Você está na página 1de 2

APOSTILA ORTOGRÁFICA Regras de uso do SS

Regras de uso do S 1) Usamos SS quando quisermos manter o som


do s inicial entre duas vogais.
1) Ao formar o plural das palavras, acrescentamos Exemplo: asa (som de z) // assa (som de s
a letra S. inicial)
Exemplo: a corrida / as corridas
2) Usamos SS em derivados de verbos
2) Usamos S nas terminações –ês/ - esa que indicam terminados em DIR, TIR, MIR, TER, DER.
procedência, origem ou nacionalidade. Exemplo: agredir – agressão; permitir –
Exemplo: japonês / japonesa; português / permissão; imprimir – impressão; remeter –
portuguesa remissão; conceder – concessão.

3) As terminações “esa / isa” que indica feminino 3) Usamos SS em superlativos sintéticos.


também são com S: Exemplo: lindíssimo, felicíssimo, belíssima.
Exemplo: duque /duquesa; profeta/ profetisa.
4) Usamos SS em palavras compostas nas
4) Usamos S sempre depois de ditongo (duas vogais quais se dobre o S.
que não se separam na divisão silábica): Exemplo: mini + saia = minissaia; homo +
Exemplo: coisa = coi-sa; pausa = pau-sa; maisena = sexual= homossexual.
mai-se- na
Observação: nesses casos, o S apresentará o som de 5) Derivados de palavras terminadas em
Z. CEDER, PRIMIR, GREDIR, METER.
Exemplos: exceder – excesso; conceder –
5) Usamos apenas um S quando antes houver uma concessão; imprimir – impressão; deprimir –
consoante. depressão; progredir – progressão; agredir –
Exemplo: imerso, impulso, absorver, instante. agressão; comprometer – compromisso;
prometer- promessa.
6) Usamos S nas formas dos verbos por e querer:
Exemplo: eu pus, tu puseste, ele pôs; eu quis, tu
quiseste, ele quis...
Regra de uso do Z
7) Usamos S em palavras terminadas em ISAR, se
elas forem derivadas de outras que possuem o S 1) O Z aparece quando, de um adjetivo,
na última sílaba. formamos um substantivo abstrato.
Exemplo: Análise – analisar; pesquisa – pesquisar. Exemplo: rápido – rapidez; ácido – acidez;
sensato – sensatez; (esse Z em final de palavra
8) Usamos S em palavras terminadas em OSO e tem som de S, mas não é plural!).
OSA.
Exemplo: apetitoso, manhosa, carinhoso, horrorosa. 2) São escritos com Z os finais IZAR de verbos
(Essas palavras são adjetivos!) que não tem a letra S na última sílaba.
Exemplo: frágil – fragilizar; mecânico –
9) Usamos o S em palavras terminadas em ASE, mecanizar.
ESE, ISE, ISA, OSE.
Exemplo: frase, osmose, crise, lactose, tese. 3) Sufixos EZ e EZA quando forem
Exceções: gaze e deslize. substantivos abstratos originados de
adjetivos.
10) Usamos o S em palavras derivadas de verbos Exemplo: sutil – sutileza; belo – beleza.
terminados em ERTER, ERTIR, CORRER, Tímido – timidez.
PELIR, NDER, NDIR.
Exemplos: inverter – inversão; divertir – diversão; 4) Derivados de palavras escritas com Z:
concorrer – concurso; expelir – expulso; defender – Raiz – enraizar; realizar – realização.
defesa; fundir – fusão.

11) Usa-se o S no sufixo “SINHO” quando a letra S


fizer parte da palavra de origem.
Exemplo: casa – casinha.

12) No sufixo ENSE.


Exemplo: fluminense, cearense, paranaense.
Regra de uso do Ç Regra de uso do CH

1) Palavras derivadas de primitivas que


1) Palavras derivadas de outras terminadas em contenham CH.
ESCER ou ECER: Exemplos: chover, chovia (chuva), chute, chutaço
Exemplo: anoitecer – anoiteça; acontecer – (chutar).
aconteça; descer – desça.
Palavras escritas com SC
2) Palavras de origem árabe, indígena ou africana.
Exemplo: paçoca, muçulmano, miçanga.
São algumas palavras da língua. Veja: abscesso, abscissa,
3) Palavras derivadas de primitivas grafadas com adolescente, adolescência, arborescer, ascendente, ascensão,
“ç”: embaçar, embaçado, embaçou... acréscimo, condescendente, consciência, crescer, descender,
descendente, descendência, descer, discente, discernir,
4) Palavras derivadas de outras terminadas em disciplina, discípulo, fascículo, fascinar, florescer,
TO. intumescer (inchar), imprescindível, irascível, isósceles,
Exemplo: canto – canção; exceto – exceção; rejuvenescer, reminiscência, rescisão, ressuscitar, suscitar,
junto – junção. suscetível, transcender, víscera.

5) Palavras terminadas em ÇÃO derivadas do Palavras escritas com XC:


verbo ter. terminadas em TOR ou TIVO.
Exemplo: deter – detenção; conter – contenção; Exceção, exceder, excelente, excepcional, excesso, exceto,
manter – manutenção; infrator – infração; excetuar.
redator – redação; setor – seção;
introspectivo – introspecção; intuitivo – intuição.

6) Palavras derivadas de verbos dos quais se retira


a desinência “R”.
Exemplo: educar – educação;
importar – importação; fundir – fundição.

7) Após ditongo quando tiver som se S.


Exemplo: eleição.

Regra de uso do J

1) Usa-se J nos verbos terminados em JAR ou


JEAR ou palavras terminadas em JA.
Exemplo: viajar, enferrujar, cerejeira, cereja,
lojista, sarja.

2) Palavras de origem indígena ou africana: jiló,


jiboia, jirau, pajé, canjica.

Regra de uso do G

1) Em palavras terminadas em GIO:


pedágio, prestígio, relógio, refúgio.

2) Em substantivos terminados em GEM: a viagem,


a ferrugem. Exceções: pajem, lambujem.

Regra de uso do X

1) Usa-se X depois de ditongo.


Exemplo: Caixa, peixe.

2) Usa-se X depois da sílaba inicial EN ou ME.


Exemplo: enxaqueca, enxurrada, mexilhão, mexer.

3) Palavras de origem indígena ou africana.


Exemplo: xavante, xangô.