P. 1
Educação no Egito

Educação no Egito

|Views: 1.949|Likes:
Publicado porAndréia Benites

More info:

Published by: Andréia Benites on Nov 27, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/25/2013

pdf

text

original

A EDUCAÇÃO NO EGITO

Andréia Benites Torres Monteiro Professora-Maria Auxiliadora Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso (HID 0590) – Prática do Módulo I 13/10/2011 RESUMO As escolas funcionavam como templos e em algumas casas foram freqüentadas por pouco mais de vinte alunos. A aprendizagem se fazia por transcrições de hinos, livros sagrados, acompanhada de exortações morais e de coerções físicas. Ao lado da escrita, ensinava-se também aritmética, com sistemas de cálculo, complicados problemas de geometria associados à agrimensura, conhecimentos de botânica, zoologia, mineralogia e geografia.

Palavras-chave: Educação, Egito, Escolas.

1 INTRODUÇÃO Para entendermos melhor a antiga civilização egípcia e como ela perdurou mais ou menos 3500 anos a partir da metade do IV milênio a.C. Sua cultura só ruiu com o advento do cristianismo, resistindo até o século V a.C., sendo que, antes disso, todos os povos que subjugaram os egípcios ao longo de sua história garantiam a permanência dos costumes, tradições e instituições do povo local. É necessário entender a educação egípcia e a sociedade com as características da sociedade, religião e política deste povo e toda sua influência. A história egípcia não é linear, embora a perenidade seja uma marca dessa civilização. Há sobressaltos no decorrer dessa história, especialmente nos períodos de dominação estrangeira. Isso significa que houve períodos de evolução cultural em uma sociedade que não buscava alterações e progressos, pois do ponto de vista egípcio, a era de ouro estava no passado distante e não no futuro. A civilização egípcia olhava sempre para o passado como um modelo a ser conservado e qualquer “mudança” poderia ser confundida com “degeneração”.

merece destaque Amenemá III.C. onde ficavam representadas as águas que deviam irrigar as terras que ficavam ao Norte do reino. Médio Império de 1955 a. auxiliados por seus funcionários. o reino continuou envolvido em guerras e revoltas internas que o enfraqueceram. povos originários da Ásia Central. conquistando a Núbia. eles passaram a ter uma certa autonomia em relação ao faraó..2 Daí advém o papel importantíssimo da religião em uma civilização onde predomina tal nível de conservadorismo. a 1785 a. o que originou conflitos de natureza política e administrativa. Quéfren e Miquerinos. C. Além disso. conquistando-o. revoltas ocorridas em vários lugares do Egito ameaçaram o governo central. C. e Novo Império de 1540 a. Isso encorajou os hicsos. a vitoria dos hicsos deveu-se ao uso de cavalos e carros .C. o cargo de normarca tornou-se hereditário. a 2140 a. 2 HISTÓRIA POLÍTICA DO IMPÉRIO DO EGITO Antigo Egito: Durante a maior parte deste longo período. Apesar da prosperidade material. região rica em minerais. O Egito passou por três fases importantes com características diferentes: Antigo império de 2570 a. C.dentre os faraós daquele tempo. os faros conseguiram impor sua autoridade ao reino e. coordenaram a construção de grandes obras públicas. a atravessarem o deserto e invadir o Egito. a 1070 a. Médio Império: Neste período o faraó voltou a se fortalecer e os egípcios expandiram território em direção ao Sul. entre elas a pirâmide de Quéops. em cujo reinado foram construídos o palácio conhecido como “Labirinto” e o Lago Méris. enfraquecendo a autoridade do faraó. C. entre os quais o ouro.. Porém nesse período. Com isso.

a Fenícia e a Palestina e estenderam seus domínios até o rio Eufrates. uma espécie de papel de boa qualidade. somado às sublevações dos povos conquistados contra a cobrança de impostos abusivos. . foi conquistado por Alexandre Magno. ocuparam a Síria.. também cultivavam legumes. os chefes militares e os sacerdotes aumentavam sua riqueza. reconquistaram a Núbia. o faraó. esteiras. Observe a imagem abaixo. O domínio dos hicsos em território egípcio durou mais de 150 anos. Esta situação provocou revoltas sociais dentro do Egito. O papiro é uma planta nativa do Egito com a qual se faziam cordas.. o líder militar da luta contra o invasor. Já a maioria da população empobrecia. o Egito foi sucessivamente invadido por núbios. justamente por ter pago cada vez mais impostos mais altos. A principal atividade econômica no Egito antigo era a agricultura.C. A partir do século VIII a. Além disso. Por meio dos impostos e do controle das importantes rotas comerciais das regiões conquistadas. algodão e papiro. Novo Império: Este período inicia-se com a expulsão dos hicsos. assírios e persas. acabou debilitando o poder do faraó. Para retirar água do rio Nilo era utilizado um instrumento chamado shaduf. sem montaria. os egípcios davam inicio ao cultivo de cereais como o trigo o centeio e a cevada. Pela força. Assim que as águas do Nilo retornavam ao leito e deixavam a terra fertilizada em suas margens. até que em 332 a. Depois de efetuar estas conquistas. 3 A ECONOMIA O estado egípcio controla. frutas.3 de combate. inaugurou uma nova dinastia. Amósis. desconhecidos pelos egípcios. o governo egípcio passou a exigir pesados impostos dos povos ao qual tinham domínio. que possuía um peso amarrado na extremidade da vara.C. linho. muitos camponeses tinham abandonado o cultivo da terra para servir a infantaria que era uma tropa de soldados que lutavam a pé. Os faraós do Novo Império organizaram um poderoso exército com cavalaria e carros de combate e adotaram uma política expansionista. sobretudo. planejava e fiscalizava as atividades econômicas. sandálias e. o que.

transformando-o em múmia.4 4 A RELIGIÃO Uma característica marcante e fundamental da sociedade egípcia concerteza era a religião. Desde os mais humildes até o faraó. local onde continuar desfrutando dos prazeres terrenos. Os nomos tinham estes deuses como seus protetores. vários faraós emprenharam-se na construção de seus imensos túmulos. deuses locais passaram a conviver com novos deuses. todos acreditavam na vida após a morte. colocava-se um conjunto de textos que apontavam suas qualidades e pedia ao deus o perdão. colocando-o no prato de uma balança e no outro uma pena. Isto explica o motivo pelo qual os egípcios desenvolveram o processo de mumificação.eram representados por animais da região. O mais importante desses deuses foi Rá. porém o corpo teria que estar em condições de recebê-la. leões e chacaus. em caso de absolvição a alma poderia ocupar o corpo ao qual pertencera. Além de crerem na via após a morte os egípcios acreditavam que ao partir dessa vida. Para o faraó. acreditavam em vários deuses. crocodilos. cultuados em toda extensão do reino. desde o período prédinástico existiam vários deuses locais. tratamento por meio do qual se evitava a decomposição do cadáver. a alma comparecia no Tribunal de Osiris para ser julgada. que. que na maioria da vezes. Amon. o deus protetor dos tebanos e Rá passaram a seu um só deus chamado Amon-Rá. . mais tarde esses textos reunidos formaram o Livro dos Mortos. Costumava-se deixar jóias. como falcões. o coração deveria pesar menos do que a pena para que a pessoa fosse absolvida. Quando a capital do império passou a ser Tebas. no sarcófago que guardava a múmia. mandar erguer uma pirâmide era uma forma de garantir sua “casa da eternidade”. acreditavam Na imagem mostra Osíris pesando o coração do defunto. de acordo com eles teria grande utilidade para o morto. Os egípcios eram politeístas ou seja. Com a unificação do país. as pirâmides. considerado por eles o criador do universo. armas e alimentos. hipopótamos. Por isso.

hiero (sagrado) e glyfus (escrita). havendo mesmo a inclusão de alguns sinais gregos na escrita. uma variante mais cursiva que se podia pintar em papiros ou placas de barro. altos cargos. como o Hierático. Com o tempo evoluiu para formas mais simplificadas. monumentos e esquifes eram fabricados por artesãos com a misteriosa escrita hieroglífica. Embora sejam geralmente conotados com a civilização egípcia. fase em que os hieróglifos iniciais ficaram bastante estilizados. em seguida por contrações e junções. Apenas os sacerdotes. que era uma forma ainda mais abreviada e se escrevia sobre folha de papiro com um cálamo embebido em carbono).1 HIERÓGLIFOS O primeiro instrumento do sacerdote-intelectual é a escrita. até atingir um cursivo chamado hierático e de uso cotidiano. . Mas. e escribas conheciam a arte de ler e escrever esses sinais "sagrados". tumbas. membros da realeza.5 5 A EDUCAÇÃO O Egito Antigo não era uma sociedade alfabetizada e poucas pessoas sabiam ler ou escrever. rituais e feitiços eram essenciais para a religião e eram gravados pelos escreventes. que no Egito era hieroglífica (relacionada com o caráter pictográfico das origens e depois estilizada em ideogramas ligados por homofonia e por polifonia. 5. A escrita hieroglífica constitui provavelmente o mais antigo sistema organizado de escrita no mundo. e ainda mais tarde. mais simples. e finalmente o demótico. com a influência grega crescente no Próximo Oriente. a escrita evoluiu para o Demótico. Este termo deriva da composição de duas palavras gregas . e era vocacionada principalmente para inscrições formais nas paredes de templos e túmulos. os hieróglifos foram adoptados na escrita de outros povos da antiguidade. tais como os Hititas e os Maias.

. Existem inscrições fonéticas que datam do período 3300-3100 a.C. data aparente da última inscrição hieroglífica.Exemplo da evolução de alguns hieróglifos ao longo dos séculos Fonte: adaptação de Encyclopaedia Britannica. e foram usadas ininterruptamente até 24 de Agosto de 394 d.. 29 (1993) Os hieróglifos foram usados durante um período de quatro milénios para escrever a antiga língua do povo egípcio.6 F ffigura 1 .C. em um fragmento de uma lápide descoberta na Ilha de Philae. vol.

C. os egípcios criaram quase 7000 sinais hieroglícos. pois eram usado na decoração das paredes dos templos. cada vez menos eram aqueles que a podiam ler e entender. a prática desta escrita ficou cada vez mais exclusiva de uma elite reduzida. túmulos. mas nessas inscrições eram utilizados principalmente hieróglifos cursivos. mas isto levou que o estudo dos hieróglifos se tornasse cada vez mais complexo. figura 2 .. já praticamente tinha desaparecido a antiga escrita dos hieróglifos. e consequentemente o seu uso tornou-se desnecessário. e foi adoptada por sacerdotes que controlavam a escrita e os templos. Existem evidências de outros usos mais mundanos.Hieróglifos cursivos no Papiro de Ani (Livro dos Mortos) Fonte: Wikipedia Durante os mais de 3 milénios em que foram usados. edifícios religiosos e outros ligados ao culto da eternidade. Um texto escrito nas épocas dinásticas não continha mais do que 800 sinais. possuindo por vezes diferentes valores fonéticos. mas durante o perído Greco-Romano desta civilização.7 Constituíram uma escrita principalmentemonumental e religiosa. Esta prática criptográfica era intencional. eram usados milhares de hieróglifos. Com o passar do tempo. . Por volta do século V d.

continuou a mesma prática de apagar e esquecer os registos do passado. levando ao desuso generalizado desta escrita. e depois com a conquista do Egipto pelas legiões do império romano. incorporando novos elementos.8 Figura Fonte: Wikipedia 3 - Exemplo de hieróglifos do período Greco-Romano Com a invasão de vários povos estrangeiros ao longo da sua história. sabe-se que sábios muçulmanos medievais retiveram o conhecimento do valor fonético correcto de alguns hieróglifos. no século V depois de Cristo. Factores decisivos foram a introdução das línguas grega e romana. e os templos onde a escrita era ensinada foram fechados e votados ao abandono. . contribuiu bastante para que o conhecimento desta escrita se perdesse. Também o cristianismo. Tudo o que estava relacionado com os antigos deuses egípcios era considerado pagão. A introdução do islamismo pelos Árabes no século VII d. a língua e escrita locais foram se alterando. em consequência da forte influência comercial e cultural da Grécia. proibido.C. e portanto. ao negar a religião politeísta local. No entanto. Imensas incrições foram destruídas e tornadas ilegíveis.

havia todo um investimento para que aprendessem a ler e escrever para que pudessem dar conta de um pesado trabalho administrativo no Antigo Império Egípcio.C.9 Escrita hieroglífica cursiva.. Somente os Escribas podiam seguir uma carreira no serviço público do Egito. Depois são empilhados e colocados para secar ao sol. .3 OS ESCRIBAS Os Escribas eram provenientes de famílias egípcias ricas e poderosas. 5. 5. primeiro horizontalmente e então verticalmente. um cientista egípcio redescobriu o segredo de sua fabricação. Foi produzido sob monopólio do estado e seu processo de produção era secreto. que é feito de fibras de plantas esmagadas.C. Diferentemente do papel. umedecido por três dias até clarear. a produção de papiro foi interrompida. Quando o papel foi inventado na China em 105 d. Os pedaços são colocados em toalhas de linho. o papiro é feito de pequenos e finos pedaços do talo da cana do papiro. uma vez que a escrita era ferramenta exclusiva de uma profissão especializada. e se transformou no maior artigo de exportação do Egito. Em 1965.2 PAPIRO O papiro foi usado pela primeira vez em 4000 a.

mas também desenhar com muita habilidade. agrimensura. as exigências inúmeras para a formação de um Escriba se transformavam em compensações honrosas e lucrativas. Somavam-se ainda os amplos conhecimentos de matemática. a literatura e a história do país. livrava-se de uma vez de qualquer tipo de trabalho servil no Império e passava a ocupar posições de destaque na sociedade como conhecedor da escrita demótica e dos hieróglifos.10 Os escribas eram letrados que tinham estudado e sabiam ler. mais tarde transferida para Tebas. o jovem que almejava pleitear tal serviço público deveria passar por uma formação especial na qual envolvia o conhecimento de muitas ciências. Aqueles que passavam pela escola de escribas em Mênfis. os responsáveis pela escrita no Império sentavam-se de pernas cruzadas gerando uma espécie de mesa sobre as mesmas com o saiote que utilizavam. A posição na qual os Escribas desenvolviam suas funções foi imortalizada através de esculturas datadas do próprio Antigo Egito que revelam as condições do trabalho. Os Escribas representavam uma classe de notório destaque no Antigo Egito. O papiro era então estendido sobre o suporte elaborado com o próprio corpo e uma pena servia para escrever o que seria ditado. Utilizando-se da escrita hierática. não se devem acrescentar elementos que não foram tratados no desenvolvimento. igualmente. aprendiam não só ler e escrever. Salienta-se que. processos administrativos. eram os responsáveis pela . recebiam doações de terras e gozavam de certos privilégios à maneira dos mandarins chineses. Quando o jovem se qualificava como um Escriba profissional logo se candidatava a classe oficial culta. não se devem utilizar citações (diretas ou indiretas). De toda forma. Nas considerações. pois este momento é único e exclusivo para a reflexão do acadêmico. Como funcionários públicos poderiam ser também administradores de grandes propriedades. dominar o idioma. mecânica e desenho arquitetônico. A escrita dos Escribas era registrada em papiros ou nas paredes das pirâmides. escrever e calcular. os Escribas escreviam da direita para a esquerda. No exercício da profissão. Desempenhavam cargos públicos. eram sustentados pelos faraós. Eram numerosas as exigências para a carreira de um Escriba no Antigo Egito. nessa etapa do trabalho.

que o nobre Ptahhotep pronunciou. nunca provou desgosto dizendo: Que farei?!” (Br. . possuía alguma educação e tinha papel saliente na formação das novas gerações. ela te carregou no colo.14). p. comerciantes. A classe sacerdotal era a mais elevada e tinha a seu cargo a direção intelectual. embora a poligamia fosse praticada em todas as classes. Quando nasceste. 292). 34). da literatura. 5.11 arte da escrita e cabia-lhes a registrar todos os acontecimentos do Império Egípcio. consideradas como patrimônio sagrado e inalienável. de que só a pessoas reais podiam de certo modo compartilhar". além de desenvolver outras funções tais como arquivista. com exceção da sacerdotal. As crianças eram cercadas de todos os cuidados pela família e envolvidas numa atmosfera de carinho e de amor.4 A MULHER E SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇAO DOS FILHOS A sociedade egípcia era dividida em numerosas classes. da filosofia. A mulher egípcia ocupava uma situação social superior à da mulher chinesa e hindu. 1989.28). MANACORDA. embora grande parte fosse constituída de estrangeiros mercenários. Apesar da repugnância de teus excrementos. após os teus meses (de gestação). Era considerada senhora do lar. pondo suas mamas na tua boca durante três anos. moral e religiosa da nação. (apud MANACORDA. (Br. Sucedia à casta sacerdotal. camponeses. copista. operários. como "detentora que era das tradições. a classe guerreira. para falar bem’ (Br. (apud MANACORDA. (apud p. das ciências. 1989. instruindo o ignorante no saber. contador ou secretário. p. 1989. escribas. “Colocou-te na escola. “Iniciam os preceitos do bem falar.28). ainda que sem a fixidez e a impenetrabilidade das castas hindus: sacerdotes. Trata-a como ela te tratou: assumiu teu peso e não te deixou. guerreiros. onde devias ser instruído nas letras. e todo dia ficava te esperando com pão e cerveja da casa”. 292). “Duplica o pão que tua mãe te deu.

pelo monopólio cultural exercido pelos sacerdotes e pelo abandono que votaram à educação feminina. em todos os domínios do conhecimento. Mas o sistema educativo dos egípcios é passível de crítica. uns silábicos. da ginástica e da natação.se observar ao longo do conteúdo da pesquisa é que a sociedade egípcia mudou pouco ao longo dos séculos pois as chances de ascensão social eram mínimas. da leitura. resultante da simplificação da hieroglífica. O ensino superior era ministrado nos colégios sacerdotais muito bem organizados e providos de arquivos e bibliotecas. eram habituadas à prática da piedade e da obediência. ou grupo social. Para se tornarem sadias e resistentes de corpo e espírito. pelo seu sentido aristocrático. a hierática. A instrução superior egípcia produziu ilustrados e grandes cientistas. o conhecimento dos astros. era a escrita vulgar e a única ensinada nas escolas. outros fonéticos e outros simbólicos. a música e a higiene ou medicina vulgar eram considerados como os seis dons concedidos a todos os egípcios. A instrução elementar compreendia o ensino da escrita. pois pelas leis não era possível casar-se com alguém de . e a demótica. Havia três gêneros de escrita: a hieroglífica. De todos os países do Antigo Oriente. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O que pode. entre os quais podemos destacar sua preocupação pela formação moral das novas gerações. A leitura. Foi considerável o número de escolas entre os egípcios e elas denominavam-se "casas de instrução" e eram encontradas nas cidades e no campo. formada por 356 sinais. os processos didáticos intuitivos de que se utilizaram e o interesse que revelaram pelo cultivo da ciência. cabendo à família o fornecimento da alimentação aos filhos. a escrita. do cálculo. o Egito foi aquele em que a instrução foi mais disseminada. constituída de 650 sinais. O aluno bem sucedido tinha o direito de escolher o professor de sua preferência. quase todas funcionavam nos templos. O individuo nascia e morria na mesma casta. O regime de ensino era de internato ou semi-internato.12 Dado o espírito religioso da sociedade egípcia. A passagem das escolas elementares para as superiores se fazia através de um exame de habilitação. usada na literatura científica. A educação egípcia possui aspectos elogiáveis. o culto. uma vez que os sacerdotes eram os únicos que podiam exercer a função de mestre. Raras as que tinham prédio próprio. empregada nas inscrições. eram submetidas a um regime de vida simples e sóbrio. motivo pelo qual constituíam a base do ensino elementar.

A base econômica do Egito era a agricultura.com/civilizacao-egipcia/escribas/. Porem. Olavo Leonel. pelo seu sentido aristocrático. o artesanato.uol.br/egipcia/educacao-egipcia. ou no artesanato além do trabalho doméstico. O Sistema educativo dos egípcios é passível de crítica. 7 REFERÊNCIAS http://www.com. pelo monopólio cultural exercido pelos sacerdotes e pelo abandono que votaram à educação feminina.br/debate/as-religioes-sao-nocivas-ao-bemestarhumano/artigo/educacao-egipcia. escultores e escribas. http://www. p.com/web/tutankamon/egito/egito-antigo/educacao/. Acesso dia 26 de junho de 2011. A mulher egípcia tinha um certo prestigio social. Acesso dia 25 de junho de 2011. em todos os domínios do conhecimento. os hieróglifos que influenciaram até mesmo nos dias de hoje a nossa própria escrita através de heranças deixadas pelo alfabeto. daí vem o fato de que os egípcios chamavam o rio Nilo de Deus.historiadomundo. levando em conta que em alguns templos ou residências havia no máximo 20 alunos.55-6. Mario Alighiero. Pois. a arquitetura pois as pirâmides ainda hoje são uma incógnita para muitos cientista. MANACORDA. Acesso dia 15 de julho de 2011. Egito: terra dos faraós. História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. Acesso dia 15 de julho de 2011. Adaptado. FERREIRA.infoescola.discoverybrasil.htm. http://www. A educação egípcia reflete o que a sociedade era: uma hierarquia. somente filhos de nobres tinham o direito de estudar. São Paulo: Cortez/ Autores Associados.com.13 outra casta. Os egípcios davam valor a cultura diferentemente de outros povos da época pois os mesmos desenvolveram além da agricultura observada através do rio Nilo. as mulheres que pertenciam a nobreza tinham criadas e podiam administrar as propriedades do marido quando o mesmo estava ausente. que podemos aqui compará-los com professores. e a filiação materna era tão importante quanto a paterna. pois o rio era fértil em suas margens. nem todas as mulheres viviam do mesmo jeito. http://jornaldedebates. A instrução superior egípcia produziu ilustrados e grandes cientistas. Já as mulheres pobres tinham que ajudar na lavoura. 1989 .

Acesso dia 17 de setembro de 2011. http://www. São Paulo: Quinteto Editorial.com.html. Silvia. VAZ. Acesso dia 15 de julho de 2011. Acesso dia 22 de setembro de 2011. http://www.pedagogia. 2006.php. . . Navegando pela história. http://www.br/historia/oriental2.portalsaofrancisco. Maria Luísa.br/alfa/egito/educacao-no-egito.com.qieducacao.com/2010/11/egito-antigo-introducao.php.14 PANAZZO.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->