P. 1
NBR 14538 - Lampada Fluorescente Com Reator Integrado a Base Para Iluminacao Geral - Requisitos D

NBR 14538 - Lampada Fluorescente Com Reator Integrado a Base Para Iluminacao Geral - Requisitos D

|Views: 1.569|Likes:
Publicado porengenheiromarcelo0

More info:

Categories:Types, Research
Published by: engenheiromarcelo0 on Apr 10, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/08/2013

pdf

text

original

Cópia não autorizada

JUN 2000

NBR 14538

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas
Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro – RJ Tel.: PABX (21) 210-3122 Fax: (21) 220-1762/220-6436 Endereço eletrônico: www.abnt.org.br

Lâmpada fluorescente com reator integrado à base para iluminação geral - Requisitos de segurança

Copyright © 2000, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Origem: Projeto 03:034.01-032:1998 ABNT/CB-03 - Comitê Brasileiro de Eletricidade CE-03:034.01 - Comissão de Estudo para Lâmpadas Elétricas NBR 14538 - Self-ballasted lamps for general lighting services - Safety requirementrs Descriptors: Lamp. Lighting service Esta Norma foi baseada na IEC 60968:1988 e Emenda nº 1:1991 Válida a partir de 31.07.2000 Palavras-chave: Lâmpada. Iluminação 11 páginas

Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Prescrições gerais e de ensaio 5 Identificação 6 Intercambiabilidade 7 Proteção contra choque elétrico 8 Resistência de isolamento e rigidez dielétrica após tratamento com umidade 9 Resistência à torção 10 Elevação de temperatura da base 11 Resistência ao calor 12 Resistência à chama e ignição 13 Condições de falha ANEXOS A Ensaio para se determinar quando uma parte condutora é uma parte viva que pode provocar choque elétrico B Medição de corrente de fuga em alta freqüência Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma baseia-se na primeira edição da IEC 60968:1988 e já incorpora a emenda no 1:1991. Nesta Norma, os seguintes caracteres são utilizados: - Requisitos propriamente ditos: caracteres romanos; - Métodos de ensaio: caracteres itálicos;
- Notas explanatórias: caracteres romanos pequenos.

Esta Norma contém o anexo A, de caráter normativo, e o anexo B, de caráter informativo.

Cópia não autorizada

2

NBR 14538:2000

1 Objetivo Esta Norma especifica os requisitos de segurança e intercambiabilidade, juntamente com os métodos de ensaio e condições requeridas para demonstrar a conformidade de lâmpadas fluorescentes tubulares, com dispositivos integrados à base para controlar o acendimento e o funcionamento estável (lâmpadas com reator integrado), destinadas ao uso doméstico e iluminação geral similar, tendo: - potência nominal até 60 W, inclusive; - tensão nominal de 100 V a 250 V; - freqüência nominal de 50 Hz ou 60 Hz; - bases com rosca Edison.
NOTAS 1 As prescrições e tolerâncias permitidas por esta Norma são relativas ao ensaio de tipo. A conformidade da amostra para o ensaio de tipo não garante a conformidade de toda a produção do fabricante com esta norma de segurança. 2 No Brasil são aceitas somente lâmpadas que operem atendendo os requisitos mínimos desta Norma nas seguintes tensões e freqüência: 127 V ou 220 V com freqüência de 60 Hz. 3 O bulbo da lâmpada contém mercúrio metálico (Hg).

2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR IEC 60061-1:1998 - Bases de lâmpadas, porta-lâmpadas, bem como gabaritos para o controle da intercambiabilidade e segurança - Parte 1: Bases de lâmpadas NBR IEC 60360:1996 - Método-padrão para determinação da elevação da temperatura da base da lâmpada IEC 60061-2:1969 - Lamp caps and holders together with gauges for the control of interchangeability - Part 2: Lampholders IEC 60061-3:1969 - Lamp caps and holders together with gauges for the control of interchangeability - Part 3: Gauges IEC 60238:1996 - Edison screw lampholders IEC 60249-1:1982 - Base materials for printed circuits - Part 1: Test methods IEC 60695-2-1:1991 - Fire hazard testing - Part 2: Test methods - Section 1: Glow wire test and guidance IEC 60695-2-2:1991 - Fire hazard testing - Part 2: Test methods - Section 2: Needle-flame test 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições: 3.1 lâmpada com reator integrado à base: Conjunto que não pode ser desmontado sem ser permanentemente danificado, provido de uma base de lâmpada e incorporando uma fonte de luz, bem como os elementos adicionais necessários para acendimento e operação estável da fonte de luz. 3.2 tipo: Lâmpadas que, independentemente do tipo de base, são equivalentes em características fotométricas e elétricas. 3.3 tensão nominal: Tensão ou faixa de tensão de rede à qual se destina a lâmpada de acordo com a declaração do fabricante. 3.4 tensão de ensaio: Tensão em que os ensaios são realizados. 3.5 potência nominal: Potência total, em watts, absorvida pelo conjunto formado pelo reator e a lâmpada funcionando nas condições nominais de tensão e freqüência. 3.6 freqüência nominal: Freqüência de rede à qual se destina a aplicação da lâmpada. 3.7 fluxo luminoso nominal: Fluxo marcado na lâmpada ou declarado como tal pelo fabricante ou vendedor responsável. 3.8 manutenção do fluxo luminoso: Fluxo luminoso em um dado momento na vida da lâmpada, dividido pelo valor inicial do fluxo da lâmpada, sendo o resultado expresso como uma porcentagem do fluxo luminoso inicial. 3.9 valores iniciais: Características fotométricas e elétricas no final do período de 100 h de sazonamento. 3.10 vida (individual de uma lâmpada): Período de tempo, em horas, durante o qual uma lâmpada completa funciona até que ocorra a falha ou até que seja atingido outro ponto estabelecido nesta Norma como critério de avaliação da vida da lâmpada.

Cópia não autorizada

NBR 14538:2000

3

3.11 vida mediana (vida até 50% de falhas): Período de tempo, em horas, durante o qual 50% das lâmpadas atingem o fim de suas vidas individuais. 3.12 vida mediana nominal (vida nominal até 50% de falhas): Vida declarada pelo fabricante ou vendedor responsável como sendo o intervalo de tempo, em horas, no fim do qual é esperado que 50% das lâmpadas de qualquer quantidade significativa atinjam o fim de suas vidas individuais. 3.13 cor: As características de cor de uma lâmpada são definidas pela cor percebida e pela reprodução da cor. a) a cor própria de uma lâmpada é chamada de cor percebida ou aparência de cor e é definida em termos de valores tristímulos espectrais (coordenadas de cromaticidade), de acordo com recomendações da International Commission on Illumination - CIE; b) as características espectrais da luz emitida por uma lâmpada têm um efeito na aparência dos objetos que ela ilumina; este efeito é chamado de reprodução da cor. 3.14 cor nominal: Aparência de cor conforme declarada pelo fabricante ou vendedor responsável, ou cor correspondente à designação da cor marcada na lâmpada. 3.15 tempo de acendimento: Tempo necessário, após ligação à tensão de alimentação, para que a lâmpada acenda completamente e permaneça acesa. 3.16 tempo de estabelecimento de regime (tempo para atingir 80% do fluxo luminoso nominal): Tempo necessário, após a ligação à tensão nominal de alimentação, para que a lâmpada alcance 80% de seu fluxo luminoso estabilizado. 3.17 tempo de estabilização: Tempo que a lâmpada necessita permanecer acesa para se obterem características elétricas e fotométricas estáveis de funcionamento. 3.18 ensaio de tipo: Ensaio ou série de ensaios realizados em uma amostra para ensaio de tipo, com o objetivo de verificar a conformidade do projeto de um dado produto com os requisitos da especificação correspondente. 3.19 amostra para ensaio de tipo: Amostra consistindo em uma ou mais unidades similares, apresentada pelo fabricante ou vendedor responsável para ser submetida ao ensaio de tipo. 3.20 fator de potência - Símbolo FP(λ): Potência medida na entrada de alimentação do conjunto reator e lâmpada. λ 3.21 lâmpada com alto fator de potência: Lâmpada com fator de potência não inferior a 0,92.
NOTA - O fator de potência leva em consideração a distorção da forma de onda da corrente de alimentação.

3.22 elevação de temperatura da base (∆tS): Elevação da temperatura (acima da ambiente) da superfície de um porta∆ lâmpada padrão de ensaio, montado em uma lâmpada, quando medida de acordo com o método-padrão descrito na NBR IEC 60360. 3.23 parte viva: Parte condutora que pode, em condições normais de uso, provocar choque elétrico. 3.24 temperatura máxima de funcionamento do invólucro da base de uma lâmpada - Símbolo tc: Valor máximo de temperatura admissível na superfície externa do invólucro da base (ou no local indicado, se houver) funcionando em condições normais e alimentada com a tensão nominal ou no limite superior da faixa de tensão nominal e temperatura ambiente para os quais foram especificados. 3.25 eficiência (lm/W): Relação entre o fluxo luminoso nominal e a potência nominal. 4 Prescrições gerais e de ensaio 4.1 As lâmpadas com reator integrado devem ser projetadas e construídas de maneira tal que, em uso normal, funcionem confiavelmente e não apresentem nenhum perigo ao usuário ou ao ambiente. Em geral, a conformidade é verificada pela realização de todos os ensaios especificados. 4.2 Todas as medições, a menos que seja especificado diferentemente, devem ser realizadas em tensão e freqüência nominais, em um ambiente sem correntes de ar, a uma temperatura de 25oC ± 1oC. Se as lâmpadas são marcadas com uma faixa de tensão, a tensão nominal é tomada como a média da faixa de tensão marcada.
NOTA – Para lâmpadas comercializadas para o uso no território brasileiro, as medições devem ser realizadas em tensão de 127 V ou 220 V, e freqüência de 60 Hz.

4.3 As lâmpadas com reator integrado são unidades seladas em fábrica, não sendo passíveis de reparos. Porém, para simular as condições anormais ou de falha (conforme seções 12 e 13), elas podem ser abertas. 5 Identificação 5.1 As seguintes informações devem ser obrigatoriamente marcadas nas lâmpadas, de forma legível e permanente: a) marca de origem (que pode assumir a forma de marca comercial, nome do fabricante ou nome do revendedor responsável); b) tensão ou faixa de tensão nominal (marcada em "V" ou "volts"); c) potência nominal (marcada em “W” ou “watts”);

Cópia não autorizada

4

NBR 14538:2000

d) freqüência nominal de alimentação (marcada em "Hz"); e) fator de potência FP(λ); f) temperatura máxima do invólucro tc em graus Celsius (ºC); g) faixa de temperatura ambiente para o funcionamento satisfatório da lâmpada na tensão nominal declarada (ta) em graus Celsius (ºC); h) corrente ou faixa de corrente nominal (marcada em “A” ou “mA”).
NOTA - Caso o fator de potência seja inferior a 0,95 e tenha característica capacitiva, o seu valor numérico deve ser seguido da letra C. Exemplo: FP (λ) ≥ 0,65C.

5.2 Externamente na embalagem devem ser fornecidas as informações de 5.1, complementadas com as abaixo: a) fluxo luminoso nominal (lm); b) posição de funcionamento, se houver restrições. Caso o fluxo luminoso varie mais do que 5% devido ao posicionamento da lâmpada, deve ser advertido na embalagem; c) para lâmpadas com peso significativamente maior que o daquelas para as quais elas são substitutas, convém que seja dada atenção ao fato de que o aumento de peso pode reduzir a estabilidade mecânica de certas luminárias; d) condições especiais ou restrições que devem ser observadas para o funcionamento da lâmpada, por exemplo, funcionamento em circuitos com graduação do tipo dimmer; e) vida mediana nominal, em horas; f) tempo para atingir 80% do fluxo luminoso nominal: - Exemplo: Fluxo luminoso (80%):____s; g) se o bulbo da lâmpada contém mercúrio metálico (Hg). 5.3 A conformidade é verificada conforme segue: a) presença e legibilidade das identificações, requeridas em 5.1 e 5.2 - por inspeção visual; b) a durabilidade da identificação na lâmpada é verificada pela tentativa de removê-la, friccionando-a levemente com um pedaço de tecido macio umedecido com água, por um período de 15 s e, após secagem, por outro período de 15 s, com um pedaço de tecido macio embebido em benzina. A identificação deve permanecer legível após o ensaio.
NOTA - 0 produto utilizado deve ser: um solvente à base de hexano com um conteúdo máximo de cadeias aromáticas de 0,1 % em volume e de "kauri"-butanol de valor 29; apresentar uma temperatura de ebulição inicial de aproximadamente 65°C; uma temperatura de ebulição 3 final de aproximadamente 69°C e uma densidade de 0,68 g/cm .

6 Intercambiabilidade 6.1 A intercambiabilidade deve ser assegurada pelo uso de calibre de acordo com a NBR IEC 60061-1. 6.2 A conformidade da combinação da base e bulbo é verificada utilizando-se os gabaritos para verificação das dimensões que controlam a intercambiabilidade, de acordo com a tabela 1. Os gabaritos são aqueles mostrados na folha de especificação incluída na IEC 60061-3 6.3 As lâmpadas com reator integrado devem possuir uma massa não superior a 1 kg e não devem transmitir ao portalâmpada um momento fletor superior a 2 N.m. A conformidade é verificada por medição. Tabela 1 - Gabaritos para intercambiabilidade e dimensões das bases das lâmpadas Base da lâmpada Dimensões da base a serem verificadas com o gabarito Dimensões máximas do filete da rosca E27 Diâmetro principal mínimo do filete de rosca da base Realização do contato Folha de especificação o do gabarito n 7006-27B 7006-28A 7006-50

Cópia não autorizada

NBR 14538:2000

5

7 Proteção contra choque elétrico As lâmpadas com reator integrado devem ser construídas de tal modo que, sem qualquer invólucro adicional em forma de luminária, nenhuma parte metálica interna ou parte metálica viva da base da lâmpada seja acessível, quando a lâmpada é instalada no porta-lâmpada de acordo com a IEC 60238. A conformidade é verificada por meio do dedo padrão de ensaio especificado na figura 1, se necessário, com uma força de 10 N. As lâmpadas com bases de rosca Edison devem ser projetadas de tal modo que satisfaçam aos requisitos para inacessibilidade especificados para lâmpadas para uso em iluminação geral (GLS). A conformidade é verificada com o auxílio do gabarito especificado na edição em vigor da folha de especificação 7006-51A, para bases E27, constante na IEC 60061-3. As partes metálicas externas que não sejam as partes condutoras de corrente não devem ser nem tornar-se vivas (verificação conforme o anexo A). Para ensaio, qualquer material móvel condutor deve ser colocado na posição mais desfavorável, sem o uso de ferramenta. A conformidade é verificada por meio dos ensaios de resistência de isolamento e rigidez dielétrica (ver seção 8). As lâmpadas cujos reatores com capacitância total superior a 0,5 µF devem ser projetadas para que a tensão não ultrapasse 50 V 1 min após o seu desligamento da fonte de alimentação quando alimentada a tensão nominal. 8 Resistência de isolamento e rigidez dielétrica após tratamento com umidade A resistência de isolamento e a rigidez dielétrica devem ser adequadas entre as partes metálicas condutoras de corrente e as partes acessíveis da lâmpada. 8.1 Resistência de isolamento A lâmpada deve ser condicionada durante 48 h, em uma cabine contendo ar com umidade relativa entre 91% e 95%. o A temperatura do ar deve ser mantida constante, dentro de uma variação de 1 C, em torno de qualquer valor conveniente o o entre 20 C e 30 C. A resistência de isolamento deve ser medida na cabine úmida com uma tensão elétrica c.c. de aproximadamente 500 V, 1 min após a aplicação da tensão. A resistência de isolamento entre as partes metálicas condutoras de corrente da base e as partes acessíveis da lâmpada (as partes acessíveis constituídas de material isolante são cobertas por um filme metálico) não deve ser inferior a 4 MΩ. 8.2 Rigidez dielétrica Imediatamente após o ensaio de resistência de isolamento, as mesmas partes especificadas em 8.1 devem suportar um ensaio de tensão elétrica, por 1 min, com uma tensão 4 kV c.a., conforme segue: Durante o ensaio, as partes vivas da base são curto-circuitadas. Inicialmente, aplica-se uma tensão não superior à metade da tensão prescrita. Em seguida, a tensão é gradualmente aumentada até atingir o valor pleno. Nenhuma descarga externa ou ruptura deve ocorrer durante o ensaio. As medições devem ser realizadas externamente à cabine úmida e após a retirada das gotas d’agua visíveis.
NOTA - A distância entre o filme e as partes condutoras de corrente não deve ser inferior a 10 mm.

9 Resistência à torção A base deve permanecer firmemente fixada ao bulbo ou àquela parte da lâmpada que é usada para rosquear ou desenroscar a lâmpada, quando submetida ao torque de 3 N.m: O ensaio é realizado por meio dos porta-lâmpada de ensaio mostrados na figura 2 . O torque não deve ser aplicado de forma brusca, mas sim aumentado progressivamente de zero ao valor especificado. No caso de bases não cimentadas, é permitido um movimento relativo entre a base e o bulbo, desde que não exceda 10 . Após o ensaio de resistência mecânica, a amostra deve satisfazer aos requisitos de acessibilidade (ver seção 7). 10 Elevação de temperatura da base A elevação de temperatura da base ∆ts, após o período de estabilização, não deve exceder o valor de 120ºC, quando medida nas condições especificadas na NBR IEC 60360.
NOTA - O valor acima corresponde a uma lâmpada incandescente de 60 W máx. e é destinado a prevenir problemas de aquecimento em luminárias de lâmpadas incandescentes que foram ensaiadas com uma lâmpada para ensaio de aquecimento (HTS), para verificar suas características térmicas.
o

As medições devem ser realizadas à tensão nominal. Se a lâmpada for marcada com uma faixa de tensão, a medição deve ser realizada à tensão média da faixa, desde que os limites da faixa não se afastem em mais de 2,5% da tensão média. Para lâmpadas com uma faixa mais ampla, a medição deve ser feita com o valor mais elevado da faixa.

Cópia não autorizada

6

NBR 14538:2000

11 Resistência ao calor As lâmpadas com reator integrado devem ser suficientemente resistentes ao calor. As partes externas de material isolante, destinadas à proteção contra choque elétrico, e as partes de material isolante com função de manter as partes vivas em posição devem ser suficientemente resistentes ao calor. A conformidade é verificada submetendo-se as partes ao ensaio de pressão de esfera por meio do aparelho mostrado na figura 3. O ensaio é realizado em uma estufa a uma temperatura 25oC ± 5oC acima da temperatura de funcionamento da parte o correspondente, de acordo com a seção 10, com um mínimo de 125 C. A superfície das partes a serem ensaiadas é colocada na posição horizontal e uma esfera de aço de 5 mm de diâmetro é pressionada contra essa superfície com uma força de 20 N. Antes de iniciar o ensaio, a carga de ensaio e os dispositivos de suporte são colocados dentro da estufa por um tempo suficiente para assegurar que eles tenham atingido a temperatura estabilizada de ensaio. A parte a ser ensaiada é colocada na estufa por um período de 10 min, antes da aplicação da carga de ensaio. Se a superfície sob ensaio se curvar, a parte onde a esfera exerce pressão é apoiada. Com esse objetivo, se o ensaio não puder ser realizado na amostra completa, pode-se cortar uma parte conveniente para o ensaio. O corpo-de-prova deve ter pelo menos 2,5 mm de espessura, mas se essa espessura não for disponível no corpo-de-prova, então dois ou mais pedaços são superpostos. Após 1 h, a esfera é removida do corpo-de-prova, que é então imerso, por 10 s, em água fria para resfriamento até a temperatura ambiente, aproximadamente. O diâmetro da marca produzida pela esfera no corpo-de-prova é medido não deve exceder 2 mm.
NOTAS 1 Na eventualidade de superfícies curvas, se a marca for elíptica, é medido o eixo menor. 2 Em caso de dúvida, mede-se a profundidade da marca e calcula-se o diâmetro, utilizando-se a equação: φ=2 p ( 5 − p)

Onde p é a profundidade da marca. 3 O ensaio não é realizado em partes de material cerâmico.

12 Resistência à chama e ignição 12.1 As partes de material isolante que mantêm as partes vivas em posição e as partes externas de material isolante, que fornecem proteção contra choques elétricos são submetidas ao ensaio com fio incandescente conforme a IEC 60695-2-1, tendo-se em conta os detalhes a seguir. - O corpo-de-prova é uma lâmpada completa. Pode ser necessário retirar partes da lâmpada para realizar o ensaio, mas deve-se ter o cuidado de assegurar que as condições de ensaio não sejam significativamente diferentes daquelas que ocorrem em uso normal. - O corpo-de-prova é montado no carrinho e pressionado contra a ponta do fio incandescente, com uma força de 1 N, aplicada no centro da superfície a ser ensaiada, de preferência a 15 mm ou mais da sua borda superior. A penetração do fio incandescente no corpo-de-prova é limitada mecanicamente a 7 mm. Se não for possível realizar o ensaio em um corpo-de-prova conforme descrito acima, porque este possui dimensões muito pequenas, o ensaio é realizado em um corpo-de-prova à parte do mesmo material, constituído de um quadrado de 30 mm de lado e com uma espessura correspondente à menor espessura do corpo-de-prova. - A temperatura da ponta do fio incandescente é 650oC. Após 30 s, o corpo-de-prova é retirado do contato com o fio incandescente. A temperatura do fio incandescente e a corrente de aquecimento são mantidas constantes por 1 min, antes de iniciar-se o ensaio. Deve-se tomar cuidado para garantir que o calor radiante não influencie o corpo-de-prova durante esse período. A temperatura da ponta do fio incandescente é medida por meio de um termopar de fio fino recoberto, construído e calibrado conforme descrito na IEC 60695-2-1. - Qualquer chama ou incandescência no corpo-de-prova deve extinguir-se dentro de 30 s, a partir da remoção do fio incandescente e qualquer gotejamento de material em chamas não deve provocar a ignição de um papel do tipo seda, estendido horizontalmente, a uma distância de 200 mm ± 5 mm abaixo do corpo-de-prova.
NOTA - O ensaio não é realizado em partes de material cerâmico.

Cópia não autorizada

NBR 14538:2000

7

12.2 As partes de material isolante em contato com partes vivas ou partes externas com função de proteção com choques elétricos são submetidas ao ensaio de "chama em forma de agulha", de acordo com a IEC 60695-2-2, observando-se as seguintes condições: - a amostra para ensaio é constituída de uma única lâmpada completa;
NOTA - Caso seja necessária a remoção de partes da lâmpada para realização do ensaio, deve-se assegurar que as condições de ensaio não se desviem significativamente das condições normais de uso.

- a chama de ensaio é aplicada no centro da superfície a ser ensaiada durante 10 s; - qualquer chama auto-sustentável deve extinguir-se 30s após a retirada da chama de ensaio. As fagulhas produzidas 2 2 não devem incendiar um conjunto de cinco camadas de papel com gramatura entre 12 g/m e 25 g/m , dispostas horizontalmente sob a lâmpada e estendendo-se 200 mm ± 5 mm além das superfícies externas do mesmo. As placas de circuito impresso devem ser ensaiadas de acordo com a 4.3 da IEC 60249-1:1982. 13 Condições de falha As lâmpadas não devem prejudicar a segurança, quando operadas em condições de falha. As condições de falha seguintes são aplicadas, uma de cada vez, assim como qualquer outra condição de falha associada a elas que possa resultar como conseqüência lógica. Somente um componente por vez é submetido a uma condição de falha: a) em um circuito acionado por starter, este está curto-circuitado; b) a lâmpada não acende, porque um dos catodos está quebrado; c) a lâmpada não acende, embora os circuitos dos catodos estejam intactos (lâmpada desativada); d) a lâmpada funciona, mas um dos catodos está desativado ou quebrado (efeito de retificação); e) o conjunto lâmpada mais reator deve ser alimentado com o dobro da sua tensão de alimentação nominal. O fabricante ou vendedor responsável deve submeter uma lâmpada especialmente preparada com a condição de falha correspondente e, se possível, de modo tal que a falha seja introduzida acionando-se uma chave exterior à lâmpada. Os fabricantes ou vendedores responsáveis devem apresentar evidências, por exemplo, demonstrando a conformidade com a especificação correspondente, de que os componentes comportam-se de maneira tal que a segurança não seja prejudicada. No caso da condição de falha a), a conformidade é verificada fazendo-se o corpo-de-prova funcionar em ambiente livre de corrente de ar, à temperatura ambiente e com uma tensão entre 90% e 110% da tensão nominal ou, no caso de uma faixa de tensão, com uma tensão entre 90% e 110% da tensão média da faixa, até que sejam atingidas condições estáveis, e introduzindo-se em seguida a condição de falha. Nos casos das condições de falha b), c) ou d), aplicam-se as mesmas condições de funcionamento, mas a condição de falha é introduzida no início do ensaio. A amostra é em seguida ensaiada por um intervalo suplementar de 1 h. Durante este ensaio, a amostra pode apresentar falha, desde que esta não comprometa a segurança, bem como não pode emitir chamas ou material em fusão ou produzir gases a inflamáveis durante e ao final dos ensaios. A verificação da emissão de chama ou de materiais fundidos que possam se constituir em uma ameaça à segurança é realizada, envolvendo-se a amostra ensaiada em cinco camadas de papel com gramatura entre 12 g/m2 e 25 g/m2. O papel não deve entrar em combustão. Para verificar se os gases liberados pelas partes componentes são inflamáveis ou não, é feito um ensaio com gerador de centelha de alta freqüência. Para verificar se partes acessíveis se tornaram vivas, é feito um ensaio de acordo com a seção 7. A resistência de isolamento é verificada com uma tensão c.c. de aproximadamente 1 000 V.

Cópia não autorizada

8

NBR 14538:2000

Dimensões em milímetros

Tolerâncias para as dimensões sem indicação de tolerância: para ângulos: 0/-10' para dimensões lineares: até 25 mm: 0/-0,05 mm acima de 25 mm: ± 0,2 mm Material do dedo: por exemplo, aço temperado. Ambas as articulações devem permitir o movimento angular de 90 , com uma tolerância de 0 a +10 , mas em uma só e mesma direção. A utilização da solução pino-ranhura é apenas uma das possíveis alternativas para limitar em 90 o ângulo de dobramento. Por essa razão, as dimensões e tolerâncias para esses detalhes não são dadas neste desenho. O projeto efetivo deve assegurar um ângulo de o o dobramento de 90 com uma tolerância de 0 a +10 .
o o o

Figura 1 - Dedo padrão de ensaio

Cópia não autorizada

NBR 14538:2000

9

Dimensões em milímetros
O desenho destina-se somente a indicar as dimensões essenciais do porta-lâmpada.

Dimensão C K O S

E27 32,0 11,0 23,0 12,0

Tolerância Mín. ± 0,3 ± 0,1 Mín.

O filete deve estar de acordo com os filetes dos porta-lâmpadas da IEC 60061-2.

Figura 2 - Porta-lâmpada para ensaio de torção em lâmpadas com bases rosqueadas

Figura 3 - Aparelho para ensaio de pressão de esfera

_________________

/ANEXO A

Cópia não autorizada

10

NBR 14538:2000

Anexo A (normativo) Ensaio para se determinar quando uma parte condutora é uma parte viva que pode provocar choque elétrico Para verificar se uma parte condutora é uma parte viva que pode provocar choque elétrico, os seguintes ensaios devem ser executados com a lâmpada funcionando à tensão e freqüência nominais: A.1 Medição da corrente que circula entre a parte em questão e a terra, utilizando-se um circuito de medição que apresenta uma resistência não indutiva de 2 000 Ω ± 50 Ω A parte em questão é considerada uma parte viva se a corrente medida ultrapassar 0,7 mA (valor de pico) ou 2 mA (valor c.c.). Para freqüências superiores a 1 kHz, o limite de 0,7 mA deve ser multiplicado pelo valor da freqüência em quilohertz e o resultado não pode exceder 70 mA (valor de pico). A.2 Medição da tensão entre a parte considerada e qualquer parte metálica acessível, utilizando-se um circuito de medição que apresenta uma resistência não indutiva de 50 000 Ω A parte em questão é considerada uma parte viva se a tensão medida ultrapassar 34 V (valor de pico). Neste ensaio um dos pólos da fonte de alimentação deve estar conectado ao potencial de terra.

_________________

/ANEXO B

Cópia não autorizada

NBR 14538:2000

11

Anexo B (informativo) Medição de corrente de fuga em alta freqüência B.1 A corrente de fuga devido ao contato com o bulbo das lâmpadas fluorescentes, funcionando em alta freqüência e alimentadas por reatores eletrônicos, não deve exceder os valores eficazes indicados na figura B.1, os quais devem ser medidos de acordo com B.2. Os limites de corrente de fuga para freqüências que diferem da faixa entre 20 kHz e 50 kHz indicados figura B.1 devem ser obtidos por uma fórmula, cuja elaboração encontra-se em estudo. B.2 Para a medição da corrente fuga capacitiva de alta freqüência em lâmpada fluorescente com reator integrado, deve ser adotado o seguinte procedimento: O tubo de vidro de uma das lâmpadas, que no caso deve ser aquela que fornece o maior valor de corrente de fuga, deve ser envolvido com uma folha metálica de 75 mm de largura, conectada a um resistor não indutivo de 2 000 Ω, ao qual deve ser conectado um equipamento de medição adequado. A corrente de fuga, ou seja, a corrente de alta freqüência que flui da folha metálica através resistor de 2 000 Ω ± 50 Ω para a terra, deve ser medida simulando-se a condição de funcionamento indicada na figura B.2. I (m A )
20 kHz 35 kHz 50 kHz 500

375

250

1 01

2

3

4

5 6 7 8 9 1 02

2

3

4

5 6 7 8 9 1 03

2 x1 0 3

125 85 60 35 0

T e m p o (m s ) Figura B.1 - Limites para valores eficazes de corrente de fuga capacitiva em lâmpadas fluorescentes tubulares funcionando em alta freqüência

Lâmpada alimentada com tensão nominal

75 mm

Folha metálica

2 000 Ω Resistor não indutivo

Figura B.2 - Circuito de ensaio para a medição da corrente de fuga em alta freqüência

_________________

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->