Você está na página 1de 23

Interdisciplinaridade

Interdisciplinaridade Abordagem interdisciplinar com paciente traqueostomizado FONOAUDIOLOGIA Fga Kátia Cristina Lana

Abordagem interdisciplinar com paciente traqueostomizado

FONOAUDIOLOGIA

Fga Kátia Cristina Lana

CRFa SC 7273

Abordagem interdisciplinar com paciente traqueostomizado FONOAUDIOLOGIA Fga Kátia Cristina Lana CRFa SC 7273

Disfagia:

Disfagia: Disfagia é qualquer dificuldade de deglutição, decorrente de processo agudo ou progressivo, que interfere no

Disfagia é qualquer dificuldade de deglutição, decorrente de processo agudo ou progressivo, que interfere no trânsito do alimento da boca ao estômago. As disfagias orofaríngeas podem ser classificadas:

Neurogênica; Mecânica; Decorrente da idade; Psicogênica; Induzida por drogas.

Disfagia mecânica:

Disfagia mecânica: Na disfagia de origem mecânica, ocorre perda do controle do bolo pelas estruturas necessárias

Na disfagia de origem mecânica, ocorre perda do controle do bolo pelas estruturas necessárias para completar uma deglutição normal.

O controle neurológico central e os nervos periféricos estão intactos, porém, as estruturas anatômicas responsáveis pela deglutição não estão.

Causas principais da disfagia mecânica:

Causas principais da disfagia mecânica: Inflamações agudas dos tecidos da orofaringe; Trauma; Macroglossia;

Inflamações agudas dos tecidos da orofaringe; Trauma; Macroglossia; Divertículo faringoesofágico (Zenker); Câncer da região de cabeça e pescoço; Ressecções cirúrgicas; Osteófito vertebral; Traqueostomia.

Traqueostomia Abertura na traquéia que permite a passagem de uma cânula entre o terceiro e

Traqueostomia

Abertura na traquéia que permite a passagem de uma cânula entre o terceiro e o quarto anéis traqueais, em sua porção anterior. É indicada com objetivo de manter a respiração nos casos de:

indicada com objetivo de manter a respiração nos casos de: Obstrução de VAS; Necessidade de VM

Obstrução de VAS; Necessidade de VM prolongada; Remoção de secreções traqueobrônquicas; Evitar sequelas da intubação prolongada (estenoses cicatriciais).

Remoção de secreções traqueobrônquicas; Evitar sequelas da intubação prolongada (estenoses cicatriciais).
Remoção de secreções traqueobrônquicas; Evitar sequelas da intubação prolongada (estenoses cicatriciais).
Remoção de secreções traqueobrônquicas; Evitar sequelas da intubação prolongada (estenoses cicatriciais).

Mecanismos Mecânicos

Diminuição da elevação da laringe:

A elevação da laringe

 

durante a fase faríngea

   

da deglutição proteção de Vas;

No paciente traqueostomizado ocorre a fixação da traquéia na pele anterior do pescoço, mecanismo que dificulta a elevação laríngea durante a deglutição.

da traquéia na pele anterior do pescoço, mecanismo que dificulta a elevação laríngea durante a deglutição.
da traquéia na pele anterior do pescoço, mecanismo que dificulta a elevação laríngea durante a deglutição.

Obstrução Esofageana:

Obstrução Esofageana: Íntimo contato do cuff com a traquéia, podendo comprimir o esôfago = acúmulo de

Íntimo contato do cuff com a traquéia, podendo comprimir o esôfago = acúmulo de restos alimentares nos seios piriformes propiciando aspiração.

a traquéia, podendo comprimir o esôfago = acúmulo de restos alimentares nos seios piriformes propiciando aspiração.
a traquéia, podendo comprimir o esôfago = acúmulo de restos alimentares nos seios piriformes propiciando aspiração.

Limpeza da laringe com o fluxo aéreo:

Limpeza da laringe com o fluxo aéreo: após a deglutição normal, ocorre um fluxo aéreo expiratório

após a deglutição normal, ocorre um fluxo aéreo expiratório abrupto através das pregas vocais p/ expelir possíveis restos alimentares da rg glótica. Este não ocorre no traqueostomizado: o ar é expirado é desviado através da traqueo, não alcançando as pregas vocais.

Este não ocorre no traqueostomizado: o ar é expirado é desviado através da traqueo, não alcançando

Mecanismos Neurofisiológicos

Mecanismos Neurofisiológicos Dessensibilização da Laringe: devido desvio do ar pela cânula, a sensibilidade da laringe

Dessensibilização da Laringe: devido desvio do ar pela cânula, a sensibilidade da laringe e das ppvv é diminuída, pois o ar é um constante estímulo p/ os mecanismos protetivos de VAs.

um constante estímulo p/ os mecanismos protetivos de VAs. Com a cânula da TQT fechada existe

Com a cânula da TQT fechada existe melhora da sensibilidade da laringe, preservando os mecanismos de proteção e reduzindo chance de aspiração!

Fechamento incoordenado da laringe: Na deglutição normal, ocorre sincronicidade da adução e da abdução das

Fechamento incoordenado da laringe:

Na deglutição normal, ocorre sincronicidade da adução e da abdução das ppvv (apnéia) em relação à elevação e ao abaixamento da laringe (pctes normais). Nos traqueostomizados o tempo de fechamento das ppvv e abertura do EES durante a deglutição é menor.

E ainda:

Disfonia ou afonia; Alteração da umidificação, aquecimento e filtragem do ar; Pela alteração dos mecanismos de defesa há o aumento da secreção e risco de infecção; Perda da pressão subglótica fisiológica positiva.

de defesa há o aumento da secreção e risco de infecção; Perda da pressão subglótica fisiológica
de defesa há o aumento da secreção e risco de infecção; Perda da pressão subglótica fisiológica

Cuff e alimentação via oral

Cuff e alimentação via oral Muitas controvérsias Existe uma abordagem na qual o cuff totalmente insuflado

Muitas controvérsias

Existe uma abordagem na qual o cuff totalmente insuflado sela

completamente a traquéia, não deixando passar restos alimentares aspirados.

O cuff não tem esta finalidade! Autores tem demonstrado a ocorrência de aspiração mesmo com cuff insuflado. Além disso, restos alimentares sobre o cuff aumenta a colonização de bactérias = infecção = complicação do quadro. Estudos em pctes traqueostomizados com cuff insuflado

demonstrou aspiração de 100%. Não utilizamos dieta VO com cuff insuflado.

FURKIN et al.(2000)

Avaliação Clínica

Avaliação Clínica Histórico do paciente e da doença; Contato com equipe multidisciplinar; Estado

Histórico do paciente e da doença; Contato com equipe multidisciplinar; Estado comportamental, cognitivo e lingüístico; Possibilidade de retomar sua comunicação oral; Identificar o tempo de intubação e tipo de TQT;

Avaliação Clínica Ocorrência de pneumonia; Parecer da fisioterapia sobre a presença e aspecto da secreção

Avaliação Clínica

Ocorrência de pneumonia; Parecer da fisioterapia sobre a presença e aspecto da secreção endotraqueal e os parâmetros da VM; Tipo de alimentação prescrita (VO, SNE, Gastrostomia ou Jejunostomia); Avaliação da deglutição, fala e voz. Necessidade de exames complementares da deglutição.

Avaliação/tratamento

Avaliação/tratamento Avaliação dos mecanismos da deglutição TQT (modelo, tempo de uso) Cuff desinsuflado e

Avaliação dos mecanismos da deglutição TQT (modelo, tempo de uso) Cuff desinsuflado e tamponamento da TQT Coaptação glótica, fonação Válvula de fala Dependentes de ventilador testamos deglutição direta somente quando se mantiver em Ayre por + de 30 minutos. Blue Dye Test

Exames

Videoendoscopia da deglutição

Exames Videoendoscopia da deglutição
Exames Videoendoscopia da deglutição

Exames

Exames Videodeglutograma / videofluoroscopia

Videodeglutograma / videofluoroscopia

Exames Videodeglutograma / videofluoroscopia

Objetivo da Fonoaudiologia:

Proteger VA, manter estado nutricional, conforto, segurança e prazer na alimentação!

conforto, segurança e prazer na alimentação! Reabilitação da deglutição / alimentação via oral;

Reabilitação da deglutição / alimentação via oral;

Reestabelecimento da comunicação verbal.

Trabalho em equipe

Trabalho em equipe Desmame da traqueostomia; Avaliação da deglutição; Início da dieta via oral: consistência,

Desmame da traqueostomia; Avaliação da deglutição; Início da dieta via oral: consistência, quantidade, manobras, desempenho.

Obrigada!

Obrigada!
Obrigada!