Você está na página 1de 5

Universidade de Brasília

Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da


Informação e Documentação – FACE

Departamento de Administração – Curso de Graduação em Administração


Disciplina: Fundamentos da Administração Pública

Professor: Marcos Alberto

Aluno: Helen Ribeiro da Silva

Matrícula: 09/0116003
ATIVIDADE DE EXERCÍCIOS DIDÁTICOS

DATA DA ENTREGA: 19/04/2012

CONTEÚDO: LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

Com base nos textos apresentados em anexo, respondam as seguintes


questões:

1) Qual a importância do planejamento para o desenvolvimento das


ações, mesmo quando elas são concebidas conforme a urgência de cada
situação?

O planejamento é necessário, pois ele é que ajuda a definir as metas e


prioridades da Administração Pública, bem como orientar a elaboração da
LOA, PPA e da LDO. Uma gestão fiscal responsável se dá através de uma
ação planejada e transparente, que contribua para a correta aplicação dos
recursos governamentais.

2) Como a sociedade pode contribuir para que o gestor público


desenvolva com sucesso ao lei de Responsabilidade Fiscal?

A Lei de Responsabilidade fiscal veio para contribuir com o controle dos gastos
públicos, fazendo com que os governantes tivessem que obedecer normas
estabelecidas e também presta-se contas de quanto e como são feitos os
gastos públicos, porém a sociedade tem papel fundamental nesse controle da
Administração quando procuram verificar se eles estão cumprindo a lei, se
estão disponibizando para a população as contas de seus gastos, e assim
procura julgar a Administração dos governantes bons e ruins, para poder
promover as melhores práticas de administração e também punir os
governantes que não agiram adequadamente.

3) Descreva o quanto é importante a transparência da ação


governamental na divulgação dos relatórios nos meios de comunicação.

É através da transparência dos governantes em divulgar os gastos públicos,


na internet no portal da transparência, nas mídias ou em qualquer outro lugar
de acesso público, que a população irá ter acesso e poder denunciar ou não
as praticas administrativas de seus governantes.

4) O que deve fazer o gestor público para equilibrar as receitas das


despesas e assim obter o equilíbrio financeiro?

A Lei fixa limites para despesas com pessoal, para dívida e ainda determina
que sejam criadas metas para controlar receitas e despesas. Além disso,
nenhum governante pode criar uma nova despesa continuada (por mais de
dois anos), sem indicar sua fonte de receita ou sem reduzir outras despesas já
existentes. Isso faz com que o administrador público consiga sempre pagar
despesas, sem comprometer o orçamento.

São definidos na Lei os limites de gastos com pessoal, com percentual das
receitas, para os três Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios. Assim que o administrador público verificar que ultrapassou os
limites para despesa de pessoal, deverá tomar providências para se
enquadrar, no prazo estabelecido pela Lei. Caso continue a existir excessos,
ele sofrerá penalidades.

5) Que providências devem ser tomadas pelo administrador público para


que se estabeleça o cumprimento das metas definidas na LRF?

O gestor público deve prestar atenção no anexo de metas fiscais que serve
para avaliação do cumprimento das metas fiscais dos três exercícios
anteriores e para demonstrar o que está planejado para o exercício vigente e
para os dois seguintes em termos financeiros envolvendo receitas, despesas,
resultados nominal e primário e montante da dívida pública, inclusive com
memória e metodologia de cálculo, além da demonstração da evolução do
patrimônio líquido dos três últimos exercícios, da avaliação da situação
financeiro e atuarial do regime próprio de previdência, da estimativa e
compensação da renúncia de receita e da margem de expansão das despesas
obrigatórias de caráter continuado.

6) Quais as ações necessárias do administrador público no


gerenciamento das receitas e despesas públicas?
A Lei de Responsabilidade Fiscal trouxe uma série de novos desafios para os
gestores públicos no Brasil. Dentre os princípios da Lei estão o planejamento,
a transparência no uso de recursos públicos e a participação popular. A Lei de
responsabilidade Fiscal entrou no cenário da administração pública brasileira,
neste contexto de limitação da ação do gestor público, com a finalidade de
disciplinar a gestão de recursos públicos, atribuindo mais responsabilidade a
seus gestores. Além disso, aparece a transparência que o governo deve a
sociedade nos assuntos fiscais, com obrigatoriedade de: divulgação anual das
contas; emissão de Relatório resumido de Execução Orçamentário; emissão
de Relatório de Gestão Fiscal e estímulo ao Controle Social. A Lei se apóia em
quatro pilares: o planejamento, a transparência, o controle e a
responsabilização.

7) Logo após a publicação da LOA, quais as providências o Poder


Executivo deverá tomar?

O Poder Executivo deverá estabelecer, por decreto, a programação financeira


e o cronograma mensal de desembolso, bem como o desdobramento da
receita em metas bimestrais de arrecadação, no prazo de 30 (trinta) dias após
a publicação da lei orçamentária anual. (arts. 8º e 13)

8) O que deverá ser considerado relativamente às previsões de receita,


necessárias ao planejamento orçamentário?

A s normas técnicas e legais em vigor, eventuais efeitos das alterações na


legislação, variação do índice de preços, dados pertinentes ao crescimento
econômico, sendo obrigatório que as previsões de receita estejam
acompanhadas de demonstrativo de sua evolução nos últimos três anos, da
projeção para os dois seguintes àquele a que se referirem e da metodologia de
cálculo e premissas utilizadas.

9) Quais são as condições e critério estabelecidos pela LRF para a


concessão das subvenções sociais?

Somente as Organizações, governamentais ou não governamentais, sem fins


lucrativos, inscritas no Cadastro Nacional Pessoa Jurídica – CNPJ,
regularmente cadastradas na Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas
SENAD, com atuação nas áreas de: Prevenção;Tratamento, recuperação e
reinserção social; Redução dos danos sociais e à saúde; Estudos, pesquisas e
avaliações; Eventos científicos e de mobilização social.

10) Qual a importância da participação da população na elaboração e


discussão do PPA, LDO e LOA?

Através da Audiência pública que é uma reunião promovida pelo Poder


Executivo e Legislativo, aberta a participação popular, na qual, procura-se dar
esclarecimentos e permitir a efetiva participação popular aos diversos aspectos
da gestão fiscal, durante os processos de elaboração, discussão e avaliação
dos instrumentos relativos ao PPA, LDO e LOA. A população pode expôr as
sua demandas , contribuir no melhoramento da legislação e participar
ativamente do governo do país.