P. 1
Introdução ao Conforto Ambiental

Introdução ao Conforto Ambiental

|Views: 539|Likes:
Publicado porIgor Fernandes

More info:

Published by: Igor Fernandes on Sep 19, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/17/2015

pdf

text

original

1.

INTRODUÇÃO AO CONFORTO AMBIENTAL O conforto ambiental abrange condições de habitabilidade que o espaço arquitetônico deve possuir, levando em consideração condição acústicas, luminosas (visuais) e térmicas adequadas à satisfação das exigências dos usuários. Assim, as principais funções de uma edificação com respeito aos fatos físicos – ambientais (calor/ luz /som) é o de assegurar conforto térmico (controlando a influência dos elementos climáticos), o conforto luminoso ao visual (controlando a luz natural) e o conforto acústico (reduzindo o ruído para um nível aceitável). A importância do estudo de conforto ambiental está baseada principalmente em 3 fatores: a) A satisfação do homem ao seu bem estar em se sentir termicamente confortável; b) O desempenho humano na realização de suas atividades; c) A conservação de energia, pois devido a crescente mecanização e industrialização da sociedade, as pessoas passam grande parte de suas vidas em ambiente com climas artificiais. O conforto térmico significa a estreita relação entre o homem, edificação e clima, de forma a existir equilíbrio térmico e condições de salubridade nessa inter- relação. O condicionamento térmico natural é técnica que estudas os meios para que o espaço construído possa apresentar condições térmicas exigidas pelo usuário, sem que ocorra necessariamente a nenhum tipo de energia ativa, ou seja, aproveitando ao máximo os recursos imediatos oferecidos pelo meio, promovendo integração entre a construção e o ambiente. Significa por exemplo, a purificação do ar ambiente através da ventilação natural e a limpeza e desinfecção das construções através do aproveitamento conveniente da insolação. 1.1Arquitetura e energia Até meados de 1970, o desenvolvimento tecnológico do século XX refletia-se na edificação, aliado ao baixo custo e fontes abundantes de energia. O projeto de edifícios não apresentava preocupação com o aproveitamento dos recursos naturais do clima para a obtenção das boas condições de suas habitabilidade. Diversos sistemas de iluminação e climatização artificial foram criados e passaram a ser largamente utilizados nas edificações, resultando em um grande consumo energético e, consequentemente, econômico. Esses fatores contribuíram para a produção de uma arquitetura universalista, fortemente baseada em instalações elétricas e eletromecânica para a iluminação, ventilação, resfriamento e

O espaço construído sustentável significa. além de discussões sobre a arquitetura internacional e a importância de se produzir uma arquitetura ligada ao seu tempo. melhoria dos níveis de atendimento das exigências dos usuários e maior produtividade nos ambientes de trabalho (historicamente. a utilização dos recursos naturais disponíveis no local. por um lado.2 Arquitetura e sustentabilidade: paradigmas atuais O meio ambiente natural foi drasticamente substituído pelos espaços urbanos. fungos e bactérias escondidos em filtros e canalizações de ar condicionado. vidros especiais etc. tal postura mostrou o alto custo do consumo indiscriminado dos recursos energéticos disponíveis. de modo a estabelecer limites de conforto ambiental menos exigente e critérios mais rigorosos quanto a perca e ganho de calor através da envolvente das edificações. externas. principalmente nos países desenvolvidos. em função da oscilação das condições.. causando sérios impactos ao meio ambiente com a construção de novas usinas. os usuários de grandes edifícios de escritório climatizados artificialmente se contaminavam com a “poluição indoor”. evitando gastos com equipamentos mecânicos de climatização e a iluminação natural. entre outros males nesses locais que não contavam com o arejamento natural. a preocupação com a qualidade ambiental surgiu com a percepção de que a produtividade e disposição para o trabalho têm relação direta com as características do ambiente de trabalho). O uso de energia não se caracterizava como problema para o projeto arquitetônico.aquecimento dos ambientes. 1. mas ao mesmo tempo comprometida com os aspectos culturais e até climáticos de cada região. em linhas gerais. além de edifícios inteligentes que procuram. A documentação normativa. Em 1973. minimizando os . já se conta com pesquisas relacionadas às patologias das construções. começaram os primeiros sintomas da chamada “síndrome do prédio doente”. para garantir um desempenho satisfatório da edificação. e como evitá-la. a crise do petróleo obrigou as nações a um esforço para a conservação da energia e o uso mais responsável dos recursos disponíveis. Surgem novos materiais e componentes como isolante térmico. máquinas e carpetes. Por outro lado. No final dos anos 70 do século XX. ou seja. A alternativa mais viável para a redução do consumo de energia elétrica nas edificações correspondentes à máxima utilização dos recursos naturais. Hoje. O aumento da população nos centros urbanos e o conseqüente aumento da demanda têm elevado ao aumento da produção de eletricidade. originando constantes intervenções do homem na natureza para construção de seu habitat. Tais procedimentos proporcionaram. passou por um processo de transformação.

cultural e especialmente. A temperatura fisiológica e o equilíbrio térmico humano O organismo humano funciona. Um estudo que envolva o conforto térmico deve. etc. um determinado ambiente por propicie absoluta neutralidade térmica a uma pessoa. é condicionado a padrões pessoais e subjetivos. Assim. que estejam engajadas em um determinado tipo de atividade. de forma passiva. 2-EXIGÊNCIAS HUMANAS DE CONFORTO 2. o corpo humano produz energia térmica. sem o uso de equipamentos consumidores de energia convencional). a qual ser dissipada para que sua temperatura se mantenha constante. Se perder uma quantidade menor. Organismo deve.). eliminar constantemente o calor que está sendo gerado. em condições de saúde. O corpo humano é uma “maquina” com geração interna de energia. a construção de um espaço sustentável torna-se passível diante da interação entre arquitetura e urbanismo. Se perder uma quantidade maior. Por ser resultado de sensações humanas. experimentará uma sensação de frio. com conservação de energia. A arquitetura dita sustentável é aquela que abrange aspectos de sustentabilidade econômica (com a utilização de materiais viáveis. uso de fontes renováveis. . acessíveis. a uma temperatura estreitamente constante (já que é homeotérmico. portanto. A não satisfação pode ser causada por sensação de desconforto pelo calor ou pelo frio. 2. permitindo as cidades e as edificações o melhor aproveitamento dos recursos naturais em seu funcionamento. portanto. ecológica (com a correta especificação dos materiais.1. com temperatura constante independentemente das variações térmicas). de calor.impactos ambientais causados pela massa edificada. espacial. Conforto térmico é um conceito subjetivo. interagindo termicamente com o meio que o cerca. isto é. ter como objetivo a obtenção de condições ambientais que propicie neutralidade térmica a um maior número de pessoas possível. Através de diversos processos fisiológicos vitais. A condição de conforto térmico O conforto térmico corresponde a uma situação de equilíbrio e ajuste entre a temperatura do corpo e a do ambiente. Define-se como o estado mental que expressa à satisfação do homem com o ambiente térmico que o circunda. duráveis. Sendo assim. que pode estabelecer-se no valor médio de 27° C. ou seja. depende do individuo. pode causar certo desconfortosensação de frio ou calor – a outra. social (buscando a qualidade de vida e bem estar dos usuários).2.

a convecção (C) e o calor perdido por evaporação (E) devem somar zero. a taxa de geração de calor do corpo deve ser igual à perda de calor. Os Sistemas termorreguladores mantêm o balanço de energia do corpo flutuando próximo a zero. por sua vez. a transpiração. já se as perdas de calor forem inferiores às necessárias para o equilíbrio térmico humano. então. O mecanismo de termo-regulação somente é ativado quando as condições térmicas do meio ultrapassam certas faixas. O equilíbrio de calor de um corpo humano pode ser expresso pela equação: M± R± C – E = 0 Isto significa que. Trocas térmicas entre corpo e ambiente . o calor metabólico (M) criado quimicamente dentro do corpo humano. Mecanismos de termorregulação O principal órgão termo-regulador do organismo é a pele. Quando a equação de balanço térmico é menor que 0. pois é através dela que se realizam as trocas de calor. 2. o corpo está perdendo mais energia do que está produzindo – a temperatura do corpo tende a decrescer. e provocando. a perda de calor não está compensando a produção de calor. o organismo aciona mecanismos automáticos. juntamente com o calor ganho ou perdido por radiação (R). fundamentalmente. Quando a equação do balanço térmico é maior que 0. para manter o equilíbrio térmico.4.Para alcançar esta meta. como a vasoconstricção que reduz o volume de sangue e o ritmo cardíaco. A sensação de frio significa que o corpo está perdendo calor para o ambiente. outros mecanismos são acionados como vasodilatação. O calor excedente produzido pelo processo metabólico humano (aproximadamente 80%) deve ser liberado para o ambiente à medida que é produzido. e o arrepio. influi no consumo de energia e produção de calor. que aumenta o volume de sangue acelerando o ritmo cardíaco. da atividade física. A energia térmica produzida pelo corpo dependente. para garantir condições normais de saúde e desempenho. Quando as condições ambientais proporcionam perdas de calor do corpo além das necessárias para a manutenção de sua temperatura interna constante.3. com pequenas oscilações. O nível metabólico aumenta ou diminui conforme o ritmo da atividade física a qual. 2.

Todo corpo aquecido emite ondas eletromagnéticas que. O calor perdido através das trocas úmidas é denominado de calor latente e envolve mudanças de fase – o suor (líquido) passa para o estado gasoso através da evaporação. e depende da diferença de temperatura entre a pele e o ar. O corpo humano perde bastante calor por radiação. radiação e condução (calor sensível) e evaporação (calor latente). O que importa é a diferença de temperatura entre a pele e as superfícies do entorno próximos. O ganho de calor por convecção se dá quando a temperatura do ar é superior à da pele. ou seja. Qualquer contato com o ar. 3 – AS VARIÁVEIS DE CONFORTO TÉRMICO . transpiração e perspiração (transpiração não perceptível). mais rápida a evaporação). É um dos mais importantes meios de que o corpo humano dispõe para liberar calor para o ambiente. A situação de frio excessivo pode levar à inquietação e falta de concentração nos trabalhos intelectuais. As trocas de calor por evaporação (aproximadamente 20% das trocas realizadas) ocorrem sempre unidirecionalmente (do corpo humano para o meio) e dá-se por respiração (expiração). a s variáveis climáticas praticamente na têm importância sobre a quantidade de calor transmitida dessa forma. Para a arquitetura. O calor perdido para ambiente através das trocas secas é denominado calor sensível e é função das diferenças de temperatura entre corpo e o ambiente. Depende da área da pele exposta e da umidade relativa do ar (quanto menor a umidade. As trocas de calor por convecção entre homem e o meio (significam 35% a 40% das trocas) se produzem na superfície da pele.As trocas de calor entre homem e o meio ocorrem através dos seguintes fenômenos: convenção. mas frio do que ele perde calor através do fenômeno de convecção. que re-emitem de volta para o corpo emissor. em parte. A situação de calor excessivo pode levar ao cansaço. Não depende de nenhum meio material para ser transportado. sonolência e redução da capacidade física e mental. As trocas de calor por radiação significam 40 a 45% das trocas realizadas entre homem e o meio. As trocas de calor por condução são menos significativas. e ocorrem entre superfícies de contato com partes desprotegidas do corpo. A perda por convecção aumenta com a velocidade do ar. são absorvidas por outros corpos. o conhecimento da convecção é muito importante nos estudos de ventilação dos edifícios.

Isto acontece porque a temperatura interna do organismo humano deve ser mantida praticamente constante em 37°C (variando entre 36. . Os limites para sobrevivência estão entre 32° e 42°C. . altura etc. o sistema termo-regulador do homem é ativado. Taxa metabólica para diferentes atividades segundo ISSO 7710 (1994) .2°C). como reação ao frio e ao calor. experimenta-se a sensação de conforto térmico.1.umidade relativa do ar.As variáveis de conforto térmico são função da atividade física (metabolismo). perde para o ambiente o calor produzido pelo metabolismo compatível com a atividade realizada.. peso. Como a temperatura interna do organismo deve ser mantida constante.temperatura do ar. raça. reduzindo ou aumentando as perdas de calor pelo organismo através de alguns mecanismos de controle. exercem influência nas condições de conforto de cada pessoa e devem ser consideradas. A tabela 1 apresenta dados relativos ao calor dissipado pelo corpo em função da atividade do indivíduo. ou seja.velocidade do ar.1° e 37. Quando o organismo. sem recorrer a nenhum mecanismo de termo-regulação. . Os 80% restantes são transformados em calor que deve ser dissipado para que a temperatura interna do organismo seja mantida em equilíbrio. Além disso. o organismo adquire energia. hábitos alimentares. variáveis do próprio individuo como sexo. Tabela 1.temperatura radiante média. Metabolismo É o processo de produção d energia interna a partir de elementos combustíveis orgânicos. Porém de toda energia produzida pelo organismo humano. quando o meio apresenta condições térmicas inadequadas. 3. apenas 20% é transformada em potencialidade de trabalho. através do metabolismo. idade. da resistência térmica oferecida pela vestimenta e dos parâmetros ambientais: .

ou seja. A vestimenta reduz o ganho de calor relativo à radiação solar direta. as perdas em condições de baixo teor de umidade e o efeito refrigerador do suor.3.2. onde se atinge elevadas temperaturas. Tabela 2. conforme seja mais ou menos isolante. No entanto.155m². o somatório de Icl. ou seja. Assim: 1 clo= 0. poder-se-ia pensar que a ausência de roupas poderia garantir condições mais confortáveis para os habitantes destas regiões. da fibra. sendo que o índice de resistência térmica (I) para a vestimenta de uma pessoa será. Reduz também a sensibilidade do corpo ás variáveis de temperatura e de velocidade do ar. A Vestimenta A vestimenta equivale a uma resistência térmica interposta entre o corpo e o meio. °C/W = 1 terno completo. Em climas secos (desertos). ela representa uma barreira para as trocas de calor por convecção. do ajuste ao corpo. em climas secos. pois mantém junto ao corpo uma camada de ar mais aquecido ou menos aquecido. I = ∑ Icl. A tabela 2 apresenta o índice de resistência térmica (Icl) para as principais peças de roupa. Sua resistência térmica depende do tipo de tecido. vestimentas adequadas podem manter a umidade advinda do organismo pela transpiração e evitar a desidratação. e deve ser medida através das trocas secas relativas quem usa. A vestimenta funciona como isolante térmico. Sua unidade é o clo (que origina de clothes). segundo a ISO 7730 (1994). Índice de resistência térmica para vestimentas segundo ISSO 7730 (1994) . conforme seu ajuste ao corpo e a porção do corpo que cobre.

por convecção. O resultado destes fenômenos simultâneos é que a temperatura do ar começa a elevar-se a partir da saída do sol. portanto. . A condutividade e a capacidade térmica do solo que determinam a transmição de calor por condução. chegando a um máximo que ocorre cerca de duas horas após a passagem do sol pelo meridiano como conseqüência do calor armazenado na terra. Temperatura do ar e temperatura radiante média A temperatura não é conseqüência da ação direta dos raios do sol. a radiação é menor por causa de nebulosidade. Por que a amplitude térmica é maior em climas secos do que em climas úmidos? Os climas secos caracterizam-se por sua baixa umidade e pouca nebulosidade. Portanto. O processo ocorre indiretamente: a radiação solar atinge o solo onde é absorvida em parte e transformada em calor. durante o dia. as perdas por evaporação são favorecidas devido à unidade que cobre o solo. Nos climas úmidos. As perdas por evaporação.3.3. de um balanço energético onde intervém: • • • A radiação solar e o coeficiente de absorção da superfície receptora. aquece o ar. a temperatura do solo aumenta e. fazendo com que a temperatura da superfície da terra comece a descer até alcançar um mínimo pouco antes de nascer o sol. é maior que a recebida. além do que. A temperatura do ar será conseqüência. especialmente por radiação em direção as altas camadas da atmosfera. pois o ar é transparente a todos os comprimentos de ondas eletromagnéticas. A partir deste momento. o balanço começa a ser negativo: a energia perdida. convecção e radiação.

a uma determinada temperatura. parte da qual se transforma em energia cinética pela elevação do ar quente e descida do ar frio. originando uma percam menor por radiação. no qual o vapor excedente passa ao estado líquido. Portanto. somente pode conter certa quantidade de vapor de água. O aquecimento desigual da terra e de sua atmosfera pela radiação solar gera energia potencial. a terra resfria mais facilmente e a água que armazenou o calor durante o dia. O seu cálculo pode ser feito através da determinação da temperatura de termômetro de globo e da temperatura do ar. A temperatura radiante media corresponde à temperatura média das superfícies que participam no balanço. Velocidade do ar Uma das principais causas da distribuição dos ventos no globo é o desequilíbrio de radiação entre as latitudes baixas e altas. o ar próximo ao solo se aquecerá. da terra para o mar. fazendo com que a temperatura atinja valores maiores do que o clima seco. que têm uma temperatura muito baixa. aquece o ar próximo permitindo a sua substituição pelo ar fresco vindo da terra. Quando chegamos a esse valor máximo dizemos que o ar está saturado. e durante a noite. A umidade do ar conjuntamente com a velocidade do ar intervém na perda de calor por evaporação. ocorre a condensação. as nuvens se interpõem entre as superfícies e as camadas altas da atmosfera. Ao mesmo tempo. O ar.Desta forma. durante o dia. No caso das regiões marítimas.5. provocando o aumento da temperatura de superfície onde ocorre a condensação. Estes processos dão lugar a uma forma particular de transferência de calor: um corpo perde calor por evaporação que será ganho por aquele no qual se produz a condensação. Este vapor se forma pela evaporação de água. produz-se elevada condensação acompanhada de liberação de calor. sem modificação de sua temperatura. o movimento do ar acontece do mar para a terra. durante o dia. Como aproximadamente 25% da energia térmica gerada pelo organismo são eliminadas sob a forma . ao diminuir a temperatura superficial numa atmosfera saturada de unidade. Ultrapassado este limite. 3. subirá e permitirá o movimento do ar fresco do mar para a terra. Umidade relativa do ar A umidade é caracterizada pela quantidade de vapor d’água contido no ar. Durante a noite. a temperatura superficial não atinge os solos secos. processo que se supõe a mudança do estado líquido ao gasoso. 3. Durante a noite.4. Isto se deve ao fato da terra se aquecer mais facilmente do que a água.

1. Porem. a unidade do ar torna-se importante. − Temperatura efetiva. No caso em que o ar está seco. − Voto médio predito. sob formas de cartas e nomogramas. as perdas continuam ainda com as temperaturas mais elevadas. Assim. as diversas condições ambientais que proporcionam respostas iguais aos indivíduos. levando ainda em conta as variáveis subjetivas como sexo. 4. a umidade absoluta representa o peso do valor d’ água contida em uma unidade de massa de ar (g/Kg) e a umidade relativa. raça. quando apenas ganharíamos calor. o organismo aumenta sua eliminação por evaporação. a pessoa estaria ganhando calor por convecção. a evaporação não é possível. em que pode-se obter a umidade relativa do ar em função das temperaturas de bulbo úmido (TBU) e seco (TBS). Em anexo tem-se uma carta psicrométrica. Mas ao mesmo tempo se produz um efeito contrário. ou seja. Existem vários índices de conforto térmico. é preciso medir a variáveis do ambiente e a relação humana frente às relações destas. para fins de aplicação às condições ambientais correntes nos edifícios e para as condições climáticas brasileiras. dificultando as perdas por convecção e radiação. Se o ar está saturado. Os índices de conforto térmico são estudos realizados de forma a estabelecer as condições nas quais o individuo expressa satisfação térmica com o ambiente e reuni.de calor latente (10% por respiração e 15% por transpiração) é importante que as condições ambientais favoreçam estas perdas. são apresentados apenas três: − Carta bioclimática. a relação entre a umidade absoluta do ar saturado para a mesma temperatura. hábitos alimentares e etc. porém. quando a temperatura do ar é superior a da pele. A Carta bioclimática . À medida que a temperatura do meio se eleva. o que faz a pessoa não ganhar mais calor assim do que a temperatura do ar seja superior a pele. No momento em que o balanço começa a ser desfavorável. já que a circulação do ar acelera as perdas por evaporação. Isto mostra a importância de uma ventilação adequada. 4 – ÍNDICES DE CONFORTO Para se fazer um estudo quantitativo da influencias das condições térmicas de um ambiente no homem.

. em trabalho leve e com vestimenta de 1 clo. para pontos acima e abaixo da zona de conforto. Carta Bioclimática de Olglyay segundo KOENIGSBERGER et al.2. 1973).Esta carta foi desenvolvida por Olgyay e organizada em função da temperatura de bulbo seco e da umidade relativa do ar (OLGYAY. Deve-se atentar que combinações de temperatura de bulbo seco e umidades relativas que recaiam fora da zona de conforto representam situações que podem obter conforto térmico com as incidências de ventos ou de radiação solar. Figura 2. A carta bioclimática na figura 1 foi desenvolvida por habitantes de regiões de clima quente. 4. Temperatura (KOENIGSBERGER et al. 1977). respectivamente. umidade velocidade do ar e é apresentado sob a forma de um nomograma. Índice de temperatura efetiva O índice de temperatura efetiva – desenvolvido por Yaglow e Houghten em 1923. conforme mostra a figura 2. 1977. correlaciona as sensações de conforto com as condições de temperatura. Figura 1.

Tabela 3. Assim. O voto médio predito Este método foi desenvolvido por Fanger (FANGER. Faz uma relação entre o voto médio predito (PMV – Predicted Mean Vote) e a porcentagem de pessoas insatisfeitas (PPD – Predicted percentage of Dissatisfied). O PMV para o conforto térmico é zero.3. tem-se a seguinte escala de sensação térmica: Este índice prevê o voto de um grande grupo de pessoas através da escala mostrada na tabela 3. Escala térmica de Fanger. pois acima destes limites teríamos aproximadamente mais de 80% das pessoas insatisfeitas (ISO7730. PMV X PPD . O Voto Médio Predito consiste em valor numérico que traduz a sensibilidade humana ao frio e ao calor. Escala +3 +2 +1 0 -1 -2 -3 Sensação Muito quente Quente Levemente quente Neutro Levemente frio Frio Muito frio Porém este índice deve ser usado apenas para volumes entre -2 e + 2. como pode-se perceber na figura 3. através de uma escala térmica. para o frio é negativo e para o calor é positivo. Figura 3. 1972) e é considerado o mais completo dos índices de conforto.4. pois analisar a sensação de conforto em função de 6 variáveis. 1984).

31 -0.35 1. resolvidas por meios de computador.20 0.16 -1.17 0.80 0.90 0.13 1.08 0.46 0.68 0. ou seja.09 0.42 1.13 0.94 0. .85 -0.34 0.29 0.88 -0. sempre haverá uma percentagem de insatisfeitos. Tabela 4.44 0.51 0. PMV para distintas variáveis ambientais e atividade sedentária.78 0.68 1.33 0.51 1.69 0.38 0.02 0.08 0.51 -0.60 0.25 -0.77 1.00 1.75 -1.5.18 0. obtidas a partir de solução de equações complexas.71 0.20 0.10 -0. Valores do Voto Médio Estimado de Fanger representam uma serie enorme de combinações.22 0.10 -1. Segundo a ISO7730.99 1.22 1.81 1.40 1.39 .25 0.41 0.5 < PMV < +0.Devido às diferenças individuais é difícil especificar um ambiente térmico que satisfaça a todos.30 0.1 0 -1.50 -2.00 20 22 24 26 -0.34 1.50 Temperat ura Ambiente 23 25 27 29 <0.11 0.60 1.09 0.55 0. um ambiente é considerado termicamente aceitável quando PPD <10%.87 -0. Velocidade relativa do ar (m/s) Vestimen ta (CLO) 0.10 -0.71 0.26 0.30 1.33 0.0.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->