Você está na página 1de 3

Lições em Romanos (4)_13.

8-14
Texto Almeida Revista e Corrigida
(Sub-divisão NIBB- Nova Versão Impressa Bíblica Brasileira)

v.8 - A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos
outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei.
1. Se no verso v.7 a sentença é pagarmos a todos o que lhe é devido, aqui no v.8,
Paulo volta a ratificar a nossa postura em outras palavras: “A ninguém fiqueis
devendo coisa alguma”.
2. Mas parece sugerir que há uma conta impagável: “Exceto o amor com que vos
ameis uns aos outros”.
3. Ninguém chega ao outro e diz: Amei você até ontem, agora não devo mais nada.
Os relacionamentos pessoais são marcados pelo amor praticado de modo constante.
Os discípulos foram ensinados por Jesus a amarem os seus inimigos. Em que
momento os discípulos deixaram de ter inimigos? Fosse o Estado ou os inimigos
naturais da fé, os discípulos tinham que demonstrar amor sempre. Por extensão, já
que adotamos como crentes a Bíblia como regra de fé e pratica, o imperativo
paulino é para nós também.
4. Os preceitos da Lei não são abolidos na prática cristã, isto é, os mandamentos estão
resumidos no fato de amarmos a Deus e ao próximo. (Mateus 22.34-40).

v.9 - Pois isto: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e, se há qualquer
outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
1. Aqui, Paulo explicita a extensão do amor ao próximo. Lamentavelmente, o que
mais vemos em nossos dias é a falta de cumprimento desses mandamentos
bíblicos.
2. A tônica do amor ao próximo como amor a nós mesmos, se dá pelo fato, de não
querermos que os outros façam estas coisas contra nós.

1
v.10 - O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o
amor.
1. Se a Lei é expressa no cuidado com o próximo, Paulo entende que, por amarmos, a
nossa tendência será sempre a prática do bem em relação aos que nos rodeiam.
2. Escrevendo aos crentes de Corinto (1 Cor 13), o apóstolo ressalta a superioridade
do amor.
3. Resumidamente: Quem ama não tem dificuldade em cumprir os mandamentos
relacionais contidos na Lei.

v.11 - E digo isto a vós outros que conheceis o tempo: já é hora de vos despertardes do
sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos.
1. “Conheceis o tempo”. De difícil interpretação, podemos pensar algumas coisas a
respeito do tempo referido pelo apóstolo:
• Kairós, como temos aprendido, refere-se ao tempo (ocasião) ligado aos
acontecimentos estabelecidos por Deus (aliás, todos são!). Assim, como
podiam aqueles crentes conhecer tal tempo?
• Os gentios, crentes de Roma, eram participantes diretos desse kairós
divino; o evangelho havia chegado até eles.

2. Por conhecerem o tempo, os crentes devem ficar vigilantes. Há muitos que estão
dormindo; não acreditam que haverá o chamado ‘até o fim dos séculos’. Como diz
Paulo: “A nossa salvação está, agora, mais perto”. A cada dia, o fim dos tempos
está mais próximo.

v.12 - Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e
revistamo-nos das armas da luz.
1. A noite muitas vezes na história é retratada como um período de dificuldades. Mas
as trevas são também, um tempo de desconhecimento de Deus. Alguns crentes
chamam o tempo que não tinham Cristo de tempo de trevas.
2. Parece que havia entre os crentes em Roma, aqueles que, mesmo convertidos,
continuavam a viver sob as inclinações da carne. Paulo trata das práticas da carne
no próximo versículo.

2
3. Não era questão de só deixar de fazer algo (‘as obras das trevas’), mas de começar
a fazer outras (‘revistamo-nos das armas da luz’). Há muita gente que diz que não
faz mal a ninguém, mas se formos verificar, elas também não se dispõem a fazer o
bem.

v.13 - Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, não em
impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes;
1. O andar cristão deve ser o mesmo em qualquer situação. O apelo é que o crente
ande de modo decente e honesto em todo tempo e circunstância.
2. Paulo faz a lista daquilo que devemos, a todo custo, não fazer:
• orgias (komos). (Aurélio: festim licencioso, bacanal). Na Mitologia Grega,
Komos era o deus de festividades e folia. Tudo muito parecido com o que
vemos no carnaval. As orgias eram também, práticas em rituais religiosos.
• Bebedeiras: Noitadas e outras.
• Impudicícias (koite). Imoralidade sexual e depravação (NIBB). Pecados
relacionados ao sexo.
• Contendas: Disputas entre pessoas; Litígios; Discórdias.
• Ciúmes (Inveja NIBB): Espécie de zelo desmedido por pessoas ou coisas.
Muitas tragédias são causadas por causa do ciúme.

v.14 - mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e nada disponhais para a carne no tocante às
suas concupiscências.
1. O crente recebe uma nova vida, o revestimento de Cristo. Não que Paulo duvidasse
da conversão dos crentes em Roma; mas, se eles mesmos não conseguiam dar um
bom testemunho, o melhor era fazer o que ele ensinou aos Coríntios: “Examine-se
cada um a si mesmo”.
2. “Nada disponhais”. O grego traz o verbo poieo, que tem o sentido de fazer. A
sentença ficaria: “Nada façais para a carne”. Não devemos atender ao apelo da
carne quanto aos seus desejos (Ver Gl 5.19-21).

Pr. Eli da Rocha Silva – 11/02/2009


Igreja Batista em Jardim Helena –Itaquera – S.Paulo - SP