P. 1
FICHAMENTO, RESUMO E RESENHA A DIFICULDADE EM DICERNI-LOS NA GRADUAÇÃO

FICHAMENTO, RESUMO E RESENHA A DIFICULDADE EM DICERNI-LOS NA GRADUAÇÃO

|Views: 81|Likes:
Publicado porOliveiraellen2013

More info:

Published by: Oliveiraellen2013 on Mar 18, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/03/2013

pdf

text

original

FICHAMENTO, RESUMO E RESENHA: A DIFICULDADE EM DICERNI-LOS NA GRADUAÇÃO Luciana de Lima ARCANJO (UFS) 1 Márcia Regina Curado Pereira

MARIANO (DLI/UFS - ORIENTADORA)2

RESUMO: O trabalho em questão se destina a investigar, principalmente, as dificuldades que os alunos dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis apresentam em diferenciar entre os gêneros: fichamento, resumo e resenha, e está circunscrito à área da Linguística Textual. No percurso de nossa pesquisa nos atentaremos a observar a mudança de postura desses alunos, com relação aos gêneros especificados, durante o período em que estiverem cursando a disciplina Produção e Recepção de Texto I, delimitando os seus conceitos, as abordagens trabalhadas e a importância desta na vida acadêmica dos graduandos dos cursos citados anteriormente. Para tanto, iremos considerar o conhecimento de mundo desses alunos e as suas noções acerca dos gêneros em questão a partir das produções textuais coletadas. Além disso, nos deteremos a responder as seguintes indagações: a confusão feita pelos alunos dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis com relação aos gêneros fichamento, resumo e resenha, tem relação com os temas referentes ao texto, tão recorrentes em disciplinas como Produção e Recepção de Texto I ou tem a ver com o fato de estes não terem se deparado com um estudo específico sobre os gêneros? Quais as contribuições da disciplina Produção e Recepção de texto I para a vida acadêmica desses graduandos? Como o projeto de monitoria do DLI (departamento de Letras de Itabaiana) da UFS vem a contribuir com o desempenho e com o rendimento desses alunos nas disciplinas referentes ao estudo do texto?

Palavras-chave: gêneros textuais; texto; compreensão; produção textual; e ensino de Língua.

1

Graduanda do curso de Letras Português – Licenciatura pela Universidade Federal de Sergipe – Campus Universitário Profº Alberto Carvalho; monitora bolsista PROGRAD/COGEPLAN. E-mail: lu_arcanjo21@yahoo.com.br
2

Professora Doutora do curso de Letras Português - Licenciatura pela Universidade Federal de Sergipe – Campus Universitário Profº Alberto Carvalho; pesquisadora LED/DLI/UFS. E-mail: ma.rcpmariano@gmail.com

INTRODUÇÃO

O referido trabalho faz parte das atividades desenvolvidas na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso I e tem como finalidade construir um esboço acerca da pesquisa que será produzida no processo de monografia. Nosso trabalho se destina a investigar, principalmente, as dificuldades que os alunos dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis apresentam em diferenciar entre os gêneros: fichamento, resumo e resenha, e está circunscrito à área da Linguística Textual. No percurso de nossa pesquisa nos atentaremos a observar a mudança de postura desses alunos, com relação aos gêneros especificados, durante o período em que estiverem cursando a disciplina Produção e Recepção de Texto I, delimitando os seus conceitos, as abordagens trabalhadas e a importância desta na vida acadêmica dos graduandos dos cursos citados anteriormente. Para tanto, iremos considerar o conhecimento de mundo desses alunos e as suas noções acerca dos gêneros em questão a partir das produções textuais coletadas. Além disso, nos deteremos a responder as seguintes indagações: a confusão feita pelos alunos dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis com relação aos gêneros: fichamento, resumo e resenha, tem relação com os temas referentes ao texto, tão recorrentes em disciplinas como Produção e Recepção de Texto I ou tem a ver com o fato de estes não terem se deparado com um estudo específico sobre os gêneros? Quais as contribuições da disciplina Produção e Recepção de texto I para a vida acadêmica desses graduandos? Como o projeto de monitoria do DLI (departamento de Letras de Itabaiana) da UFS vem a contribuir com o desempenho e com o rendimento desses alunos nas disciplinas referentes ao estudo do texto? Com o intuito de buscar as respostas para tais questionamentos, tomaremos como base as produções textuais desses alunos, em especial, os resumos, recolhidas durante o período em que eles estavam cursando a disciplina Produção e Recepção de Texto I. Através dessas produções, poderemos identificar as falhas mais

recorrentes, o nível de conhecimento e a compreensão desses alunos a respeito dos temas constantes na disciplina e aqueles relacionados aos mecanismos do texto. Partindo desse pressuposto, procuraremos fazer um recorte de algumas teorias, como: o estudo acerca dos gêneros textuais, desenvolvido por Luiz Antônio Marcuschi, um dos principais autores que tratam do tema, a partir do qual delimitaremos as definições e as funcionalidades dos gêneros; a visão dos PCNs a respeito dessa questão – já que, no que concerne ao uso de gêneros textuais no ensino, os PCNs ainda pecam bastante, embora se note pela primeira vez uma posição determinada e determinante para esse trabalho –, e a relação dos gêneros textuais na fala e na escrita, além de elucidar a importância dessa prática na sala de aula; com base nas abordagens de Antônio Joaquim Severino, procuraremos conceituar e elucidar os gêneros fichamento, resumo e resenha, objetos fundamentais de nossa pesquisa, a fim de esclarecer em que consiste cada uma dessas atividades, pontuando os conceitos e os objetivos dessas produções. E para concluir a nossa abordagem teórica, nos aprofundaremos no gênero resumo, já que ele será o corpus de nossa análise. Para isso, faremos um recorte dos principais estudos desenvolvidos na área.

OBJETIVOS

Objetivo geral

Administração e Ciências Contábeis em discernir entre os gêneros fichamento, resumo e resenha, buscando soluções que possam reduzir ou sanar esse problema.

Objetivos específicos

Administração e Ciências Contábeis, em especial os resumos, que serão a base de nossa pesquisa;

Produção e Recepção de texto I na formação desses alunos;

área à qual pertencem, e como eles reagem diante de temas direcionados à sua área e daqueles que não tratam de temas corriqueiros em seu curso; analisar o impacto de disciplinas relacionadas à produção textual enquanto estão sendo cursadas. Se estas foram capazes de alterar a percepção do aluno, fazendo-o compreender os conceitos e os tipos de produção textual, além dos gêneros textuais: fichamento, resumo e resenha, e como o apoio da monitoria vem a contribuir com esse processo.

JUSTIFICATIVA

A escolha dessa pesquisa partiu da necessidade de se buscar respostas para alguns problemas relacionados às produções textuais de alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis da UFS – Campus Universitário Profº Alberto Carvalho, detectadas nas aulas de Produção e Recepção de Texto I. Por meio do processo de monitoria do Departamento de Letras da referida instituição, foi possível entrar em contato com a escrita desses alunos e perceber alguns déficits e as principais dificuldades apresentadas por eles, além de poder intervir no processo, dando apoio através da assistência estudantil que o programa oferece. Porém, apesar da necessidade de recorrer ao monitor, a procura era pouco frequente, o que dificultava o processo de fixação dos conteúdos e de refacção dos textos. O foco primordial de nossa investigação é a confusão que os alunos fazem diante dos gêneros textuais fichamento, resumo e resenha, tão recorrentes nos cursos de graduação. Dúvidas como estas também levantam questões como: será que o professor, ao pedir uma dessas produções aos alunos, sabe mesmo a que se refere cada uma delas? Ou o problema está nos alunos, que não fixaram cada gênero? Ou, ainda mais grave, será que esses graduandos tiveram a oportunidade de entrar em

contato com esses gêneros, de forma a compreender cada um deles, até se depararem com uma disciplina específica sobre o texto, os seus tipos e os seus mecanismos? Enfim, indagações como estas, motivaram-nos a ir em busca das respostas e, conforme for se enveredando a pesquisa, talvez, encontrar soluções que possam diminuir as dificuldades apresentadas por esses graduandos, ou até, sanar o problema. Nossa pesquisa se debruçará sobre um referencial teórico que pretende esclarecer alguns conceitos-chave, no que se refere ao texto e à sua elaboração, além de elucidar as concepções de gênero textual e delimitar os gêneros: fichamento, resumo e resenha. Os estudos sobre os gêneros apesar de terem se destacado bastante nas últimas décadas, não são recentes como muitos supõem, tiveram início com as teorias acerca dos gêneros do discurso de Aristóteles. Atualmente, esses estudos tem sido enfatizados sob um novo olhar, diferentemente da perspectiva aristotélica, e encara os gêneros como forma de ação social. Isto é, correspondem a uma atividade comunicativa que envolve processos cognitivos, aspectos culturais e manifestações sociais, ao qual o uso da língua engloba. De acordo com as teorias de Marcuschi acerca das definições e das funcionalidades dos gêneros textuais, observa-se que eles são processos intrinsecamente ligados ao cotidiano cultural e social dos sujeitos: “[...] Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis, dinâmicos e plásticos. Surgem emparelhados a necessidades e atividades socioculturais...” (MARCUSCHI, 2002, p.19). Desse modo, podemos afirmar que há uma relação entre os gêneros e a época em que se realizam, entre a cultura e o meio social onde se desenvolvem, sendo assim, as suas funções e as suas intenções surgem com o intuito de atenderem as especificidades de cada grupo social. Ou seja, não há comunicação verbal sem o uso de algum gênero textual, de acordo com o viés discursivo e comunicativo da língua, vista aqui como atividade social, histórica e cognitiva. Sendo assim, os gêneros textuais correspondem:

“[...] A uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição característica. [...]” (MARCUSCHI, 2002, p.22-23).

Segundo Marcuschi, ao se dominar um gênero textual, o que está sendo dominado, efetivamente, é uma forma particular de realizar linguisticamente “técnicas” peculiares relacionadas a contextos sociais específicos, uma vez que, os gêneros textuais caracterizam-se enquanto atividades sócio-discursivas. São, ainda, heterogêneos e possuem uma relação de intertextualidade intergêneros (um gênero com a função de outro) e de heterogeneidade tipológica (um gênero com a presença de vários tipos textuais). No que diz respeito ao ensino de Língua, Marcuschi afirma que não existem gêneros textuais específicos para se trabalhar em sala de aula, mas enquanto uns são mais apropriados para a produção textual, outros estão mais voltados para a leitura. Outra questão com relação ao uso dos gêneros na escola diz respeito aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) lançados pelo MEC para o ensino fundamental e médio, pois trazem uma visão redutora acerca de como se trabalhar com os gêneros, como bem destaca Marcuschi:
“Em muitos outros aspectos os PCNs são inovadores e muito claros, mas no que tange aos gêneros, há uma sugestão pouco clara do seu tratamento, embora esteja aí pela primeira vez uma posição determinada e determinante para esse trabalho. O que eu critico aqui é a forma como isso vem sendo trabalhado nos PCNs.” (MARCUSCHI, 2008, p.207).

Nesse sentido, observa-se que os PCNs apresentam algumas falhas e algumas confusões ao tratar dos gêneros textuais. A primeira delas está relacionada à distinção entre tipo textual e gênero textual, pois não há uma elucidação a esse respeito. A segunda é reduzir os gêneros apenas a uma realização linguística mais formal. Sem contar com a confusão entre oralidade e escrita, que não são claramente distinguidas. Além disso, os PCNs não exploram a diversidade dos gêneros, deixando de lado principalmente aqueles relacionados ao cotidiano dos alunos, isto é, que se aproximam da realidade deles, o que proporcionaria um processo de ensino-

aprendizagem mais produtivo. Outro fator relacionado a essa questão, é a pequena quantidade de gêneros sugeridos para as atividades de produção textual, o que reforça o descaso da maioria das instituições acerca do exercício da produção textual baseada em gêneros.
“Na realidade, aqui há um problema de ordem metodológica par adoxal: por um lado, quando os PCNs propõem conteúdos programáticos mostrando-se inevitavelmente redutores e, por outro, quando concretizam as ações, tornam-se homogeneizadores, sugerindo que todos os professores trabalhem determinados fenômenos. O fato é que para planos dessa ordem dever-se-ia operar no nível conceitual, explanatório e não de conteúdos. Nesses casos, estratégias e processos com as respectivas exemplificações são mais importantes do que conteúdos específicos. O caso dos gêneros textuais é apenas um exemplo paradigmático disso.” (MARCUSCHI, 2008, p.211).

Seguindo ainda esse viés, Bernard Schneuwly e Joaquim Dolz defendem a inserção e a importância dos gêneros textuais no processo de ensino-aprendizagem:
“[...] Os gêneros textuais, por seu caráter genérico, são um termo de referência intermediário para a aprendizagem, o gênero pode, assim, ser considerado um mega-instrumento que fornece um suporte para a atividade nas situações de comunicação e uma referência para os aprendizes. [...]” (SCHNERWLY e DOLZ, 1999, p.07).

Também compartilhando dos postulados se Schneuwly e Dolz, Anna Rachel Machado complementa:
“[...] O ensino de produção e compreensão de textos deve centrar -se no ensino de gêneros, sendo necessário, para isso, que se construa, previamente, um modelo didático do gênero, que defina, com clareza, tanto para o professor quanto para o aluno, o objeto que está sendo ensinado, guiando, assim, as intervenções didáticas.” (MACHADO, 2005, p. 139).

No que se refere à distinção entre os gêneros fichamento, resumo e resenha, recorreremos à coleção de Antônio Joaquim Severino Metodologia do Trabalho Científico, onde alguns autores descrevem os procedimentos referentes a cada uma dessas atividades. De acordo com a autora Rosana Morais Weg, o fichamento “[...] é uma forma organizada de registrar as informações obtidas na

leitura de um texto. [...]” (SEVERINO, 2000, p. 13). Consiste na elaboração de um segundo texto a partir do texto-base e serve de material de consulta para a construção de um terceiro texto ou simplesmente para organizar as leituras já feitas, assim, caso necessite recorrer a elas futuramente não será necessário ler novamente o texto, uma vez que, as ideias principais já estão registradas no fichamento. Já o resumo, segundo Marli Quadro Leite, corresponde ao processo de enumerar as ideias principais do texto-base e a partir delas elaborar um segundo texto apresentando somente os conceitos-chave do primeiro. É uma forma de registrar as informações adquiridas através da interação com o texto antes que elas se apaguem da memória e assim como o fichamento, também serve como material de consulta. Vale frisar ainda, que o processo de resumir um texto está diretamente ligado as “competências” do leitor. E por fim, a resenha que, de acordo com a autora Maria Lúcia C. V. O. Andrade trata-se de um trabalho mais minucioso, pois, além de sintetizar as ideias centrais do texto, deve expor a visão crítica do resenhista acerca do texto-base, concordando ou discordando com o que está sendo abordado por ele. Além desses aspectos, a resenha também deve conter dados biográficos do autor do texto-base em seu paragrafo introdutório e um parecer do leitor sobre a importância e as contribuições da obra e do autor para o meio em que ela está inserida. Já que o corpus de nossa pesquisa são as produções textuais referentes ao gênero resumo, lhe daremos um enfoque maior em nossa fundamentação teórica e no decorrer de nossas análises, confrontando e/ou reafirmando as teorias de diversos estudiosos da área. De antemão, assim como frisa a autora Anna Rachel Machado, é importante explorar as definições comumente atribuídas ao gênero resumo. Para isso, tomaremos com fonte o “Novo Aurélio – Dicionário de Língua Portuguesa” on line, que fornece os seguintes significados para o gênero:
“resumo. [Dev. De resumir.] S. m. 1. Ato ou efeito de resumir (-se). 2. Exposição abreviada de uma sucessão de acontecimentos, das características gerais e de alguma coisa, etc., tendente a favorecer sua visão global: síntese, sumário, epítome, sinopse: O repórter fez um bom resumo das últimas ocorrências. 3. Apresentação concisa, do conteúdo de um artigo, livro, etc., a qual, precedida de sua referencia bibliográfica, visa a esclarecer o leitor sobre a conveniência de consultar o texto

integral. Ao contrario da sinopse (2) (q. v.), o resumo aparece em publicação à parte e é redigido por outra pessoa que não o autor do trabalho resumido. 4. Recapitulação em poucas palavras; sumário: Esta gramatica tem um resumo claro no fim de cada capítulo. 5. Fig. Compendio (3).” (MACHADO, 2005, p. 142 - 143)

Através dessas definições podemos constatar que o resumo pode ser socialmente reconhecido como gênero textual, que sua produção corresponde a situação comunicacional a qual se dirige e que ele abarca vários sentidos devido aos vários contextos em que o gênero é habitualmente usado – fator que justifica a confusão terminológica que o cerca. Por isso, faz-se necessário aqui, por exemplo, elucidar a distinção entre o processo de sumarização e o de produção de resumos, frequentemente confundidos no ensino. O primeiro está ligado à compreensão da leitura e corresponde ao resumo mental do texto construído pelo leitor no qual ele arquiva as informações pertinentes e descarta as dispensáveis para chegar ao sentido global do texto, ou seja, é o primeiro passo para a elaboração de um resumo. Já o segundo diz respeito à materialização dessa sumarização, onde se deve ter em vista os objetivos, o receptor e as condições de produção, levando em consideração as regras/estratégias referentes ao gênero em questão. A sumarização, juntamente com o ensino da produção de resumos, são métodos fundamentais para o desenvolvimento da compreensão de leitura. Portanto,
“[...] Uma vez que admitimos que os usos sociais dos resumos de texto, tanto em contexto escolar quanto não escolar, são os mais diversos e em quantidades significativa, eles se constituem como um objeto de ensino pertinente e, para que esse ensino seja eficaz, é necessário que aprofundemos nossas reflexões sobre sua produção. [...]” (MACHADO, 2005, p. 138).

É importante ressaltar que, como afirma Machado, o gênero resumo possui “subgêneros” que seriam os vários tipos de resumos que circulam na sociedade em geral – resumo jornalístico, resumo literário, resumo escolar, resumo de livro, etc. – e que variam de acordo com o objetivo, com o contexto em que estão inseridos, com a situação comunicacional a que se referem e com a área a qual se dirigem. Dessa forma:

“Subgêneros de resumos de textos podem ser identificados, de acordo com a instituição social em são produzidos e em que circulam e, portanto, de acordo com seus destinatários, o que nos permite distinguir entre resumos jornalísticos, científicos etc.” (MACHADO, 2005, p. 150).

Já para Marcuschi o resumo é um processo de “retextualização”, visto aqui não como um mero processo mecânico, mas como “[...] um processo que envolve operações complexas que interferem tanto no código como no sentido e evidenciam uma série de aspectos. [...]” (MARCUSCHI, 2007, p.46). Dessa forma, a retextualização abrange as relações entre os gêneros e os textos – intertextualidade – bem como, as relações entre discursos – a interdiscursividade. O resumo, como mencionado anteriormente, é a elaboração de um segundo texto a partir das ideias principais do texto-base; é o mesmo que registrar a nossa compreensão acerca daquilo que foi lido e por mais que não caiba em especial nesse processo (resumo) a nossa visão crítica, não deixa de ser a exposição de nossas percepções sobre o conteúdo e as informações que extraímos da leitura relacionados ao conhecimento que possuímos decisivos para a sua efetivação. Dessa forma, a compreensão torna-se um fator importantíssimo não só no processo de resumir um texto como também em outras modalidades que envolvem leitura, escrita, oralidade ou interpretação, uma vez que, é impossível relatar ou discorrer a respeito daquilo que não compreendemos ou não sabemos interpretar.
“Há nestas atividades de retextualização um aspecto geralmente ignorado e de uma importância imensa. Pois para dizer de outro modo, em outra modalidade ou em outro gênero o que foi dito ou escrito por alguém, devo inevitavelmente compreender o que esse alguém disse ou quis dizer. Portanto, antes de qualquer atividade de transformação textual, ocorre uma atividade cognitiva denominada compreensão. Esta atividade, que em geral se ignora ou se dá por satisfeita e não problemática, pode ser a fonte de muitos problemas no plano da coerência no processo de retextualização. [...]” (MARCUSCHI, 2007, p.47).

O resumo “[...] seria a representação reduzida de um texto a resumir, sendo o problema da escrita reduzido a um simples ato de transcodificação da compreensão do texto. [...]” (SCHNERWLY e DOLZ, 1999, p.14). Além disso, por possuir um objetivo e um destinatário específicos, deixa marcas linguísticas específicas no texto:

“[...] O exercício „resumo‟ deve ser considerado um gênero que leva ao extremo a atitude metalinguística em face de um texto em que é preciso reconstruir a lógica enunciativa, sendo a situação escolar de comunicação precisamente, aquela que solicita a demonstração da capacidade desta atitude.” (SCHNERWLY e DOLZ, 1999, p.14).

METODOLOGIA

O corpus da pesquisa em questão será os resumos coletados durante o período de atuação da monitoria na disciplina Produção e Recepção de Texto I, desenvolvido pelo programa de assistência estudantil da Universidade Federal de Sergipe – Campus Profº Alberto Carvalho, referente a alunos dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis. Com base nessas produções, faremos um estudo de caso, de cunho qualitativo e quantitativo, que pretende avaliar o nível de compreensão desses alunos acerca dos gêneros fichamento, resumo e resenha, a fim de identificar se realmente há uma confusão entre os gêneros e a persistência dela ou não no decorrer da disciplina em questão. Nossa ideia inicial é, dentre as produções coletadas, selecionar seis resumos (parte quantitativa da pesquisa) de cada semestre em que a monitoria atuou como apoio extra à disciplina Produção e Recepção de Texto I, ministrada pela professora Márcia Regina Curado Pereira Mariano, nos semestres: 2011/2, 2011/3 e 2012/1. Caso ocorra de esse número de produções ser exagerado e/ou insuficiente, faremos as devidas alterações no decorrer da pesquisa, como diminuir, aumentar ou até mesmo mantermos esse número, o que irá variar de acordo com as necessidades ou dificuldades que o trabalho for apresentando. O processo de seleção dos resumos se dará da seguinte maneira: de cada grupo de seis produções, escolheremos as três que apresentaram problemas mais graves e as três que apresentaram dificuldades mais amenas, sempre levando em consideração aspectos textuais relacionados à compreensão, a interpretação, ao uso da língua, a adequação da estrutura do texto ao gênero resumo, e não somente ao uso da gramática, que também é importante e que não deixaremos de lado, mas que não é

o foco principal de nossa investigação (parte qualitativa). Nessa etapa de análise dos resumos e levantamento dos dados, bem como na observação da adequação ao gênero em questão, tomaremos como base a coleção de Severino (SEVERINO, 2000) onde as autoras Rosana (WEG, 2006), Marli (LEITE, 2006) e Maria Lúcia (ANDRADE, 2006) fazem a distinção entre os gêneros fichamento, resumo e resenha, respectivamente, esclarecendo os pontos primordiais dessas atividades; e as teorias de

Marcuschi (MARCUSCHI, 2007) e Machado (MACHADO, 2005) acerca do gênero resumo, sob o qual nos deteremos e aprofundaremos nossa análise. Feito todo esse levantamento, discorreremos brevemente acerca de cada déficit encontrado, questionando e analisando cada erro. Em seguida, partiremos para os questionamentos que nos propusemos a responder no início de nossa pesquisa, com o intuito principal de detectar a causa da confusão dos estudantes dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis acerca dos gêneros tão cobrados na academia. Por fim, a partir das produções textuais coletadas, mais precisamente as do gênero resumo, faremos um levantamento das dificuldades e dos desvios mais frequentes apresentados pela escrita desses alunos e através deles, faremos uma comparação do desempenho dos alunos antes, durante e depois de terem cursado a disciplina. Dessa forma, poderemos detectar se os conceitos fornecidos pela disciplina Produção e Recepção de Texto I, juntamente com o apoio da monitoria, estão contribuindo para o aprimoramento da escrita desses discentes e contribuindo, assim, para a formação acadêmica deles. Além disso, com base nessas análises, procuraremos fornecer algumas sugestões no sentido de diminuir a incidência do problema e/ou erradicá-lo.

REFERÊNCIAS ANTUNES, Irandé. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O. Resenha. São Paulo: Paulistana, 2006. BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 261-306. MACHADO, Anna Rachel. Revisitando o conceito de resumos. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva, MACHADO, Anna Rachel e BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs). Gêneros textuais & ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. p.138-150. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2007. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva, MACHADO, Anna Rachel e BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 19-36. LEITE, Marli Quadros. Resumo. São Paulo: Paulistana, 2006. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 21ª ed. rev. E ampl. São Paulo: Cortez, 2000. SCHNEUWLY, Bernard & DOLZ, Joaquim. Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: Revista Brasileira de Educação, nº 11, 1999, p. 5-16. WEG, Rosana Morais. Fichamento. São Paulo: Paulistana, 2006.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->