Você está na página 1de 5

Homeostase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compro
a verificabilidade (desde fevereiro de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes p
ser removido.
—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Homeostasia ou homeostase, a partir dos termos gregos homeo, "similar" ou
"igual", e stasis, "estático", é a condição de relativa estabilidade da qual
o organismo necessita para realizar suas funções adequadamente para o
equilíbrio do corpo[1]. É a propriedade de um sistema aberto, especialmente
dos seres vivos, de regular o seu ambiente interno, de modo a manter uma
condição estável mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico, controlados
por mecanismos de regulação inter-relacionados[2].
Este fenómeno foi descrito pela primeira vez por Claude Bernard e
posteriormente foi estudado mais profundamente por Walter Cannon[3]. O
primeiro, em 1859, disse que todos os mecanismos vitais, por mais variados
que sejam, não têm outro objetivo além da manutenção da estabilidade das
condições do meio interno. O segundo, em 1929, chamou essa estabilidade de
homeostase[4].

Índice
[esconder]

 1Generalidades
o 1.1Propriedades da homeostase
o 1.2Mecanismos de homeostase
 2Homeostase ecológica
 3Homeostase biológica
 4Homeostase no corpo humano
 5Outras áreas
 6Referências
 7Ver também

Generalidades[editar | editar código-fonte]


O uso mais frequente do termo refere-se à homeostase biológica. A
sobrevivência de organismos vivos requer um meio interno homeostático;
muitos ambientalistas acreditam que este princípio também se aplica ao meio
externo. Um grande número de sistemas ecológicos, biológicos e sociais são
homeostáticos, mantêm o equilíbrio contrariando qualquer mudança, e caso
não sejam bem sucedidos em repor o equilíbrio, isso pode conduzir à
interrupção do funcionamento do sistema.
Sistemas complexos, como por exemplo o corpo humano, precisam de
homeostase para manter a estabilidade e sobreviver. Mais do que apenas
sobreviver, estes sistemas devem ter a capacidade de se adaptar ao
seu ambiente externo e interno.
Propriedades da homeostase[editar | editar código-fonte]
Os sistemas homeostáticos exibem certas propriedades:

 São extremamente estáveis;


 Toda a sua extensão e organização, interna, estrutural e funcional, contribui
para a manutenção do equilíbrio.
 São imprevisíveis (o resultado de uma determinada ação pode mesmo ser
o oposto do esperado).
Seguem-se alguns dos mais importantes exemplos de homeostase
em mamíferos:

 A regulação da quantidade de água e minerais no corpo, conhecida


como osmorregulação. Tem lugar principalmente nos rins.
 A remoção de resíduos metabólicos, conhecida como excreção. Tem lugar
em órgãos excretórios como os rins e os pulmões.
 A regulação da temperatura corporal, realizada principalmente pela pele e
pela circulação sanguínea.
 A regulação dos níveis de glicose no sangue, realizada principalmente
pelo fígado e pela insulina secretada pelo pâncreas. Estado de equilíbrio no
corpo.
Mecanismos de homeostase[editar | editar código-fonte]
Ver: Retroalimentação
Quando ocorre a mudança de uma variável, o sistema pode reagir segundo
dois tipos de feedback:

 O feedback negativo é a reação pela qual o sistema responde de modo a


reverter a direção da mudança. Visando a manter estáveis as variáveis,
permite a manutenção da homeostase. Por exemplo: quando a
concentração corporal de dióxido de carbono aumenta, os pulmões são
estimulados a aumentar a sua atividade e expelir mais dióxido de carbono.
A termorregulação é outro exemplo de feedback negativo. Quando
a temperatura corporal sobe, ou desce, receptores na pele e
no hipotálamo sentem a alteração, desencadeia uma ordem no cérebro que
dá início a uma reação no sentido de gerar ou libertar calor, conforme seja
o caso.
No feedback negativo, o órgão X estimula o órgão Y, cuja função inibe ou
paralisa a atividade do órgão X. Em outras palavras, o estímulo bloqueia o seu
próprio "estimulador".

 No feedback positivo, a resposta amplifica a mudança da variável. Isto tem


um efeito desestabilizador, pelo que não contribui para a homeostase.
O feedback positivo é menos comum nos sistemas naturais do que
o feedback negativo, mas tem as suas aplicações. Por exemplo:
nos nervos, um potencial elétrico limite desencadeia a geração de
um potencial de ação muito mais elevado (ver também ponto de equilíbrio).
Outros eventos de feedback positivo são a coagulação do sangue e vários
eventos na gestação.
O feedback positivo é quando um órgão y estimula um órgão x, e este, através
de produtos da sua atividade, retroestimula o órgão y, intensificando sua ação.
Um mecanismo destes, isoladamente, levaria à exaustão ou esgotamento
energético do sistema. Por isso, o feedback positivo está sempre acoplado
a feedback negativo.

Homeostase ecológica[editar | editar código-fonte]


Na sua hipótese de Gaia, James Lovelock afirma que toda a massa de matéria
viva da Terra, ou de qualquer outro planeta com vida, funciona como um vasto
organismo que activamente modifica o seu planeta para produzir
o ambiente que melhor serve as suas necessidades. Sob este ponto de vista, o
planeta inteiro mantém homeostase. Se um sistema deste tipo ocorre ou não
na Terra é ainda assunto de debate. Contudo, alguns mecanismos
homeostáticos relativamente simples são aceitos na generalidade. Por
exemplo, quando os níveis atmosféricos de dióxido de carbono sobem, as
plantas crescem mais e removem dióxido de carbono da atmosfera. Quando a
luz solar é intensa e a temperatura atmosférica sobe, o fitoplâncton da
superfície oceânica prolifera e produz mais dimetilo de enxofre, que age como
núcleo de condensação de nuvens conduzindo à produção de mais nuvens, ao
aumento do albedo do planeta e à redução da temperatura atmosférica. [carece de
fontes]

Homeostase biológica[editar | editar código-fonte]


A homeostase é uma das características fundamentais dos seres vivos. É a
manutenção do ambiente interno dentro de limites toleráveis. O ambiente
interno de um organismo vivo consiste basicamente nos seus fluidos corporais.
Estes incluem o plasma sanguíneo, a linfa, e vários outros fluidos inter- e
intracelulares. A manutenção de condições estáveis nestes fluidos é essencial
para os seres vivos, uma vez que a ausência de tais condições é prejudicial ao
material genético.
No que respeita a um dado parâmetro, um dado organismo pode
ser conformista ou regulador. Os reguladores tentam manter o parâmetro a um
nível constante, independentemente da sua variação no ambiente externo. Os
conformistas permitem que o ambiente externo determine o parâmetro. Por
exemplo, os animais endotérmicosmantêm uma temperatura corporal
constante, enquanto que os animais ectotérmicos exibem uma grande variação
deste parâmetro.
Isto não quer dizer que os conformistas não tenham adaptações que lhes
permitam exercer algum controle sobre o parâmetro em questão. Por exemplo,
é frequente de manhã observar répteis sobre pedras aquecidas pelo sol a fim
de elevar a sua temperatura corporal.
Uma vantagem da regulação homeostática é permitir um funcionamento mais
eficiente do organismo. Por exemplo, os animais ectotérmicos tendem a ficar
letárgicos a baixas temperaturas, enquanto que os animais endotérmicos
mantêm uma actividade normal. Por outro lado, a regulação requer energia.
Uma das razões pelas quais as cobrasconseguem sobreviver com
uma refeição semanal é porque requerem muito menos energia para manter a
homeostase.
Homeostase no corpo humano[editar | editar código-fonte]
A capacidade de sustentar a vida dos fluidos do corpo humano é afetada por
todo um leque de fatores, como a temperatura, a salinidade, o pH, ou as
concentrações de nutrientes, como a glicose, vários íons, oxigênio, e resíduos,
como o dióxido de carbono e a ureia. Dado que estes fatores afetam as
reações químicas que mantêm o corpo vivo, este inclui mecanismos fisiológicos
para os manter dentro dos limites desejáveis.

No corpo humano, é possível identificar vários tipos diferentes de homeostasia:

 Regulação térmica, que é uma forma de equilíbrio e controle da


temperatura do corpo humano que é feita através da pele e da circulação
sanguínea. O ambiente externo, quando sujeita o corpo a temperaturas
mais baixas, obriga a algumas alterações. Nesse caso, o corpo usa mais
energia para manter a temperatura e em situações extremas o corpo envia
mais sangue para a região dos órgãos vitais, sendo que os braços e
pernas, por serem menos importantes, ficam mais prejudicados[5]:
 Os músculos esqueléticos tremem para produzir calor quando
a temperatura corporal é muito baixa.
 Outra forma de gerar calor envolve o metabolismo de gordura.
 O suor arrefece o corpo por evaporação.

 Regulação química:
 Os pulmões absorvem oxigênio e expelem dióxido de carbono.

 homeostasia hídrica, ou osmorregulação, acontece nos rins e significa a


regulação da água dentro do organismo. A homeostasia feita pelo fígado e
pâncreas (segregação de insulina) serve para regular os níveis de glicose
no sangue[6].
 Os rins excretam ureia e regulam as concentrações de água e de uma
grande variedade de íons.
 O pâncreas produz insulina e glucagon para regular a concentração
de açúcar no sangue.

 homeostasia psicológica consiste no equilíbrio entre as necessidades de


um indivíduo e o suprimento dessas mesmas necessidades. Assim, quando
essas necessidades não são supridas, acontece uma instabilidade interior,
que é solucionada com alterações nos comportamentos, que culminem na
satisfação dessas necessidades[7].
Muitos destes órgãos são controlados por hormonas segregadas pela glândula
pituitária, cuja ação é, por sua vez, regulada pelo hipotálamo.

Outras áreas[editar | editar código-fonte]


O termo começa a ser usado em outras áreas, além das ciências biológicas.
As companhias de seguros podem falar de homeostase de risco quando, por
exemplo, condutores com freio ABS apresentam uma sinistralidade semelhante
aos condutores sem ABS, porque inconscientemente compensam o veículo
mais seguro com hábitos de condução menos seguros.
Sociólogos e psicólogos referem a "homeostase de estresse", a tendência
duma população ou dum indivíduo para manter um certo nível de estresse,
frequentemente criando estresse artificial se o nível "natural" de estresse não
for suficiente.
Em qualidade, podemos dizer que homeostase, uma das propriedades
fundamentais dos sistemas, é a propriedade que os sistemas apresentam de
autorregularem o seu nível de desempenho em torno de um ponto ótimo,
quando livre de interferências externas. Sua utilidade para o gerenciamento
dos processos industriais consiste no tratamento das manifestações
mensuráveis da homeostase baseado na teoria da variação, formulada por
Shewhart.
Em psicologia positiva, a homeostase se aproxima do conceito de resiliência.