Você está na página 1de 29

Circular AT 048-15 São Paulo, 14 de setembro de 2015

Favor divulgar esta circular para:

Gerente de Gerente de Chefe de Encarregado Frotistas Frotistas


X Serviços X Peças X Oficina de garantia Ônibus Caminhões

Assuntos: Procedimento de Diagnose e Testes do sistema de pós-tratamento SCR

Modelos Afetados: Todos modelos TGX

O objetivo dessa circular é facilitar o procedimento de diagnose de falhas no sistema de pós-


tratamento SCR dos veículos MAN TGX.

Para facilitar o entendimento desta circular, abordaremos os principais passos para identificação e
solução das falhas relativas ao sistema SCR.

Os principais pontos descritos nesta circular são:

Análise do funcionamento e testes dos componentes da Unidade Dosadora DENOXTRONIC


Procedimento para substituição dos filtros da Linha de ARLA 32
Medição de vazão de ARLA 32
Procedimento de “Flushing” da Unidade Dosadora DENOXTRONIC
Reposição da limitação de binário do motor (Redução de potência ocasionada por
falha no sistema de injeção de ARLA 32)

1
MAN Latin America Indústria Unidade Carnaubeiras Escritório Regional São Paulo Escritório Regional Rio de Janeiro
e Comércio de Veículos Ltda. Rua das Carnaubeiras, 168 Rua Loefgreen, 1.057 Rua Lauro Mueller, 116 14° andar
Conjunto Industrial Resende 1°, 2°, 4°, 5°, 6°, 7°, 8°, 10°, 12° e 13° 5° andar, sala 501 Sala 1405 – Torre Rio do Sul
andares 04040-030 – São Paulo – SP 22290-160 – Rio de Janeiro – RJ
Rua: Volkswagen, 100 – Polo Industrial
04343-080 – São Paulo – SP Fone: (11) 2348-3462 Fone: (21) 3873-7490
27537-803 – Resende – RJ
Fone: (11) 5582-5122
Fone: (24) 3381-1000
Escritório Regional Recife Escritório Regional Porto Alegre
Unidade Jabaquara Unidade Vinhedo Rua Padre Carapuceiro, 733 Rua Sete de Setembro, 730
Av. Das Indústrias, s/n° 1° andar 10° andar Conjunto 1001 13° andar
Rua Volkswagen, 291, 7°, 8 ° e 9° andares
Lado direito 51020-280 – Recife – PE 90010-190 – Porto Alegre – RS
04344-901 – São Paulo – SP
13280-000 – Vinhedo – SP Fone: (81) 3464-8669 Fone: (51) 3214-4071
Fone: (11) 5582-5122
Fone: (19) 3826-8119
www.man-la.com
1. PRINCIPAIS CAUSAS DE FALHA NO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32 ........................................................3
2. DETALHAMENTO DO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32 ...............................................................................4
2.1 COMPONENTES DO SISTEMA ............................................................................................................................... 4
2.2 IDENTIFICAÇÃO DOS COMPONENTES DA UNIDADE DOSADORA DENOXTRONIC................................................. 5
3. PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DOS FILTROS ......................................................................................6
4. PROCEDIMENTO DE DIAGNOSE E TESTES NO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32 ......................................8
4.1 TESTE DE VERIFICAÇÃO DA TUBULAÇÃO DE AR COMPRIMIDO .................................................................................. 9
4.2 TESTE DO ELEMENTO DE COMANDO VÁLVULA PURGA DE AR............................................................................... 11
4.3 TESTE DE ATIVAÇÃO DA BOMBA NO MÓDULO DE ALIMENTAÇÃO ......................................................................... 13
4.4 ENSAIO AO MÓDULO DE DOSEAMENTO DE ADBLUE ........................................................................................... 15
5. FLUSHING DA UNIDADE DOSADORA DENOXTRONIC..................................................................................19
5.1 TEMPO PADRÃO DE REPARO (TPR) ..................................................................................................................... 20
6. REPOSIÇÃO DA LIMITAÇÃO DE BINÁRIO .......................................................................................................21
ANEXO I - INSPEÇÃO DO ARLA 32.......................................................................................................................23

2
1. PRINCIPAIS CAUSAS DE FALHA NO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32

Há diversos códigos de falha no sistema de ARLA 32 que estão relacionados à emissão de NOx e
consequente perda de potência. Antes de realizar análises no sistema, é de suma importância a
inspeção do ARLA 32 conforme ANEXO I descrito nesta circular.

As causas mais comuns evidenciadas em campo foram:

1. Fluido ARLA 32 com concentração fora do especificado, adulterado ou não original


(SPN 5530, 5533, 5534, 5535 e 5536)

2. Saturação dos filtros da linha de ARLA 32


(SPN 5519, 5520, 5031, 5037)

3. Entrada de impurezas no tanque de ARLA 32


(SPN 5519, 5520, 5031 e 5037)

4. Dobra ou rompimento das tubulações do ARLA 32


(SPN 5519, 5020, 5031, 5033 e 5037)

5. Vazão de ar da linha pneumática abaixo do especificado


(SPN 5520 e 5023)

6. Tubulação de ar da linha pneumática dobrada ou com vazamentos


(SPN 5520 e 5023)

7. Volume injetado de ARLA 32 pela Unidade Dosadora DENOXTRONIC fora do especificado


(SPN 5031 e 5033)

Para orientar o diagnóstico, encontra-se a seguir procedimentos a serem realizados com a ferramenta
de diagnose MAN-Cats II na análise do sistema de ARLA 32.

3
2. DETALHAMENTO DO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32

2.1 Componentes do Sistema

O sistema de injeção de ARLA 32 nos veículos TGX é composto pelos componentes destacados
abaixo:

4
2.2 Identificação dos componentes da Unidade Dosadora DENOXTRONIC

Para melhor entendimento se faz necessário a visualização do funcionamento interno da Unidade


Dosadora e seus componentes conforme destacados abaixo.

5
3. PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DOS FILTROS

A Linha de ARLA 32 possui três filtros, destacados a seguir, os quais devem ser verificados conforme
plano de manutenção, ou sempre quer for notado alguma falha no sistema de injeção de ARLA 32.

Identificação dos filtros

Pré-filtro da tubulação - item “11”


P/N: 2V5.131.759

Pré-filtro do conector – item “10”


P/N: 2V5.131.759-A (Em conjunto com o item “7”)

Filtro Principal – item “7”


P/N: 2V5.131.759-A (Em conjunto com o item “10”)

6
Sempre que houver necessidade de intervenção no sistema e/ou substituição dos filtros, se faz
necessário realizar o procedimento “Esvaziamento do circuito de AdBlue”, evitando assim a
possibilidade de cristalização no interior do sistema.
Este procedimento reduz a pressão residual da linha de ARLA 32, possibilitando assim a
desmontagem dos componentes.

Utilizando o MAN-Cats II acesse conforme sequencia de tela abaixo:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Sequência → Esvaziamento do circuito de AdBlue

Após a intervenção e a montagem dos componentes, executar o procedimento “Primeira colocação


em funcionamento”.
Este procedimento garante que bolhas de ar que entraram no sistema durante a intervenção sejam
eliminadas.

Utilizando o MAN-Cats II acesse conforme sequencia de tela abaixo:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Sequência → Primeira colocação em funcionamento

7
4. PROCEDIMENTO DE DIAGNOSE E TESTES NO SISTEMA DE INJEÇÃO DE ARLA 32

A seguir serão apresentados roteiros para análise de falhas na Unidade Dosadora DENOXTRONIC,
que visam capacitar o técnico para um diagnóstico preciso do sistema.
A Unidade Dosadora DENOXTRONIC é responsável pela sucção do ARLA 32 do tanque e envio até
a Válvula Dosificadora. Para isso, a unidade possui uma linha de fornecimento de ARLA 32 e outra
linha de Ar que passa por um restritor (furo calibrado), no qual regula a pressão até a Válvula
Dosificadora.

Os procedimentos a seguir serão realizados com o uso do MAN-Cats II. Certifique-se que as
condições abaixo sejam atendidas antes de prosseguir.

• Bateria do veículo totalmente carregada


• Bateria do MAN-cats totalmente carregada
• Bateria da interface do MAN-cats totalmente carregada
• Base de dados do MAN-cats atualizada
• Conexão de rede (internet) estável
• Reservatórios do sistema pneumático completamente carregados
• Freio de estacionamento acionado

IMPORTANTE
Para a correta execução dos procedimentos a seguir, certifique-se que os filtros não
estejam obstruídos/saturados.
Recomendamos que os testes a seguir sejam realizados na sequência indicada.

8
4.1 Teste de verificação da tubulação de ar comprimido

Este teste tem por finalidade verificar o correto funcionamento da linha de ar do Sistema de injeção
de ARLA 32.
Os componentes e a linha analisada neste teste estão destacados abaixo.

Utilizando o MAN-Cats II acesse o seguinte teste:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Sequência → Verificação das condutas de ar (8bar)

9
Interpretação dos resultados do teste:

• Válvula de regulação do ar no módulo de alimentação (Atuação da válvula “1”)


Se a válvula estiver atuando fora do valor de referência, significa que a pressão de ar está fora da
especificação.

Valores de Referência:
Entre 20 a 80% de atuação - NORMAL

Provável causa de falha:


1. Baixa pressão na linha 4
2. Fuga de ar antes da Unidade Dosadora DENOXTRONIC.

Ação:
1. Verificar se os reservatórios de ar estão completamente carregados
2. Verificar vazamento de ar nas tubulações e conexões

• Pressão de ar no módulo de alimentação antes o estrangulamento (Sensor de pressão “2”)


Se a pressão antes do restritor “3” estiver abaixo de 3,2 bar, significa que há algum vazamento de ar
na linha.

Referência:
Pressão entre 7,5 a 8,3 bar - NORMAL

Provável causa de falha:


1. Vazamento de ar na tubulação entre a Unidade Dosadora DENOXTRONIC e a Válvula
Dosificadora ou fuga interna na Unidade Dosadora.
2. Válvula reguladora de AR inoperante (travada fechada)

Ação:
1. Verificar vazamento de ar nas tubulações e conexões
2. Substituir a Unidade Dosadora DENOXTRONIC

• Pressão de ar no módulo de alimentação após o estrangulamento (Sensor de pressão “4”)


Se a pressão estiver acima do valor de referência, significa que há alguma obstrução na linha após o
restritor “3”.

Referência:
Pressão entre 3,2 a 3,8 bar - NORMAL

Provável causa de falha:


Cristais de ARLA 32 na Válvula Dosificadora ou no Tubo Injetor

Ação:
Remova e limpe a Válvula Dosificadora e Tubo Misturador.

10
4.2 Teste do elemento de comando Válvula Purga de Ar

Este teste tem por finalidade verificar o funcionamento da Válvula de purga de ar “9”, bem como o
fluxo de retorno de ARLA 32 para o tanque.
Os componentes e a linha analisada neste teste estão destacados conforme abaixo.

Utilizando o MAN-Cats II acesse o seguinte teste:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Teste do elemento de regulação → Válvula de purga de ar (AdBlue) no módulo de alimentação

11
Interpretação dos resultados do teste:

• AdBlue Pressão Saída Módulo de Alimentação (Sensor de pressão “5”)


Se a pressão não diminuir abaixo de 550 mbar em 30 segundos após o início do teste, significa que o
fluxo de retorno de ARLA 32 não está de acordo para o pleno funcionamento do sistema.

Referência:
Queda da pressão no Sensor de Pressão “5” abaixo de 550 mbar em até 30 segundos

Provável causa de falha:


1. Obstrução por cristais na Linha de retorno de ARLA 32
2. Válvula de Purga de Ar inoperante (travada fechada)

Ação:
1. Limpar a Linha de retorno de ARLA 32 com água morna (Realizar Flushing de acordo com
procedimento do item 5 desta circular)
2. Substituir a Válvula de Purga de Ar “9”

12
4.3 Teste de ativação da bomba no módulo de alimentação

Este teste tem por finalidade verificar o correto funcionamento da linha principal de injeção de ARLA
32. Os componentes e a linha analisada neste teste estão destacados conforme abaixo.

Utilizando o MAN-Cats II acesse o seguinte teste:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Teste do elemento de regulação → Activação da bomba no módulo de alimentação

13
Interpretação dos resultados:

• AdBlue Pressão Saída Módulo de alimentação (Sensor de pressão “5”)


A pressão deve atingir acima de 3 bar dentro de 2 min, caso não atinja, significa que existe alguma
avaria nos componentes destacados no esquema, impedindo assim o correto funcionamento do
sistema.

Referência:
Pressão no sensor de pressão “5” deve atingir acima de 3 bar em até 2 min

Provável causa de falha:


1. Válvula de Purga de Ar “9” inoperante (travada aberta)
2. Linha de ARLA 32 obstruída ou com vazamento
3. Linha de retorno de ARLA 32 com vazamentos
4. Filtros entupidos (Filtro Principal “7”, Pré-filtro do conector “10” e Pré-filtro da tubulação “11”)
5. Cristalização no interior da Bomba de Diafragma “8”

Ação:
1. Substituir a Válvula de Purga de Ar “9”
2. Limpar a Linha de retorno de ARLA 32 com água morna (Realizar Flushing de acordo com
procedimento do item 5 desta circular)
3. Verificar vazamentos na Linha de retorno de ARLA 32
4. Limpar/substituir filtros obstruídos (Realizar procedimento de troca dos filtros conforme item 3
destas circular)
5. Limpeza interna da Bomba de Diafragma “8”

14
4.4 Ensaio ao módulo de doseamento de AdBlue

Este item tem por finalidade verificar se o volume de ARLA 32 está sendo dosado corretamente,
certificando que o sistema esteja funcionando conforme especificado.
Os componentes e as linhas analisadas neste teste estão destacados abaixo.

Para este procedimento será necessário simular uma temperatura de - 25 °C após o catalisador do
veículo. Para tal utilizaremos uma resistência de 180 Ω e a ferramenta especial n° FEM00045574 no
lugar do sensor de temperatura dos gases de escape após o catalisador.

Além destas ferramentas, também utilizaremos uma mangueira (10mm x 600 mm) e um recipiente
graduado de 500 ml, semelhante ao utilizado para os motores Cummins.

15
4.4.1 Instalação da resistência no chicote do sensor de temperatura dos gases de
escape após o catalisador

Localize o conector do
chicote do sensor de
temperatura dos gaese de
escape (1).

Conecte a resistência de 180 ohms (3) na ferramenta


especial (2) número:

Desconecte o conector (1) e instale no local a ferramenta


especial n° FEM00045574 (2)

A resistência de 180 ohms simula uma temperatura de aproximadamente - 25 °C na saída dos gases
de escape, condição necessária para que o teste de doseamento se inicie.

16
4.4.2 Posicionamento da extremidade do tubo de injeção de ARLA 32 no recipiente
graduado

Localize e desconecte a extremidade do tubo de injeção


de ARLA 32 (1)

Posicione a extremidade do tubo de injeção de ARLA 32


na mangueira (2)

A outra extremidade da mangueira (2) posicione no


recipiente graduado (3)

Nota: Caso queira reaproveitar o ARLA 32 do teste,


tenha certeza que o recipiente utilizado está limpo.

17
4.4.3 Procedimento para inicio do teste no MAN-Cats II

Na tela incial do MAN-Cats II acesse o caminho abaixo:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Sequência → Ensaio ao módulo de doseamento de AdBlue → Dosagem média (180s)

Interpretação dos resultados:

• Dosagem média (180 s)


Se após os 180 segundos de dosagem o volume atingido for inferior ao valor de referência significa
que a bomba não está atingindo o volume necessário de dosagem de ARLA 32

Referência:
Após 180 segundos o volume dosado de ARLA 32 deve ser de 70 a 95 ml

Provável causa de falha:


1. Linha de ARLA 32 obstruída
2. Cristalização no interior da Bomba de Diafragma “8”

Ação:
1. Limpar a linha de ARLA 32 com água morna e verificar vazamentos (verificar item 5 desta
circular)
2. Limpeza interna da Bomba de Diafragma “8”

18
5. FLUSHING DA UNIDADE DOSADORA DENOXTRONIC

Este procedimento sempre deverá ser realizado quando:

1- Resultado do teste “Ensaio ao módulo de doseamento AdBlue” (item 4.4.3 desta circular) for
inferior a 70 ml.
2- Evidência de cristalização de ARLA nas tubulações.
3- Evidência da utilização de ARLA de má qualidade.
4- Dificuldade em realizar o teste “Ensaio ao módulo de doseamento AdBlue” (item 4.4.3 desta
circular).

O procedimento consiste em induzir um fluxo de água morna pela tubulação de injeção de ARLA 32,
promovendo assim a diluição de cristais de ARLA 32 que possam ter se formado na linha.

Localize e desconecte a conexão de


entrada de ARLA 32 na Unidade
Dosadora DENOXTRONIC.

Localize e desconecte as conexões de saída e


retorno de ARLA 32 na Unidade Dosadora
DENOXTRONIC.

Posicione abaixo da Unidade Dosadora DENOXTRONIC


um recipiente para coletar o fluxo de saída da água
morna após a ativação da bomba.

Na mala de ferramentas de teste, ilustrada


ao lado, separe a tubulação específica de
ARLA 32 e a encaixe na conexão de entrada
de ARLA 32 da Unidade dosadora.

19
Posicione acima da Unidade Dosadora DENOXTRONIC
um recipiente com água morna, e coloque a outra
extremidade da tubulação, conforme a figura ao lado.

Utilizando o MAN-Cats II acesse o seguinte teste:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → DENOX AdBlue System V29, Bosch →
Teste do elemento de regulação → Activação da bomba no módulo de alimentação

Mantenha o acionamento da bomba até que o recipiente de água morna esteja próximo do fim.
Repita o teste até que saia apenas água limpa da Unidade Dosadora DENOXTRONIC.

5.1 – Tempo Padrão de Reparo (TPR)

UT= 1,0 (uma hora) para limpeza da Unidade Dosadora DENOXTRONIC


*Este procedimento de limpeza não é coberto em garantia

20
6. REPOSIÇÃO DA LIMITAÇÃO DE BINÁRIO

Se as falhas armazenadas no sistema de injeção de ARLA 32 forem relevantes às normas de emissões


OBD, pode ocorrer a limitação do torque do motor e luz de controle do painel intermitente. Após a
correção das falhas, a reposição do torque do motor pode ser realizada através da ferramenta de
diagnóstico MAN-cats II como descrito abaixo:

Diagnose → Motor/Tratamento posterior do gás de escape → EDC → Reposição da limitação de


binário e MIL intermitente

Nota:
A reposição da limitação do torque, bem como a luz de controle intermitente representa uma
intervenção profunda no sistema e é registrado com código da oficina nos aparelhos de comando
EDC e Denoxtronic. Para realizar a leitura da última intervenção, deve-se consultar a opção do menu
"Identificação do aparelho de comando".

Siga cuidadosamente as instruções do MANCats II para finalizar a reposição da limitação de binário.

21
Em caso de dúvidas, o Consultor de Pós Venda de seu escritório regional está apto a auxiliá-lo.

Os números de peças constantes nesta circular são os atualmente liberados e poderão ser adquiridos
diretamente no P&A MAN. Em caso de trabalhos futuros, solicitamos que seja consultado o ETKA para
confirmação dos mesmos.

Atenciosamente,

Após a divulgação desta Circular, arquivá-la na pasta: ASSISTÊNCIA TÉCNICA – CAMINHÕES


Lembre-se também de que esta Circular está disponível no site www.man-latinamerica.com

22
ANEXO I - INSPEÇÃO DO ARLA 32

Utilização da fita de Teste do ARLA 32

Está liberado e disponível no P&A sob o nº de peça FEM-000-456-43, uma fita de teste de presença
de derivados do óleo (lubrificante e diesel) em líquidos. A rede de concessionários deverão utilizar
essa fita na análise de presença de óleo diesel / lubrificante no ARLA32.

Possíveis razões para a contaminação:

• Abastecimento incorreto.
• Utilização de um recipiente, tubo de enchimento ou funil contaminado com combustível, óleo
ou outros líquidos com teor de hidrocarbonetos.
• Utilização de Arla 32 em desacordo com a norma DIN 70070.

Indícios de contaminação do ARLA 32:

Coloração leitosa ou turva de uma amostra após agitar fortemente.


Forte cheiro de diesel no reservatório de ARLA 32.
"Gotículas de gordura" na solução de ARLA 32.

O numero FEM-000-456-43, contempla uma caixa com 100 fitas de teste conforme abaixo:

Dica de Utilização:
Para o maior rendimento da tira, corte em 04 partes conforme a figura abaixo:

Fita azul de Teste de ARLA


azul Azul Azul

23
Sobre a ferramenta:
A fita de teste azul clara altera sua coloração para azul escuro sempre que entrar em contato com
hidrocarbonetos como: óleo diesel, óleo lubrificante, gasolina, etc.

Como utilizar:
Mergulhe a fita algumas vezes dentro do líquido a ser testado ou derrame o líquido sobre a fita.
Na presença de óleo, será possível visualizar uma alteração na coloração.

Exemplos de resultados obtidos com o uso da fita de teste do Arla:

O ARLA 32 não está contaminado por hidrocarbonetos quando o líquido não é absorvido pela tira
de teste.

Ok
Fita azul de Teste de ARLA 32
O ARLA 32 está contaminado por hidrocarbonetos, quando a fita absorve o líquido e apresenta
manchas com alteração de cor.

Nota: A intensidade da coloração dependerá da quantidade de hidrocarbonetos presentes na


solução testada.

CONTAMINADA

Fita azul de Teste de ARLA 32

Importante:
Caso a concentração de ureia não esteja dentro do especificado ou contaminada, deve-se drenar
todo o reservatório e reabastecer com ARLA 32 de boa procedência.

24
Antes de iniciar as análises, deve ser verificado através da ferramenta de diagnóstico se há presença
de códigos de falha indicando que em algum momento houve falta de ARLA 32 no reservatório.

Utilização do refratômetro
Verificar a concentração do ARLA 32, através do Deverá ser lido entre
30,0 a 31,5. (%BRIX)
refratômetro digital, tomando como base a circular AT
012-13. Caso seja lido outros
31,0
Vale lembrar que o valor lido no refratômetro está em valores, o ARLA 32
porcentagem de Brix e sempre deverá ser convertido, está fora do
especificado.
conforme tabela e gráfico contida na circular AT 012-
13.
A Especificação da percentual de mistura do ARLA 32
deve ser de 31,8 % a 33,2 %.

IMPORTANTE I

O equipamento refratômetro utiliza a refração da luz para medir a concentração do ARLA, porém
não comprova a qualidade química do mesmo!
Para comprovação da qualidade do produto ARLA 32 é necessário uma análise de um laboratório
químico, sendo a análise de responsabilidade do cliente.

Cuidados no armazenamento do ARLA 32

Recomenda-se uma temperatura de armazenagem não superior a 30°C. Em armazenagens com


temperatura inferior a -11°C, o ARLA 32 irá cristalizar. Em armazenagens superiores a +30°C, o
ARLA 32 inicia um processo de formação de amoníaco e aumento da pressão denominado hidrólise,
o qual reduz a vida útil do produto, podendo comprometer os componentes do sistema, tais como;
Unidade Dosadora, Catalisador (EGP), bico injetor, sensores, entre outros.

O armazenamento do ARLA 32 não pode ultrapassar um ano e deve ser protegido da incidência
direta da luz solar. Deve-se mantê-lo em uma embalagem selada, em local bem ventilado e, não deve
ser armazenado em recipientes metálicos..

IMPORTANTE II

Para auxiliar a rede de concessionários na tratativa com o cliente e evitar a necessidade de


consulta a empresas especializadas para análise química do ARLA 32, encontra-se nas próximas
páginas exemplos de irregularidades na qualidade química do ARLA 32.

O ARLA 32 com qualidade duvidosa ou fora do especificado compromete o funcionamento do


sistema de Pós-tratamento, podendo inclusive gerar danos irreversíveis ao catalisador (EGP) e à
unidade dosadora.

Catalisadores (EGP) e unidades dosadoras obstruídas ou danificadas em função da má qualidade


do ARLA 32 não são passíveis de garantia.

25
LAUDO A:
Página nº 01: Análise química do ARLA realizado por empresa especializada.

Pagina nº 1 do laudo A

Detalhe ampliado da tabela da página 01 evidenciando que os resultados de


teor de ureia, biureto e fosfato estão fora da especificação.

26
LAUDO A:
Página nº 02: Conclusão

Detalhe ampliado da tabela da página 02 evidenciando que os


resultados de magnésio, sódio e potássio estão também fora da
especificação.

Conclusão:

Amostra analisada não atende as exigências químicas da


Instrução normativa do IBAMA nº 23, quanto aos
seguintes parâmetros: Cálcio, Densidade, Índice de
refração, Fosfato, Magnésio, Potássio, Sódio e Teor de
ureia.

27
LAUDO B:
Página nº 1: Análise química do ARLA pela empresa Falcão Bauer.

Detalhe ampliado da tabela da página 01 evidenciando que os resultados


de Aldeído e Teor de Ureia estão fora da especificação.

28
LAUDO B:
Página nº 2: Conclusão

Detalhe ampliado da tabela da página 02 evidenciando que os


resultados de Sódio e Potássio estão fora da especificação.

Conclusão:

Amostra analisada não atende as exigências química da


norma Instrução normativa do IBAMA nº 23, quanto aos
seguintes parâmetros: Aldeído, Teor de Ureia, Sódio e
Potássio.

29