Você está na página 1de 25

Aspectos Biopsicossociais das Pessoas em

Situação de Rua
Psicologia Social Priscilla Menezes Sales Outubro/2018

1. Introdução

As pesquisas feitas para a formulação

desse trabalho têm como objetivo central

desmistificar os diversos paradigmas e

preconceitos acerca do termo “pessoa em situação de rua” e sua totalidade. A

priori o trabalho busca esclarecer intrinsecamente à história de um grupo

esquecido, à margem da sociedade, e todos os diversos fatores que moldaram

essa história.

Será abordado no primeiro capítulo as causas endógenas e exógenas

que causam às diversas doenças que este grupo está sujeito e como estas

atrapalham o seu convívio com a sociedade e até mesmo como podem levar

anteriormente o indivíduo para a rua, abordado no tópico 2. A percepção da

sociedade no geral para com as pessoas em situação de rua, onde

abordaremos os variados pré-conceitos e preconceitos que são aplicados na

prática de forma processual e faz parte de uma herança cultural debatido no

tópico 3. As políticas públicas destinadas a eles, fazendo uma análise

epistemológica e usando o estudo etnográfico para melhor entendimento do

objeto de pesquisa, discutido no tópico 4.

Sabendo que uma sociedade tem como “motor” as pessoas que nela se

constituem é essencial conhecer o que é um morador de rua e os fatores

1
biopsicossociais que o levam a este fim são de suma importância por ampliar o

nosso campo de visão e proporciona uma base para potencialmente não criar

estereótipos sobre os diversos grupos heterogêneos que se encontram na rua.

2. Análise Sincrônica e Diacrônica das Pessoas em Situação de Rua

2.1 Pessoa em Situação de Rua

É complexo definir um conceito livre de ambiguidades sobre o termo

“pessoas em situação de rua”. São várias as condições em que essas pessoas

são submetidas, na maioria das vezes, trabalham em coletas de lixo ou

pedindo esmola pela cidade. É constituída por pessoas que não tem moradia

ou pernoitam em cantos da cidade, em logradouros, casas abandonadas ou em

abrigos oferecidos pelo governo ou construídos com materiais descartados.

(ROSA; CAVICCHIOLI; BRÊTAS, 2005)

Para Souza (1995), as pessoas em situação de rua são vítimas de

preconceitos, tratadas com exclusão e diferença. Em muitos casos são vistos

como marginais, problemáticos e atormentadores. Para o IBGE essas pessoas

não existem, uma vez que seus estudos são feitos apenas com pessoas que

moram em residências, também, "[...] as políticas públicas voltadas a essa

população são basicamente compensatórias, assistencialistas, raras vezes

visam um projeto de inclusão social”. (ROSA; CAVICCHIOLI; BRÊTAS, 2005)

Estão cada vez mais presentes nas ruas pessoas em diversas situações,

na maioria das vezes são vítimas das desigualdades sociais e da falta de

emprego. Em muitos casos, optam pela vida na rua em decorrência de

problemas mentais, abuso de drogas lícitas e ilícitas e/ou por vontade própria.

2
Se esses fatores os igualam aos olhos da sociedade, há também os que

diferenciam:

[...] alguns fatores os diferenciam: os motivos que os levaram para a rua, o tempo de permanência
nela e o grau de vínculos familiares existentes. A interface desses contribui para classificar o “povo
de rua” em três situações distintas: ficar na rua (circunstancialmente), estar na rua (recentemente) e
ser da rua (permanentemente). “Ficar na rua” caracteriza transitoriedade, a pessoa possui ainda um
projeto de vida e mantém fortes vínculos /familiares; “estar na rua” implica na diminuição do
contato com a família e o estabelecimento de novos vínculos na rua; “ser da rua” traz em si a
identidade e identificação com a própria rua, que passa a ser o lugar de referência e espaço de
relações - o corpo se modifica, bem como as formas de conviver e ver o mundo (ROSA;
CAVICCHIOLI; BRÊTAS, 2005, p. 577).

Porém, ainda encontra-se dificuldade de depreender o fenômeno de

pessoas em situação de rua, pois o estudo de qualquer fenômeno social

implica na necessidade de assimilação dos sujeitos que vivenciam este

fenômeno. Esta percepção só se faz com o esclarecimento do ponto de vista,

ou seja, do que torna os indivíduos sujeitos, e a sociedade um fenômeno

humano. Não impede que o estudo das causas sociais de um fenômeno seja

significante para o conhecimento. O estudo se faz importante principalmente

para a compreensão da construção subjetiva emergente nos que vivenciam o

fenômeno social em questão. (MENDONÇA, 2006).

2.2 A Desigualdade Social

Fatores históricos indicam que, possivelmente, nunca existiu uma

sociedade igualitária em que as pessoas pudessem desfrutar de maneira

semelhante dos bens e riquezas adquiridos. Por mais homogêneas que sejam

as organizações sociais, sempre haverá fatores que favoreçam a desigualdade

social, como a discriminação partindo da diferença de sexo, família, idade e

entre outros. (COSTA, 2005)

3
Mas, se a desigualdade sempre existiu, por que é tão pouco aceita na

sociedade contemporânea? A razão para essa nova postura diante as

populações carentes deve-se ao fato de que, nos últimos séculos, sedimentou-

se a ideia de que todos os seres humanos fazem parte de uma mesma

totalidade. Costa (2005, p. 248) enfatize que a noção das desigualdades e

principalmente de suas contradições:

[...] Ao contrário dos povos antigos, que tinham muito clara a noção de que a sociedade se
diferenciava por grupos inconciliáveis - como as castas indianas, por exemplo -, o mundo ocidental
desenvolveu a consciência de constituir uma humanidade à qual pertencem todos os habitantes do
planeta.

2.3 Fatores Históricos da Desigualdade Social no Mundo

Vários são os aspectos que contribuíram para o agravamento da pobreza

e da desigualdade social. Dentre eles, destaca-se o Capitalismo, a Revolução

Industrial e a Globalização. Segundo Giddens (2005), Marx define o capitalismo

como um sistema de produção importante para as mudanças que estavam

acontecendo. O capitalismo se trata de um sistema econômico que contrasta

fortemente com os outros anteriores da história, pois envolve a produção de

mercadorias e de serviços vendidos a uma ampla faixa de consumidores. Ainda

de acordo com Giddens, Marx separava dois elementos principais das

empresas capitalistas, que são o capital e a mão-de-obra. Aqueles que detêm o

capital formam uma classe dominante, enquanto a outra parte da população se

constitui de trabalhadores assalariados.

O capitalismo é estruturalmente marcado pelo conflito. Ainda que exista a

dependência entre os detentores do capital e os trabalhadores, a relação entre

ambos é altamente desequilibrada. A relação entre classes é de exploração

4
pois, na maioria das vezes, os trabalhadores têm pouco ou nenhum controle

sobre o seu trabalho, e os empregadores são capazes de gerar lucro ao se

apropriar do produto do trabalho dos operários. Marx acreditava que com o

passar do tempo, o conflito entre classes viria a se tornar mais intenso.

(GIDDENS, 2005)

Durante a Revolução Industrial, houve uma superlotação das cidades

industrializadas com a migração de populações que vinham do campo em

busca de trabalho, devido às supostas vantagens oferecidas a esses

trabalhadores e a falta de oportunidades nas áreas rurais. "[...] a imigração para

os Estados Unidos de uma imensa massa de europeus provenientes de meios

rurais e empobrecidos é o exemplo mais óbvio". (GIDDENS, 2001, p. 457)

Para Giddens (2001), o desenvolvimento das cidades modernas teve um

impacto enorme não apenas sobre os hábitos e os modos de comportamento,

como também nos padrões de pensamento e de sensibilidade. Quando se

iniciavam as migrações para cidades industrializadas, ocorria também, um

fenômeno de posições e de divergência de opiniões acerca dos efeitos que a

nova forma de vida social causaria na vida da população. Do ponto de vista

positivo, a cidade seria um celeiro da cultura e novos conhecimentos, incluindo

também, o desenvolvimento econômico, tornando-se assim um ambiente

satisfatório de se viver. Porém, havia ainda, aqueles que pensavam nas

cidades como um ambiente completamente hostil, repleto de violência e

corrupção.

Sequelas do processo de urbanização foram marcantes e prejudiciais

para muitos, pois, as cidades que começavam a surgir não possuíam a devida

5
estrutura para acolher os novos moradores, ou seja, não estavam preparadas

para um aumento demográfico. Os serviços sanitários e de saúde não

suportavam o grande volume de trabalhadores recém chegados. Não existiam

casas suficientes para morar, nem médicos, nem escolas; e, apesar das

indústrias, não havia emprego para todos os que chegavam. Como

consequência, houve aumento da prostituição, criminalidade e, principalmente,

pessoas em situação de rua. (PAIXÃO, 2012)

As consequências da globalização tem um longo alcance e estão longe

de serem benignas. Seu longo alcance afeta em praticamente todos os

aspectos sociais no mundo. Por ser um processo aberto e internamente

contraditório, a globalização produz efeitos imprevisíveis e incontroláveis.

(GIDDENS, 2005)

Grande parte da riqueza do mundo está concentrada nos países

industrializados, enquanto as nações em desenvolvimento sofrem com a

pobreza, com os sistemas educacionais e de saúde inadequados, e com

dívidas externas debilitantes. Em muitos países em desenvolvimento, os níveis

de crescimento econômico não acompanharam a taxa de crescimento

populacional, enquanto o nível de desenvolvimento econômico nos países

industrializados superou em muito essa taxa. A globalização então parece ser a

responsável pela tendência da concentração de renda, riqueza e recursos em

um pequeno grupo de países. (GIDDENS, 2005)

A globalização também é responsável pelo aumento da competitividade

entre os países, pelas mudanças inesperadas, pelas crises sucessivas,

aumento dos preços, diminuição das rendas dos pobres, diminuição do valor

6
dos salários e entre outros fatores que favorecem a desigualdade social.

(COSTA, 2005)

Diante do exposto é importante destacar que as raízes da desigualdade

social no Brasil não se diferem daquelas dos outros países latino-americanos.

O país ainda sofre com os efeitos da exploração colonial dos séculos XVI e

XIX. A dependência externa do país, a acumulação de riquezas pelas camadas

altas da população, a marginalização histórica de parcelas significativas da

população aliadas a práticas administrativas que privilegiam o apadrinhamento

político e favorecem o desvio de verbas, podem explicar a situação atual de

pobreza, desigualdade e miséria em que vive uma parcela significativa da

população. (DIAS, 2005)

Dessa maneira, verifica-se pela análise diacrônica os processos

históricos responsáveis pela desigualdade social. E, em uma análise

sincrônica, percebe-se os fatores agravantes e responsáveis por manterem tal

problema. Diante disso, devem ser pensadas novas medidas para uma nova

forma de organização social, visando a igualdade para todos.

3. Aspectos Biopsiquicos que Afetam uma Pessoa em Situação de Rua

O fenômeno social pessoas em situação de rua é uma questão ampla e

de vasta relevância na sociedade contemporânea, como já apresentado no

capítulo anterior. É imprescindível a compreensão dos fatores que impulsionam

tal fenômeno, e um dos mais relevantes são os fatores biopsíquicos, tais como

a depressão, transtorno de ansiedade, esquizofrenia entre outro. (AGUIAR;

IRIART, 2012)

7
Segundo Engel (2010), o contexto histórico é responsável pelo

desenvolvimento biopsicossocial do homem. É evidente que para uma pessoa

chegar a uma condição emocional desfavorável, diversos conflitos marcaram

sua história. Basta observar um morador em situação de rua para perceber

traços marcantes em sua expressão facial, postura, e, principalmente, no seu

jeito de ser e viver. Moldados através de negação, da rebeldia e da

humilhação, remetem-se a uma sensação de marginalidade. Como se sabe, o

convívio social é essencial na formação do ser humano, porém, o indivíduo ao

nascer, não possui autonomia para escolher com quem irá se relacionar e

consequentemente, se esses relacionamentos irão garantir aparatos

psicológicos saudáveis para consolidação de sua sanidade. Ainda de acordo

com Engel, Erikson (apud Cloninger, 1999, p. 149), “o ego desenvolve-se não

apenas com questões biológicas, mas também com assuntos interpessoais

denominados psicossociais”.

3.1 Doenças Mentais e Pessoas em Situação de Rua

O gráfico a seguir, retirado da cartilha do senso de 2014 realizado pela

prefeitura de Belo Horizonte demonstra os principais transtornos mentais que

afetam as pessoas em situação de

rua.

Gráfico 1: Doenças mentais

8
Fonte: Terceiro Censo de População em situação de Rua e Migrantes de

Belo Horizonte – 2014.

Os destaques são a depressão e a ansiedade que serão descritas nesse

capítulo, mas existe um grupo das psicoses esquizofrênicas que constituem um

subgrupo específico entre os moradores de rua, com características

demográficas, biográficas e comportamentais próprias, fazendo com que exista

uma alta prevalência de transtornos mentais entre as pessoas de rua devido a

vários fatores inclusive o fato eles não serem tratados por falta de acesso ao

sistema de atenção à saúde mental. (HECKERT; SILVA, 2015)

3.1.1 A Depressão

De acordo com Dalgalarrondo (2008), a OMS (Organização Mundial da

Saúde) considera a depressão a primeira causa de incapacidade entre todos

os problemas de saúde. O desânimo e o humor triste são os elementos mais

salientes das síndromes depressivas, do ponto de vista psicopatológico (Del

9
Pino, 2003). Para Dalgalarrondo (2008, p. 307): “[...] as síndromes depressivas

caracterizam-se por uma multiplicidade de sintomas afetivos, instintivos e

neurovegetativos, ideativos e cognitivos, relativos à auto valoração, à vontade e

à psicomotricidade”.

Para Dalgalarrondo, 2008, em formas mais graves de depressão podem

estar presentes sintomas psicóticos como delírios e/ou alucinações, marcantes

alterações psicomotoras como lentificação ou estupor e fenômenos biológicos

(neuronais ou neuro-endócrinos) associados.

A depressão pode ser manifestada em pessoas em situação de rua

através de fatores genéticos, bioquímicos, psicodinâmicos e socioambientais

fazendo com que a pessoa com depressão tenha um sofrimento mental como

dependência química, neurose e psicoses. Do ponto de vista psicológico, as

síndromes depressivas têm uma forte relação com as experiências de perda,

surgindo assim com muita frequência após perdas significativas.

(DALGALARRONDO, 2008) Como demonstra a pesquisa realizada pela

Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social, na cidade de Belo

Horizonte em 2008, a depressão atinge cerca de 56,3% dos homens em

situação de rua e o grau do pode ser grave quando é no morador com muitos

anos na rua e leve/moderado entre moradores de um a seis meses morando na

rua. (BOTTI, et al, 2010)

3.1.2 A Ansiedade

As síndromes de ansiedade são ordenadas inicialmente por dois grandes

grupos: quadros em que a ansiedade é constantemente permanente

10
(ansiedade generalizada) e quadros em que há crises de ansiedade sérias e

intensas (crises de pânico). (DALGALARRONDO, 2008)

Na maior parte dos dias, por pelo menos seis meses, sintomas ansiosos

excessivos como angústia, tensão, preocupação, nervosismo e irritação,

caracterizam a ansiedade generalizada. Também são frequentes sintomas

como insônia, dificuldade de relaxar, angústia constante, irritabilidade

aumentada e dificuldade de concentração, podendo ainda apresentar sintomas

físicos, como cefaléia, dores musculares, queimação no estômago, taquicardia,

tontura, náuseas, formigamento em membros, tremores e outros.

(DALGALARRONDO, 2008) Em algumas pessoas em situação de rua

manifesta pela exclusão da sociedade, muitos indivíduos dificilmente suportam

a desigualdade social e acabam ficando ansiosos para curar a depressão e o

tédio. Em muitos pacientes, a intensidade da eclosão dos sintomas ansiosos se

apresenta sob a forma de crises intermitentes. As crises de pânico são crises

sérias de ansiedade, nas quais ocorre descarga do sistema nervoso autônomo,

gerando os sintomas físicos. (DALGALARRONDO, 2008)

3.1.3 Síndrome Mista de Ansiedade e Depressão

Para Dalgalarrondo (2008, p. 305): “Quando os sintomas depressivos e

ansiosos estão presentes, mas nenhuma das duas síndromes é grave o

suficiente para, por si só, constituir um diagnóstico, denomina-se o quadro de

síndrome mista de depressão e ansiedade”.

3.2 Fatores Motivantes para Morar na Rua

11
Vários fatores são responsáveis por motivar as pessoas a irem para as

ruas, destacaremos os perfis principais das pessoas que utilizam da rua como

abrigo ou moradia, os destacados são o uso de álcool, conflitos familiares,

situação financeira desfavorável, entre outros, conforme demonstra o gráfico

abaixo do Censo 2014 realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Gráfico 2: motivação para vir morar na rua

Fonte: Terceiro Censo de População em situação de Rua e Migrantes de Belo Horizonte – 2014.

As pessoas em situação de rua são vistas como um grupo homogêneo

composto por pessoas com diferentes realidades, e muitos acabam ficando

vulneráveis a múltiplos fatores de risco para a saúde, os quais estão

associados à condição de pobreza absoluta, vínculos interrompidos ou

fragilizados, muitos deles já não veem expectativas em suas vidas, pois se

encontram em uma situação de sobrevivência fora do contexto social, sem

12
esperanças ou sonhos, recorrendo algumas vezes a drogas e/ou álcool,

prejudicando ainda mais sua atual situação já que sua permissividade na

sociedade moderna falseia a crença de inocência do seu uso. (BOTTI;

CASTRO, 2010)

De acordo com o Departamento de Psicobiologia da Universidade

Federal de São Paulo (UNIFESP):

“O álcool é absorvido principalmente no intestino delgado, e em menores quantidades no estômago


e no cólon. A concentração do álcool que chega ao sangue depende de fatores como: quantidade de
álcool consumida em um determinado tempo, massa corporal, e metabolismo de quem bebe,
quantidade de comida no estômago.”

De acordo com Miranda (2006), o abuso do álcool sempre vem com uma

forte carga emocional e psico-afetiva e acarreta imensuráveis problemas no

processo saúde-doença do indivíduo e também da família, pois há a redução

das condições e qualidade de vida gerando incapacidades biopsicossociais de

oportunidades perdidas nos setores produtivo, social, afetivo e familiar.

A família exerce um papel importantíssimo em nossas vidas, quase

sempre ela é responsável pelo o que somos e o que seremos. O vínculo

familiar sem dúvidas faz toda a diferença na vida do ser humano e quando

esse mesmo vínculo se ausenta gera grandes consequências.

Infelizmente podemos perceber nos dias atuais cada vez mais essa triste

realidade, onde cada vez mais têm famílias totalmente desestruturadas,

fazendo com que muitas pessoas saem de sua casa buscando um ambiente

agradável de viver (BOTTI; CASTRO, 2010).

Os conflitos familiares, segundo Oliveira (2007), podem ser entendidos se

usarmos como referência os padrões culturais da sociedade brasileira, levando

13
em consideração, os valores ainda bastante arraigados de uma sociedade

patriarcal que ainda norteiam boa parte das relações familiares e conjugais. Há

ainda, em muitos casos, a dominação do homem sobre os membros da família,

o que gera conflitos e até mesmo a violência doméstica. Como mostra o gráfico

2, os conflitos familiares são responsáveis por grande parte das pessoas que

resolvem morar nas ruas, mesmo sabendo que nessas condições sua vida

possivelmente será precária.

Isso reflete como a qualidade de vida familiar, social e afetiva influencia

decisões que podem mudar a vida das pessoas e como o adoecimento mental

pode ser fruto da desestruturação familiar. O Ministério da Saúde fala da

necessidade do cuidado da saúde mental de pessoas em situação de rua como

no atendimento de qualquer população, buscando isso, em 28 de julho de 2011

houve um decreto regulamentando a lei no 8080 de 18 de setembro de

1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde (SUS) na

intenção de garantir atendimento a todo o cidadão, nas condições em que ele

se encontra, mesmo sem endereço, sem documento e sem acompanhante.

(CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE) O consenso sobre a importância da

assistência em saúde não leva em conta somente fatores biológicos, mas

incorporar a estes os condicionantes e determinantes sociais do processo de

saúde, pois muitos moradores sofrem tipos de violência e tem falta de todo tipo

de necessidade socialmente convencionada como básica. Normalmente as

pessoas em situação de rua reportam ao serviço de saúde em situações

emergenciais, não reconhecendo seu corpo doente até que os sintomas

paralisem suas atividades diárias e muitos ainda não têm acesso ao tratamento

adotando cada vez mais as vias públicas como única opção de vida.

14
4. Compreender a Percepção das Pessoas em Situação de Rua

Seguindo os pressupostos dos capítulos anteriores, a relação entre

pessoas em situação de rua e sociedade é um tanto quanto complicada. A

priori, a sociedade apresenta certo preconceito em sua percepção sobre a

população de rua, estes que são vistos como perigosos em potencial, tratados

com indiferença e ou descrença, não dando à devida importância a violência e

marginalização a que este grupo é submetido, é naturalizar a morte lenta e

silenciosa destas pessoas. Como esclarecem Mattos e Ferreira (2004, p.74):

O cidadão em situação de rua não é visto como igual, como integrante da mesma espécie, apenas
não é visto como se fosse coisa. Como analisamos, o indivíduo pode apropriar-se das
representações sociais e passar a ver-se como um objeto, uma peça sem vontade própria.

Embora alguns indivíduos em situação de rua utilizem de atividades

ilegais como meio de sobrevivência e em alguns casos gerando graves

violações como, de tráfico de drogas e pequenos furtos, por exemplo, é muito

limitado generalizar toda a população de rua, visto que a maioria possui

atividades remuneradas informais e não criminosas (87,3%, em Belo Horizonte

exercem atividades para obter dinheiro). (MATTOS, FERREIRA, 2004, p. 47)

Percebe-se com isso, que, as pessoas muitas vezes por falta de

informação, generalizam o que de fato são pessoas em situação de rua,

acabam criando um preconceito com essas que optaram e/ou não tiveram

outra alternativa a não ser estar onde estão. Por isso fazer julgamentos prévios

sem bases sólidas da real situação em que se encontra um cidadão em

situação de rua é um etnocentrismo exacerbado.

Muitas das pessoas que vivem na rua, o fazem por não ter tido uma

oportunidade de ter uma casa própria, tendo que destinar-se a esse fim.

15
Quando vemos a situação por fora, sem saber de fato a origem daquele

problema, é feito um julgamento prévio pelo fato da cultura que algumas

pessoas resolvem abdicar não ter coesão com a que vivemos. São essas e

outras situações que faz com que criemos senso comum do que de fato é ser

um morador de rua.

As pessoas têm ficado insatisfeitas com suas vidas, seus trabalhos e seu

governo, justamente por não aguentarem a pressão que muitas vezes é

imposta pela sociedade. Conforme Bauman (1997, p. 56), “[...] em uma

sociedade centrada no consumo, como a que estamos inseridos, existem ‘os

jogadores’, ‘os jogadores aspirantes’ e ‘os jogadores incapacitados’, que não

têm acesso à moeda legal”. Vemos que “Os jogadores” são os que ditam a

regra, e “Os jogadores aspirantes” são os que participam delas, já “Os

jogadores incapacitados” são os que não se adaptam as mudanças ou a nova

rotina de vida propostas a eles. Essas pessoas começam a serem vistas com

maus olhos perante aqueles que Bauman chama de “Jogadores aspirantes”,

fazendo assim com que eles se sintam deslocados e queiram procurar um

modo de vida que mais se adéqua a sua crença ou situação atual de vida.

(COSTA, 2005)

Com isso, entende-se que para se criar uma sociedade mais justa, é

necessária a aplicação de uma psicologia social, podendo garantir a essas

pessoas o direito de lutar para a quebra do paradigma dessa realidade social

vigente.

5. Políticas que Atendem Pessoas em Situação de Rua

16
A função que o Estado desempenha em nossa sociedade vem sofrendo

inúmeras transformações ao longo do tempo. Conforme Costa (2005, p. 248):

“ao contrário dos povos antigos, [...] o mundo ocidental desenvolveu a

consciência de constituir uma humanidade à qual pertencem todos os

habitantes do planeta”. Hoje, após tantas mudanças, o surgimento da

democracia e a evolução da globalização geraram a necessidade de se

expandir a responsabilidade governamental. Atualmente, entende-se que o

governo é responsável pelo bem estar social, precisando ofertar mais que

segurança. Nasce, então, uma série de ações para diversas áreas, como

educação, saúde, transporte, moradia. Políticas Públicas são de objetivos e

ações governamentais voltados para a resolução de problema de interesse

público, seja em nível estadual, municipal ou nacional. Existem hoje no Brasil,

algumas políticas públicas para pessoas em situação de vulnerabilidade, com o

objetivo de acolher, oferecer oportunidades de qualificação e serviços

socioassistenciais. Quando se pensa em construir uma rede de serviços para

atender essa população, precisa-se observar na sua diversidade e distintas

localizações, na heterogeneidade desta população e nas condições reais em

que vivem, tornando assim difícil sua caracterização. Nesses processos, é

realizada uma seleção de prioridades, visando responder melhor às

necessidades da sociedade, sendo que todas as pessoas têm direito a esses

projetos. (PIRES, 2008)

Com a Constituição Federal de 1988, nasce a Lei Orgânica da

Assistência Social (LOAS, 1993) e a assistência social é reconhecida como

uma política pública de seguridade social que significa uma proteção ao

cidadão em situação de vulnerabilidade ou limitação temporária.

17
Em dezembro de 2005, a LOAS recebeu alterações para a inclusão da

obrigatoriedade da formulação de programas de amparo à população em

situação de rua, por meio da Lei n 11.258/05, de 30 de dezembro de 2005.

Com a nova legislação, o poder público municipal têm a obrigatoriedade de

manter serviços e programas voltados para a população em situação de rua,

garantindo assim, direitos básicos de dignidade, cidadania e não violência a

esses cidadãos como afirma a Lei n 11.258/05, 30 de dezembro de 2005.

A Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de

Rua (PNISPSR, 2008) é fruto de um trabalho entre vários ministérios, e tem

como objetivo discutir questões essenciais à parcela da população que faz das

ruas seu espaço de sobrevivência e que representa sua identidade.

Segundo o Governo Federal (2015), entre as diretrizes da PNISPSR,

estão o incentivo à organização política e a participação ativa na formulação,

implementação, monitoramento e avaliação das políticas públicas brasileiras, o

trabalho de sensibilização pública sobre a mudança de paradigmas culturais e

direitos humanos, econômicos, sociais e culturais dessa população, incentivo à

formação e à capacitação de profissionais para atuar na rede de proteção a

esse público, e a importância de uma ação que envolva os três eixos: garantia

dos direitos, resgate da auto-estima e reorganização dos projetos de vida de

pessoas em situação de rua, incentivo a ações de inclusão e reserva de cotas

de trabalho conseguindo dessa forma destinar essas pessoas a trabalhos

formais, desenvolvimento de projetos de reforma de imóveis públicos para uso

habitacional e enquadramento da população em situação de rua nos

programas de habitação de interesse social já existentes, disponibilização de

18
imóveis vazios nos centros urbanos e inclusão do tema população em situação

de rua, incluindo e especificando suas principais causas e consequências, nas

redes de ensino de todo o País, formando uma geração de crianças mais

humanas e conscientes da realidade mundial.

Um dos programas sociais existentes atualmente e que demonstra

grande importância é o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família

(PAIF) e segundo o Ministério do Desenvolvimento (MDS), (2015), é um

trabalho de caráter contínuo que tem o objetivo de fortalecer a função de

proteção das famílias, prevenindo a ruptura de laços, ofertando acesso e

usufruto de direitos e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida.

Voltado para famílias em situação de vulnerabilidade social, principalmente

idosos, deficientes e crianças em risco, esse programa social tem como

objetivos segundo o MDS, o fortalecimento da função protetiva da família, a

prevenção da ruptura dos vínculos familiares e comunitários, a promoção de

ganhos sociais e materiais às famílias, a promoção do acesso a benefícios,

programas de transferência de renda e serviços sócio-assistenciais, e o apoio a

famílias que possuem, dentre seus membros, indivíduos que necessitam de

cuidados, por meio da promoção de espaços coletivos de escuta e troca de

vivências familiares.

Conforme observado no gráfico 2, percebe-se que a principal motivação

para morar na rua são os conflitos familiares. A função do PAIF, então, é

aplicada através de trabalho social com famílias, na qual são observadas suas

necessidades e prioridades básicas.

19
Conforme o MDS, outro importante programa social existente coordenado

por esse ministério é o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Este é um

sistema público que organiza todos os outros serviços de assistências

oferecidos pelo Governo no Brasil. Ele organiza as ações da assistência social

em dois tipos de proteção social. Em dados do Ministério de Desenvolvimento

(2015):

A primeira é a Proteção Social Básica, destinada à prevenção de riscos sociais e pessoais, por meio
da oferta de programas, projetos, serviços e benefícios a indivíduos e famílias em situação de
vulnerabilidade social, incluindo os moradores de rua. A segunda é a Proteção Social Especial,
destinada a famílias e indivíduos que já se encontram em situação de risco e que tiveram seus
direitos violados por ocorrência de abandono, maus-tratos, abuso sexual, uso de drogas, entre
outros aspectos.

Desenvolvimento, 2015) Em paralelo a essas políticas governamentais

existem as mobilizações sociais populares que visam à inclusão social, pois

muitas vezes as políticas governamentais utilizam meramente de programas

compensatórios e não possuem amplitudes para esta inclusão. A inclusão

social da população de rua precisa ganhar reforço dos diferentes setores do

Poder Público juntamente com a sociedade civil, ampliando as ações efetivas

de prevenção e resgate social desses cidadãos conforme é citado na PNISPSR

(1997). Assim é preciso relembrar que o morador de rua também possui

direitos assegurados constitucionalmente e que é necessário sair apenas do

âmbito de assistência social para a responsabilidade de interdisciplinaridade e

reestruturação dessas pessoas.

5.1 Papel do Psicólogo Social

A importância dos psicólogos está sendo cada vez mais ressaltada nas

políticas públicas. Como afirma o Ministério do Desenvolvimento Social e

20
Combate à Fome, 2009, em 2005 foi consolidada a participação de psicólogos

no corpo técnico da equipe dos Centros de Referência da Assistência Social –

CRAS, dessa forma evidenciando um trabalho social que trás grandes

transformações na forma de atuação. Para Corgozinho e Silva (2011): “a

inserção do psicólogo na atenção primária, como no CRAS, é um importante

ponto de partida para o desenvolvimento das comunidades de rua, pois é

através do bem-estar desses sujeitos e dos grupos sociais que se pode

construir a autonomia destes, proporcionando sua inserção na sociedade de

forma digna.” Corgozinho e Silva (2011) afirma que “a Psicologia Social

Comunitária vem estudar os processos e as propriedades do psiquismo

decorrentes da vida em comunidade.” Sua aplicação visa entender e auxiliar no

desenvolvimento da consciência das pessoas como sujeitos históricos. Seu

objeto de estudo é o reflexo psíquico da vida comunitária, a imagem ativa das

relações da comunidade no psiquismo e o aprofundamento da consciência.

Para Corgozinho e Silva (2011), a "psicologia social comunitária",

compreende o homem como um ser sócio-histórico e ao mesmo tempo em

contínua construção de concepções a seu próprio respeito, dos outros e do

contexto social em que está inserido. Dentro desse contexto, Corgozinho e

Silva (2011) afirma ainda que a intervenção do Psicólogo Social é

caracterizada atualmente por ideologias, assinalada por ideais filantrópicos,

curiosidade científica e um compromisso real com a transformação social e a

busca de mudanças das condições vividas por essa população. Com isso

percebemos a importância do psicólogo e do trabalho social com pessoas em

situação de rua, sendo um trabalho construído aos poucos e que precisa

compreender o homem em sua totalidade biopsicossocial, além de abrir espaço

21
para se pensar também, em uma ampliação desse trabalho junto á outros

profissionais de saúde.

6. Considerações Finais

Durante a realização do trabalho, encontrei grandes dificuldades na

quebra da estigmatização e do preconceito para com pessoas em situação de

rua. Sem dúvida, que o grande facilitador de todo o transcurso do trabalho

foram as orientações que pude conseguir.

Essa pesquisa propôs, como objetivo geral, compreender o que são e

quem são pessoas em situação de rua. Para isso foi apresentado

primeiramente quais são as causas históricas da desigualdade social. Em

seguida, identificou-se quais são os principais motivos que os levaram para a

situação de rua e quais os processos psicológicos que mais os afetam.

É interessante ressaltar que, com a pesquisa, percebe-se como é a visão

da sociedade sobre essas pessoas. O que mais chamou a atenção foi a visão

das pessoas em situação de rua para com a sociedade. Se de um lado a

sociedade vê essas pessoas como marginais e atormentadores, de outro, as

pessoas em situação de rua tem medo da sociedade pois, em geral, são

vítimas de agressões, assaltos e estupro.

Foi de destaque o estudo de uma relação entre algumas políticas

públicas que auxiliam as pessoas em situação de rua. A maioria delas são

compensatórias, assistencialistas e raramente visam um projeto de inclusão

social. Nesse aspecto percebe-se a importância do psicólogo para o

desenvolvimento de um trabalho com essas pessoas em situação de rua.


22
Por fim, é imprescindível ressaltar como a pesquisa e todo o seu

desenvolvimento, agregaram à minha vida acadêmica. Estudando as minorias,

os grupos marginalizados que são as pessoas em situação de rua, ampliando

significativamente o campo de visão para com assuntos relacionados,

percebendo ao longo do desenvolvimento os preconceitos já incorporados pela

sociedade e que cotidianamente é aplicado por cada um, até por fazer parte de

todo um pensamento coletivo e tal conhecimento pode proporcionar hoje

diversas potenciais intervenções quando se depara com situações do tipo, e

tais fenômenos precisam ser compreendidos para um melhor desenvolvimento

de nossa profissão. No aspecto biopsicossocial, entende-se que o homem

necessita de uma compreensão que o abrange em suas relações sociais e

subjetivas, sendo de suma importância um olhar sobre os diversos aspectos de

processo saúde-doença, para que se consiga trabalhar de maneira qualitativa

suas singularidades, compreendendo de fato, as consequências que afetam a

vida de uma pessoa em situação de rua.

Referências:

AGUIAR, M.; IRIART, J. Significados e práticas de saúde e doença entre a população em situação de rua
em Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2012, vol.28, n.1, p. 115-124.
Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 311X2012000100012&script=sci_arttext >
Acesso em: 15 jun. 2015.

ALEXANDRE, R.; DRUMOND, C.; GARCIA, F.; NAPOLI, L. Terceiro Censo de População em Situação de
Rua e Migrantes de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 2014. Disponível em: < www.pbh.gov.br > Acesso
em: 20 mar. 2015.

BOTTI, N. et al. Prevalência de depressão entre homens adultos em situação de rua em Belo Horizonte.
Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, vol.59, n.1, p. 10-16, 2010.Disponível em: <
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0047- 20852010000100002&script=sci_arttext > Acesso em: 31
maio 2015.

23
Conselho Nacional de Saúde. Lei 8.080 de 19/09/1990. Disponível em: <
http://conselho.saude.gov.br/legislacao/lei8080_190990.htm > Acesso em: 15 jun. 2015.

COSTA, A. População em situação de rua: contextualização e caracterização. Revista Virtual Textos &
Contextos, v. 4, n. 1, dez. 2005. Disponível em: <
http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/fass/article/view/993/773 > Acesso em: 10 abr. 2015.

COSTA, C. Pobreza e exclusão. In:______ Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 3a ed. São
Paulo: Moderna, 2005, p 247.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. 2a ed., Porto Alegre:


Artmed, 2008.

Departamento de Psicobiologia UNIFESP/EPM. Disponível em: <


http://www2.unifesp.br/dpsicobio/drogas/alcool.htm > Acesso em: 3 jun. 2015.

DIAS, R. Introdução à Sociologia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

ENGEL, A. Moradores em situação de rua – uma leitura segundo a psicologia corporal. Curitiba, 2010, p.
11-12. Disponível em: <
http://www.centroreichiano.com.br/artigos/Monografias/ENGEL,%20Alberto.%20Moradores
%20em%20Situacao%20de%20Rua.pdf > Acesso em: 22 abr. 2015.

GUIDDENS, A. Sociologia. 4a ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

HECKERT, U.; SILVA, J. Psicoses esquizofrênicas entre a população de rua. Revista Psiquiatria Clínica.
USP, São Paulo, v. 29, n. 1. Disponível em: < http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol29/n1/14.html >
Acesso em: 10 jun. 2015.

MATTOS, R.; FERREIRA, R.Quem vocês pensam que (elas) são? - Representações sobre as pessoas
em situação de rua. Psicologia e Sociedade. Porto Alegre, 2004, vol.16, n.2, p. 47-58. Disponível em: <
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 71822004000200007 > Acesso em: 10 abr.
2015.

MENDONÇA, G. Sentidos subjetivos de moradores de rua frente ao futuro. Campinas, 2006. Disponível
em: < http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_arquivos/6/TDE- 2007-03-09T054634Z-
1277/Publico/GABRIEL%20COELHO%20MENDONCA.pdf > Acesso em: 29 abr. 2015.

Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome. Lei n 11.258/05, de 30 dez. 2005. Disponível em:
http://www.mds.gov.br/acesso-a- informacao/legislacao/mds/leis/2005/Lei,P20no,P2011.258-
,P20de,P2030,P20de,P20dezembro,P20de,P202005.pdf.pagespeed.ce.jDZ4yd9KGO.pdf> Acesso em: 14
maio.2015.

Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome. Política Nacional Para Inclusão Social da População
em Situação de Rua, Brasília, 2008. Disponível em: <
http://www.recife.pe.gov.br/noticias/arquivos/2297.pdf > Acesso em: 16 maio. 2015.

MIRANDA, F. et al. O impacto negativo dos transtornos do uso e abuso do álcool na convivência familiar.
Revista Eletrônica de Enfermagem. Goiânia, 2006. Disponível em: <
https://www.fen.ufg.br/fen_revista/revista8_2/v8n2a07.htm > Acesso em: 3 jun. 2015.

OLIVEIRA, D. Desaparecidos civis: conflitos familiares, institucionais e segurança pública. Brasília, 2007,
p. 263. Disponível em: < http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_arquivos/52/TDE-2007-12-
18T131037Z- 2112/Publico/Tese_Dijaci%20David%20de%20Oliveira.pdf > Acesso em: 12 jun. 2015.

PAIXÃO, A. Sociologia Geral. 1a ed. Curitiba: InterSaberes, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 abr.
2015.

24
PIRES, M. Políticas Públicas e Psicologia – Uma Nova Relação sob o Paradigma Democrático.
Perspectivas em Políticas Públicas, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 133-156, jan- jun 2008. Disponível em: <
http://revistappp.uemg.br/pdf/artigo6ppp1.pdf > Acesso em: 17 mar. 2015.

ROSA, A.; CAVICCHIOLI, M.; BRÊTAS, A. O processo saúde-doença-cuidado e a população em situação


de rua. Revista Latino-americana de Enfermagem, jul-ago., 2005, p. 576-582. Disponível em: <
www.scielo.br/pdf/rlae/v13n4/v13n4a17 > Acesso em: 12 abr. 2015.

SILVA, J.; CORGOZINHO, J.Atuação do psicólogo, SUAS/CRAS e Psicologia Social Comunitária:


possíveis articulações. Psicologia e Sociedade. Florianópolis, v.23, p. 12-21, 2011. Disponível em: <
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 71822011000400003> Acesso em: 19
maio. 2015.

SOUZA, L. Apresentação. In: ROSA, C. População de rua: Brasil e Canadá. São Paulo: Hucitec, 1995

25