Você está na página 1de 10

FERNÃO LOPES, CRÓNICA DE D.

JOAO I

Contexto Histórico
Em 1434, D. Duarte encarregou Fernão Lopes de escrever esta
crónica, sendo uma legitimação da dinastia de Avis, iniciada após uma crise
dinástica que vai de 1383 a 1385.

O que foi a crise de 1383-85?


 Em 1383, D. Fernando assinou com D. João I de Castela, o Tratado de
Salvaterra de Magos, que impunha que apenas um filho de D. Beatriz
pudesse subir o trono português.
 Nesse mesmo ano, D. Fernando morreu sem deixar mais herdeiros.
Após a morte de rei, procedeu-se, em várias terras do reino, à
aclamação de D. Beatriz e do marido. D. Leonor Teles tornou-se
regente do reino em nome da filha. No entanto, a aclamação de um rei
castelhano acabou por dividir o reino, tendo desencadeado grande
descontentamento no povo e em parte da nobreza. D. Leonor tinha
como conselheiro um conde galego, o Conde João Fernandes de
Andeiro, receando-se a forte influência deste na gestão do reino.
 A 6 de Dezembro de 1383, o Mestre de Avis, filho bastardo de D.
Pedro, apoiado por alguns nobres, dirigiu-se ao Paço e matou o Conde
de Andeiro.
 Após a morte do conde, D. Leonor viu-se obrigada a sair de Lisboa,
fugindo para Santarém, com o intuito de posteriormente pedir ajuda
aos reis de Castela. Recenado uma invasão do exército castelhano, o
povo de Lisboa reconheceu o Mestre de Avis, D. João, como “Regedor
e Defensor do Reino”, e a burguesia apoiou-o financeiramente, de
modo a custear as despesas de guerra.
 No inicio de 1384, o rei castelhano invadiu Portugal para reclamar o
trono, tendo por base o que havia sido estabelecido pelo Tratado de
Salvaterra de Magos, e ocupou Santarém. Algum tempo depois, o rei
castelhano cercou a cidade de Lisboa. No entanto, o povo não se
rendeu e o cerco foi levantado quatro meses depois, devido á peste.
 A 6 de abril de 1385, nas Cortes de Coimbra, o Mestre de Avis é
aclamado rei D. João I, iniciando-se a dinastia de Avis e afirmando-se
a independência de Portugal.
A crónica de D.João I apresenta 2 partes:
1ª Parte:
Onde são narrados os acontecimentos após a morte de D. Fernando e
consequente crise de sucessão de 1383-85, até à aclamação do mestre de
Avis como D. João I. São relatados vários episódios, tais como, o cerco de
Lisboa, levado a cabo pelos castelhanos.
2ª Parte:
Relata o reinado de D. João I até a paz com Castela em 1411.

Atores Individuais e Coletivos

Atores Individuais:

 Mestre de Avis: líder carismático e determinado, que se preocupa


com a defesa do reino e o bem coletivo. Mata o Conde Andeiro, nos
Paços da Rainha, fazendo supor que era ele a vitima de um ataque
traidor. Um homem que se mostra receoso, após a morte do Conde
Andeiro, mas que, no entanto, é acarinhado e apoiado pelo povo de
Lisboa. É um líder resoluto, mas também solidário com a população,
aquando do cerco á cidade. Fernão Lopes atribui-lhe o mérito de se
oferecer para ocupar o lugar de regedor e defensor do reino, o que
parece mais um risco do que um privilégio.

 Álvaro Pais: agitador do povo, clamando que alguém quer matar o


Mestre, influenciando o povo a correr em seu auxilio. Revela-se
astuto, determinado e destemido.

 Pajem do Mestre: defensor da causa do Mestre, informa e incita o


povo, gritando pelas ruas de Lisboa que alguém quer matar o Mestre.

 D. Leonor Teles: rainha ambiciosa e determinada, a mulher que gera


ódios na população e que é apelidada de “aleivosa” (traidora) devido á
relação que mantinha com o Conde Andeiro.

 Conde de Andeiro: nobre castelhano interesseiro e traidor, amante


da rainha. É o rosto da ameaça castelhana sobre a integridade
nacional.
 Rei de Castela: rei poderoso que representa a força de Castela. É
orgulhoso, ambicioso e calculista.

Ator Coletivo:
 Povo: protagonista da ação, acorrendo rapidamente em defesa do
Mestre, quando ouve os gritos do pajem a solicitar apoio. É a arraia-
miúda, coesa e solidária, que age como um todo. Apesar de ignorante
e supersticioso, revela-se a força motora da revolução e,
consequentemente, quem mais padece, resiste e se afirma.

Afirmação da Consciência Coletiva

 A insurreição que ocorre em Portugal, em 1383, ainda que tenha sido


encabeçada por Álvaro Pais, um dos burgueses mais influentes do
reino, só vingou porque foi apoiada pelo povo.
 O povo age solidariamente, revelando união e coesão em defesa da
causa do Mestre de Avis.
 É o povo que coloca em causa a legitimidade do rei de Castela para
assumir a regência de Portugal, e “empurra” o Mestre de Avis para a
revolução.
 O povo manifesta o seu patriotismo, o seu apoio ao Mestre, que é o
garante da independência de Portugal: pelas ruas da cidade de Lisboa,
após o assassinato do Conde Andeiro; durante o cerco à cidade,
suportando os ataques dos castelhanos, a fome e a miséria.
 O povo é sujeito da História, sente-se senhor da terra onde vive e
que foi conquistada pelos seus antepassados, ganhando, por isso, uma
consciência coletiva na sua defesa, porque sente que a pátria é um
direito que não se pode perder.
 Por essa razão. Podemos dizer que crónica de D. João I constitui uma
afirmação da consciência coletiva, no sentido em que o verdadeiro
herói não é um herói individual, mas antes um herói coletivo – o povo.
Fernão Lopes mostra-nos com imenso realismo, vivacidade, pormenor
descritivo e emotividade o povo que se revolta, que irrompe pelas
ruas de Lisboa à procura do Mestre, que defende a cidade contra os
castelhanos, que passa fome e privações por causa do cerco.
Resumo do Capítulo 11

A frase que serve de titulo a este capítulo revela a reação e a


extraordinária adesão do povo à pessoa do Mestre. O titulo destaca
também o papel desempenhado por Álvaro Pais nesse levantamento popular
de apoio e de defesa.
 O capítulo abre com uma referência ao pajem do Mestre de Avis que
estava à porta e já preparado para ir pelas ruas , bradando “Matom o
Meestre! Matom o Mestre nos Paços da Rainha! Acorree ao Meestre
que matam!”. Dirige-se a casa de Álvaro Pais.
 Como resultado, as gentes saem á rua, ficam agitadas e começam a
pegar em armas. Estas gentes são mesmo comparadas a uma viúva que
encontra um novo marido em quem se apoiar: “e assi como viúva que
rei nom tinha, e como sse lhe este ficara em logo de marido, se
moverom todos com maão armada”.
 Entretanto, Álvaro Pais, que também já estava preparado, segue com
o pajem e outros aliados para os paços, apelando à população para que
se junte e corra em auxilio do mestre.
 Assim, começa-se a formar uma multidão nervosa que acompanha
Álvaro Pais.
 Chegados ás portas do Paço, que estavam fechadas, as gentes
mostram-se nervosas, ansiosas e agitadas, querendo entrar. Querem
queimar o conde Andeiro e Leonor Teles (que apelidam de traidora) e
entrar nos paços: “ Delles braaavom por lenha, e que vehesse lume
para poerem fogo aos Paaços, e queimar o treedor e a aleivosa….”
 A população ouve dizer que o mestre está vivo e o conde morto, mas,
ainda assim, exigem ver o mestre.
 Aconselhado pelos que estavam consigo e atendendo ao alvoroço das
pessoas, o Mestre aparece à janela para que todos vissem que estava
vivo.
 Então a população manifesta um “gram prazer”.
 Sentindo-se seguro, o Mestre deixa os Paços e cavalga pelas ruas em
direção aos Paços de Almirante, onde se encontrava o conde D. João
Afonso, irmão da rainha.
 Pelo caminho contacta com a população que revela a sua alegria, alivio
e disponibilidade para o ajudar.
Tópicos de Análise
 Fernão Lopes relata como se deu a aclamação do Mestre, após o
assassinato do conde Andeiro, as ações da população quando soube
que o Mestre corria perigo e os seus sentimentos relativamente ao
futuro monarca.
 A população, “as gemtes” são o protagonista deste episódio.
Assemelhando-se a um repórter que assistiu ao desenrolar dos
acontecimentos, Fernão Lopes transmite-nos as movimentações
dessas pessoas através de sensações auditivas (“dizemdo altas vozes,
braadamdo pella rrua”, “e começamdo de falar huus com os outros”,
“soarom as vozes do arroido pella çidade ouvimdo todos bradar que
matavom o Mestre”), mas também visuais (“se moverom todos com
maão armada, correndo a pressa”, “A gemte começou de sse juntar a
elle, e era tanta que era estranha cousa de veer. No cabiam pelas
ruas primçipaaes, e atravessavom logares esusos”)
 O relato revela uma concentração espacial (rua-paço-janela) que
coincide com uma gradação e um ritmo crescentes das ações (ao pelo
do pajem e de Álvaro Pais, segue-se o alvoroço da população, que se
desloca para o Paço e que aí mostra o seu estado de espirito –
confusão e nervosismo), culminando no climax: o aparecimento do
Mestre á janela.
 Após esse momento, o ritmo narrativo e o estado de espirito da
população passa a ser de alegria, satisfação e alivio (“ouveram gram
prazer quamdo o virom”)
 Os sentimentos desta “gemte” são ainda realçados através das falas
transcritas, que conferem uma tonalidade realista e expressiva a
todo o episódio. Estas falas servem ainda para denegrir a imagem de
Leonor Teles e para fazer a apologia do futuro monarca (veja-se
como sai ilibado de ter morto o conde – “Oo que mal fez! Pois que
matou o treedor do Comde, que nom matou logo a aleivosa com elle”).

Narrador:
Quanto ao narrador, detetamos a sua subjetividade (“era estranha
cousa de veer”, “era maravilha de veer”), a sua simpatia pelo povo e a sua
defesa do Mestre (legitimação da nova dinastia).
Linguagem e estilo:
Visualismo e dinamismo: a movimentação e o sentir das massas são-
nos apresentados de uma forma muito forte e real, através de recursos
expressivos, como a comparação (“e assim como viúva que rei nom tinha”),
quer através do apelo ás sensações ou do uso de verbos de movimento (“A
gemte começou de sse jumtar a elle, e era tanta que era estranha cousa de
vees. No cabima pelas ruas primçipaaes, e atravessavom logares…”)

Resumo do Capitulo 115

O título deste capítulo remete para um evento central desta crónica – o


cerco da cidade de Lisboa- para além disso, chama a atenção para aquela que
vai ser uma das preocupações do cronista: relatar como a cidade e as suas
gentes se preparam a vários níveis, entre os quais a defesa.
 Ao saberem da vinda do rei de Castela, o Mestre e os habitantes de
Lisboa começam a recolher mantimentos e muitos vão às lezírias
buscar gado morto.
 As populações movimentam-se: muitos lavradores deslocam-se com as
mulheres, os filhos e com tudo o que têm para dentro da cidade;
outros vão para Setúbal e Palmela; outros ficam em Lisboa e há ainda
os que permanecem nas vilas que apoiam Castela.
 Começa-se a preparar a defesa da cidade: primeiro, fala-se da defesa
ao nível dos muros (muralhas) e das torres. O Mestre entrega a
proteção dos muros da cidade aos fidalgos e cidadãos honrados, que
contam com a ajuda de besteiros e homens de armas. Mostra-se
preocupado com a guarda da cidade e ele próprio passa em revista os
muros e as torres, durante a noite. As gentes que aí se encontram
estão alerta e são diligentes.
 Fala-se depois da defesa ao nível das portas da cidade: quantas eram,
quem as vigiava e os cuidados que eram tidos.
 Passa-se para a ribeira. Zona onde foram construídas estacas para
impedir e/ou dificultar a passagem dos castelhanos.
 Ainda relativamente á defesa, refere-se a construção de um muro á
volta das muralhas da cidade e a ajuda das mulheres, que, sem medo,
apanham pedras pelas herdades e entoam cantigas a louvar Lisboa.
“esta he Lixboa prezada,/mirala e leixalla./ se quiserdes carneiro,
/qual derom ao Amdeiro…” – esta cantiga ilustra bem o espírito de
solidariedade, de entreajuda, de patriotismo e de orgulho que reinava
entre as gentes da cidade.
 A propósito da construção desse muro, o narrador estabelece uma
comparação entre os portugueses, que tão bem defendem a sua
cidade (constroem o muro ao mesmo tempo que defendem a cidade) e
os filhos de Israel, que fizeram o mesmo. Salienta-se, assim, a
coragem, a determinação da população de Lisboa.
 Por fim, é dito que todos estavam em sintonia e a pensar no bem
comum, o que leva o cronista a concluir o capítulo num tom elogioso.
Com efeito, no final, o cronista menciona a superioridade do rei de
Castela (“tam alto e poderoso senhor como he elRei de Castella, com
tamta multidom de gemtes”), mas apenas com o objetivo de realçar a
postura da cidade de Lisboa, que, perante um adversário tão feroz,
está “guarnecida comtra elle de gemtes e darmas”.

Tópicos de Análise

Neste capítulo, o leitor/ouvinte, a quem o cronista se dirige (“que avees


ouvido”), começa por ser convidado a presenciar:
- como esta a cidade de Lisboa, quando o rei de Castela a cercou (“de
que guisa estava a cidade, jaemdo elRei de Castella sobrella”);
- como o Mestre de Avis, juntamente com a população, preparou a
defesa da cidade
- o esforço, a valentia, a determinação que a gente de Lisboa
mostrava (“e fouteza que comtra eles mostravom”)

 Relativamente á defesa da cidade de Lisboa, a informação


apresentada é bastante detalhada: primeiro fala-se dos muros,
depois das torres, chegando-se por fim às portas da cidade e ao rio.
Os pormenores descritivos abundam (há, por exemplo, referências ao
número de torres, ao número de portas da cidade e ao número de
estacas), bem como os termos técnicos associados ao campo
semântico da guerra (“caramanchões de madeira, os quaaes eram bem
fornecidos descudos e lamças e dardos e bestas de torno….”)

 Mas, á medida que o cronista vai descrevendo o que foi feito para
proteger a cidade, vai também mostrando os grupos sociais – os
atores coletivos – que participaram nestes preparativos. Assim,
vemos como os lavradores se recolheram à cidade, como a defesa das
muralhas foi entregue aos “fidalgos e çidadaãos homrados”. Até as
mulheres tiveram um papel a desempenhar, apanhando pedras e
cantando. A atitude das gentes de Lisboa é assim, várias vezes
elogiada pelo narrador. É assim, evidente a afirmação da consciência
coletiva, uma consciência pela defesa da cidade contra o inimigo
 Mas não são só as gentes da cidade que têm um comportamento digno
de louvor. Também o Mestre de Avis – ator individual – merece uma
caracterização favorável, destacando -se a sua diligência e
determinação, bem como todo o apoio que deu à população.

Linguagem e Estilo
Registo coloquial: evidente nos apelos ao leitor/ouvinte e no uso da 2ª
pessoa do plural; a transcrição da cantiga, ao reproduzir uma linguagem
popular e carregada de insinuações, contribui também para o tom coloquial.

Descrição viva e dinâmica: os preparativos de defesa são apresentados com


minúcia, recorrendo a pormenores, a vocabulário técnico e a recursos
expressivos, como a enumeração (“forom feitos fortes caramanchões de
madeira, os quaaes eram bem fornecidos descudos e lamças e dardos e
bestas de torno”) e a adjetivação (“gramde e poderoso çerco”, fortes
caramanchões”, Oo que fremosa cousa”, “tam alto e poderoso senhor”)
Resumo do Capitulo 148

Estando a cidade cercada, os mantimentos começam a faltar, por causa da


quantidade de pessoas que estavam dentro das muralhas de Lisboa.
 Alguns procuram alimentos fora da cidade e vão de barco, à noite,
buscar trigo, correndo perigo.
 As esmolas também começam a faltar e já não há como socorrer os
pobres. Então, estabelece-se quem deve ser posto fora da cidade: as
pessoas miseráveis, os que não combatem, as prostitutas, os judeus.
 Inicialmente, os castelhanos acolhem estas gentes, mas quando
percebem que tal ato se devia à fome, também eles expulsam do seu
acampamento.
 Na cidade há carência de todo o tipo de alimentos, como trigo, milho
e vinho. O preço destes produtos é elevado e, por isso, os hábitos
alimentares mudam e até há quem procure apenas grãos de trigo na
terra ou quem beba tanta água que acabe por morrer.
 A carne e os ovos são outros alimentos em falta e muito caros.
 As crianças não têm que comer e andam pela cidade a pedir; as mães
não têm leite para os seus filhos e veem-nos morrer.
 Toda a cidade está envolta num ambiente de tristeza, pesar e morte.
As pessoas dirigem preces a Deus.
 O desespero é tal que há rumores de que o Mestre vai expulsar da
cidade todos os que não têm que comer. Porém, esse rumor é
desmentido.
 O capítulo termina com um forte apelo ao leitor, representante da
“geeraçom que depois veo”, e que é apelidado de bem-aventurado, pois
não teve que padecer os sofrimentos descritos.

Tópicos de Análise:
 Mais uma vez, o capitulo inicia-se com uma interpelação ao leitor
“Estamdo a çidade assi cercada na maneira que já ouvistes”, através
da qual se estabelece uma ponte com o capítulo anterior e se
transmite uma ideia de continuidade e de ligação a um dos
acontecimentos centrais da narrativa – o cerco de Lisboa.
 Mais uma vez também, o protagonismo é das gentes de Lisboa (ator
coletivo), que vivem momentos atrozes por causa da fome que assola a
cidade, devido ao grande número de pessoas que nela se acolheram.
 Num estilo vivo e emotivo, o cronista narra e descreve,
pormenorizadamente, o sofrimento da população: a procura arriscada
de trigo, à noite e em barcos; a falta de meios (esmolas) para
socorrer os pobres; a expulsão de todos aqueles que não podiam
combater, bem como dos judeus e das prostitutas; a recusa dos
castelhanos em receber no seu acampamento os que foram expulsos;
a procura desesperada de algo que comer e beber.
 A imagem deste sofrimento torna-se ainda mais viva quando o
cronista apresenta pormenores, como por exemplo, o preço
exorbitante de alguns alimentos.
 Perante este cenário, o narrador mostra-se solidário e pretende
mesmo comover/sensibilizar os leitores. Por isso, dirige-lhes, por
mais do que uma vez, perguntas retóricas carregadas de intensidade.
 O Mestre de Avis (ator individual) aparece-nos neste capitulo como o
chefe que tem de tomar decisões, algumas difíceis, a bem da
comunidade, como a expulsão dos inaptos. Por outro lado, mostra-se
solidário com as suas gentes.

Linguagem e estilo:
Rigor do pormenor – por exemplo, na descrição detalhada dos que saiam à
noite de barco e iam buscar trigo; na informação precisa sobre o preço de
alguns alimentos, como o trigo, o milho, o vinho e a carne (enumeração)
Coloquialismo – muito evidente nas interrogações retóricas e no uso do
imperativo, combinado com a comparação “Hora esguardaae, como se
fossees presente”.