Você está na página 1de 32
Colégio Salesiano Sagrado Coração Aluna(o): Nº: Turma: 2º ano Recife, de de 2012 Disciplina:

Colégio Salesiano Sagrado Coração

Aluna(o):

Nº:

Turma: 2º ano

Recife,

de

de 2012

Disciplina: Físicoquímica

Professor: Eber Barbosa

Equilíbrio Iônicos pH e pOH

]

Quando um sistema em equilíbrio químico é constituído por íons em solução, será denominado equilíbrio iônico. Assim como ocorre com os equilíbrios moleculares, os equilíbrios iônicos também podem ser estudados através de suas constantes de equilíbrio. Dessa forma abriremos esse capítulo estudando as constantes de equilíbrio dos sistemas ácidos e básicos.

01 Constante de Acidez (K a )

H 2 O

  H + +
 

H

+

+

H

2 O

  H + +
 

H +

+

HCN

+

H 2 O

K

K

 

[ H + ]

.

[ A ]

A

=

 

[ HA ]

 

[ H + ]

.

[ CN ]

A

=

[ HCN ]

+

CN

K A

=

HA

Exemplo: HCN

ou, ainda

A

CN

[ H 3 O + ]

.

[ CN ]

H 3 O +

[ HCN ]

Observações importantes: 1ª ) Meios ácidos são caracterizados pela presença do cátion H + (aq)
Observações importantes:
1ª )
Meios ácidos são caracterizados pela presença do cátion H + (aq) . Quanto maior é a concentração de H + (aq) , maior é a
acidez do sistema.
2ª )
Quanto maior é a constante de acidez, menos fraco (mais forte) é o ácido.
3ª )
Ácidos fortes (grau de ionização, α, da ordem de 100%) não apresentam constante de acidez, ou seja, Ka é definido
apenas para ácidos fracos.
Relações Importantes:
A concentração de H + de uma solução de um monoácido pode ser determinada pela expressão:
[ H + ]
=
[ Ácido ] . 
A constante de acidez para monoácidos muito fracos pode ser determinada pela expressão:
K A
=
[ Ácido ] .  2
Lei
da diluição de Ostwald
Exemplo 1 : Determine Ka para uma solução aquosa 0,40 molar de certo monoácido HA 2,0% ionizado.
HA
H +
+
A –
α = 0,02
Início
0,4 M
0,0
0,0
– 0,008 M
+ 0,008 M
+ 0,008 M
[ H + ]
.
[ A – ]
[ 8 . 10 –3 ]
.
[ 8 . 10 –3 ]
=
1,6 . 10 –4
Fim
0,392 M
0,008 M
0,008 M
K A
=
=
K A
[ HA ]
[ 4 . 10 –1 ]
OU PELA FÓRMULA:
K A
=
[ Ácido ] .  2
K A
=
4 . 10 –1
.
(2 . 10 –2 ) 2
K A
=
4 . 10 –1
.
4 . 10 –4
K A
=
16 . 10 –1 . 10 –4
Equilíbrios Iônicos – pH e pOH
1
02 – Constante de Basicidade (K b ) Exemplo: BOH NH 4 OH H 2

02 Constante de Basicidade (K b )

Exemplo:

BOH

NH 4 OH

H

2 O

de Basicidade (K b ) Exemplo: BOH NH 4 OH H 2 O H 2 O

H

2 O

(K b ) Exemplo: BOH NH 4 OH H 2 O H 2 O B +

B +

+

OH

K B

NH 4 +

+

OH

K B

[ B + ] . [ OH ]

=

[ BOH ]

[ NH 4 + ] . [ OH ]

=

[ NH 4 OH ]

[ BOH ] [ NH 4 + ] . [ OH – ] = [ NH

Observações importantes:[ BOH ] [ NH 4 + ] . [ OH – ] = [ NH

1ª ) Meios básicos são caracterizados pela presença do ânion OH – (aq) . Quanto
1ª )
Meios básicos são caracterizados pela presença do ânion OH – (aq) . Quanto maior é a concentração do ânion OH – (aq) ,
maior é a basicidade do sistema.
2ª )
Quanto maior é a constante de basicidade, mais forte é a base.
3ª )
Bases fortes (grau de ionização, α, da ordem de 100%) não apresentam constante de basicidade, ou seja, K b é
definido apenas para bases fracas.
Relações Importantes:
A concentração de OH – (aq) de uma solução de uma monobase pode ser determinada pela expressão:
[ OH – ]
=
[ Base ] . 
A constante de basicidade para monobases muito fracas pode ser determinada pela expressão:
K B
=
[ Base ] .  2
Lei
da diluição de Ostwald
Conclusões:
1ª )
Alguns ácidos como por exemplo HCℓ, HBr, HI, HNO 3 , H 2 SO 4 e HCℓO 4 não apresentam constante de acidez porque
são ácidos fortes (grau de ionização tendendo a 100%) .
2ª )
As bases de elementos da 1A e 2A não apresentam constante de basicidade por serem bases fortes.
3ª )
Considerando que a [ H + ] caracteriza acidez e [ OH – ] determina a basicidade, podemos afirmar que
[
H + ]
>
[ OH – ]
meio ácido
[
H + ]
<
[ OH – ]
meio básico
[
H + ]
=
[ OH – ]
meio neutro
03 – pK a e pK b
Outra forma de expressar a intensidade do caráter ácido/básico das soluções consiste na análise dos valores
de pK a ou pK b .
pK a = – log K a
pK b = – log K b
Exemplo: Considere os ácidos HX e HY cujas constantes de acidez são respectivamente 10 –4 e 10 –7 . Analise a força desses
ácidos em função dos seus valores de pK a .
Ácido
K a e seu significado
pK a = – log Ka
HX
K a = 10 –4 : K a maior = maior acidez
pK a = 4 : pK a menor = maior acidez
HY
K a = 10 –7 : K a menor = menor acidez
pK a = 7 : pK a maior = menor acidez
Conclusões:
Maior acidez

Menor acidez

Maior K a Menor K a

Menor pK a Maior pK a

Importante: A mesma análise aplica-se à medida da intensidade do caráter básico através do K b e do pK b .

2
2

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

04 – Constante da Auto – Ionização da Água (K W ) Considere a fórmula

04 Constante da AutoIonização da Água (K W )

Considere a fórmula da água

(H 2 O) = HOH.

W ) Considere a fórmula da água (H 2 O) = HOH . Na verdade a

Na verdade a própria água também sofre um processo de ionização (ou auto-ionização) que pode ser descrito pela seguinte equação

H 2 O

HOH H + + OH – pelo qual observamos que, na água pura, as X
HOH
H +
+
OH –
pelo
qual observamos que, na água pura, as
X molar
X molar
concentrações de H + e OH – são iguais, justificando porque
a água pura é um exemplo de meio neutro, pois a acidez
do H + (aq) é eliminada pela basicidade do OH – (aq) .
Este fenômeno apresenta uma constante de equilíbrio dada por K W
H
2 O
HOH
H +
+
OH –
K W
=
[ H + ] . [ OH – ]
H 2 O
Ou ainda
HOH
+
HOH
H 3 O +
+
OH –
Constante de auto-ionização da água ou
Constante de equilíbrio iônico da água.
K W
=
[ H 3 O + ] . [ OH – ]
Importante: Na água pura, a 25 o C e 1atm, temos:
K W = 10 –14 ou seja
[ H + ] . [ OH – ]
= 10 –14
–14
X
.
X
=
10
2
–14
X
=
10
X =
10 –7 molar
[
H + ]
=
10 –7 M
Água pura nas condições padrão
[ H + ]
=
[ OH – ]
[
OH – ]
=
10 –7 M
Conclusões:
Meio
[ H+ ]
[ OH – ]
Ácido
> 10 –7 M
< 10 –7 M
Neutro
= 10 –7 M
= 10 –7 M
Básico
< 10 –7 M
> 10 –7 M
Exemplo: Compare a intensidade da acidez ou basicidade dos sistemas abaixo
[
H + ] =
10 –2
[
H + ] =
10 –5
[
H + ] =
10 –7
[
H + ] =
10 –9
[
H + ] = 10 –12
[
OH – ] = 10 –12
[
OH – ] = 10 –9
[
OH – ] = 10 –7
[
OH – ] = 10 –5
[
OH – ] = 10 –2
[ H + ]
[
H + ]
>> [ OH – ]
[ H + ]
> [ OH – ]
Ácido
= [ OH – ]
Neutro
[ H + ]
Mais ácido
< [ OH – ]
básico
[ H + ]
<< [ OH – ]
Mais básico
Comentários
Adicionais

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

3
3
05 – Escalas de pH e pOH São escalas que facilitam a medida do grau

05 Escalas de pH e pOH

05 – Escalas de pH e pOH São escalas que facilitam a medida do grau de

São escalas que facilitam a medida do grau de acidez ou basicidade das soluções. Essas escalas constituem a contribuição de Sorensens para o estudo da acidez e basicidade dos sistemas.

para o estudo da acidez e basicidade dos sistemas. 5.A – Potencial Hidrogeniônico (pH) Escala de

5.A Potencial Hidrogeniônico (pH)

Escala de pH

pH

=

log [ H + ]

0

(pH) Escala de pH pH = – log [ H + ] 0 7 14 mais

7

(pH) Escala de pH pH = – log [ H + ] 0 7 14 mais

14

mais ácido neutro mais básico Observação: Quanto maior a [ H + ], mais ácido
mais ácido
neutro
mais básico
Observação: Quanto maior a [ H + ], mais ácido será o meio e menor o valor do pH.
5.B – Potencial Hidroxiliônico (pOH)
Escala de pOH
pOH
=
– log [ OH – ]
14
7
0
mais ácido
neutro
mais básico
Observação: Quanto maior a [OH – ], mais básico será o meio e menor o valor do pOH.
Relações Importantes à 25 o C:
10 –14
10 –14
[ H + ] . [ OH – ]
=
pH
+
pOH
=
14
K A . K B
=
Para sistemas ácido/base
conjugados
Exemplo para análise à 25 o C:
Mais ácido
Ácido
Neutro
Básico
Mais básico
10 –12
[
H + ] =
10 –5
[
H + ] =
10 –7
[
H + ] =
10 –9
[
H + ] =
[
H + ] =
10 –2
[
OH – ] = 10 –12
[
OH – ] = 10 –9
[
OH – ] = 10 –7
[
OH – ] = 10 –5
[
OH – ] = 10 –2
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –2
pH = 2
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –5
pH = 5
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –7
pH = 7
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –9
pH = 9
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –12
pH = 12
pOH = – log [OH – ]
pOH = – log 10 –12
pOH = 12
pOH = – log [OH – ]
pOH = – log 10 –9
pOH = 9
pOH = – log [OH – ]
pOH = – log 10 –7
pOH = 7
pOH = – log [OH – ]
pOH = – log 10 –7
pOH = 5
pOH = – log [OH – ]
pOH = – log 10 –2
pOH = 2
Não esqueça:
O pH de um sistema neutro só é igual a 7 em 25 o C, onde K W = 10 –14 . Em outra temperatura
qualquer com um valor qualquer de K W , o pH do meio neutro logicamente será ≠ 7.
4
4

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

06 – Análise de Textos Texto 1 : Deduza o formato da escala de pH

06 Análise de Textos

06 – Análise de Textos Texto 1 : Deduza o formato da escala de pH considerando

Texto 1 :

Deduza o formato da escala de pH considerando que a uma temperatura T qualquer a constante de auto- ionização da água seja de 10 15 .

[ H + ] . [ OH – ] = K W [ H +
[
H + ] . [ OH – ]
=
K W
[
H + ]
= 10 –7,5 M
[
H + ] . [ OH – ]
= 10 –15
X
.
X
= 10 –15
X 2
= 10 –15
X = 10 –7,5 molar
Escala de pH
10 –7,5 M
[
OH - ] =
com K w = 10 –15
0
7,5
15
mais ácido
neutro
mais básico
Texto 2 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HCℓ 0,0001 mol/L.
[H + ] = 10 –4 mol/L e
consequentemente
+
HCℓ (aq)
H + (aq)
Cℓ – (aq)
10 –4 mol/L
10 –4 mol/L
10 –4 mol/L
[OH – ] = 10 –10 mol/L originado da água
pH = – log [ H + ]
pH = – log 10 –4
pH = 4 e consequentemente pOH = 10
Considerando que a água produz
[H + ] = [OH – ]
[H + ] = 10 –10 mol/L
[OH – ] = 10 –10 mol/L
originado da água
originado da água
Texto 3 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de NaOH 0,00001 mol/L.
[OH – ] = 10 –5 mol/L e consequentemente
NaOH (aq)
+
OH –
Na + (aq)
10 –5 mol/L
10 –5 mol/L
10 –5 mol/L
[H + ] = 10 –9 mol/L originado da água
pOH = – log [ OH – ]
pOH = – log 10 –5
pOH = 5 e consequentemente pH = 9
Considerando que a água produz
[H + ] = [OH – ]
[H + ] = 10 –9 mol/L
[OH – ] = 10 –9 mol/L
originado da água
originado da água
Grau de ionização = % de moléculas que
se ionizaram.
Texto 4 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HA 0,05 mol/L, 2% ionizado.
+
HA (aq)
H + (aq)
A – (aq)
α = 0,02
5.10 –2 mol/L
0 mol/L
0 mol/L
[H + + = * ácido + . α
– 0,01.10 –2 mol/L
+ 0,01.10 –2 mol/L
+ 0,01.10 –2 mol/L
[H + ] =
5 . 10 –2 . 0,02
4,99.10 –2 mol/L
0,01.10 –2 mol/L
0,01.10 –2 mol/L
[H + ] =
10 –4
[H + ] = 10 –4 mol/L
pH = – log 10 –4
pH = 4
pH = – log 10 –4
pH = 4

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

5
5
Texto 5 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HA
Texto 5 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HA

Texto 5 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HA 0,05 mol/L, considerando sua constante de ionização igual a 8 . 10 7 . (Dado log 2 = 0,3)

HA (aq)

H + (aq)

+

A (aq)

5.10 2 mol/L

0 mol/L

0 mol/L

X mol/L

+ X mol/L

+ X mol/L

(5.10 2 X) mol/L

X mol/L

X mol/L

K A = [Ácido] . α 2 [H + ] = [ ácido ] .
K A
= [Ácido] . α 2
[H + ] = [ ácido ] . α
8.10 –7 = 5.10 –2 . α 2
[H + ] =
5 . 10 –2 . 0,004
α = 4.10 –3
[H + ] = 2.10 –4
pH = – log 2 . 10 –4
pH = 3,7
X 2 = 4 . 10 –8 [ X ] . [ X ] [
X 2
=
4 .
10 –8
[ X ]
.
[ X ]
[ H + ]
.
[ A – ]
8 . 10 –7
=
=
K A
X = 2 .
10 –4
ou seja
[H + ] = 2 . 10 –4 mol/L
[ HA ]
[ 5.10 –2
]
pH = – log 2 . 10 –4
=
– (log 2
+ log 10 –3 )
pH = 3,7
Texto 6 : Determine o pH e o pOH de uma solução aquosa de HX 0,00000001 mol/L, 100% ionizado.
07 – Revisão de Logarítimo
Definição de logarítmo:
Log b 10 a
=
x
b x
=
a
Para
teremos
Propriedades:
Log 10 a = a
log a b = b . log a
log a . b = log a
+
log b
Exemplo: dados log 2 = 0,3 e log 3 = 0,47, determine
a)
log 10 3 =
3
b)
log 10 –4 = –4
c)
– log 10 –5 =
5
d)
log 8
e)
log 6
f)
log 48
log 2 3
=
3 . log 2
log 2 . 3
=
log 2
+
log 3
log 6 . 8
=
log 6 . 2 3
=
log
3 . 2 . 2 3
=
3 . 0,3
=
0,9
=
0,3
+
0,47 = 0,77
log 3 . 2 4
=
log 3
+
log 2 4
=
log 3
+
4 . log 2
=
0,47
+
4 . 0,3
=
1,67
g)
log 2 . 10 –5
h)
– log 8 . 10 –3
i)
log 1,2 . 10 –6
log 2
– ( log 2 3
+
log 10 –3 )
log 2
– ( 3 . log 2
+
0,3
– 5 . 1
+ log 10 –5
+ ( –5 ) . log 10
=
log 10 –3 )
– 4,7
– ( 3 . 0,3
– 3 )
=
( –2,1 )
=
2,1
6
6

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

Testes de Vestibulares 01 – (UPE – 2000) O excesso de alcalinidade no sangue é
Testes de Vestibulares 01 – (UPE – 2000) O excesso de alcalinidade no sangue é

Testes de

Vestibulares

Testes de Vestibulares 01 – (UPE – 2000) O excesso de alcalinidade no sangue é chamado

01 (UPE 2000) O excesso de alcalinidade no sangue é chamado de "alcalose", causando ao organismo humano consequências drásticas. Para evitar a "alcalose", recomenda-se ao paciente que:

a) tome bastante água açucarada para elevar a taxa de glicose no sangue, tendo em vista suas propriedades acentuadamente ácidas;

b) respire rápida e profundamente, a fim de oxigenar com mais vigor as células cerebrais, aumentando com isso a concentração de monóxido de carbono que favorece as sinapses neuronais;

c) respire com a boca em um saco fechado, de modo a aumentar a concentração
c) respire com a boca em um saco fechado, de modo a aumentar a concentração de bióxido de carbono no
organismo;
d) fique em repouso absoluto, ingerindo em intervalos regulares pequenas quantidades de bicarbonato de sódio em
solução, de modo a manter o pH do sangue sempre acima de 7;
e) suspenda a respiração por aproximadamente 5 minutos, até que o pH do sangue se normalize, atingindo o seu
valor ótimo, de modo que os processos bioquímicos vitais sejam preservados.
02 – (UFPE – 1 a fase/2005) Analisando a tabela a seguir, com valores de constantes de basicidade, K b , a 25C para diversas
bases, podemos afirmar que:
Base
K b
Dimetilamina, (CH 3 ) 2 NH
Amônia, NH 3
Hidróxido de zinco, Zn(OH) 2
Piridina, C 5 H 5 N
Anilina, C 6 H 5 NH 2
5,4 x 10 -4
1,8 x 10 -5
1,2 x 10 -7
1,8 x 10 -9
4,3 x 10 -10
a) A amônia é uma base mais fraca que o hidróxido de zinco.
b) A anilina é a base mais forte.
c) A piridina e a amônia têm a mesma força básica.
d) A dimetilamina é a base mais forte.
e) A anilina é mais básica que a piridina.
03 – (UFPE – 1 a fase/2004) Sabendo-se que, a 25 o C, o cafezinho tem pH 5,0, o suco de tomate apresenta pH 4,2, a água
sanitária pH 11,5 e o leite, pH 6,4, pode-se afirmar que, nesta temperatura:
a) o cafezinho e a água sanitária apresentam propriedades básicas.
b) o cafezinho e o leite apresentam propriedades básicas.
c) a água sanitária apresenta propriedades básicas.
d) o suco de tomate e a água sanitária apresentam propriedades ácidas.
e) apenas o suco de tomate apresenta propriedades ácidas.
04 – (UFPE – 1 a fase/97) Relacione os itens abaixo com os conceitos ácido, básico e neutro.
1)
Uma coca-cola tem pH igual a 3
2)
Um tablete de um anti-ácido dissolvido num copo d’água tem *OH - ] = 10 -5 M
3)
Uma xícara de chá tem [H + ] = 10 -5 M
4)
Uma solução que tem
[H + ]
=
[OH - ]
a)
1 - básico, 2 - básico, 3 - ácido, 4 – neutro
d)
b)
1 - ácido, 2 - básico, 3 - neutro, 4 – neutro
e)
1 - ácido, 2 - neutro, 3 - básico, 4 - básico
1 - ácido, 2 - básico, 3 - ácido, 4 - neutro
c)
1 - neutro, 2 - ácido, 3 - básico, 4 - ácido

05 (UFPE 2 a fase/1990) Uma solução HCℓ de concentração 10 2 mol/l foi diluída mil vezes com água destilada. Qual o pH da solução após diluição?

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

7
7
06
06
06 – (UPE – Quí. I/2004) Na tabela, há alguns sistemas aquosos com os respectivos valores

(UPE Quí. I/2004) Na tabela, há alguns sistemas aquosos com os respectivos valores aproximados de pH, a 25ºC.

Material

pH

Vinagre

3,0

Saliva

8,0

Limpa-forno

13,0

Água do mar

9,0

Suco gástrico

1,0

Considerando os sistemas aquosos da tabela, é correto afirmar que

a)

o vinagre é três vezes mais ácido que o suco gástrico.

b) no vinagre, a concentração de íons H 3 O 1+ é cem mil vezes
b) no vinagre, a concentração de íons H 3 O 1+ é cem mil vezes maior que a da saliva.
c) a água do mar é menos alcalina que a saliva e mais ácida que o vinagre.
d) o sistema aquoso “limpa-forno” é o que contém o menor número de mols de oxidrila por litro.
e) o suco gástrico constitui um sistema aquoso fracamente ácido.
07 – (UFPE – 1 a fase/92) Coloque, em ordem crescente de pH, as espécies abaixo:
I) Leite
de magnésia
III)
II) Suco de limão
IV)
Água de chuva
Soda cáustica
Assinale, entre as alternativas abaixo, a que corresponde corretamente à questão.
a) II – III – I – IV
b) III – II – IV – I
c) IV – I – III – II
d) II – III – IV – I
e) I – IV – III – II
08 – (UFPE – 1 a fase/93) A concentração hidrogeniônica do suco de limão puro é 10 –3 M. Qual o pH de um refresco
preparado com 20 m de suco de limão e água suficiente para completar 200 m ?
a) 2,5
b) 3,0
c) 3,5
d) 4,0
e) 4,5
09 – (UFPE – 1 a fase/94) Qual a variação no pH de uma solução 1M de HC que sofreu uma diluição 1/1000?
a) 1000
b) 3
c) 1
d) 1,5
e) 0,001
10 – (UFPE – 1 a fase/98) Quando abrimos uma garrafa de refrigerante observamos que seu conteúdo começa, com o
tempo, a sofrer um processo de deterioração. Do ponto de vista químico, podemos afirmar que ocorrem as seguintes
modificações:
a) [ O 2 ] decresce e pH decresce.
c)
b) [ CO 2 ] decresce e pH decresce.
d)
[ O 2 ] aumenta e pH decresce.
[CO 2 ] decresce e pH aumenta.
e) [ CO 2 ] aumenta e pH decresce.
11 – (Faculdades Integradas do Recife – FIR/2002) Carbonato de potássio é dissolvido, quando colocado em água, a 25 o C:
+
+
+
X
K 2 CO 3(s)
H 2 O ()
HCO 3 – (aq)
2 K + (aq)
X e o pH da solução resultante devem ser, respectivamente,
a) CO 2 e maior que 7;
b)
H + e igual a 7;
c)
CO 2 e igual a 7;
d) OH – (aq) e igual a 7;
e) OH – (aq) e maior que 7.
12 – (UFPE – 1 a fase/98) O pH médio de uma limonada está em torno de 3. Quantos mols de H 3 O + são ingeridos quando se
bebe um copo (250 mL) de limonada ?
a) 1,2 x 10 –3
b) 5,0 x 10 –3
c) 1,0 x 10 –4
d) 2,5 x 10 –4
e)
1,2 x 10 –5
13 – (UFPE – 2 a fase/98) Quantos gramas de NaOH devem ser adicionados a um tanque contendo 2.000 litros de água com

pH = 3, para neutralizar a acidez ?

(Dados: Na = 23 u; H = 1 u; O = 16 u)

8
8

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

14
14
14 – (UFRPE – Garanhuns e Serra Talhada/2008.2) As leis de proteção ambiental de certas cidades

(UFRPE Garanhuns e Serra Talhada/2008.2) As leis de proteção ambiental de certas cidades não permitem o lançamento em rios, entre outros, de efluentes com pH inferior a 5,0 ou superior a 9,0. Com relação à acidez, os efluentes aquosos das indústrias X, Y e Z apresentam concentrações mostradas na tabela abaixo:

Indústria

Concentração no efluente

X

10 3 mol/L de H 3 O +

Y

10 4 mol/L de H 3 O +

Z

10 6 mol/L de OH

Podem ser lançados, sem tratamento, somente o(s) efluente(s):

a) X e Y b) Y e Z c) X d) Y e) Z 15
a) X e Y
b) Y e Z
c) X
d) Y
e) Z
15 – (UPE – Cursos à Distância/2011) No estudo de soluções, gases e conceitos de ácidos e bases, analise as sentenças
abaixo:
I. Solução supersaturada ocorre quando mais do que a concentração de equilíbrio do soluto está presente.
II. Solução insaturada ocorre quando existe mais soluto presente do que é necessário para saturar a solução.
III. Com relação ao equilíbrio H 2(g) + Cℓ 2(g) ⇄ 2 HCℓ, para que ocorra deslocamento para a direita, deve-se
adicionar H 2(g) .
IV. O pH de uma solução que apresenta concentração de íons H + igual a 10 –2 mol/L é igual a 2.
Estão CORRETAS apenas
a) I e II.
b) I, III e IV.
c) II e III.
d) II e IV.
e) I, II e IV
16 – (UFPE – 2ª fase/2003) As características ácidas e básicas de soluções aquosas são importantes para outras áreas além
da Química, como, por exemplo, a Saúde Pública, a Biologia, a Ecologia, e Materiais. Estas características das soluções
aquosas são quantificadas pelo pH, cuja escala é definida em termos da constante de ionização da água (K w ) a uma
dada temperatura. Por exemplo, a 25C a constante de ionização da água é igual a 10 –14 e a 63C é igual a 10 –13 . Sobre
o pH de soluções aquosas a 63C julgue os itens abaixo:
I
II
0
0
pH + pOH = 13
1
1
água pura (neutra) apresenta pH igual a 6,5
2
2
água pura (neutra) apresenta pH igual a 7,0
3
3
uma solução com pH igual a 6,7 é ácida
4
4
a concentração
de íons hidroxila na água pura (neutra) é igual 10 –7 mol/L
17 – (UFPE – 2ª Fase/88) Qual o pH de uma solução 0,0025 M de HCN ?
(Dado: Ka = 4,0 x 10 –10 )
18 – (UNICAP – Quí. II/91) Qual é o pH de uma solução aquosa de HC 0,01 M ?
19 – (UNICAP – Quí. II/90) Calcular o pH de uma solução 0,004 N de certo monoácido, cujo grau de dissociação é 2,5%,
nessa concentração.
20 – (FESP – UPE/2006 – Quí. I) 100 mL de uma solução aquosa de uma base M(OH) 2 de massa molar 81 g/mol contêm
0,081 mg desse hidróxido. (dado: log 2 = 0,3)
a) pH da solução é igual a 6.
b) pH da solução será igual a 5, se o grau de ionização da base for 100%.
c) pOH da solução será igual a 5, se o grau de ionização da base for igual a 50%.

d)

e) pH da solução será igual a 11, se o grau de ionização da base for igual a 1.

pOH da solução será igual a 6, se o grau de ionização da base for igual a 100%.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

9
9
21
21
21 – (UFPE – 1 a fase/2001) Quando somos picados por uma formiga ela libera ácido

(UFPE 1 a fase/2001) Quando somos picados por uma formiga ela libera ácido metanóico (fórmico), HCOOH. Supondo que a dor que sentimos seja causada pelo aumento da acidez, e que ao picar a formiga libera um micromol de ácido metanóico num volume de um microlitro, qual deve ser a concentração de H + (aq) na região da picada? Admita que a solução tem comportamento ideal e que a auto-ionização da água é desprezível. Dados: K a 10 -4 (constante de dissociação do ácido metanóico).

 

a)

1 M

b) 10 1 M

 

c) 10 2 M

 

d) 10 3 M

 

e)

10 4 M

 

22

(UFPE

1 a

fase/90)

O leite

azeda

pela

transformação

da

lactose

em

ácido

lático,

por

ação

bacteriana.

Conseqüentemente apresenta:

I) aumento da concentração dos íons hidrogênio. III) II) aumento da concentração dos íons oxidrilas.
I) aumento da concentração dos íons hidrogênio.
III)
II) aumento da concentração dos íons oxidrilas.
IV)
diminuição da concentração dos íons hidrogênio.
diminuição da concentração dos íons oxidrilas.
Assinale o item a seguir que melhor representa o processo.
a) I e III
b) II e IV
c) I e II
d) II
e) I e IV
23 – (UFPE – 2 a fase/2007) Uma amostra de sódio metálico puro (Na = 23 g/mol) pesando 2,3 g foi colocada lentamente
em um béquer contendo água. Durante este procedimento, observou-se a formação de um gás (posteriormente
identificado como sendo hidrogênio). A solução resultante foi completada para 1 L. Avalie as informações a seguir.
I
II
0
0
A solução resultante deve ter um pH em torno de 13.
1
1
Um dos produtos deste procedimento é o íon sódio.
2
2
O sódio atua como agente redutor.
3
3
O hidrogênio formado é o agente oxidante neste processo.
4
4
São produzidos 0,05 mols de gás hidrogênio.
24 – (UFPE – 2 a fase/2009) Qual deve ser a concentração, em milimol por litro, de uma solução de um ácido HA, cujo
pKa = 6, para que a mesma tenha um pH = 4?
25 – (FESP – UPE/92) Preparou-se uma solução de hidróxido de sódio, dissolvendo-se convenientemente 4,0 . 10 –7 gramas
dessa base em 1 litro de água destilada. Admitindo-se que não houve variação de volume, após a adição da base,
pode-se afirmar que o pH do meio é aproximadamente:
(Dados: Na = 23 u; H = 1u; O = 16u; log 1,1 = 0,04)
a) 6,00
b)
8,00
c)
7,04
d)
6,96
e) 12,95
26 – (FESP – UPE/95) Dispõe-se de sete béqueres. No primeiro há 10,0 mL de solução 1,0M de NaOH, nos demais, coloca-
se 9,0 mL de água destilada. Retira-se 1,0 mL da solução alcalina contida no primeiro béquer e adiciona-se ao segundo
béquer. Após a homogeneização, retira-se 1,0 mL da solução do segundo béquer e adiciona-se ao terceiro e, assim,
procede-se até o sétimo béquer. O pH da solução contida no sétimo béquer é aproximadamente:
(Dado: log 1,1 = 0,04)
1 mL
1 mL
1 mL
1 mL
1 mL
1 mL
1
2
3
4
5
6
7
10 mL
NaOH
9 mL
H 2 O
9 mL
H 2 O
9 mL
H 2 O
9 mL
H 2 O
9 mL
H 2 O
9 mL
H 2 O
 

1,0M

a)

6,0

b)

8,0

c)

8,04

d)

5,96

e) 9,02

10
10

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

27
27
27 – (UFPE – 2 a fase/93) Quantos microlitros de uma solução de ácido clorídrico, HC

(UFPE 2 a fase/93) Quantos microlitros de uma solução de ácido clorídrico, HC, 0,4 M devem ser adicionados a um litro de água pura para se obter uma solução com pH 5 ?

28 (UFPE 2 a fase/2000) Determine o volume (em mL) de solução 1M de HCque deve ser utilizado para preparar, por diluição, 200 mL de solução com pH = 1.

29 (UPE/2002) Dispõe-se de 100,0 mL de uma solução 0,10 mol/L de hidróxido de sódio. Um estudante gotejou, utilizando uma pipeta graduada, 36 gotas de uma solução de ácido clorídrico 5,0 mols/L sobre a solução alcalina. Após o término da reação (despreze a variação de volume com a adição do ácido clorídrico), é de se esperar que o pH da solução alcalina diminua de (Dados: Na = 23 u; H = 1 u; O = 16 u; C= 35,5 u; Volume de uma gota = 0,05 mL)

a) 2 para 1. b) 13 para 12. c) 10 para 8. d) 9 para
a) 2 para 1.
b) 13 para 12.
c) 10 para 8.
d) 9 para 8.
e) 13 para 11.
30 – (UFPE – 2 a fase/92) Em três recipientes A, B e C estão contidas soluções ácidas desconhecidas, de concentração 0,1
mol/L; medindo o pH das três soluções com papel indicador universal, obteve-se os seguintes valores respectivamente:
pH = 5,0,
pH = 3,5,
pH = 1,0.
I
II
0
0
No fraco A está contido um ácido fraco.
1
1
O Ka do ácido A é maior que o Ka do ácido B.
2
2
O ácido B conduz melhor a corrente elétrica do que o ácido C.
3
3
O ácido C está completamente ionizado.
4
4
A concentração de H + no ácido C é 10 –1 M.
31 – (UNICAP – Quí. II/95) A 50 mL de uma solução de HC 0,02 M foram adicionados 50 mL de outra solução de NaOH
0,04 M. Admitindo-se que a neutralização foi total, qual o pH da solução final ?
32 – (FESP-PE/93) O vibrião colérico não sobrevive em meio de pH = 3, ou mais ácido. O número de gotas de uma solução
1,0 M de ácido clorídrico que se deve introduzir em 10 litros de água, a fim de eliminar o vibrião colérico é:
(Admita que não há variação de volume e que o volume de uma gota é 0,05 mL)
a) 10 gotas
b)
100 gotas
c)
30 gotas
d)
200 gotas
e) 50 gotas
33 – (UNICAP – Quí. II/98) A uma pequena quantidade de cálcio metálico contido em um balão volumétrico de 500 mL
foram adicionados 200 mL de água destilada. Admitindo que a reação se processa rapidamente, após o seu término,
aferiu-se o referido balão, formando-se assim uma solução “A”. Dessa solução retirou-se uma alíquota de 10 mL, à qual
juntou-se 20 mL de água destilada, titulando-se em seguida com HC de concentração 0,0002 mol/L, gastando-se na
titulação 5 mL de ácido. Qual será o pH da solução “A” ?
34 – (UNICAP – Quí. II/94) Esta questão se refere à comparação de uma solução de pH = 5 e outra de pH = 9. As duas
soluções são eletrólitos fortes.
I
II
0
0
A concentração efetiva de OH – na segunda solução é 10 6 vezes maior que na primeira solução.
1
1
Misturando-se volumes iguais das duas soluções, resulta água pura.
2
2
Misturando-se volumes iguais das duas soluções, resulta uma solução de pH = 7.
3
3
A primeira solução pode ser neutralizada com acetato de sódio.
4
4
Misturando-se volumes iguais das duas soluções, resulta uma solução de [ H + ] = 10 –14 .

35 (UFPE 2 a fase/95) O pH da pele humana normal é ácido, podendo chegar a 3,7 em certas regiões. Nessas regiões, quantos milhões de íons H 3 O + estão presentes para cada íon hidroxila? (Admita que pH + pOH = 14; 10 0,3 = 2 e 10 0,6 = 4)

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

11
11
36
36
36 – (UFPE – Vitória e Caruaru/2009.2) O ácido cianídrico (HCN), também chamado de ácido prússico,

(UFPE Vitória e Caruaru/2009.2) O ácido cianídrico (HCN), também chamado de ácido prússico, é um ácido fraco, e extremamente volátil. O HCN é extremamente venenoso aos humanos, devido à habilidade do íon CN em se combinar com o ferro da hemoglobina, bloqueando a recepção do oxigênio pelo sangue, matando a pessoa exposta por sufocamento. Podemos, em alguns casos, a partir da determinação do pH, encontrar a concentração desta espécie em uma determinada solução. Neste sentido, uma solução de HCN 0,20 M apresenta uma concentração de íons H + igual a cerca de:

Dados: Ka = 4,9 x 10 10

a) 4,9 x 10 6 M

b)

7,3 x 10 6 M

c)

9,9 x 10 6 M

d) 12,2 x 10 6 M

e) 14,7 x 10 6 M

37 – (UFPE – Ensino à Distância/2010.2) O pH de várias soluções foi medido em
37
– (UFPE – Ensino à Distância/2010.2) O pH de várias soluções foi medido em um laboratório de uma empresa de
alimentos, e o resultado encontra-se na tabela a seguir:
Amostra
Saliva
Café
Cerveja
Vinho
Suco de limão
pH
6,7
5,3
4,8
3,0
2,3
De acordo com essa tabela, a concentração de íons H 3 O + , em mol/L, na amostra do vinho, é:
a)
3,0 x 10 −4
b) 1,0 x 10 3
c) 1,0 x 10 −3
d) 3,0 x 10 −3
e) 1,8 x 10 −4
38
– (ENEM/1998) O pH informa a acidez ou a basicidade de uma solução. A escala abaixo apresenta a natureza e o pH de
algumas soluções e da água pura, a 25C.
ácido
neutro
básico
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
suco de
saliva
água
clara de
sabão
limão
pura
ovo
Uma solução desconhecida estava sendo testada no laboratório por um grupo de alunos. Esses alunos decidiram que
deveriam medir o pH dessa solução como um dos parâmetros escolhidos na identificação da solução. Os resultados
obtidos estão na tabela abaixo.
Aluno
Valor de pH
Carlos
4,5
Gustavo
5,5
Simone
5,0
Valéria
6,0
Paulo
4,5
Wagner
5,0
Renata
5,0
Rodrigo
5,5
Augusta
5,0
Eliane
5,5
Da solução testada pelos alunos, o professor retirou 100ml e adicionou água até completar 200ml de solução diluída. O
próximo grupo de alunos a medir o pH deverá encontrar para o mesmo:
a)
valores inferiores a 1,0.
b) os mesmos valores.
c) valores entre 5 e 7. d) valores entre 5 e 3. e) sempre o valor 7.
39
– (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – IFPE/2010) Um técnico em Química misturou
duas soluções, 25 mL de ácido clorídrico (HCℓ) 0,80 mol/L com 25 mL de solução de hidróxido de sódio (NaOH) 0,60
mol/L. Após essa mistura, homogeneizou a solução resultante. Qual a alternativa que indica o pH dessa solução?

a) 2

12
12

b) 5

c) 0

d) 4

e) 1

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

40
40
40 – (FESP – UPE/84) 40 mL de NaOH 0,4 M foram misturados com 60 mL

(FESP UPE/84) 40 mL de NaOH 0,4 M foram misturados com 60 mL de solução de HC. O pH da solução final é igual

a 12. Então pode-se afirmar que a molaridade da solução de HCera:

a) 0,3 M

b) 0,25 M

c) 0,60 M

d) 0,35 M

e) 0,40 M

41 (Enem 1999) As informações abaixo foram extraídas do rótulo da água mineral de determinada fonte.

Água Mineral Natural

Composição química provável em mg/L

Sulfato de estrôncio Sulfato de cálcio Sulfato de potássio Sulfato de sódio Carbonato de sódio
Sulfato de estrôncio
Sulfato de cálcio
Sulfato de potássio
Sulfato de sódio
Carbonato de sódio
Bicarbonato de sódio
Cloreto de sódio
Fluoreto de sódio
Vanádio
0,04
2,29
2,16
65,71
143,68
42,20
4,07
1,24
0,07
Características físico-químicas:
pH a 25 O C
Temperatura da água na fonte
Condutividade elétrica
Resíduo de evaporação a 180 O C
10,00
24
O C
4,40
x 10 –4 ohms/cm
288,00
mg/L
Classificação:
“Alcalino-bicarbonatada, fluoretada, vanádica”
Indicadores ácido base são substâncias que em solução aquosa apresentam cores diferentes conforme o pH da solução.
O quadro abaixo fornece as cores que alguns indicadores apresentam à temperatura de 25°C
Indicador
Cores conforme o pH
Azul de bromotimol
amarelo em pH  6,0; azul em pH  7,6
Vermelho de metila
vermelho em pH  4,8; amarelo em pH  6,0
Fenolftaleína
incolor em pH  8,2; vermelho em pH  10,0
Alaranjado de metila
vermelho em pH  3,2; amarelo em pH  4,4
Suponha que uma pessoa inescrupulosa guardou garrafas vazias dessa água mineral, enchendo-as com água de
torneira (pH entre 6,5 e 7,5) para serem vendidas como água mineral. Tal fraude pode ser facilmente comprovada
pingando-se na “água mineral fraudada”, à temperatura de 25°C, gotas de
a) azul de bromotimol ou fenolftaleína.
d)
b) alaranjado de metila ou fenolftaleína.
e)
vermelho de metila ou azul de bromotimol.
vermelho de metila ou alaranjado de metila.
c) alaranjado de metila ou azul de bromotimol.
42 – (Enem 1999) As seguintes explicações foram dadas para a presença do elemento vanádio na água mineral em
questão
I. No seu percurso até chegar à fonte, a água passa por rochas contendo minerais de vanádio, dissolvendo-os.
II. Na perfuração dos poços que levam aos depósitos subterrâneos da água, utilizaram-se brocas constituídas de ligas
cromo-vanádio.
III. Foram adicionados compostos de vanádio à água mineral.
Considerando todas as informações do rótulo, pode-se concluir que apenas

a)

b) a explicação II é plausível.

c) a explicação III é plausível.

a explicação I é plausível.

d)

e)

as explicações I e II são plausíveis. as explicações II e III são plausíveis.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

13
13
43
43
43 – (Unicap – Quí.II/2001) Um habitante de uma região da Amazônia encontrou uma fonte d’água.

(Unicap Quí.II/2001) Um habitante de uma região da Amazônia encontrou uma fonte d’água. Para verificar se a mesma era potável, mandou analisar. O resultado da análise indicou um pH igual a 5,9, portanto impróprio para consumo. Para que o pH da fonte fosse próprio ao consumo humano, seria conveniente que ficasse em torno de 6,9. De quantas vezes seria menor a concentração hidrogeniônica da água?

44 (UFPE 2 a fase/99) A lei da velocidade para reação

I

+

OC

C

+

OI

Em meio aquoso, tem a forma V = K [ I ] [ OC ] , mas observa-se que a constante de reação é inversamente proporcional à concentração de OH presente na solução. Em pH 13, a constante de velocidade é 600. Qual o valor da constante em pH 14 ?

45 – (UFPE – 2 a fase/96) Nas proximidades de um grande polo petroquímico, ocorrem
45 – (UFPE – 2 a fase/96) Nas proximidades de um grande polo petroquímico, ocorrem intensas emissões de SO 3 para a
atmosfera. Como resultado destas emissões foi detectado que a chuva nessa região apresenta um pH igual a 3. Um
reservatório na vizinhança, com capacidade de 92 mil metros cúbicos de água, recebe em certos períodos uma média
de 20 mil litros de água de chuva por dia. Quantos dias de chuva serão necessários para que a água deste reservatório
fique com pH igual a 5 ? Assuma que a água do reservatório esteja inicialmente neutra.
Observação: No caso dos ácidos fracos que sofrem mais de uma ionização, o pH deve ser determinado apenas em função
do H + liberado na primeira ionização. As concentrações de H + da segunda e terceira ionizações são
desprezíveis para determinações de pH.
46 – (FESP – UPE/92) A concentração do íon sulfeto (S – – ) em uma solução saturada, 0,1 M de H 2 S é igual a 1,1 x 10 –14 M. O
pH do meio sulfídrico foi convenientemente ajustado para:
(Dados: Ka 1 = 1,1 x 10 –7 e Ka 2 = 1,0 x 10 –14 M)
a) 3,2
b) 8,0
c) 10,0
d) 4,0
e) 6,0
47 – (UPE – 2000) A concentração de [H + ] originada a partir do solvente em uma solução aquosa de ácido clorídrico 0,01
mol/L, é em mol/L:
K w = 1,0x10 –14
a) 10 3 ;
b)
10 –2 ;
c)
10 2 ;
d)
10 –12 ;
e) 10 –1 .
48 – (UPE – Vestibular Seriado 2º ano/2010) A concentração de [OH – ], originada a partir da dissociação do solvente em
uma solução de hidróxido de sódio 0,01 mol/L totalmente dissociada é igual a
kw = 10 –14
a) 10 –2
b) 10 –12
c) 10 –10
d) 10 –11
e) 10 –14 .
49 – (UFPE – 2ª fase/2012) Ácidos são substâncias comuns em nosso cotidiano, como por exemplo, na indústria
alimentícia. Logo, a quantificação da força dos ácidos em água é importante para a sua utilização correta e é dada pelo
valor do pKa. Os valores aproximados dos pKa's dos ácidos clórico (HCℓO 3 ), cloroso (HCℓO 2 ) e fluorídrico (HF) são 1, 2 e
3, respectivamente. Desconsiderando a contribuição da autoprotólise (auto-ionização) da água, podemos afirmar que:
I
II
0
0
o ácido HF é três vezes mais forte que o ácido HCℓO 3 .
1
1 o ácido HCℓO 3 libera duas vezes menos íons hidrogênio que o ácido HCℓO 2 em soluções com as mesmas
concentrações.
2
2
para duas soluções com as mesmas concentrações, a que contém o ácido HF apresenta pH maior que aquela
com o ácido HCℓO 3 .
3
3
o ácido HCℓO 2 é mais forte que o ácido HF, pois libera mais íons hidrogênio em água.
4
4
a ordem crescente da acidez é HCℓO 3 < HCℓO 2 < HF.
14
14

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

50
50
50 – (UFPE – 2ª fase/2012) O ácido lático apresenta p K a = 3,82. Qual

(UFPE 2ª fase/2012) O ácido lático apresenta pKa = 3,82. Qual o valor aproximado do pH de uma solução de ácido lático 0,1 mol L 1 em água? Assinale o inteiro mais próximo de sua resposta após multiplicá-la por 10 (dez).

51 (IFPE Subsequente/2012) Hidróxido de cálcio [Ca(OH) 2 ] é uma substância bastante utilizada em diversas áreas. Funciona como agente floculante no tratamento de água e é ingrediente para fabricação de tintas, argamassa, gesso e asfalto, e substitui o hidróxido de sódio em alisadores de cabelos. Um dos processos para a sua obtenção é a reação do óxido de cálcio com água, conforme mostra a reação abaixo:

CaO (s) + ⇄ Ca(OH) 2(aq) ΔH = – 68,7 kJ/mol H 2 O (ℓ)
CaO (s) +
Ca(OH) 2(aq)
ΔH = – 68,7 kJ/mol
H 2 O (ℓ)
Na obtenção do hidróxido de cálcio, foram adicionados 2,8 mg de óxido de cálcio em um béquer contendo água
destilada; a reação ocorreu com o consumo total desse óxido. Como a reação é exotérmica, deixou-se esfriar durante
trinta minutos. Em seguida, o volume preparado foi transferido para um balão volumétrico de 1000 mL e completou-se
com água destilada até a aferição. Qual alternativa indica o pH dessa solução?
São dadas as massas molares, em g/mol: CaO = 56 e Ca(OH) 2 = 74.
a)
8
b)
9
c)
10
d)
11
e)
12
Resoluções de Testes
Comentários Adicionais
8 b) 9 c) 10 d) 11 e) 12 Resoluções de Testes Comentários Adicionais Equilíbrios Iônicos

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

15
15
08 – Conceitos Modernos de Ácidos e Bases 8.A – Ácidos e Bases de Arrhenius

08 Conceitos Modernos de Ácidos e Bases

08 – Conceitos Modernos de Ácidos e Bases 8.A – Ácidos e Bases de Arrhenius Ácidos

8.A Ácidos e Bases de Arrhenius

de Ácidos e Bases 8.A – Ácidos e Bases de Arrhenius Ácidos de Arrhenius Substâncias que

Ácidos de Arrheniusde Ácidos e Bases 8.A – Ácidos e Bases de Arrhenius Substâncias que em solução aquosa

Substâncias que em solução aquosa originam H + como único cátion.

Exemplo:

HC

H 2 O

H + como único cátion. Exemplo: HC  H 2 O H + + C 

H +

+

C

Na verdade o íon H + não é estável, pois não apresenta nenhum elétron (
Na verdade o íon H + não é estável, pois não apresenta nenhum elétron ( H + = Próton ), necessitando
assim de dois elétrons para se assemelhar ao gás nobre hélio. Entendemos então que, para atingir a estabilidade
eletrônica, o íon H + se une à molécula de H 2 O produzindo o íon H 3 O + .
H +
Perdendo
1 elétron
+
+
consequentemente
ou melhor
O
H
O
H
Átomo de H
Cátion de H +
H
H
Cátion H 3 O +
Receptor de
H
Par eletrônico
Assim a maneira mais coerente de representar a ionização dos ácidos é:
H 2 O
HC
+
H 2 O
H 3 O +
+
C –
H
2 O
HNO 3
+
H 2 O
H 3 O +
+
NO 3
Bases de Arrhenius
Substâncias que em solução aquosa originam OH – como único ânion.
H 2 O
Exemplo:
NaOH
Na +
+
OH –
Importante: Segundo Arrhênius 1 mol de H + consome 1 mol de OH – , formando HOH (H 2 O).
neutraliza…
Significa que H + e OH – apresentam
fortíssima tendência de formar HOH.
H 2 O
H +
+
OH –
H 2 O
K = 10 14
Significa também que é mínima a
tendência da água liberar íons
Atenção: A fórmula molecular de um composto pode não apresentar o cátion H + e ainda assim pode se referir a um ácido
de arrhênius, assim como, mesmo não havendo hidroxila (OH – ) em uma estrutura, ainda assim essa pode ser
uma base de arrhênius. O que importa é a liberação de H + ou OH – no meio aquoso, como por exemplo
CO 2
+
H 2 O
H 2 CO 3
HCO 3 –
+
H +
Em meio aquoso CO 2 e NH 3 são, respectivamente,
ácido e bases de arrhênius.
NH 3
+
H 2 O
NH 4 OH
NH 4 +
+
OH –

Não esqueça que, dentre as diversas teorias apresentadas nesse capítulo, os conceitos de ácidos e

bases de Arrhênius são os mais limitados uma vez que são restritos a meios aquosos.

16
16

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

8.B – Ácidos e Bases de Bronsted Segundo Bronsted H + Ácidos são substâncias doadoras
8.B – Ácidos e Bases de Bronsted Segundo Bronsted H + Ácidos são substâncias doadoras

8.B Ácidos e Bases de Bronsted

Segundo Bronsted8.B – Ácidos e Bases de Bronsted H + Ácidos são substâncias doadoras de próton. Bases

H +

8.B – Ácidos e Bases de Bronsted Segundo Bronsted H + Ácidos são substâncias doadoras de

Ácidos são substâncias doadoras de próton.

Bases são substâncias receptoras de próton.

de próton. Bases são substâncias receptoras de próton. HC é ácido de Bronsted porque libera próton.
HC é ácido de Bronsted porque libera próton. – Exemplo: HC + H 2 O
HC é ácido de Bronsted porque libera próton.
Exemplo:
HC
+
H 2
O
C
+
H 3 O +
H 2 O é base de Bronsted porque recebe próton.
+
H
H 2 O é ácido de Bronsted porque libera próton.
NH 3
+
H 2
O
NH 4 +
+
OH –
NH 3 é base de Bronsted porque recebe próton.
8.C – Ácidos e Bases de Lewis
Ácidos são substâncias receptoras de par eletrônico.
Segundo Lewis
Bases são substâncias doadoras de par eletrônico.
F
H
F
H
N
H
F
B
N
H
F
B
+
H
F
H
F
Observe que o boro precisa
receber um par eletrônico para
completar o octeto.
Perceba que o nitrogênio apresenta
um par eletrônico disponível que
pode ser doado por ligação dativa
BF 3 = Ácido de Lewis
e
NH 3 = Base de Lewis
Ácidos de Lewis = BH 3 , AC 3
Exemplos de
Bases de Lewis = NH 3 , PC 3 , H 2 O, H 2 S, as aminas
CH 3
NH 2
8.D – Comparação Entre os Conceitos Ácido/Base
Teoria de
Ácido
Base
Lewis
Arrhênius
Libera H +
Libera OH –
Bronsted
Bronsted
Doador de próton
Receptor de próton
Lewis
Receptor de par eletrônico
Doador de par eletrônico
Arrhenius
Os compostos que têm sua acidez ou basicidade justificadas pelos conceitos de Arrhênius apresentam sua acidez ou
basicidade justificadas também pelos conceitos de Bronsted e de Lewis (que, aliais, são mais amplos que os conceitos
de Arrhênius). Por outro lado os compostos ácidos ou básicos segundo Lewis podem não ter seu caráter
ácido/básico justificados pelos limitados conceitos de Bronsted ou pelos muito restritos conceitos de Arrhênius.

Os ácidos segundo Arrhênius sempre são ácidos segundo Bronsted e, esses, sempre são ácidos de acordo com Lewis. O mesmo podemos afirmar para as bases.limitados conceitos de Bronsted ou pelos muito restritos conceitos de Arrhênius. Equilíbrios Iônicos – pH e

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

17
17
09 – Conceitos de Ácidos e Bases Conjugados O termo conjugado está relacionado Exemplo: HC

09 Conceitos de Ácidos e Bases Conjugados

09 – Conceitos de Ácidos e Bases Conjugados O termo conjugado está relacionado Exemplo: HC 
09 – Conceitos de Ácidos e Bases Conjugados O termo conjugado está relacionado Exemplo: HC 

O termo conjugado está relacionado

Exemplo:

HC

+

H 2 O

H +

⇆ C – + H 3 O +
C –
+
H 3 O +

com a reação inversa

O

H 3 O + libera próton = ácido conjugado da água.

O

C recebe próton = base conjugada do HC.

Considere o retorno da reação

H + O NH 4 + libera próton = ácido conjugado da amônia. NH 3
H +
O
NH 4 + libera próton = ácido conjugado da amônia.
NH 3
+
H 2
O
NH 4 +
+
OH –
O
OH – recebe próton = base conjugada da água.
Considere o retorno da
reação
9.A – Força do ácido ou base conjugados
Força das Bases
Bases Fortes: 1A = LiOH, NaOH, KOH, RbOH, CsOH, FrOH
2A = Be(OH) 2 , Mg(OH) 2 , Ca(OH) 2 , Sr(OH) 2 , Ba(OH) 2 , Ra(OH) 2
Bases da 1A
são mais fortes que
bases da 2A.
Bases fracas: As demais bases.
Cuidado: NH 4 OH é uma base bastante solúvel em água, mas não é base forte, é uma base muito fraca.
Força dos Ácidos
Ácidos Fortes: HC, HBr, HI, HNO 3 , H 2 SO 4 , HCO 4 e demais oxiácidos H X EO Y onde a diferença Y – X ≥ 2.
Ácidos Fracos: os demais ácidos: HCN, H 2 CO 3 , H 3 PO 4 , outros. A maioria dos ácidos é classificada como ácido fraco,
principalmente aqueles estudados pela química orgânica.
Significado da Força dos Ácidos
Um ácido é forte quando apresenta elevada tendência de liberar íons
O HCℓ sendo ácido forte, força a reação para direita.
HC
+
H 2 O
C –
+
H 3 O +
Difícil retorno
Conseqüentemente o Cℓ – terá fraca tendência a receber de
volta o H + . Dessa forma o Cℓ – será uma base conjugada
fraca.
Ácido forte
Base conjugada
fraca
Um ácido é fraco quando apresenta baixa tendência de liberar íons
O HCN sendo ácido fraco, força a reação para esquerda.
HCN
+
H 2 O
CN –
+
H 3 O +
fácil retorno
Ácido fraco
Base conjugada
Conseqüentemente o CN – terá forte tendência a receber de
volta o H + . Dessa forma o CN – será uma base conjugada
forte.

forte

Nesse exemplo é interessante perceber que o CN é uma base conjugada mais forte que o Cℓ .

18
18

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

Conclusões:
Conclusões:
Conclusões: Quanto mais forte é o ácido, sua base conjugada é mais fraca. Se o ácido

Quanto mais forte é o ácido, sua base conjugada é mais fraca. Se o ácido é fraco, sua base conjugada é forte.

Quanto mais forte é uma base, seu ácido conjugado é mais fraco. Se a base é fraca, seu ácido conjugado é forte.

Não esqueça que nos pares ácido/base conjugados Ka . Kb = 10 14

9.B – Influência das Ionizações Parciais No caso dos diácidos, triácidos ou tetrácidos a primeira
9.B – Influência das Ionizações Parciais
No caso dos diácidos, triácidos ou tetrácidos a primeira ionização, ou liberação de H + , é sempre mais fácil
que a segunda ionização, que por sua vez é sempre mais fácil que a terceira ionização e assim por diante
Por exemplo, no caso do ácido fosfórico:
H 3 PO 4
+
H 2 O
H 2 PO 4
+
H
(ionização difícil porque o ácido é fraco)
3 O +
+
H 2 PO
+
H 2 O
HPO 4 – –
+
H 3
O
(ionização mais difícil)
4 –
PO 4 – – –
HPO 4 – –
+
H 2 O
+
H 3
O +
(ionização extremamente
difícil)
Comentários: H 3 PO 4 , H 2 PO 4 – , HPO 4 –2 são ácido porque podem liberar H + .
H 3 PO 4 é um ácido mais forte que H 2 PO 4 – que por sua vez é um ácido mais forte que HPO 4 –2 .
Consequentemente o H 2 PO 4 – é uma base conjugada mais fraca que HPO 4 –2 , e o mesmo HPO 4 –2 é uma base
conjugada mais fraca que PO 4 –3 .
O H 2 PO 4 – tem caráter anfótero, ou seja
H +
pode se comportar como base
H 2
PO 4
+
H 3
O +
H 3
PO 4
+
H 2 O
ou pode se
comportar como ácido
H 2 PO 4 – +
H 2
O
HPO 4 – 2 +
H 3 O +
H +
Testes de
Vestibulares
01 – (UFPE – Vitória de Santo Antão/2007) Quando duas espécies químicas se convertem uma na outra, cedendo ou
ganhando prótons (Teoria Ácido-Base de Bronsted-Lowry), estas espécies são chamadas de par ácido/base conjugado.
Na tabela a seguir, qual par conjugado NÃO está correto?
Espécie Química
Ácido acético
Íon bicarbonato
Água
Íon hidroxônio
Ácido
CH 3 COOH
HNO 3
HCO 3 –
H 2 O
H 3 O +
Base
CH 3 COO –
NO 3
CO 3
OH –
H 2 O +
Ácido nítrico
2–

a) CH 3 COOH e CH 3 COO

d)

H 2 O e OH

b) HNO 3 e NO 3

e)

H 3 O + e H 2 O +

c) HCO 3 e CO 3

2

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

19
19
02
02

(UFPE 1ª Fase/2007) Considere as duas reações a seguir e assinale a alternativa correta.

H 3 CCOOH (aq)

+

H 2 O (l)

CH 3 NH 2(aq) + H 2 O (l)

H 3 CCOO (aq) + H 3 O + (aq) ,

CH 3 NH 3 + (aq)

+ OH (aq) ,

K a = 1,8x10 5

(I)

K b = 3,6x10 4

(II)

1,8x10 – 5 (I) K b = 3,6x10 – 4 (II) a) O íon acetato é

a) O íon acetato é a base conjugada do ácido acético e possui constante de basicidade < 1,0 x 10 9 .

b) A metilamina é uma base mais fraca que o íon acetato.

c) O íon metilamônio é uma base de Bronsted.

d) A reação (I) não está de acordo com a definição de Arrhenius para ácidos.

e)

03 – (UNIVASF – Universidade Federal do Vale do São Francisco/2006) Johannes Bronsted, na Dinamarca,
03 – (UNIVASF – Universidade Federal do Vale do São Francisco/2006) Johannes Bronsted, na Dinamarca, e Thomas
Lowry, na Inglaterra (1932), propuseram e descreveram o processo da reação ácido-base, a partir da transferência de
prótons de uma espécie para outra. Neste contexto, o Equilíbrio de Bronsted foi descrito como:
Ácido 1 + Base 2 ⇆ Base 1 + Ácido 2
Onde a espécie Base 1 é chamada de base conjugada do Ácido 1 , e o Ácido 2 é o ácido conjugado da Base 2 . Identifique nos
exemplos a seguir o Ácido de Bronsted e sua base conjugada, respectivamente. Assinale a alternativa correta.
1) HSO 4 –
+
OH –
+
SO 4 2–
2) PO 4 3–
+
⇆ HPO 4 2– +
+
3)
H 2 Fe(CO) 4
H 2 O
+
CH 3 OH
H 2 O
OH –
[HFe(CO) 4 ] –
+
CH 3 OH 2
a) 1
– HSO 4 – e SO 4 2– ;
2 – H 2 O
e
OH – ;
3 – H 2 Fe(CO) 4 e [HFe(CO) 4 ] –
+
b) 1
OH – e
H 2 O ;
2
– PO 4 3– e HPO 4 2– ;
3 –
CH 3 OH
e CH 3 OH 2
c) 1 – HSO 4 –
e
SO 4 2– ;
2 – PO 4 3–
e
HPO 4 2– ; 3 – H 2 Fe(CO) 4
e
[HFe(CO) 4 ] –
+
d) 1 – OH – e
H 2 O ;
2 – H 2 O
e
OH – ;
3 – CH 3 OH
e CH 3 OH 2
e) 1 – HSO 4 –
e
OH – ;
2 – PO 4 3–
e
H 2 O ; 3 – H 2 Fe(CO) 4
e CH 3 OH
04 – (UFPE – 2 a fase/2004) O dióxido de enxofre é produzido como subproduto da queima de combustíveis fósseis. Pode-
se combinar com água e formar ácido sulfuroso, um ácido fraco, que se dissocia em:
+
+
H 2 SO 3(g)
H 2 O ()
H 3 O + (aq)
HSO 3 – (aq)
I
II
0
0
O H 2 SO 3 é um ácido de Bronsted, e HSO 3 – sua base conjugada.
1
1
O pH de uma solução aquosa de H 2 SO 3 é maior que sete a 25 o C.
2
2
Uma solução aquosa 1 molar de H 2 SO 3 contém íons hidrônio numa concentração 1 molar.
3
3 O íon HSO 3 – também pode ser considerado um ácido, pois em meio aquoso o mesmo pode
produzir H 3 O + e SO 3 2– .
4
4
O íon SO 3 2– deve ser uma base mais fraca que o íon HSO 3 – .
05 – (UFPE – 2 a fase/2005) Considerando os valores das constantes de dissociação ácida na tabela a seguir:
Fórmula
Constante de acidez, K a
HF
HNO 2
HCN
7,2 x 10 –4
4,0 x 10 –4
6,2 x 10 –10
I
II
0
0
A ordem crescente de basicidade é: F – < NO 2 – < CN – .
1
1
A ordem crescente de acidez é: HF < HNO 2 < HCN.
2
2
A posição de equilíbrio para a dissociação do ácido cianídrico está bem deslocada para a direita.
3
3
Sabendo que o NaNO 2 é solúvel em água, espera-se que o pH de uma solução aquosa deste sal seja menor que
7.

O íon metilamônio é a base conjugada da metilamina e possui constante de basicidade maior que o íon acetato.

4 4

O valor de Kb do íon fluoreto é menor que o do íon nitrito.

20
20

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

06
06
06 – (UFPE – 2 a fase/2002) A determinação quantitativa de nitrogênio em alimentos é importante,

(UFPE 2 a fase/2002) A determinação quantitativa de nitrogênio em alimentos é importante, pois fornece a quantidade de proteínas dos mesmos. O método de Kjeldahl é um dos mais utilizados para tal determinação e consiste na transformação de todo o nitrogênio orgânico em amônia. A dissolução da amônia em água pura fornecerá uma solução:

I

II

0

0

ácida.

1

1

com pH maior que 7.

2

2

com concentração de OH (aq) igual à concentração de H + (aq).

3

3

com concentração de OH (aq) menor que 10 7 M.

4 4 com um precipitado, pois a amônia é insolúvel em água. 07 – (UFPE
4
4
com um precipitado, pois a amônia é insolúvel em água.
07 – (UFPE – 2 a fase/1991) Considere a reação, entre o trifluoreto de Boro e a amônia, representa abaixo:
F
H
F
H
F
B
+
N
H
F
B
N
H
F
H
F
H
I
II
0
0
O trifluoreto de Boro funciona como um ácido de Lewis.
1
1
A amônia funciona como uma base Lewis.
2
2
O trifluoreto de Boro é um ácido, segundo Arrehenius.
3
3
A amônia é uma base, segundo Arrehenius.
4
4
O produto da reação é um ácido, segundo Lewis.
08 – (UFPE – 2 a fase/2004) O trifluoreto de boro é um composto bastante reativo e muito utilizado em sínteses químicas.
Sabendo-se os números atômicos do boro ( Z = 5 ) e do flúor ( Z = 9 ), podemos deduzir algumas características deste
composto, tais como:
I
II
0
0
Possui geometria piramidal de base triangular, com o boro no topo da pirâmide, e com os três átomos de
flúor na base.
1
1
A ligação B – F é polar, já que o flúor é um elemento mais eletronegativo que o boro.
2
2
A molécula do trifluoreto de boro é apolar por conta de sua simetria.
3
3
O boro apresenta hibridação de seus orbitais , do tipo sp 3 .
4
4
Apesar de fazer ligações covalentes com o flúor, o boro ainda possui orbitais vazios, o que torna o trifluoreto
de boro um ácido de Lewis.
09 – (UPE – Quí. II/2004)
I
II
0
0
Na reação representada pela equação
2 H 2 SO 4
+
HNO 3
+
+
2 HSO 4 1– ,
NO 2 1+
H 3 O 1+
quimicamente o ácido nítrico funciona como uma base.
1
1
Colocando os óxidos ZnO e C 2 O 7 em contato com água, o C 2 O 7 produz o ácido mais forte.
2
2
Entre as bases conjugadas C 1– , SO 4 2– , CN 1– e CO 4 1– , a mais forte em relação à força básica é o CN 1– .
3
3
O leite de magnésia é usado como laxante e antiácido em virtude da hidrólise alcalina produzida pelo
hidróxido de magnésio em solução aquosa.

4 4

Estalactites e estalagmites são formações encontradas em cavernas, resultantes da dissolução e reprecipitação do cloreto de sódio, quando em contato com o CO 2 existente na atmosfera.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

21
21
10
10
10 – (UFPE – 2 a fase/2009) Na Química, os conceitos de ácido e base são

(UFPE 2 a fase/2009) Na Química, os conceitos de ácido e base são estudados através das teorias de Arrhenius, Brönsted-Lowry, Lewis, etc. O conceito de pares conjugados ácido-base é uma decorrência específica da teoria de Brönsted-Lowry e, sobre tais pares, podemos afirmar que:

I II 0 0 cada par é formado pelo ácido e a base, constituintes dos
I
II
0
0
cada par é formado pelo ácido e a base, constituintes dos reagentes, ou pelo ácido e a base, constituintes
dos produtos.
1
1
o ácido H 2 O é sua própria base conjugada.
2
2
o ácido e sua base conjugada diferem por um próton.
3
3
a base conjugada de um ácido fraco é uma base forte.
4
4
um ácido e sua base conjugada reagem para formar sal e água.
11 – (UFPE – 2 a fase/2010) O íon hidrogênio, H + , existe somente na fase gasosa e a altas temperaturas. Em outras
condições, o campo elétrico intensamente concentrado do próton isolado assegura que ele vai interagir fortemente
com outros átomos na sua vizinhança, aderindo a moléculas ou a íons contendo tais átomos. A competição entre
diferentes espécies químicas por íons hidrogênio tem significado relevante na formulação dos conceitos de Brönsted e
Lowry para ácido e base, em meio aquoso. O modelo por eles proposto é consistente com as seguintes afirmações:
I
II
0
0
ácidos e bases existem como pares conjugados, cujas fórmulas estão relacionadas pelo ganho ou perda de um
íon hidrogênio, H + .
1
1
a teoria de Brönsted e Lowry explica a relação entre a força de um ácido e a de sua base conjugada.
2
2
nas reações ácido-base, a água aceita íons H + dos ácidos para formar uma base.
3
3
a teoria de Brönsted e Lowry pode ser expandida para incluir outros solventes, além da água, e reações que
ocorrem nas fases gasosa ou líquida.
4
4
ácidos e bases fortes parecem ter a mesma força quando dissolvidos em água.
12 – (UFPE – CTG/2010.2) Ácidos e bases desempenham um papel importante nos organismos vivos e têm sido estudados
extensivamente pelos químicos. Assinale, entre as afirmações seguintes, relacionadas às teorias de ácidos e bases,
aquela que não é correta.
a) De acordo com a teoria de Arrhenius, todos os ácidos têm um elemento em comum.
b) Numa reação de neutralização, um ácido reage com uma base para formar sal e água.
c) Um ácido fraco reage levemente com a água para produzir íons.
d) Ácidos e suas bases conjugadas diferem por um próton.
e) Uma solução de ácido forte é aquela que contém elevadas quantidades do ácido em um dado volume de solução.
13 – (Covest – Asces/2010.2) A classificação de substâncias como ácidos ou bases e o estudo da solubilidade dos
compostos em água são conhecimentos importantes para um químico experimental. Correlacione, a seguir, as
substâncias com suas respectivas propriedades.
1)
Ácido forte
(
2)
Ácido fraco
(
3)
Base
(
4)
Composto iônico solúvel em água
(
5)
Composto
iônico insolúvel em água
(
) Ca 3 (PO 4 ) 2
) KOH
) HNO 3
) NaCℓ
) HCOOH
A sequência correta é:
a)
3, 5, 1, 2, 4.
b)
3, 5, 2, 4, 1.
c)
4, 3, 1, 5, 2.
d)
5, 3, 1, 4, 2.
e)
5, 3, 4, 2, 1.
22
22

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

14
14

II

14 II – (UFPE – CTG/2011.2) Os conceitos de ácido e base são muito importantes para

(UFPE CTG/2011.2) Os conceitos de ácido e base são muito importantes para se compreender e prever muitas reações químicas. Sobre ácidos e bases e suas reações, segundo as definições de Arrhenius, de Brønsted-Lowry e de Lewis, podemos afirmar que:

I

0

0 um ácido, na definição de Brønsted-Lowry, é também um ácido na definição de Lewis, mas um ácido na definição de Lewis não será necessariamente um ácido na definição de Brønsted-Lowry.

1

2

1

2

na definição de Arrhenius, a base conjugada é sempre o íon hidroxila.

BF 3 e NH 3 são, respectivamente, um ácido e uma base de Lewis e reagem para formar o produto F 3 B-NH 3 .

3 3 na reação 2 H 2 O 2(aq) ⇄ 2 H 2 O (ℓ)
3
3
na reação 2 H 2 O 2(aq) ⇄ 2 H 2 O (ℓ) + O 2(g) , o peróxido de hidrogênio desempenha simultaneamente o papel de
ácido e de base.
4
4
de acordo com a definição de Brønsted-Lowry, a água é sempre um ácido.
15
– (UFPE – 2 a fase/2005) Os compostos podem apresentar caráter ácido, básico ou ambos (anfótero). A partir dos
conceitos ácido-base de Arrhenius, Brönsted-Lowry e Lewis, podemos dizer que:
I
II
0
0
A água pode ser considerada uma substância anfótera, segundo o conceito de Brönsted-Lowry.
1
1
Os aminoácidos são compostos orgânicos que podem ser considerados anfóteros, segundo o conceito de
Lewis.
2
2
O A(OH) 3 é uma base, segundo o conceito de Brönsted-Lowry.
3
3
Sabendo que o A(OH) 3 reage com excesso de OH – , gerando o Aℓ(OH) 4 – , segundo o conceito de Lewis, o
A(OH) 3 também pode ser considerado um ácido.
4
4
a reação de NH 3 com HC, em fase gasosa, produzindo NH 4 Cℓ pode ser explicada pelos conceitos de ácido e
base de Arrhenius.
Resoluções de Testes
Comentários Adicionais

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

23
23
10 – Deslocamento dos Equilíbrios Ácidos e Básicos Considerando que as espécies H + e

10 Deslocamento dos Equilíbrios Ácidos e Básicos

10 – Deslocamento dos Equilíbrios Ácidos e Básicos Considerando que as espécies H + e OH

Considerando que as espécies H + e OH apresentam extrema tendência de reagirem (de se consumirem mutuamente formando água) podemos concluir que

consumirem mutuamente formando água) podemos concluir que Se uma reação apresenta H + como reagente: A

Se uma reação apresenta

H + como reagente: A

+

H +

B

+

C

Adição de H + desloca o sistema para direita consumindo o H + adicionado.

Adição de OH desloca o sistema para esquerda porque o OH consome o H + existente no sistema. Assim para repor o H + a reação deve correr para esquerda.

Adição de H + desloca o sistema para esquerda consumindo o H + adicionado. H
Adição de H + desloca o sistema para esquerda
consumindo o H + adicionado.
H + como produto: A
+
B
H +
+
C
Adição de OH – desloca o sistema para direita
porque o OH – consome o H + existente no
sistema. Assim para repor o H + a reação deve
correr para direita.
Adição de OH – desloca o sistema para direita
consumindo o OH – adicionado.
OH – como reagente: A +
OH –
B
+
C
Se uma reação
apresenta
Adição de H + desloca o sistema para esquerda
porque o H + consome o OH – existente no
sistema. Assim para repor o OH – a reação deve
correr para esquerda.
Adição de OH – desloca o sistema para esquerda
consumindo o OH – adicionado.
OH – como produto: A
+
B ⇄
OH –
+
C
Adição de H + desloca o sistema para direita
porque o H + consome o OH – existente no
sistema. Assim para repor o OH – a reação deve
correr para direita.
Testes de
Vestibulares
01 – (UFPE – 1 a fase/2002) Em meio básico, alguns cátions metálicos precipitam na forma de hidróxidos gelatinosos, que
são usados para adsorver impurezas sólidas e posteriormente decantá-las, ajudando a purificar a água. Um desses
cátions metálicos é o alumínio, cuja formação inicial de flocos pode ser descrita pela seguinte equação química:
A 2 (SO 4 ) 3(s) + 6 OH – (aq) ⇆ 2 A(OH) 3(s) + 3 SO 4 2– (aq)
Para que este processo seja eficiente, o equilíbrio deve ser deslocado em direção aos produtos, o que pode ser
realizado através:
a) da adição de ácido clorídrico.
c)
do aumento da pressão externa.
e) da adição de hidróxido de sódio.
b) da adição de sulfato de sódio.
d)
da adição de cloreto de potássio.
02 – (UFPE – 1 a fase/96) Se adicionarmos um pouco de cloreto de cálcio, CaC 2 , a uma solução saturada de hidróxido de
cálcio, Ca(OH) 2 , podemos afirmar que:
1)
Ocorrerá um aumento no pH desta solução.
Ocorrerá uma diminuição no pH desta solução.
3)
2)
4)
Não ocorrerá alteração no pH.
Ocorrerá precipitação do Ca(OH) 2 .

Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s):

a) 3 e 4

b) 1

c) 2

d) 3

e)

2 e 4

24
24

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

03
03
03 – (UFPE – 1 a fase/99) A solução aquosa de uma substância HA, apresenta o

(UFPE 1 a fase/99) A solução aquosa de uma substância HA, apresenta o equilíbrio abaixo:

HA (aq)

+

H 2 O

H 3 O +

+

A (aq)

A molécula HA em água é azul, enquanto que o ânion A é verde. Para termos certeza de que uma solução de HA ficará

verde, devemos:

a) Adicionar hidróxido de sódio em excesso à solução.

d)

Aumentar a pressão externa sobre o sistema.

b) Adicionar ácido clorídrico em excesso à solução.

e)

Adicionar ácido sulfúrico à solução.

c) Adicionar cloreto de sódio à solução.

04 – (UFPE – 2 a fase/2007) O pH de fluidos em partes distintas do
04 – (UFPE – 2 a fase/2007) O pH de fluidos em partes distintas do corpo humano tem valores diferentes, apropriados para
cada tipo de função que o fluido exerce no organismo. O pH da saliva é de 6,5; o do sangue é 7,5 e, no estômago, o pH
está na faixa de 1,6 a 1,8.
O
esmalte dos dentes é formado, principalmente por um mineral de composição Ca 10 (PO 4 ) 6 (OH) 2 . Após as refeições,
ocorre diminuição do pH bucal.
O pH do sangue é mantido aproximadamente constante pelo seguinte equilíbrio químico, envolvendo o íon
bicarbonato:
+
H 2 CO 3 (aq)
H + (aq)
HCO 3 – (aq) .
Com base nestas informações avalie as seguintes proposições:
I
II
0
0
A concentração de íons H + é maior na saliva que no sangue.
1
1
A concentração de H + no estômago é maior que 10 –2 mol/L.
2
2
Um aumento na acidez da saliva pode resultar em ataque ao esmalte dos dentes.
3
3
O bicarbonato pode ser usado para elevar o pH do estômago.
4
4 A adição de uma base em um meio contendo acido carbônico, íons hidrogênio e bicarbonato causará
deslocamento do equilíbrio mostrado no enunciado da questão no sentido da formação dos reagentes.
05 – (UFPE – 1 a fase/2003) O aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera tem outras conseqüências
além do efeito estufa. Analisando-se as principais reações envolvidas na formação do esqueleto calcário dos corais
(carbonato de cálcio),
+
CaCO 3(s)
Ca 2+ (aq)
CO 3 2– (aq)
+
CO 3 2– (aq) + H 2 O (l)
HCO 3 – (aq)
OH – (aq)
+
+
HCO 3 – (aq)
H 2 CO 3(aq)
H 2 O (l)
+
CO 2(g)
H 2 CO 3(aq)
H 2 O (l)
OH – (aq)
pode-se inferir, a partir do Princípio de Le Chatelier, que o aumento da concentração de dióxido de carbono na
atmosfera:
a) Causará um aumento na formação do esqueleto dos corais.
b) Causará uma diminuição na formação do esqueleto dos corais.
c) Não afetará a formação do esqueleto dos corais.
d) Aumentará o pH da água do mar.
e) Causará um aumento da concentração de
íons hidroxila.
06 – (UPE – Quí. II/2008) As afirmativas abaixo estão relacionadas com a físico-química das reações. Analise-as e conclua.
I
II
0
0
A passagem de calor de um béquer contendo água morna para outro contendo água quente não ocorre,
porque contraria o primeiro princípio da termodinâmica.
1
1
A energia de ativação de uma reação é sempre a mesma e independe, portanto, da reação ser ou não
catalisada, desde que a temperatura do sistema permaneça constante.
2
2
A adição de HCℓ (aq) ao sistema reacional
CH 3 COOH (aq)
+
+
H 2 O (ℓ)
CH 3 COO –1 (aq)
H 3 O 1+ (aq)
produz o deslocamento do equilíbrio para a esquerda, diminuindo o grau de ionização do ácido acético.
3
3
A espontaneidade das reações que ocorrem em sistemas fechados depende exclusivamente da variação da
entalpia da reação, sendo espontâneas, apenas, as reações endotérmicas.
4
4

A variação da energia livre de uma reação corresponde à quantidade máxima de energia disponível para execução de trabalho útil.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

25
25
07 – (UFPE – 2 a fase/2004) Julgue as afirmativas abaixo que se referem às
07 – (UFPE – 2 a fase/2004) Julgue as afirmativas abaixo que se referem às

07 (UFPE 2 a fase/2004) Julgue as afirmativas abaixo que se referem às duas soluções aquosas descritas pelos equilíbrios químicos:

(1)

(2)

HC(aq)

+

H 2 O ()

CH 3 COOH (aq)

+

H 2 O ()

H 3 O + (aq)

Z (aq)

+

+

CH 3 COO (aq) .

Y (aq)

II

0 0

I

A constante de equilíbrio da equação (2) é menor que a constante de equilíbrio da equação (1), pois o ácido clorídrico é um ácido de Brönsted-Lowry mais forte que o ácido etanóico (ácido acético).

A espécie Y representa uma base conjugada de Lewis mais forte que o íon etanoato (acetato).

Se a concentração de ácido clorídrico na solução descrita pela equação (1) for 10 8 M, então, o seu pH é igual a 8, considerando-se a constante de auto-ionização da água igual a 10 14 .

1 1

2 2

3 A espécie Z é o íon hidrônio, e a espécie Y é o íon
3 A espécie Z é o íon hidrônio, e a espécie Y é o íon cloreto.
3
4 A adição de cristais de cloreto de sódio à solução descrita pela equação (1) leva a um aumento da
concentração do íon hidrônio.
4
08 – (Enem – 2ª Prova/2009) Sabões são sais de ácidos carboxílicos de cadeia longa utilizados com a finalidade de facilitar,
durante processos de lavagem, a remoção de substâncias de baixa solubilidade em água, por exemplo, óleos e
gorduras. A figura a seguir representa a estrutura de uma molécula de sabão.
CO 2 – Na +
Sal de ácido carboxílico.
Em solução, os ânions do sabão podem hidrolisar a água e, desse modo, formar o ácido carboxílico correspondente.
Por exemplo, para o estearato de sódio, é estabelecido o seguinte equilíbrio:
CH 3 (CH 2 ) 16 COO –
+
H 2 O
CH 3 (CH 2 ) 16 COOH
+
OH –
Uma vez que o ácido carboxílico formado é pouco solúvel em água e menos eficiente na remoção de gorduras, o pH do
meio deve ser controlado de maneira a evitar que o equilíbrio acima seja deslocado para a direita.
Com base nas informações do texto, é correto concluir que os sabões atuam de maneira
a) mais eficiente em pH básico.
c) mais eficiente em pH neutro.
e) mais eficiente em pH ácido ou neutro.
b) mais eficiente em pH ácido.
d) eficiente em qualquer faixa de pH.
09 – (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – IFPE/2010) O cheiro característico de peixe é
proveniente das aminas, principalmente a metilamina (H 3 C–NH 2 ), que é formada a partir da decomposição de
proteínas. Uma maneira que as donas de casa utilizam para tirar esse cheiro, é colocando limão no peixe. Abaixo tem-
se a reação ocorrida nesse processo.
H 3 C –
+
+
NH 2(g)
H 2 O (ℓ)
H 3 C – NH 3 1+ (aq)
OH 1– (aq)
Numa das alternativas abaixo, está corretamente explicado o porquê dessa diminuição ou saída do odor. Assinale-a.
a) Ao colocar gotas de limão, os íons H 1+ reagiram com os íons OH 1– do sistema, deslocando o equilíbrio para a direita,
conseqüentemente diminuindo a concentração
de H 3 C – NH 2 .
b) O ácido do limão vai tornar a solução mais diluída, expulsando, assim, o cheiro do peixe.
c) A adição de gotas de limão favorecerá o aumento do pH do sistema, responsável pelo odor.
d) A amina se dissolve no suco de limão, formando a trimetilamina, composto que não tem cheiro.
e) O ácido acético, contido no limão, reage com a metilamina, liberando gás amoníaco, responsável pelo mau cheiro.
10 – (UPE – Quí. I/2005) Qual das afirmativas abaixo se aplica ao hidróxido de amônio?
a)
É uma base forte, solúvel em água destilada e bem estável em temperaturas altas.
b)
É uma base fraca, pouco solúvel em água destilada, mas muito estável em função da atração elétrica entre os íons
NH 4 1+ e OH 1- .
c)
A molécula do hidróxido de amônio é fortemente polar, tem geometria tetraédrica, com a oxidrila ocupando o
centro do tetraedro.
d)
Na prática, quando se fala do grau de ionização do hidróxido de amônio, refere-se, portanto, ao grau de ionização
do NH 3 .

e) É a única base da química inorgânica que, dissolvida em água, origina um meio neutro em função da volatilidade da amônia.

26
26

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

11
11

II

0

11 II 0 – (UFPE – 2 a fase/2010) As estalactites são muito comuns em cavernas

(UFPE 2 a fase/2010) As estalactites são muito comuns em cavernas e compostas basicamente por CaCO 3 . São originadas por ação das águas da chuva e do gás carbônico atmosférico (CO 2(g) ) sobre o terreno calcário (CaCO 3(s) , insolúvel em água), que se infiltram no solo chegando assim até as cavernas. Sobre este fenômeno, podemos dizer:

I

0

a água da chuva é capaz de dissolver o gás carbônico, gerando soluções diluídas de ácido carbônico, de acordo com a equação:

CO 2(g)

+

H 2 O (ℓ)

H 2 CO 3(aq) .

1

1 o carbonato de cálcio se dissolve na água, em grande quantidade no período das chuvas, dando origem às estalactites.

2 sabendo-se que o bicarbonato de cálcio é solúvel em água, é razoável afirmar que
2 sabendo-se que o bicarbonato de cálcio é solúvel em água, é razoável afirmar que o ácido carbônico formado
pela água da chuva ataca o carbonato de cálcio, gerando o bicarbonato de cálcio:
2
+
CaCO 3(s)
Ca(HCO 3 ) 2(aq)
H 2 CO 3(aq)
3 se adicionarmos HCℓ (aq) a uma estalactite, deverá ocorrer a liberação de gás cloro (Cℓ 2(g) ).
3
4 4 considerando que a quantidade de CO 2(g) dentro de uma caverna é muito baixa, podemos afirmar que, ao
chegar na caverna, os equilíbrios iônicos existentes na água da chuva tendem a favorecer o processo de
formação das estalactites.
12 – (UFPE – 2 a fase/2007) O gás carbônico é uma substância de grande importância biológica e ambiental. Esta
importância, em parte, se deve ao equilíbrio
CO
+
H 2 O
H 2 CO 3 .
2
O ácido carbônico formado neste sistema é um ácido muito fraco. O ânion carbonato, que está presente na estrutura
deste ácido, pode ser encontrado na natureza na forma de rochas calcárias que contêm elevado teor de carbonato de
cálcio. Avalie as afirmativas abaixo, acerca das espécies envolvidas nos equilíbrios do íon carbonato.
I
II
0
0
O CO 2 é um óxido ácido.
1
1
A dissolução de carbonato de cálcio em água deve originar um meio alcalino.
2
2
O íon bicarbonato, HCO 3 – , é um íon anfótero, pois, em solução aquosa, pode atuar tanto como ácido quanto
como uma base.
3
3
A adição de um ácido a uma solução saturada de carbonato de cálcio deve aumentar a solubilidade deste sal.
4
4
O CO 2 deve reagir com hidróxido de sódio resultando, entre possíveis produtos, o bicarbonato e o carbonato
de sódio.
13 – (ENEM – 2010/2ª Aplicação) O pH do solo pode variar em uma faixa significativa devido a várias causas. Por exemplo,
o solo de áreas com chuvas escassas, mas com concentrações elevadas do sal solúvel carbonato de sódio (Na 2 CO 3 ),
torna-se básico devido à reação de hidrólise do íon carbonato, segundo o equilíbrio
+
+
CO 2 2– (aq)
H 2 O (ℓ)
HCO 3 – (aq)
OH – (aq)
Esses tipos de solos são alcalinos demais para fins agrícolas e devem ser remediados pela utilização de aditivos
químicos.
Suponha que, para remediar uma amostra desse tipo de solo, um técnico tenha utilizado como aditivo a cal virgem.
Nesse caso a remediação
a) foi realizada, pois o caráter básico da cal virgem promove o deslocamento do equilíbrio descrito para a direita, em
decorrência da elevação do pH do meio.
b) foi realizada, pois o caráter ácido da cal virgem promove o deslocamento do equilíbrio descrito para a esquerda,
em decorrência da redução do pH do meio.
c) não foi realizada, pois o caráter ácido da cal virgem promove o deslocamento do equilíbrio descrito para a direita,
em decorrência da redução do pH do meio.
d) não foi realizada, pois o caráter básico da cal virgem promove o deslocamento do equilíbrio descrito para a
esquerda, em decorrência da elevação do pH do meio.

e)

não foi realizada, pois o caráter neutro da cal virgem promove o deslocamento do equilíbrio descrito para a esquerda, em decorrência da manutenção do pH do meio.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

27
27
14
14
14 – (ENEM – 1999) Suponha que um agricultor esteja interessado em fazer uma plantação de

(ENEM 1999) Suponha que um agricultor esteja interessado em fazer uma plantação de girassóis. Procurando informação, leu a seguinte reportagem:

Solo ácido não favorece plantio

Alguns cuidados devem ser tomados por quem decide iniciar o cultivo do girassol. A oleaginosa deve ser plantada em solos descompactados, com pH acima de 5,2 (que indica menor acidez da terra). Conforme as recomendações da Embrapa, o agricultor deve colocar, por hectare, 40 kg a 60 kg de nitrogênio, 40 kg a 80 kg de potássio e 40 kg a 80 kg de fósforo. O pH do solo, na região do agricultor, é de 4,8. Dessa forma, o agricultor deverá fazer a “calagem”.

(Folha de S. Paulo, 25/09/1996)

Suponha que o agricultor vá fazer calagem (aumento do pH do solo por adição de cal virgem CaO). De maneira simplificada, a diminuição da acidez se dá pela interação da cal (CaO) com a água presente no solo, gerando hidróxido de cálcio (Ca(OH) 2 ), que reage com os ions H + (dos ácidos), ocorrendo, então, a formação de água e deixando ions Ca 2+ no solo.

Considere as seguintes equações: I. CaO + 2H 2 O  Ca(OH) 3 II. CaO
Considere as seguintes equações:
I. CaO + 2H 2 O  Ca(OH) 3
II. CaO + H 2 O
 Ca(OH) 2
III. Ca(OH) 2 + 2H +  Ca 2+ + 2H 2 O
IV. Ca(OH) 2 + H +  CaO + H 2 O
O processo de calagem descrito acima pode ser representado pelas equações:
a) I e II
b) I e IV
c)
II e III
d) II e IV
e)
III e IV
15 – (ENEM – 2010/1ª Aplicação) As misturas efervescentes, em pó ou em comprimidos, são comuns para a
administração de vitamina C ou de medicamentos para azia. Essa forma farmacêutica sólida foi desenvolvida para
facilitar o transporte, aumentar a estabilidade de substâncias e, quando em solução, acelerar a absorção do fármaco
pelo organismo.
As matérias-primas que atuam na efervescência são, em geral, o ácido tartárico ou o ácido cítrico que reagem com um
sal de caráter básico, como o bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ), quando em contato com a água. A partir do contato da
mistura efervescente com a água, ocorre uma série de reações químicas simultâneas: liberação de íons, formação de
ácido e liberação do gás carbônico — gerando a efervescência.
As equações a seguir representam as etapas da reação da mistura efervescente na água, em que foram omitidos os
estados de agregação dos reagentes, e H 3 A representa o ácido cítrico.
I –
Na +
+
II –
NaHCO 3
H 2 CO 3
H 2 O
+
HCO 3
CO 2
III –
HCO 3 –
+
H +
H 2 CO 3
IV –
H 3 A
3 H +
+
A –
A ionização, a dissociação iônica, a formação do ácido e a liberação do gás ocorrem, respectivamente, nas seguintes
etapas:
a) IV, I, II e III
b) I, IV, III e II
c) IV, III, I e II
d) I, IV, II e III
e) IV, I, III e II
16 – (FESP – UPE/90) Assinale na coluna I as proposições verdadeiras (corretas) e na coluna II as proposições falsas
(incorretas).
I
II
0
0
A água pura em quaisquer condições de temperatura e pressão, apresenta sempre a concentração dos íons H +
igual a 10 –7 molar.
1 1 Quando um elemento radioativo emite partícula beta, origina um outro elemento com o mesmo número
atômico.
2 2
As interações de Van Der Waals, são forças que se manifestam entre moléculas apolares.
3 3
A expressão de equilíbrio para a reação expressa pela equação
5 CO (g)
+
+
é:
[ I 2 ] [ CO 2 ] 5 / [ CO ] 5
I 2 O 5(s)
I 2(g)
5 CO 2(g)
4 4
O sulfato de amônio é um sal que adicionado a um béquer contendo água pura, nas condições ambiente torna o
pH do meio menor que 7.
28
28

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

17
17
17 – (UFPE – 1 a fase/2008) Observe as equações químicas abaixo, com suas respectivas constantes

(UFPE 1 a fase/2008) Observe as equações químicas abaixo, com suas respectivas constantes de equilíbrio (em 298K) e analise as afirmações a seguir.

2 H 2 O ()

ZnS (s)

CH 3 COOH (aq)

NH 3(aq)

AgCℓ (s)

NH 4 + (aq)

+

+

H 3 O + (aq) Zn 2+ (aq)

+

+

H 2 O ()

+

H 2 O () Ag + (aq) H 2 O (ℓ)

+

OH (aq) S 2 (aq)

CH 3 COO (aq)

+

NH 4 + (aq) Cℓ (aq) NH 3(aq)

+

+

OH

(aq)

H 3 O + (aq)

H 3 O + (aq)

K = 1,0 x 10 14 K = 1,6 x 10 24 K = 1,8 x 10 5 K = 1,8 x 10 5 K = 1,6 x 10 10 K = 5,6 x 10 10

1) 2) 3) A concentração de H 3 O + na água pura é 1,0
1)
2)
3)
A concentração de H 3 O + na água pura é 1,0 x 10 –7 mol . L –1 . Por isso, o pH da água pura é igual a 7,0.
Sulfeto de zinco e cloreto de prata são sais pouco solúveis. Entretanto a solubilidade do sulfeto de zinco é menor
que a do cloreto de prata.
A solubilidade do cloreto de prata, em água pura, em mol . L –1 é numericamente igual à raiz quadrada de 1,6 x
–10 .
10
4)
5)
A amônia é uma base, segundo as definições de arrhenius, de Bronsted-Löwry e de Lewis. O valor da constante
de equilíbrio indica que é uma base fraca.
O íon amônio forma um par ácido-base conjugado com a amônia. O produto das constantes de acidez e
basicidade de um par ácido-base conjugado é igual à constante de auto-protólise da água.
Estão corretas
a)
1, 2 e 3 apenas
b)
1, 4 e 5 apenas
c) 2,4 e 5 apenas
d)
2, 3 e 5 apenas
e)
1, 2, 3, 4 e 5
18 – (UFPE – 2 a fase/2006) Enquanto dirige, José pensa: “Parece que Milton ingeriu um pouco de um ácido hipotético.
Felizmente, terei tempo de chegar a meu consultório e lhe administrar o antídoto”.
O ácido hipotético, conhecido como HPp, é uma substância que José descobrira ao ler um texto antigo: “Ácido forte,
monoprótico, líquido volátil, inodoro e extremamente tóxico, mesmo em pequenas doses. É solúvel em água, mas
tende a evaporar em alguns minutos se o recipiente estiver à pressão atmosférica”.
José não tinha muitos conhecimentos de Química, mas já havia tratado uma outra pessoa com sintomas semelhantes.
Quando inalado, este ácido ataca imediatamente as mucosas das vias respiratórias, que são muito úmidas, causando,
inicialmente, uma leve irritação.
Nesse contexto, pode-se afirmar que:
I
II
0
0
O ataque às vias respiratórias se dá pela dissociação do ácido na presença de água, segundo a equação:
+
+
HPp (aq)
H 2 O (l)
H 3 O + (aq)
Pp – (aq) .
1
1
Na presença de uma base como a piridina, C 5 H 5 N, ocorre o seguinte equilíbrio:
HPp
+
C 5 H 5 N
Pp –
+
C 5 H 5 NH + .
2
2
A constante de acidez do ácido hipotético deve ser da ordem de 6,2 x 10 –10 .
3
3
O ácido hipotético tem baixa pressão de vapor.
4
4
O pH de uma solução de ácido hipotético 1,0 x 10 –4 mol.L –1 será igual a 4,0.
19 – (UPE – Quí. II/2009) Sobre as propriedades dos compostos inorgânicos são apresentadas as afirmativas abaixo.
Analise-as e conclua.
I
II
0
0
A equação Cu 2+ + 4 NH 3 ⇄ [Cu(NH 3 ) 4 ] 2+ corresponde à reação de neutralização ácido-base, de acordo com
Lewis.
1
1
Insuflando-se uma corrente de H 2 S (g) numa solução aquosa de nitrato de prata, existe a formação de um
precipitado.
2
2
Em laboratório, pode-se obter o carbonato de cálcio a partir da decomposição térmica do bicarbonato de
sódio, desde que se tenha uma solução aquosa de hidróxido de cálcio.
3
3
A decomposição térmica do N 2 O não favorece a combustão de uma vela, pois, quimicamente, esse óxido
funciona, apenas, como um potente combustível.
4
4
As bases dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos são todas perfeitamente solúveis em água e, quando
aquecidas à temperatura baixa, originam óxido e água.

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

29
29
20 – (UNICAP – Quí. I/98)
20 – (UNICAP – Quí. I/98)
20 – (UNICAP – Quí. I/98) I 0 1 2 3 4 II 0 1 2

I

0

1

2

3

4

II

0

1

2

3

4

Se o grau de ionização do ácido fórmico for 1,77 x 10 4 e a do ácido benzóico for 6,4 x 10 5 , podemos concluir que o ácido benzóico é mais forte que o ácido fórmico.

Segundo Ostwald, “o grau de ionização de um eletrólito cresce com a diluição da solução.

Na reação

a constante Kc = [ CO ] / [ CO 2 ].

A velocidade de decomposição do peróxido de hidrogênio é acelerada quando sobre o próprio incide luz. Nesse caso, a luz é um catalizador.

Numa reação reversível com Kc > 1, no equilíbrio, a [ PRODUTOS ] > [ REAGENTES ].

FeO (s)

+

CO (g)

Fe (s)

+

CO 2(g) ,

21 – (UNICAP – Quí. II/93) Em um laboratório, foram preparadas cinco soluções aquosas, cujos
21 – (UNICAP – Quí. II/93) Em um laboratório, foram preparadas cinco soluções aquosas, cujos solutos são ácido
clorídrico, ácido acético, hidróxido de potássio, cloreto de sódio e hidróxido de amônio. Um analista, nas condições
ambientais, acondicionou essas soluções em frascos de reagentes, numerando-os de 1 a 5. Na tabela a seguir, estão as
anotações do analista.
Frascos numerados
1
2 3
4 5
[ H + ]
> 10 -7
> 10 -7
< 10 -7
< 10 -7
= 10 -7
Grau de ionização (  )
< 5%
> 5%
> 5%
< 5%
> 5%
I
II
0
0
No frasco 1, pode estar contido ácido clorídrico e, no 4, ácido acético.
1
1
1 No frasco 2, pode estar contido ácido clorídrico e, no 5, cloreto de sódio.
2
2
No frasco 4, pode estar contido hidróxido de amônio e, no 5, cloreto de sódio.
3
3
No frasco 1, pode estar contido ácido acético e, no 3, hidróxido de potássio.
4
4
No frasco 2, pode estar contido hidróxido de potássio e, no 3, ácido clorídrico.
22 – (UPE – EAD/2012) Uma amostra de água apresentava um cheiro desagradável por causa da presença de substância
gasosa, resultante da decomposição de restos de peixe. Em água, ela apresenta o equilíbrio químico mostrado a seguir:
+
H 3 CNH 3 +
+
H 3 CNH 2(g)
H 2 O (ℓ)
OH – (aq)
Sobre o processo acima descrito, realizam-se os seguintes comentários.
I. Essa amina secundária é um ácido de Arrhenius.
II. O íon metilamônio, CH 3 NH 4 + é o ácido conjugado da metilamina.
III. A adição de um ácido diminuiria o mau-cheiro por causa da redução da quantidade do gás metilamina.
Está CORRETO, apenas, o que se afirma em
a) I.
b)
II.
c)
III.
d)
I e III.
e)
II e III.
23 – (UFPE – Ensino à Distância/2010.2) O ácido metanóico, mais conhecido como ácido fórmico, possui inúmeras
aplicações, entre elas, no tratamento de reumatismo, no processamento do couro, como fixador de corantes em
tecidos, como pesticida usado no combate de ácaros etc. O equilíbrio de transferência de prótons do ácido metanóico,
em água, é representado pela equação:
HCOOH (aq) + H 2 O (ℓ) ⇄
+
HCOO −1 (aq)
H 3 O + (aq)
A adição de uma pequena quantidade de metanoato de sódio (HCOONa) que influência terá no deslocamento do
equilíbrio e no pH?
a) Deslocamento para a direita e diminuição do pH.
d)
b) Deslocamento para a direita e aumento do pH.
e)
Deslocamento para a esquerda e aumento do pH.
Não acarretará deslocamento do equilíbrio.
c) Deslocamento para a esquerda e diminuição do pH.
30
30

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

24
24
24 – (ENEM/2011) Os refrigerantes têm-se tornado cada vez mais o alvo de políticas públicas de

(ENEM/2011) Os refrigerantes têm-se tornado cada vez mais o alvo de políticas públicas de saúde. Os de cola apresentam ácido fosfórico, substância prejudicial à fixação de cálcio, o mineral que é o principal componente da matriz dos dentes. A cárie é um processo dinâmico de desequilíbrio do processo de desmineralização dentária, perda de minerais em razão da acidez. Sabe-se que o principal componente do esmalte do dente é um sal denominado hidroxiapatita. O refrigerante, pela presença da sacarose, faz decrescer o pH do biofilme (placa bacteriana), provocando a desmineralização do esmalte dentário. Os mecanismos de defesa salivar levam de 20 a 30 minutos para normalizar o nível do pH, remineralizando o dente. A equação química seguinte representa esse processo:

desmineralização

Ca 5 (PO 4 ) 3 OH (s) + + 5 Ca 2+ (aq) 3
Ca 5 (PO 4 ) 3 OH (s)
+
+
5 Ca 2+ (aq)
3 PO 4 3– (aq)
OH – (aq)
mineralização
Hidroxiapatita
GROISMAN, S. Impacto do refrigerante nos dentes é avaliado sem tirá-lo da dieta.
Disponível em: http://www.isaude.net. Acesso em: 1 maio 2010 (adaptado).
Considerando que uma pessoa consuma refrigerantes diariamente, poderá ocorrer um processo de desmineralização
dentária, devido ao aumento da concentração de
a)
OH – , que reage com os íons Ca 2+ , deslocando o equilíbrio para a direita.
b)
H + , que reage com as hidroxilas OH – , deslocando o equilíbrio para a direita.
C)
OH – , que reage com os íons Ca 2+ , deslocando o equilíbrio para a esquerda.
d)
H + , que reage com as hidroxilas OH – , deslocando o equilíbrio para a esquerda.
e)
Ca 2+ , que reage com as hidroxilas OH – , deslocando o equilíbrio para a esquerda.
25 – (UPE – Tradicional/2012) O esmalte do dente é constituído de um material muito pouco solúvel em água, cujo
principal componente é a hidroxiapatita, Ca 5 (PO 4 ) 3 OH. Durante a formação do dente, dentro do osso, ocorre somente
o processo de mineralização, para que essa substância seja produzida. Quando o dente é exposto ao meio bucal, a
desmineralização passa a ocorrer, ou seja, uma quantidade muito pequena de hidroxiapatita passa a se dissolver. Esse
processo de mineralização/desmineralização é descrito pela equação mostrada a seguir:
Ca 5 (PO 4 ) 3 OH (s) +
+
+
H 2 O (ℓ)
5 Ca 2+ (aq)
3 PO 4 3– (aq)
OH – (aq)
O pH normal da boca é em torno de 6,8; a desmineralização torna-se predominante a um pH abaixo de 5,5.
Adaptado de SILVA, R. R. et al. A química e a conservação dos dentes, Química Nova na Escola, 13, 3-8, 2001.
Em relação ao processo de mineralização/desmineralização, são feitas as afirmativas a seguir:
I. A hidroxiapatita é um óxido básico resistente a grandes variações de pH.
II. Dois dos fatores que determinam a estabilidade da apatita na presença da saliva são as concentrações dos íons
cálcio e fosfato em solução.
III. A velocidade da desmineralização pode ser maior que a da mineralização, quando a concentração de ácidos se
torna muito elevada sobre a superfície do esmalte.
Está CORRETO apenas o que se afirma em
a) I.
b)
II.
c)
III.
d)
I e III.
e)
II e III.
Resoluções de Testes
Comentários Adicionais
III. d) I e III. e) II e III. Resoluções de Testes Comentários Adicionais Equilíbrios Iônicos

Equilíbrios Iônicos pH e pOH

31
31
Gabarito de: Equilíbrios Iônicos (91 questões) Páginas 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14
Gabarito de: Equilíbrios Iônicos (91 questões) Páginas 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14

Gabarito de:

Equilíbrios Iônicos (91 questões)

Gabarito de: Equilíbrios Iônicos (91 questões) Páginas 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14 e
Gabarito de: Equilíbrios Iônicos (91 questões) Páginas 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14 e

Páginas 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14 e 15.

N

o

Resposta

N

o

Resposta

N

o

Resposta

N

o

Resposta

01 C 14 E 27 25 40 B 02 D 15 B 28 20 41
01
C
14
E
27
25
40
B
02
D
15
B
28
20
41
A
03
C
16
VVFFF
29
B
42
A
04
E
17
06
30
VFFVV
43
10
05
05
18
02
31
12
44
60
06
B
19
04
32
D
45
46
07
A
20
C
33
10
46
D
08
D
21
C
34
FFVVF
47
D
09
B
22
E
35
04
48
B
10
D
23
VVVFV
36
C
49
FFVVF
11
E
24
10
37
C
50
24
12
D
25
C
38
C
51
C
13
80
26
C
39
E
Páginas 19 à 22.
N o
Resposta
N o
Resposta
N o
Resposta
N o
Resposta
01
E
06 FVFFF
11
VVFVV
02
A
07 VVVVF
12
E
03
A
08 VFFFV
13
C
04
VFFVF
09 VVVFF
14
VFVFF
05
VFFFV
10 FFVVF
15
VVVVF
Páginas 23, 24, 25, 26, 27, 28 e 29.
N o
Resposta
N o
Resposta
N o
Resposta
N o
Resposta
01
E 08
A
15
E
22
E
02
A 09
A
16
FFVFV
23
D
03
A 10
D
17
E
24
B
04
VVVVF
11
VFVFV
18
VVFFV
25
E
05
A
12
VVVVV
19
VVFF
06
FFVFV
13
D
20
FVFFV
07
VFFVF
14
C
21
FVVVF
Comunique-se com seu professor: quimicaeber@hotmail.co
32
32

Equilíbrios Iônicos pH e pOH