Você está na página 1de 172

EDIÇÃO DE 19º ANIVERSÁRIO

os segredos para um backup seguro

Conheça as melhores alternativas para criar cópias e proteger as suas fotos

N O 228

|

Ano 19

criar cópias e proteger as suas fotos N O 228 | Ano 19 Novas seções 40

Novas seções

40

dicas de fotografia de

paisagem

Pós-produção: como fazer fusão de imagens

Negócios: as opções para formalizar sua empresa

Tecnologia: a revolucionária mesa de edição de imagem

Tecnologia: a revolucionária mesa de edição de imagem Confira e vire um especialista no assunto GRÁTIS
Tecnologia: a revolucionária mesa de edição de imagem Confira e vire um especialista no assunto GRÁTIS
Tecnologia: a revolucionária mesa de edição de imagem Confira e vire um especialista no assunto GRÁTIS

Confira e vire um especialista no assunto

GRÁTIS
GRÁTIS

Monte o seu estúdio com R$ 1 mil

Selecionamostrês kits econômicos de R$ 1 mil a R$ 4 mil

Fotojornalismo

24 TESTEEXCLUSIVO MP CANON
24
TESTEEXCLUSIVO
MP
CANON

Rebel T6i

Todas as novidades da DSLRrecém-lançada

As emocionantes aventuras de um correspondente internacional

/NikonBrasil www.nikon.com.br
/NikonBrasil
www.nikon.com.br

EU SOU

Lib

2015. Produto Importado. Imagens meramente ilustrativas. Lente não faz parte do kit. Garantia de 3 anos somente para produtos oficiais fornecidos pela Nikon do Brasil ltda. Informações sobre o produto e seus recursos, leia cuidadosamente o Manual de Instruções e acesse www.nikon.com.br. Wi-Fi ® e o logo Wi-Fi ® CERTIFIED são marcas registradas da Wi-Fi Alliance. Para compatibilidade e especificações em relação à capacidade de Wi-Fi ® , acesse www.nikon.com.br/compatibilidade-wifi

Como reConheCer um produto oFICIAL ForneCIdo peLA nIkon do BrAsIL LtdA. *

P r o d u t G o O A c i R a l
P
r
o
d
u
t
G
o
O
A
c
i
R
a
l
A
N
i
k
N
o
n
T
d
I
o
A
B
r
a
s
i
l

Câmeras DSLR FX e Flashes

P r o d u G t o A O c R i a l
P
r
o
d
u
G
t
o
A
O
c
R
i
a
l
A
N
i
N
k
o
T
n
d
I
o
A
B
r
a
s
i
l

Lentes

Nikkor

P r o d u G t o A O c R i a l
P
r
o
d
u
G
t
o
A
O
c
R
i
a
l
A
N
i
N
k
o
T
n
I
d
o
A
B
r
a
s
i
l

Câmeras DSLR DX e Série Nikon 1

P r o d u G t o A O c R i a l
P
r
o
d
u
G
t
o
A
O
c
R
i
a
l
A
N
i
N
k
o
T
n
I
d
o
A
B
r
a
s
i
l

Câmeras

COOLPIX

erdade FX

erdade FX Selo de importador com dados da Nikon do Brasil Ltda. ou impressão na caixa

Selo de importador com dados da Nikon do Brasil Ltda. ou impressão na caixa de que o produto foi produzido na Zona Franca de Manaus.

de que o produto foi produzido na Zona Franca de Manaus. Termo de Garantia original Nikon

Termo de Garantia original Nikon do Brasil Ltda. em português (dentro da caixa).

Nikon do Brasil Ltda. em português (dentro da caixa). Liberdade fuLL-frame. VersatiLidade compacta. Sensor CMOS

Liberdade fuLL-frame. VersatiLidade compacta.

Sensor CMOS formato FX Nikon de 24,3MPda caixa). Liberdade fuLL-frame. VersatiLidade compacta. Processador de imagem EXPEED 4 Disparo contínuo de 6,5 qps

Processador de imagem EXPEED 4compacta. Sensor CMOS formato FX Nikon de 24,3MP Disparo contínuo de 6,5 qps Sistema de auto

Disparo contínuo de 6,5 qpsformato FX Nikon de 24,3MP Processador de imagem EXPEED 4 Sistema de auto foco de 51

Sistema de auto foco de 51 pontos, com 15 sensores do tipo cruzadoProcessador de imagem EXPEED 4 Disparo contínuo de 6,5 qps Sensibilidade ISO real de 100 a

Sensibilidade ISO real de 100 a 12.800, expansível para 51.200de auto foco de 51 pontos, com 15 sensores do tipo cruzado Gravação de vídeos FULL

Gravação de vídeos FULL HD 1080p comISO real de 100 a 12.800, expansível para 51.200 frame rate selecionável de 60p, 50p, 30p,

frame rate selecionável de 60p, 50p, 30p, 25p

e 24p. Controle manual do ISO, velocidade e f/stop durante a gravação LCD de 3,2”
e
24p. Controle manual do ISO, velocidade
e
f/stop durante a gravação
LCD de 3,2” articulável
para baixo ou para
cima, com resolução
de 1.229.000 pontos EMBUTIDO

Saiba +

cima, com resolução de 1.229.000 pontos EMBUTIDO Saiba + Compre online www.nikon.com.br Lacre amarelo da Nikon.
Compre online www.nikon.com.br
Compre online
www.nikon.com.br
Lacre amarelo da Nikon.
Lacre
amarelo
da Nikon.

Guia de Início Rápido / Manual em português (dentro da caixa).

D i r etor es Aydano Roriz Luiz Siqueira Tânia Roriz EditoreDiretorResponsável: AydanoRoriz DiretorExecutivo:

D i r etor es

Aydano Roriz

Luiz Siqueira

Tânia Roriz

EditoreDiretorResponsável:AydanoRoriz

DiretorExecutivo:LuizSiqueira

DiretorEditorialeJornalistaResponsável:

RobertoAraújo–MTb.10.766–araujo@europanet.com.br

REDação

DiretordeRedação: SérgioBranco(branco@europanet.com.br)

Editora-assistente:KarinaSérgioGomes

Repórteres:LiviaCapelieNatáliaMelo(estagiária)

Editoradearte:IzabelDonaire

Revisãodetexto:PaulaPassarelli

Colaboradorespecial:DiegoMeneghetti

Colaboraramnestaedição:AlexMantesso,AlexUchoa,FaustoSaez,Flávia

Santinon(arte),GuilhermeMota,JuanEsteves,LaurentGuerinaudePríamoMelo

PubliciDaDE (publicidade@europanet.com.br)

Diretorcomercial:MauricioDias(11)3038-5093

SãoPaulo EquipedePublicidade: AngelaTaddeo,AlessandroDonadio, ElisangelaXavier,LigiaCaetano,RenatoPeróneRobertaBarricelli

CriaçãoPublicitária: DanielBordini Tráfego: GabrielleSaraiva

outrasRegiões BahiaeSergipe: AuraBahia–(71)3345-5600/9965-8133 Brasília: NewBusiness–(61)3326-0205 Paraná: GRPMídia–(41)3023-8238

RioGrandedoSul:SementeAssociados–(51)8146-1010

SantaCatarina:MCRepresentações–(48)9983-2515

Outrosestados:MauricioDias–(11)3038-5093

Publicidade–EUAeCanadá:GlobalMedia,+1(650)306-0880

Propaganda: DeniseSodré

ciRculação E livRaRiaS

Gerente:ÉzioVicente(ezio@europanet.com.br)

Equipe:HenriqueGuerche,PaulaHanneePedroNobre

aSSinatuRaS E atEnDimEnto ao lEitoR

Gerente:FabianaLopes(fabiana@europanet.com.br)

Coordenadora:TamarBiffi(tamar@europanet.com.br)

Equipe:CarlaDias,JosiMontanari,VanessaAraújo,MayllaCosta,

CamilaBrogio,BiaMoreira,MilaAranteseFabrineMacedo

EuRoPa Digital

Gerente:MarcoClivati(marco.clivati@europanet.com.br)

Equipe:AndersonCleiton,AndersonRibeiro,AdrianoSeveroeKarineFerreira

PRoDução E EvEntoS

Gerente:AidaLima(aida@europanet.com.br)

Equipe:BethMacedo(produção)eDeniseSodré(propaganda)

logíStica

Coordenação:LiliamLemos(liliam@europanet.com.br)

Equipe:PauloLobato,GabrielOliveira,GustavoSouzaeThiagoCardoso

aDminiStRação

Gerente:RenataKurosaki

Equipe:PaulaOrlandini,ViníciusSerpaeWilliamCosta

DESEnvolvimEnto DE PESSoal

TâniaRorizeElisangelaHarumi

EntRE Em contato

Telefone: 0800-8888-508(ligaçãogratuita)e

(11)3038-5050(cidadedeSãoPaulo)

PelaInternet:www.europanet.com.br E-mail: atendimento@europanet.com.br

ARevista FotografeMelhor éumapublicaçãoda EditoraEuropaLtda

(ISSN1413-7232).AEditoraEuropanãoseresponsabilizapeloconteúdo

dosanúnciosdeterceiros.

DiStRibuiDoR ExcluSivo PaRa o bRaSil

DinapLtda.–DistribuidoraNacionaldePublicações

RuaDr.KenkitiShimomoto,1678,Osasco(SP),CEP06045-390.

imPRESSão

Log&PrintGráficaeLogísticaS.A.

4

Somosfiliadosao:

Log&PrintGráficaeLogísticaS.A. 4 Somosfiliadosao: Instituto Verificador de Circulação • Fotografe Melhor n

Instituto Verificador

de Circulação

• Fotografe Melhor n

o

228

CARTA AO LEITOR

A partirdestaediçãovamosentrarnovigésimoanodeFotografe. Para você entender: completamos 19 anos em setembro de

2015e,acomeçardaediçãodeoutubro,seguimosparaoano

20,queserácompletadoemsetembrode2016.Nessasduas

décadas, houve muitas mudanças no universo da fotografia. A principaldelasfoiofimdafaseanalógica–queextraoficialmente recebeu a extrema unção em 2004 – para o nascimento da era digital. Mas nenhum adivinho, visionário ou futurologista sequer passou perto de imaginar no que se transformaria a fotografia após o surgimento das redes sociais e dos smartphones. Fotografeacompanhoutodasessastransformações.Informou,

mostrou, praticou, ensinou e debateu tudo o que de importante ocorreu nesses longos e paradoxalmente rápidos 19 anos. Lá

pelosidosde2002,fomosduramentecriticadosporalgumasem-

presasfortesdomercadoàépocaporapostarmosnocrescimento

do sistema digital em detrimento de um já moribundo mercado analógico.Defendíamosconscientementeointeressedosleitores enãodasempresasfabricantesdefilmequemandavamnomercado

eestavamacostumadascomopseudojornalismodeserviçospra-

ticadoporoutraspublicaçõesdosegmento–revistasdochamado trade,áreameiocinzaemquepublicidadeerelaçõespúblicasse mesclam com algum jornalismo sem compromisso.

Trade não é o nosso negócio. Jornalismo de serviços, inde- pendente,sérioefeitocométicaparaoleitor,dequalquerregião

doBrasil,quecompraouassinaarevista,essesiméonossobusi-

ness. Até por praticar esse tipo de jornalismo no segmento, Fo- tografe é inovadora e tem a confiabilidade do mercado. E assim continuaremos,mêsamês,rumoaovigésimoanodecirculação. Nestaedição,paramanternossopique de inovações, fizemos várias mudanças:

renovamosapartegráfica,criamosseções emudamosaformadeapresentaroteste de câmeras (algo que Fotografe também

começoudemaneirasérianoBrasil).Es-

peroquevocêgoste.Mais:aguardocríticas,

positivasounegativas,poissóassimpode-

remosafinarcadavezmaisFotografecom o gosto do leitor. Boa leitura.

Juan Esteves
Juan Esteves

Sérgio Branco Diretor de Redação branco@europanet.com.br

SE FOR O CASO, RECLAME. NOSSO OBJETIVO É A EXCELÊNCIA!

Correspondência Rua MMDC, 121 CEP 05510-900 – São Paulo – SP Rua MMDC, 121 CEP 05510-900 – São Paulo – SP

Redação Fone: (11) 3038-5114 e-mail: fotografe@europanet.com.br Fone: (11) 3038-5114 e-mail: fotografe@europanet.com.br

Atendimento: 0800-8888-508 e (11) 3038-5050 (cidade de São Paulo), Das 8h às 20h e-mail: Atendimento: 0800-8888-508 atendimento@europanet.com.br atendimento@europanet.com.br

Publicidade Fone: (11) 3038-5093 e-mail: publicidade@europanet.com.br Fone: (11) 3038-5093 e-mail: publicidade@europanet.com.br

Digital Site: www.europadigital.com.br e-mail: suportedigital@europanet.com.br Sistemas: Windows, iOS, Android, Mac e Linux Site: www.europadigital.com.br e-mail: suportedigital@europanet.com.br Sistemas: Windows, iOS, Android, Mac e Linux

Sistemas: Windows, iOS, Android, Mac e Linux Para entrar em contato com a Editora Europa Fones:

Para entrar em contato com a Editora Europa

Fones: 0800 8888 508

Ligação gratuita

ou (11) 3038-5050

São Paulo – SP

Visite nosso site:

www.europanet.com.br

Diego Meneghetti

Príamo Melo

Arno Raphael Minkkinen

Diego Meneghetti Príamo Melo Arno Raphael Minkkinen CONTEÚDO Correio Dúvidas e comentários dos leitores Ano 19

CONTEÚDO

CorreioMeneghetti Príamo Melo Arno Raphael Minkkinen CONTEÚDO Dúvidas e comentários dos leitores Ano 19 • Edição

Dúvidas e comentários dos leitores

Ano 19 Edição 228 Setembro de 2015

6

Fotos de capa:

• Edição 228 • Setembro de 2015 6 Fotos de capa: GrandeAngular Notícias e novidades 8
• Edição 228 • Setembro de 2015 6 Fotos de capa: GrandeAngular Notícias e novidades 8

GrandeAngular• Edição 228 • Setembro de 2015 6 Fotos de capa: Notícias e novidades 8 Tecnologia&Produto

Notícias e novidades

8

2015 6 Fotos de capa: GrandeAngular Notícias e novidades 8 Tecnologia&Produto Lançamentos do mundo digital 14
2015 6 Fotos de capa: GrandeAngular Notícias e novidades 8 Tecnologia&Produto Lançamentos do mundo digital 14

Tecnologia&Produto2015 6 Fotos de capa: GrandeAngular Notícias e novidades 8 Lançamentos do mundo digital 14 Revele-se

Lançamentos do mundo digital

14

8 Tecnologia&Produto Lançamentos do mundo digital 14 Revele-se Fotos dos leitores em destaque 16
8 Tecnologia&Produto Lançamentos do mundo digital 14 Revele-se Fotos dos leitores em destaque 16

Revele-se8 Tecnologia&Produto Lançamentos do mundo digital 14 Fotos dos leitores em destaque 16 Negócios&Fotografia O

Fotos dos leitores em destaque

16

mundo digital 14 Revele-se Fotos dos leitores em destaque 16 Negócios&Fotografia O fotógrafo como empreendedor 24
mundo digital 14 Revele-se Fotos dos leitores em destaque 16 Negócios&Fotografia O fotógrafo como empreendedor 24

Negócios&Fotografiamundo digital 14 Revele-se Fotos dos leitores em destaque 16 O fotógrafo como empreendedor 24 Portfóliodoleitor

O fotógrafo como empreendedor

24

Negócios&Fotografia O fotógrafo como empreendedor 24 Portfóliodoleitor O trabalho criativo de Bruno Do Val 26
Negócios&Fotografia O fotógrafo como empreendedor 24 Portfóliodoleitor O trabalho criativo de Bruno Do Val 26

PortfóliodoleitorNegócios&Fotografia O fotógrafo como empreendedor 24 O trabalho criativo de Bruno Do Val 26 Diego Meneghetti

O trabalho criativo de Bruno Do Val

26

Diego Meneghetti

e Shutterstock

Teste:Canon

EOSRebelT6i

Veja a

performance

desta novidade

66

Teste:Canon EOSRebelT6i Veja a performance desta novidade 66 Pós-produção Passo a passo de fusão de imagens
Teste:Canon EOSRebelT6i Veja a performance desta novidade 66 Pós-produção Passo a passo de fusão de imagens

Pós-produçãoTeste:Canon EOSRebelT6i Veja a performance desta novidade 66 Passo a passo de fusão de imagens 74

Passo a passo de fusão de imagens

74

66 Pós-produção Passo a passo de fusão de imagens 74 80 Fotojornalismo:MarioTama A vida de correspondente

80

Fotojornalismo:MarioTama

A vida de correspondente internacional

A vida de correspondente internacional PARATY EM FOCO 2015 O finlandês Arno Minkkinen é uma das

PARATY EM FOCO 2015

O finlandês Arno Minkkinen é uma das atrações do festival

30

Fotografia de Paisagem

Confira 40 dicas para virar um e xp e r t

de Paisagem Confira 40 dicas para virar um e xp e r t Monteumestúdiosemgastarmuito Opções entre

Monteumestúdiosemgastarmuito

Opções entre R$1 mil e R$ 4 mil

48

56

BACKUP COM SEGURANÇA

Veja como agir para proteger suas fotos

COM SEGURANÇA Veja como agir para proteger suas fotos 92 OfotógrafoAndySummers O olhar do ex-guitarrista do

92

OfotógrafoAndySummers

O olhar do ex-guitarrista do The Police

100

O olhar do ex-guitarrista do The Police 100 RaioX As fotos dos leitores comentadas 108 118
O olhar do ex-guitarrista do The Police 100 RaioX As fotos dos leitores comentadas 108 118

RaioXO olhar do ex-guitarrista do The Police 100 As fotos dos leitores comentadas 108 118 Divulgação

As fotos dos leitores comentadas

108

do The Police 100 RaioX As fotos dos leitores comentadas 108 118 Divulgação Liçãodecasa Dicas de

118

Police 100 RaioX As fotos dos leitores comentadas 108 118 Divulgação Liçãodecasa Dicas de fotos de
Divulgação
Divulgação

LiçãodecasaRaioX As fotos dos leitores comentadas 108 118 Divulgação Dicas de fotos de paisagem noturna Fiquepordentro

Dicas de fotos de paisagem noturna

FiquepordentroDivulgação Liçãodecasa Dicas de fotos de paisagem noturna Exposições, concursos e cursos 126 Setembro 2015 •

Exposições, concursos e cursos

126

CORREIO

dúvidas e comentários dos leitores

CORREIO dúvidas e comentários dos leitores Ganhardinheiro Gosteimuitodareportagemso- brecomomontarumaempresade

Ganhardinheiro

Gosteimuitodareportagemso-

brecomomontarumaempresade

fotografia.Acheibastantecompleta

e esclarecedora. Há alguns meses venho planejando apostar no mer- cado de fotografia, apesar da crise brasileira.Comojunteiumrazoável

capitaldegironosúltimosanosfa-

zendotrabalhosesporádicosjusta-

mentedefotografia,estavaconside-

randomudarderamo.Estavafaltan-

doumempurrãozinhoeacreditoque

a reportagem fez isso. O primeiro passoserámeinscrevernocursode

empreendedorismodoSebrae,con-

formedicadofotógrafoJivagoSales. Mauro Oliveira,

via e-mail

Nikkor E em digital

Tenhocâmeraanalógica,aNikon

F3,emexcelenteestado.Comotenho

váriasobjetivasdasérieE,pretendia aproveitá-lasemumacâmeradigital também da Nikon. Quais seriam os modelos compatíveis para que eu possa ter condições de fazer a es- colha certa? Mario Muranaka, via e-mail

A série Nikkor E da Nikon tem o

encaixeF.Portanto,podeseracoplada emqualquercâmeradigitaldaNikon. Contudo, nem todas as DSLRs irão funcionar
encaixeF.Portanto,podeseracoplada
emqualquercâmeradigitaldaNikon.
Contudo, nem todas as DSLRs irão
funcionar completamente. Nos mo-
Divulgação

delosD810,D800,D800E,D750,D700,

D610,D600,D300s,D300,D200,D7200,

D7100, D7000, Df, D4 e D3, as lentes dasérieEfuncionamcompletamente nos modos manual e prioridade de

abertura,ambascomofotômetroope-

rante. Já com os modelos D5500,

D5300,D5200,D5100,D5000,D3300,

D3200,D3100,D3000,D60,D40,D40x,

D90, D80, D70, D70s, D50 e D100, as lentes da série E funcionam apenas no modo manual e sem medição (o fotômetro não "lê" a abertura usada na lente). Nessas câmeras será pre- ciso fazer a medição de outro modo. Nosdoiscasos,ofocoautomático nãofunciona,jáqueasérieEédefoco manual. Sugerimos a D7200 (ou a

D7100,ouaD7000,nessaordem),uma

câmera mais acessível em que você poderá usar as lentes da Série E de maneira bastante funcional.

Nikon: ruído e autofoco

Na edição 204 de Fotografe, no comparativo entre a Nikon D7100 e a D7000, no quesito ruído digital, a avaliação foi de que o ISO seria acei-

tável até 6400 para a D7100. Recentemente, na edição 226, no

testedaNikonD7200,oISOaceitável

baixou para 2000. A lente usada foi

a mesma. Pergunta: é possível que uma câmera mais moderna, com

umnovoprocessador,tenhabaixado

a qualidade? Tenho uma Nikon D7100 e já perdi várias fotos, pois o

autofoconãofuncionacorretamente

e não consigo fazer o disparo. Não

uso o modo de imagem ao vivo. Tentei todas as regulagens que po- deriafazerenãoconseguimelhorar. Quando o autofoco funciona, ela faz fotos muito boas. Isso é um defeito da câmera? Existe alguma regula- gem específica? Fernando A. Vicenci, via e-mail

Quantoaoruído, épossível, sim, câmeras mais modernas teremde- sempenho pior que câmeras mais antigas. Toda
Quantoaoruído, épossível, sim,
câmeras mais modernas teremde-
sempenho pior que câmeras mais
antigas. Toda combinação entre câ-
mera, processador, lente, sensor
pode ter resultados diferentes. O
mais provável, claro, é que as mais
modernas sejam melhores. Uma
possível explicação para esse caso
especificamente da D7200 e da
D7100équeseacreditaqueosensor
Divulgação

daD7100sejafabricadopelaToshiba,

enquantoqueosensordaD7200seja

fabricado pela Sony (assim como o da D7000). Essa informação não é confirmadapelaNikon,masprocede

porcontadasespecificaçõesdosfa-

bricantesedaspeças.Nostestesde

Fotografe,aD7000eaD7200tiveram

desempenho bem semelhante em

relação à sensibilidade ISO – ligei-

ramentemelhornaD7200pelopro-

cessador mais recente.

6

• Fotografe Melhor n

o

228

Ernani Roos

Fotos: Julia Cordeiro

Ernani Roos Fotos: J u l i a C o r d e i r o

A pequena Aléxia fotografa a irmã gêmea Alice em flagrante feito pelo pai delas

Éimportantedestacarqueoruí-

dodigitaléapenasumdosaspectos daqualidadedeimagem,eostestes deFotografesãofeitoscomfotosem RAWe como recurso de suavização deruídodigital desligado. Portanto, a medição é mais do desempenho

do sensor em si. Com o recurso de

suavizaçãoligado(oqueérecomen-

dável para a maioria das fotos), é bempossível queaD7200tenhaum desempenho melhor. Além disso, câmeras APS-C modernas geral- mente chegam a ISO 1600 ou 2000 sem apresentar ruído aparente.

Mesmoassim,aD7200ficanamédia

da categoria. A D7100 é que é exce- ção, pois teve ótimo desempenho nas sensibilidades ISO elevadas. Sobresuadúvidaemrelaçãoaofoco, as causas podemser várias. O mais provável é que a câmera esteja re- gulada para fazer fotos apenas em foco (prioridade de foco, em vez de prioridade de disparo), e a cena não tem iluminação ou contraste sufi-

cientes para o autofoco agir. Teste outros pontos de foco ativos (AF-S,

disparoúnico,apenasocentral,ape-

nasoslaterais

minados. Tente também fazer foco manual, no "olho", com o Live View. Nas câmeras da Nikon é possível ajustaroautofocoparacadaobjetiva (ajuste fino), pois o conjunto pode estardesalinhado.Porfim,também existe a possibilidade de que a câ- mera esteja como sistema de auto- foco com problema. Se for o caso, uma revisão na assistência técnica da Nikon pode valer a pena.

Pequenas fotógrafas

Sou assinante e, lendo a seção “Correio” da edição 227, vi a mensa- gemsobrea“ApequenaBeatriz”.Por isso envio a foto de minhas filhas, as

gêmeas Aléxia e Alice. Sou fotógrafo profissional em Ibirama (SC) há 30

anosenumpasseioflagreiAléxiafo-

tografando a maninha Alice. Ernani Roos, via e-mail

)eemdiasbemilu-

a maninha Alice. Ernani Roos, via e-mail )eemdiasbemilu- Retrato de Herbert Cordeiro, feito por sua filha

Retrato de Herbert Cordeiro, feito por sua filha Julia, de 5 anos, que aparece ao lado

em um selfie

Conformepublicado

anos, que aparece ao lado em um selfie Conformepublicado naseçãoCorreiodaedi- ção227,aminhapeque-

naseçãoCorreiodaedi-

ção227,aminhapeque-

naJulia,de5anos,tam-

bém já desenvolve o mesmogostoquetenho

por fotografia. Ela nem

sempreémuitofãdepo-

sarparafotos,poisémuitoativaeir-

reverente.Porém,comocomumente estoucomacâmeraatiracolo,elafica merondandoparapoder,elamesma, fazerasfotoseconferircomoficaram. Seguemumretratomeufeitoporela e um selfie da Julia. Herbert Cordeiro, via e-mail

e um selfie da Julia. Herbert Cordeiro, via e-mail DesafioFotografe A foto que mais teve interação

DesafioFotografe

A foto que mais teve interação no Desafio Fotografe Melhor do Facebook, com o tema

"Paisagem",foiadaleitoraSarahQueiroz,doRio de Janeiro (RJ). O desafio foi disputado entre os

dias16dejulhoe10deagostode2015.Aimagem

postada por Sarah teve 403 curtidas e 169 com- partilhamentos, totalizando 572 interações. "Foi feita no Parque dos Patins, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio, em uma externa do curso de fotografia que fiz no Senac com a pro- fessoraIdeGomes.Afotometrazpazeacerteza deumfuturomelhor",informaaleitora,quetem 23 anos e é formada em

Administração.Estácome-

çando a trabalhar com fo- tografia e, no futuro, pre- tendeteropróprioestúdio.

Pássaros voam próximo ao Morro do Corcovado, no Rio de Janeiro (RJ)

Sarah Queiroz

GRANDE ANGULAR

notícias e novidades

GRANDE ANGULAR notícias e novidades Um lembrete da Terra A Nasadivulgouumaimagem daTerracapturadaàdistân- cia de 1,6

Um lembrete da Terra

A Nasadivulgouumaimagem

daTerracapturadaàdistân-

cia de 1,6 milhão de quilô-

metros. A responsável pela foto éaEarthPolychromaticImaging Camera (EPIC), equipamento

digitalqueestáabordodosa-

téliteDeepSpaceClimateOb-

servatory(DSCOVR),lançado

em fevereiro de 2015 (o sa- télite tem a missão de mo- nitorar tempestades sola-

res).Aprimeiraimagemco-

lorida e mostrando a Terra por inteiro foi feita pela tri- pulação da nave espacial

Apollo17em7dedezembro

de 1972, a uma distância de

cercade45milkmdoplaneta,

a caminho da Lua. A EPIC captura imagens com uma defasagem de 5 se- gundos, tempo que a luz da Terra levaparachegaratéacâmera–que conta com um sensor CCD de 4 me- gapixels, 10 tipos de filtros para colo- ração e variedades de luz, um telescópio

11,8polegadasacopladoelentescomângulo

de visão de 0,61°. A imagem faz parte de uma série que é divulgada regularmente na galeria on- -line da Nasa no site http://www.nasa.gov/.

GAIVOTA X ÁGUIA O fotógrafo David Canales flagrou uma cena inusitada na Enseada do Príncipe
GAIVOTA X ÁGUIA
O fotógrafo David Canales flagrou uma
cena inusitada na Enseada do Príncipe
Guilherme, no Alasca, Estados Unidos.
Uma gaivota, em pleno voo, tentava
salvar uma companheira carregada por
uma águia-de-cabeça-branca (ou águia-
americana). A foto foi divulgada no
Facebook do Departamento do Interior
dos EUA, que informou que a caçada foi
bem-sucedida. A corajosa gaivota desistiu
de tentar soltar a outra que estava nas
garras da ave de rapina.
US Dept Interior / David Canales

8

• Fotografe Melhor n

o

228

Al Toqi Faisal AzimAhmed

MEXICANO GANHA O

Traveler Photo Contest

O grandevencedordo TravelerPhotoContest 2015, promovido pela National Geographic

Society,foiomexicanoAnuarPatjane.Ofotógrafo registrouomomentoemqueumabaleiajubarte nada em direção ao filhote. A foto, batizada de Whale Whisperer, tem o objetivo de chamar a atenção da Unesco para que a Roca Partida, no Arquipélago de Revillagigedo, México, se torne patrimônionaturaldahumanidade.Comoprêmio, Patjane recebeu uma viagem de oito dias para

umaexpediçãofotográficanoCanaldoPanamá

e na Costa Rica, com direito a acompanhante. FaisalAzim,deBangladesh,ficouemsegundo lugarcomafotoGravelWorkmen,erecebeucomo

prêmioseisdiasnoParqueNacionaldeYellows-

tone,EUA,comacompanhante;emterceirolugar, ficou Ahmed Al Toqi, de Omã, com a foto Camel Ardah,queganhouseisdiasemumcruzeiropara doisemumbarcoSchoonerAmericanEagleand Heritage. O concurso recebeu 17 mil inscrições de diferentes partes do globo. Para ver todas as

imagenspremiadas,acesse:natgeo.com/trave-

lerphotocontest.

Retrato feito pelo bengali Faisal Azim ficou em segundo lugar; ao lado, imagem de Ahmed Al Toqi, de Omã, terceira colocada

A foto vencedora visa defender um patrimônio da natureza no México

Anuar Patjane

terceira colocada A foto vencedora visa defender um patrimônio da natureza no México Anuar Patjane Setembro

Adriano Gonçalves

Pablo Pinheiro

GRANDE ANGULAR

BÁRBARA WAGNER E COLETIVO TRËMA

vencem Bolsa de Fotografia 2015

10

A fotógrafabrasilienseBárbaraWagnereoColetivoTrëma, de São Paulo, venceram a 3 a edição da Bolsa Zum de

Fotografia 2015, promovido pelo Instituto Moreira Salles (IMS). Os fotógrafos receberam duas bolsas de R$ 65 mil e têmoitomesesparaconcluirosprojetosfotográficosinscritos – que serão incorporados ao acervo de fotografia do IMS. Bárbara Wagner ganhou com o projeto Mestre de Ce- rimônias, em que registrará realidades e fantasias na vida dejovensMCsquecantambregafunkefunkostentação.O projeto ganhador do Coletivo Trëma se chama Memento e

pretendereconstituircomimagens,feitasaquiouemoutros

países, a memória de imigrantes que vieram para o Brasil nos últimos anos. Em 2014, os pre-

miadosforamoColetivoGarapa,com

PostaisparaCharlesLynch,eHelena

Martins-Costa,comoprojetoDesvio.

Ao lado, imagem do projeto Desvio, premiado em 2014

Arquivo/pesquisa Helena Martins Costa

De Tocantins

para Paris

De Tocantins para Paris O fotógrafo tocantinense Adriano Gonçalves tem programado para os dias 23, 24

O fotógrafo tocantinense Adriano Gonçalves tem

programado para os dias 23, 24

e 25 de outubro de 2015 a

participação em uma mostra coletiva, com 31 artistas e fotógrafos brasileiros, no Le Carrousel du Louvre, em Paris, na França. Para a exposição, Adriano escolheu um retrato de uma noiva

feito no lago Paranoá, em Brasília, cidade onde começou a carreira de fotógrafo. Para quem quiser saber mais sobre ele, é só conferir

a edição 156 de Fotografe, que

traz um perfil do profissional.

• Fotografe Melhor n

o

228

UM RETRATO SOBRE A CULTURA DOS VAQUEIROS

O fotógrafo Pablo Pinheiro percorreu o Rio Grande do Norte e o RioGrandedoSulretratandoatransiçãodaimagemedacultura

dovaqueirocontemporâneo.Oresultadofoioprojeto“Umatradição nos Rios Grandes: A imagem do vaqueiro contemporâneo em tran-

sição”, com a curadoria de Rosely Nagawaka. O projeto, ganhador do14 0 PrêmioFunarteMarcFerrezdeFotografia,virouumfotolivro digital apenas com imagens em P&B, lançado em São Paulo (SP). Em 2010, após uma tradicional festa na região de Seridó (RN) chamada de Pega de Boi no Mato, dentro da Fazenda Pitombeira, Pablo Pinheiro iniciou o projeto. A partir daí buscou promover uma reflexão cultural e econômica sobre a des-

mistificação da figura do vaqueiro em andanças pelo sertão potiguar e pelos pampas gaúchos. O livro será disponibilizado gratuitamente no site www.estudiop.com.br.

Vaqueiro nordestino em ação na caatinga na busca do boi

gratuitamente no s i t e www.estudiop.com.br . Vaqueiro nordestino em ação na caatinga na busca
gratuitamente no s i t e www.estudiop.com.br . Vaqueiro nordestino em ação na caatinga na busca
PRO-10 IMPRESSORAS JATO DE TINTA PARA PROFISSIONAIS ETERNIZE OS MOMENTOS MARCANTES COM IMPRESSÕES QUE DURAM

PRO-10

IMPRESSORAS JATO DE TINTA PARA PROFISSIONAIS

ETERNIZE OS MOMENTOS MARCANTES COM IMPRESSÕES QUE DURAM MUITO MAIS.

A grande novidade está nas dez cores de cartuchos à base de pigmento que permite uma impressão com maior durabilidade e qualidade.

permite uma impressão com maior durabilidade e qualidade. QUALIDADE DE IMPRESSÃO Possui três cores monocromáticas

QUALIDADE DE IMPRESSÃO

Possui três cores monocromáticas que permitem impressões uniformes e sem granulações em imagens P&B.

CORES MAIS VIVAS

Suas impressões saem o mais próximo das cores que você vê na tela do computador.*

Sistema OIG: o sistema Optimum Image Generating reproduz as cores da forma que você pretende, por meio da seleção da melhor combinação e aplicação das tintas.

**
**

*As cores da tela dependem da calibração, marca do monitor e luz ambiente. **A velocidade das impressões fotográficas é baseada na configuração- padrão do driver para testes de impressão e papel fotográfico Canon Select. A velocidade é calculada no momento em que a impressora é alimentada com a primeira folha e pode variar dependendo das configurações do sistema, interface, software, complexidade do documento, modo de impressão, tipos de papel utilizados e cobertura da página. Teste realizado com imagem colorida de 11”.

Central de atendimento – São Paulo (capital): 4950.5060 Demais localidades: 0800.20.CANON (22666) 2 a a 6 a das 8h30 às 17h30 I www.canon.com.br

(capital): 4950.5060 Demais localidades: 0800.20.CANON (22666) 2 a a 6 a das 8h30 às 17h30 I

Thomaz Farkas

Ansel Adams

GRANDE ANGULAR

Thomaz Farkas Ansel Adams GRANDE ANGULAR Shutterstock Modernistas brasileiros no MoMA Fotos feitas pelos brasileiros

Shutterstock

Modernistas brasileiros

no MoMA

Modernistas brasileiros no MoMA Fotos feitas pelos brasileiros Thomaz Farkas, Gaspar Gasparian e Alair Gomes vão

Fotos feitas pelos brasileiros Thomaz Farkas, Gaspar Gasparian e Alair Gomes vão compor o acervo do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). Os trabalhos desses integrantes da fotografia moderna brasileira foram selecionados pela curadora Sarah Hermanson Meister. O processo para entrar na coleção de fotografias é rigoroso: é preciso passar pela aprovação de 25 profissionais. Dos três, apenas

Thomaz Farkas já tinha uma foto

Dos três, apenas Thomaz Farkas já tinha uma foto adquirida pela coleção do MoMA – o
Dos três, apenas Thomaz Farkas já tinha uma foto adquirida pela coleção do MoMA – o
Dos três, apenas Thomaz Farkas já tinha uma foto adquirida pela coleção do MoMA – o

adquirida pela coleção do MoMA – o que ocorreu em 1959. Outros fotógrafos do Brasil que fazem parte do acervo do museu americano são Claudia Andujar, Mário Cravo Neto, Nair Benedicto, Sebastião Salgado e Valdir Cruz.

do acervo do museu americano são Claudia Andujar, Mário Cravo Neto, Nair Benedicto, Sebastião Salgado e

FOTÓGRAFOS VERSUS

indústria musical

O s contratos assinados por fotó- grafosparacoberturasdegrandes

showsinternacionaistêmgeradomui-

tadiscussãosobredireitosecontroles

daindústriamusical.Nodia2dejulho

de2015,ojornalWashingtonCityPa-

per publicou uma nota divulgando e protestando contra o contrato de co-

berturaparashowsdabandaameri-

cana Foo Fighters. O jornal afirmou

quenãoenviariaumfotógrafoprofis-

sionalaopróximoshow.Paranãoficar sem imagens, prometeu que as me- lhores fotos feitas por fãs presentes na apresentação seriam pagas e pu- blicadas.OjornalLeSoleil,doCanadá,

nodia11dejulho,decidiuescalarum

cartunistaparaoshowdoFooFighters

em vez de assinar o tal contrato. Existe atualmente uma onda de

protestoscontraosrecentescontra-

tosfotográficosdeshowsporserem

abusivos.Nocontratodivulgadopelo

WashingtonCityPaper, as fotos pas-

Banda Foo Fighters fez exigências inadmissíveis sobre as fotos feitas por profissionais em shows

samporavaliaçãoeaprovaçãodaban-

da,ofotógrafopodepublicarasfotos

somenteumavez,perdeodireitopelas

imagensdepoisdepublicadaseaban-

datemtotaldireitodeusodotrabalho

semopagamentoouaprovaçãoprévia

doprofissional.Comorespostaaojor-

nal,porta-vozesdaFooFightersres-

ponderam que o contrato serve para protegerosartistas.Ojornalreplicou afirmandoqueamíticabandaRolling Stones nunca precisou disso e que a desculpa é esfarrapada.

Stones nunca precisou disso e que a desculpa é esfarrapada. A famosa imagem Monolith, The Face

A famosa imagem

Monolith, The Face of the Half Dome

MOSTRA DE ANSEL ADAMS NO BRASIL É CANCELADA

A mplamente divulgada pela imprensa em outubro de 2014, a exposição Ansel

Adams, Paisagens de Luz e Som, do mestre

americano, que deveria ocorrer entre julho e agosto de 2015, não virá para o Brasil. A mostra, com cerca de 180 imagens, não estava ainda confirmada quando os patrocinadores soltaram a informação, segundo o Instituto Tomie Ohtake. Infelizmente, não será dessa vez que os brasileiros poderão ver ao vivo as belas imagens do renomado fotógrafo, como

Monolith, The Face of Half Dome (1927), Valley View and Rainbow (1930) e Moon and

Half Dome (1960). Ansel Adams nasceu em 1902, na Califórnia, Estados Unidos, e aos 16 anos fez as primeiras fotos no Parque Nacional de Yosemite, onde foram clicadas suas imagens mais famosas.

12

• Fotografe Melhor n

o

228

Fotos: Divulgação

Fotos: D i v u l g a ç ã o A mesa para tratamento de
Fotos: D i v u l g a ç ã o A mesa para tratamento de

A mesa para tratamento de imagem com controles analógicos criada no Canadá tem feito sucesso entre fotógrafos

TECNOLOGIA&PRODUTO

lançamentos do mundo digital

TECNOLOGIA & PRODUTO lançamentos do mundo digital Mesa de edição de imagens Palette é novidade mundial

Mesa de edição de imagens Palette é

novidade mundial na pós-produção

U mamesadeediçãocombotõesecontroles deslizantes magneticamente ligados é a grande novidade mostrada recentemente

parafotógrafosquequeremtratarimagensdeuma forma mais rápida, precisa e intuitiva. O sistema canadense Palette chegou ao mercado com um

visual de aparelho analógico, deixando para trás o mouse e os teclados. E os usuários podem per-

sonalizarolayout,afunçãoeatéacordecadamó-

dulo de controle para deixá-lo de acordo com seu

fluxo de trabalho e software favorito.

Emvezdetelassensíveisaotoquequeexigem

reto com o tratamento da imagemolhandodiretamente paraelaenquantoosajustes

são feitos. O sistema se pa- recemuitocomosjáusados poreditoresdevídeo,músicos e engenheiros de som.

laborarcomosgrandespar-

ceiros de software para

construirintegraçõesprofundasecomeçaruma comunidade de usuários que leve a melhorias. Atualmente, os controles se encaixam e se co- nectam a qualquer computador por meio de um caboUSB.Oskitspodemserusadoscomdiversos softwares, como Adobe Lightroom, Photoshop, Illustrator e After Effects.

O produto está disponível para pré-venda por

preços a partir de US$ 199, em um kit com dois botõesdeapertar,umbotãodegirar,umcontrole deslizante e a unidade de controle. O preço sobe para US$ 299 com um controle deslizante extra e

queofotógrafoolheparabai- outrobotãodegirar.PorUS$499,sãoquatrobotões

xo,ousodecontrolesfísicos

permiteumenvolvimentodi- zantes(emaisalgumaspeçasextras).Quemtiver

US$900levaokitmaiscarocomumacabamento

de apertar, seis de girar e quatro controles desli-

de apertar, seis de girar e quatro controles desli- emmadeiraemvezdealumínio.Épossíveladicionar peças
de apertar, seis de girar e quatro controles desli- emmadeiraemvezdealumínio.Épossíveladicionar peças
de apertar, seis de girar e quatro controles desli- emmadeiraemvezdealumínio.Épossíveladicionar peças

emmadeiraemvezdealumínio.Épossíveladicionar peças individuais: botões de apertar custam US$

29 cada, sliders e botões de girar, US$ 50 cada.

Maséprecisoesperaraténovembrode2015para

receber os produtos Palette.

A empresa foi fundada em 2013 pelo designer

Aideiadaempresaéco- de produtos Calvin Chu em Ontário, no Canadá,

comUS$158.470levantadosviafinanciamentoco-

letivo.Parasabermais:www.palette.totemapp.com.

letivo.Parasabermais: www.palette.totemapp.com . 14 • Fotografe Melhor n o 228

14

• Fotografe Melhor n

o

228

REVELE-SE

fotos dos leitores em destaque

:: Autor: Sander Freitas :: Cidade: Cotia (SP) :: Câmera: Canon 70D :: Objetiva: Sigma 150 mm macro :: Exposição: abertura f/8, velocidade 1/125s e ISO 1.600

Exposição: abertura f/8, velocidade 1/125s e ISO 1.600 VAI ENCARAR? 1 6 Em uma viagem para

VAI ENCARAR?

1

6

Em uma viagem para o Rio GrandedoSul,oleitorSander Freitas incluiu, entre as fotos do seu passeio, o curioso retrato da libélulaacima–flagradacomuma objetivamacro duranteumrápido pouso em um galho seco.

objetivamacro duranteumrápido pouso em um galho seco. • Fotografe Melhor n o 228 Quando se trabalha

• Fotografe Melhor n

o

228

Quando se trabalha com uma lente macro, o mais importante é definir a área de foco e conseguir nitidez.Sander,nocaso,escolheu o que seria a boca (ou nariz?) do pequeno inseto para focalizar e obter um atraente efeito.

:: Autor: Lúcio Carlos Assunção de Souza :: Cidade: São Luís (MA) :: Câmera: Nikon D610 :: Objetiva: Nikon 70-200 mm :: Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/250s e ISO 800

Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/250s e ISO 800 A ARTE DE ENGOLIR SAPOS Nosítiodafamílianointerior do

A ARTE DE ENGOLIR SAPOS

f/2.8, velocidade 1/250s e ISO 800 A ARTE DE ENGOLIR SAPOS Nosítiodafamílianointerior do Maranhão, empenhado

Nosítiodafamílianointerior do Maranhão, empenhado emfotografarumjoão-de-barro,

LúcioSouzafoisurpreendidope-

los coaxos de uma rã na copa de umaárvoredecoco-babaçu(fruto típico da região). Ele logo perce- beu que uma cobra perseguia a indefesa rã, que tentou se esqui-

varporduasvezesdapredadora.

Ágil, Lúcio conseguiu o flagrante do momento do bote, uma foto

deoportunidadequesemprede-

pende da atenção do fotógrafo e

dotipodelentequeeleestáusan-

do. No caso, a zoom 70-200 mm foi ideal para aproximar a cena de vida selvagem.

REVELE-SE

:: Autor: Jairo Abud :: Cidade: São Paulo (SP) :: Câmera: Leica M9 :: Objetiva: Summarit 35 mm :: Exposição: abertura f/5.7, velocidade 1/8s e ISO 1.000

Exposição: abertura f/5.7, velocidade 1/8s e ISO 1.000 EXPRESSIONISMO ALEMÃO 1 8 Abudafotografar.Paracriarasen-

EXPRESSIONISMO ALEMÃO

1

8

velocidade 1/8s e ISO 1.000 EXPRESSIONISMO ALEMÃO 1 8 Abudafotografar.Paracriarasen- twache,emFrankfurt,naAle-

Abudafotografar.Paracriarasen-

twache,emFrankfurt,naAle- saçãodemovimentonacena, ele

manha, o vão formado pela pas-

(1/8s)econcentrouofoconamu-

çãodofotógrafoJairoAbud.Oco- lherquefalavaaocelular,ouseja,

loridocenáriocriadonaplataforma emfrenteà queestavaencorajou

mentou o efeito que ele buscava.

aqueestavamaisimóvel.Issoau-

sagemdeumtremchamouaaten-

diminuiuavelocidadedaexposição

Na estação de metrô Haup-

• Fotografe Melhor n

o

228

:: Autor: Sônia Regina de Macêdo Ribeiro :: Cidade: Natal (RN) :: Câmera: Canon EOS Rebel T2i :: Objetiva: Canon 18-55 mm :: Exposição: abertura f/4.5, velocidade 1/3.200s e ISO 100

Exposição: abertura f/4.5, velocidade 1/3.200s e ISO 100 A DANÇA DA OPORTUNIDADE Aspirante a fotógrafa profis-

A DANÇA DA OPORTUNIDADE

Aspirante a fotógrafa profis- sional,SôniaRibeirogostade treinar o olhar. Deu sorte ao en- contrardoisjovensbailarinos trei- nando passos ao pôr do sol na Praia de Tourinhos, no pequeno paraísodeSãoMigueldoGostoso, a 108 km de Natal (RN).

paraísodeSãoMigueldoGostoso, a 108 km de Natal (RN). Saberaproveitaroportunidades assim para compor um portfólio

Saberaproveitaroportunidades assim para compor um portfólio éexatamenteoquetodoiniciante deve fazer. Sônia conversou com os bailarinos e eles toparam ser clicados em um cenário que ge- ralmente rende imagens pouco criativas.Elamudouessamáxima.

REVELE-SE

:: Autor: Philippe Pereira :: Cidade: Mafra (SC) :: Câmera: Canon EOS 5D Mark III :: Objetiva: Canon 16-35 mm :: Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/100s e ISO 1.600

Exposição: abertura f/2.8, velocidade 1/100s e ISO 1.600 A LUZ QUE VEM DE BAIXO 2 0

A LUZ QUE VEM DE BAIXO

2

0

velocidade 1/100s e ISO 1.600 A LUZ QUE VEM DE BAIXO 2 0 Depois de documentar

Depois de documentar a ce-

lebraçãomatrimonialdoca- defora,emfrenteaocapô,dirigiu

ocasalemposescomolharapai-

xonado. Fugiu do mais cômodo e trabalhoucommaestriaaluz.Uma lição de como deve se comportar um profissional do segmento.

noivos,umiluminadorled.Dolado

salSuzaneeEzequiel,ofotógrafo

PhilippePereiraaproveitouocarro

dosnoivosparaumarápidasessão

antesdafesta.Elecolocou,noas-

soalho do carro, entre os pés dos

• Fotografe Melhor n

o

228

NEWBORN DE PRIMEIRA VIAGEM Apaixonadaporfotografiade recém-nascidos,TatianeMal- daner,apósaprofundarosconhe-

NEWBORN DE PRIMEIRA VIAGEM

NEWBORN DE PRIMEIRA VIAGEM Apaixonadaporfotografiade recém-nascidos,TatianeMal- daner,apósaprofundarosconhe-

Apaixonadaporfotografiade

recém-nascidos,TatianeMal-

daner,apósaprofundarosconhe-

cimentosemvárioscursos,tomou

coragem para realizar o primeiro

ensaio.Omodelofoioafilhadode-

la,Murilo,deseisdias.Nasessão

delivery,elausoualuzdeumaja-

nelaecolocouobebêemcimada camadospais,acomodando-oem umninhodetecidos.Elaprecisou de 3h30 para concluir a sessão e conseguiu um ótimo resultado. É assim que se começa bem.

:: Autor: Tatiane Maldaner :: Cidade: Lajeado (RS) :: Câmera: Nikon D7000 :: Objetiva: Nikkor 50 mm :: Exposição: abertura f/2.5, velocidade 1/100s e ISO 400

Mande fotos e ganhe uma bolsa para equipamento fotográficoOs autores das fotos selecionadas para publicação na revista receberão uma bolsa modelo Fancier, da

Os autores das fotos selecionadas para publicação na revista receberão uma bolsa modelo Fancier, da Greika, para equipamento fotográfico. Para participar do Revele-se, envie até três fotos, no máximo, em arquivo digital (formato JPEG), para: Redação de Fotografe Melhor, Rua MMDC, 121 – Butantã – São , e n v i e até três fotos, no máximo , em arquivo digital (formato

Paulo (SP), CEP: 05510-900, ou para o e- mail fotografe@europanet.com.br.

Especifique no e-mail: nome, endereço, telefone, ficha da foto (equipamento,

dados técnicos

data

mínimo, 13 x 18 cm com resolução de 200 a 300 ppi. Evite arquivos muito pesados.

Os arquivos devem ter, no

e um breve relato (local,

)

).

de 200 a 300 ppi. Evite arquivos muito pesados. Os arquivos devem ter, no e um

NEGÓCIOS&FOTOGRAFIA

o fotógrafo como empreendedor

Um dos tipos de trabalhos realizados por Agabiti, que tem dúvidas sobre a formalização de uma empresa

Fotos: Christian Agabiti
Fotos: Christian Agabiti

O caminho da

de uma empresa Fotos: Christian Agabiti O caminho da Como abrir uma empresa sem muita burocracia,

Como abrir uma empresa sem muita burocracia, em um prazo curto e sem gastar muito?

Christian Agabiti

24

• Fotografe Melhor n

o

228

FORMALIZAÇÃO

POR LÍVIA CAPELI

O fotógrafo Christian Agabiti, 39 anos, é um profissional muito eclético.Começouacarreiraem 2006 clicando animais de esti- maçãoemumestúdiodentrode um grande pet shop e já esteve

àfrentedeumaempresaqueagenciava pets para propagandas. Mas em 2009, com a queda pela procura de pets para comerciais, ele sentiuanecessidadedeexplorarnovos segmentos e abriu um estúdio para trabalhos ligados às áreas de produ- tos, pessoas e eventos. Já fotografou para a área de arquitetura de interio- res,fezbookseensaiossensuaispara

revistas como Playboy e Sexy. Agabiti diz que emite nota fiscal por meio de uma pequena empresa que pertence ao pai dele. Porém, a

empresa atual não faz mais grandes movimentações. Para 2016, ele pre- tende se desvincular dela e abrir o próprio negócio. “A ideia é me formalizar. Mas con- fessoquenãoseibemadiferençaentre microempreendedor individual e pro- fissionalautônomo.Atualmente,tenho apenasdoisclientesquesolicitamnota fiscal.Aindamemantenhovinculadoà empresa familiar, mas ela encerrará asatividadesembreve”,dizofotógrafo. Elequersabercomo podedeixarain- formalidade sem muita burocracia. Agabiti é o primeiro personagem destanovaseção,quetemcomoobjetivo responderàsdúvidasdosleitoressobre empreendedorismoemfotografia,com consultoria do especialista Alex Man- tesso. Confira as dicas dele.

O ESPECIALISTA RESPONDE A recomendaçãodeAlexMantessoéque Agabiti se cadastre como Microem- preendedor Individual

O ESPECIALISTA RESPONDE

A recomendaçãodeAlexMantessoéque Agabiti se cadastre como Microem-

preendedor Individual (MEI). É a maneira mais simples e rápida de formalizar-se.

unificada, incluindoodeprevidênciaso-

cial(INSS).CustacercadeR$40pormês,

sem a incidência de tributos sobre a

emissão de nota fiscal e não há neces-

EnquantooMEIemitenotafiscal,oautô- sidadedecontador.Tudoéfeitopelopor-

nomoemiteapenasrecibosouRPAs,que, alémdeincidiremimpostosmuitoelevados, nãosãoaceitospormuitasempresaspelo risco de gerar vínculo empregatício.

COMO FAZER: as informações estão todas no Portal do Empreendedor ( www.portaldoempreendedor. gov.br ),e as informações estão todas no Portal do Empreendedor (www.portaldoempreendedor. gov.br),e ocadastropodeserfeitoporlá. Atenção

ao “.gov.br”, pois existem variações de endereço com outras terminações que sepropõemafazerseucadastro,porém comacobrançadetaxasextras.Nãouse

essessistemas,ocadastroémuitosim-

ples e gratuito.

AS VANTAGENS: tornando-se MEI, o fotógrafopassaaemitirnotafiscal;pode tornando-se MEI, o fotógrafopassaaemitirnotafiscal;pode

realizarvendasporcartãodecréditovin-

culadasàempresaenãoàpessoafísica, reduzindo assim a carga de impostos; passa a recolher os tributos de forma

tal do empreendedor.

AS LIMITAÇÕES: por ser um regime destinadoaopequenoempreendedor,o MEI limita o faturamento anual em R$ 60 mil, ou seja, em média R$ 5 mil por

mês. Caso o valor de notas emitidas su- pereaquelevaloranual,oempreendedor migraráautomaticamenteparaosistema

doSimplesNacional.Comomodelo“in-

dividual”,oregimetambémnãopermite a configuração de sociedade e limita a contratação a apenas um funcionário.

sociedade e limita a contratação a apenas um funcionário. CONCLUSÃO: oMEIéumaótimaopção de formalização para os

CONCLUSÃO:oMEIéumaótimaopção de formalização para os fotógrafos que atuamindividualmente,semanecessidade de sociedade formal ou funcionários, e comemissão de notas fiscais até o limite

deR$60milporano.Casoessascondições

não sejam atendidas, o melhor regime será o Simples Nacional.

sejam atendidas, o melhor regime será o Simples Nacional. À frente do estúdio “Pegadas da Fama”,
sejam atendidas, o melhor regime será o Simples Nacional. À frente do estúdio “Pegadas da Fama”,

À frente do estúdio “Pegadas da Fama”, o eclético Christian Agabiti produz de fotos corporativas a books, interiores e produtos

produz de fotos corporativas a books, interiores e produtos O consultor Alex Mantesso, 41 anos, tem

O consultor Alex Mantesso, 41 anos, tem especialização na área de gestão de negócios para fotógrafos e ministra cursos e workshops sobre o tema. Mande suas dúvidas para o e-mail fotografe@europanet.com.br com o assunto “Negócios&Fotografia”. As perguntas serão selecionadas e respondidas pelo consultor com base na relevância e interesse para os demais leitores. Para saber mais sobre a carreira de Mantesso, acesse: www.mantesso.com.br.

26

PORTFÓLIO DO LEITOR

mostre seu trabalho

O fotógrafo foi a pontos movimentados de Belo Horizonte (MG), como a Praça da Savassi, para realizar o ensaio

UMA PAUSA NA

rotina apressada

POR KARINA SÉRGIO GOMES

O fotógrafo Bruno Do Val fez um trabalho crítico e criativo sobre a vida agitada das grandes cidades. Confira o ensaio

E mmeioàspessoasapressadas que transitam pela praça da LiberdadenobairrodeLourdes, em Belo Horizonte (MG), uma moçadevestidoestampadopara tranquilamente sob a sombra

do seu guarda-chuva vermelho para

observarapaisagem.Essacenasere-

petiu no metrô, em frente ao Cine Theatro Brasil, ao Museu de Artes e

Ofícios e em outros pontos da capital

mineira.Aperformancefazpartedasé-

rie A apreciadora e os apressados, do

fotógrafo Bruno Do Val, 34 anos, que nasceu em Santos (SP), mas escolheu viver em Beagá desde 2007.

Asériefoiapresentadarecentemen-

tecomotrabalhodeconclusãodeuma graduação em Fotografia, e surgiu de uma reflexão de Bruno a respeito do

• Fotografe Melhor n

o

228

Fotos: Bruno Do Val

Fotos: B r u n o D o V a l aceleradoestilodevidadaspessoas, quenãosedetêmparaprestaraten-

aceleradoestilodevidadaspessoas,

quenãosedetêmparaprestaraten-

çãoàsuavolta.Comaajudadamu-

lher,Renata,ofotógrafofoiapontos movimentados da capital mineira

comumaNikonD700,equipadacom

alente10-24mmf/3.5-5.4,umpo-

larizador e um tripé para fazer os cliques. Quando achavam um bom ponto,Renataseposicionava,abria

oguarda-chuvaeficavaaliaprecian-

doapaisagemenquantoaspessoas

apressadas caminhavam para lá e

paracá.“Omelhorregistrofoiquan-

do estávamos dentro do metrô e lá havia uma exposição de fotografia que ninguém parou para ver”, co- menta Bruno.

Foramfeitascercade300fotos,

masduranteaediçãoofotógrafose-

lecionou apenas 14 de locações di- ferentes para compor a série. No

pós-tratamento,Brunoapenastra-

Renata, mulher de Bruno, posou para as fotos em diferentes pontos da capital mineira, como a Praça da Liberdade (acima) e o Museu de Artes e Ofícios (abaixo)

pontos da capital mineira, como a Praça da Liberdade (acima) e o Museu de Artes e

PORTFÓLIO DO LEITOR

PORTFÓLIO DO LEITOR Para não atrair a atenção das pessoas no metrô (acima), em uma exposição

Para não atrair a atenção das pessoas no metrô (acima), em uma exposição (abaixo) ou na Praça Sete (mais abaixo), o fotógrafo usou um disparador remoto

Sete (mais abaixo), o fotógrafo usou um disparador remoto balhou o contraste e um pouco do
Sete (mais abaixo), o fotógrafo usou um disparador remoto balhou o contraste e um pouco do
Sete (mais abaixo), o fotógrafo usou um disparador remoto balhou o contraste e um pouco do
Sete (mais abaixo), o fotógrafo usou um disparador remoto balhou o contraste e um pouco do

balhou o contraste e um pouco do

brilho, mas não precisou fazer re- toques nas imagens capturadas com velocidade 1/5s, o que deixou borrados os transeuntes. O fotó- grafo explica que teve de usar um

disparadorremotoporqueaspes-

soas, se percebiam que ele estava

fazendoafoto,paravamparaolhar

ounãocruzavamentreacâmerae

a modelo (que ficava imóvel). Asreferênciaspararealizaresse

trabalhoforamasfotografiasdopro- jetoÊxodos,dobrasileiroSebastião

Salgado,eaimagemWallStreet,do

americano Paul Strand.

FORMA DE EXPRESSÃO

BrunoDoValentrouemcontato com a fotografia quando morou

em Alto Paraíso, em Goiás. Lá, co-

nheceuotrabalhodopremiadofo-

tógrafo brasiliense Márcio Cabral

e se apaixonou pelas imagens de

paisagens. Com a carreira de web designer consolidada, fotografar funciona como uma válvula de es-

cape para que ele se manifeste li- vremente. “Não vejo a fotografia nem como hobby nem como pro- fissão. É a maneira como consigo me expressar”, afirma. Bruno também é webmaster e tem uma empresa de desenvolvi- mento de softwares. A formação

emdesignajudaoempresárioavi-

sualizar imagens que às vezes só consegue realizar com algum tra- balhodepós-edição.“Possoolhar

para a cena, imaginar o que quero

ecomofazerparaexecutarisso,já

que nem tudo está pronto à sua frente.Setiverdereconstruiruma sombra, por exemplo, sei exata-

mente o que fazer”, explica. E as-

sim,nashorasvagas,eleseguese

dedicando à fotografia como um

profissional que diz não ser.

à fotografia como um profissional que diz não ser. Para participar desta seção, envie no máximo
à fotografia como um profissional que diz não ser. Para participar desta seção, envie no máximo

Para participar desta seção, envie no máximo dez fotos do seu portfólio, em baixa resolução, para o e-mail: fotografe@europanet.com.br. Serão publicados somente os que forem selecionados pela redação, um portfólio a cada edição.

TÉCNICA 40 DICAS PARA FOTOS DE paisagem paisagem Acertar na exposição e na composição é

TÉCNICA

40 DICAS PARA FOTOS DE

paisagem paisagem

Acertar na exposição e na composição é um dos pontos básicos para ter sucesso diante de um cenário que merece ser fotografado. Veja como se tornar um expert no tema

R egistrarpaisagenséumdos temas mais recorrentes na fotografia e uma atividade que atrai todo tipo de fotó- grafo, de todos os níveis, principalmente quando se

viaja. Mas há quem vá além, tor-

nando-se especialista no assunto,

comoosergipanoPríamoMelo,ra-

dicado no Rio de Janeiro (RJ), e o

pernambucanoAlexUchoa,quevive em Fortaleza (CE). Alex fotografa paisagens há 16 anos, mas ainda

estáseorganizandoparapoderpas-

sar tudo o que sabe por meio de workshops. Príamo dedica-se ao

30

• Fotografe Melhor n

o

228

temaháoitoanosejádáaulassobre oassuntoháumbomtempo–tanto queajudouFotografenaseleçãode

40dicasquevocêpoderáaproveitar

nas páginas seguintes. Outropontocomumentreesses dois nordestinos apaixonados pelo

tema é que eles não vivem de foto- grafia, apesar de produzirem tra- balhos de alta qualidade, de nível

profissional.Alex,42anos,éprocu-

radornacionaldaFazenda(advogado na União na parte tributária) e Príamo, 41, é engenheiro químico. Curiosopeloassuntohámaistempo, Alex começou na era do filme com

suaNikonN70ecromosFujiVelvia

50, o preferido dos fotógrafos do segmento. Lembra que, como não havia nadasobreatécnicaemlivros nacionais, comprou publicações estrangeiras e foi aprendendo por tentativaeerro(eacertostambém). Suasreferênciasdesdeessaépoca passaram a ser os americanos Ansel Adams, John Shaw e Galen Rowell, além do britânico David Ward, do israelense Guy Tal e do francês Alain Briot. Hoje,Alexacumulaprêmiosem vários concursos, nacionais e in- ternacionais, vende trabalhos em

Shutterstock

fine art e pretende lançar em setembro

de 2015 o livro Ceará - Um litoral único,

projeto que já tem parte do custo finan- ciada por meio do site Catarse. “Ainda estou em busca de mais apoios e acho quevaidartudocerto”,dizele,quedivulga o site www.cearaumlitoralunico.com.br

para quem quiser ajudá-lo. Para o fotó- grafo,qualqueriniciantehojetemmuito mais facilidade pela quantidade de in- formaçõesdisponíveissobreotema,que

ébemmaisdifundido.Fazerumbomcur-

sodefotografiaéadicanúmeroumpara

quemdesejaproduzirboasfotosnoseg-

mento, segundo ele. “Feito o curso para

aprenderobásico,procurealgomaises-

pecializado, como um workshop de um fotógrafo que seja um expoente, e pes-

quise, leia e pratique muito”, aconselha o fotógrafo pernambucano. Príamo Melo, um desses expoentes

quedáworkshops,enumeraalgunspon-

tosquegarantemumafotografiadepai-

sagem denívelprofissional:mediraluz corretamente, interpretarohistograma da imagem, usar filtros (polarizador e ND), controlar a nitidez de imagem, a profundidade de campo e o foco. Na se- quência, ele aborda todos esses pontos

especialmente para Fotografe em uma espéciede“workshopteóricoviarevista”, como você poderá conferir.

A medição correta da luz é um dos pontos cruciais para conseguir belas fotos de paisagem

TÉCNICA ENQUADRAMENTO OLHO NA COMPOSIÇÃO 1 De nada adianta dominar a técnica se o fotógrafo

TÉCNICA

ENQUADRAMENTO

OLHO NA COMPOSIÇÃO

1 De nada adianta dominar a técnica se o fotógrafo de paisagem não tiver noção de como fazer uma boa com- posição. “Esse quesito é importan-

tíssimo e envolve uma parte subjetiva, em

que se colocam sentimento e emoção na imagem que está sendo registrada”, diz Príamo Melo. A boa composição leva em conta aspectos como harmonia dos ele- mentosenquadradosehorizontesdefinidos – Príamo considera horizontes tortos um erro terrível. Como o tema composição é extenso, ele sugere muita observação nas fotos de grandes fotógrafos de paisagem (comooscitadosporUchoa),escolhercom critérioumprimeiroplanoetersempreem mentearegradosterços,emqueoquadro

é dividido em três partes na horizontal e

trêsnavertical.Oscruzamentosdessasli-

nhas são chamados de pontos de ouro.

2 Acertaroenquadramentoéumautomatismo queofotógrafodepaisagemprecisaadquirir com o tempo. O iniciante geralmente con-
2 Acertaroenquadramentoéumautomatismo
queofotógrafodepaisagemprecisaadquirir
com o tempo. O iniciante geralmente con-
funde o ponto central do visor da câmera
com a mira de um rifle, posicionando o tema bem
nomeiodoquadro.Oproblemaéqueumtemacen-
tralizadoprovocaumaleituramaisdifícil:acostumado
ao sentido natural de leitura, o olhar circula da es-
querdaparaadireita.Quandootemaficanocentro,
o olhar para e se perde depois na parte direita por
não encontrar nada que o atraia.
MODELO IDEAL
3 Omodelodeenquadramen-
to ideal é com a paisagem
espalhadaemtodaalargura
do quadro, com o elemento prin-
cipaldedestaquenoterçodireito
do quadro. O olhar grava a infor-
maçãoseguindoosentidonatural
deleituraefocanoelementoprin-
cipal por último.
No alto, a Pedra
Furada de
Jericoacoara e,
ao lado, a Lagoa
da Pinguela, em
Acaraú, ambas
no Ceará, em
fotos feitas por
Alex Uchoa
GUIAR O OLHAR
4 Épossívelguiaroolhartambémcomlinhas,cur-
vas, diagonais ou sucessão de elementos que o
acompanhem em outras partes da imagem: o im-
portanteélevá-loatéopontoforte.Oelementotam-
bémpodeserposicionadodoladoesquerdo,desde
que a parte direita apresente interesse ou abra em
umfundoharmonioso,comdiagonais,porexemplo.
Fotos: Alex Uchoa

32

• Fotografe Melhor n

o

228

Shutterstock

PRIMEIRO PLANO

5 Outro elemento primor- dialdoenquadramentoé o primeiro plano (como mostraafotoaolado).Ele

devedarinformaçõessobreana-

turezadolugareaumentaroefeito de profundidade. Para ressaltar bem o relevo de uma paisagem, é precisovalorizaroprimeiroplano

pelotamanhoeoptarporumapro-

fundidadedecampoampla.Assim, o plano de fundo desenvolve um papel complementar e dá a sen- saçãodeimensidão.Quantomais planos em sucessão na imagem, melhoro efeito de profundidade.

Príamo Melo

CONEXÃO ENTRE PLANOS

6 Mas não basta apenas apontar a câmera para um monte de pedras no primeiro plano e achar que está tudo resolvido. É necessário es- tabelecer uma conexão entre o primeiro plano e o do meio e entre o ponto focal escolhido e o horizonte. O fotógrafo deve estar preparado

para agachar (o que auxilia na missão de eliminar um plano do meio vazio e tedioso) ou ficar num patamar mais alto para criar um caminho que leve dos elementos do primeiro plano até o plano de fundo.

leve dos elementos do primeiro plano até o plano de fundo. PONTO DE INTERESSE 7 Umaimagemdepaisagemfica

PONTO DE INTERESSE

7 Umaimagemdepaisagemfica

mais atraente quando há um

pontodeinteresseóbvionoen-

quadramento de forma a atrair de imediatooolhardoobservador.Casa, igreja,castelo,monumento,formação rochosadiferente,lago,farol,enfim, tudooquepossasedestacarnacena deve ser valorizado na composição, sendocolocadoemumpontodeouro segundo a regra dos terços.

DOSAGEM CERTA

8 Cadapartedeumacenatem

seupoderdeatração,queva-

riasegundootamanhoreal, a importância no quadro, a

cor

plano fechado não tem impacto al-

gumsemumareferênciadesuadi-

mensão:aoposicionarsilhuetashu-

manasoudeanimaisquesedesta-

quem no fundo, de repente a mon- tanha surge imensa. O sucesso da composição necessita da dosagem certa de distintas zonas da cena.

Umamontanhafotografadaem

Os passos para uma exposição correta Escolha fazer a captura no formato RAW (esse arquivo,
Os passos para uma exposição correta Escolha fazer a captura no formato RAW (esse arquivo,

Os passos para uma exposição correta

Os passos para uma exposição correta
Os passos para uma exposição correta

Escolha fazer a captura no formato RAW (esse arquivo, chamado de “negativo digital”, tem os dados completos e intactos da captura)

Priorize a abertura do diafragma, mesmo em modo manual de exposição (o diafragma é muito menos versátil que o obturador e, na prática, é o dispositivo que define tanto a profundidade de campo quanto o tempo de exposição)

tanto a profundidade de campo quanto o tempo de exposição) Escolha a maior profundidade de bit
tanto a profundidade de campo quanto o tempo de exposição) Escolha a maior profundidade de bit

Escolha a maior profundidade de bit disponível na câmera, tipicamente 12 ou 14 bits (quanto mais bits, mais informação digital é armazenada)

(quanto mais bits, mais informação digital é armazenada) Selecione o maior espaço de cor disponível na

Selecione o maior espaço de cor disponível na câmera, em geral Adobe RGB (essa decisão afeta apenas a captura em JPEG, se também for feita), e use sempre o menor valor de ISO possível

for feita), e use sempre o menor valor de ISO possível Adote o uso do histograma

Adote o uso do histograma para o controle da exposição. De forma controlada, desloque o histograma para a direita (com isso, o máximo de luz possível deve ser admitido para diluir qualquer ruído digital)

deve ser admitido para diluir qualquer ruído digital) Exponha para as luzes altas, ou seja, evite

Exponha para as luzes altas, ou seja, evite estouros de luz (se o contraste da cena for elevado demais para ser registrado pelo sensor, o que ocorre quando o histograma está mais para a esquerda, opte por reter detalhes nas altas luzes)

Príamo Melo

34

A imagem

acima foi

capturada

com uma

lente grande

angular de

16 mm

LINHAS DE GUIA

9 sinuosos,rochasenfilei-

radas, árvores em se- quência, muros antigos,

entre outros, podem ser usados

nacomposiçãoparaformarlinhas de guia e atrair o olhar do obser- vador (como na foto ao lado). Quandoessaslinhasentrampelos

cantosdoquadrotornammaisin-

teressanteacomposição.E,caso hajacontrastesentreacenaeas linhas, mais interessante ficará.

Pontes, estradas ou rios

IMAGEM AO VIVO

10 O modo de imagem ao vivo (Live View) das câmeras

atuais pode ser um instrumento

muitoimportantenahoradecom-

por a imagem, pois ajuda o fotó- grafo a focar com mais precisão,

garantehorizontesmaisnivelados e a imagem pode ser visualizada sobreposta à grade da regra dos

terços,facilitandooposicionamen-

to da porção mais atraente num dos pontos de ouro.

A POSIÇÃO CERTA

11 Diante de algumas paisa- gens, é preciso esperar a hora certa do dia para que

osolfiquenaposiçãomaisinteres-

santeantesdeclicar.Porém,emal-

gunscasos,aposiçãocertadepende

decaminharumpoucoparaencon-

trá-la. Com construções interes- santesinseridasnapaisagem(como

), uma

caminhada ao redor do tema pode ser a solução para uma bela foto sem ter de esperar pela mudança de posição do sol.

igreja, castelo, forte, farol

REINO DA GRANDE ANGULAR 12 A lente preferida por quem fotografa paisageméagrandeangularporcausa
REINO DA GRANDE ANGULAR
12 A lente preferida por quem fotografa
paisageméagrandeangularporcausa
dapossibilidadequeelaoferecedecap-
turar vários planos da cena simulta-
neamente. A faixa grande angular é formada pelas
objetivas com distâncias focais entre 14 mm e 35
mm, tomando-se como referência o formato de
filme 35 mm (ou sensores full frame). Esse tipo de
lentegeraascomposiçõesmaisdinâmicas,quepo-
dem abranger informações de planos muito próxi-
mos a planos mais afastados da câmera.
Divulgação

• Fotografe Melhor n

o

228

Príamo Melo

Shutterstock

ALTERAÇÃO DE PERSPECTIVA

13 Há um mito envolvendo o uso da lente grande an- gular:édito,emconversasmisteriosasdebareem

conselhoscuriosos,queessaobjetivaalteraapers-

pectivadasfotos.“Issonãopassadeummal-enten-

dido.Comoalentepermiteincluirimagensdoprimeiroplanoem foco,écomumqueofotógrafoinstintivamenteseaproximedemais do objeto mais próximo, distorcendo a noção de perspectiva”, ensinaPríamo.Aestratégiadeenfatizarumelementodoprimeiro planocomumagrandeangular(comonafotoaolado)éconhecida como abordagem perto-longe, ou near-far approach, em inglês.

TUDO EM FOCO

Nousodagrandeangularemfotografiadepaisagem,para

14 deixartudonítido(ouemfoco),éprecisoentenderosignificado

deprofundidadedecampo,queéaregiãodenitidezaceitável

emfotografiaqueseestendeàfrenteeatrásdoplanofocalizado.Ela

émedidanasunidadesdecomprimentousuais,comometrosoupés.

Apesardeadistânciafocaldalenteeadistânciaaoassuntofocalizado também influenciarem na profundidade de campo, na prática a

aberturadodiafragmaéavariávelmaisacionada.Elanãoapenasde-

sempenhaumefeitomuitodestacadonoresultadofinalcomotambém não interfere na composição da imagem (pelo menos em termos da disposição dos elementos no quadro fotográfico). Quanto menor a abertura (maior número f), maior será a profundidade de campo.

OUTRAS OBJETIVAS

15 Fotos de paisagem não são feitas apenas com grandeangular.Objetivasnafaixanormal(próximo a 50 mm), meia-tele (de 70 mm a 120 mm) e tele (de 135 mm a 300 mm) também podem ser usa-

das. Profundidade de campo elevada, mais uma vez, é uma escolhausual,mesmocomlentesmaislongasqueagrande

angular,comoa50mm(usadanafotoabaixo),quefazimagens

consideradas como retratos da paisagem, contendo menos

informaçõesdevidoaoângulodevisãomaisestreito.Ameia-

-tele e a tele reduzem bastante o enquadramento da cena. São usadas quando o fotógrafo está distante do assunto e

quer chamar a atenção para detalhes da paisagem.

FILTROS ESPECÍFICOS

Além de um bom domínio da fo-

16 tometria e uso da lente certa, fil-

trostambémtêmumaenormein-

fluência no resultado final. E há

fundamentalmentecincogênerosdefiltros:ul-

travioleta,coloridoinfravermelho,polarizador

ededensidadeneutra.Oultravioleta(UV)serve

parafiltrararadiaçãodemesmonome.Seain-

tençãoéfotografarlugaresplanosemdiasmuito quentes, por exemplo, o UV tirará a espécie de névoa que parece distorcer o chão ou a região umpoucoacimadele.OefeitodoUVépequeno equasesemprenãofazmuitadiferença.Émais usadoparaprotegeralentedoqueoutracoisa. Jáfiltroscoloridos,comosugereonome,servem para colorir a cena. Deixar mais quente, com uma tonalidade amarelada ou mais fria, como

umtomazulado.Éofiltromenosusadoporfo-

tógrafosdepaisagem.Amaioriapreferedestacar

as cores verdadeiras do que as falsas.

Príamo MeloFotos:

Alex Uchoa

Príamo Melo Fotos: Alex Uchoa TÉCNICA LINEAR E CIRCULAR 19 que não atua bem com o

TÉCNICA

LINEAR E CIRCULAR

19 que não atua bem com o sistema de autofocodacâmeraeacabacausando

alteraçõesnaimagem.Ocircular,aocontrário, ajudaamelhoraracaptação.Umacaracterística do circular é que ele não é fixo: move-se por meio de um anel giratório, tornando possível aumentaraintensidadedeefeito(comovistono

Opolarizadorlinearépoucousadopor-

céudafotoabaixo).Masnãoexistefórmulapara saberqualníveldeveserusado.Éprecisomover o anel e ver se o resultado está bom.

o anel e ver se o resultado está bom. 36 • Fotografe Melhor n o 228

36

• Fotografe Melhor n

o

228

INFRAVERMELHO

17 Ofiltroinfravermelhobloqueiaaluzecapta apenas a radiação infravermelha, que são ondas eletromagnéticas emitidas pela agi-

tação térmica das partículas. Em essência, qualquer corpo acima de 0 °C emite essa radiação. Assim, se

plantasforemregistradascomousodefiltroinfraver-

melho,vãosedestacar,enquantoocéu,quenãoemite,

ficarápreto(comonafotoaolado).Alémdofiltro,tam-

bém é possível alterar a câmera para deixá-la capaz

decaptarapenasradiaçãoinfravermelha.Oprocesso é irreversível e deve ser feito por profissionais.

Abaixo, um filtro de densidade neutra (ND), muito usado em fotos de paisagem

POLARIZADOR

18 sidadeneutrasãoindispensáveis

aquemquerfotografarnoseg-

Osfiltrospolarizadorededen-

mento. O polarizador é impor-

tanteporqueaumentaasaturaçãodeazuldo

céueeliminareflexosdeobjetosnãometálicos,

como vidro, folhas, água e rochas. Também

provocaumasensaçãogeneralizadadesatu-

raçãodecor,deixandoacenamaisvívidaein-

tensa. Há dois tipos de filtro polarizador: li-

nearesecirculares.Essasdefiniçõesserefe-

remàformacomoosraiosdeluzatravessam o filtro, e não ao formato do acessório.

Divulgação
Divulgação

ALGUMAS RESTRIÇÕES

20 O polarizador circular também tem restrições:

podebaixaraluminosidadedalenteematédois

pontosenãotemumacombinaçãoharmoniosa

aoseracopladoàgrandeangular.Comooângulo

de visão das grandes angulares pode alcançar até 112º, e o

polarizadorcriaefeitoaté90°,équasecertoqueocorreráum

problema: alguns pontos estarão polarizados e outros não, deixando a imagem com tons de luminosidade diferentes.

DENSIDADE NEUTRA 21 O filtro de densidade neutra funciona como umaplacacinzaquebloqueiaaluzcomoum todo (veja na foto

DENSIDADE NEUTRA

21 O filtro de densidade neutra funciona como umaplacacinzaquebloqueiaaluzcomoum todo (veja na foto ao lado) . Ele tem vários graus de intensidade e não causa nenhuma

alteração nas cores. Há dois tipos: o normal, chamado de ND, totalmente cinza, e o graduado, metade cinza e metade transparente. O ND escurece a cena toda e pode viremdoisformatos:quadradoouredondo.Oredondoé acopladoàlenteecontacomumanelgiratórioparamudar ograudeintensificaçãodoefeito.Oquadradoécolocado diantedalenteviaadaptador(eminglês, holder).Omais recomendávelparafotosdenívelprofissionaléoquadrado, pois ele possibilita o uso de outros filtros em conjunto. O ND é usado geralmente para efeitos mais artísticos, en- quanto o graduado cria resultados mais técnicos.

ND GRADUADO 22 O ND graduado é usado para situações em que somente uma parte
ND GRADUADO
22 O ND graduado é usado
para situações em que
somente uma parte da
cenaestámuitoilumina-
da, como um céu com estouro de luz
(vejaexemplosaolado).Assim,ofiltro
escurece a parte com excesso de luz.
Ele faz dois tipos de transição entre o
cinzaeotransparente:abruptaousua-
ve. A abrupta é usada quando os con-
trastessãoevidentes,comoumasom-
bra muito proeminente. A suave é in-
dicadaquandoocenáriotemumplano
muito iluminado, um com luz equili-
brada e outro muito escuro.

TRIPÉ É FUNDAMENTAL

23 Para completar o equipamento do fotógrafo de paisa- gem,éindispensávelterumbomtripé.Muitasimagens

sãocaptadascomumtempodeexposiçãolongo,equal-

quertremorpodeserfatal.Umerrocomuméoptarporqualquer tripé ou o mais barato. Vale investir em um tripé de qualidade – e isso faz muita diferença em fotografia de paisagem. O melhor (emaiscaro)éodefibradecarbono,comavantagemdeserleve. Depois, o indicado é o de metal. Embora mais pesado, garante uma estabilidade satisfatória.

COM CABEÇA DE BOLA

24 O ideal é que a altura máxima do tripé seja equivalente à altura dos olhos do fotógrafo. Há vários tipos de cabeça

(acessório que conecta a câmera ao tripé). A melhor é a que tem o formato de bola, pois permite mais flexibilidade e posições di- ferentes.Tertambémníveldebolhanotripé,quemostraocorreto alinhamento dele em relação ao chão, é recomendável.

TÉCNICA NOÇÃO DE FOTOMETRIA 26 O fotógrafo precisa ter a noção de que a fotometria

TÉCNICA

NOÇÃO DE FOTOMETRIA

26 O fotógrafo precisa ter a noção de que a fotometria é o processoqueresultanamediçãodosníveisdeluzcaptados

pelosensordacâmera.“Ofotômetrodacâmeraanalisaacena combaseempadrõesdesensibilidade,medindo-aporinteiro, uma parte pequena ou várias partes”, explica Príamo. A partir disso, há o reajuste (via modo automático ou via fotógrafo, em modomanual)deaberturadaobjetiva,velocidadedoobturador easensibilidadeISO.Esseconjuntodedadosgeraaexposição paraqueoresultadosejaumbrilhomédiocommeio-tom–isto é, exatamente entre o branco e o preto, evitando luzes muito fortes ou sombras altamente acentuadas.

O EFEITO DA LUZ

25 Para evoluir na fotografia depaisagem,éfundamental conhecer tecnicamente o efeito da luz. Isso envolve

contraste, intensidade, temperatura de

coreadireçãodeincidência(vejaoexem-

plo ao lado). “A luz lateral que existe no começo e no fim do dia é ótima e quase sempre dá certo”, explica Príamo Melo,

ressaltandoquealuzdomeio-dia,porser

muitointensa(oudura,nojargãofotográ-

fico),raramentegerabonsresultadosem paisagens.Porém,eleafirmaqueumdos maioreserrosdofotógrafoinicianteéachar queabelezadaluzésuficienteparauma boa imagem. “Muitos acham que a luz dourada é o ponto alto da foto. É preciso cautela com isso”, alerta ele.

Alex Uchoa

MODOS DE MEDIR A LUZ

27 Umadúvidacomumdosiniciantesemfotografiade paisagem é a escolha do modo de medição de luz. Ele está relacionado com a área da cena que será

medida.Osmodossãooavaliativooumatricial(usadonafoto

ao lado), o ponderado central e o pontual (spot). O primeiro fazumamediçãomultissegmentada,emumaáreabastante ampladoquadrofotográfico,usadaparaocálculodovolume

deluz.Acenaédivididaemmúltiplossegmentos,cujainfor-

maçãodeluminosidadeéhomogeneamenteprocessadapelo fotômetro. Os outros dois trabalham com áreas menores.

PONDERADO CENTRAL E PONTUAL

38

28 O modo ponderado central dá ênfase à medição nasregiõescentrais,emboratodaaáreadoquadro

sejautilizadanamedição.Jáomodopontualres-

tringe a leitura de luz a um círculo bem pequeno

do quadro (entre 1,5% a 2% na Canon e 2% a 4% na Nikon). O minúsculo círculo atua usualmente no centro do quadro, mas há modelos de câmera que permitem que ele seja deslocado para outras regiões de acordo com o ponto de foco ativo.

• Fotografe Melhor n

o

228

Fotos: Príamo Melo

Gráfico para a direita indica mais luz clara na cena
Gráfico para a
direita indica mais
luz clara na cena
Quando toca o lado direito, mostra que a luz está estourada
Quando toca o lado
direito, mostra que
a luz está estourada
Para a esquerda indica menos luz e mais contraste
Para a esquerda
indica menos luz
e mais contraste

FOTOMETRIA E HISTOGRAMA

29 tamentenafotometriacomousodohistograma,casodafo-

tografia de paisagem, ensina Príamo. Há duas razões principais paraisso.Aprimeiraéque,empaisagem,ofotógrafodesejaregistrar acenacomamáximariquezadedetalhes.Assim,todasasregiões da cena importam, e faz mais sentido usar a medição multisseg- mentada,aúnicaadarênfaseatodasasáreas.Asegundaéporque cabe ao histograma informar se a cena desejada poderá ser cap- turadapelosensoremumaúnicaexposição.Casoessadistribuição

estejadentrodacapacidadederegistrodosensor,asoluçãoésim-

ples: basta expor o sensor e deslocar o histograma para a direita para aumentar a quantidade relativa de luz em relação ao ruído digital,semprepresenteemqualquerimagem(tomandoocuidado para evitar o aparecimento de estouros de luz).

O modo avaliativo (ou matricial) é o que se encaixa perfei-

QUATRO ALTERNATIVAS

30 Masseadistribuiçãodetonsfortãoamplaquesupera a que pode ser capturada pelo sensor, o fotógrafo tem de optar por uma das quatro alternativas dis- poníveis: 1) priorizar as sombras ou as luzes altas

dacena,dadoque,simultaneamente,ambasnãopoderãoserre-

gistradas adequadamente; 2) usar um filtro de densidade neutra graduado(NDgraduado),casosejapossível,parareteraexposição dapartemaisclarae,assim,comprimiraamplitudedadistribuição de tons para que o sensor consiga registrar a cena; 3) realizar múltiplas exposições com diferentes níveis de luminosidade e fundi-las digitalmente com a técnica do alto alcance dinâmico

(HDR,HighDynamicRange,eminglês);4)desistirdacomposição

pré-visualizada e tentar outra.

AVALIAÇÃO DO HISTOGRAMA

31 Comaadoçãodaavaliaçãodohistogramaeoajustedo modo de medição avaliativo ou matricial, a pergunta "ondemediraluz?"temumarespostasimples:emlugar

nenhum,dizPríamo.Acenacomoumtododeveserinterpretada,

e o histograma vai informar sobre a necessidade de remediar a

exposição,pormeiodefiltrosoudetécnicasdefusãodigital.Ohis-

tograma é o gráfico que consolida a informação de luz vinda de cada fotodiodo do sensor. Isso é importante porque, às vezes, a

imagemqueaparecenomonitordacâmeraédiferentedaoriginal por questões de ajuste de luminosidade. Com o histograma, sa- be-se exatamente como a foto foi registrada em arquivo.

O EIXO HORIZONTAL

32 Na análise de um histograma comum, o eixo hori- zontaléomaisimportante.Nelepode-selerumnível de luminosidade em particular e, no eixo vertical, a quantidaderelativadepixelscomessaluminosidade.

O valor numérico preciso de pixels do sensor com determinado valordeluminosidadenãoéumainformaçãorelevante.Assim,no

eixo vertical não há número algum. Mas, para o eixo horizontal, a escalaéimportantee,dependendodacâmera,elaéapresentada. Aluminosidadevariadezero,àesquerda(quesignificapretopuro,

ouseja,fotodiodosquenãoreceberamluzalguma),atéovalormá-

ximo, usualmente 255, que significa branco puro (indicando que houve saturação de luz em alguns fotodiodos).

Gráfico equilibrado mostra exposição com a luz certa
Gráfico equilibrado
mostra exposição
com a luz certa
TÉCNICA Sombras Tons médios Luzes altas NÚMERO DE PIXELS Valor zero NÍVEL DE LUMINOSIDADE Valor

TÉCNICA

SombrasTons médios Luzes altas NÚMERO DE PIXELS Valor zero NÍVEL DE LUMINOSIDADE Valor máximo Em

Sombras Tons médios Luzes altas NÚMERO DE PIXELS Valor zero NÍVEL DE LUMINOSIDADE Valor máximo Em

Tons médios

Sombras Tons médios Luzes altas NÚMERO DE PIXELS Valor zero NÍVEL DE LUMINOSIDADE Valor máximo Em

Luzes altas

NÚMERO DE PIXELS
NÚMERO DE PIXELS

Valor zeroSombras Tons médios Luzes altas NÚMERO DE PIXELS NÍVEL DE LUMINOSIDADE Valor máximo Em um histograma

NÍVEL DE LUMINOSIDADE

Valor máximo

Em um histograma comum, a linha horizontal determina os níveis de luminosidade, que variam de zero a 255, enquanto a linha vertical dá uma ideia de quantos pixels estão com muita ou pouca luz

HISTOGRAMA DE BRILHO

40

33 O histograma mais co-

muméoRGB,tambémco-

nhecidocomohistograma de brilho. Ele apresenta

umaespéciedesomadainformaçãode luminosidadequevemdecadacanalde cor primária (vermelha/R, verde/G e azul/B).Acaracterísticamarcantedesse

histograma é que, para um dado pixel, bastaqueumdoscanaisdecorapresente estourodeluzparaquesejaapresentado.

Paratercerteza,éprecisoconferirohis-

togramaindividualdecadacorprimária, disponível na maioria das câmeras lan- çadas recentemente no mercado.

• Fotografe Melhor n

o

228

POUCA OU MUITA LUZ

34 Acurvadohistogramapermiteavaliarseemalgumaregião da cena houve perda de detalhes – seja pelo fato de a cena mostrar sombras profundas (nesse caso, a curva pode tocar noladoesquerdodográfico)ouluminosidadeexcessiva(quando

a curva esbarra no lado direito). Preto e branco puros significam que há regiões no sensor em que houve perda de detalhes na captura dos tons.

HISTOGRAMADELUMINOSIDADE

A foto abaixo foi feita com base no histograma apresentado durante a exposição

35 Ohistogramadeluminosidadetambémpodeser geradoemprogramasdeediçãodeimagens,mas, diferentemente do RGB, o gráfico mostra uma

médiadainformaçãodeluzarmazenadaemcadapixel.As-

sim,umestourodebrancopodeapenasocorrernocasode, simultaneamente,ostrêscanaisdecorsaturaremnomesmo pixel. Para o caso da captura em JPEG, o valor máximo de

luminosidadeindicadonohistogramaé255,oquesignifica

que são registrados no máximo 256 tons de cinza desde o preto até o branco puros. Há mais níveis de tonalidades de cinzanocasodoformatoRAW.Mas,porconvenção,ovalor máximo de 255 também é usado.

MAIS PARA A DIREITA

36 Casosejanecessáriofazerajustes,orecomendável é que o histograma fique mais para a direita. Para

isso, pode-se usar o menor ISO possível, de 100 a 200, para evitar que a imagem tenha muito ruído. Também é

bomteraabertura(f/)elevadaparacriarumamaiorpro-

fundidade de campo. Esses parâmetros vão exigir uma velocidade mais lenta, e aí usa-se o tripé. O tripé é um acessóriofundamentalemfotosdepaisagem,poisajuda

agarantiranitideznaimagemcomoobturadoroperando em velocidade lenta e nas longas exposições.

Príamo Melo

4

Região sem nitidez Região nítida Região sem nitidez
Região sem nitidez
Região nítida
Região sem nitidez
Região sem nitidez Região nítida Região sem nitidez Profundidade de campo Ponto focalizado Ponto não focalizado

Profundidade de campo

Ponto focalizado Ponto não focalizado mas nítido Ponto não focalizado e não nítido
Ponto
focalizado
Ponto não focalizado
mas nítido
Ponto não focalizado
e não nítido
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
mas nítido Ponto não focalizado e não nítido Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
Região sem nitidez Região Região sem nitidez nítida
Região sem nitidez
Região
Região sem nitidez
nítida

Abertura grande (Número f pequeno)

Profundidade de campo

Abertura pequena (Número f grande) Região Região sem sem nitidez Região nítida nitidez
Abertura pequena
(Número f grande)
Região
Região
sem
sem
nitidez
Região nítida
nitidez

Profundidade de campo

Imagens de paisagem pedem aberturas pequenas de diafragma para ampliar a profundidade de campo (veja acima)

PROFUNDIDADE DE CAMPO

Formato do

Formato do

Círculo de

sensor*

confusão**

Full frame (24 x 36 mm)

0,030 mm

APS-H Canon (20 x 30 mm)

0,023 mm

APS-C Nikon, Sony e Pentax (16 x 24 mm)

0,020 mm

APS-C Canon (15 x 22 mm)

0,019 mm

Quatro-terços (13 x 17 mm)

0,015 mm

Compacta 1/1.7 poleg. (7,4 x 5,5 mm)

Compacta 1/1.7 poleg. (7,4 x 5,5 mm)

0,007 mm

*Dimensões aproximadas; **Outros valores de referência podem ser usados dependendo do tamanho da ampliação que se deseja.

42

• Fotografe Melhor n

o

228

37 Uma variável que tam-

bémdesempenhaumpa-

pel importante é o tama- nhodosensordacâmera.

Para uma mesma distância focal, ima- gens formadas em sensores pequenos têm um ângulo de visão mais fechado queasdesensoresmaiores.Oparâmetro específicoassociadocomosensorpara o cálculo da profundidade de campo é chamadodecírculodeconfusão(vejana tabela ao lado valores de círculos para tamanhosdesensoresmaisconhecidos). Sensores menores requerem círculos

de confusão menores, pois as imagens formadasporelesdeverãoserampliadas mais vezes para serem exibidas.

COMO CALCULAR

38 Para o cálculo da pro- fundidade de campo adequada, é necessá- rioobservaradistância

focalajustadanalente,estimaradis-

tância de focalização ao assunto e escolherumaaberturadodiafragma (número f). O círculo de confusão é o referente ao sensor da câmera em uso. A equação é complexa, mas há váriosmeiosdesaberosresultados. Um deles é por meio de tabelas ou com aplicativos específicos para

smartphones, como SimpleDOF e

DOFMaster(amboscustamUS$1,99)

– os dois são exclusivos do sistema iOS (App Store). Para o sistema An- droid, uma sugestão é o DOF Calcu- lator (gratuito).

4

Príamo Melo

44

DISTÂNCIA HIPERFOCAL

39 O uso da profundidade de campo nem sempre consegue que todos os planos fiquem nítidos. O segredo é usar a melhor combinação existente de distância de focalização e abertura

(número f) para gerar uma imagem em que todos os planos sejam fotografados com o máximo de nitidez (como na imagem acima). Esse resultado é atingido por meio da distância hiperfocal (H). Quando a fo- calização é feita na distância hiperfocal, a profundidade de campo se

estendedesdeoplanomaispróximo(H/2)atéoinfinito.Leiscomplexas

da física podem mostrar que, para a combinação de distância focal, abertura de diafragma e câmera (sensor), a focalização na distância hiperfocal é a que gera a maior profundidade de campo possível.

ESCOLHA DO PONTO DE FOCO

40 Assim, em vez de colocar o ponto de foco no primeiro plano ou no plano de fundo (infinito), é possível escolher focalizar na distância hiperfocal (veja o box ao lado com o exemplo ex- plicativo). Como ela é medida em centímetros ou metros, é

preciso fazer um cálculo que envolve o modelo da câmera (que entra no cálculo por meio do círculo de confusão), a abertura do diafragma (que será tão pequena quanto necessária, mas talvez não exatamente a menor possível) e a distância focal (veja a tabela abaixo), com medidas para as distâncias hiperfocais mais comuns. Assim que a distância hiperfocal for definida, pode-se usar uma fita métrica e procurar um objeto que esteja na posição certa para focalizar e, logo depois, clicar.

A prática da distânciahiperfocal

A prática da distância

hiperfocalA prática da distância

hiperfocal

A ideia é fotografar uma paisagem com flores no primeiro plano e montanhas ao fundo, deixando tudo em foco (máxima nitidez). Na composição, as flores estão a 50 cm da câmera, e as montanhas, distantes o suficiente para serem

consideradas no infinito. O primeiro passo é ajustar a abertura do diafragma para f/22 e com isso aumentar a profundidade de campo.

O segundo é escolher o ponto a ser

focalizado. Eis o problema. Por intuição, a solução é priorizar

o ponto de foco nas flores ou, em

segundo caso, nas montanhas, já que

o desejo é ter ambos com nitidez

elevada. No primeiro caso (de acordo com a tabela 2), a profundidade de campo se estende de 30 cm a 1,41 m

à frente da câmera. Isso deixa as

flores em foco (ou nítidas), mas não as montanhas. Por outro lado, focalizando na montanha (ou seja, no infinito), a profundidade de campo se estende a partir de 78 cm até o

infinito e, nesse caso, as flores ficam desfocadas. Portanto, o ideal é que o ponto de focalização seja feito com base na distância hiperfocal. Para f/22 e distância focal de 18 mm usando uma Canon EOS 7D, a tabela 3 indica que

H = 0,78 m. Colocando o ponto de

foco em H, ou seja, focalizando em algum objeto a 78 cm à frente da câmera, a profundidade de campo

começa a partir de 39 cm e segue até

o infinito. Assim, tanto as flores quanto a montanha estarão bem focalizadas e a imagem sairá bem mais nítida.

Tabela de distância hiperfocal (H) em metros  

Tabela de distância hiperfocal (H) em metros

 

Distância

Distância Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)

Abertura (número f/)

Abertura (número f/)
Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)
Distância Abertura (número f/)

focal (mm)

1.4

2

2.8

4

5.6

8

11

16

22

32

10

3,76

2,63

1,88

1,32

0,94

0,66

0,48

0,33

0,24

0,16

14

7,37

5,16

3,68

2,58

1,84

1,29

0,94

0,64

0,47

0,32

18

12,2

8,53

6,09

4,26

3,05

2,13

1,55

1,07

0,78

0,53

24

21,7

15,2

10,8

7,58

5,41

]

3,79

2,76

1,89

1,38

0,95

28

29,5

20,6

14,7

10,3

7,37

5,16

3,75

2,58

1,88

1,29

35

46,1

32,2

23,0

16,1

11,5

8,06

5,86

4,03

2,93

2,01

50

94,0

65,8

47,0

32,9

23,5

16,4

12,0

8,22

5,98

4,11

70

184,2

128,9

92,1

64,5

46,1

32,2

23,4

16,1

11,7

8,06

90

304,5

213,2

152,3

106,6

76,1

53,3

38,8

26,6

19,4

13,3

135

685,2

479,6

342,6

239,8

171,3

119,9

87,2

60,0

43,6

30,0

300

3.383,5

2.368,4

1.691,7

1.184,2

845,9

592,1

430,6

296,1

215,3

148,0

 
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
 
 

• Fotografe Melhor n

o

228

1.184,2 845,9 592,1 430,6 296,1 215,3 148,0       • Fotografe Melhor n o 228
ESTÚDIO

ESTÚDIO

ESTÚDIO

Shutterstock

É possível realizar produções profissionais com poucos recursos; porém, a decisão do que comprar deve ser feita de forma ponderada

DICAS PARA MONTAR UM ESTÚDIO DE

1,2ou4mil reais

A escolha dos acessórios e do tipo de iluminação depende do objetivo de cada um. Confira três configurações e descubra qual delas é a ideal para você

POR LIVIA CAPELI

T erflashesdeestúdiocomacessórios

modificadores de luz e tripés pode

mudarporcompletoaspossibilida-

descriativasparaquemestácome-

terceiro é para quem tem maior capaci-

dadedeinvestimentoedobranovamente

o capital: R$ 4 mil.

Vale ressaltar que os kits são apenas

sugestões.Asconfiguraçõesforammon-

tadaspensandonailuminaçãocomflash,

porém no mercado há boas opções para

itens,estudarmuitobemseaopçãoreal- quemdesejafotografarcomluzdeledou

menteéamelhorparaotipodetrabalho que o fotógrafo pretende fazer. Fotografe pesquisou e montou três kitsdeestúdioparainiciantes.Oprimeiro é para um estilo econômico, com inves-

timentodeatéR$1mil.Osegundooferece

oferecidos emsitespopularesdecompra

mentosusadosoukitsdeestúdiosprontos,

vestir dinheiro em qualquer um desses

çando na fotografia profissional. Porém, é importante, antes de in-

comoflashcompactodedicadodacâmera. Outra opção é procurar por equipa-

e venda. Contudo, é importante se certi- ficar de que a compra é segura e que o

umaconfiguraçãomoderada,comodobro do custo, ou seja, na faixa de R$ 2 mil. O

vendedordêalgumtipodegarantiaouas-

sistência técnica. Confira.

Andreza Frattini Lolatto

A profissional

Eileen Parker clica bebês usando apenas um hazy rebatido na parede

nhas necessidades.

nãoatendiamàsmi-

de acessórios que

rica que ganhei de um tio. Me empolguei e compreiumaporção

facilidadedeacessoàinfor-

mação, só não pesquisa, lê ou realiza uminvestimento inteligente quem não quer. Livia Capeli

túdio, em 2002, tinha acabado

SANTA CATARINA

DISTRITO FEDERAL

RIO DE JANEIRO

SÃO PAULO

MINAS GERAIS

PARANÁ

Fama www.famafotografia.com.br tel. (47) 3350-6803 www.famafotografia.com.br tel. (47) 3350-6803

Onde comprarPARANÁ Fama www.famafotografia.com.br tel. (47) 3350-6803 Paixão Câmeras www.paixaocameras.com.br tel. (21)

Onde comprar

Onde comprar

Onde comprar

Paixão Câmeras www.paixaocameras.com.br tel. (21) 3174-0487 www.paixaocameras.com.br tel. (21) 3174-0487

Phocostudio www.phocostudio.com.br tel. (11) 3207-5182 www.phocostudio.com.br tel. (11) 3207-5182

Mako www.makostore.com.br tel. (47) 3641-6888 www.makostore.com.br tel. (47) 3641-6888

Digiflash www.digiflash.com.br tel. (11) 3774-3477 www.digiflash.com.br tel. (11) 3774-3477

Centro Fotográfico www.cfoto.com.br tel. (31) 2101-0898 www.cfoto.com.br tel. (31) 2101-0898

Rai-tai www.raitai.com.br tel. (61) 3963-1692 www.raitai.com.br tel. (61) 3963-1692

Atek www.atek.com.br tel. (11) 3272-0366 www.atek.com.br tel. (11) 3272-0366

bastanteusadasedemarcagené-

Q uandomonteimeuprimeiroes-

Nainocênciadafaltadeexperiên-

de me formar em Fotografia pela EscolaPanamericanaeoacessoa materialdidáticosobreotemaera

escasso. Vivi o momento da tran- sição da fotografia analógica para adigital,enãotinhanenhumanoção doquecomprar.Fotografeialgumas coisas iluminando com uma lâm- pada halógena de jardim. Depois, vieram as duas tochas de flashes

serem baratos. Por se tratar de um acessório pequeno, o resul- tado era sempre com sombras bem marcantes na cena – o que não atendia à minha expectativa ao clicar pessoas. Hoje, mais consciente, tenho poucos, mas bonsacessórios.Atualmente,pela

cia, apliquei todo o meu dinheiro naquantidade,enãonaqualidade. Umdosmaioreserrosfoicomprar dois mini-hazies. Acreditei que eraumótimonegócio,apenaspor

Erros e acertos do primeiro estúdio

• Fotografe Melhor n

o

228

50

ESTÚDIO

Acreditei que eraumótimonegócio,apenaspor Erros e acertos do primeiro estúdio • Fotografe Melhor n o 228 50
4 + 1
4
+
1

=

+ 2 + Você poderá acrescentar ainda 3
+
2
+
Você poderá
acrescentar ainda
3

Uma bolsa com alça ou rodízios para transportar com relativa facilidade tripés, flashes e outros acessórios. Marcas como Alvha, Greika, Vanguard e Incoflash são tradicionais na área. Porém, há boas opções também nas lojas que comercializam acessórios de estúdio. Na escolha considere a quantidade de equipamento que pretende transportar e se o tamanho da bolsa comportará mais acessórios caso adquira outros no futuro. O investimento médio fica entre R$ 99 e R$ 400. Cabo de sincronismo extra (R$ 35) não pode faltar. É o tipo de acessório para ter mais de um. Não custa caro, mas alguns costumam dar problemas de mau contato com o uso frequente.

R$ 943

1 Estilo econômico

Básica e direto ao ponto: esta

configuraçãosimplesdeflash,tripé,

rebatedoreumacessórioparasua-

vizar a luz é mais do que suficiente para enfrentar os desafios da fase de aprendizado de qualquer fotó- grafo iniciante. Para quem também precisa contarcomumesquemaitinerante, o kit pode ser transportado facil- mente e atende suficientemente sessões que envolvem retratos, produtos, gastronomia e até re- cém-nascidos (desde que o flash seja rebatido em uma parede). O hazy médio (de tamanho 70 x 70 centímetros da Atek) pode pa- recer um alto investimento no co-

meço.Porém,temótimocusto-be-

nefícioemlongoprazo,poiselepro-

porcionailuminaçãoversátileéum itemclássico,presentenamaioria dosestúdiosprofissionais.Setiver comoinvestirmais,migreparaum hazy de tamanho superior. Você vai precisar de um tripé modelo Cadete I de três estágios (1)dofabricanteAtek(R$121), um flash 100-LC (2)da marca Prolight (R$ 320), um rebatedor circular branco e prata (3) da marca Mako de82cmdediâmetro(R$114), um hazy de tamanho 70 x 70 centíme- tros(4) da lojaAtek(R$388).Total:

R$ 943. Um bom kit e nem chegou aos R$ 1 mil propostos.

Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

ESTÚDIO + 5 + 2 4 + 1 + = R$ 2.078 3
ESTÚDIO
+
5
+
2
4
+
1
+
=
R$ 2.078
3

2 Investimento moderado

52

so, ele pode ser uma opção para criar luz de fundo, desde fotos de modelos até produções gastronô- micas.Invistanomodelocurtoeterá

nalecomqualidadepodesignificar,

entre outras coisas, investimento em mais iluminação e acessórios,

umacessóriodoisemumaocolocar umacartolinaemformadeconeno bocal dele, alongando-o. Ahastedeumagirafapoderáser acoplada em um dos dois tripés do kiteseráútilparaelevarosnootna

hora de criar luz de cabelo. Veja a

configuraçãobásica:doistripéste-

lescópicos (1) da fabricante Mako

(R$276),doisflashesDigital100Plus

(2)dalojaAtek(R$940),umoctosoft

Outroacessóriointeressantepa- de 1 m de diâmetro (3) da loja Atek

(R$572),umsnootcurto(4)daAtek

(R$99)eumagirafamédiasemtripé

beloemfotosdemodelos.Alémdis- (5)daAtek(R$191).Total:R$2.078.

para fazer uma atraente luz de ca-

raseteréosnoot,quepoderáservir

é obter uma luz uniforme e com sombras suaves.

ser bem proveitoso para produzir books de modelos, crianças e edi- toriaisdemoda,nosquaisoobjetivo

çãomaisbrilhanteeabrangente.Vai

poderáproporcionarumailumina-

suas fotos mais criativas se você souber usar tudo sabiamente. Um octsoft de tamanho médio

o que consequentemente tornará

Fotografardemaneiraprofissio-

• Fotografe Melhor n

o

228

Você poderá acrescentar aindaCom um pouco mais de investimento você poderá se livrar dos cabos de sincronismo no