Você está na página 1de 13
ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO - Análise comparativa com outros estudos
ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO - Análise comparativa com outros estudos

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E

ORIENTAÇÃO PARA O EGO

- Análise comparativa com outros estudos referentes também à tarefa e ao ego.

com outros estudos referentes também à tarefa e ao ego. Trabalho Realizado por: -Helder Calado, n.º

Trabalho Realizado por:

-Helder Calado, n.º 23080 -Telmo Nascimento, n.º 23107 Tiago Pontes, n.º 23109

23080 -Telmo Nascimento, n.º 23107 Tiago Pontes, n.º 23109 Orientação para a Tarefa e Orientação para
23080 -Telmo Nascimento, n.º 23107 Tiago Pontes, n.º 23109 Orientação para a Tarefa e Orientação para
ÍNDICE

ÍNDICE

1. Introdução

3

2. Caracterização da amostra

4

3. Inquérito

4

4. Resultados (tabelas)

6

5. Resultados (gráficos)

7

6. Análise dos resultados

8

7. Análise comparativa com outros estudos

9

8. Conclusão

12

9. Bibliografia

13

9 8. Conclusão 12 9. Bibliografia 13 Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego
9 8. Conclusão 12 9. Bibliografia 13 Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego

1. INTRODUÇÃO

1. INTRODUÇÃO

O nosso trabalho refere-se à orientação para a tarefa e para o ego.

Antes de nos referimos ao trabalho em concreto, achamos por bem e necessário dar uma breve definição de tarefa e ego. O ego, segundo Freud, é uma parte do inconsciente,

modificada através do impacto e da interacção das pulsões internas e dos estímulos externos da realidade exterior. O papel do ego é de coordenador entre impulsos internos, às exigências do superego e do mundo exterior. Portanto, o ego refere-se a uma preocupação dominante, por parte dos indivíduos, em demonstrarem elevada capacidade perante os outros. A tarefa refere-se á vontade e disposição de aprender novas competências, e quando

relacionada com desporto, surge relacionada com a aprendizagem de novas técnicas.

O nosso estudo consistiu na entrega de 10 inquéritos referentes à tarefa e ao ego, à

equipa de Andebol do Instituto Politécnico de Bragança, com idades compreendidas entre os 18 e os 30, inclusive um membro do grupo fazer parte dessa equipa. Após a análise dos inquéritos, serão elaborados gráficos (em %) para a sua posterior análise, e verificação dos pontos mais preponderantes.

O ponto principal do trabalho será a comparação do nosso estudo com outros 3 estudos,

em que o ponto de partida (o inquérito) é igual.

estudos, em que o ponto de partida (o inquérito) é igual. Orientação para a Tarefa e
estudos, em que o ponto de partida (o inquérito) é igual. Orientação para a Tarefa e
2. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA

2. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA

A nossa amostra, como já foi referido, é a equipa de Andebol do Instituto Politécnico de Bragança. Foram inquiridos 10 atletas. Relativamente às idades, podemos verificar que a os 10 atletas apresentam idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos, apresentando apenas 2 atletas com mais de 23 anos.

3. INQUÉRITO

A análise dos resultados foi feita sob o modo de uma tabela para facilitar a sua interpretação. Sabemos então, que ao todo os inquiridos são 10. Antes, da dita análise, apresentamos o inquérito que os atletas preencheram em que as opções de resposta eram:

1-discordo totalmente; 2-discordo; 3-nem concordo; nem discordo; 4- concordo; 5-concordo totalmente. O inquérito era composto por dois grupos, possuindo o primeiro grupo, 13 questões, e o segundo grupo, 10 questões. Primeiro grupo Sinto-me com mais sucesso no processo de treino quando… 1) Sou o único que consegue executar as técnicas; 2) Aprendo uma nova técnica e isso faz-me querer praticar mais; 3) Consigo fazer melhor que os meus colegas; 4) Os outros não conseguem fazer tão bem como eu; 5) Aprendo algo que me dá prazer; 6) Os outros cometem erros e eu não; 7) Aprendo uma técnica esforçando-me bastante; 8) Trabalho realmente bastante; 9) Ganho a maioria dos jogos ou marco a maior parte dos golos; 10) Algo que aprendo faz-me querer continuar a praticar mais; 11) Sou o melhor; 12) Sinto que uma técnica que aprendo está bem;

o melhor; 12) Sinto que uma técnica que aprendo está bem; Orientação para a Tarefa e
o melhor; 12) Sinto que uma técnica que aprendo está bem; Orientação para a Tarefa e
13) Faço o meu melhor. Podemos já verificar que surgem, neste primeiro grupo, 6 questões
13) Faço o meu melhor. Podemos já verificar que surgem, neste primeiro grupo, 6 questões

13) Faço o meu melhor. Podemos já verificar que surgem, neste primeiro grupo, 6 questões orientadas para o ego (1,3,4,6,9 e 11) e 7 questões orientadas para a tarefa (2,5,7,8,10,12 e

13).

Segundo Grupo Sinto-me com mais sucesso no Curso quando… 1) Sou o mais inteligente; 2) Trabalho no meu máximo; 3) Tenho as notas mais altas; 4) Me ocorre uma ideia nova acerca de como funcionam as coisas; 5) Sei mais que os outros; 6) Aprendo algo interessante; 7) Ganho (ou supero) os outros; 8) Resolvo um problema por trabalhar no máximo; 9) Os outros cometem erros e eu não; 10) O que aprendo tem realmente sentido. Neste segundo grupo, surgem equiparadas tanto orientadas para o ego como para a tarefa. Portanto, as questões orientadas para o ego são: 1,3,5,7 e 9 e as questões orientadas para a tarefa são: 2,4,6,8 e 10.

e as questões orientadas para a tarefa são: 2,4,6,8 e 10. Orientação para a Tarefa e
e as questões orientadas para a tarefa são: 2,4,6,8 e 10. Orientação para a Tarefa e

4. RESULTADOS (TABELAS)

4. RESULTADOS (TABELAS)

No primeiro grupo, os resultados obtidos foram os seguintes:

No primeiro grupo, os resultados obtidos foram os seguintes: Fig.1: Resultados obtidos no grupo I No

Fig.1: Resultados obtidos no grupo I

No segundo grupo os resultados obtidos foram os seguintes:

I No segundo grupo os resultados obtidos foram os seguintes: Fig.2: Resultados obtidos no grupo II

Fig.2: Resultados obtidos no grupo II

foram os seguintes: Fig.2: Resultados obtidos no grupo II Orientação para a Tarefa e Orientação para
foram os seguintes: Fig.2: Resultados obtidos no grupo II Orientação para a Tarefa e Orientação para
5. RESULTADOS (GRÁFICOS)

5. RESULTADOS (GRÁFICOS)

De seguida apresentamos os respectivos gráficos do grupo I e do grupo II.

70,0 60,0 50,0 Discordo Totalmente 40,0 Discordo 30,0 Nem concordo; Nem discordo Concordo 20,0 Concordo
70,0
60,0
50,0
Discordo Totalmente
40,0
Discordo
30,0
Nem concordo; Nem discordo
Concordo
20,0
Concordo Totalmente
10,0
0,0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13

Fig.3: Gráfico obtido no grupo I

20,0 Concordo Totalmente 10,0 0,0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11
60,0 50,0 40,0 Discordo Totalmente Discordo 30,0 Nem concordo; Nem discordo 20,0 Concordo Concordo
60,0
50,0
40,0
Discordo Totalmente
Discordo
30,0
Nem concordo; Nem discordo
20,0
Concordo
Concordo Totalmente
10,0
0,0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10

Fig.4: Gráfico obtido no grupo II

20,0 Concordo Concordo Totalmente 10,0 0,0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
4 5 6 7 8 9 10 Fig.4: Gráfico obtido no grupo II Orientação para a
4 5 6 7 8 9 10 Fig.4: Gráfico obtido no grupo II Orientação para a
6. ANÁLISE DOS RESULTADOS

6. ANÁLISE DOS RESULTADOS

De modo a descobrir qual a principal orientação dos nossos atletas de Andebol do IPB, vão ser apresentadas três tabelas, com os valores de cada pergunta do grupo I e grupo II e, uma terceira tabela com as respectivas médias (orientação e tarefa).

tabela com as respectivas médias (orientação e tarefa). Fig.5: Tabela do Grupo I Fig.6: Tabela do

Fig.5: Tabela do Grupo I

médias (orientação e tarefa). Fig.5: Tabela do Grupo I Fig.6: Tabela do Grupo II Fig.7: Tabela

Fig.6: Tabela do Grupo II

tarefa). Fig.5: Tabela do Grupo I Fig.6: Tabela do Grupo II Fig.7: Tabela das médias Como

Fig.7: Tabela das médias

Como nos é apresentado na fig.7 podemos verificar que no nosso estudo prevalece a orientação pela tarefa, isto é, a equipa de Andebol do Instituto Politécnico de Bragança é dotada de atletas em que o seu principal objectivo, não é ser melhor que o colega ou esperar que os outros errem para que ele fique bem visto perante neste caso (o treinador), mas sim, atingir os seus objectivos e trabalhar bastante para os ter. Na base destes atletas está o esforço, e a tendência para melhor a sua técnica. Podemos também verificar que para além destes factores apresentam uma grande virtude: o gosto pela modalidade.

apresentam uma grande virtude: o gosto pela modalidade. Orientação para a Tarefa e Orientação para o
apresentam uma grande virtude: o gosto pela modalidade. Orientação para a Tarefa e Orientação para o
7. ANÁLISE COMPARATIVA COM OUTROS ESTUDOS

7. ANÁLISE COMPARATIVA COM OUTROS ESTUDOS

O estudo “Orientação Tarefa-Ego em nadadores: comparações de género e níveis de perfomance”, de Renato Miranda, Maurício Bara Filho e Luiz Carlos Pessoa Nery, é semelhante ao nosso, pois os resultados em ambos tenderam para a orientação tarefa. Podemos concluir que tratando-se de desportos completamente distintos, natação (desporto aquático) e andebol (desporto colectivo terrestre), a orientação de ambos os atletas, é a mesma, orientação para a tarefa. É notável verificar que ambos os atletas se caracterizam por um sentimento de realização que se encontra dentro do próprio desporto, e ganham uma motivação extraordinária para enfrentar desafios complicados. Mas, entre estes dois estudos, há uma pequena (grande) diferença. Enquanto a média de tarefa e ego, no nosso estudo se encontra ligeiramente próxima, no estudo em questão, nota-se a léguas, que tarefa e ego são conceitos bem distintos para os nadadores. Uma boa explicação para tal, é o facto de natação ser um desporto individual, na maioria dos casos. Não verificamos, portanto, aquela rivalidade de “Eu é que devia jogar e não ele”.

No estudo seguinte, “Avaliação da orientação motivacional de jovens atletas no futebol de campo”, de Vinicius Barroso Hirota, Ademir de Marco e Carlos Eduardo Lopes Verardi, vamos verificar que a mesma situação do primeiro estudo se repete. Novamente verificamos que existe uma necessidade de sentimento de sucesso perante uma actividade proposta que depende apenas do eu, e os atletas em causa demonstram uma qualidade indispensável em desportos colectivos (neste caso, o futebol), a atribuição do sucesso à equipa.

Para o terceiro estudo, “ Orientação para a tarefa e orientação para o ego: a opinião dos atletas da selecção portuguesa de andebol sub-20”, de Susana Isabel Vicente Ramos e Luís Vicente Monteiro, foi elaborada uma tabela de maneira a descobrir qual a principal orientação dos atletas de andebol.

qual a principal orientação dos atletas de andebol. Orientação para a Tarefa e Orientação para o
qual a principal orientação dos atletas de andebol. Orientação para a Tarefa e Orientação para o
Fig.8: Tabela do Estudo 3 Fig.9: Tabela das Médias Podemos então concluir que mais uma
Fig.8: Tabela do Estudo 3 Fig.9: Tabela das Médias Podemos então concluir que mais uma

Fig.8: Tabela do Estudo 3

Fig.8: Tabela do Estudo 3 Fig.9: Tabela das Médias Podemos então concluir que mais uma vez,
Fig.8: Tabela do Estudo 3 Fig.9: Tabela das Médias Podemos então concluir que mais uma vez,

Fig.9: Tabela das Médias

Podemos então concluir que mais uma vez, a orientação para a tarefa prevalece. Como se nos referimos ao desporto de Andebol, seria um pouco estranho se os resultados fossem diferentes.

Por último, no quarto estudo “ As orientações motivacionais dos jovens nadadores são iguais às dos seus treinadores?”, de Pedro Morouço, observamos que há uma pequena tendência para a orientação para o ego. Segundo Pedro Morouço, “ É errado pensar-se que Atletas/Equipas com Orientação para o ego têm melhor performance do que com Orientação para a tarefa, uma vez que não existem evidências que sugiram que a primeira é melhor no alcance de elevados níveis de performance, especialmente quando falamos a longo prazo. Outra ideia errada, que é necessário combater é a de que apenas atletas com orientação para o ego, desejam a competição e querem ganhar, isto é, que os indivíduos com Orientação para a tarefa não se preocupam com a vitória. Pelo contrário, desportistas com Orientação para a Tarefa fazem um investimento considerável de tempo e esforço no seu desporto, e utilizam feed-backs acerca da sua performance em situações de competição para julgarem a sua própria melhoria. Independentemente da orientação, os indivíduos querem ganhar. A diferença baseia-se no porquê de quererem ganhar. Enquanto para os indivíduos

com Orientação para o ego a vitória permite-lhes proclamar "Eu sou o melhor", para os indivíduos com Orientação para a tarefa fornece-lhes informação reforçando-lhes o seu trabalho árduo "Eu faço o meu melhor". Para além disto, está comprovado que pessoas com elevados níveis de Orientação para a tarefa têm maior grau de divertimento quando praticam

a tarefa têm maior grau de divertimento quando praticam Orientação para a Tarefa e Orientação para
a tarefa têm maior grau de divertimento quando praticam Orientação para a Tarefa e Orientação para
desporto, uma vez que "competem" consigo próprias no sentido de melhorar as suas performances, sendo
desporto, uma vez que "competem" consigo próprias no sentido de melhorar as suas performances, sendo

desporto, uma vez que "competem" consigo próprias no sentido de melhorar as suas performances, sendo igualmente mais persistentes. (Duda, 2001). Não evitam grandes desafios com medo da possível derrota, desde que esta participação lhes traga uma mais- valia na melhoria da sua performance. “Portanto em jeito de conclusão, para Pedro Morouço, não podemos afirmar que atletas com maior ego, obtém melhores resultados. Pedro Morouço afirma haver diferenças entre as duas orientações a níveis de divertimento, competição e porquês de quererem ganhar determinada competição. Mas no fim de tudo verificamos, segundo Pedro Morouço, que o objectivo dos atletas, independentemente da orientação, é ganhar.

dos atletas, independentemente da orientação, é ganhar. Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego
dos atletas, independentemente da orientação, é ganhar. Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego
8. CONCLUSÃO

8. CONCLUSÃO

Com este trabalho, podemos concluir que lidamos com pessoas sérias e esforçadas quando nos referimos à equipa de Andebol do Instituto Politécnico de Bragança. É bom trabalhar com pessoas humildes e que atingem os seus objectivos, suando por eles, e não tendo tudo de mão beijada.

Criando um conceito de Desporto, como um todo (todos os desportos, sejam eles colectivos, individuais, terrestres ou aquático), seria bom lembrar todos os atletas que o sentido de competição e o ego elevado, não os levará ao sucesso (existem casos raros, como o Cristiano Ronaldo), mas sim, humildade e esforço.

Também em nós foi criado um novo conceito de “objectivos”, isto é, diariamente vamos lutar mais esforçadamente pelos nossos objectivos e não esperar que eles caiam do céu, porque nesse momento pode já ser tarde.

Nunca se esqueçam, “Nascemos sem pedir e morremos sem querer, aproveitamos o intervalo”, a vida, são só dois dias.

aproveitamos o intervalo”, a vida, são só dois dias. Orientação para a Tarefa e Orientação para
aproveitamos o intervalo”, a vida, são só dois dias. Orientação para a Tarefa e Orientação para

9. BIBLIOGRAFIA

9. BIBLIOGRAFIA

Apenas utilizamos o seguinte site para retirar o conceito de “ego” e de “tarefa”.

-http://www.slideshare.net/joãomaria/psicanalise

-http://www.slideshare.net/joãomaria/psicanalise Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego
-http://www.slideshare.net/joãomaria/psicanalise Orientação para a Tarefa e Orientação para o Ego