contacto com os estrangeiros), acabava
que a capital e os seus habitantes, a devem sempre ter em toda parte por se conluiar com os indisciplinados colonos. Situação que, a con-
sobre as colônias e habitantes delas»(33 2). tinuar, «seria o mesmo que acordar-se aos ingleses, franceses e holan-
O texto é claro como definição do tráfico de escravos no quadro do deses um comércio franco pelos portos da África entre aquelas na-
colonialismo mercantilista; ele devia formar um ramo do comércio ções e os domínios portuguêses do Brasil, sem intervenção alguma
colonial, isto é, dos mercadores metropolitanos, através do qual se do Reino de Portugal, contra a regra fundamental, geralmente esta-
belecida entre todas as nações que têm colônias»(33'i}.
(32'ilTambém em Angola se fazia sentir o comércio direto com o Brasa, e os esforços
da metrópole para impedi-lo. Cf. Carlos Como· «O Pacto colonial e a interferência
Esta «regra fundamenta!», já se vê, era o exclusivo metropolitano
brasileira no domínio das relações econômicas entre Angola e o ·Reino no século do comércio colonial; apenas não era «estabelecida entre as Nações»,
XVIII •. EstudoI HútÓncOJ. Manfia, n. 10, 1971, pp. 21-32. mas um elemento inerente ao sistema; as nações, estas, tinham a for-
i.llO)Ve/a_se). R. do Amaral Lapa· O labaw br(IJilelTO no século XVIn (Anotações fiori, de competir furiosamente pelas vantagens e estímulos que o
aos estudos sobre o tabaco de Joaquim de Amorim Castro). separata de 5tudia, n" mesmo sistema engendrava. E aí começavam as contradições.
29, 1970, pp. 57-144. Incluído também in Economia colonial. São Paulo, 1973, pp.
Pois que os colonos iam. gradualmente, tomando consciência da
141-229.
(31)Cf. P. Verger, op. cit., pp. ll6-1I7, 151-152,207.
(331) Instrução para o Marquês de Valenço, governador e capitão general da CapIta- l'j'JInstruçào para o Marquês de Va/ença pp 391-392
nia da BahUl (10/9/1779). In F.A. Varnhagen - Hútól'..p Geral do BraJiI. 3" ed., t. 13HJlnslruçJo piJro o MorquêI de Valença pp 392-393
IV, pp. 376-395, referências, pp . .389, 390, 391 il3'>IInstruçào poro o MarquêJ de Vaiença P 394

]94 ]95
navegam para a Mina, Angola, Benguela - o que dava lugar a
sua oposição de interesses Lom o comércio metropolitano, e contes-
tando o regime do «exclusivo»: «primeiro, os estancas, depois as intenso contrabando com os estrangeiros. E associa a mudança aos
companhias; finalmente, o «exclusivo» em si mesmo. AssIm, nas progressos da constcução naval na colônia, coisa de que a metrópole
Cartas Econômico-políttcas de). Rodrigues de Brito, ao se analisa· não podia prescindir, dada a riqueza das madeiras coloniais, e sua
rem os obstácul,oS ao desenvolvimento da colônia, como que insensi- escassez na metrópole(342). Mais uma vez, o próprio desenvolvimen-
veh!Ieo:e se vaI apro~ndando a crítica: primeiro se questionam as to da colonização ia pois engendrando contradições no sistema.
obngaçoes de se cultIvarem produtos de subsistência ao lado da la- Mesmo na sua forma mais genérica, ponanto, isto é, na reserva
VOu,ta de exportação; depois as exigências de exames de qualidade, dos mercados coloniais ao conjunto dos mercadores da metrópole, o
o.bngações de local e época, etc. Mas, desde o início, já preconizava a exclusivo metropolitano ia sendo contestado: de um lado pela pre-
lIberdade de o lavrador preferir «quaisquer compradores que melhor sença crescente, que antes documentamos, dos mercadores estran-
I~os pagassem:). Para, finalmente, (Ontestar os «falsos princípios do geiros; e por outro lado, pelo estabelecimento de linhas de mercân-
sl~t.eI?a excluslVo:l336 ). Apesar de certa obscuridade, pois o texto se cia a partir dos ponos.da. colônia.
dmgla ao governador, em resposta a uma consulta de 1807, deixa O desenvolvimento do industrialismo na Inglaterra levava a po-
transparecer as idéias subjacentes e o ânimo dos colonos da Bahia. tência hegemônica, cada vez mais, a forcejar (seja pelo contrabando,
Que as medidas de controle não surtiam efeito vê-se pelas entra- pela ameaça, pela diplomacia) a abertura dos mercados coloniais dos
das de escravos da Costa da Min,l na Bahia, que estão crescendo nas países ibéricos(343). E'é essa convergência de pressões internas e ex-
últimas décadas do século XVIll\·B~), Na sua cana de 1781, José da ternas, num volume inapelavelmente crescente, que caracteriza, a
Silva Lsboa descreve como um negócio próspero o resgate de escravos nosso ver, a etapa de crise no esforço metropolitano pela preservação
pelos baianos(3.38), i~dicando ~inda q~e, promovendo a imponação do exclusivo. Ao anotar o antigo regimento do governo geral em
de fazendas estrangeiras, «dafllfica multo o comércio de fazendas que 1804, tratando _esta matéria de suma importância», o vice-rei lem-
vem de Portugal». No ofício de 178') refere-se Martinho de Melo e brava as dificuldades na execução das reaLS ordem(344) quanto à ave-
Castro aos «nocivos canais da costa da África», onde sofremos, da riguação das arribadas. Era, de-fato, difícil conter as ondas que a
parte dos holandeses, ingleses e franceses, «um jugo tão intolerável e premiam de dentro e de fora.
tão injurioso»(3.39). A aportagem, freqüentemente na Bahia, dos Ainda que os interesses de mercadores coloniais às vezes pudessem
navios da carreira da Índia. dava também lugar a descaminhos e colidir, do ponto de vista do sistema ambâs forcejavam no sentido da
contrabandos{.340). E nas instruções ao vice-rei Conde de Rezende ruptura do pacto. Quando «o corpo de comércio da Bahia», por
(1790), a autoridade metropolitana chama a atenção para o fato de exemplo, em 1800, pedia ao Príncipe Regente «que os estrangei.
que a n~vegação brasi~eira «tem mudado de figura»(341). Antes, ros se não estabeleçam com casas de negócios nos domínios do
er~ navIos dos comerciantes das praças do Reino; agora os proprie-
Brasi].(345), parece claro que estão defendendo o seu comércio c:om a
táIlOS são negociantes da Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco, que LO~( .. d' África, através do qual traziam eles mesmos as manufaturas.
l:n~ '- Outros, porém -- mercadores baianos ou estrangeiros - esta-
(316)C(. Joao- Rod ngues
. d e B·
mo - Car/iJJ economlco-políticas
- sobre aagni:ultura e "'.-1!I, ~Ap.("" mdu as linhas do exclusivo metropolitano. No mais das
comércio da &hia(1821), Salvador, 1924, pp, 28 segs., espeoalmellte p. 72.
u ncr MaurícIO Goulart . A escravIdão africana no Brastl, 2' ed., S. Paulo, 1950,
pp.214-215. '~Úbft- o' est.l.lt'lro t' "'lI~rruçues na Babl<l. >,Iclt' J-R. dt'- Am.tral bp.l Up
<lI .. Pro )1-8~
1l\81Cana de 18/10/1781 A,B.N., vol. XXXII, 1910, pp. 504-505.
1.l3'IJ Ofíoo de 5/1/1785). R.l. H. G. B. , t. X (2' ed. 1870), p. 215.
r ;'()cr N. Werneck SuJré _ As razôes da mdependêncIQ, Rio deJanelro. 1965, pp.
1340ICr) R.doAmaraILapa.A&hlQeaCarretradaÍndia São Paulo 1960 pp 78-81.
2.31segs ' ,.' ','~~IC~. Doculruntvs Históncos, vol. VI. 1928. pp. <i22 o!4'L -1)6·--Iy;-
., "Cf. Repre~t"nt~\ãv que ti. l ,'o 1800 u ",rp,'
do ( "llll'fU(l d.1 HJbla, pedindo ao
I.\~ I t:f Instrução do VKe-Rei e Capitão General de Mar t Terra do Brasil D José
Príncipe Regente que os estrangeiro., se não esrabele<,<l'-:1.:um tJsas de oe,góoos nos
LUIS ~e Castru, Conde de Rezende (6/3/1790). A,H.U, (Lisboa), cód, 573, ff. 15-80
r
espeualmente, 47v. ' domímos Jo Brasil, para não os prejudKar. B N .RJ J - ~ 1 28. 2(,

196 197
vezes entretanto os interesses convergiam. No ofino dt' I "'flS, que
encaminhava medidas repressivas, o ministro do Ultramar assinala formação do capitalistamo, atingindo-se destarte sua configuração
que os contrabandistas estrangeiros tinham «encontros ajustados plena. na Revolução Industrial(3~O); para as nações que se tinham re-
com os nacionais», que dão «auxílio e cooperação»(346). Numa de- trasado nesse processo, a pressão concorrencial do se(Or industrializa-
núncia de 1799, narra-se a prosperidade do contrabando inglês; na do iria tornar-se necessariamente cada vez mais irresistível(3~ I), a me-
Inglaterra, onde estivera o denunciante, havia até casas especializa- nos que recuperassem a defasagem para competir em condições pelo
das no ramo; os navios «vão em direitura aos portos do Brasil, on- menos suportáveis. Impunha-se portanto remover os óbices inter-
de já têm correspondentês», e portugueses chegavam «ao hor- nos que até então tivessem operado no sentido de travar seu desenvol-
rendo excesso de andarem por comissários em semelhantes navios, vimento industrial, isto é, canalizar as vantagens da exploração colo-
do Brasil para Londres e Liverpool a tratarem de comissões e remes- nial no sentido de superar a acumulação primitiva e desencadear um
sas de fazendas com tanta franqueza e liberdade como se as fizessem processo de desenvolvimento manufarureiro. Noutros termos, nessas
com os seus próprios nacionais»(347). Tais figuras deviam provavel- condições, a própria assimilação, pela metrópole, dos estímulos, en-
mente ser comerciantes estabelecidos em praças brasileiras; as ma- gendrados na exploração das colônias, se constiruía num problema.
lhas do sistema iam-se distendendo, e o interesse sobrelevava as ami- Tal era o caso das monarquias ibéricas, e especialmente de Portugal.
gas fiddidades. Da!, nesses casos, a relação metrópole-colônia. quer dizer
Já em 1784, aliás, o consul geral da Grã-Bretanha apresentara à Portugal-Brasil, ir assumindo ao longo do século XVIII a forma que
corte de Lisboa ofício realmente incrível, no qual, entre outras coi- já entrevimos em certos trechos das instruções a vice-reis e governa-
sas, informa que partira do Brasil proposta para uma sociedade de dores: a colônia cada vez mais se tornando vital para a sustentação da
comércio direto Brasil-Inglaterra; que as gazetas inglesas anuncia- metrópole. Nos meados do século, é D. Lu~ da Cunha quem define
vam formalmente navios de partida para a colônia portuguesa; que os a situação até com alguma brutalidade: Que.é Porrugal? «Uma oure-
brasileiros não queriam, em pagamento dos açúcares, senão moeda la de terra, que divide em três panes, de que a primeira não é, ainda
corrente, pois de fazendas européias tinham cheios os armazéns(348). que o poderia ser, bem cultivada, que a segunda pertence às Ordens
Deveras incuriais as notícias do fleumático consul; o ministro as consi- eclesiásticas, compreendendo as monásticas, e que a terceira produz
derava «dignas da mais circuspecta reflexão»(349). Era o exclusivo nau· um pouco de grão que todavia não basta para a subsistência, sem
fragando, o pacto colonial se rompendo, o sistema entrando em crise. que lhe venha de fora». Donde se segue que «para poder conservar
Portugal necessita (o príncipe) totalmente das riquezas do Brasil, e
4) Assimilação dos estímulos de nenhuma maneira das de Porrugal, que não tem para sustenrar o
Brasil.(3S2) .
Defender o patrimônio, is(O é, manter a colônia sob o domínio I ;)I"U M. Dobb _ SludlfJ In ri,,· Jt'vduprn,'nl (JJ <dpttoJ/urn. Lunáre~. I(J~<j pp
político da metrópole; preservar o exclusivo de seu comércio, isto é, 2.i~segs. E Williams- Capitahsm&5/averyN. York.I9ó1 p~. 135-1~3 _
mantê·lo reservado aos mercadores metropolitanos: em condições (nl lSobn· o comércio exterior da Grã· Bretanha na época da primeIra revoluçao 10-

normais do Antigo Regime e do capitalismo comercial, tanto basta- dustrial Cf. J. H. Clapham . An EcOnOmlC History of Modem Bntazn. Cambridg~,
ria para o funcionamento do sistema. Não assim na época da crise. 1950. vai. I. pp. 237·250. Impacto sobre a economia mundial: R.M. Hartwell· _Eco·
nomic rnange in England and Eutope, 1780·1830_, New Cambndge Modem HIJ·
Agor3" em certas regiões da economia européia (nomeadamente na /07], vol. IX, 1965, pp. 40·46. David Landes· The unboundPrometheUJ, techn%·
Inglaterra) ultrapassava·se qualitativamente a etapa intermediária da g1(;al change and induJtruJ deve/opment, Cambndge, 1972.
1NJlnstruções inédzlaJ de D. Luis da. Cunha a Marco AntÔniO de Azevedo Cvull·
Il~6JOfício5/111785. R.I.H.G.B., t. X, pp 214 e 215. n60 (1738). Ed. P. de Azevedo e A. Balão. COImbra, 1930, pp. 212 e 2.18. Segumd?
I 147)Carta
de Francisco José de Lima a D. Rodngo de Sousa Cuuunno, 19/9/1799 o radocímo, não hesita D. Luís da Cunha aconselhar que sefla «maIs comodu e maIs
R.I.H.G.B .. t. LXV, 1902, pp. 298·300. seguro estar onde se tem o que sobeja, que onde se espera .o de que carele~. ISIO~.
(HMJCf. R.l.H. G.E., t. X (2' ed. 1870), p. 228. que a Cone se devia transportar para o Brasil. No auge da crise. sena enfim a soluça0
(1~'I)R.I.H.G.B., L X, p. 216.
adotada

198 199
Sem tomar ao pé da letra estas proporções e descontados os exage- deixam de mencionar a desgraça da dominação espanhola. logo
ros, o texto de D. Lul$ da Cunha nos r~onduz para o problema por- após a Restauração, um parecer do Pe. Antônio Vieira descreve ao
tuguês do atraso e da decadência na Epoca Moderna. Já vimos, na primeiro Bragança o «miserável estado do Reino»: «as conquistas es-
primeira parte deste capítulo, como é este um tema recorrente na tão reduzidas a tal estado que nada melhoram esta esperança». E
tradição do pensamento econômico em Ponugal, dos mercan~ilistas mais: «Por falta de comércio se reduziu a grandeza e opulência de
aos teóricos da Academia. Para caracterizarmos, agora, com alguma Portugal ao miserável estado em que Vossa Majestade o achou,(3')7),
clareza, o problema da assimilação dos estímulos econômicos colo- Duarte Ribeiro de Macedo, sem mencionar explicitamente a domi-
niais, - ou, noutros termos, a assimilação desses estímulos como nação castelhana, nota que foi a «perda do comércio da Índia» que
problema - não podemos nos eximir de voltar ao assunto, tentar tornou desfavorável a balança portuguesa(3:/8); ora isto se deu no pe-
pelo menos reequacionã-lo, já que não se pode pensar, aqUI, em ríodo dos Filipes. Referindo-se à ausência de descendência direta de
resolvê-lo. D. Sebastião, de que resultaria em 1580 a união das coroas, lembra
Constatada a disparidade, a que se arribuia ela? D.1u1$ da Cunha as «funestas conseqüências de que ainda hoje, de-
Os testemunhos coevos, que viveram esse processo, refletindo so- pois de dois séculos, Portugal se ressente»(359). No fim do século
bre suas causas, foram apresentando várias linhas de explicação, que XVIII, entre os memorialistas da Academia, Soares de Barros lembra
por sua vez marcaram profundamente a historiografia que se lhes se- que o período espanhol foi negativo para a população(360), enquan-
guiu, a partir do liberalismo até os nossos dias.W>3) A primeira de- to Lacerda lobo afirma que «a nossa marinha. que antes da sujeição
las, a mais simplista, consiste em atribuir à dominação espanhola da Espanha. fazia espanto a todas as nações da Europa, por efeito
(1580-1640) a responsabilidade por todos os males e desgraças nacio- das vistas políticas de Filipe 11, III e IV, foi tendo uma progressi-
nais. Tal visão se engendra a partir da «literatura autonomista.(354) va decadência e abatimento, assim como também nossas pes-
pela qual se manifesta, em Portugal, a resistência à dominação ftlipi- carias»(361) .
na. A poesia, como a historiografia do período, exaltaram o passado Mas é sobretudo em José Manuel Ribeiro que o problema se coloca
nacional, e tal glorificação tinha um sentido político, pois o confron- de modo mais convincente; interessado em perquirir as «causas da
to se faria espontaneamente com o presente lutuoso; e o messianismo pobreza do Reino», ao lado de outros fatores, aborda a dominação
sebastianista(355J, utóp~co, lançava para o futuro a redenção. Passada espanhola: «depois desse funesto acontecimento (Alcacer -Quibir) en-
a União Ibérica, e continuando as dificuldades, a ilação era quase traram os três Filipes de Castela com cujo poderoso governo, fui a
~ecessária: o período espanhol implicara no declínio da grandeza lu- mesma Castela, e nós, caminhando para a ruina, mas deixando as
sitana. causas pertencentes àquela, e falando só das nossas, cuidaram muito
Esta visão do fenômeno decadência ganha tal força de convicção, em reduzir este reino a Provincia de sua vasta monarquia, e por isso
que passa a se incorporar a quase todos os autores que abordam o te-
ma(3'>6). Mesmo quando se esforçam por indagar outros fatores, não (3}7JCf. Pe. Antofilo
' . V'lelfa·
. 'a El·Rel
«Proposta feita . Dom João IV em que lhe re.
presenta o miserável estado do Reino» (1643). in Obrt1.f Escolhidas, prefácio e nOtaS
(\\ I)Em Páginas admiravelmente lúcidas, analisaJoe! Serrão a presença avassalado. de(n8)Antonio Sérgio .e Hernani
.
Cidade, Lisboa
. " . '
1951 vol. IV pp . 1-26 ,
ra da ideologia decademista não só na hislOriografia como em IOda a mentalidade Cf. Duarte RIbeiro de Maçooo· Ducurso sobre a mtrodufiio das artes no Reino.
portuguesa moderna. Cf. «Essa palavra deçãdência .• Temas de Cultura Portuj;ue. (1675), in Antologill dos Economistas portugueses, de Antonio Sérgio. Lisboa, 1924.
sa, Lisboa. 1965. v. n, pp. 27-40 pp. 265-266,
13Hl(:f. Hernam Cidade - A litera/Ufa autonomuta sob os Ftlzpes, Lisboa. 1948. (.lW)D. Luís da Cunha - Testamento político (1748), Lisboa, 194), p. }2.
ImJCf. E. d'Oliveira França - Portugal na época da Restaurafão, São Paulo, 1951, 1360JCf.JoséJoaquim Soares de Bartos· Memória sobre as causas da diferente popu·
pp. 230·2}9. Lúóo de Azevedo - A Evolufào do Sebastianismo Lisboa 1947 laçào de Portugal em diversos tempos da monarquill. in Memórias Económicas da
(3%JA'--'~' , . . , " Academia Real das Sciêncills de Lisboa, vol. I (1789), pp. 1}3.1}4.
Iut:la e mesmo assimilada peJos estrangeiros. Exemplos: Raynal _Hirtoire der
Deux lndes, 1780, p. 386. Leroy·Beaulieu . De la colonisation chez lu peuples mo- (.l61)Cf. Constantino Botelho de Lacerda Lobo • Memórias sobre a decadência das
demes. 1874, p. 56. Ch. R. Boxer· The portuguese seabome Empzre N York pescarias de Portugal, in Memórias Econômicas da Acodemia Real das 5ciências de
1969, pp. 106-109. .. . Lisboa, vol. IV (1812), p. HO,

200 201
não só não aumentaram as anes, e a agricultura, mas mandaram nhol., posto que de alguma importância, não se pode considerar co-
muitos teares de seda de Tras-os-Montes para Valência e Segóvia, e mo o elemento explicativo básico da decadência portuguesa. Até
muitos oleiros de Lisboa e de outras panes do Reino para Málaga e porque, como muito bem o viu José Manu~1 Rfbeiro, isto seria
Talavera de la Reina; e o que mais é para sentir em cima de muitos transferir e não resolver o problema: o essenCIal e que a Espanha
outros danos foi o perdermos por sua culpa as nossas praças e feito- também se retrasou, e pois ficaria por explicar a decadência da Espa-
rias do Oriente.(362). nha.
Para além dos efeitos gerais e depressivos da dominação política, o Outra linha de explicação, esta engendrada durante o «consulado»
acadêmico ilustrado aponta, ponanto, três aspectos; primeiro, a per- pombalino, e com visíveis intenções políticas, atribui o atraso e a de-
da das feitorias do Oriente, envolvidas nas lutas da preponderância cadência de Portugal a ação expoliativa da Inglaterra; reponta esse
espanhola; segundo, dá exemplos concretos (um dos raros autores modo de ver em numerosos textos do período a começar pela famosa
que o faz) de descapitalização de Ponugal pelos espanhóis; e tercei- Relação dos Gravamel.)65), elaborada por Sebastião José de Carva-
ro, mais imponante, a Lusitânia teria sido arrastada na decadência lho e Melo quando ainda embaixador em Londres. Esta é aliás a li-
das Espanhas. Ora, sobre os efeitos negativos da perda da soberania, nha de argumentação do famigerado discurso «sobre as vantagens
é bom lembrar que o .domínio espanhol», como sempre gostam de que o Reino de Portugal pode tirar da sua desgraça.(366), cuja atri-
dizer os ponugueses, foi na realidade uma monarquia dual, buição a Pombal já vimos ser errônea. A «desgraça» a que se refere é
preservando-se a individualidade institucional portuguesa. Exata- o terremoto; ela ofereceria oponunidade para uma reorganização,
mente, por se manterem separadas as respectivas colônias, a dificul- através da qual viriam as «vantagens», isto é, a independização da
tação oficial ao comércio português no Prata, foi um dos motivos de tutela inglesa, que impedia o progresso. O caminho a seguir seria a
«decepção» da burguesia portuguesa perante a união dinástica{3é.l) aplicação rigorosa d~ uma politica .mer~antilista, quer ~izer, p~'Ote­
Com relação à perda dos entrepostos orientais, pode-se legitima- Clonista. Nesse sentIdo, o texto Vai multo bem com a Ideologia do
mente duvidar que Ponugal mesmo sem a anexação à Espanha, pu- pombalismo(367). A essa mesma ideologia, doutra parte, se liga uma
desse resistir à pre'5são crescente das novas potências (Inglaterra, Ho- outra idéia-força de suma importância: consiste em ver o atraso sobre-
landa, França); mas de qualquer forma, a União Ibérica sem dúvida tudo sob o ângulo do isolamento, marginalização freme à Europa, .e
deu o pretexto para o assalto. Note-se, contudo, que o período de isso devido ao obscurantismo jesuitico que, justamente com a loqul-
1580 a 1640, se foi de recuo no Oriente, foi de expansão portuguesa
na América, o que não era pequena compensação(64). Difícil, no (MJCf. Lúcio de Azevedo _O Marquês de Pombal e sua época, 2~ ed., Rio deJa-
atual estado dos estudos, aquilatar o volume de transferência para a neiro, 1922, pp. 29-33. B.N.L. Reservados - Col. Pombalina. Cód. 635. Veja:se .tam-
Espanha de forças econômicas como as indicadas pelo memorialista; bém: «Sumário em que se contém a substância dos Gravames que ao comercIO de
elas devem certamente ter tido algum papel no atraso subseqüente Ponugal tem inflingido pelo Parlamento e Vassalos da Inglate[[~. A.H.U:, Does.
de Portugal. De qualquer forma, o assim chamado .domínio espa- Reino. Maço 214 .•Ensaio político sobre os crimes que a Inglaterra tem cometido con-
tra Portugal•. A.C.L. Ms. 167v.
(,\(,i,jer Discurso poli#co sobre as flantagens que o Reino de Portugalpode tirar de
';1,2~osé Manuel Ribt"iro - Dm;urJO político sobre as caulas da pobreza de Portugal. suadesgraça(1775). A. C. L., Ms. 1908. A.H.V. Cód. 1227. Cartas e outras obras se-
A.C LMs. 18óv. Ainda em 1830. analisando a situação da economia portuguesa.lo- leIas do MnrqUêI de Pombal Lisboa, 1861, vol. 11. pp. 97-187. .'
,é ,'H úrs!o das Neves notava que «os males da pátrja. foram «tempestades passagei- (367jA discrepância aparecia porque o discurso, elaborado em França sob a. mspl~a­
r,,'~. com duas exceções: o Domínio Espanhol e a Revolução. a. Comideraçõespolí- ção de portugueses fram:ófilos (a. artigo já citadO de G. Wheder - Enghsh HlSt.
tu:.JS t: UJI?'J('rcUlIS sobre 01 descobn'mentos e possessõeJ dos portugUeJeJ. Lsboa. Refi., XIX, 19{)4), usava a argumentação eCQnômic~ [a~ ao governo do Con~e de
1830. p. 4. Oeiras para preconizar algo que não estava em suas dlretr.1Zes: o abandono. ~a aliança
1.lúl)er E. Oliveira França _ Op. cit .. pp. 343 segs. mglesa pela francesa. A posição de Pombal, contudo. fOI de extrema habJ!ldad::.ao
1.11'~)a. Astrogildo Rodrigues de Melo e Antônia Fernanda P. de Almeida -«O Bra- mesmo rempo em que empreendia uma política econômi[~ de r«uperação ~ poIS !~­
sil no pf'ríodo dos Filipes». In Hú/óna Geral da CivzliZi1fiJO Brasileira. dir. por Sérgio dependização em face da Inglaterra, conseguia manter a ahança no plano dlplomau-
BU'uc,\J(' dt" Holanda. r I. vol. pp. 176-189. co, pois era a garantia de preservação do Ultramar .

.:'(IJ 203
sição, teria impedido a modernização(3 68 l. Esse pomo de vista, que Mas há ainda uma última )inha interpretativa, oriunda t~bém
de resto tem muito de verdade, foi enfatizado pelos setores mais críti- dos róprios pensadores da Epoca Moderna em Portugal, cUJa ex-
cos do pensamento português, bastando lembtar que está expresso na ~ remonta à 4:fala do Velho do Restelo.(71 ) e que se formula
conferência famosa de Antero e nos ensaios de Antônio Sérgio(369 l. pressao
em .
termos mais claros nos doutnnadores. d ' 1o. XVII(372) : a I.·d'·
o secu ela
Entretanto, é bom lembrar que a predominância inglesa não se te- de que, p:lfadoxalmente, seriam as própnas conqulS~as ultram.armas,
ria podido ftrmar se não encontrasse, já, uma economia frágil e, no I desmesurado de sua extensão, que provocarIam a ruma de
plano social, pontos de apoio dentro de Portugal(3 70l. Assim, não pe o 1(373).
portuga Elas as, conquistas
' seriam responsáveis pela falta . de
pode evidememente ser tomada como linha de interpretação, posto t pelo atraso da agricultura. enfim pelo não desenvolvunento
que seus efeitos não sejam de desprezar-se. A marginalização cultu- ~:n~fatureiro. Nos teóricos da Academia,. no fim d~ século XVIII,
ral, fruto da 4:Contra-Reforma». por seu turno, embora seja por certo sob a atuante influência das idéias fisiocráucas, essa VISão do pro~~-.
um fenômeno prenhe de significações, tem, quando tomado como ainda mais se acentua. Ela se expressa em Soares de Barros(. .'
ponto de partida para interpretação da história moderna de Portu- pm Vanel\.
ma d 11"375) , em Ãlvares da Silva(376). Para José Manuel
. d Ribel- '.
gal, um greve defeito; é que, assim, jesuitismo, inquisição, etc, pas- '.J, «preocupados dessa idéia (conquista) fomos conqUlstan o a Mia
sam a ser tomados como dados, quando precisam ser vistos como e despovoando a Europa, remetendo sem atenção aos ~o~os nas
problemas. Por que, efetivamente, pôde a inquisição inserir-se com :onquistas, milhares de pessoas ~odos os anos para. as cülomas, sem
tal profundidade no quadro institucional da nação? uidarmos em ressarcir esta perda de gente.(377). Ftados nos ganhos
Todos esses esforços de explicação na realidade analisam aspectos ~ltramarinos, estiolava-se a econ0!Dia metropolitana dos portugue-
significativos do problema, tornando-se passíveis de crítica no mo- ses: 4:a imaginária riqueza das mlOas, convenendo-a em um ...n;tal,
mento em que isolam uma dimensão do conjunto, fazendo girar em vindo-nos junto com ela o luxo, a soberba e . outros .ViCIOS,
torno dela a interpretação global. Assim, o enquadramento na abandonando-se as artes e a agricultura como metOS .d~ flq.?e~a
União ibérica teve provavelmente alguns efeitos econômicos negati- reah(378). Firmado nesta tradição, modernamente Antomo SérgiO
vos; saindo, em 1640, debilitado, o Reino de Portugal teve de fazer
concessões á principal aliada (Inglaterra), o que de certo modo abriu (371)OS Lufíotlas. canto IV, estâncias 94-104.
caminho à penetração. No plano cultural, também não pode ficar (372)Cf Luis Mendes de Vasconcelos - Diálogosdo Sítio de LiJboa(I600), in Anto-
dúvida quanto ao efeito de remora que o relativo isolamento impri- logia do; EconomÍJtaJ PortugueJeJ. Se1elião, prefácio e notas de A. Sérgio (Lisboa,
miu ao andamento do país em relação aos cemros mais dinâmicos da 1924), pp. 3-169. Manuel Severim de Faria _ Dos remédzos para afoita "! gente
(1655) OI'. cit .• pp. 173-240. Duarte Ribeiro de Macedo - DiJcurso sobre a mtrodu-
Europa. São pois aspectos correlatos em torno do mesmo fenômeno; çdo das artes no Reino (1675) - oI'. cit., pp. 244- 325. ._
este, entretanto, não parece resultar de uma somatória desses vários (73)«A primeira causa da falta de gente que se pad.~e este Re~no sao as nossas co~­
aspectos. Antes, fica a impressão que todos eles se reportam a um quistas: porque estas. ainda que foram de grande utd~dade, assun para a propagaç~
mesmo fundo comum de atraso, que importa tentar identificar. do Evangelho como para o comércio do mu?do, toda~Ja defr~udaram multo este ReJ-
no da gente que lhe era necessária.. Sevenm de Fatia. op.c«., p. 188. _
(368)0 texto principal aqui é sem dúvida a Deduçiio Chronologica (1768) Veja.se a (374)Cf.J.J. Soares de Barros - Memória Jobre aJ CallSaJ da.dzferente populaç«J ... In
análise em Laerte Ramos de Carvalho - Ar reformas pombalinas da ÍnstT1lçJo pública, MemóriaJ EconômicaJ da Academia Real das SciéncÚIJ de Lisboa. vol. I, pp. 132-134.
São Paulo. 1952, pp. 25-26. omcr Domingos Vandelli _ Memória Jobre a agricultura deste reino e suas con-
(M)Cf. Antero de Quental - «Causas da decadência dos povos peninsulares nos úl_ quÍJtOJ. In Mem.Econ.AcadReal Sc.wboa, v. I, p. 171.
timos três séculos~ (1871), in Prosas, vol. lI, pp. 92-141. Antonio Sérgio - «O Reino (376)Cf. José Veríssimo Âlvares da Silva - Memória hÍJtórica sobre a agricllltu.ra por-
Cadaverosoou o problema da cultura em Ponugai», Ensaios, vol. 11. 2a ed., pp. 41- tugueJa. In MemErio.r Econ.Acad.Real Sc. Lisboa. vaI. V, pp. 19<\ segs. Refenndo-se
84, e HÍJtória de Portugal, Barcelona. 1929, pp. 121 segs. E, em nossos dias,Joa- à época de D. Manuel: «Em tal abundância, quem poderá ver, começamos a ser po-
quim Barradas de Carvalho - Rumos de Portugal, Lisboa, 1974, pp. 70-75. bre». OI'. cit., p. 228.
(37o)Cf. A. Manchester - British Preeminence in Brazil, Chapel Hill. 1933. pp. 18 (377Jcf. José Manuel Ribeiro _ [Àrcurso político sobre as callsaJ da PObreZll de Por·
segs. V. Magalhães_Godinho - «Ponugal, as frotas de açúcar ~ as frotas do ouro~. Rev. tugal. A. C. L. Ms., 186v. . .
de RÍJt., S. P, n. 5, 1953. pp. 69-88. Il78lCf.José Manuel Ribeiro - idem; Ibidem

204 205
alinhou suas aliciantes idéias sobre a predominância, ao longo da ção permanece intactal»(382). No Port~gal mediterrâneo, onde aliás
hisr6ria moderna de Ponugal, da epoHtica de Transponel» (comér- domina a grande exploração e mator abertura para os mercad<?s,
pre d' , . .,. d '
cio) em detrimento de uma epoHtica de Fixaçãol» (produção) _ que constatou Silbert por sua vez a extraor mana reslstenCJa as var.las
teria sido a causa primordial do atraso(379). formas de «coleti"o-ismo agrário»(383), Estudando, por outr<? lado, a I?-
Detenhamo-nos, por um momento ao menos, nesta última linha dústria portuguesa Setecentista,]orge de Macedo caract~nza umaso-
de interpretação, pois ela nos abre caminho para um equacionamen- lida base de atividades artesanais, do pequeno produtor I.?depend:n-
to mais compreensivo e abrangente do problema. Em primeiro lu- I (' ligado ao mercado local, que resiste admiravelmente as fluruaçoes

gar, não se deve exagerar a edespopulação:t da metrópole em função dos mercados externos e d a po I,Itlca
. govername nra 1(j8-l)·
do Ultramar; entre 1417 e 1527, a população metropolitana man- HaVIa, portanto, no Portugal da Êpo~a. Moderna, uma_SÓlida base
tém um pequeno incremento, de 1.008.280 habitantes, para camponesa e oficinal, de extrema estabIlIdade, que se nao alt~r~ ao
1.124.000(380). O crescimento seria por certo maior não foram as con- ritmo das aventuras ultramarinas, A visão dramática (transmmda,
quistas, mas não se pode falar'em diminuição. No século XVIII, con- por exemplo, por Oliveira Martins) da peq~ena nação ~ue embarca
rudo, há uma recuperação; o gráfico que elaboramos (pp. 125-126) para o Oriente ou se transporta para o BrasIl., ~arece poIS de ~~da­
mostra como a taxa de crescimento demográfico português acompa- menta. E é exatamente essa sólida ba<;e tradlclOnal que permitiu os
nha, nesse século, o movimento populacional na Europa. O que sim sucessivos ajustamentos aos váci?~ 4:complexos ~istór.ico-~C?gráficos.,
devia estar se passando era a visível hipertrofia do setor terciário isto é, aos reajustamentos espaCiaIS da economia do Impeno, caracte-
(comércio, burocracia, clero), com conseqüente desfalque de produ- rizados por V. Magalhães-Godinho(385~. Portant~, apesar?o grande
tores diretos (agricultura, artes)(381), Isto ligando-se, de um lado, à raio de expansão para o Ultramar, da Intensa fama c~lofllzadora, a
dilatada expansão colonial, de outro à precoce centralização política. estrutura interna de base era pouco afetada, e se mantinha razoavel:
Em segundo lugar, quanto à produção agrícola e manufatureira, ou- mente estável(86 ). É contra esse fenômeno que clamavam os doutn-
trossim, o atraso tão enfatizado deve entender-se como um atraso re- nadores mercantilistas do século XVII, para superá-lo os memorialis-
lativo (isto é, em relação às áreas mais dinâmicas da economia euro- tas para-fisiocratas da Academia derramavam suas luzes; e é o. mes-
péia); o que parece ter efetivamente ocorrido foi um não-desenvolvi- mo que se expressa no discurso de Sérgio em prol de uma política de
mento, uma fixação nas formas tradicionais de exploração agrícola e «fixação».
produção artesanal. De fato, como revelara!U as magníficas análises Po'líticas de «fixação» e de «transporte», na realidade, .expressam
de Orlando Ribeiro, é notável, ao longo da Epoca Moderna e mesmo de fotma um tanto imprecisa, porque for~uladas ~eneflc~e~te e
pela Contemporânea, a fixidez da estrutura camponesa tradicional d~sarticuladas do seu quadro histórico (Antigo RegIme, capltallsm?
na terra lusitana: «por importantes que apareçam, no quando da eco- comercial), tipos diferentes de política econômica, como as <.ara~ten­
nomia nacional, as fainas do mar, elas não deixam de ser limitadas, zou Heckscher. «Política de en.t:reposto (sfaple )>>, reflete a atitude
fragmentárias, intermitentes, em confronto com o labutar perma-
(3~2)Orlando Ribeiro - Portugal, o MediteTTáneo e o Atlântico, 2a 00., Lisboa,
nente dos campos." Apesar de o português se afeiçoar ao trabalho 1963, pp. 38 e 143. . _.
noutros climas e ao convívio de outras gentes, a estrutura rural da na- (\H\ICf. A. Silben . ú Portugal Méditemznéen à lafi.n de l'A,!cze". R.egl~e, .l. I,
pp. 371- 396. t. 11, pp. 959-1022: Em plena R~oluçã? l~beral, ta1~ reslStenClas amda
~t manifestavam em algumas peTições enViadas a Comlssao d~ Agn~~ltura das 0r~~s.
(37'JJcf. Antônio Sérgio - .As duas políticas Nacionais., Emaios, vol. lI, 2' ed., pp. Cf. A. Silben - Le Problême agraire portugais au temps des premteres Cortes libero-
85-122. Vide também Ensaios, vol. IH, pp. 297 segs. In, Paris, 1968, pp. 34-36. . _
(380Jcf. José Gentil da Silva - .Au Ponugal: srructure démographique el dévdop_ (384 JCf.}orge de Mac~do - Problemas de História da Indústna Portuguesll noseeuto
pement économique., separata de Studi in onOfe de Amimore Fllnfani (Milão, XVIII, Lsboa, 1%3. h.. <C:
1%2), vol. 11, p. 509. I\B~la. V. Magalhã~s-Godinho - .. A evolução dos compl~xos Istónco-geoglall-
(3~1)Cf. A. Silbett - Le POrl.ugal médiJeTTanéen à la fin de "Aneien Régime. Paris, CQSp, Emaios, vol. 11 (Lisboa, 1968), pp. 13-23.
1966, t. I, p. 122, (.\~(')«Com razão ou sem ela, a fala do velho do Restelo foi entendida obscurament~

206 207
do «medo de mercadorias~, e dá lugar ao comerclO carreteiro milar os valores aristoccáticos(393). A estrutura que assim se confor-
(carryng frade), que visava precipuamente promover a entrada do ma - o Antigo Regime português - mantinha pois uma forre pree-
bullión; "política de abastecimento:.. expressa o ponto de visra do minência da nobreza (ainda que fosse nova nobreza) na estruturação
consumidor (dome de mercadorias:..); e finalmente "política prote- da sociedade e na governação do Est~do. Aqui ~a:ece pois residir o
cionista., que exprime o ponto de vista dos produtores, sobretudo nervo da questão. E claro que nesta lmha de analIse, somente estu-
manufatureiros(387( A política mercantilista só se integra quando se dos aprofundados da sociedade do Portugal moderno, e~ suas cone-
atinge a terceira forma, que promove a passagem do capital. ~ome.r­ xões com a economia colonial, poderão esclarecer definmvamente o
cial para o industrial, e imcia a corrosão das estruturas tradICionaiS. problema. As tentativas que nesse sentido começam a ser feitas, con-
Parece pois que o Portugal da Época Moderna se teria esclerosado na tudo, parecem apontar para essa mesma direção. Em sintese
staple poliey, que corresponde à "política de transporte~, de Antô- recente(39 4), Vitorino Magalhães-Godinho começa por colocar com a
nio Sérgio. Pelo menos até a época pombalina, quando efetivamen- máxima clareza o problema: «A sociedade de Antigo Regime, que
te se articula todo o arsenal da política mercantilista(3 S8), mas, in- na esfera política corresponde à monarquia absoluta, nasce com as
contestavelmente, com muito atraso. viagens de descobrimentos e fixação além mar e entra em convulsão,
Por que, ocorre imediatamente perguntar, se teria dado seme- para em boa parte morrer, no final do século XVIII e nas revoluções
lhante frenação? Ela parece tanto mais estranha em face da precoci- liberais do primeiro têrço do século XIX». Ora, se na aben:ura do
dade portuguesa, seja na centralização política(389), seja na ~pansã? processo os povos peninsulares estão na ~anguarda do movimento
ultramarinal390). Mas, exatamente, como observou com multa luCl- que engendrou o capitalismo moderno, atlO~em o se~ final «enr:~a­
dez Alben-A1ain Bourdon, "precocidade implica muitas vezes em dos nas estruturas, agora arcaizantes, que t1n~am feiro a sua gIona,
história, fixidez e conservação do passado.(391l, referindo-se precisa- mas estavam inteiramente desajustadas» (395). E pois na configuração
mente a Portugal. À precedência na centralização liga-se a priorida- peculiar que assumiu em Portugal (e de resto, n~ Espanha t~bém)
de na expansão (os dois processos se auto-.estimulam), mas isto deu a formação social do Antigo Regime (esta comblOação d~ ~Cledade
lugar a essa primeira forma de capitalismo comercial, dependente do estamental com poder centralizado, tendo na base o capItalismo co-
Estadd 392 ); daí essa também precoce burguesia mercantil que não mercial) que se devem buscar os motivos ~e escleros.ament? Ela con·
desenvolve uma típicã mentalidade empresarial. antes tende a assi- figura «estado mercador, nobreza mercantIl: como tipO SOCIal caracte-
rístico, o fidalgo-negociante, o alto funcionário-mercador enobreci-
pela massa rural•. Orlando Ribeiro, ap. cit. ,p. 143. Para uma análise rigorosa dessas do». Nela «impera o mercantilismo (a economia dominada pela fun-
conexões estruturais entre a extremaflutuaçio da economia mercantil e a permanên- ção de mercado), mas sem mentalidade burguesa»; ou noutros ter-
cia da base uadicional, ver José Gentil da Silva - L 'AutoçonJomf1Ufion au Portugal mos, a sociedade assume «esse caráter ambíguo que lhe empresta uma
(XIV-XX siide) , Ann.Econ.Soç;.Cill., 24 0 ano, nO 2, 1969, pp. 250-288. ordem nobiliárquico-eclesiástica assente numa economia mercantilis-
(387lcC. E. F. Heckscher - 14 Epoca Mercantilista. Trad. esp., México, 1943, pp.
ta até a medula», nem é de estranhar que a «burguesia não tenha con-
499-506.
(388)0 Marquês de Pombal ... «onsiderou a interdependência dos problemas eco- seguido vingar e formar uma sociedade moldada pelo seu sistema de
nômicos, quando procurou resOlvê-los e, deste modo, a sua ação fez-se sentir simul- valores». Bloqueiam-na, por um lado, «essa peculiar estrutura em
taneamente em todas as fontes da riqm"?a nacional•. Francisco Antônio Correia _ que há uma incrível intumescência das classes não-produtoras~, por
Históri4 econômica de Portugal, Lisbo~, [·;)0, t. Il, p. 68. outro lado as "formas de mentalidade (conexas dessa estrutura), que
(389lCf. Eduardo d 'Oliveira França - a por/erreal em Portugal e (JJ odgem r/oahso-
lutimro, Sio Paulo, 1946. permaneciam demasiado voltadas para o passadoJ396).
o90lCf.José Honório Rodrigues - .U. Henrique e a abertura da fronteira mundial•.
in História e Historiografia, Petrópolis, 1970. pp. 1-20. (393)CE. Sérgio Buarque de Holanda-Raizes do Bnnil, 3" ed .. Rio deJaneiro, 1956,
( 391 lAlbert_Alain Hourdon - Ristoire du Portugal, Paris. 1970. p. 7
pp.24-30.
(394)Cf. Vitorino Magalhães-Godinho _A estrutura da antiga JOcierlade portugue-
(J91)CE. M. Nunes Dias - O copitalismo monárquico português (141)-1)49),
Coimbra. 1963, sa, Lisboa, 1971.
(39)~(396)V. Magalhães-Godinho, Op. cit., pp. 55·56, 75, 90, 91, 93, Simetiza-

208
209
É nesse quadro, como já anteriormente notara Antônio José Sarai- de alguma maneira a natureza dos óbices. a serem removidos por
va, que se pode emender a inserção institucional e o volume de ação uma política econômica que procurasse efettvamente pro,mover a as.-
do Santo Oficio; agindo sobre a _gente da nação., categoria que se similação dos estímulos engendrados na exploração coloOlal. Tal aw-
confundia quase com a de «homens de negócio», a Inquisição fun- mzJaçiio Implicava nada menos que mudanças profundas, na própna
cionava como um meio de preservação da ordem social e de tcavação estrutura da jormaçiio Joctal da metrópole. _
da mudança(397). Os efeitos economicamente negativos não se expli- Assim, os vários «problemas» acabavam por se ligar uns aos outros.
citarão apenas com o cálculo da descapitalização provocada pela fuga O contrabando de mercadorias na colônia envolvia também a pene-
dos perseguidos; há que pensar no «impacto negativo dessa jurispru- tração de idéias corrosivas do sistema; o que estimulava a tensão pela
dência (a dos sequestros) sobre a segurança das uansações de comér- ruptura do domínio político da metrópole. Pina Manique, que era
cio com os cristãos novos», pois «uma vez sequestrados preventiva- ao mesmo tempo intendente da polícia e dos contrabandos, preve-
mente os bens, estavam eles praticamente perdidos»(398 ). O efeito nia, por exemplo, sobre o navio francês