Você está na página 1de 4

MÁQUINAS ELÉCTRICAS I

2003 / 2004
SE FEUP LEEC
TLME1-5

Motor Assíncrono Trifásico


perdas de energia em vazio

1. Introdução
Ensaio em Vazio – o ensaio em vazio do motor de indução trifásico
permite determinar a potência das perdas mecânicas da máquina P mec e
fornece informação sobre os parâmetros do circuito eléctrico equivalente.
Este ensaio realiza-se fazendo rodar a máquina sem carga mecânica
( funcionamento em vazio), alimentada à tensão e frequência nominal.
Como o motor não possui carga mecânica, a energia absorvida durante este ensaio destina-se
somente a alimentar as perdas existentes na máquina nesta situação de funcionamento (vazio).
Atendendo ao circuito eléctrico equivalente por fase reduzido ao estator para esta situação, e m
que o valor do deslizamento é praticamente nulo (s ≈ 0), verifica-se que durante este ensaio
existem perdas eléctricas no circuito estatórico e perdas magnéticas P mag e as perdas
mecânicas Pmec devidas ao movimento do rotor da máquina (atrito e ventilação).

Assim, numa primeira fase há que separar as perdas eléctricas,


magnéticas e mecânicas; o que se faz determinando a variação d a Pmag
potência de perdas magnéticas Pmag = Pto – (R s ·Iso 2 ), com a tensão
P mag (U so ) ou com o quadrado da tensão Pmag (U so 2 ) (a partir de uma
valor de U so = 1,05·Un) O valor dessa potência, estimado para a
tensão nula, é o valor da potência de perdas mecânicas. Pmec
2 Uso
Durante o ensaio mede-se o valor da corrente eléctrica estatórica Iso Uso
(reduzido relativamente à corrente nominal), o valor da tensão
aplicada Uso (tensão nominal com a frequência nominal f n, ou com frequência reduzida), e a
potência total absorvida pela máquina Pto. Utiliza-se uma montagem de medida, como a
representada, correspondente à aplicação do método dos dois wattímetros de medida da potência
em sistemas trifásicos.

A W1
M
3 ~
V
√ W2

N.B. – todo este trabalho se baseia na consideração do motor de


indução utilizado como uma máquina rigorosamente simétrica e
equilibrada (as três fases são iguais !).

© Manuel Vaz Guedes, 2003


TLME-I.5 —2—

2. Objectivos
O objectivo deste trabalho de Laboratório é: a aplicação do método dos dois wattímetros na medida
da potência em sistemas trifásicos e a estimativa do valor das perdas mecânicas do motor.

3. Bibliografia
Manuel Vaz Guedes;“Sistemas Electromecânicos de Conversão de Energia”, Porto 2001
(www.fe.up.pt/me1)
Manuel Vaz Guedes;“Sistemas Trifásicos – medida de potência,”, texto de apoio (www.fe.up.pt/me1)
Manuel Vaz Guedes;“Método do Voltímetro–Amperímetro,”, texto de apoio (www.fe.up.pt/me1)
Carlos C. Carvalho; “Máquinas Eléctricas II”, FEUP, 1983 [B_FEUP]
M. Kostenko L. Piotrovsky; “Máquinas Eléctricas”, Vol. 1

4. Trabalho a Efectuar

4.1. Material Necessário


– Motor de indução trifásico
– Dois Wattímetros – Um autotransformador trifásico
– Um voltímetro CA – Amperímetro CA
– Taquímetro

4.2. Modo de Proceder

Separação das Perdas Mecânicas


Alimentar o motor de indução pelo estator através do auto-transformador. Fazer rodar a
máquina à tensão e frequência nominal, sem carga mecânica.
TI
A
W1
M

W2
3 ~
V

TI

N.B. – verificar se é necessário utilizar os transformadores de


medida na montagem com os dois wattímetros

Modo de proceder
– Realizar a montagem de medida.
● ✍ Tomar nota dos valores nominais das grandezas características do
motor
☎ Chamar o docente para verificação
▲ Ligar o autotransformador e elevar a tensão até ao valor de Un.
— Medir a velocidade em vazio
❇ Diminuir o valor da tensão GRADUALMENTE até ao ponto em que uma
diminuição da tensão provoca um aumento da corrente absorvida.
– para cada valor da tensão, incluindo o valor nominal
✍ Tomar nota dos valores da tensão da corrente e da potência.

2
– Preencher o Boletim anexo
✍ Reverificar todas as notas importantes e necessárias à elaboração do
relatório
▲ Reduzir o valor da tensão e desligar o circuito.
… Continuar o trabalho com,

© Manuel Vaz Guedes, 2003


TLME-I.5 —3—
Medida da Resistência Estatórica por Fase
Medir a resistência estatórica por fase pelo método do voltímetro–amperímetro e efectuar a
correcção devida à temperatura {tc = 75 °C e Rsc = ((234,5 + tc)/(234,5 + ta ))·Rsa}
Atender à ligação dos enrolamentos estatóricos. Caracterizar a resistência cujo valor foi
realmente medido.

❈ ✍ ✎ Elaborar o relatório

5. Relatório
Apresentar, atendendo às indicações iniciais deste guia, um relatório pessoal com:
• o registo dos valores obtidos;
• a determinação gráfica do valor das perdas mecânicas.

6. Temas de Desenvolvimento
Desenvolver dois dos seguintes temas
… utilizar no máximo cinco (5) páginas A4 manuscritas incluindo as ilustrações …
TD_4.1 Perdas de Energia — apresente a importância das diferentes perdas de energia
de uma máquina eléctrica rotativa, caracterizando as diferentes perdas,
realçando a forma de as reduzir aplicando uma perspectiva de utilização
racional da energia e de impacte ambiental.

TD_4.2 Potência de Perdas Joule na Máquina — justificar que qualquer que seja o tipo de
ligação dos enrolamentos estatóricos, estrela ou triângulo, o valor da potência
de perdas Joule na máquina é sempre P J =1,5·R l ·I o 2 , em que R l é o valor d a
resistência realmente medido. (Supondo que a máquina é rigorosamente
simétrica e equilibrada).

TD_4.3 Análise Crítica — a presente uma análise crítica do método aplicado p a r a


estimar o valor das perdas mecânicas, analisando as hipóteses de estudo
subjacentes ao método adoptado. [Ver Carlos Carvalho; “Máquinas Eléctricas
II”, pp 159–163, FEUP 1983]

– T L ME 1 - 5 –

F ic ha T é cn ic a

F a b r ic a nt e M o del o T ip o

Ucn = / V f= Hz Lig. / Ns = rot/min

Pmec = kW In = A Nn = rot/min

En sa i o e m Va zi o R = Ω No = r o t /m i n

Uc La Ki I W1 W2 ∑W Kw P to
V A A W W W W

... ... ... ... ... ... ... ... ...

© Manuel Vaz Guedes, 2003


§

Máquinas Eléctricas 6 Resenha Histórica

P r i m ó r di o s do M o t o r de I n du ç ã o

Em 1825, Arago foi o primeiro a observar provocadas pelo deslocamento progressivo de


que uma placa de cobre em movimento um campo magnético, e de criar esse campo
rotativo provocava a rotação de uma agulha móvel, como um campo girante, pela
magnética. combinação de duas correntes esfasadas de u m
quarto de período, e formando ângulos rectos
entre elas. Desta forma, construiu, para
demonstração nas aulas, o motor de indução
(tipo em campânula) representado na figura.

Este fenómeno pode ser observado por meio


do aparelho representado. No entanto,
constata--se que o fenómeno varia muito com o
material do disco; o efeito é nulo com materiais
isolantes e pronunciado com materiais
condutores.
Foi Faraday, que, em 1831, com a ajuda de
uma galvanómetro, estabeleceu que a força que
faz rodar a agulha é devida a correntes G. Ferraris não atribui valor comercial ao seu
eléctricas, que surgem no disco, por influência invento, e foi Nikola Tesla que, nesses anos,
da agulha magnética. estudava os problemas dos sistemas polifásicos
Em 1825 C. Babage e J. Herschel (difásicos) de corrente alternada quem
estabeleceram o efeito contrário: a rotação de apresentou um conjunto de patentes e uma
um íman em forma de ferradura sobre um disco comunicação ao A IE E (em 16 de Maio de 1888)
de cobre, provocava a rotação do disco. onde apresentou o desenho de um motor
Em 1872, W. Baily apresentava um modo de eléctrico difásico.
produzir rotações de Arago com quatro
electroímanes fixos, que eram excitados
consecutivamente e com o disco rodando sobre
um pivot, por cima dos pólos variáveis criados
pelos electroímanes.

N o N N o N S N
O motor era formado por um anel folheado,
o S S S S o S N com quatro bobinas ligadas duas a duas a cada
fase de um alternador difásico. O induzido é
Criava-se, assim, uma rotação intermitente um disco de ferro, que pode ser cortado de
do campo magnético, que o disco forma “a fazer passar de uma lado ao outro a
acompanhava. maior quantidade de fluxo”, mas tal não é
Em 1883 Marcel Deprez apresentou u m essencial. Trata-se de um motor síncrono (de
teorema que provava matematicamente a relutância) .
criação de uma campo magnético girante pela Alguns meses depois Tesla verificou que
combinação da acção de duas correntes podia utilizar o deslocamento dos pólos do
alternadas esfasadas de um quarto de período. campo indutor para “desenvolver correntes
Sem o conhecimento do trabalho de Baily ou eléctricas num condutor fechado, mantido sob
de Deprez, em 1885 Galileo Ferraris popôs a a influência do campo do motor de forma a
produção da rotação de um condutor (um provocar a rotação pela reacção dessas
cilindro de cobre oco) por intermédio das correntes sobre o campo indutor”; estava
correntes de Foucault (“correntes parasitas”) nele apresentado um motor de indução. •
© Manuel Vaz Guedes, 1995