Você está na página 1de 15

Nação, nacionalismo, Estado

SAMUEL PINHEIRO GUIMARÃES

Definições
AÇÃO, em seu sentido político moderno, é uma comunidade de indiví-

N duos vinculados social e economicamente, que compartilham certo ter-


ritório, que reconhecem a existência de um passado comum, ainda que
divirjam sobre aspectos desse passado; que têm uma visão de futuro em comum;
e que acreditam que esse futuro será melhor se se mantiverem unidos do que se
separarem, ainda que alguns aspirem modificar a organização social da nação e
seu sistema político, o Estado.
Nesse sentido, é possível falar de uma nação brasileira, de uma nação mexi-
cana, de uma nação indiana, de uma nação americana, e assim por diante, ainda
que grupos sociais dentro dessas nações possam ter interpretações diferentes de
seu passado e aspirações distintas para seu futuro em comum, sem, todavia, que
nenhum grupo significativo chegue a desejar e a lutar pela secessão.
Nacionalismo é o sentimento de considerar a nação a que se pertence, por
uma razão ou por outra, melhor do que as demais nações e, portanto, com mais
direitos, sendo manifestações extremadas desse sentimento a xenofobia, o racis-
mo e a arrogância imperial. Nacionalismo é, também, o desejo de afirmação e
de independência política diante de um Estado estrangeiro opressor ou, quando
o Estado já se tornou independente, o desejo de assegurar em seu território um
tratamento pelo Estado melhor, ou pelo menos igual, ao tratamento concedido
ao estrangeiro, seja ele pessoa física seja jurídica. Os movimentos nacionalistas
significativos do ponto de vista político, cujas manifestações históricas mais sim-
ples decorrem de identidade étnica, lingüística ou de pertencimento, no passa-
do, a uma organização política, têm como seu principal objetivo o estabeleci-
mento de um Estado ou a modificação das políticas do Estado para defender ou
privilegiar interesses dos que integram certo movimento.
Nacionalismo
O preconceito de considerar a sua nação melhor do que as demais tem sua
origem na idéia de que as divindades teriam escolhido um povo, uma certa na-
ção, como eleita, isto é, a nação como um conjunto de indivíduos que adoravam
uma certa divindade. O caso do povo judeu, o chamado povo eleito, é clássico,
e essa convicção tem conseqüências políticas até hoje, sendo talvez o Oriente
Próximo o principal e mais complexo foco de tensão no mundo. O Japão é ou-
tro caso interessante na medida em que o imperador era considerado Filho do
Sol e como tal simbolizava o vínculo concreto entre o povo japonês e a divinda-
de suprema. A China, tradicionalmente, se considerava tão superior aos povos

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 145


vizinhos e mesmo a povos distantes que nem sequer admitia manter relações
políticas em nível de Estados soberanos com outros Estados. Esses podiam, no
máximo, oferecer tributos ao Império do Meio, centro da civilização, cujos im-
peradores se acreditava estarem diretamente vinculados às divindades celestiais.
O caso dos Estados Unidos, civilização mais recente do que a chinesa, a ju-
daica e a japonesa (e mesmo a francesa, a alemã e a russa), é distinto, mas as raízes
do nacionalismo americano podem ser encontradas na religião protestante. Essa
considera que o sucesso material é um sinal de aprovação divina, da própria salva-
ção, de uma predestinação. De um ponto de vista coletivo, o sucesso material da
sociedade americana significaria um sinal de aprovação divina, de que a sociedade
americana seria eleita pelo Senhor e que, por essa razão, não só poderia como
deveria assumir o papel de líder e de modelo para todas as sociedades e Estados.
Essa missão salvadora dos Estados Unidos se encontra claramente expressa nos
documentos de política externa dos Estados Unidos. A declaração do presidente
George W. Bush de que teria, literalmente, falado com Deus, a presença crescente
e a enorme influência do fundamentalismo religioso, extremamente conservador,
belicoso e nacionalista são aspectos, fatos reveladores dessa convicção de povo,
de nação eleita e, portanto, de superioridade em relação às demais nações.
Um dos principais movimentos nacionalistas viria a se desenvolver na Ale-
manha com base na superioridade de uma suposta raça ariana, germânica e pura
que viria a redundar na tomada do Estado pelo Partido Nacional Socialista, com
terríveis conseqüências para o mundo e, em especial, para aqueles que conside-
rava como integrantes das raças inferiores, em especial os judeus, vítimas de uma
política de eliminação física, o Holocausto.
O nacionalismo nos países desenvolvidos, em especial nas Grandes Po-
tências, e sua pretensão de superioridade nacional redundaram facilmente em
políticas expansionistas e agressivas, tanto no continente europeu como também
na formação dos impérios coloniais, com a noção explícita de inferioridade dos
povos e das culturas locais e até, eventualmente, a idéia de que seriam seres hu-
manos distintos e mesmo inferiores. Em um exemplo chocante dessa pretensão,
o general Westmoreland, então comandante-em-chefe das forças americanas no
Vietnã, se referiu publicamente aos vietnamitas como seres diferentes “de nós”,
para justificar certas ações das tropas americanas.
Assim, a característica central do sistema internacional nos últimos qui-
nhentos anos desde a descoberta das Américas tem sido o imperialismo e o
colonialismo, cujo fundamento de dominação, além da força, foi a ideologia
de superioridade racial e civilizacional em relação às colônias e a seus povos e a
agressão aos sistemas políticos, sociais e culturais de nações dominadas, pela for-
ça, pelas metrópoles européias (o que também ocorreu no processo de criação
dos “impérios continentais” como na expansão territorial dos Estados Unidos
rumo ao Oeste, e da Rússia rumo ao Leste e ao Sul). A escravidão foi a expressão
máxima dessa dominação e os escravos eram considerados seres inferiores, sem

146 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


alma, e portanto naturalmente sujeitos ao jugo e ao arbítrio de seus senhores.
Lord Acton, em artigo publicado em 1862, afirmava que os Estados mais perfei-
tos são aqueles que, como o Império Britânico e o Império Austríaco, incluíam
várias nacionalidades distintas sem as oprimir porque “as raças inferiores se ele-
vam ao viver em união política com raças intelectualmente superiores”.
Nos países da periferia, ex-colônias, ou ex-semicolônias, o nacionalismo
tem natureza radicalmente distinta dos movimentos nacionalistas que se desen-
volveram na Europa, os quais tiveram sua reputação definitivamente manchada
pelo nazi-fascismo, que tinha, aliás, seguidores e simpatizantes ardorosos em
vários outros países europeus, além de Alemanha e Itália. Diga-se de passagem
que os atuais “cosmopolitas” utilizam muitas vezes uma identificação errônea
entre o nacionalismo europeu e o nacionalismo da periferia para desqualificar os
movimentos anticolonialistas, antiimperialistas e hoje antiglobalização acusan-
do-os de “nacionalistas” (ao que em geral acrescentam o termo populista). Os
movimentos nacionalistas nas diversas colônias, com a variação natural de tem-
po e espaço, foram movimentos de afirmação da nacionalidade, de recuperação
de tradições, de idioma, de autonomia política e de independência, em relação
inicialmente às metrópoles coloniais européias, e, mais tarde, se transformaram
em movimentos de afirmação política e de desenvolvimento econômico inde-
pendente dos Estados que se originaram nas ex-colônias.
Nação
Ao final do Império Romano, as invasões das tribos bárbaras que viriam
a ocupar as províncias romanas e a estabelecer os feudos, territórios em que os
diversos líderes tribais tinham reconhecida sua soberania política e militar, ainda
que mais ou menos limitada, estabelecem pela primeira vez, pela diferenciação
de idiomas e de raças em fusão com os habitantes, as línguas locais e o latim po-
pular, as sementes das nações e dos Estados modernos. A Igreja nesse processo
teve especial relevância na medida em que esses senhores feudais iriam se con-
vertendo ao cristianismo e reconheciam a autoridade de Roma.
Esses sistemas feudais, frouxamente submetidos a um poder central, em
geral o senhor de um feudo territorial e populacionalmente maior, correspon-
diam a um conjunto de feudos, territórios pequenos que, por força dos diversos
sistemas de herança política (que aliás era também patrimonial), do regime de
morgadio e de casamentos, viriam a se agregar progressivamente. As divergên-
cias sobre direitos hereditários, as guerras de conquista e a relação pessoal pa-
trimonial dos senhores feudais com os seus territórios fariam que periódica e
eventualmente populações de distintas origens passassem a estar submetidas à
soberania de distintos senhores.
Assim se formaram os Estados Nacionais europeus, os quais, na realida-
de, não correspondiam a nações homogêneas, mas agrupavam populações de
distintas origens étnicas, com diferentes graus de miscigenação, com distintas
tradições e, às vezes, religiões. Nesses Estados vigiam regimes absolutistas cujo

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 147


fundamento era a doutrina do direito divino dos reis sobre todos os seus sú-
ditos (incluindo os nobres descendentes dos senhores feudais), monarcas que
se apoiavam mutuamente nessa pretensão. Esses monarcas absolutos tinham o
suporte ideológico de Roma, até que o protestantismo veio a opor ferozmente,
em guerras sangrentas, alguns desses Estados, que continuavam, todavia, a acre-
ditar e a defender a doutrina do direito divino dos reis.
A idéia de que o Estado nasce com a nação não corresponde à realidade na
maior parte dos casos, pois a nação seria de fato uma construção ideológica pos-
terior, tendo muitas vezes a nação sido “construída” pelo Estado. A emergência
natural das nações teria sido em realidade impossível em razão da ignorância das
massas, da diversidade de etnias e de religiões, da ausência de tradições reais,
efetivas, da tardia fixação das línguas, das difusas tradições orais e, portanto,
a emergência de uma nação teria sido somente possível após o surgimento do
Estado moderno, que organiza uma administração central do Estado, e como
conseqüência dos programas de educação pública, do serviço militar e da vonta-
de dos dirigentes de unificar as populações. Todavia, se isso ocorre, ou seja, se as
nações foram construídas pelos Estados, torna-se necessário procurar esclarecer
como surgiram os Estados.
Assim, nação e nacionalismo, apesar de serem conceitos difusos, corres-
pondem a realidades que tiveram e têm forte impacto sobre a realidade políti-
ca e se encontram estreitamente vinculadas a um outro conceito que, além de
conceito, é o fato mais concreto da realidade cotidiana de todos os indivíduos,
que é o Estado. Todas as questões teóricas e práticas relativas a nação e a nacio-
nalismo, como em que medida a cada nação deveria corresponder um Estado; se
as nações para serem consideradas como tal deveriam ser étnica, idiomática ou
religiosamente homogêneas; se o nacionalismo seria sempre uma manifestação
política perversa e perigosa; se o nacionalismo tende ao nazismo, e assim por
diante, passam a ter um interesse especial quando examinadas à luz da noção e
da realidade do Estado.
A formação primitiva dos Estados
Apesar das diferenças importantes no processo de formação e de evolução
dos atuais Estados, uma descrição geral um tanto ou quanto esquemática de sua
formação pode ser feita, a qual teria de se ajustar e de ser qualificada, com as
mudanças necessárias, a cada circunstância histórica e geográfica de Estados es-
pecíficos, mas cuja dinâmica geral poderia ser considerada razoavelmente válida
para todos.
A diversificação das atividades produtivas e das funções sociais acarretava,
mesmo nas sociedades mais primitivas, conflitos de interesses que tornavam ne-
cessária a existência de normas que disciplinassem as relações entre indivíduos e
grupos, e que, sendo aceitas, ou impostas, como válidas por todos, permitiam
sua convivência social pacífica sem que fosse necessário recorrer permanente-
mente à força e à violência para garantir sua obediência.

148 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


A luta pela hegemonia (isto é, pelo direito de extrair riquezas naturais em
um certo território e de nele organizar o trabalho humano) levava à sujeição de
umas comunidades por outras e à definição de territórios e de suas fronteiras,
dentro das quais essa hegemonia se exercia na prática pela definição de normas
e pela capacidade de fazê-las aceitar se necessário pela força.
Naturalmente, os grupos hegemônicos em cada sociedade procuravam
justificar e explicar sua hegemonia por meio de seus supostos vínculos com as
divindades protetoras daquelas comunidades as quais lhes conferiam o direito
de governá-las e, portanto, de elaborar as normas de conduta e de zelar pelo seu
cumprimento.
As fronteiras separavam territórios geográficos dominados por distintos
grupos hegemônicos cujos líderes procuravam acentuar as diferenças que exis-
tiam em relação a cultura, idioma, tradições e práticas religiosas entre as comu-
nidades separadas por fronteiras e assim incentivavam a rivalidade e as noções de
superioridade, que caracterizam os nacionalismos.
As fronteiras definem os limites físicos do exercício de hegemonia (de
soberania) dos grupos e se estabeleceram no passado como resultado de pro-
cessos de luta que vieram a se fixar em obstáculos naturais ao exercício eficaz
da força, tais como mares, lagos, rios e cadeias de montanhas, obstáculos que
contribuíram no passado, quando as distâncias eram muito significativas, para o
desenvolvimento de tradições e idiomas distintos.
À medida que as sociedades se tornavam mais populosas, surgia a necessi-
dade de organizar instituições permanentes, encarregadas de elaborar as normas
de conduta, de assegurar a obediência a elas e de financiar o seu funcionamento,
mediante coleta de tributos. Nas comunidades primitivas e menores, todos os
indivíduos podiam participar da elaboração de normas sociais e todos podiam,
em princípio, participar dos organismos sociais encarregados de zelar pela obe-
diência a essas normas.
À medida que as comunidades cresciam em população e que se diversi-
ficavam as atividades produtivas, os indivíduos deixavam de poder participar
diretamente dos processos de elaboração e de execução de normas e de solu-
ção de conflitos. Tornava-se necessário escolher representantes, para governar
as sociedades por meio de sistemas cujas diferenças decorriam, como Aristóteles
definiu na Política, de um julgamento apriorístico sobre a natureza humana. A
questão básica, segundo Aristóteles, seria a de saber se todos os indivíduos se-
riam essencialmente iguais ou desiguais; e, caso desiguais, se uma família poderia
ser considerada melhor do que as demais; ou se alguns indivíduos seriam con-
siderados essencialmente melhores do que os demais. Dependendo da natureza
dessa convicção apriorística, os regimes políticos possíveis seriam a democracia, a
monarquia e a oligarquia, com suas variações. É óbvio, todavia, que nunca hou-
ve um debate teórico sobre a natureza humana prévio à definição dos regimes
políticos das comunidades humanas, primitivas ou não, os quais se definiram,

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 149


isso sim, a partir do intenso conflito de interesses dentro de cada comunidade e
da luta dos diversos grupos pela hegemonia.
De toda forma, mesmo na monarquia absoluta e nos regimes autoritários,
o rei ou o ditador não governa sozinho, não elabora as normas de conduta
sozinho nem sozinho garante a obediência a elas. Tem ele de se fazer valer de
auxiliares, nobres, ministros, apparatchiks ou que nome tenham, aos quais dele-
ga o exercício de parte de suas funções e prerrogativas e de cujo apoio político
e militar necessita para se manter no poder. É possível imaginar que, no início,
a escolha desses indivíduos se fazia especialmente no seio daquelas famílias dos
grupos hegemônicos que organizaram inicialmente a comunidade e seus siste-
mas de produção e de defesa contra outras comunidades.
Os distintos regimes políticos, formas de governo, são apenas distintos sis-
temas de seleção dos representantes de uma comunidade para exercer as funções
públicas e da forma de financiar o exercício dessas funções, que são legislar, exe-
cutar e julgar. O conjunto de instituições que exercem essas funções de legislar,
executar e julgar em nome do conjunto dos cidadãos de uma sociedade se cha-
ma Estado. Uma função essencial e preliminar do Estado é a organização de sua
defesa em relação às pretensões territoriais de outros Estados e assim garantir
a sua soberania sobre o seu território e a população que nele habita. O Estado,
ainda que em suas formas primitivas e de alcance pouco abrangente, é, portanto,
essencial para a convivência pacífica dos diversos grupos de indivíduos que habi-
tam um determinado território e para a defesa de seus interesses em confronto
com outras comunidades organizadas sob a forma de Estado. Naturalmente que
os sistemas religiosos, com suas normas de conduta social e com o poderoso
instrumento de sua sanção divina, faziam parte integrante dos Estados.
O Estado moderno detém o monopólio do uso da força que é sua prer-
rogativa essencial e indispensável para a manutenção eficiente de um sistema de
normas e de governo.
A evolução histórica das comunidades primitivas por meio de guerras, da
conseqüente incorporação de territórios e de sujeição da população neles exis-
tentes levou eventualmente à constituição dos Estados modernos. Naquelas cir-
cunstâncias em que essa incorporação de território e de população não foi aceita
se verificam hoje as reivindicações mais ou menos violentas por autonomia ou
independência, tais como ocorrem na Espanha, na China, na Iugoslávia, na ex-
URSS, no Canadá, na Bélgica e em tantos outros países.
Essa evolução histórica das comunidades e nações levou à constituição e
à definição dos territórios dentro dos quais se exerce a soberania de cada um
dos 192 Estados atuais membros da Organização das Nações Unidas (ONU),
cuja convivência pacífica somente se pode dar com obediência aos princípios
dos Artigos 1 e 2 da Carta: solução pacífica de controvérsias; direitos iguais e
autodeterminação; respeito pelos direitos humanos e liberdades fundamentais;
igualdade soberana; abstenção de ameaças ou de uso da força contra a integrida-
de territorial e a independência política de qualquer Estado.

150 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


A Revolução Francesa em 1789, a Revolução Russa em 1917 e a Revolu-
ção Chinesa em 1949 foram três grandes tentativas de modificação do sistema
social e da organização do Estado, com enormes reflexos na história da huma-
nidade: a primeira desencadeou o processo de eliminação dos direitos feudais e
de transformação das monarquias absolutas na Europa (e de seus impérios colo-
niais, em especial na América Latina) ao afirmar que “cada povo é independente
e soberano”; a segunda iniciou a primeira experiência de um modelo social e
político alternativo ao capitalismo e ao liberalismo e reforçou, em competição
com os Estados Unidos, que a advogava somente para os europeus, a idéia de
autodeterminação dos povos; e a terceira iniciou o processo de transformação
do Estado e da economia chinesa com as conseqüências que hoje fazem que a
China, ao crescer em média 10% ao ano nos últimos vinte anos, se tenha trans-
formado na segunda maior potência econômica do mundo.
A visão do Estado no início do século XXI
A sociedade atual se caracteriza pela concentração de riqueza e de poder,
pela transformação tecnológica acelerada, pela instabilidade social, pela ansie-
dade e frustração individual, pelo fundamentalismo religioso e pelo consumo
de produtos que alteram a consciência, tais como o álcool, a cocaína, o ecstasy e
outros narcóticos.
Nessa sociedade moderna, quer seja ela altamente desenvolvida quer seja
subdesenvolvida, o controle do Estado, isto é, o controle do sistema de normas
e de instituições que definem e garantem as características fundamentais do sis-
tema de produção e que, não importa a razão, consagram certos privilégios, é
essencial para as classes dominantes.
No sistema democrático moderno, todavia, que é o resultado de uma his-
tória de lutas e de conquistas dos setores oprimidos da sociedade, a cada cida-
dão, conceito esse que vem sendo definido de formas diferentes ao longo do
tempo e do espaço, cabe um voto no processo de escolha dos dirigentes do
Estado. Por sua vez, no capitalismo, a cada unidade monetária corresponde
um “voto” no mercado e, portanto, as decisões sociais sobre o que produzir,
como produzir, como consumir, e os benefícios que decorrem dessas decisões
se encontram altamente concentradas nas mãos das megaempresas, isto é, de
seus acionistas-proprietários e de seus delegados, ou mais bem empregados, os
chamados executivos.
O grande e permanente desafio que têm de enfrentar os detentores do
poder econômico na sociedade moderna de regime democrático, em que a cada
cidadão corresponde um voto, consiste em como transformar poder econômico
em poder político. Essa transformação é essencial para garantir a sobrevivência
das normas fundamentais do sistema econômico e social e, eventualmente, para
promover, à medida que isso se torna necessário, sua modificação controlada,
reformista e não-revolucionária, isto é, sem alterar as relações fundamentais de
propriedade. Nos primórdios da democracia liberal, tal desafio ainda não se co-

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 151


locava, pois o regime era censitário, os indivíduos somente eram cidadãos na
medida em que tinham certa renda, ou propriedade, ou pagavam impostos.
A primeira meta, portanto, no processo de transformar poder econômico
em poder político deve ser afastar a massa de cidadãos das atividades do Estado
e da política, que é a atividade pela qual se controla o Estado, ou reduzir ao
mínimo e controlar a participação dessa massa na política e no Estado. Assim,
é necessário difundir uma imagem negativa do Estado e da política no seio da
massa da sociedade, mas certamente não entre os que compõem as suas elites.
A imagem do Estado que se difunde na sociedade atual, em que predomi-
nam os valores individualistas, exaltados pela mídia, pelo sistema educacional e até
pelas religiões, é que o Estado é o moderno Leviathan, a fonte de todo o Mal.
De acordo com essa visão, a cobrança de impostos extorsivos (por meno-
res que sejam em realidade) para alimentar uma burocracia parasitária, que se
compraz em elaborar milhares de regulamentos inúteis e confusos, que estimu-
lam a corrupção e tolhem a liberdade e a criatividade do indivíduo, puro e feliz
originalmente, decorre da existência de um Estado que todos os dias infringe
a liberdade individual e entorpece o desenvolvimento da sociedade. Essa visão,
que persiste ao longo dos séculos, se origina na crítica às práticas arbitrárias das
monarquias absolutas do renascentismo e do iluminismo contra as quais a bur-
guesia nascente e seus representantes políticos lutaram para poder implantar o
capitalismo e o liberalismo como formas de organização econômica e política,
em uma época anterior à revolução industrial e à revolução tecnológica.
Nesse Estado Leviathan do século XXI, reinaria maleficamente o político,
o homem do Estado, o homem do Mal. Incompetente, é incapaz de enfrentar
os males que afligem a sociedade; mentiroso, ilude os cidadãos a quem periodi-
camente atraiçoa; xenófobo, estimula os conflitos; e corrupto, defende os inte-
resses estrangeiros, ou os interesses dos poderosos ou os interesses dos incom-
petentes sociais que fracassaram na luta individualista pelo sucesso, enquanto se
aproveitam das “vantagens” dos cargos que ocupam.
O desprezo e até o horror pela política (e pelos políticos) são sistemática e
cotidianamente estimulados pelos meios de comunicação de massa, que procu-
ram fazer crer aos integrantes das classes médias e trabalhadoras que a atividade
política não é digna de um “homem de bem”, que esse deve dedicar-se exclu-
sivamente à sua atividade profissional seja ele um operário, um empregado, um
técnico, seja um profissional liberal, sob o risco de se corromper.
Na estratégia de estimular esse horror e desprezo (com o objetivo de afas-
tar as “classes inferiores” da tentação de governar a sociedade), é necessário des-
mobilizar essas “classes”, desviar e distrair sua atenção, o que é tanto mais im-
portante quanto mais desigual e excludente for a sociedade, e, portanto, quanto
maior for a ostentação de riqueza e mais gritante a miséria.
A distração da atenção das grandes massas trabalhadoras e das classes mé-
dias se faz pela criação de novos cultos e da promoção dos heróis desses novos

152 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


cultos. A promoção desses novos cultos e a promoção desses novos heróis são
feitas pelos meios de comunicação de massa, em especial a televisão, e pela oferta
maciça de entretenimento banal audiovisual, dos espetáculos musicais, dos fo-
lhetins, dos espetáculos esportivos, dos anúncios publicitários. A sociedade é a
do espetáculo, em que tudo se transforma em espetáculo, incluindo a política.
O principal desses novos cultos é o culto do corpo, que se realiza por meio
do “body building”, da engenharia plástica e das dietas corretas de alimentação
(a dieta da sopa, das frutas, das proteínas, do tipo sangüíneo, das vitaminas...) e
seus heróis são os atletas, os artistas e as modelos de moda, enquanto se depre-
ciam o espírito e a cultura, mais pela omissão do que pelo ataque direto.
O segundo culto é o do dinheiro, em que o empresário se apresenta como
o grande herói, dinâmico, astuto, trabalhador incansável em busca do sucesso
pessoal, e se procura convencer a todos que todos podem vir a se tornar empre-
sários bem-sucedidos e ricos, bastando seguir as estratégias descritas nos títulos
da literatura de auto-ajuda empresarial: E se Harry Potter dirigisse a General Ele-
tric?, Casais inteligentes ficam ricos, o Tao de Warren Buffet, Sun Tzu – a Arte
da guerra para os executivos etc. O empresário é, assim, o herói que enfrenta o
político vilão, é vítima e adversário do Estado, dá emprego às massas, é a favor
da paz. Os heróis desses dois novos cultos são os modelos para os jovens e o
escárnio dos idosos que já não podem ser atletas nem empresários, fracassados
por não serem ricos e cuja experiência não tem valor na sociedade do novo e da
obsolescência programada.
O mundo ideal, para os indivíduos da nova sociedade do século XXI, de
onde são enxotadas as utopias, ridicularizadas sempre que propõem enfrentar as
desigualdades sociais e modificar as estruturas de poder que as originam e man-
têm, seria um mundo sem governos, sem violência, sem drogas, sem políticos, sem
normas, sem impostos, onde todos seriam física e financeiramente bem-sucedidos,
atletas e empresários, um mundo em que, acima de tudo, o Estado não existiria.
O mundo real do século XXI
No mundo real do século XXI, existem 192 Estados e um número ainda
maior de nações, e, portanto, trata-se de um mundo em que proliferam os con-
flitos e as divergências dentro e entre os Estados, e em que a elaboração perma-
nente de normas e a atividade política incessante são realidades inescapáveis.
Não só existem hoje 192 Estados, mas o número de Estados vem cres-
cendo desde que, em 1946, a Carta das Nações Unidas foi subscrita por seus
Estados fundadores. Os Estados membros da ONU de 51, em 1946, passaram
a 152, em 1980, e a 192, em 2008, e à medida que os nacionalismos se aguçam,
estimulados ou naturais, outros Estados podem vir a surgir, como foi o caso
recente do Kosovo, Estado de grande inviabilidade, mas que abre importante
precedente, que afeta os interesses mais estratégicos dos Estados Unidos e da
Europa. O estímulo aos nacionalismos locais na Europa enfraquece o novo na-
cionalismo europeu que se concretizaria na “cidadania européia”, ao tornar mais

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 153


difícil a ação política da União Européia, enquanto o estímulo aos nacionalismos
na periferia tem o efeito de enfraquecer os grandes Estados como a China, a
Índia e a Rússia. Politicamente, se fortalecem os nacionalismos, o que enfraque-
ce esses grandes competidores; economicamente, isso prejudica o processo de
globalização ao multiplicar o número de Estados.
Os conflitos armados durante o século XX foram os mais sangrentos e
destrutivos de toda a história da humanidade, e o fim dos regimes comunistas, a
cuja existência e ação se atribuía os conflitos entre Estados, não reduziu nem o
número nem a intensidade desses conflitos.
O aumento do número de Estados decorreu certamente da vitalidade e do
sucesso dos movimentos nacionalistas em sua luta contra a dominação dos im-
périos coloniais e contra os Estados sob cuja dominação se encontravam grupos
nacionais irredentos, tais como ocorria na Checoslováquia, na Iugoslávia e na
União Soviética.
A formação dos Estados foi certamente distinta na Europa, na América
Latina, na África e na Ásia. Os Estados atuais, em especial na América Latina,
onde as instituições das populações locais existentes à época da conquista ou fo-
ram totalmente eliminadas, como no caso do México e do Peru, ou eram frágeis,
como no caso do Brasil, são o resultado muitas vezes da evolução do transplante
de instituições européias feito pelas metrópoles para suas colônias. Na África,
século e meio mais tarde, as colônias tiveram fronteiras arbitrariamente traçadas
que, mais tarde, sobreviveram ao processo de descolonização, separando etnias,
idiomas e tradições, e dando uma razão para os conflitos que, todavia, muitas
vezes, têm sua verdadeira origem em disputas pela exploração de recursos natu-
rais. Na Ásia, a colonização européia se fez de forma mais indireta e encontrou
sistemas políticos e administrativos muito mais sofisticados aos quais se super-
pôs. Hoje aquelas formas anteriores de organização, ou pelo menos seu espírito,
sobreviveram nas organizações políticas do Estado asiático.
Por sua vez, o atual processo de integração européia não é um processo de
eliminação do Estado e de suas características fundamentais, mas sim um pro-
cesso de unificação gradual de Estados independentes que cedem parte da sua
soberania aos órgãos supranacionais da União Européia. Esse é um fenômeno
semelhante ao que ocorreu no passado na Alemanha e na Itália, e nada tem a
ver com alguma suposta tendência histórica ao fim das fronteiras, mas sim cor-
responde a um redesenhar de fronteiras e de cidadania. Trata-se em realidade da
formação gradual de um novo (e enorme) Estado em um processo semelhante,
mas de nenhuma forma igual (pois os Estados, na União Européia, ainda con-
servam um número muito maior de prerrogativas soberanas) ao que sucedeu na
formação dos Estados Unidos, da Alemanha e da Itália.
O capitalismo e a campanha pelo fim do Estado
O capitalismo moderno tem como fundamento a propriedade privada dos
meios de produção e, como objetivo principal, o lucro. Esse objetivo supremo

154 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


torna indispensável a permanente expansão da produção a qual depende, por sua
vez, da divisão do trabalho e, portanto, da extensão do mercado.
Quanto maior a extensão do mercado, maior a possibilidade de divisão do
trabalho, maior a produtividade, maior a produção, maior o consumo, maior
o lucro e maior a felicidade humana, já que, conforme Jeremy Bentham argu-
mentou, seria impossível medir o grau de felicidade humana e assim se poderia
considerar que quanto mais bens o indivíduo (e a comunidade) puder consu-
mir maior a sua “felicidade”. Daí a alegria com que se saúdam os incrementos
do PIB, enquanto se constata o alto grau de insatisfação do indivíduo comum
mesmo naqueles países mais desenvolvidos. Claro está que, para as massas de
excluídos, o aumento de sua “felicidade” somente poderá ocorrer quando con-
seguirem alcançar patamares mínimos e dignos de consumo de bens físicos e
culturais.
Assim, o capitalismo, como forma de organização da produção, da distri-
buição e do consumo de bens, desde os seus primórdios, procurou ampliar os
mercados mediante a incorporação de forma pacífica ou violenta de populações
e de territórios ao seu sistema de produção, e assegurar a existência de sistemas
políticos de elaboração e de execução de normas que garantissem sua expansão
e seu funcionamento pacífico.
Esse processo de formação de mercados, de início locais, em seguida re-
gionais, depois nacionais, posteriormente continentais e, finalmente, globais foi
interrompido no período que decorreu entre 1914 e 1989, em que se verifi-
caram as duas Guerras Mundiais, a Grande Depressão de 1929 e a Revolução
Bolchevique de 1917, que implantou o regime socialista na Rússia e que viria
a se expandir para a Europa Oriental, a China e a Ásia. O processo de desco-
lonização, por sua vez, iria em muitos Estados de independência recente le-
var à organização de sistemas de produção de economia mista com alto grau
de participação do Estado, o mesmo tendo ocorrido na América Latina. Esses
eventos fragmentaram de diversas formas a economia mundial, interrompendo
o processo de globalização de mercados e de integração da economia mundial, e
chegaram a parecer a muitos analistas como o prenúncio de uma eventual, mas
certa, derrota do capitalismo diante do comunismo.
A queda do Muro de Berlim, a retirada das tropas soviéticas da Europa
Oriental e do Afeganistão, a desintegração da União Soviética em quinze Estados
independentes, a adesão ao capitalismo dos antigos regimes comunistas euro-
peus, a nova política econômica na China, a reorganização das economias das
ex-colônias da periferia por meio das condicionalidades vinculadas ao processo de
renegociação de suas dívidas externas criaram a oportunidade para que o proces-
so de globalização, isto é, de formação de mercados globais, fosse retomado com
todo o vigor ideológico e prático, pela incorporação desses “novos” territórios.
O processo de globalização, no início do século XXI, que corresponde à
expansão do capitalismo, e a sua permanente transformação tecnológica, para

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 155


ser eficiente (maximizar o lucro), requerem a uniformização das normas que
regulamentam a atividade econômica nos distintos territórios soberanos. Exige,
também, retirar da arena da política a questão econômica, estabelecendo como
verdade absoluta e intocável a política neoliberal em seus preceitos fundamentais
de propriedade privada e de livre jogo das forças de mercado que exigem, em
conseqüência, programas de privatização (que chega até à segurança e aos presí-
dios), de desregulamentação e de abertura comercial e financeira, de redução de
impostos sobre o capital e de não-discriminação entre capital nacional e capital
estrangeiro.
Para auxiliar de forma poderosa essa uniformização de normas, nada mais
útil do que a elaboração de teorias que advoguem o fim dos Estados Nacionais
(e dos nacionalismos), o fim das fronteiras, os benefícios do Estado-mínimo,
acompanhados da negociação de normas internacionais que levem à adoção pe-
los Estados soberanos (na impossibilidade de sua sujeição política pela força)
daquelas políticas neoliberais, tornando ilegais, e até “absurdas”, quaisquer po-
líticas diferentes. Finalmente, a idéia de que a globalização econômica para ser
eficiente depende de uma governança política global que assegure seu funcio-
namento e impeça tentativas nacionais de reversão e de limitação dos direitos
de ação das megaempresas multinacionais. Todavia, paradoxalmente, o próprio
processo de globalização, na medida em que não existe um Estado mundial,
necessita de Estados Nacionais para internalizar as normas negociadas interna-
cionalmente e garantir sua vigência.
Na periferia do sistema econômico e político mundial, onde se encontram
os Estados que são ex-colônias, tais como o Brasil, as disparidades de renda e de
poder são extraordinárias dentro de seus territórios, assim como entre essas ex-
colônias e os países que integram o centro desenvolvido e poderoso do sistema
internacional. As crescentes disparidades de poder entre o centro e a periferia
do sistema, que podem ser constatadas pelo crescente hiato de renda per capita
e de acúmulo de capacidade militar entre Estados desenvolvidos e Estados em
desenvolvimento, fazem que os Estados, única entidade na periferia capaz de en-
frentar o poder das megaempresas multinacionais, das agências “internacionais”
e dos Estados desenvolvidos, sejam obrigados, para manter a convivência pací-
fica entre os setores da população atingidos pelas políticas neoliberais dentro de
seus territórios, a procurar executar políticas de desenvolvimento e de combate
à pobreza que, muitas vezes, significam restrições ao processo de formação de
mercados globais e ao livre jogo das forças de mercado.
Tais políticas são chamadas de nacionalistas e “populistas”, e seus defenso-
res são acusados, criticados e ridicularizados pela imprensa a qual, hoje, na prá-
tica, é constituída por empresas multinacionais de entretenimento e informação
e se encontram intimamente vinculadas às megaempresas multinacionais e delas
dependentes, em conseqüência não só de seus interesses ideológicos comuns, na
qualidade de empresas privadas que são, como pelo sistema de anúncios.

156 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


Os desequilíbrios de população, território, produto, forças armadas e de-
senvolvimento tecnológico entre os países do centro e os países da periferia
tornam na prática impossível e utópica a idéia de governo mundial, a qual é
convenientemente substituída pela idéia de governança global, que na prática
vem a ser exercida pelos organismos internacionais que foram criados após a Se-
gunda Guerra Mundial para assegurar a paz, a segurança política e a estabilidade
econômica ou, quando esses organismos por uma razão ou outra se verificam
insuficientes ou se tornam inconvenientes, por novas agências internacionais, ou
multinacionais, a serem criadas.
As tentativas permanentes dos Estados no centro do sistema de impor suas
políticas econômicas e sociais, as crescentes assimetrias de riqueza e de poder
entre as sociedades do centro e as da periferia, o crescente hiato entre elas, e a
tentativa dos Estados do centro de impor à periferia, pela violência ou pela pres-
são econômica, mudanças de regime político e econômico, fazem ressurgir com
mais força os movimentos antiglobalização e os nacionalismos.
Os atentados de 11 de setembro de 2001, assim como os movimentos
migratórios constantes, decorrentes de diferença de oportunidades para os indi-
víduos entre a periferia e o centro, a que se somam ondas migratórias periódicas
decorrentes de conflitos e de catástrofes naturais fizeram ressurgir nos países
altamente desenvolvidos os nacionalismos xenófobos. Por sua vez, o desenvol-
vimento econômico na China e na Índia acrescentou uma forte demanda por
energia, alimentos e minérios, o que levou à acumulação de enormes reservas
pelos países exportadores de petróleo, de gás, de minérios e de commodities agrí-
colas. A decisão desses países de investir tais recursos (dos “fundos soberanos”)
em empresas dos países do centro do sistema mundial tem provocado um mo-
vimento inédito que procura impor restrições aos fluxos de capital estrangeiro
que se dirigem aos países centrais, cujos dirigentes e analistas argumentam serem
essas restrições necessárias por razões políticas estratégicas.
Essa rápida expansão da demanda por energia, por minérios, por alimentos
de parte de países como a China e a Índia, que resultou de sua legítima aspiração
de atingir níveis de consumo dignos para suas populações que correspondem,
somadas, a mais de um terço da população mundial, agregada à demanda das
sociedades ocidentais, tem enorme impacto sobre o meio ambiente, em especial
sobre a mudança climática, cujos efeitos, para serem evitados, tornariam quase
que imprescindível uma maior intervenção do Estado na economia, o que afeta-
ria o dínamo físico e ideológico do capitalismo.
A academia, os organismos internacionais, a imprensa e os governos dos
países altamente desenvolvidos permanecem, todavia, convictos de que, para
os países da periferia, o nacionalismo, que é o oposto do cosmopolitismo glo-
balizador, e o populismo, que é o oposto do liberalismo radical, são dois males
gêmeos a serem atacados e erradicados a qualquer preço. Para esses países sub-
desenvolvidos, o melhor, para o seu bem (ou mal), seria se entregarem aos ca-

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 157


prichos das vagas violentas da globalização radical e selvagem, cujos méritos são
louvados dia e noite apesar das crises econômicas decorrentes da desregulamen-
tação, da especulação dos mercados financeiros, do crescente hiato econômico
e social entre o centro e a periferia do sistema e do renascer nos países centrais
do nacionalismo econômico e do nacionalismo xenófobo contra os imigrantes
da periferia. Periferia sempre vista como inferior por ser negra, índia ou amarela,
bárbara, infiel e turbulenta.
Não obstante, os Estados da periferia, superadas as ilusões do fim da
União Soviética, de uma Nova Ordem Mundial e dos benefícios da globaliza-
ção, prosseguiram em seus esforços de desenvolvimento econômico, como no
caso da China; de afirmação política, como no caso da Índia; e de luta contra a
pobreza, como no caso do Brasil. Passaram a coordenar sua ação internacional,
propugnando a reforma das Nações Unidas e do órgão central do sistema po-
lítico-militar internacional, que é o seu Conselho de Segurança; a reforma do
sistema comercial mundial por meio da atuação do G-20 na Rodada de Doha; a
organização de blocos de Estados, como no caso da União Africana; a reforma
do sistema de combate à mudança do clima e da matriz energética. Somente por
meio de sua ação coordenada poderão defender seu direito ao desenvolvimento
e à independência política em um sistema mundial que se caracteriza pela ins-
tabilidade econômica, pela violência dos poderosos, pelo desespero dos fracos,
pela pobreza e riqueza extremas e pela ameaça à sobrevivência da humanidade.

RESUMO – Nação e nacionalismo correspondem a realidades que têm forte impacto sobre
a política e se encontram vinculadas ao fato mais concreto da realidade quotidiana de
todos os indivíduos, que é o Estado. Na periferia, o nacionalismo tem natureza radical-
mente distinta dos movimentos nacionalistas que se desenvolveram na Europa, os quais
tiveram sua reputação manchada pelo nazi-fascismo. O mundo real do século XXI é um
mundo em que proliferam os conflitos e as divergências dentro e entre os Estados, e em
que a elaboração permanente de normas e a atividade política incessante são realidades
inescapáveis. As tentativas dos Estados no centro do sistema mundial de impor políticas
econômicas e sociais, as crescentes assimetrias de riqueza e de poder, e a tentativa dos
Estados do centro de impor à periferia, pela violência ou pela pressão econômica, mu-
danças de regime político e econômico fazem ressurgir com mais força os movimentos
antiglobalização e os nacionalismos.
PALAVRAS-CHAVE: Nação, Nacionalismo, Estado, Globalização.
ABSTRACT – Nation and nationalism correspond to realities which have a strong effect
on politics and which relate to the most concrete fact of daily life for all individuals: the
State. In the periphery nationalism has a radically distinct nature if compared to the na-
tionalist movements which developed in Europe and whose reputation was tarnished by
Nazi-Fascism. The real world of the 21st century is a world in which conflicts and diver-

158 ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008


gences proliferate within and between States, and in which the permanent elaboration
of norms and political action are inescapable realities. Attempts by States in the core
of the world system to impose economic and social policies, the growing assimetries of
wealth and power and the attempt of core States to impose on the periphery, through
violence or economic pressure, changes in political and economic regimes lead to the
re-emergence, on a greater scale, of anti-globalization movements and nationalisms.
KEYWORDS: Nation, Nationalism, State, Globalization.

Samuel Pinheiro Guimarães é secretário-geral das Relações Exteriores do Brasil. Foi


professor da Universidade de Brasília (UnB), do Instituto Rio Branco (IRBr/MRE). É
autor dos livros Quinhentos anos de periferia (UFRGS/Contraponto, 1999) e Desafios
brasileiros na era dos gigantes (Contraponto, 2006). Foi eleito Intelectual do Ano
2006 (Troféu Juca Pato) pela União Brasileira de Escritores.
@ – samuel@mre.gov.br
Artigo recebido em 5.3.2008 e aceito em 7.3.2008.

ESTUDOS AVANÇADOS 22 (62), 2008 159