Você está na página 1de 4

CASO PRÁTICO

DD100–RESOLUÇÃO/TRANSFORMAÇÃO DE CONFLITOS NO ÂMBITO ESCOLAR

Instruções para o desenvolvimento da atividade

Depois de estudar o caso descrito, responda às seguintes perguntas:

1. Você acredita que esse é um caso de bullying? Justifique sua resposta.

Sim, sem sombra de dúvidas, este é um caso de bullying, pois são atitudes agressivas
intencionais e repetitivas que ridicularizam, agridem e humilham Alazne. Vale ressaltar que
tanto a vítimas quanto agressores podem sofrer consequências psicológicas dessa situação de
agressão, seja ela física ou psicológica, dificuldade de aprendizado, solidão, dificuldade de
socialização, ansiedade, medo e até em alguns casos depressão podem estar associados ao
bullying. Além disso, existem ainda as chamadas vitimas-agressoras, as quais sofreram bullying
e passam a praticá-lo contra outros indivíduos, gerando um ciclo de violência que se
retroalimenta. Esses picos de vulnerabilidade ocorram devido à transição de etapas do ciclo
ode vida, principalmente da infância para a adolescência.

2- Preencha a tabela a seguir, seguindo o exemplo mostrado para isso:

Análise do conflito
Poder
asProtagonist

Posições

Necessidad
interesses

alternativa
enfrentameEstilo de
es de cada
uma das
de cada

negociado) (Melhor
parte

parte

de acordo Maan
conflito
nto do

Alazne Vítima Que Pare de se sentir Passivo, ela Intervir no Passivo


termine a fraca diante dos não processo de
agressão, outros, seja mais enfrenta o mediação
que o sociável e tenha perseguido como vítima,
grupo da 6º mais e melhores r, mas atendendo às
deixe de relacionamentos conversa suas
incomodar com seus colegas com sua necessidades
ela mãe e para
conta o interromper a
que situação de
aconteceu assédio e
mudar de
lugar no
ônibus
Grupo Autores agredir Que Alazne se Ativo Nesse caso Ativo
do 6º intencional sinta inferior aos não tem
ano mente e demais alunos, acordo, pois o
humilhar humilhada e grupo do 6º
Alazne ridicularizada ano está
praticando
bullying e pra
eles não é
questão de
acordo e sim
humilhar e
debochar da
vítima e até
mesmo
praticar
violência
Ana Mãe da Que Que a tutora Passivo, Que a tutora passivo
Alazne termine a tome uma pois Ana ou alguém
agressão, atitude em conversa responsável
que o relação ao que com a Intervenha
grupo da 6º vem tutora e no processo
deixe de acontecendo relata o de mediação,
incomodar dentro do ônibus que sua tentando da
ela filha vem melhor forma
passando possivel
dentro do resolver o
ônibus conflito
existente

3- Que estratégia de resolução/transformação de conflitos você aplicaria neste caso? É


necessário descrever a estratégia escolhida em detalhes: definição das fases, participantes,
objetivos, etc.

Utilizaria o programa de mediação escolar e outros processos colaboradores para a


resolução de conflitos, pois tem por objetivo criar e desenvolver um serviço de mediação para
a resolução de conflitos, utilizando a pratica da comunicação, tendo assim uma convivência
pacifica através do diálogo.

4- Sabemos que o bullying é um problema que sempre existiu, apesar do fato de que nos
últimos anos houve um aumento considerável no número de casos de bullying que
ocorrem nas escolas. Por esse motivo, quais são as principais razões/falhas que você
considera e que explicariam por que o número de casos de bullying continua a aumentar
nas escolas?

Acredito que a culpa sobre uma agressão nunca é da vítima, mas sim do agressor. Nesse
caso prático estamos falando de crianças e adolescentes, que ainda estão formando o seu
caráter e que são bastante influenciáveis principalmente em relação o que acontece dentro de
suas casas, pois eles costumam se espelharem em seus pais ou até em outro membro da
família. Portanto, é preciso analisar e entender as causas desse comportamento negativo e
normalmente, esses agressores são crianças e jovens com maior índice de reprovação e que se
sentem ameaçados pelo bom desempenho dos demais, e conforme já havia dito, grande parte
desses vêm de relações familiares desestabilizadas e, por vezes, violentas, a falta de diálogo e
compreensão na casa desses agressores, que podem, também, ser vítimas de agressão. Além
disso, existe, na sociedade a filosofia de que “o maior e mais forte derrota o menor e mais
frágil”. Este pensamento perigoso estimula a competição entre os estudantes e pode resultar
em uma disputa que não é saudável.

5- Que recomendações você faria às escolas em relação à prevenção do bullying?

Recomendaria a implantação de programa de intervenção nas escolas, as intervenções


nas quais professores e equipes escolares participam ativamente do processo, recebendo
treinamento prévio de profissionais da área de saúde para auxiliarem os alunos, intervenções
de profissionais de fora da escola (ex. psicólogos, professores, pesquisadores). Outra
estratégia seria a realização de palestras, campanhas, atividades preventivas, rodadas de
conversas discussão sobre o tema bullying dentro da sala de aula, realização de trabalhos em
grupo, e jogo de computador. Vale ressaltar que é de suma importância que sejam aplicadas
punições, tais como, suspensão, detenção, retirar o aluno da sala de aula, chamar os pais
visando impedir a repetição de comportamentos de bullying.
Bibliografia:

https://campus2.funiber.org/course/view.php?id=2707

10 Dicas Para Prevenir a Violência Na Escola. Recuperado de:


https://escolaweb.com.br/blog/bullying-dicas-prevenir-violencia-escola

Bullying nas Escolas: Comportamentos e Percepções. Recuperado de:


http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S1645-
00862009000100001&script=sci_arttext&tlng=es

Bullying: Um Desafio às Escolas do Século XXI. Recuperado de:


https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/bullying-um-desafio-as-escolas-
seculo-xxi.htm

CARDOSO, Fernando da Silva. Mediação de conflitos escolares: contribuições da


educação em direitos humanos no enfrentamento à violência.